SlideShare uma empresa Scribd logo
PROF. ESP. ANASTÁCIO NECO
• PREPARAÇÃO FÍSICA – é um componente do sistema de
treinamento, que tem como objetivo propiciar o bom
DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO em um nível
máximo para o desempenho na modalidade esportiva.
• Capacidades Físicas
Resistência;
Força;
Velocidade;
Flexibilidade;
Coordenação
• Essas capacidades por mais que tenham as suas
particularidades, não se desenvolvem ou se aperfeiçoam
separadamente.
• Existem dois níveis de OBJETIVOS para a preparação física:
1) Propiciar o desenvolvimento multilateral geral das
capacidades físicas (criação de uma base);
2) Está relacionado com as exigências máximas das
capacidades, destacando assim a especificidade do gênero
da atividade desportiva.
RESISTÊNCIA FORÇA
VELOCIDADE
FLEXIBILIDADE
COORDENAÇÃO
• Resistência – trabalho PSICOFÍSICO prolongado, mantendo os
parâmetros musculares de dado movimento.
• A fonte direta de energia para a contração muscular é o
Adenosina Trifosfato (ATP);
• A ressíntese de ATP
AERÓBICO (OXIDAÇÃO – GORDURAS)
ANAERÓBICO LÁTICO (GLICOGÊNIO MUSCULAR)
ANAERÓBICO ALÁTICO (FOSFAGÊNIOS)
• ANAERÓBICO ALÁTICO (FOSFAGÊNIO)
- Assegura energia aos músculos em atividade já nos primeiros
segundos;
- Potencial energéticos de EXERCÍCIOS DE CURTA DURAÇÃO (6
a 10 seg.).
• ANAERÓBICO LÁTICO (GLICOGÊNIO MUSCULAR)
- Atinge a potência máxima depois de 30 a 45 seg após o início
do trabalho;
- Potencial energético com duração de 30 seg. até 2 a 5 min
• AERÓBICOS (GORDURAS)
- Atinge a potência máxima em trabalhos prolongados;
- Potencial energético com duração de algumas horas.
• É considerado por muitos estudiosos como fundamental para
várias modalidades desportivas, pois a elevação dos níveis
aeróbios forma a BASE FUNCIONAL para o aperfeiçoamento
de diversos aspectos do desportista.
• Por todas essas considerações, esse tipo de resistência é
também chamada de RESISTÊNCIA GERAL;
• O treinamento dessa resistência deve ser específica para cada
modalidade;
• Manifesta-se de forma DIRETA, nas modalidades CÍCLICAS;
• Nas ACÍCLICAS (coordenação complexa) manifesta-se de
forma indireta.
MANIFESTAÇÃO CÍCLICA
MANIFESTAÇÃO ACÍCLICA
• APLICAÇÃO DO VOLUME – deve ser realizado de forma que
garanta as PREMISSAS FUNCIONAIS para a EFICIÊNCIA do
trabalho;
• ABUSO NO VOLUME DE ORIENTAÇÃO AERÓBIA – pode
provocar mudanças no organismo do atleta que dificultam o
crescimento das capacidades de VELOCIDADE E
COORDENAÇÃO;
• METODOLOGIA – deve apresentar uma combinação
equilibrada dos exercícios nos regimes AERÓBIOS E
ANAERÓBIOS.
• A execução dos exercícios de forma eficiente deve ocorrer no
nível de LIMIAR ANAERÓBICO (lactato 3-4 mMol/L);
• O estado do organismo que corresponde a essa intensidade de
carga, passou-se a se chamar de CRÍTICO OU ESTADO
ESTÁVEL MÁXIMO;
• Nessa intensidade é possível se manter a atividade por um
TEMPO prolongado e o índice dos níveis dos sistemas funcionais
relativamente estáveis (VO2, FC, Ph, etc.).
• OBS: A intensidade e a realização de trabalho no limiar
anaeróbico, é o critério mais informativo da resistência aeróbia
do atleta.
ANÁLISE DE LACTATO
• INICIANTES – durante 15 a 30 min, com intensidade de
exercício de 40 a 50% do VO2 máx;
• ATLETAS DE ALTO RENDIMENTO – durante 1 a 2 horas, com
intensidade 80 a 85% do VO2 máx.
FREQUÊNCIA CARDÍACA (ATLETA)
- Período preparatório – 150 a 160 bpm;
- Período específico – 175 a 185 bpm.
• COOPER, 1977 (teste de 12 minutos): Deverá ser realizado
numa pista de atletismo, ou em local plano, que seja possível
ter o controle exato da distância percorrida (parques, pistas
reduzidas). O indivíduo deverá percorrer em 12 minutos a
maior distância possível, que será anotada em metros.
VO2 MÁXIMO (ML/KG/MIN) = (D – 504,9) / 44,73
PROTOCOLOS ESPAÇOS REDUZIDOS
