Formação Coempreendedora um novo caminho
para a transformação social
Karine	
  Pinheiro	
  de	
  Souza	
  
Phd	
  M...
?
Quem	
  sou	
  eu	
  nessa	
  Sociedade	
  em	
  
Rede?	
  
9	
  
Fases	
  da	
  Evolução	
  da	
  Web	
  
10	
  
Em	
  60	
  segundos,	
  o	
  que	
  acontece?	
  	
  
11	
  
A	
  tecnologia	
  está	
  a	
  serviço	
  de	
  
quem	
  ??	
  
The	
  ImitaFon	
  Game	
  -­‐	
  hIps://www.youtube.com/...
Ser	
  que	
  empreende!	
  
Salvador	
  Dali	
  	
   13	
  
Indivíduo	
   executor	
   de	
   uma	
   ação	
   capaz	
   de	
  
produzir	
   uma	
   ruptura	
   com	
   aquilo	
   qu...
Alguns	
  Exemplos	
  	
  
•  Imanente	
  –	
  estado	
  próprio	
  do	
  homem	
  
•  Transcendente	
  –	
  maneira	
  de...
Escolas	
  e	
  Abordagens	
  	
  
•  Economistas	
  (	
  Schumpeter,	
  1942)	
  
	
  
	
  
	
  
	
  	
  
16	
  
Escolas	
  e	
  Abordagens	
  	
  
Necessidade	
  de	
  :	
  Realização,	
  Poder,	
  
Afiliação,	
  Autonomia,	
  
Indepen...
Escolas	
  e	
  Abordagens	
  	
  
	
  
Sociológos	
  
	
  
Avaliam	
  a	
  influência	
  do	
  meio	
  na	
  
ação	
  do	
...
É	
  possível	
  empreender	
  com	
  as	
  TIC?	
  
19	
  
Narciso	
  Moreira	
  (	
  Diretor	
  Betwein)	
  	
  
Coempreender	
  
A	
  ação	
  
empreendedora	
  
que	
  pode	
  se	
  
desenvolver	
  de	
  
forma	
  criaFva,	
  
inovado...
SONHE!	
  
•  Emoção	
  	
  
•  Desejos	
  	
  
•  Sonhos	
  	
  
•  Valores	
  
•  Ousadia	
  	
  
•  Construir	
  a	
  p...
É	
  possível	
  quebrar	
  paradigmas	
  ?	
  
23	
  
 Quais	
  os	
  Modelos	
  ?	
  
AFvismo	
  na	
  Web,	
  campanha	
  do	
  obama,	
  	
   24	
  
Onde	
  encontrar	
  formação?	
  
hIp://www.scoop.it/t/entrepreneuship-­‐digital	
   25	
  
Quais	
  os	
  desafios	
  ?	
  
26	
  
•  Plataformas	
  sociais.	
  
•  InvesFgação	
  mulFdisciplinar	
  sobre	
  plataf...
27	
  
Modelos	
  de	
  Formação	
  ?	
  
 
	
  
Como	
  mobilizar	
  competências	
  
empreendedoras	
  em	
  Rede.	
  	
  	
  	
  
28	
  
 
As	
  tecnologias	
  e	
  novas	
  perspecFvas	
  
educacionais	
  empreendedoras	
  
	
  	
  	
  
	
  
29	
  
Competências	
  para	
  Coempreender	
  
Não	
   há	
   amanhã	
   sem	
   projeto,	
   sem	
   sonho,	
   sem	
  
utopia,	
   sem	
   esperança,	
   sem	
   o	
  ...
References	
  •  Abreu,	
  N.,	
  Baldanza,	
  R.	
  &	
  Gondim,	
  S	
  	
  (2009).	
  Os	
  Grupos	
  focais	
  on-­‐li...
Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social
Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social
Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social
Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social
Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social
Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social

454 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
454
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social

