SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 71
Baixar para ler offline
CRP-5215 
! 
COMUNICAÇÃO DIGITAL 
! 
E ENSINO 
! 
À DISTÂNCIA. 
! 
! 
Aula 07: Experiência do usuário.
CRP-0420: 
COMUNICAÇÃO 
! 
! 
DIGITAL. 
! 
Aula 07: Experiência do usuário.
PROGRAMA: 
1. Contexto 
2. Emergência 
e redes 
3. A coisa 
4. Ideologias e 
Tendências 
5. Inteligência 
Artificial 
6. Educação 
7. Experiência 
do usuário 
8. Design 
de interação 
9. Design thinking 
10.Interfaces 
11. Código 
12. Games 
13. Planejamento 
estratégico
DESIGN E INTERAÇÃO.
Por que design ficou tão 
IMPORTANTE? 
! 
Até a década de oitenta 
ele não era considerado 
tão essencial.
A forma seguia a 
FUNÇÃO. 
! 
Hoje segue o contexto.
As coisas são percebidas 
POR INTEIRO, 
! 
não em partes. 
! 
Todos os componentes interagem entre si.
A COMUNICAÇÃO SE 
TORNOU FEMININA.
A mensagem se transformou em 
CONVERSA.
! 
A PÓS-TV 
NÃO É 4K NEM SMART 
Conteúdo é rei: 
TVs mandam no entretenimento passivo. 
É tão difícil entender?
PÓS-TV: 
Social + Kinect + Siri + Reconhecimento biométrico + 
Bases de dados + Facebook (timeline e graph search) 
+ Previsões + Likes, dislikes = Nova experiência.
EXPERIÊNCIAS? 
• Pesquisas de neurociência e psicologia 
mostram que a felicidade está nas 
experiências vividas a cada momento. Nada 
material tem valor intrínseco além da 
promessa de felicidade que carrega. 
• Experiências proporcionam uma felicidade 
mais duradoura. Parte dela é a antecipação. 
• Quando não se pode “viver o momento”, é 
melhor viver na expectativa da experiência.
EXPERIÊNCIAS? 
• Parece ilógico: experiências se vão, coisas 
permanecem. Na verdade a maioria das 
pessoas tem uma capacidade muito grande 
para a tolerância, paramos de apreciar as 
coisas a que estamos expostos. 
• Experiências são menos comparadas do que 
objetos e valores. Viagens são menos 
comparadas do que casas ou salários. 
• Experiências estão associadas à identidade, 
conexão e comportamento social.
EXPERIÊNCIAS? 
• Objetos se deterioram e se tornam 
obsoletos. A fugacidade das experiências 
prende as pessoas a elas. Mesmo uma má 
experiência se torna uma boa história. 
• Todos querem ouvir a respeito das 
experiências dos outros. O mesmo não 
acontece com as posses.
Processo cognitivo: nível 
VISCERAL 
! 
É percebido imediatamente. 
A resposta psicológica é poderosa. 
Ligada à auto-estima e eficiência.
=
Processo cognitivo: nível 
COMPORTAMENTAL 
! 
Usabilidade, objetivos e tarefas.
Processo cognitivo: nível 
ASPIRACIONAL 
! 
busca relacionamentos de longo prazo. 
Representa aspirações pessoais. 
Quem os tem busca “ser” algo.
OUTROS CONFLITOS: 
• Impulsos, modismos, influência externa e 
desinformação. 
• Inovação e o paradoxo da escolha. 
• Comportamento de grupo, conflitos e 
liderança. 
• Reflexo social: o que “pega bem” dizer.
Forma: 
design 
gráfico, 
fotografia 
PROJETO 
Experiência: 
design 
de interação 
Conteúdo: 
Texto, som 
animação, 
mídia
O problema do “mau design”: 
COMUNICA ! 
MAL. 
Como a má música ou a má cozinha. 
! 
Os usuários estão cada vez mais exigentes. 
Decepcioná-los não é opção.
Design orientado a 
OBJETIVOS: 
• Faz os usuários encontrem o que precisam 
de forma simples. 
• Facilita a realização de tarefas. 
• Gera satisfação, eficiência e proatividade. 
• Cria diferencial em um ambiente 
intangível e uniforme.
Problemas de muitos produtos e serviços: 
DIGITAIS: 
• Mais focados em avanços tecnológicos do 
que em desejos e necessidades do usuário. 
• Espartanos, rudes e mal-criados. 
• Demandam que os usuários pensem 
como computadores. 
• Esperam que seus usuários façam tarefas 
repetitivas e inúteis.
Por que são tão 
RUINS? 
• Ignorância sobre o real perfil de seus 
usuários, seus hábitos e preferências. 
• Demandas de terceiros e conflitos de 
interesses entre produção e mercado. 
• Falta de processo que envolva o usuário: 
• Analítico 
• Replicável 
• Previsível
Os objetivos do 
