SlideShare uma empresa Scribd logo
Design de Serviço Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação Hoje Imaterialização do design e o Design de Serviços Experiência do Usuário e o Design Centrado no Usuário Ideação (técnica de brainstorming) Requisitos de design de interação focado em serviços ( Requerimentos, Personas, Cenários e Storyboard) Prototipação de serviços Avaliação da experiência do usuário
Imaterialização do design Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Forma, função e usabilidade causam grande impacto sobre nós. Segundo Donald Norman, há uma relação direta entre a forma e facilidade de uso do objeto (poder de atração que atua no sistema emocional). O sistema emocional também controla os músculos do corpo e através de neurotransmissores químicos, muda a maneira como o cérebro funciona. Serviços atraentes funcionam melhor
 
•   Nível visceral:  camada automática e pré-programada. •  Nível comportamental:  parte que contém os processos cerebrais que controlam o comportamento quotidiano. •  Nível reflexivo:  parte contemplativa do cérebro. Três níveis de estruturas do cérebro
visceral comportamental reflexivo sensorial motor percepção pensamento controle controle Os três níveis interagem entre si, cada um modulando o outro.
•  Ao ver, ouvir, sentir, ou de outra forma, perceber o meio ambiente, o sistema afetivo faz o julgamento para alertar outros centros do cérebro. •  O resultado é que ao mesmo tempo, um componente  cognitivo  e um componente  afetivo . Cognição e afeto atribui  significado atribui  valor
 
Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação Design de Serviço Design de serviços é o nome dado a essa ciência que envolve o desenvolvimento de produtos manufaturados ligados a um serviço específico e que incluem a comunicação, o ambiente e o comportamento humano. Para o design de serviço, o produto desenvolvido torna-se o meio, uma interface para se chegar até a experiência do usuário com o serviço criado.
Design de Serviço Cria boas experiências para o consumidor Gera um retorno dos investimentos e uma redução de custos Cria novas oportunidades
Design de Serviço O design de serviço pode ser trabalhado de forma tangível e intangível.  O que iremos trabalhar hoje é a tangibilização dos serviços ao máximo, através de esboços, de prototipações e simulações, procurando sempre criar boas experiências ao nosso usuário.
Serviço É composto por várias interações através de inúmeros pontos de contatos (touchpoints) no decorrer da linha do tempo.
Serviço É composto por várias  interações  através de inúmeros pontos de contatos ( touchpoints ) no decorrer da linha do tempo. Experiência do usuário
Experiência do usuário
Experiência do usuário Engloba todos os aspectos de um produto ou serviço. Começa no momento em que o consumidor ficou sabendo que aquele produto ou serviço existe, passa pela busca de informação, compra, recebimento, utilização inicial e rotineira, suporte, e chega até o fim da vida útil daquele produto ou serviço. Uma boa experiência do usuário é tão importante quanto ter funcionalidades úteis.
 
Experiência do usuário
Design  Centrado no Usuário
design centrado no usuário o "ser humano" é o elemento fundamental do desenvolvimento de um produto ou serviço “ ”
Design Centrado no Usuário O usuário pode ser enquadrado em diversas dimensões, tais como: 1) O usuário como sujeito em testes de usabilidade e prototipagem, onde o foco é saber a performance do sujeito com relação a um sistema particular ou a uma característica deste sistema ou serviço; 2) O usuário com alguém que tem preferências, particularmente com serviços comerciais; 3) O usuário como experiente em assuntos específicos, como provedor de informações.
Identificar a necessidade do projeto centrado no usuário Analisar e especificar o contexto de uso Especificar as exigências dos usuários Produzir soluções de projeto Avaliar o projeto contra as exigências O sistema satisfaz as exigências dos usuários Design Centrado no Usuário
Pesquisa “ Ideação” Design Prototipação Avaliação Desenvolvimento Design Centrado no Usuário
Os usuários devem ser envolvidos no projeto para que seja resolvido um problema. Designers e usuários têm preocupações e repertórios um pouco diferentes.  É muito difícil para o designer predizer que efeito determinada decisão de projeto terá no comportamento do usuário. Design Centrado no Usuário
pessoal coletivo Contexto Design é um processo social -> Troca social
Oficina de Idéias Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
“ A melhor maneira de ter uma boa idéia é ter várias idéias.”   Linus Pauling “ A inovação é resultado de 1% inspiração e 99% transpiração.” Thomas Edison “ Erre logo para ser bem sucedido mais cedo.”  IDEO
“ Espere o inesperado.” IDEO “ Estimule idéias malucas e absurdas.” “ Nunca diga NÃO.”  “ Se à primeira vista a idéia não for absurda, não há esperança para ela.” Albert Einstein
Regras da Oficina de Idéias 1.  evite julgamentos 2.  construa sobre as idéias dos outros 3.  mantenha o foco 4.  uma conversa de cada vez 5.  estimule idéias loucas 6.  desenhe as idéias 7.  busque a quantidade e não a qualidade
Prontos  ?
Torre de Babel  [20 minutos] Objetivo: Construir a torre mais alta. Em grupos de 3 ou 4. Materiais 10 folhas de papel sulfite tamanho A4. Regras Use apenas os materiais entregues. A torre só pode tocar a superfície da mesa. Pode apenas dobrar, vincar, enrolar, cortar e encaixar. A medição será em linha perpendicular a superfície e a partir da mesa. Serão realizadas 4 medições (uma a cada 5 minutos) Seja rápido, planeje bem e trabalhe em equipe . Aquecimento
Lançamento da proposta Tema: PARQUE DE DIVERSÃO Subtemas:  Localização (wayfinding) Sustentabilidade do serviço Personalização do serviço (adultos/crianças) Processo de compra (tickets) Pensar um  serviço  que ajude o usuário de um parque de diversão a se divertir. Iremos caminhar para um sistema o mais globalizante possível. Serviço = sistema + artefatos + pessoas
Exercício Brainstorming – 15 minutos
Exercício Diagrama de afinidades – 15 minutos
Requerimentos Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Conceito  Definição de requerimentos Esta fase de definição de requerimentos determina “o que” dentro do design de interação. Que informações e capacidades os usuários utilizarão para conseguir realizar a tarefa ou atividade. Outra determinação surge na busca pelo “como” o serviço e os usuários irão se comportar durante a a execução da atividade.
Passos Definição de requerimentos Buscar o problema e a visão geral Realizar oficina de idéias Identificar as expectativas das personas Construir contexto dos cenários Identificar requerimentos e contextos de uso
Definição de requerimentos Buscar o problema e a visão geral Problema: define onde queremos chegar e/ou o que queremos resolver Visão: é a problematização através das necessidades dos usuários
Definição de requerimentos 2. Realizar oficina de idéias a) A ideação surge como um meio para ativar a pesquisa (descoberta) e a modelação do novo produto/serviço. b) Testar novas idéias
Definição de requerimentos 3. Identificar as expectativas das personas a) Criar personas b) Montar modelos mentais c) Representar modelos de interações
Definição de requerimentos 4. Construir contexto dos cenários a) Criar histórias – ambientações onde as atividades serão desenroladas e onde os artefatos serão utilizados b) O foco está na atividade da persona, suas motivações e seu modelo mental
Definição de requerimentos 5. Identificar requerimentos e contextos de uso a) Requerimentos de dados (persona, cenários e contextos) b) Requerimentos funcionais (ações e/ou atividades) c) Outros requerimentos (negócios, experiências, técnicos e configurações)
Exercício Dia na vida (Timeline) -  30 minutos
Personas Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Conceito Personas são arquétipos de pessoas que estão envolvidas com o produto ou serviço. Personas é a técnica que dá “cara aos usuários”. São criadas através de observações e conversas com os usuários. Personas é união de múltiplas pessoas que têm objetivos, metas, motivações e comportamentos similares.
Conceito A persona é como uma ficha de personagem de RPG do usuário-modelo criado a partir de dados reais. Contém seu nome, seus gostos, seus hábitos, suas habilidades e outros dados. Essas informações podem ser obtidas através de entrevistas com usuários potenciais ou através de conversas com quem lida freqüentemente com esse público. Vale destacar que cada detalhe da persona deve estar muito bem embasado em dados reais, não em meras suposições.
 
