SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
VIOLÊNCIA NO NAMORO

                 Mafalda Branco

     EB 2,3 Dr. Rui Grácio, 3 de Maio de 2012
“É mau que se discuta a sexualidade na escola?

Não!

É razoável que haja uma disciplina de educação sexual?

Não!

(…A educação cívica, com debates abertos e protagonizados
 pelos alunos, não deve escolher disciplinas.)”

                                                  Eduardo Sá
“A verdadeira Educação Sexual

é a educação da capacidade de amar”

                               Muller
Porquê falar em violência no namoro?


- A violência nas relações afectivas é cada vez mais precoce;
- Um em cada quatro jovens em Portugal já foi vítima de violência no
namoro    (dados do estudo da Prof.ª Carla Machado, Universidade do Minho, 2008; em

2011 foram registadas na APAV 114 queixas por violência no namoro);

- Em geral, a violência é “aceitável”, tolerada e desculpabilizada;
- Há dificuldade em distinguir entre um conflito e uma situação de
violência;
- Ainda perduram muitos mitos relativamente às relações afectivas.
Como prevenir?

Portaria n.º 196-A/2010


3.º Ciclo
• “Compreensão da sexualidade como uma das componentes mais sensíveis da
pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores.”
• “Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso
físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões
emocionais e sexuais.”


Secundário
• “Compreensão ética da sexualidade humana.”
• Dar continuidade aos temas abordados no 3.º ciclo.
Informar, Sensibilizar, Educar

Dinamização de bolsas locais de animadores(as) juvenis para prevenir a
violência no namoro:


a) Desenvolvimento de acções para eliminar estereótipos e permitir a
assumpção de novas masculinidades;
b) Desenvolvimento de acções para promoção do empoderamento de
jovens raparigas;
c) Elaboração de guiões e produtos educativos para acções de
sensibilização.


                            In IV Plano Nacional contra a Violência Doméstica (2011-2013)
Violência no namoro – O que é?

Existe violência quando, numa relação
amorosa, um exerce poder e controlo
sobre o outro, com o objectivo de
condicionar     e      limitar     os
comportamentos do/a outro, de obter
o que deseja, causando-lhe um prejuízo
ou sofrimento físico, psicológico ou        A violência não conhece
sexual.                                   fronteiras de estratos sociais,
                                          faixas etárias, religiões, etnias,
                                           etc, e ocorre em todos os
                                         casais (hetero e homossexuais).
Formas de Violência

      VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA
         VIOLÊNCIA FÍSICA
          VIOLÊNCIA SEXUAL
            VIOLÊNCIA EMOCIONAL

• Criticar pensamentos, sentimentos, opiniões e acções
  •Ameaçar bater
  • Bofetadas

• Chamar deusar uma armaa VERBALfalar, etc.
            VIOLÊNCIA
  Interromper quando está comer, a
  • Ameaçar prostituta
    Puxar

• Toquesde tudo o que corre mal
  Culpar não desejados
  • Ameaçar matar-se
    Empurrar
    • Insultar,
    Esmurrar chamar nomes
• Deitar abaixo devido a quebens pessoais
  • Partir objectos, destruir não físicos
  Forçar a actos sexuais defeitos deseja (sexo oral,
    • Fazer no
• Perseguircomentáriosetc.)família ou amigo/as
actuação pornográfica, cruéis
  • Dar murroscontexto da
    Arranhar nas paredes
    • Berrar
• Forçar a ao chãoconversar telefónicas; proibir de usar o
• • Bater com as portassexuais com outras pessoas
  Controlar relações
    Deitar ter as
• Exigir sexover amigas/osdoente
telefone, de quando está incessantes, e-
  • Socos, pontapés
    Perseguir (telefonemas
• Violação fazer coisas degradantes (por exemplo: ajoelhar-se)
  Forçarou mensagens ameaçadores, fazer
  mails a
  • Cuspir
  esperas)
• Insultar pessoas armas ougosta, amigas/os ou família
  • Agredir com de quem objectos (pau,
 régua, cinto, chicote, faca, etc.)
Violência no Namoro – Crenças e Mitos

Mito: A violência no namoro é coisa de crianças, não é para levar a sério.

Realidade: A violência também ocorre nas relações amorosas entre adolescentes e deve ser
  considerada um sinal de alerta.



Mito: As adolescentes gostam dessas relações ou não continuariam com o namoro.

Realidade: As adolescentes mantêm as relações de namoro por várias e complexas razões,
  nunca por gostarem de ser abusadas. Ninguém se mantém numa relação de abuso porque
  gosta, e sair duma relação violenta pode ser um processo muito difícil.



