SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 104
Baixar para ler offline
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE MATO
GROSSO
ESCOLA ESTADUAL “ADOLFO AUGUSTO DE MORAES”
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
Rondonópolis-MT
2014
1
IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA
FILOSOFIA DA ESCOLA
A educação é dever da família e do Estado, inspirada nos princípios
de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno
desenvolvimento dos alunos, o preparo para o exercício pleno da cidadania,
ética e qualificação para o mundo do trabalho.
OBJETIVOS E METAS
 OBJETIVO GERAL
A escola tem por objetivo geral desenvolver no educando a capacidade
para assimilar o conhecimento, de forma autônoma e crítica, formar cidadãos
éticos, oportunizar aos alunos o acesso aos recursos tecnológicos, promover a
inclusão, valorizar a bagagem cultural de cada um articulando as experiências
e estudos para o mundo do trabalho, para o desenvolvimento social, justo e
sustentável.
 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Propiciar aos alunos e profissionais que atuam em nossa escola condições de
melhoria dos processos educacionais enquanto relações qualitativas de ensino e de
aprendizagem nas quais os educandos possam:
 Pensar o cotidiano escolar a partir de uma abordagem significativa e
colaborativa de trabalho com vistas a promover o desenvolvimento profissional
de todos que atuam na escola.
 Ser, conviver e aprender na escola, como instituição de cultura que considera
relevante recriar e socializar os saberes e conhecimentos produzidos
socialmente das artes, das ciências, da técnica como instrumentos necessários
á compreensão do mundo e qualidade de vida;
 Perceber-se enquanto construtor de sua própria história, ser social e indivíduo
2
capaz de legislar sobre seus próprios atos com autonomia e dignidade,
superando o que está pronto para produzir o novo, o mais significativo para si e
para a sociedade;
 Compreender a escola como não sendo o único espaço de formação, mas a
partir dela potencializar todas as condições de participação via
posicionamentos e atitudes cidadãs.
 Compreender a importância de viver participativamente, contribuindo para
realizar propostas coletivas em diferentes contextos sociais, construindo laços
baseados no respeito, no afeto e na solidariedade e organização coletiva;
 Posicionar-se enquantocidadão ativo, engajando-se em movimentos sociais
por um mundo melhor, defendendo na escola e fora dela seus projetos de vida,
incluindo os de uma escolarização cidadã.
 METAS
Toda escola deve planejar metas a curto prazo para depois ir percorrendo seu
caminho em busca da realização de seus objetivos. Dessa forma, pretendemos
desenvolver em nossa escola as seguintes metas:
1. Promover atividades diversificadas tais como:
 Sarau Infantil;
 Sarau Juvenil;
 Festival da Música e Dança;
 Desafios da Geografia;
 Pedalada pela Paz;
 Festa da Primavera;
 Feira da Ciência e Tecnologia;
 Aulas diferenciadas;
 Teatro;
 Horta Pedagógica;
 Projeto de Leitura;
 Outros Projetos.
2. Reduzir a evasão escolar:
 Promovendo atividades culturais extraclasses;
 Estimulando práticas corporais e esportivas;
 Qualificando o fazer pedagógico;
 Avaliando as práticas educativas produzidas e em produção;
 Analisando os indicadores de aprendizagens da escola;
 Avaliando os resultados educacionais das avaliações externas.
3. Implantar e Implementar os Projetos de Trabalhos:
 Pensar e recriar a escola, repondo a gestão do espaço e do tempo;
3
 Redefinir o discurso e a prática acerca do conhecimento escolar em todos
os espaços e tempo promovendo a aproximação atualizada dos conteúdos das
disciplinas dos saberes a serem produzidos;
 Trabalhar a cultura contemporânea, por ser uma questão fundamental para
que o indivíduo possa compreender o mundo no qual vive e que saiba como
acenar, analisar e interpretar a informação;
 Desenvolver atividades individuais, grupais e coletivas;
 Definir uma prática de avaliação enquanto proposta pedagógica da escola
como umtodo;
 Definir coletivamente um método e metodologia de ensino que oriente
todas as práticas educativas da unidade escolar.
4. Incentivar a participação dos pais, através de:
 Reuniões bimestrais;
 Assembléias;
 Participação em projetos como o “Pensando em família”, “Cidadania e meio
ambiente”, dentre outras;
 Comunicados diários e emergenciais;
 Convites e promoção de atividades coletivas;
 Datas comemorativas, tais como: dia das mães e dia dos pais.
5. Reforma da Unidade Escolar
Nossa escola precisa urgentemente de uma reforma geral que, segundo
a SEDUC-MT ocorrerá nos próximos meses. Essa reforma oportunizará
muitas mudanças no prédio da escola para melhor. Dentre elas, citamos:
 Iluminação e pintura das salas de aulas;
 Instalação de janelas nas salas de aulas;
 Instalação de pisos em salas de aulas;
 Ar-condicionado nas salas de aula;
 Reformar a biblioteca para melhor atender aos alunos;
 Ampliar o acervo bibliográfico e informatizar a biblioteca para controle
de empréstimo e devolução dos livros, bem como tombo do acervo,
dentre outros.
 Equipar a biblioteca com computadores ligados à Internet,
disponibilizando um profissional para funcionamento e atendimento à
comunidade escolar.
 Construção de vestiários e sanitários próximos à quadra coberta;
 Instalação de bebedouros na quadra;
 Construir um auditório para apresentações dos alunos;
 Equipar sala de professores com mobiliários para guardar materiais
(armários);
 Montar laboratório de ciências e Biologia.
 Construção de banheiros adequados ao banho para o Projeto Mais
Educação;
PROPOSTA CURRICULAR
4
METODOLOGIA
A comunidade escolar repensa constantemente o seu papel
pedagógico e sua função social. Para tanto, se faz necessário refletir sobre a
escola que temos, se voltada para os interesses políticos e interacionais, se
discriminadora e produtora de mecanismos de controle que impede que os
nossos alunos consigam enfrentar em condições de igualdade ou como melhor
enfrentar os desafios do mundo contemporâneo.
Para que a escola cumpra a sua função social será necessário:
 Integração e participação da comunidade escolar;
 Os segmentos da escola devem estar plenamente voltados à
completa valorização do educando;
 Cursos de formação e qualificação dos profissionais da
educação;
 Criação e reorganização do espaço físico;
 Material didático e outros que facilitem o trabalho do
professor;
 Número de alunos em sala de aula condizente com a
metragem do ambiente;
 Recursos humanos, pedagógicos e financeiros;
 Cobrança de regras de convivência em grupo;
 Melhor qualificação profissional e salários compatíveis com os
diferentes níveis e funções;
 Política que estabeleça a efetivação dos profissionais da
educação;
 Restabelecimento da motivação e credibilidade dos
professores.
