SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL
NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS
DIRETORIA DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA
DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS VERNÁCULAS
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas
Literaturas
Coordenação de Estágios e Atividades Acadêmico-científico-culturais/AACC
PROJETO DE ESTÁGIO II
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de
erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus
Cidade/RO
2016
Locimar Massalai
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de
erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus
Projeto de Ensino apresentado ao Curso de
Licenciatura em Letras/UAB, Habilitação
em Língua Portuguesa e suas Literaturas
apresentado como requisito avaliativo
parcial da Disciplina de Estágio
Supervisionado em Ensino de Língua
Portuguesa e Literatura II, ministrada pela
professora Mestra Larissa Gotti Pissinatti
Cidade/RO
2016
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO ..................................................................................................................3
2. OBJETIVO ......................................................................................................................5
2.1. Geral: ...........................................................................................................................5
2.2. Específicos:..................................................................................................................5
3.BASE TEÓRICA E CONCEITUAL...................................................................................6
4. METODOLOGIA.............................................................................................................11
5. CRONOGRAMA .............................................................................................................13
6. REFERÊNCIAS ...............................................................................................................14
1. INTRODUÇÃO
Este projeto foi pensado e elaborado como possibilidade de apresentar aos alunos
dos 8ºs e 9º ano do Ensino Fundamental a riqueza do conteúdo memorialístico de Carolina
Maria de Jesus em sua obra prima, “Quarto de Despejo. Carolina Maria de Jesus tem fome
de pão, mas também tem fome de escrever para dar conta da vida sofrida que levava. A
fome de pão é transcendida pelo uso da palavra escrita que se torna uma necessidade
existencial para ela quando confessa no seu diário de 21 de julho de 1955, por exemplo:
Quando fico nervosa não gosto de discutir. Prefiro escrever. Todos os dias eu
escrevo. Sento no quintal e escrevo. (...) Fui catar papel, mas estava indisposta.
Vim embora porque o frio era demais. Quando cheguei em casa era 22,30. Liguei
o radio. Tomei banho. Esquentei comida. Li um pouco. Não sei dormir sem ler.
Gosto de manusear um livro. O livro é a melhor invenção do homem. (JESUS,
2013, p.24)
Vamos apresentar aos alunos a Carolina Maria de Jesus, uma mulher que opta por
não se casar porque nota em seu entorno mulheres casadas que trabalham fora o dia inteiro
e quando chegam em casa apanham de seus maridos, enquanto ela, sossegada em seu
barraco ouve valsas vienenses; e ao fazê-lo estamos também mostrando a eles uma
Carolina leitora de poetas como Casemiro de Abreu, Castro Alves e Olavo Bilac de onde
retira parte de seu linguajar rebuscado. Esta “Cinderela Negra”, no dizer de Meihy (1994)
muito discutida na academia e nas universidades em artigos, dissertações e teses,
dificilmente entra 1nos currículos escolares. Conceição Evaristo (2015) considera que este
“esquecimento” se deve principalmente por dois fatores: pelo fato de Carolina Maria de
Jesus ser negra, por mais que isso pareça redundante, e que trabalhar com o texto de
Carolina pressupõe também uma discussão em torno dos próprios preconceitos lingüísticos
porque uma das coisas é afirmado é o fato de que Carolina não tenha escrito dentro da
norma culta da língua, o que seria na verdade a norma oculta da língua, fazendo um
trocadilho, já que esta norma não é percebida, não é oferecida e não é apropriada por todos.
1 Constamos que na biblioteca da Escola Estadual de Ensino Fundamental Nova Brasília, que se
chama Biblioteca Escolar Professora Vanessa Fuzari, existe um exemplar novo, sem uso ainda de
“Quarto de Desejo”. Tal exemplar pertence ao Programa Nacional Biblioteca da Escola – PNBE
2013 – 6º ao 9º do Ensino Fundamental.
Ai tem em “Quarto de Desejo” um momento rico de discutirmos a questão da
diversidade linguística. Trabalhar o texto de Carolina é uma oportunidade de pensar que
português é este que nós estamos falando, pensar numa variante lingüística não sob o
aspecto de pensarmos sobre o que estaria certo ou errado gramaticalmente, pois quem
define quem escreve certo ou não são sempre as classes privilegiadas e de como os saberes
definem quem nós somos através dos processos de subjetivação.
Defendemos que essa mulher que chegou a criticar abertamente em seu livro “Casa
de Alvenaria” o espanto que a mídia e a elite paulistana teve com seu relativo sucesso em
“Quarto de Despejo”, não considerando o fato de escrever como algo excepcional de uma
determinada classe, precisa urgentemente ser redescoberta na e pelas escolas públicas
brasileiras, principalmente.
Há tempos estamos sendo instigados pela presença da obra de Carolina Maria de
Jesus, especificamente em “Quarto de Despejo” e ao apresentá-la aos alunos pretendemos
que eles percebam em tempos da crise colossal que envolve o Brasil, não apenas a
atualidade de sua obra e suas denúncias como a riqueza dos bordados presentes na colcha
de retalhos de seu cotidiano contado na materialidade de seus discursos, que ao escrever
nos contam Carolina Maria de Jesus precisa ser apresentada ou redescoberta pelas escolas
brasileiras.
As memórias literárias de Carolina Maria de Jesus comparecem no livro ora num
discurso coloquial, ora com características de um linguajar culto, mostrando as fontes onde
ela bebeu, em quais poços buscou, dialogou para utilizá-lo em suas memórias. Pelo texto de
Carolina Maria de Jesus apresentar-se desta forma é que o consideramos instigante para
oferecer aos alunos, pois estes também escrevem desta maneira, mesclando o dialeto
coloquial e o padrão, sendo a primeira desmerecida e desvalorizada em sala de aula.
Dentro deste contexto Carrijo (2011), considera que comparece na materialidade
discursiva apreendida no corpus literário incanônico de “Quarto de Despejo”, inscrições
dicotômicas reveladoras de marcas da oralidade e marcas de um discurso mais próximo dos
textos românticos ou intitulados letrados.
Carolina Maria de Jesus lança mão da narrativa em diários ou relatos
memorialísticos que era na época, 1950/60, um gênero textual materializado por escritores
homens para tecer sua materialidade discursiva de mulher negra, semi-escolarizada, mãe
solteira por opção, moradora de favela e catadora de lixo.
Consideramos que este projeto, ao fazer uma incursão histórica, literária, lingüística
e gramatical no “Quarto de despejo” é rica possibilidade para que os adolescentes entrem
em contato com uma parte da história do Brasil por meio da literatura e de como ela
escreve e descreve o mundo nos contando em quais fontes ela bebeu e como o fez.
Em tempos de facebook e whatzap a escritura testemunhal e memorialística de
Carolina Maria de Jesus ajuda resgatar a importância dos registros cotidianos que nem
sempre são considerados como textos de qualidade ou reveladores da identidade de um
povo e seu tempo, mormente quando se trata de escritos de crianças, adolescentes e jovens.
O texto literário de “Quarto de Despejo” nos provoca os seguintes questionamentos:
será a língua uma entidade social estável e absoluta ou a evidência das mutações e
interferências entre espaços e agentes sociais? Haverá interesse por parte dos alunos
adolescentes na leitura da escrita dos diários de Carolina Maria de Jesus? Quais trocas
simbólicas, identitárias, escriturárias e afetivas se dariam e seriam possíveis entre narradora
e leitores?
Para coroar o trabalho às voltas com os textos do diário de Carolina Maria de Jesus,
através de uma interface com a disciplina de Arte iremos instigar os alunos a apresentar
monólogos de excertos do “Quarto de Despejo” para toda a comunidade escolar
compreendendo que ler, recitar ou declamar em voz alta é trazer para o corpo físico o corpo
do texto que estará sendo evocado teatral e imageticamente no momento da apresentação.
2. OBJETIVOS
2.1. Geral
Perceber e analisar as marcas lingüísticas, literárias e textuais presentes na obra
“Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus tomando como referencial o linguajar dos
alunos às voltas com a leitura e a escrita no seu cotidiano e na escola e partindo do texto
como unidade pedagógica de aprendizagem.
2.2. Específicos:
Conhecer a história e a evolução das bibliotecas como espaços de cultura ao longo
dos séculos;
Identificar os vários suportes do livro como objeto de saber e de poder;
Diferenciar o que é língua padrão e linguagem coloquial e ajudar o aluno a perceber
como são usadas no seu cotidiano e na obra de Caroliniana;
Compreender o que é um texto memorialístico e testemunhal;
Conhecer a importância e as peculiaridades de um diário como texto literário;
Levar o aluno a compreender que as memórias podem ser registradas oralmente e por
