SlideShare uma empresa Scribd logo

Desenvolvimento psicosocial

Desenvolvimento psicosocial

1 de 20
Baixar para ler offline
Freud e o desenvolvimento
Psicossexual
Estudando com Profª Ms Simony Rego Barros
• Id - Contém tudo o que é herdado, que se acha presente no
  nascimento, que está presente na constituição. É a estrutura da
  personalidade original, básica e mais central, exposta tanto às
  exigências somáticas do corpo como aos efeitos do ego e do
  superego. Embora as outras partes da estrutura se desenvolvam a
  partir do id, ele próprio é amorfo, caótico e desorganizado. Impulsos
  contraditórios existem lado a lado, sem que um anule o outro, ou
  sem que um diminua o outro. O id é o reservatório das pulsões, da
  energia de toda a personalidade. Os conteúdos do id são quase
  todos inconscientes, eles incluem configurações mentais que nunca
  se tornaram conscientes, assim como o material que foi considerado
  inaceitável pela consciência. Um pensamento ou uma
  lembrança, excluído da consciência e localizado nas sombras do id, é
  mesmo assim capaz de influenciar a vida mental de uma pessoa.
  Regido pelo princípio do prazer, o id exige satisfação imediata desses
  impulsos, sem levar em conta a possibilidade de conseqüências
  indesejáveis.
• Ego - É a parte do psiquismo que está em contato com a realidade
  externa. O ego funciona principalmente a nível consciente e pré-
  consciente, embora também contenha elementos
  inconscientes, pois evoluiu do id. Regido pelo princípio da
  realidade, o ego cuida dos impulsos do id, tão logo encontre a
  circunstância adequada. Desejos inadequados não são
  satisfeitos, mas reprimidos. Como a casca de uma árvore, ele
  protege o id mas extrai dele a energia, a fim de realizar isto. Tem a
  tarefa de garantir a saúde, segurança e sanidade da personalidade.
  O ego se esforça pelo prazer e busca evitar o desprazer. O ego é
  originalmente criado pelo id na tentativa de enfrentar a necessidade
  de reduzir a tensão e aumentar o prazer. Para fazer isto, o ego, por
  sua vez, tem de controlar ou regular os impulsos do id de modo que
  o indivíduo possa buscar soluções menos imediatas e mais realistas.
• Superego - Ele se desenvolve não a partir do id, mas a partir
  do ego. Atua como um juiz ou censor sobre as atividades e
  pensamentos do ego. É o depósito dos códigos morais,
  modelos de conduta e dos constructos que constituem as
  inibições da personalidade. Freud descreve três funções do
  superego: consciência, auto-observação e formação de ideais.
  Enquanto consciência, o superego age tanto para restringir,
  proibir ou julgar a atividade consciente; mas também age
  inconscientemente. As restrições inconscientes são indiretas,
  aparecendo como compulsões ou proibições. Apenas
  parcialmente consciente, o superego serve como um censor
  das funções do ego (contendo os ideais do indivíduo derivados
  dos valores familiares e sociais), sendo a fonte dos
  sentimentos de culpa e medo de punição
Segundo Freud

• Todos os eventos psicológicos possuem
  uma causa e a maioria deles são causados
  por impulsos insatisfeitos e medos e
  desejos inconscientes.
Todo comportamento é energizado por impulsos
instintivos fundamentais, determinadas por três
forças motivacionais básicas:

os impulsos sexuais - a libido
os impulsos de preservação à vida ou instintos como a fome e a dor
 os impulsos agressivos

Recomendados

Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonmarco14cdc
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetManô Araújo
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseJorge Barbosa
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocialmarta12l
 
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionaisInteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionaisCatarinaNeivas
 
Principais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaPrincipais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaViviane Pasqualeto
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalAntonino Silva
 
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraEduardo Manfré
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonThiago de Almeida
 
Desenvolvimento moral na adolescência
Desenvolvimento moral na adolescência Desenvolvimento moral na adolescência
Desenvolvimento moral na adolescência Viviane Pasqualeto
 
Piaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoPiaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoJorge Barbosa
 