Teste de Cooper 12 Min – Adaptado para quadra (Osieck,
2002). O espaço utilizado deve ser um retângulo e medir 10m x
20m, e pode ser delimitado por cones. A cada volta são
percorridos 60 metros. A fórmula deve ter a seguinte correção e
depois aplicada na fórmula de Cooper:
• Homens -> DCR = 409,87 + 0,93862 (D)
Mulheres -> DCR = 160,28 + 1,0035 (D)
• DCR = distância corrigida em metros.
• D = número de voltas x 60
VO2 MÁX. = (DCR – 504,1/ 44,9)
TESTE DE 1 MILHA
Proposto por Kline et al (1987), este teste permite estimar o VO2
(ml/Kg/min) de indivíduos com MENOR CONDIÇÃO FÍSICA ou
que apresentam limitações quanto à realização de esforços físicos
mais intensos. Consiste em procurar caminhar, em ritmo individual,
uma distância de 1600 metros, controlando a frequência
cardíaca ao final do teste, assim como o tempo despendido para
realizar o percurso.
VO2 máx = 132,853 – (0,0769 x PT/0,454) – IDADE (0,3877) –
TEMPO (3,2649) – FC (0,1565)
HOMENS: adicionar 6,315
PT=peso total
FC=frequência cardíaca
FCMÁXIMA = 220 – idade (KARNORVEN E COLS., 1957);
Frequência Cardíaca Máxima: indivíduos destreinados (Sheffield
e col, 1965):
FCMÁX = 205 – (0,42 X IDADE)
• Frequência Cardíaca Máxima: indivíduos treinados (Sheffield e
col, 1965) :
FCMÁX = 198 – (0,42 X IDADE)
FCTREINO = (FCMAX – FCREP) X %FCT + FCREP
• Exemplo, indivíduo com FCmax de 145 bpm e FCrep de 75
bpm que deseja fazer reabilitação (zona 01 da tabela acima)
:
• = ( 145 – 75 ) x 40% + 75 = 103 bpm (limite inferior)
= ( 145 – 75 ) x 60% + 75 = 117 bpm (limite superior)
• 50 % a 60 % FC Max – Atividades Moderadas
• 60 % a 70% FC Max – Controle do Peso
• 70% a 80% FC Max – Aeróbio
• 80% a 90% FC Max – Liminar Anaeróbio
• 90% a 100 FC Max – Esforço Máximo
• Os exercícios realizados com intensidade inferior a 70% do
nível do limiar anaeróbico e com duração de 1h a 1,5h,
embora úteis como atividade recreativa, não garantem um bom
EFEITO DE TREINAMENTO (cargas de recuperação do atleta).
• OS EXERCÍCIOS AERÓBIOS DE LONGA DURAÇÃO
- Economia no aproveitamento energético;
- Elevação das possibilidades do organismo em utilizar as
GORDURAS como fonte de energia.
• É necessário a realização de exercícios prolongados (algumas
horas) com intensidade não superior ao LIMIAR ANAERÓBICO
(3-4 mMol/L);
• O trabalho com uma intensidade que produza lactato no
sangue, BLOQUEIA o metabolismo da gordura;
• Não se deve limitar exclusivamente a aplicação do método
continuo;
• É importante a aplicação de métodos contínuos variáveis e os
métodos intervalados construídos com base nos EXERCÍCIOS DO
REGIME MISTO (AERÓBIOS/ANAERÓBIOS).
• Oferece melhores possibilidades na criação de INFLUÊNCIAS
de treinamento que visam ao aumento das possibilidades de o
atleta trabalhar no nível do VO2 máx;
• Sabe-se que um dos principais influenciadores do VO2, são as
capacidades FUNCIONAIS DO SISTEMA CARDIOVASCULAR
(DÉBITO CARDÍACO);
• APLICAÇÃO DE CARGAS AERÓBIAS
- Ocorre a DILATAÇÃO DO CORAÇÃO, mas não garante a ALTA
FORÇA da contração do miocárdio.
• APLICAÇÃO DE CARGAS ANAERÓBIAS
- Ocorre a HIPERTROFIA SUBSTANCIAL das paredes do coração,
mas exerce influência substancial no VOLUME DE EJEÇÃO.
CORAÇÃO DILATADO
CORAÇÃO HIPERTROFIADO
• Preparação de ciclistas para a corrida de 100 km
- 4 x 25 km/ intervalo com corrida lenta de 10 min;
Obs: Cada um dos percursos é superado com velocidade
competitiva.
- 2 x 50 km/ com diminuição do intervalo de descanso.
• A concentração de LACTATO é o principal fator limitante na
execução dos exercícios de caráter anaeróbio glicolítico;
• A concentração do LACTATO leva a diminuição das propriedades
dos músculos e exerce influência sobre outros sistemas;
• As pessoas não TREINADAS apresentam ESTADO DE FADIGA,
quando a CONCENTRAÇÃO DE LACTATO no sangue está
próxima do nível máximo para o estado de treinamento (10-12
mMol/L).
