SlideShare uma empresa Scribd logo
Descartes Score:
1.    Analise as afirmações seguintes sobre o Cogito. Selecione, de seguida, a
alternativa correta.
1. É uma verdade dedutiva indubitável.
2. É a conclusão de um argumento válido.
3. É uma verdade puramente racional.
4. É uma verdade intuitiva e indubitável.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas.
C 1 e 3 verdadeiras; 2 e 4 falsas.
D 2 verdadeira; 1, 3 e 4 falsas.
2.    Das afirmações seguintes, assinale a que corresponde à natureza racionalista
da teoria cartesiana do conhecimento.
A O racionalismo cartesiano é um inatismo porque só há ideias inatas.
B O racionalismo cartesiano é um inatismo porque a experiência não é fonte de informação alguma.
C O racionalismo cartesiano é um inatismo porque as ideias inatas são as únicas em que o
conhecimento se baseia.
D O racionalismo cartesiano é um inatismo porque a experiência é falível.
3.    Para Descartes, há conhecimento quando:
A Os sentidos nos dão informações de que não podemos duvidar.
B Formamos ideias que é impossível serem falsas.
C Formamos ideias a que correspondem impressões sensíveis.
D Justificamos uma crença por intermédio de outra.
4.    Para Descartes, os conteúdos da mente são:
A Ideias e impressões.
B Ideias inatas.
C Ideias inatas e adventícias.
D Ideias.
5.    Descartes começa por duvidar de tudo o que simplesmente possa parecer
duvidoso para atingir um conhecimento absolutamente seguro. Esta afirmação é:
A Falsa, porque a dúvida é um obstáculo a esse tipo de conhecimento.
B Verdadeira, porque o conhecimento indubitável tem de fundar-se no que é duvidoso.
C Falsa, porque o conhecimento indubitável não pode fundar-se no que é duvidoso.
D Verdadeira, porque a dúvida é metódica e hiperbólica.
Page 1 of 5
6.    Analise as afirmações seguintes sobre a dúvida cartesiana. Selecione, de
seguida, a alternativa correta.
1. É um meio utilizado para provar que os céticos estão enganados.
2. É uma forma de separar verdades prováveis de verdades absolutamente
indubitáveis.
3. É uma atitude que revela completa desconfiança na nossa capacidade para
conhecer.
4. É uma forma de rejeitar o que é duvidoso.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas.
C 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa.
D 2 verdadeira; 1, 3 e 4 falsas.
7.    Analise as afirmações seguintes sobre as ideias inatas em Descartes. Selecione,
de seguida, a alternativa correta. 
1. São ideias claras e distintas.
2. São ideias que derivam da razão e dos sentidos.
3. São ideias obtidas por demonstração.
4. São ideias conhecidas por intuição e por dedução.
A 2 falsa; 1, 3 e 4 verdadeiras.
B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas.
C 1 verdadeira; 2, 3 e 4 falsas.
D 2 e 3 falsas; 1 e 4 verdadeiras.
8.    Analise as afirmações seguintes sobre a dúvida cartesiana. Selecione, de
seguida, a alternativa correta.
1. Explora todas as possibilidades de erro, mesmo as mais improváveis.
2. Examina as nossas opiniões para garantir a probabilidade de serem verdadeiras.
3. Separa o verdadeiro do falso, identificando aquele com o que é impossível ser
falso.
4. Serve para constituir um conjunto de verdades evidentes.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas.
C 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa.
D 2 verdadeira; 1, 3 e 4 falsas.
9.    O primeiro objeto da dúvida são as informações dos sentidos sobre as
propriedades das coisas. O argumento de Descartes baseia-se no facto de que:
A Os sentidos nos enganam sempre.
B Não podemos estar certos de que os sentidos não nos enganem sempre.
C Às nossas sensações não correspondem objetos físicos reais.
D O empirismo é uma teoria errada.
Page 2 of 5
10.    O segundo objeto da dúvida é a crença de que existem objetos físicos. Segundo
Descartes, é possível duvidar da realidade dos objetos físicos
A Se para afirmarmos a sua existência nos basearmos apenas nos sentidos.
B Se confundirmos o sonho com a realidade.
C Se formos vítimas de alucinações.
D Se não formos capazes de ter experiências sensoriais dos objetos.
11.    Analise as afirmações seguintes sobre a fiabilidade dos sentidos segundo
Descartes. Selecione, de seguida, a alternativa correta.
1. Se a justificação das nossas crenças dependesse dos sentidos, estaríamos
condenados ao ceticismo.
2. Não é impossível que nos iludam e enganem sempre.
3. Não podemos considerá-los uma fonte de certezas.
4. Desconfiamos sempre deles.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas.
C 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa.
D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa.
12.    Analise as afirmações seguintes sobre a dúvida hiperbólica. Selecione, de
seguida, a alternativa correta.
1. A dúvida é hiperbólica porque traduz a decisão de considerar falso o que não é
absolutamente fiável.
2. A dúvida é hiperbólica porque manda considerar falso o que não podemos
conceber como certo.
3. A dúvida é hiperbólica porque há coisas de que não é razoável duvidar.
4. A dúvida é hiperbólica porque exige que se identifique a verdade com a
