SlideShare uma empresa Scribd logo
Riscos e Catástrofes
Naturais
Trabalho Realizado por:
• Liu Haolong
• Marco Cardoso
• Ricardo Monteiro
• Sofia Rodrigues
Introdução:
• Este trabalho foi-nos proposto pela professora Maria João Carlos,
na disciplina de Geografia.
• Vamos falar dos riscos e catástrofes naturais:
▫ Sismos
▫ Movimentos de Vertentes
▫ Tempestades
▫ Ondas de Calor
▫ Vagas de Frio
▫ Tsunamis
▫ Incêndios Florestais
▫ Erupções Vulcânicas
▫ Avalanches
▫ Desertificação
Riscos e catástrofes : qual é a diferença
• As catástrofes naturais são fenómenos de grande intensidade,
incontroláveis e inesperados, que provocam elevada
destruição tanto de bens materiais como de vidas humanas,
podendo mesmo alterar a superfície da terra .
• Riscos naturais é quando há probabilidade de ocorrer uma
catástrofe natural num dado lugar e em determinadas
circunstâncias.
Riscos e catástrofes naturais 2
Sismos
• Os sismos, conhecidos também
por tremores de terra, são
movimentos vibratórios, bruscos
e breves na crusta terrestre,
resultante de vários movimentos
de placas rochosas, da atividade
vulcânica. Os sismos são a
libertação de energia a partir das
ondas sísmicas, causadas por
falhas da crusta terrestre.
Sismos
• Consequências:
▫ Tsunamis (marmoto)
▫ Crise nuclear
▫ Destruição de edifícios
▫ Mortes
▫ Feridos
▫ Fissuras na superfície terrestre
▫ Cortes de energia e danos nos meios de
comunicação
▫ Desalojamento de pessoas
Sismo ocorrido no Haiti, em 2010
Sismo ocorrido no Japão, em 2011
Crise nuclear
ocorrida no Japão,
em 2011
Sismos
• Que escalas usamos para medir os sismos?
▫ Para medir sismos podemos usar a escala de Mercalli
Modificada ou a escala de Richter.
▫ Escala de Mercalli modificada: e uma escala de intensidade que
mede as consequências de um sismo de um local. A escala possui
12 graus.
▫ Escala de Richter: e uma de magnitude, que mede a energia
libertada no hipocentro de um sismo. A escala e aberta variando de
0 (leve) a 10 (muito severo). Para medir as ondas sísmicas
libertadas no hipocentro usa-se o sismógrafo. O gráfico obtido do
sismógrafo é o sismograma.
Riscos e catástrofes naturais 2
Sismógrafo: o sismógrafo é um
aparelho que regista a intensidade
da vibração do solo provocada por
um sismo.
Sismograma: gráfico registado
por um sismógrafo.
Antes e Depois de um sismo no Japão
Algumas
medidas de
prevenção para
os sismos
Clica Aqui
Movimento das Vertentes
• Os movimentos de vertentes são deslocamentos de rocha ou do
solo, quando a pressão feita pela gravidade é ultrapassada e o
terreno não aguenta e acaba por partir. Quando cede, podem
haver quedas de rochas e do terreno envolvente, deslizamentos,
derrocadas, etc.
Movimento das Vertentes
• Este fenómeno está associado a períodos de elevada precipitação: a água infiltra-
se e torna os terrenos vulneráveis. Também podem ser causados por um sismo,
atividades humanas mal planeadas e deficiente cobertura vegetal. Outros riscos
do declive das vertentes são as avalanchas, que resultam do deslizamento
repentino de terrenos e coberturas de neves.
Clica Aqui
Tempestades:
Furacões e Tornados
• As tempestades são fenómenos da atmosfera
caracterizados pela agitação violenta do ar (vento),
que aparecem muitas vezes associados à
precipitação abundante e trovoadas.
Furacões
• Furacões – é o termo usado para ciclone no oceano
Atlântico e no oceano Pacifico. É formado por um
vento circular forte com velocidade superior a 180
km. São formados em centros de baixas pressões.
Furacões
• Para se formar um furacão é necessário haver
perturbação do tempo, oceanos tropicais, humidade
e ventos fortes.
• O que lhe dá energia é o vapor de água, por essa
razão os furacões se formam na água.
Escala Saffir-Simpson
Furacão Ike – Texas
Tornado
• Tornado – é o mais devastador dos acontecimentos
meteorológicos e tem alto poder de destruição. Pode
ter até 2 km de diâmetro no interior do cone,
deslocar-se a mais de 105 km/h e criar ventos com
velocidade superior a 490 km/h.
Vários tipos de Tornados
• Uma tromba de agua é um simples tornado sobre água,
segundo o Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados
Unidos.
• O tornado de vórtice múltiplo é um tipo de tornado no qual
duas ou mais colunas de ar que giram em redor de um centro
comum. Os tornados de múltiplos vórtices acontecem
principalmente em tornados intensos.
• O tornado satélite é um tornado mais fraco que se
forma perto de um tornado mais forte contido
dentro do mesmo mesociclone*.
• Um landspout é um termo não oficial para designar
tornados que não se originam em mesociclones.
Estes apresentam as mesmas características das
trombas de agua razoáveis.
*vórtice de ar
Vários tipos de Tornados
Escala Fujita
Riscos e catástrofes naturais 2
