SlideShare uma empresa Scribd logo
CLIMA E DOMÍNIOS
MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL
Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as
relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos
domínios morfoclimáticos brasileiros.
CLIMA
Definições:
*Tempo – refere-se ao comportamento da atmosfera em um determinado
momento e lugar. O tempo pode se alterar rapidamente com as mudanças nas
condições atmosféricas.
*Clima – refere-se ao comportamento da atmosfera observando-se a sucessão
dos tempos meteorológicos com ciclos que se repetem, em linhas gerais, a
cada ano. Alterações climáticas ocorrem em períodos mais longos. Situações
anômalas em determinado ano não são suficientes para caracterizar alterações
permanentes no clima de uma região, país ou continente.
Confira os elementos do clima:
Elementos do clima
*temperatura
*pressão atmosférica
*ventos
*umidade do ar
*precipitações
As massas de ar são porções da atmosfera com determinadas condições
de temperatura, umidade e pressão atmosférica. Constituem uma síntese dos
elementos do clima, mas com caráter dinâmico, deslocando-se das áreas de
alta pressão para as áreas de baixa pressão.
Agora conheça os fatores do clima que interferem nos seus elementos:
Fatores climáticos
*altitude
*latitude
*continentalidade
*maritimidade
*vegetações
*correntes marítimas
É muito importante você conseguir entender como são as relações entre
os elementos e os fatores do clima:
*Correntes marítimas – as correntes quentes (que se originam nas áreas
equatoriais e tropicais) provocam a elevação do índice de umidade nos litorais
banhados por elas. A maior temperatura de suas águas favorece a evaporação
fornecendo mais umidade para a atmosfera. As correntes frias atuam de
maneira oposta. Suas águas geladas (provenientes das regiões polares)
promovem a queda da temperatura e da umidade na atmosfera. Sem a
evaporação e a umidade não se formam nuvens, conseqüentemente não há
chuvas. Os litorais banhados por correntes frias desenvolvem a formação de
desertos (ex: Deserto de Atacama no norte do Chile e sul do Peru, influenciado
pela Corrente fria de Humboldt).
*Vegetações – não é somente o clima que interfere nas vegetações. O oposto
também ocorre. Florestas densas com árvores altas como na região equatorial
fornecem muita umidade para a atmosfera e dificultam a circulação de ventos
na superfície. Formações abertas e de pequeno porte como a caatinga no
Sertão nordestino fornecem pouca umidade para a atmosfera e facilitam a
circulação de ventos na superfície.
*Maritimidade – sua atuação é típica das regiões litorâneas ou próximas a
elas. A presença de uma grande massa de água (o oceano) fornece muita
umidade para a atmosfera. Esse fato promove uma moderação do clima com
menor amplitude térmica (diferença entre a temperatura máxima e a mínima).
*Continentalidade – sua atuação é oposta a maritimidade. No interior do
continente, longe, portanto de grandes massas de água, a atmosfera é,
geralmente, mais seca. Com essas condições haverá maior rigor no clima com
maior amplitude térmica.
*Latitude – as regiões mais próximas do Equador (baixa latitude) apresentam
temperaturas mais elevadas devido à maior incidência dos raios solares.
Afastando-se do Equador, devido à curvatura da superfície terrestre, a
incidência dos raios solares se dá de maneira mais inclinada provocando
temperaturas menores. A relação entre a latitude e a amplitude térmica é
direta. Quanto maior é a latitude, maior é a amplitude térmica.
*Altitude – a atmosfera é aquecida de baixo para cima. Além disso, nas
camadas mais baixas da atmosfera o ar é mais denso, retendo melhor a
radiação solar refletida pela superfície da Terra. Quando subimos no relevo
passamos por camadas de ar menos denso, o que facilita a dispersão da
radiação solar de volta para o espaço. Assim, em baixas altitudes a
