SlideShare uma empresa Scribd logo
RELEVO CONTINENTAL
Colégio Salesiano Itajaí
Nomes: Elisa Coelho Malaquias (10), Isabela Coelho Malaquias
(19), Guilherme Klabunde (15), Rafaela Tridapalli (34)
Professora: Conceição Fontolan
2017
Turma: 1ºC
O QUE É?
• Relevo continental são as formas e
compartimento da superfície do
planeta (montanhas, planaltos,
planícies, depressões e etc.)
FORMAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO
AGENTES INTERNOS
• Tectonismo: Age na formação e transformação do relevo através do
movimento das placas tectônicas ou placas litosféricas que se chocam ou
afastam
• Vulcanismo: Age na formação e transformação do relevo devido a quantidade
de energia no interior que é expelido para a superfície formando duas
formas de relevo (montanhas e planaltos)
• Abalo Sísmico: É um tremor da superfície terrestre produzido por forças
naturais situada no interior da crosta terrestre e a profundidade variáveis.
FORMAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO
AGENTES EXTERNOS
• Ação das águas
• Erosão Pluvial: Provocada pelas águas da chuva
• Erosão Fluvial: Provocada pelas águas dos rios
• Erosão Marinha: Provocada pelas águas do mar, através da colisão das ondas com
a costa.
• Ação das geleiras: ocorre quando acontece uma avalanche deslocando juntamente
com o gelo uma quantidade de rochas e solos
• Ação dos ventos: Os ventos atuam, em especial, no litoral e no deserto, agindo
constantemente na formação e transformação do relevo, essa é denominada de
erosão eólica, um exemplo comum são as dunas.
RELEVO CONTINENTAL
PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO
• Planalto: São superfícies elevadas, com ondulações suaves, delimitadas por
escarpas que constituem declives (leve inclinação para baixo) e nos quais os
processos de destruição superam os de construção.
PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO
• Planícies: São superfícies que apresentaram pequenos movimentos na crosta,
sendo quase completamente aplainadas. São delimitadas por aclives, e os
processos de deposição superam os de erosão. São áreas associadas a processo
de sedimentação.
PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO
• Montanhas: São aquelas regiões em que ainda hoje os processos internos
superam os externos, ou seja, o soerguimento é mais forte que a erosão. É
comum, no entanto, considerar montanhas aquelas áreas que, mesmo antigas,
apresentam altitudes superiores a 3000 metros.
• ue a erosão.
PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO
• Depressão: É uma forma de relevo mais plana que o planalto e com
irregularidades, que tem leve inclinação por conta do desgaste sofrido por causa da
ação do vento e da água
RELEVO BRASILEIRO
• Formou-se a partir de estruturas geológicas
compostas, principalmente, por formações
sedimentares recentes e estruturas
vulcânicas e cristalinas de idade muito
antiga. Seu processo de formação e
transformação foi muito influenciado pelos
fatores exógenos, ou seja, pelos agentes
formadores e modeladores do relevo que
atuam na superfície do planeta Terra.
EXEMPLOS :
PLANALTO CENTRAL
• Abrange os estados de Goiás, Mato
grosso, Mato grosso do Sul, Tocantins e
Minas Gerais.
• Cerrado é a principal cobertura vegetal do
planalto central.
EXEMPLOS :
PLANÍCIE DO PANTANAL
• Situada na porção oeste de
Mato Grosso do Sul e pequena
extensão do sudoeste de Mato
Grosso
• Tem essa denominação pois
devido a seus alagamentos em
época de cheia, muitos
pântanos se formam em seu
terreno.
EXEMPLOS :
DEPRESSÃO PERIFÉRICAS SUL-RIO
GRANDENSE
• Ocupam as terras sedimentares
drenadas pelas águas do Rio Jacuí e
do Rio Ibicuí, no Rio Grande do Sul.
• Caracteriza-se por baixas altitudes,
que variam em torno dos 200m
NOTÍCIAS
DESASTRE DE MARIANA MUDA O RELEVO
. Os rompimentos das barragens de contenção de rejeitos de mineração que ocorreu na
