SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIDADE VI
Clima e Vegetação
6º ano – Geografia
Professora Christie
Entendendo o tempo e o clima
Tema
1
Esta figura representa clima ou tempo?
Ao tempo. Perceba como ele muda durante o dia.
Tema
1
Por que o tempo muda?
As mudanças do tempo estão relacionadas à atuação de diversos fenômenos,
principalmente aos deslocamentos das massas de ar.
Massas de ar são grandes volumes de ar com característica “homogêneas”, em
relação à temperatura e vapor de água.
As massas de ar estão em constante deslocamento, que ocorre em virtude das
diferenças de pressão.
O movimento sempre acontece das zonas de alta para as zonas de baixa
pressão e determinam, assim, a dinâmica geral da circulação atmosférica e as
formações dos diferentes tipos climáticos.
O encontro entre duas massas
de ar de diferentes
temperaturas são chamadas de
frente. Só acontece uma frente
fria, quando uma massa polar se
desloca e empurra uma tropical,
ocupando o seu lugar.
Tema
1
Nas regiões polar e temperada são formadas massas de ar frias, e as
que se formam nas regiões equatorial ou tropical são quentes.
Se a origem é sobre o oceano, a massa é de ar úmido e, caso se forme
sobre o continente, a massa terá geralmente baixa umidade.
Massas de Ar – MP: Massas polares; ME: Massas Equatoriais; MT: Massas Tropicais
Massa de Ar
Tema
1
- Massa equatorial atlântica (mEa) – Origina-se no oceano Atlântico. É quente e úmida.
- Massa equatorial continental (mEc) – É quente e úmida. É a única continental úmida no
globo, pois, como regra geral, as massas de ar oceânicas são úmidas e as continentais
secas. Sua umidade pode ser explicada principalmente por causa da presença da floresta
Amazônica.
- Massa Tropical atlântica (mTa) – Quente e úmida, originária do oceano Atlântico nas
imediações do trópico de Capricórnio.
- Massa tropical continental (mTc) – Ela é quente e seca e se origina na depressão do
Chaco (parte da Argentina e do Paraguai).
- Massa polar atlântica (mPa) – Origina nas porções do oceano Atlântico próximas a
Patagônia. É fria e úmida.
-
Previsão
do Tempo
Tema
1
O desenvolvimento tecnológico proporcionou maior eficácia nos
resultados da previsão do tempo. Os satélites artificiais garantiram maior
precisão ao estabelecer as condições do tempo.
Para se obter a previsão do tempo é necessário que ocorra o
monitoramento das massas de ar durante 24 horas por dia. Informações
sobre a temperatura, umidade, pressão do ar e velocidade do vento
também são coletadas. Em seguida, todos esses dados são calculados em
computadores modernos, estabelecendo a previsão do tempo com até 90%
de precisão.
Na imagem de satélite ao lado, 16 de maio,
vemos a massa de ar polar chegando na
região sul do Brasil.
Tema
1
O conhecimento das condições do tempo é fundamental para
escolhermos roupas adequadas conforme a temperatura, além de auxiliar
em viagens e passeios, de forma a evitar alguns ambientes durante
períodos chuvosos.
Algumas atividades econômicas dependem do conhecimento do tempo.
Na agricultura, por exemplo, é fundamental que se saiba os períodos de
estiagem e os chuvosos, evitando, assim, perdas significativas na colheita.
Essas informações também auxiliam na identificação antecipada de
possíveis fenômenos atmosféricos que podem causar grandes danos, tais
como furacões, chuvas de grande intensidade, nevascas, granizos, entre
outros.
Áreas destruídas pela chuva de granizo
Tema
1
Para descrever mais precisamente
o clima de um lugar, são
necessárias várias décadas de
registro de dados (temperatura,
umidade, ventos, pressão
atmosférica, atuação das massas
de ar, etc).
Formação do clima
Os principais elementos climáticos são a
temperatura do ar atmosférico, a precipitação
e a pressão atmosférica.
Tema
1
Elemento Climático: Temperatura AtmosféricaTema
