SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
GEOGRAFIA FÍSICA
JOSIMAR NUNES PEREIRA DE FREITAS
Josimar.jnp@gmail.com
“DINÂMICAS DO RELEVO:
AGENTES MODELADORES”
OBJETIVOS
 Conceituar relevo;
 Compreender o que são e como agem os principais agentes
externos modeladores;
 Entender a influencia da dinâmica do relevo na composição da
paisagem;
 Visualizar as principais formas de relevo encontradas no Espírito
Santo.
O que vocês compreendem como sendo relevo?
RELEVO
“É o conjunto das formas da superfície da Terra, que
apresentam altitudes diferentes entre si.” (ALBUQUERQUE,
BIGOTTO e VITIELLO, 2010. p.107. )
CONCEITO
RELEVO
Estas formas sempre foram assim?
De acordo com esta imagem, onde estamos localizados?
RELEVO
QUEM SÃO OS
RESPONSÁVEIS POR
ALTERAR ESSAS FORMAS?
PRINCIPAIS MODELADORES
DO RELEVO
 Intemperismo - também conhecido como
meteorização, é o conjunto de processos
mecânicos, químicos e biológicos que ocasionam
a desintegração e a decomposição das rochas.
Divido em:
 Físico;
 Químico;
 Biológico.
INTEMPERISMO FÍSICO
É o resultado da ação mecânica, desagregando as rochas gradualmente em
partículas pela variação de temperatura ou pela ação de gelo e degelo.
O intemperismo físico pode ocorrer em qualquer superfície continental, porém
é predominante nas regiões áridas, semiáridas e sujeitas a gelo e degelo.
INTEMPERISMO QUÍMICO
Implica em transformações químicas dos minerais que compõem a rocha.
O principal agente do intemperismo químico é a água.
Intemperismo Biológico
 É produzido pelas bactérias, produzindo a
decomposição biótica de materiais
orgânicos. Este tipo de intemperismo
produz os solos mais férteis do mundo,
sendo muito comum na Rússia e na
Ucrânia.
Erosão
 É o conjunto de processos que desagregam e
transportam solo e rochas. A erosão é um
momento "rápido" se comparado com o
Intemperismo e o Transporte Sedimentar. Podendo
se apresentar de tais maneiras:
 Eólica
 Pluvial
 Fluvial
 Gravitacional
 Marinha
 Antrópica
Erosão Eólica
 É um tipo de erosão causada pelo vento,
com a retirada de material da superfície
mais fino.
Erosão Pluvial
 É provocada pela retirada de material da
parte superficial do solo pelas águas da
chuva.
Vila Velha - ES
Convento da Penha, Vila Velha - ES
Erosão Fluvial
 É provocada pelas águas dos rios que
provoca desgaste nas encostas dos rios e
removem porções do solo e rochas.
Colatina – ES
Erosão Gravitacional
 É provocada pela força da gravidade,
quando solos e rochas se encontram
desestabilizados por outros agentes, seja
pela força da natureza ou pela ação
humana.
Colatina – ES
Erosão Marinha
 É provocada pelo movimento das ondas do
mar.
Conceição da Barra – ES
Marataízes - ES
Erosão Antrópica
 É o aceleramento da erosão nas
camadas superiores do solo em
conseqüência de desflorestamentos,
construção de estradas etc.
Tectonismo ou Diastrofismo
 É um termo geral relativo a todos os
movimentos da crosta terrestre com origem
em processos tectônicos. Incluem-se a
formação de bacias oceânicas, continentes,
planaltos e cordilheiras.
IMPORTANTE!!!