Mito: “Quanto mais me bates, mais eu gosto de ti.”

Realidade: Os rapazes que agem dessa forma estão a usar a violência para controlar a
  namorada. Gostar de alguém quer dizer respeitar a pessoa não a agredindo.
Porque se mantém uma relação violenta?


• Gostar realmente da pessoa e acreditar que pode mudar;

• Pressão do grupo;

• Vergonha;

• Medo.
“Todos somos um pouco como o
elefante do circo: seguimos pela
 vida fora atados a centenas de
        estacas que nos cortam
                   a liberdade.”

                       Jorge Bucay
Quais as consequências?

• Perda de apetite e emagrecimento excessivo;

• Baixa auto-estima;

• Ansiedade;

• Depressão;

• Isolamento;

• Diminuição do rendimento escolar;

• Suicídio.



                Vários estudos referem que a violência no namoro
                       é preditora da violência entre casais.
DINÂMICAS DE GRUPO
Papel dos professores:
          professores:


• Facilitar o desenrolar da dinâmica, mais do que orientar;

• Evitar dar conselhos ou servir de agente informativo para o grupo;

• Criar um clima de confiança total entre os elementos do grupo;
• Tornar-se uma voz “off” – a consciência e a memória do
 grupo;
• Observar      (Elementos   líder?   Elementos     isolados?
 Rejeição? Dificuldades do grupo ou individuais);
• Manter-se o agente de educação, que é o modelo de
 autenticidade pessoal, de respeito, consideração e
 conciliação.
Material: Actividades do guia

“Kit Pedagógico sobre Género e Juventude”




      DISPONÍVEL PARA
     DOWNLOAD ONLINE
Violência no Namoro - Prevenção


Brainstorming

Construção de cenário (com colagem)



 “O que é um namoro saudável/ feliz?”
         (Necessidades/Desejos)

       “O que é amar alguém?”

  “O que é o respeito? De que forma
   mostramos respeito por alguém?”

        “O que é ser violento?”
Violência no Namoro - Prevenção


Dinâmica de Grupo




  “Sê uma Senhora/ Sê um Homem”
Violência no Namoro - Prevenção


Dinâmica de Grupo




     “Retrato Robot”
Violência no Namoro - Prevenção




Reflexão - Música




 “Os maridos das outras”
Violência no Namoro - Prevenção


Dinâmica de Grupo




       “Concordo/ Discordo”
“A violência não é força, mas fraqueza,
  nem nunca poderá ser criadora de
  coisa alguma, apenas destruidora.”

                            Benedetto Croce




       Obrigada pela vossa atenção!

       mafalda.branco@sapo.pt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Violencia no namoro
Violencia no namoroViolencia no namoro
Violencia no namoro
Paula Lopes
 
Violência no namoro ação de sensibilização
Violência no namoro   ação de sensibilizaçãoViolência no namoro   ação de sensibilização
Violência no namoro ação de sensibilização
luiscontente
 
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha  Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Vyttorya Marcenio
 
Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0
Jornal do Commercio
 
Diversos tipos de violência
Diversos tipos de violênciaDiversos tipos de violência
Diversos tipos de violência
lucia_nunes
 
Violencia domestica
Violencia domesticaViolencia domestica
Violencia domestica
julia-maria
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
martasara
 
Pesquisa - Tipos de Violência
Pesquisa - Tipos de ViolênciaPesquisa - Tipos de Violência
Pesquisa - Tipos de Violência
Gilvânia Jardim
 

Mais procurados (20)

Violencia no namoro
Violencia no namoroViolencia no namoro
Violencia no namoro
 
Violencia no namoro
Violencia no namoroViolencia no namoro
Violencia no namoro
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Violencia no namoro
Violencia no namoro   Violencia no namoro
Violencia no namoro
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Violência
ViolênciaViolência
Violência
 
Violência no namoro ação de sensibilização
Violência no namoro   ação de sensibilizaçãoViolência no namoro   ação de sensibilização
Violência no namoro ação de sensibilização
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
Violência domestica
Violência domesticaViolência domestica
Violência domestica
 
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha  Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
 
A ViolêNcia Humana
A ViolêNcia HumanaA ViolêNcia Humana
A ViolêNcia Humana
 
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-laViolência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes: o que é e como combatê-la
 
Violencia domestica 2012
Violencia domestica 2012 Violencia domestica 2012
Violencia domestica 2012
 
Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0Cartilha violencia domestica_alt_0
Cartilha violencia domestica_alt_0
 
Diversos tipos de violência
Diversos tipos de violênciaDiversos tipos de violência
Diversos tipos de violência
 
