SlideShare uma empresa Scribd logo
Crônicas Kadja Hurtado
Crônicas Crônica   é o único gênero literário produzido para ser veiculado na imprensa, ( revista, jornal). Na verdade,  ela é feita com uma finalidade  : agradar aos leitores dentro de um mesmo espaço e localização, criando-se assim, uma familiaridade entre o escritor e aqueles que o lêem.
Crônicas Origem: A palavra  crônica  deriva do Latim  chronica , que significava, no início da era cristã, o relato de acontecimentos em ordem cronológica (a narração de histórias segundo a ordem em que se sucedem no tempo). Era, portanto, um breve registro de eventos. No século XIX, com o desenvolvimento da imprensa, a crônica passou a fazer parte dos jornais.
Crônicas Características: •   A  crônica  é, primordialmente, um texto escrito para ser publicado no jornal; •   Há semelhanças entre a crônica e o texto exclusivamente informativo. Assim como o repórter, o cronista se inspira nos acontecimentos diários, que constituem a base da crônica;
Crônicas •   O cronista dá às crônicas um toque próprio, incluindo em seu texto elementos como ficção, fantasia, imaginação; •   Pode-se dizer que a crônica situa-se entre o Jornalismo e a Literatura;
Crônicas •   A crônica, na maioria dos casos, é um texto curto e narrado em primeira pessoa, ou seja, o próprio escritor está "dialogando" com o leitor; •   Ao desenvolver seu estilo e ao selecionar as palavras que utiliza em seu texto, o cronista está transmitindo ao leitor a sua visão de mundo.
Crônicas Geralmente, as crônicas apresentam linguagem simples, espontânea, situada entre a linguagem oral e a literária. P odemos determinar cinco pontos: •  Narração histórica pela ordem do tempo em que se deram os fatos;
Crônicas •   Seção ou artigo especial sobre literatura, assuntos científicos, esporte etc., em jornal ou outro periódico; •  Pequeno conto baseado em algo do cotidiano; •  Normalmente possuiu uma crítica indireta;
Crônicas •   Muitas vezes a crônica vem escrita em tom humorístico.  Exemplos deste tipo de crônica: •  Fernando Sabino; •   Millôr Fernandes.
Crônicas Crônica Narrativa  ~> Tem por eixo uma história, o que a aproxima do conto. Pode ser narrado tanto na primeira quanto na terceira pessoa do singular.  Texto lírico (poético, mesmo em prosa). Comprometido com fatos cotidianos (“banais” - comuns);
Crônicas Crônica Humorística  ~>  Apresenta uma visão irônica ou cômica dos fatos; Crônica Reflexiva  ~>  Reflexões filosóficas sobre vários assuntos. Apresenta uma reflexão de alcance mais geral a partir de um fato particular .
A Bola O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. Uma número 5 sem tento oficial de couro. Agora não era mais de couro, era de plástico. Mas era uma bola. O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse "Legal!".
A Bola Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando não gostam do presente ou não querem magoar o velho.  Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa. - Como e que liga? – perguntou. - Como, como é que liga? Não se liga. O garoto procurou dentro do papel de embrulho. - Não tem manual de instrução?
A Bola O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros. - Não precisa manual de instrução. - O que é que ela faz? - Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela. - O quê? - Controla, chuta... - Ah, então é uma bola. - Claro que é uma bola.
A Bola - Uma bola, bola. Uma bola mesmo.  - Você pensou que fosse o quê? - Nada, não. O garoto agradeceu, disse "Legal" de novo, e dali a pouco o pai o encontrou na frente da tevê, com a bola nova do lado, manejando os controles de um videogame. Algo chamado Monster Baú, em que times de monstrinhos disputavam a posse de uma bola em forma de blip eletrônico na tela ao mesmo tempo que tentavam se destruir mutuamente.
A Bola O garoto era bom no jogo. Tinha coordenação e raciocínio rápido. Estava ganhando da máquina. O pai pegou a bola nova e ensaiou algumas embaixadas.  Conseguiu equilibrar a bola no peito do pé, como antigamente, e chamou o garoto. - Filho, olha. O garoto disse "Legal" mas não desviou os olhos da tela.
A Bola O pai segurou a bola com as mãos e a cheirou, tentando recapturar mentalmente o cheiro de couro. A bola cheirava a nada. Talvez um manual de instrução fosse uma boa idéia, pensou. Mas em inglês, para a garotada se interessar.  (Luís Fernando Veríssimo)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
Tissiane Gomes
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Alice Nogueira
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano   paradidático 1 gabaritoAvaliação 7º ano   paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
Karla Costa
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
Jaciara Mota
 
