SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
OS MECANISMOS DE DEFESA
MECANISMOS DE DEFESA 
O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. 
Para isso, utiliza-se dos chamados mecanismos de 
defesa. Todos estes mecanismos podem ser 
encontrados em indivíduos saudáveis, e sua 
presença excessiva é, via de regra, indicação de 
possíveis sintomas neuróticos ou, em alguns casos 
extremos, sintomas psicóticos. Portanto, 
mecanismos de defesa são ações psicológicas que 
têm por finalidade, reduzir qualquer manifestação 
que pode colocar em perigo a integridade do Ego.
RACIONALIZAÇÃO 
É o processo de achar motivos lógicos e racionais 
aceitáveis para pensamentos e ações inaceitáveis. É o 
processo através do qual uma pessoa apresenta uma 
explicação que é logicamente consistente ou eticamente 
aceitável para uma atitude, ação, idéia ou sentimento 
que causa angústia. Usa-se a Racionalização para 
justificar comportamentos quando, na realidade, as 
razões para esses atos não são recomendáveis.
Características da Puberdade
• Exemplo: Um aluno que, não ta 
conseguindo responder a uma questão, diz 
“isso não é interessante de saber mesmo” 
ou “não respondi porque não tive tempo de 
estudar, pois lá em casa fazem muito 
barulho.
REPRESSÃO 
• Sua essência consiste em afastar uma determinada 
coisa seja ela um evento, idéia ou percepção do 
consciente, mantendo-a à distância, no inconsciente, 
por ser algo potencialmente provocador de ansiedade. 
Estando no inconsciente não traz ameaças. Porém, o 
material reprimido continua fazendo parte da psique, 
apesar de inconsciente e continua causando problemas 
(sintomas). 
Segundo Freud, os sintomas histéricos com frequência 
têm sua origem em alguma antiga repressão. Algumas 
doenças psicossomáticas, tais como asma, artrite, 
impotência, frigidez. úlcera, etc, também poderiam estar 
relacionadas com esse mecanismo de defesa.
Exemplo: Quando a pessoa não se dá conta que está 
com raiva, mesmo que seja evidente pela fisionomia.
PROJEÇÃO 
• O ato de atribuir a uma outra pessoa, animal ou objeto as qualidades, 
sentimentos ou intenções que a pessoa recusa em reconhecer em si 
próprio, como sendo seu e portanto, atribui (projeta) ao outro. É um 
mecanismo de defesa através do qual os aspectos da personalidade de 
um indivíduo são deslocados de dentro deste para o meio externo. Além 
que afirma textualmente que “todos nós somos algo desonestos” esta, 
na realidade, tentando projetar nos demais suas próprias 
características. Ou então, dizer que “todos os homens e mulheres 
querem apenas sexo”, pode refletir sua própria projeção. 
Sempre que caracterizamos algo de fora de nós como sendo mau, 
perigoso, pervertido, imoral e assim por diante, sem reconhecermos que 
essas características podem também ser verdadeiras para nós, è 
provável que estejamos projetando. 
Pesquisas relativas à dinâmica do preconceito mostraram que as 
pessoas que tendem a estereotipar outras também revelam pouca 
percepção de seus próprios sentimentos. As pessoas que negam ter um 
determinado traço específico de personalidade são sempre mais críticas 
em relação a este traço quando o vêem nos outros.
Exemplo: O marido infiel, mostra 
suspeita da fidelidade de sua esposa.
IDENTIFICAÇÃO 
• Identificação é a capacidade de ocupar lugares e posições 
psíquicas diferentes. Primeiro há uma identificação para 
depois se formar uma identidade, que seria encontrar 
um eu, livre de ligação com qualquer objeto. O sujeito 
assimila um aspecto, uma propriedade, um atributo do 
outro e se transforma, total ou parcialmente, segundo o 
modelo desse outro. Em outras palavras, o indivíduo se 
identificado com o outro (pessoa ou objeto), cria 
internamente uma imagem ou fantasia e projeta isso 
para fora de si identificando-se com essa fantasia, 
construindo uma outra realidade psíquica. 
Conceito desenvolvido por Melanie Klein como parte de 
um fenômeno próprio aquilo que ela denominou de 
posição esquizoparanóide (SEGAL, 1975).
Exemplo: quando um filho cresce e age da 
mesma maneira opressiva que os pais.
INTROJEÇÃO 
• Significa incorporar para dentro de nós mesmos 
normas, atitudes, modos de agir e pensar que 
são dos outros e não verdadeiramente nossos. É 
o oposto da projeção.
Exemplo: quando está diante de uma pessoa 
importante e ela própria se atribui importância e 
