SlideShare uma empresa Scribd logo
““Só existe um problema filosófico realmente sério: é oSó existe um problema filosófico realmente sério: é o
suicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena sersuicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena ser
vivida é responder a questão fundamental da filosofia.vivida é responder a questão fundamental da filosofia.
O resto, se o mundo tem três ou quatro dimensões, seO resto, se o mundo tem três ou quatro dimensões, se
o espírito tem nove ou doze categorias, vêm emo espírito tem nove ou doze categorias, vêm em
seguida.”seguida.”
Albert CamusAlbert Camus
Etimologicamente a palavra suicídio tem suas
origens no latim Sui = si mesmo e Caedes = ação de
matar. É a morte auto-inflingida, provocada por um
ato voluntário e intencional.
O tema do suicídio é
recorrente de vários
estudos, apesar de se tratar
de um tema difícil, obscuro
e um tanto misterioso da
condição humana, deve ser
tratado como um sério
problema de saúde pública.
O suicídio é um fenômeno exclusivamente
humano, ocorrendo em todas as culturas,
variando, contudo, o valor e a interpretação que
se dá a tal ato.
Há registros
muito antigos de
casos de suicídio,
desde os tempos
mais remotos da
história.
Na Roma antiga, os conceitos acerca do suicídio, eram
parecidas com as dos gregos. O suicídio era reprovado como
forma de enfraquecimento do grupo social, e o interessado
em tirar a própria vida, deveria apresentar suas razões para o
senado, que analisaria o caso.
Na fase histórica grega, o
suicídio inautorizado era
considerado uma
transgressão. Sócrates
foi um filósofo
condenado ao suicídio,
por ter que ingerir
cicuta.
Na idade média, uma repugnância ao ato suicída tomou
proporções exageradas, com puniçõesao cadáver do suicida,
como a negativa de sepultamento em solo sagrado, as
mutilações de partes do corpo e mesmo rituais estranhos,
derivados de várias superstições.
Para o islamismo, religião fundada pelo profeta Maomé, o
suicídio é fortemente repudiado, mais do que em qualquer
outra religião, sendo penalizada, inclusive, a família do suicida,
que passa a ser desonrada e marginalizada (RIBEIRO, 2004).
Com o renascimento, e seu apelo à razão, diminui-se a
repressão ao suicídio, considerando equivocadas as censuras
religiosas a esse fenômeno. Os primeiros registros de que o
suicídio era considerado como doença mental, apareceram na
época do positivismo
Segundo os dados da organização mundial de saúde,
a questão do suicídio vem se agravando nos últimos
anos, fato que pode ser comprovado pelo número de
mortes auto-infligidas em termos globais, que para o
ano de 2003 girou em torno de 900.000 pessoas.
Dentre os países que apresentam as maiores taxas de
suicídio destacam-se principalmente o Japão, a
Rússia, os países do leste europeu, os Estados Unidos
e Índia. Na América latina destacam-se, Uruguai,
Chile, Argentina e Guianas.
No Brasil as taxas de suicídio são consideradas baixas,
variando entre 3,9 a 4,5 para cada 100 mil habitantes,
mas por ser um pais muito populoso está entre os dez
países em números absolutos de suicídios.
Porém, existem variações consideráveis entre as
regiões brasileiras e seus respectivos estados, como
podemos observar na comparação entre a região sul
com taxas de 8,6 chegando a 9,8 no Rio Grande do
Sul, e a região norte com taxas de 3,17, porém os
estado com menor taxa de suicídio são o Maranhão e
a Bahia com taxas de 1,6 e 1,9 respectivamente.
No período entre 2005 e 2009, ocorreram 53 tentativas
de suicídio e 23 suicídios (fonte, Delegacia de Polícia
Cívil).
A psicanálise compreende o suicídio como sendo um ato.
Pode-se classificar o ato suicida como Acting Out, ou Passagem ao
Ato.
No Acting Out o ato é dirigido ao outro; é um apelo, uma demanda
de amor e de reconhecimento, onde o sujeito cria a cena e se incluí
nela.
Na Passagem ao Ato o sujeito se identifica com o resto, o dejeto do
mundo; o sujeito não consegue, não suporta manter a cena, pois a
angústia é insuportável.
 A estrutura histérica tende, em seus cenários, sempre
incluir o outro, seja por idealizá-lo, ou culpabilizá-lo,
ou ambos. Nesse sentido, na histeria é mais freqüente o
“acting” suicida.
Na obsessão, porém, dada a relação dessa estrutura
