SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO
 TRABALHADOR REGIONAL DE GOIÂNIA


    SAÚDE DO TRABALHADOR
       NO SUS - CEREST


                          Diretora: Hebe Macedo

           Enfermeira do Trabalho, Nutricionista,
                      Sanitarista e Toxicologista
TRIPALIUM
                                         ou
                                     TREPALIUM




Um instrumento romano de tortura:
espécie de tripé formado por três estacas cravadas
no chão, onde eram supliciados os escravos.
José Carlos do Carmo (Kal)
Gênesis 3

   17 E ao homem disse: ...
       maldita é a terra
      por tua causa; em
        fadiga comerás
         dela todos os
       dias da tua vida.
Gênesis 3

               16 E à mulher disse:
               multiplicarei grande-
                mente a dor da tua
                conceição; em dor
TRABALHO       darás à luz filhos ...
    DE
  PARTO

Recomendado para você

Ppt0000136
Ppt0000136Ppt0000136
Ppt0000136

1) O documento descreve o papel do Agente Comunitário de Saúde (ACS) e como surgiu no Brasil na década de 1990. 2) Ele fornece um breve histórico da saúde no Brasil e como a Constituição de 1988 estabeleceu o direito universal à saúde. 3) Também descreve as atribuições dos ACS na saúde do trabalhador e os desafios em garantir a inclusão e priorização das ações de saúde do trabalhador.

curso trabalho
Seminário de saúde do trabalhador
Seminário de saúde do trabalhador Seminário de saúde do trabalhador
Seminário de saúde do trabalhador

O documento discute a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (Renast) no Brasil. Apresenta os princípios da Renast como regionalização, hierarquização de serviços e descentralização. Também aborda conceitos importantes como Rede de Atenção à Saúde e a importância da integração entre promoção, proteção, vigilância e assistência à saúde do trabalhador. Discutem-se ainda possibilidades de financiamento das ações e serviços relacionados à saúde do trabalhador.

seminario saude trabalhador
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança

Este documento discute biossegurança e as ações do técnico de enfermagem do trabalho. Apresenta princípios e normas de biossegurança, comunicação de acidentes de trabalho e regras específicas. Detalha as ações do técnico de enfermagem do trabalho, incluindo atendimento preventivo, primeiros socorros e participação em programas de segurança no trabalho.

Salmos 128:02
• Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz
  serás, e tudo te irá bem.
Doenças dos Trabalhadores

• Idade Média: Pouco se
   conhece sobre a relações
   entre trabalho X saúde
• Século XVI: Extrativismo
   Mineral
- Agrícola (1494-1555)
  Asma dos Mineiros
  (Poeiras Corrosivas)
Doenças dos Trabalhadores
 1556:Mulheres chegavam a se casar
  sete vezes.
  Morte Prematura

  Ocupação
   Conclusão:
  Alta mortalidade no Trabalho e mortes
     precoces

   1700: Bernardino Ranazzini: Descreve
    doenças que ocorrem em Trabalhadores
    em mais de 50 ocupações.Acrescenta na
    Anamnese? Qual é a sua Ocupação?
Trabalho escravo no Brasil
            Séculos XVII e XVIII
• Antes dos estudos etnográficos
  mais profundos (fins do século XIX e,
  principalmente, século XX), pensava-se
  que          os        índios      eram
  simplesmente             "inaptos"    ao
  trabalho.
• Os escravos foram utilizados
  principalmente em atividades
  relacionadas à agricultura –
  com destaque para a atividade
  açucareira – e na mineração,
  sendo assim essenciais para a
  manutenção da economia.

Recomendado para você

Tst cerest
Tst   cerestTst   cerest
Tst cerest

O documento descreve o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST), incluindo suas atribuições de fornecer suporte técnico e coordenação de projetos de saúde para trabalhadores, apoiar ações de saúde na atenção primária e serviços especializados, e atuar como articulador de ações intersetoriais de saúde do trabalhador. O CEREST deve ser constituído por equipes multiprofissionais para fornecer matriciamento na rede pública de saúde.

tst
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção BásicaSaúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica

O documento discute a evolução histórica da saúde do trabalhador, desde os primórdios até os dias atuais. Apresenta os principais riscos ocupacionais à saúde e as normas e programas de prevenção desenvolvidos, incluindo o papel da atenção básica no Sistema Único de Saúde brasileiro.

sade do trabalhadorprofessor robson
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorEpidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhador

Este documento discute a história da saúde do trabalhador, conceitos relacionados ao trabalho e riscos à saúde, e exemplos de doenças associadas a determinadas ocupações. Apresenta os conceitos de saúde ocupacional e saúde do trabalhador, além de abordar indicadores de risco ocupacional e modelos para mapeamento e prevenção de riscos.

Trabalho escravo no Brasil
          Séculos XVII e XVIII




Trabalho forçado
Trabalho não remunerado A Lei Áurea sancionada
                             em 13 de maio de 1888
Controle rígido (feitores)
Castigo
Tortura
Século XVIII: Revolução Industrial

  Começa a se formar a classe operária, desorganizada
  e sem direitos que a protegesse;
 O trabalhador vira parte de uma engrenagem do
  trabalho;

      Surge a medicina do Trabalho, restrita a uma
    abordagem clínica, limitada ao trabalhador e seu
    adoecimento.
METAS
                               REPETITIVIDADE


                                                 BAIXOS
   PRESSÃO                                      SALÁRIOS
     POR
 PRODUTIVIDADE
                                                PRESSÃO
                                                  DAS
                                                CHEFIAS
                  POUCA
               FLEXIBILIDADE


                                CONDIÇÕES PRECÁRIAS
José Carlos do Carmo (Kal)
Velhos Males: Doenças
                Ocupacionais
 Saturnismo
-Intoxicação causada pelo chumbo.
 Silicose
-Provocada pela poeira da sílica.
 Benzenismo
-Mielotóxico, leucemogênico e cancerígeno.
 Asbestose
-Exposição ao amianto.
 Dermatoses
Cimento, Borracha, Derivados de Petróleo, Níquel, Cobalto,etc.

Recomendado para você

Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSegurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde

O documento discute a Norma Regulamentadora 32 que trata da segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde. O texto descreve os programas de controle médico de saúde ocupacional e de prevenção de riscos ambientais, que visam à preservação da saúde dos trabalhadores e atuação preventiva. Também apresenta procedimentos a serem seguidos em casos de acidentes e exposição a agentes biológicos.

segurançasaúde no trabalhoserviços de saúde
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais

Uma pessoa passa maior parte da sua vida em um ambiente de trabalho, o que significa que é necessário ter boas condições físicas e mentais neste local, para garantir uma boa qualidade de vida entre os colaboradores, esse texto é apenas um breve ensaio sobre as Doenças ocupacionais, como estamos expostos a ela dia a dia em nossas atividades laborais e como podemos evita-las.

mapa de riscodoencas ocupacionaislaboral
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]

O Programa Saúde da Família tem como objetivo principal reorganizar a atenção primária à saúde, levando os serviços para mais perto das famílias. Isso é feito por meio de equipes multidisciplinares que realizam atendimento domiciliar e na unidade básica de saúde, priorizando a prevenção, promoção e recuperação da saúde de forma integral e contínua. O programa busca estabelecer vínculos entre profissionais e população para melhor identificar e atender problemas de saúde da

Novos Males: Doenças
                   relacionadas ao Trabalho
   Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (PAIR)
   Morte dos cortadores de cana por exaustão
   Lesões por Esforços Repetitivos ( LER )
   Transtornos Mentais relacionados ao Trabalho
   Distúrbios de Voz




    José Carlos do Carmo (Kal)
Novos Males: Doenças
                   relacionadas ao Trabalho
   Acidente com exposição a material biológico
   Intoxicações Exógenas
   Assédio Moral no trabalho
   Stress relacionado ao trabalho
   Síndrome de Burnout
   Entre outras




    José Carlos do Carmo (Kal)
Século XX: Brasil

 1943: CLT
 Normas Regulamentadoras: PORTARIA nº 3214/78
 SESMT
 PPRA
 PCMSO
 Limite de Tolerância, etc.

   Fiscalização dos ambientes de trabalho
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA
        FEDERATIVA DO BRASIL 1988

  Inseriu a saúde do trabalhador como campo de atuação ao
  sistema único de saúde.

Art.196: “ ... um direito de todos e um dever do Estado, garantido
  mediante políticas sociais econômicas...”
Art. 200: “ ... Ao Sistema Único de Saúde compete... executar as
  ações de Saúde do Trabalhador...”, assim como “...colaborar
  na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do
  trabalho...”

Recomendado para você

Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basicaSaude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basica

O documento discute a organização da atenção à saúde do trabalhador no Brasil. Descreve a evolução do modelo de atenção desde a década de 1980, passando pela Reforma Sanitária e criação do SUS. Também apresenta a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) criada em 2009 para estruturar as ações de saúde do trabalhador no país.

Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii

O documento discute procedimentos de biossegurança em saúde, abordando: 1) O contexto histórico da biossegurança e a regulamentação no Brasil; 2) Definições-chave como agentes biológicos, biossegurança e níveis de risco biológico; 3) Medidas de biossegurança como equipamentos de proteção, classificação e descarte de resíduos.

Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
Biossegurança

Este documento fornece informações sobre biossegurança, incluindo: 1) Os objetivos da aula sobre biossegurança e conceitos-chave como equipamentos de proteção individual; 2) Os principais modos de transmissão de microrganismos e a importância da lavagem das mãos; 3) Os princípios básicos de biossegurança para profissionais de saúde.

LEI ORGÂNICA DA SAÚDE, 8080 19 DE
        SETEMBRO/ 1990

 Em seu artigo 6º, parágrafo 3º, regulamenta os dispositivos
  constitucionais sobre Saúde do Trabalhador, da seguinte
                           forma:

“ Entende-se por saúde do trabalhador, para fins desta Lei, um
  conjunto de atividades que se destina, através das ações de
Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária, à promoção e
proteção da saúde dos trabalhadores, submetidos aos riscos e
        agravos advindos das condições de trabalho...”
Política Nacional de Saúde do
              Trabalhador

 RENAST – Rede Nacional de Atenção à Saúde
  do Trabalhador;

   CEREST – Centro de Referência em Saúde
 do Trabalhador.
Ministério do Trabalho e Emprego
                 (MTE)

 Realiza a inspeção das condições      e
  ambientes de Trabalho.

 Apóia-se fundamentalmente no capítulo V
  da CLT, que trata das condições de
  Segurança e Medicina do Trabalho.

 Capítulo regulamentado pela portaria4/78
  que criou as NRs.
Ministério da Previdência Social
              INSS

Realizar ações de reabilitação profissional

Avaliar a incapacidade laborativa para fins de
 concessão de benefícios previdenciários

CAT ( Comunicado de Acidente de Trabalho)
 Deverá ser emitido pelo empresa até o 1º dia útil
 seguinte ao do acidente. Em caso de morte a CAT
 deverá ser feita imediatamente. Em caso de
 doença considera-se o dia do diagnóstico.

Recomendado para você

biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança

O documento discute biossegurança em ambientes de pesquisa e saúde. Ele define biossegurança e descreve os principais riscos biológicos, como bactérias, fungos e vírus. Também aborda acidentes com material biológico, formas de exposição, transmissão de HIV, hepatite B e C e a legislação brasileira sobre biossegurança.

Nr32
Nr32Nr32
Nr32

A NR 32 estabelece diretrizes para a segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde. A norma cobre riscos biológicos, químicos, radiações e resíduos, além de medidas de proteção, capacitação e programas de gerenciamento de riscos. A implantação da NR 32 é tripartite e supervisionada pela Comissão Tripartite Permanente Nacional.

