SlideShare uma empresa Scribd logo
Convênio UNIFESP-SEME CEFE - COTP
Equipes principais Modelo de trabalho
Experiência no PAN
Logística do processo de avaliação Contato por parte da confederação Reunião com responsáveis para definição dos aspectos físicos a serem avaliados Reunião interna para definição e pesquisa dos protocolos a serem utilizados Confirmação da bateria de testes a ser aplicado Agendamento das avaliações Entrega de relatórios e laudos e reunião com comissão técnica para estudo do emprego dos resultados
Confederação Brasileira de Tênis
Estudo da modalidade
 
 
Avaliação da velocidade de deslocamento lateral Corrida de curta distância para direita ou esquerda. O atleta sai do meio da linha de fundo da quadra. Ao sinal gestual do avaliador, o atleta deverá correr para a direita (ou esquerda) o mais rápido possível. Neste teste são avaliados o tempo de reação do atleta e a aceleração para a direita e para a esquerda do atleta.
 
Avaliação da velocidade de deslocamento lateral Lado Tempo (s) Direito 1,38 (0,14) Esquerdo 1,39 (0,14) Déficit (%) -1,17 (3,83) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 31.
Avaliação do deslocamento e drill O atleta sai do meio da linha do fundo da quadra, corre para a linha lateral direita, executa um forehand, corre para a linha lateral oposta, executa um backhand e corre em 45º até a linha do saque.  Repete 8 vezes este percurso com intervalos de 15 seg. São medidos os tempos de cada tiro.
 
Avaliação do deslocamento e drill Variável Descrição Sprint máximo (s) 5,50 (0,37) Sprint médio (s) 5,68 (0,35) Sprint mínimo (s) 5,92 (0,37) Drop off (%) 3,53 (1,88) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 31.
Avaliação da potência e capacidade aeróbia Específica (atividade intermitente). Atividade muscular específica de membros superiores, inferiores e de tronco.  Desaceleração, aceleração, mudança de direção e padrão de movimento. Variáveis analisadas: domínios de intensidade de treinamento: estabelecidos com base nas freqüências cardíacas do limiar ventilatório e do PCR.  VO 2 max
 
Avaliação da potência e capacidade aeróbia Variável LAV1 LAV2 Máx VO 2  (ml/kg/min) 37,0 (5,8) 43,1 (5,8) 48,5 (6,3) Perc. do VO 2 máx (%) 76,6 (8,8) 89,0 (6,3) — Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 31.
Dados adicionais Avaliação isocinética Flexibilidade Composição corporal Entrega dos relatórios
Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos
Estudo da modalidade
 