O grupo de profissionais (professores, técnico, coordenadores,
diretores, pais e comunidade escolar) que elaboraram essa proposta conclui
que é necessário repensar a organização político-pedagógica que permita:
 Trabalhar valores culturais, morais e físicos;
 Integrar elementos da vida social aos conteúdos trabalhados;
5
 Compreender esse aluno como um cidadão que deve ser um
agente transformador da sociedade, além de crítico,
responsável e participante.
 A escola deve ser crítica, reflexiva e possibilitar a toda a
comunidade um projeto político pedagógico consolidado pela
colaboração mútua e o exercício da construção coletiva
desencadeando experiências inovadoras que estão
acontecendo na escola.
SISTEMA DE AVALIAÇÃO
O processo de ensino/aprendizagem será avaliado de forma contínua,
cumulativa e sistemática, visando:
 Diagnosticar e registrar os progressos e dificuldades do aluno;
 Possibilitar que o aluno autoavalie sua aprendizagem;
 Orientar o aluno quanto aos esforços necessários para superar as
dificuldades;
 Fundamentar as decisões quanto à necessidade de procedimentos de
reforço e recuperação da aprendizagem, de classificação e
reclassificação de alunos;
 Orientar as atividades de planejamento e replanejamento dos conteúdos
curriculares.
A avaliação envolve o desenvolvimento de habilidades específicas adquiridas
pelo aluno, sendo estas: observação, pesquisa e análise das atividades
pertinentes ao conhecimento adquirido e incentivo aos aspectos formativos
relativos ao desenvolvimento de sua autonomia e dos valores humanos. Bem
como a observação de suas atitudes referente à presença em aulas,
participação nas atividades pedagógicas e responsabilidade com que o aluno
assume o cumprimento de seu papel de cidadão em formação.
As avaliações serão feitas bimestralmente, através de instrumentos avaliativos
diversos (provas escritas, portifólios, seminários, trabalhos escritos, pesquisas
e observação direta e indireta) sendo que os aspectos qualitativos sempre
6
prevalecerão sobre os aspectos quantitativos. Os instrumentos de avaliação
serão sempre em número maior que três, sendo um deles uma
avaliaçãoescrita.
Os critérios de avaliação são os previstos nos objetivos de cada componente
curricular/área do conhecimento de acordo com as Orientações Curriculares
federais e estaduais, além dos objetivos gerais de formação educacional
preconizados pela Escola.
Os resultados das avaliações serão registrados, para cada
componente curricular, por meio de sínteses bimestrais e finais, sendo
expressos através das seguintes menções:
 Os resultados de avaliação serão analisados bimestralmente e no
final do ano letivo em reuniões do Conselho de Classe, para decidir
sobre promoção, retenção ou recuperação de estudos e Ensino
Médio, para decidir sobre a aprovação ou retenção.
Promoção
Será considerado promovido no final de cada Ciclo, o aluno que tiver
frequência igual ou superior a 75%, e nas séries do Ensino Médio, o aluno que
tiver frequência igual ou superior a 75% e rendimento satisfatório, com média
5,5 em todos os componentes curriculares;
- os alunos terão direito a estudos de recuperação em todas as
disciplinas em que o aproveitamento for considerado insatisfatório;
- as atividades de recuperação serão realizadas de forma contínua e
paralela ao longo do período letivo.
Progressão Continuada de Estudos
No Ensino Fundamental a Escola adota o regime de Progressão
Continuada, assim entendido aquele em que ao aluno não será retido por
aproveitamento.
- submeta-se a todos os processos de avaliação;
- participe das atividades de recuperação relativas aos componentes
em que demonstrar baixo rendimento;
7
- não ultrapasse os 25%, em faltas injustificadas, do total de horas-
aula previsto pelo Regimento Escolar - 1.000horas-aula para o Ciclo I e 1.080
horas para o Ciclo II do Ensino Fundamental.
Progressão Parcial de Estudos (dependência)
No Ensino Médio o regime será de progressão parcial para os alunos
que após estudos de recuperação não apresentarem rendimento escolar
satisfatório e nas seguintes condições:
- o aluno com rendimento insatisfatório em até quatro disciplinas
será classificado na série subsequente, devendo submeter-se a estudos
paralelos de dependência, nas mesmas;
- o aluno com rendimento insatisfatório em mais de quatro disciplinas
será classificado na mesma série.
CONCEPÇÕES
De mundo: O mundo é o local onde ocorrem as interações “homem-
homem “e o “homem-meio social” caracterizadas pelas diversas culturas e pelo
conhecimento. Devido a rapidez do processo de assimilação das informações e
pela globalização torna-se necessário proporcionar ao homem o alcance dos
objetivos materiais, políticos, culturais e espirituais para que sejam superadas
as injustiças, diferenças, distinções e divisões na tentativa de se formar o ser
humano que se imagina. Isto será possível se a escola for um espaço que
contribua para a efetiva mudança social.
De Sociedade: Somos uma sociedade capitalista, competitiva
baseada nas ações e resultados, por isso precisamos construir uma sociedade
libertadora, crítica, reflexiva, igualitária, democrática e integradora, fruto das
relações entre as pessoas, caracterizadas pela interação de diversas culturas
em que cada cidadão constrói a sua existência e a do coletivo.
De Homem: O homem, na atualidade, é um ser competitivo e
individualista, resultado das relações impostas pelo modelo de sociedade em
vigor. No entanto, a luta deve ser por um homem social, voltado para o seu
bem próprio, mas acima de tudo, para o bem estar do grupo do qual faz parte.
8
O homem, que modifica a si mesmo pela apropriação dos conhecimentos,
modifica também a sociedade por meio do movimento dialético “do social para
o individual para o social”. Dessa forma torna-se sujeito da história.
De Educação: O processo educacional deve contemplar um tipo de
ensino e aprendizagem que ultrapasse a mera reprodução de saberes
“cristalizados” e desencadeie um processo de produção e de apropriação de
conhecimento, possibilitando, assim, que o cidadão torne-se crítico e que
exerça a sua cidadania, refletindo sobre as questões sociais e buscando
alternativas de superação da realidade.
A educação como prática social adquire um papel especial num contexto que
toma consciência da necessidade de superar as diferenças sociais que atingem
milhões de brasileiros que sobrevivem abaixo da linha da pobreza. Não
consideramos nosso país especialmente pobre, mas especialmente injusto
quanto à distribuição de renda. Percebemos a desigualdade no país, através
das oportunidades que se oferecem às pessoas em termos econômicos,
culturais, político e educacionais.
Quando nos deparamos com essa dolorosa circunstância (um país
economicamente rico e com um povo em sua maioria pobre) faz-se necessário
pensar um projeto nacional que direcione os investimentos para a geração de
atividades úteis e distribua a renda através de salários dignos, retirando da
miserabilidade milhões de pessoas colocadas à margem da vida social.
