SlideShare uma empresa Scribd logo
PSICOTERAPIAS
PSICOTERAPIA
É um método de tratamento mediante o qual um
profissional treinado, valendo-se de meios
psicológicos, especialmente a comunicação verbal e
a relação terapêutica, realiza uma variedade de
intervenções, auxiliando o indivíduo a modificar
problemas de natureza emocional, cognitiva e
comportamental.
Cordioli, A. V. et al. 2008
TERAPIA PSICANALÍTICA
TERAPIA PSICANALITICA
HIPNOSE
Sob a influência de Charcot e Breuer, Freud começou
por utilizar a hipnose, que viria a abandonar por três
motivos:
oNem todas as pessoas são susceptíveis de serem
hipnotizadas;
oOs resultados eram pouco duráveis;
oO doente não tinha um papel ativo no processo de
cura.
TERAPIA PSICANALITICA
ASSOCIAÇÕES LIVRES
oOs doentes exprimem livremente aquilo que sentem,
sem se preocuparem com uma descrição lógica ou
com o sentido das afirmações.
oO objetivo deste método é recordar e/ou reviver os
acontecimentos traumáticos recalcados, interpretá-
los e compreendê-los,
oCabe ao psicanalista favorecer o ultrapassar da
resistência, isto é, a tentativa de impedir ou adiar a
vinda ao consciente do material recalcado.
TERAPIA PSICANALITICA
ASSOCIAÇÕES LIVRES
oA atualização de sentimentos e emoções, como
desejos, medos, ciúmes, invejas, ódios, ternura e
amor, que na infância eram dirigidos aos pais e aos
irmãos, são agora transferidos para a relação com o
analista.
oAs relações imaturas e infantis são como que
repetidas e atualizadas através do processo de
transferência.
TERAPIA PSICANALÍTICA
ANÁLISE DOS ATOS FALHADOS
É frequente no nosso dia-a-dia cometermos alguns
lapsos:
oO esquecimento de palavras e nomes perfeitamente
conhecidos;
oTrocar uma palavra por outra, ou não conseguir encontrar
a palavra certa;
oA falsa leitura (ler num texto uma palavra diferente da que
está escrita), falsa audição (ouvir uma coisa que de facto
não foi dita);
oTiques ou movimentos habituais (cofiar a barba, mexer no
cabelo, tilintar o molho de chaves...);
oCantarolar canções ou melodias sem se dar conta;
oDizer ou fazer exatamente o contrário daquilo que se
pretende.
TERAPIA PSICANALÍTICA
ANÁLISE DOS ATOS FALHADOS
oOs atos falhados resultam da interferência de
intenções diferentes que entram em conflito.
oSão os desejos recalcados que dão origem aos atos
falhados.
TERAPIA PSICANALÍTICA
ANÁLISE DOS ATOS FALHADOS
Antes de uma aula de faculdade, a aluna diz: “Vamos
embora, este professor não faz falta”.
Inconscientemente, a aluna considerava que realmente
aquele professor não fazia diferença, não era
importante assistir à sua aula.
A frase foi uma combinação de dois pensamentos:
a) o professor não faz a chamada;
b) o professor não marca falta.
No final, foi o inconsciente quem falou: ele não faz
falta.
TERAPIA PSICANALITICA
INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS
oFreud considera que a interpretação dos sonhos é o
melhor meio para atingir o inconsciente do paciente.
oO controlo e a censura que o ego e o superego
exercem sobre os desejos inconscientes encontram-
se atenuados.
oO material recalcado liberta-se e o desejo,
geralmente de natureza afectivo-sexual, pode
realizar-se.
oContudo, a censura não desaparece, está apenas
atenuada. Daí que o desejo só se possa realizar de
uma forma simbólica, disfarçada, distorcida.
TERAPIA PSICANALITICA
INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS
0 conteúdo manifesto do sonho é apenas uma fachada
e, por isso, requer uma interpretação: é o analista que
vai procurar o sentido oculto do sonho, isto é, o
conteúdo latente, implícito.
TERAPIA COGNITIVA
TERAPIA COGNITIVA
oSistema de terapia cujo princípio básico é de que as
cognições (pensamentos, crenças, interpretações)
de um indivíduo frente a situações influenciam as
suas emoções e comportamentos.
oO terapeuta atua sobre as cognições, a fim de alterar
as emoções e comportamentos que as acompanham.
“Os homens não se perturbam pelas coisas que acontecem,
mas sim pelas opiniões sobre as coisas” (Epíteto)
TERAPIA COGNITIVA
oFoi proposta inicialmente por Aaron T. Beck, no
início da década de 60, para tratamento da