Anaeróbio láctico de perna (saltos verticais polo aquático) Para preparação do atleta são marcadas linhas verticais a partir do processo xifóide com distância de 4 cm entre cada, O atleta deve executar 30 saltos o mais rapidamente possível, Após o término dos saltos são feitas coletas de sangue nos instantes 0, 3, 5, 8 e 12 min.
Anaeróbio láctico de perna (saltos verticais polo aquático) Variável Descrição 1º salto (cm) 41,3 (5,7) 15º salto (cm) 32,0 (6,9) 30º salto (cm) 24,0 (8,6) Fadiga entre 1º e 30º salto (%) 42,8 (18,0) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 22.
Limiar anaeróbio de perna (sustentação de peso) Após aquecimento é colocado um lastro de 2kg na cintura do atleta e, a cada novo estágio são acrescentados mais 2kg até à exaustão, Os estágios têm duração de 3 min, seguidos de intervalos de 30s para coleta de lactato Ao término do protocolo são coletados os gases expirados para determinação do consumo máximo de oxigênio
Limiar anaeróbio de perna (sustentação de peso) Variável Descrição Lactato no limiar (mmol/l) 2,1 (0,8) Carga do limiar (kg) 5,8 (1,3) VO 2 pico (ml/kg/min) 41,0 (8,7) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 22.
Limiar anaeróbio - Teste de 5  × 200m Após aquecimento, o atleta realiza cinco sprints de 200m em velocidades crescentes, Cada estágio (sprint) têm duração de cinco minutos, Ao término do sprint são coletados os gases espirados, bem como se faz a coleta de sangue para determinação da concentração de lactato.
Limiar anaeróbio - Teste de 5  × 200m
Limiar anaeróbio - Teste de 5  × 200m Variável Descrição Lactato no limiar (mmol/l) 2,54 (0,94) Velocidade no limiar (m/s) 1,27 (0,09) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 22.
Coletas de lactato
Confederação Brasileira de Handebol
Estudo da modalidade
Bangsbo 10m 10m 5m 5m Após aquecimento o atleta deverá executar sete sprints o mais rapidamente possível, Entre cada sprint são dados 25 segundos de intervalo
Bangsbo Variável Descrição Sprint máximo (km/h) 6,9 (0,3) Sprint médio (km/h) 7,3 (0,3) Drop off (%) 5,8 (2,6) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 20.
Probst modificado Após o aquecimento o atleta executa quatro voltas no circuito, seguindo o ritmo determinado pelo metrônomo, Cada estágio tem uma metragem fixa de 280m, O ritmo é aumentado em um batimento por minuto até a exaustão, Entre cada estágio são dados 30s de intervalo para coleta de sangue.
Probst modificado 4,9m 7m 10m
Probst modificado Variável Descrição FC no limiar (bpm) 173,4 (9,1) Velocidade no limiar (km/h) 10,5 (0,5) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 20.
Dados adicionais Avaliação isocinética Impulsão vertical Composição corporal Entrega dos relatórios
Objetivos de pesquisa Projeto FINEP
Treinamento hipóxico intermitente Objetivos: Verificar os efeitos da exposição noturna intermitente à hipóxia sobre a duração das adaptações fisiológicas ao THI; Estabelecer um protocolo para a identificação dos atletas mais sensíveis aos efeitos adversos da exposição ao estímulo hipóxico; Verificar as diferenças pertinintes à responsividade dos atletas ao THIde recuperação; Estabelecer e disponibilizar aos atletas atendidos pela Rede CENESP um protocolo de THI.
Força de rotadores de ombro no atleta de handebol No presente projeto, propomos avaliar a relação de “equilíbrio muscular funcional” (REexc / RIconc) de atletas de handebol de alto nível competitivo e verificar se um esforço muscular exaustivo, similar a exigência de um  jogo (estabelecido com base nos scoults dos cinco últimos jogos do atleta), pode alterar esta relação aumentando o risco de lesões articulares.  Avaliar a eficiência de um dos fundamentos do handebol (arremesso), antes e após a realização de um esforço exaustivo, estabelecido com base nos scoults dos cinco últimos jogos do atleta). Estudar a relação entre as possíveis alterações do equilíbrio muscular e o desempenho da ação motora (arremesso). Avaliar a relação de “equilíbrio muscular funcional” nos jogadores das diferentes categorias, do mirim ao adulto e níveis competitivos.
Testes ergoespirométricos de campo e laboratoriais Comparar os valores de  VO 2 max obtidos em laboratório e em campo; Comparar os limiares ventilatórios 1 e 2 obtidos em laboratório e em campo; Comparar a economia de corrida em laboratório e em campo; Comparar o limiar de lactato obtidos em laboratório e em campo; Comparar os valores de máximo lactato de fase estável obtidos em laboratório e em campo; Comparar os valores de potência crítica obtidos em laboratório e em campo; Estabelecer um protocolo de ergoespirometria em campo para a Rede CENESP
Hipoxemia arterial induzida por exercício Verificar a influência do bicarbonato e dos agentes antioxidantes sobre o VO 2 max (ml/kg/min; vVO 2 max), LAV1 e LAV2 (% do VO 2 max, vLAV1 e vLAV2) e tempo limite para vVO 2 max e vLAV2. Estabelecer um protocolo de detecção da HIE e suas repercussões sobre o desempenho para ser disponibilizado como serviço do CENESP-UNIFESP aos atletas de alto rendimento.
Categorias de base Detecção de talentos
O que sabemos Atletismo A1 Iniciação A2 Pré-mirim, mirim, menores e juvenil 9 A3 Pré-mirim, mirim, menores e juvenil 17 A4 Pré-mirim, mirim, menores e juvenil 18 A5 A6 Juvenil 2 Basquete B1 Mirim 15 B2 Pré-mini 28 B3 Mini 17 Boxe X1 Infantil, cadete, juvenil 6 X2 Infantil, cadete, juvenil 7 X3 Infantil, cadete, juvenil 8 X4 Infantil, cadete, juvenil 23 Futebol T1 Sub 15 14 T2 Sub 17 13 T3 Sub 20 17 Futsal F1 Sub 13, Sub 15, Sub 17 26 F2 Sub 17 27 F3 Sub 13, Sub 15 23 Ginástica G1 Pré-infantil B 7 G2 Pré-infantil A 7 G3 Infantil 2 G4 Juvenil 5 G5 Adulto 6 G6 Escolinha 1 G7 Juvenil 11
O que sabemos Handebol H1 Cadete 12 H2 Pré-mirim 8 H3 Infantil 17 H5 Mirim 11 H6 Juvenil 12 Luta L1 Todas (treinamento) 18 L2 Todas (iniciação) 2 L3 Todas (iniciação) 15 L4 Todas (iniciação) 7 L5 Todas (treinamento) 1 Vôlei V5 Mirim 15 V6 Pré-mirim 11 V7 Infantil 14 V8 Infanto 13 Judô J1 Todas (treinamento) 23 J2 Todas (treinamento) 23 J3 Todas (iniciação) 13 J4 Todas (iniciação) 22 J5 Todas (treinamento) 32 Natação N1 Todas (pré-treinamento) 1 N2 Todas (pré-treinamento) 6 N3 Todas (treinamento I, II e III) 4 N4 Todas (treinamento I) 15 N5 Todas (treinamento II) 4 N6 Todas (treinamento III) 6
O que está sendo feito? Necessidades detectadas Plano de ação
Plano de ação Reuniões individuais com cada modalidade Estabelecimento das necessidades de informação Elaboração da bateria de avaliação e detecção Cronograma de atividades Processo de acompanhamento
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corrida
Danielly Santos
 