Conceito Personas são um meio muito eficaz de comunicação interna da equipe. As personas se aproveitam do poder das narrativas para aumentar a atenção, a memorização e a organização dos dados coletados sobre os usuários. Não é porque a persona é fictícia que deixamos de tratá-la como um ser humano de verdade.
Vantagens As vantagens dessa técnica são: * engaja e conscientiza a equipe de projeto * chega-se a um consenso dos interesses do usuário * mantém o foco no usuário durante todo o projeto * agiliza a tomada de decisões porque não é preciso consultar usuários reais a cada etapa do projeto
 
Baseado no livro de  Alan Cooper  que primeiro apresentou esta técnica, seguem algumas dicas para criar personas: * identifique o fluxo de trabalho (workflow) e os padrões de comportamento em detalhes; * especifique a habilidade com as tecnologias; * inclua detalhes sobre a vida da pessoa para torná-la mais fácil de memorizar. Escolha alguns detalhes bem pessoais, só para torná-la mais interessante também; Dicas
* não use uma pessoa conhecida como uma persona. Além de expor a pessoa, acorrenta as características da persona à pessoa real. Crie um arquétipo baseado em pesquisas e dados, mas seja realista; * mantenha o número de personas pequeno, entre 3 e 7, dependendo da variedade do público. Quanto mais personas, mais risco de interesses conflitantes, confusão, etc;  Número mágico: 7 personas por projeto . * não recicle as personas para novos projetos. Cada persona é feita especificamente para o seu projeto; * não viaje, mantenha o pé no chão, ou então a persona perde credibilidade. Dicas
Quando se pensa e cria um persona deve-se ter em mente: Meta de experiência:  visualiza como os usuários se sentem ao usar o produto ou serviço; Meta final:  descreve o que os usuários necessitam para realizar a tarefa com o produto ou serviço; Meta de vida:  resulta nas aspirações que os usuários depositam sobre os produtos/serviços e o resultado do que o produto/serviço significa para os usuários. Três tipos de metas
Cenários Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Conceito Cenários é uma técnica simples e eficaz para analisar e comunicar uma parte de especificações de requisitos produzidas para a interação com os produtos e/ou serviços. São um rápido e efetivo meio de imaginar os protótipos em uso. Cenários são protótipos construídos com palavras. São histórias de como os produtos ou serviços estarão sendo usados.  Eles podem ser escritos formalmente, servindo como documentação de projeto, ou criados enquanto se discute questões do projeto.
Conceito Os cenários, ao contrário, são descrições de legítimas situações hipotéticas em que são colocadas pessoas que interessam ao projeto. Essa técnica é usada de maneiras muito diferentes: Alguns utilizam para auxiliar numa decisão crucial de projeto Outros para avaliar as características do projeto Outros ainda para demonstrar as características do artefato projetado em uso e por aí vai...
Conceito Cenários não se baseiam em dados reais, são apenas imaginados, previstos. No entanto, se criados para dar vida às personas, eles não levarão a concepções errôneas. Se a persona estiver bem baseada na realidade, o cenário também estará e, conseqüentemente, a situação prevista terá alta probabilidade de se realizar.  Colocando as personas dentro de um cenários estamos criando um contexto: CONTEXTO DE USO.
 
 
Exercício Personas – 30 minutos Cenário – 10 minutos
Storyboard Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Storyboard (ou narrativa gráfica) É uma representação das interações entre os usuários e o sistema em seu ambiente de trabalho. Ela corresponde ao detalhamento de um  cenário de uso  especificado para o sistema, consistindo em uma seqüência de desenhos representando não só esboços de telas, mas também elementos do contexto (usuário, equipamento, móveis, telefones, pessoas, etc.).
Exemplo de storyboard
Exemplo de storyboard
Cenários e personagens Cenários de uso informam as exigências por meio de exemplos de situações típicas de uso, descrevendo, em linguagem natural, como determinados usuários realizarão a tarefas específicas com o sistema e/ou aparato tecnológico em determinado contexto. Pulando a identificação do usuário, é preciso decompor os objetivos dos usuários em operações necessárias para alcançá-los, identificando as atividades que deverão ser realizadas pelo usuário e as que serão de responsabilidade do programa ou aplicação (sistema). Cada atividade é uma AÇÃO.
 