escrito;
Conhecer e perceber as peculiaridades da narrativa memorialística e memórias
literárias como gêneros discursivos;
Definir o que é análise de discurso;
Fazer com os alunos pequenas análises de discurso de excertos dos textos de “Quarto
de Despejo”;
Desafiar os alunos para que percebam através de pequenos trechos do texto
Caroliniano, as marcas da oralidade e as marcas da erudição;
Compreender a língua de maneira a dar conta de perceber a variação intrínseca ao
processo lingüístico no que diz respeito aos fatores geográficos, históricos e sociológicos;
Perceber as diferenças entre os padrões de linguagem oral e os padrões da linguagem
escrita;
Perceber que escrever é muito mais do que obedecer a regras gramaticais e a
esquemas fixos de estruturação e estilo textual.
Identificar o que é um monólogo teatral e proceder a exercícios práticos a partir de
excertos de textos carolinianos.
BASE TEÓRICAE CONCEITUAL
Inicialmente consideramos que a importância de um referencial teórico, além de sua
atualidade, pertinência e capacidade de diálogo com autores que discutem determinadas
questões, residem no fato de que nossas falas e argumentos não se sustentam por si só.
Carecemos de um apoio de outros pesquisadores que já falaram antes de nós para sustentar,
apoiar e dar credibilidade aos nossos posicionamentos. Ressalva feita.
Pensamos ser importante pontuar que este nosso referencial, bordado de acordo com
a intencionalidade do projeto, do olhar cuidadoso sobre a realidade escolar e em contínua
troca com a professora regente das turmas que vamos exercer a experiência da docência,
vêm estruturado a partir das três dimensões que norteiam o Estágio II, a saber: leitura,
produção e análise linguística. Dentro destas três dimensões, escolhemos autores, dentre
tantos outros possíveis, para sustentar e amparar nossos posicionamentos.
Observamos que, das três dimensões acima, a leitura seguida da produção ou de
produções textuais sejam as mais esquecidas ou pobremente trabalhadas nas aulas de
Língua Portuguesa, onde a hegemonia é dada para o trato com a gramática
descontextualizada do texto como um todo, ou seja, como uma unidade, pois,
Se o objetivo é que o aluno aprenda a produzir e a interpretar textos, não é
possível tomar como unidade básica de ensino nem a letra, nem a sílaba, nem a
palavra, nem a frase que, descontextualizadas, pouco têm a ver com a
competência discursiva, que é questão central. Dentro desse marco, a unidade
básica de ensino só pode ser o texto, mas isso não significa que não se enfoquem
palavras ou frases nas situações didáticas específicas que o exijam. (...) Não se
formam bons leitores oferecendo materiais de leitura empobrecidos. (...) As
pessoas aprendem a gostar de ler quando, de alguma forma, a qualidade de suas
vidas melhora com a leitura. (PCN, 2001, p. 35-36)
Pensando em trabalhar leitura, produção e análise lingüística a partir da perspectiva
apontada acima, escolhemos o texto de Carolina Maria de Jesus especialmente, “Quarto de
Despejo” por apresentar situações em que a autora comete pequenos “deslizes” ortográficos
combinados com um vocabulário ricamente elaborado, porque ela mesma intuíra também
que ler é poder e que a literatura, ter acesso ao mundo letrado era uma forma de inclusão, e
dar conta do mundo da palavra e das palavras do mundo possibilitaria que ela e os seus
saíssem de uma condição de sofrimento para uma vida melhor.
Como para Carolina Maria de Jesus, defendemos que também para os alunos com
os quais estamos desenvolvendo a prática do Estágio, ler e escrever, ter acesso a textos de
qualidade seja uma possibilidade ontológica inclusão não apenas ao mundo letrado, mas a
outras visões sobre os mundos muitas vezes i-mundos.
Possibilitar o contato com o texto Caroliniano nos remete à premissa maior de que
ler e escrever experiências vividas constroem o conhecimento transformador de indivíduos
e culturas.
Por isso é preciso parar de tratar a literatura ou a leitura apenas como adereço na sua
relação com a gramática. Prado (2010) defende que é preciso inserir a literatura no feijão
com arroz da atividade da pedagógica da escola onde as demais questões concernentes ao
ler, escrever e falar bem acontecerá sem muito esforço.
Como vamos estagiar com adolescentes de 8º e 9º ano, inseridos em uma realidade
de periferia, empobrecida, marginalizada, alijada do acesso à políticas sociais de qualidade
e com suas lutas por vida melhor, defendemos que ler é uma inclusão desmedida, pois é
bem verdade que a literatura (...) “permite ser outro sem deixar de ser o mesmo. Oferece ao
leitor um instrumento poderoso de construção pessoal e uma completa dimensão educativa
sobre os sentimentos e ações humanas”. (COLOMER, 2010, p.61).
Neste caso, apresentar aos alunos a literatura de uma mulher negra, pobre, viciada
em ler e escrever, que registrava diariamente no papel as agruras, as alegrias, os
pensamentos e sentimentos que passavam por ela diariamente, em casa e nas ruas, onde
trabalhava catando papel e lata no lixo é possibilitar aos alunos e professores da escola a se
questionar quantas outras Carolina haverá por aí, de quem não tomamos conhecimento,
testemunhas surdas, sujas de um desejo de fazer-se notar. Eles mesmos, os alunos que, em
suas rebeldias e indisciplinas poderão pela escrita e pela leitura utilizar de outros meios que
não a agressão e a violência para fazerem-se notar.
Porque mais que o tema ou o discurso das páginas do diário de Carolina Maria de
Jesus interessa-nos sua fala como sujeito de um gênero literário e social, sua apropriação do
ato de autorrepresentação pela palavra escrita, No seu processo de letramento literário.
Processo também desejado quando solicitamos a escrita dos alunos sobre a escola, sobre a
sala de aula, a leitura e as aulas de língua portuguesa. Neste sentido, Leahy-Dios (2013,
p.29) em seu texto “vida e poesia no quarto de despejo: diário de uma favelada” considera
que,
Leitores identificados com a autora e suas palavras podem ser levados a novas
reflexões dialógicas entre Literatura, Educação, Sociedade. Que diálogo pode
surgir entre tal autora, tal texto, e qual leitor, até que o invisível ocupe umespaço
de visibilidade, e o excluído exija inclusão? Afinal, Carolina escreve ‘errado’, o
que é motivo de acusação; mas usa vocabulário sofisticado. Carolina fala de
fome, de catar papel no lixo para sobreviver, o que serve mais à fruição que
advém de um estado de incômodo, desestruturação e mudança, do que à
propaganda oficial de que ler é prazer, ler é viajar, ler é viver belas fantasias. Que
certamente não passavam pela Favela do Canindé, onde Carolina morava e
sobrevivia, com o dinheiro obtido pela venda de papéis e outros objetos
encontrados no lixo.
Qual seria o teor da obra de Carolina como cultura popular urbana? Em primeiro
lugar, como manifestação formal, seus erros gramaticais, em contraste com a difícil
explicação de seu vocabulário, representam facetas que se fundem na necessidade
expressiva, a afetação de quem vê a literatura como poder. Isso, aliás, nunca esteve ausente
da percepção de Carolina, que, mesmo sendo mulher fisicamente indefesa na favela, sabia
que, por ler e escrever dominava o código dos poderosos. (p.31)
O Ensino da Língua Portuguesa, ainda é hegemonicamente pautado no ensino da
gramática, fato que dificulta a percepção da linguagem como ciência, pois não se pode
ignorar o que a língua é construída socialmente e que traz arraigados fatos individuais e
coletivos de culturas e crenças distribuídas no tempo e no espaço.
Quanto aos desafios propostos ao ensino da língua portuguesa, concordamos com
Possenti (2009) quando defende que, no caso específico do ensino do português, tais
desafios não serão enfrentados se não se mudar a concepção de linguagem e de ensino da
língua e que o objetivo da mesma é o de criar condições para que o português padrão seja
aprendido na escola.
No Brasil, apesar de todas as variações lingüísticas seguimos convencionalmente
uma mesma gramática. No entanto, não podemos acreditar que língua e gramática são a
mesma coisa, pois a língua é muito mais que a sua gramática. A gramática é o conjunto de
regras que nos ajudam a entender como funciona uma língua. Por isso,
(...) Toda língua tem sua gramática, tem seu conjunto de regras,
independentemente do prestígio social ou do nível de desenvolvimento
econômico e cultural da comunidade em que é falada. Quer dizer, não existe
língua sem gramática. (...) Quando alguém é capaz de falar uma língua é então
capaz de usar apropriadamente as regras dessa língua na produção de textos
interpretáveis e relevantes. Aprender uma língua é, portanto, adquirir, entre outras
coisas, o conhecimento das regras de formação dos enunciados dessa língua.
(ANTUNES, 2009, p. 85)
Assim posto é fato que não existe falante sem conhecimento de gramática. Isto é,
saber usar as regras de combinações de palavras em textos para que suas mensagens
resultem inteligíveis e interpretáveis. Neste contexto, concordamos com Possenti (2009,
p.17) quando apregoa que o “objetivo da escola é ensinar o português padrão, ou seja, o de
criar condições para que ele seja aprendido”.
É bem verdade que a escola perde muito tempo às voltas com questões de
nomenclaturas e de classificações e esquece-se do estudo das regras e dos usos da língua
nos textos como unidades de ensino. A questão que se põe não é a de ensinar ou não