1
Elemento Climático: Precipitação
Precipitação refere-se à
água presente na
atmosfera e que pode
precipitar-se (cair) na
forma de chuva, neve,
granizo etc.
Tema
1
Elemento Climático: Pressão atmosférica
É a pressão que o ar exerce sobre tudo o que existe na
superfície terrestre. A diferença de pressão atmosférica entre
dois lugares dá origem aos ventos e às massas de ar.
Tema
1
Como se forma o Granizo
A formação do granizo se dá da seguinte
forma: gotas de água evaporadas de rios,
lagos, mares e também da superfície
terrestre chegam às nuvens
cumulonimbus, se deparando com uma
temperatura abaixo dos -80°C.
Com isto, o gelo se forma, e acaba
ficando mais pesado, fazendo com que a
nuvem não consiga sustentá-lo, dando
início a uma chuva de granizo como
estamos acostumados a presenciar nos
dias mais quentes do verão brasileiro.
Tema
1
Fator climático - Latitude
As diferenças de latitude ou de localização das zonas climáticas
podem alterar tanto a temperatura como a pressão atmosférica. Os
raios do Sol não atingem igualmente toda a superfície da Terra.
Se considerarmos apenas a Latitude,
em qual ponto a temperatura é menor,
no A, B ou C?
maior latitude = menor temperatura
menor latitude = maior temperatura
Fator climático - Altitude
Como os raios solares aquecem a atmosfera através das
radiações pela Terra, à medida que estamos mais longe da
superfície, menor é a temperatura.
A pressão atmosférica é maior em lugares mais próximos do
nível do mar, em virtude do maior volume de ar sobre a
superfície da Terra.
maior altitude= menor temperatura
menor altitude = maior temperatura
maior altitude= menor pressão
menor altitude = maior pressão
Tema
1
Fatores climáticos - Maritimidade e a Continentalidade
A influência do mar, ou maritimidade, é um importante regulador do clima das
regiões litorâneas. Como as águas do mar se aquecem e se resfriam lentamente,
essa regiões têm temperaturas mais amenas e com pequenas variações. Os
ventos carregados de umidade vindos dos oceanos tornam essas regiões mais
úmidas e chuvosas.
As áreas situadas no interior dos continentes não têm essas características. As
rochas se aquecem muito rápido, quando expostas ao Sol, mas também esfriam
rapidamente, quando privadas de energia solar. Por isso, no interior dos
continentes, a amplitude térmica aumenta e as chuvas diminuem, pois os ventos
vão perdendo a umidade, à medida que penetram nos continentes.
Maior Amplitude Térmica
Menor Amplitude Térmica
Tema
1
Os tipos de clima são determinados pelas diferenças de quantidade de calor que
cada região da Terra recebe do Sol, pela movimentação de massas de ar, pelos
fatores geográficos, como a altitude, a latitude, a maritimidade e a continentalidade.
Tema
2
Tema
2
CLIMAS EQUATORIAL E TROPICAL
Os climas equatorial e tropical ocorrem
em regiões próximas à linha do Equador
e aos trópicos, respectivamente, em
áreas da África, América Central,
América do Sul e Ásia.
Nas regiões onde ocorre o clima
equatorial há maior evaporação, o que
provoca aumento da umidade do ar e da
temperatura como também abundância
de chuvas ao longo de todo o ano.
Já o clima tropical apresenta duas
estações bem definidas: verão quente e
chuvoso e inverno com temperaturas
amenas e seco.
Equatorial
Tema
2
CLIMAS TEMPERADO E SUBTROPICAL
O clima temperado é característico das
regiões situadas entre os trópicos e os
círculos polares (zonas temperadas). Possui
as 4 estações do ano bem definidas, com
temperaturas entre –3 °C e 18 °C. Ocorre
em grande parte do continente europeu,
mas também é encontrado nas Américas do
Norte e do Sul, na Ásia e na Austrália.
Clima Temperado
O clima subtropical pode ser encontrado nas
Américas do Norte e do Sul e em partes da Ásia.
Apresenta chuvas bem distribuídas ao longo do
ano e temperatura média anual inferior a 18 °C.