com a formação de ideais rígidos, frente aos quais o
sujeito está sempre em dívida e culpabilizado, a
tendência a estados melancólicos de autodepreciação
são mais freqüentes e levam mais facilmente o sujeito à
passagem ao ato.
Em relação à estruturação psicótica torna-se mais
complexo antever qual será a significação do ato
suicida ou mesmo quando e como esse ato pode vir à
tona no cenário psicótico. O ato suicida se torna
imprevisível, podendo vir a tona a qualquer momento,
devido a sua produção delirante.
O indivíduo de estrutura perversa muito dificilmente
chega a consumar o suicídio, ou mesmo tentá-lo, a
não ser que o ato de se auto-exterminar sirva como
um corolário de seus atos de perversidade.
Pulsão de Vida (Eros) Pulsão de Morte (Tânatos)
(Pulsão responsável
pelos instintos
de conservação)
(Pulsão responsável
pelos instintos
destrutivos)
Transtornos mentais:Transtornos mentais: Depressão, transtornos de
personalidade; Esquizofrenia, Transtornos de ansiedade;
Comorbidades.
Sociodemográficos:Sociodemográficos: Sexo masculino; entre 15 e 35, e acima
de 75 anos; estratos econômicos extremos;
desempregados; aposentados; isolament; migrantes.
Psicológicos:Psicológicos: perdas recentes e de figuras parentais na
infância; dinâmica familiar conturbada; datas importantes;
Personalidade com traços significativos de impulsividade,
agressividade, humor lábil.
Condições clínicas incapacitantes:Condições clínicas incapacitantes: doenças orgânicas
incapacitantes; dor crônica; lesões desfigurantes perenes;
epilepsia; trauma medular; neoplasias malignas; aids.
Os principais fatores de risco queOs principais fatores de risco que
podem desencadear o suicídio são:podem desencadear o suicídio são:
•• História de tentativa de suicídio;História de tentativa de suicídio;
•• Transtorno mental.Transtorno mental.
Os principais fatores de risco queOs principais fatores de risco que
podem desencadear o suicídio são:podem desencadear o suicídio são:
•• História de tentativa de suicídio;História de tentativa de suicídio;
•• Transtorno mental.Transtorno mental.
O comportamento suicida pode serO comportamento suicida pode ser
dividido nas seguinte situações:dividido nas seguinte situações:
Ideação suicida:Ideação suicida: seria a motivação intelectual que leva
ao suicídio .
 Ato suicida:Ato suicida: seria uma alteração na conduta do
indivíduo, que faz com que ele aja, intencionalmente
buscando provocar a própria morte.
 Tentativa de suicídio:Tentativa de suicídio: é a situação onde o indivíduo
não morre em decorrência do ato suicida.
 Risco de suicídio:Risco de suicídio: é a probabilidade de que a ideação
suicida leve ao ato suicida.
Fluxograma de caracterização dasFluxograma de caracterização das
situações envolvidas no suicídiosituações envolvidas no suicídio
Ideação suicidaIdeação suicida
Ato suicidaAto suicida
MorteMorte
SuicídioSuicídio
Não-morteNão-morte
Tentativa de suicídioTentativa de suicídio
Regra dos 4DRegra dos 4D
São quatro os sentimentos principais de quem pensa
em se matar. Todos começam com a letra “D”:
Depressão;Depressão;
Desesperança;Desesperança;
Desamparo;Desamparo;
Desespero.Desespero.
Frases de alerta + 4D,Frases de alerta + 4D,
é preciso investigaré preciso investigar
cuidadosamente ocuidadosamente o
risco de suicídio.risco de suicídio.
Frases de alerta + 4D,Frases de alerta + 4D,
é preciso investigaré preciso investigar
cuidadosamente ocuidadosamente o
risco de suicídio.risco de suicídio.
01. Pessoas que falam que vão se matar não se suicidam realmente,
porque quem quer se matar o faz sem avisar.
MITO
02. Falar sobre suicídio pode vir a influenciar, incentivar a pessoa a
praticá-lo.
MITO
03 . Homens cometem mais suicídio que as mulheres.
VERDADE
04. A maioria dos suicidas estão indecisos sobre se matar ou
continuar vivendo.
VERDADE
AMBIVALÊNCIA
É preciso encontrar um local adequado onde haja
privacidade para o atendimento.
É preciso reservar o tempo que for necessário para o
atendimento.
Ouvir o paciente de forma efetiva.
Ouvir sem recriminações.
Utilizar uma abordagem calma.
Dicas de como se comunicar:Dicas de como se comunicar:
Ouvir atentamente e com calma;
Entender os sentimentos da pessoa (empatia);
Dar mensagens não verbais de aceitação e respeito;
