SlideShare uma empresa Scribd logo
CLIMATOLOGIACLIMATOLOGIA
 Prof.º André Luiz Marques
andreluizmarx@gmail.com
Constituição da atmosfera:
ATMOSFERA CONSTITUIÇÃOATMOSFERA CONSTITUIÇÃO
Oxigênio 20,9 %
Nitrogênio 78%
Gases Raros 1%
Microorganismos e partículas suspensas no ar,
como cinzas e poeiras
Climatologia
ESTRUTURA FÍSICA DA ATMOSFERAESTRUTURA FÍSICA DA ATMOSFERA
TROPOSFERA Superfície da Terra até
aproximadamente 10 KM
Fenômenos
Meteorológicos
ESTRATOSFERA 10 KM e 50 KM de altitude Camada de Ozônio
MESOSFERA 50 Km e 80 Km de altitude Reflexão das ondas de
rádio
IONOSFERA 80 Km e 600 Km de altitude Satélites artificiais
EXOSFERA 600 Km e 800 Km de altitude Antecede o espaço
sideral
O TEMPOTEMPO é efêmero, podendo alternar-se várias vezes ao dia, vemos este
fenômeno normalmente em Curitiba aonde dizemos que temos as
quatro estações do ano em um dia.
Exemplo: O tempo hoje está chuvoso.
O CLIMACLIMA é o conjunto de condições atmosféricas. Como temperatura,
ventos, precipitações, entre outros, verificadas mensal ou anualmente
por um período no mínimo 30 ANOS em uma determinada área.
Exemplo: O clima de Curitiba é o subtropical úmido, com verões suaves e
invernos relativamente frios.
DIFERENÇA ENTRE CLIMA E TEMPODIFERENÇA ENTRE CLIMA E TEMPO
CUIDADO !!!
CLIMA E TEMPO NÃO SÃO SINÔNIMOS
Fatores do clima:
Cada região tem seu próprio clima, isto porque os fatores climáticos modificam os
elementos do clima. Os fatores climáticos são:
Latitude
Quanto mais nos afastarmos do Equador, menor a temperatura. A Terra é iluminada
pelos raios solares com diferentes inclinações. Quanto mais longe do Equador a
incidência de luz solar é menor.
Altitude
Quanto mais alto estivermos menor será a temperatura. Isto porque o ar se torna
rarefeito, ou seja, a concentração de gases e de umidade à medida que aumenta
a altitude, é menor, o que vai reduzir a retenção de calor nas camadas mais
elevada da atmosfera.
FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
Massas de ar
Apresentam características particulares da região em que se originaram, como
temperatura, pressão e umidade, e se deslocam pela superfície terrestre. As
massas podem ser polares, tropicais ou equatoriais.
As massas de ar tropicais se formam nos trópicos de Capricórnio e de Câncer. Elas
podem se formar na altura dos oceanos (oceânicas) e serem úmidas; serão
secas se forem formadas no interior dos continentes (continental).
As massas polares são frias. Isto porque elas se formam em regiões de baixas
temperaturas, como o nome já diz, nas regiões polares. Elas também são secas,
visto que as baixas temperaturas não possibilitam uma forte evaporação das
águas.
As massas equatoriais são quentes, se formam próximas a linha do Equador. O
encontro de duas massas, geralmente uma fria e outra quente, dá-se o nome de
frente. Quando elas se encontram ocorre as chuvas e o tempo muda.
FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
Continentalidade
A proximidade de grandes quantidades de água exerce influencia na temperatura. A água
demora a se aquecer, enquanto os continentes se aquecem rapidamente. Por outro lado,
ao contrário dos continentes, a água demora irradiar a energia absorvida. Por isso, o
hemisfério Norte tem invernos mais rigorosos e verões mais quentes, devido a quantidade
de terras emersas ser maior, ou seja, sofre influencia da continentalidade, boa parte deste
hemisfério.
Correntes Marítimas
São massas de água que circulam pelo oceano. Tem suas próprias condições de temperatura e
pressão. Tem grande influencia no clima. As correntes quentes do Brasil determina muita
umidade, pois a ela está associada massas de ar quente e úmida que provocam grande
quantidade de chuva.
Relevo
O relevo pode facilitar ou dificultar as circulações das massas de ar, influindo na temperatura.
No Brasil, por exemplo, as serras no Centro-Sul do país formam uma “passagem” que
facilita a circulação da massa polar atlântica e dificulta a massa tropical atlântica.
Vegetação
A vegetação impede a incidência total dos raios solares na superfície. Por isso, com o
desmatamento há diminuição de chuvas, visto a umidade diminuir, e há um aumento da
temperatura na região.
FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
Pressão AtmosféricaPressão Atmosférica
Força que o ar exerce na superfície da terra e é medida pelo barômetro.
Altitude: Quanto mais próxima do nível do mar, mais gases, portanto, maior
pressão.
Temperatura: O ar quente dilata e fica mais leve, logo, quanto mais quente
a pressão é menor.
Regiões EQUATORIAIS baixa pressãoRegiões EQUATORIAIS baixa pressão
Regiões POLARES alta pressão.Regiões POLARES alta pressão.
Os deslocamentos dessas massas ocorrem de uma área de alta pressão (Baixa
temperatura e alta densidade) para uma área de baixa pressão (Temperatura
alta e densidade baixa)
FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
CHUVA FRONTAL:
Resultante do encontro de duas massas de ar, uma fria e outra quente. A
duração e a intensidade da chuva ocorrem de acordo com a quantidade
de massas de ar.
1º Esfria
2º Aproxima-se do ponto de saturação
3º Origina as nuvens
4º Precipita (chove)
Exemplo: As chamadas chuvas de verão de Curitiba devido ao encontro da
massa Polar Atlântica, fria, vinda do Sul e a Equatorial Continental, quente, vinda
do Equador.
PRECIPITAÇÃO – CHUVA FRONTALPRECIPITAÇÃO – CHUVA FRONTAL
PRECIPITAÇÃO – CHUVA OROGRÁFICAPRECIPITAÇÃO – CHUVA OROGRÁFICA
CHUVA DE RELEVO OU OROGRÁFICA:
Ocorre em certas áreas onde existem barreiras de relevo, as quais evitam
a penetração de massas de ar no continente e, consequentemente, a
ascensão do ar úmido dos oceanos.
Ao subir
1º O ar esfria
2º O ponto de saturação diminui
3º A umidade relativa do ar aumenta
4º Ocorre a condensação
5º Consequentemente, forma-se as nuvens e chove
PRECIPITAÇÃO – CHUVA DE CONVECÇÃOPRECIPITAÇÃO – CHUVA DE CONVECÇÃO
CHUVA DE CONVECÇÃO:
É formada pela evaporação e, em seguida, por uma condensação. A
precipitação acontece pelo fato de ocorrer um choque térmico entre as
massas de ar quente da superfície terrestre e a massa de ar fria da
atmosfera.
CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICACLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA
CLIMA DESERTICO:
Tem característica a carência de chuvas, atingindo cerca de 250 mm de
precipitação pluviométrica anual. As amplitudes (variações) térmicas,
todavia, são grandes devido o calor recebido durante o dia e perdido
rapidamente à noite, em função da escassez de nuvens e vegetais.
CLIMA TEMPERADO:
Marcado pelos contrastes de temperatura. No verão, há influência das massas de
ar vindas das latitudes tropicais; no inverno, entram em ação massas de ar de
altas latitudes, tendo-se, alta amplitude térmica.
CLIMA MEDITERRÂNEO:
É uma variante do clima temperado e é marcado por verões quentes e secos e
invernos amenos e chuvosos.
CLIMA SEMIÁRIDO:
Caracterizado pela irregularidades de chuvas, sendo mal distribuídas durante o
ano.
CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICACLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA
CLIMA FRIO:
Caracterizado por altas latitudes e alta amplitude térmica, devido as
diferenças sazonais na intensidade da insolação.
CLIMA POLAR:
Os invernos gelados são consequência dos extensos períodos com ausência de
insolação e raras precipitações.
CLIMA FRIO DE MONTANHA:
Ocorre nas maiores elevações da Terra, provocando uma circulação atmosférica
que forma os ventos de monções na Ásia meridional.
CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA MUNDIALCLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA MUNDIAL
CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL
EQUATORIAL: Característica
principal as maiores médias
térmicas do planeta devido à
intensa irradiação solar nas
baixas latitudes.
Amplitude térmica reduzida e
ocorrem fortes precipitações não
havendo estações secas. As
chuvas abundantes provêm do
mecanismo da convecção dos
ventos alísios do Hemisfério
Norte e Sul, que ascendem na
zona de baixa pressão
equatorial.
CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL
TROPICAL : Semelhante ao
Equatorial, quente e chuvoso,
diferenciando apenas pela
alternância entre estações
chuvosas e secas.
A frequência de chuvas ocorre
no verão devido às massas de ar
que ascendem nos mares
quentes e na faixa equatorial.
CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL
TROPICAL ATLÂNTICO OU
LITORÂNEO: Influenciada pelas
massas de ar Equatorial
Atlântica e Tropical Atlântica.
A existência de elevações no
relevo (montanhas) nas áreas
mais próximas ao litoral provoca
a elevação das massas de ar e,
por consequência. As chuvas
orográfica.
CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL
SEMIÁRIDO : Tem como
principal característica a
escassez e irregularidade das
chuvas, com distribuição
irregular ao longo dos meses.
CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL
SUBTROPICAL : Possui forte
atuação da massa polar atlântica
(Pa), principalmente no inverno.
Esse clima tem amplitude
térmica alta com verões quentes
e invernos frios. As chuvas são
bem distriuídas ao longo do ano.
No verão as chuvas ocorrem
devido à massa tropical atlantica
(Ta) e no inverno, as chuvas
frontais acontecem por causa da
consequência da penetração da
massa polar atlântica (Pa).
(PUC-SP) Observe o esquema:
Assinale a alternativa que identifica o elemento retratado no
esquema.
a) Maritimidade
b) Latitude
c) Continentalidade
d) Longitude
e) Intemperismo
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
( UEPG – 2004) A respeito dos ventos, que constituem uma das maiores forças da natureza e
elemento meteorológico importante na previsão do tempo, assinale o que for correto.
1) Os ventos fazem parte de um sistema global de circulação de ar que empurra o ar quente