• Para atletas este LIMITE pode superar os 30mMol/L.
• O ritmo de execução do exercício na prática, determina a
quantidade e a grandeza do ACÚMULO DE LACTATO.
• Ao prescrever o TEMPO DE DURAÇÃO DO EXERCÍCIO de
treino, deve-se considerar que a POTÊNCIA MÁXIMA do
mecanismo ANAERÓBICO-GLICOLÍTICO atinge valores
máximos, nunca antes do 30-45 seg.
• O trabalho deve perdurar nesse nível de INTENSIDADE durante
2 a 3 min.
• Pode-se utilizar as variantes do métodos intervalados e
contínuos;
MÉTODO INTERVALADO
- Aplicam-se com mais FREQUÊNCIA os exercícios com a duração
da FASE INTENSIVA de 30 seg até 3 min.
UTILIZAÇÃO DO MÉTODO INTERVALADO E OS PARÂMETROS DE CARGAS
Duração da
fase
intensiva
Nº de fases
intensivas
Intervalo de
descanso entre
fases intensivas
na série (Min)
Intervalo de
descanso
entre séries
(min)
Nº de
séries na
sessão
Nº total de
fases intensivas
na sessão
3 1 - 8-12 - 6-8
2 2-3 2-3 10-12 2-6 10-15
1 3-6 3-6 10-15 3-8 20-30
0,5 4-8 4-8 10-15 4-10 30-40
IDADE/AVALI
AÇÃO
15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69
RUIM <32 <28 <21 <16 <12 <6
ABAIXO DA
MÉDIA
33-37 29-32 22-26 17-21 13-17 7-11
MÉDIA 38-41 33-36 27-30 22-25 18-21 12-16
ACIMA DA
MÉDIA
42-47 37-42 31-35 26-30 22-25 17-22
EXCELENTE >48 >43 >36 >31 >26 >23
ABDOMINAL PARA HOMENS
(POLLOCK, 1993)
IDADE/AVALIAÇÃ
O
15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69
RUIM <26 <20 <14 <6 <2 <1
ABAIXO DA
MÉDIA
27-31 21-24 15-19 7-14 3-4 2-3
MÉDIA 32-35 25-30 20-23 15-19 5-11 4-11
ACIMA DA MÉDIA 36-44 31-35 24-28 20-24 12-18 12-15
EXCELENTE >45 >36 >29 >25 >19 >16
ADOMINAL PARA MULHERES
(POLLOCK, 1993)
• As reservas ATP-PC nos músculos não são grandes, e já se
degradam nos primeiros segundos após o início do trabalho de
alta intensidade.
• A rápida diminuição do teor de CP nos músculos em atividade
é observada com cargas superiores a 75% do VO2máx.
• O objetivo desse tipo de treinamento é esgotar as reservas de
CP nos músculos em atividade para estimular sua
supercompensação posterior.
• Levando em consideração a velocidade de consumo das
reservas da CP, a duração de um exercício representa 10 a 15
seg.
• Os intervalos de recuperação não devem ser menores do que 2
a 3 min.
• Convém realizar treinamento com 2 a 3 séries e 3 a 6
repetições em cada série, prevendo-se o intervalo de 5 a 8 min
para o descanso.
• O esgotamento das reservas de CP nos músculos em atividade
manifesta-se na REDUÇÃO substancial da potência máxima do
trabalho (diminuição da velocidade de corrida).
• Geralmente consegue-se o REFERIDO ESTADO já com 8 a 12
repetições do exercício da intensidade de 95 a 100%.
• Caso o número de repetições seja aumentado, as influências de
treino irão adquirir, passo a passo, a orientação aneróbico-
glicolítica e aeróbia.
• CORRIDA DE 45,7 (KISS, 1987)
• 1º passo: providencie o equipamento que será necessário para
a realização do teste. Neste caso, um cronômetro e um apito
devem ser providenciados.
• 2º passo: ao sinal do professor, por meio do apito, o atleta
inicia a corrida e completa os 45,7 metros continuamente no
menor tempo possível. Registra-se então o tempo que o atleta
levou para correr todo o percurso. Os resultados devem ser
coletados por meio de cronômetro e expressos com
aproximação decimal.
• 3º passo: de acordo com as tabelas abaixo, avalie o nível de
potência anaeróbia do atleta.
• Potência anaeróbia para homens adultos saudáveis (segundos)
• Potência anaeróbia para mulheres adultas saudáveis
(segundos)
IDADE EXCELENTE ACIMA DA
MÉDIA
MÉDIA ABAIXO
DA MÉDIA
FRACO
> 18 ANOS <6,4 6,4- 6,6 6,7 – 7,0 7,1 – 7,5 > 7,5
IDADE EXCELENTE ACIMA DA
MÉDIA
MÉDIA ABAIXO
DA MÉDIA
FRACO
> 18 ANOS <7,5 7,5- 7,9 8,0 – 8,2 8,3– 8,9 > 9,0
Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
Oberlania Alves
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Paulo Costa Amaral
 
