SlideShare uma empresa Scribd logo
LITERATURA BRASILEIRA I
“PROSOPOPÉIA”
BENTO TEIXEIRA
José Paulo Alexandre de Barros
Hellyton José Vieira Marinho
Thaynã Emanoela Guedes Carneiro
INTRODUÇÃO
Uma das obras mais valiosas do barroco brasileiro –
Prosopopéia de Bento Teixeira– traz uma rica leitura
mitológica, junto com o nativismo de Pernambuco.
Com este trabalho, temos a pretenção de conhecer mais
profundamente a obra de Bento e analisar todos os aspectos à
ela ligados, tanto no nível de compreensão textual quanto no
nível estrutural da obra.
APRESENTAÇÃO BIBLIOGRÁFICA DO AUTOR
BENTO TEIXEIRA (1561-1600)
• Nasceu em Portugal, cristão-novo, veio para o
Brasil e instalou-se no Espírito Santo. Foi
perseguido pela inquisição e refugiou-se em Olinda.
• Foi preso após admitir sua crença judaíca.
• Escreveu “Prosopopéia” na prisão, em Lisboa.
Mas só foi publicado após sua morte.
• Só escreveu a obra durante toda sua vida.
EXPLICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E CONCEITUAÇÃO
DO GÊNERO EM FOCO
• “Epopéia” vem do grego épos = verso ’+ poieô = faço’
• Narrativa de fatos grandiosos e maravilhosos que interessa a um povo.
• É uma poesia objetiva, impessoal, contém a presença de um narrador
falando do passado (os verbos aparecem no pretérito).
• Episódio grandioso e heróico da história de um povo.
• Enquadra-se no gênero narrativo - é sempre um relato de
acontecimentos.
• O assunto deverá ter um carácter excepcional e um ser excepcional
• As epopéias evoluíram da Grécia e Tróia com Ilíadas e Odisséia, e
chegaram ao Brasil com Caramuru e O Uruguai.
EXIBIÇÃO SUPERFICIAL DO MEIO DA OBRA
• Conta-se os feitos de Jorge de Albuquerque (terceiro donatário da
capitania de Pernambuco) e de seu irmão, Duarte Coelho de
Albuquerque;
• Usa da mitologia para tratar uma guerra contra os índios na Nova
Lusitâna (Pernambuco), lutam com Vulcano.
• O poeta introduz mitologia para retratar a batalha de Alcácer-Quibir,
no Marrocos, travam uma luta com Nepturno e Tritão.
ESTRUTURA EXTERNA DO POEMA
• Prosopopéia foi escrito em versos decassílabos, dispostos em oitava
rima, heróicos, com 94 estrofes. Sem divisão de cantos, nem
numeração de estrofes, cheio de reminiscências, imitações, arremedos
e paródias dos Lusíadas.
ESTRUTURA INTERNA DO POEMA
• Proposição (estrofe 1): O poeta começa chamando o seu compatriota,
Jorge de Albuquerque, ressaltando sua personalidade firme. Declara seus
feitos contra os inimigos.
• Invocação (estrofe 2-6): Bento dispensa as musas da tradição como fonte
de inspiração católica e invoca Jorge, para exercer sua obra.
“(...) Aquele chamo só, de quem espero
A vida que se espera em fim de tudo”
(II)
“(...) Que eu canto um Albuquerque soberano,
Da Fé, da cara Pátria firme muro
(I)
“(...) E vós, sublime Jorge, em quem se esmalta
A Estirpe d'Albuquerques excelente.”
(III)
• Narração (estrofe 7-16): Aqui ele concretiza tudo que apresentou na
“Proposição”
• Dedicatória (Localizada no Prológo): É a parte em que ele oferece,
humildemente, o poema a Jorge de Albuquerque.
“...receba minhas Rimas, por serem as primícias com que tento servi-lo. “
• Epílogo (estrofe 94): Conclui-se o poema.
“(...) Eu que a tal espetáculo presente
Estive, quis em Verso numeroso
Escrevê-lo por ver que assim convinha...”
(XCIV)
• Plano mitológico: Bento utiliza da mitologia pagã clássica, esse
recurso é mais uma forma de o poeta engrandecer os feitos de Jorge.
“(...)Quando ao longo da praia, cuja area
É de Marinhas aves estampada, (...)
Do mar cortando a prateada vea,
Vinha Tritão em cola duplicada,
Não lhe vi na cabeça casca posta
(Como Camões descreve) de Lagosta “