do equador para os pólos e o ar frio na direção oposta, mantendo em equilíbrio as
temperaturas do mundo.
02) Ar em movimento, os ventos deslocam-se de uma região de pressão atmosférica mais
baixa para uma região de pressão atmosférica mais alta.
04) Os tornados são os ventos mais velozes e violentos junto à superfície terrestre, podendo
atingir, com seus movimentos turbilhonantes e destrutivos, velocidades acima de 400 km/h.
São mais comuns nos Estados Unidos da América.
08) As brisas marítimas são ventos periódicos que sopram durante a noite, do continente para
o mar, enquanto as brisas terrestres sopram durante o dia, do mar para o continente.
16) Os furacões são tempestades tropicais bastante amplas que começam sobre os oceanos
tropicais quentes e chegam a soprar em rajadas de até 360 km/h.
SOMA:
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
21
( ENEM ) A chuva é determinada, em grande parte, pela topografia e pelo padrão dos
grandes movimentos atmosféricos ou meteorológicos. O gráfico mostra a
precipitação anual média (linhas verticais) em relação à altitude (curvas) em uma
região em estudo.
De uma análise ambiental desta região concluiu-se que:
I. Ventos oceânicos carregados de umidade depositam a maior parte desta umidade,
sob a forma de chuva, nas encostas da serra voltadas para o oceano.
II. Como resultado da maior precipitação nas encostas da serra, surge uma região de
possível desertificação do outro lado dessa serra.
III. Os animais e as plantas encontram melhores condições de vida, sem períodos
prolongados de seca, nas áreas distantes 25 km e 100 km, aproximadamente, do
oceano.
É correto o que se afirma em:
a) I, apenas.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
(UFPR) Assinale a alternativa com o climograma mais característico do clima
subtropical no Brasil.
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
A) B) C)
E)D)
( PUC RIO – 2002) O papel do clima é fundamental na determinação do tipo e da intensidade o
intemperismo. O gráfico mostra as variações do intemperismo em função da pluviosidade e
da temperatura média anual.
Os pontos I e II situam-se, respectivamente, em regiões de clima:
(A) tropical úmido e frio continental.
(B) subtropical e temperado continental.
(C) tropical semi-árido e polar.
(D) tropical de altitude e subtropical.
(E) frio oceânico e equatorial úmido.
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
( ENEM) A adaptação dos integrantes da seleção brasileira de
futebol à altitude de La Paz foi muito comentada em 1995, por
ocasião de um torneio, como pode ser lido no texto abaixo.
A seleção brasileira embarca hoje para La Paz, capital da Bolívia,
situada a 3 700 m de altitude, onde disputará o torneio
Interamérica. A adaptação deverá ocorrer em um prazo de 10
dias, aproximadamente. O organismo humano, em altitudes
elevadas, necessita desse tempo para se adaptar, evitando-se,
assim, risco de um colapso circulatório.
Adap.: REVISTA Placar, fev. 1995.
A adaptação da equipe foi necessária principalmente porque a
atmosfera de La Paz, quando comparada à das cidades
brasileiras, apresenta:
a) maior pressão e menor concentração de oxigênio.
b) maior pressão e maior quantidade de oxigênio.
c) maior pressão e maior concentração de gás carbônico.
d) menor pressão e maior temperatura.
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
( UEL) Considere os mapas sobre temperatura no Brasil apresentados a seguir.
As diferenças de temperatura média verificadas no mapa podem
ser explicadas, dentre outros, pela:
a) atuação das correntes marítimas.
b) diferença de pressão atmosférica.
c) combinação de latitude e longitude.
d) ação do desmatamento.
e) circulação das massas de ar.
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
(ENEM) Para entendermos os tipos climáticos e as variações de tempo, é importante
o conhecimento a respeito do mecanismo atmosférico. Assinale a opção que
contém um dos aspectos da dinâmica atmosférica.
A) A região do Equador recebe os raios solares com maior intensidade, logo
apresenta alta temperatura e alta pressão atmosférica.
B) Em maiores altitudes ocorre um aumento na temperatura, o que explica as altas
temperaturas da atmosfera.
C) Os vetos alísios sopram na direção dos trópicos (alta pressão) para a região do
equador (baixa pressão)
D) O movimento ascensional do ar é provocado pelas temperaturas, sendo comum
nas regiões polares.
E) A zonas de alta pressão são aquelas que proporcionam melhores condições para
a formação de nuvens e, portanto, para a presença de chuvas.
QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
Climatologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
Stéfano Silveira
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
Eduardo Mendes
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
Professor
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
Carminha
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Alexia 14
 
