SlideShare uma empresa Scribd logo
6º ano: Caderno 01 / Modulo 04
Professor Claudio Henrique Ramos Sales
GEOGRAFIA
A superfície terrestre possui formas variadas, áreas mais ou
menos elevadas e outras mais ou menos planas. Também
encontramos cânions e vales de rios, que fascinam os seres
humanos desde a Antiguidade.
A beleza das formas e suas características transforma alguns
lugares em locais sagrados e, principalmente, em atrações
turísticas. Há algum local turístico relacionado ao relevo onde
você vive?
Nesse módulo, vamos conhecer as formas da superfície
terrestre, os agentes transformadores do relevo e estudar o
relevo do Brasil.
Sedimentação é o oposto de erosão.
Na erosão os agentes intempéricos (vento e chuva,
principalmente) desgastam as rochas e solo, soltando
pequenos pedaços delas e transportando esses fragmentos
para regiões mais baixas.
Na sedimentação, após estes fragmentos serem depositados
em um determinado local, com o tempo acabam por se
fundirem (juntarem), formando novas rochas (rochas
sedimentares).
OS AGENTES
TRANSFORMADORES
DO RELEVO
Muitas vezes olhamos para uma paisagem e temos a
sensação de que ela sempre foi assim. Mas na verdade o
relevo terrestre encontra-se em permanente alteração, numa
dinâmica constante de construção, desconstrução e
reconstrução.
Essas alterações acontecem devido à ação de forças ou
agentes internos (parte interna do planeta Terra), também
chamados de agentes endógenos, e de forças ou agentes
externos (parte externa do planeta Terra), também
chamados de agentes exógenos.
AGENTES INTERNOS
(Endógenos)
Os agentes internos, como o nome diz, são os que têm origem no interior da
Terra. Por exemplo, o tectonismo (movimentos tectônicos), o vulcanismo e os
terremotos (abalos sísmicos).
Os vulcões, ao entrar em erupção,
trazem à superfície terrestre lava,
cinzas, gases e outros materiais da
crosta. A imagem acima mostra a
erupção do vulcão Arenal, na Costa
Rica
a) Vulcanismo (vulcões)
b) Tectonismo (movimentos das placas tectônicas)
c) Abalos sísmicos (terremotos)
Vulcanismo
É a atividade pela qual os
materiais vindos do manto
atingem a superfície.
Através de fendas
ou aberturas da
crosta terrestre.
Lavas,
cinzas e
gases.
Vulcão Stromboli, na Itália.
A acumulação e consolidação da lava expelida pelos vulcões podem dar origem a montanhas e ilhas.
movimentos
das placas
tectônicas
Ocorrem pela liberação de ondas
sísmicas que vão se manifestar em
uma parte do relevo.
O hipocentro é o local de
surgimento do abalo, enquanto o
epicentro é o local de manifestação
deste.
Terremotos
AGENTES EXTERNOS
(Exógenos)
Os agentes externos são aqueles que atuam sobre a superfície terrestre, como a
água (por meio das chuvas, dos rios, do gelo, dos oceanos), os ventos e os
seres vivos, especialmente o ser humano.
O Monument Valley, nos Estados Unidos, é resultado da ação dos agentes
externos, que esculpiram essas belas formas.
Os agentes externos modelam as formas do relevo,
provocando um fenômeno conhecido como erosão, que é o
desgaste da superfície.
O material erodido é transportado pela natureza (por
exemplo, pela água ou pelo vento) para pontos mais baixos
da superfície terrestre, onde são depositados.
Assim, podemos dizer que existem três etapas nesse
processo: o desgaste, o transporte e a deposição.
AS FORMAS DE
RELEVO
As formas da superfície da Terra são caracterizadas a
partir da análise dos aspectos visíveis, da sua origem e
da sua composição (estrutura sedimentar ou cristalina).
O RELEVO CONTINENTAL
A partir dos três elementos básicos (aspecto, origem e
composição), podemos analisar as várias formas do
relevo. Sobre a superfície continental destacam-se
quatro formas predominantes: a cadeia de montanhas,
a planície, a depressão e o planalto.
Montanhas: Formadas pelo encontro de placas
tectônicas (convergentes).
Depressões: Relevo abaixo do relevo vizinho.