Capacidades FíSicas
Capacidades FíSicasCapacidades FíSicas
Capacidades FíSicas
Edson Nascimento dos Santos
 
7 vo2 máx
7   vo2 máx7   vo2 máx
Treinamento funcional cefiep1
Treinamento funcional cefiep1Treinamento funcional cefiep1
Treinamento funcional cefiep1
marcelosilveirazero1
 
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
fabricioboscolo
 
Adaptações agudas e crônicas ...iii
Adaptações agudas e crônicas ...iiiAdaptações agudas e crônicas ...iii
Adaptações agudas e crônicas ...iii
carla_aalex
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Saiba Tudo sobre Capacidades físicas
Saiba Tudo sobre Capacidades físicasSaiba Tudo sobre Capacidades físicas
Saiba Tudo sobre Capacidades físicas
Felipe Alencar Barros
 
Capacidade física
Capacidade físicaCapacidade física
Capacidade física
Thereza Cristina Dias
 
Ginastica localizada
Ginastica localizadaGinastica localizada
Ginastica localizada
washington carlos vieira
 
Musculação bases metodológicas
Musculação   bases metodológicasMusculação   bases metodológicas
Musculação bases metodológicas
washington carlos vieira
 
CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...
CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...
CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...
marcelosilveirazero1
 
Qualidades Físicas - Força
Qualidades Físicas - ForçaQualidades Físicas - Força
Qualidades Físicas - Força
Filipe Matos
 
Prescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de forçaPrescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de força
Dom Fisiologia
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
Profissional de Educação Física
 
Slides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercíciosSlides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercícios
Ana Lucia Costa
 
Periodização
PeriodizaçãoPeriodização

Mais procurados (20)

Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
 
Capacidades FíSicas
Capacidades FíSicasCapacidades FíSicas
Capacidades FíSicas
 
7 vo2 máx
7   vo2 máx7   vo2 máx
7 vo2 máx
 
Treinamento funcional cefiep1
Treinamento funcional cefiep1Treinamento funcional cefiep1
Treinamento funcional cefiep1
 
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
 
Adaptações agudas e crônicas ...iii
Adaptações agudas e crônicas ...iiiAdaptações agudas e crônicas ...iii
Adaptações agudas e crônicas ...iii
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
 
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA:  YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FÍSICA: YO YO TESTE (VO2 MAX) APLICADOS NO FUTEBOL E ...
 
Saiba Tudo sobre Capacidades físicas
Saiba Tudo sobre Capacidades físicasSaiba Tudo sobre Capacidades físicas
Saiba Tudo sobre Capacidades físicas
 
Capacidade física
Capacidade físicaCapacidade física
Capacidade física
 
Ginastica localizada
Ginastica localizadaGinastica localizada
Ginastica localizada
 
Musculação bases metodológicas
Musculação   bases metodológicasMusculação   bases metodológicas
Musculação bases metodológicas
 
CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...
CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...
CREF4 SP - Guia de orientação técnica e profissional aplicada a ginastica lab...
 
Qualidades Físicas - Força
Qualidades Físicas - ForçaQualidades Físicas - Força
Qualidades Físicas - Força
 
Prescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de forçaPrescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de força
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
 
Slides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercíciosSlides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercícios
 
Periodização
PeriodizaçãoPeriodização
Periodização
 

Destaque

O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
José Marques
 
Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência lática
Paulo Pinheiro
 
A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corrida
Danielly Santos
 
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
Edivaldo Santos Lima
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Fernando Farias
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
Sandra Cristina Ramos
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades Físicas
Rodrigo Saffi Mello
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Fernando Valentim
 
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular   alimentos e suplementosHipertrofia muscular   alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
Aricia Motta Arantes Lustosa
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
Washington Vieira
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Evelyn Feitosa
 
Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
Reniton Oliveira Santos
 
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolistaAlfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Paulo Sousa
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
Miguel Loureiro
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscular
Claudio Pereira
 
Aptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vidaAptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vida
Reniton Oliveira Santos
 
O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)
Alexsandro Ribeiro
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodização
EquipePrecision
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
pstec25
 

Destaque (20)

O treino sem baliza
O treino sem balizaO treino sem baliza
O treino sem baliza
 
Avaliação da resistência lática
Avaliação da resistência láticaAvaliação da resistência lática
Avaliação da resistência lática
 
A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corrida
 
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
148203083 musculacao-biomecanica-e-treinamento
 
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
Pedro Ferrer - Metodologia para o treino de guarda-redes.
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
 
Comportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades FísicasComportamento das Capacidades Físicas
Comportamento das Capacidades Físicas
 