temperatura é mais elevada. Em maiores altitudes a temperatura é menor.
A umidade do ar é o próprio vapor d’água que se encontra na atmosfera.
O aquecimento do ar permite sua expansão e aumenta a capacidade da
atmosfera reter esse vapor. A queda da temperatura do ar provoca o oposto.
Essa umidade pode ser medida com caráter absoluto (quantos gramas de
vapor encontramos em cada m_ do ar) ou relativo (expresso em
porcentagem). A umidade relativa do ar está baseada no ponto de saturação
da umidade atmosférica (máximo de vapor d’água que o ar consegue reter),
considerando-se as condições de pressão e temperatura reinantes. Uma vez
alcançado o ponto de saturação temos a precipitação atmosférica que pode se
dar através de chuvas, queda de neve, granizo, neblina...
TIPOS DE CHUVAS
*Frontais – ocorrem no encontro de duas massas de ar, uma quente e outra
fria. É muito comum no Sul, Sudeste, parte do Centro-Oeste e litoral
nordestino quando as massas frias vindas da Antártida penetram no território
brasileiro entrando em contato com as massas quentes, tropicais e equatoriais.
*Orográficas – ou de relevo. Típicas de porções do litoral brasileiro, ocorrem
quando ventos úmidos provenientes do Atlântico se aproximam da costa
brasileira e enfrentam barreiras de relevo como as encostas do Planalto
Atlântico. Para ultrapassar essas encostas os ventos sobem o que provoca a
condensação da umidade e a queda das chuvas. O litoral paulista é o local de
maior índice de chuvas no Brasil, em parte devido à constância desse tipo de
precipitação.
*Convectivas – acompanha o tradicional ciclo hidrológico na natureza. O
aquecimento da água pelo Sol provoca sua transformação em vapor. Esse
vapor d’água sobe com as correntes de ar quente (mais leves). Em maiores
altitudes, com as menores temperaturas, ocorre a condensação, formação de
nuvens e, quando se atinge o ponto de saturação, a chuva. É muito comum em
áreas quentes como a região equatorial.
PRESSÃO ATMOSFÉRICA E VENTOS
O ar atmosférico é composto por uma série de elementos como o
oxigênio, o nitrogênio, o vapor d’água, gases nobres, partículas em
suspensão... Todos esses componentes possuem massa e são atraídos pela
força da gravidade terrestre. Ela impede que essa atmosfera escape para o
espaço. Portanto, o ar tem peso. A força-peso que o ar atmosférico exerce
sobre tudo o que se encontra na superfície do planeta, em todas as direções e
sentidos é chamada de pressão atmosférica. Ela sofre variações com a altitude
e temperatura.
Considerando-se que não ocorra variação de latitude ou de outros fatores
que modifiquem a temperatura, locais de baixa altitude apresentam maior
pressão atmosférica (ar mais denso) e locais de elevada altitude apresentam
menor pressão atmosférica (ar menos denso).
Mas, pensando em uma situação em que a temperatura se modifique,
temos que, o aquecimento do ar provoca sua expansão e uma diminuição de
sua de sua densidade. Assim, uma pressão menor. O resfriamento do ar
atmosférico provoca sua contração e um aumento de sua densidade, portanto,
uma pressão mais elevada.
Os ventos são deslocamentos do ar atmosférico, sempre soprando das
áreas de alta pressão em direção às áreas de baixa pressão. Podem ser
classificados em:
*constantes – sopram sempre no mesmo sentido. Um exemplo importante
são os ventos alísios que sopram dos Trópicos para o Equador. O território
brasileiro é afetado por esses ventos, provenientes de Nordeste e Sudeste.
*periódicos – ventos que mudam sua direção em períodos opostos. O litoral
brasileiro é afetado por um vento periódico muito comum: as brisas marítimas
que sopram do mar para o continente durante o dia e as brisas terrestres que
sopram do continente para o mar no período noturno. Outro vento periódico
muito importante são as Monções no Sul e Sudeste da Ásia.
Observem a atuação das massas de ar no Brasil:
*A - Massa Polar Atlântica (m.P.a.) – durante o verão chega ao território
brasileiro menos fria e mais úmida contribuindo muito para a ocorrência das
chuvas frontais. No inverno é mais fria e menos úmida contribuindo para a
formação de geadas, queda de neve (esporadicamente no Sul do Brasil) e para
o fenômeno da friagem na Amazônia Ocidental e Centro-Oeste.
*B - Massa Tropical Atlântica (m.T.a.) – é quente e úmida. Atua no leste
do nosso território provocando chuvas na fachada litorânea do Nordeste,
Sudeste e parte da Região Sul.
*C - Massa Tropical Continental (m.T.c.) – é quente e seca. Proveniente
da Depressão do Chaco no Paraguai contribui com o inverno quente e seco da
porção central do território brasileiro.
*D - Massa Equatorial Atlântica (m.E.a.) – quente e úmida. Proveniente do
Atlântico, na região equatorial, provoca chuvas no litoral da Amazônia e parte
do Nordeste.
*E - Massa Equatorial Continental (m.E.c.) – é quente e, apesar de ser
uma massa continental, é úmida devido à contribuição da evapotranspiração
da imensa Floresta Amazônica. Atua sobre a Amazônia Centro-ocidental e, no
verão, expande sua atuação até o Sudeste brasileiro, contribuindo com as
fortes chuvas de verão.
Agora nos resta conhecer os tipos de climas do Brasil:
*Equatorial – sempre quente e sempre úmido. Apresenta reduzida amplitude
térmica e um elevado índice de chuvas. Ocorre na Amazônia brasileira.
*Tropical – sempre quente, com verão chuvoso e inverno seco. Também
chamado de tropical continental é o clima predominante no país. Apresenta
uma variação mais úmida junto ao litoral (Tropical Úmido).
*Semi-árido – sempre quente, com reduzido índice de chuvas (mal
distribuídas). Apresenta a maior média térmica do país. Ocorre no Sertão.
*Tropical de altitude – chuvas concentradas no verão e inverno seco. Sua
média térmica é inferior ao tropical por influência da altitude e maior atuação
da m.P.a.
*Subtropical – apresenta a menor média térmica do país (16° - 18° C), a
maior amplitude térmica (grandes variações de temperatura entre o verão e o
inverno) e chuvas regulares, bem distribuídas. É típico da Região Sul, abaixo
do Trópico de Capricórnio.
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS
São definidos a partir da interação entre os vários elementos naturais:
relevo, solos, climas, vegetações e rede hidrográfica. Conheça os Domínios
Brasileiros:
*1 – Domínio Amazônico – apresenta o domínio de terras baixas que
formam a Planície Amazônica. Abaixo da camada orgânica superficial, o solo é
pobre e arenoso. O clima nesse domínio é quente e úmido com chuvas
freqüentes. A cobertura vegetal é representada por uma floresta densa e a
rede hidrográfica é muito rica, com rios extensos e volumosos e milhares de
pequenos cursos d’água.
*2 – Domínio da Caatinga – estende-se pelo Sertão de clima semi-árido
com chuvas mal distribuídas. O relevo é dominado por extensas superfícies
planas entre formações serranas e chapadas. Quimicamente o solo é fértil,
mas ele é raso e pobre em matéria orgânica. Os rios intermitentes ou
temporários são uma marca desse domínio onde impera a caatinga, formação
vegetal aberta e de pequeno porte.
*3 – Domínio do Cerrado – ocupa a porção central do país. É um dos mais
importantes domínios naturais do Brasil. Estende-se por áreas planálticas com
chapadas, clima tropical continental com chuvas no verão e inverno seco. O
cerrado, sua cobertura de vegetação é uma formação predominantemente
arbustiva. Essa região central é um berçário de rios que nascem nessa região e
correm para diferentes bacias hidrográficas.
*4 – Domínio dos Mares de Morros – ocupa a porção oriental do país por
onde se estende o Planalto Atlântico com suas escarpas e um relevo ondulado.
O clima inclui desde o tropical mais úmido junto ao litoral até o tropical de
altitude. A formação vegetal original era a Mata Atlântica ou Floresta Tropical,