Aula 5 2ª infância
Aula 5   2ª infânciaAula 5   2ª infância
Aula 5 2ª infânciaEslon Junior
 
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean PiagetOs estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean PiagetTatati Semedo
 
O desenvolvimento humano
O desenvolvimento humanoO desenvolvimento humano
O desenvolvimento humanoJaime Soares
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Paula Santos
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 

Mais procurados (20)

Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
Wallon
WallonWallon
Wallon
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionaisInteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
 
Principais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaPrincipais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescência
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
 
Desenvolvimento moral na adolescência
Desenvolvimento moral na adolescência Desenvolvimento moral na adolescência
Desenvolvimento moral na adolescência
 
Piaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoPiaget Interaccionismo
Piaget Interaccionismo
 
Aula 5 2ª infância
Aula 5   2ª infânciaAula 5   2ª infância
Aula 5 2ª infância
 
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean PiagetOs estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
 
O desenvolvimento humano
O desenvolvimento humanoO desenvolvimento humano
O desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 

Semelhante a Desenvolvimento psicosocial

Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Elisa Maria Gomide
 
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.pptAULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.pptAlessandraPaulaStefa
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPERodrigo Castro
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDDandara Cunha
 
1203276436 freud
1203276436 freud1203276436 freud
1203276436 freudcatia
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE09108303
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaDeisiane Cazaroto
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de FreudLucas Vinícius
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudIsabella Ruas
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseBruno Carrasco
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Laura Reis
 
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e criticaEnfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e criticaIsis Bezerra
 

Semelhante a Desenvolvimento psicosocial (20)

Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
 
Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
 
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.pptAULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
1203276436 freud
1203276436 freud1203276436 freud
1203276436 freud
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Desenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexualDesenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexual
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
 
LIBIDO.pdf
LIBIDO.pdfLIBIDO.pdf
LIBIDO.pdf
 
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e criticaEnfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
 

Mais de Lu1zFern4nando

Mais de Lu1zFern4nando (7)

Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidade
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
 
Exercícios tipologia textual
Exercícios   tipologia textualExercícios   tipologia textual
Exercícios tipologia textual
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
 
Ije (1)
Ije (1)Ije (1)
Ije (1)
 
Ije (5)
Ije (5)Ije (5)
Ije (5)
 
Noções de imputabilidade
Noções de imputabilidadeNoções de imputabilidade
Noções de imputabilidade
 