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superioresProtocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
Protocolo de avaliação da resistência muscular localizada de membros superiores
 
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular   alimentos e suplementosHipertrofia muscular   alimentos e suplementos
Hipertrofia muscular alimentos e suplementos
 
Avaliação física
Avaliação físicaAvaliação física
Avaliação física
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
 
Desenvolvimento da força
Desenvolvimento da forçaDesenvolvimento da força
Desenvolvimento da força
 
Alfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolistaAlfabetização Tática do jovem futebolista
Alfabetização Tática do jovem futebolista
 
As inteligências múltiplas
As inteligências múltiplasAs inteligências múltiplas
As inteligências múltiplas
 
treinamento neuromuscular
treinamento neuromusculartreinamento neuromuscular
treinamento neuromuscular
 
Aptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vidaAptidão ao longo da vida
Aptidão ao longo da vida
 
O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)
 
Musculacao.periodização
Musculacao.periodizaçãoMusculacao.periodização
Musculacao.periodização
 
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholoApresentação   iniciação esportiva pablo novo - bartholo
Apresentação iniciação esportiva pablo novo - bartholo
 

Semelhante a Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas

Materia de treinamento parte 6
Materia de treinamento parte 6Materia de treinamento parte 6
Materia de treinamento parte 6
Tiago Pereiras
 
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratóriaAula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Prof William Alves Lima
 
Materia de treinamento parte 4
Materia de treinamento parte 4Materia de treinamento parte 4
Materia de treinamento parte 4
Tiago Pereiras
 
Preparação orgânica metodos continuos
Preparação orgânica   metodos continuosPreparação orgânica   metodos continuos
Preparação orgânica metodos continuos
washington carlos vieira
 
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Gilmar Roberto Batista
 
Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular  Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular
Fernando Valentim
 
Materia de treinamento parte 3[1]
Materia de treinamento parte 3[1]Materia de treinamento parte 3[1]
Materia de treinamento parte 3[1]
Tiago Pereiras
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
washington carlos vieira
 
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobioBases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
washington carlos vieira
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Alexandro Santana
 
Metodos de treinamento_aerobico
Metodos de treinamento_aerobicoMetodos de treinamento_aerobico
Metodos de treinamento_aerobico
Deza Ribeiro
 
Treinamento em circuito
Treinamento em circuitoTreinamento em circuito
Treinamento em circuito
marcelosilveirazero1
 
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde   prof danielaDimensão funcional da af ligada à saúde   prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
jorge luiz dos santos de souza
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
washington carlos vieira
 
Capacidade de repetição da força: efeito das recuperações interséries
Capacidade de repetição da força: efeito das recuperações intersériesCapacidade de repetição da força: efeito das recuperações interséries
Capacidade de repetição da força: efeito das recuperações interséries
Fernando Farias
 
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Álvaro Barbosa de Paula
 
Preparacao contemporanea no futebol
Preparacao contemporanea no futebolPreparacao contemporanea no futebol
Preparacao contemporanea no futebol
Silas Paixao
 
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Laysla Gulicz
 
Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao
esaber edu
 
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptxCinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
RcledfConejero
 

Semelhante a Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas (20)

Materia de treinamento parte 6
Materia de treinamento parte 6Materia de treinamento parte 6
Materia de treinamento parte 6
 
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratóriaAula 11 capacidade cardiorrespiratória
Aula 11 capacidade cardiorrespiratória
 
Materia de treinamento parte 4
Materia de treinamento parte 4Materia de treinamento parte 4
Materia de treinamento parte 4
 
Preparação orgânica metodos continuos
Preparação orgânica   metodos continuosPreparação orgânica   metodos continuos
Preparação orgânica metodos continuos
 
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
 
Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular  Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular
 
Materia de treinamento parte 3[1]
Materia de treinamento parte 3[1]Materia de treinamento parte 3[1]
Materia de treinamento parte 3[1]
 
Metodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscularMetodos de treinamento neuromuscular
Metodos de treinamento neuromuscular
 
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobioBases fisiologicas do exercicio aerobio
Bases fisiologicas do exercicio aerobio
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Metodos de treinamento_aerobico
Metodos de treinamento_aerobicoMetodos de treinamento_aerobico
Metodos de treinamento_aerobico
 
Treinamento em circuito
Treinamento em circuitoTreinamento em circuito
Treinamento em circuito
 
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde   prof danielaDimensão funcional da af ligada à saúde   prof daniela
Dimensão funcional da af ligada à saúde prof daniela
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
 
Capacidade de repetição da força: efeito das recuperações interséries
Capacidade de repetição da força: efeito das recuperações intersériesCapacidade de repetição da força: efeito das recuperações interséries
Capacidade de repetição da força: efeito das recuperações interséries
 
Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.Dmensionando o treinamento aeróbico.
Dmensionando o treinamento aeróbico.
 
