SlideShare uma empresa Scribd logo
“  (...) o momento histórico brasileiro interferiu na produção literária, marcando a transição dos valores estéticos do século XIX para uma nova realidade que se desenhava (...)” Pré - Modernismo
“ Pré”  Modernismo??? ,[object Object],Os modelos literários realistas-naturalistas eram essencialmente universalizantes. Tanto na prosa de Machado de Assis e Aluísio Azevedo quanto na poesia dos parnasianos e simbolistas não havia interesse em  analisar  a realidade brasileira. A preocupação central desses autores era abordar o homem universal, sua condição e seus anseios.  Aos escritores pré-modernistas, ao contrário, interessavam assuntos do dia-a-dia dos brasileiros, originando-se, assim, obras de nítido  caráter social.
Momento Histórico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Contemporâneos Registre-se que ainda estão ativos (neste período), autores parnasianos como Olavo Bilac, Raimundo Correia e Francisca Júlia, dominando o cenário da  Academia Brasileira de Letras  e que, portanto,convivem com os escritores pré-modernistas.
Os principais autores  pré-modernistas   ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Euclides  da Cunha Graça  Aranha Augusto  dos Anjos Monteiro  Lobato Lima Barreto Pré  modernistas
Literatura e Realidade ,[object Object]
no Rio  de Janeiro Revolta da Chibata (João Cândido) Revolta da Vacina  (varíola-1904)
Lima Barreto Em meio ao caos gerado por esses conflitos, as autoridades passaram a efetuar prisões de forma generalizada. Testemunha ocular das agitações que marcavam as ruas cariocas naquele tempo, o escritor  Lima Barreto  registrou em seu  "Diário Íntimo"  as inúmeras violências e arbitrariedades de que foram vítimas os populares revoltosos: Lima Barreto detém-se na análise das populações suburbanas do Rio de Janeiro
Triste Fim de Policarpo  Quaresma ,[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
O homem que sabia Javanês (1911) O protagonista que estava desempregado vê um anuncio que oferece um emprego para professores de javanês; tratava-se de um senhor que tinha um livro antigo que segundo crenças de família era detentor de prosperidade, felicidade e poder. Para que tais feitos realizassem-se era necessário ler o tal livro: é exatamente aí que nosso amigo Castelo entra na história, pega o cartaz do anúncio de emprego e levando em consideração que nunca nem ouviu falar do tal javanês entra em uma biblioteca e vai em busca de algumas informações.
Nova Califórnia O livro conta a história de um químico misterioso que aparece na pequena cidade de Tubiacanga e realiza a incrível experiência de transformar ossos humanos em ouro. Tem início, assim, uma deliciosa paródia à corrida do ouro do final do século XIX nos Estados Unidos, já transformada em novela de televisão.  Lima Barreto na TV Novela da  Rede Globo- Fera Ferida (1994) O enredo foi inspirado no universo ficcional de Lima Barreto, mais especificamente nos romances  Clara  dos Anjos ,  Recordações do Escrivão Isaías Caminha ,  Triste Fim de Policarpo Quaresma ,  Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá , e em personagens dos contos  Nova Califórnia  e  O Homem que Sabia Javanês .
No nordeste do Brasil o fanatismo religioso do Padre Cícero Antônio Conselheiro e a Guerra de Canudos A Era do cangaço (Lampião)
Euclides da Cunha   Quando irrompeu o movimento de  Canudos , São Paulo colaborou com o país na repressão do conflito, mandando para o teatro da luta o Batalhão Paulista.  Euclides foi encarregado pelo jornal Estado de S. Paulo para acompanhar como observador de guerra  o movimento rebelde chefiado por Antônio Conselheiro no arraial de Canudos, em pleno sertão baiano.  Republicano apaixonado, o escritor desembarcou em Monte Santo - base da operação militar - ao lado do ministro da Guerra.