Desenvolvimento psicosocial

  • 1. Freud e o desenvolvimento Psicossexual Estudando com Profª Ms Simony Rego Barros
  • 2. • Id - Contém tudo o que é herdado, que se acha presente no nascimento, que está presente na constituição. É a estrutura da personalidade original, básica e mais central, exposta tanto às exigências somáticas do corpo como aos efeitos do ego e do superego. Embora as outras partes da estrutura se desenvolvam a partir do id, ele próprio é amorfo, caótico e desorganizado. Impulsos contraditórios existem lado a lado, sem que um anule o outro, ou sem que um diminua o outro. O id é o reservatório das pulsões, da energia de toda a personalidade. Os conteúdos do id são quase todos inconscientes, eles incluem configurações mentais que nunca se tornaram conscientes, assim como o material que foi considerado inaceitável pela consciência. Um pensamento ou uma lembrança, excluído da consciência e localizado nas sombras do id, é mesmo assim capaz de influenciar a vida mental de uma pessoa. Regido pelo princípio do prazer, o id exige satisfação imediata desses impulsos, sem levar em conta a possibilidade de conseqüências indesejáveis.
  • 3. • Ego - É a parte do psiquismo que está em contato com a realidade externa. O ego funciona principalmente a nível consciente e pré- consciente, embora também contenha elementos inconscientes, pois evoluiu do id. Regido pelo princípio da realidade, o ego cuida dos impulsos do id, tão logo encontre a circunstância adequada. Desejos inadequados não são satisfeitos, mas reprimidos. Como a casca de uma árvore, ele protege o id mas extrai dele a energia, a fim de realizar isto. Tem a tarefa de garantir a saúde, segurança e sanidade da personalidade. O ego se esforça pelo prazer e busca evitar o desprazer. O ego é originalmente criado pelo id na tentativa de enfrentar a necessidade de reduzir a tensão e aumentar o prazer. Para fazer isto, o ego, por sua vez, tem de controlar ou regular os impulsos do id de modo que o indivíduo possa buscar soluções menos imediatas e mais realistas.
  • 4. • Superego - Ele se desenvolve não a partir do id, mas a partir do ego. Atua como um juiz ou censor sobre as atividades e pensamentos do ego. É o depósito dos códigos morais, modelos de conduta e dos constructos que constituem as inibições da personalidade. Freud descreve três funções do superego: consciência, auto-observação e formação de ideais. Enquanto consciência, o superego age tanto para restringir, proibir ou julgar a atividade consciente; mas também age inconscientemente. As restrições inconscientes são indiretas, aparecendo como compulsões ou proibições. Apenas parcialmente consciente, o superego serve como um censor das funções do ego (contendo os ideais do indivíduo derivados dos valores familiares e sociais), sendo a fonte dos sentimentos de culpa e medo de punição
  • 5. Segundo Freud • Todos os eventos psicológicos possuem uma causa e a maioria deles são causados por impulsos insatisfeitos e medos e desejos inconscientes.
  • 6. Todo comportamento é energizado por impulsos instintivos fundamentais, determinadas por três forças motivacionais básicas: os impulsos sexuais - a libido os impulsos de preservação à vida ou instintos como a fome e a dor  os impulsos agressivos
  • 7. Os Estágios Psicossexuais • Em cada estágio, energia sexual se focaliza (é investida) em uma determinada parte do corpo, que ele chamou de zona erógena, como a boca, o anus e os genitais. • • O bebê inicialmente concentra-se na estimulação bucal porque esta é a parte mais sensível de seu corpo. Depois quando seu desenvolvimento neurológico é maior, outras partes tornam-se sensíveis e o foco da energia sexual muda. Há um forte elemento maturacional nesta parte da teoria de Freud. Ele considerava que a transição de um estágio psicossexual para o seguinte era basicamente determinada pelas mudanças na sensibilidade do corpo. Estágio Oral: do nascimento ao 1º ano • O primeiro contato do bebê com o mundo é através da boca e aí ele tem grande sensibilidade. Freud enfatizou que a região oral, a boca, língua e lábios, tornam-se centro de prazer para o bebê. Sua primeira ligação afetiva é com o que lhe proporciona prazer na boca, geralmente sua mãe.