(X)
“Toca a Trobeta com crescido alento,
Engrossa as veas, move os elementos,
E, rebramando os ares com o acento,
Penetra o vão dos infinitos assentos.
Os Pólos que sustem o firmamento,
Abalados dos próprios fundamentos,
azem tremer a terra e Ceo jucundo,
E Neptuno gemer no Mar profundo.”
(XIV)
ESTRUTURA DA NARRAÇÃO
• Plano nativista: O poema conta com uma seção denominada
“Descrição do Recife de Pernambuco”, na qual o poeta exalta o
nativismo de Pernambuco, mais especificamente de Olinda, por qual o
poeta andou um tempo.
“(...)Mas, enquanto te dão a sepultura,
Contemplo a tua Olinda celebrada,
Cuberta de fúnebre vestidura,
Inculta, sem feição, descabelada. “
(XCI)
“(...) E a opulenta Olinda florescente
Chegar ao cume do supremo estado.
Ser de fera e belicosa gente
O seu largo destricto povoado;
Por nome ter Nova Lusitânia,
Das Leis isenta da fatal insânia. “
(XXVI)
• Plano indianista: Quanto aos índios, o autor adota a ótica do
colonizador, na qual propõe que os índios devem ser domados. No
poema eles são bárbaros descendentes de Vulcano, tratados com
desprezo na obra.
“Porque Lémnio cruel, de quem descende
A Bárbara progênie e insolência,
Vendo que o Albuquerque tanto ofende
Gente que dele tem a descendência,
Com mil meos ilícitos pretende
Fazer irreparável resistência
Ao claro Jorge, varonil e forte,
Em quem não dominava a vária sorte.”
(XLV)
“O Princípio de sua Primavera
Gastarão seu destrito dilatando,
Os bárbaros cruéis e gente Austera,
Com meio singular, domesticando(...)”
(XXX).
• Plano do poeta: Bento expressa suas considerações pessoais no início e no
final do poema, sempre ressaltando sua dedicação da obra à Jorge de
Albuquerque.
“Aqui deu [fim] a tudo, e brevemente
Entra no Carro [de] Cristal lustroso;
Após dele a demais Cerúlea gente
Cortando a vea vai do Reino acoso.
Eu que a tal espetáculo presente
Estive, quis em Verso numeroso
Escrevê-lo por ver que assim convinha
Pera mais Perfeição da Musa minha.”
(XCIV)
“Imagem da vida e feitos memoráveis de vossa
mercê, quis primeiro fazer este riscunho, pera
depois, sendo-me concedido por vossa mercê, ir
mui particularmente pintando os membros
desta Imagem, se não me faltar a tinta do favor
de vossa mercê, a quem peço, humildemente,
receba minhas Rimas, por serem as primícias
com que tento servi-lo.”
(Epílogo)
• Plano da exaltação: A prosopopéia de onde Bento Teixeira tirou o
nome, foi de uma fala de Proteu, profetizando o Post Facto, que
significa os feitos e as fortunas dos Albuquerques, exageradamente
idealizados pelo poeta.
“(...)Cousas que Deos eterno e ele cura,
E tornando ao Preságio novo e raro,
Que na parte mental se me figura,
De Jorge d’Albuquerque, forte e claro,
A despeito direi da enveja pura,
Pera o qual monta pouco a culta Musa,
Que Meónio em louvar Aquiles usa.”
(XXXIX)
“(...)Vereis seu Estandarte derribado
Aos Católicos pés victoriosos,
Vereis em fim o garbo e alto brio
Do famoso Albuquerque vosso Tio.”
(IV)
ESTÉTICA DA OBRA
• Personagens: Jorge D’Albuquerque, Duarte Coelho Albuquerque,
Jerônimo, Vulcano, Tritão, Proteo, Nepturno, dentre outros seres
mitológicos, D. Sebastião, mouros e índios.
• Cenário: Nova Lusitâna, Olinda, Lisboa, Marrocos.
• Tempo: Tudo acontece em 24 horas.
• Estrutura do poema:
1. Prólogo
2. Narração
3. Descrição do Recife de Pernambuco
4. Epílogo
5. Soneto per ecos, ao mesmo Senhor Jorge d’Albuquerque Coelho
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Prosopopéia, Bento Teixeira, 1600.
A Prosopopéia de Bento Texeira, 1997.
MOISÉS, Massaud – História da Literatura Brasileira, 3 vols., S.
Paulo, Cultrix, 2001