As estações do ano também são bem
demarcadas, com verão quente e inverno frio,
com geadas e até mesmo neve
Clima Subtropical
Verão
Inverno
Tema
2
FRIO, POLAR E FRIO DE ALTA
MONTANHA
O clima frio é característico de regiões de alta
latitude. Ele abrange grande parte da Rússia e do
Canadá. Apresenta temperaturas baixas na maior
parte do ano, com invernos longos e rigorosos e
presença constante de neve. Os verões são curtos e
de temperaturas amenas.
O clima polar ocorre nas regiões polares e é
caracterizado pelas baixas temperaturas ao longo do
ano inteiro, além de precipitações em forma de
neve em todas as estações do ano. Ele ocorre na
Antártida e em regiões ao norte do Alasca, Canadá,
Sibéria, Groenlândia e parte da Islândia.
O clima frio de alta montanha, está diretamente
relacionado a altitude, e por esse motivo pode ser
encontrado em diferentes zonas climáticas, mesmo
entre os trópicos. Ele é marcado pelas
temperaturas baixas durante o ano todo e a
presença de neve é constante.
Tema
2
CLIMA MEDITERRÂNEO
Esse clima é caracterizado pela grande
influência da maritimidade, pelos
verões quentes e secos e invernos com
muitas chuvas e temperaturas amenas.
É considerado agradável e propício à
agricultura, favorecendo alguns tipos
de cultivo, como o de azeitonas.
Ocorre principalmente no sul da
Europa e norte da África, mas pode ser
encontrado também no sul do
continente africano e da Austrália.
Verão
Inverno
Inverno
Tema
2
CLIMAS SEMIÁRIDO E DESÉRTICO
O clima semiárido registra altas
temperaturas, chuvas escassas e baixa
umidade do ar. Possui chuvas escassas e
períodos prolongados de seca.
No clima desértico, as chuvas são
praticamente ausentes e a baixa umidade
do ar contribui para a formação de
desertos, que podem ser quentes, como o
Deserto do Saara, na África, ou frios, como
o Deserto do Atacama, no Chile. Nesse
clima, a amplitude térmica diária é grande
e a vida de plantas, animais e pessoas deve
ser adaptada a condições extremas.
Clima Desértico
Clima Semiárido
Tema
2
Por que, quanto mais alto subimos, mas frio faz, apesar de
estarmos mais perto do Sol?
É porque no alto o ar é mais rarefeito. O ar é uma combinação de gases feitos de
partículas muito pequenas, chamadas moléculas. Quando as moléculas são atingidas
pela luz do Sol, elas vibram. E é essa vibração que chamamos de calor. Quanto mais alto
se está menor é o número de moléculas no ar, e como há menos moléculas vibrando, o
calor fica menor e sentimos mais frio.
FONTE: Jornal ‘Espalha Fatos’ – Ano 2, Nº17, Setembro de 2013.
(ENEM - 2001)
A adaptação dos integrantes da seleção brasileira de futebol à altitude de La
Paz foi muito comentada em 1995, por ocasião de um torneio, como pode ser
lido no seguinte texto:
“A seleção brasileira embarca hoje para La Paz, capital da Bolívia, situada a
3.700 metros de altitude, onde disputará o torneio Interamérica. A adaptação
deverá ocorrer em um prazo de 10 dias, aproximadamente. O organismo
humano, em atitudes elevadas, necessita desse tempo para se adaptar,
evitando-se, assim, risco de um colapso circulatório”.
(Fonte: Placar, edição fev.1995.)
A adaptação da equipe foi necessária principalmente porque a atmosfera de
La Paz, quando comparada à das cidades brasileiras, apresenta:
a) menor pressão e menor concentração de oxigênio.
b) maior pressão e maior quantidade de oxigênio.
c) maior pressão e maior concentração de gás carbônico
d) menor pressão e maior temperatura.
Analise os climogramas abaixo, que representam os principais domínios
climáticos brasileiros, e preencha os parênteses com a legenda
correspondente.
( ) tropical
( ) subtropical
( ) equatorial
( ) tropical semiárido
A numeração correta, de cima para baixo, é
a) 1 – 2 – 4 – 3
b) 1 – 3 – 4 – 2
c) 2 – 3 – 1 – 4
d) 2 – 4 – 1 – 3
Professora Christie