Texto de divulgação científica
Texto de divulgação científicaTexto de divulgação científica
Texto de divulgação científica
Josiele Dognani
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
FATO E OPINIAO.pptx
FATO E OPINIAO.pptxFATO E OPINIAO.pptx
FATO E OPINIAO.pptx
IaneSousaBrandao
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Alice Silva
 
Cordel
CordelCordel
Verbete teoria
Verbete teoriaVerbete teoria
Verbete teoria
carla Furlan
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Elaboração de biografia
Elaboração de biografia Elaboração de biografia
Elaboração de biografia
Edson Alves
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 
O verbete
O verbeteO verbete
O verbete
ma.no.el.ne.ves
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
PaolaLins
 
Classes Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - RevisãoClasses Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - Revisão
Mary Alvarenga
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
Ana Lúcia Moura Neves
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
Vitória Medeiros
 

Mais procurados (20)

SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
 
4. generos textuais aula 3
4. generos textuais   aula 34. generos textuais   aula 3
4. generos textuais aula 3
 
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano   paradidático 1 gabaritoAvaliação 7º ano   paradidático 1 gabarito
Avaliação 7º ano paradidático 1 gabarito
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Texto de divulgação científica
Texto de divulgação científicaTexto de divulgação científica
Texto de divulgação científica
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
FATO E OPINIAO.pptx
FATO E OPINIAO.pptxFATO E OPINIAO.pptx
FATO E OPINIAO.pptx
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Cordel
CordelCordel
Cordel
 
Verbete teoria
Verbete teoriaVerbete teoria
Verbete teoria
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Elaboração de biografia
Elaboração de biografia Elaboração de biografia
Elaboração de biografia
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
O verbete
O verbeteO verbete
O verbete
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
 
Classes Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - RevisãoClasses Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - Revisão
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
 

Destaque

Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
Lineia Bertollo
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Marcia Oliveira
 
Crônica
CrônicaCrônica
Português 10ºano
Português   10ºanoPortuguês   10ºano
Português 10ºano
MissManson
 
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 AnoResumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Rui Oliveira
 
Funções sintáticas da frase
Funções sintáticas da fraseFunções sintáticas da frase
Funções sintáticas da frase
Vanda Marques
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadores
Margarida Tomaz
 

Destaque (7)

Gênero Cronica
Gênero Cronica Gênero Cronica
Gênero Cronica
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Português 10ºano
Português   10ºanoPortuguês   10ºano
Português 10ºano
 
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 AnoResumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
 
Funções sintáticas da frase
Funções sintáticas da fraseFunções sintáticas da frase
Funções sintáticas da frase
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadores
 

Semelhante a Cronicas

cronica slide.ppt
cronica slide.pptcronica slide.ppt
cronica slide.ppt
JULIANEDANCZUK
 
cronicas-1208643843442340-8 (1).pdf
cronicas-1208643843442340-8 (1).pdfcronicas-1208643843442340-8 (1).pdf
cronicas-1208643843442340-8 (1).pdf
GraziellyMartins4
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8
Edson Alves
 
Walcyr Carrasco / Oitavo Ano
Walcyr Carrasco / Oitavo AnoWalcyr Carrasco / Oitavo Ano
Walcyr Carrasco / Oitavo Ano
Paula Meyer Piagentini
 
Gêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.pptGêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.ppt
ssuser6fef02
 