Planaltos: Relevo relativamente plano acima de 300
metros.
Planícies: Relevo plano abaixo de 300 metros.
As cadeias de montanhas, também chamadas de
cordilheiras, são as maiores elevações na superfície
terrestre e apresentam encostas íngremes.
Têm sua origem em dobras recentes da crosta, por isso
recebem a denominação de dobramentos modernos.
Alguns exemplos são as montanhas Rochosas (América do
Norte), a cordilheira dos Andes (América do Sul), os Alpes
(Europa) e o Himalaia (Ásia).
São dobramentos modernos formados pelo encontro
convergente de placas tectônicas.
No Brasil não existem montanhas, já que
aqui não temos encontro de placas.
Os maiores picos do mundo
(Evereste, K2, Aconcágua),
são montanhas.
Alpes em Luttertannen,
Suíça.
Vista área do Pantanal. Poconé, MT.
São áreas
geralmente planas e
basicamente
formadas por rochas
sedimentares.
Em geral, essa forma de
relevo é encontrada ao
longo dos grandes rios e
nas proximidades de lagos
e mares.
Nas planícies, o processo de sedimentação
supera o de erosão.
Essas Rochas sedimentares
são formadas por sedimentos
vindos de terrenos vizinhos com
maior altitude, como os planaltos.
Pantanal
Planície Amazônica
Planície costeira
em Maxaranguape,
litoral do Rio
Grande do Norte.
Planalto
DepressãoEscarpa
São áreas mais baixas que o relevo ao seu redor.
Nessa forma de relevo predomina o processo de
erosão.
Sua origem também pode estar ligada ao rebaixamento
de determinadas áreas.
São áreas mais baixas que o relevo ao seu redor.
Apresentam uma leve inclinação. Essa superfície quase plana apresenta poucas irregularidades e
altitudes que variam entre 100 m e 500 m.
As depressões podem ser classificadas com
base no nível do mar.
Ex: O mar Morto, na Ásia, é
um exemplo de depressão
absoluta. Ele está metros
abaixo do nível do mar.
Área de depressão acima do nível do mar, localizada no parque nacional da Chapada
dos Guimarães, no Mato Grosso. Exemplo de depressão relativa
Conforme já citado, são também caracterizadas
por um processo de erosão, que é um aspecto
determinante na sua formação.
São aquelas depressões que ficam acima do nível do mar.
DEPRESSÕES RELATIVAS
São aquelas depressões que ficam abaixo do nível do mar.
DEPRESSÕES ABSOLUTAS
Depressão
Planalto
Escarpa
São terrenos elevados que se encontram acima dos 300 metros e, pelo menos de um lado, devem
estar acima de um relevo de altitude mais baixa.
Os planaltos podem ter terrenos planos ou
inclinados .
Ex: Planalto Cristalino ou
Oriental (São Paulo-SP) é um
exemplo de planalto plano
Ex: Planalto Central (Brasília)é um exemplo de planalto plano
Os planaltos são superfícies que podem apresentar diferentes
aspectos (serras, chapadas, morros, escarpas etc.), mas,
todos são afetados principalmente pelo processo de erosão,
fazendo com que eles doem mais sedimentos que recebam.
Obs.: Notem como o
horizonte se encontra
distante na foto, o que
indica que o relevo é pouco
movimentado, isto é, possui
poucos morros ou
inclinações.
Os planaltos em áreas sedimentares apresentam
relevo mais plano, chamado de chapada.
Já os planaltos em áreas cristalinas, isto é, formados
por rochas magmáticas e metamórficas, apresentam
terrenos mais acidentados.
Planalto em
Santa Catarina.
MONTE
RORAIMA
Planalto
Escarpa
Formadas, geralmente, por relevos alongados com
topos irregulares, muitas vezes isolados na paisagem.
Sua origem pode estar relacionada a antigas cadeias
de montanhas desgastadas pela erosão.
Serra Rio dos Rastros - SC
Serra das Araras- RJ
Serra da Mantiqueira - MG
Serra da Leba - Angola
Serra da Cantareira - SP
Planalto
DepressãoEscarpa
São formas que lembram um degrau (ou paredões). O
exemplo mais comum são as bordas de alguns
planaltos.
No Brasil, o termo serra é usado de maneira errônea
para denominar as bordas de um planalto, que na
verdade formam escarpas.
Esse é o caso da Serra do Mar, no estado de São