Slide ler/dort
Slide ler/dortSlide ler/dort
Slide ler/dort

O documento discute Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (DORT), incluindo suas definições, causas, diagnóstico, tratamento e prevenção. LER e DORT são causados por esforços repetitivos e afetam principalmente os membros superiores. O diagnóstico e tratamento multidisciplinar, juntamente com medidas preventivas nos locais de trabalho, são essenciais para melhorar a saúde e qualidade de vida dos pacientes.

lerdort
Resultado das notificações pelos
comunicados de acidente de trabalho (CAT),média
               do sec.XXI - INSS


                             3 mortes a cada
  3 mil óbitos
                                2 horas de
    por ano
                                 trabalho


                               3 acidentes
345 mil acidentes
                              a cada minuto
 típicos por ano
                               de trabalho
Política Nacional de Segurança e
            Saúde no Trabalho



                                    TRABALHO
           SAÚDE


                      PREVIDÊNCIA



Decreto nº 7.602 de 07 de novembro de 2011
Trabalhar sim, adoecer não!




José Carlos do Carmo (Kal)
Política Nacional de Saúde do
              Trabalhador

 RENAST – Rede Nacional de Atenção à Saúde
  do Trabalhador;

   CEREST – Centro de Referência em Saúde
 do Trabalhador.

Recomendado para você

SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM

SLIDE FEITO PARA MATERIA DE SAÙDE COLETIVA NO CURSO DE TÈCNICO EM ENFERMAGEM DE CANOAS RS BRASIL. DESEJO PODER COLABORAR COM OUTROS ESTUDANTES COMPARTILHANDO NOSSO TRABALHO.

Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde

O documento descreve os principais pontos da Norma Regulamentadora NR 32 sobre segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde, incluindo: 1) o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e seu objetivo de reconhecer riscos e monitorar a saúde dos trabalhadores; 2) o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e como ele e o PCMSO estão interligados para prevenção; 3) procedimentos a serem tomados em caso de acidentes com material biológico

ateno bsicasade do trabalhadorprofessor robson
Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.pptAula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt

O documento descreve a história das relações entre saúde e trabalho no Brasil, desde a Idade da Pedra até os dias atuais. Detalha o trabalho escravo no Brasil por 400 anos e as epidemias que afetaram os escravos, como o "banzo". Também discute a Revolução Industrial e a introdução da legislação trabalhista na Inglaterra no século XIX, e como isso influenciou o desenvolvimento da Medicina do Trabalho.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA
        FEDERATIVA DO BRASIL 1988

  Inseriu a saúde do trabalhador como campo de atuação ao
  sistema único de saúde.

Art.196: “ ... um direito de todos e um dever do Estado, garantido
  mediante políticas sociais econômicas...”
Art. 200: “ ... Ao Sistema Único de Saúde compete... executar as
  ações de Saúde do Trabalhador...”, assim como “...colaborar
  na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do
  trabalho...”
LEI ORGÂNICA DA SAÚDE, 8080 19 DE
        SETEMBRO/ 1990

 Em seu artigo 6º, parágrafo 3º, regulamenta os dispositivos
  constitucionais sobre Saúde do Trabalhador, da seguinte
                           forma:

“ Entende-se por saúde do trabalhador, para fins desta Lei, um
  conjunto de atividades que se destina, através das ações de
Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária, à promoção e
proteção da saúde dos trabalhadores, submetidos aos riscos e
        agravos advindos das condições de trabalho...”
CEREST

  É um serviço especializado no atendimento à Saúde do
Trabalhador e tem como principal objetivo a implantação da
    Atenção Integral à Saúde do Trabalhador no SUS.



Habilitado pela Portaria nº 109 SAS/MS de 09 de maio de
                          2003.        CEREST GOIÂNIA
HABILITADO PELA PORTARIA Nº 109
 SAS/MS DE 09 DE MAIO DE 2003.

Recomendado para você

01 130818192745-phpapp02
01 130818192745-phpapp0201 130818192745-phpapp02
01 130818192745-phpapp02

O documento fornece um resumo histórico da evolução da saúde e segurança no trabalho ao longo dos séculos, desde os primeiros estudos sobre doenças de mineiros na Europa até a regulamentação moderna da área no Brasil e em outros países. Aborda temas como a Revolução Industrial, o surgimento das primeiras leis trabalhistas e a criação de importantes instituições como a OIT, a Fundacentro e a OSHA.

Material.ppt
Material.pptMaterial.ppt
Material.ppt

O documento discute a história da segurança do trabalho ao longo dos tempos, desde a antiguidade até os dias atuais, e como a legislação evoluiu para proteger os trabalhadores. Também descreve as principais atividades realizadas por profissionais de segurança do trabalho e suas competências.

aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdfaula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf

[1] A saúde do trabalhador evoluiu no Brasil de uma visão inicial fragmentada e biológica para uma abordagem mais ampla considerando fatores psíquicos e sociais; [2] Leis como a CLT de 1943 e a Constituição de 1988 estabeleceram diretrizes para a saúde e segurança do trabalhador e o reconhecimento do Estado como responsável por condições dignas de trabalho; [3] A Lei 8080/90 integrou a saúde do trabalhador ao SUS com atribuições como assistência a vítimas de ac

LOCALIZAÇÃO

Avenida Contorno nº 2151
 Setor Norte Ferroviário
      Goiânia/GO
     (62)3524.8702
     (62)3524.8743
CEREST´s POR ÁREA DE ABRANGÊNCIA
EQUIPE MULTIPROFISSIONAL
 Médicos do trabalho,
  otorrinolaringologista, toxicologista;
 Enfermeiros do trabalho;
 Assistentes Sociais;
 Fonoaudiólogos;
 Psicólogo;
 Sociólogo;
 Fisioterapeutas;
 Auxiliar de Enfermagem;
 Técnico de Enfermagem;
 Equipe Administrativa.
QUEM É ATENDIDO NO CEREST?

 Todos os trabalhadores independente do vínculo
empregatício encaminhado pelas Unidades de Saúde
                   via regulação.

Recomendado para você

01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução

O documento resume a história da saúde e segurança no trabalho ao longo dos séculos, desde os estudos iniciais de doenças em mineradores na Idade Média até a regulamentação moderna. Destaca leis e organizações importantes, como a criação da OSHA nos EUA em 1970 e da Fundacentro no Brasil em 1966 para lidar com altos índices de acidentes.

Renasts
RenastsRenasts
Renasts

O documento discute a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) no Brasil, que foi criada em 2002 para articular ações de saúde dos trabalhadores. Ele também define os agravos à saúde que devem ser notificados compulsoriamente de acordo com portaria de 2004, como acidentes de trabalho, intoxicações, problemas musculoesqueléticos e doenças respiratórias ocupacionais.

5555555555555
55555555555555555555555555
5555555555555

O documento discute a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) no Brasil, que foi criada em 2002 para articular ações de saúde dos trabalhadores. Ele também define os agravos à saúde que devem ser notificados compulsoriamente de acordo com portaria de 2004, como acidentes de trabalho, intoxicações, distúrbios musculoesqueléticos e pneumoconioses.

ATRIBUIÇÕES DO CEREST

 Dar subsidio técnico para o SUS nas ações de promoção,
  prevenção, vigilância, diagnóstico, tratamento e reabilitação em
  saúde dos trabalhadores urbanos e rurais;
ATRIBUIÇÕES DO CEREST
 Assistência especializada aos trabalhadores acometidos por
  doenças e acidentes relacionados ao trabalho

 Coleta sistemática da história ocupacional para            o
  estabelecimento da relação do adoecimento com o trabalho

 diagnóstico e tratamento das doenças relacionadas ao
  trabalho, de modo          articulado com outros programas
  (mulheres, crianças, idosos, portadores de necessidades
  especiais, diabetes, hipertensos)
MEDICINA DO TRABALHO
OTORRINOLARINGOLOGIA

Recomendado para você

História da segurança do trabalho no mundo
História da segurança do trabalho no mundoHistória da segurança do trabalho no mundo
História da segurança do trabalho no mundo

O documento descreve a história da segurança do trabalho ao longo dos séculos, desde a Grécia Antiga até os dias atuais, destacando pioneiros como Hipócrates, Paracelso e Ramazzini. Relata também marcos legislativos na Inglaterra no século XIX e a criação da OIT em 1919, além do desenvolvimento da segurança do trabalho no Brasil a partir de 1891.

23
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEMSAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM

O documento discute a evolução histórica da saúde do trabalhador, desde os primórdios até a legislação atual. Apresenta os principais marcos no desenvolvimento dos meios de produção e como isso impactou as condições de trabalho ao longo do tempo. Também descreve os principais riscos ocupacionais à saúde monitorados no Brasil de acordo com a legislação trabalhista.

1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx

Este documento descreve o histórico da preocupação com a saúde e segurança do trabalho desde a antiguidade até os dias atuais. Destaca os primeiros registros de acidentes e doenças ocupacionais, o surgimento da legislação no Brasil no século XIX, e a criação da Consolidação das Leis do Trabalho e das Normas Regulamentadoras como marcos importantes. Também aborda a evolução das equipes de saúde e segurança do trabalho e os benefícios financeiros de se investir nessas ações para as organiza

saúde e segurança no trabalho
ENFERMAGEM DO
   TRABALHO
SERVIÇO SOCIAL
FONOAUDIOLOGIA
PSICOLOGIA

Recomendado para você

Aula 1 - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
Aula 1  - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdfAula 1  - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
Aula 1 - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf

O documento descreve um plano de ensino sobre segurança do trabalho com 80 horas de carga horária, abordando tópicos como acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, evolução histórica da segurança do trabalho no Brasil e no mundo, normas regulamentadoras e riscos ambientais.

02. legisla+º+úo
02. legisla+º+úo02. legisla+º+úo
02. legisla+º+úo

O documento apresenta informações sobre a história da segurança e saúde no trabalho, mencionando contribuições de figuras como Bernardino Ramazzini, Ulrich Ellembog, Plínio e Aristóteles. Também descreve marcos legais no Brasil e no mundo, como a criação da OIT em 1919 e a implementação da primeira lei brasileira sobre acidentes de trabalho em 1919. Por fim, lista os tópicos abordados no programa de disciplina de engenharia de segurança.

apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdfapresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf

O documento resume um curso de fisioterapia sobre saúde do trabalhador, incluindo: 1) lista de docentes e discentes, 2) introdução histórica da medicina do trabalho, 3) diretrizes legais, 4) acidentes de trabalho e doenças profissionais, e 5) processo de reabilitação.

SOCIOLOGIA
FISIOTERAPIA
ATRIBUIÇÕES DO CEREST

Fomentar ambientes e processos de
 trabalho saudáveis;


Fortalecer    a     vigilância    de
 ambientes,processos      e   agravos
 relacionados ao trabalho.
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)

Este documento fornece um breve histórico sobre segurança e medicina no trabalho, desde a Revolução Industrial até os dias atuais. Apresenta os principais marcos legais no Brasil e internacionalmente, como a criação da OIT em 1919, a Declaração Universal dos Direitos Humanos em 1948 e as 28 Normas Regulamentadoras brasileiras em 1978. O texto contextualiza a evolução gradual da preocupação com a saúde e segurança dos trabalhadores ao longo dos séculos.

segurança do trabalho
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptxPATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx

patologia do trabalho

AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptxAULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx

A saúde do trabalhador surgiu na Inglaterra durante a Revolução Industrial no século XIX e foi formalmente regulamentada no Brasil na Constituição de 1988 e na lei de criação do SUS em 1990. A área abrange a erradicação do trabalho escravo e infantil e a segurança e saúde do trabalhador, sendo regulada por marcos como a lei 8.080/1990.

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Manual prático legislação segurança e medicina no trabalho
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalhoManual prático legislação segurança e medicina no trabalho
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalho

Este documento fornece um breve histórico sobre segurança e medicina no trabalho, desde a Revolução Industrial até os dias atuais. Abrange temas como a evolução da legislação trabalhista no Brasil e no mundo, a criação de organizações internacionais como a OIT e a OMS, e o desenvolvimento gradual da ergonomia e da saúde ocupacional.

trabalhistanr 24seguranca do trabalho
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalho
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalhoManual legislação de_segurança_medicina_trabalho
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalho

Este documento fornece um breve histórico sobre segurança e medicina no trabalho, desde a Revolução Industrial até os dias atuais. Abrange questões como o surgimento de doenças relacionadas ao trabalho, as primeiras convenções da OIT sobre proteção aos trabalhadores, o desenvolvimento de conceitos como saúde ocupacional e ergonomia, e a evolução da legislação brasileira sobre o tema ao longo do tempo.

Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02

Este documento fornece um breve histórico sobre segurança e medicina no trabalho, desde a Revolução Industrial até os dias atuais. Abrange questões como o aumento de doenças relacionadas ao trabalho com a evolução dos meios de produção, a criação de organizações internacionais para proteger os trabalhadores e melhorar suas condições de vida e trabalho, e o desenvolvimento gradual da legislação brasileira sobre o tema.

VIGILÂNCIA EM SAÚDE
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
ATRIBUIÇÕES DO CEREST


    PARCERIAS COM MINÍSTERIO PÚBLICO
 ABERTURA DE TAC PARA CORREÇÃO DE IRREGULARIDADES E
 DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR

•   CEMITÉRIOS;
•   COMURG;
•   CEASA ( CENTRAL DE ABASTECIMENTO DE ALIMENTOS);
•   JUNTA MÉDICA MUNICIPAL;

ACESSIBILIDADE A BANCA PERMANENTE DE CONCILIAÇÃO DA UCG
NAS ÁREAS CIVIL, PENAL E TRABALHISTA PARA GARANTIR A
ASSISNTÊNCIA JURÍDICA AOS TRABALHADORES ATENDIDOS PELO
CEREST
ATRIBUIÇÕES DO CEREST



Implementar sistema de notificação
dos agravos relacionados ao trabalho
(portaria 104 de janeiro de 2011)

Recomendado para você

Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalhoOs agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho

O documento descreve a história da higiene do trabalho, desde os primeiros escritos sobre ventilação e doenças de mineiros no século XVI, passando pela publicação do primeiro tratado sobre doenças relacionadas a profissões no século XVIII, até a criação de agências como a NIOSH e normas regulatórias no Brasil no século XX. Também apresenta os principais agentes ambientais de risco no trabalho e suas propriedades.

Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva

Módulo de Sistema Respiratório e Ventilação Mecânica - Pós em Urgência/Emergência e Terapia Intensiva. Slides utilizados pelo Professor Doutor José de Arimatéa Cunha Filho.

#ventilacao #urgenciaeemergencia #posgraduação #
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior

O documento discute diferentes tipos e funções da avaliação educacional. A avaliação deve ser entendida como parte integrante do processo de ensino-aprendizagem e não como um momento isolado de atribuição de notas. Deve-se avaliar para diagnosticar dificuldades e promover o aprendizado dos alunos, e não para culpar ou punir. A avaliação formativa é importante para orientar os professores e alunos durante o processo.

icgavaliacaoensino superior
ATIVIDADES EDUCATIVAS
CAMPANHAS EDUCATIVAS:


Voz;
Audição;
Prevenção de Acidente de
Trabalho;
LER/DORT;
Alerta contra o Trabalho
Infantil.
ATIVIDADES EDUCATIVAS
 Realizar capacitação técnica e
  supervisão das ações de saúde
  do trabalhador na Rede de
  Serviços;

 Orientar trabalhadores em nível
  individual e coletivo;

 Elaboração     de      material
  educativo.
PALESTRA CENTROALCOOL- INHUMAS/GO
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde e Educação
Saúde e EducaçãoSaúde e Educação
Saúde e Educação

O documento discute diversos temas relacionados à saúde e educação, incluindo: 1) A importância de olhar para além da forma como a vida se apresenta e considerar um diálogo entre teoria e prática. 2) Os diferentes combustíveis que motivam as pessoas, como dinheiro, status e conhecimento. 3) A teoria do caos e como pequenas mudanças podem ter grandes consequências no futuro.

seminario multidisciplinaricgeducacao
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico

Este documento fornece instruções sobre como elaborar um artigo científico de acordo com as normas da ABNT. Ele explica a estrutura de um artigo, incluindo elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, e fornece diretrizes sobre citações, referências, tabelas e ilustrações.

icgartigo cientificoartigo
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico

Este documento fornece um relatório psicopedagógico sobre uma estudante de 11 anos que está tendo dificuldades com matemática, interpretação de texto e dispersão. Ela tem uma boa relação com colegas e professores, mas precisa de apoio para melhorar sua autoestima, rotina de estudos e relacionamentos familiares. O relatório recomenda a continuação do atendimento psicopedagógico e estimulação cognitiva para ajudá-la a superar suas dificuldades acadêmicas.

informe psicopedagogicoinformepsicopedagogia. icg
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
ATIVIDADES EDUCATIVAS

 Propor e assessorar a realização de convênios de cooperação
  técnica com órgãos de ensino, pesquisa e instituições públicas
  com responsabilidade na área de saúde do trabalhador

 Exemplo: UFG e Fiocruz
ATIVIDADES EDUCATIVAS
 Promover educação permanente dos Trabalhadores

 Higiene e Segurança do Trabalho;
 Riscos Ocupacionais;
 Acidente com Exposição à Material Biológico;
 LER/DORT;
 Intoxicações Exógenas;
 Dermatoses ;
 Transtorno Mental Relacionado ao Trabalho;
 Câncer Relacionado ao Trabalho;
 Dermatoses;
 Pneumoconioses;
CAMPANHAS EDUCATIVAS

Voz
Audição
Prevenção de Acidente de
trabalho
LER/DORT
Alerta contra o trabalho
 infantil

Recomendado para você

Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos

Este documento fornece modelos e normas para trabalhos acadêmicos do Instituto Consciência GO, incluindo modelos para capa, folha de rosto, normas de formatação, citações e referências bibliográficas. As normas abrangem formatação do texto, ilustrações, tabelas, citações diretas e indiretas e referências bibliográficas em formato ABNT.

abnttrabalhos academicosnormatizacao
TDAH
TDAHTDAH
TDAH

O documento discute o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), caracterizando-o como um transtorno neurobiológico que se manifesta principalmente por desatenção, hiperatividade e impulsividade. Ele pode causar dificuldades emocionais e de aprendizagem e é diagnosticado quando os sintomas ocorrem em pelo menos dois ambientes por mais de seis meses. O estimulante metilfenidato é o tratamento mais eficaz, embora haja preconceito contra seu uso.

icghiperatividadetdah
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção

O documento discute a atenção e seus sistemas e tipos. A atenção é a capacidade de selecionar e manter o foco em informações relevantes. Existem três sistemas atencionais separados: o sistema frontal direito para vigilância, o sistema parietal posterior para orientação espacial e o sistema cingulado anterior para detecção de alvos. Os principais tipos de atenção são seletiva, sustentada, alternada e dividida.

MATERIAIS EDUCATIVOS
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Educação Permanente

Facilitar o desenvolvimento de estágios, trabalho e pesquisa,
com universidades , escolas e sindicatos, entre outros



 Realizar convênios de cooperação técnica
com órgãos de ensino, instituições públicas
com responsabilidade na área de saúde do
trabalhador

Exemplo: UFG e Fiocruz.
 ASSESSORAR O PODER LEGISLATIVO EM
    QUESTÕES DE INTERESSE PÚBLICO

Recomendado para você

Parametro de QLDD
Parametro de QLDDParametro de QLDD
Parametro de QLDD

O documento discute parâmetros de qualidade para a educação infantil no Brasil com foco na concepção de criança, pedagogia adequada e legislação. A qualidade da educação de crianças de 0 a 6 anos deve contemplar o desenvolvimento integral da criança considerando seu contexto social e cultural.

Direitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. InfantilDireitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. Infantil

O documento descreve a evolução histórica dos direitos da criança à educação no Brasil segundo a Constituição Federal de 1988, o Estatuto da Criança e do Adolescente de 1990, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996 e outras leis e resoluções subsequentes, que garantem o atendimento em creche e pré-escola para crianças de até 5 anos de idade e estabelecem a educação infantil como primeira etapa da educação básica.

DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
DCNEIs

Este documento estabelece as diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil no Brasil. Ele define os princípios e objetivos da educação infantil, como promover o desenvolvimento integral das crianças de 0 a 5 anos por meio de experiências que estimulem diferentes áreas como cognição, linguagem e expressão. Também aborda a organização pedagógica e curricular necessária para atender às necessidades e características de cada faixa etária.

ATRIBUIÇÕES DO CEREST


 ARTICULAÇÕES INTRA E INTERINSTITUCIONAIS

     Ministério Público
     Superintendência Regional do Trabalho e Emprego
     Universidades
     Vigilância Sanitária
     Vigilância Epidemiológica
     PSF
     Secretaria de Assistência Social
     Junta Médica Municipal
ATRIBUIÇÕES DO CEREST

Promover a participação da comunidade na gestão
      das ações em Saúde do Trabalhador
O CEREST NÃO FAZ!!
 Atendimento de emergência e urgência

 Não pode assumir as funções dos Serviços Especializados
  de Segurança e Medicina do Trabalho –SESMT

 Exames periódicos

 Exame de mudança de função
SÃO AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO
       COMPULSÓRIA

Portaria nº 104/MS de janeiro 2011

Recomendado para você

Currículo nos anos inicias
Currículo nos anos iniciasCurrículo nos anos inicias
Currículo nos anos inicias

O documento descreve a história da educação infantil no Brasil desde o século XIX, destacando: 1) As primeiras iniciativas de proteção à infância surgiram no final do século XIX com a criação de creches e asilos para crianças pobres. 2) No início do século XX, com o aumento da industrialização e urbanização, surgem as "fazedoras de anjos" e aumenta a mortalidade infantil. 3) Ao longo do século XX, houve maior regulamentação e investimento na educação infantil, visando

Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais

O documento discute diferentes concepções de currículo na educação infantil de acordo com vários autores. Kishimoto define currículo como intenções que guiam a organização escolar para experiências de aprendizagem para crianças. Oliveira vê currículo como balizador de atividades e roteiro que deve explicitar fundamentação teórica. Kramer define currículo como proposta pedagógica que revela valores e contém um projeto político de sociedade.

Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...

A Construção da vida profissional e a interdisciplinaridade: (re)pensar a Educação e a Saúde pela diversidade.

icgseminariospos-graduacao
ACIDENTE DE TRABALHO FATAL
ACIDENTE DE
TRABALHO COM
  MUTILAÇÕES
ACIDENTE DE TRABALHO COM
 CRIANÇAS E ADOLESCENTES
ACIDENTE COM
MATERIAL BIOLÓGICO

Recomendado para você

Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira TôrresPalestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres

O documento discute a construção da vida profissional na atualidade e a importância da interdisciplinaridade e da diversidade. Aborda como o ensino e a pesquisa se relacionam e como o conceito de diversidade pode ser ressignificado para mudar paradigmas.

icgpos-multidisciplinares
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica

Este documento discute a família brasileira no contexto histórico e cultural. Apresenta como a família no Brasil passou por diferentes modelos ao longo da história, indo da família patriarcal e extensa na colonização para a família conjugal moderna no século XX. Também discute as diversas transformações na estrutura familiar ocorridas na contemporaneidade, resultando em vários tipos de arranjos familiares.

icgfamíliasaude
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial

Este documento fornece diretrizes para a implementação do Programa Saúde da Família no Brasil, visando reorientar o modelo assistencial de saúde com foco na atenção básica. As principais diretrizes incluem: 1) Definição do escopo e composição das equipes da Saúde da Família; 2) Processo de cadastramento e adscrição da população; 3) Instalação das unidades e níveis de competência na gestão do programa.

icgfamíliasaude
DERMATOSE
OCUPACIONAL
INTOXICAÇÕES
  EXÓGENAS
LER/ DORT
PNEUMOCONIOSES

Recomendado para você

Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família

Este documento discute a importância da integralidade na educação em saúde no Programa Saúde da Família (PSF) no Brasil. Argumenta-se que as práticas de educação em saúde no PSF precisam incorporar o princípio da integralidade para que o modelo assistencial possa ser reorientado de acordo com os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS). A integralidade implica integrar ações preventivas e assistenciais, envolver equipes multiprofissionais, e considerar os usuários de forma holística em vez de

icgfamíliasaude
SIAD
SIADSIAD
SIAD

Este documento fornece instruções para preenchimento de fichas e relatórios do Sistema de Informação de Atenção Básica (SIAB), com definições de conceitos como família, domicílio, área e microárea para diferentes modelos de atenção à saúde.

icgsiadfamília
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011

1) A portaria aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo novas diretrizes para a organização da atenção básica, Estratégia Saúde da Família e Programa de Agentes Comunitários de Saúde. 2) A política revisa as normas de implantação e operacionalização da atenção básica com foco na consolidação da estratégia saúde da família. 3) A secretaria de atenção à saúde publicará manuais e guias para detalhar a operacionalização da nova

icgfamíliasaude
PAIR
(PERDA AUDITIVA
 INDUZIDA PELO
     RUÍDO)
TRANSTORNO MENTAL
  RELACIONADO AO
     TRABALHO
CÂNCER
RELACIONADO AO
   TRABALHO
CÂNCER
RELACIONADO AO
   TRABALHO

Recomendado para você

Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM

Electrolitos AMIR

electrolitos amir
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx

Análise das Características físico químicas e microbiológicas do LCR.

Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...

### Procedimento Operacional Padrão para Recebimento e Atendimento de Pacientes pela Recepcionista #### Introdução A recepção é crucial na experiência do paciente em clínicas médicas e odontológicas. A recepcionista garante que os pacientes se sintam bem-vindos e atendidos adequadamente. Um Procedimento Operacional Padrão (POP) ajuda a sistematizar e otimizar essas práticas. #### 1. Preparação da Recepção Antes da abertura da clínica, a recepcionista deve garantir que a área de recepção esteja limpa, organizada e pronta para receber os pacientes. Isso inclui verificar materiais de escritório, equipamentos eletrônicos e a organização da área de espera. #### 2. Recepção dos Pacientes Os pacientes devem ser recebidos de maneira cordial e profissional. A recepcionista deve cumprimentar o paciente, verificar o agendamento no sistema e informar sobre o tempo estimado de espera. #### 3. Cadastro e Atualização de Informações Para novos pacientes, é necessário realizar o cadastro completo no sistema. Para pacientes recorrentes, as informações devem ser atualizadas. Isso inclui a coleta de documentos de identificação, informações de contato, dados pessoais e histórico médico e odontológico. #### 4. Preparação para a Consulta Antes de encaminhar o paciente ao consultório, a recepcionista deve confirmar com a equipe médica que o consultório está pronto, entregar formulários necessários e informar o paciente sobre qualquer instrução específica para a consulta. #### 5. Atendimento Telefônico A recepcionista deve atender chamadas com profissionalismo, identificando-se e ajudando o interlocutor. Ela deve anotar recados, agendar consultas e responder a perguntas sobre a clínica. #### 6. Gerenciamento de Conflitos Em caso de atrasos, cancelamentos ou insatisfações, a recepcionista deve ouvir atentamente as preocupações do paciente, mostrar empatia e oferecer soluções alternativas. Manter a calma e o profissionalismo é crucial. #### 7. Manutenção da Organização e Segurança A recepcionista deve manter a área de recepção limpa e organizada, assegurar a confidencialidade dos documentos dos pacientes e seguir as normas de segurança e higiene da clínica. #### 8. Comunicação com a Equipe Uma comunicação eficaz com a equipe é fundamental. A recepcionista deve informar a equipe sobre a chegada dos pacientes, comunicar-se com outros departamentos e participar de reuniões para discutir melhorias nos processos. #### 9. Encerramento do Atendimento Após a consulta, a recepcionista deve agradecer o paciente, agendar consultas de follow-up, receber pagamentos e fornecer recibos, esclarecendo qualquer dúvida sobre valores ou procedimentos de pagamento. #### 10. Feedback e Melhoria Contínua Coletar feedback dos pacientes é essencial para a melhoria contínua dos serviços. A recepcionista deve solicitar que os pacientes preencham formulários de satisfação, anotar comentários e sugestões, e compartilhar o feedback com a gestão.

procedimento operacional padrãrecepcionista de clínicaatendimento ao paciente
DOENÇAS RELACIONADAS
    AO TRABALHO
SILICOSE
É uma Pneumoconiose, causada pela
 inalação de partículas de sílica livre
 (quartzo, sílica cristalina, SiO2)
 Risco de adoecimento depende:
Concentração da poeira respirável;
Composição da poeira (% de silica livre);
Tamanho das partículas ( < 10µm atingem os
  alvéolos )
Tempo de exposição.
Atividades/ silicose
 Jateamento de areia;
 Pedreiras;
 Produção de cerâmica branca ou porcelana
  (mistura a seco);
 Extração de minérios ( subterrâneos);
 Fundições de metais usando-se moldes de
  areia;
 Corte e lixamento a seco de pedras e tijolos
  refratários.
Atividade/Silicose
•

Recomendado para você

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX

Posicionamento de incidências do ombro para RX

9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf

Nutrição e Longevidade

Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf

Médicos

Atividades / Silicose
O Popular
Quadro Clínico / Silicose AGUDA

 Forma rara,associada a exposição maciça de
  sílica livre,em jateamento de areia ou moagem
  de quartzo puro,levando à proteinose alveolar
  pulmonar associada a infiltrado intersticial
  inflamatório.
 Normalmente aparece dentro dos cinco
  primeiros anos de exposição, com sobrevida em
  torno de um ano
Quadro clínico / Silicose Subaguda

Alterações radiológicas precoces,de
 evolução rápida, apresentando-se
 inicialmente como nódulos que,associado
 ao processo inflamatório evoluem para
 conglomeração e grandes opacidades.
Sintomas respiratórios precoces e
 limitantes.
Cavadores de poços.

Recomendado para você

mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024

Curso básico de suturas para enfermeiros

suturamini cursoenfermeiro
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf

.

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf

curso para operador de plataforma

Quadro clínico / silicose crônica
Latência longa,cerca de 10 anos após o
 inicio da exposição;
Presença de nódulos,grandes opacidades.
Sintomas / Silicose
Assintomática no inicio
Dispnéia aos esforços
Astenia
Insuficiência respiratória
Tosse
 Podem aparecer outras doenças respiratórias
  concomitantes ( Bronquite,tuberculose)
Tratamento da Silicose
Não há tratamento específico
Deve ser afastado imediatamente da
 exposição
Suspensão do tabagismo
Transplante pulmonar em casos
 selecionados
Quimioprofilaxia com tuberculostáticos
Prevenção da Silicose
Vigilância dos ambientes e dos processos de
 trabalho
Substituição de perfuração a seco por
 processos úmidos
Ventilação adequada durante em trabalhos em
 áreas confinadas
Turno de trabalho reduzido para perfuradores
Controle da poeira em níveis abaixo dos
 permitidos (monitoramento sistemático)

Recomendado para você

Prevenção da Silicose
 Rotatividade das atividades
 Fornecimento de EPIs adequados
Máscaras com filtros, vestuario, òculos,
  capacete,etc
Higienização ,manutenção e guarda dos EPIs
Treinamento dos trabalhadores
 Medidas de proteção coletiva (filtros mecânicos
  em áreas contaminadas)
 Exames médicos periódicos (RX , Espirometria)
 Controle do tabagismo
Prevenção/ Silicose
ASBESTOSE
Pneumoconiose causada pela inalação
 de fibras de asbesto ou amianto;
Doença profissional dose-dependente
 dos níveis de concentração de fibras de
 asbesto no ar;
Desenvolve lentamente,após tempos de
 exposição veriáveis;
Carcinogênico humano.
Amianto

Recomendado para você

Os minerais asbestiformes, são classificados
                  em dois grupos:
                                   Composicão
       Grupo   Nome do mineral                       Nome-comum        Observações
                                      química
                                 (Mg,Fe,Ni)3Si2O5(                  Esse é o tipo mais
Serpentina     Crisótilo                           Asbesto branco
                                 OH)4                               usado na indústria
                                                                    Amosite é um
                                                                    termo comercial,
               Amosite           Fe7Si8O22(OH)2    Asbesto marrom
                                                                    sinônimo de
                                                                    grunerite.
                                 Na2Fe2+3Fe3+2Si8O2
               Crocidolite                          Asbesto azul
                                 2 (OH)2
Anfíbola
                                 Ca2Mg5Si8O22(OH)
               Tremolite
                                 2
                                 Ca2(Mg,
               Actinolite
                                 Fe)5Si8O22(OH)2
                                 (Mg,
               Antofilite
                                 Fe)7Si8O22(OH)2
ASBESTOSE /Exposição
• Extração do mineral na natureza;
• Fábricas de artigos que utilizam amianto:
  telhas,caixas d’água,tecidos a prova de
  fogo e fibro-cinento.
Amianto/ Minaçú-Go
ASBESTOSE/Quadro Clínico
Dispnéia de esforço,crepitações nas
 bases;
Espessamento pleural;
Câncer de pulmão é uma complicação
 frequente na evolução da asbestose
 (mesotelioma de pleura e peritônio).

Recomendado para você

Asbestose/Quadro Clínico
ASBESTOSE/Diagnóstico
É feito com base nas alterações
 radiológicas e história ocupacional;
Tempo de latência é longo,geralmente
 superior a 10 anos;
Recomenda-se RX na admissão e
 anualmente;
Espirometria ,bienalmente.
ASBESTOSE/Prevenção
Reduzir os níveis de exposição;
Informar os trabalhadores sobre os riscos
 e medidas de prevenção;
Enclausuramento de processos e
 isolamento de setores de trabalho;
Umidificação dos processos onde haja
 produção de poeira;
Sistema de exaustão e ventilação
 adequados e eficientes.
ASBESTOSE/Prevenção
Monitoramento sistemático das
 concentrações de fibras no ar ambiente
 ( anexo nº 12 da NR 15,desde 1991,proibe o
 uso de fibras de anfibólios (crocidolita, amosita,
 antofilita, tremolita). Para fibras respiráveis de
 crisolita,o LT de 2.0 fibras/ cm³)
Fornecimento de EPIs (máscaras com filtros
 específicos e substituído segundo
 recomendações)

Recomendado para você

Transtornos mentais
    relacionados ao trabalho
Segundo a OMS os transtornos
 mentais menores acometem 30% dos
 trabalhadores ocupados e os
 transtornos mentais graves cerca de 5
 a 10%.
Principais causas
Exposição a agentes tóxicos;
Organização e processos de trabalho;
Modelo de gerenciamento;
Enxugamento do quadro de funcionários;
Competição,produtividade e metas;
Comunicação dentro do ambiente de
 trabalho;
Assédio moral, entre outros.
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Percepção de riscos/exemplo
 A categoria docente é uma das mais expostas a ambientes
  conflituosos e de alta exigência de trabalho

 Assim estressores psicossociais estão constantemente
  presentes e atuando sobre a saúde do professor
                                    (Reis et. al, 2005)

Recomendado para você

Tais condições colocam em risco a saúde
emocional do educador, ocasionando seu
             adoecimento

                  Depressão
                  Ansiedade
                   Estresse
             Síndrome de Burnout
Percepção do risco
Estudos constatam grande número de docentes,
 irritados,desmotivados, com baixa resiliência,
  sem significado pessoal no seu trabalho,
  sentindo-se desvalorizados profissionalmente.
    (Moura, 1997; Codo, 2002; Carlotto,   2002)
TRABALHO X SAÚDE
“O trabalho é elemento fundamental para a
 saúde, sendo a organização do trabalho o
aspecto de maior impacto no funcionamento
         psíquico.’’    “DEJOURS”
TRABALHADOR




LATENTE                      MANIFESTO
                             (por fora)
(por dentro)

Recomendado para você

PRINCIPAL FATOR PSICOSSOCIAL
    DE RISCO NO TRABALHO

          ESTRESSE




        SAÚDE EMOCIONAL
ESTRESSE
Combinação de reações fisiológicas e
comportamentais   que    as      pessoas
apresentam em resposta aos eventos que
as ameaçam ou desafiam.
                           (Selye, 1959)




Resposta de "luta - ou - fuga"
Estresse Ocupacional
“O Estresse no Trabalho ocorre quando
 as exigências do trabalho não se
 igualam às capacidades, aos recursos
 ou às necessidades do trabalhador ”.
                    (NIOSH, 1999)
CAUSAS DO ESTRESSE
Longa jornada de trabalho
Remuneração injusta
Recursos materiais insuficientes
Inexistência de crescimento profissional
Relacionamento com a administração e
 outros colegas
Ameaças verbais e físicas feitas pelos
 estudantes
Tarefas extra-classe
Reuniões e atividades adicionais