impossibilidade de falsidade.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa.
C 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa.
D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa.
13.    Segundo Descartes, a crença de 5 + 4 = 9 pode não ser indubitável. A
justificação que apresenta para duvidar desta proposição é a de que:
A Os seres humanos se enganam por vezes nos raciocínios mais elementares.
B Deus pode ser enganador e induzir-nos sistematicamente em erro.
C Deus existe e é um génio maligno.
D As proposições matemáticas não são intrinsecamente fiáveis.
Page 3 of 5
14.    O argumento do Deus enganador tem mais alcance do que o argumento dos
sonhos. Esta afirmação é:
A Falsa, porque os argumentos põem em causa coisas muito diferentes.
B Verdadeira, porque o argumento dos sonhos não põe em causa a existência de Deus.
C Falsa, porque o argumento dos sonhos transforma tudo em ilusão.
D Verdadeira, porque o argumento do Deus enganador permite mostrar que nem as nossas crenças
empíricas nem as nossas crenças intelectuais são intrinsecamente fiáveis.
15.    Analise as afirmações seguintes sobre o Cogito. Selecione, de seguida, a
alternativa correta.
1. Supera o ceticismo fornecendo um exemplo de certeza.
2. É uma verdade absolutamente primeira.
3. É a verdade da qual se deduzem todas as outras verdades metafísicas.
4. É uma ideia inata.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa.
C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.
D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa.
16.    Analise as afirmações seguintes sobre as ideias inatas em Descartes. Selecione,
de seguida, a alternativa correta.
1. São absolutamente claras e distintas.
2. Sem elas não há conhecimento.
3. São ideias que têm a sua origem nos sentidos.
4. São ideias descobertas pela razão sem auxílio dos sentidos.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa.
C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.
D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa.
17.    Analise as afirmações seguintes sobre o racionalismo de Descartes no
momento da descoberta da primeira verdade. Selecione, de seguida, a alternativa
correta. 
1. Defende que o conhecimento tem origem na razão e não nos sentidos: a razão,
ao contrário dos sentidos, fornece-nos uma verdade indubitável, o Cogito, que
conhecemos por intuição.
2. Acredita, porque não quer ficar por uma primeira verdade, no facto de sermos
capazes de chegar por dedução a partir dessa verdade a outras verdades que são
igualmente indubitáveis.
3. Defende que o conhecimento tem de ser constituído por verdades indubitáveis.
4. Acredita que todas as verdades indubitáveis são descobertas por intuição
puramente racional.
A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras.
B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa.
C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.
D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa.
Page 4 of 5
18.    Analise as afirmações seguintes sobre o projeto de Descartes. Selecione, de
seguida, a alternativa correta.
1. Entende que justificar as nossas crenças é garantir que elas são absolutamente
verdadeiras.
2. É marcado pela preocupação em mostrar que os céticos estão parcialmente
enganados.
3. Visa colocar na base do seu sistema uma verdade absolutamente indubitável e, a
partir dela, derivar todas as outras para garantir que são também verdades
indubitáveis.
4. Visa descobrir uma verdade que se autojustifica, ao mesmo tempo que justifica
todas as outras que seja possível deduzir dela por processos de raciocínio corretos.
A 2 e 4 falsas; 1 e 3 verdadeiras.
B 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa.
C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.
D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa.
19.    Analise as afirmações seguintes sobre a função de Deus no sistema de
Descartes. Selecione, de seguida, a alternativa correta.
1.É a garantia da certeza de todas as verdades.
2.Garante a permanência e objetividade do que é verdadeiro.
3.É o ponto de partida do sistema dos conhecimentos.
4. Garante exclusivamente a crença na evidência das verdades matemáticas;
A 2 e 4 falsas; 1 e 3 verdadeiras.
B 1 e 2 verdadeiras; 3 e 4 falsas.
C 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa.
D 1, 3 e 4 falsas; 2 verdadeira
20.    Segundo Descartes, Deus:
A É a primeira verdade do sistema dos conhecimentos.
B É a primeira ideia inata que concebemos.
C É um ser cuja existência se prova a posteriori.
D É a garantia metafísica da objetividade do que é claro e distinto.
Page 5 of 5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
InesVieiraAluno
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
colegiomb
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
António Daniel
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
beonline5
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Hume
HumeHume
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
InesTeixeiraDuarte
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Rafael Cristino
 