Testes anaerobios
Testes anaerobiosTestes anaerobios
Testes anaerobios
washington carlos vieira
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades Físicas
Rodrigo Saffi Mello
 
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vidaAtividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
washington carlos vieira
 
Avaliação vo2
Avaliação vo2Avaliação vo2
Avaliação vo2
washington carlos vieira
 
Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular  Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular
Fernando Valentim
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
Biker Minas
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscular
Claudio Pereira
 
Respiração na Corrida: Como melhorar a performance
Respiração na Corrida: Como melhorar a performanceRespiração na Corrida: Como melhorar a performance
Respiração na Corrida: Como melhorar a performance
TotalFit Suplementos
 
Preparação orgânica metodos continuos
Preparação orgânica   metodos continuosPreparação orgânica   metodos continuos
Preparação orgânica metodos continuos
washington carlos vieira
 
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Paulo Costa Amaral
 
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobioBases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
washington carlos vieira
 
Metodologia da musculação teste de força
Metodologia da musculação   teste de forçaMetodologia da musculação   teste de força
Metodologia da musculação teste de força
washington carlos vieira
 
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Gilmar Roberto Batista
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
washington carlos vieira
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodização
EquipePrecision
 
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Álvaro Barbosa de Paula
 
Bases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamentoBases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamento
washington carlos vieira
 
Tese
TeseTese

Mais procurados (19)

A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corrida
 
Testes anaerobios
Testes anaerobiosTestes anaerobios
Testes anaerobios
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades Físicas
 
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vidaAtividade fisica, saude e qualidade de vida
Atividade fisica, saude e qualidade de vida
 
Avaliação vo2
Avaliação vo2Avaliação vo2
Avaliação vo2
 
Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular  Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular
 
Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscular
 
Respiração na Corrida: Como melhorar a performance
Respiração na Corrida: Como melhorar a performanceRespiração na Corrida: Como melhorar a performance
Respiração na Corrida: Como melhorar a performance
 
Preparação orgânica metodos continuos
Preparação orgânica   metodos continuosPreparação orgânica   metodos continuos
Preparação orgânica metodos continuos
 
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
 
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobioBases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
 
Metodologia da musculação teste de força
Metodologia da musculação   teste de forçaMetodologia da musculação   teste de força
Metodologia da musculação teste de força
 
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodização
 
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.
 