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Escola estadual tipos de relevo
Escola estadual   tipos de relevoEscola estadual   tipos de relevo
Escola estadual tipos de relevo
Lúcia Marta de Lira
 
Clima
ClimaClima
Geografia vol11
Geografia vol11Geografia vol11
Geografia vol11
Blaunier Matheus
 
Cap9,10,11
Cap9,10,11Cap9,10,11
Cap9,10,11
Christie Freitas
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Paisagens terrestres e as formas de relevo
Paisagens  terrestres e as formas de relevoPaisagens  terrestres e as formas de relevo
Paisagens terrestres e as formas de relevo
Wanderson Benigno
 
6ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_20166ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_2016
Christie Freitas
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
Omar Fürst
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
Josimar Nunes
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Relevo
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Relevo www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Relevo
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Relevo
Aulas De Geografia Apoio
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Jhenny
JhennyJhenny
Jhenny
dennysosm
 
Geografia relevo-final
Geografia relevo-finalGeografia relevo-final
Geografia relevo-final
danielcpacheco2
 
Relevo
RelevoRelevo
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVOAGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
Omar Fürst
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Formas de relevo
Formas de relevoFormas de relevo
Formas de relevo
Stéfano Silveira
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
Maria João Carlos
 

Mais procurados (20)

RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Escola estadual tipos de relevo
Escola estadual   tipos de relevoEscola estadual   tipos de relevo
Escola estadual tipos de relevo
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Geografia vol11
Geografia vol11Geografia vol11
Geografia vol11
 
Cap9,10,11
Cap9,10,11Cap9,10,11
Cap9,10,11
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Paisagens terrestres e as formas de relevo
Paisagens  terrestres e as formas de relevoPaisagens  terrestres e as formas de relevo
Paisagens terrestres e as formas de relevo
 
6ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_20166ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_2016
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Relevo
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Relevo www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Relevo
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Relevo
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Jhenny
JhennyJhenny
Jhenny
 
Geografia relevo-final
Geografia relevo-finalGeografia relevo-final
Geografia relevo-final
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVOAGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Formas de relevo
Formas de relevoFormas de relevo
Formas de relevo
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
 

Semelhante a Sext oano unidade 6_tema1e2

Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Christie Freitas
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
André Luiz Marques
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
Luciano Pessanha
 
Clima
ClimaClima
Climatologia (Parte 1)
Climatologia  (Parte 1)Climatologia  (Parte 1)
Climatologia (Parte 1)
Hidrologia UFC
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Saulo Lucena
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
SarahAlves89
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Carson Souza
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
caduisolada
 
Clima relevo_ mundiais
Clima  relevo_ mundiaisClima  relevo_ mundiais
Clima relevo_ mundiais
escolajoseaniceto
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Jonatas Carlos
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Artur Lara
 
Clima
ClimaClima
Clima
LUIS ABREU
 
Climas da terra
Climas da terraClimas da terra
Climas da terra
Lilian Larroca
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
espacoaberto
 
clima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdfclima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdf
EduardoBarroso37
 
Clima
ClimaClima
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Renato Brasil
 

Semelhante a Sext oano unidade 6_tema1e2 (20)

Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Climatologia (Parte 1)
Climatologia  (Parte 1)Climatologia  (Parte 1)
Climatologia (Parte 1)
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Clima relevo_ mundiais
Clima  relevo_ mundiaisClima  relevo_ mundiais
Clima relevo_ mundiais
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Climas da terra
Climas da terraClimas da terra
Climas da terra
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
 
clima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdfclima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdf
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 

Mais de Christie Freitas

Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
Christie Freitas
 
Unidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcialUnidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcial
Christie Freitas
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Christie Freitas
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
Christie Freitas
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8   sexto anoUnidade 8   sexto ano
Unidade 8 sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7  temas 3 e 4 - sexto anoUnidade 7  temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Christie Freitas
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoanoUnidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoano
Christie Freitas
 
Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4
Christie Freitas
 
Unidade 2 oitavo ano
Unidade 2   oitavo anoUnidade 2   oitavo ano
Unidade 2 oitavo ano
Christie Freitas
 
Unidade 5 6 ano
Unidade 5 6 anoUnidade 5 6 ano
Unidade 5 6 ano
Christie Freitas
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Christie Freitas
 
Unidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto anoUnidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Christie Freitas
 
Unidade 9 - 6º ano
Unidade 9   - 6º anoUnidade 9   - 6º ano
Unidade 9 - 6º ano
Christie Freitas
 
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8   temas 3 e 4 sexto anoUnidade 8   temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Christie Freitas
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
Christie Freitas
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
Christie Freitas
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8 sexto anoUnidade 8 sexto ano
Unidade 8 sexto ano
Christie Freitas
 

Mais de Christie Freitas (20)

Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
 
Unidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcialUnidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcial
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8   sexto anoUnidade 8   sexto ano
Unidade 8 sexto ano
 
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7  temas 3 e 4 - sexto anoUnidade 7  temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
 
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
 
Unidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoanoUnidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoano
 
Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4
 
Unidade 2 oitavo ano
Unidade 2   oitavo anoUnidade 2   oitavo ano
Unidade 2 oitavo ano
 
Unidade 5 6 ano
Unidade 5 6 anoUnidade 5 6 ano
Unidade 5 6 ano
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto anoUnidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
 
Unidade 9 - 6º ano
Unidade 9   - 6º anoUnidade 9   - 6º ano
Unidade 9 - 6º ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8   temas 3 e 4 sexto anoUnidade 8   temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8 sexto anoUnidade 8 sexto ano
Unidade 8 sexto ano
 

Último

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Sext oano unidade 6_tema1e2

  • 1. UNIDADE VI Clima e Vegetação 6º ano – Geografia Professora Christie
  • 2. Entendendo o tempo e o clima Tema 1
  • 3. Esta figura representa clima ou tempo? Ao tempo. Perceba como ele muda durante o dia. Tema 1
  • 4. Por que o tempo muda? As mudanças do tempo estão relacionadas à atuação de diversos fenômenos, principalmente aos deslocamentos das massas de ar. Massas de ar são grandes volumes de ar com característica “homogêneas”, em relação à temperatura e vapor de água. As massas de ar estão em constante deslocamento, que ocorre em virtude das diferenças de pressão. O movimento sempre acontece das zonas de alta para as zonas de baixa pressão e determinam, assim, a dinâmica geral da circulação atmosférica e as formações dos diferentes tipos climáticos. O encontro entre duas massas de ar de diferentes temperaturas são chamadas de frente. Só acontece uma frente fria, quando uma massa polar se desloca e empurra uma tropical, ocupando o seu lugar. Tema 1
  • 5. Nas regiões polar e temperada são formadas massas de ar frias, e as que se formam nas regiões equatorial ou tropical são quentes. Se a origem é sobre o oceano, a massa é de ar úmido e, caso se forme sobre o continente, a massa terá geralmente baixa umidade. Massas de Ar – MP: Massas polares; ME: Massas Equatoriais; MT: Massas Tropicais Massa de Ar Tema 1
  • 6. - Massa equatorial atlântica (mEa) – Origina-se no oceano Atlântico. É quente e úmida. - Massa equatorial continental (mEc) – É quente e úmida. É a única continental úmida no globo, pois, como regra geral, as massas de ar oceânicas são úmidas e as continentais secas. Sua umidade pode ser explicada principalmente por causa da presença da floresta Amazônica. - Massa Tropical atlântica (mTa) – Quente e úmida, originária do oceano Atlântico nas imediações do trópico de Capricórnio. - Massa tropical continental (mTc) – Ela é quente e seca e se origina na depressão do Chaco (parte da Argentina e do Paraguai). - Massa polar atlântica (mPa) – Origina nas porções do oceano Atlântico próximas a Patagônia. É fria e úmida. -
  • 8. O desenvolvimento tecnológico proporcionou maior eficácia nos resultados da previsão do tempo. Os satélites artificiais garantiram maior precisão ao estabelecer as condições do tempo. Para se obter a previsão do tempo é necessário que ocorra o monitoramento das massas de ar durante 24 horas por dia. Informações sobre a temperatura, umidade, pressão do ar e velocidade do vento também são coletadas. Em seguida, todos esses dados são calculados em computadores modernos, estabelecendo a previsão do tempo com até 90% de precisão. Na imagem de satélite ao lado, 16 de maio, vemos a massa de ar polar chegando na região sul do Brasil. Tema 1