USUÁRIO 
nunca são levados em conta: 
• Isso faz com que se sintam estúpidos. 
• Maus processos os fazem cometer erros. 
• Demandam muito esforço para serem 
utilizados com eficiência. 
• Não proporcionam uma experiência 
envolvente ou mesmo agradável.
Características de 
INTERFACES 
elegantes e prestativas: 
• Dão importância à pessoa com que conversam, 
se interessam pelo que dizem e fazem. 
• Usam o bom senso, evitam sempre que possível 
fazer perguntas estúpidas. 
• Se antecipam às necessidades e desejos daqueles 
com quem convivem. 
• Têm uma perspectiva maior do que sua tarefa 
braçal/operacional e imediata.
Características de 
INTERFACES 
elegantes e prestativas: 
• Não aporrinham seus usuários com seus 
problemas particulares. 
• Compreendem os motivos dos outros,não 
insistem no que faz sentido para elas. 
• Não fazem muitas perguntas e sabem quando é 
preciso quebrar regras. 
• São autoconfiantes e assumem a 
responsabilidade por seus atos.
OBJETIVOS DO 
USUÁRIO 
VS. 
OBJETIVOS DO 
NEGÓCIO
O processo de design de 
INTERAÇÃO 
e suas etapas: 
1. Pesquisar usuários e seu ambiente; 
2. Modelar interações e seu contexto; 
3. Definir objetivos e demandas de todos; 
4. Determinar estrutura e fluxo de interação; 
5. Refinar comportamentos, formatos e conteúdos; 
6. Dar suporte a demandas e necessidades.
1. Pesquisar os 
USUÁRIOS 
e seu ambiente: 
• Pesquisas tradicionais 
• Comparações entre produtos e serviços 
• Análise de interações populares 
• Entrevistas 
• Especialistas 
• Mídias sociais
1. Pesquisar os 
USUÁRIOS 
e seu ambiente: 
• Definir escopo: objetivos, cronograma, restrições, 
processos, indicativos; 
• Rever e auditar projeto: plano de negócios, 
marca, mercado, portfólio, concorrência e 
tecnologias relevantes; 
• Definir visão: oportunidades e riscos; e 
• Determinar usuários potenciais: seus 
comportamentos, desafios e motivações.
2. Modelar 
INTERAÇÕES 
e seu contexto: 
Arquétipos representam agrupamentos de 
comportamentos, atitudes, objetivos, motivações 
e desejos. 
Agrupar usuários de acordo com arquétipos de 
interação é mais eficiente do que agrupá-los por 
idade, profissão, gênero ou métricas genéricas.
3. Definir 
OBJETIVOS 
e demandas de todos os envolvidos no processo: 
Quais são os objetivos do usuário? 
Quais são os objetivos do negócio? 
Como administrar e equilibrar diferentes 
demandas?
4. Determinar 
ESTRUTURA 
e e fluxo de interação: 
Qual é o conceito geral do produto? 
Quais são os princípios de interação presentes na 
maioria das etapas e manifestações? 
Em outras palavras, qual é o idioma 
“falado” pelo produto?
4. Determinar 
ESTRUTURA 
e e fluxo de interação: 
• Determinar manifestações: fluxo de informação, 
funções, mecanismos, ações e modelos. 
• Definir relações entre elementos: princípios, 
padrões, sequências de navegação, storyboards. 
• Criar sequência ideal de comportamentos. 
Como ela se adapta à realidade?
5. Refinar 
COMPORTAMENTOS, 
formatos e conteúdo: 
• Especificar formatos, comportamentos, 
usabilidade e acessibilidade. 
• Validar cenários e objetivos do usuário. 
• Verificar caminhos percorridos pelo usuário na 
realização de tarefas.
6. Suporte, demandas e 
NECESSIDADES: 
• Buscar a integridade conceitual sob constantes 
mudanças e demandas; 
• Acomodar as necessidades e desejos à 
• Realidade técnica; 
• Orçamento; 
• Expectativas; 
• Prazos.
Definição do produto e objetivos dos 
USUÁRIOS: 
• Quem são eles? Qual é seu perfil? 
• O que eles buscam no serviço oferecido? 
• Como eles pensam sobre o que buscam? 
• Que experiências consideram compensadoras? 
• Como o produto deve se comportar? 
• Que forma ele deve ter?
Definição do produto e objetivos dos 
USUÁRIOS: 
• Como os usuários interagirão com ele? 
• Como suas funções serão organizadas? 
• Como ele se apresentará a quem o usa pela 
primeira vez? 
• Como pode ser interessante, compreensível e 
controlável? 
