SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistemas de
Informação
Universidade e
Conhecimento
LISBOA, ISCTE, 2 a 3 de Outubro de 2015
CAPSI 2015 – 15ª Conferência da APSI
2. QUE CONHECIMENTO ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
4. QUE CONCLUSÕES ?
2. QUE CONHECIMENTO ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
4. QUE CONCLUSÕES ?
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
universidades
do futuro
universidades
do passado
visão
estratégia
navegação
à vista
liderança
gestãodetrabalhadores
do conhecimento
gestão dos
recursos
quem não persegue um destino
não chega a lado nenhum
sem liderança e um destino, não
se sai do mesmo lugar
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
universidades
do futuro
universidades
do passado
diferenciação
imagem de marca
uniformização
desconstrução
+ construção
construção
quando não se tem qualidades,
faz-se o que calha – é indiferente
sem debater as ideias dominantes,
o futuro será igual ao passado
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
universidades
do futuro
universidades
do passado
disrupção
+ evolução
evolução
globalização
localização
pedagogias emergentes, educação
híbrida, educação invertida, educação
a distância, big data, modelos de
negócio, imagem de marca
universidades para o mundo
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
universidades
do futuro
universidades
do passado
coletivo
indivíduo
remoto
+ presencial
presencial
muito para lá dos MOOCs
universidade como espaço
social e transformativo
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
universidades
do futuro
FIM DA UNIVERSIDADE ARTESANAL
fim do modelo pedagógico medieval
fim da “apresentação” e avaliação artesanal
escalabilidade da pedagogias e das avaliações
orgânicas de coevolução e coavaliação
pedagogias emancipatórias
UNIVERSIDADE PROFISSIONAL
profissionalmente instrumentada
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
Do ponto de vista estritamente técnico,
O modelo do negócio é
uma rede de valor simples
se o negócio seguir o modelo clássico,
a arquitetura organizacional
é relativamente regular
SISTEMA DE INFORMAÇÃO
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
cursos
disciplinas
projetos de I&Dqualidade
visão
estratégia
objetivos
concorrentes
parceiros
agregação/desagregação
fluxos
extensibilidade
encaminhamento
REDE DE VALOR
AECV
ATIVIDADE ESTRATÉGICA
DE CRIAÇÃO DE VALOR
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
Do ponto de vista sociológico,
o nível de complexidade é elevado
se ignorarmos as recentes derivas
mecanicistas das universidades e
consideramos a descentralização e
autonomia científica e pedagógica
que lhes são próprias,
mas o recurso a redes de atores
permite traduções sólidas e acionáveis
2. QUE CONHECIMENTO ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
4. QUE CONCLUSÕES ?
2. QUE CONHECIMENTO ?
A designação “Gestão do
Conhecimento” não é feliz
Não se pretende “gerir conhecimento”
como se de fluídos ou objetos
materiais se tratasse
mas sim gerir processos de
construção social de conhecimento
2. QUE CONHECIMENTO ?
A Gestão do Conhecimento assenta
em quatro fatores interligados:
1. domínios do conhecimento
2. atores (funções, papéis, profissões)
3. formas de ação/intervenção
4. modelos organizacionais
Estes fatores estão hoje em
desequilíbrio face aos desafios das
economias de inovação intensiva
2. QUE CONHECIMENTO ?
Não se pretende “gerir” de forma
maciça todos os conhecimentos
que a organização mobiliza
Pretende-se, sim, manter os fluxos
de renovação do conhecimento
e assegurar a sua plena utilização
O grande desafio não está no
volume, mas sim na renovação,
consolidação e aplicação permanente
2. QUE CONHECIMENTO ?
os grandes repositórios de
informação ou “capital intelectual”
que várias organizações
têm procurado construir
pouco mais serão do que
sepulturas de informação
se não se destinarem a
servir estes desígnios
2. QUE CONHECIMENTO ?
Os recentes movimentos no
sentido das “teorias da prática”
oferecem inspirações
interessantes para a gestão de
conhecimento nas universidades
Hoje, as universidades, sendo
instituições onde se aprende,
não são instituições que aprendam
2. QUE CONHECIMENTO ?
Não têm nem estratégias
nem políticas
nem práticas
para aprender coletivamente
nem instrumentos
ou para gerir conhecimento,
seja ele próprio ou alheio
DESAFIO PARA OS SI/TI DAS UNIVERSIDADES
2. QUE CONHECIMENTO ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
4. QUE CONCLUSÕES ?
Que dimensões em falta nos SI/TI
da Educação Superior?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
3.1. QUE DIMENSÕES EM FALTA ?
ASPESSOAS
Que dimensões em falta nos SI/TI
da Educação Superior?
3.1. QUE DIMENSÕES EM FALTA ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
As instituições de Educação Superior
têm vindo a adoptar referenciais e práticas
da gestão do mundo empresarial:
•  Gestão da Qualidade
•  Sistemas de Informação
•  Governança de TI
•  Gestão & Estratégia
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
No entanto tem vindo a fazê-lo com:
•  muito atraso
•  abordagens ultrapassadas
50s 60s 80s70s 90s 00s 10s
MUNDO EMPRESARIAL
50s 60s 80s70s 90s 00s 10s
ENSINO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
Educação Superior Empresas Modelo
Gestão
Estratégia
A Educação Superior transitou
diretamente da gestão ad hoc
para a gestão burocrática
Está a enfatizar cada vez mais o
controlo e a ignorar as pessoas
Uma faixa significativa do mundo
empresarial está a transitar da gestão
burocrática e mecanicista para a gestão
orgânica e ecológica e vê as pessoas
como o seu recurso mais valioso
gestão clássica: controlo,
repetibilidade, pessoas
intermutáveis e descartáveis
gestão moderna: cultura,
projeto partilhado,
pessoas como trabalhadores
do conhecimento
analítica, centralizada
e reativa
projetiva, coletiva,
e transformativa
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
Educação Superior Empresas Modelo
Qualidade
Sistemas de
Informação
Governança
de TI
controlo da qualidade, garantia
da qualidade, prestação de
contas (processos mecanicistas)
gestão da qualidade,
qualidade como transformação
(processos sociais)
Qualidade by design,
fortemente ligada à estratégia
Qualidade como reação a auditorias,
essencialmente sumativa
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
THE	
  QUALITY	
  MOVEMENT	
  IN	
  INDUSTRY	
  