• A erupção vulcânica é um fenómeno da natureza,
geralmente associado à extravasação
do magma de regiões profundas da Terra na
superfície do planeta.
O que são Erupções Vulcânicas?
Clica Aqui
Os vários tipos de erupções vulcânicas são:
Tipos de Erupções Vulcânicas
Riscos e catástrofes naturais 2
• Esta carateriza-se pela emissão tranquila e fluida da
lava, pobre em gases, solidifica lentamente, logo
podem-se formar extensos rios.
Erupção do vulcão
Mauna Loa
Erupções Efusivas
• Esta carateriza-se pela emissão violenta de produtos
vulcânicos. A lava é muito viscosa, rica em gases, e
solidifica rapidamente.
Erupção do
vulcão Pinatubo
Erupções Explosivas
Erupção do vulcão
Copahue
• Esta carateriza-se por apresentar períodos de
tranquila emissão de lava, alternando com períodos
explosivos de pouca violência. A lava é fluida, pobre
em gases e as escoadas são normalmente curtas.
Erupção do vulcão
Santoríni
Erupções Mistas
• Esta carateriza-se pela lava ser muito viscosa e rica
em gases. A lava não escorre acumulando-se na
cratera formando uma agulha vulcânica.
Erupção do vulcão
Krakatoa
Erupções Catastróficas
• As erupções vulcânicas causam grandes poluições
para a atmosfera, destroem vegetação, edifícios e
vidas.
• Os únicos benefícios são as cinzas vulcânicas, que
fertilizam as terras e são por vezes utilizados para
medicina(no Japão).
Erupção do vulcão
Tungurahua
Quais as Consequências das Erupções
Vulcânicas?
Riscos e catástrofes naturais 2
Avalanches
• Uma avalanche é um
fenómeno que se
verifica quando uma
massa acumulada
de neve
repentinamente se
movimenta de
forma rápida e
violenta e se
precipita em direção
a um vale.
• Consequências –Destruição
de habitações e edifícios.
• Pode originar – sismos ,
erupções vulcânicas,
precipitação intensa…
Avalanches
Tsunamis
• Os tsunamis ou maremotos são ondas gigantes que a ocorrem
quando o epicentro de um sismo acontece no mar. As suas
ondas podem atingir os 800km/h de velocidade na sua fase
inicial, a partir do momento que atingem a zona costeira
podem atingir os 30 metros de altura.
Tsunamis
• Um tsunami não é formado apenas por uma onda, mas por
uma sucessão de ondas que podem ser mais destrutivas que
a primeira.
• Os tsunamis são frequentes na zona do Oceano Pacífico, no
“Anel de Fogo”. Na Europa os tsunamis são pouco frequentes.
Tsunamis
 Avalanches Oceânicas
 Sismos
 Vulcões
 Meteoritos
Causas Consequências
 Ferir ou matar seres vivos
 Destruir portos e infraestruturas
portuárias
 Dificultar a mobilidade de
pessoas e bens
 Destruir a fauna e a flora litorais
Clica Aqui
Riscos e catástrofes naturais 2
Vagas de Calor
• As vagas de calor são fenómeno meteorológicos que
ocorrem com frequência, principalmente no Verão,
devido às mudanças climáticas.
• É um período que dura vários dias, com
temperaturas mais elevadas, ou seja, com o tempo
seco e quente.
Vagas de Calor
• As vagas de calor ocorrem principalmente devido ao
aquecimento global, ou seja, ao aumento da
temperatura média do planeta terrestre. Clica Aqui
Vagas de Calor
• São várias as consequências destas ondas de calor,
como:
• Desidratação (pode conduzir à morte);
• Graves problemas na agricultura (destruição das culturas)
e na pecuária (morte do gado);
• Aumento do número de incêndios;
• Redução do caudal dos cursos de água, o que leva à falta
de água em certas zonas, sobretudo as que não estão
próximas do litoral.
Riscos e catástrofes naturais 2
Incêndios Florestais
• Um Incêndio é uma ocorrência de fogo não
controlado, que pode ser extremamente perigosa
para os seres vivos e as estruturas. A exposição a um
incêndio pode produzir a morte, geralmente pela
inalação dos gases, ou pelo desmaio causado por
eles, ou posteriormente pelas queimaduras graves.
Incêndios Florestais
• Os incêndios podem ser provocados pelo homem ou
por fenómenos naturais, como por exemplo: as
trovoadas e os relâmpagos.
• Os incêndios podem ser assim catástrofes mistas ou
ambientais.
Incêndios Florestais
• A limpeza das matas pode ser um fator muito
importante para a diminuição da propagação das
matas. Clica Aqui
Desertificação
• A desertificação é a transformação de um terreno
que estava em atividade e que passa a uma área
deserta, é também o estrago da terra nas regiões
áridas, semi-áridas e sub-húmidas secas, que
derivam de diversos fatores.
Clica Aqui
Desertificação
• CAUSAS:
- agricultura e a pecuária intensiva (adubação e cultivo excessivo);
- desflorestação;
- crescimento urbano;
- erosão dos solos;
- escassez de precipitação;
- poluição.
• CONSEQUÊNCIAS:
- Sociais - Abandono das terras por parte das populações mais pobres (migrações);
- Económicas - Queda na produção e produtividade agrícolas;
- Recursos naturais e clima;
- Perda de biodiversidade (flora e fauna)