Exemplos de esboços
Storyboard demonstrando como abastecer um carro com gasolina
Exemplo de storyboard (fotos)
Esboço de um PDA
Esboço de um PDA
Cabinet By Ianus Keller (2005) Technical University of Delft
 
Exemplo de uma ferramenta
Exemplo de uma ferramenta
 
 
Exercício Contexto de uso através de storyboard – 60 minutos
 
 
Exercício Jornada – 30 minutos
 
 
 
Exercício Blueprint – 30 minutos
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM  Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  www.faberludens.com.br
PROTÓTIPO Neste módulo  prototipar   =  fazer protótipos,  modelos,  mock-ups  ou  maquetes. Prototipagem é a  simplificação da informação . Um bom protótipo vale mais que mil imagens.
A prototipagem é uma cultura de projeto:  1 Ferramenta de colaboração 2 Ajuda a controlar o risco 3 Propicia descobertas felizes (sorte!) 4 Modo rápido e barato de resolver problemas A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM
1  Ferramenta de colaboração A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Os limites da linguagem [e dos desenhos]  Palavras criam imagens diferentes para cada pessoa.   O protótipo torna as idéias concretas  Participação de toda equipe: empresário, designer, engenheiros, marketing, etc;  Otimiza as contribuições de cada um ao projeto  -  menos re-trabalho.
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM 1  Ferramenta de colaboração James Watson e Francis Crick, descobriram a estrutura do DNA sem trabalhando apenas com modelos. Foram construindo estruturas até chegarem à solução. “Mutações, replicação da molécula por um mecanismo de molde / cópia complementar, linearidade da codificação genética, tudo podia ser percebido pelo simples exame do modelo proposto”. Darcy Almeida. Ciência Hoje, Vol 32, no192  Nobel 1962
2 Ajuda a controlar o risco A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM O único jeito de você descobrir se aquela idéia funciona ou não é com  um protótipo ! Não acumular riscos, prototipar (e checar) a cada etapa. “ Erre logo para ser bem sucedido mais cedo.”  IDEO
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM É muito mais seguro decidir diante de um protótipo do que baseado em desenhos ou relatórios.  2 Ajuda a controlar o risco Protótipo de papelão do  Pelicano  Criação Paraná – Centro de Design Paraná 2001
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Em projetos complexos, as variáveis são muito  numerosas para serem controladas ao mesmo  tempo. A prototipagem localizada  permite solucionar pequenos  problemas cruciais, um a um.
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Decisões mais fáceis.   Problemas melhor compreendidos. 2 Ajuda a controlar o risco
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Manipular o objeto é mais rico do que lidar com desenhos; Possibilita encontrar diversas soluções e até novos caminhos; Possibilita conhecer o entorno da idéia. A prototipagem estimula pequenas inovações não planejadas.   É o mesmo método que tem ajudado cientistas a revelar alguns dos maiores segredos da natureza.   3 Propicia descobertas felizes
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Pode ser feito em qualquer material  (dirty prototyping) Não precisa fazer todo, apenas o problema a ser detalhado; Não precisa ser perfeito e com acabamento. 4 Modo rápido e barato
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Construir para aprender Agir antes de ter todas as respostas; depois vai melhorando o que estiver ruim; Se você estiver sem saber como agir, faça um protótipo! O processo de “edição” do projeto  IDÉIA PRODUTO Acumulação de Risco
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Pode-se  [deve-se!] fazer protótipos também de uma experiência.
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Experimente viver o papel do usuário / consumidor
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Visualize o processo de serviço através de modelos reduzidos.
A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Equipamentos de precisão que trabalham a partir de um arquivo em 3D do produto: estereolitografia / sinterização a laser / CNC  Solução barata para um teste antes da ferramentaria final:  pre-série. Molde de silicone. Prototipagem rápida IDÉIA PRODUTO
Teste com componentes reais, como se fosse o produto final .  A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  www.faberludens.com.br
 
Exercício Prototipação do serviço – 60 minutos
Avaliação Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Não tem segredo Avaliar a experiência do usuário é: Escutar o cliente (pedir sempre para ele vocalizar o que está fazendo ou pensando) Vê-lo utilizar o serviço prototipado e fazer anotações no sketchbook Refazer exaustivamente o ciclo do serviço modificando sempre os equívocos. Design, De-design e Redesign
Exercício Avaliação da experiência do usuário – 30 minutos
Recapitulando Imaterialização do design e o Design de Serviços Experiência do Usuário e o Design Centrado no Usuário Ideação (técnica de brainstorming) Requisitos de design de interação focado em serviços ( Requerimentos, Personas, Cenários e Storyboard) Prototipação de serviços Avaliação da experiência do usuário
Design de Serviço É composto por várias  interações  através de inúmeros pontos de contatos ( touchpoints ) no decorrer da linha do tempo. Experiência do usuário
Érico Fernandes Fileno, M.Sc.  - Designer de Interação  - Especialista em Experiência do Usuário - Pesquisador em Usabilidade   [email_address]   http://ericofileno.wordpress.com   @efileno OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Design para empreendedores
Design para empreendedoresDesign para empreendedores
Design para empreendedores
Catarinas Design de Interação
 
Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...
Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...
Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...
Catarinas Design de Interação
 
Design Centrado no Usuário
Design Centrado no UsuárioDesign Centrado no Usuário
Design Centrado no Usuário
mariana_berutto
 
Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...
Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...
Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...
Catarinas Design de Interação
 
UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....
UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....
UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....
EDIT. - Disruptive Digital Education
 
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
Andreza Godoy
 
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Catarinas Design de Interação
 
UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015
UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015
UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015
Samantha Rosa
 
Ux conf
Ux confUx conf
Introdução ao Design de Serviços
Introdução ao Design de ServiçosIntrodução ao Design de Serviços
Introdução ao Design de Serviços
SBGC - Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento
 
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Catarinas Design de Interação
 
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
Catarinas Design de Interação
 