“ Aquela Campanha de Canudos lembra um refluxo para o passado.  E foi, na significação integral da palavra, um crime.  Denunciemo-lo ".   Euclides da Cunha
Os Sertões: denúncia da violência ,[object Object],[object Object],[object Object],Euclides conseguiu ficar internacionalmente famoso com a publicação desta obra-prima.  http://www.youtube.com/watch?v=o7TAxhm4kss
O obra Divide-se em três partes: A   terra O homem A luta
Jornal do Brasil, 16 de Agosto de 1909
Tragédia da vida real ,[object Object],[object Object]
Filmografia Indicada
1917 1905 1908 Em São Paulo, as greves operárias
1º de maio de 1919 em SP
Monteiro Lobato “ O Moderno antimodernista?” ,[object Object],[object Object],[object Object]
A Exposição de Pintura Moderna  de  Anita Malfatti foi realizada em São Paulo, entre 12 de dezembro de 1917 e 11 de janeiro de 1918, e é considerada  o "estopim" da Semana de Arte Moderna de 1922.   O impacto das telas de Anita tem a ver com seu aspecto expressionista, novo para os padrões da arte brasileira de então .
Autor de  prestígio Moralista e doutrinador, aspirava ao progresso material e mental do povo brasileiro. Criou a primeira editora nacional ( Monteiro Lobato & Cia.), e mais tarde a Companhia Editora Nacional e a Editora Brasiliense. Nacionalista, denunciava escândalos relacionados com a extração do petróleo e durante a Ditadura Vargas (1941) foi preso por ataques ao governo.
Urupês A jóia do livro é a  personificação da figura do caboclo, criando o famoso personagem  “Jeca Tatu” , apelidado de  urupê  (uma espécie de fungo parasita). Vive "e vegeta de cócoras", à base da lei do menor esforço, alimentando-se e curando-se daquilo que a natureza lhe dá, alheio a tudo o que se passa.  Com a personagem Jeca Tatu, um típico caipira acomodado e miserável do interior paulista, Lobato  critica a face de um Brasil agrário, atrasado e ignorante , cheio de vícios e vermes. Seu ideal era um país moderno estimulado pela ciência e pelo progresso. “ Urupês” é uma série de 14 contos, tendo como ênfase a vida do caboclo, através de seus costumes, crenças e tradições.  Capa original, 1918
Graça Aranha ,[object Object],Professor de direito, promotor público, juiz e diplomata, o maranhense  Graça Aranha  teve uma vida movimentada em 62 anos: acompanhou Joaquim Nabuco como seu secretário na Inglaterra, e mais tarde seria ele próprio diplomata na Noruega, na Holanda e na França. Foi no período de diplomacia que lançou seu livro mais famoso, o romance  Canaã(1902) .
“ Uma tese simples porém equivocada , a da superioridade de certas raças sobre outras, com base em idéias filosóficas ou psicológicas duvidosas. A palavra   instinto , por exemplo, aparece dezenas de vezes nas 285 páginas de Canaã, mas não  associada  à psicanálise de Sigmund Freud (neste época Freud já havia escrito, entre outras obras,  A Psicopatologia da Vida Cotidiana ), mas  a conceitos  como o  de evolução , mencionado apenas de passagem por Darwin em  A Origem das Espécies  e desenvolvido de maneira equivocada por Herbert Spencer:  a evolução vista como um confronto de seres inferiores versus superiores . Os colonos alemães são vistos como símbolos de uma realidade onde as pessoas são, pela própria natureza, melhor talhadas para a realização de grandes obras. Já o mulato é visto quase sempre como representante de uma classe ou indolente ou até trabalhadora, mas que não tem nenhuma grandeza.” (por Fábio Fernandes, em O viajante Imóvel)
Fontes ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Pesquisa e Organização Profª Cláudia Heloísa C. Andria contato: clauheloisa@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Matheus Italo Nascimento
 