  1. 1.     Formação Coempreendedora um novo caminho para a transformação social Karine  Pinheiro  de  Souza   Phd  Minho  University     Open  University  -­‐  UK     1  
  2. 2. ?
  3. 3. Quem  sou  eu  nessa  Sociedade  em   Rede?   9  
  4. 4. Fases  da  Evolução  da  Web   10  
  5. 5. Em  60  segundos,  o  que  acontece?     11  
  6. 6. A  tecnologia  está  a  serviço  de   quem  ??   The  ImitaFon  Game  -­‐  hIps://www.youtube.com/watch? v=MLFNgtyFK98   12  
  7. 7. Ser  que  empreende!   Salvador  Dali     13  
  8. 8. Indivíduo   executor   de   uma   ação   capaz   de   produzir   uma   ruptura   com   aquilo   que   lhe   proporciona   segurança   e   estabilidade   (a   acomodação,   a   alienação,   a   paixão   etc.).   Produz-­‐se   assim   um   efeito   catárIco   que   gera   nesse  indivíduo  uma  libertação  daquilo  que  lhe  é   estranho   à   sua   essência   e   que,   por   esta   razão,   limita  sua  capacidade  empreendedora.     14   Afinal    quem  é  empreendedor     Boava  &  Macedo,  2006  
  9. 9. Alguns  Exemplos     •  Imanente  –  estado  próprio  do  homem   •  Transcendente  –  maneira  de  pensar  e  agir     •  Tradicional  –  cria  organizações/aFv.  MercanFs   •  Acadêmico  –  pesquisadores,  professores     •  Sócio-­‐cultural  –superação  imperaFva     •  EsporFvo  –  aprimora  técnicas     •  Necessidade  –  fez  para  manter-­‐se  vivo   •  Oportunidade  –  busca  novas  possibilidades     15  
  10. 10. Escolas  e  Abordagens     •  Economistas  (  Schumpeter,  1942)             16  
  11. 11. Escolas  e  Abordagens     Necessidade  de  :  Realização,  Poder,   Afiliação,  Autonomia,   Independência,  Autoconfiança,   Responsabilidade,  uso  da  Imagem,   visão  de  futuro,  tolerância  a   incerteza,  elevado  nível  de  energia.         Psicológos  (  McClelland,  1961)   17  
  12. 12. Escolas  e  Abordagens       Sociológos     Avaliam  a  influência  do  meio  na   ação  do  sujeito.    O  contexto  determina  o   empreendedor.                                                                  (Lima,  2009)   18  
  13. 13. É  possível  empreender  com  as  TIC?   19  
  14. 14. Narciso  Moreira  (  Diretor  Betwein)    
  15. 15. Coempreender   A  ação   empreendedora   que  pode  se   desenvolver  de   forma  criaFva,   inovadora  e  cidadã,   numa  perspecFva   que  envolve  as  TIC  e   práFcas  sociais  em   rede.      Souza,  2014   21  
  16. 16. SONHE!   •  Emoção     •  Desejos     •  Sonhos     •  Valores   •  Ousadia     •  Construir  a  parFr  da  ambiguidade   •  Rebeldia  e  Inconformismo   •  Crença  na  Capacidade  de  Mudar  o  Mundo   22  
  17. 17. É  possível  quebrar  paradigmas  ?   23  
  18. 18.  Quais  os  Modelos  ?   AFvismo  na  Web,  campanha  do  obama,     24  
  19. 19. Onde  encontrar  formação?   hIp://www.scoop.it/t/entrepreneuship-­‐digital   25  
  20. 20. Quais  os  desafios  ?   26   •  Plataformas  sociais.   •  InvesFgação  mulFdisciplinar  sobre  plataformas  de   consciência  coleFva.           •  Paradigmas  de  inovação        parFcipaFva            e  souware  livre.       •  Aplicações  ligadas    a  sustentabilidade,  parFcipação  efeFva  dos  cidadãos.    
  21. 21. 27   Modelos  de  Formação  ?  
  22. 22.     Como  mobilizar  competências   empreendedoras  em  Rede.         28  
  23. 23.   As  tecnologias  e  novas  perspecFvas   educacionais  empreendedoras           29  
  24. 24. Competências  para  Coempreender  