O que é Design de Serviços?
O que é Design de Serviços?O que é Design de Serviços?
O que é Design de Serviços?
Victor Gonçalves
 
UX Design, Services Design & Design Thinking
UX Design, Services Design & Design ThinkingUX Design, Services Design & Design Thinking
UX Design, Services Design & Design Thinking
Marcelo Negrini
 
Design como ferramenta para inovacao
Design como ferramenta para inovacaoDesign como ferramenta para inovacao
Design como ferramenta para inovacao
Alessandra Rosa
 
Workshop • UX design •
Workshop • UX design •  Workshop • UX design •
Workshop • UX design •
Suzi Sarmento
 
Como mimar seus usuários
Como mimar seus usuáriosComo mimar seus usuários
Como mimar seus usuários
Ana Paula Batista
 
Design de serviços
Design de serviçosDesign de serviços
Design de serviços
Giancarlo Giacomelli
 
Design thinking
Design thinkingDesign thinking
Design thinking
Alessandra Rosa
 
Metodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de InteraçãoMetodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de Interação
UTFPR
 

Mais procurados (20)

Design para empreendedores
Design para empreendedoresDesign para empreendedores
Design para empreendedores
 
Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...
Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...
Service Design para startups - Melhorando a experiência do usuário do começo ...
 
Design Centrado no Usuário
Design Centrado no UsuárioDesign Centrado no Usuário
Design Centrado no Usuário
 
Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...
Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...
Pesquisa com usuários aplicada em projetos lean de startups concepção de um f...
 
UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....
UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....
UX Design: desenvolver experiências positivas - #8 Industry Sessions by EDIT....
 
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
 
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
 
UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015
UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015
UX para desenvolvedores - UX Conf BR 2015
 
Ux conf
Ux confUx conf
Ux conf
 
Introdução ao Design de Serviços
Introdução ao Design de ServiçosIntrodução ao Design de Serviços
Introdução ao Design de Serviços
 
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
 
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
 
O que é Design de Serviços?
O que é Design de Serviços?O que é Design de Serviços?
O que é Design de Serviços?
 
UX Design, Services Design & Design Thinking
UX Design, Services Design & Design ThinkingUX Design, Services Design & Design Thinking
UX Design, Services Design & Design Thinking
 
Design como ferramenta para inovacao
Design como ferramenta para inovacaoDesign como ferramenta para inovacao
Design como ferramenta para inovacao
 
Workshop • UX design •
Workshop • UX design •  Workshop • UX design •
Workshop • UX design •
 
Como mimar seus usuários
Como mimar seus usuáriosComo mimar seus usuários
Como mimar seus usuários
 
Design de serviços
Design de serviçosDesign de serviços
Design de serviços
 
Design thinking
Design thinkingDesign thinking
Design thinking
 
Metodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de InteraçãoMetodologias de Design de Interação
Metodologias de Design de Interação
 

Destaque

UX at emergent market in Brazil
UX at emergent market in Brazil UX at emergent market in Brazil
UX at emergent market in Brazil
Erico Fileno
 
Homo Experientia
Homo ExperientiaHomo Experientia
Homo Experientia
Erico Fileno
 
Inovação Centrada no Usuário
Inovação Centrada no UsuárioInovação Centrada no Usuário
Inovação Centrada no Usuário
Erico Fileno
 
Wud2009 - Curitiba
Wud2009 - CuritibaWud2009 - Curitiba
Wud2009 - Curitiba
Erico Fileno
 
Usabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introduçãoUsabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introdução
Erico Fileno
 
Service Thinking
Service ThinkingService Thinking
Service Thinking
Erico Fileno
 
Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09
Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09
Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09
Erico Fileno
 
Diseño interacción en Brasil
Diseño interacción en BrasilDiseño interacción en Brasil
Diseño interacción en Brasil
Erico Fileno
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service Design
Erico Fileno
 
Aula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no UsuárioAula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Erico Fileno
 
Aula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no UsuárioAula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Erico Fileno
 
Busca Mobile
Busca MobileBusca Mobile
Busca Mobile
Erico Fileno
 
Storytelling Inspiration - Cubo - 2016
Storytelling Inspiration - Cubo - 2016Storytelling Inspiration - Cubo - 2016
Storytelling Inspiration - Cubo - 2016
Fabricio Dore
 
DesignThinkers Academy - Região Sul
DesignThinkers Academy - Região SulDesignThinkers Academy - Região Sul
DesignThinkers Academy - Região Sul
Erico Fileno
 
Design de Interação e Inovação
Design de Interação e InovaçãoDesign de Interação e Inovação
Design de Interação e Inovação
Erico Fileno
 
The role of Design Thinking
The role of Design ThinkingThe role of Design Thinking
The role of Design Thinking
Pieter Baert
 

Destaque (16)

UX at emergent market in Brazil
UX at emergent market in Brazil UX at emergent market in Brazil
UX at emergent market in Brazil
 
Homo Experientia
Homo ExperientiaHomo Experientia
Homo Experientia
 
Inovação Centrada no Usuário
Inovação Centrada no UsuárioInovação Centrada no Usuário
Inovação Centrada no Usuário
 
Wud2009 - Curitiba
Wud2009 - CuritibaWud2009 - Curitiba
Wud2009 - Curitiba
 
Usabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introduçãoUsabilidade - Uma introdução
Usabilidade - Uma introdução
 
Service Thinking
Service ThinkingService Thinking
Service Thinking
 
Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09
Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09
Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09
 
Diseño interacción en Brasil
Diseño interacción en BrasilDiseño interacción en Brasil
Diseño interacción en Brasil
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service Design
 
Aula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no UsuárioAula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 3 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
 
Aula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no UsuárioAula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 2 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
 
Busca Mobile
Busca MobileBusca Mobile
Busca Mobile
 
Storytelling Inspiration - Cubo - 2016
Storytelling Inspiration - Cubo - 2016Storytelling Inspiration - Cubo - 2016
Storytelling Inspiration - Cubo - 2016
 
DesignThinkers Academy - Região Sul
DesignThinkers Academy - Região SulDesignThinkers Academy - Região Sul
DesignThinkers Academy - Região Sul
 
Design de Interação e Inovação
Design de Interação e InovaçãoDesign de Interação e Inovação
Design de Interação e Inovação
 