Romance
RomanceRomance
Romance
Mara Virginia
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
O barroco
O barrocoO barroco
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francis Paula
 
Romance
RomanceRomance
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
CsarMarin3
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
Roberta Savana
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Faell Vasconcelos
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literatura
Márcio Hilário
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 

Mais procurados (20)

Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literatura
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 

Destaque

Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
Prof Palmito Rocha
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
professorakarin2013
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
Jaqueline Soares
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
José Ricardo Lima
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Newltemberg Santos
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Ingrid Coelho
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
Cláudia Heloísa
 
Pré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no BrasilPré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no Brasil
Blog Estudo
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
Ana Karina Silva
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
Cláudia Heloísa
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Marcílio Marinho
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ensbc
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Mara Virginia
 
Pré modernismo - introdução
Pré modernismo - introduçãoPré modernismo - introdução
Pré modernismo - introdução
vinivs
 
Pre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaPre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da hora
Douglas Maga
 

Destaque (20)

Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
Pré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no BrasilPré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no Brasil
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo - introdução
Pré modernismo - introduçãoPré modernismo - introdução
Pré modernismo - introdução
 
Pre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaPre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da hora
 

Semelhante a Pré modernismo

Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
Colégio Elisa Andreoli
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Alef Santana
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Madeleine Marcelino
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Andriane Cursino
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
Miuria Goes
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Pré
PréPré
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Andrezza Cameski
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
Mônica D'Almenery
 
Pré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º anoPré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º ano
Rosângela Souza
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
Nascida em divinópolis
Nascida em divinópolisNascida em divinópolis
Nascida em divinópolis
Lucas Pascoaloto
 
2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.
2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.
2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.
Lucas Pascoaloto
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Faell Vasconcelos
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Renata Haratani
 
Pré- Modernismo
Pré- ModernismoPré- Modernismo
Pré- Modernismo
Josemar Tonico
 

Semelhante a Pré modernismo (20)

Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Pré
PréPré
Pré
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Pré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º anoPré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º ano
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
 
Nascida em divinópolis
Nascida em divinópolisNascida em divinópolis
Nascida em divinópolis
 
2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.
2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.
2ª tarefa do facegrupo de língua portuguesa.
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré- Modernismo
Pré- ModernismoPré- Modernismo
Pré- Modernismo
 

Mais de Cláudia Heloísa

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Cláudia Heloísa
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
Cláudia Heloísa
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
Cláudia Heloísa
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
Cláudia Heloísa
 
Mayombe
MayombeMayombe
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
Cláudia Heloísa
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
Cláudia Heloísa
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
Cláudia Heloísa
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
Cláudia Heloísa
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
Cláudia Heloísa
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
Cláudia Heloísa
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
Cláudia Heloísa
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
Cláudia Heloísa
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
Cláudia Heloísa
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
Cláudia Heloísa
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Cláudia Heloísa
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
Cláudia Heloísa
 

Mais de Cláudia Heloísa (20)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 