depressão.
oBeck reparou na visão negativa que os pacientes
deprimidos tinham de si mesmos, do mundo à sua
volta e dos seu futuro.
oPosteriormente esta teoria foi estendida para
tratamento de outros transtornos.
TERAPIA COGNITIVA
PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS
“Descrevem a forma como se experienciam
os pensamentos, ou seja, como se estes
fossem um reflexo, sem ponderação ou
raciocínio prévio. São plausíveis e válidos.”
Beck (1976)
TERAPIA COGNITIVA
TERAPIA COGNITIVA
“Sempre
humilhada em
casa e agora
não aguentou
mais”
"Agora
perdeu-a e
nunca
mais a vai
ver”.
“Mulher
forte. Quem
dera que
outras
tímidas que
conheço
tivessem
visto isto"
“Ele só queria um
beijo e ela
humilhou-o"
TERAPIA COGNITIVA
PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS
(DISTORÇÕES COGNITIVAS)
“Sou um falhado” (Rotulação)
“Nada do que eu faço resulta” (Pensamento
Dicotómico)
“ A minha vida nunca vai melhorar” (Antecipação
do Futuro)
“A depressão é culpa minha” (Personalização)
TERAPIA COGNITIVA
DISTORÇÕES COGNITIVAS (OU ESTILOS) (BECK)
Sobregeneralização ou Hipergeneralização (conjunto de respostas):
Generalizar a partir de um acontecimento isolado (“depois do que fiz
nunca mais vão confiar...gostar...aceitar...acreditar em mim")
Desqualificar experiências positivas: “Só estão a dizer isso para serem
agradáveis” em vez de verificar a validade do feedback.
Leitura da mente: Assumir como verdade a presunção do que os outros
pensam sem provas. “Eu bem sei que ele pensou que eu sou um inapto”
Bola de cristal: Reagir como se as expectativas fossem dado
adquiridos. “Ele vai deixar-me tenho a certeza!” E atuar como se isso
fosse verdade.
Catastrofização: Encarar acontecimentos desagradáveis como
catastróficos. “Meu Deus e se ele diz que não, eu não suportarei!”. É
embaraçoso mas não um drama.
TERAPIA COGNITIVA
Diante a situação de falar em público, um indivíduo
pode ter pensamentos automáticos como "vou corar;
vou fazer um papel de tolo; ninguém vai gostar da
minha apresentação, vão perceber a minha ansiedade;
corar é uma vergonha; se gaguejar vai ser horrível;
estou tão preocupado com a minha ansiedade que nem
me consigo concentrar no que tenho para dizer ".
Em função destes pensamentos, o indivíduo vai sentir
emoções negativas, como medo, tristeza e culpa.
Depois poderá ter comportamentos que podem agravar
a situação como preparar-se excessivamente, procurar
adivinhar o que vai acontecer, imaginar uma
"catástrofe" ou procurar controlo daquilo que não é
possível controlar (ex: procurar a aprovação de toda a
gente ou exigir-se uma apresentação perfeita).
TERAPIA COGNITIVA
TERAPIA COGNITIVA
Com a terapia cognitiva os pacientes aprendem a:
1) Dar-se conta dos padrões de pensamento e identificar
pensamentos automáticos;
2) Reconhecer as relações entre pensamento, emoção e
comportamento;
3) Testar a validade de pensamentos automáticos e
crenças centrais, regras e pressupostos;
4) Corrigir interpretações e entendimentos irracionais
de si e do mundo, substituindo pensamentos
distorcidos por ideias mais realistas e que funcionem;
5) Identificar e alterar crenças, pressupostos ou
esquemas que estão na origem de padrões
disfuncionais de pensamento.
TERAPIA COGNITIVA
TERAPEUTA: Disse que se sente um fracasso desde que
Bill a deixou. Como definiria fracasso?
PACIENTE: Bem, o meu casamento não resultou.
TERAPEUTA: Então acredita que o casamento não
resultou porque você, como pessoa, é um fracasso?
PACIENTE: Se tivesse resultado, ele ainda estaria
comigo.
TERAPEUTA: Então podemos concluir que as pessoas
cujos casamentos não dão certo são todas
fracassadas?
PACIENTE: Não, eu não iria assim tão longe.
TERAPEUTA: Por que não? Devemos ter uma definição
de fracasso para si e outra para as outras pessoas?
TERAPIA COGNITIVA
PACIENTE: (…) As pessoas têm sucesso quando atingem
alguns dos seus objetivos.
TERAPEUTA: 0k. Então, poderíamos dizer que se alguém
atinge os seus objetivos, essa pessoa é bem sucedida?
PACIENTE: Certo.
TERAPEUTA: Também poderíamos dizer que as pessoas têm
diferentes graus de sucesso? Algumas pessoas atingem