• Como lida com eventuais problemas?
Definição do produto e objetivos dos 
USUÁRIOS: 
• Como ajudar usuários inexperientes ou leigos a 
atingir seus objetivos? 
• Como prover informação em profundidade 
adequada a especialistas? 
• Como administrar o uso freqüente de usuários de 
nível intermediário?
MODELOS MENTAIS 
• Criamos atalhos para explicar o que acontece 
em uma interação. Eles se relacionam com a 
funcionalidade, não com a realidade. 
• Quando correspondem à realidade, 
são precisos, completos e satisfatórios. 
• Telefones celulares vs. freios ABS. 
• Quanto mais próximos os modelos de 
representação estiverem dos modelos mentais, 
mais satisfatórios e compreendidos serão.
Modelos de 
IMPLEMENTAÇÃO: 
• É mais fácil desenhar produtos e serviços que 
refletem burocracias de processos e software. 
• O usuário não quer saber de legislação, processos 
contábeis, cartórios ou pastas. 
• Ele não precisa de lógica booleana no dia-a-dia. 
• Suas bases de dados naturais são complexas, 
caóticas e inconscientes.
Novas tecnologias, novas 
REPRESENTAÇÕES. 
• Cada representação tem vantagens e desvantagens 
• Papel e discos de vinil 
• Smartphones, videogames e GPS 
• Combinar representações amplifica suas fraquezas, 
não suas potencialidades.
Arquétipos de usuários: 
PERSONAS 
! 
A melhor forma de acomodar um grande 
número de usuários é desenhar para tipos 
definidos por atitudes e comportamentos.
PERSONAS 
são melhores do que segmentos de mercado 
• Representam formas específicas de uso. 
• Pesquisa vs. Estereótipos. 
• Exploram variações de comportamento. 
• Precisam de objetivos e motivações. 
• Podem representar não-usuários.
PERSONAS: 
• Determinam o que o produto deve fazer. 
• Comunicam suas necessidades 
para todos os participantes. 
• Atribuem consenso às funcionalidades. 
• Mensuram a efetividade do design. 
• Contribuem para divulgação e expansão.
Construção de 
PERSONAS: 
• Identificar variáveis de uso; 
• Avaliar importância de cada variável; 
• Identificar padrões de comportamento; 
• Sintetizar características e objetivos; 
• Verificar relevância e redundância; 
• Expandir descrição de comportamentos; e 
• Desenhar tipos de personas.
VARIÁVEIS DE USO: 
• Atividades realizadas, frequência e volume. 
• Atitudes: como pensa a respeito do produto 
e da tecnologia envolvida. 
• Aptidões: qual o conhecimento e 
capacidade de aprender. 
• Motivações: porque gosta/usa o produto.
TIPOS DE PERSONA 
• Primária: principal usuário do produto. 
• Secundária: tem desejos e necessidades 
adicionais, que podem ser acomodados. 
• Suplementar: mescla das duas anteriores. 
• Consumidor: toma decisões financeiras. 
• Cliente: é diretamente afetado. 
• Negativa: para quem o produto não serve.
CENÁRIOS: 
design por narrativas. 
• Histórias que definem a sequência de interações 
do usuário com o produto. 
• Servem para definir necessidades, atitudes e 
curvas de aprendizado. 
• O design é inspirado em suas histórias: toda ação 
acontece em um cenário.
CENÁRIOS: 
design por narrativas. 
• Descrevem as tarefas realizadas. 
• Seus componentes são o ambiente (telas, 
elementos), atores (usuários) e ações. 
• São narrativas concisas com uma ou mais 
personas usando o produto para atingir o 
objetivo desejado.
Três tipos de 
CENÁRIOS: 
• Contextual: explora as melhores formas de 
satisfazer as necessidades e desejos dos usuários. 
• Funcional: analisa as possibilidades da relação 
em cada interação relevante. 
• Validação: testa uma solução em uma ampla 
gama de situações.
Vale lembrar: pessoas são 
SIMPLES. 
! 
E você é uma delas.
FIM
PARA CASA: 
Imagine 5 personas e respectivos cenários 
para um aplicativo ou serviço web popular.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensado
Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensadoPersonas na prática - Um estudo de caso (re)pensado
Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensadoAlan Vasconcelos
 