The role of Design Thinking
The role of Design ThinkingThe role of Design Thinking
The role of Design Thinking
 

Semelhante a Workshop - Service Design

[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
Flavio Nazario
 
Introdução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para Android
Introdução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para AndroidIntrodução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para Android
Introdução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para Android
Nelson Vasconcelos
 
Jordana Mello
Jordana MelloJordana Mello
Jordana Mello
ossobuco
 
Design Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado UsuarioDesign Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado Usuario
Elisabeth Dudziak
 
01 - Baseconceitual
01 - Baseconceitual01 - Baseconceitual
01 - Baseconceitual
Robson Santos
 
Design thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço públicoDesign thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço público
Colaborativismo
 
UX Culture
UX Culture UX Culture
UX Culture
Ítalo Waxman
 
Design Centrado no Usuário
Design Centrado no UsuárioDesign Centrado no Usuário
Design Centrado no Usuário
Guilherme Marques
 
Apostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdf
Apostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdfApostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdf
Apostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdf
CarlosAugusto652698
 
User eXperience
User eXperienceUser eXperience
User eXperience
Daniel Paz de Araújo
 
Design de Interação Mobile
Design de Interação MobileDesign de Interação Mobile
Design de Interação Mobile
Douglas Schmidt
 
Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...
Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...
Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...
Renata Tonezi
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Ana Paula Batista
 
Design Thinking Estácio FIC
Design Thinking Estácio FICDesign Thinking Estácio FIC
Design Thinking Estácio FIC
Matheus Montenegro
 
Arquitetura de informação
Arquitetura de informaçãoArquitetura de informação
Arquitetura de informação
Princi Agência Web
 
Weme School | Design Thinking
Weme School | Design ThinkingWeme School | Design Thinking
Weme School | Design Thinking
Fernanda Bisso
 
UX da Questão
UX da QuestãoUX da Questão
UX da Questão
Neviton Santana
 
O que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UXO que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UX
Renata Tonezi
 
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuárioDesign de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Luiz Henrique Pinho de Sá
 
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de NegóciosTDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
tdc-globalcode
 

Semelhante a Workshop - Service Design (20)

[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
 
Introdução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para Android
Introdução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para AndroidIntrodução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para Android
Introdução ao Design Sprint - Hackaprothon Aplicativos Cívicos para Android
 
Jordana Mello
Jordana MelloJordana Mello
Jordana Mello
 
Design Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado UsuarioDesign Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado Usuario
 
01 - Baseconceitual
01 - Baseconceitual01 - Baseconceitual
01 - Baseconceitual
 
Design thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço públicoDesign thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço público
 
UX Culture
UX Culture UX Culture
UX Culture
 
Design Centrado no Usuário
Design Centrado no UsuárioDesign Centrado no Usuário
Design Centrado no Usuário
 
Apostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdf
Apostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdfApostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdf
Apostila - Design Thinking Serviço Publico_ENAP.pdf
 
User eXperience
User eXperienceUser eXperience
User eXperience
 
Design de Interação Mobile
Design de Interação MobileDesign de Interação Mobile
Design de Interação Mobile
 
Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...
Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...
Chatbots e UX: Como os chatbots podem ajudar a entender o que as pessoas real...
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
 
Design Thinking Estácio FIC
Design Thinking Estácio FICDesign Thinking Estácio FIC
Design Thinking Estácio FIC
 
Arquitetura de informação
Arquitetura de informaçãoArquitetura de informação
Arquitetura de informação
 
Weme School | Design Thinking
Weme School | Design ThinkingWeme School | Design Thinking
Weme School | Design Thinking
 
UX da Questão
UX da QuestãoUX da Questão
UX da Questão
 
O que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UXO que é Design de Serviços | Ladies that UX
O que é Design de Serviços | Ladies that UX
 
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuárioDesign de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
 
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de NegóciosTDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
 

Mais de Erico Fileno

História da UX no Brasil - v1.1
História da UX no Brasil - v1.1História da UX no Brasil - v1.1
História da UX no Brasil - v1.1
Erico Fileno
 
Artigos Interaction South America 2010
Artigos  Interaction South America 2010Artigos  Interaction South America 2010
Artigos Interaction South America 2010
Erico Fileno
 
História da UX no Brasil
História da UX no BrasilHistória da UX no Brasil
História da UX no Brasil
Erico Fileno
 
Empathy and Otherness
Empathy and OthernessEmpathy and Otherness
Empathy and Otherness
Erico Fileno
 
IxD and sustentability
IxD and sustentabilityIxD and sustentability
IxD and sustentability
Erico Fileno
 
Wireframe
WireframeWireframe
Wireframe
Erico Fileno
 
Card Sorting
Card SortingCard Sorting
Card Sorting
Erico Fileno
 
Percepção das Tecnologias
Percepção das TecnologiasPercepção das Tecnologias
Percepção das Tecnologias
Erico Fileno
 
Storyboard
StoryboardStoryboard
Storyboard
Erico Fileno
 
Modelos Conceituais 2
Modelos Conceituais 2Modelos Conceituais 2
Modelos Conceituais 2
Erico Fileno
 
Prototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta FidelidadePrototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Erico Fileno
 

Mais de Erico Fileno (11)

História da UX no Brasil - v1.1
História da UX no Brasil - v1.1História da UX no Brasil - v1.1
História da UX no Brasil - v1.1
 
Artigos Interaction South America 2010
Artigos  Interaction South America 2010Artigos  Interaction South America 2010
Artigos Interaction South America 2010
 
História da UX no Brasil
História da UX no BrasilHistória da UX no Brasil
História da UX no Brasil
 
Empathy and Otherness
Empathy and OthernessEmpathy and Otherness
Empathy and Otherness
 
IxD and sustentability
IxD and sustentabilityIxD and sustentability
IxD and sustentability
 
Wireframe
WireframeWireframe
Wireframe
 
Card Sorting
Card SortingCard Sorting
Card Sorting
 
Percepção das Tecnologias
Percepção das TecnologiasPercepção das Tecnologias
Percepção das Tecnologias
 