mais objetivos do que outras?
PACIENTE: Acho que sim.
TERAPEUTA: Então, se aplicarmos essas ideias a si,
poderíamos dizer que atingiu alguns de seus objetivos na
vida?
TERAPEUTA: Sim, eu terminei a faculdade e trabalhei nos
últimos seis anos. Crio o meu filho e ele teve alguns
problemas médicos há alguns anos, mas eu consegui bons
médicos para ele.
TERAPIA COGNITIVA
“Se pudermos reorientar os
nossos pensamentos e
emoções e reorganizar o
nosso comportamento, então
poderemos não só aprender a
lidar com o sofrimento mais
facilmente, mas, sobretudo e
em primeiro lugar, a evitar
que muito dele surja”.
Dalai Lama
PSICODRAMA
PSICODRAMA
oO Psicodrama (psyche = mente; drama = acção) foi
criado no início do século XX em Viena (Áustria) por
Jacob Levy Moreno.
oReúne conceitos teóricos e práticos da Psicologia e
do Teatro, para levar as pessoas a revivenciarem a
sua própria realidade e a realidade do outro, como
uma forma de autodescoberta e mesmo de
compreensão das diferenças de cada um de nós.
PSICODRAMA
oPsicodrama é uma forma de terapia em grupo em
que um dos elementos que constitui o grupo
(protagonista) representa o passado, presente ou
futuro encarado como problemático.
oO "teatro dramático" é realizado com a ajuda de um
terapeuta (o encenador), que se serve de membros
do grupo (público) ou terapeutas auxiliares, para
desempenhar os papéis das pessoas significativas do
protagonista na dramatização.
PSICODRAMA
Para a realização do "jogo dramático" é necessário passar por
três etapas:
oA primeira de todas refere-se ao aquecimento, ou seja, ao
conjunto de procedimentos que intervêm na preparação
da pessoa para a ação.
oA dramatização, isto é, a ação é a segunda etapa do
psicodrama e nela representa-se o que o protagonista
propõe. Trata-se de concretizar em atos os pensamentos e
as fantasias.
oA terceira e última etapa é a dos comentários. Nesta parte
da sessão, solicita-se a opinião dos participantes
(protagonista, técnicos auxiliares e membros do público)
em relação à dramatização.
MUSICOTERAPIA
MUSICOTERAPIA
oA música provoca emoções como calma,
tranquilidade, bem estar ou pelo contrário,
entristece-nos ou irrita-nos.
oPode curar e despertar para a vida os que já
perderam vontade de viver.
oA musica encerra em si uma capacidade
regenerativa e transformadora.
oAo longo dos tempos muitos foram os que se
aperceberam do poder curativo da música.
oMais recentemente cientistas descobriram factos
como: ouvindo o compositor Mozart durante a
resolução de problemas matemáticos aumentava em
30% a eficiência e a concentração dos indivíduos
que realizavam os problemas.
MUSICOTERAPIA
" A Musicoterapia é a utilização da música e/ou os seus
elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um
musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo,
num processo para facilitar e promover a comunicação,
relação, aprendizagem, mobilização, expressão,
organização e outros objectivos terapêuticos
relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas,
emocionais, mentais, sociais e cognitivas.
A Musicoterapia obectiva desenvolver potencias e/ou
restabelecer funções do indivíduo para que possa
alcançar uma melhor integração intra e/ou
interpessoal e, consequentemente, uma melhor
qualidade de vida, pela prevenção, reabilitação ou
tratamento .“
MUSICOTERAPIA
OBJETIVOS
o Estimular e explorar o reconhecimento do
corpo como produtor de sons e movimentos,
sob a ótica da Musicoterapia e da
Psicomotricidade;
o Trabalhar o conteúdo (letras) e os aspectos
rítmicos e melódicos das canções, para
identificar e trabalhar questões emocionais;
o Explorar as possibilidades sonoras geradas
pelo som e pelo silêncio, para auxiliar na
expressividade;
o Estimular o sentido rítmico e trabalhar a
lateralidade;
MUSICOTERAPIA
Antes de iniciar o tratamento, o paciente irá passar por
algumas etapas de diagnóstico como:
oEntrevista inicial - informações para o tratamento sobre “a
história sonora” do paciente e a “Queixa Principal”;
oFicha Musicoterapêutica - dados sobre o mundo sonoro-
musical do indivíduo, desde sua vida intra-uterina, suas
