SlideShare uma empresa Scribd logo
Rondinelli Salvador Silva
Coordenador Científico Nacional DENEM
Conceito de Saúde I
• Modelo Místico-Religioso
• Modelo Biomédico
• Modelo Biopsicossocial
Modelo
Biomédico
Patologia Clínica médica
Saúde é definida negativamente:
Ausência de doença
Livre de valores
Aplica-se indiferentemente a todas as
espécies
Ausência defeitos em um sistema físico
Infecciosas Não-infecciosas
Clínica Médica: tempo de duração
Agudas Crônicas
Modelo Biomédico
Risco
Fatores etiológicos
Fatores de risco
Multicausalidade
Sóci
o-
políti
co
cultu
ral
Bioló
gico
Físic
o
Ambiente Externo ou
Meio ambiente
Ambiente Interno
Fatores hereditários ou congênitos
Defesas específicas
Alterações organicas já existentes
História Natural da Doença
Modelo Processual
História Natural da Doença
Modelo Processual
Pré-Patogênese Patogênese: SER HUMANO
AG
MAH
Horizonte Clínico
Morte
Cronificação
Cura com sequela
Cura
Determinantes
Nível Sub-clínico Nível Clínico
Avanço: um processo de múltiplas e complexas determinações
Contextualização
• Crise d0 Estado
• Crise da Clínica
• Incorporação da Psicologia Clínica
• Movimentos por Direitos Civis
Repercussões do
Biopsicossocial
• Avanço no entendimento clínico do processo saúde-
doença.
• Busca por soluções biológicas/não-biológicas para
problemas não biológicos.
• Fragmentação das políticas de saúde
• Humanização
Fragmentação das Políticas de
Saúde
• Políticas construídas em função de grupos sociais
• Aquisição de direitos via Judiciário: HIV
• Perda de foco quanto aos elementos essenciais no
agravo a saúde.
• Burocratização do SUS na distribuição de recursos.
Humanização
• Conceito Sintoma
• Responsabilização do Profissional e/ou do Sistema
de Saúde pelas más condições deste.
• Origem no Movimento por Direitos Civis femininos
nos anos 1960
• Adoção como Príncipio a partir dos anos 1980
• Política Pública e ação social a partir dos anos 1990
Política Nacional de
Humanização
Análise da Cartilha
HumanizaSus
• - Fragmentação do processo de trabalho e das relações entre
os
• diferentes profissionais;
• - Fragmentação da rede assistencial dificultando a
complementaridade
• entre a rede básica e o sistema de referência;
• - Precária interação nas equipes e despreparo para lidar com a
• dimensão subjetiva nas práticas de atenção
• - Sistema público de saúde burocratizado e verticalizado
• - Baixo investimento na qualificação dos trabalhadores,
especialmente
• no que se refere à gestão participativa e ao trabalho em
equipe;
Análise da Cartilha
HumanizaSUS
• - Desrespeito aos direitos dos usuários;
• - Formação dos profissionais de saúde distante do
debate e
• da;formulação da política pública de saúde;
• - Controle social frágil dos processos de atenção e
gestão do SUS;
• - Modelo de atenção centrado na relação queixa-
conduta.
Proposta de Reorganização do
SUS
• Basicamente Proposta de Mudanças da Gestão em
Saúde
• Conceito de Tecnologia: Emerson Merhy
• Tecnologia Leve
• Tecnologia Leve-Dura
• Tecnologia Dura
Determinação do Social do
Processo Saúde Doença
“Um efeito adverso à saúde é provocar, promover,
facilitar ou exacerbar uma anormalidade estrutural
e/ou funcional, com a implicação de que a
anormalidade tem o potencial de abaixar a qualidade
de vida, causar doença incapacitante ou levar à morte
prematura.”
(US National Academy of Sciences)
Determinação SocialAs oportunidades – probabilidades com que contam as
pessoas para satisfazerem suas necessidades e desejos
não diferem de forma aleatória, nem devido a outros
fatores ambientais, genéticos ou biológicos. São
calculadamente diferentes principalmente porque tem sua
base na estrutura social, especialmente nos
processos de produção e distribuição de bens