Último

2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

Pré modernismo

  • 1. “ (...) o momento histórico brasileiro interferiu na produção literária, marcando a transição dos valores estéticos do século XIX para uma nova realidade que se desenhava (...)” Pré - Modernismo
  • 2.
  • 3.
  • 4. Contemporâneos Registre-se que ainda estão ativos (neste período), autores parnasianos como Olavo Bilac, Raimundo Correia e Francisca Júlia, dominando o cenário da Academia Brasileira de Letras e que, portanto,convivem com os escritores pré-modernistas.
  • 5.
  • 6.
  • 7. no Rio de Janeiro Revolta da Chibata (João Cândido) Revolta da Vacina (varíola-1904)
  • 8. Lima Barreto Em meio ao caos gerado por esses conflitos, as autoridades passaram a efetuar prisões de forma generalizada. Testemunha ocular das agitações que marcavam as ruas cariocas naquele tempo, o escritor Lima Barreto registrou em seu "Diário Íntimo" as inúmeras violências e arbitrariedades de que foram vítimas os populares revoltosos: Lima Barreto detém-se na análise das populações suburbanas do Rio de Janeiro
  • 9.
  • 10.
  • 11. O homem que sabia Javanês (1911) O protagonista que estava desempregado vê um anuncio que oferece um emprego para professores de javanês; tratava-se de um senhor que tinha um livro antigo que segundo crenças de família era detentor de prosperidade, felicidade e poder. Para que tais feitos realizassem-se era necessário ler o tal livro: é exatamente aí que nosso amigo Castelo entra na história, pega o cartaz do anúncio de emprego e levando em consideração que nunca nem ouviu falar do tal javanês entra em uma biblioteca e vai em busca de algumas informações.
  • 12. Nova Califórnia O livro conta a história de um químico misterioso que aparece na pequena cidade de Tubiacanga e realiza a incrível experiência de transformar ossos humanos em ouro. Tem início, assim, uma deliciosa paródia à corrida do ouro do final do século XIX nos Estados Unidos, já transformada em novela de televisão. Lima Barreto na TV Novela da Rede Globo- Fera Ferida (1994) O enredo foi inspirado no universo ficcional de Lima Barreto, mais especificamente nos romances Clara dos Anjos , Recordações do Escrivão Isaías Caminha , Triste Fim de Policarpo Quaresma , Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá , e em personagens dos contos Nova Califórnia e O Homem que Sabia Javanês .
  • 13. No nordeste do Brasil o fanatismo religioso do Padre Cícero Antônio Conselheiro e a Guerra de Canudos A Era do cangaço (Lampião)
  • 14. Euclides da Cunha Quando irrompeu o movimento de Canudos , São Paulo colaborou com o país na repressão do conflito, mandando para o teatro da luta o Batalhão Paulista. Euclides foi encarregado pelo jornal Estado de S. Paulo para acompanhar como observador de guerra o movimento rebelde chefiado por Antônio Conselheiro no arraial de Canudos, em pleno sertão baiano. Republicano apaixonado, o escritor desembarcou em Monte Santo - base da operação militar - ao lado do ministro da Guerra.
  • 15. “ Aquela Campanha de Canudos lembra um refluxo para o passado. E foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo ". Euclides da Cunha
  • 16.
  • 17. O obra Divide-se em três partes: A terra O homem A luta
  • 18. Jornal do Brasil, 16 de Agosto de 1909
  • 19.
  • 21. 1917 1905 1908 Em São Paulo, as greves operárias
  • 22. 1º de maio de 1919 em SP
  • 23.
  • 24. A Exposição de Pintura Moderna de Anita Malfatti foi realizada em São Paulo, entre 12 de dezembro de 1917 e 11 de janeiro de 1918, e é considerada o "estopim" da Semana de Arte Moderna de 1922. O impacto das telas de Anita tem a ver com seu aspecto expressionista, novo para os padrões da arte brasileira de então .
  • 25. Autor de prestígio Moralista e doutrinador, aspirava ao progresso material e mental do povo brasileiro. Criou a primeira editora nacional ( Monteiro Lobato & Cia.), e mais tarde a Companhia Editora Nacional e a Editora Brasiliense. Nacionalista, denunciava escândalos relacionados com a extração do petróleo e durante a Ditadura Vargas (1941) foi preso por ataques ao governo.
  • 26. Urupês A jóia do livro é a personificação da figura do caboclo, criando o famoso personagem “Jeca Tatu” , apelidado de urupê (uma espécie de fungo parasita). Vive "e vegeta de cócoras", à base da lei do menor esforço, alimentando-se e curando-se daquilo que a natureza lhe dá, alheio a tudo o que se passa. Com a personagem Jeca Tatu, um típico caipira acomodado e miserável do interior paulista, Lobato critica a face de um Brasil agrário, atrasado e ignorante , cheio de vícios e vermes. Seu ideal era um país moderno estimulado pela ciência e pelo progresso. “ Urupês” é uma série de 14 contos, tendo como ênfase a vida do caboclo, através de seus costumes, crenças e tradições. Capa original, 1918
  • 27.
  • 28. “ Uma tese simples porém equivocada , a da superioridade de certas raças sobre outras, com base em idéias filosóficas ou psicológicas duvidosas. A palavra instinto , por exemplo, aparece dezenas de vezes nas 285 páginas de Canaã, mas não associada à psicanálise de Sigmund Freud (neste época Freud já havia escrito, entre outras obras, A Psicopatologia da Vida Cotidiana ), mas a conceitos como o de evolução , mencionado apenas de passagem por Darwin em A Origem das Espécies e desenvolvido de maneira equivocada por Herbert Spencer: a evolução vista como um confronto de seres inferiores versus superiores . Os colonos alemães são vistos como símbolos de uma realidade onde as pessoas são, pela própria natureza, melhor talhadas para a realização de grandes obras. Já o mulato é visto quase sempre como representante de uma classe ou indolente ou até trabalhadora, mas que não tem nenhuma grandeza.” (por Fábio Fernandes, em O viajante Imóvel)
  • 29.