SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
PRIVAÇÃO E DELINQUÊNCIA
UMA VISÃO INTERDISCIPLINAR
ENTRE O DIREITO E A PSICANÁLISE
A PARTIR DE D. W. WINNICOTT
• Texto para uso exclusivo dos alunos em
sala de aula, favor não citar.
• Elaboração
• Professor
• Rosângelo Rodrigues de Miranda
• QUAL A NATUREZA DA TENDÊNCIA
ANTI-SOCIAL NO VIVER HUMANO?
• QUAIS AS ORIGENS DOS ATOS DE
AGRESSÃO?
• POR QUAIS MOTIVOS DEVEMOS
ESTUDAR, ENQUANTO OPERADORES
DO DIREITO, A PSICOLOGIA HUMANA
E AS RAÍZES DA AGRESSÃO?
• PELA RAZÃO DE QUE LIDAMOS
COM A AGRESSÃO EM NOSSO
COTIDINO, SEJA PELA CRIANÇA,
PELO ADOLESCENTE, SEJA PELO
ADULTO.
• Assim, perceber a natureza da agressão.
Perceber como ela funciona no
mecanismo da psique humana. Saber o
que pode gerar uma agressividade
exacerbada. Saber que a agressividade é
natural a todo Ser humano, tudo isto pode
contribuir para que compreendamos
melhor o fenômeno da agressividade e,
em conseqüência, possamos agir de
modo mais adequado na prática de
nossas profissões jurídicas.
• Por conseguinte, ponderar e questionar quais
ações ou atitudes podem minorar as
tendências anti-sociais, pode permitir aos
operadores do direito uma melhor
compreensão do
agressor/criminoso/delinqüente, propiciando,
num futuro próximo, uma melhor operatividade
do Direito/punição, pois fica-se senhor de que
a agressividade possui raízes que, às vezes,
fogem ao senso comum que clama tão
somente pela vingança social contra o
agressor.
Por quais motivos estudar Winnicott?
• Médico, Pediatra, Psicanalista, gestor público.
• Campo de observação: crianças desamparadas
no período do entre-guerras e pós guerra.
• Forte poder de síntese e comunicação popular
de seus pensamentos e ações.
• Como clínico, apresenta soluções, sempre
ciente dos limites, defendendo, contudo, uma
atitude de esperança frente à agressividade.
O QUE É AGRESSIVIDADE
PARA WINNICOTT?
1) Direta ou indiretamente ela é uma reação à Frustração.
2) Fonte de energia de um indivíduo:
a) criativa
b) autopreservação
3) Ela está presente em todos os estágios do viver:
4) No bebê, na criança, no adolescente, no jovem e no
adulto, no dizer de Winnicott: “as pessoas não têm
apenas a própria idade, elas têm, em certa medida, todas
as idades e nenhuma idade”( pg. 50)
5) É na interação meio/indivíduo que a agressividade torna-
se criadora, preservadora, restauradora ou destrutiva.
• Assim, estar vivo é estar lidando
com a agressividade. Para
Winnicott, a agressividade é
diferente de agressão
• Havendo cuidado
inicial a
Agressividade
Integra-se à
personalidade de
modo adequado
Passividade
timidez
masoquismo
Destrutividade
agressões
Não havendo cuidado
Inicial a Agressividade
Desintegra a
personalidade
dominando-a gerando:
• A raiz do comportamento Anti-social
vem da não integração inicial da
violência dentro da personalidade do
indivíduo.
Como se dá esta integração da
agressividade? Como é o processo
de amadurecimento do indivíduo?
• De início, Winnicott parte da premissa de que
“qualquer potencialidade do indivíduo só se
torna dele quando experienciada” (pg 13), o que
acarreta o amadurecimento
• Esta experienciação se dá, para Winnicott, nas
seguintes fases:a)Dependência absoluta;
b)Motilidade; c)Desadaptação gradual;
• d) Destruição do objeto; e)Reparação.
FASES DESTA
EXPERIENCIAÇÃO
A) DEPENDÊNCIA ABSOLUTA: Bebê é Ser
indiferenciado em relação à mãe
B) MOTILIDADE: Gera Prazer
• “Necessita de algo contra
o qual fazer força, caso
contrário,a Agressividade
permanecerá não
experimentada,
constituindo-se uma
ameaça ao bem estar”
(pg.16)
• A mãe sumamente boa
gradua estes obstáculos
• Um excesso de oposição inibe o
impulso e impede que a motilidade se
fusione à experiência instintual.
• Na prática, o bebê necessita de
cuidados vindos do meio ambiente,
além disto necessita, também, que o
meio ambiente resista às suas
invectivas.
• Se o meio ambiente invade o bebê, ocorre
reações, inibições, isolamentos. Em casos
extremos, o bebê dissolve-se no meio e não
estrutura o EU.
• Quando a agressão é exacerbada,
ativa-se um sistema de perseguição. O
EU do bebê e mais tarde o do
adolescente e do adulto, dará boas
vindas à perseguição, pois diante dela
ele se sente REAL, pois foi dela que
minimamente ele pôde gerar o próprio
EU.
• Exemplos: adolescentes que delinqüem
clamando o aparecimento de uma
autoridade, ou um pai persecutório.
Alguns adultos reiteradamente criminosos
• Nesta falsa fusão do EU com a
AGRESSIVIDADE, o indivíduo só se sente
real quando é destrutivo e cruel.
Enfim, na relação bebê/meio
ambiente se abrem 4
possibilidades
• O Bebê pode esconder seus impulsos uma
vez que o ambiente não tolera agressão (
mãe deprimida)
• Inibir os impulsos e gerar auto-controle
( experienciar a raiva )
• Cindir, desconhecer os impulsos
• Desenvolver tendências anti-sociais
• C) DESADAPTAÇÃO GRADUAL: No
ciclo do amadurecimento, a mãe deve
criar um modo saudável de desadaptação
gradual, desiludindo o bebê da ilusão de
sua onipotência. A mãe deve resistir e
aplacar a revolta do bebê, sem entretanto
persistir na adaptação absoluta.
• D) DESTRUIÇÃO DO OBJETO:
• EU TE DESTRUÍ, EU TE AMO
• A agressividade na separação EU e o MEIO/MÃE gera a
percepção não apenas do EU, mas do OUTRO que é
