Barroco

4.542 visualizações

Publicada em

Material de apoio sobre o movimento barroco em literatura.

Publicada em: Educação
0 comentários
17 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.542
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Barroco

  1. 1. Artedo Conflito meados do século XVI até o século XVIII
  2. 2. Literatura Barroca Para falar das contradições do mundo exterior e domundo interior, o escritor barroco usa e abusa do jogode palavras, das antíteses, das hipérboles, das frases tortuosas, dos paradoxos. Utiliza palavras raras,inspira-se no latim para criar novos termos, explora a riqueza das imagens. Mas, às vezes, abusa tanto das metáforas que os textos se tornam incompreensíveis.Às vezes, procura mostrar tanta habilidade poética que seus textos não passam de exibicionismo artístico.
  3. 3. Morbidez Carpe Diem X Acentuação do sentido Consciência de que a vida é trágico da vida e da efêmera (passageira) e porcondição de pecador do isso deve aproveitá-la. homem.
  4. 4. Estilo BarrocoCultismo ConceptismoA linguagem preciosa Quando o e rebuscada do rebuscamento se dá na Barroco, que abusa expressão do das metáforas, das raciocínio, com o abuso antíteses e do jogo de idéias eparadoxos, recebe o sutilezas de nome de cultismo. argumentação, recebe o Um dos grandes nome de conceptismo poetas cultistas foi o (do espanhol espanhol Luís de concepto, que significa Gôngora. Luís de Gôngora "conceito, ideia")..
  5. 5. Barroco no BrasilO Barroco Brasileiro teve início em 1601, tendo como marco inicial a obra , Quanto à forma é pura imitação de “Os Lusíadas” (com versos inteiros tirados de “Prosopopéia” Camões). Quanto ao assunto, narra as peripécias de de Bento Teixeira. um naufrágio em que se encontrou Jorge de Albuquerque Coelho e aproveita a oportunidade para fazer descrições da terra pernambucana. 0 seu grande mérito é todo histórico: foi o primeiro trabalho aqui feito com intuitos puramente literários.
  6. 6. No Brasil, o período foi Brasil - Colôniamarcado pela nova políticade colonização, eestabeleceram-se engenhosde cana-de-açúcar na Bahia.Salvador, como capital doBrasil, transformou-se emum núcleo populacionalimportante, e comoconsequência, um centrocultural que, mesmotimidamente, fez surgirgrandes figuras, comoGregório de Matos.
  7. 7. O Boca do Inferno Poeta barroco brasileiro, nasceu emSalvador/BA, em 20/12/1623 e morreu em Recife/PE em 1696. Mulherengo, boêmio, irreverente,iconoclasta e possuidor de um legendário entusiasmo pelas mulatas, pôs muita Amado e odiado, é autoridade civil e religiosa em má conhecido por muitos como situação, ridicularizando-as de forma "Boca do Inferno", em impiedosa. função de suas poesiasSua obra poética apresenta duas vertentes: satíricas, muitas vezes trabalhando o chulo em uma satírica (pela qual é mais conhecido) violentos ataques pessoais. que, não raro, apresenta aspectos eróticos e pornográficos; outra lírica, de fundo religioso e moral.
  8. 8. Buscando a Cristo A vós correndo vou, braços sagrados, Nessa cruz sacrossanta descobertos, Que, para receber-me, estais abertos, E, por não castigar-me, estais cravados. A vós, divinos olhos, eclipsados De tanto sangue e lágrimas abertos, Pois, para perdoar-me, estais despertos, E, por não condenar-me, estais fechados. A vós, pregados pés, por não deixar-me, A vós, sangue vertido, para ungir-me, A vós, cabeça baixa p„ra chamar-me. A vós, lado patente, quero unir-me, A vós, cravos preciosos, quero atar-me, Para ficar unido, atado e firme.