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)
Joselma Mendes
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Lú Carvalho
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Ana Paula Brisolar
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
O barroco
O barrocoO barroco
Humanismo
HumanismoHumanismo
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
Barroco
BarrocoBarroco
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Faell Vasconcelos
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
whybells
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
NAPNE
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
O índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileiraO índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileira
ma.no.el.ne.ves
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 

Mais procurados (20)

Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
O índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileiraO índio na literatura brasileira
O índio na literatura brasileira
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 

Semelhante a Prosopopéia - Bento Teixeira

Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
1950casal
 
Quinhentismo.ppt
Quinhentismo.pptQuinhentismo.ppt
Quinhentismo.ppt
JuniorPereira834478
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
Natália Carvalho
 
Aula 1 quinhentismo
Aula 1  quinhentismoAula 1  quinhentismo
Aula 1 quinhentismo
LIRIANY CORREIA COSTA
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
HugoWCR
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
jasonrplima
 
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
PRISCILA LIMA
 
Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
Cristina Seiça
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
Catarina Castro
 
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Paula Meyer Piagentini
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
Márcio Hilário
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
Joao Bernardo Santos
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
Joao Bernardo Santos
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Pedro Andrade
 
Biografia as vidas passadas de emmanuel
Biografia   as vidas passadas de emmanuelBiografia   as vidas passadas de emmanuel
Biografia as vidas passadas de emmanuel
rafael dias
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
joelson1
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
Camila24463
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
António Fraga
 

Semelhante a Prosopopéia - Bento Teixeira (20)

Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
 
Quinhentismo.ppt
Quinhentismo.pptQuinhentismo.ppt
Quinhentismo.ppt
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
 
Aula 1 quinhentismo
Aula 1  quinhentismoAula 1  quinhentismo
Aula 1 quinhentismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
 
Narrativa Épica
Narrativa ÉpicaNarrativa Épica
Narrativa Épica
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi   xviii)
Primeiras manifestações literárias no Brasil (séc. xvi xviii)
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
 
Biografia as vidas passadas de emmanuel
Biografia   as vidas passadas de emmanuelBiografia   as vidas passadas de emmanuel
Biografia as vidas passadas de emmanuel
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 

Mais de Thaynã Guedes

PEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdf
PEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdfPEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdf
PEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdf
Thaynã Guedes
 
Lula Cortês - Paisagens Pernambucanas
Lula Cortês - Paisagens PernambucanasLula Cortês - Paisagens Pernambucanas
Lula Cortês - Paisagens Pernambucanas
Thaynã Guedes
 
Marconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimas
Marconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimasMarconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimas
Marconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimas
Thaynã Guedes
 
RESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana Zolin
RESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana ZolinRESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana Zolin
RESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana Zolin
Thaynã Guedes
 
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António NóvoaRESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
Thaynã Guedes
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
Thaynã Guedes
 
O Local da Cultura - Homi K. Bha Bha
O Local da Cultura - Homi K. Bha BhaO Local da Cultura - Homi K. Bha Bha
O Local da Cultura - Homi K. Bha Bha
Thaynã Guedes
 
Rachel de Queiroz - O Quinze
Rachel de Queiroz - O QuinzeRachel de Queiroz - O Quinze
Rachel de Queiroz - O Quinze
Thaynã Guedes
 
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
Thaynã Guedes
 
"Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales...
"Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales..."Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales...
"Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales...
Thaynã Guedes
 
Aparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio FerreiraAparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio Ferreira
Thaynã Guedes
 
Ecocrítica - Greg Garrard
Ecocrítica - Greg GarrardEcocrítica - Greg Garrard
Ecocrítica - Greg Garrard
Thaynã Guedes
 

Mais de Thaynã Guedes (12)

PEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdf
PEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdfPEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdf
PEDAGOGIA CRÍTICA DA VISUALIDADE.pdf
 
Lula Cortês - Paisagens Pernambucanas
Lula Cortês - Paisagens PernambucanasLula Cortês - Paisagens Pernambucanas
Lula Cortês - Paisagens Pernambucanas
 
Marconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimas
Marconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimasMarconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimas
Marconi Notaro Ferreira - Amor, risos e lágrimas
 
RESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana Zolin
RESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana ZolinRESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana Zolin
RESUMO - Literatura de autoria feminina - Lúcia Osana Zolin
 
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António NóvoaRESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
RESUMO - Formação de Professores e Profissão Docente - António Nóvoa
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
 
O Local da Cultura - Homi K. Bha Bha
O Local da Cultura - Homi K. Bha BhaO Local da Cultura - Homi K. Bha Bha
O Local da Cultura - Homi K. Bha Bha
 
Rachel de Queiroz - O Quinze
Rachel de Queiroz - O QuinzeRachel de Queiroz - O Quinze
Rachel de Queiroz - O Quinze
 
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
 
"Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales...
"Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales..."Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales...
"Contos da Cantuária" e "Conto do Médico" - Exercícios ("The Canterbury Tales...
 
Aparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio FerreiraAparição - Vergílio Ferreira
Aparição - Vergílio Ferreira
 
Ecocrítica - Greg Garrard
Ecocrítica - Greg GarrardEcocrítica - Greg Garrard
Ecocrítica - Greg Garrard
 

Último

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 

Prosopopéia - Bento Teixeira

  • 1. LITERATURA BRASILEIRA I “PROSOPOPÉIA” BENTO TEIXEIRA José Paulo Alexandre de Barros Hellyton José Vieira Marinho Thaynã Emanoela Guedes Carneiro
  • 2. INTRODUÇÃO Uma das obras mais valiosas do barroco brasileiro – Prosopopéia de Bento Teixeira– traz uma rica leitura mitológica, junto com o nativismo de Pernambuco. Com este trabalho, temos a pretenção de conhecer mais profundamente a obra de Bento e analisar todos os aspectos à ela ligados, tanto no nível de compreensão textual quanto no nível estrutural da obra.
  • 3. APRESENTAÇÃO BIBLIOGRÁFICA DO AUTOR BENTO TEIXEIRA (1561-1600) • Nasceu em Portugal, cristão-novo, veio para o Brasil e instalou-se no Espírito Santo. Foi perseguido pela inquisição e refugiou-se em Olinda. • Foi preso após admitir sua crença judaíca. • Escreveu “Prosopopéia” na prisão, em Lisboa. Mas só foi publicado após sua morte. • Só escreveu a obra durante toda sua vida.
  • 4. EXPLICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DO GÊNERO EM FOCO • “Epopéia” vem do grego épos = verso ’+ poieô = faço’ • Narrativa de fatos grandiosos e maravilhosos que interessa a um povo. • É uma poesia objetiva, impessoal, contém a presença de um narrador falando do passado (os verbos aparecem no pretérito). • Episódio grandioso e heróico da história de um povo. • Enquadra-se no gênero narrativo - é sempre um relato de acontecimentos. • O assunto deverá ter um carácter excepcional e um ser excepcional • As epopéias evoluíram da Grécia e Tróia com Ilíadas e Odisséia, e chegaram ao Brasil com Caramuru e O Uruguai.
  • 5. EXIBIÇÃO SUPERFICIAL DO MEIO DA OBRA • Conta-se os feitos de Jorge de Albuquerque (terceiro donatário da capitania de Pernambuco) e de seu irmão, Duarte Coelho de Albuquerque; • Usa da mitologia para tratar uma guerra contra os índios na Nova Lusitâna (Pernambuco), lutam com Vulcano. • O poeta introduz mitologia para retratar a batalha de Alcácer-Quibir, no Marrocos, travam uma luta com Nepturno e Tritão.
  • 6. ESTRUTURA EXTERNA DO POEMA • Prosopopéia foi escrito em versos decassílabos, dispostos em oitava rima, heróicos, com 94 estrofes. Sem divisão de cantos, nem numeração de estrofes, cheio de reminiscências, imitações, arremedos e paródias dos Lusíadas.
  • 7. ESTRUTURA INTERNA DO POEMA • Proposição (estrofe 1): O poeta começa chamando o seu compatriota, Jorge de Albuquerque, ressaltando sua personalidade firme. Declara seus feitos contra os inimigos. • Invocação (estrofe 2-6): Bento dispensa as musas da tradição como fonte de inspiração católica e invoca Jorge, para exercer sua obra. “(...) Aquele chamo só, de quem espero A vida que se espera em fim de tudo” (II) “(...) Que eu canto um Albuquerque soberano, Da Fé, da cara Pátria firme muro (I) “(...) E vós, sublime Jorge, em quem se esmalta A Estirpe d'Albuquerques excelente.” (III)
  • 8. • Narração (estrofe 7-16): Aqui ele concretiza tudo que apresentou na “Proposição” • Dedicatória (Localizada no Prológo): É a parte em que ele oferece, humildemente, o poema a Jorge de Albuquerque. “...receba minhas Rimas, por serem as primícias com que tento servi-lo. “ • Epílogo (estrofe 94): Conclui-se o poema. “(...) Eu que a tal espetáculo presente Estive, quis em Verso numeroso Escrevê-lo por ver que assim convinha...” (XCIV)