preferências e recusas sonoras e musicais;
oTestificação Musical, dados da manifestação sonoro-musical
do paciente (o paciente irá tocar ou manipular o
instrumento como desejar e qual desejar);
oTeste projetivo sonoro musical - a reação do paciente em
relação a determinadas músicas / sons, com significados
simbólicos pré- estabelecidos.
MUSICOTERAPIA
o Os musicoterapeutas trabalham com variados
pacientes. Entre estes estão incluídas pessoas com
dificuldades motoras, autistas, pacientes com
deficiência mental, paralisia cerebral, dificuldades
emocionais, pacientes psiquiátricos, gestantes e
idosos.
oO trabalho musicoterápico pode ser desenvolvido
dentro de equipas de saúde multidisciplinares, em
conjunto com médicos, psicólogos, terapeutas
ocupacionais, fisioterapeutas e educadores.
oTambém pode ser um processo autónomo realizado
num consultório ou clínica multidisciplinar com
aparelhos especializados.
MUSICOTERAPIA
oNo caso de indivíduos em idade infantil, a música
representa um excelente meio de comunicação e um
excepcional factor de ativação global do desenvolvimento.
oNo caso de indivíduos em idade avançada, a música
estimula as funções intelectuais relacionadas com a
atenção, a memória, o raciocínio e atenua sentimentos de
solidão, estimula as faculdades da vida psíquica e da vida
de relação, melhora o ritmo do sono e a vigilância.
oA música tem ainda uma forte incidência na relação mãe e
bebé, quer durante o tempo da gestação, quer durante o
parto, quer no acompanhamento de prematuros, quer na
estimulação do desenvolvimento dos bebés.
MUSICOTERAPIA
oNa maior parte dos casos a musicoterapia é ativa, ou seja,
o próprio paciente toca os instrumentos musicais, canta,
dança e/ou realiza outras atividades conjuntamente com
o terapeuta ou com o grupo terapêutico.
oEm alguns casos as sessões são gravadas e o terapeuta
realiza improvisações ou composições sobre os temas
apresentados pelo paciente.
o Alguns musicoterapeutas
procuram interpretar musicalmente a música produzida
durante a sessão.
o Outros preferem métodos que utilizem apenas
a improvisação sem a necessidade de interpretação.
LOGOTERAPIA
LOGOTERAPIA
Viktor Emil Frankl (1905 -
1997) foi um médico
psiquiatra austríaco,
fundador da escola da
Logoterapia, que explora o
sentido existencial do
indivíduo e a dimensão
espiritual da existência.
LOGOTERAPIA
oEm setembro de 1942, Viktor, a sua mulher grávida
e família, porque eram judeus, foram deportados
para diferentes campos de concentração, tendo ele
recebido a tatuagem de prisioneiro nº 119.104.
oLibertado somente no fim da guerra, Frankl tomou
conhecimento de que a sua mulher morreu de
esgotamento na mesma data da libertação do campo
de Bergen-Belsen. Perdeu além dela, os seus pais e o
irmão no Holocausto nazi.
oEsta terrível experiência pessoal será marcante na
sua obra terapêutica e nos seus escritos.
LOGOTERAPIA
oO impulso primário da pessoa não é, como pensou
Freud, a vontade de prazer, mas a vontade de
sentido.
oNo fundo, cada um tem de perguntar: o que é que a
vida quer de mim?
“Os seres humanos procuram mais para lá de si
mesmos: um sentido no mundo. Procuram encontrar
um significado a realizar, uma causa a servir, uma
pessoa a quem amar. E só assim os seres humanos se
comportam como verdadeiramente humanos."
Viktor Frankl
LOGOTERAPIA
oNo indescritível sofrimento dos
campos de concentração o
prisioneiro número 119.104
percebeu que "quem tem algo por
que viver é capaz de suportar
qualquer como".
oNinguém pode tirar ao Homem,
mesmo num campo de
concentração: "a última das
liberdades humanas - a escolha
da atitude pessoal perante um
conjunto de circunstâncias - para
decidir o seu próprio caminho."
LOGOTERAPIA
oQuando as pessoas não encontram sentido, surgem as
neuroses, que chamou noógenas: não provêm de conflitos
instintivos ou inconscientes, mas da falta de sentido e
atingem o núcleo mais íntimo da pessoa.
oA logoterapia é precisamente a terapia da busca de
sentido: ajuda cada um a descobrir o sentido pessoal da
sua vida.
FIM
NORBERTO FARIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicas
MarceloSantos887
 