escassos.
Potencialidades Riscos
PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
Histórico da Determinação
• Contribuições de Percival Pott (1713-1788):
câncer de escroto em ex-limpadores de chaminés
(importância da anamnese ocupacional; importância do
tempo de latência)
• Contribuições de Louis René Villermé (1782-
1863): “... descrição comparativa das similaridades e
diferenças entre trabalhadores da mesma atividade mas
que trabalham em diferentes locais, e trabalhadores do
mesmo estabelecimento, mas em atividades
diferentes...”
• Contribuições de William Farr (1807-1883):
estudos de mortalidade geral e específica (doenças
respiratórias) em áreas de mineração; idéia de “risco
CONCEPÇÃO DE SAÚDE
Concepção
biológica
Concepção
Processo Saúde Doença
Caso Definido “a priori”
Classificação de
patologias
Não definido “a priori”
Identificado no modo de
andar a vida
Determinação
do caso
Alterações
fisiopatológicas
Resultantes do modo de
vida das pessoas
Expressão do
caso
Indivíduo doente Indivíduos que vivem,
adoecem, morrem segundo
a sua inserção na
organização social
Coletivo Somatória de
indivíduos
Expressão do resultado das
tensões sociais que formam
classes e frações de classes
ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
Concepção
biológica
Concepção processo SD
Objeto do trabalho Indivíduo doente Indivíduos como expressão da
forma peculiar de viver, adoecer e
morrer das diferentes classes
sociais. Coletivos
Divisão técnica de
trabalho
Especialização
médica
Solução multidisciplinar de
problemas de saúde
Processo de trabalho Individual Coletivo. Em equipe
Produto Cura de doentes Alteração do perfil de
morbimortalidade das diferentes
classes e frações de classes
sociais - enfrentamento das
desigualdades
Relação de trabalho Alienado Consciência sanitária da
população e dos trabalhadores
Caso Clínico
José Carlos, 45 anos, casado, vigia noturno, tabagista 1
maço/dia/30anos, etilista (3 cervejas/dia). Comparece a consulta
referindo Cefaléia Occipital constante há 1 ano. Traz consigo
resultado de exame realizado há 02 meses com glicemia de jejum
150mg/dl. Relata que ultimamente se sente pressionado e
estressado em função da inversão do padrão de sono e da
necessidade de conseguir outro emprego uma vez que a sua filha
de 16 anos encontra-se grávida (2 meses).
Ao exame paciente ansioso PA 150x90mmHg, FC=85bpm,
FR=20, AAA, eupneico, orientado no tempo e no espaço, peso=
96kg, altura= 1,70m, IMC = 33kg/m2
2brnf sem sopros mvfd sem ra
Caso Clínico
Ao exame paciente ansioso PA 150x90mmHg,
FC=85bpm, FR=20, AAA, eupneico, orientado no
tempo e no espaço, peso= 96kg, altura= 1,70m,
IMC = 33kg/m2
2brnf sem sopros mvfd sem ra
Abdome globoso, flácido, rha presentes normoativos
sem massas palpáveis. Fígado palpável a 2cm do
rebordo costal direito. Bordas lisas, doloroso.
Hipótese diagnósticas: HAS/Obesidade, Esteato-
hepatite não alcoólica, Sindrome Metabólica.
Condutas Típicas
Orientações sobre mudanças de estilo de vida e
prática regular de exercícios físicos.
Reforçar a importância da dieta e reeducação
alimentar
Necessidade de perda de peso
Enfatizar necessidade de abandono do tabagismo
Solicitação de nova glicemia de jejum, perfil hepático,
perfil lipídico, eletrocardiograma, controle pressórico e
retorno em uma semana.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Texto história epidemiologia
Texto história epidemiologiaTexto história epidemiologia
Texto história epidemiologia
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Alex Eduardo Ribeiro
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
enfanhanguera
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOSBIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
Oyara Mello
 
Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhador
rafasillva
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
Soraya Lima
 
Aula 4 prevenção
Aula 4 prevençãoAula 4 prevenção
Aula 4 prevenção
Jesiele Spindler
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
bioetica
 bioetica bioetica
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
Estudo de caso tce
Estudo de caso tceEstudo de caso tce
Estudo de caso tce
jessica sanielly
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
Eliane Santos
 

Mais procurados (20)

Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 
Texto história epidemiologia
Texto história epidemiologiaTexto história epidemiologia
Texto história epidemiologia
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOSBIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
 
Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhador
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Aula 4 prevenção
Aula 4 prevençãoAula 4 prevenção
Aula 4 prevenção
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
bioetica
 bioetica bioetica
bioetica
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Estudo de caso tce
Estudo de caso tceEstudo de caso tce
Estudo de caso tce
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 

Destaque

Summers Alunos
Summers AlunosSummers Alunos
Summers Alunos
adrianacarrazoni
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
02 osteoma osteoide
02  osteoma osteoide02  osteoma osteoide
02 osteoma osteoide
dantonfabio
 
Enxertos osseos abo 2013
Enxertos osseos abo 2013Enxertos osseos abo 2013
Enxertos osseos abo 2013
Bruna Sartori
 
ClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos
ClassificaçãO E Tipos De Implantes AlunosClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos
ClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos
adrianacarrazoni
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Alex Albanese
 
Tecido ósseo
Tecido ósseo Tecido ósseo
Tecido ósseo
Raquelrenno
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Vicente Fernandes
 
Enxertos ósseos
Enxertos ósseosEnxertos ósseos
Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
Camilla Bringel
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
Simone Elisa Heitor
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
guested634f
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
Clécio Doroteu
 

Destaque (14)

Summers Alunos
Summers AlunosSummers Alunos
Summers Alunos
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
02 osteoma osteoide
02  osteoma osteoide02  osteoma osteoide
02 osteoma osteoide
 
Enxertos osseos abo 2013
Enxertos osseos abo 2013Enxertos osseos abo 2013
Enxertos osseos abo 2013
 
ClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos
ClassificaçãO E Tipos De Implantes AlunosClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos
ClassificaçãO E Tipos De Implantes Alunos
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
 
Tecido ósseo
Tecido ósseo Tecido ósseo
Tecido ósseo
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
 
Enxertos ósseos
Enxertos ósseosEnxertos ósseos
Enxertos ósseos
 
Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
 

Semelhante a Conceito de Saúde 2

Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúde
Psicologia_2015
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
RaquelOlimpio1
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
CarlaAlves362153
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
Universidade Federal do Maranhão
 
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Federal State University of Rio de Janeiro
 
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidadoIntrodução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
aula-processo-saude-doenca.pdf
aula-processo-saude-doenca.pdfaula-processo-saude-doenca.pdf
aula-processo-saude-doenca.pdf
carlasuzane2
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
lucassoares41810
 
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AriltonGomes
 
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem NegligenciadosDiagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
resenfe2013
 
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da SaúdeAula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
gerontopedia
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
Paula Brustolin Xavier
 
2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOP2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOP
Leonardo Savassi
 
karlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptxkarlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptx
JessiellyGuimares
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Leticia Princesiny
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
Cleber Lima
 
5. Os determinantes de saude.ppt
5. Os determinantes de saude.ppt5. Os determinantes de saude.ppt
5. Os determinantes de saude.ppt
WezaAlexandre
 
Life Span: Aspetos Sociais e Éticos
Life Span: Aspetos Sociais e ÉticosLife Span: Aspetos Sociais e Éticos
Life Span: Aspetos Sociais e Éticos
ssuser9775d1
 
Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)
Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)
Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)
Nelson Urio
 
DeterminaçãoSocial 2017-1.ppt
DeterminaçãoSocial 2017-1.pptDeterminaçãoSocial 2017-1.ppt
DeterminaçãoSocial 2017-1.ppt
GlaubersonFeu
 

Semelhante a Conceito de Saúde 2 (20)

Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúde
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
 
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidadoIntrodução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 
aula-processo-saude-doenca.pdf
aula-processo-saude-doenca.pdfaula-processo-saude-doenca.pdf
aula-processo-saude-doenca.pdf
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
 
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
AULA 1 - Saúde Coletiva T27 333343443444
 
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem NegligenciadosDiagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
 
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da SaúdeAula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
Aula 5 Avaliação em Promoção Da Saúde
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOP2012 educação em saúde internato de APS UFOP
2012 educação em saúde internato de APS UFOP
 
karlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptxkarlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptx
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
 