Paulo.
Escarpa da serra do Mar, no estado de São Paulo
O RELEVO SUBMARINO
As formas do relevo submarino apresentam características distintas.
Em um primeiro patamar, que corresponde à continuação do continente,
encontra-se a plataforma continental, de grande importância econômica, e o
talude continental. A importância econômica está relacionada à atividade
pesqueira e à exploração do petróleo, como ocorre no Brasil.
Em um segundo patamar, que atinge grandes profundidades, encontram-se as
bacias oceânicas, as fossas oceânicas e as cordilheiras marinhas ou dorsais
oceânicas.
As ilhas podem ser encontradas nesses dois patamares. Quando estão
próximas ao continente, são chamadas de ilhas costeiras. Quando se
encontram afastadas, recebem o nome de ilhas oceânicas. É o caso da ilha de
Santa Helena, no meio do oceano Atlântico.
Plataforma Continental
É a continuação do continente, mesmo submerso. Possui profundidade média de 0 a 200
m, o que significa que a luz solar infiltra-se na água, o que gera condições propícias à
atividade biológica e ocasiona uma enorme importância econômica - a PESCA. Há
também, na plataforma continental, a ocorrência de petróleo.
Talude
Desnível abrupto de 2 a 3 km. É o fim do continente.
Região Abissal
Quando ocorre, aparece junto ao talude e corresponde às fossas marinhas.
Região Pelágica
É o relevo submarino propriamente dito, com planícies, montanhas e depressões.
Surgem aqui as ilhas oceânicas
RESUMO
O RELEVO BRASILEIRO
O relevo brasileiro apresenta
diversas formas com altitudes
variadas.
Observe no mapa a seguir a
altimetria da superfície
brasileira.
Como podemos observar no mapa, as maiores altitudes
brasileiras estão localizadas ao norte, na fronteira com
a Venezuela e com a Guiana. Ao norte do estado do
Amazonas, encontra-se o Pico da Neblina, ponto mais
alto do Brasil, com 2994 metros. Próximo a ele está o
Pico 31 de Março, com 2973 metros.
O Sudeste é outra região que apresenta altitudes
significativas para os padrões brasileiros.
Na Serra do Caparaó, em Minas Gerais, encontram-
se o Pico da Bandeira (2890 m) e a Pedra da Mina
(2792 m).
E por que nossas altitudes são tão baixas?
Conforme estudamos no módulo anterior, o território brasileiro possui posição
privilegiada no centro da placa tectônica Sul-Americana, região mais estável do
ponto de vista tectônico, estando, portanto, afastado de suas bordas. Isso faz com
que os abalos sísmicos ocorram com baixa intensidade, sendo praticamente
imperceptíveis na maioria das vezes.
Não havendo choque entre placas ou atividade vulcânica, não há formação de
montanhas ou cordilheiras. Isso faz com que há milhões de anos não ocorram
soerguimentos (refere-se à formação de elevações no relevo, como montanhas ou
cordilheiras) no território brasileiro. Ou seja, as elevações da crosta terrestre no
Brasil são muito antigas.
Se por um lado os agentes internos não atuam de forma significativa há muito
tempo, não se pode dizer o mesmo dos agentes externos. Ao longo desses milhões
de anos o relevo brasileiro sofreu um desgaste causado, principalmente, pela ação
da água e do vento. Essas características fazem com que não existam montanhas
em nosso país.
Assim, atualmente predominam no Brasil três grandes
formas de relevo: os planaltos, as planícies e as
depressões relativas.
Essas formas apresentam características físicas
próprias, relacionadas ao tipo de rocha predominante,
bem como formas e altitudes semelhantes.
Observe o mapa a seguir.
Modulo 04   O planeta Terra - Relevo
Modulo 04   O planeta Terra - Relevo
Modulo 04   O planeta Terra - Relevo
Modulo 04   O planeta Terra - Relevo
Modulo 04   O planeta Terra - Relevo
Modulo 04   O planeta Terra - Relevo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vegetação do Paraná
Vegetação do ParanáVegetação do Paraná
Vegetação do Paraná
robertobraz
 