Lucieny m3ativ3
Lucieny m3ativ3Lucieny m3ativ3
Lucieny m3ativ3
Lucienyfelix
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Marcia Facelli
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
Hermeson Aciole
 
Hec de coordenadoras
Hec de coordenadorasHec de coordenadoras
Hec de coordenadoras
Rosemary Batista
 
A crônica-2022.pdf
A crônica-2022.pdfA crônica-2022.pdf
A crônica-2022.pdf
GermanaRodrigues7
 
Oficina Crônica - Mercês Gomes
Oficina Crônica - Mercês GomesOficina Crônica - Mercês Gomes
Oficina Crônica - Mercês Gomes
MariadasMerces
 
Oficina cronica olp
Oficina  cronica   olpOficina  cronica   olp
Oficina cronica olp
MariadasMerces
 
O homem trocado
O homem trocadoO homem trocado
O homem trocado
Girleno Oliveira
 
Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira
Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura BrasileiraCrônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira
Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira
Eduarda Müller
 
Situação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leituraSituação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leitura
Gisa31
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Larissa Raminelli
 
Situaçâo de aprendizagem de leitura - Silvana
Situaçâo de aprendizagem de leitura - SilvanaSituaçâo de aprendizagem de leitura - Silvana
Situaçâo de aprendizagem de leitura - Silvana
Renata de Camargo
 
Slide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo CrônicaSlide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo Crônica
Jomari
 
Situação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leituraSituação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leitura
Augusto Matraga
 
GÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - Cartum
GÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - CartumGÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - Cartum
GÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - Cartum
Augusto Costa
 

Semelhante a Cronicas (20)

cronica slide.ppt
cronica slide.pptcronica slide.ppt
cronica slide.ppt
 
cronicas-1208643843442340-8 (1).pdf
cronicas-1208643843442340-8 (1).pdfcronicas-1208643843442340-8 (1).pdf
cronicas-1208643843442340-8 (1).pdf
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8
 
Walcyr Carrasco / Oitavo Ano
Walcyr Carrasco / Oitavo AnoWalcyr Carrasco / Oitavo Ano
Walcyr Carrasco / Oitavo Ano
 
Gêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.pptGêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.ppt
 
Lucieny m3ativ3
Lucieny m3ativ3Lucieny m3ativ3
Lucieny m3ativ3
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
 
Hec de coordenadoras
Hec de coordenadorasHec de coordenadoras
Hec de coordenadoras
 
A crônica-2022.pdf
A crônica-2022.pdfA crônica-2022.pdf
A crônica-2022.pdf
 
Oficina Crônica - Mercês Gomes
Oficina Crônica - Mercês GomesOficina Crônica - Mercês Gomes
Oficina Crônica - Mercês Gomes
 
Oficina cronica olp
Oficina  cronica   olpOficina  cronica   olp
Oficina cronica olp
 
O homem trocado
O homem trocadoO homem trocado
O homem trocado
 
Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira
Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura BrasileiraCrônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira
Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira
 
Situação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leituraSituação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leitura
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Situaçâo de aprendizagem de leitura - Silvana
Situaçâo de aprendizagem de leitura - SilvanaSituaçâo de aprendizagem de leitura - Silvana
Situaçâo de aprendizagem de leitura - Silvana
 
Slide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo CrônicaSlide Escrevendo Crônica
Slide Escrevendo Crônica
 
Situação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leituraSituação de aprendizagem de leitura
Situação de aprendizagem de leitura
 
GÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - Cartum
GÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - CartumGÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - Cartum
GÊNERO TEXTUAL - TIRINHAS - Charges - Cartum
 