Mais procurados (20)

Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 

Semelhante a Quiz descartes

Doc filosofia 11 - decartes
Doc  filosofia 11 - decartesDoc  filosofia 11 - decartes
Doc filosofia 11 - decartes
Sónia Gonçalves
 
Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
Helena Serrão
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
j_sdias
 
espistemologia decartes
espistemologia decartesespistemologia decartes
espistemologia decartes
presendept
 
Como descartes
Como descartesComo descartes
Como descartes
Helena Serrão
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
gildapirescosta
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
Iga Almeida
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Turma Olímpica
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
mluisavalente
 
Resumo e questões filosofia 11º
Resumo e questões filosofia 11ºResumo e questões filosofia 11º
Resumo e questões filosofia 11º
malaiko
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
JorgeNogueira40
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
IaraCaldeira2
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Ana Catarina
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
mluisavalente
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Helena Serrão
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
Pedro Rocha Da Silva
 

Semelhante a Quiz descartes (20)

Doc filosofia 11 - decartes
Doc  filosofia 11 - decartesDoc  filosofia 11 - decartes
Doc filosofia 11 - decartes
 
Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
espistemologia decartes
espistemologia decartesespistemologia decartes
espistemologia decartes
 
Como descartes
Como descartesComo descartes
Como descartes
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
 
Resumo e questões filosofia 11º
Resumo e questões filosofia 11ºResumo e questões filosofia 11º
Resumo e questões filosofia 11º
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
 

Mais de Isabel Moura

O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdfO POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
Isabel Moura
 
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Isabel Moura
 
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Isabel Moura
 
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdfTeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
Isabel Moura
 
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdfGrelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Isabel Moura
 
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educatorsDoc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Isabel Moura
 
Matriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 dMatriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 d
Isabel Moura
 
Ae sec filosofia
Ae sec filosofiaAe sec filosofia
Ae sec filosofia
Isabel Moura
 
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vtEx fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
Isabel Moura
 
Estudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto trumanEstudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto truman
Isabel Moura
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológica
Isabel Moura
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º anoMatriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Isabel Moura
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
Isabel Moura
 
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Isabel Moura
 

Mais de Isabel Moura (20)

O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdfO POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
 
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
 
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
 
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdfTeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
 
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdfGrelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
 
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educatorsDoc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
 
Matriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 dMatriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 d
 
Ae sec filosofia
Ae sec filosofiaAe sec filosofia
Ae sec filosofia
 
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
 
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vtEx fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
 
Estudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto trumanEstudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto truman
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológica
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º anoMatriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
 
