SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
ÉTICA PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM
Em enfermagem existe o Código de Ética composto por Princípios Fundamentais, Direitos,
Responsabilidades, Deveres, Proibições, Deveres Disciplinares, Infrações e Penalidades,
Aplicação das Penalidades e Disposições Gerais em vigor. E todo profissional e estudante de
Enfermagem têm por obrigação de conhecê-lo. Vamos entender um pouco melhor do que se trata o
tema.
O termo Ética refere-se aos padrões de conduta moral, isto é, padrões de comportamento
relativos ao paciente, ao patrão e aos colegas de trabalho. Ter boa capacidade de discernimento
significa saber o que é certo e o que é errado, e como agir para chegar ao equilíbrio.
Os pontos de ética enumerados foram compilados por diferentes autores. A lista pode não ser
completa, mas contém os pontos mais importantes e mais tarde, quando você se familiarizar com o
programa de enfermagem poderá acrescentar algo na lista:
 Respeite todas as confidencias que seus pacientes lhe fizerem durante o serviço.
 Jamais comente em público durante as horas de folga, qualquer incidente ocorrido no hospital
nem de informações sobre seu doente. Qualquer pergunta que lhe for feita sobre os cuidados que ele
recebe, bem como de suas condições atuais e prognosticas, por seus familiares, deverá ser relatada ao
supervisor.
 Evite maledicências- jamais critique seu supervisor ou seus colegas de trabalho na presença de
outros funcionários ou dos enfermos.
 Respeite sempre a intimidade de seus pacientes. Bata de leve á porta antes de entrar no quarto.
Cubra-o antes de executar qualquer posição. Cuide para que haja sempre lençóis disponíveis para
exames e posições terapêuticas.
 A ficha do paciente contém informação privada e deve ser guardada. Apenas as pessoas
diretamente envolvidas no seu atendimento podem ter acesso a ela.
 Demonstre respeito por seus colegas de trabalho em qualquer ocasião. Seja leal a seus chefes.
Trate-os assim como a seus pacientes, pelo sobrenome, em sinal de respeito. Nunca recorra a
apelidos, doenças ou número de quarto para se referir aos doentes.
 Aceite suas responsabilidades de bom grado. Antecipe-se ao chamado do paciente; procurando
adivinhar-lhe as necessidades. É importante que você não exceda suas responsabilidades nem sua
habilidade. Conheça bem seu trabalho.
 Tenha cuidado com os objetos ao paciente, para prevenir posteriores complicações, tanto para
você quanto para o hospital. Guarde os objetos pessoais do doente, isto é, dinheiro, jóias, como se
fossem seus. Cuide para que os objetos de valor sejam guardados no cofre do hospital.
 Assuma a responsabilidade de seus erros e falhas de julgamento, levando-se logo ao
conhecimento do supervisor, do contrario, você poderá colocar em risco sua própria pessoa, o
paciente e o hospital.
 O bom atendimento ao enfermo não permitir que haja preconceitos de raça, religião ou cor.
Dispense a todos a mesma consideração e o mesmo respeito, e dê-lhes o melhor de si.
 Recorra á igreja da qual faz parte do paciente sempre que necessário. Nunca se coloque na
posição de conselheiro espiritual, mas esteja ciente de sua obrigação, em providenciar este tipo de
apoio sempre que necessário. Comunique ao supervisor quando o paciente exigir um apoio religioso
especial.
 Não comente sua vida nem seus problemas pessoais ou familiares com seus doentes a não ser em
termos gerais.
 Falar alto e fazer muito barulho são um comportamento impróprio que incomoda ao paciente e a