Expressar respeito pelas opiniões e pelos valores da
pessoa;
Conversar honestamente e com autenticidade;
Mostrar sua preocupação, seu cuidado e sua afeição;
Focalizar nos sentimentos da pessoa.
Dicas de comoDicas de como nãonão se comunicar:se comunicar:
Interromper muito freqüentemente;
 Ficar chocado ou muito emocionado;
Dizer que você está ocupado;
Fazer o problema parecer trivial;
De formas que coloquem o paciente em posição inferior;
Dizer simplesmente que tudo vai ficar bem;
Fazer perguntas indiscretas;
Emitir julgamentos (certo x errado);
Tentar doutrinar, emitir discursos religiosos.
As perguntas devem ser feitas com cautela,
demonstrando compaixão e empatia para com o
paciente.
Deve-se tentar desde o início estabelecer um vínculo
que garanta a confiança e a colaboração do paciente.
Respeitando a condição emocional e a situação de
vida que o levou a pensar sobre suicídio.
Quando e como encaminhar o pacienteQuando e como encaminhar o paciente
para a equipe de saúde mentalpara a equipe de saúde mental
É necessário ter disposição de tempo para explicar à pessoa a
razão do encaminhamento à saúde mental.
Marcar a consulta, de preferência com rapidez.
Esclarecer que o encaminhamento não significa que o
profissional está lavando as mãos em relação ao problema.
Veja a pessoa depois da consulta.
Tente obter uma contra-referência do atendimento.
Mantenha contato periódico.
O profissional de psicologia pode exercer um papel
fundamental no que concerne a compreensão e prevenção do
comportamento suicida, quer seja atuando como um agente
desmistificador do ato suicida e trabalhando na sua
prevenção, quer seja atuando como um canalizador do
discurso, criando canais terapêuticos que auxiliem indivíduos
potencialmente suicidas ou que já tentaram suicídio a
encontrar outros meios para expressar a sua dor.
BAUMAM, Zigmunt.(Tradução de Agência Matisa de Jornalismo Cientifico). Solidão
Compartilhada. In: Psique, Ciência e Vida. São Paulo. Fascículo – 47. P. 41-45. 2010. Ed. Escala.
CAMPOS, Luiz Fernando de Lara. Métodos e técnicas de pesquisa em psicologia. Campinas,
SP:Editora Alínea, 2001.
CASSORLA, R. M. S. & SMEKE, E. L. M., 1994. Autodestruição humana. Cadernos de Saúde
Pública, 10 (supl. 1):61-73.
DIEKSTRA, R.F.W.; GULBINAT, W. – The Epidemiology of Suicidal Behavior: a Review of
Three Continents. World Health Statistics Quarterly, 1993.
DURKHEIM, Émile. O suicídio. São Paulo. Martin Claret. 2003.
Ey, Henry; BERNARD, Paul; BRISSET, Charles. Manual de Psiquiatria. 5ª ed. São Paulo,
Atheneu,
FIGUEIREDO, Ricardo Vergueiro. Da Participação em suicídio. Belo Horizonte: Del Rey. 2001.
FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. In:Edição Standard Brasileira das Obras
Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Trad. de Jayme Salomão et al. Vol. 23. Rio de
Janeiro: Imago, 1996.
FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. In:Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas
Completas de Sigmund Freud. Trad. de Jayme Salomão et al. Vol. 14. Rio de Janeiro: Imago,
1996.
GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Freud e o inconsciente. 19ª Ed. Rio de Janeiro. Jorge Zahar
Editor.2002.
INFANTE, D.A. O Suicídio na Adolescência. In: SAITO, Maria Ignes; SILVA, Luiz Eduardo
Vargas. Adolescência: Prevenção e Risco. São Paulo: Atheneu, 2001. 319-403.
KAPACZINSKI, Flávio; QUEVEDO, Ricardo Schmitt e CHACHAMOVICH, Eduardo. Emergências
Psiquiátricas. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.
KAPLAN, Harold I. Compêndio de Psiquiatria: Ciências do Comportamento e Psiquiatria
Clínica. 7ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 1997.
LAPLANCHE, J & PONTALIS J.Vocabulário de Psicanálise. 4ª Ed. São Paulo: Martins Fontes,
2001.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e
Problemas Relacionados à Saúde. CID-10, EDUSP, São Paulo, 1993.
PAGEMOTO, Maria Ligia. Um absurdo razoável. In: Filosofia, Ciência e Vida. São
Paulo.Fascículo – 11. P. 16-23. Ed Escala, 2007.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Prevenção do Suicídio: manual dirigido a profissionais das
equipes de saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, OPAS, UNICAMP. 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Luciana França Cescon
 
Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)
Catiane HENZ
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
Luciana França Cescon
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
Psicologia Conexão
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
Daniel de Melo
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Natália Ribeiro
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Kelly Pereira
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
Rafael Almeida
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
GabriellaDias35
 
Automutilação.
Automutilação.Automutilação.
Automutilação.
Eduarda Medeiros
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Como prevenir o suicídio?
Como prevenir o suicídio?Como prevenir o suicídio?
Palestra o suicidio
Palestra o suicidioPalestra o suicidio
Palestra o suicidio
Victor Passos
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
UNIME
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
MariaClaraFernandes25
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
Robson Peixoto
 
Prevenção de suicídio
Prevenção de suicídioPrevenção de suicídio
Prevenção de suicídio
Instituto de Saúde Social - ISSO
 

Mais procurados (20)

Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?
 
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
 
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIASUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
SUICÍDIO - ORIENTAÇÕES PARA PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdfSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pdf
 
Automutilação.
Automutilação.Automutilação.
Automutilação.
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Como prevenir o suicídio?
Como prevenir o suicídio?Como prevenir o suicídio?
Como prevenir o suicídio?
 
Palestra o suicidio
Palestra o suicidioPalestra o suicidio
Palestra o suicidio
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
 
Prevenção de suicídio
Prevenção de suicídioPrevenção de suicídio
Prevenção de suicídio
 

Destaque

02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
Graça Martins
 
Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
 Higiene seguranca_trabalho - 2 aula Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
Marcio Guilherme Bispo
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Professor Robson
 
Trabalho com NR10
Trabalho com NR10Trabalho com NR10
Trabalho com NR10
Edgar Arana
 
Seguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho sladeSeguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho slade
Rosângela Mello
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Mariana Lima
 
Tristeza e depressão
Tristeza e depressãoTristeza e depressão
Tristeza e depressão
Marlon Reikdal
 
Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoHigiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
Camila Falcão
 

Destaque (8)

02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
 
Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
 Higiene seguranca_trabalho - 2 aula Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
Higiene seguranca_trabalho - 2 aula
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
 
Trabalho com NR10
Trabalho com NR10Trabalho com NR10
Trabalho com NR10
 
Seguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho sladeSeguranca no trabalho slade
Seguranca no trabalho slade
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
 
