SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
A Criança e O Brincar :
O Desenvolvimento Infantil
segundo Donald W. Winnicott
Seminário de Desenvolvimento Humano I
Psicologia UNIME
Novembro 2013
Equipe
Heric
Luara
Maylu
Monaelle
Nilma
Donald Woods Winnicott
 Plymouth, Inglaterra (1896 – 1971)
 Nascido em uma família rica e

aparentemente feliz
 Pediatra (40 anos de prática) e Psicanalista

inglês
 Discípulo de Melanie Klein
O Brincar e o Desenvolvimento
Os conceitos de criança e de infância já foram

diferentes do que conhecemos hoje. Por muito
tempo acreditava-se que a criança era apenas um
“adulto em miniatura”, daí a necessidade de
trabalhar para ajudar a família desde cedo.
O Brincar para Winnicott
Winnicott trabalhava com crianças separadas de

suas famílias em conseqüência da Segunda Guerra
Mundial. Ele constatou a importância do brincar e
dos primeiros anos de vida na construção da
identidade pessoal.
O Brincar para Winnicott
Winnicott redimensionou o conceito da

brincadeira, situando o brincar do analista e o valor
que essa atividade possui em si, instituída como
uma atividade infantil, e que também faz parte do
mundo adulto.
O Brincar para Winnicott
Para ele os analistas infantis por se ocuparem tanto

dos possíveis significados do brincar não possuíam
um claro enunciado descritivo sobre o brincar.
Para ele “Brincar é algo além de imaginar e desejar,
brincar é o fazer.
O Brincar para Winnicott
Para a criança, o brincar é a sua linguagem

(expressa suas alegrias, frustrações, habilidades e
dificuldades). É a maneira encontrada para se
expressar no mundo e comunicar a sua realidade
interior.
O Brincar para Winnicott
Winnicott aproximou a sessão de psicanálise à noção do brincar.

Para ele, a sessão se dá mediante a sobreposição de duas áreas do
brincar — a do paciente e a do analista.
O Brincar para Winnicott
O Brincar para Winnicott
Se o paciente não pode brincar, o trabalho do analista

é ajudá-lo a sair desta impossibilidade para a situação
do que brinca.
Se o analista ele mesmo não pode brincar, neste caso
simplesmente não serve para o ofício 
O Brincar para Winnicott
Winnicott considera a criança em processo contínuo

de constitui-se sujeito em um corpo que se
desenvolve, amadurece e cresce em inter-relação
permanente com o ambiente, em sua teoria versa que
pelo brincar a criança se apropria de experiências com
e através de um espaço situado entre o real e a
fantasia.
“A criança joga (brinca)
para expressar agressão,
adquirir experiência,
controlar ansiedades,
estabelecer contatos sociais
como integração da
personalidade e por
prazer”.
(Winnicott)
O Brincar para Winnicott
Ao brincar é necessário para a criança focar sua

atenção na brincadeira e desenvolver a sua
criatividade, curiosidade, autoconfiança,
motivação, empatia, cooperação.
Aprende a lidar com as frustrações, as regras,
ganhar e perder nos jogos e outros conhecimentos
e habilidades em relação ao seu comportamento
necessários para o cotidiano.
O Brincar para Winnicott
O espaço que o brincar winnicottiano ocupa fica na

fronteira da subjetividade, e é chamado de espaço
potencial.
O brincar facilita a comunicação, tanto consigo

como com os outros.
O Brincar para Winnicott
Quando a criança brinca ela está dando sinais de

sua vivacidade, está se socializando com outras
crianças e ao mesmo tempo consigo (eu). Ao
mesmo tempo que brinca a criança cria relações.
O Brincar para Winnicott
Para o psicanalista, enquanto brinca a criança

revela relatos íntimos que são falas reveladoras para
a realização do trabalho terapêutico.
O Brincar para Winnicott
O brincar como o concebe