  25. 25. Não   há   amanhã   sem   projeto,   sem   sonho,   sem   utopia,   sem   esperança,   sem   o   trabalho   de   criação   e   desenvolvimento   de   possibilidades   que   viabilizem   a   sua   concreFzação.   O   meu   discurso   em   favor   do   sonho,   da   utopia,   da   liberdade,  da  democracia  é  o  discurso  de  quem   recusa  a  acomodação  e  não  deixa  morrer  em  si   o   gosto   de   ser   gente,   que   o   fatalismo   deteriora(Freire,  2001  p.  86).     Obrigada  !  Vamos  voar  e  sonhar  !     Karine  Pinheiro    ®   Phd  Minho  University     hIp://laIes.cnpq.br/8284202817095095     31  
  26. 26. References  •  Abreu,  N.,  Baldanza,  R.  &  Gondim,  S    (2009).  Os  Grupos  focais  on-­‐line:  das  reflexões  conceituais  à  aplicação  em  ambiente  virtual.  In  Journal  of  InformaIon  Systems  and  Technology  Management  ,   Vol.  6,  No.  1,  2009,  p.  05-­‐24.  Recuperado  em  18  abril  de  2014,  de  hIp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arIext&pid=S1807-­‐17752009000100002&lng=pt&nrm=iso   •      •  Alberta  Government  (2010).  Inspiring  EducaIon.  A  dialogue  with  Albertans.  Recuperado  em  7  fevereiro,  2013,  de   hIp://educaFon.alberta.ca/media/7145083/inspiring%20educaFon%20steering%20commiIee%20report.pdfAlberta  Government  (2010b).  Inspiring  AcIon  on  EducaIon.  Recuperado  em  7   fevereiro,  2013,  de:  hIp://ideas.educaFon.alberta.ca/media/2905/inspiringacFon%20eng.pdf   •  Alberta  EducaFon  (2011).  Framework  for  Student  Learning.  Competencies  for  Engaged  Thinkers  and  Ethical  CiIzens  with  an  Entrepreneurial  Spirit.  Government  of  Alberta.  Recuperado  em  7   fevereiro  2013,  de:  hIp://www.educaFon.alberta.ca/media/6581166/framework.pdf     •  Ausubel,  D.  (2003).  Aquisição  e  retenção  de  conhecimentos:  uma  perspecIva  cogniIva.  Lisboa:  Plátano.   •  Bauman,  Z.  (2001).  Modernidade  líquida.  Rio  de  Janeiro:  Jorge  Zahar.   •  Bardin,  L.  (1995)Análise  de  Conteúdo.  Edições  70.  Lisboa:  Portugal   •  Castells,  M.  (2002).  A  Sociedade  em  Rede.  Lisboa:  Fundação  Calouste  Gulbenkian.   •  Delors,  J.  (coord.)  (1996).  Educação,  um  tesouro  a  descobrir.  Relatório  para  a  Unesco  da  Comissão  Internacional  sobre  a  Educação  para  o  século  XXI.  Porto:  Asa.   •  Dolabela,  F.  (2003).  Pedagogia  Empreendedora.  São  Paulo:  Editora  de  Cultura.   •  EC  -­‐  European  Commission  (2012).  Entrepreneuship  EducaIon  at  School  in  Europe  –  NaIonal  Strategies  Curricula  and  Learning  Outcomes.  Bruxelas.  Recuperado  em  30  de  março  2014,  de:   hIp://eacea.ec.europa.eu/educaFon/eurydice/documents/themaFc_reports/135EN.pdf   •  EC  -­‐  European  Commission  (2009).  Entrepreneurship  in  vocaIonal  educaIon  and  training.  Final  report  of  the  expert  group.  November,  2009.  Recuperado  em  30  de  março  2014  de:     •    hIp://ec.europa.eu/enterprise/policies/sme/files/smes/vocaFonal/entr_voca_en.pdf   •  EC  -­‐  European  Commission  (2008).  Digital  Literacy  -­‐  European  Commission  Working  Paper  and  RecommendaIons  from  Digital  Literacy  High-­‐Level  Expert  Group  (    inclusion  Be  Part  of  It!).  Recuperado   em  20  dezembro  2008,  de:  hIp://ec.europa.eu/InformaFon_society/events/e_inclusion/2008/doc   •  Lévy,  P.  (1998).  A  Inteligência  ColeIva:  por  uma  antroplogia  do  ciberespaço.  São  paulo:  Edições  Loyola.   •  Lévy,  P.  (2000).  Filosofia  Word:  o  mercado,  o  ciberespaço,  a  consciência.  Lisboa:  InsFtuto  Piaget.     •  OCDE  (2005)  The  definiFon  and  SelecFon  of  key  Competencies.  