região de Mariana desencadeou uma avalanche de Lama, modificando o relevo da região.
VÍDEO
https://www.youtube.com/watch?v=oVM0FTPppTk
QUESTÕES
1) São áreas que geralmente estão associadas a processos de sedimentação, isto é,
são áreas de deposição de sedimentos.
O texto está se referindo a algumas das características de:
a)Montanhas
b)Planaltos
c)Planícies
d)Depressões
• e) Planícies
2)
A fisionomia retratada na foto acima é naturalmente típica de:
• a) regiões de planície, por estar em um relevo aplainado que não propicia o escoamento em
velocidade dos cursos d'água, resultando na formação de meandros.
• b) regiões de planalto, pois se manifesta em superfícies onduladas geralmente delimitadas por
escarpas, o que se percebe pelas oscilações existentes no leito do rio.
• c) regiões de planície, por se tratar de uma bacia de drenagem composta por uma floresta
densa, o que só acontece nesse tipo de relevo.
• d) regiões de planalto, uma vez que os processos erosivos são favorecidos pela velocidade de
vazão do rio.
• e) depressões absolutas, porque nessas regiões a pressão atmosférica é maior e resulta em
uma ausência de coesão na organização das paisagens.
3) Sobre as formas de relevo existentes na superfície terrestre, assinale a alternativa
INCORRETA:
• a) Os planaltos são mais elevados que as planícies e menos do que as montanhas.
Podem apresentar composições cristalinas, sedimentares e basálticas.
• b) A depressão, quando abaixo do nível do mar, é chamada de absoluta, mas
acima do nível do mar e abaixo da região de entorno, é chamada de relativa.
• c) Nas planícies, o processo de erosão não é muito acentuado, havendo uma
deposição de sedimentos em menor grau em comparação com as demais formas
de relevo.
• d) As cadeias montanhosas encontram-se, geralmente, nas mais recentes
formações geológicas
4) Os agentes internos do relevo são responsáveis pela criação ou modificação da
fisionomia da paisagem. Um desses agentes é provocado por forças no interior da
Terra que atuam de forma lenta e prolongada na crosta terrestre. Entre outras
consequências, é capaz de produzir deformações, formação de falhas e de
dobramentos na superfície, dando origem a diversos tipos de relevo.
Assinale a opção que corresponde ao agente interno do relevo descrito
anteriormente.
• a) Movimento tectônico.
• b) Epirogênese.
• c) Vulcanismo.
• d) Desmoronamento.
• e) Erosão
5) É uma forma de relevo constituída por uma superfície elevada, com cume mais ou
menos nivelado (planificado), geralmente devido à erosão eólica ou pelas águas.
O texto está se referindo a uma das características de:
A)Montanhas
B) Planaltos
C)Planícies
D)Depressões
GABARITO
1) Letra C
2) Letra A
3) Letra C
4) Letra A
5) Letra B
FONTES
• http://noticias.r7.com/cidades/noticias/chuva-matou-mais-no-rio-de-janeiro-por-causa-do-
relevo-dizem-especialistas-20100409.html
• https://www.terra.com.br/noticias/climatempo/relevo-de-mariana-mudou-com-o-
dasastre,ef26ce0efbd5941dd80923469461dd3fhjodh760.html
• http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/formas-relevo.htm
• http://www.getulionascimento.com/news/relevo-brasileiro/
• http://www.trabalhosfeitos.com/topicos/depress%C3%A3o-perif%C3%A9rica-periferia-do-
escudo-rio-grandense/0
• http://mundogeograficord.blogspot.com.br/2007/09/plancie-do-pantanal_26.html
• https://www.todamateria.com.br/planalto-central/
• http://geoconceicao.blogspot.com.br/2011/10/relevo-continental-e-submarino.html
• https://www.educabras.com/enem/materia/geografia/geografia_fisica/aulas/relevo_b
rasileiro
• http://geografianovidades.blogspot.com.br/2011/07/principais-caracteristicas-do-
relevo.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Euna Machado
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
Josimar Nunes
 