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVOAGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
Omar Fürst
 
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Emerson Ricardo
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Paisagens naturais da europa
Paisagens naturais da europaPaisagens naturais da europa
Paisagens naturais da europa
recoba27
 
Atualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da águaAtualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da água
Elton Zanoni
 
Geografia e paisagem
Geografia e paisagemGeografia e paisagem
Geografia e paisagem
Paula Tomaz
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
Leandro A. Machado de Moura
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Rogério Bartilotti
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Eponina Alencar
 
Geografia do Paraná
Geografia do Paraná Geografia do Paraná
Geografia do Paraná
aroudus
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Giovanna Abreu Guerra
 
Avaliação 6º ano geografia
Avaliação 6º ano   geografiaAvaliação 6º ano   geografia
Avaliação 6º ano geografia
Luciano Cardoso Oliveira
 
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Carlos Eduardo
 
Clima, vegetação e hidrografia do Amazonas
Clima, vegetação e hidrografia do AmazonasClima, vegetação e hidrografia do Amazonas
Clima, vegetação e hidrografia do Amazonas
Portal do Vestibulando
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
Professor
 
Prova 6 ano iv unidade.
Prova 6 ano iv unidade.Prova 6 ano iv unidade.
Prova 6 ano iv unidade.
Luciana Souza
 
A questao da agua no mundo e no brasil
A questao da agua no mundo e no brasilA questao da agua no mundo e no brasil
A questao da agua no mundo e no brasil
Atividades Diversas Cláudia
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
Ademir Aquino
 

Mais procurados (20)

Vegetação do Paraná
Vegetação do ParanáVegetação do Paraná
Vegetação do Paraná
 
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVOAGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
 
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Paisagens naturais da europa
Paisagens naturais da europaPaisagens naturais da europa
Paisagens naturais da europa
 
Atualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da águaAtualidades - Geopolíticas da água
Atualidades - Geopolíticas da água
 
Geografia e paisagem
Geografia e paisagemGeografia e paisagem
Geografia e paisagem
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Geografia do Paraná
Geografia do Paraná Geografia do Paraná
Geografia do Paraná
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Avaliação 6º ano geografia
Avaliação 6º ano   geografiaAvaliação 6º ano   geografia
Avaliação 6º ano geografia
 
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
 
Clima, vegetação e hidrografia do Amazonas
Clima, vegetação e hidrografia do AmazonasClima, vegetação e hidrografia do Amazonas
Clima, vegetação e hidrografia do Amazonas
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
 
Prova 6 ano iv unidade.
Prova 6 ano iv unidade.Prova 6 ano iv unidade.
Prova 6 ano iv unidade.
 
A questao da agua no mundo e no brasil
A questao da agua no mundo e no brasilA questao da agua no mundo e no brasil
A questao da agua no mundo e no brasil
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
 

Destaque

Modulo 02 - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)
Modulo 02   - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)Modulo 02   - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)
Modulo 02 - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O quadro humano e social africano
O quadro humano e social africanoO quadro humano e social africano
O quadro humano e social africano
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da populaçãoModulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da população
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 04 - A economìa africana
Modulo 04 - A economìa africanaModulo 04 - A economìa africana
Modulo 04 - A economìa africana
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhosModulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 01 - O uso dos animais na alimentação
Modulo  01 - O uso dos animais na alimentaçãoModulo  01 - O uso dos animais na alimentação
Modulo 01 - O uso dos animais na alimentação
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o climaModulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o clima
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 06 - Fatores e elementos do clima
Modulo 06 - Fatores e elementos do climaModulo 06 - Fatores e elementos do clima
Modulo 06 - Fatores e elementos do clima
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Relevo mundial
Relevo mundialRelevo mundial
Relevo mundial
Paula Tomaz
 