Preparacao contemporanea no futebol
Preparacao contemporanea no futebolPreparacao contemporanea no futebol
Preparacao contemporanea no futebol
 
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
Os efeitos do treinamento neuromuscular em esportes de
 
Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao Parte I - Avaliacao
Parte I - Avaliacao
 
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptxCinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
 

Treinamento e aperfeiçoamento das capacidades físicas

  • 2. • PREPARAÇÃO FÍSICA – é um componente do sistema de treinamento, que tem como objetivo propiciar o bom DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO em um nível máximo para o desempenho na modalidade esportiva. • Capacidades Físicas Resistência; Força; Velocidade; Flexibilidade; Coordenação
  • 3.
  • 4. • Essas capacidades por mais que tenham as suas particularidades, não se desenvolvem ou se aperfeiçoam separadamente. • Existem dois níveis de OBJETIVOS para a preparação física: 1) Propiciar o desenvolvimento multilateral geral das capacidades físicas (criação de uma base); 2) Está relacionado com as exigências máximas das capacidades, destacando assim a especificidade do gênero da atividade desportiva.
  • 6. • Resistência – trabalho PSICOFÍSICO prolongado, mantendo os parâmetros musculares de dado movimento. • A fonte direta de energia para a contração muscular é o Adenosina Trifosfato (ATP); • A ressíntese de ATP AERÓBICO (OXIDAÇÃO – GORDURAS) ANAERÓBICO LÁTICO (GLICOGÊNIO MUSCULAR) ANAERÓBICO ALÁTICO (FOSFAGÊNIOS)
  • 7. • ANAERÓBICO ALÁTICO (FOSFAGÊNIO) - Assegura energia aos músculos em atividade já nos primeiros segundos; - Potencial energéticos de EXERCÍCIOS DE CURTA DURAÇÃO (6 a 10 seg.). • ANAERÓBICO LÁTICO (GLICOGÊNIO MUSCULAR) - Atinge a potência máxima depois de 30 a 45 seg após o início do trabalho; - Potencial energético com duração de 30 seg. até 2 a 5 min • AERÓBICOS (GORDURAS) - Atinge a potência máxima em trabalhos prolongados; - Potencial energético com duração de algumas horas.
  • 8.
  • 9. • É considerado por muitos estudiosos como fundamental para várias modalidades desportivas, pois a elevação dos níveis aeróbios forma a BASE FUNCIONAL para o aperfeiçoamento de diversos aspectos do desportista. • Por todas essas considerações, esse tipo de resistência é também chamada de RESISTÊNCIA GERAL; • O treinamento dessa resistência deve ser específica para cada modalidade; • Manifesta-se de forma DIRETA, nas modalidades CÍCLICAS; • Nas ACÍCLICAS (coordenação complexa) manifesta-se de forma indireta.
  • 11. • APLICAÇÃO DO VOLUME – deve ser realizado de forma que garanta as PREMISSAS FUNCIONAIS para a EFICIÊNCIA do trabalho; • ABUSO NO VOLUME DE ORIENTAÇÃO AERÓBIA – pode provocar mudanças no organismo do atleta que dificultam o crescimento das capacidades de VELOCIDADE E COORDENAÇÃO; • METODOLOGIA – deve apresentar uma combinação equilibrada dos exercícios nos regimes AERÓBIOS E ANAERÓBIOS.
  • 12. • A execução dos exercícios de forma eficiente deve ocorrer no nível de LIMIAR ANAERÓBICO (lactato 3-4 mMol/L); • O estado do organismo que corresponde a essa intensidade de carga, passou-se a se chamar de CRÍTICO OU ESTADO ESTÁVEL MÁXIMO; • Nessa intensidade é possível se manter a atividade por um TEMPO prolongado e o índice dos níveis dos sistemas funcionais relativamente estáveis (VO2, FC, Ph, etc.). • OBS: A intensidade e a realização de trabalho no limiar anaeróbico, é o critério mais informativo da resistência aeróbia do atleta.
  • 14.
  • 15. • INICIANTES – durante 15 a 30 min, com intensidade de exercício de 40 a 50% do VO2 máx; • ATLETAS DE ALTO RENDIMENTO – durante 1 a 2 horas, com intensidade 80 a 85% do VO2 máx. FREQUÊNCIA CARDÍACA (ATLETA) - Período preparatório – 150 a 160 bpm; - Período específico – 175 a 185 bpm.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. • COOPER, 1977 (teste de 12 minutos): Deverá ser realizado numa pista de atletismo, ou em local plano, que seja possível ter o controle exato da distância percorrida (parques, pistas reduzidas). O indivíduo deverá percorrer em 12 minutos a maior distância possível, que será anotada em metros. VO2 MÁXIMO (ML/KG/MIN) = (D – 504,9) / 44,73