intensamente desmatada. Seus rios percorrem um relevo acidentado e são
úteis para a produção de energia.
*5 – Domínio das Araucárias – ocorre em áreas planálticas do Sul do Brasil,
onde se encontra o fértil solo de terra roxa. Área de clima subtropical
dominada pela Floresta Subtropical com pinheiros (Araucaria angustifólia) e
rios que pertencem à Bacia do Paraná, de grande aproveitamento hidrelétrico.
*6 – Domínio dos Pampas – também se estende por áreas de clima
subtropical com temperaturas mais amenas. Relevo aplainado com suaves
ondulações destacando-se as coxilhas. Rios pertencentes à Bacia do Uruguai. A
área é dominada por uma vegetação rasteira, os campos, utilizados como
pastagens. A destruição de Matas Galerias nessa região associada a um
aproveitamento predatório desse espaço tem provocado casos de
desertificação nesse domínio.
*7 – Faixas de Transição – encontram-se entre os domínios morfoclimáticos
descritos e não apresentam características bem definidas. Combinam as
características dos domínios vizinhos.
Saiba mais na Internet:
• El Niño - http://yabae.cptec.inpe.br/products/elninho/elninho4p.html
• La Niña - http://www.cptec.inpe.br/products/laninha/laninha4p.html
• Devastação - http://www.estadao.com.br/ext/ciencia/arquivo/eco/devasta.htm
EXERCÍCIOS
1- Indique abaixo o domínio morfoclimático brasileiro que apresenta
um relevo dominado por morros arredondados (em forma de meia-
laranja ou mamelonar), cobertos originariamente pela floresta
tropical, em áreas de clima quente com verão chuvoso e que esteja
associado a um problema latente decorrente do desmatamento
verificado nesse domínio:
a- cerrado – lixiviação do solo com perda de nutrientes
b- caatinga – erosão do solo e agravamento das secas
c- mares de morros – desmoronamento de encostas
d- pradarias – desertificação com a eliminação de matas galerias
e- mares de morros – aumento da umidade na atmosfera
2- (FUVEST) – A existência de extensas áreas secas localizadas nas
costas ocidentais dos continentes em latitudes vizinhas a ambos os
trópicos é determinada, essencialmente, pela:
a- Dinâmica atmosférica controlada pela zona de convergência intertropical.
b- Presença de áreas de baixa pressão atmosférica.
c- Alternância entre massas polares e equatoriais em tais latitudes.
d- Presença de correntes marítimas quentes ao longo dos litorais.
e- Presença de correntes marítimas frias ao longo dos litorais.
3- (VUNESP) – No Brasil, o Planalto Atlântico obriga a elevação dos
ventos vindos do oceano carregados de umidade. Ao encontrar
camadas mais frias de ar, o vapor da atmosfera se condensa e se
precipita em forma de chuva. Estas características individualizam as
chuvas:
a- frontais
b- polares
c- mediterrâneas
d- orográficas
e- térmicas
4- (UEMA) – Na hipótese de destruição da Floresta Amazônica é
provável ocorrer como conseqüência climática:
a- Diminuição dos ventos, especificamente dos alísios do hemisfério sul.
b- Diminuição das chuvas, já que a maior parte da umidade atmosférica da
região se deve à evapotranspiração das plantas.
c- Aumento dos índices pluviométricos e das médias térmicas.
d- Diminuição das nuvens e aumento na velocidade dos ventos.
e- Diminuição da temperatura na região.
5- Quais são os ecossistemas brasileiros mais alterados e/ou
desmatados?
RESPOSTAS
1- C
2- E
3- D
4- B
5- Os ecossistemas das Araucárias e dos Mares de Morros são os mais
desmatados. Mais de 90% da vegetação natural desses
ecossistemas já foi retirado. O ecossistema da caatinga e dos
Pampas, apesar de ainda conservarem parte da vegetação natural,
também já foram muito modificados depois de séculos de ocupação
pela agropecuária. O ecossistema menos alterado e/ou menos
desmatado no Brasil é o Amazônico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
dianalove15
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Renato Brasil
 
A Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaA Dinâmica Climática
A Dinâmica Climática
Antonio Reali
 
Clima
ClimaClima
Tempo e Clima
Tempo e ClimaTempo e Clima
Tempo e Clima
ceama
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Professor
 
Modulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o climaModulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o clima
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Clima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental II
Clima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental IIClima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental II
Clima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental II
Jaciane Anizio
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
Luciano Pessanha
 
Climas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisClimas e formações vegetais
Climas e formações vegetais
Ingrid Bispo
 
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Karol Schmitz
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
caduisolada
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
Prof.Paulo/geografia
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
Beth Pettersen
 
Climatologia
Climatologia   Climatologia
Climatologia
Luciano Pessanha
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
Kelmmany Wesley
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
marcokiko84
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
A GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃO
A GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃOA GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃO
A GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃO
Rose Zorzetti
 

Mais procurados (20)

Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
A Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaA Dinâmica Climática
A Dinâmica Climática
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Tempo e Clima
Tempo e ClimaTempo e Clima
Tempo e Clima
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Modulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o climaModulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o clima
 
Clima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental II
Clima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental IIClima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental II
Clima, tempo e vegetação 6º ano, Ensino Fundamental II
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Climas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisClimas e formações vegetais
Climas e formações vegetais
 
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
Atmosfera e os fenômenos meteorológicos (Geografia)
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
Climatologia
Climatologia   Climatologia
Climatologia
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
A GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃO
A GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃOA GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃO
A GEOGRAFIA FÍSICA DOS AMBIENTES TERRESTRES:CLIMA E VEGETAÇÃO
 

Semelhante a Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil

Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
Suely Takahashi
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
Carolina Corrêa
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
Clima Brasileiro
Clima BrasileiroClima Brasileiro
Clima Brasileiro
Paulo Sindeaux
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
Christie Freitas
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Christie Freitas
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
SarahAlves89
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
espacoaberto
 
Clima
ClimaClima
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Isackson Mendes
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
André Luiz Marques
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
Liliana Silva
 
O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.
Dênis Almeida
 
recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).doc
Aida Cunha
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
julio2012souto
 
Climatologia geográfica
Climatologia geográficaClimatologia geográfica
Climatologia geográfica
Gustavo Silva de Souza
 
Cliima
CliimaCliima
Climatologia básica
Climatologia básicaClimatologia básica
Climatologia básica
Celso - Celsão Faustino
 

Semelhante a Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil (20)

Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Clima Brasileiro
Clima BrasileiroClima Brasileiro
Clima Brasileiro
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
 
O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.
 
recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).doc
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
 
Climatologia geográfica
Climatologia geográficaClimatologia geográfica
Climatologia geográfica
 
Cliima
CliimaCliima
Cliima
 
Climatologia básica
Climatologia básicaClimatologia básica
Climatologia básica
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil

  • 1. CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos brasileiros. CLIMA Definições: *Tempo – refere-se ao comportamento da atmosfera em um determinado momento e lugar. O tempo pode se alterar rapidamente com as mudanças nas condições atmosféricas. *Clima – refere-se ao comportamento da atmosfera observando-se a sucessão dos tempos meteorológicos com ciclos que se repetem, em linhas gerais, a cada ano. Alterações climáticas ocorrem em períodos mais longos. Situações anômalas em determinado ano não são suficientes para caracterizar alterações permanentes no clima de uma região, país ou continente. Confira os elementos do clima: Elementos do clima *temperatura *pressão atmosférica *ventos *umidade do ar *precipitações As massas de ar são porções da atmosfera com determinadas condições de temperatura, umidade e pressão atmosférica. Constituem uma síntese dos elementos do clima, mas com caráter dinâmico, deslocando-se das áreas de alta pressão para as áreas de baixa pressão. Agora conheça os fatores do clima que interferem nos seus elementos: Fatores climáticos *altitude *latitude *continentalidade *maritimidade *vegetações *correntes marítimas
  • 2. É muito importante você conseguir entender como são as relações entre os elementos e os fatores do clima: *Correntes marítimas – as correntes quentes (que se originam nas áreas equatoriais e tropicais) provocam a elevação do índice de umidade nos litorais banhados por elas. A maior temperatura de suas águas favorece a evaporação fornecendo mais umidade para a atmosfera. As correntes frias atuam de maneira oposta. Suas águas geladas (provenientes das regiões polares) promovem a queda da temperatura e da umidade na atmosfera. Sem a evaporação e a umidade não se formam nuvens, conseqüentemente não há chuvas. Os litorais banhados por correntes frias desenvolvem a formação de desertos (ex: Deserto de Atacama no norte do Chile e sul do Peru, influenciado pela Corrente fria de Humboldt). *Vegetações – não é somente o clima que interfere nas vegetações. O oposto também ocorre. Florestas densas com árvores altas como na região equatorial fornecem muita umidade para a atmosfera e dificultam a circulação de ventos na superfície. Formações abertas e de pequeno porte como a caatinga no Sertão nordestino fornecem pouca umidade para a atmosfera e facilitam a circulação de ventos na superfície. *Maritimidade – sua atuação é típica das regiões litorâneas ou próximas a elas. A presença de uma grande massa de água (o oceano) fornece muita umidade para a atmosfera. Esse fato promove uma moderação do clima com menor amplitude térmica (diferença entre a temperatura máxima e a mínima). *Continentalidade – sua atuação é oposta a maritimidade. No interior do continente, longe, portanto de grandes massas de água, a atmosfera é, geralmente, mais seca. Com essas condições haverá maior rigor no clima com maior amplitude térmica. *Latitude – as regiões mais próximas do Equador (baixa latitude) apresentam temperaturas mais elevadas devido à maior incidência dos raios solares. Afastando-se do Equador, devido à curvatura da superfície terrestre, a incidência dos raios solares se dá de maneira mais inclinada provocando temperaturas menores. A relação entre a latitude e a amplitude térmica é direta. Quanto maior é a latitude, maior é a amplitude térmica.
  • 3. *Altitude – a atmosfera é aquecida de baixo para cima. Além disso, nas camadas mais baixas da atmosfera o ar é mais denso, retendo melhor a radiação solar refletida pela superfície da Terra. Quando subimos no relevo passamos por camadas de ar menos denso, o que facilita a dispersão da radiação solar de volta para o espaço. Assim, em baixas altitudes a temperatura é mais elevada. Em maiores altitudes a temperatura é menor. A umidade do ar é o próprio vapor d’água que se encontra na atmosfera. O aquecimento do ar permite sua expansão e aumenta a capacidade da atmosfera reter esse vapor. A queda da temperatura do ar provoca o oposto. Essa umidade pode ser medida com caráter absoluto (quantos gramas de vapor encontramos em cada m_ do ar) ou relativo (expresso em porcentagem). A umidade relativa do ar está baseada no ponto de saturação da umidade atmosférica (máximo de vapor d’água que o ar consegue reter), considerando-se as condições de pressão e temperatura reinantes. Uma vez alcançado o ponto de saturação temos a precipitação atmosférica que pode se dar através de chuvas, queda de neve, granizo, neblina... TIPOS DE CHUVAS *Frontais – ocorrem no encontro de duas massas de ar, uma quente e outra fria. É muito comum no Sul, Sudeste, parte do Centro-Oeste e litoral nordestino quando as massas frias vindas da Antártida penetram no território brasileiro entrando em contato com as massas quentes, tropicais e equatoriais. *Orográficas – ou de relevo. Típicas de porções do litoral brasileiro, ocorrem quando ventos úmidos provenientes do Atlântico se aproximam da costa brasileira e enfrentam barreiras de relevo como as encostas do Planalto Atlântico. Para ultrapassar essas encostas os ventos sobem o que provoca a condensação da umidade e a queda das chuvas. O litoral paulista é o local de maior índice de chuvas no Brasil, em parte devido à constância desse tipo de precipitação.