Recuperado  em  30  março  2014  de:  hIp://www.oecd.org/pisa/35070367.pdf   •  OCDE  (2013).    PISA  2015  DRAFT  COLLABORATIVE  PROBLEM  SOLVING  FRAMEWORK.  Recuperado  em  29  março  2013  de:   •    hIp://www.oecd.org/pisa/pisaproducts/Drau%20PISA%202015%20CollaboraFve%20Problem%20Solving%20Framework%20.pdf   •  Okada,  A.,  Serra,  A..,  Ribeiro,  S.,  &  Pinto,  S.  (2013).  Competências-­‐chave  para  coaprender  e  coinvesFgar  na  era  digital.  In  III  Colóquio  Luso-­‐Brasileiro  de  Educação  a  Distância  e  Elearning.  Lisboa:   Rede  de  Pesquisa  Aberta  COLEARN,  pp.  1–33.  Recuperado  em  30  março.  2014  de:  hIp://lead.uab.pt/OCS/index.php/CLB/club/paper/view/316   •  Okada,  A.,  Serra,  A.,  Barros,  D.,  Ribeiro,  S.&  Pinto,  S.  (2014).Competencias-­‐clave  para  coaprender  y  coinvesFgar  en  la  era  digital  en  entrornos  abiertos  y  massivos.  In  A.  Okada  (Ed.),  Recursos   Educacionais  Abertos  &  Redes  Sociais  .  EdUEMA,  pp.  177-­‐204.   •  Perrenoud,  P.  (1995).  Des  savoirs  aux  competences:  de  quoi  parle-­‐t-­‐on  en  parlant  de  competences?  In  in  Pédagogie  collégiale  (Québec),  Vol.  9,  n°  1,  octobre  1995,  pp.  20-­‐24.  Recuperado  em  30   março  2014  de:  hIp://www.unige.ch/fapse/SSE/teachers/perrenoud/php_main/php_1995   •  Selber,  S.  (2004).  MulIliteracies  for  a  Digital  Age.  Carbondale:  Southern  Illinois  University  Press.   •  Senges,  M.,  Brown,  J.  &  Rheingold,  H.  (2008)  Entrepreneurial  learning  in  the  networked  age.  How  new  learning  environments  foster  entrepreneurship  and  innovaFon.  Paradigms  1,  December  2008,   pp.  125-­‐140.  Recuperado  em  22  março    2014,  de:  hIp://www.gencat.cat/diue/doc/doc_52863486_3.pdf   •  Santaella,  L.  (2013).  Comunicação  ubíqua.  Repercussões  na  cultura  e  na  educação.  São  Paulo:  Paulus.   •  Silva,  Bento  &  Ferreira,  Maria  da  Conceição  (2009).  Interacção(ões)  Online  e  categorias  de  análise  sobre  interacções:  um  diálogo  em  construção.  In  Bento  D.  Silva,  Leandro  S.  Almeida,  Alfonso  Barca   &  Manuel  Peralbo  (orgs.).  Actas  do  X  Congresso  Internacional  Galego-­‐Português  de  Psicopedagogia.  Braga:  Universidade  do  Minho,  pp.  5780-­‐5794   •  Souza,  K.  &  Silva,  B.  (2013a).  Desenvolvimento  de  Inovações  Pedagógicas  para  o  Currículo  de  Empreendedorismo  Digital  em  Portugal.  In:  Gomes,  Mª.    et.  al.  (orgs.),  Atas  da  VIII  Conferência   Internacional  de  TIC  na  Educação  -­‐  Challenges  2013,  Aprender  a  qualquer  hora  e  em  qualquer  lugar.  Braga:  Centro  de  Competência  TIC,  pp.  699-­‐714.   •  Souza,  K.  &  Silva,  B.  (2013b).  NaFvos  Digitais:  Atreve-­‐te  a  empreender.  In:  Ferreira,  C.,  Domingos,  A.    &  Spínola,  C.,  Atas  do  I  Colóquio  Cabo-­‐Verdiano  de  Educação,  “Nas  pegadas  das  reformas   educaIvas”.  Praia:  Universidade  de  Cabo  Verde,  pp.  435-­‐447.   •  Tapia,  A.  &  Ferreira,  J.  (2011).  Competências  Empreendedoras.  InsFtuto  do  Emprego  e  Formação  Profissional.  Lisboa  -­‐  Portugal.  Recuperado  em  30  março  2014  de:   hIp://www.tree-­‐insFtute.org/publica/ref%20formacao%20compet%20empreend%20IEFP.pdf   •  UNESCO  (2013).  Currículo  integrado  para  o  Ensino  Médio:  das  normas  à  práFca  transformadora  In.  Marilza  Rega‚eri  e  Jane  M.  Castro  Brasília  (org.).  Recuperado  em  30  março2014  de:   hIp://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-­‐this  office/singleview/news/protoFpos_curriculares_de_ensino_medio_e_ensino_medio_integrado_resumo_execuFvo/        

×