  • 8. • Estágio Anal: de 1 a 3 anos • • Na medida em que prossegue o processo de maturação a parte inferior do tronco torna-se mais desenvolvida, e mais sob controle voluntário, o bebê torna- se cada vez mais sensível na região anal e começa a conseguir prazer nos movimentos dos intestinos. Essas duas forças em conjunto, ajudam a levar o centro da energia sexual na zona erógena oral para o anal. De acordo com Freud, a criança passaria pela fase anal sem cicatrizes, caso seus pais lhe permitissem suficiente prazer e exploração anal. • • Estágio Fálico: 3 a 5 anos (1º parte) • • Com aproximadamente 3 ou 4 anos de idade há outra mudança da região anal para a zona erógena genital. Novamente há uma base maturacional para a mudança; só nesta época a criança começa a ter sensações de prazer com a estimulação da área genital. Um sinal deste aumento de prazer genital é que as crianças de ambos os sexos, muito naturalmente, começam a se masturbar nesta idade. De acordo com Freud, o evento mais importante durante o estágio falico é o denominado conflito edipiano. Ele descreve a seqüência de eventos mais completamente para os meninos do que para as meninas.
  • 9. A teoria sugere que primeiro o menino torna-se intuitivamente consciente de sua mãe como um objeto sexual. O menino de aproximadamente 4 anos começa a ter um tipo de ligação sexual com sua mãe e considera seu pai como um rival. O pai dorme com sua mãe, abraça-a e beija-a e geralmente tem acesso ao corpo dela de um modo que ele não tem. O menino também vê seu pai como uma figura poderosa e ameaçadora, com poder de castrá-lo. O menino fica entre o desejo de possuir a mãe e o medo do poder de seu pai. O resultado desse conflito é a ansiedade. Como o menino consegue lidar com essa ansiedade. Na visão de Freud, o menino responde com um processo denominado de identificação. Tentando tornar-se tão parecido quanto possível com seu pai, o menino pode sentir que ele também tem algum poder de seu pai.
  • 10. • • Estágio Fálico: 3 a 5 anos (3º parte) • • Freud fala do processo de identificação como sendo a incorporação das qualidades do pai. É este pai interno, com seus valores e julgamento moral, que forma parte do superego ou consciência da criança.Supõe-se que ocorra um processo paralelo nas meninas, embora nem Freud, nem seus seguidores tenham sido capazes de explicar como ocorre. Supostamente, amenina vê sua mãe como uma rival sexual nas atenções de seu pai, mas o medo que ela sente de sua mãe é menor. Como resultado, considerando que a ansiedade da menina é mais fraca, sua identificação também é supostamente mais fraca. A resolução bem sucedida da crise edipiana, com a identificação com o pai adequado, é crítica para o desenvolvimento saudável. Qualquer condição familiar que tenda a alterar o processo de identificação pode criar problemas reais..
  • 11. • Estágio da Latência: 6 a 12 anos • • Freud considerava que depois do estágio fálico havia um tipo do período de descanso antes da ocorrência de uma nova etapa de desenvolvimento sexual. A criança tinha, presumivelmente, atingido uma resolução preliminar da crise edipiana e depois havia um tipo de calmaria após a tempestade. A criança também começa a escolarização durante este período e as novas atividades absorvem suas energias quase que totalmente. Durante esses anos, a interação com outras crianças é quase exclusivamente com membros do mesmo sexo. A identificação co o pai do mesmo sexo, que se dá ao fim do estágio fálico, é seguida por um longo período durante o qual a identificação e interação estende-se aos outros indivíduos do mesmo sexual. Na perspectiva de Freud, o único desenvolvimento significativo deste período é o surgimento de novos mecanismos de defesa.
  • 12. • Estágio Genital: 12 a 18 anos • • As mudanças hormonais e nos órgãos genitais que ocorrem durante a puberdade redespertam a energia sexual, e durante esse período surge uma forma mais madura de ligação sexual. Desde o início deste período, os objetos sexuais do individuo são pessoas do sexo oposto. Freud coloca certa ênfase no fato de que nem todos atravessam esse período até atingir um ponto de amor heterossexual maduro. Algumas pessoas que não foram bem sucedidas na resolução da crise edipiana podem ter identificações confusas que afetam sua habilidade de enfrentar o reaparecimento das energias sexuais durante a adolescência. Outras não tiveram um estágio oral satisfatório e assim não tem os alicerces de um relacionamento amoroso. Tudo isso interferirá na completa resolução dos conflitos da puberdade.
  • 13. Parafilias ou perversões sexuais ou transtornos de preferência sexual