Winnicott não se limita às crianças
apenas, mas se estende aos adultos
também.
O Brincar para Winnicott
“É no brincar, e talvez apenas no

brincar, que a criança ou o adulto
fruem sua liberdade de criação.”
(Winnicott).
O Brincar para Winnicott
A mãe “brinca” com seu bebê

mesmo antes do seu nascimento,
pois ela fica
imaginando/idealizando como
será ser mãe e associa as
lembranças de sua infância,
quando brincava com sua
boneca.
O Brincar para Winnicott
Após o nascimento do bebê já há uma

relação criada da mãe para com o bebê e do
bebê para com a mãe, pois esse já
reconhece sua voz que ouvia desde o útero.
No início, essa relação acontece como se o
bebê fosse o brinquedo (a boneca) de sua
mãe, a partir dessa interação a criança vai
aprendendo a linguagem do brincar e se
apropriando dela.
“… a brincadeira que é
universal e que é própria
da saúde: o brincar
facilita o crescimento e,
portanto, a saúde…”
(Winnicott)
Obrigado!
Referências
 Educar para crescer - http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/donald-

winnicott-427693.shtml
 O Brincar e a experiência analítica - http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151614982003000100003&script=sci_arttext
 O Brincar em Winnicott http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/33505/o-brincar-em-winnicott
 O Brincar segundo Winnicott e Aucouturier http://www.avm.edu.br/monopdf/7/PAULINA%20DE%20ALMEIDA%20MARTINS
%20MICELI.pdf
 Pediatria Brasil - http://www.pediatriabrasil.com.br/2013/09/importancia-brincarcrianca-desenvolvimento-infantil.html
 Wikipedia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Donald_Woods_Winnicott

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemDébora Silveira
 
Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilPessoal
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - PiagetElisms88
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...Karina Reimberg
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoThiago de Almeida
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de FreudLucas Vinícius
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalThiago de Almeida
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemMarcelo Assis
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educaçãounieubra
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetAnaí Peña
 
A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincarJakeline Lemos
 
A teoria de ensino-aprendizagem de Vygotsky
A teoria de ensino-aprendizagem de VygotskyA teoria de ensino-aprendizagem de Vygotsky
A teoria de ensino-aprendizagem de VygotskyJoel Neto Pereira
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARCassia Dias
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Paula Santos
 

Mais procurados (20)

Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolar
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantil
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacional
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
Resumo piaget vygotsky e wallon
Resumo piaget vygotsky e wallonResumo piaget vygotsky e wallon
Resumo piaget vygotsky e wallon
 
A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincar
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 
A teoria de ensino-aprendizagem de Vygotsky
A teoria de ensino-aprendizagem de VygotskyA teoria de ensino-aprendizagem de Vygotsky
A teoria de ensino-aprendizagem de Vygotsky
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)Desenvolvimento infantil (1)
Desenvolvimento infantil (1)
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
 

Destaque (15)

caso clínico
caso clínicocaso clínico
caso clínico
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Espaços não formais de educação
Espaços não formais de educaçãoEspaços não formais de educação
Espaços não formais de educação
 
O papel do Pedagogo
O papel do PedagogoO papel do Pedagogo
O papel do Pedagogo
 
O poder do pensamento positivo
O poder do pensamento positivoO poder do pensamento positivo
O poder do pensamento positivo
 
Quando surgiu a educação não formal
Quando surgiu a educação não formalQuando surgiu a educação não formal
Quando surgiu a educação não formal
 
O Poder Magnético das Palavras
O Poder Magnético das PalavrasO Poder Magnético das Palavras
O Poder Magnético das Palavras
 
O papel do pedagogo na escola
O papel do pedagogo na escolaO papel do pedagogo na escola
O papel do pedagogo na escola
 
Mente quantica
Mente quanticaMente quantica
Mente quantica
 
Pedagogia, O QUE É SER PEDAGOGO
Pedagogia, O QUE É SER PEDAGOGOPedagogia, O QUE É SER PEDAGOGO
Pedagogia, O QUE É SER PEDAGOGO
 
O poder da mente humana
O poder da mente humanaO poder da mente humana
O poder da mente humana
 
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolaresA atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
 
Fisica quantica e espiritualidade pdf
Fisica quantica e espiritualidade pdfFisica quantica e espiritualidade pdf
Fisica quantica e espiritualidade pdf
 
Desenvolvimento Infantil
Desenvolvimento InfantilDesenvolvimento Infantil
Desenvolvimento Infantil
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 

