SlideShare uma empresa Scribd logo
Pré-modernismo
A transição literária do século xx
Momento histórico
Fim do século XIX
Início da “República do
café-com-leite”, na qual os
grandes proprietários
rurais exerciam enorme
influência.
Urbanização, ainda
incipiente, dava sinais de
crescimento
principalmente em São
Paulo. Caricatura de Osvaldo Storni sobre as eleições de 1910
Momento histórico
• Ciclo da borracha desloca para
o norte a riqueza do país
• Algumas regiões prosperavam
em meio ao atraso
irremediável de outras.
• Revolta de Canudos, na Bahia;
a série de conflitos no Ceará
em torno do religioso Padre
Cícero; e o cangaço.
O bando de cangaceiros de Lampião
Momento histórico
• A capital, Rio de Janeiro,
sangrava seus problemas
sociais.
• Revolta da Vacina – uma
rebelião popular contra a
vacinação obrigatória
• Revolta da Chibata – uma
rebelião de marinheiros
contra os castigos físicos.
Charge de Leônidas sobre a Revolta da Vacina
Estética
• Não se pode dizer que o Pré-
modernismo constitui-se em
uma escola literária em si.
• É, em verdade, um conjunto de
manifestações do espírito de
uma época, que apresentava o
novo, rompia com o velho, mas
ainda não possuía um rumo
certo ou uma clara intenção
estética.
Rua da Carioca, início dos anos 1900
Estética
• o final do século XIX e início
do século XX é um tempo de
prosperidade dos livreiros,
época do crescimento do
mercado editorial no país
• Os autores dessa época são
influenciados
principalmente pelo
Realismo.
• Os escritores românticos,
parnasianos e simbolistas
ainda publicavam seus
livros. Livraria Garnier, Rio de Janeiro
Estética
• Esses novos autores demonstram
um grande interesse pela
realidade nacional.
• O cotidiano brasileiro passa a ser
exposto nas páginas dos livros,
dando espaço a criação de obras
de nítida preocupação social.
• Os tipos marginalizados, as lutas
inglórias e as mazelas do povo
passam a ser os temas da prosa
pré-modernista. O povoado de Canudos
Estética
• A aproximação com a realidade
brasileira traz como consequência
formal a busca por uma linguagem
mais simples, mais direta,
coloquial, próxima da população.
• Os textos apresentam linguagem
jornalística, aproximando-se, por
vezes, mais da realidade que de
um estilo artístico propriamente
dito.
Estética
• Na poesia, a ruptura fica por conta
de um dos mais geniais poetas que já
surgiram: Augusto dos Anjos.
• Irônico e pessimista, rompe com o
linguajar poético, tripudia do
realismo e do materialismo, brinca
com as ciências e a filosofia.
• Tivesse nascido dez anos depois,
seguramente estaria no rol dos
maiores modernistas brasileiros.
Augusto dos Anjos
PRÉ-MODERNISMO
CARACTERÍSTICAS
MOVIMENTO HERDEIRO DO REALISMO
REGIONALISMO
LINGUAGEM SIMPLES
DENÚNCIA SOCIAL
EXPOSIÇÃO DA REALIDADE NACIONAL
AUTORES
Euclides da Cunha
Lima Barreto
Monteiro Lobato
Augusto dos Anjos
DURAÇÃO 20 ANOS
ESTÉTICA
INFLUÊNCIA
FORMALIDADE
RELEVÂNCIA
1902 - 1922