Before	
  1900	
   Quality	
  as	
  an	
  integral	
  element	
  of	
  the	
  cra7	
  
1900-­‐1920	
   Quality	
  control	
  by	
  foreman	
  
1920-­‐1940	
   Inspec>on-­‐based	
  quality-­‐control	
  
1940-­‐1960	
   Sta>s>cal	
  process	
  control	
  
1960-­‐1980	
   Quality	
  assurance	
  (quality	
  department)	
  
1980-­‐1990	
   Total	
  quality	
  management	
  (TQM)	
  
1990-­‐Present	
   Culture	
  of	
  con>nuous	
  improvement,	
  organiza>on-­‐wide	
  TQM	
  
(Adapted from Sallis, E. (1996). Total Quality Management in Education, 2nd Ed. London: Kogan Page)
Envolvimento de todas
as pessoas
Educação Superior 2015
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
liderança
(10%)
gestão
das pessoas
(9%)
políticas e
estratégia
(8%)
recursos
(9%)
processos
(14%)
satisfação dos
colaboradores
(9%)
satisfação dos
estudantes
(20%)
impacto na
sociedade
(6%)
resultados de
toda a atividade
(15%)
ISO 9000 - European Quality Award (EQA), 1992
European Foundation for Quality Management
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
liderança
(10%)
gestão
das pessoas
(9%)
políticas e
estratégia
(8%)
recursos
(9%)
processos
(14%)
satisfação dos
colaboradores
(9%)
satisfação dos
estudantes
(20%)
impacto na
sociedade
(6%)
ISO 9000 - European Quality Award (EQA), 1992
European Foundation for Quality Management
resultados de
toda a atividade
(15%)
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
BALDRIGE CRITERIA (USA)
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Educação Superior Empresas Modelo
Qualidade
Sistemas de
Informação
Governança
de TI
controlo da qualidade, garantia
da qualidade, prestação de
contas (processos mecanicistas)
gestão da qualidade,
qualidade como transformação
(processos sociais)
sistemas de informação como
máquinas burocráticas
sistemas de informação
como ecossistemas sociais
baixa maturidade,
ignora a natureza social
elevada maturidade, sensibilidade
crescente à dimensão social
Qualidade by design,
fortemente ligada à estratégia
Qualidade como reação a auditorias,
essencialmente sumativa
3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Max Weber introduziu o conceito sociológico
de ‘gaiola de ferro’ para descrever
a racionalização das sociedades industriais
do fim do século XIX e início do século XX
que aprisionou as pessoas em
burocracias de eficiência técnica,
racionalidade económica,
comando e controlo
3.3. A GAIOLA DE WEBER NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
A promoção da qualidade e
comparabilidade entre universidades
conjugada com orçamentos
apertados e maior concorrência
levou a idêntica burocratização
da educação superior:
•  maior coordenação
•  mais poder da administração central
3.3. A GAIOLA DE WEBER NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Este fenómeno tem vindo a ser descrito como:
•  ideologia do mercado
na educação superior
•  substituição da inovação
pela contabilidade
•  visão neoliberal
da educação superior
•  interpretação de vistas curtas das
comparações entre universidades
3.3. A GAIOLA DE WEBER NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
A análise estratégica subjacente à
especificação dos sistemas de informação
está a ser conduzida com base numa
visão burocrática da educação superior
conduzida por visões de curto prazo e
fatores de custo e eficiência
ignorando sistematicamente as pessoas
3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Isto conduz a:
•  modelos e processos burocráticos que
são impostos aos utilizadores
•  workflows mal estruturados para a coleta
de dados de e para os utilizadores
•  desprezo pela experiência do utilizador
•  usabilidade medíocre
3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Os sistemas de informação
tornam-se numa larga
parte do problema
3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
SIMdesde que sejam concebidos
com as PESSOAS em mente
Poderão os sistemas de
informação ser parte da solução?
3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
A natureza social dos SI/TI na
Educação Superior tem de ser
tomada em consideração desde o
primeiro momento e ao longo de
todo o ciclo de vida de SI/TI
É um requisito decisivo, que tem
de ser considerado prioritário
3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
A concepção, gestão e evolução
da solução de SI/TI deve ser vista
como uma parceria entre:
•  stakeholders
A CONCEPÇÃO COMO PARCERIA
•  negócio/gestão
•  tecnologia
As visões tradicionais da Governança de TI
prestam particular atenção ao alinhamento
das TI com o negócio, mas ignoram
a existência de stakeholders humanos
3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Se uma das partes sente que
está a perder, a parceria colapsa
Para uma parceria ser sustentável tem de
satisfazer em permanência os interesses
e motivações de todas as partes
Cada parte deve assegurar que todas as
outras partes ficam satisfeitas com a parceria
PRINCÍPIO DA PARCERIA SUSTENTÁVEL
3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Acordo que contempla os interesses
de todas as partes é denominado
a proposição de valor
A clarificação da proposição de valor exige
que sejam identificadas todas as partes e