Modelagem de usuários
Modelagem de usuáriosModelagem de usuários
Modelagem de usuáriosLuciana Nunes
 
Design de Interação Mobile
Design de Interação MobileDesign de Interação Mobile
Design de Interação MobileDouglas Schmidt
 
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologiaIHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologiaRos Galabo, PhD
 
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017Catarinas Design de Interação
 
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0Catarinas Design de Interação
 
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuárioDesign de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuárioLuiz Henrique Pinho de Sá
 
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaUma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaGabriele Santos
 
UX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negócios
UX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negóciosUX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negócios
UX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negóciosCatarinas Design de Interação
 
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...Catarinas Design de Interação
 
Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...
Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...
Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...Fran Maciel
 
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.Catarinas Design de Interação
 
Capítulo 2 compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]
Capítulo 2   compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]Capítulo 2   compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]
Capítulo 2 compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]M. Torres
 
Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...
Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...
Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...Voël
 

Mais procurados (20)

Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensado
Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensadoPersonas na prática - Um estudo de caso (re)pensado
Personas na prática - Um estudo de caso (re)pensado
 
Modelagem de usuários
Modelagem de usuáriosModelagem de usuários
Modelagem de usuários
 
Design de Interação Mobile
Design de Interação MobileDesign de Interação Mobile
Design de Interação Mobile
 
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
 
Aula CRP-0420-2015-12
Aula CRP-0420-2015-12Aula CRP-0420-2015-12
Aula CRP-0420-2015-12
 
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologiaIHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
 
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
 
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso - Versão 2.0
 
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
Como viabilizar o UX em pequenas empresas e startups?
 
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuárioDesign de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
Design de Interação - Entendendo, conceituando e abordagem centrada no usuário
 
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaUma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
 
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0
 
UX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negócios
UX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negóciosUX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negócios
UX Design como estratégia para conquistar mais clientes e impactar negócios
 
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
Interaction South America 2015 - Concepção de um framework para definição em ...
 
Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...
Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...
Artigo: Aplicação do Design Participativo para geração ideias de produtos e s...
 
Seminario
SeminarioSeminario
Seminario
 
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
 
Capítulo 2 compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]
Capítulo 2   compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]Capítulo 2   compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]
Capítulo 2 compreendendo e conceitualizando a interação [ final ]
 
Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...
Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...
Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao ...
 
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 4.0
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 4.0Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 4.0
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 4.0
 

Destaque

Destaque (20)

CRP-5215-0420-2014-10
CRP-5215-0420-2014-10CRP-5215-0420-2014-10
CRP-5215-0420-2014-10
 
FOTO 2016-04
FOTO 2016-04FOTO 2016-04
FOTO 2016-04
 
CRP-5215-0420-2014-06
CRP-5215-0420-2014-06CRP-5215-0420-2014-06
CRP-5215-0420-2014-06
 
CRP0357-2016-04
CRP0357-2016-04CRP0357-2016-04
CRP0357-2016-04
 
CRP0357-2016-03
CRP0357-2016-03CRP0357-2016-03
CRP0357-2016-03
 
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 1
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 1Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 1
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 1
 
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKINGAula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
 
CRP-422-2016-08
CRP-422-2016-08CRP-422-2016-08
CRP-422-2016-08
 
Aula CRP-0420-2015-04
Aula CRP-0420-2015-04Aula CRP-0420-2015-04
Aula CRP-0420-2015-04
 
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
 
CRP0357-2014-14
CRP0357-2014-14CRP0357-2014-14
CRP0357-2014-14
 
Aula CRP-0420-2015-06
 Aula CRP-0420-2015-06 Aula CRP-0420-2015-06
Aula CRP-0420-2015-06
 
Aula CRP-0420-2015-05
 Aula CRP-0420-2015-05 Aula CRP-0420-2015-05
Aula CRP-0420-2015-05
 
Aula CRP-0420-2015-03
Aula CRP-0420-2015-03Aula CRP-0420-2015-03
Aula CRP-0420-2015-03
 
CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04
 
Aula CRP-0420-2015-09
 Aula CRP-0420-2015-09 Aula CRP-0420-2015-09
Aula CRP-0420-2015-09
 
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2
Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2
 
Aula CRP-0420-2015-07
 Aula CRP-0420-2015-07 Aula CRP-0420-2015-07
Aula CRP-0420-2015-07
 
CRP0357-2014-09
CRP0357-2014-09CRP0357-2014-09
CRP0357-2014-09
 
Aula CRP-0420-2015-02
 Aula CRP-0420-2015-02 Aula CRP-0420-2015-02
Aula CRP-0420-2015-02
 