Modulo 08 - Economia rural da União Europeia
Modulo 08 - Economia rural da União EuropeiaModulo 08 - Economia rural da União Europeia
Modulo 08 - Economia rural da União Europeia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 09 - Hidrografia
Modulo 09 - HidrografiaModulo 09 - Hidrografia
Modulo 09 - Hidrografia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africanoModulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africano
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 11 - População
Modulo 11 - PopulaçãoModulo 11 - População
Modulo 11 - População
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 07 - O clima do Brasil
Modulo 07 - O clima do BrasilModulo 07 - O clima do Brasil
Modulo 07 - O clima do Brasil
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Destaque (20)

Modulo 02 - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)
Modulo 02   - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)Modulo 02   - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)
Modulo 02 - O lugar e a natureza (APOSTILA ANGLO - 6º ANO GEOGRAFIA)
 
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
Modulo 01 - O que é lugar (APOSTILA ANGLO - GEOGRAFIA)
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
 
O quadro humano e social africano
O quadro humano e social africanoO quadro humano e social africano
O quadro humano e social africano
 
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
 
Modulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da populaçãoModulo 12 - O crescimento da população
Modulo 12 - O crescimento da população
 
Modulo 04 - A economìa africana
Modulo 04 - A economìa africanaModulo 04 - A economìa africana
Modulo 04 - A economìa africana
 
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
 
Modulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhosModulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhos
 
Modulo 01 - O uso dos animais na alimentação
Modulo  01 - O uso dos animais na alimentaçãoModulo  01 - O uso dos animais na alimentação
Modulo 01 - O uso dos animais na alimentação
 
Modulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o climaModulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o clima
 
Modulo 06 - Fatores e elementos do clima
Modulo 06 - Fatores e elementos do climaModulo 06 - Fatores e elementos do clima
Modulo 06 - Fatores e elementos do clima
 
Relevo mundial
Relevo mundialRelevo mundial
Relevo mundial
 
Modulo 08 - Economia rural da União Europeia
Modulo 08 - Economia rural da União EuropeiaModulo 08 - Economia rural da União Europeia
Modulo 08 - Economia rural da União Europeia
 
Modulo 09 - Hidrografia
Modulo 09 - HidrografiaModulo 09 - Hidrografia
Modulo 09 - Hidrografia
 
Modulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africanoModulo 02 - O quadro natural africano
Modulo 02 - O quadro natural africano
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
 
Modulo 11 - População
Modulo 11 - PopulaçãoModulo 11 - População
Modulo 11 - População
 
Modulo 07 - O clima do Brasil
Modulo 07 - O clima do BrasilModulo 07 - O clima do Brasil
Modulo 07 - O clima do Brasil
 

Semelhante a Modulo 04 O planeta Terra - Relevo

Cap9,10,11
Cap9,10,11Cap9,10,11
Cap9,10,11
Christie Freitas
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
DANUBIA ZANOTELLI
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
profleofonseca
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
Paulo Sindeaux
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
profleofonseca
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
Colégio Aprov
 
6ano unidade5
6ano unidade56ano unidade5
6ano unidade5
Christie Freitas
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Relevo
RelevoRelevo
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadoresIECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
profrodrigoribeiro
 
Aula 2 geo
Aula 2 geoAula 2 geo
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Aula 03 relevo do brasil
Aula 03   relevo do brasilAula 03   relevo do brasil
Aula 03 relevo do brasil
Jonatas Carlos
 
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...
Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...
Luiza Collet
 
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
Luiza Collet
 
Geografia 1 ano
Geografia 1 anoGeografia 1 ano
Geografia 1 ano
Junior Oliveira
 

Semelhante a Modulo 04 O planeta Terra - Relevo (20)

Cap9,10,11
Cap9,10,11Cap9,10,11
Cap9,10,11
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Relevo2
 
Relevo continental e submarino
Relevo continental e submarinoRelevo continental e submarino
Relevo continental e submarino
 
Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2Relevo Brasileiro 2
Relevo Brasileiro 2
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
6ano unidade5
6ano unidade56ano unidade5
6ano unidade5
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadoresIECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
 
Aula 2 geo
Aula 2 geoAula 2 geo
Aula 2 geo
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Aula 03 relevo do brasil
Aula 03   relevo do brasilAula 03   relevo do brasil
Aula 03 relevo do brasil
 
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...
Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...
 