A AÇÃO DESTES AGENTES
MODELADORES RESULTAM NO
SURGIMENTO DAS FORMAS QUE
COMPÕE O RELEVO.
VEJAMOS ALGUMAS ENCONTRADAS
NO ESPÍRITO SANTO:
ALGUMAS “FORMAS”
ENCONTRADAS NO ESPÍRITO
SANTO
PLANALTO:
Pico da Bandeira, o Ponto mais alto do
Espírito Santo.
O Pico está localizado no Parque
Nacional do Caparaó, na Serra do
Caparaó, na divisa entre os municípios
de Ibitirama, Espírito Santo, e Alto
Caparaó, Minas Gerais.
Mestre Álvaro, da região metropolitana
o mais alto . Serra - ES
planaltos de plataforma - quando estes
se encontram rodeados de montanhas;
planaltos de terra - encontram-se num
nível de transição entre uma montanha
e uma planície;
planaltos continentais - ascendem
abruptamente de terrenos pouco
elevados ou do próprio mar.
Planície Litorânea
Vista do Mirante do Oeste do Moxuara Vila Velha – ES. (meados de 1950)
Depressão
Pontões capixaba, Localizado nos municípios de Pancas e Águia Branca -ES
• Morro – Também chamado de cerro (às vezes escrito serro) é um
constituído por pequena elevação de terreno com declive suave.
(também conhecido como colina);
Morro do Moreno. Vila Velha -ES
• Vale – São fundos de depressões alongada entre duas montanhas
ou colinas.
Vale do Canaã. Santa Tereza-ES
Foto: Josimar Nunes / 2011
Foto: Josimar Nunes / 2011
Tabuleiro:
100 a 200
metros
Planície:
0 à 100 metros
Planalto:
Acima de 300
metros
Vista do Observatório
Astrônomico da UFES
ATIVIDADE:
 Na opinião de vocês, qual o motivo dos alagamentos em Vila
Velha?
 Por que Cariacica sofre tanto com constantes movimentos de
massa durante os períodos de chuva?
 Você sofre algum tipo de transtorno durante os períodos de
chuva?
 Se pensarmos que o relevo é dinâmico, podemos concluir
que também a paisagem está em constante modificação?
BIBLIOGRAFIA
 LIVRO DIDÁTICO BASE:
ALBUQUERQUE, Maria Adailza Martins de; BIGOTTO, José
Francisco; VITIELLO, Márcio Abondanza. Geografia
Sociedade e Cotidiano. 2.ed. SP: Escala Educacional.
2010.
DEMAIS FONTES CONSULTADAS:
 MORAES, Paulo Roberto. Geografia Geral e do Brasil. 3.
ed. São Paulo: HARBRA, 2006.
 PRESS, Frank. Para entender a Terra. 4. ed. Porto Alegre:
Bookman, 2006.
 TRICART, J,ROCHEFORT, M. e RIMBERT, S. Initiation aux
travaux pratiques de geographie-commertaires decartes.
SEDES, 4° ed, 1968, PP 54-61. Tradução: Marília Barros de
Aguiar- UNESP-Presidente Prudente..

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
Cap. 5   os agentes modeladores do relevoCap. 5   os agentes modeladores do relevo
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
profacacio
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
edsonluz
 
Conceitos geográficos
Conceitos geográficosConceitos geográficos
Conceitos geográficos
Professor
 

Mais procurados (20)

Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
 
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
Cap. 5   os agentes modeladores do relevoCap. 5   os agentes modeladores do relevo
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 
Geografia 6º ano
Geografia 6º anoGeografia 6º ano
Geografia 6º ano
 
Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Regionalização do espaço brasileiro fundamental
Regionalização do espaço brasileiro    fundamentalRegionalização do espaço brasileiro    fundamental
Regionalização do espaço brasileiro fundamental
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
 
TERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura GeologicaTERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura Geologica
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
A industrialização brasileira
A industrialização brasileiraA industrialização brasileira
A industrialização brasileira
 
Aula 3 - fluxos migratórios
Aula 3 -  fluxos migratóriosAula 3 -  fluxos migratórios
Aula 3 - fluxos migratórios
 