Bases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamentoBases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamento
 
Tese
TeseTese
Tese
 

Destaque

Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
Reniton Oliveira Santos
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
Miguel Loureiro
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
José Marques
 
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolistaAlfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Paulo Sousa
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
Jose Augusto Leal
 
Avaliação Neuromuscular
Avaliação NeuromuscularAvaliação Neuromuscular
Avaliação Neuromuscular
Amarildo César
 
Aptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vidaAptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vida
Reniton Oliveira Santos
 
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
Edivaldo Santos Lima
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Evelyn Feitosa
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
pstec25
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
Washington Vieira
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
Sandra Cristina Ramos
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Fernando Farias
 
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular   alimentos e suplementosHipertrofia muscular   alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
Aricia Motta Arantes Lustosa
 
Organograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolOrganograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebol
Rodrigo Saffi Mello
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Fernando Valentim
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer
 
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
Adriano Vretaros
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Aline Villa Nova Bacurau
 
O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)
Alexsandro Ribeiro
 

Destaque (20)

Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
 
O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
 
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolistaAlfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolista
 
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
A especificidade na aplicação do treino para futebolistas a quebra de paradig...
 
Avaliação Neuromuscular
Avaliação NeuromuscularAvaliação Neuromuscular
Avaliação Neuromuscular
 
Aptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vidaAptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vida
 
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
 
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular   alimentos e suplementosHipertrofia muscular   alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
 
Organograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebolOrganograma do departamento de futebol
Organograma do departamento de futebol
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
 
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
E-book - Futebol: Bases Científicas da Preparação de Força (ISBN: 978-85-9203...
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
 
O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)
 

Semelhante a Métodos de avaliação física

Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
Biker Minas
 
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judoPotencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Keith Sato Urbinati Urbinati
 
Artigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.acelerArtigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.aceler
Rodrigo Monteiro
 
Crioterapia e lactato
Crioterapia e lactatoCrioterapia e lactato
Crioterapia e lactato
Fernando Farias
 
Capacidades Motoras futebol - Artigo.pptx
Capacidades Motoras futebol - Artigo.pptxCapacidades Motoras futebol - Artigo.pptx
Capacidades Motoras futebol - Artigo.pptx
BrunoAlves363606
 
Adaptações metabólicas agudas ao exercício
Adaptações metabólicas agudas ao exercícioAdaptações metabólicas agudas ao exercício
Adaptações metabólicas agudas ao exercício
washington carlos vieira
 
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Braulio Henrique Magnani
 
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Braulio Henrique Magnani
 
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
SISTEMA WALLACE CONSULTORIA LTDA
 
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Fernando Farias
 
A marcha humana no futebol
A marcha humana no futebolA marcha humana no futebol
A marcha humana no futebol
Ricardo Sartorato
 
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdfCOMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
LEONESSANTOS
 
Efecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicioEfecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicio
Juan Yucra
 
Efecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicioEfecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicio
Cerefindjye
 
Rioclarounesp
RioclarounespRioclarounesp
Rioclarounesp
Rodrigo Monteiro
 
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
Muryllo Sirqueira Lopes Dos Santos
 
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Falcão Brasil
 
Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...
Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...
Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...
Fernando Farias
 
Desempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntrica
Desempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntricaDesempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntrica
Desempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntrica
Fernando Farias
 
respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido
respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzidorespostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido
respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido
Fernando Farias
 

Semelhante a Métodos de avaliação física (20)

Col influencia anaerobica
Col influencia anaerobicaCol influencia anaerobica
Col influencia anaerobica
 
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judoPotencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
Potencia aerobia e capacidade anaerobia em atletas de judo
 
Artigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.acelerArtigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.aceler
 
Crioterapia e lactato
Crioterapia e lactatoCrioterapia e lactato
Crioterapia e lactato
 
Capacidades Motoras futebol - Artigo.pptx
Capacidades Motoras futebol - Artigo.pptxCapacidades Motoras futebol - Artigo.pptx
Capacidades Motoras futebol - Artigo.pptx
 
Adaptações metabólicas agudas ao exercício
Adaptações metabólicas agudas ao exercícioAdaptações metabólicas agudas ao exercício
Adaptações metabólicas agudas ao exercício
 
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
 
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
Associação entre perfil morfofuncional, análise técnico tática e percepção su...
 
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
 
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
Influência do nível competitivo e da posição tática sobre parâmetros de desem...
 