brilhantismo pessoal sem o ser (comum nos puxa-sacos)
DESLOCAMENTO 
• É o mecanismo psicológico de defesa onde a pessoa 
substitui a finalidade inicial de uma pulsão por outra 
diferente e socialmente mais aceita. Durante uma 
discussão, por exemplo, a pessoa tem um forte impulso 
em socar o outro, entretanto, acaba deslocando tal 
impulso para um copo, o qual atira ao chão.
Exemplo: quando a mulher tem uma 
experiência ruim com um homem e diz que 
todos os homens não prestam.
NEGAÇÃO 
• É a tentativa de não aceitar na consciência 
algum fato que perturba o Ego. Os adultos têm a 
tendência de fantasiar que certos 
acontecimentos não são, de fato, do jeito que 
são, ou que na verdade nunca aconteceram.
Exemplo de Negação: Uma viúva coloca a 
mesa o lugar de seu marido, e se põe a 
conversar com ele.
CONVERSÃO 
• Numa linguagem simples seria a transformação 
de uma coisa em outra. 
No caso de psique X corpo, significa a 
manifestação orgânica de um sintoma neurótico.
Exemplo: Dores de cabeça, passa-se o 
problema da mente para o corpo.
ISOLAMENTO 
• Distanciamento de uma pessoa ou objeto que 
causa desconforto por algum motivo ou isolar 
um comportamento ou pensamento 
interrompendo qualquer ligação.
Exemplo de isolamento: Um ladrão que rouba e não 
experimenta os sentimentos de culpa que estão 
ligados a esse ato. Outro exemplo seria um filho 
que, após a morte de sua mãe, fala com uma 
frequente e enorme naturalidade sobre a morte dela.
INIBIÇÃO 
• Significa impedir uma função ou alguma 
conduta.
ANULAÇÃO 
• Significa ter ações que contestam ou desfazem 
um dano que o indivíduo imagina que pode ser 
causado por seus desejos. Fazer o inverso do ato 
ou do pensamento precedente.
Exemplo: fazer o sinal da cruz para 
afastar um pensamento pecaminoso
FORMAÇÃO REATIVA 
• Esse mecanismo substitui comportamentos e 
sentimentos que são diametralmente opostos ao desejo 
real. Trata-se de uma inversão clara e, em geral, 
inconsciente do verdadeiro desejo. Através da Formação 
Relativa, alguns pais são incapazes de admitir um certo 
ressentimento em relação aos filhos, acabam 
interferindo exageradamente em suas vidas, sob o 
pretexto de estarem preocupados com seu bem-estar e 
segurança (superproteção), que nesse caso é uma forma 
de punição. O esposo pleno de raiva contra sua esposa 
pode manifestar sua Formação Relativa tratando-a com 
formalidade exagerada ou ser super bem tratado na casa 
da namorada pela mãe dela, mas sentir que a futura 
“sogra” detestou a visita.
Exemplo: ódio em amor e amor em ódio .
FANTASIA 
• O indivíduo concebe em sua mente uma 
situação que satisfaz uma necessidade ou 
desejo, que na vida real não pode por 
algum motivo ser satisfeito.
Exemplo: Um homossexual que precisa 
manter o casamento e que, quando procurado pela 
esposa para o sexo, ele fantasia que esta tendo 
relações homo e não hétero durante o ato.
SUBLIMAÇÃO 
• Na impossibilidade de realização de um desejo, 
encontra um substituto aceitável por meio do 
qual pode se contentar. É uma forma de 
deslocamento e um recalque bem sucedido. A 
frustração de um relacionamento afetivo e 
sexual mal resolvido, por exemplo, é sublimado 
na paixão pela leitura ou pela arte. O chupar o 
dedo ou a chupeta para o bebê o faz se sentir 
como se estivesse mamando no seio da mãe.
Exemplo: um indivíduo com alta 
agressividade pode se tornar cirurgião, para 
o que necessita cortar tecidos sem 
hesitação; é uma forma de socializar a 
agressividade.
Bibliografia 
• www.sobreavida.com.br 
• BANOV, Márcia R. Ferramentas da psicologia 
organizacional. São Paulo: CenaUn, 2002. 
• BERGAMINI, Cecília W. Psicologia Aplicada à 
Administração de Empresa. 3. ed. São Paulo: 
Atlas, 1992. 
• VOLPI, José Henrique. Mecanismos de defesa. Artigo 
do curso de especialização em Psicologia corporal. 
Curitiba: Centro Reichiano,2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDDandara Cunha
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseBruno Carrasco
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoAlexandre Simoes
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de FreudLucas Vinícius
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconscientenorberto faria
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a PsicanálisePaulo Gomes
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologiaArtur Mamed
 