seus relacionamentos e que o valor para
cada parte seja plenamente reconhecido
3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
A sustentabilidade da proposição de
valor pode ser estabelecida e gerida em
todas etapas do ciclo de vida do sistema
de informação recorrendo a teorias
sociais hoje disponíveis, como as
TEORIAS DA TRADUÇÃO (Callon)
3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Algumas das dimensões
chave dos SI/TI, como:
GOVERNANÇA DE TI
CIÊNCIAS DOS SERVIÇOS
que eram técnicas nas suas origens
estão agora a tornar-se cada vez mais
sensíveis à natureza social dos SI/TI
3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
Mas há nuvens negras que
se acumulam no horizonte
3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
que podem ter um valor imenso
na educação superior
mas podem ter implicações catastróficas
se usadas contra os valores sociais das
pessoas
as TÉCNICAS ANALÍTICAS
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
2. QUE CONHECIMENTO ?
3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ?
4. QUE CONCLUSÕES ?
As universidades vão mudar
mais nos próximos 30 anos do
que mudaram nos últimos 300
4. QUE CONCLUSÕES ?
Estarão as universidades
portuguesas a preparar-se
para essa mudança?
Qual o papel das soluções
de SI/TI nessa mudança?
As universidades são
instituições onde se aprende
4. QUE CONCLUSÕES ?
mas não são
instituições que aprendem
Que papel poderão ter os SI/TI na
na superação dessa limitação?
Os sistemas de Informação
da Educação Superior
podem e devem ser:
4. QUE CONCLUSÕES ?
•  sociávies
•  socialmente sustentáveis
Deverão permitir que as pessoas
vivam melhor, e não pior!
devem ser concebidos tendo em conta a
natureza social da Educação Superior
Para isso acontecer
4. QUE CONCLUSÕES ?
e tornar invisíveis para os utentes as
necessidades burocráticas da gestão
Deverão ser auditadas à luz dos princípios
da Qualidade na Educação Superior:
6. CONCLUSIONS
liderança
(10%)
gestão
das pessoas
(9%)
políticas e
estratégia
(8%)
recursos
(9%)
processos
(14%)
satisfação dos
colaboradores
(9%)
satisfação dos
estudantes
(20%)
impacto na
sociedade
(6%)
resultados de
toda a atividade
(15%)
6. CONCLUSIONS
Não deverão os sistemas
de informação ter pelo
menos tanta qualidade
como os sistemas sociais
a quem se destinam?
Sistemas de
Informação
Universidade
Conhecimento
LISBOA, ISCTE, 2 a 3 de Outubro de 2015
CAPSI 2015 – 15ª Conferência da APSI
FIMSlides em:
www.slideshare.net/
adfigueiredoPT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pedagogia dos Contextos de Aprendizagem
Pedagogia dos Contextos de AprendizagemPedagogia dos Contextos de Aprendizagem
Pedagogia dos Contextos de Aprendizagem
Antonio Dias de Figueiredo
 
O Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do Futuro
O Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do FuturoO Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do Futuro
O Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do Futuro
Antonio Dias de Figueiredo
 
Educação no Futuro
Educação no FuturoEducação no Futuro
Educação no Futuro
Antonio Dias de Figueiredo
 
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em PortugalHistórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Antonio Dias de Figueiredo
 
Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...
Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...
Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...
Antonio Dias de Figueiredo
 
Que Pedagogias para as Próximas Décadas?
Que Pedagogias para as Próximas Décadas?Que Pedagogias para as Próximas Décadas?
Que Pedagogias para as Próximas Décadas?
Antonio Dias de Figueiredo
 
Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação?
Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação? Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação?
Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação?
Antonio Dias de Figueiredo
 
Do Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o Aprender
Do Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o AprenderDo Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o Aprender
Do Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o Aprender
Antonio Dias de Figueiredo
 
Universidade em tempos de incerteza
Universidade em tempos de incertezaUniversidade em tempos de incerteza
Universidade em tempos de incerteza
Antonio Dias de Figueiredo
 
Inovar em Educação, Educar para a Inovação
Inovar em Educação, Educar para a InovaçãoInovar em Educação, Educar para a Inovação
Inovar em Educação, Educar para a Inovação
Antonio Dias de Figueiredo
 
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
Antonio Dias de Figueiredo
 
4 I's para a PG Brasileira
4 I's para a PG Brasileira4 I's para a PG Brasileira
4 I's para a PG Brasileira
Roberto C. S. Pacheco
 
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima décadaDesafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Luciano Sathler
 
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalGestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Luciano Sathler
 
Ingeniero novos tempos
Ingeniero novos temposIngeniero novos tempos
Ingeniero novos tempos
Clebson Romano Cardozo
 
Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...
Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...
Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...
Marcos Bella Cruz Silva
 
Competências para a economia digital
Competências para a economia digitalCompetências para a economia digital
Competências para a economia digital
Luciano Sathler
 
Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...
Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...
Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...
PROIDDBahiana
 
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o ProfessorA ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
Luis Borges Gouveia
 
Elab. de projetos eixo 2
Elab. de projetos eixo 2Elab. de projetos eixo 2
Elab. de projetos eixo 2
elizeteusa2012
 

Mais procurados (20)

Pedagogia dos Contextos de Aprendizagem
Pedagogia dos Contextos de AprendizagemPedagogia dos Contextos de Aprendizagem
Pedagogia dos Contextos de Aprendizagem
 
O Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do Futuro
O Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do FuturoO Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do Futuro
O Papel do Ensino a Distância nas Instituições de Ensino Superior do Futuro
 
Educação no Futuro
Educação no FuturoEducação no Futuro
Educação no Futuro
 
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em PortugalHistórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
 
Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...
Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...
Vamos Fazer o que Ainda Não Foi Feito: Redescobrir a Educação, Reinventar a P...
 
Que Pedagogias para as Próximas Décadas?
Que Pedagogias para as Próximas Décadas?Que Pedagogias para as Próximas Décadas?
Que Pedagogias para as Próximas Décadas?
 
Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação?
Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação? Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação?
Que Sociedade? Que Conhecimento? Que Educação?
 
Do Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o Aprender
Do Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o AprenderDo Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o Aprender
Do Passado ao Futuro - Repensar o Ensinar e o Aprender
 
Universidade em tempos de incerteza
Universidade em tempos de incertezaUniversidade em tempos de incerteza
Universidade em tempos de incerteza
 
Inovar em Educação, Educar para a Inovação
Inovar em Educação, Educar para a InovaçãoInovar em Educação, Educar para a Inovação
Inovar em Educação, Educar para a Inovação
 
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
Bibliotecas Universitarias: Regresso ao Futuro
 
4 I's para a PG Brasileira
4 I's para a PG Brasileira4 I's para a PG Brasileira
4 I's para a PG Brasileira
 
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima décadaDesafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década
 
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação EducacionalGestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
Gestão da Educação a Distância e da Inovação Educacional
 
Ingeniero novos tempos
Ingeniero novos temposIngeniero novos tempos
Ingeniero novos tempos
 
Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...
Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...
Metodologias ativas de aprendizagem aplicadas em curso de nível médio em segu...
 
Competências para a economia digital
Competências para a economia digitalCompetências para a economia digital
Competências para a economia digital
 
Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...
Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...
Metodologias ativas-de-ensino-aprendizagem-na-formacao-do-futuro-do-profissio...
 
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o ProfessorA ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
 
Elab. de projetos eixo 2
Elab. de projetos eixo 2Elab. de projetos eixo 2
Elab. de projetos eixo 2
 

Destaque

Engenharia Empresarial em Contextos de Incerteza
Engenharia Empresarial em Contextos de IncertezaEngenharia Empresarial em Contextos de Incerteza
Engenharia Empresarial em Contextos de Incerteza
Antonio Dias de Figueiredo
 
A lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXIA lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXI
Antonio Dias de Figueiredo
 
A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)
A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)
A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)
Antonio Dias de Figueiredo
 
Coied2_António Dias Figueiredo
Coied2_António Dias FigueiredoCoied2_António Dias Figueiredo
Coied2_António Dias Figueiredo
COIED
 
Educação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo Futuro
Educação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo FuturoEducação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo Futuro
Educação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo Futuro
Antonio Dias de Figueiredo
 
António Dias de Figueiredo, Universidade de Coimbra
António Dias de Figueiredo, Universidade de CoimbraAntónio Dias de Figueiredo, Universidade de Coimbra
António Dias de Figueiredo, Universidade de Coimbra
edudesafios
 
Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...
Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...
Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...
Antonio Dias de Figueiredo
 
Da Colaboração para a Co-evolução
Da Colaboração para a Co-evoluçãoDa Colaboração para a Co-evolução
Da Colaboração para a Co-evolução
Antonio Dias de Figueiredo
 
Redes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um Conceito
Redes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um ConceitoRedes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um Conceito
Redes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um Conceito
Antonio Dias de Figueiredo
 
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Ana Marilin
 
El juego proyecto fin..
El juego proyecto fin..El juego proyecto fin..
El juego proyecto fin..
maria tenemaza
 
Apresentação mono colóquio camilla
Apresentação mono colóquio camillaApresentação mono colóquio camilla
Apresentação mono colóquio camilla
Eliane Oliveira
 
O povo em manifest oss
O povo em manifest ossO povo em manifest oss
O povo em manifest oss
Vinícius Silva
 
Inovar em Educação no Século XXI
Inovar em Educação no Século XXIInovar em Educação no Século XXI
Inovar em Educação no Século XXI
Antonio Dias de Figueiredo
 
Mapa conceptual
Mapa conceptualMapa conceptual
Mapa conceptual
WWW.BLOGGER.COM
 
07 avaliação no ensino superior
07  avaliação no ensino superior07  avaliação no ensino superior
07 avaliação no ensino superior
Joao Balbi
 
Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010
Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010
Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010
Paulinha2011
 