- Perda de solos por erosão
- Diminuição da disponibilidade eletiva de recursos hídricos devido ao assoreamento de rios
e reservatórios
- Aumento dos períodos de secas por incapacidade de retenção de água dos solos.
Desertificação
Vagas de Frio
• As vagas de frio são produzidas por uma massa de ar frio e
geralmente seco que se desenvolve numa área continental.
• Durante estes fenómenos as temperaturas podem descer a
valores mínimos abaixo dos 0ᵒ C, no Inverno.
Clica Aqui
Vagas de Frio
• A principal causa das vagas de frio é o desequilíbrio das
condições atmosféricas.
• As causas para a ocorrência das vagas de frio estão sempre
relacionadas com a Natureza. Normalmente uma vaga de frio
ocorre quando uma massa de ar frio se desenvolve sobre uma
determinada região, provocando alterações na temperatura.
Cheias
• As cheias são catástrofes naturais que ocorrem
normalmente em alguns rios ou quando o caudal do rio
aumenta e este traz a água do rio para as margens –
caudal de inundação – ou o mar invade a terra.
Cheias
Existem vários tipos de cheias, mas aqui só vou tratar de
algumas delas.
• Cheias de montanha – Este é normalmente provocado
por excessividade de precipitação numa curta duração de
tempo. Têm normalmente apenas expressão local.
• Cheias Súbitas –Trombas de água.
• Cheias de planície – Produzido por precipitação ao longo
tempo, abrangendo vastas áreas.
• Cheias ou inundações costeiras – São causadas por
tsunamis e por marés cheias.
Cheias
Este normalmente causam as seguintes consequências:
• Evacuação e desalojamento de pessoas;
• Ferimentos ou perdas de vidas humanas;
• Danificação de propriedades e edifícios;
• Perda de produção e de produtividade de terras;
• Ocorrência de movimentos e deslizamentos de terrenos;
• Poluição de rios, mares;
• Propagação de doenças;
• Destruição de culturas, áreas de cultivo e materiais
agrícolas.
Cheias
Aqui estão algumas medidas de prevenção contra as cheias:
• Manter limpos os leitos dos leitos dos rios;
• Reflorestar áreas onde há maior risco de arrastamento de
sedimentos;
• Fazer uma boa gestão das bacias hidrográficas;
• Implementar sistemas de vigilância, que permitam avisar
atempadamente as populações;
• Construir barragens para regularizar os caudais dos rios.
Clica Aqui
Riscos e catástrofes naturais 2
Curiosidade
• Normalmente por ano ocorrem:
• --> 12 milhões de tremores de terra, sendo que cerca de 100 tem efeitos
devastadores para as sociedades;
• --> 100 mil tempestades;
• --> 10 mil inundações;
• --> centenas de deslizamentos de terras e tornados;
• --> e alguns furacões, fogos florestais, erupções vulcânicas, secas e tsunamis.
Catástrofes Naturais desde 1970 a 2010 – Número de Mortos
Curiosidade
Conclusão
• O tema deste trabalho foi importante e aprendemos
bastante a trabalhar nele e a trabalhar em grupo.
• Queríamos agradecer também à professora Mª João
por nos ter proposto este tema tão interessante.
Bibliografia
• MOTA, Madalena; NUNES, Alexandra – Editado em 2012 - +GEO – Editado em
Portugal – Leya Portugal
• Matos, Maria João; Castelão, Raul – Editado em 2012 – Geografia – Carnaxide –
Santillana Constãncia
• RODRIGUES, Arinda – editado em 2012 – Mapa - Mundo Geografia 7ºANO –
Editado em Lisboa - texto editores, lda
• ANTUNES, Cristina; BISPO, Manuela; GUINDEIRA, Paula – editado em 2012 –
Descobrir a Terra 7 – editado em Porto – Areal Editores.
• RIBEIRO, Eva; LOPES, Rui Teixeira; CÚSTODIO, Sandra – editado em 2012 – GPS –
editado no Porto – Porto Editora.
Webgrafia
http://geoesb.blogspot.pt/2011/11/os-riscos-e-as-
catastrofes-naturais.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sismo
http://catastrofesnaturais-
mdm.blogspot.pt/p/movimento-das-vertentes.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tempestade
http://geografia8a.blogspot.pt/2011/03/moviment
os-das-vertentes.html
http://www.slideshare.net/ap8dgrp7/avalanches-
2713619
http://www.alunos.esffl.pt/vulcanismo/tipos_d_er
p_vulc.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Erup%C3%A7%C3%A3
o_vulc%C3%A2nica
http://www.slideshare.net/Lenora_M/diferentes-
tipos-de-erupes-vulcnicas-existentes-10506261
http://www.slideshare.net/dulcemarr/erupes-
vulcnicas
http://pt.wikipedia.org/wiki/Avalancha
http://www.slideshare.net/sergiomorais7/as-
tempestades
http://www.slideshare.net/mekie/vagas-de-calor
http://cheiaseideias.wordpress.com/o-que-sao-
cheias/
https://sites.google.com/site/cheiasemportugal/doc
umentos
http://cheiasepatv.ucoz.com/index/0-4
http://cheiaseideias.wordpress.com/quais-sao-as-
medidas-de-prevencao-das-cheias/
http://www.slideshare.net/T8CG3/furaces
http://www.slideshare.net/surdosfera/os-furaes-e-
tornados
http://www.slideshare.net/geocoisas/tornado-
trabalho-de-geografia-2003