bom, isto é, o objeto amado. Aqui o bebê amadurece
gerando a capacidade de preocupar-se, sentir culpa,
reparar, restituir. Da AGRESSIVIDADE AO
PREOCUPAR-SE, Winnicott diz que a mãe deve segurar
a situação (pg.37)
• O Pai surge como terceiro que auxilia a criança a
proteger a mãe ( objeto do amor) da própria
agressividade, contribuindo para integrar a
agressividade à sua personalidade.
• E) REPARAÇÃO: um dos caminhos rumo
ao amadurecimento são os passos
reparadores do brincar, do contribuir para
a vida doméstica, do trabalho.
• Se há conflitos, se não há ambiente para
experienciar a reparação (desagregação
familiar) a agressividade explode na
criança e após no adolescente e no
adulto.
• Diz Winnicott: “ onde a perseguição é
deliberadamente esperada, há risco de que ela
seja provocada numa tentativa de fugir à
loucura ou ao delírio”. Então
• Provoca-se, a agressão. Provoca-se o crime,
• para aplacar a angústia de uma perseguição
esperada, pois a dor da angústia sentida pela
espera de que algo persecutório irá ocorrer é
maior do que a repreensão concreta efetivada
pelo perseguidor. A repreensão torna-se um
remédio, uma saída para a dor da angústia
persecutória. É pela perseguição que o EU não
integrado reconhece-se real. (pg 99).
• A chave para a integração da agressividade nos
indivíduos está na oferta de meios e
oportunidades de recuperação, via gestos
acolhedores ( pg. 109)
• A delinqüência é um gesto de esperança do
indivíduo que sofreu privação e não integrou a
agressividade em seu EU, para que o meio lhe
possibilite oportunidades de reparar o dano,
encarar sua culpa e integrar a sua
agressividade à sua personalidade.
• Na ausência da situação otimamente boa, e na
ausência das oportunidades reparadoras, o
Indivíduo agride para aplacar a dor da
perseguição que lhe daria o sentido de ser um
Ser real.
• A situação otimamente boa e as
oportunidades de reparação geram
capacidade de ENVOLVIMENTO
Positivo: senso de responsabilidade.
Preocupar-se. Importar-se
Negativo: angústia pela ambivalência frente
ao objeto bom e a idéia de destruição
O Envolvimento é a base da família. Para além do
prazer, os cônjuges assumem a
responsabilidade pelos filhos.
O Envolvimento está por trás de todo trabalho e
brincar construtivos.
Envolver-se é amadurecer, é ter saúde.
Quando há confiança num ciclo benigno, quando
há expectativa de oportunidades reparadoras, a
culpa se modifica e advém a capacidade de
ENVOLVIMENTO.
• Diante deste quadro, adverte Winnicott, vê-se o
alto preço pago pelo Direito como um todo, e o
Direito Penal e de Família em particular, em
desconsiderar o valor do inconsciente na prática
de atos ilícitos.
• Ao lidar com a delinqüência apenas com
anseios de vingança pública, o Direito mostra-se
despreparado para ofertar ao delinqüente meios
de reparar seu ato agressor e, por via de
conseqüência, gerar neste capacidade de
envolvimento e senso de responsabilidade
pessoal e social
A delinqüência deriva da privação
O delito é um ato de esperança
• Os pequenos delitos iniciais cometidos pela
criança e ou adolescente são um pedido de
socorro. Ele ou ela pede pessoas fortes,
amorosas e confiantes. Num primeiro momento
pede a mãe, depois o pai. Se há falhas busca
tios, amigos, avós.
• Num longo horizonte, a criança anti-social
recorre, via atos agressivos, à Sociedade,
visando encontrar a autoridade que lhe aplaque
as angustias de um EU não integrado ( ex.
Filme Homem Morto caminha, e livro A Caixa
Preta de Amós Z)
• Na delinqüência plenamente desenvolvida,
há cada vez mais depressão,
despersonalização e inibição para o amor.
Para Winnicott, neste estágio, o indivíduo
torna-se incapaz de sentir a realidade a não
ser pela violência.
Soluções (adaptadas à nossa realidade)
Preventivas
Políticas públicas de apoio à família
Incentivo à maternidade e à
paternidade responsável
• Instituição de Lar-substituto, com mãe e pai
sociais, para crianças em privação
• Instituição de meios que possibilitem ao
adolescente integrar sua agressividade via
trabalho, diversão e educação, gerando
capacidade de envolvimento
• APAC, para adultos, gerando ciclo benigno de
confiança e envolvimento, gerando senso de
responsabilidade.
Reparadoras
• Enfim, quando há confiança num ciclo
benigno de geração de oportunidades de
reparação, a culpa se modifica e advém a
capacidade de ENVOLVIMENTO,
ocorrendo, por via de conseqüência, o
AMADURECIMENTO DO EU, e a SAÚDE
individual e social.
• Não se trata, adverte Winnicott, de sentimentalismos,
mas, ao contrário, trata-se de quebrar, pelo âmago, o
ciclo vicioso do delinqüir, que vai do reformatório infantil,
à prisão para jovens e adultos.
• Só uma ação familiar e social que se abra para o
delinqüente como Ser em privação, e que se disponha a
ofertar a este meios de integração da própria
agressividade via atos de reparação pode vir a lidar, de
maneira produtiva e pragmática, com a agressividade,
visando minorar os efeitos prejudiciais do crime e da
delinqüência juvenil. Frente a atos de agressão, só atos
de carinho e não meramente repressivos podem gerar
algum benefício aos indivíduos e à Sociedade que se
desejam amadurecidos e com saúde.
Fonte:
• WINNICOTT, D.W. Privação e
Delinqüência. Ed. Martins Fonte. 2005