Semelhante a O Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott

O Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.ppt
O Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.pptO Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.ppt
O Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.pptAlineBenedito2
 
Dh1winnicott 131205140258-phpapp02
Dh1winnicott 131205140258-phpapp02Dh1winnicott 131205140258-phpapp02
Dh1winnicott 131205140258-phpapp02Rosa Bastos
 
O BRINCAR PARA WINNICOTT 2015 aula 2.pptx
O BRINCAR PARA WINNICOTT  2015 aula 2.pptxO BRINCAR PARA WINNICOTT  2015 aula 2.pptx
O BRINCAR PARA WINNICOTT 2015 aula 2.pptxLeilyaneMasson1
 
Palestra winnicott uemg
Palestra winnicott uemgPalestra winnicott uemg
Palestra winnicott uemgFernanda Nocam
 
Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4
Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4
Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4Thaise Sonária
 
Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa - curso de psicologia...
Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa -  curso de psicologia...Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa -  curso de psicologia...
Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa - curso de psicologia...Claudinéia Barbosa
 
Ciranda da educacao infantil
Ciranda da educacao infantil Ciranda da educacao infantil
Ciranda da educacao infantil Escola Jovem
 
Brincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantilBrincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantilLuciana Silva
 
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCARO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCARBrinquedoteca Joana D'Arc
 
Beatriz dornelas a criatividade na educação infantil apresentação aut slides
Beatriz dornelas   a criatividade na educação infantil apresentação aut slidesBeatriz dornelas   a criatividade na educação infantil apresentação aut slides
Beatriz dornelas a criatividade na educação infantil apresentação aut slidesBeatriz Dornelas
 
Projeto de pesquisa brinquedista
Projeto de pesquisa brinquedistaProjeto de pesquisa brinquedista
Projeto de pesquisa brinquedistaGladis Maia
 
Trabalho de graduação 2017-1
Trabalho de graduação  2017-1Trabalho de graduação  2017-1
Trabalho de graduação 2017-1Rose Zanonato
 
O brincar na educação infantil
O brincar na educação infantilO brincar na educação infantil
O brincar na educação infantilRenata Santana Cruz
 
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantilA importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantilElaine Costa
 
xO Espaço Potencial - Winnicott.pdf
xO Espaço Potencial - Winnicott.pdfxO Espaço Potencial - Winnicott.pdf
xO Espaço Potencial - Winnicott.pdfssuser6da5c9
 

Semelhante a O Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott (20)

O Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.ppt
O Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.pptO Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.ppt
O Brincar e O Desenvolvimento Infantil para Winnicott.ppt
 
Dh1winnicott 131205140258-phpapp02
Dh1winnicott 131205140258-phpapp02Dh1winnicott 131205140258-phpapp02
Dh1winnicott 131205140258-phpapp02
 
O BRINCAR PARA WINNICOTT 2015 aula 2.pptx
O BRINCAR PARA WINNICOTT  2015 aula 2.pptxO BRINCAR PARA WINNICOTT  2015 aula 2.pptx
O BRINCAR PARA WINNICOTT 2015 aula 2.pptx
 
Palestra winnicott uemg
Palestra winnicott uemgPalestra winnicott uemg
Palestra winnicott uemg
 
Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4
Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4
Ludicidade psicomotricidade-e-o-imaginário-infantil-4
 
Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa - curso de psicologia...
Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa -  curso de psicologia...Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa -  curso de psicologia...
Brincadeira é coisa séria. Claudinéia da Silva Barbosa - curso de psicologia...
 
Manual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicasManual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicas
 
Ciranda da educacao infantil
Ciranda da educacao infantil Ciranda da educacao infantil
Ciranda da educacao infantil
 
Brincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantilBrincadeira e ludico na ed infantil
Brincadeira e ludico na ed infantil
 
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCARO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: JOGAR, BRINCAR, UMA FORMA DE EDUCAR
 
Winnicott
WinnicottWinnicott
Winnicott
 
Brincar
BrincarBrincar
Brincar
 
2633
26332633
2633
 
A importância do brincar
A importância do brincarA importância do brincar
A importância do brincar
 