  • 9. O conhecimento das condições do tempo é fundamental para escolhermos roupas adequadas conforme a temperatura, além de auxiliar em viagens e passeios, de forma a evitar alguns ambientes durante períodos chuvosos. Algumas atividades econômicas dependem do conhecimento do tempo. Na agricultura, por exemplo, é fundamental que se saiba os períodos de estiagem e os chuvosos, evitando, assim, perdas significativas na colheita. Essas informações também auxiliam na identificação antecipada de possíveis fenômenos atmosféricos que podem causar grandes danos, tais como furacões, chuvas de grande intensidade, nevascas, granizos, entre outros. Áreas destruídas pela chuva de granizo Tema 1
  • 10. Para descrever mais precisamente o clima de um lugar, são necessárias várias décadas de registro de dados (temperatura, umidade, ventos, pressão atmosférica, atuação das massas de ar, etc). Formação do clima Os principais elementos climáticos são a temperatura do ar atmosférico, a precipitação e a pressão atmosférica. Tema 1
  • 11. Elemento Climático: Temperatura AtmosféricaTema 1
  • 12. Elemento Climático: Precipitação Precipitação refere-se à água presente na atmosfera e que pode precipitar-se (cair) na forma de chuva, neve, granizo etc. Tema 1
  • 13. Elemento Climático: Pressão atmosférica É a pressão que o ar exerce sobre tudo o que existe na superfície terrestre. A diferença de pressão atmosférica entre dois lugares dá origem aos ventos e às massas de ar. Tema 1
  • 14. Como se forma o Granizo A formação do granizo se dá da seguinte forma: gotas de água evaporadas de rios, lagos, mares e também da superfície terrestre chegam às nuvens cumulonimbus, se deparando com uma temperatura abaixo dos -80°C. Com isto, o gelo se forma, e acaba ficando mais pesado, fazendo com que a nuvem não consiga sustentá-lo, dando início a uma chuva de granizo como estamos acostumados a presenciar nos dias mais quentes do verão brasileiro. Tema 1
  • 15. Fator climático - Latitude As diferenças de latitude ou de localização das zonas climáticas podem alterar tanto a temperatura como a pressão atmosférica. Os raios do Sol não atingem igualmente toda a superfície da Terra. Se considerarmos apenas a Latitude, em qual ponto a temperatura é menor, no A, B ou C? maior latitude = menor temperatura menor latitude = maior temperatura
  • 16. Fator climático - Altitude Como os raios solares aquecem a atmosfera através das radiações pela Terra, à medida que estamos mais longe da superfície, menor é a temperatura. A pressão atmosférica é maior em lugares mais próximos do nível do mar, em virtude do maior volume de ar sobre a superfície da Terra. maior altitude= menor temperatura menor altitude = maior temperatura maior altitude= menor pressão menor altitude = maior pressão Tema 1
  • 17. Fatores climáticos - Maritimidade e a Continentalidade A influência do mar, ou maritimidade, é um importante regulador do clima das regiões litorâneas. Como as águas do mar se aquecem e se resfriam lentamente, essa regiões têm temperaturas mais amenas e com pequenas variações. Os ventos carregados de umidade vindos dos oceanos tornam essas regiões mais úmidas e chuvosas. As áreas situadas no interior dos continentes não têm essas características. As rochas se aquecem muito rápido, quando expostas ao Sol, mas também esfriam rapidamente, quando privadas de energia solar. Por isso, no interior dos continentes, a amplitude térmica aumenta e as chuvas diminuem, pois os ventos vão perdendo a umidade, à medida que penetram nos continentes. Maior Amplitude Térmica Menor Amplitude Térmica Tema 1
  • 18. Os tipos de clima são determinados pelas diferenças de quantidade de calor que cada região da Terra recebe do Sol, pela movimentação de massas de ar, pelos fatores geográficos, como a altitude, a latitude, a maritimidade e a continentalidade. Tema 2
  • 20. CLIMAS EQUATORIAL E TROPICAL Os climas equatorial e tropical ocorrem em regiões próximas à linha do Equador e aos trópicos, respectivamente, em áreas da África, América Central, América do Sul e Ásia. Nas regiões onde ocorre o clima equatorial há maior evaporação, o que provoca aumento da umidade do ar e da temperatura como também abundância de chuvas ao longo de todo o ano. Já o clima tropical apresenta duas estações bem definidas: verão quente e chuvoso e inverno com temperaturas amenas e seco. Equatorial Tema 2