Psicodrama
Psicodrama   Psicodrama
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Deisiane Cazaroto
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
Alexandre Simoes
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Ep neurose e psicose
Ep neurose e psicoseEp neurose e psicose
Ep neurose e psicose
Gerusa Córdova
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Sarah Karenina
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
Lampsi
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
Oficina Psicologia
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
Paulo Pedro P. R. Costa
 
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mentalPsicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Alexandre Simoes
 
Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
Artur Mamed
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Aroldo Gavioli
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
A Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.pptA Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.ppt
SadeMental13RS
 

Mais procurados (20)

Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicas
 
Psicodrama
Psicodrama   Psicodrama
Psicodrama
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
Ep neurose e psicose
Ep neurose e psicoseEp neurose e psicose
Ep neurose e psicose
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCCIdentificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
Identificando e mudando as crenças intermediárias - TCC
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
 
Psicoterapia
PsicoterapiaPsicoterapia
Psicoterapia
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mentalPsicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
 
Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
A Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.pptA Psicologia como ciência e profissão.ppt
A Psicologia como ciência e profissão.ppt
 

Semelhante a Psicoterapias

Algumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapiaAlgumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapia
Luis De Sousa Rodrigues
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
Cristiane Blanco
 
5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt
5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt
5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt
DomenickAnjos1
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise
faculdadeteologica
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
GSArt Web Solutions
 
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto BrasileiroFormação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
lilsonasilva
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
Paulopereiraunirb
 
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalhopsicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
Graça Martins
 
07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho
Graça Martins
 
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate0207psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
Ana Rodrigues
 
Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...
Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...
Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...
Tacio Aguiar
 
O tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccO tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tcc
Beatriz Ligabue
 
PSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptxPSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptx
Marcel A. M. Ferraz
 
AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010
AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010
AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010
Lina Sue
 
Psicopatia e sociopatia
Psicopatia e sociopatiaPsicopatia e sociopatia
Psicopatia e sociopatia
janiramr
 

Semelhante a Psicoterapias (20)

Algumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapiaAlgumas formas de psicoterapia
Algumas formas de psicoterapia
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
Organograma slid1
Organograma slid1Organograma slid1
Organograma slid1
 
5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt
5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt
5-aula-fea-terapia-cognitiva.ppt
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
 
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto BrasileiroFormação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalhopsicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
 
07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho
 
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate0207psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
 
Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...
Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...
Power point do Curso "Teoria e prática sobre Regressão, Progressão e Terapia ...
 
O tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccO tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tcc
 
PSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptxPSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptx
 
AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010
AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010
AULA J. BECK III - Profª Lina - 2010
 
Psicopatia e sociopatia
Psicopatia e sociopatiaPsicopatia e sociopatia
Psicopatia e sociopatia
 

Mais de norberto faria

10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada
norberto faria
 
3. freud psicanálise
3. freud   psicanálise3. freud   psicanálise
3. freud psicanálise
norberto faria
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
norberto faria
 
Teste de rorschach
Teste de rorschachTeste de rorschach
Teste de rorschach
norberto faria
 
Kant
KantKant
Hume
HumeHume
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
norberto faria
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
norberto faria
 
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
norberto faria
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
norberto faria
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 
Cultura
CulturaCultura
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
norberto faria
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
norberto faria
 

Mais de norberto faria (15)

10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada
 
3. freud psicanálise
3. freud   psicanálise3. freud   psicanálise
3. freud psicanálise
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Teste de rorschach
Teste de rorschachTeste de rorschach
Teste de rorschach
 