Fatores climáticos
Fatores climáticosFatores climáticos
Fatores climáticos
Roberta Sumar
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
moajr2
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
Linguagem Geográfica
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
Prof. Francesco Torres
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
Professor
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
Prof.Paulo/geografia
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
Simone Peixoto
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
André Luiz Marques
 
As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
Professor
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
ceama
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
Suely Takahashi
 
Fusos horarios completo
Fusos horarios completoFusos horarios completo
Fusos horarios completo
Kéliton Ferreira
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
dianalove15
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)
Nefer19
 

Mais procurados (20)

Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Fatores climáticos
Fatores climáticosFatores climáticos
Fatores climáticos
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
 
As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Fusos horarios completo
Fusos horarios completoFusos horarios completo
Fusos horarios completo
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)
 

Semelhante a Climatologia

Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
caduisolada
 
Clima
ClimaClima
Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)
flaviocosac
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
Prof.Paulo/geografia
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
Luciano Pessanha
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
Christie Freitas
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
Beth Pettersen
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Christie Freitas
 
Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1
flaviocosac
 
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMAATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
Vanessa Silva
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
SarahAlves89
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
Google
 
Atmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores ClimaticosAtmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores Climaticos
Vania Leão
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
CLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.pptCLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.ppt
AlissonVinicius15
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Renato Brasil
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Fundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologiaFundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologia
Beatriz Ramos
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
edsonluz
 

Semelhante a Climatologia (20)

Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Atmosfera clima (parte 1)
Atmosfera   clima (parte 1)Atmosfera   clima (parte 1)
Atmosfera clima (parte 1)
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1Material Complementar Atmosfera Parte 1
Material Complementar Atmosfera Parte 1
 
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMAATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
Atmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores ClimaticosAtmosfera e Fatores Climaticos
Atmosfera e Fatores Climaticos
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
CLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.pptCLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.ppt
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Fundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologiaFundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologia
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 

Mais de André Luiz Marques

Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
André Luiz Marques
 
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença MantidaA Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
André Luiz Marques
 
Impacto profundo 30_minutos
Impacto profundo 30_minutosImpacto profundo 30_minutos
Impacto profundo 30_minutos
André Luiz Marques
 