Tristeza e depressão
Tristeza e depressãoTristeza e depressão
Tristeza e depressão
 
Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoHigiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
 

Semelhante a Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção

Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Doroteia Múrcia Souza
 
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
NEPP- Estudos Em Psicanálise
 
Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
MarisaMoreiraCampos
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
balsense
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
Cristina Tristacci
 
Depressão e suicidio seminario
Depressão e suicidio   seminarioDepressão e suicidio   seminario
Depressão e suicidio seminario
Flavio A. Zanetti
 
Memórias de um suicida
Memórias de um suicidaMemórias de um suicida
Memórias de um suicida
Dr. Walter Cury
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
Rafael Almeida
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
IaraFarias10
 
ObsCidio - A Obsessão e o Suicídio
ObsCidio - A Obsessão e o SuicídioObsCidio - A Obsessão e o Suicídio
ObsCidio - A Obsessão e o Suicídio
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
Alinebrauna Brauna
 
Você não esta sozinho
Você não esta sozinhoVocê não esta sozinho
Você não esta sozinho
ThiagoPereiraSantos2
 
Suicídio e saúde mental.pdf
Suicídio e saúde mental.pdfSuicídio e saúde mental.pdf
Suicídio e saúde mental.pdf
RodrigoCarvalho711168
 
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia SilenciosaSuicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
CEENA_SS
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
Espaço da Mente
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Telma Lima
 
As várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídioAs várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídio
Francisco Rúdar da Silva
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
Rafael Almeida
 
1265454
12654541265454
1265454
Fabio Couto
 
Apresentação cuidado, frágil pdf
Apresentação cuidado, frágil pdfApresentação cuidado, frágil pdf
Apresentação cuidado, frágil pdf
Luciana França Cescon
 

Semelhante a Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção (20)

Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
 
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
 
Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
 
2011 suicidio
2011 suicidio2011 suicidio
2011 suicidio
 
Depressão e suicidio seminario
Depressão e suicidio   seminarioDepressão e suicidio   seminario
Depressão e suicidio seminario
 
Memórias de um suicida
Memórias de um suicidaMemórias de um suicida
Memórias de um suicida
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
 
ObsCidio - A Obsessão e o Suicídio
ObsCidio - A Obsessão e o SuicídioObsCidio - A Obsessão e o Suicídio
ObsCidio - A Obsessão e o Suicídio
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Você não esta sozinho
Você não esta sozinhoVocê não esta sozinho
Você não esta sozinho
 
Suicídio e saúde mental.pdf
Suicídio e saúde mental.pdfSuicídio e saúde mental.pdf
Suicídio e saúde mental.pdf
 
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia SilenciosaSuicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
 
Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
As várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídioAs várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídio
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
 
1265454
12654541265454
1265454
 
Apresentação cuidado, frágil pdf
Apresentação cuidado, frágil pdfApresentação cuidado, frágil pdf
Apresentação cuidado, frágil pdf
 

Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção

  • 1.
  • 2. ““Só existe um problema filosófico realmente sério: é oSó existe um problema filosófico realmente sério: é o suicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena sersuicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena ser vivida é responder a questão fundamental da filosofia.vivida é responder a questão fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três ou quatro dimensões, seO resto, se o mundo tem três ou quatro dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vêm emo espírito tem nove ou doze categorias, vêm em seguida.”seguida.” Albert CamusAlbert Camus
  • 3. Etimologicamente a palavra suicídio tem suas origens no latim Sui = si mesmo e Caedes = ação de matar. É a morte auto-inflingida, provocada por um ato voluntário e intencional.
  • 4. O tema do suicídio é recorrente de vários estudos, apesar de se tratar de um tema difícil, obscuro e um tanto misterioso da condição humana, deve ser tratado como um sério problema de saúde pública.
  • 5. O suicídio é um fenômeno exclusivamente humano, ocorrendo em todas as culturas, variando, contudo, o valor e a interpretação que se dá a tal ato. Há registros muito antigos de casos de suicídio, desde os tempos mais remotos da história.
  • 6. Na Roma antiga, os conceitos acerca do suicídio, eram parecidas com as dos gregos. O suicídio era reprovado como forma de enfraquecimento do grupo social, e o interessado em tirar a própria vida, deveria apresentar suas razões para o senado, que analisaria o caso. Na fase histórica grega, o suicídio inautorizado era considerado uma transgressão. Sócrates foi um filósofo condenado ao suicídio, por ter que ingerir cicuta.
  • 7. Na idade média, uma repugnância ao ato suicída tomou proporções exageradas, com puniçõesao cadáver do suicida, como a negativa de sepultamento em solo sagrado, as mutilações de partes do corpo e mesmo rituais estranhos, derivados de várias superstições. Para o islamismo, religião fundada pelo profeta Maomé, o suicídio é fortemente repudiado, mais do que em qualquer outra religião, sendo penalizada, inclusive, a família do suicida, que passa a ser desonrada e marginalizada (RIBEIRO, 2004). Com o renascimento, e seu apelo à razão, diminui-se a repressão ao suicídio, considerando equivocadas as censuras religiosas a esse fenômeno. Os primeiros registros de que o suicídio era considerado como doença mental, apareceram na época do positivismo
  • 8.
  • 9. Segundo os dados da organização mundial de saúde, a questão do suicídio vem se agravando nos últimos anos, fato que pode ser comprovado pelo número de mortes auto-infligidas em termos globais, que para o ano de 2003 girou em torno de 900.000 pessoas. Dentre os países que apresentam as maiores taxas de suicídio destacam-se principalmente o Japão, a Rússia, os países do leste europeu, os Estados Unidos e Índia. Na América latina destacam-se, Uruguai, Chile, Argentina e Guianas.
  • 10. No Brasil as taxas de suicídio são consideradas baixas, variando entre 3,9 a 4,5 para cada 100 mil habitantes, mas por ser um pais muito populoso está entre os dez países em números absolutos de suicídios. Porém, existem variações consideráveis entre as regiões brasileiras e seus respectivos estados, como podemos observar na comparação entre a região sul com taxas de 8,6 chegando a 9,8 no Rio Grande do Sul, e a região norte com taxas de 3,17, porém os estado com menor taxa de suicídio são o Maranhão e a Bahia com taxas de 1,6 e 1,9 respectivamente.
  • 11. No período entre 2005 e 2009, ocorreram 53 tentativas de suicídio e 23 suicídios (fonte, Delegacia de Polícia Cívil).
  • 12.
  • 13. A psicanálise compreende o suicídio como sendo um ato. Pode-se classificar o ato suicida como Acting Out, ou Passagem ao Ato. No Acting Out o ato é dirigido ao outro; é um apelo, uma demanda de amor e de reconhecimento, onde o sujeito cria a cena e se incluí nela. Na Passagem ao Ato o sujeito se identifica com o resto, o dejeto do mundo; o sujeito não consegue, não suporta manter a cena, pois a angústia é insuportável.
  • 14.