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
 
Geografia 1 ano
Geografia 1 anoGeografia 1 ano
Geografia 1 ano
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
Claudio Henrique Ramos Sales
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 12 - A indústria brasileira
Modulo 12 - A indústria brasileiraModulo 12 - A indústria brasileira
Modulo 12 - A indústria brasileira
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeFeminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales (20)

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
 
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
Modulo 12 - Atividades agricolas nos Estados Unidos (Apostila Anglo)
 
Modulo 12 - A indústria brasileira
Modulo 12 - A indústria brasileiraModulo 12 - A indústria brasileira
Modulo 12 - A indústria brasileira
 
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeFeminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Modulo 04 O planeta Terra - Relevo

  • 1. 6º ano: Caderno 01 / Modulo 04 Professor Claudio Henrique Ramos Sales GEOGRAFIA
  • 2. A superfície terrestre possui formas variadas, áreas mais ou menos elevadas e outras mais ou menos planas. Também encontramos cânions e vales de rios, que fascinam os seres humanos desde a Antiguidade. A beleza das formas e suas características transforma alguns lugares em locais sagrados e, principalmente, em atrações turísticas. Há algum local turístico relacionado ao relevo onde você vive? Nesse módulo, vamos conhecer as formas da superfície terrestre, os agentes transformadores do relevo e estudar o relevo do Brasil.
  • 3. Sedimentação é o oposto de erosão. Na erosão os agentes intempéricos (vento e chuva, principalmente) desgastam as rochas e solo, soltando pequenos pedaços delas e transportando esses fragmentos para regiões mais baixas. Na sedimentação, após estes fragmentos serem depositados em um determinado local, com o tempo acabam por se fundirem (juntarem), formando novas rochas (rochas sedimentares).
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 11. Muitas vezes olhamos para uma paisagem e temos a sensação de que ela sempre foi assim. Mas na verdade o relevo terrestre encontra-se em permanente alteração, numa dinâmica constante de construção, desconstrução e reconstrução. Essas alterações acontecem devido à ação de forças ou agentes internos (parte interna do planeta Terra), também chamados de agentes endógenos, e de forças ou agentes externos (parte externa do planeta Terra), também chamados de agentes exógenos.
  • 13. Os agentes internos, como o nome diz, são os que têm origem no interior da Terra. Por exemplo, o tectonismo (movimentos tectônicos), o vulcanismo e os terremotos (abalos sísmicos). Os vulcões, ao entrar em erupção, trazem à superfície terrestre lava, cinzas, gases e outros materiais da crosta. A imagem acima mostra a erupção do vulcão Arenal, na Costa Rica
  • 14. a) Vulcanismo (vulcões) b) Tectonismo (movimentos das placas tectônicas) c) Abalos sísmicos (terremotos)
  • 15. Vulcanismo É a atividade pela qual os materiais vindos do manto atingem a superfície. Através de fendas ou aberturas da crosta terrestre. Lavas, cinzas e gases. Vulcão Stromboli, na Itália. A acumulação e consolidação da lava expelida pelos vulcões podem dar origem a montanhas e ilhas.
  • 17. Ocorrem pela liberação de ondas sísmicas que vão se manifestar em uma parte do relevo. O hipocentro é o local de surgimento do abalo, enquanto o epicentro é o local de manifestação deste. Terremotos
  • 19. Os agentes externos são aqueles que atuam sobre a superfície terrestre, como a água (por meio das chuvas, dos rios, do gelo, dos oceanos), os ventos e os seres vivos, especialmente o ser humano. O Monument Valley, nos Estados Unidos, é resultado da ação dos agentes externos, que esculpiram essas belas formas.