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISEAula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISELudmila Moura
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISERafael Almeida
 

Mais procurados (20)

A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
 
O Inconciente
O InconcienteO Inconciente
O Inconciente
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
 
Psicanalise
PsicanalisePsicanalise
Psicanalise
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
 
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISEAula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
 
8 fundamentos da psicanálise
8 fundamentos da psicanálise8 fundamentos da psicanálise
8 fundamentos da psicanálise
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
 

Semelhante a Os principais mecanismos de defesa da psique

Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Personalidade na organização
Personalidade na organizaçãoPersonalidade na organização
Personalidade na organizaçãoLiliane Ennes
 
A Psicologia Analitica de Jung parte 2
A Psicologia Analitica de Jung  parte 2A Psicologia Analitica de Jung  parte 2
A Psicologia Analitica de Jung parte 2Prof. Paulo Ratki
 
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresaAnálise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresaPalestras & Consultoria
 
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfEbook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfpaolacarvalho25
 
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todosNatália Martins
 
Saúde emocional da mulher
Saúde emocional da mulherSaúde emocional da mulher
Saúde emocional da mulherPra Paula Barros
 
Auto iluminação
Auto iluminação Auto iluminação
Auto iluminação Cinara Aline
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasMichele Pó
 
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflitoAs distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflitoMarcelo Costa
 
Psicanálise cópia
 Psicanálise   cópia Psicanálise   cópia
Psicanálise cópiaamajordao
 

Semelhante a Os principais mecanismos de defesa da psique (20)

Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
 
Personalidade na organização
Personalidade na organizaçãoPersonalidade na organização
Personalidade na organização
 
A Psicologia Analitica de Jung parte 2
A Psicologia Analitica de Jung  parte 2A Psicologia Analitica de Jung  parte 2
A Psicologia Analitica de Jung parte 2
 
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresaAnálise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfEbook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
Arquétipos
ArquétiposArquétipos
Arquétipos
 
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
 
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO . PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
 
Assertividade pdf
Assertividade pdfAssertividade pdf
Assertividade pdf
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Saúde emocional da mulher
Saúde emocional da mulherSaúde emocional da mulher
Saúde emocional da mulher
 
Auto iluminação
Auto iluminação Auto iluminação
Auto iluminação
 
Autoconsciência
AutoconsciênciaAutoconsciência
Autoconsciência
 
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃOO FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas Escolas
 
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflitoAs distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
As distorções cognitivas pensamentos e atitudes que levam ao conflito
 