Nesse sentido, economia e educação mantêm relações dialéticas profundas,
pois sem economia estrategicamente pensada e organizada, não se terá
condição de impulsionar uma educação para todos, e de qualidade. Sem
educação estruturada e inteligentemente centrada nas necessidades e
interesses das pessoas e da sociedade, não se chegará a uma transformação
concreta e segura.
A articulação entre trabalho e educação passa ser crucial, fundamental, e exige
uma rigorosa análise da prática escolar, compreendendo ações e ampliando os
espaços da definição das políticas públicas de educação que assegurem a
qualidade da aprendizagem igualitariamente, como condição necessária para
que todos exerçam o seu direito à cidadania.
Pensar em educação é antever e acolher todas as suas esferas, desde aquelas
que passam pelo ensino fundamental até aquelas que se dedicam à formação
9
profissional. A partir de 1996, quando da promulgação da LDB -Lei de
Diretrizes e Bases -a educação brasileira tem experimentado e construído
passo-a-passo seus próprios caminhos. Até então, avanços aconteceram,
porém a educação ainda está aquém das necessidades, como o salário dos
profissionais que não têm sido dos melhores, e também as condições de
trabalho. Além disso, a velocidade com que a informação se desloca e de um
mundo em constante mudança, seu papel vem se transformando. Dessa forma,
o desafio é lidar com jovens que não veem sentido no que estão aprendendo.
Querem aprender, mas não querem aprender o que lhes é ensinado. E assim,
entra o papel do professor: construir sentido, transformar o obrigatório em
prazeroso, selecionar criticamente o que devemos aprender, numa era
impregnada de informações.
Diante desse quadro, os professores assumem o compromisso de desenvolver
suas práticas de forma que estimulem e desafiem os alunos na apreensão dos
conhecimentos científico-tecnológico, histórico, filosófico e social, sempre
priorizando a formação humana. O princípio da igualdade universal, que
garante os saberes e os fazeres a todos, vêm sendo discutidos.
DIAGNÓSTICO DA ESCOLA ADOLFO AUGUSTO DE MORAES
A Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes, com sede na Avenida
Padre Anchieta, 937, Bairro Vila Aurora, CEP: 78.740-130, Telefone: (66) 3422-
1276, em Rondonópolis, é mantida pelo governo do Estado de Mato Grosso,
através da secretaria de Estado de Educação, sendo fundada em 27/02/1969,
conforme o Decreto 824 com a denominação de Grupo Escolar Adolfo Augusto
de Moraes. Em 1975 foi realizada a integração com a Escola Dr. José
Trancucci. Em 10/05/1975, foi oficialmente criada pelo Decreto 63 C.E.E/MT de
04/06/1975, Autorização nº 117/75, o nome da Escola passou a ser “ Escola
Estadual de I e II graus Adolfo Augusto de Moraes”. A Escola foi reconhecida
conforme Portaria 327/92. Tendo como CNPJ 03.945.490/0001-97.
A escola proporciona aos alunos no contra turno, auxílio com
professores que trabalham com o reforço em suas aulas, elabora outras
atividades para ajudar no desempenho educacional e no processo ensino
aprendizagem. Os pais participam de reuniões quando solicitados pela direção
10
ou equipe pedagógica tendo influência primordial dentro do processo, e na
medida do possível eles procuram estar em contato com a escola para
saberem do andamento e avanço que seu filho tem adquirido no decorrer do
bimestre/semestre.
O Conselho Deliberativo juntamente com PPP e PDE, fazem com
que tenhamos decisões colaborativas com foco nos alunos e no processo
ensino aprendizagem.
Nossa Escola tem 1255 alunos matriculados. As modalidades
atendidas são: Ensino Fundamental, organizado por ciclos de Formação
Humana e ensino Médio Regular. A Escola conta com três coordenadoras
pedagógicas.
Neste ano de 2014 estão trabalhando 44 professores efetivos, 20
professores interinos, 08 Técnicos Administrativo Educacional (TAE) e 16
funcionários de Apoio Administrativo Educacional.