Contextos de Aprendizagem
Contextos de AprendizagemContextos de Aprendizagem
Contextos de Aprendizagem
Antonio Dias de Figueiredo
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
Eliane Oliveira
 
Docência do ensino superior
Docência do ensino superiorDocência do ensino superior
Docência do ensino superior
Suênya Mourão
 

Destaque (20)

Engenharia Empresarial em Contextos de Incerteza
Engenharia Empresarial em Contextos de IncertezaEngenharia Empresarial em Contextos de Incerteza
Engenharia Empresarial em Contextos de Incerteza
 
A lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXIA lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXI
 
A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)
A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)
A Geração 2.0 e os Novos Saberes (2009)
 
Coied2_António Dias Figueiredo
Coied2_António Dias FigueiredoCoied2_António Dias Figueiredo
Coied2_António Dias Figueiredo
 
Educação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo Futuro
Educação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo FuturoEducação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo Futuro
Educação e Aprendizagem, da Pré-história ao Próximo Futuro
 
António Dias de Figueiredo, Universidade de Coimbra
António Dias de Figueiredo, Universidade de CoimbraAntónio Dias de Figueiredo, Universidade de Coimbra
António Dias de Figueiredo, Universidade de Coimbra
 
Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...
Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...
Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre o Futuro da Engenharia Informática (M...
 
Da Colaboração para a Co-evolução
Da Colaboração para a Co-evoluçãoDa Colaboração para a Co-evolução
Da Colaboração para a Co-evolução
 
Redes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um Conceito
Redes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um ConceitoRedes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um Conceito
Redes e Educacao: a Surpreendente Riqueza de um Conceito
 
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
 
El juego proyecto fin..
El juego proyecto fin..El juego proyecto fin..
El juego proyecto fin..
 
Apresentação mono colóquio camilla
Apresentação mono colóquio camillaApresentação mono colóquio camilla
Apresentação mono colóquio camilla
 
O povo em manifest oss
O povo em manifest ossO povo em manifest oss
O povo em manifest oss
 
Inovar em Educação no Século XXI
Inovar em Educação no Século XXIInovar em Educação no Século XXI
Inovar em Educação no Século XXI
 
Mapa conceptual
Mapa conceptualMapa conceptual
Mapa conceptual
 
07 avaliação no ensino superior
07  avaliação no ensino superior07  avaliação no ensino superior
07 avaliação no ensino superior
 
Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010
Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010
Seminário sobre Avaliação - UFGD - 2010
 
Contextos de Aprendizagem
Contextos de AprendizagemContextos de Aprendizagem
Contextos de Aprendizagem
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Docência do ensino superior
Docência do ensino superiorDocência do ensino superior
Docência do ensino superior
 

Semelhante a Sistemas de Informação Universidade e Conhecimento

Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Luciano Sathler
 
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão TecnopedagógicaCiclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Universidade Estadual do Ceará
 
Organização Escolar: Reflexos da Rede Digital
Organização Escolar: Reflexos da Rede DigitalOrganização Escolar: Reflexos da Rede Digital
Organização Escolar: Reflexos da Rede Digital
Emília Braz
 
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão TecnopedagógicaCiclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Universidade Estadual do Ceará
 
Pós-graduação e inovação
Pós-graduação e inovaçãoPós-graduação e inovação
Pós-graduação e inovação
Roberto C. S. Pacheco
 
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais
Gestão do Conhecimento e Redes SociaisGestão do Conhecimento e Redes Sociais
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais
Mariana Tavernari
 
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digitalEducação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Luciano Sathler
 
Apresentação Governação na Sociedade da Informação
Apresentação Governação na Sociedade da InformaçãoApresentação Governação na Sociedade da Informação
Apresentação Governação na Sociedade da Informação
Luis Borges Gouveia
 
Dimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionais
Dimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionaisDimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionais
Dimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionais
Rosângela Florczak
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
CETUR
 
Teoria da ADM
Teoria da ADMTeoria da ADM
Teoria da ADM
Jesrayne Nascimento
 
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informaçãoGestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
FEBAB
 
Programa de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula Inaugural
Programa de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula InauguralPrograma de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula Inaugural
Programa de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula Inaugural
Roberto C. S. Pacheco
 
Pós-Graduação Interdisciplinar
Pós-Graduação InterdisciplinarPós-Graduação Interdisciplinar
Pós-Graduação Interdisciplinar
Roberto C. S. Pacheco
 
2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf
2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf
2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf
SilvaJose13
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Roberto C. S. Pacheco
 
UERJ - UMA NOVA ERA.ppt
UERJ - UMA NOVA ERA.pptUERJ - UMA NOVA ERA.ppt
UERJ - UMA NOVA ERA.ppt
Isaac Medeiros
 
A Universidade na encruzilhada de suas tendencias
A Universidade na encruzilhada de suas tendenciasA Universidade na encruzilhada de suas tendencias
A Universidade na encruzilhada de suas tendencias
Claudio Rama
 
Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...
Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...
Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...
eraser Juan José Calderón
 
Local e-government: a governação digital na autarquia
Local e-government: a governação digital na autarquiaLocal e-government: a governação digital na autarquia
Local e-government: a governação digital na autarquia
Luis Borges Gouveia
 

Semelhante a Sistemas de Informação Universidade e Conhecimento (20)

Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
 
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão TecnopedagógicaCiclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
 
Organização Escolar: Reflexos da Rede Digital
Organização Escolar: Reflexos da Rede DigitalOrganização Escolar: Reflexos da Rede Digital
Organização Escolar: Reflexos da Rede Digital
 
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão TecnopedagógicaCiclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
Ciclo e-M: Avaliação Sistemática da Gestão Tecnopedagógica
 
Pós-graduação e inovação
Pós-graduação e inovaçãoPós-graduação e inovação
Pós-graduação e inovação
 
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais
Gestão do Conhecimento e Redes SociaisGestão do Conhecimento e Redes Sociais
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais
 
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digitalEducação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
 
Apresentação Governação na Sociedade da Informação
Apresentação Governação na Sociedade da InformaçãoApresentação Governação na Sociedade da Informação
Apresentação Governação na Sociedade da Informação
 
Dimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionais
Dimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionaisDimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionais
Dimensoes complexas da comunicaçao na gestao das organizaçoes educacionais
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
 
Teoria da ADM
Teoria da ADMTeoria da ADM
Teoria da ADM
 
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informaçãoGestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
 
Programa de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula Inaugural
Programa de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula InauguralPrograma de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula Inaugural
Programa de Pós-Graduação em Engenharia do Conhecimento - Aula Inaugural
 
Pós-Graduação Interdisciplinar
Pós-Graduação InterdisciplinarPós-Graduação Interdisciplinar
Pós-Graduação Interdisciplinar
 
2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf
2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf
2010_livro_didaticoformulacaopoliticaspublicas.pdf
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
 
UERJ - UMA NOVA ERA.ppt
UERJ - UMA NOVA ERA.pptUERJ - UMA NOVA ERA.ppt
UERJ - UMA NOVA ERA.ppt
 
A Universidade na encruzilhada de suas tendencias
A Universidade na encruzilhada de suas tendenciasA Universidade na encruzilhada de suas tendencias
A Universidade na encruzilhada de suas tendencias
 
Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...
Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...
Ética em e-learning-um custo negligenciável para a gestao. María Martins y Go...
 
Local e-government: a governação digital na autarquia
Local e-government: a governação digital na autarquiaLocal e-government: a governação digital na autarquia
Local e-government: a governação digital na autarquia
 