Psicanálise cópia
 Psicanálise   cópia Psicanálise   cópia
Psicanálise cópia
 

Último

6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 

Os principais mecanismos de defesa da psique

  • 2. MECANISMOS DE DEFESA O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utiliza-se dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos saudáveis, e sua presença excessiva é, via de regra, indicação de possíveis sintomas neuróticos ou, em alguns casos extremos, sintomas psicóticos. Portanto, mecanismos de defesa são ações psicológicas que têm por finalidade, reduzir qualquer manifestação que pode colocar em perigo a integridade do Ego.
  • 3.
  • 4. RACIONALIZAÇÃO É o processo de achar motivos lógicos e racionais aceitáveis para pensamentos e ações inaceitáveis. É o processo através do qual uma pessoa apresenta uma explicação que é logicamente consistente ou eticamente aceitável para uma atitude, ação, idéia ou sentimento que causa angústia. Usa-se a Racionalização para justificar comportamentos quando, na realidade, as razões para esses atos não são recomendáveis.
  • 6. • Exemplo: Um aluno que, não ta conseguindo responder a uma questão, diz “isso não é interessante de saber mesmo” ou “não respondi porque não tive tempo de estudar, pois lá em casa fazem muito barulho.
  • 7. REPRESSÃO • Sua essência consiste em afastar uma determinada coisa seja ela um evento, idéia ou percepção do consciente, mantendo-a à distância, no inconsciente, por ser algo potencialmente provocador de ansiedade. Estando no inconsciente não traz ameaças. Porém, o material reprimido continua fazendo parte da psique, apesar de inconsciente e continua causando problemas (sintomas). Segundo Freud, os sintomas histéricos com frequência têm sua origem em alguma antiga repressão. Algumas doenças psicossomáticas, tais como asma, artrite, impotência, frigidez. úlcera, etc, também poderiam estar relacionadas com esse mecanismo de defesa.
  • 8. Exemplo: Quando a pessoa não se dá conta que está com raiva, mesmo que seja evidente pela fisionomia.
  • 9. PROJEÇÃO • O ato de atribuir a uma outra pessoa, animal ou objeto as qualidades, sentimentos ou intenções que a pessoa recusa em reconhecer em si próprio, como sendo seu e portanto, atribui (projeta) ao outro. É um mecanismo de defesa através do qual os aspectos da personalidade de um indivíduo são deslocados de dentro deste para o meio externo. Além que afirma textualmente que “todos nós somos algo desonestos” esta, na realidade, tentando projetar nos demais suas próprias características. Ou então, dizer que “todos os homens e mulheres querem apenas sexo”, pode refletir sua própria projeção. Sempre que caracterizamos algo de fora de nós como sendo mau, perigoso, pervertido, imoral e assim por diante, sem reconhecermos que essas características podem também ser verdadeiras para nós, è provável que estejamos projetando. Pesquisas relativas à dinâmica do preconceito mostraram que as pessoas que tendem a estereotipar outras também revelam pouca percepção de seus próprios sentimentos. As pessoas que negam ter um determinado traço específico de personalidade são sempre mais críticas em relação a este traço quando o vêem nos outros.
  • 10. Exemplo: O marido infiel, mostra suspeita da fidelidade de sua esposa.
  • 11. IDENTIFICAÇÃO • Identificação é a capacidade de ocupar lugares e posições psíquicas diferentes. Primeiro há uma identificação para depois se formar uma identidade, que seria encontrar um eu, livre de ligação com qualquer objeto. O sujeito assimila um aspecto, uma propriedade, um atributo do outro e se transforma, total ou parcialmente, segundo o modelo desse outro. Em outras palavras, o indivíduo se identificado com o outro (pessoa ou objeto), cria internamente uma imagem ou fantasia e projeta isso para fora de si identificando-se com essa fantasia, construindo uma outra realidade psíquica. Conceito desenvolvido por Melanie Klein como parte de um fenômeno próprio aquilo que ela denominou de posição esquizoparanóide (SEGAL, 1975).
  • 12. Exemplo: quando um filho cresce e age da mesma maneira opressiva que os pais.