Violência doméstica e familiar polícia militar
Violência doméstica e familiar   polícia militarViolência doméstica e familiar   polícia militar
Violência doméstica e familiar polícia militar
 
Violencia domestica
Violencia domesticaViolencia domestica
Violencia domestica
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
Pesquisa - Tipos de Violência
Pesquisa - Tipos de ViolênciaPesquisa - Tipos de Violência
Pesquisa - Tipos de Violência
 

Destaque

Nao faz-mal-ser-diferente 1-
Nao faz-mal-ser-diferente 1-Nao faz-mal-ser-diferente 1-
Nao faz-mal-ser-diferente 1-
LugaraoAfecto
 
Perturbações Psicológicas
Perturbações PsicológicasPerturbações Psicológicas
Perturbações Psicológicas
ield
 
1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress
Pelo Siro
 
Hipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de ClientesHipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de Clientes
plan4women
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
veronicasilva
 
Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]
Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]
Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]
Rafael Bebber
 

Destaque (20)

17 março
17 março17 março
17 março
 
Nao faz-mal-ser-diferente 1-
Nao faz-mal-ser-diferente 1-Nao faz-mal-ser-diferente 1-
Nao faz-mal-ser-diferente 1-
 
Perturbações Psicológicas
Perturbações PsicológicasPerturbações Psicológicas
Perturbações Psicológicas
 
Violencia de género
Violencia de géneroViolencia de género
Violencia de género
 
1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress1191713343 1793.seminariostress
1191713343 1793.seminariostress
 
Bete palestra lmp_2013
Bete palestra lmp_2013Bete palestra lmp_2013
Bete palestra lmp_2013
 
Hipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de ClientesHipóteses Segmento de Clientes
Hipóteses Segmento de Clientes
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Homens,gênero e violência
Homens,gênero e violênciaHomens,gênero e violência
Homens,gênero e violência
 
Winiccot
WiniccotWiniccot
Winiccot
 
Stress e qualidade de vida no mundo coorporativo
Stress e qualidade de vida no mundo coorporativoStress e qualidade de vida no mundo coorporativo
Stress e qualidade de vida no mundo coorporativo
 
Violência de gênero: a sociedade e o papel da Justiça Penal
Violência de gênero:  a sociedade e o papel da Justiça PenalViolência de gênero:  a sociedade e o papel da Justiça Penal
Violência de gênero: a sociedade e o papel da Justiça Penal
 
Matéria: Empoderamento Feminino
Matéria: Empoderamento FemininoMatéria: Empoderamento Feminino
Matéria: Empoderamento Feminino
 
Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]
Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]
Saúde mental e trabalho [modo de compatibilidade]
 
Teste de issl lipp protocolo de respostas
Teste de issl lipp protocolo de respostasTeste de issl lipp protocolo de respostas
Teste de issl lipp protocolo de respostas
 
Resiliência e Burnout (teoria e superacao) parte 1
Resiliência e Burnout (teoria e superacao) parte 1Resiliência e Burnout (teoria e superacao) parte 1
Resiliência e Burnout (teoria e superacao) parte 1
 
Violência contra mulher -
Violência contra mulher - Violência contra mulher -
Violência contra mulher -
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Apresentação Trabalho de Conclusão de Curso
Apresentação Trabalho de Conclusão de CursoApresentação Trabalho de Conclusão de Curso
Apresentação Trabalho de Conclusão de Curso
 
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnoutEnfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
 

Semelhante a Namoro sobral

Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutal
guest4f2f68
 
Sexualidade e Preconceitos
Sexualidade e PreconceitosSexualidade e Preconceitos
Sexualidade e Preconceitos
Michele Pó
 
Sexualidade e Preconceitos
Sexualidade e PreconceitosSexualidade e Preconceitos
Sexualidade e Preconceitos
Michele Pó
 
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
grizzdesign
 
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIVDireitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
MovimentoMulher360
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
Helena Rocha
 

Semelhante a Namoro sobral (20)

Vídeo aula 28
Vídeo aula 28Vídeo aula 28
Vídeo aula 28
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutal
 
Sexualidade e Preconceitos
Sexualidade e PreconceitosSexualidade e Preconceitos
Sexualidade e Preconceitos
 
Sexualidade e Preconceitos
Sexualidade e PreconceitosSexualidade e Preconceitos
Sexualidade e Preconceitos
 
Cartilha mulher violência
Cartilha mulher violênciaCartilha mulher violência
Cartilha mulher violência
 