A marcha humana no futebol
A marcha humana no futebolA marcha humana no futebol
A marcha humana no futebol
 
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdfCOMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
COMPARACAO_DOS_EFEITOS_DE_QUATRO_SEMANAS.pdf
 
Efecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicioEfecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicio
 
Efecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicioEfecto de la cafeina en el ejercicio
Efecto de la cafeina en el ejercicio
 
Rioclarounesp
RioclarounespRioclarounesp
Rioclarounesp
 
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
 
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
Caderno de Instrução de Treinamento Rústico Operacional - Cross Operacional (...
 
Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...
Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...
Comparação da ativação mioelétrica do glúteo máximo e bíceps femoral entre os...
 
Desempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntrica
Desempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntricaDesempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntrica
Desempenho motor em séries múltiplas até a falha concêntrica
 
respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido
respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzidorespostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido
respostas fisiológicas durante jogos com campo reduzido
 

Mais de Joao P. Dubas

Estudos de sujeito único
Estudos de sujeito únicoEstudos de sujeito único
Estudos de sujeito único
Joao P. Dubas
 
Atualizacao cientifica
Atualizacao cientificaAtualizacao cientifica
Atualizacao cientifica
Joao P. Dubas
 
Conversão do IMC em percentis determinados pelo CDC
Conversão do IMC em percentis determinados pelo CDCConversão do IMC em percentis determinados pelo CDC
Conversão do IMC em percentis determinados pelo CDC
Joao P. Dubas
 
Atualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimentoAtualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimento
Joao P. Dubas
 
Avaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal trainingAvaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal training
Joao P. Dubas
 
Avaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporalAvaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporal
Joao P. Dubas
 
Aula de flexibilidade
Aula de flexibilidadeAula de flexibilidade
Aula de flexibilidade
Joao P. Dubas
 

Mais de Joao P. Dubas (7)

Estudos de sujeito único
Estudos de sujeito únicoEstudos de sujeito único
Estudos de sujeito único
 
Atualizacao cientifica
Atualizacao cientificaAtualizacao cientifica
Atualizacao cientifica
 
Conversão do IMC em percentis determinados pelo CDC
Conversão do IMC em percentis determinados pelo CDCConversão do IMC em percentis determinados pelo CDC
Conversão do IMC em percentis determinados pelo CDC
 
Atualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimentoAtualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimento
 
Avaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal trainingAvaliação física para o personal training
Avaliação física para o personal training
 
Avaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporalAvaliação da composição corporal
Avaliação da composição corporal
 
Aula de flexibilidade
Aula de flexibilidadeAula de flexibilidade
Aula de flexibilidade
 

Último

Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
barbosajucy47
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Divina Vitorino
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 

Último (7)

Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 

Métodos de avaliação física

  • 4. Logística do processo de avaliação Contato por parte da confederação Reunião com responsáveis para definição dos aspectos físicos a serem avaliados Reunião interna para definição e pesquisa dos protocolos a serem utilizados Confirmação da bateria de testes a ser aplicado Agendamento das avaliações Entrega de relatórios e laudos e reunião com comissão técnica para estudo do emprego dos resultados
  • 7.  
  • 8.  
  • 9. Avaliação da velocidade de deslocamento lateral Corrida de curta distância para direita ou esquerda. O atleta sai do meio da linha de fundo da quadra. Ao sinal gestual do avaliador, o atleta deverá correr para a direita (ou esquerda) o mais rápido possível. Neste teste são avaliados o tempo de reação do atleta e a aceleração para a direita e para a esquerda do atleta.
  • 10.  
  • 11. Avaliação da velocidade de deslocamento lateral Lado Tempo (s) Direito 1,38 (0,14) Esquerdo 1,39 (0,14) Déficit (%) -1,17 (3,83) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 31.
  • 12. Avaliação do deslocamento e drill O atleta sai do meio da linha do fundo da quadra, corre para a linha lateral direita, executa um forehand, corre para a linha lateral oposta, executa um backhand e corre em 45º até a linha do saque. Repete 8 vezes este percurso com intervalos de 15 seg. São medidos os tempos de cada tiro.
  • 13.  
  • 14. Avaliação do deslocamento e drill Variável Descrição Sprint máximo (s) 5,50 (0,37) Sprint médio (s) 5,68 (0,35) Sprint mínimo (s) 5,92 (0,37) Drop off (%) 3,53 (1,88) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 31.
  • 15. Avaliação da potência e capacidade aeróbia Específica (atividade intermitente). Atividade muscular específica de membros superiores, inferiores e de tronco. Desaceleração, aceleração, mudança de direção e padrão de movimento. Variáveis analisadas: domínios de intensidade de treinamento: estabelecidos com base nas freqüências cardíacas do limiar ventilatório e do PCR. VO 2 max
  • 16.  
  • 17. Avaliação da potência e capacidade aeróbia Variável LAV1 LAV2 Máx VO 2 (ml/kg/min) 37,0 (5,8) 43,1 (5,8) 48,5 (6,3) Perc. do VO 2 máx (%) 76,6 (8,8) 89,0 (6,3) — Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 31.
  • 18. Dados adicionais Avaliação isocinética Flexibilidade Composição corporal Entrega dos relatórios
  • 19. Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos
  • 21.  
  • 22. Anaeróbio láctico de perna (saltos verticais polo aquático) Para preparação do atleta são marcadas linhas verticais a partir do processo xifóide com distância de 4 cm entre cada, O atleta deve executar 30 saltos o mais rapidamente possível, Após o término dos saltos são feitas coletas de sangue nos instantes 0, 3, 5, 8 e 12 min.
  • 23. Anaeróbio láctico de perna (saltos verticais polo aquático) Variável Descrição 1º salto (cm) 41,3 (5,7) 15º salto (cm) 32,0 (6,9) 30º salto (cm) 24,0 (8,6) Fadiga entre 1º e 30º salto (%) 42,8 (18,0) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 22.
  • 24. Limiar anaeróbio de perna (sustentação de peso) Após aquecimento é colocado um lastro de 2kg na cintura do atleta e, a cada novo estágio são acrescentados mais 2kg até à exaustão, Os estágios têm duração de 3 min, seguidos de intervalos de 30s para coleta de lactato Ao término do protocolo são coletados os gases expirados para determinação do consumo máximo de oxigênio
  • 25. Limiar anaeróbio de perna (sustentação de peso) Variável Descrição Lactato no limiar (mmol/l) 2,1 (0,8) Carga do limiar (kg) 5,8 (1,3) VO 2 pico (ml/kg/min) 41,0 (8,7) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 22.
  • 26. Limiar anaeróbio - Teste de 5 × 200m Após aquecimento, o atleta realiza cinco sprints de 200m em velocidades crescentes, Cada estágio (sprint) têm duração de cinco minutos, Ao término do sprint são coletados os gases espirados, bem como se faz a coleta de sangue para determinação da concentração de lactato.
  • 27. Limiar anaeróbio - Teste de 5 × 200m
  • 28. Limiar anaeróbio - Teste de 5 × 200m Variável Descrição Lactato no limiar (mmol/l) 2,54 (0,94) Velocidade no limiar (m/s) 1,27 (0,09) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 22.
  • 32. Bangsbo 10m 10m 5m 5m Após aquecimento o atleta deverá executar sete sprints o mais rapidamente possível, Entre cada sprint são dados 25 segundos de intervalo
  • 33. Bangsbo Variável Descrição Sprint máximo (km/h) 6,9 (0,3) Sprint médio (km/h) 7,3 (0,3) Drop off (%) 5,8 (2,6) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 20.