  • 15.  A estrutura histérica tende, em seus cenários, sempre incluir o outro, seja por idealizá-lo, ou culpabilizá-lo, ou ambos. Nesse sentido, na histeria é mais freqüente o “acting” suicida. Na obsessão, porém, dada a relação dessa estrutura com a formação de ideais rígidos, frente aos quais o sujeito está sempre em dívida e culpabilizado, a tendência a estados melancólicos de autodepreciação são mais freqüentes e levam mais facilmente o sujeito à passagem ao ato.
  • 16. Em relação à estruturação psicótica torna-se mais complexo antever qual será a significação do ato suicida ou mesmo quando e como esse ato pode vir à tona no cenário psicótico. O ato suicida se torna imprevisível, podendo vir a tona a qualquer momento, devido a sua produção delirante. O indivíduo de estrutura perversa muito dificilmente chega a consumar o suicídio, ou mesmo tentá-lo, a não ser que o ato de se auto-exterminar sirva como um corolário de seus atos de perversidade.
  • 17. Pulsão de Vida (Eros) Pulsão de Morte (Tânatos) (Pulsão responsável pelos instintos de conservação) (Pulsão responsável pelos instintos destrutivos)
  • 18. Transtornos mentais:Transtornos mentais: Depressão, transtornos de personalidade; Esquizofrenia, Transtornos de ansiedade; Comorbidades. Sociodemográficos:Sociodemográficos: Sexo masculino; entre 15 e 35, e acima de 75 anos; estratos econômicos extremos; desempregados; aposentados; isolament; migrantes. Psicológicos:Psicológicos: perdas recentes e de figuras parentais na infância; dinâmica familiar conturbada; datas importantes; Personalidade com traços significativos de impulsividade, agressividade, humor lábil. Condições clínicas incapacitantes:Condições clínicas incapacitantes: doenças orgânicas incapacitantes; dor crônica; lesões desfigurantes perenes; epilepsia; trauma medular; neoplasias malignas; aids.
  • 19. Os principais fatores de risco queOs principais fatores de risco que podem desencadear o suicídio são:podem desencadear o suicídio são: •• História de tentativa de suicídio;História de tentativa de suicídio; •• Transtorno mental.Transtorno mental. Os principais fatores de risco queOs principais fatores de risco que podem desencadear o suicídio são:podem desencadear o suicídio são: •• História de tentativa de suicídio;História de tentativa de suicídio; •• Transtorno mental.Transtorno mental.
  • 20. O comportamento suicida pode serO comportamento suicida pode ser dividido nas seguinte situações:dividido nas seguinte situações: Ideação suicida:Ideação suicida: seria a motivação intelectual que leva ao suicídio .  Ato suicida:Ato suicida: seria uma alteração na conduta do indivíduo, que faz com que ele aja, intencionalmente buscando provocar a própria morte.  Tentativa de suicídio:Tentativa de suicídio: é a situação onde o indivíduo não morre em decorrência do ato suicida.  Risco de suicídio:Risco de suicídio: é a probabilidade de que a ideação suicida leve ao ato suicida.
  • 21. Fluxograma de caracterização dasFluxograma de caracterização das situações envolvidas no suicídiosituações envolvidas no suicídio Ideação suicidaIdeação suicida Ato suicidaAto suicida MorteMorte SuicídioSuicídio Não-morteNão-morte Tentativa de suicídioTentativa de suicídio
  • 22. Regra dos 4DRegra dos 4D São quatro os sentimentos principais de quem pensa em se matar. Todos começam com a letra “D”: Depressão;Depressão; Desesperança;Desesperança; Desamparo;Desamparo; Desespero.Desespero. Frases de alerta + 4D,Frases de alerta + 4D, é preciso investigaré preciso investigar cuidadosamente ocuidadosamente o risco de suicídio.risco de suicídio. Frases de alerta + 4D,Frases de alerta + 4D, é preciso investigaré preciso investigar cuidadosamente ocuidadosamente o risco de suicídio.risco de suicídio.
  • 23. 01. Pessoas que falam que vão se matar não se suicidam realmente, porque quem quer se matar o faz sem avisar. MITO 02. Falar sobre suicídio pode vir a influenciar, incentivar a pessoa a praticá-lo. MITO 03 . Homens cometem mais suicídio que as mulheres. VERDADE 04. A maioria dos suicidas estão indecisos sobre se matar ou continuar vivendo. VERDADE
  • 25. É preciso encontrar um local adequado onde haja privacidade para o atendimento. É preciso reservar o tempo que for necessário para o atendimento. Ouvir o paciente de forma efetiva. Ouvir sem recriminações. Utilizar uma abordagem calma.