Beatriz dornelas a criatividade na educação infantil apresentação aut slides
Beatriz dornelas   a criatividade na educação infantil apresentação aut slidesBeatriz dornelas   a criatividade na educação infantil apresentação aut slides
Beatriz dornelas a criatividade na educação infantil apresentação aut slides
 
Projeto de pesquisa brinquedista
Projeto de pesquisa brinquedistaProjeto de pesquisa brinquedista
Projeto de pesquisa brinquedista
 
Trabalho de graduação 2017-1
Trabalho de graduação  2017-1Trabalho de graduação  2017-1
Trabalho de graduação 2017-1
 
O brincar na educação infantil
O brincar na educação infantilO brincar na educação infantil
O brincar na educação infantil
 
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantilA importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
A importância dos jogos e brincadeiras na educação infantil
 
xO Espaço Potencial - Winnicott.pdf
xO Espaço Potencial - Winnicott.pdfxO Espaço Potencial - Winnicott.pdf
xO Espaço Potencial - Winnicott.pdf
 

Mais de Maylu Souza

Atuação do Psicólogo em Unidade Neonatal
Atuação do Psicólogo em Unidade NeonatalAtuação do Psicólogo em Unidade Neonatal
Atuação do Psicólogo em Unidade NeonatalMaylu Souza
 
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)Maylu Souza
 
O mito do amor materno - Badinter
O mito do amor materno - BadinterO mito do amor materno - Badinter
O mito do amor materno - BadinterMaylu Souza
 
Manual de Psicologia Hospitalar
Manual de Psicologia HospitalarManual de Psicologia Hospitalar
Manual de Psicologia HospitalarMaylu Souza
 
Seminário de-psicopatologia-2
Seminário de-psicopatologia-2Seminário de-psicopatologia-2
Seminário de-psicopatologia-2Maylu Souza
 
Psicossomática na Infância
Psicossomática na InfânciaPsicossomática na Infância
Psicossomática na InfânciaMaylu Souza
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidadeMaylu Souza
 

Mais de Maylu Souza (7)

Atuação do Psicólogo em Unidade Neonatal
Atuação do Psicólogo em Unidade NeonatalAtuação do Psicólogo em Unidade Neonatal
Atuação do Psicólogo em Unidade Neonatal
 
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
 
O mito do amor materno - Badinter
O mito do amor materno - BadinterO mito do amor materno - Badinter
O mito do amor materno - Badinter
 
Manual de Psicologia Hospitalar
Manual de Psicologia HospitalarManual de Psicologia Hospitalar
Manual de Psicologia Hospitalar
 
Seminário de-psicopatologia-2
Seminário de-psicopatologia-2Seminário de-psicopatologia-2
Seminário de-psicopatologia-2
 
Psicossomática na Infância
Psicossomática na InfânciaPsicossomática na Infância
Psicossomática na Infância
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidade
 