  • 34. Probst modificado Após o aquecimento o atleta executa quatro voltas no circuito, seguindo o ritmo determinado pelo metrônomo, Cada estágio tem uma metragem fixa de 280m, O ritmo é aumentado em um batimento por minuto até a exaustão, Entre cada estágio são dados 30s de intervalo para coleta de sangue.
  • 36. Probst modificado Variável Descrição FC no limiar (bpm) 173,4 (9,1) Velocidade no limiar (km/h) 10,5 (0,5) Os dados são apresentados na forma de média (desvio padrão), n = 20.
  • 37. Dados adicionais Avaliação isocinética Impulsão vertical Composição corporal Entrega dos relatórios
  • 38. Objetivos de pesquisa Projeto FINEP
  • 39. Treinamento hipóxico intermitente Objetivos: Verificar os efeitos da exposição noturna intermitente à hipóxia sobre a duração das adaptações fisiológicas ao THI; Estabelecer um protocolo para a identificação dos atletas mais sensíveis aos efeitos adversos da exposição ao estímulo hipóxico; Verificar as diferenças pertinintes à responsividade dos atletas ao THIde recuperação; Estabelecer e disponibilizar aos atletas atendidos pela Rede CENESP um protocolo de THI.
  • 40. Força de rotadores de ombro no atleta de handebol No presente projeto, propomos avaliar a relação de “equilíbrio muscular funcional” (REexc / RIconc) de atletas de handebol de alto nível competitivo e verificar se um esforço muscular exaustivo, similar a exigência de um jogo (estabelecido com base nos scoults dos cinco últimos jogos do atleta), pode alterar esta relação aumentando o risco de lesões articulares. Avaliar a eficiência de um dos fundamentos do handebol (arremesso), antes e após a realização de um esforço exaustivo, estabelecido com base nos scoults dos cinco últimos jogos do atleta). Estudar a relação entre as possíveis alterações do equilíbrio muscular e o desempenho da ação motora (arremesso). Avaliar a relação de “equilíbrio muscular funcional” nos jogadores das diferentes categorias, do mirim ao adulto e níveis competitivos.
  • 41. Testes ergoespirométricos de campo e laboratoriais Comparar os valores de VO 2 max obtidos em laboratório e em campo; Comparar os limiares ventilatórios 1 e 2 obtidos em laboratório e em campo; Comparar a economia de corrida em laboratório e em campo; Comparar o limiar de lactato obtidos em laboratório e em campo; Comparar os valores de máximo lactato de fase estável obtidos em laboratório e em campo; Comparar os valores de potência crítica obtidos em laboratório e em campo; Estabelecer um protocolo de ergoespirometria em campo para a Rede CENESP
  • 42. Hipoxemia arterial induzida por exercício Verificar a influência do bicarbonato e dos agentes antioxidantes sobre o VO 2 max (ml/kg/min; vVO 2 max), LAV1 e LAV2 (% do VO 2 max, vLAV1 e vLAV2) e tempo limite para vVO 2 max e vLAV2. Estabelecer um protocolo de detecção da HIE e suas repercussões sobre o desempenho para ser disponibilizado como serviço do CENESP-UNIFESP aos atletas de alto rendimento.
  • 43. Categorias de base Detecção de talentos
  • 44. O que sabemos Atletismo A1 Iniciação A2 Pré-mirim, mirim, menores e juvenil 9 A3 Pré-mirim, mirim, menores e juvenil 17 A4 Pré-mirim, mirim, menores e juvenil 18 A5 A6 Juvenil 2 Basquete B1 Mirim 15 B2 Pré-mini 28 B3 Mini 17 Boxe X1 Infantil, cadete, juvenil 6 X2 Infantil, cadete, juvenil 7 X3 Infantil, cadete, juvenil 8 X4 Infantil, cadete, juvenil 23 Futebol T1 Sub 15 14 T2 Sub 17 13 T3 Sub 20 17 Futsal F1 Sub 13, Sub 15, Sub 17 26 F2 Sub 17 27 F3 Sub 13, Sub 15 23 Ginástica G1 Pré-infantil B 7 G2 Pré-infantil A 7 G3 Infantil 2 G4 Juvenil 5 G5 Adulto 6 G6 Escolinha 1 G7 Juvenil 11
  • 45. O que sabemos Handebol H1 Cadete 12 H2 Pré-mirim 8 H3 Infantil 17 H5 Mirim 11 H6 Juvenil 12 Luta L1 Todas (treinamento) 18 L2 Todas (iniciação) 2 L3 Todas (iniciação) 15 L4 Todas (iniciação) 7 L5 Todas (treinamento) 1 Vôlei V5 Mirim 15 V6 Pré-mirim 11 V7 Infantil 14 V8 Infanto 13 Judô J1 Todas (treinamento) 23 J2 Todas (treinamento) 23 J3 Todas (iniciação) 13 J4 Todas (iniciação) 22 J5 Todas (treinamento) 32 Natação N1 Todas (pré-treinamento) 1 N2 Todas (pré-treinamento) 6 N3 Todas (treinamento I, II e III) 4 N4 Todas (treinamento I) 15 N5 Todas (treinamento II) 4 N6 Todas (treinamento III) 6
  • 46. O que está sendo feito? Necessidades detectadas Plano de ação
  • 47. Plano de ação Reuniões individuais com cada modalidade Estabelecimento das necessidades de informação Elaboração da bateria de avaliação e detecção Cronograma de atividades Processo de acompanhamento
  • 48.