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocialmarta12l
 
Aula 2 historia e psicologia juridica
Aula 2  historia e psicologia juridicaAula 2  historia e psicologia juridica
Aula 2 historia e psicologia juridicamonteiro2014
 
Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques Lacan ?
Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques  Lacan ?Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques  Lacan ?
Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques Lacan ?Alexandre Simoes
 
3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescênciaUlisses Vakirtzis
 
Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)
Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)
Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)Alexandre Simoes
 
Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)
Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)
Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)Alexandre Simoes
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoAlexandre Simoes
 
O desejo e suas apresentações na prática analítica
O desejo e suas apresentações na prática analítica O desejo e suas apresentações na prática analítica
O desejo e suas apresentações na prática analítica Alexandre Simoes
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoNilson Dias Castelano
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosLudmila Moura
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoLudmila Moura
 
Trabalho aec 1
Trabalho aec 1Trabalho aec 1
Trabalho aec 1unieubra
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de FreudLucas Vinícius
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Alexandre Simoes
 

Mais procurados (20)

Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Aula 2 historia e psicologia juridica
Aula 2  historia e psicologia juridicaAula 2  historia e psicologia juridica
Aula 2 historia e psicologia juridica
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques Lacan ?
Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques  Lacan ?Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques  Lacan ?
Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 1: Quem foi Jacques Lacan ?
 
