SlideShare uma empresa Scribd logo
RUBÉOLA
II semestre de Enfermagem
Definição
• A Rubéola também conhecida como sarampo
alemão é uma doença infecto-contagiosa
causada pelo Togavírus.
• Sua característica mais marcante são as
manchas vermelhas que aparecem primeiro
na face e atrás da orelha e depois se espalham
pelo corpo inteiro.
Transmissão
• A transmissão é diretamente de pessoa a
pessoa, por meio das secreções nasofaringeas
expelida pelo doente ao tossir, respirar, falar.
• É pouco freqüente a transmissão através
do contato com objetos recém-
contaminados por secreções de nariz,
boca e garganta, sangue, urina e fezes
dos doentes.
• A rubéola congênita acontece quando a
mulher grávida adquire rubéola e infecta
o feto porque o vírus atravessa a
placenta.
Sintomas
• O período de incubação do
vírus e de cerca de 15 dias e
os primeiros sintomas são
parecidos com os da gripe e
manifesta-se através de:
• Febre até 38°C;
• Secreção nasal, tosse,
espirros;
• Olhos vermelhos e
lacrimejantes;
• Dor de cabeça;
• Mal estar;
• Dor nas articulações;
• Gânglios aumentando
especialmente próximos ao
pescoço;
• Manchas vermelhas na pele
que causam coceira.
Tratamento
• O tratamento é sintomático.
• Antitérmicos e analgésicos ajudam a diminuir
o desconforto, aliviar as dores de cabeça, do
corpo e baixar a febre.
• Recomenda-se repouso e hidratação para que
a pessoa se recupere mais rápido.
• Crianças que nasceram com rubéola congênita
devem ser acompanhadas por uma equipe de
médicos, pois pode aparecer diversas
complicações.
• Além do pediatra as crianças devem ser vistas
por especialistas e por fisioterapeutas que
podem ajudar no seu desenvolvimento motor
e cerebral.
Prevenção - Vacina
• A vacina é a única medida preventiva e para
ser segura é importante que o esquema de
vacina esteja completo.
• A vacina existente hoje é a tríplice, feita da
combinação contra a rubéola, caxumba e
sarampo.
• Ainda existe a vacina treta viral
que também protege contra a
catapora.
• Administrar a 1ª dose aos 12 meses de idade
com a vacina tríplice viral e a 2ª dose aos 15
meses de idade com a vacina tetra viral, sendo
que esta poderá ser administrada enquanto a
criança for menor de 2 anos de idade para as
crianças que já tenham recebido a 1ª dose da
vacina tríplice viral.
• Para as crianças acima de 2 anos de idade
administrar a segunda dose com a vacina
tríplice viral observando o intervalo mínimo
de 30 dias entre as doses.
• Considerar vacinada a criança que
comprovadamente tenha 2 (duas) doses de
vacina com componente sarampo, caxumba e
rubéola.
• Todos os homens e mulheres até 49 anos
também devem ser vacinados, independente
de história pregressa da doença.
Vigilância Epidemiológica
• Objetivos: Identificar a circulação do vírus da
Rubéola com vistas a adotar medidas de
contenção.
• Detectar e investigar os casos suspeitos da
SRC.
*Doença de notificação compulsória e de
investigação obrigatória.
Referencias bibliográficas
• https://drauziovarella.com.br/doencas-e-
sintomas/rubeola/
• https://www.tuasaude.com/sintomas-de-
rubeola/
• https://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o
-ministerio/principal/leia-mais-o-
ministerio/762-secretaria-svs/vigilancia-de-a-
a-z/rubeola/l1-rubeola/11687-vacincao-
rubeola
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rubéola
RubéolaRubéola
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
Fernanda Marinho
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
IVORASSWEILER
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
Fernanda Dias
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Inês Santos
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
Gabriela Bruno
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Sarampo
SarampoSarampo
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
Danielle Climaco
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Marco Antonio
 
Difteria
Difteria Difteria
Difteria
Gabriela Bruno
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Marcos Moraes
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
douglas silva
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
Lílian Reis
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
Geovanna Borges
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
Fausto Barros
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
Isadora Ribeiro
 
Meningite
MeningiteMeningite

Mais procurados (20)

Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Difteria
Difteria Difteria
Difteria
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Trabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power pointTrabalho de chagas. power point
Trabalho de chagas. power point
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 

Semelhante a Rubéola

Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
fergwen
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
fergwen
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
Natália Maciel
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
Auggoustt Eddson Jose
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
Sérgio Franco - CDPI
 
Patologias Virais III
Patologias Virais IIIPatologias Virais III
Patologias Virais III
Luciana Oliveira
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
Eliene Meira
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
profalicebolelli
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
MarcosErnestoCome
 
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Hosana maniero
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
ClaudiaPereiraBrito
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
ANA FONSECA
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Adriana Bonadia dos Santos
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
Laíz Coutinho
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Rui Alves
 
Coqueluche doença
Coqueluche doença Coqueluche doença
Coqueluche doença
Elaine Carvalho
 
Zika virus
Zika virusZika virus
Zika virus
David Amenabar
 
Rubéola
RubéolaRubéola
PAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptxPAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptx
Estevao Ualane/ Assuntos Medicos
 

Semelhante a Rubéola (20)

Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Patologias Virais III
Patologias Virais IIIPatologias Virais III
Patologias Virais III
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
 
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Coqueluche doença
Coqueluche doença Coqueluche doença
Coqueluche doença
 