ensinar regras gramaticais, mas que regras ensinar e em quais perspectivas.
E aqui estamos falando de perspectivas pedagógicas e assim sendo, o professor de
língua portuguesa deverá trazer para sala de aula, segundo Antunes (2009), uma gramática
que seja relevante, que possam ampliar a competência comunicativa dos alunos, que seja
funcional no sentido de suas aplicações em textos de diferentes gêneros, que tenha como
referência o efetivo uso da língua o qual se materializa nos textos, que seja contextualizada
na qual promova a produção e análise de textos a partir da realidade, que faça sentido e
promova sentido na vida dos alunos, que considere mais de uma norma e, finalmente, “uma
gramática que é da língua e das pessoas”, cujo grande objetivo é ampliar as competências
comunicativas e interacionais dos alunos.
Quando consideramos o trabalho com a gramática a partir de textos concretos e
reais, estamos sendo referendados pelo PCN de Língua Portuguesa (2001) ao apontar que,
Entre os principais recursos que precisam estar disponíveis na escola para
viabilizar a proposta didática da área, estão os textos autênticos. A utilização de
textos autênticos pressupõe cuidado com a manutenção de suas características
gráficas: formatação, paginação, diferentes elementos utilizados para atribuição
de sentido — como fotografias, desenhos gráficos, ilustrações, etc. Da mesma
forma, é importante que esses textos, sempre que possível, sejam trazidos para a
sala de aula nos seus portadores de origem (ainda que em algumas situações
possam ser agrupados segundo gênero ou tema, por exemplo, para atender a
necessidades específicas dos projetos de estudo).
Diante de todas essas implicações e especificidades do ensino da gramática é
importante incentivar na escola, projetos de intervenção que priorizem a reflexão e a análise
linguística dentro de diferentes situações sociais e acadêmicas e nas relações que elas
desempenham de censura e discriminação. Eis a razão, de nossa escolha por “Quarto de
Despejo”, de Carolina Maria de Jesus, como mote provocador de nosso projeto.
Carrijo (2011, p. 150), ao falar da materialidade discursiva de “Quarto de Despejo”
infere que nele,
(...) Se faz possível identificar, assinalar diversos recursos utilizados para compor
o dizer. Trechos carregados de metáforas, textos (des)veladores dos motes
utilizados nos textos de Casimiro de Abreu, emCastro Alves, o uso de metáforas,
o recurso da hipercorreção – quando a instância-sujeito Carolina, sabendo-se não
possuidora do código letrado, tenta se infiltrar nesse código e se corrigir – de tal
modo que chega ao exagero ou, ainda, abeira-se ao que se conhece como
hipercorreção: uso exagerado dos pronomes, escolha de vocábulos burilados,
garimpados nos dicionários. Nesse sentido, o dizer de Carolina traz tatuada a
marca do interdiscurso.
Os “tropeços gramaticais” de Carolina não depõem contra a riqueza de seus textos.
Pelo contrário, tais “tropeços” se tornam grandiosa possibilidade de perceber a riqueza
social de uma língua no exercício real de seus sentidos. A presença de “erros gramaticais” e
a utilização de recursos lexicais elaborados e a sofisticação vocabular característica de seus
escritos são reveladores de seus mundos.
Acreditamos que os alunos dos anos finais do ensino fundamental merecem e terão
o prazer de conhecer: “Carolina Maria de Jesus, uma menina perguntadeira, atenta,
questionadora e inquieta se deu conta de que as palavras não poderiam mudar o mundo,
mas poderiam sim ajudar a contá-lo, inventá-lo e representá-lo.
E porque concordamos com Calvino (1990) o parafraseamos argumentando que
nossa confiança no futuro da humanidade consiste em saber que há coisas que só a
literatura com seus meios específicos nos podem dar.
METODOLOGIA
A metodologia utilizada será dialógica, sempre respeitando os falares e dizeres dos
alunos envolvidos na prática da regência. Em todos os momentos os alunos serão ouvidos,
consultados e suas falas aproveitadas e/ou aprofundadas.
Em todos os momentos as atividades serão previamente planejadas a partir das
observações, inferências e participação dos alunos e dos docentes de Língua Portuguesa
para que em seguida a regência aconteça e se efetive numa perspectiva de troca de saberes.
Para que a regência nas turmas de 8º ano e 9º ano se concretize, lançaremos mão dos
seguintes instrumentais: entrevista com professora e alunos, aplicação de questionários,
aulas expositivas, trabalhos em grupos, leituras compartilhadas de excertos de textos,
exercícios individuais e coletivos de análise lingüística e análise do discurso, construção de
textos, monólogos teatrais com posterior apresentação.
QUADRO 1- DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA E ATIVIDADES
ESTAGIÁRIO: Locimar Massalai
CURSO: Letras PERÍODO: 7º ANO: 2016
TEMA: LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade
e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus
Escola Estadual de Ensino Fundamental Nova Brasília - SÉRIES: 8º “A” e “B” e 9º
“A” – TURNO: Vespertino
CARGA HORÁRIA: 40 horas
DATA CH ATIVIDADES ESTRATÉGIAS
05/09/2016 02 Planejamento de atividades junto
ao professor regente das turmas
Contato com os professores de Língua
Portuguesa. Apresentação do projeto.
06/09/2016 04 O curso de Letras, a prática do
Estágio, a Disciplina de Língua
Portuguesa: o aluno merece saber
como quais são suas dinâmicas e
suas interfaces
Aula realizada no Laboratório de
Informática Educativa – atividades
realizadas em grupos menores após
orientações por parte do acadêmico.
14/09/2016 06 A leitura, a escrita, a biblioteca, o
livro e a escola: uma relação
antiga.
Aula iniciada no LIE, com visita “in loco” à
biblioteca da escola e manipulação de seu
acervo destinado aos alunos de 6º ao 9º ano
e finalizada com produção de textos em sala
de aula.
20/09/2016 06 A leitura e a escrita de Carolina
Maria de Jesus em “Quarto de
despejo”
Leitura compartilhada e teatralizada de
textos, análise lingüística de textos,
produção de textos e monólogos teatrais.
26/09/2016 06 Trabalhando com excertos de
textos de “Quarto de Despejo” –
monólogos
Apresentação de monólogos teatrais de
excertos do Diário da Favela, de Carolina
Maria de Jesus
268 horas Regência Aulas, atividades em grupo, leituras
2 Salientamos que trabalhamos com três turmas, conforme consta no cabeçalho do “Quadro 01”. Sendo assim,
cada hora aula é multiplicada por três que corresponde ao número de turmas trabalhadas.
compartilhadas, construção de textos e
teatro.
Fonte: Locimar Massalai
5. CRONOGRAMA
QUADRO 2- DATAS/HORÁRIOS E TURMAS
ESTAGIÁRIO LOCIMAR MASSALAI
TELEFONES: 3424-9223 E-MAIL: locimassalai@gmail.com
ESCOLA: Nova Brasília
ENDEREÇO Rua Cedro, nº 2311
TELEFONE 3424-5670
DATA SÉRIE C.H HORÁRIO
05/09/2016 Todas 02 13 às 15 horas
06/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17h15min
08/09/2016 8º “B” 05 13h15min às 17h15min
09/09/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min
12/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17 h15min
13/09/2016 8º “A” 02 13h15min às 15h15min
14/09/2016 8º “B” 05 13h15min às 1 h15min
15/09/2016 8º “B” 02 13h15min às 15h15min
16/09/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min
19/09/2016 9º “A” 02 13h15min às 15h15min
20/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17 h15min
21/09/2016 8º “A” 02 13h15min às 15h15min
22/09/2016 8º “B” 05 13h15min às 17 h15min
23/09/2016 8º “B” 02 13h15min às 15h15min
26/09/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min
27/09/2016 9º ”A” 02 13h15min às 15h15min
28/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17 h15min
29/09/2016 8º “A” 02 13h15min às 15h15min
03/10/2016 8º “B” 05 13h15min às 17 h15min
04/10/2016 8º “B” 02 13h15min às 15 h15min
05/10/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min
06/10/2016 9º”A” 02 13h15min às 15 h15min
Fonte: Locimar Massalai
REFERÊNCIAS
ANTUNES, Irandé. Aula de Português: encontro e interação. 8ª ed. Parábola Editorial:
São Paulo, 2009.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa. 3ª ed. Brasília:
Secretaria de Educação Fundamental, 2001.
CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Cia das Letras,
1990.
CARRIJO, Fabiana Rodrigues. Nas fissuras dos cadernos encardidos: o bordado
testemunhal de Carolina Maria de Jesus. Revista OPSIS, Catalão, v. 11, nº 1, p.142-156,
jan/jun, de 2011.
COLOMER, Tereza. Andar entre livros. São Paulo: Global, 2007.
Entrevista com a professora Conceição Evaristo sobre Carolina de Jesus (2015).
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=EDYxWzhlFfw. Acesso em
19/09/2016.
JESUS. Carolina Maria. Quarto de Despejo. Abril Cultural: São Paulo, 2013.
LEAHY-DIOS, Cyana M. Vida e Poesia no Quarto de Despejo: Diário de uma favelada.
Revista Semioses: Rio de Janeiro, v.7, nº 2, p. 26-34, jul./dez.2013.
POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Mercado das Letras:
Campinas, 2009.
PRADO, Adélia. Entrevista com Adélia Prado. Revista na Ponta do Lápis: São Paulo, ano
VI, nº 15, Dez/2010, p. 32
MEIHY, José Carlos sebe Bom. Cinderela Negra: a saga de Carolina Maria de Jesus. Rio
de Janeiro: editora UFRJ, 1994.
Professor Regente Professor Orientador
PROJETO DE ESTÁGIO II        LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura afro brasileira
Literatura afro brasileiraLiteratura afro brasileira
Literatura afro brasileira
angelamariagomes
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Josilene Borges
 
Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017
Jaiza Nobre
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Heloiza Moura
 
Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model...
 Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model... Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model...
Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
jaquemarcondes
 
Plano de aula - modelo
Plano de aula - modeloPlano de aula - modelo
Plano de aula - modelo
Denise
 
Aula quarto de despejo
Aula quarto de despejoAula quarto de despejo
Aula quarto de despejo
Fabiana Fioretti
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
JosVeniciusRamosdaSi
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
Natália Moura
 
INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
Miriam Zelmikaitis
 
Texto projeto justificativa modelo
Texto projeto justificativa modeloTexto projeto justificativa modelo
Texto projeto justificativa modelo
Edna Paula Costa
 
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptxAula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
JohnJeffersonAlves1
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Andriane Cursino
 
Tipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slidesTipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slides
Gizélia Ferreira da Silva Vasconcelos
 
Literatura Afro-brasileira
Literatura Afro-brasileiraLiteratura Afro-brasileira
Literatura Afro-brasileira
Cristina Pereyra
 
Textos digitais literários
Textos digitais literários Textos digitais literários
Textos digitais literários
AndrSoares140
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Jirede Abisai
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
Thainá Assunção
 

Mais procurados (20)

Literatura afro brasileira
Literatura afro brasileiraLiteratura afro brasileira
Literatura afro brasileira
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017Plano de curso 7 ano 2017
Plano de curso 7 ano 2017
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model...
 Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model... Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model...
Atividade de literatura: Luis Vaz de Camões – 1º ano do ensino médio – Model...
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Plano de aula - modelo
Plano de aula - modeloPlano de aula - modelo
Plano de aula - modelo
 
Aula quarto de despejo
Aula quarto de despejoAula quarto de despejo
Aula quarto de despejo
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
 
Texto projeto justificativa modelo
Texto projeto justificativa modeloTexto projeto justificativa modelo
Texto projeto justificativa modelo
 
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptxAula BNCC em 29-08-2018.pptx
Aula BNCC em 29-08-2018.pptx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Tipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slidesTipos e gêneros textuais slides
Tipos e gêneros textuais slides
 
Literatura Afro-brasileira
Literatura Afro-brasileiraLiteratura Afro-brasileira
Literatura Afro-brasileira
 
Textos digitais literários
Textos digitais literários Textos digitais literários
Textos digitais literários
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
 

Semelhante a PROJETO DE ESTÁGIO II LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus

LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
LOCIMAR MASSALAI
 
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
LOCIMAR MASSALAI
 
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira P...
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira  P...A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira  P...
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira P...
tatiana ribeiro do nascimento
 
ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...
ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...
ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...
Sun Waltre
 
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literaturaAbordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Vanessa Aparecida R Anastacio
 
Memórias de carolina de jesus trabalho escrito tc
Memórias de carolina de jesus trabalho escrito tcMemórias de carolina de jesus trabalho escrito tc
Memórias de carolina de jesus trabalho escrito tc
Helena Nascimento
 
PROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIR
PROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIRPROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIR
PROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIR
LOCIMAR MASSALAI
 
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e TransmidiaçãoA Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
Kelly Christi
 
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da HistóriaApresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Ana Souza
 
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
LOCIMAR MASSALAI
 
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e HeterônimosApresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Felipe De Souza Costa
 
Volume xvi 2006
Volume xvi 2006Volume xvi 2006
Volume xvi 2006
estevaofernandes
 
81
8181
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
Val Valença
 
Projeto de língua portuguesa pcc unopar- cleomar
Projeto de língua portuguesa   pcc unopar- cleomarProjeto de língua portuguesa   pcc unopar- cleomar
Projeto de língua portuguesa pcc unopar- cleomar
Cleomar Ciriaco
 
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
LOCIMAR MASSALAI
 
A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo
+ Aloisio Magalhães
 
Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...
Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...
Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...
UNEB
 
Apresentação sd 2016.2
Apresentação sd 2016.2Apresentação sd 2016.2
Apresentação sd 2016.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Val Valença
 

Semelhante a PROJETO DE ESTÁGIO II LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus (20)

LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição...
 