Último

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 

O Brincar e o desenvolvimento infantil para Winnicott

  • 1. A Criança e O Brincar : O Desenvolvimento Infantil segundo Donald W. Winnicott Seminário de Desenvolvimento Humano I Psicologia UNIME Novembro 2013
  • 3. Donald Woods Winnicott  Plymouth, Inglaterra (1896 – 1971)  Nascido em uma família rica e aparentemente feliz  Pediatra (40 anos de prática) e Psicanalista inglês  Discípulo de Melanie Klein
  • 4.
  • 5. O Brincar e o Desenvolvimento Os conceitos de criança e de infância já foram diferentes do que conhecemos hoje. Por muito tempo acreditava-se que a criança era apenas um “adulto em miniatura”, daí a necessidade de trabalhar para ajudar a família desde cedo.
  • 6. O Brincar para Winnicott Winnicott trabalhava com crianças separadas de suas famílias em conseqüência da Segunda Guerra Mundial. Ele constatou a importância do brincar e dos primeiros anos de vida na construção da identidade pessoal.
  • 7. O Brincar para Winnicott Winnicott redimensionou o conceito da brincadeira, situando o brincar do analista e o valor que essa atividade possui em si, instituída como uma atividade infantil, e que também faz parte do mundo adulto.
  • 8. O Brincar para Winnicott Para ele os analistas infantis por se ocuparem tanto dos possíveis significados do brincar não possuíam um claro enunciado descritivo sobre o brincar. Para ele “Brincar é algo além de imaginar e desejar, brincar é o fazer.
  • 9. O Brincar para Winnicott Para a criança, o brincar é a sua linguagem (expressa suas alegrias, frustrações, habilidades e dificuldades). É a maneira encontrada para se expressar no mundo e comunicar a sua realidade interior.
  • 10. O Brincar para Winnicott Winnicott aproximou a sessão de psicanálise à noção do brincar. Para ele, a sessão se dá mediante a sobreposição de duas áreas do brincar — a do paciente e a do analista.
  • 11. O Brincar para Winnicott
  • 12. O Brincar para Winnicott Se o paciente não pode brincar, o trabalho do analista é ajudá-lo a sair desta impossibilidade para a situação do que brinca. Se o analista ele mesmo não pode brincar, neste caso simplesmente não serve para o ofício 
  • 13. O Brincar para Winnicott Winnicott considera a criança em processo contínuo de constitui-se sujeito em um corpo que se desenvolve, amadurece e cresce em inter-relação permanente com o ambiente, em sua teoria versa que pelo brincar a criança se apropria de experiências com e através de um espaço situado entre o real e a fantasia.
  • 14. “A criança joga (brinca) para expressar agressão, adquirir experiência, controlar ansiedades, estabelecer contatos sociais como integração da personalidade e por prazer”. (Winnicott)
  • 15. O Brincar para Winnicott Ao brincar é necessário para a criança focar sua atenção na brincadeira e desenvolver a sua criatividade, curiosidade, autoconfiança, motivação, empatia, cooperação. Aprende a lidar com as frustrações, as regras, ganhar e perder nos jogos e outros conhecimentos e habilidades em relação ao seu comportamento necessários para o cotidiano.
  • 16. O Brincar para Winnicott O espaço que o brincar winnicottiano ocupa fica na fronteira da subjetividade, e é chamado de espaço potencial. O brincar facilita a comunicação, tanto consigo como com os outros.
  • 17. O Brincar para Winnicott Quando a criança brinca ela está dando sinais de sua vivacidade, está se socializando com outras crianças e ao mesmo tempo consigo (eu). Ao mesmo tempo que brinca a criança cria relações.
  • 18. O Brincar para Winnicott Para o psicanalista, enquanto brinca a criança revela relatos íntimos que são falas reveladoras para a realização do trabalho terapêutico.
  • 19. O Brincar para Winnicott O brincar como o concebe Winnicott não se limita às crianças apenas, mas se estende aos adultos também.
  • 20. O Brincar para Winnicott “É no brincar, e talvez apenas no brincar, que a criança ou o adulto fruem sua liberdade de criação.” (Winnicott).
  • 21. O Brincar para Winnicott A mãe “brinca” com seu bebê mesmo antes do seu nascimento, pois ela fica imaginando/idealizando como será ser mãe e associa as lembranças de sua infância, quando brincava com sua boneca.
  • 22. O Brincar para Winnicott Após o nascimento do bebê já há uma relação criada da mãe para com o bebê e do bebê para com a mãe, pois esse já reconhece sua voz que ouvia desde o útero. No início, essa relação acontece como se o bebê fosse o brinquedo (a boneca) de sua mãe, a partir dessa interação a criança vai aprendendo a linguagem do brincar e se apropriando dela.
  • 23. “… a brincadeira que é universal e que é própria da saúde: o brincar facilita o crescimento e, portanto, a saúde…” (Winnicott)
  • 25. Referências  Educar para crescer - http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/donald- winnicott-427693.shtml  O Brincar e a experiência analítica - http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151614982003000100003&script=sci_arttext  O Brincar em Winnicott http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/33505/o-brincar-em-winnicott  O Brincar segundo Winnicott e Aucouturier http://www.avm.edu.br/monopdf/7/PAULINA%20DE%20ALMEIDA%20MARTINS %20MICELI.pdf  Pediatria Brasil - http://www.pediatriabrasil.com.br/2013/09/importancia-brincarcrianca-desenvolvimento-infantil.html  Wikipedia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Donald_Woods_Winnicott