Kant
KantKant
Kant
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

Psicoterapias

  • 2. PSICOTERAPIA É um método de tratamento mediante o qual um profissional treinado, valendo-se de meios psicológicos, especialmente a comunicação verbal e a relação terapêutica, realiza uma variedade de intervenções, auxiliando o indivíduo a modificar problemas de natureza emocional, cognitiva e comportamental. Cordioli, A. V. et al. 2008
  • 4. TERAPIA PSICANALITICA HIPNOSE Sob a influência de Charcot e Breuer, Freud começou por utilizar a hipnose, que viria a abandonar por três motivos: oNem todas as pessoas são susceptíveis de serem hipnotizadas; oOs resultados eram pouco duráveis; oO doente não tinha um papel ativo no processo de cura.
  • 5. TERAPIA PSICANALITICA ASSOCIAÇÕES LIVRES oOs doentes exprimem livremente aquilo que sentem, sem se preocuparem com uma descrição lógica ou com o sentido das afirmações. oO objetivo deste método é recordar e/ou reviver os acontecimentos traumáticos recalcados, interpretá- los e compreendê-los, oCabe ao psicanalista favorecer o ultrapassar da resistência, isto é, a tentativa de impedir ou adiar a vinda ao consciente do material recalcado.
  • 6. TERAPIA PSICANALITICA ASSOCIAÇÕES LIVRES oA atualização de sentimentos e emoções, como desejos, medos, ciúmes, invejas, ódios, ternura e amor, que na infância eram dirigidos aos pais e aos irmãos, são agora transferidos para a relação com o analista. oAs relações imaturas e infantis são como que repetidas e atualizadas através do processo de transferência.
  • 7. TERAPIA PSICANALÍTICA ANÁLISE DOS ATOS FALHADOS É frequente no nosso dia-a-dia cometermos alguns lapsos: oO esquecimento de palavras e nomes perfeitamente conhecidos; oTrocar uma palavra por outra, ou não conseguir encontrar a palavra certa; oA falsa leitura (ler num texto uma palavra diferente da que está escrita), falsa audição (ouvir uma coisa que de facto não foi dita); oTiques ou movimentos habituais (cofiar a barba, mexer no cabelo, tilintar o molho de chaves...); oCantarolar canções ou melodias sem se dar conta; oDizer ou fazer exatamente o contrário daquilo que se pretende.
  • 8. TERAPIA PSICANALÍTICA ANÁLISE DOS ATOS FALHADOS oOs atos falhados resultam da interferência de intenções diferentes que entram em conflito. oSão os desejos recalcados que dão origem aos atos falhados.
  • 9. TERAPIA PSICANALÍTICA ANÁLISE DOS ATOS FALHADOS Antes de uma aula de faculdade, a aluna diz: “Vamos embora, este professor não faz falta”. Inconscientemente, a aluna considerava que realmente aquele professor não fazia diferença, não era importante assistir à sua aula. A frase foi uma combinação de dois pensamentos: a) o professor não faz a chamada; b) o professor não marca falta. No final, foi o inconsciente quem falou: ele não faz falta.
  • 10. TERAPIA PSICANALITICA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS oFreud considera que a interpretação dos sonhos é o melhor meio para atingir o inconsciente do paciente. oO controlo e a censura que o ego e o superego exercem sobre os desejos inconscientes encontram- se atenuados. oO material recalcado liberta-se e o desejo, geralmente de natureza afectivo-sexual, pode realizar-se. oContudo, a censura não desaparece, está apenas atenuada. Daí que o desejo só se possa realizar de uma forma simbólica, disfarçada, distorcida.
  • 11. TERAPIA PSICANALITICA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS 0 conteúdo manifesto do sonho é apenas uma fachada e, por isso, requer uma interpretação: é o analista que vai procurar o sentido oculto do sonho, isto é, o conteúdo latente, implícito.
  • 13. TERAPIA COGNITIVA oSistema de terapia cujo princípio básico é de que as cognições (pensamentos, crenças, interpretações) de um indivíduo frente a situações influenciam as suas emoções e comportamentos. oO terapeuta atua sobre as cognições, a fim de alterar as emoções e comportamentos que as acompanham. “Os homens não se perturbam pelas coisas que acontecem, mas sim pelas opiniões sobre as coisas” (Epíteto)
  • 14. TERAPIA COGNITIVA oFoi proposta inicialmente por Aaron T. Beck, no início da década de 60, para tratamento da depressão. oBeck reparou na visão negativa que os pacientes deprimidos tinham de si mesmos, do mundo à sua volta e dos seu futuro. oPosteriormente esta teoria foi estendida para tratamento de outros transtornos.
  • 15. TERAPIA COGNITIVA PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS “Descrevem a forma como se experienciam os pensamentos, ou seja, como se estes fossem um reflexo, sem ponderação ou raciocínio prévio. São plausíveis e válidos.” Beck (1976)
  • 17. TERAPIA COGNITIVA “Sempre humilhada em casa e agora não aguentou mais” "Agora perdeu-a e nunca mais a vai ver”. “Mulher forte. Quem dera que outras tímidas que conheço tivessem visto isto" “Ele só queria um beijo e ela humilhou-o"
  • 18. TERAPIA COGNITIVA PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS (DISTORÇÕES COGNITIVAS) “Sou um falhado” (Rotulação) “Nada do que eu faço resulta” (Pensamento Dicotómico) “ A minha vida nunca vai melhorar” (Antecipação do Futuro) “A depressão é culpa minha” (Personalização)