A Educação Sexual e as (homos)sexualidades no armário_ABEH.ppt
A Educação Sexual e as (homos)sexualidades no armário_ABEH.pptA Educação Sexual e as (homos)sexualidades no armário_ABEH.ppt
A Educação Sexual e as (homos)sexualidades no armário_ABEH.ppt
 
Bullying
 Bullying Bullying
Bullying
 
(Dw) violencia contra mulher - palestra para hoje20200821
(Dw) violencia contra mulher -  palestra para hoje20200821(Dw) violencia contra mulher -  palestra para hoje20200821
(Dw) violencia contra mulher - palestra para hoje20200821
 
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.110   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
 
A violência causa e efeito na família
A violência causa e efeito na famíliaA violência causa e efeito na família
A violência causa e efeito na família
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
 
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIVDireitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
 
Cultura do estupro
Cultura do estuproCultura do estupro
Cultura do estupro
 
Bullying apresentação
Bullying apresentaçãoBullying apresentação
Bullying apresentação
 
Abuso da sexualidade pais 97 2003
Abuso da sexualidade pais 97 2003Abuso da sexualidade pais 97 2003
Abuso da sexualidade pais 97 2003
 
4. Bullying: lidando com o mal século
4. Bullying: lidando com o mal século4. Bullying: lidando com o mal século
4. Bullying: lidando com o mal século
 

Mais de LugaraoAfecto (20)

12 abril
12 abril12 abril
12 abril
 
26 abril
26 abril26 abril
26 abril
 
23 abril
23 abril23 abril
23 abril
 
16 abril
16 abril16 abril
16 abril
 
10 abril
10 abril10 abril
10 abril
 
3 abril
3 abril3 abril
3 abril
 
2 abril
2 abril2 abril
2 abril
 
Estratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunosEstratégias para motivar os alunos
Estratégias para motivar os alunos
 
23 março
23 março23 março
23 março
 
22 março
22 março22 março
22 março
 
Kit cidadania
Kit cidadaniaKit cidadania
Kit cidadania
 
20 março
20 março20 março
20 março
 
19 março
19 março19 março
19 março
 
16 março
16 março16 março
16 março
 
15 março
15 março15 março
15 março
 
10 março
10 março10 março
10 março
 
Segredo sobral
Segredo sobralSegredo sobral
Segredo sobral
 
3 março
3 março3 março
3 março
 
4 fevereiro
4 fevereiro4 fevereiro
4 fevereiro
 
21 janeiro
21 janeiro21 janeiro
21 janeiro
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 