SEGALL, Lasar. Aldeia russa (1912)
Euclides da Cunha
“O sertanejo é, antes de tudo,
um forte. Não tem o
raquitismo exaustivo dos
mestiços do litoral. A sua
aparência, entretanto, ao
primeiro lance de vista, revela
o contrário. É desengonçado,
torto. Hércules-Quasímodo,
reflete no aspecto a fealdade
típica dos fracos.”
Os sertões
Cantagalo (RJ), 1866 – Rio de Janeiro (RJ), 1909
• Positivista e republicano
• Cobriu como jornalista a Revolta
de Canudos
• Caráter cientificista
• Descrição de Canudos: o
homem, a terra e a luta
• Morreu assassinado na
”Tragédia da Piedade"
Lima Barreto
“E era assim todos os dias,
há quase trinta anos.
Vivendo em casa própria e
tendo outros rendimentos
além do seu ordenado, o
Major Quaresma podia
levar um trem de vida
superior ao seus recursos
burocráticos, gozando, por
parte da vizinhança, da
consideração e respeito de
homem abastado.“
Triste Fim de Policarpo
Quaresma
Rio de Janeiro (RJ), 1881 - 1922
• Vítima de preconceito racial
• Alcoólatra
• Militante socialista
• Defesa dos direitos femininos
• Denúncia das desigualdades e
preconceitos
• Ridicularização dos políticos e da classe
média
• Descrição dos subúbrbios e de
personagens marginais do Rio de
Janeiro
Monteiro Lobato
“- Upa! Cavalgo e parto.
Por estes dias de março a
natureza acorda tarde. Passa as
manhãs embrulhada num roupão
de neblina e é com
espreguiçamentos de mulher
vadia que despe os véus da
cerração para o banho de sol.
A névoa esmaia o relevo da
paisagem, desbota-lhe as cores.
Tudo parece coado através dum
cristal despolido.”
Urupês
Taubaté (SP), 1882 – São Paulo (SP), 1948
• Polêmico colunista de jornal
• Moralista e conservador
• Nacionalista
• Crítico do atraso do país
• Defensor do progresso material e
cultural do povo
• Estilo literário sem grandes inovações
• Inaugura a literatura infantil nacional
• Crítico ferrenho da arte modernista
Augusto dos Anjos
Vila do Espírito Santo (PB), 1884 – Leopoldina (MG), 1914
• Apropria-se de todas as tendências da época
• Linguagem científica aliada à agressividade e vulgaridade
volcabular
• Palavras antipoéticas
• Temática da morte, dos cadáveres, dos vermes e dos
fluidos corporais
• Pessimista
• Expressava a angústia da matéria
VERSOS ÍNTIMOS
Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!
Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.
Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.
Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
Colégio Santa Luzia
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
Ademir Miranda
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
Luan Victor
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
Andriane Cursino
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 

Mais procurados (20)

O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 

Semelhante a Pré-modernismo

Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Walace Cestari
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
José Levy
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
Colégio Elisa Andreoli
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
professorakarin2013
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Cláudia Heloísa
 
Pr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª LisandraPr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª Lisandra
Laboratório de Informática
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
Miuria Goes
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
Luana Cristeinsen
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Faell Vasconcelos
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
Uniesp
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
Marlene Cunhada
 
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
JeissyCosta
 

Semelhante a Pré-modernismo (20)

Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª LisandraPr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª Lisandra
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
 

Mais de Walace Cestari

O romance de 30
O romance de 30O romance de 30
O romance de 30
Walace Cestari
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Walace Cestari
 
Os heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - ModernismoOs heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - Modernismo
Walace Cestari
 
Sete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literaturaSete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literatura
Walace Cestari
 
Vanguardas européias
Vanguardas européiasVanguardas européias
Vanguardas européias
Walace Cestari
 
Impressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIXImpressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIX
Walace Cestari
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Walace Cestari
 
Realismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assisRealismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assis
Walace Cestari
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
Walace Cestari
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Walace Cestari
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Romantismo à brasileira
Romantismo à brasileiraRomantismo à brasileira
Romantismo à brasileira
Walace Cestari
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Walace Cestari
 
Romantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesaRomantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesa
Walace Cestari
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Walace Cestari
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Walace Cestari
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Walace Cestari
 
Resumos
ResumosResumos
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
Walace Cestari
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
Walace Cestari
 

Mais de Walace Cestari (20)

O romance de 30
O romance de 30O romance de 30
O romance de 30
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
 
Os heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - ModernismoOs heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - Modernismo
 
Sete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literaturaSete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literatura
 
Vanguardas européias
Vanguardas européiasVanguardas européias
Vanguardas européias
 
Impressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIXImpressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIX
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Realismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assisRealismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assis
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Romantismo à brasileira
Romantismo à brasileiraRomantismo à brasileira
Romantismo à brasileira
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesaRomantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesa
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 

Último

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 

Último (20)