Storyboard
StoryboardStoryboard
Storyboard
 
Modelos Conceituais 2
Modelos Conceituais 2Modelos Conceituais 2
Modelos Conceituais 2
 
Prototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta FidelidadePrototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta Fidelidade
 

Último

ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 

Último (6)

ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 

Workshop - Service Design

  • 1. Design de Serviço Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 2. Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação Hoje Imaterialização do design e o Design de Serviços Experiência do Usuário e o Design Centrado no Usuário Ideação (técnica de brainstorming) Requisitos de design de interação focado em serviços ( Requerimentos, Personas, Cenários e Storyboard) Prototipação de serviços Avaliação da experiência do usuário
  • 3. Imaterialização do design Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 4. Forma, função e usabilidade causam grande impacto sobre nós. Segundo Donald Norman, há uma relação direta entre a forma e facilidade de uso do objeto (poder de atração que atua no sistema emocional). O sistema emocional também controla os músculos do corpo e através de neurotransmissores químicos, muda a maneira como o cérebro funciona. Serviços atraentes funcionam melhor
  • 5.  
  • 6. Nível visceral: camada automática e pré-programada. • Nível comportamental: parte que contém os processos cerebrais que controlam o comportamento quotidiano. • Nível reflexivo: parte contemplativa do cérebro. Três níveis de estruturas do cérebro
  • 7. visceral comportamental reflexivo sensorial motor percepção pensamento controle controle Os três níveis interagem entre si, cada um modulando o outro.
  • 8. • Ao ver, ouvir, sentir, ou de outra forma, perceber o meio ambiente, o sistema afetivo faz o julgamento para alertar outros centros do cérebro. • O resultado é que ao mesmo tempo, um componente cognitivo e um componente afetivo . Cognição e afeto atribui significado atribui valor
  • 9.  
  • 10. Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação Design de Serviço Design de serviços é o nome dado a essa ciência que envolve o desenvolvimento de produtos manufaturados ligados a um serviço específico e que incluem a comunicação, o ambiente e o comportamento humano. Para o design de serviço, o produto desenvolvido torna-se o meio, uma interface para se chegar até a experiência do usuário com o serviço criado.
  • 11. Design de Serviço Cria boas experiências para o consumidor Gera um retorno dos investimentos e uma redução de custos Cria novas oportunidades
  • 12. Design de Serviço O design de serviço pode ser trabalhado de forma tangível e intangível. O que iremos trabalhar hoje é a tangibilização dos serviços ao máximo, através de esboços, de prototipações e simulações, procurando sempre criar boas experiências ao nosso usuário.
  • 13. Serviço É composto por várias interações através de inúmeros pontos de contatos (touchpoints) no decorrer da linha do tempo.
  • 14. Serviço É composto por várias interações através de inúmeros pontos de contatos ( touchpoints ) no decorrer da linha do tempo. Experiência do usuário
  • 16. Experiência do usuário Engloba todos os aspectos de um produto ou serviço. Começa no momento em que o consumidor ficou sabendo que aquele produto ou serviço existe, passa pela busca de informação, compra, recebimento, utilização inicial e rotineira, suporte, e chega até o fim da vida útil daquele produto ou serviço. Uma boa experiência do usuário é tão importante quanto ter funcionalidades úteis.
  • 17.  
  • 19. Design Centrado no Usuário
  • 20. design centrado no usuário o "ser humano" é o elemento fundamental do desenvolvimento de um produto ou serviço “ ”
  • 21. Design Centrado no Usuário O usuário pode ser enquadrado em diversas dimensões, tais como: 1) O usuário como sujeito em testes de usabilidade e prototipagem, onde o foco é saber a performance do sujeito com relação a um sistema particular ou a uma característica deste sistema ou serviço; 2) O usuário com alguém que tem preferências, particularmente com serviços comerciais; 3) O usuário como experiente em assuntos específicos, como provedor de informações.
  • 22. Identificar a necessidade do projeto centrado no usuário Analisar e especificar o contexto de uso Especificar as exigências dos usuários Produzir soluções de projeto Avaliar o projeto contra as exigências O sistema satisfaz as exigências dos usuários Design Centrado no Usuário
  • 23. Pesquisa “ Ideação” Design Prototipação Avaliação Desenvolvimento Design Centrado no Usuário
  • 24. Os usuários devem ser envolvidos no projeto para que seja resolvido um problema. Designers e usuários têm preocupações e repertórios um pouco diferentes. É muito difícil para o designer predizer que efeito determinada decisão de projeto terá no comportamento do usuário. Design Centrado no Usuário
  • 25. pessoal coletivo Contexto Design é um processo social -> Troca social
  • 26. Oficina de Idéias Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 27. “ A melhor maneira de ter uma boa idéia é ter várias idéias.” Linus Pauling “ A inovação é resultado de 1% inspiração e 99% transpiração.” Thomas Edison “ Erre logo para ser bem sucedido mais cedo.” IDEO
  • 28. “ Espere o inesperado.” IDEO “ Estimule idéias malucas e absurdas.” “ Nunca diga NÃO.” “ Se à primeira vista a idéia não for absurda, não há esperança para ela.” Albert Einstein
  • 29. Regras da Oficina de Idéias 1. evite julgamentos 2. construa sobre as idéias dos outros 3. mantenha o foco 4. uma conversa de cada vez 5. estimule idéias loucas 6. desenhe as idéias 7. busque a quantidade e não a qualidade
  • 31. Torre de Babel [20 minutos] Objetivo: Construir a torre mais alta. Em grupos de 3 ou 4. Materiais 10 folhas de papel sulfite tamanho A4. Regras Use apenas os materiais entregues. A torre só pode tocar a superfície da mesa. Pode apenas dobrar, vincar, enrolar, cortar e encaixar. A medição será em linha perpendicular a superfície e a partir da mesa. Serão realizadas 4 medições (uma a cada 5 minutos) Seja rápido, planeje bem e trabalhe em equipe . Aquecimento
  • 32. Lançamento da proposta Tema: PARQUE DE DIVERSÃO Subtemas: Localização (wayfinding) Sustentabilidade do serviço Personalização do serviço (adultos/crianças) Processo de compra (tickets) Pensar um serviço que ajude o usuário de um parque de diversão a se divertir. Iremos caminhar para um sistema o mais globalizante possível. Serviço = sistema + artefatos + pessoas
