SlideShare uma empresa Scribd logo
Romantismo à brasileira
Origens da fundação da literatura nacional
Antecedentes
históricos
• Chegada da família
real em 1808
• A urbanização do Rio
de Janeiro e o contato
com a corte
propiciam o campo
necessário à
divulgação das
influências europeias.
• Elevação da autoestima nacional, com a promoção ao status de
Reino Unido.
• Crescente sentimento nacionalista.
• A Independência
em 1822 faz crescer
ainda mais o
sentimento
nacionalista
• O ideal de
autonomia nacional
manifesta-se na
política e nas artes
• Sentimento de
lusofobia
• Interesse do novo
governo em ofuscar
as crises sociais,
financeiras e
econômicas geradas
pela separação da
corte portuguesa
• A Independência
em 1822 faz crescer
ainda mais o
sentimento
nacionalista
• O ideal de
autonomia nacional
manifesta-se na
política e nas artes
• Sentimento de
lusofobia
• Interesse do novo
governo em ofuscar
as crises sociais,
financeiras e
econômicas geradas
pela separação da
corte portuguesa
• O Primeiro reinado é um momento conturbado da
política brasileira
• Autoritarismo de D. Pedro I, representada pela
dissolução do Congresso e pela outorga de uma
Constituição
• A luta pelo trono português que acaba por aclamá-lo
Pedro IV, a Confederação do Equador e a abdicação.
DEBRET, Jean-
Baptiste. Coroação
de D. Pedro I, 1828
• A independência política teve
suas consequências
socioculturais:
• surgem as instituições
universitárias
• Os escritores são os principais
intérpretes dos anseios desse
novo quadro social
• Necessidade de afirmação de uma arte nacional
• Surgimento de um público leitor, formado, em
especial, por senhoras ricas da sociedade e
estudantes que agora fervilhavam na capital
A afirmação romântica nacional
• A arte romântica brasileira faz adaptações nacionais dos
conceitos do Romantismo europeu
• O sentimento burguês europeu inexistia em um país sem
burguesia
• Os valores do Romantismo europeu adequavam-se às
exigências ideológicas dos escritores brasileiros
• O nacionalismo é a base de toda a criação do espírito
romântico brasileiro
• Os princípios nacionalistas entretanto estavam
comprometidos com uma visão europeia de mundo.
• O nacionalismo romântico brasileiro é feito de imagens
exteriores e contém mais paisagem do que qualquer
ideologia.
• Oposição à arte clássica, sinônimo de dominação
portuguesa.
MOREAUX, François-René. Proclamação da independência, 1844
AMÉRICO, Pedro. Independência ou morte, 1888
• Intensificam-se
tendências como a
busca do passado
histórico
• A exaltação da
natureza, do exótico,
encontra no Brasil
uma natureza
exuberante, própria
para sentimentos
ufanistas
• Sentimento de
grandiosidade
TAUNAY, Félix-Émile. Vista da
mãe d’água, 1840
• A necessidade de valores heroicos insiprados nos
civilizados heróis clássicos medievais europeus
• Idealização do índio como bom selvagem, promovendo
os valores heroicos europeus, um modelo da formação
do povo brasileiro.
AMOEDO, Rodolfo.
Marabá, 1882
Nasce a literatura romântica
• Publicação, em Paris, da
revista Niterói em 1836
deflagrando o movimento
romântico
• A produção foi elaborada por
intelectuais que estudavam na
Europa, propondo a
investigação "das letras, artes
e ciências brasilienses”
• Gonçalves de Magalhães,
lançaria no mesmo ano o livro
que é considerado o marco do
Romantismo no Brasil:
Suspiros poéticos e saudades.
• Os primeiros autores românticos viviam à sombra do
poder, exercendo importantes cargos políticos, como
ministros, secretários, embaixadores ou burocratas do
alto escalão.
• Isso auxiliou na construção de uma arte cuja visão era
dominante e conservadora
• A visão nacional ignorou a escravidão e a pobreza, os
privilégios das elites e a miséria das ruas
• Talvez tenha sido fruto de um pensamento de mercado,
tendo em vista que essa visão correspondia às
expectativas de seus leitores.
• A celebração do idílio e da natureza, a mitificação das
regiões e do índio, criava uma arte conservadora, muito
ao gosto do público que a consumia.
Perspectivas românticas
As fases do Romantismo brasileiro
As gerações
• O estudo do Romantismo pode ser divido em três gerações
distintas, sem que isso signifique uma separação rígida
entre elas.
• Cada autor passeia pelas gerações assumindo com maior ou
menor intensidade suas características
• Há também uma grande diferença entre as obras produzidas
em prosa e poesia, já que adotam características distintas,
atendendo a interesses específicos no quadro de leitores.
• As gerações apresentam temas e visões de mundo
diferenciadas, de perspectiva própria, embora marcadas
pelo caráter romântico.
• Os elementos que definem cada uma delas não são
exclusivos, demonstrando pontos de contato de forma
bastante acentuada.
Geração nacionalista ou indianista
• Intenso sentimento nacionalista
• Saudade da Pátria
• Valorização da natureza
• Retorno à religiosidade cristã.
• Desenvolvimento de uma espécie de novo amor cortês,
platônico e impossível, retomando as novelas de
cavalaria europeias da Idade Média.
• O índio surge como o verdadeiro herói nacional, muito
em razão de substituir figura do cavaleiro medieval,
inexistente na história brasileira.
• O índio apresenta valores clássicos e comportamento
europeu.
Ultrarromantismo ou Mal do século
• Influenciada pelo poeta Inglês Lord Byron, a
geração também leva a alcunha de byronista
• Idealização extrema do amor
• Exageros e sentimentalismo
• Temas ligados ao tédio, à morte, ao suicído,às
sombras, à dor e ao sofrimento.
• O medo de amar era constante e levava à evasão
poética.
• A evasão levava a lugares exóticos, à própria
infância e, mais comumente à morte.
Geração social ou condoreirismo
• Forte preocupação social, influenciada pelos
movimentos abolicionista e republicano que ganhavam
força no cenário político.
• Denúncia da escravidão, defesa das causas
humanitárias, canta a liberdade, opõe-se à monarquia.
• No campo dos sentimentos, a sensualidade volta à tona
e surge um amor erótico, possível de se realizar.
• É, em verdade, um momento de transição do
Romantismo para o movimento Realista que já começa
a se manifestar em alguns autores.
(UEL-PR) O Romantismo, graças à ideologia dominante e
a um complexo conteúdo artístico, social e político,
caracteriza-se como uma época propícia ao
aparecimento de naturezas humanas marcadas por
A. teocentrismo, hipersensibilidade, alegria, otimismo e
crença na sociedade.
B. etnocentrismo, insensibilidade, descontração,
otimismo e crença na sociedade.
C. egocentrismo, hipersensibilidade, melancolia,
pessimismo, angústia e desespero.
D. teocentrismo, insensibilidade, descontração, angústia
e desesperança.
E. egocentrismo, hipersensibilidade, alegria,
descontração e crença no futuro.
O indianismo de nossos poetas românticos é:
A. uma forma de apresentar o índio em toda a sua realidade
objetiva; o índio como elemento étnico da futura raça
brasileira.
B. um meio de reconstruir o grave perigo que o índio
representava durante a instalação da capitania de São
Vicente.
C. um modelo francês seguido no Brasil; uma necessidade
de exotismo que em nada difere do modelo europeu.
D. um meio de eternizar liricamente a aceitação, pelo índio,
da nova civilização que se instalava.
E. uma forma de apresentar o índio como motivo estético;
idealização com simpatia e piedade; exaltação da bravura,
do heroísmo e de todas as qualidades morais superiores.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Realismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assisRealismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assis
Walace Cestari
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
kacau
 