3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência
 
Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)
Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)
Psicanálise II- Aula 4: A Transferência (parte III)
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 
Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)
Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)
Psicanálise II - Aula 2: Transferência (parte I)
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
O desejo e suas apresentações na prática analítica
O desejo e suas apresentações na prática analítica O desejo e suas apresentações na prática analítica
O desejo e suas apresentações na prática analítica
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
 
psicologia e psicopatologia
psicologia e psicopatologiapsicologia e psicopatologia
psicologia e psicopatologia
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
Trabalho aec 1
Trabalho aec 1Trabalho aec 1
Trabalho aec 1
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 

Destaque

01 livros do grupo livros acadêmicos para download
01 livros do grupo livros acadêmicos para download01 livros do grupo livros acadêmicos para download
01 livros do grupo livros acadêmicos para downloadLivros Acadêmicos
 
O Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott
O Brincar e o desenvolvimento infantil para WinnicottO Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott
O Brincar e o desenvolvimento infantil para WinnicottMaylu Souza
 
Shantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTMShantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTMFelipe Galdiano
 
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise HojePsicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hojeciacinco
 
Shiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTMShiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTMLais Valente
 
violência - professor
violência - professorviolência - professor
violência - professornandatinoco
 
A preservação do meio ambiente começa em casa
A preservação do meio ambiente começa em casaA preservação do meio ambiente começa em casa
A preservação do meio ambiente começa em casaALVARO RAMOS
 
1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostressPelo Siro
 
Hipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de ClientesHipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de Clientesplan4women
 
Violencia de género
Violencia de géneroViolencia de género
Violencia de génerokarenmartin05
 
Perturbações Psicológicas
Perturbações PsicológicasPerturbações Psicológicas
Perturbações Psicológicasield
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoroveronicasilva
 

Destaque (20)

01 livros do grupo livros acadêmicos para download
01 livros do grupo livros acadêmicos para download01 livros do grupo livros acadêmicos para download
01 livros do grupo livros acadêmicos para download
 
Livros de Psicologia
Livros de PsicologiaLivros de Psicologia
Livros de Psicologia
 
Winnicott
WinnicottWinnicott
Winnicott
 
Adolescência e família
Adolescência e famíliaAdolescência e família
Adolescência e família
 
O Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott
O Brincar e o desenvolvimento infantil para WinnicottO Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott
O Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott
 
Shantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTMShantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shantala - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
 
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise HojePsicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
 
Shiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTMShiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
Shiatsuterapia - Liga Acadêmica de Saúde Oriental/UFTM
 
violência - professor
violência - professorviolência - professor
violência - professor
 
Rorschach 2 atual
Rorschach 2 atualRorschach 2 atual
Rorschach 2 atual
 
A preservação do meio ambiente começa em casa
A preservação do meio ambiente começa em casaA preservação do meio ambiente começa em casa
A preservação do meio ambiente começa em casa
 
Winnicott e melanie klein
Winnicott e melanie kleinWinnicott e melanie klein
Winnicott e melanie klein
 
Bete palestra lmp_2013
Bete palestra lmp_2013Bete palestra lmp_2013
Bete palestra lmp_2013
 
1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress
 
Hipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de ClientesHipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de Clientes
 
Violencia de género
Violencia de géneroViolencia de género
Violencia de género
 
Perturbações Psicológicas
Perturbações PsicológicasPerturbações Psicológicas
Perturbações Psicológicas
 
Namoro sobral
Namoro sobralNamoro sobral
Namoro sobral
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 

Semelhante a Winiccot

Violencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeidaViolencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeidaLicínia Simões
 
Adolescentes e deliquência - apresentação.pptx
Adolescentes e deliquência - apresentação.pptxAdolescentes e deliquência - apresentação.pptx
Adolescentes e deliquência - apresentação.pptxAnaPaulaHoroback
 
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2Beth2819
 
Cartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantilCartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantilSimoneHelenDrumond
 