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
Ilda Bicacro
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
Diogo Mateus
 
As secas
As secasAs secas
As secas
Mayjö .
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
Cláudia Moura
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
Tânia Reis
 
VulcõEs
VulcõEsVulcõEs
VulcõEs
Isabel Lopes
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
Carlos Henrique Tavares
 
Terremotos
TerremotosTerremotos
Terremotos
Natã Melo
 
Marés negras
Marés negrasMarés negras
Marés negras
geografianaserpapinto
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
Sandra Nascimento
 
Vulcanismo Primário
Vulcanismo PrimárioVulcanismo Primário
Vulcanismo Primário
Catir
 
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
Margarida Cardoso
 
Impacto das alterações climáticas
Impacto das alterações climáticasImpacto das alterações climáticas
Impacto das alterações climáticas
Grupo2apcm
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
Carlamspc
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
Goreti Carvalho
 
Trabalho de geografia secas
Trabalho de geografia   secasTrabalho de geografia   secas
Trabalho de geografia secas
protecaocivil
 
Grandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas AmbientaisGrandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas Ambientais
lidia76
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
margaridabt
 
Atividade sísmica
Atividade sísmicaAtividade sísmica
Atividade sísmica
acatarina82
 

Mais procurados (20)

Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 
As secas
As secasAs secas
As secas
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
VulcõEs
VulcõEsVulcõEs
VulcõEs
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
 
Terremotos
TerremotosTerremotos
Terremotos
 
Marés negras
Marés negrasMarés negras
Marés negras
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Vulcanismo Primário
Vulcanismo PrimárioVulcanismo Primário
Vulcanismo Primário
 
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
 
Impacto das alterações climáticas
Impacto das alterações climáticasImpacto das alterações climáticas
Impacto das alterações climáticas
 
Furacões e tornados
Furacões e tornadosFuracões e tornados
Furacões e tornados
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
 