  • 34. Exercício Diagrama de afinidades – 15 minutos
  • 35. Requerimentos Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 36. Conceito Definição de requerimentos Esta fase de definição de requerimentos determina “o que” dentro do design de interação. Que informações e capacidades os usuários utilizarão para conseguir realizar a tarefa ou atividade. Outra determinação surge na busca pelo “como” o serviço e os usuários irão se comportar durante a a execução da atividade.
  • 37. Passos Definição de requerimentos Buscar o problema e a visão geral Realizar oficina de idéias Identificar as expectativas das personas Construir contexto dos cenários Identificar requerimentos e contextos de uso
  • 38. Definição de requerimentos Buscar o problema e a visão geral Problema: define onde queremos chegar e/ou o que queremos resolver Visão: é a problematização através das necessidades dos usuários
  • 39. Definição de requerimentos 2. Realizar oficina de idéias a) A ideação surge como um meio para ativar a pesquisa (descoberta) e a modelação do novo produto/serviço. b) Testar novas idéias
  • 40. Definição de requerimentos 3. Identificar as expectativas das personas a) Criar personas b) Montar modelos mentais c) Representar modelos de interações
  • 41. Definição de requerimentos 4. Construir contexto dos cenários a) Criar histórias – ambientações onde as atividades serão desenroladas e onde os artefatos serão utilizados b) O foco está na atividade da persona, suas motivações e seu modelo mental
  • 42. Definição de requerimentos 5. Identificar requerimentos e contextos de uso a) Requerimentos de dados (persona, cenários e contextos) b) Requerimentos funcionais (ações e/ou atividades) c) Outros requerimentos (negócios, experiências, técnicos e configurações)
  • 43. Exercício Dia na vida (Timeline) - 30 minutos
  • 44. Personas Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 45. Conceito Personas são arquétipos de pessoas que estão envolvidas com o produto ou serviço. Personas é a técnica que dá “cara aos usuários”. São criadas através de observações e conversas com os usuários. Personas é união de múltiplas pessoas que têm objetivos, metas, motivações e comportamentos similares.
  • 46. Conceito A persona é como uma ficha de personagem de RPG do usuário-modelo criado a partir de dados reais. Contém seu nome, seus gostos, seus hábitos, suas habilidades e outros dados. Essas informações podem ser obtidas através de entrevistas com usuários potenciais ou através de conversas com quem lida freqüentemente com esse público. Vale destacar que cada detalhe da persona deve estar muito bem embasado em dados reais, não em meras suposições.
  • 47.  
  • 48. Conceito Personas são um meio muito eficaz de comunicação interna da equipe. As personas se aproveitam do poder das narrativas para aumentar a atenção, a memorização e a organização dos dados coletados sobre os usuários. Não é porque a persona é fictícia que deixamos de tratá-la como um ser humano de verdade.
  • 49. Vantagens As vantagens dessa técnica são: * engaja e conscientiza a equipe de projeto * chega-se a um consenso dos interesses do usuário * mantém o foco no usuário durante todo o projeto * agiliza a tomada de decisões porque não é preciso consultar usuários reais a cada etapa do projeto
  • 50.  
  • 51. Baseado no livro de Alan Cooper que primeiro apresentou esta técnica, seguem algumas dicas para criar personas: * identifique o fluxo de trabalho (workflow) e os padrões de comportamento em detalhes; * especifique a habilidade com as tecnologias; * inclua detalhes sobre a vida da pessoa para torná-la mais fácil de memorizar. Escolha alguns detalhes bem pessoais, só para torná-la mais interessante também; Dicas
  • 52. * não use uma pessoa conhecida como uma persona. Além de expor a pessoa, acorrenta as características da persona à pessoa real. Crie um arquétipo baseado em pesquisas e dados, mas seja realista; * mantenha o número de personas pequeno, entre 3 e 7, dependendo da variedade do público. Quanto mais personas, mais risco de interesses conflitantes, confusão, etc; Número mágico: 7 personas por projeto . * não recicle as personas para novos projetos. Cada persona é feita especificamente para o seu projeto; * não viaje, mantenha o pé no chão, ou então a persona perde credibilidade. Dicas
  • 53. Quando se pensa e cria um persona deve-se ter em mente: Meta de experiência: visualiza como os usuários se sentem ao usar o produto ou serviço; Meta final: descreve o que os usuários necessitam para realizar a tarefa com o produto ou serviço; Meta de vida: resulta nas aspirações que os usuários depositam sobre os produtos/serviços e o resultado do que o produto/serviço significa para os usuários. Três tipos de metas
  • 54. Cenários Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 55. Conceito Cenários é uma técnica simples e eficaz para analisar e comunicar uma parte de especificações de requisitos produzidas para a interação com os produtos e/ou serviços. São um rápido e efetivo meio de imaginar os protótipos em uso. Cenários são protótipos construídos com palavras. São histórias de como os produtos ou serviços estarão sendo usados. Eles podem ser escritos formalmente, servindo como documentação de projeto, ou criados enquanto se discute questões do projeto.
  • 56. Conceito Os cenários, ao contrário, são descrições de legítimas situações hipotéticas em que são colocadas pessoas que interessam ao projeto. Essa técnica é usada de maneiras muito diferentes: Alguns utilizam para auxiliar numa decisão crucial de projeto Outros para avaliar as características do projeto Outros ainda para demonstrar as características do artefato projetado em uso e por aí vai...
  • 57. Conceito Cenários não se baseiam em dados reais, são apenas imaginados, previstos. No entanto, se criados para dar vida às personas, eles não levarão a concepções errôneas. Se a persona estiver bem baseada na realidade, o cenário também estará e, conseqüentemente, a situação prevista terá alta probabilidade de se realizar. Colocando as personas dentro de um cenários estamos criando um contexto: CONTEXTO DE USO.
  • 58.  
  • 59.  
  • 60. Exercício Personas – 30 minutos Cenário – 10 minutos