  • 4. *Convectivas – acompanha o tradicional ciclo hidrológico na natureza. O aquecimento da água pelo Sol provoca sua transformação em vapor. Esse vapor d’água sobe com as correntes de ar quente (mais leves). Em maiores altitudes, com as menores temperaturas, ocorre a condensação, formação de nuvens e, quando se atinge o ponto de saturação, a chuva. É muito comum em áreas quentes como a região equatorial. PRESSÃO ATMOSFÉRICA E VENTOS O ar atmosférico é composto por uma série de elementos como o oxigênio, o nitrogênio, o vapor d’água, gases nobres, partículas em suspensão... Todos esses componentes possuem massa e são atraídos pela força da gravidade terrestre. Ela impede que essa atmosfera escape para o espaço. Portanto, o ar tem peso. A força-peso que o ar atmosférico exerce sobre tudo o que se encontra na superfície do planeta, em todas as direções e sentidos é chamada de pressão atmosférica. Ela sofre variações com a altitude e temperatura. Considerando-se que não ocorra variação de latitude ou de outros fatores que modifiquem a temperatura, locais de baixa altitude apresentam maior pressão atmosférica (ar mais denso) e locais de elevada altitude apresentam menor pressão atmosférica (ar menos denso). Mas, pensando em uma situação em que a temperatura se modifique, temos que, o aquecimento do ar provoca sua expansão e uma diminuição de sua de sua densidade. Assim, uma pressão menor. O resfriamento do ar atmosférico provoca sua contração e um aumento de sua densidade, portanto, uma pressão mais elevada. Os ventos são deslocamentos do ar atmosférico, sempre soprando das áreas de alta pressão em direção às áreas de baixa pressão. Podem ser classificados em: *constantes – sopram sempre no mesmo sentido. Um exemplo importante são os ventos alísios que sopram dos Trópicos para o Equador. O território brasileiro é afetado por esses ventos, provenientes de Nordeste e Sudeste. *periódicos – ventos que mudam sua direção em períodos opostos. O litoral brasileiro é afetado por um vento periódico muito comum: as brisas marítimas que sopram do mar para o continente durante o dia e as brisas terrestres que sopram do continente para o mar no período noturno. Outro vento periódico muito importante são as Monções no Sul e Sudeste da Ásia. Observem a atuação das massas de ar no Brasil:
  • 5. *A - Massa Polar Atlântica (m.P.a.) – durante o verão chega ao território brasileiro menos fria e mais úmida contribuindo muito para a ocorrência das chuvas frontais. No inverno é mais fria e menos úmida contribuindo para a formação de geadas, queda de neve (esporadicamente no Sul do Brasil) e para o fenômeno da friagem na Amazônia Ocidental e Centro-Oeste. *B - Massa Tropical Atlântica (m.T.a.) – é quente e úmida. Atua no leste do nosso território provocando chuvas na fachada litorânea do Nordeste, Sudeste e parte da Região Sul. *C - Massa Tropical Continental (m.T.c.) – é quente e seca. Proveniente da Depressão do Chaco no Paraguai contribui com o inverno quente e seco da porção central do território brasileiro. *D - Massa Equatorial Atlântica (m.E.a.) – quente e úmida. Proveniente do Atlântico, na região equatorial, provoca chuvas no litoral da Amazônia e parte do Nordeste. *E - Massa Equatorial Continental (m.E.c.) – é quente e, apesar de ser uma massa continental, é úmida devido à contribuição da evapotranspiração da imensa Floresta Amazônica. Atua sobre a Amazônia Centro-ocidental e, no verão, expande sua atuação até o Sudeste brasileiro, contribuindo com as fortes chuvas de verão.
  • 6. Agora nos resta conhecer os tipos de climas do Brasil: *Equatorial – sempre quente e sempre úmido. Apresenta reduzida amplitude térmica e um elevado índice de chuvas. Ocorre na Amazônia brasileira. *Tropical – sempre quente, com verão chuvoso e inverno seco. Também chamado de tropical continental é o clima predominante no país. Apresenta uma variação mais úmida junto ao litoral (Tropical Úmido). *Semi-árido – sempre quente, com reduzido índice de chuvas (mal distribuídas). Apresenta a maior média térmica do país. Ocorre no Sertão. *Tropical de altitude – chuvas concentradas no verão e inverno seco. Sua média térmica é inferior ao tropical por influência da altitude e maior atuação da m.P.a. *Subtropical – apresenta a menor média térmica do país (16° - 18° C), a maior amplitude térmica (grandes variações de temperatura entre o verão e o inverno) e chuvas regulares, bem distribuídas. É típico da Região Sul, abaixo do Trópico de Capricórnio. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS São definidos a partir da interação entre os vários elementos naturais: relevo, solos, climas, vegetações e rede hidrográfica. Conheça os Domínios Brasileiros:
  • 7. *1 – Domínio Amazônico – apresenta o domínio de terras baixas que formam a Planície Amazônica. Abaixo da camada orgânica superficial, o solo é pobre e arenoso. O clima nesse domínio é quente e úmido com chuvas freqüentes. A cobertura vegetal é representada por uma floresta densa e a rede hidrográfica é muito rica, com rios extensos e volumosos e milhares de pequenos cursos d’água. *2 – Domínio da Caatinga – estende-se pelo Sertão de clima semi-árido com chuvas mal distribuídas. O relevo é dominado por extensas superfícies planas entre formações serranas e chapadas. Quimicamente o solo é fértil, mas ele é raso e pobre em matéria orgânica. Os rios intermitentes ou temporários são uma marca desse domínio onde impera a caatinga, formação vegetal aberta e de pequeno porte. *3 – Domínio do Cerrado – ocupa a porção central do país. É um dos mais importantes domínios naturais do Brasil. Estende-se por áreas planálticas com chapadas, clima tropical continental com chuvas no verão e inverno seco. O cerrado, sua cobertura de vegetação é uma formação predominantemente arbustiva. Essa região central é um berçário de rios que nascem nessa região e correm para diferentes bacias hidrográficas. *4 – Domínio dos Mares de Morros – ocupa a porção oriental do país por onde se estende o Planalto Atlântico com suas escarpas e um relevo ondulado. O clima inclui desde o tropical mais úmido junto ao litoral até o tropical de altitude. A formação vegetal original era a Mata Atlântica ou Floresta Tropical, intensamente desmatada. Seus rios percorrem um relevo acidentado e são úteis para a produção de energia. *5 – Domínio das Araucárias – ocorre em áreas planálticas do Sul do Brasil, onde se encontra o fértil solo de terra roxa. Área de clima subtropical
  • 8. dominada pela Floresta Subtropical com pinheiros (Araucaria angustifólia) e rios que pertencem à Bacia do Paraná, de grande aproveitamento hidrelétrico. *6 – Domínio dos Pampas – também se estende por áreas de clima subtropical com temperaturas mais amenas. Relevo aplainado com suaves ondulações destacando-se as coxilhas. Rios pertencentes à Bacia do Uruguai. A área é dominada por uma vegetação rasteira, os campos, utilizados como pastagens. A destruição de Matas Galerias nessa região associada a um aproveitamento predatório desse espaço tem provocado casos de desertificação nesse domínio. *7 – Faixas de Transição – encontram-se entre os domínios morfoclimáticos descritos e não apresentam características bem definidas. Combinam as características dos domínios vizinhos. Saiba mais na Internet: • El Niño - http://yabae.cptec.inpe.br/products/elninho/elninho4p.html • La Niña - http://www.cptec.inpe.br/products/laninha/laninha4p.html • Devastação - http://www.estadao.com.br/ext/ciencia/arquivo/eco/devasta.htm EXERCÍCIOS 1- Indique abaixo o domínio morfoclimático brasileiro que apresenta um relevo dominado por morros arredondados (em forma de meia- laranja ou mamelonar), cobertos originariamente pela floresta tropical, em áreas de clima quente com verão chuvoso e que esteja associado a um problema latente decorrente do desmatamento verificado nesse domínio: a- cerrado – lixiviação do solo com perda de nutrientes b- caatinga – erosão do solo e agravamento das secas c- mares de morros – desmoronamento de encostas d- pradarias – desertificação com a eliminação de matas galerias e- mares de morros – aumento da umidade na atmosfera 2- (FUVEST) – A existência de extensas áreas secas localizadas nas costas ocidentais dos continentes em latitudes vizinhas a ambos os trópicos é determinada, essencialmente, pela: a- Dinâmica atmosférica controlada pela zona de convergência intertropical. b- Presença de áreas de baixa pressão atmosférica. c- Alternância entre massas polares e equatoriais em tais latitudes. d- Presença de correntes marítimas quentes ao longo dos litorais. e- Presença de correntes marítimas frias ao longo dos litorais. 3- (VUNESP) – No Brasil, o Planalto Atlântico obriga a elevação dos ventos vindos do oceano carregados de umidade. Ao encontrar camadas mais frias de ar, o vapor da atmosfera se condensa e se
  • 9. precipita em forma de chuva. Estas características individualizam as chuvas: a- frontais b- polares c- mediterrâneas d- orográficas e- térmicas 4- (UEMA) – Na hipótese de destruição da Floresta Amazônica é provável ocorrer como conseqüência climática: a- Diminuição dos ventos, especificamente dos alísios do hemisfério sul. b- Diminuição das chuvas, já que a maior parte da umidade atmosférica da região se deve à evapotranspiração das plantas. c- Aumento dos índices pluviométricos e das médias térmicas. d- Diminuição das nuvens e aumento na velocidade dos ventos. e- Diminuição da temperatura na região. 5- Quais são os ecossistemas brasileiros mais alterados e/ou desmatados? RESPOSTAS 1- C 2- E 3- D 4- B 5- Os ecossistemas das Araucárias e dos Mares de Morros são os mais desmatados. Mais de 90% da vegetação natural desses ecossistemas já foi retirado. O ecossistema da caatinga e dos Pampas, apesar de ainda conservarem parte da vegetação natural, também já foram muito modificados depois de séculos de ocupação pela agropecuária. O ecossistema menos alterado e/ou menos desmatado no Brasil é o Amazônico.