Oriente Médio
Oriente MédioOriente Médio
Oriente Médio
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Paisagens e espaço geográfico
Paisagens e espaço geográficoPaisagens e espaço geográfico
Paisagens e espaço geográfico
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
 
Conceitos geográficos
Conceitos geográficosConceitos geográficos
Conceitos geográficos
 
Organizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiaisOrganizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiais
 

Destaque

Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevoAula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
geopedrote
 
Agentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externosAgentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externos
Fernanda Lopes
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
UFES
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
Italo Alan
 
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologiaConceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Girlene Virginia
 
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
agendab
 

Destaque (20)

Dinâmica do Relevo
Dinâmica do RelevoDinâmica do Relevo
Dinâmica do Relevo
 
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevoAula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
 
Agentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externosAgentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externos
 
Os Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - GeografiaOs Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - Geografia
 
Aula 3 Intemperismo
Aula 3    IntemperismoAula 3    Intemperismo
Aula 3 Intemperismo
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Erosao
ErosaoErosao
Erosao
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
 
IntroduçãO 01
IntroduçãO 01IntroduçãO 01
IntroduçãO 01
 
Dinâmica do Relevo
Dinâmica do RelevoDinâmica do Relevo
Dinâmica do Relevo
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Dinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevoDinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevo
 
V.3 Mudanças na paisagem
V.3 Mudanças na paisagemV.3 Mudanças na paisagem
V.3 Mudanças na paisagem
 
Dinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevoDinâmica interna e externa do relevo
Dinâmica interna e externa do relevo
 
Aula - Relevo Brasil
Aula - Relevo BrasilAula - Relevo Brasil
Aula - Relevo Brasil
 
Conceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologiaConceitos fundamentais da geomorfologia
Conceitos fundamentais da geomorfologia
 
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
 

Semelhante a DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES

LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
DANUBIA ZANOTELLI
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
Professor
 
Geografia relevo-final-170912061944
Geografia relevo-final-170912061944Geografia relevo-final-170912061944
Geografia relevo-final-170912061944
Georgea Melo
 
Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO PELOS ALUNOS DO I...
Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO  PELOS  ALUNOS DO I...Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO  PELOS  ALUNOS DO I...
Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO PELOS ALUNOS DO I...
IFES Campus Itapina
 
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro LobatoRelevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Isabel Cabral
 

Semelhante a DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES (20)

Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 
agentes do relevo.pdf
agentes do relevo.pdfagentes do relevo.pdf
agentes do relevo.pdf
 
Formação da terra
Formação da terraFormação da terra
Formação da terra
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
Geografia relevo-final
Geografia relevo-finalGeografia relevo-final
Geografia relevo-final
 
Geografia relevo-final-170912061944
Geografia relevo-final-170912061944Geografia relevo-final-170912061944
Geografia relevo-final-170912061944
 
Aula capitulo 10
Aula capitulo 10Aula capitulo 10
Aula capitulo 10
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
 
Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO PELOS ALUNOS DO I...
Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO  PELOS  ALUNOS DO I...Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO  PELOS  ALUNOS DO I...
Slides de-tectonismo-vulcc3b5es-e-abalos-sc3admicos FEITO PELOS ALUNOS DO I...
 
6ano unidade5
6ano unidade56ano unidade5
6ano unidade5
 
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro LobatoRelevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
 
Modulo 04 O planeta Terra - Relevo
Modulo 04   O planeta Terra - RelevoModulo 04   O planeta Terra - Relevo
Modulo 04 O planeta Terra - Relevo
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
6º ano_Aula 07 B_ relevo suas formas e os diferentes tipos.ppt
6º ano_Aula 07 B_ relevo suas formas e os diferentes tipos.ppt6º ano_Aula 07 B_ relevo suas formas e os diferentes tipos.ppt
6º ano_Aula 07 B_ relevo suas formas e os diferentes tipos.ppt
 
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo TerrestreFormação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
 

Mais de Josimar Nunes

GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meiosGLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
Josimar Nunes
 