Recomendado para você

“O estresse ocupacional ocorre
quando o indivíduo percebe as
   tarefas no trabalho como
 excessivas para a capacidade
   que possui em enfrentar ”
                ( Straub, 2005)
PRINCIPAIS INDÍCIOS DE ESTRESSE

           Desequilíbrio entre a vida pessoal e a
            profissional

           O dia de trabalho parece não ser suficiente
            para realizar todas as tarefas

           Sensação de incompetência

           Vontade de fugir de tudo

           Angústia e ansiedade

           Apatia e desânimo
PRINCIPAIS INDÍCIOS DE ESTRESSE


           Desequilíbrio na vida pessoal

           Pensar e falar constantemente em um só
            assunto

           Dificuldade para tomar decisões

           Irritabilidade sem causa aparente

           Fadiga ou sono, mesmo tendo dormido o
            suficiente
PRINCIPAIS SINTOMAS DO ESTRESSE

 Mudança extrema de apetite
   Diminuição da libido
   Tontura/ sensação de estar flutuando
   Formigamento das extremidades
   Palpitações e respiração ofegante
   Tiques nervosos
   Cefaléia e dor muscular
   Dificuldade de concentração e de foco
   Prejuízo na atenção e na memória
   Autoestima prejudicada

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
C          CONTROLE E PREVENÇÃO DO
               ESTRESSE
 Otimismo aprendido

 Despertar os órgãos dos sentidos

 Gerenciamento do tempo

 Atividades de lazer

 Atividade física

 Reeducação alimentar

 Desabafo: libera os traumas internalizados e as tensões
  emocionais

 Ajuda profissional: fornece informações, apoio emocional e
  orientação terapêutica

                              
Síndrome de Burnout
 Reação à tensão emocional crônica gerada a
  partir do contato direto e excessivo com
  outros seres humanos, particularmente
  quando estes estão preocupados ou com
  problemas
 Conceito multidimensional que envolve três
  fatores:
 Exaustão Emocional
 Despersonalização
 Falta de Envolvimento Pessoal no Trabalho
                           (Maslach & Jackson, 1981)
Fatores de Burnout
Exaustão Emocional
 Esgotamento de energia e dos recursos emocionais
 Relacionado aos aspectos individuais
 Principais antecedentes: sobrecarga de trabalho e conflito
   interpessoal
Despersonalização
 Sentimentos e atitudes negativas e cinismo, “coisificação” da relação
 Refere-se ao contexto interpessoal
 Desenvolve-se como mecanismo de proteção
Falta de Envolvimento Pessoal no Trabalho
 Sensação de incompetência, falta de realização e de produtividade
 Sensação é diminuída pela auto-eficácia e exacerbada pela falta de
   apoio social, de oportunidades para o desenvolvimento profissional e
   de recursos no trabalho
 Baixos salários
 Violência e falta de segurança

Recomendado para você

QUADRO CLÍNICO
 Esgotamento emocional, perda da
  sensibilidade afetiva

 Perda fácil do senso de humor, perda de
  memória, cansaço permanente, dificuldade
  para levantar-se pela manhã

 Despersonalização, que resulta em atitudes
  negativas que a pessoa faz da sua própria
  imagem, relação de cinismo, e ironia para
  com as pessoas na organização
QUADRO CLÍNICO

 Manifestações emocionais: esgotamento
 profissional, sentimento de frustração,
 baixa auto – estima, desmotivação para
 com o trabalho


 Reações físicas: fadiga, problemas de
  hipertensão arterial, ataques cardíacos,
  perda de peso, dores de cabeça, dores nas
  costas
QUADRO CLÍNICO

Reações comportamentais: consumo
 acelerado de cigarros, álcool, café e
 drogas ilícitas
Distanciamento afetivo dos clientes e
 dos colegas de trabalho
Constantes conflitos interpessoais
 tanto no trabalho como no próprio
 ambiente familiar
“O que eu TENHO FEITO
   com o que fizeram de
          mim?”

Recomendado para você

Saúde Vocal
A VOZ
   A voz é fundamental para que o ser humano possa
     se comunicar, transmitindo seus pensamentos e
                         idéias.
A VOZ

 Variade acordo com o sexo, a idade, a profissão, a
   personalidade e o estado emocional do falante.
VOZ PROFISSIONAL

m
    Forma de comunicação oral utilizada por
      indivíduos que dela dependem para
       exercer sua atividade ocupacional

Recomendado para você

DISTÚDISTÚRBIO DE VOZ
RELACIONADO AO TRABALHO (DVRT)



 “Qualquer alteração vocal diretamente
  relacionada ao uso da voz durante a
          atividade profissional.
PROFISSIONAIS

    PROFESSORES

                         ATORES           LOCUTORES


      PASTORES
                        DUBLADORES     VENDEDORES

CANTORES                TELEFONISTAS   REPÓRTERES


     ADVOGADOS           LEILOEIROS     POLÍTICOS

     OPERADORES DE
     TELEMARKETING
                         CAMELÔS             PADRES
Disfonia

Representa qualquer
dificuldade na emissão
vocal que impeça a
produção natural da voz
SINTOMAS

   ROUQUIDÃO
   CANSAÇO VOCAL
   ARDOR/DOR NA REGIÃO DA GARGANTA
   PIGARRO CONSTANTE
   TOSSE CRÔNICA
   ESFORÇO AO FALAR
   SENSAÇÃO DE CORPO ESTRANHO NA
    GARGANTA

Recomendado para você

TRATAMENTO E REABILITAÇÃO


DIAGNÓSTICO PRECOCE   TRATAMENTO IMEDIATO




           MELHOR PROGNÓSTICO
RISCOS

 Fumo
 Álcool
 Drogas
 Hábitos vocais
  inadequados:
  pigarro e tosse
 Ar condicionado
Cuidados com a voz
   Articular bem as palavras
   Falar pausadamente

   Descansar a voz (fazer momentos de repouso vocal)
    Fazer hidratação, gargarejos com água morna
   Cuidar da saúde geral
       sono
       alimentação
       atividades anti-stress
O que você não deve fazer
   Não praticar exercícios físicos falando
    Não falar em demasia ,em ambientes de fumantes,barulhentos
    ou abertos
   Tossir ou pigarrear excessivamente
   Utilizar álcool em excesso
   Gritar
   Dar gargalhadas
   Falar excessivamente durante quadros gripais ou crises
    alérgicas
   Outros

Recomendado para você

LER/DORT

           .
LER-DORT
LER – Lesões por Esforços Repetitivos
DORT – Distúrbios Osteomusculares
Relacionados ao Trabalho

 Caracterizam-se pela ocorrência de vários
  sintomas concomitantes ou não, de
  aparecimento insidioso, com dor crônica,
  que se manifesta principalmente no
  pescoço, cintura escapular e/ou membros
  superiores em decorrência do trabalho.
Incidência de LER/DORT




 Categorias produtivas consideradas femininas como:
  alimentação, confecção, tecelagem e calçados.
FATORES DE RISCO BIOMÊCANICOS

  Alta repetitividade
  Força excessiva
   Posturas incorretas
   Invariabilidade das tarefas
  Trabalho Muscular Estático

Recomendado para você

FATORES DE RISCO
ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

Aumento da carga de trabalho

Aumento da jornada e ritmo de
trabalho

Ausência de Pausas

Ausência de comunicação interna

Hiperaceleração
FATORES DE RISCO ERGONÔMICOS
 Qualidade do material

 Falta de manutenção dos equipamentos

Força exigida pelos equipamentos ou
objetos resistentes

Mobiliário improvisado, incomodo,
velho,etc...
PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA
               PROFESSORES

Esforço físico:trabalho em pé, escrita no
 quadro negro,subir e descer escadas e
 a exposição ao pó do giz

Ritmo acelerado de trabalho
                               (Silvany Neto et al, 1998)
Estágio da Ler/Dort : Grau I

Sensação de peso e desconforto no membro afetado

Dor espontânea no local, às vezes com pontadas ocasionais durante
a jornada de trabalho, que não interferem na produtividade

Não há uma irradiação nítida

Recomendado para você

Estágio da Ler/Dort :Grau II
Dor persistente e intensa. Aparece durante a jornada de
trabalho de forma intermitente

 Localizada (pode irradiar) podendo vir acompanhada de
formigamento e calor, além de leves distúrbios de
sensibilidade
Prognóstico Favorável
Estágio da Ler/Dort :Grau III
 Dor mais persistente, mais forte e tem irradiação mais
definida

Força muscular diminuída e parestesia

 Edema e sudorese freqüente , alteração da sensibilidade,
palidez e hiperemia

Prognóstico Reservado
Estágio da Ler/Dort: Grau IV
Dor forte, contínua, por vezes insuportável,
levando a intenso sofrimento.
A perda de força e controle dos movimentos são constantes.
As atrofias, principalmente dos dedos, são comuns em função
do desuso.
As AVDs são muito prejudicadas. Alterações psicológicas.
Prognóstico Sombrio.
QUADRO CLÍNICO
Desconforto
 Mãos frias, dormência ou
formigamento
 Redução da habilidade , falta de
firmeza nas mãos
 Dificuldade de exercer as atividades
laborais e domestica
Perda de força
 Dificuldade de coordenação nas
mãos
Choque
Dor

Recomendado para você

Tratamento




O afastamento do trabalho é a medida mais
importante
Sempre deve ser realizado por equipe
multidisciplinar.
Prevenção é o melhor remédio
Identificar os riscos,minimizá-los
 e /ou eliminá-los
Pausas durante a jornada de trabalho
Revezamento
Ginástica Laboral
Ergonomia
TRABALHAR SIM , ADOECER NÃO!!!!!!!!!!!
ACIDENTE COM
MATERIAL BIOLÓGICO

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
PRIMEIRO ATENDIMENTO
 FEITO NO LOCAL DE TRABALHO




    SEGUNDO ATENDIMENTO
FEITO NA UNIDADE DE REFERÊNCIA




      ACOMPANHAMENTO
        FEITO NO CRDT
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
PACIENTE FONTE
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
FONTE   VÍTIMA
FONTE   VÍTIMA
VÍTIMA

Recomendado para você

VÍTIMA
VÍTIMA
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Indicar a mesma medicação que a fonte utiliza

Recomendado para você

DESCONHECIDO
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
???
??
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
3524 8720
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

14 12 2 0 07
                 GOIÂNIA

             PSF GUANABARA                         1 4 1 2 2 0 07
        VERA LUCIA BRIGIDO                          18 07 1 9 77
                       F                       5               1
  30
                                                                   6


                           MARIA JOSÉ SILVA

                GOIÂNIA                              NORTE
     GUANABARA
               RUA 1                                          23
                               CAMPO FUTEBOL
                                  1
6 23 5 2 2 3 4 7 7                            BRASIL
TÉCNICO DE ENFERMAGEM




                                          4




                         CAIS GUANABARA

NORTE
                        GOIÂNIA
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Recomendado para você

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
OBRIGADA!!!!