Semelhante a CRP-5215-0420-2014-07

CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e Interação
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e InteraçãoCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e Interação
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e InteraçãoCauê de Souza
 
UX: Creating Killer Experiences - FIAP
UX: Creating Killer Experiences - FIAPUX: Creating Killer Experiences - FIAP
UX: Creating Killer Experiences - FIAPAlexandre Tarifa
 
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de NegóciosFlavio Nazario
 
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7Melina Alves
 
PERSONAS - Design orientado pelos dados
PERSONAS - Design orientado pelos dadosPERSONAS - Design orientado pelos dados
PERSONAS - Design orientado pelos dadoscomOn Group
 
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...Rafael Burity
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012rcmello13
 
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas Digitais
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas DigitaisCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas Digitais
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas DigitaisCauê de Souza
 
Oficina sobre Monitoramento de redes sociais
Oficina sobre Monitoramento de redes sociaisOficina sobre Monitoramento de redes sociais
Oficina sobre Monitoramento de redes sociaisIvana Cavalcante
 
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de NegóciosTDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de Negóciostdc-globalcode
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service DesignErico Fileno
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service DesignErico Fileno
 
Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)
Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)
Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)Renan Crippa Freitas
 
Experiência do Usuário e Jornada do Usuário
Experiência do Usuário e Jornada do Usuário Experiência do Usuário e Jornada do Usuário
Experiência do Usuário e Jornada do Usuário Raiana Comiran
 

Semelhante a CRP-5215-0420-2014-07 (20)

Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07
 
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e Interação
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e InteraçãoCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e Interação
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 7: Design de Experiência e Interação
 
CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08
 
UX: Creating Killer Experiences - FIAP
UX: Creating Killer Experiences - FIAPUX: Creating Killer Experiences - FIAP
UX: Creating Killer Experiences - FIAP
 
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
[TDC'16] UX para Profissionais de Negócios
 
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
 
Cibercultura e redes sociais - aula 03 - turma 03
Cibercultura e redes sociais - aula 03 - turma 03Cibercultura e redes sociais - aula 03 - turma 03
Cibercultura e redes sociais - aula 03 - turma 03
 
Workshop de UX, 02
Workshop de UX, 02Workshop de UX, 02
Workshop de UX, 02
 
CRP-5215-0420-2014-11
CRP-5215-0420-2014-11CRP-5215-0420-2014-11
CRP-5215-0420-2014-11
 
PERSONAS - Design orientado pelos dados
PERSONAS - Design orientado pelos dadosPERSONAS - Design orientado pelos dados
PERSONAS - Design orientado pelos dados
 
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012
 
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas Digitais
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas DigitaisCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas Digitais
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 8: Trabalho Final e Ferramentas Digitais
 
Oficina sobre Monitoramento de redes sociais
Oficina sobre Monitoramento de redes sociaisOficina sobre Monitoramento de redes sociais
Oficina sobre Monitoramento de redes sociais
 
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de NegóciosTDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service Design
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service Design
 
Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)
Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)
Design Thinking - Design é função, não forma (Evento Empr3ender)
 
Experiência do Usuário e Jornada do Usuário
Experiência do Usuário e Jornada do Usuário Experiência do Usuário e Jornada do Usuário
Experiência do Usuário e Jornada do Usuário
 
Arquitetura de informação
Arquitetura de informaçãoArquitetura de informação
Arquitetura de informação
 

Mais de Aulas LULI: CRP-0357, CRP-0422 e CRP-0420 (14)

2019 CRP-0422 - AULA 3
2019 CRP-0422 - AULA 32019 CRP-0422 - AULA 3
2019 CRP-0422 - AULA 3
 
2019 CRP-0422 - AULA 2
2019 CRP-0422 - AULA 22019 CRP-0422 - AULA 2
2019 CRP-0422 - AULA 2
 
2019 CRP-0422 - AULA 1
2019 CRP-0422 - AULA 12019 CRP-0422 - AULA 1
2019 CRP-0422 - AULA 1
 
CRP5215-2017-01 contexto e redes
CRP5215-2017-01 contexto e redesCRP5215-2017-01 contexto e redes
CRP5215-2017-01 contexto e redes
 
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIAAula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
Aula CRP-0420-2016-10-DATACRACIA
 
Aula CRP-0420-2016-06: Inteligência Artificial
Aula CRP-0420-2016-06: Inteligência ArtificialAula CRP-0420-2016-06: Inteligência Artificial
Aula CRP-0420-2016-06: Inteligência Artificial
 