  • 20. Os agentes externos modelam as formas do relevo, provocando um fenômeno conhecido como erosão, que é o desgaste da superfície. O material erodido é transportado pela natureza (por exemplo, pela água ou pelo vento) para pontos mais baixos da superfície terrestre, onde são depositados. Assim, podemos dizer que existem três etapas nesse processo: o desgaste, o transporte e a deposição.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 29. As formas da superfície da Terra são caracterizadas a partir da análise dos aspectos visíveis, da sua origem e da sua composição (estrutura sedimentar ou cristalina).
  • 31. A partir dos três elementos básicos (aspecto, origem e composição), podemos analisar as várias formas do relevo. Sobre a superfície continental destacam-se quatro formas predominantes: a cadeia de montanhas, a planície, a depressão e o planalto.
  • 32. Montanhas: Formadas pelo encontro de placas tectônicas (convergentes). Depressões: Relevo abaixo do relevo vizinho. Planaltos: Relevo relativamente plano acima de 300 metros. Planícies: Relevo plano abaixo de 300 metros.
  • 33.
  • 34. As cadeias de montanhas, também chamadas de cordilheiras, são as maiores elevações na superfície terrestre e apresentam encostas íngremes. Têm sua origem em dobras recentes da crosta, por isso recebem a denominação de dobramentos modernos. Alguns exemplos são as montanhas Rochosas (América do Norte), a cordilheira dos Andes (América do Sul), os Alpes (Europa) e o Himalaia (Ásia).
  • 35. São dobramentos modernos formados pelo encontro convergente de placas tectônicas. No Brasil não existem montanhas, já que aqui não temos encontro de placas. Os maiores picos do mundo (Evereste, K2, Aconcágua), são montanhas.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44. Vista área do Pantanal. Poconé, MT. São áreas geralmente planas e basicamente formadas por rochas sedimentares. Em geral, essa forma de relevo é encontrada ao longo dos grandes rios e nas proximidades de lagos e mares. Nas planícies, o processo de sedimentação supera o de erosão. Essas Rochas sedimentares são formadas por sedimentos vindos de terrenos vizinhos com maior altitude, como os planaltos.
  • 48.
  • 49.
  • 51. São áreas mais baixas que o relevo ao seu redor. Nessa forma de relevo predomina o processo de erosão. Sua origem também pode estar ligada ao rebaixamento de determinadas áreas.
  • 52. São áreas mais baixas que o relevo ao seu redor. Apresentam uma leve inclinação. Essa superfície quase plana apresenta poucas irregularidades e altitudes que variam entre 100 m e 500 m. As depressões podem ser classificadas com base no nível do mar. Ex: O mar Morto, na Ásia, é um exemplo de depressão absoluta. Ele está metros abaixo do nível do mar. Área de depressão acima do nível do mar, localizada no parque nacional da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso. Exemplo de depressão relativa Conforme já citado, são também caracterizadas por um processo de erosão, que é um aspecto determinante na sua formação.
  • 53. São aquelas depressões que ficam acima do nível do mar. DEPRESSÕES RELATIVAS
  • 54. São aquelas depressões que ficam abaixo do nível do mar. DEPRESSÕES ABSOLUTAS
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 59. São terrenos elevados que se encontram acima dos 300 metros e, pelo menos de um lado, devem estar acima de um relevo de altitude mais baixa. Os planaltos podem ter terrenos planos ou inclinados . Ex: Planalto Cristalino ou Oriental (São Paulo-SP) é um exemplo de planalto plano Ex: Planalto Central (Brasília)é um exemplo de planalto plano Os planaltos são superfícies que podem apresentar diferentes aspectos (serras, chapadas, morros, escarpas etc.), mas, todos são afetados principalmente pelo processo de erosão, fazendo com que eles doem mais sedimentos que recebam. Obs.: Notem como o horizonte se encontra distante na foto, o que indica que o relevo é pouco movimentado, isto é, possui poucos morros ou inclinações.
  • 60. Os planaltos em áreas sedimentares apresentam relevo mais plano, chamado de chapada. Já os planaltos em áreas cristalinas, isto é, formados por rochas magmáticas e metamórficas, apresentam terrenos mais acidentados.
  • 63.