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
 
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira P...
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira  P...A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira  P...
A variação Linguística na Obra Dona Guidinha do Poço,de Manuel de Oliveira P...
 
ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...
ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...
ANEXO - SEQUÊNCIA DIDÁTICA - Fátima Christiane C.H. da Silva Turma 6 Profletr...
 
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literaturaAbordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
 
Memórias de carolina de jesus trabalho escrito tc
Memórias de carolina de jesus trabalho escrito tcMemórias de carolina de jesus trabalho escrito tc
Memórias de carolina de jesus trabalho escrito tc
 
PROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIR
PROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIRPROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIR
PROJETO DE ESTÁGIO IV - Graduação em Letras e suas Literaturas pela UAB/UNIR
 
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e TransmidiaçãoA Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
 
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da HistóriaApresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
 
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
 
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e HeterônimosApresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
 
Volume xvi 2006
Volume xvi 2006Volume xvi 2006
Volume xvi 2006
 
81
8181
81
 
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
Guia de aprendizagem Português Interdisciplinar 2017
 
Projeto de língua portuguesa pcc unopar- cleomar
Projeto de língua portuguesa   pcc unopar- cleomarProjeto de língua portuguesa   pcc unopar- cleomar
Projeto de língua portuguesa pcc unopar- cleomar
 
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas...
 
A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo
 
Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...
Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...
Mas o brasil não parou, continua batalhando, as construções de discursos e im...
 
Apresentação sd 2016.2
Apresentação sd 2016.2Apresentação sd 2016.2
Apresentação sd 2016.2
 
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
Guia de aprendizagem 3a unid out 2017
 

Mais de LOCIMAR MASSALAI

Retrospectiva 2020/2021
Retrospectiva 2020/2021Retrospectiva 2020/2021
Retrospectiva 2020/2021
LOCIMAR MASSALAI
 
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemiaProjeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais
LOCIMAR MASSALAI
 
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
LOCIMAR MASSALAI
 
O papel do gestor
O papel do gestor O papel do gestor
O papel do gestor
LOCIMAR MASSALAI
 
BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica
LOCIMAR MASSALAI
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
LOCIMAR MASSALAI
 
Guia orientador do PP - CRE - Ji-Paraná
Guia orientador do PP - CRE - Ji-ParanáGuia orientador do PP - CRE - Ji-Paraná
Guia orientador do PP - CRE - Ji-Paraná
LOCIMAR MASSALAI
 
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
LOCIMAR MASSALAI
 
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
LOCIMAR MASSALAI
 
Modelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiênciasModelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiências
LOCIMAR MASSALAI
 
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
LOCIMAR MASSALAI
 
Projeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarProjeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Ensino de LP
Plano de Ensino de LPPlano de Ensino de LP
Plano de Ensino de LP
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Ensino 4º ano
Plano de Ensino 4º ano Plano de Ensino 4º ano
Plano de Ensino 4º ano
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do LabinPlano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do Labin
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências
LOCIMAR MASSALAI
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 

Mais de LOCIMAR MASSALAI (20)

Retrospectiva 2020/2021
Retrospectiva 2020/2021Retrospectiva 2020/2021
Retrospectiva 2020/2021
 
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemiaProjeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
Projeto Vim te buscar para ficar - Busca ativa em tempos de pandemia
 
Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais Plano de Retorno às aulas presenciais
Plano de Retorno às aulas presenciais
 
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
implementação da BNCC: compromisso com a excelência e a equidade nas aprendiz...
 
O papel do gestor
O papel do gestor O papel do gestor
O papel do gestor
 
BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica BNCC da Educação Básica
BNCC da Educação Básica
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
 
Guia orientador do PP - CRE - Ji-Paraná
Guia orientador do PP - CRE - Ji-ParanáGuia orientador do PP - CRE - Ji-Paraná
Guia orientador do PP - CRE - Ji-Paraná
 
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
Sequencia Didática - Um mergulho na história da moda
 
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
Regimento Interno da E.E.E.F. Sílvio Micheluzzi
 
Modelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiênciasModelo de Resumo para relatos de experiências
Modelo de Resumo para relatos de experiências
 
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
O Protagonismo de alunos de 6º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundame...
 
Projeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarProjeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico Escolar
 
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
Plano de Ensino 1º ano - Anos Iniciais
 
Plano de Ensino de LP
Plano de Ensino de LPPlano de Ensino de LP
Plano de Ensino de LP
 
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
Plano Anual de Ação Secretaria Escolar
 
Plano de Ensino 4º ano
Plano de Ensino 4º ano Plano de Ensino 4º ano
Plano de Ensino 4º ano
 
Plano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do LabinPlano Anual de Ação do Labin
Plano Anual de Ação do Labin
 
Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências Plano de Ensino de Ciências
Plano de Ensino de Ciências
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 