LISTA DE PROFESSORES DA ESCOLA
Nº NOME FORMAÇÃO ATUAÇÃO
01 ADRIANA REGINA XAVIER BIOLOGIA PROFESSORA
02 HÉLIDA APARECIDA FALCÃO PEREIRA LETRAS PROFESSORA
03 ANGELA CRISTINA SOUZA DE OLIVEIRA HISTÓRIA PROFESSORA
04 ANGELA MARIA BURGEDURFE DE
ARAÚJO
PEDAGOGIA PROFESSORA
05 CLAUDEMIR FAVIN MATEMÁTICA PROFESSOR
06 CILENE CRISTINA PUZZI ARTES COORDENADORA
07 IVANY FERNANDES PEDAGOGIA PROFESSORA
08 CLARITA MAIDANA ROCHA MATEMÁTICA PROFESSORA
09 CLAUDIA ANDRADE PEREIRA RIBEIRO PEDAGOGIA AUXILIAR DE TURMA
10 AGDA ALVES RAMALHO LETRAS PROFESSORA
11 CINTYA DE SOUZA SILVA BIOLOGIA PROFESSORA
12 DAVID ROGÉRIO FERREIRA ED. FÍSICA PROFESSOR
13 DIVA BOSA PEDAGOGIA PROFESSORA
14 DOMINGAS SOARES NOGUEIRA
BARROS
LETRAS PROFESSORA
15 EDILUCY OLIVEIRA SANTANA DA SILVA LETRAS PROFESSORA
16 EDITH MAZZONI LETRAS PROFESSORA
17 EUNICE MARIA BÚFALO HISTÓRIA PROFESSORA
18 FAGNER ROBERTO ÁVILA DE CAMPOS MATEMÁTICA PROFESSOR
19 FÁTIMA APARECIDA O. DA SILVA LETRAS PROFESSORA
11
20 FÁTIMA RAMOS LETRAS PROFESSORA
21 FERNANDO REZENDE MIRANDA CIÊNCIAS PROFESSOR
22 GISLENI CRISTINA MANGIALARDO FUKUI PEDAGOGIA PROFESSORA
23 HEDER DE OLIVEIRA SILVA GEOGRAFIA PROFESSOR
24 IRANI ALVES DE SOUZA GEOGRAFIA PROFESSORA
25 JONAS ALVES DOS SANTOS FILOSOFIA PROFESSOR
26 JOSÉ BELMIRO FERRAZ HISTÓRIA PROFESSOR
27 JOSEVÂNIA FONSECA SILVA LETRAS AUX.
COORDENAÇÃO
28 JUCÉLIA DIAS DA SILVA LETRAS PROFESSORA
29 KAROLINE DE SOUZA FREITAS HISTÓRIA PROFESSORA
30 LEIDIANE FRANCISCA DE OLIVEIRA LETRAS PROFESSORA
31 LUCIMARY DE HOLANDA PORTELA HISTÓRIA PROFESSORA
32 PATRÍCIA V. S. ALVES DE ALMEIDA QUÍMICA PROFESSORA
33 LUIZ RICARDO DE OLIVEIRA ED. FÍSICA PROFESSOR
34 MARCELO DA COSTA SOARES GEOGRAFIA PROFESSOR
35 MARIA CONCEIÇÃO DUCATTI PEDAGOGIA ARTICULADORA
36 MARIA HELENA GAIOTTO DA SILVA PEDAGOGIA COORDENADORA
37 MARIA LÚCIA RESENDE LETRAS COORDENADORA
38 MARILSA ODILON PEDAGOGIA PROFESSORA
39 MARILENE TAVEIRA LIMA ALVES PEDAGOGIA PROFESSORA
40 MÍRIAM MÁRCIA VILELA ALVES PEDAGOGIA PROFESSORA
41 ROSA MARIA R. T. O. BORGES BIOLOGIA PROFESSORA
42 VALDIR SÉRGIO ZAMBONATO MATEMÁTICA PROF. READAPTADO
LISTA DE FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA
Nº NOME FORMAÇÃO ATUAÇÃO
01 ARIONETE DE SOUZA LETRAS APOIO ADM. EDUCACIONAL
02 ELENITA JOSEFA DE BARROS ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
03 ÉRIKA OLIVEIRA SANTOS CURSANDO PSICOLOGIA TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL
04 EZEDEQUIAS QUEIROZ GEOGRAFIA TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL
05 KELY P. MAXIMINO ENSINO FUNDAMENTAL APOIO ADM. EDUCACIONAL
06 LINDALVA DA SILVA RENER ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
07 MAISA B. DE ARAÚJO ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
08 MARINEUSA P. SOUZA ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
09 MARLENE C. LIMA ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
10 ROSENEY BARBOSA DA SILVA ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
11 RUBENS CARLOS CORRÊA TECNÓLOGO TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL
12 SILENE DE O. NEVES ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
12
13 SILVANI FERREIRA SANTOS ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
14 TAIRINE FONSECA SILVA LEÃO ENSINO MÉDIO AUXILIAR DE BIBLIOTECA
15 TEREZINHA DE CARVALHO ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
16 ZEIDE VIEIRA SILVA ENSINO MÉDIO TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL
De acordo com o Plano Político Pedagógico (PPP) e o Regimento
Interno para 2014, os alunos contam com no mínimo uma avaliação bimestral
escrita que se soma às demais atividades avaliativas e ao processo diário de
desenvolvimento em sala. Havendo necessidade, o aluno fará as atividades de
recuperação do bimestre, se mesmo com a recuperação a dificuldade não for
sanada, serão disponibilizadas aulas de apoio à aprendizagem na articulação,
em consonância às aulas de apoio junto ao professor regente.
Os professores são os responsáveis pelo ensino dos conteúdos
curriculares, mas os demais profissionais da educação participam do processo
educacional, dando o suporte necessário para que as aprendizagens possam
ocorrer de forma satisfatória.
São diversos os servidores que exercem as funções de apoio ao
pedagógico: o pessoal da limpeza, as merendeiras, os secretários, os
bibliotecários, os vigias. Alguns atuam sozinhos em sua área e outros em
equipe. Uma das funções dos gestores é fazer com que os diversos
profissionais se sintam integrados aos objetivos da escola e responsáveis pelas
metas.
RELATÓRIO DIAGNÓSTICO PPAP E ALUNOS COM DIFICULDADES DE
APRENDIZAGEM
No ano escolar de 2013 abaixo foram diagnosticados e atendidos 47
alunos todos com necessidades de consolidar o processo de Alfabetização e
Letramento. Alguns apresentaram a esperada evolução, outros transferiram de
unidade escolar e outros que ficaram e que ainda necessitam de apoio
pedagógico para a finalização com sucesso nesta etapa do desenvolvimento
humano. Lembramos que ingressaram novos alunos na escola que também
apresentam essas necessidades. Abaixo apresentamos um quadro
demonstrativo da situação dos alunos.
Nesta proposição serão atendidos alunos até o 6º ano.
Nome do Aluno
Turma de
Origem
Desafios de Aprendizagem
Área de
conhecimento
13
Apresentados para o Apoio
Pedagógico
Andrey de Souza
Assis
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no início da
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas.
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Bruno
ToshihiroHori
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Helen Vitória F.
Alves
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Joas Henrique
Rodrigues
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Carlos E. Nunes
de Souza
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Unidocência
e
Linguagem
14
Alfabetização e Letramento
Matemática
Gabriely dos S.
Coqueiro
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Guilherme A.
Camargo
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Jhullie Correia da
Silva
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
KamillyAraujo
Rondon
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Kauan T. Lima
Santana
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Unidocência
e
Linguagem
15
Alfabetização e Letramento
Matemática
Leonardo Jr. S.
Araujo
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Matheus H. S.
Nascimento
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Moises R. Franco
da Silva
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no início da
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo.
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Nicole G. M.
Fernandes
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Renan Felipe P.
de Matos
1º Ciclo
2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda Unidocência
16
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
e
Linguagem
Matemática
Wilian Coimbra de
Sousa
1º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Alfabetização e Letramento
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Rayca Amanda
Correa
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas.
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Rikardo Gomes
Matos
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas.
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Vitor Emanuel P.
da Silva
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que necessita consolidar o processo de
alfabetização e letramento e leitura.
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas.
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
17
VittorAdriel da
S.Martins
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas.
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Weslley D’Lucas
C. Silva
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas.
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Pedro H. da S.
Gonçalves
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Maria E. Vieira
Cavalcante
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Antonio Pacífico
de O. Dias
2º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra em processo de
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para a conclusão
Unidocência
e
18
desta fase.
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Linguagem
Matemática
Flávio de Oliveira
Lopes
2º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra em processo de
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para a conclusão
desta fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Maria Eduarda da
Silva
2º Ciclo
2ª Fase
Aluno que necessita consolidar o processo de
alfabetização e letramento e leitura.
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Isabelly Vitória V.
Bender
2º Ciclo
2ª Fase
Aluno que necessita consolidar o processo de
alfabetização e letramento e leitura.
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Kauan Felipe O.
Alvino
2º Ciclo
2ª Fase
Aluno que se encontra no inícioda
alfabetização e letramento, necessitando da
intervenção da articuladora para concluir o
processo
Precisa identificação de números, consolidar o
conceito das 4 operações, e compreensão de
enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Vinicius Correa da
Silva
2º Ciclo
2ª Fase
Aluno que necessita consolidar o processo de
alfabetização e letramento e leitura.
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
19
Matemática
WenderTiburski
Monteiro
2º Ciclo
2ª Fase
Aluno que necessita consolidar o processo de
alfabetização e letramento e leitura.
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Agnaldo Jr. de O.
Ramos
2º Ciclo
2ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Gustavo
AraujoPícoli
2º Ciclo
2ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Kaio H.