O que é adolescência
O que é adolescênciaO que é adolescência
O que é adolescênciaFlávia Gomes
 
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIADESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIAElayne Camilo
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaSergio Menezes
 
Tudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantilTudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantilVitoriadriaa
 
Seminário SINDSASC DF Abril 2017
Seminário SINDSASC DF Abril 2017Seminário SINDSASC DF Abril 2017
Seminário SINDSASC DF Abril 2017SINDSASC
 
Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...
Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...
Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...Jhonny Ribeiro
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasAna Lopes
 
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoajt7_9
 
Psicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaPsicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaSinara Duarte
 

Semelhante a Winiccot (20)

Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
Violencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeidaViolencia saudavel anaalmeida
Violencia saudavel anaalmeida
 
Adolescentes e deliquência - apresentação.pptx
Adolescentes e deliquência - apresentação.pptxAdolescentes e deliquência - apresentação.pptx
Adolescentes e deliquência - apresentação.pptx
 
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
 
Trauma
TraumaTrauma
Trauma
 
Cartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantilCartazes sobre a violencia infantil
Cartazes sobre a violencia infantil
 
O que é adolescência
O que é adolescênciaO que é adolescência
O que é adolescência
 
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIADESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espírita
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Tudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantilTudo sobre o abuso infantil
Tudo sobre o abuso infantil
 
Seminário SINDSASC DF Abril 2017
Seminário SINDSASC DF Abril 2017Seminário SINDSASC DF Abril 2017
Seminário SINDSASC DF Abril 2017
 
Modulo1 unid 2 web
Modulo1 unid 2 webModulo1 unid 2 web
Modulo1 unid 2 web
 
Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...
Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...
Ateoriadodesenvolvimentohumanosegundoerikerikcsonrevistoem09 05-2011-11050912...
 
Inf+éncia violentada
Inf+éncia violentadaInf+éncia violentada
Inf+éncia violentada
 
Maus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a criançasMaus tratos infligidos a crianças
Maus tratos infligidos a crianças
 
10 abril
10 abril10 abril
10 abril
 
Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)
 
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
 
Psicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaPsicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infância
 

Mais de Rosângelo Miranda

Humanística. curso Mege Aula 1 tjsp 186
Humanística. curso Mege  Aula 1 tjsp 186Humanística. curso Mege  Aula 1 tjsp 186
Humanística. curso Mege Aula 1 tjsp 186Rosângelo Miranda
 
Teoria geral do processo e Neoconstitucionalismo
Teoria geral do processo e NeoconstitucionalismoTeoria geral do processo e Neoconstitucionalismo
Teoria geral do processo e NeoconstitucionalismoRosângelo Miranda
 
Konrad Hesse Elementos de Direito Constitucional Alemão
Konrad Hesse  Elementos de Direito Constitucional AlemãoKonrad Hesse  Elementos de Direito Constitucional Alemão
Konrad Hesse Elementos de Direito Constitucional AlemãoRosângelo Miranda
 
Lassalle. O que é uma Constituição?
Lassalle. O que é uma Constituição?Lassalle. O que é uma Constituição?
Lassalle. O que é uma Constituição?Rosângelo Miranda
 
Kelsen. Uma Pequena Introdução.
Kelsen. Uma Pequena Introdução.Kelsen. Uma Pequena Introdução.
Kelsen. Uma Pequena Introdução.Rosângelo Miranda
 
Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.Rosângelo Miranda
 
Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...
Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...
Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...Rosângelo Miranda
 
NIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCO
NIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCONIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCO
NIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCORosângelo Miranda
 
GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...
GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...
GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...Rosângelo Miranda
 
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015Rosângelo Miranda
 

Mais de Rosângelo Miranda (13)

Humanística. curso Mege Aula 1 tjsp 186
Humanística. curso Mege  Aula 1 tjsp 186Humanística. curso Mege  Aula 1 tjsp 186
Humanística. curso Mege Aula 1 tjsp 186
 
San Tiago Dantas
San Tiago DantasSan Tiago Dantas
San Tiago Dantas
 
Direito Civil Constitucional
Direito Civil ConstitucionalDireito Civil Constitucional
Direito Civil Constitucional
 
Teoria geral do processo e Neoconstitucionalismo
Teoria geral do processo e NeoconstitucionalismoTeoria geral do processo e Neoconstitucionalismo
Teoria geral do processo e Neoconstitucionalismo
 
Konrad Hesse Elementos de Direito Constitucional Alemão
Konrad Hesse  Elementos de Direito Constitucional AlemãoKonrad Hesse  Elementos de Direito Constitucional Alemão
Konrad Hesse Elementos de Direito Constitucional Alemão
 
Lassalle. O que é uma Constituição?
Lassalle. O que é uma Constituição?Lassalle. O que é uma Constituição?
Lassalle. O que é uma Constituição?
 