O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal
O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e idealO Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal
O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal
Laryssa Prudencio
 
Romantismo geral
Romantismo geralRomantismo geral
Romantismo geral
Lorena Felipe
 
Romantismo resumo
Romantismo resumoRomantismo resumo
Romantismo resumo
Walace Cestari
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Walace Cestari
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
Walace Cestari
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
John Joseph
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Tim Bagatelas
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
NAPNE
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
Sirlene Rosa Santos
 
Características do Romantismo
Características do RomantismoCaracterísticas do Romantismo
Características do Romantismo
Anabela Fernandes
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
DanielyOliveira16
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
vinivs
 
Prosa romântica brasileira
Prosa romântica brasileiraProsa romântica brasileira
Prosa romântica brasileira
Wesley Silva
 

Mais procurados (19)

Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Realismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assisRealismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assis
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
 
O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal
O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e idealO Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal
O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal
 
Romantismo geral
Romantismo geralRomantismo geral
Romantismo geral
 
Romantismo resumo
Romantismo resumoRomantismo resumo
Romantismo resumo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
 
Características do Romantismo
Características do RomantismoCaracterísticas do Romantismo
Características do Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Prosa romântica brasileira
Prosa romântica brasileiraProsa romântica brasileira
Prosa romântica brasileira
 

Semelhante a Romantismo à brasileira

Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
WandersonBarros16
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
ANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdfromantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
GANHADODINHEIRO
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Susana Simões
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
jasonrplima
 
A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt ok
Sabrina Gomes
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
Elizeth608
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Milena Silva
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
Andriane Cursino
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
ROMANTISMO III
ROMANTISMO IIIROMANTISMO III
ROMANTISMO III
CarlaRosario
 
slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...
slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...
slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...
almeidabrayna
 
tudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismotudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismo
Felipe Alencar Barros
 