A geografia pré e pós-Dilúvio
A geografia pré e pós-DilúvioA geografia pré e pós-Dilúvio
A geografia pré e pós-Dilúvio
André Luiz Marques
 
Pela graca sois salvos
Pela graca sois salvosPela graca sois salvos
Pela graca sois salvos
André Luiz Marques
 
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiroQuem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
André Luiz Marques
 
Minerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - EspecialidadeMinerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - Especialidade
André Luiz Marques
 
A Geografia pré e pós-Diluvio
A Geografia pré e pós-DiluvioA Geografia pré e pós-Diluvio
A Geografia pré e pós-Diluvio
André Luiz Marques
 
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhasA precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
André Luiz Marques
 
Jesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35minJesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35min
André Luiz Marques
 
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntasCriacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
André Luiz Marques
 
Minerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidadeMinerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidade
André Luiz Marques
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço
André Luiz Marques
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
André Luiz Marques
 
Universo Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20minUniverso Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20min
André Luiz Marques
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
André Luiz Marques
 
Concurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacionalConcurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacional
André Luiz Marques
 
Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?
André Luiz Marques
 
Impacto Profundo
Impacto ProfundoImpacto Profundo
Impacto Profundo
André Luiz Marques
 
Selo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da bestaSelo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da besta
André Luiz Marques
 

Mais de André Luiz Marques (20)

Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença MantidaA Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
 
Impacto profundo 30_minutos
Impacto profundo 30_minutosImpacto profundo 30_minutos
Impacto profundo 30_minutos
 
A geografia pré e pós-Dilúvio
A geografia pré e pós-DilúvioA geografia pré e pós-Dilúvio
A geografia pré e pós-Dilúvio
 
Pela graca sois salvos
Pela graca sois salvosPela graca sois salvos
Pela graca sois salvos
 
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiroQuem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
 
Minerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - EspecialidadeMinerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - Especialidade
 
A Geografia pré e pós-Diluvio
A Geografia pré e pós-DiluvioA Geografia pré e pós-Diluvio
A Geografia pré e pós-Diluvio
 
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhasA precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
 
Jesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35minJesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35min
 
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntasCriacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
 
Minerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidadeMinerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidade
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
 
Universo Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20minUniverso Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20min
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Concurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacionalConcurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacional
 
Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?
 
Impacto Profundo
Impacto ProfundoImpacto Profundo
Impacto Profundo
 
Selo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da bestaSelo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da besta
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 