PardimLopes
2º Ciclo
2ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Vitor W. Correia
Silva
2º Ciclo
2ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Willian Lopes de
Matos
2º Ciclo
2ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
André Vieira da
Silva
2º Ciclo
2ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Anestor de A.
Branco Neto
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Diogo de Oliveira
Lopes
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Eduardo de Jesus
Narciso
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Matemática
Emily Natalia F.
Lourenço
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Matemática
20
Gisele Dias
Pinheiro
2º Ciclo
3ª Fase
Aluno que necessita consolidar o processo de
alfabetização e letramento e leitura.
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
João Henrique F.
Guerra
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Jorge Luis Nunes
Alves
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Robert da Silva
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Rhuan Pablo da
Silva
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Thassylla Nunes
Rodrigues
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Vilmar Fonseca
Souza
2º Ciclo
3ª Fase
Consolidar o conceito das 4 operações, e
compreensão de enunciado de problemas Matemática
Esse total de quarenta e sete alunos, ainda necessita de
acompanhamento pedagógico com aulas de apoio na articulação para sanar as
dificuldades na escrita, leitura, entendimento, produção textual e matemática,
sem prejuízos na próxima fase, ou então esses casos irão se arrastando ano a
ano.
Além disso, a escola tem um PLANO DE INTERVENÇÃO para
auxiliar os alunos enturmados em 2014.
ALUNOS ENTURMADOS EM 2014
NOME DEVERIA
ESTAR
ESTÁ
2014
DEVERIA
ESTAR
ESTÁ
2014
IDADE PNE
ANNA ISABEL REZENDE 2º CICLO
2ª FASE
3º
CICLO
1ª
FASE
5º ANO 7º
ANO
SIM
21
GEOVANNA ISABELLI
MOURA ABBAS DOS
SANTOS
2º CICLO
2ª FASE
3º
CICLO
1ª
FASE
4º ANO 6º
ANO
LUCAS ALBUQUERQUE
NÓBREGA
2º CICLO
2ª FASE
3º
CICLO
1ª
FASE
4º ANO 6º
ANO
VITOR FÉLIX SOARES 2º CICLO
2ª FASE
3º
CICLO
1ª
FASE
4º ANO 6º
ANO
GABRIELA RIBEIRO
NEVES
2º CICLO
2ª FASE
2º
CICLO
1ª
FASE
4º ANO 6º
ANO
LEOMARA MOURÃO SILVA 3º CICLO
1ª FASE
3º
CICLO
3ª
FASE
7º ANO 9º
ANO
VITÓRIA ENNES DE
MOURA
3º CICLO
1ª FASE
3º
CICLO
3ª
FASE
7º ANO 9º
ANO
ELIS MEIRE COSTA
FERREIRA
3º CICLO
1ª FASE
3º
CICLO
3ª
FASE
7º ANO 9º
ANO
JOÃO HENRIQUE FARIAS
GUERRA
2º CICLO
3ª FASE
3º
CICLO
2ª
FASE
6º ANO 8º
ANO
KATIANE MEDING 2º CICLO
3ª FASE
3º
CICLO
2ª
FASE
6º ANO 8º
ANO
SAMUEL MACHADO DE 2º CICLO 3º 6º ANO 8º
22
MORAES CAJANGO 3ª FASE CICLO
2ª
FASE
ANO
IZABELA SILVIA FERRERIA 3º CICLO
1ª FASE
3º
CICLO
3ª
FASE
7º ANO 9º
ANO
MARIA EDUARDA DA
SILVA
2º CICLO
1ª FASE
2º
CICLO
2ª
FASE
4º ANO 5º
ANO
WENDER TIBURSKI
MONTEIRO
2º CICLO
1ª FASE
2º
CICLO
2ª
FASE
4º ANO 5º
ANO
VINÍCIUS GUSTAVO
SOARES KIPPER
1º CICLO
3ª FASE
2º
CICLO
1ª
FASE
3º ANO 4º
ANO
SAMIRA TIBURSKI
MONTEIRO
2º CICLO
2ª FASE
2º
CICLO
3ª
FASE
5º ANO 6º
ANO
VINÍCIUS GUSTAVO
SOARES KIPPER
1º CICLO
3ª FASE
2º
CICLO
1ª
FASE
3º ANO 4º
ANO
Além disso, a escola proporcionará aos alunos do III Ciclo
acompanhamento pedagógico com aulas de apoio na articulação, para sanar
as dificuldades na escrita, leitura, entendimento, produção textual e
matemática.
Com base nas discussões na sala do educador, sentimos a necessidade de
organizar o trabalho em conjunto por área de conhecimento com base na
defasagem de aprendizagem como mostra os dados de retenção no 1º ano do
Ensino Médio apontados no BI e dados da prova Brasil do 5º e 9º ano.
23
24
25
26
27
28
29
30
INDICADORES
1. ENSINO REGULAR
1.1. ENSINO FUNDAMENTAL
Ano Aprovação(%) Reprovação(%) Abandono(%) Total(%)
2012 0,00 0,00 0,00 0,00
2011 100,00 0,00 0,00 100,00
31
1.1. ENSINO FUNDAMENTAL
Ano Aprovação(%) Reprovação(%) Abandono(%) Total(%)
2010 99,10 0,30 0,60 100,00
1.2. ENSINO MÉDIO
Ano Aprovação(%) Reprovação(%) Abandono(%) Total(%)
2012 0,00 0,00 0,00 0,00
2011 99,20 0,70 0,10 100,00
2010 60,10 15,00 24,90 100,00
3. ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (IDEB)
Ano Ensino Fundamental - séries iniciais Ensino Fundamental - séries finais
2011 5,90 4,70
2009 6,10 4,40
2007 4,50 3,90
2005 4,80 0,00
IDEB
32
PROBLEMAS ENFRENTADOS PELA ESCOLA
ProfessoresealunosdeescoladenunciamdescasodoEstado
18/04/2013 16:49:57 - Fonte: Jorge Manoel - NMT
Foto: Jorge Manoel - NMT
Todos os ares estão instalados há 4 meses, porém, somente um está funcionando
Os professores e alunos da escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes falaram
com o site NMT na tarde desta quinta-feira (18) para denunciar a situação
precária das instalações do colégio e inclusive cobrar do estado uma atitude
rápida para colocar em funcionamento os 32 ares condicionados que foram
instalados há quatro meses.
Segundo uma professora, que não quis se identificar por medo de sofrer
represálias, o Governo do Estado mandou 32 ares condicionados de 24.000 Btus
cada um, para as 16 salas de aulas do colégio, até aí ótimo. Porém, até o
momento somente um está funcionando, porque está usando as instalações
antigas de outro ar que já existia lá.
Para que os ares possam funcionar, segundo os denunciantes, será necessário
um padrão adequado e um transformador. Ou seja, o Estado deu os ares, mas
não deu condições para que os alunos e professores possam usufruir deles. Um
professor denunciou também, que já no processo licitatório houve situações
duvidosas. A licitação, conforme informou o professor, rezava que as tubulações
dos ares seriam de cobre, porém, foram instalados tubulações de alumínio.