  • 19. TERAPIA COGNITIVA DISTORÇÕES COGNITIVAS (OU ESTILOS) (BECK) Sobregeneralização ou Hipergeneralização (conjunto de respostas): Generalizar a partir de um acontecimento isolado (“depois do que fiz nunca mais vão confiar...gostar...aceitar...acreditar em mim") Desqualificar experiências positivas: “Só estão a dizer isso para serem agradáveis” em vez de verificar a validade do feedback. Leitura da mente: Assumir como verdade a presunção do que os outros pensam sem provas. “Eu bem sei que ele pensou que eu sou um inapto” Bola de cristal: Reagir como se as expectativas fossem dado adquiridos. “Ele vai deixar-me tenho a certeza!” E atuar como se isso fosse verdade. Catastrofização: Encarar acontecimentos desagradáveis como catastróficos. “Meu Deus e se ele diz que não, eu não suportarei!”. É embaraçoso mas não um drama.
  • 20. TERAPIA COGNITIVA Diante a situação de falar em público, um indivíduo pode ter pensamentos automáticos como "vou corar; vou fazer um papel de tolo; ninguém vai gostar da minha apresentação, vão perceber a minha ansiedade; corar é uma vergonha; se gaguejar vai ser horrível; estou tão preocupado com a minha ansiedade que nem me consigo concentrar no que tenho para dizer ". Em função destes pensamentos, o indivíduo vai sentir emoções negativas, como medo, tristeza e culpa. Depois poderá ter comportamentos que podem agravar a situação como preparar-se excessivamente, procurar adivinhar o que vai acontecer, imaginar uma "catástrofe" ou procurar controlo daquilo que não é possível controlar (ex: procurar a aprovação de toda a gente ou exigir-se uma apresentação perfeita).
  • 22. TERAPIA COGNITIVA Com a terapia cognitiva os pacientes aprendem a: 1) Dar-se conta dos padrões de pensamento e identificar pensamentos automáticos; 2) Reconhecer as relações entre pensamento, emoção e comportamento; 3) Testar a validade de pensamentos automáticos e crenças centrais, regras e pressupostos; 4) Corrigir interpretações e entendimentos irracionais de si e do mundo, substituindo pensamentos distorcidos por ideias mais realistas e que funcionem; 5) Identificar e alterar crenças, pressupostos ou esquemas que estão na origem de padrões disfuncionais de pensamento.
  • 23. TERAPIA COGNITIVA TERAPEUTA: Disse que se sente um fracasso desde que Bill a deixou. Como definiria fracasso? PACIENTE: Bem, o meu casamento não resultou. TERAPEUTA: Então acredita que o casamento não resultou porque você, como pessoa, é um fracasso? PACIENTE: Se tivesse resultado, ele ainda estaria comigo. TERAPEUTA: Então podemos concluir que as pessoas cujos casamentos não dão certo são todas fracassadas? PACIENTE: Não, eu não iria assim tão longe. TERAPEUTA: Por que não? Devemos ter uma definição de fracasso para si e outra para as outras pessoas?
  • 24. TERAPIA COGNITIVA PACIENTE: (…) As pessoas têm sucesso quando atingem alguns dos seus objetivos. TERAPEUTA: 0k. Então, poderíamos dizer que se alguém atinge os seus objetivos, essa pessoa é bem sucedida? PACIENTE: Certo. TERAPEUTA: Também poderíamos dizer que as pessoas têm diferentes graus de sucesso? Algumas pessoas atingem mais objetivos do que outras? PACIENTE: Acho que sim. TERAPEUTA: Então, se aplicarmos essas ideias a si, poderíamos dizer que atingiu alguns de seus objetivos na vida? TERAPEUTA: Sim, eu terminei a faculdade e trabalhei nos últimos seis anos. Crio o meu filho e ele teve alguns problemas médicos há alguns anos, mas eu consegui bons médicos para ele.
  • 25. TERAPIA COGNITIVA “Se pudermos reorientar os nossos pensamentos e emoções e reorganizar o nosso comportamento, então poderemos não só aprender a lidar com o sofrimento mais facilmente, mas, sobretudo e em primeiro lugar, a evitar que muito dele surja”. Dalai Lama
  • 27. PSICODRAMA oO Psicodrama (psyche = mente; drama = acção) foi criado no início do século XX em Viena (Áustria) por Jacob Levy Moreno. oReúne conceitos teóricos e práticos da Psicologia e do Teatro, para levar as pessoas a revivenciarem a sua própria realidade e a realidade do outro, como uma forma de autodescoberta e mesmo de compreensão das diferenças de cada um de nós.
  • 28. PSICODRAMA oPsicodrama é uma forma de terapia em grupo em que um dos elementos que constitui o grupo (protagonista) representa o passado, presente ou futuro encarado como problemático. oO "teatro dramático" é realizado com a ajuda de um terapeuta (o encenador), que se serve de membros do grupo (público) ou terapeutas auxiliares, para desempenhar os papéis das pessoas significativas do protagonista na dramatização.
  • 29. PSICODRAMA Para a realização do "jogo dramático" é necessário passar por três etapas: oA primeira de todas refere-se ao aquecimento, ou seja, ao conjunto de procedimentos que intervêm na preparação da pessoa para a ação. oA dramatização, isto é, a ação é a segunda etapa do psicodrama e nela representa-se o que o protagonista propõe. Trata-se de concretizar em atos os pensamentos e as fantasias. oA terceira e última etapa é a dos comentários. Nesta parte da sessão, solicita-se a opinião dos participantes (protagonista, técnicos auxiliares e membros do público) em relação à dramatização.
  • 31. MUSICOTERAPIA oA música provoca emoções como calma, tranquilidade, bem estar ou pelo contrário, entristece-nos ou irrita-nos. oPode curar e despertar para a vida os que já perderam vontade de viver. oA musica encerra em si uma capacidade regenerativa e transformadora. oAo longo dos tempos muitos foram os que se aperceberam do poder curativo da música. oMais recentemente cientistas descobriram factos como: ouvindo o compositor Mozart durante a resolução de problemas matemáticos aumentava em 30% a eficiência e a concentração dos indivíduos que realizavam os problemas.