Climatologia

  • 1. CLIMATOLOGIACLIMATOLOGIA  Prof.º André Luiz Marques andreluizmarx@gmail.com
  • 2. Constituição da atmosfera: ATMOSFERA CONSTITUIÇÃOATMOSFERA CONSTITUIÇÃO Oxigênio 20,9 % Nitrogênio 78% Gases Raros 1% Microorganismos e partículas suspensas no ar, como cinzas e poeiras
  • 4. ESTRUTURA FÍSICA DA ATMOSFERAESTRUTURA FÍSICA DA ATMOSFERA TROPOSFERA Superfície da Terra até aproximadamente 10 KM Fenômenos Meteorológicos ESTRATOSFERA 10 KM e 50 KM de altitude Camada de Ozônio MESOSFERA 50 Km e 80 Km de altitude Reflexão das ondas de rádio IONOSFERA 80 Km e 600 Km de altitude Satélites artificiais EXOSFERA 600 Km e 800 Km de altitude Antecede o espaço sideral
  • 5. O TEMPOTEMPO é efêmero, podendo alternar-se várias vezes ao dia, vemos este fenômeno normalmente em Curitiba aonde dizemos que temos as quatro estações do ano em um dia. Exemplo: O tempo hoje está chuvoso. O CLIMACLIMA é o conjunto de condições atmosféricas. Como temperatura, ventos, precipitações, entre outros, verificadas mensal ou anualmente por um período no mínimo 30 ANOS em uma determinada área. Exemplo: O clima de Curitiba é o subtropical úmido, com verões suaves e invernos relativamente frios. DIFERENÇA ENTRE CLIMA E TEMPODIFERENÇA ENTRE CLIMA E TEMPO CUIDADO !!! CLIMA E TEMPO NÃO SÃO SINÔNIMOS
  • 6. Fatores do clima: Cada região tem seu próprio clima, isto porque os fatores climáticos modificam os elementos do clima. Os fatores climáticos são: Latitude Quanto mais nos afastarmos do Equador, menor a temperatura. A Terra é iluminada pelos raios solares com diferentes inclinações. Quanto mais longe do Equador a incidência de luz solar é menor. Altitude Quanto mais alto estivermos menor será a temperatura. Isto porque o ar se torna rarefeito, ou seja, a concentração de gases e de umidade à medida que aumenta a altitude, é menor, o que vai reduzir a retenção de calor nas camadas mais elevada da atmosfera. FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
  • 7. Massas de ar Apresentam características particulares da região em que se originaram, como temperatura, pressão e umidade, e se deslocam pela superfície terrestre. As massas podem ser polares, tropicais ou equatoriais. As massas de ar tropicais se formam nos trópicos de Capricórnio e de Câncer. Elas podem se formar na altura dos oceanos (oceânicas) e serem úmidas; serão secas se forem formadas no interior dos continentes (continental). As massas polares são frias. Isto porque elas se formam em regiões de baixas temperaturas, como o nome já diz, nas regiões polares. Elas também são secas, visto que as baixas temperaturas não possibilitam uma forte evaporação das águas. As massas equatoriais são quentes, se formam próximas a linha do Equador. O encontro de duas massas, geralmente uma fria e outra quente, dá-se o nome de frente. Quando elas se encontram ocorre as chuvas e o tempo muda. FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
  • 8. Continentalidade A proximidade de grandes quantidades de água exerce influencia na temperatura. A água demora a se aquecer, enquanto os continentes se aquecem rapidamente. Por outro lado, ao contrário dos continentes, a água demora irradiar a energia absorvida. Por isso, o hemisfério Norte tem invernos mais rigorosos e verões mais quentes, devido a quantidade de terras emersas ser maior, ou seja, sofre influencia da continentalidade, boa parte deste hemisfério. Correntes Marítimas São massas de água que circulam pelo oceano. Tem suas próprias condições de temperatura e pressão. Tem grande influencia no clima. As correntes quentes do Brasil determina muita umidade, pois a ela está associada massas de ar quente e úmida que provocam grande quantidade de chuva. Relevo O relevo pode facilitar ou dificultar as circulações das massas de ar, influindo na temperatura. No Brasil, por exemplo, as serras no Centro-Sul do país formam uma “passagem” que facilita a circulação da massa polar atlântica e dificulta a massa tropical atlântica. Vegetação A vegetação impede a incidência total dos raios solares na superfície. Por isso, com o desmatamento há diminuição de chuvas, visto a umidade diminuir, e há um aumento da temperatura na região. FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
  • 9. Pressão AtmosféricaPressão Atmosférica Força que o ar exerce na superfície da terra e é medida pelo barômetro. Altitude: Quanto mais próxima do nível do mar, mais gases, portanto, maior pressão. Temperatura: O ar quente dilata e fica mais leve, logo, quanto mais quente a pressão é menor. Regiões EQUATORIAIS baixa pressãoRegiões EQUATORIAIS baixa pressão Regiões POLARES alta pressão.Regiões POLARES alta pressão. Os deslocamentos dessas massas ocorrem de uma área de alta pressão (Baixa temperatura e alta densidade) para uma área de baixa pressão (Temperatura alta e densidade baixa) FATORES CLIMÁTICOSFATORES CLIMÁTICOS