Namoro sobral

  • 1. VIOLÊNCIA NO NAMORO Mafalda Branco EB 2,3 Dr. Rui Grácio, 3 de Maio de 2012
  • 2. “É mau que se discuta a sexualidade na escola? Não! É razoável que haja uma disciplina de educação sexual? Não! (…A educação cívica, com debates abertos e protagonizados pelos alunos, não deve escolher disciplinas.)” Eduardo Sá
  • 3. “A verdadeira Educação Sexual é a educação da capacidade de amar” Muller
  • 4. Porquê falar em violência no namoro? - A violência nas relações afectivas é cada vez mais precoce; - Um em cada quatro jovens em Portugal já foi vítima de violência no namoro (dados do estudo da Prof.ª Carla Machado, Universidade do Minho, 2008; em 2011 foram registadas na APAV 114 queixas por violência no namoro); - Em geral, a violência é “aceitável”, tolerada e desculpabilizada; - Há dificuldade em distinguir entre um conflito e uma situação de violência; - Ainda perduram muitos mitos relativamente às relações afectivas.
  • 5. Como prevenir? Portaria n.º 196-A/2010 3.º Ciclo • “Compreensão da sexualidade como uma das componentes mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores.” • “Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico e sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais.” Secundário • “Compreensão ética da sexualidade humana.” • Dar continuidade aos temas abordados no 3.º ciclo.
  • 6. Informar, Sensibilizar, Educar Dinamização de bolsas locais de animadores(as) juvenis para prevenir a violência no namoro: a) Desenvolvimento de acções para eliminar estereótipos e permitir a assumpção de novas masculinidades; b) Desenvolvimento de acções para promoção do empoderamento de jovens raparigas; c) Elaboração de guiões e produtos educativos para acções de sensibilização. In IV Plano Nacional contra a Violência Doméstica (2011-2013)
  • 7. Violência no namoro – O que é? Existe violência quando, numa relação amorosa, um exerce poder e controlo sobre o outro, com o objectivo de condicionar e limitar os comportamentos do/a outro, de obter o que deseja, causando-lhe um prejuízo ou sofrimento físico, psicológico ou A violência não conhece sexual. fronteiras de estratos sociais, faixas etárias, religiões, etnias, etc, e ocorre em todos os casais (hetero e homossexuais).
  • 8. Formas de Violência VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA VIOLÊNCIA FÍSICA VIOLÊNCIA SEXUAL VIOLÊNCIA EMOCIONAL • Criticar pensamentos, sentimentos, opiniões e acções •Ameaçar bater • Bofetadas • Chamar deusar uma armaa VERBALfalar, etc. VIOLÊNCIA Interromper quando está comer, a • Ameaçar prostituta Puxar • Toquesde tudo o que corre mal Culpar não desejados • Ameaçar matar-se Empurrar • Insultar, Esmurrar chamar nomes • Deitar abaixo devido a quebens pessoais • Partir objectos, destruir não físicos Forçar a actos sexuais defeitos deseja (sexo oral, • Fazer no • Perseguircomentáriosetc.)família ou amigo/as actuação pornográfica, cruéis • Dar murroscontexto da Arranhar nas paredes • Berrar • Forçar a ao chãoconversar telefónicas; proibir de usar o • • Bater com as portassexuais com outras pessoas Controlar relações Deitar ter as • Exigir sexover amigas/osdoente telefone, de quando está incessantes, e- • Socos, pontapés Perseguir (telefonemas • Violação fazer coisas degradantes (por exemplo: ajoelhar-se) Forçarou mensagens ameaçadores, fazer mails a • Cuspir esperas) • Insultar pessoas armas ougosta, amigas/os ou família • Agredir com de quem objectos (pau, régua, cinto, chicote, faca, etc.)
  • 9. Violência no Namoro – Crenças e Mitos Mito: A violência no namoro é coisa de crianças, não é para levar a sério. Realidade: A violência também ocorre nas relações amorosas entre adolescentes e deve ser considerada um sinal de alerta. Mito: As adolescentes gostam dessas relações ou não continuariam com o namoro. Realidade: As adolescentes mantêm as relações de namoro por várias e complexas razões, nunca por gostarem de ser abusadas. Ninguém se mantém numa relação de abuso porque gosta, e sair duma relação violenta pode ser um processo muito difícil. Mito: “Quanto mais me bates, mais eu gosto de ti.” Realidade: Os rapazes que agem dessa forma estão a usar a violência para controlar a namorada. Gostar de alguém quer dizer respeitar a pessoa não a agredindo.
  • 10. Porque se mantém uma relação violenta? • Gostar realmente da pessoa e acreditar que pode mudar; • Pressão do grupo; • Vergonha; • Medo.
  • 11. “Todos somos um pouco como o elefante do circo: seguimos pela vida fora atados a centenas de estacas que nos cortam a liberdade.” Jorge Bucay
  • 12. Quais as consequências? • Perda de apetite e emagrecimento excessivo; • Baixa auto-estima; • Ansiedade; • Depressão; • Isolamento; • Diminuição do rendimento escolar; • Suicídio. Vários estudos referem que a violência no namoro é preditora da violência entre casais.
  • 13. DINÂMICAS DE GRUPO Papel dos professores: professores: • Facilitar o desenrolar da dinâmica, mais do que orientar; • Evitar dar conselhos ou servir de agente informativo para o grupo; • Criar um clima de confiança total entre os elementos do grupo; • Tornar-se uma voz “off” – a consciência e a memória do grupo; • Observar (Elementos líder? Elementos isolados? Rejeição? Dificuldades do grupo ou individuais); • Manter-se o agente de educação, que é o modelo de autenticidade pessoal, de respeito, consideração e conciliação.
  • 14. Material: Actividades do guia “Kit Pedagógico sobre Género e Juventude” DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD ONLINE
  • 15. Violência no Namoro - Prevenção Brainstorming Construção de cenário (com colagem) “O que é um namoro saudável/ feliz?” (Necessidades/Desejos) “O que é amar alguém?” “O que é o respeito? De que forma mostramos respeito por alguém?” “O que é ser violento?”
  • 16. Violência no Namoro - Prevenção Dinâmica de Grupo “Sê uma Senhora/ Sê um Homem”
  • 17. Violência no Namoro - Prevenção Dinâmica de Grupo “Retrato Robot”
  • 18. Violência no Namoro - Prevenção Reflexão - Música “Os maridos das outras”
  • 19. Violência no Namoro - Prevenção Dinâmica de Grupo “Concordo/ Discordo”
  • 20. “A violência não é força, mas fraqueza, nem nunca poderá ser criadora de coisa alguma, apenas destruidora.” Benedetto Croce Obrigada pela vossa atenção! mafalda.branco@sapo.pt