seus familiares. Ande não corra, mesmo em situações de emergência.
 Ter boas maneiras é uma obrigação. Os visitantes são convidados dentro do hospital. Se você os
tratar com respeito e cortesia, eles confiarão mais em você e no hospital.
 Gratificações, como dinheiro, presentes e gorjetas por parte dos pacientes, devem ser recusadas.
 Não faça refeições no quarto do enfermo nem no local onde é preparada sua comida. Não é
permitido comer restos deixados pelo doente e nem servir-se da comida que lhe é destinada.
 Use com moderação o material fornecido pelo hospital. Tenha cuidado com os equipamentos.
Levar para casa objetos de propriedades do hospital, como termômetros, canetas e loção para as mãos
é roubo.
 Durante a carreira de enfermagem você encontrará certos tipos especiais de pacientes, como
viciados em drogas, alcoólicos, criminosos, suicidas e pervertidos sexuais. Não deixe que sua
simpatia e antipatia pessoal interfiram no atendimento a essa espécie de doente. Não permita,
tampouco, que a condição social ou econômica do paciente modifique a qualidade do atendimento
que você dispensa.
 Tirar medicamentos da reserva do hospital ou do paciente é roubo. Não se aproveite da presença
do médico para lhe pedir que prescreva medicação para você ou seus familiares.
 Nunca faça diagnóstico nem medicação para os pacientes, para seus familiares e amigos, porque
isso constitui exercício ilegal da Medicina.
 Não deixe que se estabeleçam laços pessoais entre você e seu paciente.
 Delicadamente desencoraje-o quando ele fizer tentativas neste sentido.
 Você poderá ser despedido (a) se for encontrado (a) sobre efeito de álcool ou de outras drogas, o
fato deverá ser levado imediatamente ao conhecimento do seu supervisor.
 Permaneça no seu setor de trabalho, só saindo quando lhe for permitido, como nos intervalos
para almoço e descanso.
 Responda logo a qualquer chamado do paciente. Atenda a suas solicitações, sempre que possível.
Quando estiver em dúvida ou não for capaz de fazê-lo, chame o supervisor.
 Normalmente é a enfermeira chefe quem atende as chamadas telefônicas. Caso você tenha de
fazê-lo seja educado (a) e cortês. Encaminhe qualquer chamada telefônica á autoridade competente.
As ordens médicas dadas por telefone só devem ser recebidas pela enfermeira chefe. O telefone da
enfermeira só deve ser usado para chamadas internas do hospital e nunca para chamadas pessoais.
Os tópicos acima citados deverão fazer parte do dia-a-dia e num processo de Reflexão.
Foi estabelecido pelos participantes do II Congresso de Humanização do Hospital e da Saúde,
realizado em São Paulo, de 13 a 15 de agosto de 1982 promovido pelo Centro São Camilo de
Desenvolvimento em Administração da Saúde a Carta Brasileira dos Direitos do Paciente, coerente
com os objetivos mais elevados de suas profissões e solidários com a pessoa enferma, objetivo e
sujeito de seu atendimento ao quais os profissionais da enfermagem também devem ter
conhecimento.
Um excelente profissional da área Saúde deve se atualizar constantemente de todas as mudanças na
legislação e de toda e qualquer reformulação que traga mudanças para seu dia a dia.
FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA
CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM
TRABALHO DE ÉTICA NA ENFERMAGEM
Aluna: Ivanete Miranda da Silva Barreto
Prof.ª Hilda Cecília
6º Período
VOLTA REDONDA
2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAcolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de Risco
Andressa Macena
 