5. Os determinantes de saude.ppt
5. Os determinantes de saude.ppt5. Os determinantes de saude.ppt
5. Os determinantes de saude.ppt
 
Life Span: Aspetos Sociais e Éticos
Life Span: Aspetos Sociais e ÉticosLife Span: Aspetos Sociais e Éticos
Life Span: Aspetos Sociais e Éticos
 
Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)
Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)
Desenvolvimento humano adulto idoso (Dr_Nelson)
 
DeterminaçãoSocial 2017-1.ppt
DeterminaçãoSocial 2017-1.pptDeterminaçãoSocial 2017-1.ppt
DeterminaçãoSocial 2017-1.ppt
 

Último

A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 

Último (9)

A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 

Conceito de Saúde 2

  • 1. Rondinelli Salvador Silva Coordenador Científico Nacional DENEM
  • 2. Conceito de Saúde I • Modelo Místico-Religioso • Modelo Biomédico • Modelo Biopsicossocial
  • 3. Modelo Biomédico Patologia Clínica médica Saúde é definida negativamente: Ausência de doença Livre de valores Aplica-se indiferentemente a todas as espécies Ausência defeitos em um sistema físico
  • 4. Infecciosas Não-infecciosas Clínica Médica: tempo de duração Agudas Crônicas Modelo Biomédico Risco Fatores etiológicos Fatores de risco Multicausalidade
  • 5. Sóci o- políti co cultu ral Bioló gico Físic o Ambiente Externo ou Meio ambiente Ambiente Interno Fatores hereditários ou congênitos Defesas específicas Alterações organicas já existentes História Natural da Doença Modelo Processual
  • 6. História Natural da Doença Modelo Processual Pré-Patogênese Patogênese: SER HUMANO AG MAH Horizonte Clínico Morte Cronificação Cura com sequela Cura Determinantes Nível Sub-clínico Nível Clínico Avanço: um processo de múltiplas e complexas determinações
  • 7. Contextualização • Crise d0 Estado • Crise da Clínica • Incorporação da Psicologia Clínica • Movimentos por Direitos Civis
  • 8. Repercussões do Biopsicossocial • Avanço no entendimento clínico do processo saúde- doença. • Busca por soluções biológicas/não-biológicas para problemas não biológicos. • Fragmentação das políticas de saúde • Humanização
  • 9. Fragmentação das Políticas de Saúde • Políticas construídas em função de grupos sociais • Aquisição de direitos via Judiciário: HIV • Perda de foco quanto aos elementos essenciais no agravo a saúde. • Burocratização do SUS na distribuição de recursos.
  • 10. Humanização • Conceito Sintoma • Responsabilização do Profissional e/ou do Sistema de Saúde pelas más condições deste. • Origem no Movimento por Direitos Civis femininos nos anos 1960 • Adoção como Príncipio a partir dos anos 1980 • Política Pública e ação social a partir dos anos 1990
  • 12. Análise da Cartilha HumanizaSus • - Fragmentação do processo de trabalho e das relações entre os • diferentes profissionais; • - Fragmentação da rede assistencial dificultando a complementaridade • entre a rede básica e o sistema de referência; • - Precária interação nas equipes e despreparo para lidar com a • dimensão subjetiva nas práticas de atenção • - Sistema público de saúde burocratizado e verticalizado • - Baixo investimento na qualificação dos trabalhadores, especialmente • no que se refere à gestão participativa e ao trabalho em equipe;
  • 13. Análise da Cartilha HumanizaSUS • - Desrespeito aos direitos dos usuários; • - Formação dos profissionais de saúde distante do debate e • da;formulação da política pública de saúde; • - Controle social frágil dos processos de atenção e gestão do SUS; • - Modelo de atenção centrado na relação queixa- conduta.
  • 14. Proposta de Reorganização do SUS • Basicamente Proposta de Mudanças da Gestão em Saúde • Conceito de Tecnologia: Emerson Merhy • Tecnologia Leve • Tecnologia Leve-Dura • Tecnologia Dura