     E-mail :st@sms.goiania.go.gov.br




“O sonho é trabalhar sem necessariamente adoecer
      ou morrer em decorrência do trabalho”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et susSaúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et sus
MARY SOUSA
 
Saúde do Trabalhador
Saúde do TrabalhadorSaúde do Trabalhador
Saúde do Trabalhador
Milena Silva
 
Pnst
PnstPnst
Ppt0000136
Ppt0000136Ppt0000136
Ppt0000136
Alinebrauna Brauna
 
Seminário de saúde do trabalhador
Seminário de saúde do trabalhador Seminário de saúde do trabalhador
Seminário de saúde do trabalhador
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Tst cerest
Tst   cerestTst   cerest
Tst cerest
Bolivar Motta
 
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção BásicaSaúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Professor Robson
 
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorEpidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Mario Gandra
 
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSegurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
José Carlos Nascimento
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
Tiago Malta
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
Monica Mamedes
 
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basicaSaude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
Midiam Quirino Lopes
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
José Vitor Alves
 
Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
João Junior
 
Nr32
Nr32Nr32
Slide ler/dort
Slide ler/dortSlide ler/dort
Slide ler/dort
Fabio Ferreira
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
Carla Brochi
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Professor Robson
 

Mais procurados (20)

Saúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et susSaúde do trabalhador et sus
Saúde do trabalhador et sus
 
Saúde do Trabalhador
Saúde do TrabalhadorSaúde do Trabalhador
Saúde do Trabalhador
 
Pnst
PnstPnst
Pnst
 
Ppt0000136
Ppt0000136Ppt0000136
Ppt0000136
 
Seminário de saúde do trabalhador
Seminário de saúde do trabalhador Seminário de saúde do trabalhador
Seminário de saúde do trabalhador
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Tst cerest
Tst   cerestTst   cerest
Tst cerest
 
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção BásicaSaúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
 
Epidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhadorEpidemiologia e saúde do trabalhador
Epidemiologia e saúde do trabalhador
 
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSegurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
 
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basicaSaude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
Saude do trabalhador_no_sus_atencao_basica
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
Biossegurança
 
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
 
Nr32
Nr32Nr32
Nr32
 
Slide ler/dort
Slide ler/dortSlide ler/dort
Slide ler/dort
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
 

Semelhante a Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.pptAula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
GiselleCristina26
 
01 130818192745-phpapp02
01 130818192745-phpapp0201 130818192745-phpapp02
01 130818192745-phpapp02
Carlos Moreira
 
Material.ppt
Material.pptMaterial.ppt
Material.ppt
AndersonPontesPinto1
 
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdfaula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
ENFERMAGEMELAINNE
 
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
Debora Miceli
 
Renasts
RenastsRenasts
Renasts
Curso Atryo
 
5555555555555
55555555555555555555555555
5555555555555
Curso Atryo
 
História da segurança do trabalho no mundo
História da segurança do trabalho no mundoHistória da segurança do trabalho no mundo
História da segurança do trabalho no mundo
Edison Augusto
 
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEMSAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
EmergnciaHGVC
 
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
tiagooliveira301445
 
Aula 1 - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
Aula 1  - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdfAula 1  - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
Aula 1 - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
LuciaGuiomarBasto
 
02. legisla+º+úo
02. legisla+º+úo02. legisla+º+úo
02. legisla+º+úo
apbconsultoria
 
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdfapresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
EnfaVivianeCampos
 
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
Keila Guedes
 
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptxPATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
JessiellyGuimares
 
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptxAULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
EnfaVivianeCampos
 
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalho
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalhoManual prático legislação segurança e medicina no trabalho
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalho
Macknei Satelles
 
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalho
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalhoManual legislação de_segurança_medicina_trabalho
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalho
Paulo H Bueno
 
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
Luiz Armando P. Lima
 
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalhoOs agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
Jupira Silva
 

Semelhante a Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST (20)

Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.pptAula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
Aula 1 Aspectos históricos das relações entre saúde e trabalho.ppt
 
01 130818192745-phpapp02
01 130818192745-phpapp0201 130818192745-phpapp02
01 130818192745-phpapp02
 
Material.ppt
Material.pptMaterial.ppt
Material.ppt
 
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdfaula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
aula-2-hist-ria-da-sa-de-do-trabalhador.pdf
 
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
01. Saúde e Segurança no Trabalho:Introdução
 
Renasts
RenastsRenasts
Renasts
 
5555555555555
55555555555555555555555555
5555555555555
 
História da segurança do trabalho no mundo
História da segurança do trabalho no mundoHistória da segurança do trabalho no mundo
História da segurança do trabalho no mundo
 
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEMSAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
SAÚDE DO TRABALHADOR AULA DE MATEUS SIQUEIRA PARA TURMA DE ENFERMAGEM
 
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
1- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA SST.pptx
 
Aula 1 - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
Aula 1  - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdfAula 1  - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
Aula 1 - INTRODUCAO A SEGURANCA DO TRABALHO - CONCEITOS E DEFINICOES x (1).pdf
 
02. legisla+º+úo
02. legisla+º+úo02. legisla+º+úo
02. legisla+º+úo
 
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdfapresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
apresentao-hff-111121054539-phpapp02.pdf
 
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02(1)
 
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptxPATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
 
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptxAULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
AULA 2 A HISTÓRIA DA SST, PORTARIA 1689, INTRODUÇÃO DAS DOENÇAS.pptx
 
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalho
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalhoManual prático legislação segurança e medicina no trabalho
Manual prático legislação segurança e medicina no trabalho
 
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalho
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalhoManual legislação de_segurança_medicina_trabalho
Manual legislação de_segurança_medicina_trabalho
 
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
Apostilamedicinatrabalho 091018151458-phpapp02
 
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalhoOs agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
Os agentes qumicos_nos_aambientes_de_trabalho
 

Mais de Instituto Consciência GO

Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
Instituto Consciência GO
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior
Instituto Consciência GO
 
Saúde e Educação
Saúde e EducaçãoSaúde e Educação
Saúde e Educação
Instituto Consciência GO
 
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico
Instituto Consciência GO
 
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico
Instituto Consciência GO
 
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Instituto Consciência GO
 
TDAH
TDAHTDAH
Atenção
AtençãoAtenção
Parametro de QLDD
Parametro de QLDDParametro de QLDD
Parametro de QLDD
Instituto Consciência GO
 
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. InfantilDireitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Instituto Consciência GO
 
DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
Currículo nos anos inicias
Currículo nos anos iniciasCurrículo nos anos inicias
Currículo nos anos inicias
Instituto Consciência GO
 
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Instituto Consciência GO
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Instituto Consciência GO
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira TôrresPalestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Instituto Consciência GO
 
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica
Instituto Consciência GO
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Instituto Consciência GO
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Instituto Consciência GO
 
SIAD
SIADSIAD
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Instituto Consciência GO
 

Mais de Instituto Consciência GO (20)

Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior
 
Saúde e Educação
Saúde e EducaçãoSaúde e Educação
Saúde e Educação
 
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico
 
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico
 
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
Parametro de QLDD
Parametro de QLDDParametro de QLDD
Parametro de QLDD
 
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. InfantilDireitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. Infantil
 
DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
DCNEIs
 
Currículo nos anos inicias
Currículo nos anos iniciasCurrículo nos anos inicias
Currículo nos anos inicias
 
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira TôrresPalestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
 
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
 
SIAD
SIADSIAD
SIAD
 
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011
 

Último

Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 

Último (9)

Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 

Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST

  • 1. CENTRO DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR REGIONAL DE GOIÂNIA SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS - CEREST Diretora: Hebe Macedo Enfermeira do Trabalho, Nutricionista, Sanitarista e Toxicologista
  • 2. TRIPALIUM ou TREPALIUM Um instrumento romano de tortura: espécie de tripé formado por três estacas cravadas no chão, onde eram supliciados os escravos. José Carlos do Carmo (Kal)
  • 3. Gênesis 3 17 E ao homem disse: ... maldita é a terra por tua causa; em fadiga comerás dela todos os dias da tua vida.
  • 4. Gênesis 3 16 E à mulher disse: multiplicarei grande- mente a dor da tua conceição; em dor TRABALHO darás à luz filhos ... DE PARTO
  • 5. Salmos 128:02 • Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz serás, e tudo te irá bem.
  • 6. Doenças dos Trabalhadores • Idade Média: Pouco se conhece sobre a relações entre trabalho X saúde • Século XVI: Extrativismo Mineral - Agrícola (1494-1555) Asma dos Mineiros (Poeiras Corrosivas)
  • 7. Doenças dos Trabalhadores  1556:Mulheres chegavam a se casar sete vezes. Morte Prematura Ocupação  Conclusão: Alta mortalidade no Trabalho e mortes precoces  1700: Bernardino Ranazzini: Descreve doenças que ocorrem em Trabalhadores em mais de 50 ocupações.Acrescenta na Anamnese? Qual é a sua Ocupação?
  • 8. Trabalho escravo no Brasil Séculos XVII e XVIII • Antes dos estudos etnográficos mais profundos (fins do século XIX e, principalmente, século XX), pensava-se que os índios eram simplesmente "inaptos" ao trabalho. • Os escravos foram utilizados principalmente em atividades relacionadas à agricultura – com destaque para a atividade açucareira – e na mineração, sendo assim essenciais para a manutenção da economia.
  • 9. Trabalho escravo no Brasil Séculos XVII e XVIII Trabalho forçado Trabalho não remunerado A Lei Áurea sancionada em 13 de maio de 1888 Controle rígido (feitores) Castigo Tortura
  • 10. Século XVIII: Revolução Industrial  Começa a se formar a classe operária, desorganizada e sem direitos que a protegesse;  O trabalhador vira parte de uma engrenagem do trabalho; Surge a medicina do Trabalho, restrita a uma abordagem clínica, limitada ao trabalhador e seu adoecimento.
  • 11. METAS REPETITIVIDADE BAIXOS PRESSÃO SALÁRIOS POR PRODUTIVIDADE PRESSÃO DAS CHEFIAS POUCA FLEXIBILIDADE CONDIÇÕES PRECÁRIAS José Carlos do Carmo (Kal)
  • 12. Velhos Males: Doenças Ocupacionais  Saturnismo -Intoxicação causada pelo chumbo.  Silicose -Provocada pela poeira da sílica.  Benzenismo -Mielotóxico, leucemogênico e cancerígeno.  Asbestose -Exposição ao amianto.  Dermatoses Cimento, Borracha, Derivados de Petróleo, Níquel, Cobalto,etc.
  • 13. Novos Males: Doenças relacionadas ao Trabalho  Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (PAIR)  Morte dos cortadores de cana por exaustão  Lesões por Esforços Repetitivos ( LER )  Transtornos Mentais relacionados ao Trabalho  Distúrbios de Voz José Carlos do Carmo (Kal)
  • 14. Novos Males: Doenças relacionadas ao Trabalho  Acidente com exposição a material biológico  Intoxicações Exógenas  Assédio Moral no trabalho  Stress relacionado ao trabalho  Síndrome de Burnout  Entre outras José Carlos do Carmo (Kal)
  • 15. Século XX: Brasil  1943: CLT  Normas Regulamentadoras: PORTARIA nº 3214/78  SESMT  PPRA  PCMSO  Limite de Tolerância, etc. Fiscalização dos ambientes de trabalho
  • 16. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 Inseriu a saúde do trabalhador como campo de atuação ao sistema único de saúde. Art.196: “ ... um direito de todos e um dever do Estado, garantido mediante políticas sociais econômicas...” Art. 200: “ ... Ao Sistema Único de Saúde compete... executar as ações de Saúde do Trabalhador...”, assim como “...colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho...”
  • 17. LEI ORGÂNICA DA SAÚDE, 8080 19 DE SETEMBRO/ 1990 Em seu artigo 6º, parágrafo 3º, regulamenta os dispositivos constitucionais sobre Saúde do Trabalhador, da seguinte forma: “ Entende-se por saúde do trabalhador, para fins desta Lei, um conjunto de atividades que se destina, através das ações de Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária, à promoção e proteção da saúde dos trabalhadores, submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho...”
  • 18. Política Nacional de Saúde do Trabalhador  RENAST – Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador; CEREST – Centro de Referência em Saúde do Trabalhador.
  • 19. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE)  Realiza a inspeção das condições e ambientes de Trabalho.  Apóia-se fundamentalmente no capítulo V da CLT, que trata das condições de Segurança e Medicina do Trabalho.  Capítulo regulamentado pela portaria4/78 que criou as NRs.
  • 20. Ministério da Previdência Social INSS Realizar ações de reabilitação profissional Avaliar a incapacidade laborativa para fins de concessão de benefícios previdenciários CAT ( Comunicado de Acidente de Trabalho) Deverá ser emitido pelo empresa até o 1º dia útil seguinte ao do acidente. Em caso de morte a CAT deverá ser feita imediatamente. Em caso de doença considera-se o dia do diagnóstico.
  • 21. Resultado das notificações pelos comunicados de acidente de trabalho (CAT),média do sec.XXI - INSS 3 mortes a cada 3 mil óbitos 2 horas de por ano trabalho 3 acidentes 345 mil acidentes a cada minuto típicos por ano de trabalho
  • 22. Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho TRABALHO SAÚDE PREVIDÊNCIA Decreto nº 7.602 de 07 de novembro de 2011
  • 23. Trabalhar sim, adoecer não! José Carlos do Carmo (Kal)
  • 24. Política Nacional de Saúde do Trabalhador  RENAST – Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador; CEREST – Centro de Referência em Saúde do Trabalhador.
  • 25. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 Inseriu a saúde do trabalhador como campo de atuação ao sistema único de saúde. Art.196: “ ... um direito de todos e um dever do Estado, garantido mediante políticas sociais econômicas...” Art. 200: “ ... Ao Sistema Único de Saúde compete... executar as ações de Saúde do Trabalhador...”, assim como “...colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho...”
  • 26. LEI ORGÂNICA DA SAÚDE, 8080 19 DE SETEMBRO/ 1990 Em seu artigo 6º, parágrafo 3º, regulamenta os dispositivos constitucionais sobre Saúde do Trabalhador, da seguinte forma: “ Entende-se por saúde do trabalhador, para fins desta Lei, um conjunto de atividades que se destina, através das ações de Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária, à promoção e proteção da saúde dos trabalhadores, submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho...”
  • 27. CEREST É um serviço especializado no atendimento à Saúde do Trabalhador e tem como principal objetivo a implantação da Atenção Integral à Saúde do Trabalhador no SUS. Habilitado pela Portaria nº 109 SAS/MS de 09 de maio de 2003. CEREST GOIÂNIA
  • 28. HABILITADO PELA PORTARIA Nº 109 SAS/MS DE 09 DE MAIO DE 2003.
  • 29. LOCALIZAÇÃO Avenida Contorno nº 2151 Setor Norte Ferroviário Goiânia/GO (62)3524.8702 (62)3524.8743
  • 30. CEREST´s POR ÁREA DE ABRANGÊNCIA
  • 31. EQUIPE MULTIPROFISSIONAL  Médicos do trabalho, otorrinolaringologista, toxicologista;  Enfermeiros do trabalho;  Assistentes Sociais;  Fonoaudiólogos;  Psicólogo;  Sociólogo;  Fisioterapeutas;  Auxiliar de Enfermagem;  Técnico de Enfermagem;  Equipe Administrativa.
  • 32. QUEM É ATENDIDO NO CEREST?  Todos os trabalhadores independente do vínculo empregatício encaminhado pelas Unidades de Saúde via regulação.
  • 33. ATRIBUIÇÕES DO CEREST  Dar subsidio técnico para o SUS nas ações de promoção, prevenção, vigilância, diagnóstico, tratamento e reabilitação em saúde dos trabalhadores urbanos e rurais;
  • 34. ATRIBUIÇÕES DO CEREST  Assistência especializada aos trabalhadores acometidos por doenças e acidentes relacionados ao trabalho  Coleta sistemática da história ocupacional para o estabelecimento da relação do adoecimento com o trabalho  diagnóstico e tratamento das doenças relacionadas ao trabalho, de modo articulado com outros programas (mulheres, crianças, idosos, portadores de necessidades especiais, diabetes, hipertensos)
  • 37. ENFERMAGEM DO TRABALHO
  • 43. ATRIBUIÇÕES DO CEREST Fomentar ambientes e processos de trabalho saudáveis; Fortalecer a vigilância de ambientes,processos e agravos relacionados ao trabalho.
  • 51. ATRIBUIÇÕES DO CEREST PARCERIAS COM MINÍSTERIO PÚBLICO ABERTURA DE TAC PARA CORREÇÃO DE IRREGULARIDADES E DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR • CEMITÉRIOS; • COMURG; • CEASA ( CENTRAL DE ABASTECIMENTO DE ALIMENTOS); • JUNTA MÉDICA MUNICIPAL; ACESSIBILIDADE A BANCA PERMANENTE DE CONCILIAÇÃO DA UCG NAS ÁREAS CIVIL, PENAL E TRABALHISTA PARA GARANTIR A ASSISNTÊNCIA JURÍDICA AOS TRABALHADORES ATENDIDOS PELO CEREST
  • 52. ATRIBUIÇÕES DO CEREST Implementar sistema de notificação dos agravos relacionados ao trabalho (portaria 104 de janeiro de 2011)
  • 53. ATIVIDADES EDUCATIVAS CAMPANHAS EDUCATIVAS: Voz; Audição; Prevenção de Acidente de Trabalho; LER/DORT; Alerta contra o Trabalho Infantil.
  • 54. ATIVIDADES EDUCATIVAS  Realizar capacitação técnica e supervisão das ações de saúde do trabalhador na Rede de Serviços;  Orientar trabalhadores em nível individual e coletivo;  Elaboração de material educativo.
  • 58. ATIVIDADES EDUCATIVAS  Propor e assessorar a realização de convênios de cooperação técnica com órgãos de ensino, pesquisa e instituições públicas com responsabilidade na área de saúde do trabalhador  Exemplo: UFG e Fiocruz
  • 59. ATIVIDADES EDUCATIVAS  Promover educação permanente dos Trabalhadores  Higiene e Segurança do Trabalho;  Riscos Ocupacionais;  Acidente com Exposição à Material Biológico;  LER/DORT;  Intoxicações Exógenas;  Dermatoses ;  Transtorno Mental Relacionado ao Trabalho;  Câncer Relacionado ao Trabalho;  Dermatoses;  Pneumoconioses;
  • 60. CAMPANHAS EDUCATIVAS Voz Audição Prevenção de Acidente de trabalho LER/DORT Alerta contra o trabalho infantil
  • 63. Educação Permanente Facilitar o desenvolvimento de estágios, trabalho e pesquisa, com universidades , escolas e sindicatos, entre outros  Realizar convênios de cooperação técnica com órgãos de ensino, instituições públicas com responsabilidade na área de saúde do trabalhador Exemplo: UFG e Fiocruz.
  • 64.  ASSESSORAR O PODER LEGISLATIVO EM QUESTÕES DE INTERESSE PÚBLICO
  • 65. ATRIBUIÇÕES DO CEREST  ARTICULAÇÕES INTRA E INTERINSTITUCIONAIS  Ministério Público  Superintendência Regional do Trabalho e Emprego  Universidades  Vigilância Sanitária  Vigilância Epidemiológica  PSF  Secretaria de Assistência Social  Junta Médica Municipal
  • 66. ATRIBUIÇÕES DO CEREST Promover a participação da comunidade na gestão das ações em Saúde do Trabalhador
  • 67. O CEREST NÃO FAZ!!  Atendimento de emergência e urgência  Não pode assumir as funções dos Serviços Especializados de Segurança e Medicina do Trabalho –SESMT  Exames periódicos  Exame de mudança de função
  • 68. SÃO AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA Portaria nº 104/MS de janeiro 2011
  • 70. ACIDENTE DE TRABALHO COM MUTILAÇÕES
  • 71. ACIDENTE DE TRABALHO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
  • 78. TRANSTORNO MENTAL RELACIONADO AO TRABALHO
  • 81. DOENÇAS RELACIONADAS AO TRABALHO
  • 82. SILICOSE É uma Pneumoconiose, causada pela inalação de partículas de sílica livre (quartzo, sílica cristalina, SiO2)  Risco de adoecimento depende: Concentração da poeira respirável; Composição da poeira (% de silica livre); Tamanho das partículas ( < 10µm atingem os alvéolos ) Tempo de exposição.
  • 83. Atividades/ silicose  Jateamento de areia;  Pedreiras;  Produção de cerâmica branca ou porcelana (mistura a seco);  Extração de minérios ( subterrâneos);  Fundições de metais usando-se moldes de areia;  Corte e lixamento a seco de pedras e tijolos refratários.
  • 87. Quadro Clínico / Silicose AGUDA  Forma rara,associada a exposição maciça de sílica livre,em jateamento de areia ou moagem de quartzo puro,levando à proteinose alveolar pulmonar associada a infiltrado intersticial inflamatório.  Normalmente aparece dentro dos cinco primeiros anos de exposição, com sobrevida em torno de um ano
  • 88. Quadro clínico / Silicose Subaguda Alterações radiológicas precoces,de evolução rápida, apresentando-se inicialmente como nódulos que,associado ao processo inflamatório evoluem para conglomeração e grandes opacidades. Sintomas respiratórios precoces e limitantes. Cavadores de poços.
  • 89. Quadro clínico / silicose crônica Latência longa,cerca de 10 anos após o inicio da exposição; Presença de nódulos,grandes opacidades.
  • 90. Sintomas / Silicose Assintomática no inicio Dispnéia aos esforços Astenia Insuficiência respiratória Tosse  Podem aparecer outras doenças respiratórias concomitantes ( Bronquite,tuberculose)
  • 91. Tratamento da Silicose Não há tratamento específico Deve ser afastado imediatamente da exposição Suspensão do tabagismo Transplante pulmonar em casos selecionados Quimioprofilaxia com tuberculostáticos
  • 92. Prevenção da Silicose Vigilância dos ambientes e dos processos de trabalho Substituição de perfuração a seco por processos úmidos Ventilação adequada durante em trabalhos em áreas confinadas Turno de trabalho reduzido para perfuradores Controle da poeira em níveis abaixo dos permitidos (monitoramento sistemático)