Brasil - Climas
Brasil - ClimasBrasil - Climas
Brasil - Climas
Linguagem Geográfica
 
Relevo
RelevoRelevo
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundial
Marco Santos
 
Fatores climáticos
Fatores climáticosFatores climáticos
Fatores climáticos
Roberta Sumar
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
Colégio Aprov
 
Lugar, espaço geográfico e sociedade
Lugar, espaço geográfico e sociedadeLugar, espaço geográfico e sociedade
Lugar, espaço geográfico e sociedade
Ricardo Alex de Sousa
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Artur Lara
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
karolpoa
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
Globalização e os Blocos Econômicos
Globalização e os Blocos EconômicosGlobalização e os Blocos Econômicos
Globalização e os Blocos Econômicos
Escola Modelo de Iguatu
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Europa LocalizaçãO
Europa   LocalizaçãOEuropa   LocalizaçãO
Europa LocalizaçãO
Luciano Pessanha
 
Globalização econômica
Globalização  econômicaGlobalização  econômica
Globalização econômica
Washington sucupira
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
Prof. Francesco Torres
 
Monções asiáticas
Monções asiáticasMonções asiáticas
Monções asiáticas
Benedito Junior
 
Hidrografia Mundial
Hidrografia MundialHidrografia Mundial
Hidrografia Mundial
Adriana Gomes Messias
 
Agentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externosAgentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externos
Fernanda Lopes
 
Clima
ClimaClima

Mais procurados (20)

Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORESDINÂMICAS DO RELEVO:  AGENTES MODELADORES
DINÂMICAS DO RELEVO: AGENTES MODELADORES
 
Brasil - Climas
Brasil - ClimasBrasil - Climas
Brasil - Climas
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundial
 
Fatores climáticos
Fatores climáticosFatores climáticos
Fatores climáticos
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Lugar, espaço geográfico e sociedade
Lugar, espaço geográfico e sociedadeLugar, espaço geográfico e sociedade
Lugar, espaço geográfico e sociedade
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
Globalização e os Blocos Econômicos
Globalização e os Blocos EconômicosGlobalização e os Blocos Econômicos
Globalização e os Blocos Econômicos
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
Europa LocalizaçãO
Europa   LocalizaçãOEuropa   LocalizaçãO
Europa LocalizaçãO
 
Globalização econômica
Globalização  econômicaGlobalização  econômica
Globalização econômica
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Monções asiáticas
Monções asiáticasMonções asiáticas
Monções asiáticas
 
Hidrografia Mundial
Hidrografia MundialHidrografia Mundial
Hidrografia Mundial
 
Agentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externosAgentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externos
 
Clima
ClimaClima
Clima
 

Semelhante a RELEVO CONTINENTAL

Relevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICAS
Relevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICASRelevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICAS
Relevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICAS
luluzivania
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
Processo de formação do relevo
Processo de formação do relevoProcesso de formação do relevo
Processo de formação do relevo
OBGEOTIVO
 
Aula 2 geo
Aula 2 geoAula 2 geo
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
isacsouza12
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
isacsouza12
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
Conceição Fontolan
 
6ano unidade5
6ano unidade56ano unidade5
6ano unidade5
Christie Freitas
 
Relevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptxRelevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptx
Salvioli1
 
Relevos do planeta.pdf
Relevos do planeta.pdfRelevos do planeta.pdf
Relevos do planeta.pdf
Ricardo Diniz campos
 
Formas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptxFormas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptx
Kelvin Sousa
 
Os Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - GeografiaOs Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - Geografia
Antonio Pinto Pereira
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Aula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continentalAula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continental
Tiago Marinho
 
Cap9,10,11
Cap9,10,11Cap9,10,11
Cap9,10,11
Christie Freitas
 
Seminário relevo
Seminário relevoSeminário relevo
Seminário relevo
LUIS ABREU
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
Conceição Fontolan
 
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro LobatoRelevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Isabel Cabral
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
DANUBIA ZANOTELLI
 

Semelhante a RELEVO CONTINENTAL (20)

Relevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICAS
Relevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICASRelevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICAS
Relevo Brasileiro 17.pptx SUAS PRINCIPAIS CARCTERISTICAS
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Processo de formação do relevo
Processo de formação do relevoProcesso de formação do relevo
Processo de formação do relevo
 
Aula 2 geo
Aula 2 geoAula 2 geo
Aula 2 geo
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptxmodeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
modeladores do relevo 6 ano 27.06.2023.pptx
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
6ano unidade5
6ano unidade56ano unidade5
6ano unidade5
 
Relevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptxRelevo e Solos.pptx
Relevo e Solos.pptx
 
Relevos do planeta.pdf
Relevos do planeta.pdfRelevos do planeta.pdf
Relevos do planeta.pdf
 
Formas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptxFormas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptx
 
Os Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - GeografiaOs Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - Geografia
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Aula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continentalAula tiago marinho deriva continental
Aula tiago marinho deriva continental
 
Cap9,10,11
Cap9,10,11Cap9,10,11
Cap9,10,11
 
Seminário relevo
Seminário relevoSeminário relevo
Seminário relevo
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro LobatoRelevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
 

Mais de Conceição Fontolan

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
Conceição Fontolan
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
Conceição Fontolan
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
Conceição Fontolan
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
Conceição Fontolan
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ

Mais de Conceição Fontolan (20)

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ
CANADÁ
 

Último

(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 

RELEVO CONTINENTAL

  • 1. RELEVO CONTINENTAL Colégio Salesiano Itajaí Nomes: Elisa Coelho Malaquias (10), Isabela Coelho Malaquias (19), Guilherme Klabunde (15), Rafaela Tridapalli (34) Professora: Conceição Fontolan 2017 Turma: 1ºC
  • 2. O QUE É? • Relevo continental são as formas e compartimento da superfície do planeta (montanhas, planaltos, planícies, depressões e etc.)
  • 3. FORMAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO AGENTES INTERNOS • Tectonismo: Age na formação e transformação do relevo através do movimento das placas tectônicas ou placas litosféricas que se chocam ou afastam • Vulcanismo: Age na formação e transformação do relevo devido a quantidade de energia no interior que é expelido para a superfície formando duas formas de relevo (montanhas e planaltos) • Abalo Sísmico: É um tremor da superfície terrestre produzido por forças naturais situada no interior da crosta terrestre e a profundidade variáveis.
  • 4. FORMAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO AGENTES EXTERNOS • Ação das águas • Erosão Pluvial: Provocada pelas águas da chuva • Erosão Fluvial: Provocada pelas águas dos rios • Erosão Marinha: Provocada pelas águas do mar, através da colisão das ondas com a costa. • Ação das geleiras: ocorre quando acontece uma avalanche deslocando juntamente com o gelo uma quantidade de rochas e solos • Ação dos ventos: Os ventos atuam, em especial, no litoral e no deserto, agindo constantemente na formação e transformação do relevo, essa é denominada de erosão eólica, um exemplo comum são as dunas.
  • 6. PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO • Planalto: São superfícies elevadas, com ondulações suaves, delimitadas por escarpas que constituem declives (leve inclinação para baixo) e nos quais os processos de destruição superam os de construção.
  • 7. PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO • Planícies: São superfícies que apresentaram pequenos movimentos na crosta, sendo quase completamente aplainadas. São delimitadas por aclives, e os processos de deposição superam os de erosão. São áreas associadas a processo de sedimentação.
  • 8. PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO • Montanhas: São aquelas regiões em que ainda hoje os processos internos superam os externos, ou seja, o soerguimento é mais forte que a erosão. É comum, no entanto, considerar montanhas aquelas áreas que, mesmo antigas, apresentam altitudes superiores a 3000 metros. • ue a erosão.
  • 9. PRINCIPAIS FORMAS DE RELEVO • Depressão: É uma forma de relevo mais plana que o planalto e com irregularidades, que tem leve inclinação por conta do desgaste sofrido por causa da ação do vento e da água
  • 10. RELEVO BRASILEIRO • Formou-se a partir de estruturas geológicas compostas, principalmente, por formações sedimentares recentes e estruturas vulcânicas e cristalinas de idade muito antiga. Seu processo de formação e transformação foi muito influenciado pelos fatores exógenos, ou seja, pelos agentes formadores e modeladores do relevo que atuam na superfície do planeta Terra.