  • 10. CHUVA FRONTAL: Resultante do encontro de duas massas de ar, uma fria e outra quente. A duração e a intensidade da chuva ocorrem de acordo com a quantidade de massas de ar. 1º Esfria 2º Aproxima-se do ponto de saturação 3º Origina as nuvens 4º Precipita (chove) Exemplo: As chamadas chuvas de verão de Curitiba devido ao encontro da massa Polar Atlântica, fria, vinda do Sul e a Equatorial Continental, quente, vinda do Equador. PRECIPITAÇÃO – CHUVA FRONTALPRECIPITAÇÃO – CHUVA FRONTAL
  • 11. PRECIPITAÇÃO – CHUVA OROGRÁFICAPRECIPITAÇÃO – CHUVA OROGRÁFICA CHUVA DE RELEVO OU OROGRÁFICA: Ocorre em certas áreas onde existem barreiras de relevo, as quais evitam a penetração de massas de ar no continente e, consequentemente, a ascensão do ar úmido dos oceanos. Ao subir 1º O ar esfria 2º O ponto de saturação diminui 3º A umidade relativa do ar aumenta 4º Ocorre a condensação 5º Consequentemente, forma-se as nuvens e chove
  • 12. PRECIPITAÇÃO – CHUVA DE CONVECÇÃOPRECIPITAÇÃO – CHUVA DE CONVECÇÃO CHUVA DE CONVECÇÃO: É formada pela evaporação e, em seguida, por uma condensação. A precipitação acontece pelo fato de ocorrer um choque térmico entre as massas de ar quente da superfície terrestre e a massa de ar fria da atmosfera.
  • 13. CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICACLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA CLIMA DESERTICO: Tem característica a carência de chuvas, atingindo cerca de 250 mm de precipitação pluviométrica anual. As amplitudes (variações) térmicas, todavia, são grandes devido o calor recebido durante o dia e perdido rapidamente à noite, em função da escassez de nuvens e vegetais. CLIMA TEMPERADO: Marcado pelos contrastes de temperatura. No verão, há influência das massas de ar vindas das latitudes tropicais; no inverno, entram em ação massas de ar de altas latitudes, tendo-se, alta amplitude térmica. CLIMA MEDITERRÂNEO: É uma variante do clima temperado e é marcado por verões quentes e secos e invernos amenos e chuvosos. CLIMA SEMIÁRIDO: Caracterizado pela irregularidades de chuvas, sendo mal distribuídas durante o ano.
  • 14. CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICACLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA CLIMA FRIO: Caracterizado por altas latitudes e alta amplitude térmica, devido as diferenças sazonais na intensidade da insolação. CLIMA POLAR: Os invernos gelados são consequência dos extensos períodos com ausência de insolação e raras precipitações. CLIMA FRIO DE MONTANHA: Ocorre nas maiores elevações da Terra, provocando uma circulação atmosférica que forma os ventos de monções na Ásia meridional.
  • 16. CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL EQUATORIAL: Característica principal as maiores médias térmicas do planeta devido à intensa irradiação solar nas baixas latitudes. Amplitude térmica reduzida e ocorrem fortes precipitações não havendo estações secas. As chuvas abundantes provêm do mecanismo da convecção dos ventos alísios do Hemisfério Norte e Sul, que ascendem na zona de baixa pressão equatorial.
  • 17. CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL TROPICAL : Semelhante ao Equatorial, quente e chuvoso, diferenciando apenas pela alternância entre estações chuvosas e secas. A frequência de chuvas ocorre no verão devido às massas de ar que ascendem nos mares quentes e na faixa equatorial.
  • 18. CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL TROPICAL ATLÂNTICO OU LITORÂNEO: Influenciada pelas massas de ar Equatorial Atlântica e Tropical Atlântica. A existência de elevações no relevo (montanhas) nas áreas mais próximas ao litoral provoca a elevação das massas de ar e, por consequência. As chuvas orográfica.
  • 19. CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL SEMIÁRIDO : Tem como principal característica a escassez e irregularidade das chuvas, com distribuição irregular ao longo dos meses.
  • 20. CLIMAS DO BRASILCLIMAS DO BRASIL SUBTROPICAL : Possui forte atuação da massa polar atlântica (Pa), principalmente no inverno. Esse clima tem amplitude térmica alta com verões quentes e invernos frios. As chuvas são bem distriuídas ao longo do ano. No verão as chuvas ocorrem devido à massa tropical atlantica (Ta) e no inverno, as chuvas frontais acontecem por causa da consequência da penetração da massa polar atlântica (Pa).
  • 21. (PUC-SP) Observe o esquema: Assinale a alternativa que identifica o elemento retratado no esquema. a) Maritimidade b) Latitude c) Continentalidade d) Longitude e) Intemperismo QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