Fases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatísticoFases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatístico
Josimar Nunes
 

Mais de Josimar Nunes (12)

Professor da UFES é afastado
Professor da UFES é afastadoProfessor da UFES é afastado
Professor da UFES é afastado
 
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal QuijanoColonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina - Aníbal Quijano
 
Casos de Racismo no início da copa 2014
Casos de Racismo no início da copa 2014Casos de Racismo no início da copa 2014
Casos de Racismo no início da copa 2014
 
Europa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
Europa: Geopolitica, Geofísica e GeoeconomiaEuropa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
Europa: Geopolitica, Geofísica e Geoeconomia
 
Geografia no ensino básico: questões e propostas
Geografia no ensino básico: questões e propostasGeografia no ensino básico: questões e propostas
Geografia no ensino básico: questões e propostas
 
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meiosGLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
GLobalização: O global e o regional, uma interação entre os meios
 
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociaisPoliticas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
Politicas Populacionais: um grande desafio aos planejadores sociais
 
Apostila Básica de Word
Apostila Básica de WordApostila Básica de Word
Apostila Básica de Word
 
Fases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatísticoFases do trabalho estatístico
Fases do trabalho estatístico
 
Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
 Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005 Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
Gabarito, edital e Prova Completa CESAN PC2005
 
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do BrasilGestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
Gestao de Petroleo e Gás - Amigos do Brasil
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES

  • 1. GEOGRAFIA FÍSICA JOSIMAR NUNES PEREIRA DE FREITAS Josimar.jnp@gmail.com “DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES”
  • 2. OBJETIVOS  Conceituar relevo;  Compreender o que são e como agem os principais agentes externos modeladores;  Entender a influencia da dinâmica do relevo na composição da paisagem;  Visualizar as principais formas de relevo encontradas no Espírito Santo.
  • 3. O que vocês compreendem como sendo relevo? RELEVO
  • 4. “É o conjunto das formas da superfície da Terra, que apresentam altitudes diferentes entre si.” (ALBUQUERQUE, BIGOTTO e VITIELLO, 2010. p.107. ) CONCEITO
  • 6. De acordo com esta imagem, onde estamos localizados? RELEVO
  • 7. QUEM SÃO OS RESPONSÁVEIS POR ALTERAR ESSAS FORMAS?
  • 8. PRINCIPAIS MODELADORES DO RELEVO  Intemperismo - também conhecido como meteorização, é o conjunto de processos mecânicos, químicos e biológicos que ocasionam a desintegração e a decomposição das rochas. Divido em:  Físico;  Químico;  Biológico.
  • 9. INTEMPERISMO FÍSICO É o resultado da ação mecânica, desagregando as rochas gradualmente em partículas pela variação de temperatura ou pela ação de gelo e degelo. O intemperismo físico pode ocorrer em qualquer superfície continental, porém é predominante nas regiões áridas, semiáridas e sujeitas a gelo e degelo.
  • 10. INTEMPERISMO QUÍMICO Implica em transformações químicas dos minerais que compõem a rocha. O principal agente do intemperismo químico é a água.
  • 11. Intemperismo Biológico  É produzido pelas bactérias, produzindo a decomposição biótica de materiais orgânicos. Este tipo de intemperismo produz os solos mais férteis do mundo, sendo muito comum na Rússia e na Ucrânia.
  • 12. Erosão  É o conjunto de processos que desagregam e transportam solo e rochas. A erosão é um momento "rápido" se comparado com o Intemperismo e o Transporte Sedimentar. Podendo se apresentar de tais maneiras:  Eólica  Pluvial  Fluvial  Gravitacional  Marinha  Antrópica
  • 13. Erosão Eólica  É um tipo de erosão causada pelo vento, com a retirada de material da superfície mais fino.
  • 14. Erosão Pluvial  É provocada pela retirada de material da parte superficial do solo pelas águas da chuva. Vila Velha - ES
  • 15. Convento da Penha, Vila Velha - ES
  • 16. Erosão Fluvial  É provocada pelas águas dos rios que provoca desgaste nas encostas dos rios e removem porções do solo e rochas. Colatina – ES
  • 17. Erosão Gravitacional  É provocada pela força da gravidade, quando solos e rochas se encontram desestabilizados por outros agentes, seja pela força da natureza ou pela ação humana.
  • 19. Erosão Marinha  É provocada pelo movimento das ondas do mar. Conceição da Barra – ES
  • 21. Erosão Antrópica  É o aceleramento da erosão nas camadas superiores do solo em conseqüência de desflorestamentos, construção de estradas etc.
  • 22. Tectonismo ou Diastrofismo  É um termo geral relativo a todos os movimentos da crosta terrestre com origem em processos tectônicos. Incluem-se a formação de bacias oceânicas, continentes, planaltos e cordilheiras.
  • 23. IMPORTANTE!!!  A AÇÃO DESTES AGENTES MODELADORES RESULTAM NO SURGIMENTO DAS FORMAS QUE COMPÕE O RELEVO. VEJAMOS ALGUMAS ENCONTRADAS NO ESPÍRITO SANTO:
  • 25. PLANALTO: Pico da Bandeira, o Ponto mais alto do Espírito Santo. O Pico está localizado no Parque Nacional do Caparaó, na Serra do Caparaó, na divisa entre os municípios de Ibitirama, Espírito Santo, e Alto Caparaó, Minas Gerais. Mestre Álvaro, da região metropolitana o mais alto . Serra - ES planaltos de plataforma - quando estes se encontram rodeados de montanhas; planaltos de terra - encontram-se num nível de transição entre uma montanha e uma planície; planaltos continentais - ascendem abruptamente de terrenos pouco elevados ou do próprio mar.
  • 26. Planície Litorânea Vista do Mirante do Oeste do Moxuara Vila Velha – ES. (meados de 1950)
  • 27. Depressão Pontões capixaba, Localizado nos municípios de Pancas e Águia Branca -ES
  • 28. • Morro – Também chamado de cerro (às vezes escrito serro) é um constituído por pequena elevação de terreno com declive suave. (também conhecido como colina); Morro do Moreno. Vila Velha -ES
  • 29. • Vale – São fundos de depressões alongada entre duas montanhas ou colinas. Vale do Canaã. Santa Tereza-ES Foto: Josimar Nunes / 2011
  • 30. Foto: Josimar Nunes / 2011 Tabuleiro: 100 a 200 metros Planície: 0 à 100 metros Planalto: Acima de 300 metros Vista do Observatório Astrônomico da UFES
  • 31. ATIVIDADE:  Na opinião de vocês, qual o motivo dos alagamentos em Vila Velha?  Por que Cariacica sofre tanto com constantes movimentos de massa durante os períodos de chuva?  Você sofre algum tipo de transtorno durante os períodos de chuva?  Se pensarmos que o relevo é dinâmico, podemos concluir que também a paisagem está em constante modificação?
  • 32. BIBLIOGRAFIA  LIVRO DIDÁTICO BASE: ALBUQUERQUE, Maria Adailza Martins de; BIGOTTO, José Francisco; VITIELLO, Márcio Abondanza. Geografia Sociedade e Cotidiano. 2.ed. SP: Escala Educacional. 2010. DEMAIS FONTES CONSULTADAS:  MORAES, Paulo Roberto. Geografia Geral e do Brasil. 3. ed. São Paulo: HARBRA, 2006.  PRESS, Frank. Para entender a Terra. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.  TRICART, J,ROCHEFORT, M. e RIMBERT, S. Initiation aux travaux pratiques de geographie-commertaires decartes. SEDES, 4° ed, 1968, PP 54-61. Tradução: Marília Barros de Aguiar- UNESP-Presidente Prudente..