  9. 9. A JESUS CRISTO NOSSO SENHOR Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado, da vossa alta clemência me despido; porque, quanto mais tenho delinqüido, vos tenho a perdoar mais empenhado. Se basta a vos irar tanto pecado, a abrandar-vos sobeja um só gemido: que a mesma culpa, que vos há ofendido vos tem para o perdão lisonjeado. Se uma ovelha perdida, e já cobrada glória tal e prazer tão repentino vos deu, como afirmais na sacra história, eu sou Senhor, a ovelha desgarrada, cobrai-a; e não queirais, pastor divino, perder na vossa ovelha, a vossa glória.
  10. 10. Triste BahiaTriste Bahia! Ó quão dessemelhanteEstás e estou do nosso antigo estado!Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado,Rica te vi eu já, tu a mi abundante.A ti trocou-te a máquina mercante,Que em tua larga barra tem entrado,A mim foi-me trocando, e tem trocado,Tanto negócio e tanto negociante.Deste em dar tanto açúcar excelentePelas drogas inúteis, que abelhudaSimples aceitas do sagaz Brichote.Oh! se quisera Deus que de repenteUm dia amanhecerás tão sisudaQue fora de algodão o teu capacete! Gregório criticava também a “cidade da Bahia”, como neste soneto.
  11. 11. Oh triste Bahia Triste, oh, quão dessemelhante ê, ô, galo cantaTriste Bahia, oh, quão dessemelhante… O galo cantou, camaráEstás e estou do nosso antigo estado ê, cocorocô, ê cocorocô, camaráPobre te vejo a ti, tu a mim empenhado ê, vamo-nos embora, ê vamo-nos embora camaráRico te vejo eu, já tu a mim abundante ê, pelo mundo afora, ê pelo mundo afora camará ê, triste Bahia, ê, triste Bahia, camará Bandeira branca enfiada em pau forte…Triste Bahia, oh, quão dessemelhanteA ti tocou-te a máquina mercante Afoxé leî, leî, leô…Quem tua larga barra tem entrado Bandeira branca, bandeira branca enfiada em pauA mim vem me trocando e tem trocado forte…Tanto negócio e tanto negociante O vapor da cachoeira não navega mais no mar… Triste Recôncavo, oh, quão dessemelhanteTriste, oh, quão dessemelhante, triste Maria pegue o mato é hora…Pastinha já foi à África Arriba a saia e vamo-nos embora…Pastinha já foi à África Pé dentro, pé fora, quem tiver pé pequeno vaiPra mostrar capoeira do Brasil embora…Eu já vivo tão cansadoDe viver aqui na Terra Oh, virgem mãe puríssima… Bandeira branca enfiada em pau forte…Minha mãe, eu vou pra lua Trago no peito a estrela do norteEu mais a minha mulher Bandeira branca enfiada em pau forte…Vamos fazer um ranchinho Bandeira…Tudo feito de sapê, minha mãe eu vou pra luaE seja o que Deus quiser
  12. 12. “Que me quer o Brasil, que me persegue? Com seu ódio a canalha, que consegue?Neste poema que aqui honram os mofinosGregório refere-se a apatia dos e mofam dos liberais.brasileirosfrente à Que os Brasileiros são bestas,exploraçãoportuguesa e estarão a trabalhar(cobrança de toda a vida por manterimpostos) maganos de Portugal.”
  13. 13. os "grandes conselheiros" não são mais que os políticos A cada canto um grande conselheiro Que nos quer governar cabana e vinha; A figura do Não sabem governar sua cozinha "grandeA sua obra tinha E podem governar o mundo inteiro. conselheiro" éum cunho bastante a figura dosatírico e moderno Em cada porta um bem freqüente olheiro hipócrita quepara a época. Que a vida do vizinho e da vizinha aponta osNeste poema pecados dos Pesquisa, escuta, espreita e esquadrinha critica os outros, semgovernantes da Para o levar à praça e ao terreiro. olhar aos seus."cidade da Bahia" Em resumo, éde sua época. Muitos mulatos desavergonhados, aquele que Trazidos sob os pés os homens nobres, aconselha masEsta crítica é Posta nas palmas toda a picardia, não segue osatemporal e seus preceitos.universal. Estupendas usuras nos mercados, Todos os que não furtam muito pobres: E eis aqui a cidade da Bahia.