  • 11. EXEMPLOS : PLANALTO CENTRAL • Abrange os estados de Goiás, Mato grosso, Mato grosso do Sul, Tocantins e Minas Gerais. • Cerrado é a principal cobertura vegetal do planalto central.
  • 12. EXEMPLOS : PLANÍCIE DO PANTANAL • Situada na porção oeste de Mato Grosso do Sul e pequena extensão do sudoeste de Mato Grosso • Tem essa denominação pois devido a seus alagamentos em época de cheia, muitos pântanos se formam em seu terreno.
  • 13. EXEMPLOS : DEPRESSÃO PERIFÉRICAS SUL-RIO GRANDENSE • Ocupam as terras sedimentares drenadas pelas águas do Rio Jacuí e do Rio Ibicuí, no Rio Grande do Sul. • Caracteriza-se por baixas altitudes, que variam em torno dos 200m
  • 14. NOTÍCIAS DESASTRE DE MARIANA MUDA O RELEVO . Os rompimentos das barragens de contenção de rejeitos de mineração que ocorreu na região de Mariana desencadeou uma avalanche de Lama, modificando o relevo da região.
  • 16. QUESTÕES 1) São áreas que geralmente estão associadas a processos de sedimentação, isto é, são áreas de deposição de sedimentos. O texto está se referindo a algumas das características de: a)Montanhas b)Planaltos c)Planícies d)Depressões • e) Planícies
  • 17. 2) A fisionomia retratada na foto acima é naturalmente típica de: • a) regiões de planície, por estar em um relevo aplainado que não propicia o escoamento em velocidade dos cursos d'água, resultando na formação de meandros. • b) regiões de planalto, pois se manifesta em superfícies onduladas geralmente delimitadas por escarpas, o que se percebe pelas oscilações existentes no leito do rio. • c) regiões de planície, por se tratar de uma bacia de drenagem composta por uma floresta densa, o que só acontece nesse tipo de relevo. • d) regiões de planalto, uma vez que os processos erosivos são favorecidos pela velocidade de vazão do rio. • e) depressões absolutas, porque nessas regiões a pressão atmosférica é maior e resulta em uma ausência de coesão na organização das paisagens.
  • 18. 3) Sobre as formas de relevo existentes na superfície terrestre, assinale a alternativa INCORRETA: • a) Os planaltos são mais elevados que as planícies e menos do que as montanhas. Podem apresentar composições cristalinas, sedimentares e basálticas. • b) A depressão, quando abaixo do nível do mar, é chamada de absoluta, mas acima do nível do mar e abaixo da região de entorno, é chamada de relativa. • c) Nas planícies, o processo de erosão não é muito acentuado, havendo uma deposição de sedimentos em menor grau em comparação com as demais formas de relevo. • d) As cadeias montanhosas encontram-se, geralmente, nas mais recentes formações geológicas
  • 19. 4) Os agentes internos do relevo são responsáveis pela criação ou modificação da fisionomia da paisagem. Um desses agentes é provocado por forças no interior da Terra que atuam de forma lenta e prolongada na crosta terrestre. Entre outras consequências, é capaz de produzir deformações, formação de falhas e de dobramentos na superfície, dando origem a diversos tipos de relevo. Assinale a opção que corresponde ao agente interno do relevo descrito anteriormente. • a) Movimento tectônico. • b) Epirogênese. • c) Vulcanismo. • d) Desmoronamento. • e) Erosão
  • 20. 5) É uma forma de relevo constituída por uma superfície elevada, com cume mais ou menos nivelado (planificado), geralmente devido à erosão eólica ou pelas águas. O texto está se referindo a uma das características de: A)Montanhas B) Planaltos C)Planícies D)Depressões
  • 21. GABARITO 1) Letra C 2) Letra A 3) Letra C 4) Letra A 5) Letra B
  • 22. FONTES • http://noticias.r7.com/cidades/noticias/chuva-matou-mais-no-rio-de-janeiro-por-causa-do- relevo-dizem-especialistas-20100409.html • https://www.terra.com.br/noticias/climatempo/relevo-de-mariana-mudou-com-o- dasastre,ef26ce0efbd5941dd80923469461dd3fhjodh760.html • http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/formas-relevo.htm • http://www.getulionascimento.com/news/relevo-brasileiro/ • http://www.trabalhosfeitos.com/topicos/depress%C3%A3o-perif%C3%A9rica-periferia-do- escudo-rio-grandense/0 • http://mundogeograficord.blogspot.com.br/2007/09/plancie-do-pantanal_26.html • https://www.todamateria.com.br/planalto-central/