Último

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 

PROJETO DE ESTÁGIO II LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus

  • 1. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS VERNÁCULAS Curso de Licenciatura em Letras/UAB – Habilitação em Língua Portuguesa e suas Literaturas Coordenação de Estágios e Atividades Acadêmico-científico-culturais/AACC PROJETO DE ESTÁGIO II LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus Cidade/RO 2016
  • 2. Locimar Massalai LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus Projeto de Ensino apresentado ao Curso de Licenciatura em Letras/UAB, Habilitação em Língua Portuguesa e suas Literaturas apresentado como requisito avaliativo parcial da Disciplina de Estágio Supervisionado em Ensino de Língua Portuguesa e Literatura II, ministrada pela professora Mestra Larissa Gotti Pissinatti Cidade/RO 2016
  • 3. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ..................................................................................................................3 2. OBJETIVO ......................................................................................................................5 2.1. Geral: ...........................................................................................................................5 2.2. Específicos:..................................................................................................................5 3.BASE TEÓRICA E CONCEITUAL...................................................................................6 4. METODOLOGIA.............................................................................................................11 5. CRONOGRAMA .............................................................................................................13 6. REFERÊNCIAS ...............................................................................................................14
  • 4. 1. INTRODUÇÃO Este projeto foi pensado e elaborado como possibilidade de apresentar aos alunos dos 8ºs e 9º ano do Ensino Fundamental a riqueza do conteúdo memorialístico de Carolina Maria de Jesus em sua obra prima, “Quarto de Despejo. Carolina Maria de Jesus tem fome de pão, mas também tem fome de escrever para dar conta da vida sofrida que levava. A fome de pão é transcendida pelo uso da palavra escrita que se torna uma necessidade existencial para ela quando confessa no seu diário de 21 de julho de 1955, por exemplo: Quando fico nervosa não gosto de discutir. Prefiro escrever. Todos os dias eu escrevo. Sento no quintal e escrevo. (...) Fui catar papel, mas estava indisposta. Vim embora porque o frio era demais. Quando cheguei em casa era 22,30. Liguei o radio. Tomei banho. Esquentei comida. Li um pouco. Não sei dormir sem ler. Gosto de manusear um livro. O livro é a melhor invenção do homem. (JESUS, 2013, p.24) Vamos apresentar aos alunos a Carolina Maria de Jesus, uma mulher que opta por não se casar porque nota em seu entorno mulheres casadas que trabalham fora o dia inteiro e quando chegam em casa apanham de seus maridos, enquanto ela, sossegada em seu barraco ouve valsas vienenses; e ao fazê-lo estamos também mostrando a eles uma Carolina leitora de poetas como Casemiro de Abreu, Castro Alves e Olavo Bilac de onde retira parte de seu linguajar rebuscado. Esta “Cinderela Negra”, no dizer de Meihy (1994) muito discutida na academia e nas universidades em artigos, dissertações e teses, dificilmente entra 1nos currículos escolares. Conceição Evaristo (2015) considera que este “esquecimento” se deve principalmente por dois fatores: pelo fato de Carolina Maria de Jesus ser negra, por mais que isso pareça redundante, e que trabalhar com o texto de Carolina pressupõe também uma discussão em torno dos próprios preconceitos lingüísticos porque uma das coisas é afirmado é o fato de que Carolina não tenha escrito dentro da norma culta da língua, o que seria na verdade a norma oculta da língua, fazendo um trocadilho, já que esta norma não é percebida, não é oferecida e não é apropriada por todos. 1 Constamos que na biblioteca da Escola Estadual de Ensino Fundamental Nova Brasília, que se chama Biblioteca Escolar Professora Vanessa Fuzari, existe um exemplar novo, sem uso ainda de “Quarto de Desejo”. Tal exemplar pertence ao Programa Nacional Biblioteca da Escola – PNBE 2013 – 6º ao 9º do Ensino Fundamental.
  • 5. Ai tem em “Quarto de Desejo” um momento rico de discutirmos a questão da diversidade linguística. Trabalhar o texto de Carolina é uma oportunidade de pensar que português é este que nós estamos falando, pensar numa variante lingüística não sob o aspecto de pensarmos sobre o que estaria certo ou errado gramaticalmente, pois quem define quem escreve certo ou não são sempre as classes privilegiadas e de como os saberes definem quem nós somos através dos processos de subjetivação. Defendemos que essa mulher que chegou a criticar abertamente em seu livro “Casa de Alvenaria” o espanto que a mídia e a elite paulistana teve com seu relativo sucesso em “Quarto de Despejo”, não considerando o fato de escrever como algo excepcional de uma determinada classe, precisa urgentemente ser redescoberta na e pelas escolas públicas brasileiras, principalmente. Há tempos estamos sendo instigados pela presença da obra de Carolina Maria de Jesus, especificamente em “Quarto de Despejo” e ao apresentá-la aos alunos pretendemos que eles percebam em tempos da crise colossal que envolve o Brasil, não apenas a atualidade de sua obra e suas denúncias como a riqueza dos bordados presentes na colcha de retalhos de seu cotidiano contado na materialidade de seus discursos, que ao escrever nos contam Carolina Maria de Jesus precisa ser apresentada ou redescoberta pelas escolas brasileiras. As memórias literárias de Carolina Maria de Jesus comparecem no livro ora num discurso coloquial, ora com características de um linguajar culto, mostrando as fontes onde ela bebeu, em quais poços buscou, dialogou para utilizá-lo em suas memórias. Pelo texto de Carolina Maria de Jesus apresentar-se desta forma é que o consideramos instigante para oferecer aos alunos, pois estes também escrevem desta maneira, mesclando o dialeto coloquial e o padrão, sendo a primeira desmerecida e desvalorizada em sala de aula. Dentro deste contexto Carrijo (2011), considera que comparece na materialidade discursiva apreendida no corpus literário incanônico de “Quarto de Despejo”, inscrições dicotômicas reveladoras de marcas da oralidade e marcas de um discurso mais próximo dos textos românticos ou intitulados letrados. Carolina Maria de Jesus lança mão da narrativa em diários ou relatos memorialísticos que era na época, 1950/60, um gênero textual materializado por escritores
  • 6. homens para tecer sua materialidade discursiva de mulher negra, semi-escolarizada, mãe solteira por opção, moradora de favela e catadora de lixo. Consideramos que este projeto, ao fazer uma incursão histórica, literária, lingüística e gramatical no “Quarto de despejo” é rica possibilidade para que os adolescentes entrem em contato com uma parte da história do Brasil por meio da literatura e de como ela escreve e descreve o mundo nos contando em quais fontes ela bebeu e como o fez. Em tempos de facebook e whatzap a escritura testemunhal e memorialística de Carolina Maria de Jesus ajuda resgatar a importância dos registros cotidianos que nem sempre são considerados como textos de qualidade ou reveladores da identidade de um povo e seu tempo, mormente quando se trata de escritos de crianças, adolescentes e jovens. O texto literário de “Quarto de Despejo” nos provoca os seguintes questionamentos: será a língua uma entidade social estável e absoluta ou a evidência das mutações e interferências entre espaços e agentes sociais? Haverá interesse por parte dos alunos adolescentes na leitura da escrita dos diários de Carolina Maria de Jesus? Quais trocas simbólicas, identitárias, escriturárias e afetivas se dariam e seriam possíveis entre narradora e leitores? Para coroar o trabalho às voltas com os textos do diário de Carolina Maria de Jesus, através de uma interface com a disciplina de Arte iremos instigar os alunos a apresentar monólogos de excertos do “Quarto de Despejo” para toda a comunidade escolar compreendendo que ler, recitar ou declamar em voz alta é trazer para o corpo físico o corpo do texto que estará sendo evocado teatral e imageticamente no momento da apresentação. 2. OBJETIVOS 2.1. Geral Perceber e analisar as marcas lingüísticas, literárias e textuais presentes na obra “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus tomando como referencial o linguajar dos alunos às voltas com a leitura e a escrita no seu cotidiano e na escola e partindo do texto como unidade pedagógica de aprendizagem. 2.2. Específicos:
  • 7. Conhecer a história e a evolução das bibliotecas como espaços de cultura ao longo dos séculos; Identificar os vários suportes do livro como objeto de saber e de poder; Diferenciar o que é língua padrão e linguagem coloquial e ajudar o aluno a perceber como são usadas no seu cotidiano e na obra de Caroliniana; Compreender o que é um texto memorialístico e testemunhal; Conhecer a importância e as peculiaridades de um diário como texto literário; Levar o aluno a compreender que as memórias podem ser registradas oralmente e por escrito; Conhecer e perceber as peculiaridades da narrativa memorialística e memórias literárias como gêneros discursivos; Definir o que é análise de discurso; Fazer com os alunos pequenas análises de discurso de excertos dos textos de “Quarto de Despejo”; Desafiar os alunos para que percebam através de pequenos trechos do texto Caroliniano, as marcas da oralidade e as marcas da erudição; Compreender a língua de maneira a dar conta de perceber a variação intrínseca ao processo lingüístico no que diz respeito aos fatores geográficos, históricos e sociológicos; Perceber as diferenças entre os padrões de linguagem oral e os padrões da linguagem escrita; Perceber que escrever é muito mais do que obedecer a regras gramaticais e a esquemas fixos de estruturação e estilo textual. Identificar o que é um monólogo teatral e proceder a exercícios práticos a partir de excertos de textos carolinianos. BASE TEÓRICAE CONCEITUAL Inicialmente consideramos que a importância de um referencial teórico, além de sua atualidade, pertinência e capacidade de diálogo com autores que discutem determinadas
  • 8. questões, residem no fato de que nossas falas e argumentos não se sustentam por si só. Carecemos de um apoio de outros pesquisadores que já falaram antes de nós para sustentar, apoiar e dar credibilidade aos nossos posicionamentos. Ressalva feita. Pensamos ser importante pontuar que este nosso referencial, bordado de acordo com a intencionalidade do projeto, do olhar cuidadoso sobre a realidade escolar e em contínua troca com a professora regente das turmas que vamos exercer a experiência da docência, vêm estruturado a partir das três dimensões que norteiam o Estágio II, a saber: leitura, produção e análise linguística. Dentro destas três dimensões, escolhemos autores, dentre tantos outros possíveis, para sustentar e amparar nossos posicionamentos. Observamos que, das três dimensões acima, a leitura seguida da produção ou de produções textuais sejam as mais esquecidas ou pobremente trabalhadas nas aulas de Língua Portuguesa, onde a hegemonia é dada para o trato com a gramática descontextualizada do texto como um todo, ou seja, como uma unidade, pois, Se o objetivo é que o aluno aprenda a produzir e a interpretar textos, não é possível tomar como unidade básica de ensino nem a letra, nem a sílaba, nem a palavra, nem a frase que, descontextualizadas, pouco têm a ver com a competência discursiva, que é questão central. Dentro desse marco, a unidade básica de ensino só pode ser o texto, mas isso não significa que não se enfoquem palavras ou frases nas situações didáticas específicas que o exijam. (...) Não se formam bons leitores oferecendo materiais de leitura empobrecidos. (...) As pessoas aprendem a gostar de ler quando, de alguma forma, a qualidade de suas vidas melhora com a leitura. (PCN, 2001, p. 35-36) Pensando em trabalhar leitura, produção e análise lingüística a partir da perspectiva apontada acima, escolhemos o texto de Carolina Maria de Jesus especialmente, “Quarto de Despejo” por apresentar situações em que a autora comete pequenos “deslizes” ortográficos combinados com um vocabulário ricamente elaborado, porque ela mesma intuíra também que ler é poder e que a literatura, ter acesso ao mundo letrado era uma forma de inclusão, e dar conta do mundo da palavra e das palavras do mundo possibilitaria que ela e os seus saíssem de uma condição de sofrimento para uma vida melhor. Como para Carolina Maria de Jesus, defendemos que também para os alunos com os quais estamos desenvolvendo a prática do Estágio, ler e escrever, ter acesso a textos de qualidade seja uma possibilidade ontológica inclusão não apenas ao mundo letrado, mas a outras visões sobre os mundos muitas vezes i-mundos.
  • 9. Possibilitar o contato com o texto Caroliniano nos remete à premissa maior de que ler e escrever experiências vividas constroem o conhecimento transformador de indivíduos e culturas. Por isso é preciso parar de tratar a literatura ou a leitura apenas como adereço na sua relação com a gramática. Prado (2010) defende que é preciso inserir a literatura no feijão com arroz da atividade da pedagógica da escola onde as demais questões concernentes ao ler, escrever e falar bem acontecerá sem muito esforço. Como vamos estagiar com adolescentes de 8º e 9º ano, inseridos em uma realidade de periferia, empobrecida, marginalizada, alijada do acesso à políticas sociais de qualidade e com suas lutas por vida melhor, defendemos que ler é uma inclusão desmedida, pois é bem verdade que a literatura (...) “permite ser outro sem deixar de ser o mesmo. Oferece ao leitor um instrumento poderoso de construção pessoal e uma completa dimensão educativa sobre os sentimentos e ações humanas”. (COLOMER, 2010, p.61). Neste caso, apresentar aos alunos a literatura de uma mulher negra, pobre, viciada em ler e escrever, que registrava diariamente no papel as agruras, as alegrias, os pensamentos e sentimentos que passavam por ela diariamente, em casa e nas ruas, onde trabalhava catando papel e lata no lixo é possibilitar aos alunos e professores da escola a se questionar quantas outras Carolina haverá por aí, de quem não tomamos conhecimento, testemunhas surdas, sujas de um desejo de fazer-se notar. Eles mesmos, os alunos que, em suas rebeldias e indisciplinas poderão pela escrita e pela leitura utilizar de outros meios que não a agressão e a violência para fazerem-se notar. Porque mais que o tema ou o discurso das páginas do diário de Carolina Maria de Jesus interessa-nos sua fala como sujeito de um gênero literário e social, sua apropriação do ato de autorrepresentação pela palavra escrita, No seu processo de letramento literário. Processo também desejado quando solicitamos a escrita dos alunos sobre a escola, sobre a sala de aula, a leitura e as aulas de língua portuguesa. Neste sentido, Leahy-Dios (2013, p.29) em seu texto “vida e poesia no quarto de despejo: diário de uma favelada” considera que, Leitores identificados com a autora e suas palavras podem ser levados a novas reflexões dialógicas entre Literatura, Educação, Sociedade. Que diálogo pode surgir entre tal autora, tal texto, e qual leitor, até que o invisível ocupe umespaço de visibilidade, e o excluído exija inclusão? Afinal, Carolina escreve ‘errado’, o
  • 10. que é motivo de acusação; mas usa vocabulário sofisticado. Carolina fala de fome, de catar papel no lixo para sobreviver, o que serve mais à fruição que advém de um estado de incômodo, desestruturação e mudança, do que à propaganda oficial de que ler é prazer, ler é viajar, ler é viver belas fantasias. Que certamente não passavam pela Favela do Canindé, onde Carolina morava e sobrevivia, com o dinheiro obtido pela venda de papéis e outros objetos encontrados no lixo. Qual seria o teor da obra de Carolina como cultura popular urbana? Em primeiro lugar, como manifestação formal, seus erros gramaticais, em contraste com a difícil explicação de seu vocabulário, representam facetas que se fundem na necessidade expressiva, a afetação de quem vê a literatura como poder. Isso, aliás, nunca esteve ausente da percepção de Carolina, que, mesmo sendo mulher fisicamente indefesa na favela, sabia que, por ler e escrever dominava o código dos poderosos. (p.31) O Ensino da Língua Portuguesa, ainda é hegemonicamente pautado no ensino da gramática, fato que dificulta a percepção da linguagem como ciência, pois não se pode ignorar o que a língua é construída socialmente e que traz arraigados fatos individuais e coletivos de culturas e crenças distribuídas no tempo e no espaço. Quanto aos desafios propostos ao ensino da língua portuguesa, concordamos com Possenti (2009) quando defende que, no caso específico do ensino do português, tais desafios não serão enfrentados se não se mudar a concepção de linguagem e de ensino da língua e que o objetivo da mesma é o de criar condições para que o português padrão seja aprendido na escola. No Brasil, apesar de todas as variações lingüísticas seguimos convencionalmente uma mesma gramática. No entanto, não podemos acreditar que língua e gramática são a mesma coisa, pois a língua é muito mais que a sua gramática. A gramática é o conjunto de regras que nos ajudam a entender como funciona uma língua. Por isso, (...) Toda língua tem sua gramática, tem seu conjunto de regras, independentemente do prestígio social ou do nível de desenvolvimento econômico e cultural da comunidade em que é falada. Quer dizer, não existe língua sem gramática. (...) Quando alguém é capaz de falar uma língua é então capaz de usar apropriadamente as regras dessa língua na produção de textos interpretáveis e relevantes. Aprender uma língua é, portanto, adquirir, entre outras coisas, o conhecimento das regras de formação dos enunciados dessa língua. (ANTUNES, 2009, p. 85)