  • 15. Determinação do Social do Processo Saúde Doença “Um efeito adverso à saúde é provocar, promover, facilitar ou exacerbar uma anormalidade estrutural e/ou funcional, com a implicação de que a anormalidade tem o potencial de abaixar a qualidade de vida, causar doença incapacitante ou levar à morte prematura.” (US National Academy of Sciences)
  • 16. Determinação SocialAs oportunidades – probabilidades com que contam as pessoas para satisfazerem suas necessidades e desejos não diferem de forma aleatória, nem devido a outros fatores ambientais, genéticos ou biológicos. São calculadamente diferentes principalmente porque tem sua base na estrutura social, especialmente nos processos de produção e distribuição de bens escassos. Potencialidades Riscos PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
  • 17.
  • 18. Histórico da Determinação • Contribuições de Percival Pott (1713-1788): câncer de escroto em ex-limpadores de chaminés (importância da anamnese ocupacional; importância do tempo de latência) • Contribuições de Louis René Villermé (1782- 1863): “... descrição comparativa das similaridades e diferenças entre trabalhadores da mesma atividade mas que trabalham em diferentes locais, e trabalhadores do mesmo estabelecimento, mas em atividades diferentes...” • Contribuições de William Farr (1807-1883): estudos de mortalidade geral e específica (doenças respiratórias) em áreas de mineração; idéia de “risco
  • 19. CONCEPÇÃO DE SAÚDE Concepção biológica Concepção Processo Saúde Doença Caso Definido “a priori” Classificação de patologias Não definido “a priori” Identificado no modo de andar a vida Determinação do caso Alterações fisiopatológicas Resultantes do modo de vida das pessoas Expressão do caso Indivíduo doente Indivíduos que vivem, adoecem, morrem segundo a sua inserção na organização social Coletivo Somatória de indivíduos Expressão do resultado das tensões sociais que formam classes e frações de classes
  • 20. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Concepção biológica Concepção processo SD Objeto do trabalho Indivíduo doente Indivíduos como expressão da forma peculiar de viver, adoecer e morrer das diferentes classes sociais. Coletivos Divisão técnica de trabalho Especialização médica Solução multidisciplinar de problemas de saúde Processo de trabalho Individual Coletivo. Em equipe Produto Cura de doentes Alteração do perfil de morbimortalidade das diferentes classes e frações de classes sociais - enfrentamento das desigualdades Relação de trabalho Alienado Consciência sanitária da população e dos trabalhadores
  • 21. Caso Clínico José Carlos, 45 anos, casado, vigia noturno, tabagista 1 maço/dia/30anos, etilista (3 cervejas/dia). Comparece a consulta referindo Cefaléia Occipital constante há 1 ano. Traz consigo resultado de exame realizado há 02 meses com glicemia de jejum 150mg/dl. Relata que ultimamente se sente pressionado e estressado em função da inversão do padrão de sono e da necessidade de conseguir outro emprego uma vez que a sua filha de 16 anos encontra-se grávida (2 meses). Ao exame paciente ansioso PA 150x90mmHg, FC=85bpm, FR=20, AAA, eupneico, orientado no tempo e no espaço, peso= 96kg, altura= 1,70m, IMC = 33kg/m2 2brnf sem sopros mvfd sem ra
  • 22. Caso Clínico Ao exame paciente ansioso PA 150x90mmHg, FC=85bpm, FR=20, AAA, eupneico, orientado no tempo e no espaço, peso= 96kg, altura= 1,70m, IMC = 33kg/m2 2brnf sem sopros mvfd sem ra Abdome globoso, flácido, rha presentes normoativos sem massas palpáveis. Fígado palpável a 2cm do rebordo costal direito. Bordas lisas, doloroso. Hipótese diagnósticas: HAS/Obesidade, Esteato- hepatite não alcoólica, Sindrome Metabólica.
  • 23. Condutas Típicas Orientações sobre mudanças de estilo de vida e prática regular de exercícios físicos. Reforçar a importância da dieta e reeducação alimentar Necessidade de perda de peso Enfatizar necessidade de abandono do tabagismo Solicitação de nova glicemia de jejum, perfil hepático, perfil lipídico, eletrocardiograma, controle pressórico e retorno em uma semana.