Segredo E Sigilo Profissional
Segredo E Sigilo ProfissionalSegredo E Sigilo Profissional
Segredo E Sigilo Profissional
zilmex
 
Relação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações DolorosasRelação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Luciana Krebs
 
Código deontológico dos Médico
Código deontológico dos MédicoCódigo deontológico dos Médico
Código deontológico dos Médico
celiamagalhaes
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumato
Reumatoguia
 
Questões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccih
Questões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccihQuestões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccih
Questões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccih
Emmanoel Colonnezi
 
Alexandre Juan Lucas
Alexandre Juan LucasAlexandre Juan Lucas
Alexandre Juan Lucas
ABESE
 

Mais procurados (18)

Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Acolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAcolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de Risco
 
Segredo E Sigilo Profissional
Segredo E Sigilo ProfissionalSegredo E Sigilo Profissional
Segredo E Sigilo Profissional
 
Relação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações DolorosasRelação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
 
Código deontológico dos Médico
Código deontológico dos MédicoCódigo deontológico dos Médico
Código deontológico dos Médico
 
Código de ética
Código de ética Código de ética
Código de ética
 
Slide João Rodrigues pronto 111
Slide João Rodrigues pronto 111Slide João Rodrigues pronto 111
Slide João Rodrigues pronto 111
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido
 
Codigo de ética odontologica
Codigo de ética odontologicaCodigo de ética odontologica
Codigo de ética odontologica
 
Aula 03 eticaepostura
Aula 03    eticaeposturaAula 03    eticaepostura
Aula 03 eticaepostura
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumato
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Questões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccih
Questões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccihQuestões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccih
Questões éticas envolvidas na prática profissional de enfermeiros ccih
 
Sigilo.aasp.outubro.14
Sigilo.aasp.outubro.14Sigilo.aasp.outubro.14
Sigilo.aasp.outubro.14
 
Alexandre Juan Lucas
Alexandre Juan LucasAlexandre Juan Lucas
Alexandre Juan Lucas
 
Negligência médica
Negligência médicaNegligência médica
Negligência médica
 

Semelhante a éTica profissional de enfermagem

Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Luciane Santana
 
A seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goianiaA seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goiania
PrLinaldo Junior
 
A seriedade da visita hospitalar
A seriedade da visita hospitalarA seriedade da visita hospitalar
A seriedade da visita hospitalar
pastorlinaldo
 
A seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goianiaA seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goiania
PrLinaldo Junior
 
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
Ricardo Nascimento
 
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
Ricardo Nascimento
 
Os familiares e a terminalidade
Os familiares e a terminalidadeOs familiares e a terminalidade
Os familiares e a terminalidade
PrLinaldo Junior
 

Semelhante a éTica profissional de enfermagem (20)

tica-profissional-de-enfermagem-1205177623938341-3.pdf
tica-profissional-de-enfermagem-1205177623938341-3.pdftica-profissional-de-enfermagem-1205177623938341-3.pdf
tica-profissional-de-enfermagem-1205177623938341-3.pdf
 
ÉTICA AULA 02.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
ÉTICA AULA 02.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxÉTICA AULA 02.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
ÉTICA AULA 02.pptxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
A seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goianiaA seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goiania
 
A seriedade da visita hospitalar
A seriedade da visita hospitalarA seriedade da visita hospitalar
A seriedade da visita hospitalar
 
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima PadovanGislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
 
A seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goianiaA seriedade da visita hospitalar goiania
A seriedade da visita hospitalar goiania
 
Modulo completo afd
Modulo completo afdModulo completo afd
Modulo completo afd
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
 
Atendimento ao Cliente - Portaria - Hospital Socor
Atendimento ao Cliente - Portaria - Hospital SocorAtendimento ao Cliente - Portaria - Hospital Socor
Atendimento ao Cliente - Portaria - Hospital Socor
 
Aula 5 o doente no meio hospitalar
Aula 5 o doente no meio hospitalarAula 5 o doente no meio hospitalar
Aula 5 o doente no meio hospitalar
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
 
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Aula ÉTICA PROFISSIONAL - processos humanizados de trabalho
Aula ÉTICA PROFISSIONAL - processos humanizados de trabalhoAula ÉTICA PROFISSIONAL - processos humanizados de trabalho
Aula ÉTICA PROFISSIONAL - processos humanizados de trabalho
 
1ª Aula_S. Respiratório.pdf
1ª Aula_S. Respiratório.pdf1ª Aula_S. Respiratório.pdf
1ª Aula_S. Respiratório.pdf
 
Os familiares e a terminalidade
Os familiares e a terminalidadeOs familiares e a terminalidade
Os familiares e a terminalidade
 