  • 13. INTROJEÇÃO • Significa incorporar para dentro de nós mesmos normas, atitudes, modos de agir e pensar que são dos outros e não verdadeiramente nossos. É o oposto da projeção.
  • 14. Exemplo: quando está diante de uma pessoa importante e ela própria se atribui importância e brilhantismo pessoal sem o ser (comum nos puxa-sacos)
  • 15. DESLOCAMENTO • É o mecanismo psicológico de defesa onde a pessoa substitui a finalidade inicial de uma pulsão por outra diferente e socialmente mais aceita. Durante uma discussão, por exemplo, a pessoa tem um forte impulso em socar o outro, entretanto, acaba deslocando tal impulso para um copo, o qual atira ao chão.
  • 16. Exemplo: quando a mulher tem uma experiência ruim com um homem e diz que todos os homens não prestam.
  • 17. NEGAÇÃO • É a tentativa de não aceitar na consciência algum fato que perturba o Ego. Os adultos têm a tendência de fantasiar que certos acontecimentos não são, de fato, do jeito que são, ou que na verdade nunca aconteceram.
  • 18. Exemplo de Negação: Uma viúva coloca a mesa o lugar de seu marido, e se põe a conversar com ele.
  • 19. CONVERSÃO • Numa linguagem simples seria a transformação de uma coisa em outra. No caso de psique X corpo, significa a manifestação orgânica de um sintoma neurótico.
  • 20. Exemplo: Dores de cabeça, passa-se o problema da mente para o corpo.
  • 21. ISOLAMENTO • Distanciamento de uma pessoa ou objeto que causa desconforto por algum motivo ou isolar um comportamento ou pensamento interrompendo qualquer ligação.
  • 22. Exemplo de isolamento: Um ladrão que rouba e não experimenta os sentimentos de culpa que estão ligados a esse ato. Outro exemplo seria um filho que, após a morte de sua mãe, fala com uma frequente e enorme naturalidade sobre a morte dela.
  • 23. INIBIÇÃO • Significa impedir uma função ou alguma conduta.
  • 24. ANULAÇÃO • Significa ter ações que contestam ou desfazem um dano que o indivíduo imagina que pode ser causado por seus desejos. Fazer o inverso do ato ou do pensamento precedente.
  • 25. Exemplo: fazer o sinal da cruz para afastar um pensamento pecaminoso
  • 26. FORMAÇÃO REATIVA • Esse mecanismo substitui comportamentos e sentimentos que são diametralmente opostos ao desejo real. Trata-se de uma inversão clara e, em geral, inconsciente do verdadeiro desejo. Através da Formação Relativa, alguns pais são incapazes de admitir um certo ressentimento em relação aos filhos, acabam interferindo exageradamente em suas vidas, sob o pretexto de estarem preocupados com seu bem-estar e segurança (superproteção), que nesse caso é uma forma de punição. O esposo pleno de raiva contra sua esposa pode manifestar sua Formação Relativa tratando-a com formalidade exagerada ou ser super bem tratado na casa da namorada pela mãe dela, mas sentir que a futura “sogra” detestou a visita.
  • 27. Exemplo: ódio em amor e amor em ódio .
  • 28. FANTASIA • O indivíduo concebe em sua mente uma situação que satisfaz uma necessidade ou desejo, que na vida real não pode por algum motivo ser satisfeito.
  • 29. Exemplo: Um homossexual que precisa manter o casamento e que, quando procurado pela esposa para o sexo, ele fantasia que esta tendo relações homo e não hétero durante o ato.
  • 30. SUBLIMAÇÃO • Na impossibilidade de realização de um desejo, encontra um substituto aceitável por meio do qual pode se contentar. É uma forma de deslocamento e um recalque bem sucedido. A frustração de um relacionamento afetivo e sexual mal resolvido, por exemplo, é sublimado na paixão pela leitura ou pela arte. O chupar o dedo ou a chupeta para o bebê o faz se sentir como se estivesse mamando no seio da mãe.
  • 31. Exemplo: um indivíduo com alta agressividade pode se tornar cirurgião, para o que necessita cortar tecidos sem hesitação; é uma forma de socializar a agressividade.
  • 32. Bibliografia • www.sobreavida.com.br • BANOV, Márcia R. Ferramentas da psicologia organizacional. São Paulo: CenaUn, 2002. • BERGAMINI, Cecília W. Psicologia Aplicada à Administração de Empresa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1992. • VOLPI, José Henrique. Mecanismos de defesa. Artigo do curso de especialização em Psicologia corporal. Curitiba: Centro Reichiano,2008.