Cronicas

  • 2. Crônicas Crônica é o único gênero literário produzido para ser veiculado na imprensa, ( revista, jornal). Na verdade, ela é feita com uma finalidade : agradar aos leitores dentro de um mesmo espaço e localização, criando-se assim, uma familiaridade entre o escritor e aqueles que o lêem.
  • 3. Crônicas Origem: A palavra crônica deriva do Latim chronica , que significava, no início da era cristã, o relato de acontecimentos em ordem cronológica (a narração de histórias segundo a ordem em que se sucedem no tempo). Era, portanto, um breve registro de eventos. No século XIX, com o desenvolvimento da imprensa, a crônica passou a fazer parte dos jornais.
  • 4. Crônicas Características: • A crônica é, primordialmente, um texto escrito para ser publicado no jornal; • Há semelhanças entre a crônica e o texto exclusivamente informativo. Assim como o repórter, o cronista se inspira nos acontecimentos diários, que constituem a base da crônica;
  • 5. Crônicas • O cronista dá às crônicas um toque próprio, incluindo em seu texto elementos como ficção, fantasia, imaginação; • Pode-se dizer que a crônica situa-se entre o Jornalismo e a Literatura;
  • 6. Crônicas • A crônica, na maioria dos casos, é um texto curto e narrado em primeira pessoa, ou seja, o próprio escritor está "dialogando" com o leitor; • Ao desenvolver seu estilo e ao selecionar as palavras que utiliza em seu texto, o cronista está transmitindo ao leitor a sua visão de mundo.
  • 7. Crônicas Geralmente, as crônicas apresentam linguagem simples, espontânea, situada entre a linguagem oral e a literária. P odemos determinar cinco pontos: • Narração histórica pela ordem do tempo em que se deram os fatos;
  • 8. Crônicas • Seção ou artigo especial sobre literatura, assuntos científicos, esporte etc., em jornal ou outro periódico; • Pequeno conto baseado em algo do cotidiano; • Normalmente possuiu uma crítica indireta;
  • 9. Crônicas • Muitas vezes a crônica vem escrita em tom humorístico. Exemplos deste tipo de crônica: • Fernando Sabino; • Millôr Fernandes.
  • 10. Crônicas Crônica Narrativa ~> Tem por eixo uma história, o que a aproxima do conto. Pode ser narrado tanto na primeira quanto na terceira pessoa do singular. Texto lírico (poético, mesmo em prosa). Comprometido com fatos cotidianos (“banais” - comuns);
  • 11. Crônicas Crônica Humorística ~> Apresenta uma visão irônica ou cômica dos fatos; Crônica Reflexiva ~> Reflexões filosóficas sobre vários assuntos. Apresenta uma reflexão de alcance mais geral a partir de um fato particular .
  • 12. A Bola O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. Uma número 5 sem tento oficial de couro. Agora não era mais de couro, era de plástico. Mas era uma bola. O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse "Legal!".
  • 13. A Bola Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando não gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa. - Como e que liga? – perguntou. - Como, como é que liga? Não se liga. O garoto procurou dentro do papel de embrulho. - Não tem manual de instrução?
  • 14. A Bola O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros. - Não precisa manual de instrução. - O que é que ela faz? - Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela. - O quê? - Controla, chuta... - Ah, então é uma bola. - Claro que é uma bola.
  • 15. A Bola - Uma bola, bola. Uma bola mesmo. - Você pensou que fosse o quê? - Nada, não. O garoto agradeceu, disse "Legal" de novo, e dali a pouco o pai o encontrou na frente da tevê, com a bola nova do lado, manejando os controles de um videogame. Algo chamado Monster Baú, em que times de monstrinhos disputavam a posse de uma bola em forma de blip eletrônico na tela ao mesmo tempo que tentavam se destruir mutuamente.
  • 16. A Bola O garoto era bom no jogo. Tinha coordenação e raciocínio rápido. Estava ganhando da máquina. O pai pegou a bola nova e ensaiou algumas embaixadas. Conseguiu equilibrar a bola no peito do pé, como antigamente, e chamou o garoto. - Filho, olha. O garoto disse "Legal" mas não desviou os olhos da tela.
  • 17. A Bola O pai segurou a bola com as mãos e a cheirou, tentando recapturar mentalmente o cheiro de couro. A bola cheirava a nada. Talvez um manual de instrução fosse uma boa idéia, pensou. Mas em inglês, para a garotada se interessar. (Luís Fernando Veríssimo)