  14. 14. Filmografia Indicada Informações Técnicas Título Original: Gregório de Matos País de Origem: Brasil Gênero: Drama Tempo de Duração: 70 minutos Ano de Lançamento: 2002 Site Oficial: Estúdio/Distrib.: Riofilmes Direção: Ana Carolinahttp://www.youtube.com/watch?v=VQ05lOBv3wg&feature=player_embedded
  15. 15. Assista "Que falta nesta cidade? Verdade. Que mais por sua desonra? Honra. Falta mais que se lhe ponha? Vergonha. O demo a viver se exponha Por mais que a fama a exalta Numa cidade onde falta Verdade, honra e vergonha."http://www.youtube.com/watch?v=VQ05lOBv3wg&feature=player_embedded
  16. 16. Pe. Antonio Vieira Conviveu comreis, índios, escravos, padres e senhores numa época marcada pela intolerância religiosa e pela violência. Condenado pelos tribunais da Santa Inquisição, que tanto combatia, o Padre Vieira amargou dois anos numa masmorra em Coimbra. Vieira deixou sermões memoráveis, nada digeríveis, desancando os vícios da gente local com sua linguagem prodigiosa e indignada.
  17. 17. Sermão do Sto Antonio aos Peixes«A primeira cousa que me desedifica,peixes, de vós, é que vos comeis uns aosoutros. Grande escândalo é este, mas acircunstância o faz ainda maior.[...]Os homens com suas más eperversas cobiças, vêm a sercomo os peixes que se comemuns aos outros.Tão alheia cousa é, não só da razão,mas da mesma natureza, que, sendotodos criados no mesmo elemento, todoscidadãos da mesma pátria, e todosfinalmente irmãos, vivais de voscomer![...] » “Já que não me querem ouvir os homens, ouçam-me os peixes ...” http://www.youtube.com/watch?v=sXMQlaUPJfw&feature=related
  18. 18. Assista no youtube “Grandes Livros” é um projeto multi- plataforma de divulgação da literatura portuguesa que envolve uma série de 12 documentários, com 50 minutos cada Leia mais em: http://ebooksgratis.com.br/filmes-e- documentarios/documentario-navegacoes-sophia-de-mello- breyner-andresen-serie-grandes-livros-%e2%80%93-episodio- xii/#ixzz1livSVJNL
  19. 19. Filmografia Indicada Informações Técnicas Título no Brasil: Palavra e Utopia Título Original: Palavra e Utopia / Word and Utopia País de Origem: Portugal / França / Brasil / Espanha Gênero: Drama Tempo de Duração: 133 minutos Ano de Lançamento: 2000 Site Oficial: Estúdio/Distrib.: Mais Filmes Direção: Manoel de Oliveira Elenco Lima Duarte .... Padre António Vieira (Idoso) Luís Miguel Cintra .... Padre António Vieira (Meia Idade) Ricardo Trepa .... Padre António Vieira (Jovem)http://www.youtube.com/watch?v=kekNm30spHk&feature=channel_page
  20. 20. Fontes• CEREJA ,WILLIAM ROBERTO THEREZA A.C. MAPanorama da Literatura Portuguesa• google/images• gradus.parnassum.org• geocities.com/jerusalem_1000/gregorio.html• virtualbooks.terra.com.br/literatura_brasileira• www.allaboutarts.com.br• http://www.novomilenio.inf.br/• http://www.jornaldepoesia.jor.br/grego.html Pesquisa e organização Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria Contato: clauheloisa@yahoo.com.br

×