  • 11. Assim posto é fato que não existe falante sem conhecimento de gramática. Isto é, saber usar as regras de combinações de palavras em textos para que suas mensagens resultem inteligíveis e interpretáveis. Neste contexto, concordamos com Possenti (2009, p.17) quando apregoa que o “objetivo da escola é ensinar o português padrão, ou seja, o de criar condições para que ele seja aprendido”. É bem verdade que a escola perde muito tempo às voltas com questões de nomenclaturas e de classificações e esquece-se do estudo das regras e dos usos da língua nos textos como unidades de ensino. A questão que se põe não é a de ensinar ou não ensinar regras gramaticais, mas que regras ensinar e em quais perspectivas. E aqui estamos falando de perspectivas pedagógicas e assim sendo, o professor de língua portuguesa deverá trazer para sala de aula, segundo Antunes (2009), uma gramática que seja relevante, que possam ampliar a competência comunicativa dos alunos, que seja funcional no sentido de suas aplicações em textos de diferentes gêneros, que tenha como referência o efetivo uso da língua o qual se materializa nos textos, que seja contextualizada na qual promova a produção e análise de textos a partir da realidade, que faça sentido e promova sentido na vida dos alunos, que considere mais de uma norma e, finalmente, “uma gramática que é da língua e das pessoas”, cujo grande objetivo é ampliar as competências comunicativas e interacionais dos alunos. Quando consideramos o trabalho com a gramática a partir de textos concretos e reais, estamos sendo referendados pelo PCN de Língua Portuguesa (2001) ao apontar que, Entre os principais recursos que precisam estar disponíveis na escola para viabilizar a proposta didática da área, estão os textos autênticos. A utilização de textos autênticos pressupõe cuidado com a manutenção de suas características gráficas: formatação, paginação, diferentes elementos utilizados para atribuição de sentido — como fotografias, desenhos gráficos, ilustrações, etc. Da mesma forma, é importante que esses textos, sempre que possível, sejam trazidos para a sala de aula nos seus portadores de origem (ainda que em algumas situações possam ser agrupados segundo gênero ou tema, por exemplo, para atender a necessidades específicas dos projetos de estudo). Diante de todas essas implicações e especificidades do ensino da gramática é importante incentivar na escola, projetos de intervenção que priorizem a reflexão e a análise linguística dentro de diferentes situações sociais e acadêmicas e nas relações que elas
  • 12. desempenham de censura e discriminação. Eis a razão, de nossa escolha por “Quarto de Despejo”, de Carolina Maria de Jesus, como mote provocador de nosso projeto. Carrijo (2011, p. 150), ao falar da materialidade discursiva de “Quarto de Despejo” infere que nele, (...) Se faz possível identificar, assinalar diversos recursos utilizados para compor o dizer. Trechos carregados de metáforas, textos (des)veladores dos motes utilizados nos textos de Casimiro de Abreu, emCastro Alves, o uso de metáforas, o recurso da hipercorreção – quando a instância-sujeito Carolina, sabendo-se não possuidora do código letrado, tenta se infiltrar nesse código e se corrigir – de tal modo que chega ao exagero ou, ainda, abeira-se ao que se conhece como hipercorreção: uso exagerado dos pronomes, escolha de vocábulos burilados, garimpados nos dicionários. Nesse sentido, o dizer de Carolina traz tatuada a marca do interdiscurso. Os “tropeços gramaticais” de Carolina não depõem contra a riqueza de seus textos. Pelo contrário, tais “tropeços” se tornam grandiosa possibilidade de perceber a riqueza social de uma língua no exercício real de seus sentidos. A presença de “erros gramaticais” e a utilização de recursos lexicais elaborados e a sofisticação vocabular característica de seus escritos são reveladores de seus mundos. Acreditamos que os alunos dos anos finais do ensino fundamental merecem e terão o prazer de conhecer: “Carolina Maria de Jesus, uma menina perguntadeira, atenta, questionadora e inquieta se deu conta de que as palavras não poderiam mudar o mundo, mas poderiam sim ajudar a contá-lo, inventá-lo e representá-lo. E porque concordamos com Calvino (1990) o parafraseamos argumentando que nossa confiança no futuro da humanidade consiste em saber que há coisas que só a literatura com seus meios específicos nos podem dar. METODOLOGIA A metodologia utilizada será dialógica, sempre respeitando os falares e dizeres dos alunos envolvidos na prática da regência. Em todos os momentos os alunos serão ouvidos, consultados e suas falas aproveitadas e/ou aprofundadas.
  • 13. Em todos os momentos as atividades serão previamente planejadas a partir das observações, inferências e participação dos alunos e dos docentes de Língua Portuguesa para que em seguida a regência aconteça e se efetive numa perspectiva de troca de saberes. Para que a regência nas turmas de 8º ano e 9º ano se concretize, lançaremos mão dos seguintes instrumentais: entrevista com professora e alunos, aplicação de questionários, aulas expositivas, trabalhos em grupos, leituras compartilhadas de excertos de textos, exercícios individuais e coletivos de análise lingüística e análise do discurso, construção de textos, monólogos teatrais com posterior apresentação. QUADRO 1- DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA E ATIVIDADES ESTAGIÁRIO: Locimar Massalai CURSO: Letras PERÍODO: 7º ANO: 2016 TEMA: LEITURA, PRODUÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA: as marcas de oralidade e de erudição em “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus Escola Estadual de Ensino Fundamental Nova Brasília - SÉRIES: 8º “A” e “B” e 9º “A” – TURNO: Vespertino CARGA HORÁRIA: 40 horas DATA CH ATIVIDADES ESTRATÉGIAS 05/09/2016 02 Planejamento de atividades junto ao professor regente das turmas Contato com os professores de Língua Portuguesa. Apresentação do projeto. 06/09/2016 04 O curso de Letras, a prática do Estágio, a Disciplina de Língua Portuguesa: o aluno merece saber como quais são suas dinâmicas e suas interfaces Aula realizada no Laboratório de Informática Educativa – atividades realizadas em grupos menores após orientações por parte do acadêmico. 14/09/2016 06 A leitura, a escrita, a biblioteca, o livro e a escola: uma relação antiga. Aula iniciada no LIE, com visita “in loco” à biblioteca da escola e manipulação de seu acervo destinado aos alunos de 6º ao 9º ano e finalizada com produção de textos em sala de aula. 20/09/2016 06 A leitura e a escrita de Carolina Maria de Jesus em “Quarto de despejo” Leitura compartilhada e teatralizada de textos, análise lingüística de textos, produção de textos e monólogos teatrais. 26/09/2016 06 Trabalhando com excertos de textos de “Quarto de Despejo” – monólogos Apresentação de monólogos teatrais de excertos do Diário da Favela, de Carolina Maria de Jesus 268 horas Regência Aulas, atividades em grupo, leituras 2 Salientamos que trabalhamos com três turmas, conforme consta no cabeçalho do “Quadro 01”. Sendo assim, cada hora aula é multiplicada por três que corresponde ao número de turmas trabalhadas.
  • 14. compartilhadas, construção de textos e teatro. Fonte: Locimar Massalai 5. CRONOGRAMA QUADRO 2- DATAS/HORÁRIOS E TURMAS ESTAGIÁRIO LOCIMAR MASSALAI TELEFONES: 3424-9223 E-MAIL: locimassalai@gmail.com ESCOLA: Nova Brasília ENDEREÇO Rua Cedro, nº 2311 TELEFONE 3424-5670 DATA SÉRIE C.H HORÁRIO 05/09/2016 Todas 02 13 às 15 horas 06/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17h15min 08/09/2016 8º “B” 05 13h15min às 17h15min 09/09/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min 12/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17 h15min 13/09/2016 8º “A” 02 13h15min às 15h15min 14/09/2016 8º “B” 05 13h15min às 1 h15min 15/09/2016 8º “B” 02 13h15min às 15h15min 16/09/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min 19/09/2016 9º “A” 02 13h15min às 15h15min 20/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17 h15min 21/09/2016 8º “A” 02 13h15min às 15h15min 22/09/2016 8º “B” 05 13h15min às 17 h15min 23/09/2016 8º “B” 02 13h15min às 15h15min 26/09/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min 27/09/2016 9º ”A” 02 13h15min às 15h15min 28/09/2016 8º “A” 05 13h15min às 17 h15min 29/09/2016 8º “A” 02 13h15min às 15h15min 03/10/2016 8º “B” 05 13h15min às 17 h15min 04/10/2016 8º “B” 02 13h15min às 15 h15min 05/10/2016 9º “A” 05 13h15min às 17 h15min 06/10/2016 9º”A” 02 13h15min às 15 h15min Fonte: Locimar Massalai
  • 15. REFERÊNCIAS ANTUNES, Irandé. Aula de Português: encontro e interação. 8ª ed. Parábola Editorial: São Paulo, 2009. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa. 3ª ed. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 2001. CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Cia das Letras, 1990. CARRIJO, Fabiana Rodrigues. Nas fissuras dos cadernos encardidos: o bordado testemunhal de Carolina Maria de Jesus. Revista OPSIS, Catalão, v. 11, nº 1, p.142-156, jan/jun, de 2011. COLOMER, Tereza. Andar entre livros. São Paulo: Global, 2007. Entrevista com a professora Conceição Evaristo sobre Carolina de Jesus (2015). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=EDYxWzhlFfw. Acesso em 19/09/2016. JESUS. Carolina Maria. Quarto de Despejo. Abril Cultural: São Paulo, 2013. LEAHY-DIOS, Cyana M. Vida e Poesia no Quarto de Despejo: Diário de uma favelada. Revista Semioses: Rio de Janeiro, v.7, nº 2, p. 26-34, jul./dez.2013. POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Mercado das Letras: Campinas, 2009. PRADO, Adélia. Entrevista com Adélia Prado. Revista na Ponta do Lápis: São Paulo, ano VI, nº 15, Dez/2010, p. 32 MEIHY, José Carlos sebe Bom. Cinderela Negra: a saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: editora UFRJ, 1994. Professor Regente Professor Orientador