  • 21. PROTOCOLOS ESPAÇOS REDUZIDOS Teste de Cooper 12 Min – Adaptado para quadra (Osieck, 2002). O espaço utilizado deve ser um retângulo e medir 10m x 20m, e pode ser delimitado por cones. A cada volta são percorridos 60 metros. A fórmula deve ter a seguinte correção e depois aplicada na fórmula de Cooper: • Homens -> DCR = 409,87 + 0,93862 (D) Mulheres -> DCR = 160,28 + 1,0035 (D) • DCR = distância corrigida em metros. • D = número de voltas x 60 VO2 MÁX. = (DCR – 504,1/ 44,9)
  • 22. TESTE DE 1 MILHA Proposto por Kline et al (1987), este teste permite estimar o VO2 (ml/Kg/min) de indivíduos com MENOR CONDIÇÃO FÍSICA ou que apresentam limitações quanto à realização de esforços físicos mais intensos. Consiste em procurar caminhar, em ritmo individual, uma distância de 1600 metros, controlando a frequência cardíaca ao final do teste, assim como o tempo despendido para realizar o percurso. VO2 máx = 132,853 – (0,0769 x PT/0,454) – IDADE (0,3877) – TEMPO (3,2649) – FC (0,1565) HOMENS: adicionar 6,315 PT=peso total FC=frequência cardíaca
  • 23. FCMÁXIMA = 220 – idade (KARNORVEN E COLS., 1957); Frequência Cardíaca Máxima: indivíduos destreinados (Sheffield e col, 1965): FCMÁX = 205 – (0,42 X IDADE) • Frequência Cardíaca Máxima: indivíduos treinados (Sheffield e col, 1965) : FCMÁX = 198 – (0,42 X IDADE)
  • 24. FCTREINO = (FCMAX – FCREP) X %FCT + FCREP • Exemplo, indivíduo com FCmax de 145 bpm e FCrep de 75 bpm que deseja fazer reabilitação (zona 01 da tabela acima) : • = ( 145 – 75 ) x 40% + 75 = 103 bpm (limite inferior) = ( 145 – 75 ) x 60% + 75 = 117 bpm (limite superior)
  • 25. • 50 % a 60 % FC Max – Atividades Moderadas • 60 % a 70% FC Max – Controle do Peso • 70% a 80% FC Max – Aeróbio • 80% a 90% FC Max – Liminar Anaeróbio • 90% a 100 FC Max – Esforço Máximo
  • 26. • Os exercícios realizados com intensidade inferior a 70% do nível do limiar anaeróbico e com duração de 1h a 1,5h, embora úteis como atividade recreativa, não garantem um bom EFEITO DE TREINAMENTO (cargas de recuperação do atleta). • OS EXERCÍCIOS AERÓBIOS DE LONGA DURAÇÃO - Economia no aproveitamento energético; - Elevação das possibilidades do organismo em utilizar as GORDURAS como fonte de energia.
  • 27. • É necessário a realização de exercícios prolongados (algumas horas) com intensidade não superior ao LIMIAR ANAERÓBICO (3-4 mMol/L); • O trabalho com uma intensidade que produza lactato no sangue, BLOQUEIA o metabolismo da gordura; • Não se deve limitar exclusivamente a aplicação do método continuo; • É importante a aplicação de métodos contínuos variáveis e os métodos intervalados construídos com base nos EXERCÍCIOS DO REGIME MISTO (AERÓBIOS/ANAERÓBIOS).
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. • Oferece melhores possibilidades na criação de INFLUÊNCIAS de treinamento que visam ao aumento das possibilidades de o atleta trabalhar no nível do VO2 máx; • Sabe-se que um dos principais influenciadores do VO2, são as capacidades FUNCIONAIS DO SISTEMA CARDIOVASCULAR (DÉBITO CARDÍACO);
  • 32. • APLICAÇÃO DE CARGAS AERÓBIAS - Ocorre a DILATAÇÃO DO CORAÇÃO, mas não garante a ALTA FORÇA da contração do miocárdio. • APLICAÇÃO DE CARGAS ANAERÓBIAS - Ocorre a HIPERTROFIA SUBSTANCIAL das paredes do coração, mas exerce influência substancial no VOLUME DE EJEÇÃO.
  • 35. • Preparação de ciclistas para a corrida de 100 km - 4 x 25 km/ intervalo com corrida lenta de 10 min; Obs: Cada um dos percursos é superado com velocidade competitiva. - 2 x 50 km/ com diminuição do intervalo de descanso.