A escola que já está perto de completar bodas de ouro, continua com uma
vestimenta antiga e nada apropriada para celebrações, uma vez que seus
banheiros estão com portas quebradas; vasos impróprios; pias e torneiras
'nojentas'; os bebedouros são rústicos e estão em mal estado; além disso,as
calçadas da escola não são apropriadas para os alunos ficarem a vontade,
segundo denunciam.
33
Na opinião da professora, uma escola estadual que têm 44 anos de fundação e
conta com 1.402 alunos, desde o primeiro ano do Ensino Fundamental até o
terceiro ano do Ensino Médio, teria que ter mais atenção do estado, até porque
é um colégio muito solicitado por pais de alunos em épocas de matrículas.
“Nossa escola é muito antiga e até agora ela não passou por nenhuma reforma.
Com a história e o porte que a escola tem não podemos ver um descaso assim e
ficar quietos. Aqui a fiação elétrica, a tubulação hidráulica, os banheiros, as
calçada, está tudo precário. Devido a problemas nas tubulações temos que
trocar constantemente os filtros dos bebedouros, porque a água tem gosto de
ferrugem. Tudo aqui é da época da ditadura”, afirmou a professora.
A professora informou que já entrou em contato com o Estado, porém, até o
momento não obteve nenhuma resposta quanto a adequar as instalações para
o funcionamento dos ares condicionados. Já quanto à reforma do prédio, de
acordo com a coordenação, já faz dez anos que a direção do colégio enviou uma
solicitação para Cuiabá.
“Já faz dez anos que solicitamos ao Governo do Estado uma reforma completa
para o colégio, só que há quatro anos eles vêm dizendo que irão reformar, mas
nunca fizeram nada. Inclusive no ano passado disseram que já haviam feito a
licitação, foi até noticiado na mídia local, e que a reforma seria feito no começo
deste ano e até agora nada. Estamos esperando”, concluiu.
Uma aluna do sétimo ano relatou como os alunos fazem para suportar o calor
na sua sala de aula. “Olha quando instalaram os ares achamos bom, mas até
agora não está funcionando. Temos só um ventilador na sala, os outros estão
quebrados, então quando está fazendo muito calor os alunos ficam todos
amontoados para ficar próximos do que está funcionando”, reclamou a menina.
Já outro aluno do nono ano disse que em sua sala a situação não é diferente e
os alunos não conseguem concentrar-se. “Olha, as vezes o calor é tanto que dá
dor de cabeça na gente, passamos mal, então a gente pede que ligue logo o ar.
Dia de prova tira a concentração, se o clima estivesse mais fresco lá dentro
ficaria melhor para estudar”, argumentou o estudante.
34
AUTOAVALIAÇÃO 2013
I - INDICADORES DE PLANEJAMENTO E AÇÕES PEDAGÓGICAS
Nível A - Planejamento e Ações Pedagógicas
Abrange processos e práticas de gestão do trabalho pedagógico, orientados diretamente para
assegurar o sucesso da aprendizagem dos estudantes, em consonância com o projeto
pedagógico da escola.
Destacam-se como indicadores de qualidade: a atualização periódica da proposta curricular; o
acompanhamento da aprendizagem dos estudantes; o desenvolvimento da inovação
pedagógica; as políticas de inclusão com equidade; o planejamento da prática pedagógica; a
organização de implantação de projetos didáticos consonantes com o Projeto Político
Pedagógico da instituição e a organização do espaço e tempo escolares, com suas rotinas e
estratégias de acompanhamento.
1. Proposta curricular contextualizada
1.1 A proposta curricular é atualizada periodicamente, para atender os
interesses e as necessidades dos estudantes e da comunidade, em consonância
com o projeto pedagógico da escola, as Diretrizes e Orientações Curriculares
Nacionais, Estaduais e Municipais bem como com os avanços científicos,
tecnológicos e culturais da sociedade contemporânea?
Bom
1.2 O currículo envolve temas relativos a conhecimentos escolares,
procedimentos pedagógicos, relações sociais, valores e identidade dos
estudantes?
Bom
1.3 O currículo favorece a expressão dos alunos nas suas diferentes formas, nas
várias áreas de conhecimento?
Bom
1.4 A escola oferece apoio aos professores para contextualização e definição do
currículo, de acordo com as necessidades de ensino e de aprendizagem?
Bom
2. Acompanhamento da aprendizagem
35
2.1 Os resultados de aprendizagem (avanços alcançados e dificuldades
enfrentadas pelos estudantes) são analisados?
Bom
2.2 A análise dos resultados de aprendizagem é utilizada como informação para
o planejamento das aulas e dos projetos? São desenvolvidas ações pedagógicas,
tendo por objetivo a melhoria contínua do rendimento escolar?
Bom
2.3 A escola oferece acompanhamento especial para estudantes em distorção
idade/série? Atenção: Se sua escola atende exclusivamente a Educação Infantil
e/ou os anos iniciais do Ensino Fundamental, selecione ―não se aplica‖. Nesses
casos, esse item será desconsiderado pelo avaliador.
Bom
2.4 A escola realiza ações orientadas para as turmas com maiores taxas de
reprovação? Selecione‖ não se aplica‖ no caso de escolas de Educação Infantil
e/ou que atendem apenas os primeiros anos do Ensino Fundamental.
Bom
2.5 No caso de alunos com dificuldades de aprendizagem, eles recebem auxílio,
estímulo e apoio para atingir os níveis de aprendizagem esperados?
Bom
3. Inovação pedagógica
3.1 São desenvolvidas práticas inovadoras para atender as diferentes
necessidades e ritmos de aprendizagem dos estudantes — com a utilização
adequada de recursos didáticos e tecnologias educacionais, que favoreçam o
trabalho em equipe, a interdisciplinaridade, a contextualização e a apropriação
de saberes?
Bom
3.2 As práticas inovadoras são analisadas a partir do rendimento dos alunos? Bom
3.3 Estratégias de ensino consideradas exitosas são registradas e
sistematizadas?
Bom
4. Inclusão com equidade
4.1 São realizadas práticas pedagógicas inclusivas que traduzam o respeito e o
atendimento equitativo a todos os estudantes, independentemente de origem
socioeconômica, gênero, raça, etnia e necessidades especiais?
Bom
4.2 São realizadas ações com o conjunto de alunos, pais ou responsáveis,
servidores da instituição no sentido de acolher casos que necessitam de
atendimento específico ou especial?
Bom
4.3 As ações para estudantes com necessidades especiais são analisadas a partir
do rendimento desses alunos?
Bom
4.4 Estratégias de ensino consideradas exitosas para alunos com necessidades Bom
36
especiais são registradas e sistematizadas?