Luiz gama
Luiz gamaLuiz gama
Luiz gama
 
Kelsen. Uma Pequena Introdução.
Kelsen. Uma Pequena Introdução.Kelsen. Uma Pequena Introdução.
Kelsen. Uma Pequena Introdução.
 
Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.
 
Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...
Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...
Teoria da Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais. Resumo com al...
 
NIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCO
NIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCONIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCO
NIKLAS LUHMANN - TEORIA POLÍTICA NA SOCIEDADE DE RISCO
 
GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...
GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...
GARANTISMO PENAL. ANÁLISE DA OBRA DE LUIGI FERRAJOLI. Teoria e exemplos práti...
 
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
Revisão de humanística para a prova oral tjmg 2015
 

Winiccot

  • 1. PRIVAÇÃO E DELINQUÊNCIA UMA VISÃO INTERDISCIPLINAR ENTRE O DIREITO E A PSICANÁLISE A PARTIR DE D. W. WINNICOTT
  • 2. • Texto para uso exclusivo dos alunos em sala de aula, favor não citar. • Elaboração • Professor • Rosângelo Rodrigues de Miranda
  • 3. • QUAL A NATUREZA DA TENDÊNCIA ANTI-SOCIAL NO VIVER HUMANO? • QUAIS AS ORIGENS DOS ATOS DE AGRESSÃO? • POR QUAIS MOTIVOS DEVEMOS ESTUDAR, ENQUANTO OPERADORES DO DIREITO, A PSICOLOGIA HUMANA E AS RAÍZES DA AGRESSÃO?
  • 4. • PELA RAZÃO DE QUE LIDAMOS COM A AGRESSÃO EM NOSSO COTIDINO, SEJA PELA CRIANÇA, PELO ADOLESCENTE, SEJA PELO ADULTO.
  • 5. • Assim, perceber a natureza da agressão. Perceber como ela funciona no mecanismo da psique humana. Saber o que pode gerar uma agressividade exacerbada. Saber que a agressividade é natural a todo Ser humano, tudo isto pode contribuir para que compreendamos melhor o fenômeno da agressividade e, em conseqüência, possamos agir de modo mais adequado na prática de nossas profissões jurídicas.
  • 6. • Por conseguinte, ponderar e questionar quais ações ou atitudes podem minorar as tendências anti-sociais, pode permitir aos operadores do direito uma melhor compreensão do agressor/criminoso/delinqüente, propiciando, num futuro próximo, uma melhor operatividade do Direito/punição, pois fica-se senhor de que a agressividade possui raízes que, às vezes, fogem ao senso comum que clama tão somente pela vingança social contra o agressor.
  • 7. Por quais motivos estudar Winnicott? • Médico, Pediatra, Psicanalista, gestor público. • Campo de observação: crianças desamparadas no período do entre-guerras e pós guerra. • Forte poder de síntese e comunicação popular de seus pensamentos e ações. • Como clínico, apresenta soluções, sempre ciente dos limites, defendendo, contudo, uma atitude de esperança frente à agressividade.
  • 8. O QUE É AGRESSIVIDADE PARA WINNICOTT? 1) Direta ou indiretamente ela é uma reação à Frustração. 2) Fonte de energia de um indivíduo: a) criativa b) autopreservação 3) Ela está presente em todos os estágios do viver: 4) No bebê, na criança, no adolescente, no jovem e no adulto, no dizer de Winnicott: “as pessoas não têm apenas a própria idade, elas têm, em certa medida, todas as idades e nenhuma idade”( pg. 50) 5) É na interação meio/indivíduo que a agressividade torna- se criadora, preservadora, restauradora ou destrutiva.
  • 9. • Assim, estar vivo é estar lidando com a agressividade. Para Winnicott, a agressividade é diferente de agressão
  • 10. • Havendo cuidado inicial a Agressividade Integra-se à personalidade de modo adequado Passividade timidez masoquismo Destrutividade agressões Não havendo cuidado Inicial a Agressividade Desintegra a personalidade dominando-a gerando:
  • 11. • A raiz do comportamento Anti-social vem da não integração inicial da violência dentro da personalidade do indivíduo.