  • 26. Dicas de como se comunicar:Dicas de como se comunicar: Ouvir atentamente e com calma; Entender os sentimentos da pessoa (empatia); Dar mensagens não verbais de aceitação e respeito; Expressar respeito pelas opiniões e pelos valores da pessoa; Conversar honestamente e com autenticidade; Mostrar sua preocupação, seu cuidado e sua afeição; Focalizar nos sentimentos da pessoa.
  • 27. Dicas de comoDicas de como nãonão se comunicar:se comunicar: Interromper muito freqüentemente;  Ficar chocado ou muito emocionado; Dizer que você está ocupado; Fazer o problema parecer trivial; De formas que coloquem o paciente em posição inferior; Dizer simplesmente que tudo vai ficar bem; Fazer perguntas indiscretas; Emitir julgamentos (certo x errado); Tentar doutrinar, emitir discursos religiosos.
  • 28. As perguntas devem ser feitas com cautela, demonstrando compaixão e empatia para com o paciente. Deve-se tentar desde o início estabelecer um vínculo que garanta a confiança e a colaboração do paciente. Respeitando a condição emocional e a situação de vida que o levou a pensar sobre suicídio.
  • 29. Quando e como encaminhar o pacienteQuando e como encaminhar o paciente para a equipe de saúde mentalpara a equipe de saúde mental É necessário ter disposição de tempo para explicar à pessoa a razão do encaminhamento à saúde mental. Marcar a consulta, de preferência com rapidez. Esclarecer que o encaminhamento não significa que o profissional está lavando as mãos em relação ao problema. Veja a pessoa depois da consulta. Tente obter uma contra-referência do atendimento. Mantenha contato periódico.
  • 30. O profissional de psicologia pode exercer um papel fundamental no que concerne a compreensão e prevenção do comportamento suicida, quer seja atuando como um agente desmistificador do ato suicida e trabalhando na sua prevenção, quer seja atuando como um canalizador do discurso, criando canais terapêuticos que auxiliem indivíduos potencialmente suicidas ou que já tentaram suicídio a encontrar outros meios para expressar a sua dor.
  • 31.
  • 32. BAUMAM, Zigmunt.(Tradução de Agência Matisa de Jornalismo Cientifico). Solidão Compartilhada. In: Psique, Ciência e Vida. São Paulo. Fascículo – 47. P. 41-45. 2010. Ed. Escala. CAMPOS, Luiz Fernando de Lara. Métodos e técnicas de pesquisa em psicologia. Campinas, SP:Editora Alínea, 2001. CASSORLA, R. M. S. & SMEKE, E. L. M., 1994. Autodestruição humana. Cadernos de Saúde Pública, 10 (supl. 1):61-73. DIEKSTRA, R.F.W.; GULBINAT, W. – The Epidemiology of Suicidal Behavior: a Review of Three Continents. World Health Statistics Quarterly, 1993. DURKHEIM, Émile. O suicídio. São Paulo. Martin Claret. 2003. Ey, Henry; BERNARD, Paul; BRISSET, Charles. Manual de Psiquiatria. 5ª ed. São Paulo, Atheneu, FIGUEIREDO, Ricardo Vergueiro. Da Participação em suicídio. Belo Horizonte: Del Rey. 2001. FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. In:Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Trad. de Jayme Salomão et al. Vol. 23. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
  • 33. FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. In:Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Trad. de Jayme Salomão et al. Vol. 14. Rio de Janeiro: Imago, 1996. GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Freud e o inconsciente. 19ª Ed. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor.2002. INFANTE, D.A. O Suicídio na Adolescência. In: SAITO, Maria Ignes; SILVA, Luiz Eduardo Vargas. Adolescência: Prevenção e Risco. São Paulo: Atheneu, 2001. 319-403. KAPACZINSKI, Flávio; QUEVEDO, Ricardo Schmitt e CHACHAMOVICH, Eduardo. Emergências Psiquiátricas. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001. KAPLAN, Harold I. Compêndio de Psiquiatria: Ciências do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 7ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 1997. LAPLANCHE, J & PONTALIS J.Vocabulário de Psicanálise. 4ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. CID-10, EDUSP, São Paulo, 1993. PAGEMOTO, Maria Ligia. Um absurdo razoável. In: Filosofia, Ciência e Vida. São Paulo.Fascículo – 11. P. 16-23. Ed Escala, 2007. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Prevenção do Suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, OPAS, UNICAMP. 2006.