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACESAula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
 
Aula 10 de Fotografia - Lightroom
Aula 10 de Fotografia - LightroomAula 10 de Fotografia - Lightroom
Aula 10 de Fotografia - Lightroom
 
Aula CRP-0420-2016-02
Aula CRP-0420-2016-02Aula CRP-0420-2016-02
Aula CRP-0420-2016-02
 
Aula CRP-0420-2016-01
 Aula CRP-0420-2016-01 Aula CRP-0420-2016-01
Aula CRP-0420-2016-01
 
CRP0357-2016-02
CRP0357-2016-02CRP0357-2016-02
CRP0357-2016-02
 
CRP0357-2016-01
CRP0357-2016-01CRP0357-2016-01
CRP0357-2016-01
 
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2
 
Aula CRP-0420-2015-08
 Aula CRP-0420-2015-08 Aula CRP-0420-2015-08
Aula CRP-0420-2015-08
 

Último

Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 

Último (20)

662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 

CRP-5215-0420-2014-07

  • 1. CRP-5215 ! COMUNICAÇÃO DIGITAL ! E ENSINO ! À DISTÂNCIA. ! ! Aula 07: Experiência do usuário.
  • 2. CRP-0420: COMUNICAÇÃO ! ! DIGITAL. ! Aula 07: Experiência do usuário.
  • 3. PROGRAMA: 1. Contexto 2. Emergência e redes 3. A coisa 4. Ideologias e Tendências 5. Inteligência Artificial 6. Educação 7. Experiência do usuário 8. Design de interação 9. Design thinking 10.Interfaces 11. Código 12. Games 13. Planejamento estratégico
  • 5. Por que design ficou tão IMPORTANTE? ! Até a década de oitenta ele não era considerado tão essencial.
  • 6. A forma seguia a FUNÇÃO. ! Hoje segue o contexto.
  • 7. As coisas são percebidas POR INTEIRO, ! não em partes. ! Todos os componentes interagem entre si.
  • 8.
  • 9. A COMUNICAÇÃO SE TORNOU FEMININA.
  • 10. A mensagem se transformou em CONVERSA.
  • 11. ! A PÓS-TV NÃO É 4K NEM SMART Conteúdo é rei: TVs mandam no entretenimento passivo. É tão difícil entender?
  • 12. PÓS-TV: Social + Kinect + Siri + Reconhecimento biométrico + Bases de dados + Facebook (timeline e graph search) + Previsões + Likes, dislikes = Nova experiência.
  • 13. EXPERIÊNCIAS? • Pesquisas de neurociência e psicologia mostram que a felicidade está nas experiências vividas a cada momento. Nada material tem valor intrínseco além da promessa de felicidade que carrega. • Experiências proporcionam uma felicidade mais duradoura. Parte dela é a antecipação. • Quando não se pode “viver o momento”, é melhor viver na expectativa da experiência.
  • 14. EXPERIÊNCIAS? • Parece ilógico: experiências se vão, coisas permanecem. Na verdade a maioria das pessoas tem uma capacidade muito grande para a tolerância, paramos de apreciar as coisas a que estamos expostos. • Experiências são menos comparadas do que objetos e valores. Viagens são menos comparadas do que casas ou salários. • Experiências estão associadas à identidade, conexão e comportamento social.
  • 15. EXPERIÊNCIAS? • Objetos se deterioram e se tornam obsoletos. A fugacidade das experiências prende as pessoas a elas. Mesmo uma má experiência se torna uma boa história. • Todos querem ouvir a respeito das experiências dos outros. O mesmo não acontece com as posses.
  • 16. Processo cognitivo: nível VISCERAL ! É percebido imediatamente. A resposta psicológica é poderosa. Ligada à auto-estima e eficiência.
  • 17. =
  • 18. Processo cognitivo: nível COMPORTAMENTAL ! Usabilidade, objetivos e tarefas.
  • 19.
  • 20. Processo cognitivo: nível ASPIRACIONAL ! busca relacionamentos de longo prazo. Representa aspirações pessoais. Quem os tem busca “ser” algo.
  • 21.
  • 22. OUTROS CONFLITOS: • Impulsos, modismos, influência externa e desinformação. • Inovação e o paradoxo da escolha. • Comportamento de grupo, conflitos e liderança. • Reflexo social: o que “pega bem” dizer.
  • 23.
  • 24.
  • 25. Forma: design gráfico, fotografia PROJETO Experiência: design de interação Conteúdo: Texto, som animação, mídia
  • 26. O problema do “mau design”: COMUNICA ! MAL. Como a má música ou a má cozinha. ! Os usuários estão cada vez mais exigentes. Decepcioná-los não é opção.
  • 27. Design orientado a OBJETIVOS: • Faz os usuários encontrem o que precisam de forma simples. • Facilita a realização de tarefas. • Gera satisfação, eficiência e proatividade. • Cria diferencial em um ambiente intangível e uniforme.