5. Planejamento da prática pedagógica
5.1 A escola dispõem de momentos periódicos para o planejamento coletivo e
cooperativo da prática pedagógica?
Bom
5.2 O planejamento das aulas estão em consonância com a proposta curricular
da escola e com base nos avanços e necessidades individuais dos estudantes?
Bom
5.3 A escola estabelece os objetivos no projeto pedagógico para cada ano/
série ou ciclo e componentes curriculares/ disciplinas, de acordo com as
diretrizes curriculares?
Bom
5.4 Os conteúdos para cada componente curricular/ disciplina e para cada ano/
série ou ciclo são organizados de forma sequencial e/ou espiralada?
Bom
6. Organização do espaço e do tempo escolares
6.1 A escola dispõe de momentos coletivos para organização dos ambientes,
horários de aula e atividades extraclasse, de modo a assegurar práticas
pedagógicas que aprimoram a qualidade do ensino e o atendimento às
necessidades de aprendizagem dos estudantes?
Bom
6.2 Os eventos escolares, informes e solicitações administrativos são
organizados e tratados com um mínimo de interrupção das aulas?
Bom
6.3 O horário previsto para cada aula é claramente definido e seguido pelos
professores que dedicam todo o tempo das aulas para atividades que objetivam
a aprendizagem, concentrando-se nas atividades de ensino?
Bom
6.4 A escola utiliza ou adapta espaços fora da sala de aula para a realização de
atividades diversificadas que favoreçam a aprendizagem dos diferentes
conteúdos escolares ?
Bom
6.5 Os espaços da escola estão organizados de modo a propiciar algum tipo de
aprendizagem aos estudantes?
Bom
A proposta curricular da Escola Adolfo Augusto de Moraes é discutida no início do ano, na
semana pedagógica com a participação dos professores e equipe gestora, quando são
discutidas anualmente propostas de melhorias no processo de ensino aprendizagem com o
intuito de construir uma educação que leve em consideração as diferenças culturais, de
gênero, de raça, de cor, de sexo. Após essa discussão é realizado pelos professores um
levantamento junto aos alunos dos conhecimentos destes. E posteriormente são traçado os
planejamentos a serem trabalhados durante o ano letivo levando em consideração os
conhecimentos prévios dos alunos e o contexto em que estão inseridos. Também nossos
37
resultados apontam para a necessidade de se incorporar essas discussões nos cursos de
formação continuada de professores (Sala do Educador).
As práticas pedagógicas são voltadas para projetos pedagógicos, para diferentes abordagens
desenvolvidas, seguindo a grade curricular como também os temas transversais. A avaliação
ocorre de forma contínua progressiva, onde são utilizados instrumentos avaliativos capazes de
detectar avanços e dificuldades dos alunos. Os resultados destas avaliações servirão como
base não só para os alunos, mas para o professor reavaliar suas práticas pedagógicas. A escola
tem uma grande preocupação em relação à leitura, pois são desenvolvidos projetos
específicos dentro e fora da biblioteca, visando estimular a leitura, criticidade, interpretação
do que foi lido e se tornando um multiplicador na comunidade na qual está inserido. São
realizadas visitas à biblioteca na hora da leitura, saraus literários, dramatizações de
produções de autoria dos alunos e de autores clássicos e modernos.
Desenvolver o conhecimento científico também é uma das práticas de suma importância para
a escola, pois é feito através dos projetos: Horta Geométrica, Feira do Esclarecimento, Ação
Social, entre outros. Outro aspecto que vai além dos muros da escola é o resgate à cidadania,
aonde através de pesquisas, aulas de campo e palestras vêm desenvolvendo uma consciência
do que é realmente ser cidadão, conhecendo direitos e deveres, sendo autor de sua própria
história para que haja de fato uma transformação social. Vale ressaltar que só é possível
realizarmos os trabalhos mencionados graças a uma gestão democrática, visando o bem
comum e a coletividade. Para isso são organizados momentos pedagógicos que aprimoram a
qualidade de ensino e o atendimento às necessidades de aprendizagem dos alunos,
independentemente da origem socioeconômica, gênero, raça, etnia e necessidades especiais.
Outro ponto marcante em nossa escola é a relação com as famílias dos alunos com problemas
de aprendizagem. As orientações às famílias são realizadas das seguintes formas:
* Convocação pelo aluno e por telefone para uma conversa com a equipe gestora e
professores;
* Orientações aos alunos com defasagem e suas famílias pelo Conselho de escola.
O aproveitamento da aprendizagem é uma das mais importantes medidas da qualidade da
educação. É, também, intimamente ligado à eficiência da escola, porque as taxas de
aprovação e de reprovação estão relacionadas ao aproveitamento da aprendizagem dos
alunos. Por isso, devemos especificar o que esperamos que os alunos aprendam, e devemos
acompanhá-los para determinar se eles o aprenderam. Porém, para mensurar os resultados de
aprendizagem dos alunos é preciso monitorarmos essa aprendizagem porque esse
monitoramento nos fornece informações úteis para o planejamento escolar e a tomada de
decisões, além de auxiliar no estabelecimento de metas e objetivos, e na avaliação do grau
em que essas metas e objetivos foram atingidos.
Na nossa realidade não podemos desconsiderar as dificuldades dos
alunos em razão de inúmeros fatores: desestrutura familiar, distorção idade série, reprovação
sequenciada, etc. Essa heterogeneidade nos faz pensar na melhor forma de atender ao nosso
aluno e, por isso, adotamos atividades voltadas para a participação em classe e extraclasse na
forma de testes, trabalhos, debates, oficinas, etc. Assim, os professores com a ajuda da
coordenação pedagógica, numa relação dialógica, estão sempre buscando alternativas para
melhor atender o aluno. Além das reuniões específicas para esse fim, documentamos, através
do rendimento escolar de cada avaliação, os resultados obtidos. Podemos, portanto destacar:
 Reuniões bimestrais com pais e mestres para avaliação dos resultados.
 Aulas de Reforço para alunos com dificuldade em Matemática e língua Portuguesa, contra
38
turno;
 Parceria com os Estagiários da Universidade Federal local – UFMT
A concepção de educação Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes está voltada para um
fazer pedagógico cuja ênfase central se desloca da figura do professor para a figura do aluno,
logo o conhecimento só faz sentido quando construído pelo aluno. Neste contexto,
valorizamos menos o acúmulo de dados e informações - a quantidade – para atribuir maior
valor aos processos de aprender e, portanto, à qualidade e à relevância daquilo que é
aprendido.
A proposta da escola é algo desafiador, na medida em que busca promover o desenvolvimento
do senso crítico, da responsabilidade, da autonomia, da cidadania. Investir nessa linha de
trabalho tem sido muito gratificante para todos. Assim, buscamos a inovação dessas práticas
com vistas a desenvolver as potencialidades dos nossos alunos. Desenvolvemos projetos
interdisciplinares voltados para a contextualização de conteúdos e a valorização dos aspectos
socioculturais. Para um melhor desenvolvimento das atividades dispomos de recursos didáticos
e tecnológicos inovadores (data show, TV, DVD, vídeos de assuntos variados, hora da leitura
na biblioteca, laboratório de informática, etc).