  • 12. Como se dá esta integração da agressividade? Como é o processo de amadurecimento do indivíduo? • De início, Winnicott parte da premissa de que “qualquer potencialidade do indivíduo só se torna dele quando experienciada” (pg 13), o que acarreta o amadurecimento • Esta experienciação se dá, para Winnicott, nas seguintes fases:a)Dependência absoluta; b)Motilidade; c)Desadaptação gradual; • d) Destruição do objeto; e)Reparação.
  • 13. FASES DESTA EXPERIENCIAÇÃO A) DEPENDÊNCIA ABSOLUTA: Bebê é Ser indiferenciado em relação à mãe
  • 14. B) MOTILIDADE: Gera Prazer • “Necessita de algo contra o qual fazer força, caso contrário,a Agressividade permanecerá não experimentada, constituindo-se uma ameaça ao bem estar” (pg.16) • A mãe sumamente boa gradua estes obstáculos
  • 15. • Um excesso de oposição inibe o impulso e impede que a motilidade se fusione à experiência instintual. • Na prática, o bebê necessita de cuidados vindos do meio ambiente, além disto necessita, também, que o meio ambiente resista às suas invectivas.
  • 16. • Se o meio ambiente invade o bebê, ocorre reações, inibições, isolamentos. Em casos extremos, o bebê dissolve-se no meio e não estrutura o EU.
  • 17. • Quando a agressão é exacerbada, ativa-se um sistema de perseguição. O EU do bebê e mais tarde o do adolescente e do adulto, dará boas vindas à perseguição, pois diante dela ele se sente REAL, pois foi dela que minimamente ele pôde gerar o próprio EU.
  • 18. • Exemplos: adolescentes que delinqüem clamando o aparecimento de uma autoridade, ou um pai persecutório. Alguns adultos reiteradamente criminosos • Nesta falsa fusão do EU com a AGRESSIVIDADE, o indivíduo só se sente real quando é destrutivo e cruel.
  • 19. Enfim, na relação bebê/meio ambiente se abrem 4 possibilidades • O Bebê pode esconder seus impulsos uma vez que o ambiente não tolera agressão ( mãe deprimida) • Inibir os impulsos e gerar auto-controle ( experienciar a raiva ) • Cindir, desconhecer os impulsos • Desenvolver tendências anti-sociais
  • 20. • C) DESADAPTAÇÃO GRADUAL: No ciclo do amadurecimento, a mãe deve criar um modo saudável de desadaptação gradual, desiludindo o bebê da ilusão de sua onipotência. A mãe deve resistir e aplacar a revolta do bebê, sem entretanto persistir na adaptação absoluta.
  • 21. • D) DESTRUIÇÃO DO OBJETO: • EU TE DESTRUÍ, EU TE AMO • A agressividade na separação EU e o MEIO/MÃE gera a percepção não apenas do EU, mas do OUTRO que é bom, isto é, o objeto amado. Aqui o bebê amadurece gerando a capacidade de preocupar-se, sentir culpa, reparar, restituir. Da AGRESSIVIDADE AO PREOCUPAR-SE, Winnicott diz que a mãe deve segurar a situação (pg.37)
  • 22. • O Pai surge como terceiro que auxilia a criança a proteger a mãe ( objeto do amor) da própria agressividade, contribuindo para integrar a agressividade à sua personalidade.
  • 23. • E) REPARAÇÃO: um dos caminhos rumo ao amadurecimento são os passos reparadores do brincar, do contribuir para a vida doméstica, do trabalho. • Se há conflitos, se não há ambiente para experienciar a reparação (desagregação familiar) a agressividade explode na criança e após no adolescente e no adulto.
  • 24. • Diz Winnicott: “ onde a perseguição é deliberadamente esperada, há risco de que ela seja provocada numa tentativa de fugir à loucura ou ao delírio”. Então • Provoca-se, a agressão. Provoca-se o crime, • para aplacar a angústia de uma perseguição esperada, pois a dor da angústia sentida pela espera de que algo persecutório irá ocorrer é maior do que a repreensão concreta efetivada pelo perseguidor. A repreensão torna-se um remédio, uma saída para a dor da angústia persecutória. É pela perseguição que o EU não integrado reconhece-se real. (pg 99).