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 

Pré-modernismo

  • 2. Momento histórico Fim do século XIX Início da “República do café-com-leite”, na qual os grandes proprietários rurais exerciam enorme influência. Urbanização, ainda incipiente, dava sinais de crescimento principalmente em São Paulo. Caricatura de Osvaldo Storni sobre as eleições de 1910
  • 3. Momento histórico • Ciclo da borracha desloca para o norte a riqueza do país • Algumas regiões prosperavam em meio ao atraso irremediável de outras. • Revolta de Canudos, na Bahia; a série de conflitos no Ceará em torno do religioso Padre Cícero; e o cangaço. O bando de cangaceiros de Lampião
  • 4. Momento histórico • A capital, Rio de Janeiro, sangrava seus problemas sociais. • Revolta da Vacina – uma rebelião popular contra a vacinação obrigatória • Revolta da Chibata – uma rebelião de marinheiros contra os castigos físicos. Charge de Leônidas sobre a Revolta da Vacina
  • 5. Estética • Não se pode dizer que o Pré- modernismo constitui-se em uma escola literária em si. • É, em verdade, um conjunto de manifestações do espírito de uma época, que apresentava o novo, rompia com o velho, mas ainda não possuía um rumo certo ou uma clara intenção estética. Rua da Carioca, início dos anos 1900
  • 6. Estética • o final do século XIX e início do século XX é um tempo de prosperidade dos livreiros, época do crescimento do mercado editorial no país • Os autores dessa época são influenciados principalmente pelo Realismo. • Os escritores românticos, parnasianos e simbolistas ainda publicavam seus livros. Livraria Garnier, Rio de Janeiro
  • 7. Estética • Esses novos autores demonstram um grande interesse pela realidade nacional. • O cotidiano brasileiro passa a ser exposto nas páginas dos livros, dando espaço a criação de obras de nítida preocupação social. • Os tipos marginalizados, as lutas inglórias e as mazelas do povo passam a ser os temas da prosa pré-modernista. O povoado de Canudos
  • 8. Estética • A aproximação com a realidade brasileira traz como consequência formal a busca por uma linguagem mais simples, mais direta, coloquial, próxima da população. • Os textos apresentam linguagem jornalística, aproximando-se, por vezes, mais da realidade que de um estilo artístico propriamente dito.
  • 9. Estética • Na poesia, a ruptura fica por conta de um dos mais geniais poetas que já surgiram: Augusto dos Anjos. • Irônico e pessimista, rompe com o linguajar poético, tripudia do realismo e do materialismo, brinca com as ciências e a filosofia. • Tivesse nascido dez anos depois, seguramente estaria no rol dos maiores modernistas brasileiros. Augusto dos Anjos
  • 10. PRÉ-MODERNISMO CARACTERÍSTICAS MOVIMENTO HERDEIRO DO REALISMO REGIONALISMO LINGUAGEM SIMPLES DENÚNCIA SOCIAL EXPOSIÇÃO DA REALIDADE NACIONAL AUTORES Euclides da Cunha Lima Barreto Monteiro Lobato Augusto dos Anjos DURAÇÃO 20 ANOS ESTÉTICA INFLUÊNCIA FORMALIDADE RELEVÂNCIA 1902 - 1922    SEGALL, Lasar. Aldeia russa (1912)
  • 11. Euclides da Cunha “O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem o raquitismo exaustivo dos mestiços do litoral. A sua aparência, entretanto, ao primeiro lance de vista, revela o contrário. É desengonçado, torto. Hércules-Quasímodo, reflete no aspecto a fealdade típica dos fracos.” Os sertões Cantagalo (RJ), 1866 – Rio de Janeiro (RJ), 1909 • Positivista e republicano • Cobriu como jornalista a Revolta de Canudos • Caráter cientificista • Descrição de Canudos: o homem, a terra e a luta • Morreu assassinado na ”Tragédia da Piedade"
  • 12. Lima Barreto “E era assim todos os dias, há quase trinta anos. Vivendo em casa própria e tendo outros rendimentos além do seu ordenado, o Major Quaresma podia levar um trem de vida superior ao seus recursos burocráticos, gozando, por parte da vizinhança, da consideração e respeito de homem abastado.“ Triste Fim de Policarpo Quaresma Rio de Janeiro (RJ), 1881 - 1922 • Vítima de preconceito racial • Alcoólatra • Militante socialista • Defesa dos direitos femininos • Denúncia das desigualdades e preconceitos • Ridicularização dos políticos e da classe média • Descrição dos subúbrbios e de personagens marginais do Rio de Janeiro
  • 13. Monteiro Lobato “- Upa! Cavalgo e parto. Por estes dias de março a natureza acorda tarde. Passa as manhãs embrulhada num roupão de neblina e é com espreguiçamentos de mulher vadia que despe os véus da cerração para o banho de sol. A névoa esmaia o relevo da paisagem, desbota-lhe as cores. Tudo parece coado através dum cristal despolido.” Urupês Taubaté (SP), 1882 – São Paulo (SP), 1948 • Polêmico colunista de jornal • Moralista e conservador • Nacionalista • Crítico do atraso do país • Defensor do progresso material e cultural do povo • Estilo literário sem grandes inovações • Inaugura a literatura infantil nacional • Crítico ferrenho da arte modernista
  • 14. Augusto dos Anjos Vila do Espírito Santo (PB), 1884 – Leopoldina (MG), 1914 • Apropria-se de todas as tendências da época • Linguagem científica aliada à agressividade e vulgaridade volcabular • Palavras antipoéticas • Temática da morte, dos cadáveres, dos vermes e dos fluidos corporais • Pessimista • Expressava a angústia da matéria
  • 15. VERSOS ÍNTIMOS Vês! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão - esta pantera - Foi tua companheira inseparável! Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja. Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!