  • 22. ( UEPG – 2004) A respeito dos ventos, que constituem uma das maiores forças da natureza e elemento meteorológico importante na previsão do tempo, assinale o que for correto. 1) Os ventos fazem parte de um sistema global de circulação de ar que empurra o ar quente do equador para os pólos e o ar frio na direção oposta, mantendo em equilíbrio as temperaturas do mundo. 02) Ar em movimento, os ventos deslocam-se de uma região de pressão atmosférica mais baixa para uma região de pressão atmosférica mais alta. 04) Os tornados são os ventos mais velozes e violentos junto à superfície terrestre, podendo atingir, com seus movimentos turbilhonantes e destrutivos, velocidades acima de 400 km/h. São mais comuns nos Estados Unidos da América. 08) As brisas marítimas são ventos periódicos que sopram durante a noite, do continente para o mar, enquanto as brisas terrestres sopram durante o dia, do mar para o continente. 16) Os furacões são tempestades tropicais bastante amplas que começam sobre os oceanos tropicais quentes e chegam a soprar em rajadas de até 360 km/h. SOMA: QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR 21
  • 23. ( ENEM ) A chuva é determinada, em grande parte, pela topografia e pelo padrão dos grandes movimentos atmosféricos ou meteorológicos. O gráfico mostra a precipitação anual média (linhas verticais) em relação à altitude (curvas) em uma região em estudo. De uma análise ambiental desta região concluiu-se que: I. Ventos oceânicos carregados de umidade depositam a maior parte desta umidade, sob a forma de chuva, nas encostas da serra voltadas para o oceano. II. Como resultado da maior precipitação nas encostas da serra, surge uma região de possível desertificação do outro lado dessa serra. III. Os animais e as plantas encontram melhores condições de vida, sem períodos prolongados de seca, nas áreas distantes 25 km e 100 km, aproximadamente, do oceano. É correto o que se afirma em: a) I, apenas. b) I e II, apenas. c) I e III, apenas. d) II e III, apenas. QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
  • 24. (UFPR) Assinale a alternativa com o climograma mais característico do clima subtropical no Brasil. QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR A) B) C) E)D)
  • 25. ( PUC RIO – 2002) O papel do clima é fundamental na determinação do tipo e da intensidade o intemperismo. O gráfico mostra as variações do intemperismo em função da pluviosidade e da temperatura média anual. Os pontos I e II situam-se, respectivamente, em regiões de clima: (A) tropical úmido e frio continental. (B) subtropical e temperado continental. (C) tropical semi-árido e polar. (D) tropical de altitude e subtropical. (E) frio oceânico e equatorial úmido. QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
  • 26. ( ENEM) A adaptação dos integrantes da seleção brasileira de futebol à altitude de La Paz foi muito comentada em 1995, por ocasião de um torneio, como pode ser lido no texto abaixo. A seleção brasileira embarca hoje para La Paz, capital da Bolívia, situada a 3 700 m de altitude, onde disputará o torneio Interamérica. A adaptação deverá ocorrer em um prazo de 10 dias, aproximadamente. O organismo humano, em altitudes elevadas, necessita desse tempo para se adaptar, evitando-se, assim, risco de um colapso circulatório. Adap.: REVISTA Placar, fev. 1995. A adaptação da equipe foi necessária principalmente porque a atmosfera de La Paz, quando comparada à das cidades brasileiras, apresenta: a) maior pressão e menor concentração de oxigênio. b) maior pressão e maior quantidade de oxigênio. c) maior pressão e maior concentração de gás carbônico. d) menor pressão e maior temperatura. QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
  • 27. ( UEL) Considere os mapas sobre temperatura no Brasil apresentados a seguir. As diferenças de temperatura média verificadas no mapa podem ser explicadas, dentre outros, pela: a) atuação das correntes marítimas. b) diferença de pressão atmosférica. c) combinação de latitude e longitude. d) ação do desmatamento. e) circulação das massas de ar. QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR
  • 28. (ENEM) Para entendermos os tipos climáticos e as variações de tempo, é importante o conhecimento a respeito do mecanismo atmosférico. Assinale a opção que contém um dos aspectos da dinâmica atmosférica. A) A região do Equador recebe os raios solares com maior intensidade, logo apresenta alta temperatura e alta pressão atmosférica. B) Em maiores altitudes ocorre um aumento na temperatura, o que explica as altas temperaturas da atmosfera. C) Os vetos alísios sopram na direção dos trópicos (alta pressão) para a região do equador (baixa pressão) D) O movimento ascensional do ar é provocado pelas temperaturas, sendo comum nas regiões polares. E) A zonas de alta pressão são aquelas que proporcionam melhores condições para a formação de nuvens e, portanto, para a presença de chuvas. QUESTÕES DE VESTIBULARQUESTÕES DE VESTIBULAR