Etica_Bioetica.pptx
 Etica_Bioetica.pptx Etica_Bioetica.pptx
Etica_Bioetica.pptx
 

Mais de Daniele Barreto (8)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Metodo do caminho_crtico_cpm
Metodo do caminho_crtico_cpmMetodo do caminho_crtico_cpm
Metodo do caminho_crtico_cpm
 
Apostila curso de vidraceiro
Apostila curso de vidraceiroApostila curso de vidraceiro
Apostila curso de vidraceiro
 
Bmfbovespa
BmfbovespaBmfbovespa
Bmfbovespa
 
Como investir na bolsa
Como investir na bolsaComo investir na bolsa
Como investir na bolsa
 
Investir
InvestirInvestir
Investir
 
Mercado de opções
Mercado de opçõesMercado de opções
Mercado de opções
 
Calendário 2013 rochedo
Calendário 2013 rochedoCalendário 2013 rochedo
Calendário 2013 rochedo
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 

éTica profissional de enfermagem

  • 1. ÉTICA PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM Em enfermagem existe o Código de Ética composto por Princípios Fundamentais, Direitos, Responsabilidades, Deveres, Proibições, Deveres Disciplinares, Infrações e Penalidades, Aplicação das Penalidades e Disposições Gerais em vigor. E todo profissional e estudante de Enfermagem têm por obrigação de conhecê-lo. Vamos entender um pouco melhor do que se trata o tema. O termo Ética refere-se aos padrões de conduta moral, isto é, padrões de comportamento relativos ao paciente, ao patrão e aos colegas de trabalho. Ter boa capacidade de discernimento significa saber o que é certo e o que é errado, e como agir para chegar ao equilíbrio. Os pontos de ética enumerados foram compilados por diferentes autores. A lista pode não ser completa, mas contém os pontos mais importantes e mais tarde, quando você se familiarizar com o programa de enfermagem poderá acrescentar algo na lista:  Respeite todas as confidencias que seus pacientes lhe fizerem durante o serviço.  Jamais comente em público durante as horas de folga, qualquer incidente ocorrido no hospital nem de informações sobre seu doente. Qualquer pergunta que lhe for feita sobre os cuidados que ele recebe, bem como de suas condições atuais e prognosticas, por seus familiares, deverá ser relatada ao supervisor.  Evite maledicências- jamais critique seu supervisor ou seus colegas de trabalho na presença de outros funcionários ou dos enfermos.  Respeite sempre a intimidade de seus pacientes. Bata de leve á porta antes de entrar no quarto. Cubra-o antes de executar qualquer posição. Cuide para que haja sempre lençóis disponíveis para exames e posições terapêuticas.  A ficha do paciente contém informação privada e deve ser guardada. Apenas as pessoas diretamente envolvidas no seu atendimento podem ter acesso a ela.  Demonstre respeito por seus colegas de trabalho em qualquer ocasião. Seja leal a seus chefes. Trate-os assim como a seus pacientes, pelo sobrenome, em sinal de respeito. Nunca recorra a apelidos, doenças ou número de quarto para se referir aos doentes.  Aceite suas responsabilidades de bom grado. Antecipe-se ao chamado do paciente; procurando adivinhar-lhe as necessidades. É importante que você não exceda suas responsabilidades nem sua habilidade. Conheça bem seu trabalho.  Tenha cuidado com os objetos ao paciente, para prevenir posteriores complicações, tanto para você quanto para o hospital. Guarde os objetos pessoais do doente, isto é, dinheiro, jóias, como se fossem seus. Cuide para que os objetos de valor sejam guardados no cofre do hospital.