  • 21. CLIMAS TEMPERADO E SUBTROPICAL O clima temperado é característico das regiões situadas entre os trópicos e os círculos polares (zonas temperadas). Possui as 4 estações do ano bem definidas, com temperaturas entre –3 °C e 18 °C. Ocorre em grande parte do continente europeu, mas também é encontrado nas Américas do Norte e do Sul, na Ásia e na Austrália. Clima Temperado O clima subtropical pode ser encontrado nas Américas do Norte e do Sul e em partes da Ásia. Apresenta chuvas bem distribuídas ao longo do ano e temperatura média anual inferior a 18 °C. As estações do ano também são bem demarcadas, com verão quente e inverno frio, com geadas e até mesmo neve Clima Subtropical Verão Inverno Tema 2
  • 22. FRIO, POLAR E FRIO DE ALTA MONTANHA O clima frio é característico de regiões de alta latitude. Ele abrange grande parte da Rússia e do Canadá. Apresenta temperaturas baixas na maior parte do ano, com invernos longos e rigorosos e presença constante de neve. Os verões são curtos e de temperaturas amenas. O clima polar ocorre nas regiões polares e é caracterizado pelas baixas temperaturas ao longo do ano inteiro, além de precipitações em forma de neve em todas as estações do ano. Ele ocorre na Antártida e em regiões ao norte do Alasca, Canadá, Sibéria, Groenlândia e parte da Islândia. O clima frio de alta montanha, está diretamente relacionado a altitude, e por esse motivo pode ser encontrado em diferentes zonas climáticas, mesmo entre os trópicos. Ele é marcado pelas temperaturas baixas durante o ano todo e a presença de neve é constante. Tema 2
  • 23. CLIMA MEDITERRÂNEO Esse clima é caracterizado pela grande influência da maritimidade, pelos verões quentes e secos e invernos com muitas chuvas e temperaturas amenas. É considerado agradável e propício à agricultura, favorecendo alguns tipos de cultivo, como o de azeitonas. Ocorre principalmente no sul da Europa e norte da África, mas pode ser encontrado também no sul do continente africano e da Austrália. Verão Inverno Inverno Tema 2
  • 24. CLIMAS SEMIÁRIDO E DESÉRTICO O clima semiárido registra altas temperaturas, chuvas escassas e baixa umidade do ar. Possui chuvas escassas e períodos prolongados de seca. No clima desértico, as chuvas são praticamente ausentes e a baixa umidade do ar contribui para a formação de desertos, que podem ser quentes, como o Deserto do Saara, na África, ou frios, como o Deserto do Atacama, no Chile. Nesse clima, a amplitude térmica diária é grande e a vida de plantas, animais e pessoas deve ser adaptada a condições extremas. Clima Desértico Clima Semiárido Tema 2
  • 25. Por que, quanto mais alto subimos, mas frio faz, apesar de estarmos mais perto do Sol? É porque no alto o ar é mais rarefeito. O ar é uma combinação de gases feitos de partículas muito pequenas, chamadas moléculas. Quando as moléculas são atingidas pela luz do Sol, elas vibram. E é essa vibração que chamamos de calor. Quanto mais alto se está menor é o número de moléculas no ar, e como há menos moléculas vibrando, o calor fica menor e sentimos mais frio. FONTE: Jornal ‘Espalha Fatos’ – Ano 2, Nº17, Setembro de 2013.
  • 26. (ENEM - 2001) A adaptação dos integrantes da seleção brasileira de futebol à altitude de La Paz foi muito comentada em 1995, por ocasião de um torneio, como pode ser lido no seguinte texto: “A seleção brasileira embarca hoje para La Paz, capital da Bolívia, situada a 3.700 metros de altitude, onde disputará o torneio Interamérica. A adaptação deverá ocorrer em um prazo de 10 dias, aproximadamente. O organismo humano, em atitudes elevadas, necessita desse tempo para se adaptar, evitando-se, assim, risco de um colapso circulatório”. (Fonte: Placar, edição fev.1995.) A adaptação da equipe foi necessária principalmente porque a atmosfera de La Paz, quando comparada à das cidades brasileiras, apresenta: a) menor pressão e menor concentração de oxigênio. b) maior pressão e maior quantidade de oxigênio. c) maior pressão e maior concentração de gás carbônico d) menor pressão e maior temperatura.
  • 27. Analise os climogramas abaixo, que representam os principais domínios climáticos brasileiros, e preencha os parênteses com a legenda correspondente. ( ) tropical ( ) subtropical ( ) equatorial ( ) tropical semiárido A numeração correta, de cima para baixo, é a) 1 – 2 – 4 – 3 b) 1 – 3 – 4 – 2 c) 2 – 3 – 1 – 4 d) 2 – 4 – 1 – 3