  • 9. • Plano mitológico: Bento utiliza da mitologia pagã clássica, esse recurso é mais uma forma de o poeta engrandecer os feitos de Jorge. “(...)Quando ao longo da praia, cuja area É de Marinhas aves estampada, (...) Do mar cortando a prateada vea, Vinha Tritão em cola duplicada, Não lhe vi na cabeça casca posta (Como Camões descreve) de Lagosta “ (X) “Toca a Trobeta com crescido alento, Engrossa as veas, move os elementos, E, rebramando os ares com o acento, Penetra o vão dos infinitos assentos. Os Pólos que sustem o firmamento, Abalados dos próprios fundamentos, azem tremer a terra e Ceo jucundo, E Neptuno gemer no Mar profundo.” (XIV) ESTRUTURA DA NARRAÇÃO
  • 10. • Plano nativista: O poema conta com uma seção denominada “Descrição do Recife de Pernambuco”, na qual o poeta exalta o nativismo de Pernambuco, mais especificamente de Olinda, por qual o poeta andou um tempo. “(...)Mas, enquanto te dão a sepultura, Contemplo a tua Olinda celebrada, Cuberta de fúnebre vestidura, Inculta, sem feição, descabelada. “ (XCI) “(...) E a opulenta Olinda florescente Chegar ao cume do supremo estado. Ser de fera e belicosa gente O seu largo destricto povoado; Por nome ter Nova Lusitânia, Das Leis isenta da fatal insânia. “ (XXVI)
  • 11. • Plano indianista: Quanto aos índios, o autor adota a ótica do colonizador, na qual propõe que os índios devem ser domados. No poema eles são bárbaros descendentes de Vulcano, tratados com desprezo na obra. “Porque Lémnio cruel, de quem descende A Bárbara progênie e insolência, Vendo que o Albuquerque tanto ofende Gente que dele tem a descendência, Com mil meos ilícitos pretende Fazer irreparável resistência Ao claro Jorge, varonil e forte, Em quem não dominava a vária sorte.” (XLV) “O Princípio de sua Primavera Gastarão seu destrito dilatando, Os bárbaros cruéis e gente Austera, Com meio singular, domesticando(...)” (XXX).
  • 12. • Plano do poeta: Bento expressa suas considerações pessoais no início e no final do poema, sempre ressaltando sua dedicação da obra à Jorge de Albuquerque. “Aqui deu [fim] a tudo, e brevemente Entra no Carro [de] Cristal lustroso; Após dele a demais Cerúlea gente Cortando a vea vai do Reino acoso. Eu que a tal espetáculo presente Estive, quis em Verso numeroso Escrevê-lo por ver que assim convinha Pera mais Perfeição da Musa minha.” (XCIV) “Imagem da vida e feitos memoráveis de vossa mercê, quis primeiro fazer este riscunho, pera depois, sendo-me concedido por vossa mercê, ir mui particularmente pintando os membros desta Imagem, se não me faltar a tinta do favor de vossa mercê, a quem peço, humildemente, receba minhas Rimas, por serem as primícias com que tento servi-lo.” (Epílogo)
  • 13. • Plano da exaltação: A prosopopéia de onde Bento Teixeira tirou o nome, foi de uma fala de Proteu, profetizando o Post Facto, que significa os feitos e as fortunas dos Albuquerques, exageradamente idealizados pelo poeta. “(...)Cousas que Deos eterno e ele cura, E tornando ao Preságio novo e raro, Que na parte mental se me figura, De Jorge d’Albuquerque, forte e claro, A despeito direi da enveja pura, Pera o qual monta pouco a culta Musa, Que Meónio em louvar Aquiles usa.” (XXXIX) “(...)Vereis seu Estandarte derribado Aos Católicos pés victoriosos, Vereis em fim o garbo e alto brio Do famoso Albuquerque vosso Tio.” (IV)
  • 14. ESTÉTICA DA OBRA • Personagens: Jorge D’Albuquerque, Duarte Coelho Albuquerque, Jerônimo, Vulcano, Tritão, Proteo, Nepturno, dentre outros seres mitológicos, D. Sebastião, mouros e índios. • Cenário: Nova Lusitâna, Olinda, Lisboa, Marrocos. • Tempo: Tudo acontece em 24 horas. • Estrutura do poema: 1. Prólogo 2. Narração 3. Descrição do Recife de Pernambuco 4. Epílogo 5. Soneto per ecos, ao mesmo Senhor Jorge d’Albuquerque Coelho
  • 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Prosopopéia, Bento Teixeira, 1600. A Prosopopéia de Bento Texeira, 1997. MOISÉS, Massaud – História da Literatura Brasileira, 3 vols., S. Paulo, Cultrix, 2001

Notas do Editor

  1. Lit