  • 14. Parafilia: Para = desvio; filia = atração  • É um transtorno sexual caracterizado por fantasias, desejos e/ou práticas sexuais intensas e recorrentes, envolvendo situações sexuais diferentes da realizada com um ser humano, adulto e vivo, com finalidade de prazer e/ou procriação.  • É o mesmo que transtorno de preferência. Antes chamada perversão sexual.  • São exemplos: a necrofilia, a pedofilia, o voyeurismo, o exibicionismo e o sadomasoquismo.  • A psicopatia sexual tem lugar quando a atividade sexual convencional ou desviada se dá através de um comportamento psicopático.  • Esta atitude psicopática deve ser suspeitada quando, por exemplo, há transgressão, através de uma conduta anti-social, voluntária, consciente e erotizada, realizada como busca exclusiva de prazer sexual.
  • 15. • Também deve ser suspeitada de psicopatia sexual quando há Maldade na atitude perpetrada, isto é, quando o contraventor é indiferente à idéia do mal que comete, não tem crítica de seu desvio e nem do fato deste desvio produzir dano a outros. O sexopata goza com o mal e experimenta prazer com o sofrimento dos demais. Essa compulsão da Parafilia severa pode vir a ocasionar atos delinqüências, com severas repercussões jurídicas. É o caso, por exemplo, da pessoa exibicionista, a qual mostrará os genitais a pessoas publicamente, do necrófilo que violará cadáveres, do pedófilo que espiará, tocará ou abusará de crianças, do sádico que produzirá dores e ferimentos deliberadamente, e assim por diante.
  • 16. Quais estruturas do cérebro envolvidas com o comportamento e conduta sexual? Sistema Límbico mais precisamente no HIPOTALAMO É o principal centro da expressão emocional e do comportamento sexual Pode-se identificar o portador dessa doença através: • de seu comportamento que pode sofrer mudanças repentinas (ter atitudes agressivas e impulsivas), • sangramentos nasais, • fortes dores de cabeça, • corpo mais quente do que o normal, • suor descontrolado mesmo nas extremidades.
  • 17. Podem existir como sintoma numa perturbação psíquica, como intervenção de fatores orgânicos glandulares e simplesmente como questão da preferência sexual.
  • 18. • Erotismo. Manifesta-se pela tendência abusiva dos atos sexuais. Satirismo nos homens e ninfomania nas mulheres. • Frotteurismo. É um desvio da sexualidade em que os indivíduos se aproveitam de aglomerações em transportes públicos ou em outros locais de aglomeração com o objetivo de ―esfregar ou encostar seus órgãos genitais, principalmente em mulheres, sem que a outra pessoa ou identifique suas intenções. • Exibicionismo. São indivíduos levados pela obsessão impulsiva de mostrar seus órgãos genitais, sem convite para a cópula, apenas por um estranho prazer incontrolável. • Mixoxcopia. É um transtorno da preferência sexual que se caracteriza pelo prazer erótico despertado em certos indivíduos em presenciar o coito de terceiros. Na França são chamados de Voyeurs. • Fetichismo. Trata-se de uma absorção completa de amor por uma determinada parte do corpo ou por objetos pertencentes à pessoa amada. • Lubricidade senil. Manifestação sexual exagerada, em determinadas idades, sendo sempre sinal de perturbações patológicas, como demência senil ou paralisia geral progressiva. Costuma surgir em pessoas cuja longa existência foi honesta e correta.
  • 19. • Gerontofilia. Também chamada crono-inversão. Consiste na atração de indivíduos jovens por pessoas de excessiva idade. • Riparofilia. Manifesta-se pela atração de certos indivíduos por pessoas desasseadas, sujas, de baixa condição social e higiênica. Mais comum no homem. • Dolismo. Termo vem de ―doll‖ (boneca). É a atração que o indivíduo tem por bonecas e manequins, olhando ou exibindo- as, chegando a ter relações com ela. • Donjuanismo. Personalidade que se manifesta compulsivamente às conquista amorosas, sempre de maneira ruidosa e exibicionista. • Urolagnia. Consiste na excitação de ver alguém no ato da micção ou apenas em ouvir o ruído da urina ou ainda urinando sobre a parceira ou esta sobre o parceiro. • Coprofilia. É a perversão em que o ato sexual se prende ao ato da defecação ou ao contato das próprias fezes. Observar o ato de defecar causa excitação à estas pessoas.
  • 20. • Coprolalia. Consiste na necessidade de alguns indivíduos em proferir ou ouvir de alguém palavras obscenas a fim de excitá-los. Podem ser ditas antes ou depois do coito no intuito de alcançarem o orgasmo. • Necrofilia. Manifesta-se pela obsessão e impulso de praticar atos sexuais com cadáveres. • Sadismo. Desejo e dos com o sofrimento da pessoa amada, exercido pela crueldade do pervertido, podendo chegar à morte. • Masoquismo. È a busca de prazer sexual pelo sofrimento físico ou moral. Também chamado de algolagnia passiva. • Pedofilia. Perversão sexual que se manifesta pela predileção erótica por crianças, indo desde os atos obscenos até a prática de atos libidinosos, denotando comprometimento psíquico.