Sistemas de Informação Universidade e Conhecimento

  • 1. Sistemas de Informação Universidade e Conhecimento LISBOA, ISCTE, 2 a 3 de Outubro de 2015 CAPSI 2015 – 15ª Conferência da APSI
  • 2. 2. QUE CONHECIMENTO ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? 4. QUE CONCLUSÕES ?
  • 3. 2. QUE CONHECIMENTO ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? 4. QUE CONCLUSÕES ?
  • 4. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? universidades do futuro universidades do passado visão estratégia navegação à vista liderança gestãodetrabalhadores do conhecimento gestão dos recursos quem não persegue um destino não chega a lado nenhum sem liderança e um destino, não se sai do mesmo lugar
  • 5. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? universidades do futuro universidades do passado diferenciação imagem de marca uniformização desconstrução + construção construção quando não se tem qualidades, faz-se o que calha – é indiferente sem debater as ideias dominantes, o futuro será igual ao passado
  • 6. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? universidades do futuro universidades do passado disrupção + evolução evolução globalização localização pedagogias emergentes, educação híbrida, educação invertida, educação a distância, big data, modelos de negócio, imagem de marca universidades para o mundo
  • 7. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? universidades do futuro universidades do passado coletivo indivíduo remoto + presencial presencial muito para lá dos MOOCs universidade como espaço social e transformativo
  • 8. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? universidades do futuro FIM DA UNIVERSIDADE ARTESANAL fim do modelo pedagógico medieval fim da “apresentação” e avaliação artesanal escalabilidade da pedagogias e das avaliações orgânicas de coevolução e coavaliação pedagogias emancipatórias UNIVERSIDADE PROFISSIONAL profissionalmente instrumentada
  • 9. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? Do ponto de vista estritamente técnico, O modelo do negócio é uma rede de valor simples se o negócio seguir o modelo clássico, a arquitetura organizacional é relativamente regular SISTEMA DE INFORMAÇÃO
  • 10. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? cursos disciplinas projetos de I&Dqualidade visão estratégia objetivos concorrentes parceiros agregação/desagregação fluxos extensibilidade encaminhamento REDE DE VALOR AECV ATIVIDADE ESTRATÉGICA DE CRIAÇÃO DE VALOR
  • 11. 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? Do ponto de vista sociológico, o nível de complexidade é elevado se ignorarmos as recentes derivas mecanicistas das universidades e consideramos a descentralização e autonomia científica e pedagógica que lhes são próprias, mas o recurso a redes de atores permite traduções sólidas e acionáveis
  • 12. 2. QUE CONHECIMENTO ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? 4. QUE CONCLUSÕES ?
  • 13. 2. QUE CONHECIMENTO ? A designação “Gestão do Conhecimento” não é feliz Não se pretende “gerir conhecimento” como se de fluídos ou objetos materiais se tratasse mas sim gerir processos de construção social de conhecimento
  • 14. 2. QUE CONHECIMENTO ? A Gestão do Conhecimento assenta em quatro fatores interligados: 1. domínios do conhecimento 2. atores (funções, papéis, profissões) 3. formas de ação/intervenção 4. modelos organizacionais Estes fatores estão hoje em desequilíbrio face aos desafios das economias de inovação intensiva
  • 15. 2. QUE CONHECIMENTO ? Não se pretende “gerir” de forma maciça todos os conhecimentos que a organização mobiliza Pretende-se, sim, manter os fluxos de renovação do conhecimento e assegurar a sua plena utilização O grande desafio não está no volume, mas sim na renovação, consolidação e aplicação permanente
  • 16. 2. QUE CONHECIMENTO ? os grandes repositórios de informação ou “capital intelectual” que várias organizações têm procurado construir pouco mais serão do que sepulturas de informação se não se destinarem a servir estes desígnios
  • 17. 2. QUE CONHECIMENTO ? Os recentes movimentos no sentido das “teorias da prática” oferecem inspirações interessantes para a gestão de conhecimento nas universidades Hoje, as universidades, sendo instituições onde se aprende, não são instituições que aprendam
  • 18. 2. QUE CONHECIMENTO ? Não têm nem estratégias nem políticas nem práticas para aprender coletivamente nem instrumentos ou para gerir conhecimento, seja ele próprio ou alheio DESAFIO PARA OS SI/TI DAS UNIVERSIDADES
  • 19. 2. QUE CONHECIMENTO ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? 4. QUE CONCLUSÕES ?
  • 20. Que dimensões em falta nos SI/TI da Educação Superior? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 3.1. QUE DIMENSÕES EM FALTA ?
  • 21. ASPESSOAS Que dimensões em falta nos SI/TI da Educação Superior? 3.1. QUE DIMENSÕES EM FALTA ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 22. As instituições de Educação Superior têm vindo a adoptar referenciais e práticas da gestão do mundo empresarial: •  Gestão da Qualidade •  Sistemas de Informação •  Governança de TI •  Gestão & Estratégia 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 23. No entanto tem vindo a fazê-lo com: •  muito atraso •  abordagens ultrapassadas 50s 60s 80s70s 90s 00s 10s MUNDO EMPRESARIAL 50s 60s 80s70s 90s 00s 10s ENSINO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
  • 24. Educação Superior Empresas Modelo Gestão Estratégia A Educação Superior transitou diretamente da gestão ad hoc para a gestão burocrática Está a enfatizar cada vez mais o controlo e a ignorar as pessoas Uma faixa significativa do mundo empresarial está a transitar da gestão burocrática e mecanicista para a gestão orgânica e ecológica e vê as pessoas como o seu recurso mais valioso gestão clássica: controlo, repetibilidade, pessoas intermutáveis e descartáveis gestão moderna: cultura, projeto partilhado, pessoas como trabalhadores do conhecimento analítica, centralizada e reativa projetiva, coletiva, e transformativa 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR
  • 25. Educação Superior Empresas Modelo Qualidade Sistemas de Informação Governança de TI controlo da qualidade, garantia da qualidade, prestação de contas (processos mecanicistas) gestão da qualidade, qualidade como transformação (processos sociais) Qualidade by design, fortemente ligada à estratégia Qualidade como reação a auditorias, essencialmente sumativa 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 26. THE  QUALITY  MOVEMENT  IN  INDUSTRY   Before  1900   Quality  as  an  integral  element  of  the  cra7   1900-­‐1920   Quality  control  by  foreman   1920-­‐1940   Inspec>on-­‐based  quality-­‐control   1940-­‐1960   Sta>s>cal  process  control   1960-­‐1980   Quality  assurance  (quality  department)   1980-­‐1990   Total  quality  management  (TQM)   1990-­‐Present   Culture  of  con>nuous  improvement,  organiza>on-­‐wide  TQM   (Adapted from Sallis, E. (1996). Total Quality Management in Education, 2nd Ed. London: Kogan Page) Envolvimento de todas as pessoas Educação Superior 2015 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 27. liderança (10%) gestão