Zika virus
Zika virusZika virus
Zika virus
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
PAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptxPAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptx
 

Mais de Patricia Nunes

Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentosTipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Patricia Nunes
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumático
Patricia Nunes
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
Patricia Nunes
 
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Patricia Nunes
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
Patricia Nunes
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Patricia Nunes
 
Toxoplasmose Congênita
Toxoplasmose CongênitaToxoplasmose Congênita
Toxoplasmose Congênita
Patricia Nunes
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Patricia Nunes
 
Colostomia
ColostomiaColostomia
Colostomia
Patricia Nunes
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
Patricia Nunes
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasil
Patricia Nunes
 
TCE
TCETCE
Vitaminas
Vitaminas Vitaminas
Vitaminas
Patricia Nunes
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
Patricia Nunes
 
Toxoplasmose Congenita
Toxoplasmose CongenitaToxoplasmose Congenita
Toxoplasmose Congenita
Patricia Nunes
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Patricia Nunes
 

Mais de Patricia Nunes (16)

Tipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentosTipos de pesquisas e seus delineamentos
Tipos de pesquisas e seus delineamentos
 
Transtorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumáticoTranstorno do Estresse pós traumático
Transtorno do Estresse pós traumático
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
Principais medicamentos utilizados pelos idosos.
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
 
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicosCuidados paliativos em pacientes oncologicos
Cuidados paliativos em pacientes oncologicos
 
Toxoplasmose Congênita
Toxoplasmose CongênitaToxoplasmose Congênita
Toxoplasmose Congênita
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e Magnesio
 
Colostomia
ColostomiaColostomia
Colostomia
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
 
Evolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasilEvolução da educação no brasil
Evolução da educação no brasil
 
TCE
TCETCE
TCE
 
Vitaminas
Vitaminas Vitaminas
Vitaminas
 
Erros na enfermagem
Erros na enfermagemErros na enfermagem
Erros na enfermagem
 
Toxoplasmose Congenita
Toxoplasmose CongenitaToxoplasmose Congenita
Toxoplasmose Congenita
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 

Rubéola

  • 2. Definição • A Rubéola também conhecida como sarampo alemão é uma doença infecto-contagiosa causada pelo Togavírus. • Sua característica mais marcante são as manchas vermelhas que aparecem primeiro na face e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo inteiro.
  • 3. Transmissão • A transmissão é diretamente de pessoa a pessoa, por meio das secreções nasofaringeas expelida pelo doente ao tossir, respirar, falar.
  • 4. • É pouco freqüente a transmissão através do contato com objetos recém- contaminados por secreções de nariz, boca e garganta, sangue, urina e fezes dos doentes. • A rubéola congênita acontece quando a mulher grávida adquire rubéola e infecta o feto porque o vírus atravessa a placenta.
  • 5. Sintomas • O período de incubação do vírus e de cerca de 15 dias e os primeiros sintomas são parecidos com os da gripe e manifesta-se através de: • Febre até 38°C; • Secreção nasal, tosse, espirros; • Olhos vermelhos e lacrimejantes; • Dor de cabeça; • Mal estar; • Dor nas articulações; • Gânglios aumentando especialmente próximos ao pescoço; • Manchas vermelhas na pele que causam coceira.
  • 6. Tratamento • O tratamento é sintomático. • Antitérmicos e analgésicos ajudam a diminuir o desconforto, aliviar as dores de cabeça, do corpo e baixar a febre. • Recomenda-se repouso e hidratação para que a pessoa se recupere mais rápido.
  • 7. • Crianças que nasceram com rubéola congênita devem ser acompanhadas por uma equipe de médicos, pois pode aparecer diversas complicações. • Além do pediatra as crianças devem ser vistas por especialistas e por fisioterapeutas que podem ajudar no seu desenvolvimento motor e cerebral.
  • 8. Prevenção - Vacina • A vacina é a única medida preventiva e para ser segura é importante que o esquema de vacina esteja completo. • A vacina existente hoje é a tríplice, feita da combinação contra a rubéola, caxumba e sarampo. • Ainda existe a vacina treta viral que também protege contra a catapora.
  • 9. • Administrar a 1ª dose aos 12 meses de idade com a vacina tríplice viral e a 2ª dose aos 15 meses de idade com a vacina tetra viral, sendo que esta poderá ser administrada enquanto a criança for menor de 2 anos de idade para as crianças que já tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral.
  • 10. • Para as crianças acima de 2 anos de idade administrar a segunda dose com a vacina tríplice viral observando o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. • Considerar vacinada a criança que comprovadamente tenha 2 (duas) doses de vacina com componente sarampo, caxumba e rubéola.
  • 11. • Todos os homens e mulheres até 49 anos também devem ser vacinados, independente de história pregressa da doença.
  • 12. Vigilância Epidemiológica • Objetivos: Identificar a circulação do vírus da Rubéola com vistas a adotar medidas de contenção. • Detectar e investigar os casos suspeitos da SRC. *Doença de notificação compulsória e de investigação obrigatória.
  • 13. Referencias bibliográficas • https://drauziovarella.com.br/doencas-e- sintomas/rubeola/ • https://www.tuasaude.com/sintomas-de- rubeola/ • https://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o -ministerio/principal/leia-mais-o- ministerio/762-secretaria-svs/vigilancia-de-a- a-z/rubeola/l1-rubeola/11687-vacincao- rubeola