Trabalho de geografia secas
Trabalho de geografia   secasTrabalho de geografia   secas
Trabalho de geografia secas
 
Grandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas AmbientaisGrandes Problemas Ambientais
Grandes Problemas Ambientais
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
 
Atividade sísmica
Atividade sísmicaAtividade sísmica
Atividade sísmica
 

Semelhante a Riscos e catástrofes naturais 2

Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Maria João Carlos
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
soniaweber
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
Mariana Cordeiro
 
Catastrofes naturais
Catastrofes naturaisCatastrofes naturais
Catastrofes naturais
Francisco Rasteiro
 
Trabalho de ciencias
Trabalho de cienciasTrabalho de ciencias
Trabalho de ciencias
quimpreto
 
Trabalho de geog.
Trabalho de geog.Trabalho de geog.
Trabalho de geog.
Maria João Carlos
 
desastres climaticos
desastres climaticosdesastres climaticos
desastres climaticos
B0das
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Rui Basto
 
David andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8aDavid andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8a
navegananet
 
Riscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º anoRiscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º ano
Beatriz de Almeida
 
Catastrofes final - 8ºF
Catastrofes final - 8ºFCatastrofes final - 8ºF
Catastrofes final - 8ºF
Fátima Gomes
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Taniabastos15
 
Desastres naturais.
Desastres naturais.Desastres naturais.
Desastres naturais.
guesta5f4a7d
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
luis costa
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
luis costa
 
Catástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristianaCatástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristiana
protecaocivil
 
Terremotos 1 A
Terremotos 1 ATerremotos 1 A
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
filomenacatatua
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Cristina Coelho
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
UFSM
 

Semelhante a Riscos e catástrofes naturais 2 (20)

Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
 
Catastrofes naturais
Catastrofes naturaisCatastrofes naturais
Catastrofes naturais
 
Trabalho de ciencias
Trabalho de cienciasTrabalho de ciencias
Trabalho de ciencias
 
Trabalho de geog.
Trabalho de geog.Trabalho de geog.
Trabalho de geog.
 
desastres climaticos
desastres climaticosdesastres climaticos
desastres climaticos
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
David andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8aDavid andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8a
 
Riscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º anoRiscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º ano
 
Catastrofes final - 8ºF
Catastrofes final - 8ºFCatastrofes final - 8ºF
Catastrofes final - 8ºF
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Desastres naturais.
Desastres naturais.Desastres naturais.
Desastres naturais.
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Catástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristianaCatástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristiana
 
Terremotos 1 A
Terremotos 1 ATerremotos 1 A
Terremotos 1 A
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 