  • 64. Formadas, geralmente, por relevos alongados com topos irregulares, muitas vezes isolados na paisagem. Sua origem pode estar relacionada a antigas cadeias de montanhas desgastadas pela erosão.
  • 65. Serra Rio dos Rastros - SC
  • 68. Serra da Leba - Angola
  • 70.
  • 72. São formas que lembram um degrau (ou paredões). O exemplo mais comum são as bordas de alguns planaltos. No Brasil, o termo serra é usado de maneira errônea para denominar as bordas de um planalto, que na verdade formam escarpas. Esse é o caso da Serra do Mar, no estado de São Paulo.
  • 73. Escarpa da serra do Mar, no estado de São Paulo
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 79. As formas do relevo submarino apresentam características distintas. Em um primeiro patamar, que corresponde à continuação do continente, encontra-se a plataforma continental, de grande importância econômica, e o talude continental. A importância econômica está relacionada à atividade pesqueira e à exploração do petróleo, como ocorre no Brasil. Em um segundo patamar, que atinge grandes profundidades, encontram-se as bacias oceânicas, as fossas oceânicas e as cordilheiras marinhas ou dorsais oceânicas. As ilhas podem ser encontradas nesses dois patamares. Quando estão próximas ao continente, são chamadas de ilhas costeiras. Quando se encontram afastadas, recebem o nome de ilhas oceânicas. É o caso da ilha de Santa Helena, no meio do oceano Atlântico.
  • 80.
  • 81.
  • 82.
  • 83. Plataforma Continental É a continuação do continente, mesmo submerso. Possui profundidade média de 0 a 200 m, o que significa que a luz solar infiltra-se na água, o que gera condições propícias à atividade biológica e ocasiona uma enorme importância econômica - a PESCA. Há também, na plataforma continental, a ocorrência de petróleo. Talude Desnível abrupto de 2 a 3 km. É o fim do continente. Região Abissal Quando ocorre, aparece junto ao talude e corresponde às fossas marinhas. Região Pelágica É o relevo submarino propriamente dito, com planícies, montanhas e depressões. Surgem aqui as ilhas oceânicas
  • 86. O relevo brasileiro apresenta diversas formas com altitudes variadas. Observe no mapa a seguir a altimetria da superfície brasileira.
  • 87. Como podemos observar no mapa, as maiores altitudes brasileiras estão localizadas ao norte, na fronteira com a Venezuela e com a Guiana. Ao norte do estado do Amazonas, encontra-se o Pico da Neblina, ponto mais alto do Brasil, com 2994 metros. Próximo a ele está o Pico 31 de Março, com 2973 metros.
  • 88.
  • 89. O Sudeste é outra região que apresenta altitudes significativas para os padrões brasileiros. Na Serra do Caparaó, em Minas Gerais, encontram- se o Pico da Bandeira (2890 m) e a Pedra da Mina (2792 m).
  • 90.
  • 91. E por que nossas altitudes são tão baixas? Conforme estudamos no módulo anterior, o território brasileiro possui posição privilegiada no centro da placa tectônica Sul-Americana, região mais estável do ponto de vista tectônico, estando, portanto, afastado de suas bordas. Isso faz com que os abalos sísmicos ocorram com baixa intensidade, sendo praticamente imperceptíveis na maioria das vezes. Não havendo choque entre placas ou atividade vulcânica, não há formação de montanhas ou cordilheiras. Isso faz com que há milhões de anos não ocorram soerguimentos (refere-se à formação de elevações no relevo, como montanhas ou cordilheiras) no território brasileiro. Ou seja, as elevações da crosta terrestre no Brasil são muito antigas.
  • 92. Se por um lado os agentes internos não atuam de forma significativa há muito tempo, não se pode dizer o mesmo dos agentes externos. Ao longo desses milhões de anos o relevo brasileiro sofreu um desgaste causado, principalmente, pela ação da água e do vento. Essas características fazem com que não existam montanhas em nosso país.
  • 93. Assim, atualmente predominam no Brasil três grandes formas de relevo: os planaltos, as planícies e as depressões relativas. Essas formas apresentam características físicas próprias, relacionadas ao tipo de rocha predominante, bem como formas e altitudes semelhantes. Observe o mapa a seguir.