  • 32. MUSICOTERAPIA " A Musicoterapia é a utilização da música e/ou os seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo, num processo para facilitar e promover a comunicação, relação, aprendizagem, mobilização, expressão, organização e outros objectivos terapêuticos relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas. A Musicoterapia obectiva desenvolver potencias e/ou restabelecer funções do indivíduo para que possa alcançar uma melhor integração intra e/ou interpessoal e, consequentemente, uma melhor qualidade de vida, pela prevenção, reabilitação ou tratamento .“
  • 33. MUSICOTERAPIA OBJETIVOS o Estimular e explorar o reconhecimento do corpo como produtor de sons e movimentos, sob a ótica da Musicoterapia e da Psicomotricidade; o Trabalhar o conteúdo (letras) e os aspectos rítmicos e melódicos das canções, para identificar e trabalhar questões emocionais; o Explorar as possibilidades sonoras geradas pelo som e pelo silêncio, para auxiliar na expressividade; o Estimular o sentido rítmico e trabalhar a lateralidade;
  • 34. MUSICOTERAPIA Antes de iniciar o tratamento, o paciente irá passar por algumas etapas de diagnóstico como: oEntrevista inicial - informações para o tratamento sobre “a história sonora” do paciente e a “Queixa Principal”; oFicha Musicoterapêutica - dados sobre o mundo sonoro- musical do indivíduo, desde sua vida intra-uterina, suas preferências e recusas sonoras e musicais; oTestificação Musical, dados da manifestação sonoro-musical do paciente (o paciente irá tocar ou manipular o instrumento como desejar e qual desejar); oTeste projetivo sonoro musical - a reação do paciente em relação a determinadas músicas / sons, com significados simbólicos pré- estabelecidos.
  • 35. MUSICOTERAPIA o Os musicoterapeutas trabalham com variados pacientes. Entre estes estão incluídas pessoas com dificuldades motoras, autistas, pacientes com deficiência mental, paralisia cerebral, dificuldades emocionais, pacientes psiquiátricos, gestantes e idosos. oO trabalho musicoterápico pode ser desenvolvido dentro de equipas de saúde multidisciplinares, em conjunto com médicos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e educadores. oTambém pode ser um processo autónomo realizado num consultório ou clínica multidisciplinar com aparelhos especializados.
  • 36. MUSICOTERAPIA oNo caso de indivíduos em idade infantil, a música representa um excelente meio de comunicação e um excepcional factor de ativação global do desenvolvimento. oNo caso de indivíduos em idade avançada, a música estimula as funções intelectuais relacionadas com a atenção, a memória, o raciocínio e atenua sentimentos de solidão, estimula as faculdades da vida psíquica e da vida de relação, melhora o ritmo do sono e a vigilância. oA música tem ainda uma forte incidência na relação mãe e bebé, quer durante o tempo da gestação, quer durante o parto, quer no acompanhamento de prematuros, quer na estimulação do desenvolvimento dos bebés.
  • 37. MUSICOTERAPIA oNa maior parte dos casos a musicoterapia é ativa, ou seja, o próprio paciente toca os instrumentos musicais, canta, dança e/ou realiza outras atividades conjuntamente com o terapeuta ou com o grupo terapêutico. oEm alguns casos as sessões são gravadas e o terapeuta realiza improvisações ou composições sobre os temas apresentados pelo paciente. o Alguns musicoterapeutas procuram interpretar musicalmente a música produzida durante a sessão. o Outros preferem métodos que utilizem apenas a improvisação sem a necessidade de interpretação.
  • 39. LOGOTERAPIA Viktor Emil Frankl (1905 - 1997) foi um médico psiquiatra austríaco, fundador da escola da Logoterapia, que explora o sentido existencial do indivíduo e a dimensão espiritual da existência.
  • 40. LOGOTERAPIA oEm setembro de 1942, Viktor, a sua mulher grávida e família, porque eram judeus, foram deportados para diferentes campos de concentração, tendo ele recebido a tatuagem de prisioneiro nº 119.104. oLibertado somente no fim da guerra, Frankl tomou conhecimento de que a sua mulher morreu de esgotamento na mesma data da libertação do campo de Bergen-Belsen. Perdeu além dela, os seus pais e o irmão no Holocausto nazi. oEsta terrível experiência pessoal será marcante na sua obra terapêutica e nos seus escritos.
  • 41. LOGOTERAPIA oO impulso primário da pessoa não é, como pensou Freud, a vontade de prazer, mas a vontade de sentido. oNo fundo, cada um tem de perguntar: o que é que a vida quer de mim? “Os seres humanos procuram mais para lá de si mesmos: um sentido no mundo. Procuram encontrar um significado a realizar, uma causa a servir, uma pessoa a quem amar. E só assim os seres humanos se comportam como verdadeiramente humanos." Viktor Frankl
  • 42. LOGOTERAPIA oNo indescritível sofrimento dos campos de concentração o prisioneiro número 119.104 percebeu que "quem tem algo por que viver é capaz de suportar qualquer como". oNinguém pode tirar ao Homem, mesmo num campo de concentração: "a última das liberdades humanas - a escolha da atitude pessoal perante um conjunto de circunstâncias - para decidir o seu próprio caminho."
  • 43. LOGOTERAPIA oQuando as pessoas não encontram sentido, surgem as neuroses, que chamou noógenas: não provêm de conflitos instintivos ou inconscientes, mas da falta de sentido e atingem o núcleo mais íntimo da pessoa. oA logoterapia é precisamente a terapia da busca de sentido: ajuda cada um a descobrir o sentido pessoal da sua vida.