Riscos e catástrofes naturais 2

  • 1. Riscos e Catástrofes Naturais Trabalho Realizado por: • Liu Haolong • Marco Cardoso • Ricardo Monteiro • Sofia Rodrigues
  • 2. Introdução: • Este trabalho foi-nos proposto pela professora Maria João Carlos, na disciplina de Geografia. • Vamos falar dos riscos e catástrofes naturais: ▫ Sismos ▫ Movimentos de Vertentes ▫ Tempestades ▫ Ondas de Calor ▫ Vagas de Frio ▫ Tsunamis ▫ Incêndios Florestais ▫ Erupções Vulcânicas ▫ Avalanches ▫ Desertificação
  • 3. Riscos e catástrofes : qual é a diferença • As catástrofes naturais são fenómenos de grande intensidade, incontroláveis e inesperados, que provocam elevada destruição tanto de bens materiais como de vidas humanas, podendo mesmo alterar a superfície da terra . • Riscos naturais é quando há probabilidade de ocorrer uma catástrofe natural num dado lugar e em determinadas circunstâncias.
  • 5. Sismos • Os sismos, conhecidos também por tremores de terra, são movimentos vibratórios, bruscos e breves na crusta terrestre, resultante de vários movimentos de placas rochosas, da atividade vulcânica. Os sismos são a libertação de energia a partir das ondas sísmicas, causadas por falhas da crusta terrestre.
  • 6. Sismos • Consequências: ▫ Tsunamis (marmoto) ▫ Crise nuclear ▫ Destruição de edifícios ▫ Mortes ▫ Feridos ▫ Fissuras na superfície terrestre ▫ Cortes de energia e danos nos meios de comunicação ▫ Desalojamento de pessoas Sismo ocorrido no Haiti, em 2010 Sismo ocorrido no Japão, em 2011 Crise nuclear ocorrida no Japão, em 2011
  • 7. Sismos • Que escalas usamos para medir os sismos? ▫ Para medir sismos podemos usar a escala de Mercalli Modificada ou a escala de Richter. ▫ Escala de Mercalli modificada: e uma escala de intensidade que mede as consequências de um sismo de um local. A escala possui 12 graus. ▫ Escala de Richter: e uma de magnitude, que mede a energia libertada no hipocentro de um sismo. A escala e aberta variando de 0 (leve) a 10 (muito severo). Para medir as ondas sísmicas libertadas no hipocentro usa-se o sismógrafo. O gráfico obtido do sismógrafo é o sismograma.
  • 9. Sismógrafo: o sismógrafo é um aparelho que regista a intensidade da vibração do solo provocada por um sismo. Sismograma: gráfico registado por um sismógrafo.
  • 10. Antes e Depois de um sismo no Japão
  • 12. Movimento das Vertentes • Os movimentos de vertentes são deslocamentos de rocha ou do solo, quando a pressão feita pela gravidade é ultrapassada e o terreno não aguenta e acaba por partir. Quando cede, podem haver quedas de rochas e do terreno envolvente, deslizamentos, derrocadas, etc.
  • 13. Movimento das Vertentes • Este fenómeno está associado a períodos de elevada precipitação: a água infiltra- se e torna os terrenos vulneráveis. Também podem ser causados por um sismo, atividades humanas mal planeadas e deficiente cobertura vegetal. Outros riscos do declive das vertentes são as avalanchas, que resultam do deslizamento repentino de terrenos e coberturas de neves.
  • 15. Tempestades: Furacões e Tornados • As tempestades são fenómenos da atmosfera caracterizados pela agitação violenta do ar (vento), que aparecem muitas vezes associados à precipitação abundante e trovoadas.
  • 16. Furacões • Furacões – é o termo usado para ciclone no oceano Atlântico e no oceano Pacifico. É formado por um vento circular forte com velocidade superior a 180 km. São formados em centros de baixas pressões.
  • 17. Furacões • Para se formar um furacão é necessário haver perturbação do tempo, oceanos tropicais, humidade e ventos fortes. • O que lhe dá energia é o vapor de água, por essa razão os furacões se formam na água.
  • 20. Tornado • Tornado – é o mais devastador dos acontecimentos meteorológicos e tem alto poder de destruição. Pode ter até 2 km de diâmetro no interior do cone, deslocar-se a mais de 105 km/h e criar ventos com velocidade superior a 490 km/h.
  • 21. Vários tipos de Tornados • Uma tromba de agua é um simples tornado sobre água, segundo o Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos. • O tornado de vórtice múltiplo é um tipo de tornado no qual duas ou mais colunas de ar que giram em redor de um centro comum. Os tornados de múltiplos vórtices acontecem principalmente em tornados intensos.
  • 22. • O tornado satélite é um tornado mais fraco que se forma perto de um tornado mais forte contido dentro do mesmo mesociclone*. • Um landspout é um termo não oficial para designar tornados que não se originam em mesociclones. Estes apresentam as mesmas características das trombas de agua razoáveis. *vórtice de ar Vários tipos de Tornados