  • 61. Storyboard Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 62. Storyboard (ou narrativa gráfica) É uma representação das interações entre os usuários e o sistema em seu ambiente de trabalho. Ela corresponde ao detalhamento de um cenário de uso especificado para o sistema, consistindo em uma seqüência de desenhos representando não só esboços de telas, mas também elementos do contexto (usuário, equipamento, móveis, telefones, pessoas, etc.).
  • 65. Cenários e personagens Cenários de uso informam as exigências por meio de exemplos de situações típicas de uso, descrevendo, em linguagem natural, como determinados usuários realizarão a tarefas específicas com o sistema e/ou aparato tecnológico em determinado contexto. Pulando a identificação do usuário, é preciso decompor os objetivos dos usuários em operações necessárias para alcançá-los, identificando as atividades que deverão ser realizadas pelo usuário e as que serão de responsabilidade do programa ou aplicação (sistema). Cada atividade é uma AÇÃO.
  • 66.  
  • 68. Storyboard demonstrando como abastecer um carro com gasolina
  • 72. Cabinet By Ianus Keller (2005) Technical University of Delft
  • 73.  
  • 74. Exemplo de uma ferramenta
  • 75. Exemplo de uma ferramenta
  • 76.  
  • 77.  
  • 78. Exercício Contexto de uso através de storyboard – 60 minutos
  • 79.  
  • 80.  
  • 82.  
  • 83.  
  • 84.  
  • 86. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação www.faberludens.com.br
  • 87. PROTÓTIPO Neste módulo prototipar = fazer protótipos, modelos, mock-ups ou maquetes. Prototipagem é a simplificação da informação . Um bom protótipo vale mais que mil imagens.
  • 88. A prototipagem é uma cultura de projeto: 1 Ferramenta de colaboração 2 Ajuda a controlar o risco 3 Propicia descobertas felizes (sorte!) 4 Modo rápido e barato de resolver problemas A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM
  • 89. 1 Ferramenta de colaboração A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Os limites da linguagem [e dos desenhos] Palavras criam imagens diferentes para cada pessoa. O protótipo torna as idéias concretas Participação de toda equipe: empresário, designer, engenheiros, marketing, etc; Otimiza as contribuições de cada um ao projeto - menos re-trabalho.
  • 90. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM 1 Ferramenta de colaboração James Watson e Francis Crick, descobriram a estrutura do DNA sem trabalhando apenas com modelos. Foram construindo estruturas até chegarem à solução. “Mutações, replicação da molécula por um mecanismo de molde / cópia complementar, linearidade da codificação genética, tudo podia ser percebido pelo simples exame do modelo proposto”. Darcy Almeida. Ciência Hoje, Vol 32, no192 Nobel 1962
  • 91. 2 Ajuda a controlar o risco A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM O único jeito de você descobrir se aquela idéia funciona ou não é com um protótipo ! Não acumular riscos, prototipar (e checar) a cada etapa. “ Erre logo para ser bem sucedido mais cedo.” IDEO
  • 92. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM É muito mais seguro decidir diante de um protótipo do que baseado em desenhos ou relatórios. 2 Ajuda a controlar o risco Protótipo de papelão do Pelicano Criação Paraná – Centro de Design Paraná 2001
  • 93. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Em projetos complexos, as variáveis são muito numerosas para serem controladas ao mesmo tempo. A prototipagem localizada permite solucionar pequenos problemas cruciais, um a um.
  • 94. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Decisões mais fáceis. Problemas melhor compreendidos. 2 Ajuda a controlar o risco
  • 95. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Manipular o objeto é mais rico do que lidar com desenhos; Possibilita encontrar diversas soluções e até novos caminhos; Possibilita conhecer o entorno da idéia. A prototipagem estimula pequenas inovações não planejadas. É o mesmo método que tem ajudado cientistas a revelar alguns dos maiores segredos da natureza. 3 Propicia descobertas felizes
  • 96. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Pode ser feito em qualquer material (dirty prototyping) Não precisa fazer todo, apenas o problema a ser detalhado; Não precisa ser perfeito e com acabamento. 4 Modo rápido e barato
  • 97. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Construir para aprender Agir antes de ter todas as respostas; depois vai melhorando o que estiver ruim; Se você estiver sem saber como agir, faça um protótipo! O processo de “edição” do projeto IDÉIA PRODUTO Acumulação de Risco
  • 98. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Pode-se [deve-se!] fazer protótipos também de uma experiência.
  • 99. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Experimente viver o papel do usuário / consumidor
  • 100. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Visualize o processo de serviço através de modelos reduzidos.
  • 101. A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Equipamentos de precisão que trabalham a partir de um arquivo em 3D do produto: estereolitografia / sinterização a laser / CNC Solução barata para um teste antes da ferramentaria final: pre-série. Molde de silicone. Prototipagem rápida IDÉIA PRODUTO
  • 102. Teste com componentes reais, como se fosse o produto final . A IMPORTÂNCIA DA PROTOTIPAGEM Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação www.faberludens.com.br
  • 103.  
  • 104. Exercício Prototipação do serviço – 60 minutos
  • 105. Avaliação Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  • 106. Não tem segredo Avaliar a experiência do usuário é: Escutar o cliente (pedir sempre para ele vocalizar o que está fazendo ou pensando) Vê-lo utilizar o serviço prototipado e fazer anotações no sketchbook Refazer exaustivamente o ciclo do serviço modificando sempre os equívocos. Design, De-design e Redesign
  • 107. Exercício Avaliação da experiência do usuário – 30 minutos
  • 108. Recapitulando Imaterialização do design e o Design de Serviços Experiência do Usuário e o Design Centrado no Usuário Ideação (técnica de brainstorming) Requisitos de design de interação focado em serviços ( Requerimentos, Personas, Cenários e Storyboard) Prototipação de serviços Avaliação da experiência do usuário
  • 109. Design de Serviço É composto por várias interações através de inúmeros pontos de contatos ( touchpoints ) no decorrer da linha do tempo. Experiência do usuário
  • 110. Érico Fernandes Fileno, M.Sc. - Designer de Interação - Especialista em Experiência do Usuário - Pesquisador em Usabilidade [email_address] http://ericofileno.wordpress.com @efileno OBRIGADO!