das pessoas (9%) políticas e estratégia (8%) recursos (9%) processos (14%) satisfação dos colaboradores (9%) satisfação dos estudantes (20%) impacto na sociedade (6%) resultados de toda a atividade (15%) ISO 9000 - European Quality Award (EQA), 1992 European Foundation for Quality Management 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 28. liderança (10%) gestão das pessoas (9%) políticas e estratégia (8%) recursos (9%) processos (14%) satisfação dos colaboradores (9%) satisfação dos estudantes (20%) impacto na sociedade (6%) ISO 9000 - European Quality Award (EQA), 1992 European Foundation for Quality Management resultados de toda a atividade (15%) 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 29. BALDRIGE CRITERIA (USA) 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 30. Educação Superior Empresas Modelo Qualidade Sistemas de Informação Governança de TI controlo da qualidade, garantia da qualidade, prestação de contas (processos mecanicistas) gestão da qualidade, qualidade como transformação (processos sociais) sistemas de informação como máquinas burocráticas sistemas de informação como ecossistemas sociais baixa maturidade, ignora a natureza social elevada maturidade, sensibilidade crescente à dimensão social Qualidade by design, fortemente ligada à estratégia Qualidade como reação a auditorias, essencialmente sumativa 3.2. DAS EMPRESAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 31. Max Weber introduziu o conceito sociológico de ‘gaiola de ferro’ para descrever a racionalização das sociedades industriais do fim do século XIX e início do século XX que aprisionou as pessoas em burocracias de eficiência técnica, racionalidade económica, comando e controlo 3.3. A GAIOLA DE WEBER NA EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 32. A promoção da qualidade e comparabilidade entre universidades conjugada com orçamentos apertados e maior concorrência levou a idêntica burocratização da educação superior: •  maior coordenação •  mais poder da administração central 3.3. A GAIOLA DE WEBER NA EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 33. Este fenómeno tem vindo a ser descrito como: •  ideologia do mercado na educação superior •  substituição da inovação pela contabilidade •  visão neoliberal da educação superior •  interpretação de vistas curtas das comparações entre universidades 3.3. A GAIOLA DE WEBER NA EDUCAÇÃO SUPERIOR 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 34. A análise estratégica subjacente à especificação dos sistemas de informação está a ser conduzida com base numa visão burocrática da educação superior conduzida por visões de curto prazo e fatores de custo e eficiência ignorando sistematicamente as pessoas 3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 35. Isto conduz a: •  modelos e processos burocráticos que são impostos aos utilizadores •  workflows mal estruturados para a coleta de dados de e para os utilizadores •  desprezo pela experiência do utilizador •  usabilidade medíocre 3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 36. Os sistemas de informação tornam-se numa larga parte do problema 3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 37. SIMdesde que sejam concebidos com as PESSOAS em mente Poderão os sistemas de informação ser parte da solução? 3.4. QUE DIMENSÕES EM FALTA ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 38. A natureza social dos SI/TI na Educação Superior tem de ser tomada em consideração desde o primeiro momento e ao longo de todo o ciclo de vida de SI/TI É um requisito decisivo, que tem de ser considerado prioritário 3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 39. A concepção, gestão e evolução da solução de SI/TI deve ser vista como uma parceria entre: •  stakeholders A CONCEPÇÃO COMO PARCERIA •  negócio/gestão •  tecnologia As visões tradicionais da Governança de TI prestam particular atenção ao alinhamento das TI com o negócio, mas ignoram a existência de stakeholders humanos 3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 40. Se uma das partes sente que está a perder, a parceria colapsa Para uma parceria ser sustentável tem de satisfazer em permanência os interesses e motivações de todas as partes Cada parte deve assegurar que todas as outras partes ficam satisfeitas com a parceria PRINCÍPIO DA PARCERIA SUSTENTÁVEL 3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 41. Acordo que contempla os interesses de todas as partes é denominado a proposição de valor A clarificação da proposição de valor exige que sejam identificadas todas as partes e seus relacionamentos e que o valor para cada parte seja plenamente reconhecido 3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 42. A sustentabilidade da proposição de valor pode ser estabelecida e gerida em todas etapas do ciclo de vida do sistema de informação recorrendo a teorias sociais hoje disponíveis, como as TEORIAS DA TRADUÇÃO (Callon) 3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 43. Algumas das dimensões chave dos SI/TI, como: GOVERNANÇA DE TI CIÊNCIAS DOS SERVIÇOS que eram técnicas nas suas origens estão agora a tornar-se cada vez mais sensíveis à natureza social dos SI/TI 3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 44. Mas há nuvens negras que se acumulam no horizonte 3.5. OS DESAFIOS DA CONCEPÇÃO 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 45. que podem ter um valor imenso na educação superior mas podem ter implicações catastróficas se usadas contra os valores sociais das pessoas as TÉCNICAS ANALÍTICAS 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ?
  • 46. 2. QUE CONHECIMENTO ? 3. QUE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ? 1. QUE ESTRATÉGIAS E MODELOS ? 4. QUE CONCLUSÕES ?
  • 47. As universidades vão mudar mais nos próximos 30 anos do que mudaram nos últimos 300 4. QUE CONCLUSÕES ? Estarão as universidades portuguesas a preparar-se para essa mudança? Qual o papel das soluções de SI/TI nessa mudança?
  • 48. As universidades são instituições onde se aprende 4. QUE CONCLUSÕES ? mas não são instituições que aprendem Que papel poderão ter os SI/TI na na superação dessa limitação?
  • 49. Os sistemas de Informação da Educação Superior podem e devem ser: 4. QUE CONCLUSÕES ? •  sociávies •  socialmente sustentáveis
  • 50. Deverão permitir que as pessoas vivam melhor, e não pior! devem ser concebidos tendo em conta a natureza social da Educação Superior Para isso acontecer 4. QUE CONCLUSÕES ? e tornar invisíveis para os utentes as necessidades burocráticas da gestão
  • 51. Deverão ser auditadas à luz dos princípios da Qualidade na Educação Superior: 6. CONCLUSIONS liderança (10%) gestão das pessoas (9%) políticas e estratégia (8%) recursos (9%) processos (14%) satisfação dos colaboradores (9%) satisfação dos estudantes (20%) impacto na sociedade (6%) resultados de toda a atividade (15%)
  • 52. 6. CONCLUSIONS Não deverão os sistemas de informação ter pelo menos tanta qualidade como os sistemas sociais a quem se destinam?
  • 53. Sistemas de Informação Universidade Conhecimento LISBOA, ISCTE, 2 a 3 de Outubro de 2015 CAPSI 2015 – 15ª Conferência da APSI FIMSlides em: www.slideshare.net/ adfigueiredoPT