  • 25. • A erupção vulcânica é um fenómeno da natureza, geralmente associado à extravasação do magma de regiões profundas da Terra na superfície do planeta. O que são Erupções Vulcânicas? Clica Aqui
  • 26. Os vários tipos de erupções vulcânicas são: Tipos de Erupções Vulcânicas
  • 28. • Esta carateriza-se pela emissão tranquila e fluida da lava, pobre em gases, solidifica lentamente, logo podem-se formar extensos rios. Erupção do vulcão Mauna Loa Erupções Efusivas
  • 29. • Esta carateriza-se pela emissão violenta de produtos vulcânicos. A lava é muito viscosa, rica em gases, e solidifica rapidamente. Erupção do vulcão Pinatubo Erupções Explosivas Erupção do vulcão Copahue
  • 30. • Esta carateriza-se por apresentar períodos de tranquila emissão de lava, alternando com períodos explosivos de pouca violência. A lava é fluida, pobre em gases e as escoadas são normalmente curtas. Erupção do vulcão Santoríni Erupções Mistas
  • 31. • Esta carateriza-se pela lava ser muito viscosa e rica em gases. A lava não escorre acumulando-se na cratera formando uma agulha vulcânica. Erupção do vulcão Krakatoa Erupções Catastróficas
  • 32. • As erupções vulcânicas causam grandes poluições para a atmosfera, destroem vegetação, edifícios e vidas. • Os únicos benefícios são as cinzas vulcânicas, que fertilizam as terras e são por vezes utilizados para medicina(no Japão). Erupção do vulcão Tungurahua Quais as Consequências das Erupções Vulcânicas?
  • 34. Avalanches • Uma avalanche é um fenómeno que se verifica quando uma massa acumulada de neve repentinamente se movimenta de forma rápida e violenta e se precipita em direção a um vale.
  • 35. • Consequências –Destruição de habitações e edifícios. • Pode originar – sismos , erupções vulcânicas, precipitação intensa… Avalanches
  • 36. Tsunamis • Os tsunamis ou maremotos são ondas gigantes que a ocorrem quando o epicentro de um sismo acontece no mar. As suas ondas podem atingir os 800km/h de velocidade na sua fase inicial, a partir do momento que atingem a zona costeira podem atingir os 30 metros de altura.
  • 37. Tsunamis • Um tsunami não é formado apenas por uma onda, mas por uma sucessão de ondas que podem ser mais destrutivas que a primeira. • Os tsunamis são frequentes na zona do Oceano Pacífico, no “Anel de Fogo”. Na Europa os tsunamis são pouco frequentes.
  • 38. Tsunamis  Avalanches Oceânicas  Sismos  Vulcões  Meteoritos Causas Consequências  Ferir ou matar seres vivos  Destruir portos e infraestruturas portuárias  Dificultar a mobilidade de pessoas e bens  Destruir a fauna e a flora litorais Clica Aqui
  • 40. Vagas de Calor • As vagas de calor são fenómeno meteorológicos que ocorrem com frequência, principalmente no Verão, devido às mudanças climáticas. • É um período que dura vários dias, com temperaturas mais elevadas, ou seja, com o tempo seco e quente.
  • 41. Vagas de Calor • As vagas de calor ocorrem principalmente devido ao aquecimento global, ou seja, ao aumento da temperatura média do planeta terrestre. Clica Aqui
  • 42. Vagas de Calor • São várias as consequências destas ondas de calor, como: • Desidratação (pode conduzir à morte); • Graves problemas na agricultura (destruição das culturas) e na pecuária (morte do gado); • Aumento do número de incêndios; • Redução do caudal dos cursos de água, o que leva à falta de água em certas zonas, sobretudo as que não estão próximas do litoral.
  • 44. Incêndios Florestais • Um Incêndio é uma ocorrência de fogo não controlado, que pode ser extremamente perigosa para os seres vivos e as estruturas. A exposição a um incêndio pode produzir a morte, geralmente pela inalação dos gases, ou pelo desmaio causado por eles, ou posteriormente pelas queimaduras graves.
  • 45. Incêndios Florestais • Os incêndios podem ser provocados pelo homem ou por fenómenos naturais, como por exemplo: as trovoadas e os relâmpagos. • Os incêndios podem ser assim catástrofes mistas ou ambientais.
  • 46. Incêndios Florestais • A limpeza das matas pode ser um fator muito importante para a diminuição da propagação das matas. Clica Aqui
  • 47. Desertificação • A desertificação é a transformação de um terreno que estava em atividade e que passa a uma área deserta, é também o estrago da terra nas regiões áridas, semi-áridas e sub-húmidas secas, que derivam de diversos fatores. Clica Aqui
  • 48. Desertificação • CAUSAS: - agricultura e a pecuária intensiva (adubação e cultivo excessivo); - desflorestação; - crescimento urbano; - erosão dos solos; - escassez de precipitação; - poluição. • CONSEQUÊNCIAS: - Sociais - Abandono das terras por parte das populações mais pobres (migrações); - Económicas - Queda na produção e produtividade agrícolas; - Recursos naturais e clima; - Perda de biodiversidade (flora e fauna) - Perda de solos por erosão - Diminuição da disponibilidade eletiva de recursos hídricos devido ao assoreamento de rios e reservatórios - Aumento dos períodos de secas por incapacidade de retenção de água dos solos.