  • 2.  Assuma a responsabilidade de seus erros e falhas de julgamento, levando-se logo ao conhecimento do supervisor, do contrario, você poderá colocar em risco sua própria pessoa, o paciente e o hospital.  O bom atendimento ao enfermo não permitir que haja preconceitos de raça, religião ou cor. Dispense a todos a mesma consideração e o mesmo respeito, e dê-lhes o melhor de si.  Recorra á igreja da qual faz parte do paciente sempre que necessário. Nunca se coloque na posição de conselheiro espiritual, mas esteja ciente de sua obrigação, em providenciar este tipo de apoio sempre que necessário. Comunique ao supervisor quando o paciente exigir um apoio religioso especial.  Não comente sua vida nem seus problemas pessoais ou familiares com seus doentes a não ser em termos gerais.  Falar alto e fazer muito barulho são um comportamento impróprio que incomoda ao paciente e a seus familiares. Ande não corra, mesmo em situações de emergência.  Ter boas maneiras é uma obrigação. Os visitantes são convidados dentro do hospital. Se você os tratar com respeito e cortesia, eles confiarão mais em você e no hospital.  Gratificações, como dinheiro, presentes e gorjetas por parte dos pacientes, devem ser recusadas.  Não faça refeições no quarto do enfermo nem no local onde é preparada sua comida. Não é permitido comer restos deixados pelo doente e nem servir-se da comida que lhe é destinada.  Use com moderação o material fornecido pelo hospital. Tenha cuidado com os equipamentos. Levar para casa objetos de propriedades do hospital, como termômetros, canetas e loção para as mãos é roubo.  Durante a carreira de enfermagem você encontrará certos tipos especiais de pacientes, como viciados em drogas, alcoólicos, criminosos, suicidas e pervertidos sexuais. Não deixe que sua simpatia e antipatia pessoal interfiram no atendimento a essa espécie de doente. Não permita, tampouco, que a condição social ou econômica do paciente modifique a qualidade do atendimento que você dispensa.  Tirar medicamentos da reserva do hospital ou do paciente é roubo. Não se aproveite da presença do médico para lhe pedir que prescreva medicação para você ou seus familiares.  Nunca faça diagnóstico nem medicação para os pacientes, para seus familiares e amigos, porque isso constitui exercício ilegal da Medicina.  Não deixe que se estabeleçam laços pessoais entre você e seu paciente.  Delicadamente desencoraje-o quando ele fizer tentativas neste sentido.  Você poderá ser despedido (a) se for encontrado (a) sobre efeito de álcool ou de outras drogas, o fato deverá ser levado imediatamente ao conhecimento do seu supervisor.
  • 3.  Permaneça no seu setor de trabalho, só saindo quando lhe for permitido, como nos intervalos para almoço e descanso.  Responda logo a qualquer chamado do paciente. Atenda a suas solicitações, sempre que possível. Quando estiver em dúvida ou não for capaz de fazê-lo, chame o supervisor.  Normalmente é a enfermeira chefe quem atende as chamadas telefônicas. Caso você tenha de fazê-lo seja educado (a) e cortês. Encaminhe qualquer chamada telefônica á autoridade competente. As ordens médicas dadas por telefone só devem ser recebidas pela enfermeira chefe. O telefone da enfermeira só deve ser usado para chamadas internas do hospital e nunca para chamadas pessoais. Os tópicos acima citados deverão fazer parte do dia-a-dia e num processo de Reflexão. Foi estabelecido pelos participantes do II Congresso de Humanização do Hospital e da Saúde, realizado em São Paulo, de 13 a 15 de agosto de 1982 promovido pelo Centro São Camilo de Desenvolvimento em Administração da Saúde a Carta Brasileira dos Direitos do Paciente, coerente com os objetivos mais elevados de suas profissões e solidários com a pessoa enferma, objetivo e sujeito de seu atendimento ao quais os profissionais da enfermagem também devem ter conhecimento. Um excelente profissional da área Saúde deve se atualizar constantemente de todas as mudanças na legislação e de toda e qualquer reformulação que traga mudanças para seu dia a dia.
  • 4. FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE ÉTICA NA ENFERMAGEM Aluna: Ivanete Miranda da Silva Barreto Prof.ª Hilda Cecília 6º Período VOLTA REDONDA 2015