Semelhante a Romantismo à brasileira (20)

Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdfromantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O guarani - José de Alencar
O guarani - José de AlencarO guarani - José de Alencar
O guarani - José de Alencar
 
A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt ok
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
ROMANTISMO III
ROMANTISMO IIIROMANTISMO III
ROMANTISMO III
 
slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...
slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...
slidesgo-o-movimento-romantico-na-literatura-brasileira-20240528002940ko06 (1...
 
tudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismotudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismo
 

Mais de Walace Cestari

O romance de 30
O romance de 30O romance de 30
O romance de 30
Walace Cestari
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Walace Cestari
 
Os heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - ModernismoOs heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - Modernismo
Walace Cestari
 
Sete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literaturaSete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literatura
Walace Cestari
 
Vanguardas européias
Vanguardas européiasVanguardas européias
Vanguardas européias
Walace Cestari
 
Impressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIXImpressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIX
Walace Cestari
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Walace Cestari
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
Walace Cestari
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Walace Cestari
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Walace Cestari
 
Romantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesaRomantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesa
Walace Cestari
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Walace Cestari
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Walace Cestari
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Walace Cestari
 
Resumos
ResumosResumos
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
Walace Cestari
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
Walace Cestari
 
Dificuldades
DificuldadesDificuldades
Dificuldades
Walace Cestari
 

Mais de Walace Cestari (20)

O romance de 30
O romance de 30O romance de 30
O romance de 30
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
 
Os heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - ModernismoOs heróis desvairados - Modernismo
Os heróis desvairados - Modernismo
 
Sete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literaturaSete dias que abalaram a literatura
Sete dias que abalaram a literatura
 
Vanguardas européias
Vanguardas européiasVanguardas européias
Vanguardas européias
 
Impressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIXImpressionismo e a arte do final do século XIX
Impressionismo e a arte do final do século XIX
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesaRomantismo I - a arte burguesa
Romantismo I - a arte burguesa
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Resumos
ResumosResumos
Resumos
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Dificuldades
DificuldadesDificuldades
Dificuldades
 

Último

SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 

Último (20)

SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 

Romantismo à brasileira

  • 1. Romantismo à brasileira Origens da fundação da literatura nacional
  • 2. Antecedentes históricos • Chegada da família real em 1808 • A urbanização do Rio de Janeiro e o contato com a corte propiciam o campo necessário à divulgação das influências europeias. • Elevação da autoestima nacional, com a promoção ao status de Reino Unido. • Crescente sentimento nacionalista.
  • 3. • A Independência em 1822 faz crescer ainda mais o sentimento nacionalista • O ideal de autonomia nacional manifesta-se na política e nas artes • Sentimento de lusofobia • Interesse do novo governo em ofuscar as crises sociais, financeiras e econômicas geradas pela separação da corte portuguesa • A Independência em 1822 faz crescer ainda mais o sentimento nacionalista • O ideal de autonomia nacional manifesta-se na política e nas artes • Sentimento de lusofobia • Interesse do novo governo em ofuscar as crises sociais, financeiras e econômicas geradas pela separação da corte portuguesa
  • 4. • O Primeiro reinado é um momento conturbado da política brasileira • Autoritarismo de D. Pedro I, representada pela dissolução do Congresso e pela outorga de uma Constituição • A luta pelo trono português que acaba por aclamá-lo Pedro IV, a Confederação do Equador e a abdicação. DEBRET, Jean- Baptiste. Coroação de D. Pedro I, 1828
  • 5. • A independência política teve suas consequências socioculturais: • surgem as instituições universitárias • Os escritores são os principais intérpretes dos anseios desse novo quadro social • Necessidade de afirmação de uma arte nacional • Surgimento de um público leitor, formado, em especial, por senhoras ricas da sociedade e estudantes que agora fervilhavam na capital
  • 6. A afirmação romântica nacional • A arte romântica brasileira faz adaptações nacionais dos conceitos do Romantismo europeu • O sentimento burguês europeu inexistia em um país sem burguesia • Os valores do Romantismo europeu adequavam-se às exigências ideológicas dos escritores brasileiros • O nacionalismo é a base de toda a criação do espírito romântico brasileiro • Os princípios nacionalistas entretanto estavam comprometidos com uma visão europeia de mundo. • O nacionalismo romântico brasileiro é feito de imagens exteriores e contém mais paisagem do que qualquer ideologia. • Oposição à arte clássica, sinônimo de dominação portuguesa.
  • 7. MOREAUX, François-René. Proclamação da independência, 1844
  • 9. • Intensificam-se tendências como a busca do passado histórico • A exaltação da natureza, do exótico, encontra no Brasil uma natureza exuberante, própria para sentimentos ufanistas • Sentimento de grandiosidade TAUNAY, Félix-Émile. Vista da mãe d’água, 1840
  • 10. • A necessidade de valores heroicos insiprados nos civilizados heróis clássicos medievais europeus • Idealização do índio como bom selvagem, promovendo os valores heroicos europeus, um modelo da formação do povo brasileiro. AMOEDO, Rodolfo. Marabá, 1882
  • 11. Nasce a literatura romântica • Publicação, em Paris, da revista Niterói em 1836 deflagrando o movimento romântico • A produção foi elaborada por intelectuais que estudavam na Europa, propondo a investigação "das letras, artes e ciências brasilienses” • Gonçalves de Magalhães, lançaria no mesmo ano o livro que é considerado o marco do Romantismo no Brasil: Suspiros poéticos e saudades.
  • 12. • Os primeiros autores românticos viviam à sombra do poder, exercendo importantes cargos políticos, como ministros, secretários, embaixadores ou burocratas do alto escalão. • Isso auxiliou na construção de uma arte cuja visão era dominante e conservadora • A visão nacional ignorou a escravidão e a pobreza, os privilégios das elites e a miséria das ruas • Talvez tenha sido fruto de um pensamento de mercado, tendo em vista que essa visão correspondia às expectativas de seus leitores. • A celebração do idílio e da natureza, a mitificação das regiões e do índio, criava uma arte conservadora, muito ao gosto do público que a consumia.
  • 13. Perspectivas românticas As fases do Romantismo brasileiro
  • 14. As gerações • O estudo do Romantismo pode ser divido em três gerações distintas, sem que isso signifique uma separação rígida entre elas. • Cada autor passeia pelas gerações assumindo com maior ou menor intensidade suas características • Há também uma grande diferença entre as obras produzidas em prosa e poesia, já que adotam características distintas, atendendo a interesses específicos no quadro de leitores. • As gerações apresentam temas e visões de mundo diferenciadas, de perspectiva própria, embora marcadas pelo caráter romântico. • Os elementos que definem cada uma delas não são exclusivos, demonstrando pontos de contato de forma bastante acentuada.
  • 15. Geração nacionalista ou indianista • Intenso sentimento nacionalista • Saudade da Pátria • Valorização da natureza • Retorno à religiosidade cristã. • Desenvolvimento de uma espécie de novo amor cortês, platônico e impossível, retomando as novelas de cavalaria europeias da Idade Média. • O índio surge como o verdadeiro herói nacional, muito em razão de substituir figura do cavaleiro medieval, inexistente na história brasileira. • O índio apresenta valores clássicos e comportamento europeu.
  • 16. Ultrarromantismo ou Mal do século • Influenciada pelo poeta Inglês Lord Byron, a geração também leva a alcunha de byronista • Idealização extrema do amor • Exageros e sentimentalismo • Temas ligados ao tédio, à morte, ao suicído,às sombras, à dor e ao sofrimento. • O medo de amar era constante e levava à evasão poética. • A evasão levava a lugares exóticos, à própria infância e, mais comumente à morte.
  • 17. Geração social ou condoreirismo • Forte preocupação social, influenciada pelos movimentos abolicionista e republicano que ganhavam força no cenário político. • Denúncia da escravidão, defesa das causas humanitárias, canta a liberdade, opõe-se à monarquia. • No campo dos sentimentos, a sensualidade volta à tona e surge um amor erótico, possível de se realizar. • É, em verdade, um momento de transição do Romantismo para o movimento Realista que já começa a se manifestar em alguns autores.
  • 18. (UEL-PR) O Romantismo, graças à ideologia dominante e a um complexo conteúdo artístico, social e político, caracteriza-se como uma época propícia ao aparecimento de naturezas humanas marcadas por A. teocentrismo, hipersensibilidade, alegria, otimismo e crença na sociedade. B. etnocentrismo, insensibilidade, descontração, otimismo e crença na sociedade. C. egocentrismo, hipersensibilidade, melancolia, pessimismo, angústia e desespero. D. teocentrismo, insensibilidade, descontração, angústia e desesperança. E. egocentrismo, hipersensibilidade, alegria, descontração e crença no futuro.
  • 19. O indianismo de nossos poetas românticos é: A. uma forma de apresentar o índio em toda a sua realidade objetiva; o índio como elemento étnico da futura raça brasileira. B. um meio de reconstruir o grave perigo que o índio representava durante a instalação da capitania de São Vicente. C. um modelo francês seguido no Brasil; uma necessidade de exotismo que em nada difere do modelo europeu. D. um meio de eternizar liricamente a aceitação, pelo índio, da nova civilização que se instalava. E. uma forma de apresentar o índio como motivo estético; idealização com simpatia e piedade; exaltação da bravura, do heroísmo e de todas as qualidades morais superiores.