  • 93. Prevenção da Silicose  Rotatividade das atividades  Fornecimento de EPIs adequados Máscaras com filtros, vestuario, òculos, capacete,etc Higienização ,manutenção e guarda dos EPIs Treinamento dos trabalhadores  Medidas de proteção coletiva (filtros mecânicos em áreas contaminadas)  Exames médicos periódicos (RX , Espirometria)  Controle do tabagismo
  • 95. ASBESTOSE Pneumoconiose causada pela inalação de fibras de asbesto ou amianto; Doença profissional dose-dependente dos níveis de concentração de fibras de asbesto no ar; Desenvolve lentamente,após tempos de exposição veriáveis; Carcinogênico humano.
  • 97. Os minerais asbestiformes, são classificados em dois grupos: Composicão Grupo Nome do mineral Nome-comum Observações química (Mg,Fe,Ni)3Si2O5( Esse é o tipo mais Serpentina Crisótilo Asbesto branco OH)4 usado na indústria Amosite é um termo comercial, Amosite Fe7Si8O22(OH)2 Asbesto marrom sinônimo de grunerite. Na2Fe2+3Fe3+2Si8O2 Crocidolite Asbesto azul 2 (OH)2 Anfíbola Ca2Mg5Si8O22(OH) Tremolite 2 Ca2(Mg, Actinolite Fe)5Si8O22(OH)2 (Mg, Antofilite Fe)7Si8O22(OH)2
  • 98. ASBESTOSE /Exposição • Extração do mineral na natureza; • Fábricas de artigos que utilizam amianto: telhas,caixas d’água,tecidos a prova de fogo e fibro-cinento.
  • 100. ASBESTOSE/Quadro Clínico Dispnéia de esforço,crepitações nas bases; Espessamento pleural; Câncer de pulmão é uma complicação frequente na evolução da asbestose (mesotelioma de pleura e peritônio).
  • 102. ASBESTOSE/Diagnóstico É feito com base nas alterações radiológicas e história ocupacional; Tempo de latência é longo,geralmente superior a 10 anos; Recomenda-se RX na admissão e anualmente; Espirometria ,bienalmente.
  • 103. ASBESTOSE/Prevenção Reduzir os níveis de exposição; Informar os trabalhadores sobre os riscos e medidas de prevenção; Enclausuramento de processos e isolamento de setores de trabalho; Umidificação dos processos onde haja produção de poeira; Sistema de exaustão e ventilação adequados e eficientes.
  • 104. ASBESTOSE/Prevenção Monitoramento sistemático das concentrações de fibras no ar ambiente ( anexo nº 12 da NR 15,desde 1991,proibe o uso de fibras de anfibólios (crocidolita, amosita, antofilita, tremolita). Para fibras respiráveis de crisolita,o LT de 2.0 fibras/ cm³) Fornecimento de EPIs (máscaras com filtros específicos e substituído segundo recomendações)
  • 105. Transtornos mentais relacionados ao trabalho Segundo a OMS os transtornos mentais menores acometem 30% dos trabalhadores ocupados e os transtornos mentais graves cerca de 5 a 10%.
  • 106. Principais causas Exposição a agentes tóxicos; Organização e processos de trabalho; Modelo de gerenciamento; Enxugamento do quadro de funcionários; Competição,produtividade e metas; Comunicação dentro do ambiente de trabalho; Assédio moral, entre outros.
  • 108. Percepção de riscos/exemplo  A categoria docente é uma das mais expostas a ambientes conflituosos e de alta exigência de trabalho  Assim estressores psicossociais estão constantemente presentes e atuando sobre a saúde do professor  (Reis et. al, 2005)
  • 109. Tais condições colocam em risco a saúde emocional do educador, ocasionando seu adoecimento Depressão Ansiedade Estresse Síndrome de Burnout
  • 110. Percepção do risco Estudos constatam grande número de docentes, irritados,desmotivados, com baixa resiliência, sem significado pessoal no seu trabalho, sentindo-se desvalorizados profissionalmente. (Moura, 1997; Codo, 2002; Carlotto, 2002)
  • 111. TRABALHO X SAÚDE “O trabalho é elemento fundamental para a saúde, sendo a organização do trabalho o aspecto de maior impacto no funcionamento psíquico.’’ “DEJOURS”
  • 112. TRABALHADOR LATENTE MANIFESTO (por fora) (por dentro)
  • 113. PRINCIPAL FATOR PSICOSSOCIAL DE RISCO NO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE EMOCIONAL
  • 114. ESTRESSE Combinação de reações fisiológicas e comportamentais que as pessoas apresentam em resposta aos eventos que as ameaçam ou desafiam. (Selye, 1959) Resposta de "luta - ou - fuga"
  • 115. Estresse Ocupacional “O Estresse no Trabalho ocorre quando as exigências do trabalho não se igualam às capacidades, aos recursos ou às necessidades do trabalhador ”. (NIOSH, 1999)
  • 116. CAUSAS DO ESTRESSE Longa jornada de trabalho Remuneração injusta Recursos materiais insuficientes Inexistência de crescimento profissional Relacionamento com a administração e outros colegas Ameaças verbais e físicas feitas pelos estudantes Tarefas extra-classe Reuniões e atividades adicionais
  • 117. “O estresse ocupacional ocorre quando o indivíduo percebe as tarefas no trabalho como excessivas para a capacidade que possui em enfrentar ” ( Straub, 2005)
  • 118. PRINCIPAIS INDÍCIOS DE ESTRESSE  Desequilíbrio entre a vida pessoal e a profissional  O dia de trabalho parece não ser suficiente para realizar todas as tarefas  Sensação de incompetência  Vontade de fugir de tudo  Angústia e ansiedade  Apatia e desânimo
  • 119. PRINCIPAIS INDÍCIOS DE ESTRESSE  Desequilíbrio na vida pessoal  Pensar e falar constantemente em um só assunto  Dificuldade para tomar decisões  Irritabilidade sem causa aparente  Fadiga ou sono, mesmo tendo dormido o suficiente
  • 120. PRINCIPAIS SINTOMAS DO ESTRESSE  Mudança extrema de apetite  Diminuição da libido  Tontura/ sensação de estar flutuando  Formigamento das extremidades  Palpitações e respiração ofegante  Tiques nervosos  Cefaléia e dor muscular  Dificuldade de concentração e de foco  Prejuízo na atenção e na memória  Autoestima prejudicada
  • 122. C CONTROLE E PREVENÇÃO DO ESTRESSE  Otimismo aprendido  Despertar os órgãos dos sentidos   Gerenciamento do tempo  Atividades de lazer  Atividade física  Reeducação alimentar  Desabafo: libera os traumas internalizados e as tensões emocionais  Ajuda profissional: fornece informações, apoio emocional e orientação terapêutica 
  • 123. Síndrome de Burnout  Reação à tensão emocional crônica gerada a partir do contato direto e excessivo com outros seres humanos, particularmente quando estes estão preocupados ou com problemas  Conceito multidimensional que envolve três fatores:  Exaustão Emocional  Despersonalização  Falta de Envolvimento Pessoal no Trabalho (Maslach & Jackson, 1981)
  • 124. Fatores de Burnout Exaustão Emocional  Esgotamento de energia e dos recursos emocionais  Relacionado aos aspectos individuais  Principais antecedentes: sobrecarga de trabalho e conflito interpessoal Despersonalização  Sentimentos e atitudes negativas e cinismo, “coisificação” da relação  Refere-se ao contexto interpessoal  Desenvolve-se como mecanismo de proteção Falta de Envolvimento Pessoal no Trabalho  Sensação de incompetência, falta de realização e de produtividade  Sensação é diminuída pela auto-eficácia e exacerbada pela falta de apoio social, de oportunidades para o desenvolvimento profissional e de recursos no trabalho  Baixos salários  Violência e falta de segurança
  • 125. QUADRO CLÍNICO  Esgotamento emocional, perda da sensibilidade afetiva  Perda fácil do senso de humor, perda de memória, cansaço permanente, dificuldade para levantar-se pela manhã  Despersonalização, que resulta em atitudes negativas que a pessoa faz da sua própria imagem, relação de cinismo, e ironia para com as pessoas na organização
  • 126. QUADRO CLÍNICO  Manifestações emocionais: esgotamento profissional, sentimento de frustração, baixa auto – estima, desmotivação para com o trabalho  Reações físicas: fadiga, problemas de hipertensão arterial, ataques cardíacos, perda de peso, dores de cabeça, dores nas costas
  • 127. QUADRO CLÍNICO Reações comportamentais: consumo acelerado de cigarros, álcool, café e drogas ilícitas Distanciamento afetivo dos clientes e dos colegas de trabalho Constantes conflitos interpessoais tanto no trabalho como no próprio ambiente familiar
  • 128. “O que eu TENHO FEITO com o que fizeram de mim?”
  • 130. A VOZ  A voz é fundamental para que o ser humano possa se comunicar, transmitindo seus pensamentos e idéias.
  • 131. A VOZ  Variade acordo com o sexo, a idade, a profissão, a personalidade e o estado emocional do falante.
  • 132. VOZ PROFISSIONAL m Forma de comunicação oral utilizada por indivíduos que dela dependem para exercer sua atividade ocupacional
  • 133. DISTÚDISTÚRBIO DE VOZ RELACIONADO AO TRABALHO (DVRT) “Qualquer alteração vocal diretamente relacionada ao uso da voz durante a atividade profissional.
  • 134. PROFISSIONAIS PROFESSORES ATORES LOCUTORES PASTORES DUBLADORES VENDEDORES CANTORES TELEFONISTAS REPÓRTERES ADVOGADOS LEILOEIROS POLÍTICOS OPERADORES DE TELEMARKETING CAMELÔS PADRES
  • 135. Disfonia Representa qualquer dificuldade na emissão vocal que impeça a produção natural da voz
  • 136. SINTOMAS  ROUQUIDÃO  CANSAÇO VOCAL  ARDOR/DOR NA REGIÃO DA GARGANTA  PIGARRO CONSTANTE  TOSSE CRÔNICA  ESFORÇO AO FALAR  SENSAÇÃO DE CORPO ESTRANHO NA GARGANTA
  • 137. TRATAMENTO E REABILITAÇÃO DIAGNÓSTICO PRECOCE TRATAMENTO IMEDIATO MELHOR PROGNÓSTICO
  • 138. RISCOS  Fumo  Álcool  Drogas  Hábitos vocais inadequados: pigarro e tosse  Ar condicionado
  • 139. Cuidados com a voz  Articular bem as palavras  Falar pausadamente  Descansar a voz (fazer momentos de repouso vocal) Fazer hidratação, gargarejos com água morna  Cuidar da saúde geral  sono  alimentação  atividades anti-stress
  • 140. O que você não deve fazer  Não praticar exercícios físicos falando  Não falar em demasia ,em ambientes de fumantes,barulhentos ou abertos  Tossir ou pigarrear excessivamente  Utilizar álcool em excesso  Gritar  Dar gargalhadas  Falar excessivamente durante quadros gripais ou crises alérgicas  Outros
  • 141. LER/DORT .
  • 142. LER-DORT LER – Lesões por Esforços Repetitivos DORT – Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho  Caracterizam-se pela ocorrência de vários sintomas concomitantes ou não, de aparecimento insidioso, com dor crônica, que se manifesta principalmente no pescoço, cintura escapular e/ou membros superiores em decorrência do trabalho.
  • 143. Incidência de LER/DORT  Categorias produtivas consideradas femininas como: alimentação, confecção, tecelagem e calçados.
  • 144. FATORES DE RISCO BIOMÊCANICOS Alta repetitividade Força excessiva  Posturas incorretas  Invariabilidade das tarefas Trabalho Muscular Estático
  • 145. FATORES DE RISCO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Aumento da carga de trabalho Aumento da jornada e ritmo de trabalho Ausência de Pausas Ausência de comunicação interna Hiperaceleração
  • 146. FATORES DE RISCO ERGONÔMICOS  Qualidade do material  Falta de manutenção dos equipamentos Força exigida pelos equipamentos ou objetos resistentes Mobiliário improvisado, incomodo, velho,etc...
  • 147. PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA PROFESSORES Esforço físico:trabalho em pé, escrita no quadro negro,subir e descer escadas e a exposição ao pó do giz Ritmo acelerado de trabalho (Silvany Neto et al, 1998)
  • 148. Estágio da Ler/Dort : Grau I Sensação de peso e desconforto no membro afetado Dor espontânea no local, às vezes com pontadas ocasionais durante a jornada de trabalho, que não interferem na produtividade Não há uma irradiação nítida
  • 149. Estágio da Ler/Dort :Grau II Dor persistente e intensa. Aparece durante a jornada de trabalho de forma intermitente  Localizada (pode irradiar) podendo vir acompanhada de formigamento e calor, além de leves distúrbios de sensibilidade Prognóstico Favorável
  • 150. Estágio da Ler/Dort :Grau III  Dor mais persistente, mais forte e tem irradiação mais definida Força muscular diminuída e parestesia  Edema e sudorese freqüente , alteração da sensibilidade, palidez e hiperemia  Prognóstico Reservado
  • 151. Estágio da Ler/Dort: Grau IV Dor forte, contínua, por vezes insuportável, levando a intenso sofrimento. A perda de força e controle dos movimentos são constantes. As atrofias, principalmente dos dedos, são comuns em função do desuso. As AVDs são muito prejudicadas. Alterações psicológicas. Prognóstico Sombrio.
  • 152. QUADRO CLÍNICO Desconforto  Mãos frias, dormência ou formigamento  Redução da habilidade , falta de firmeza nas mãos  Dificuldade de exercer as atividades laborais e domestica Perda de força  Dificuldade de coordenação nas mãos Choque Dor
  • 153. Tratamento O afastamento do trabalho é a medida mais importante Sempre deve ser realizado por equipe multidisciplinar.
  • 154. Prevenção é o melhor remédio Identificar os riscos,minimizá-los e /ou eliminá-los Pausas durante a jornada de trabalho Revezamento Ginástica Laboral Ergonomia
  • 155. TRABALHAR SIM , ADOECER NÃO!!!!!!!!!!!
  • 162. PRIMEIRO ATENDIMENTO FEITO NO LOCAL DE TRABALHO SEGUNDO ATENDIMENTO FEITO NA UNIDADE DE REFERÊNCIA ACOMPANHAMENTO FEITO NO CRDT
  • 170. FONTE VÍTIMA
  • 171. FONTE VÍTIMA
  • 196. Indicar a mesma medicação que a fonte utiliza
  • 199. ??? ??
  • 217. 14 12 2 0 07 GOIÂNIA PSF GUANABARA 1 4 1 2 2 0 07 VERA LUCIA BRIGIDO 18 07 1 9 77 F 5 1 30 6 MARIA JOSÉ SILVA GOIÂNIA NORTE GUANABARA RUA 1 23 CAMPO FUTEBOL 1 6 23 5 2 2 3 4 7 7 BRASIL
  • 218. TÉCNICO DE ENFERMAGEM 4 CAIS GUANABARA NORTE GOIÂNIA
  • 227. OBRIGADA!!!! E-mail :st@sms.goiania.go.gov.br “O sonho é trabalhar sem necessariamente adoecer ou morrer em decorrência do trabalho”