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

Quiz descartes

  • 1. Descartes Score: 1.    Analise as afirmações seguintes sobre o Cogito. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. É uma verdade dedutiva indubitável. 2. É a conclusão de um argumento válido. 3. É uma verdade puramente racional. 4. É uma verdade intuitiva e indubitável. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas. C 1 e 3 verdadeiras; 2 e 4 falsas. D 2 verdadeira; 1, 3 e 4 falsas. 2.    Das afirmações seguintes, assinale a que corresponde à natureza racionalista da teoria cartesiana do conhecimento. A O racionalismo cartesiano é um inatismo porque só há ideias inatas. B O racionalismo cartesiano é um inatismo porque a experiência não é fonte de informação alguma. C O racionalismo cartesiano é um inatismo porque as ideias inatas são as únicas em que o conhecimento se baseia. D O racionalismo cartesiano é um inatismo porque a experiência é falível. 3.    Para Descartes, há conhecimento quando: A Os sentidos nos dão informações de que não podemos duvidar. B Formamos ideias que é impossível serem falsas. C Formamos ideias a que correspondem impressões sensíveis. D Justificamos uma crença por intermédio de outra. 4.    Para Descartes, os conteúdos da mente são: A Ideias e impressões. B Ideias inatas. C Ideias inatas e adventícias. D Ideias. 5.    Descartes começa por duvidar de tudo o que simplesmente possa parecer duvidoso para atingir um conhecimento absolutamente seguro. Esta afirmação é: A Falsa, porque a dúvida é um obstáculo a esse tipo de conhecimento. B Verdadeira, porque o conhecimento indubitável tem de fundar-se no que é duvidoso. C Falsa, porque o conhecimento indubitável não pode fundar-se no que é duvidoso. D Verdadeira, porque a dúvida é metódica e hiperbólica. Page 1 of 5
  • 2. 6.    Analise as afirmações seguintes sobre a dúvida cartesiana. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. É um meio utilizado para provar que os céticos estão enganados. 2. É uma forma de separar verdades prováveis de verdades absolutamente indubitáveis. 3. É uma atitude que revela completa desconfiança na nossa capacidade para conhecer. 4. É uma forma de rejeitar o que é duvidoso. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas. C 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa. D 2 verdadeira; 1, 3 e 4 falsas. 7.    Analise as afirmações seguintes sobre as ideias inatas em Descartes. Selecione, de seguida, a alternativa correta.  1. São ideias claras e distintas. 2. São ideias que derivam da razão e dos sentidos. 3. São ideias obtidas por demonstração. 4. São ideias conhecidas por intuição e por dedução. A 2 falsa; 1, 3 e 4 verdadeiras. B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas. C 1 verdadeira; 2, 3 e 4 falsas. D 2 e 3 falsas; 1 e 4 verdadeiras. 8.    Analise as afirmações seguintes sobre a dúvida cartesiana. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. Explora todas as possibilidades de erro, mesmo as mais improváveis. 2. Examina as nossas opiniões para garantir a probabilidade de serem verdadeiras. 3. Separa o verdadeiro do falso, identificando aquele com o que é impossível ser falso. 4. Serve para constituir um conjunto de verdades evidentes. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas. C 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa. D 2 verdadeira; 1, 3 e 4 falsas. 9.    O primeiro objeto da dúvida são as informações dos sentidos sobre as propriedades das coisas. O argumento de Descartes baseia-se no facto de que: A Os sentidos nos enganam sempre. B Não podemos estar certos de que os sentidos não nos enganem sempre. C Às nossas sensações não correspondem objetos físicos reais. D O empirismo é uma teoria errada. Page 2 of 5
  • 3. 10.    O segundo objeto da dúvida é a crença de que existem objetos físicos. Segundo Descartes, é possível duvidar da realidade dos objetos físicos A Se para afirmarmos a sua existência nos basearmos apenas nos sentidos. B Se confundirmos o sonho com a realidade. C Se formos vítimas de alucinações. D Se não formos capazes de ter experiências sensoriais dos objetos. 11.    Analise as afirmações seguintes sobre a fiabilidade dos sentidos segundo Descartes. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. Se a justificação das nossas crenças dependesse dos sentidos, estaríamos condenados ao ceticismo. 2. Não é impossível que nos iludam e enganem sempre. 3. Não podemos considerá-los uma fonte de certezas. 4. Desconfiamos sempre deles. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 3 verdadeira; 1, 2 e 4 falsas. C 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa. D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa. 12.    Analise as afirmações seguintes sobre a dúvida hiperbólica. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. A dúvida é hiperbólica porque traduz a decisão de considerar falso o que não é absolutamente fiável. 2. A dúvida é hiperbólica porque manda considerar falso o que não podemos conceber como certo. 3. A dúvida é hiperbólica porque há coisas de que não é razoável duvidar. 4. A dúvida é hiperbólica porque exige que se identifique a verdade com a impossibilidade de falsidade. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa. C 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa. D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa. 13.    Segundo Descartes, a crença de 5 + 4 = 9 pode não ser indubitável. A justificação que apresenta para duvidar desta proposição é a de que: A Os seres humanos se enganam por vezes nos raciocínios mais elementares. B Deus pode ser enganador e induzir-nos sistematicamente em erro. C Deus existe e é um génio maligno. D As proposições matemáticas não são intrinsecamente fiáveis. Page 3 of 5
  • 4. 14.    O argumento do Deus enganador tem mais alcance do que o argumento dos sonhos. Esta afirmação é: A Falsa, porque os argumentos põem em causa coisas muito diferentes. B Verdadeira, porque o argumento dos sonhos não põe em causa a existência de Deus. C Falsa, porque o argumento dos sonhos transforma tudo em ilusão. D Verdadeira, porque o argumento do Deus enganador permite mostrar que nem as nossas crenças empíricas nem as nossas crenças intelectuais são intrinsecamente fiáveis. 15.    Analise as afirmações seguintes sobre o Cogito. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. Supera o ceticismo fornecendo um exemplo de certeza. 2. É uma verdade absolutamente primeira. 3. É a verdade da qual se deduzem todas as outras verdades metafísicas. 4. É uma ideia inata. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa. C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa. 16.    Analise as afirmações seguintes sobre as ideias inatas em Descartes. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. São absolutamente claras e distintas. 2. Sem elas não há conhecimento. 3. São ideias que têm a sua origem nos sentidos. 4. São ideias descobertas pela razão sem auxílio dos sentidos. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa. C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa. 17.    Analise as afirmações seguintes sobre o racionalismo de Descartes no momento da descoberta da primeira verdade. Selecione, de seguida, a alternativa correta.  1. Defende que o conhecimento tem origem na razão e não nos sentidos: a razão, ao contrário dos sentidos, fornece-nos uma verdade indubitável, o Cogito, que conhecemos por intuição. 2. Acredita, porque não quer ficar por uma primeira verdade, no facto de sermos capazes de chegar por dedução a partir dessa verdade a outras verdades que são igualmente indubitáveis. 3. Defende que o conhecimento tem de ser constituído por verdades indubitáveis. 4. Acredita que todas as verdades indubitáveis são descobertas por intuição puramente racional. A 1 e 2 falsas; 3 e 4 verdadeiras. B 1, 2 e 4 verdadeiras; 3 falsa. C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa. Page 4 of 5
  • 5. 18.    Analise as afirmações seguintes sobre o projeto de Descartes. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1. Entende que justificar as nossas crenças é garantir que elas são absolutamente verdadeiras. 2. É marcado pela preocupação em mostrar que os céticos estão parcialmente enganados. 3. Visa colocar na base do seu sistema uma verdade absolutamente indubitável e, a partir dela, derivar todas as outras para garantir que são também verdades indubitáveis. 4. Visa descobrir uma verdade que se autojustifica, ao mesmo tempo que justifica todas as outras que seja possível deduzir dela por processos de raciocínio corretos. A 2 e 4 falsas; 1 e 3 verdadeiras. B 1, 3 e 4 verdadeiras; 2 falsa. C 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. D 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa. 19.    Analise as afirmações seguintes sobre a função de Deus no sistema de Descartes. Selecione, de seguida, a alternativa correta. 1.É a garantia da certeza de todas as verdades. 2.Garante a permanência e objetividade do que é verdadeiro. 3.É o ponto de partida do sistema dos conhecimentos. 4. Garante exclusivamente a crença na evidência das verdades matemáticas; A 2 e 4 falsas; 1 e 3 verdadeiras. B 1 e 2 verdadeiras; 3 e 4 falsas. C 1, 2 e 3 verdadeiras; 4 falsa. D 1, 3 e 4 falsas; 2 verdadeira 20.    Segundo Descartes, Deus: A É a primeira verdade do sistema dos conhecimentos. B É a primeira ideia inata que concebemos. C É um ser cuja existência se prova a posteriori. D É a garantia metafísica da objetividade do que é claro e distinto. Page 5 of 5