  • 25. • A chave para a integração da agressividade nos indivíduos está na oferta de meios e oportunidades de recuperação, via gestos acolhedores ( pg. 109) • A delinqüência é um gesto de esperança do indivíduo que sofreu privação e não integrou a agressividade em seu EU, para que o meio lhe possibilite oportunidades de reparar o dano, encarar sua culpa e integrar a sua agressividade à sua personalidade. • Na ausência da situação otimamente boa, e na ausência das oportunidades reparadoras, o Indivíduo agride para aplacar a dor da perseguição que lhe daria o sentido de ser um Ser real.
  • 26. • A situação otimamente boa e as oportunidades de reparação geram capacidade de ENVOLVIMENTO Positivo: senso de responsabilidade. Preocupar-se. Importar-se Negativo: angústia pela ambivalência frente ao objeto bom e a idéia de destruição
  • 27. O Envolvimento é a base da família. Para além do prazer, os cônjuges assumem a responsabilidade pelos filhos. O Envolvimento está por trás de todo trabalho e brincar construtivos. Envolver-se é amadurecer, é ter saúde. Quando há confiança num ciclo benigno, quando há expectativa de oportunidades reparadoras, a culpa se modifica e advém a capacidade de ENVOLVIMENTO.
  • 28. • Diante deste quadro, adverte Winnicott, vê-se o alto preço pago pelo Direito como um todo, e o Direito Penal e de Família em particular, em desconsiderar o valor do inconsciente na prática de atos ilícitos. • Ao lidar com a delinqüência apenas com anseios de vingança pública, o Direito mostra-se despreparado para ofertar ao delinqüente meios de reparar seu ato agressor e, por via de conseqüência, gerar neste capacidade de envolvimento e senso de responsabilidade pessoal e social
  • 29. A delinqüência deriva da privação O delito é um ato de esperança
  • 30. • Os pequenos delitos iniciais cometidos pela criança e ou adolescente são um pedido de socorro. Ele ou ela pede pessoas fortes, amorosas e confiantes. Num primeiro momento pede a mãe, depois o pai. Se há falhas busca tios, amigos, avós. • Num longo horizonte, a criança anti-social recorre, via atos agressivos, à Sociedade, visando encontrar a autoridade que lhe aplaque as angustias de um EU não integrado ( ex. Filme Homem Morto caminha, e livro A Caixa Preta de Amós Z)
  • 31. • Na delinqüência plenamente desenvolvida, há cada vez mais depressão, despersonalização e inibição para o amor. Para Winnicott, neste estágio, o indivíduo torna-se incapaz de sentir a realidade a não ser pela violência.
  • 32. Soluções (adaptadas à nossa realidade) Preventivas Políticas públicas de apoio à família Incentivo à maternidade e à paternidade responsável
  • 33. • Instituição de Lar-substituto, com mãe e pai sociais, para crianças em privação • Instituição de meios que possibilitem ao adolescente integrar sua agressividade via trabalho, diversão e educação, gerando capacidade de envolvimento • APAC, para adultos, gerando ciclo benigno de confiança e envolvimento, gerando senso de responsabilidade. Reparadoras
  • 34. • Enfim, quando há confiança num ciclo benigno de geração de oportunidades de reparação, a culpa se modifica e advém a capacidade de ENVOLVIMENTO, ocorrendo, por via de conseqüência, o AMADURECIMENTO DO EU, e a SAÚDE individual e social.
  • 35. • Não se trata, adverte Winnicott, de sentimentalismos, mas, ao contrário, trata-se de quebrar, pelo âmago, o ciclo vicioso do delinqüir, que vai do reformatório infantil, à prisão para jovens e adultos. • Só uma ação familiar e social que se abra para o delinqüente como Ser em privação, e que se disponha a ofertar a este meios de integração da própria agressividade via atos de reparação pode vir a lidar, de maneira produtiva e pragmática, com a agressividade, visando minorar os efeitos prejudiciais do crime e da delinqüência juvenil. Frente a atos de agressão, só atos de carinho e não meramente repressivos podem gerar algum benefício aos indivíduos e à Sociedade que se desejam amadurecidos e com saúde.
  • 36. Fonte: • WINNICOTT, D.W. Privação e Delinqüência. Ed. Martins Fonte. 2005