  • 28. Problemas de muitos produtos e serviços: DIGITAIS: • Mais focados em avanços tecnológicos do que em desejos e necessidades do usuário. • Espartanos, rudes e mal-criados. • Demandam que os usuários pensem como computadores. • Esperam que seus usuários façam tarefas repetitivas e inúteis.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Por que são tão RUINS? • Ignorância sobre o real perfil de seus usuários, seus hábitos e preferências. • Demandas de terceiros e conflitos de interesses entre produção e mercado. • Falta de processo que envolva o usuário: • Analítico • Replicável • Previsível
  • 32. Os objetivos do USUÁRIO nunca são levados em conta: • Isso faz com que se sintam estúpidos. • Maus processos os fazem cometer erros. • Demandam muito esforço para serem utilizados com eficiência. • Não proporcionam uma experiência envolvente ou mesmo agradável.
  • 33. Características de INTERFACES elegantes e prestativas: • Dão importância à pessoa com que conversam, se interessam pelo que dizem e fazem. • Usam o bom senso, evitam sempre que possível fazer perguntas estúpidas. • Se antecipam às necessidades e desejos daqueles com quem convivem. • Têm uma perspectiva maior do que sua tarefa braçal/operacional e imediata.
  • 34. Características de INTERFACES elegantes e prestativas: • Não aporrinham seus usuários com seus problemas particulares. • Compreendem os motivos dos outros,não insistem no que faz sentido para elas. • Não fazem muitas perguntas e sabem quando é preciso quebrar regras. • São autoconfiantes e assumem a responsabilidade por seus atos.
  • 35.
  • 36. OBJETIVOS DO USUÁRIO VS. OBJETIVOS DO NEGÓCIO
  • 37.
  • 38. O processo de design de INTERAÇÃO e suas etapas: 1. Pesquisar usuários e seu ambiente; 2. Modelar interações e seu contexto; 3. Definir objetivos e demandas de todos; 4. Determinar estrutura e fluxo de interação; 5. Refinar comportamentos, formatos e conteúdos; 6. Dar suporte a demandas e necessidades.
  • 39. 1. Pesquisar os USUÁRIOS e seu ambiente: • Pesquisas tradicionais • Comparações entre produtos e serviços • Análise de interações populares • Entrevistas • Especialistas • Mídias sociais
  • 40. 1. Pesquisar os USUÁRIOS e seu ambiente: • Definir escopo: objetivos, cronograma, restrições, processos, indicativos; • Rever e auditar projeto: plano de negócios, marca, mercado, portfólio, concorrência e tecnologias relevantes; • Definir visão: oportunidades e riscos; e • Determinar usuários potenciais: seus comportamentos, desafios e motivações.
  • 41. 2. Modelar INTERAÇÕES e seu contexto: Arquétipos representam agrupamentos de comportamentos, atitudes, objetivos, motivações e desejos. Agrupar usuários de acordo com arquétipos de interação é mais eficiente do que agrupá-los por idade, profissão, gênero ou métricas genéricas.
  • 42. 3. Definir OBJETIVOS e demandas de todos os envolvidos no processo: Quais são os objetivos do usuário? Quais são os objetivos do negócio? Como administrar e equilibrar diferentes demandas?
  • 43. 4. Determinar ESTRUTURA e e fluxo de interação: Qual é o conceito geral do produto? Quais são os princípios de interação presentes na maioria das etapas e manifestações? Em outras palavras, qual é o idioma “falado” pelo produto?
  • 44. 4. Determinar ESTRUTURA e e fluxo de interação: • Determinar manifestações: fluxo de informação, funções, mecanismos, ações e modelos. • Definir relações entre elementos: princípios, padrões, sequências de navegação, storyboards. • Criar sequência ideal de comportamentos. Como ela se adapta à realidade?
  • 45. 5. Refinar COMPORTAMENTOS, formatos e conteúdo: • Especificar formatos, comportamentos, usabilidade e acessibilidade. • Validar cenários e objetivos do usuário. • Verificar caminhos percorridos pelo usuário na realização de tarefas.
  • 46. 6. Suporte, demandas e NECESSIDADES: • Buscar a integridade conceitual sob constantes mudanças e demandas; • Acomodar as necessidades e desejos à • Realidade técnica; • Orçamento; • Expectativas; • Prazos.
  • 47. Definição do produto e objetivos dos USUÁRIOS: • Quem são eles? Qual é seu perfil? • O que eles buscam no serviço oferecido? • Como eles pensam sobre o que buscam? • Que experiências consideram compensadoras? • Como o produto deve se comportar? • Que forma ele deve ter?