  • 36. • A concentração de LACTATO é o principal fator limitante na execução dos exercícios de caráter anaeróbio glicolítico; • A concentração do LACTATO leva a diminuição das propriedades dos músculos e exerce influência sobre outros sistemas; • As pessoas não TREINADAS apresentam ESTADO DE FADIGA, quando a CONCENTRAÇÃO DE LACTATO no sangue está próxima do nível máximo para o estado de treinamento (10-12 mMol/L). • Para atletas este LIMITE pode superar os 30mMol/L.
  • 37. • O ritmo de execução do exercício na prática, determina a quantidade e a grandeza do ACÚMULO DE LACTATO. • Ao prescrever o TEMPO DE DURAÇÃO DO EXERCÍCIO de treino, deve-se considerar que a POTÊNCIA MÁXIMA do mecanismo ANAERÓBICO-GLICOLÍTICO atinge valores máximos, nunca antes do 30-45 seg. • O trabalho deve perdurar nesse nível de INTENSIDADE durante 2 a 3 min.
  • 38. • Pode-se utilizar as variantes do métodos intervalados e contínuos; MÉTODO INTERVALADO - Aplicam-se com mais FREQUÊNCIA os exercícios com a duração da FASE INTENSIVA de 30 seg até 3 min.
  • 39. UTILIZAÇÃO DO MÉTODO INTERVALADO E OS PARÂMETROS DE CARGAS Duração da fase intensiva Nº de fases intensivas Intervalo de descanso entre fases intensivas na série (Min) Intervalo de descanso entre séries (min) Nº de séries na sessão Nº total de fases intensivas na sessão 3 1 - 8-12 - 6-8 2 2-3 2-3 10-12 2-6 10-15 1 3-6 3-6 10-15 3-8 20-30 0,5 4-8 4-8 10-15 4-10 30-40
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44. IDADE/AVALI AÇÃO 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69 RUIM <32 <28 <21 <16 <12 <6 ABAIXO DA MÉDIA 33-37 29-32 22-26 17-21 13-17 7-11 MÉDIA 38-41 33-36 27-30 22-25 18-21 12-16 ACIMA DA MÉDIA 42-47 37-42 31-35 26-30 22-25 17-22 EXCELENTE >48 >43 >36 >31 >26 >23 ABDOMINAL PARA HOMENS (POLLOCK, 1993)
  • 45. IDADE/AVALIAÇÃ O 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69 RUIM <26 <20 <14 <6 <2 <1 ABAIXO DA MÉDIA 27-31 21-24 15-19 7-14 3-4 2-3 MÉDIA 32-35 25-30 20-23 15-19 5-11 4-11 ACIMA DA MÉDIA 36-44 31-35 24-28 20-24 12-18 12-15 EXCELENTE >45 >36 >29 >25 >19 >16 ADOMINAL PARA MULHERES (POLLOCK, 1993)
  • 46.
  • 47. • As reservas ATP-PC nos músculos não são grandes, e já se degradam nos primeiros segundos após o início do trabalho de alta intensidade. • A rápida diminuição do teor de CP nos músculos em atividade é observada com cargas superiores a 75% do VO2máx. • O objetivo desse tipo de treinamento é esgotar as reservas de CP nos músculos em atividade para estimular sua supercompensação posterior.
  • 48. • Levando em consideração a velocidade de consumo das reservas da CP, a duração de um exercício representa 10 a 15 seg. • Os intervalos de recuperação não devem ser menores do que 2 a 3 min. • Convém realizar treinamento com 2 a 3 séries e 3 a 6 repetições em cada série, prevendo-se o intervalo de 5 a 8 min para o descanso.
  • 49. • O esgotamento das reservas de CP nos músculos em atividade manifesta-se na REDUÇÃO substancial da potência máxima do trabalho (diminuição da velocidade de corrida). • Geralmente consegue-se o REFERIDO ESTADO já com 8 a 12 repetições do exercício da intensidade de 95 a 100%. • Caso o número de repetições seja aumentado, as influências de treino irão adquirir, passo a passo, a orientação aneróbico- glicolítica e aeróbia.
  • 50. • CORRIDA DE 45,7 (KISS, 1987) • 1º passo: providencie o equipamento que será necessário para a realização do teste. Neste caso, um cronômetro e um apito devem ser providenciados. • 2º passo: ao sinal do professor, por meio do apito, o atleta inicia a corrida e completa os 45,7 metros continuamente no menor tempo possível. Registra-se então o tempo que o atleta levou para correr todo o percurso. Os resultados devem ser coletados por meio de cronômetro e expressos com aproximação decimal. • 3º passo: de acordo com as tabelas abaixo, avalie o nível de potência anaeróbia do atleta.
  • 51. • Potência anaeróbia para homens adultos saudáveis (segundos) • Potência anaeróbia para mulheres adultas saudáveis (segundos) IDADE EXCELENTE ACIMA DA MÉDIA MÉDIA ABAIXO DA MÉDIA FRACO > 18 ANOS <6,4 6,4- 6,6 6,7 – 7,0 7,1 – 7,5 > 7,5 IDADE EXCELENTE ACIMA DA MÉDIA MÉDIA ABAIXO DA MÉDIA FRACO > 18 ANOS <7,5 7,5- 7,9 8,0 – 8,2 8,3– 8,9 > 9,0