  • 50. Vagas de Frio • As vagas de frio são produzidas por uma massa de ar frio e geralmente seco que se desenvolve numa área continental. • Durante estes fenómenos as temperaturas podem descer a valores mínimos abaixo dos 0ᵒ C, no Inverno. Clica Aqui
  • 51. Vagas de Frio • A principal causa das vagas de frio é o desequilíbrio das condições atmosféricas. • As causas para a ocorrência das vagas de frio estão sempre relacionadas com a Natureza. Normalmente uma vaga de frio ocorre quando uma massa de ar frio se desenvolve sobre uma determinada região, provocando alterações na temperatura.
  • 52. Cheias • As cheias são catástrofes naturais que ocorrem normalmente em alguns rios ou quando o caudal do rio aumenta e este traz a água do rio para as margens – caudal de inundação – ou o mar invade a terra.
  • 53. Cheias Existem vários tipos de cheias, mas aqui só vou tratar de algumas delas. • Cheias de montanha – Este é normalmente provocado por excessividade de precipitação numa curta duração de tempo. Têm normalmente apenas expressão local. • Cheias Súbitas –Trombas de água. • Cheias de planície – Produzido por precipitação ao longo tempo, abrangendo vastas áreas. • Cheias ou inundações costeiras – São causadas por tsunamis e por marés cheias.
  • 54. Cheias Este normalmente causam as seguintes consequências: • Evacuação e desalojamento de pessoas; • Ferimentos ou perdas de vidas humanas; • Danificação de propriedades e edifícios; • Perda de produção e de produtividade de terras; • Ocorrência de movimentos e deslizamentos de terrenos; • Poluição de rios, mares; • Propagação de doenças; • Destruição de culturas, áreas de cultivo e materiais agrícolas.
  • 55. Cheias Aqui estão algumas medidas de prevenção contra as cheias: • Manter limpos os leitos dos leitos dos rios; • Reflorestar áreas onde há maior risco de arrastamento de sedimentos; • Fazer uma boa gestão das bacias hidrográficas; • Implementar sistemas de vigilância, que permitam avisar atempadamente as populações; • Construir barragens para regularizar os caudais dos rios. Clica Aqui
  • 57. Curiosidade • Normalmente por ano ocorrem: • --> 12 milhões de tremores de terra, sendo que cerca de 100 tem efeitos devastadores para as sociedades; • --> 100 mil tempestades; • --> 10 mil inundações; • --> centenas de deslizamentos de terras e tornados; • --> e alguns furacões, fogos florestais, erupções vulcânicas, secas e tsunamis.
  • 58. Catástrofes Naturais desde 1970 a 2010 – Número de Mortos Curiosidade
  • 59. Conclusão • O tema deste trabalho foi importante e aprendemos bastante a trabalhar nele e a trabalhar em grupo. • Queríamos agradecer também à professora Mª João por nos ter proposto este tema tão interessante.
  • 60. Bibliografia • MOTA, Madalena; NUNES, Alexandra – Editado em 2012 - +GEO – Editado em Portugal – Leya Portugal • Matos, Maria João; Castelão, Raul – Editado em 2012 – Geografia – Carnaxide – Santillana Constãncia • RODRIGUES, Arinda – editado em 2012 – Mapa - Mundo Geografia 7ºANO – Editado em Lisboa - texto editores, lda • ANTUNES, Cristina; BISPO, Manuela; GUINDEIRA, Paula – editado em 2012 – Descobrir a Terra 7 – editado em Porto – Areal Editores. • RIBEIRO, Eva; LOPES, Rui Teixeira; CÚSTODIO, Sandra – editado em 2012 – GPS – editado no Porto – Porto Editora.
  • 61. Webgrafia http://geoesb.blogspot.pt/2011/11/os-riscos-e-as- catastrofes-naturais.html https://pt.wikipedia.org/wiki/Sismo http://catastrofesnaturais- mdm.blogspot.pt/p/movimento-das-vertentes.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Tempestade http://geografia8a.blogspot.pt/2011/03/moviment os-das-vertentes.html http://www.slideshare.net/ap8dgrp7/avalanches- 2713619 http://www.alunos.esffl.pt/vulcanismo/tipos_d_er p_vulc.htm http://pt.wikipedia.org/wiki/Erup%C3%A7%C3%A3 o_vulc%C3%A2nica http://www.slideshare.net/Lenora_M/diferentes- tipos-de-erupes-vulcnicas-existentes-10506261 http://www.slideshare.net/dulcemarr/erupes- vulcnicas http://pt.wikipedia.org/wiki/Avalancha http://www.slideshare.net/sergiomorais7/as- tempestades http://www.slideshare.net/mekie/vagas-de-calor http://cheiaseideias.wordpress.com/o-que-sao- cheias/ https://sites.google.com/site/cheiasemportugal/doc umentos http://cheiasepatv.ucoz.com/index/0-4 http://cheiaseideias.wordpress.com/quais-sao-as- medidas-de-prevencao-das-cheias/ http://www.slideshare.net/T8CG3/furaces http://www.slideshare.net/surdosfera/os-furaes-e- tornados http://www.slideshare.net/geocoisas/tornado- trabalho-de-geografia-2003