  • 48. Definição do produto e objetivos dos USUÁRIOS: • Como os usuários interagirão com ele? • Como suas funções serão organizadas? • Como ele se apresentará a quem o usa pela primeira vez? • Como pode ser interessante, compreensível e controlável? • Como lida com eventuais problemas?
  • 49. Definição do produto e objetivos dos USUÁRIOS: • Como ajudar usuários inexperientes ou leigos a atingir seus objetivos? • Como prover informação em profundidade adequada a especialistas? • Como administrar o uso freqüente de usuários de nível intermediário?
  • 50. MODELOS MENTAIS • Criamos atalhos para explicar o que acontece em uma interação. Eles se relacionam com a funcionalidade, não com a realidade. • Quando correspondem à realidade, são precisos, completos e satisfatórios. • Telefones celulares vs. freios ABS. • Quanto mais próximos os modelos de representação estiverem dos modelos mentais, mais satisfatórios e compreendidos serão.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54. Modelos de IMPLEMENTAÇÃO: • É mais fácil desenhar produtos e serviços que refletem burocracias de processos e software. • O usuário não quer saber de legislação, processos contábeis, cartórios ou pastas. • Ele não precisa de lógica booleana no dia-a-dia. • Suas bases de dados naturais são complexas, caóticas e inconscientes.
  • 55. Novas tecnologias, novas REPRESENTAÇÕES. • Cada representação tem vantagens e desvantagens • Papel e discos de vinil • Smartphones, videogames e GPS • Combinar representações amplifica suas fraquezas, não suas potencialidades.
  • 56.
  • 57. Arquétipos de usuários: PERSONAS ! A melhor forma de acomodar um grande número de usuários é desenhar para tipos definidos por atitudes e comportamentos.
  • 58.
  • 59. PERSONAS são melhores do que segmentos de mercado • Representam formas específicas de uso. • Pesquisa vs. Estereótipos. • Exploram variações de comportamento. • Precisam de objetivos e motivações. • Podem representar não-usuários.
  • 60. PERSONAS: • Determinam o que o produto deve fazer. • Comunicam suas necessidades para todos os participantes. • Atribuem consenso às funcionalidades. • Mensuram a efetividade do design. • Contribuem para divulgação e expansão.
  • 61.
  • 62. Construção de PERSONAS: • Identificar variáveis de uso; • Avaliar importância de cada variável; • Identificar padrões de comportamento; • Sintetizar características e objetivos; • Verificar relevância e redundância; • Expandir descrição de comportamentos; e • Desenhar tipos de personas.
  • 63. VARIÁVEIS DE USO: • Atividades realizadas, frequência e volume. • Atitudes: como pensa a respeito do produto e da tecnologia envolvida. • Aptidões: qual o conhecimento e capacidade de aprender. • Motivações: porque gosta/usa o produto.
  • 64. TIPOS DE PERSONA • Primária: principal usuário do produto. • Secundária: tem desejos e necessidades adicionais, que podem ser acomodados. • Suplementar: mescla das duas anteriores. • Consumidor: toma decisões financeiras. • Cliente: é diretamente afetado. • Negativa: para quem o produto não serve.
  • 65. CENÁRIOS: design por narrativas. • Histórias que definem a sequência de interações do usuário com o produto. • Servem para definir necessidades, atitudes e curvas de aprendizado. • O design é inspirado em suas histórias: toda ação acontece em um cenário.
  • 66.
  • 67. CENÁRIOS: design por narrativas. • Descrevem as tarefas realizadas. • Seus componentes são o ambiente (telas, elementos), atores (usuários) e ações. • São narrativas concisas com uma ou mais personas usando o produto para atingir o objetivo desejado.
  • 68. Três tipos de CENÁRIOS: • Contextual: explora as melhores formas de satisfazer as necessidades e desejos dos usuários. • Funcional: analisa as possibilidades da relação em cada interação relevante. • Validação: testa uma solução em uma ampla gama de situações.
  • 69. Vale lembrar: pessoas são SIMPLES. ! E você é uma delas.
  • 70. FIM
  • 71. PARA CASA: Imagine 5 personas e respectivos cenários para um aplicativo ou serviço web popular.