Para que tenhamos um sistema educacional inclusivo, na verdadeira amplitude deste
conceito, é preciso partir do princípio de que todos os alunos podem aprender, que se deve
respeitar e reconhecer as diferenças de, idade, sexo, etnia, língua, deficiências ou
inabilidades, que o sistema metodológico atenda às necessidades de todas as crianças. Para
termos, pois, uma educação inclusiva é urgente que direcionemos nosso fazer pedagógico em
busca de uma escola voltada para a cidadania, plena livre de preconceitos , uma escola que
reconhece e valoriza as diferenças. Embasados em tais princípios temos buscado desenvolver
nossa prática sem quaisquer atitudes discriminatórias.
Entendemos o planejamento como uma prática político-social, uma atividade intencional pela
qual se projetam fins e se estabelecem meios para atingi-los. Por isso, não é "neutro‖, mas
ideologicamente comprometido com os fins pretendidos por um grupo ou instituição. Isto
significa dizer, que o planejamento é um processo constituído de vários atos componentes
deste planejar. É uma atividade-meio, que subsidia o ser humano no encaminhamento de suas
ações e na obtenção de resultados desejados, e, portanto, orientada por um fim. O ato de
planejar se assenta em opções filosófico-políticas, São elas que estabelecem os fins de uma
determinada ação. Em se tratando de planejamento escolar, é necessário que haja uma
participação efetiva a fim de que o planejamento se constitua uma ferramenta viabilizadora à
obtenção dos resultados a que a escola se propõe. Isso nem sempre é tarefa fácil devido à
pluralidade de ideias, contudo elas são salutares e necessárias no processo. Assim, buscamos
desenvolver uma prática reflexiva que considere avanços e necessidades dos nossos alunos.
Promovemos constantemente atividades extraclasses como: danças, passeios, atividades de
pesquisa no laboratório, atividades musicais, atividades na biblioteca, além de participação
nos jogos esportivos da cidade, em concursos e olimpíadas. No que concerne à participação da
comunidade, estabelecemos contatos bimestrais com os pais quando discutimos o processo
ensino aprendizagem ou quando há uma necessidade. O planejamento das aulas dos
professores efetivos é realizado no coletivo. No entanto não há participação dos professores
contratados, pois estes não recebem para fazer hora atividade, fato que dificulta a melhoria
no processo de planejamento da prática pedagógica.
Se a escola não se propuser a repensar seu tempo e seu espaço visando o aluno, jamais
39
alcançará seus objetivos. Para isso, é necessário respeitarmos as diferenças e criarmos
alternativas de espaços diferenciados dentro da escola. Não podemos ficar limitados ao
espaço estanque de sala de aula. É preciso pensar no desenvolvimento das potencialidades dos
alunos, respeitando-lhes o ritmo, a fim de vivenciarmos situações significativas de
aprendizagem. Por isso, a equipe da Escola Adolfo Augusto de Moraes tem contado com
espaços diferenciados: sala de multimídia, sala de leitura, laboratório de informática, quadra
de esportes, etc. Para uma melhor organização dos espaços, mantemos um controle de
utilização com agendamento. Além disso, buscamos inovar a nossa prática. Desenvolvemos os
conteúdos através de projetos que articulam diferentes áreas do conhecimento e possibilitam
aos nossos discentes uma maior interação social.
40
ANEXOS
41
PROJETO
ATIVA Vôlei
ESCOLA ESTADUAL
ADOLFO AUGUSTO DE
MORAeS
DAVID ROGERIO FERREIRA.
RONDONÓPOLIS
Maio de 2014
42
1.INTRODUÇÃO
1.1
1.2 1.1. IDENTIFICAÇÃO:
Trata-se de um projeto de esportivo que faz parte das atividades de preparação dos
alunos para a disputa os Jogos Estudantis, que ocorrem anualmente em nosso
município, e também para complementar o período de hora atividades do professor e
autor do Projeto. Projeto este que será desenvolvido na quadra poliesportiva da
Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes, no município de Rondonópolis, MT. Os
treinamentos ocorrerão entre os meses de Março e outubro de cada ano, com alunos
do ensino fundamental e médio.
1.2.1 1.2. Importância
Ao longo dos anos, a Educação Física vem ampliando seu espaço na escola, hoje ela
é considerada de grande importância no processo educacional, fundamental à
formação do indivíduo, ensinando respeito, convivência social e cidadania.
A Educação Física procura o desenvolvimento das faculdades motoras do indivíduo,
através da experiência, da autodescoberta e da autodireção do educando,
possibilitando a ele um dinamismo intencional, criativo e prospectivo, propondo ao
mesmo mais do que um saber fazer, e sim um saber ser, construindo espaços onde o
homem se torne humano, sendo reconhecido como consciência e liberdade.
SOARES (1992) nos diz que a Educação Física é uma prática pedagógica, que no
âmbito escolar, tematiza formas de atividades expressivas corporais como: jogo,
esporte, dança, e ginástica, formas estas que configuram uma área de conhecimento
que podemos chamar de cultura corporal.
Segundo MOREIRA (1995), por meio da Educação Física, a criança terá
inúmeras possibilidades de ser e de viver seus movimentos corporais. Desde a
vivência das habilidades motoras básicas, e suas diversas combinações até dividir o
espaço físico e social com o colega. Afirma que, o movimento é e faz parte da vida da
criança, sem ele certamente, ela não será capaz de relacionar-se com o mundo.
PERES (1998) nos fala da importância da Educação Física no currículo
escolar, a qual deve ocupar posição análoga a de todas as demais disciplinas que se
propõe desenvolver, nos jovens, as qualidades intelectuais, sociais e morais que farão
dele um indivíduo socialmente ajustado e com sua personalidade plenamente
43
expandida. Explica também a importância da Educação Física fora do currículo
escolar, onde este valor não se esgota no processo educacional formal, pois mesmo
depois de encerrado este período, deve o aluno continuar a praticar qualquer tipo de
atividade física aconselhável à sua idade e às suas necessidades.
GONÇALVES (1994) refere-se à Educação Física no contexto educacional,
onde esta é, sobretudo, educação, envolve o homem como uma unidade em relação
dialética com a realidade social. Os valores fins da Educação em geral e seus
respectivos objetivos estendem-se em sua totalidade, a Educação Física que, como
ato educativo, está voltado para a formação do homem, tanto em sua dimensão
pessoal, como social.
A Educação Física como prática educativa tem como objetivo formar a
personalidade do aluno mediante a atividade física, de modo a torná-lo capaz de
enriquecer e organizar sua vida pessoal. Lidando com o corpo e movimento integrado
na totalidade do ser humano. A Educação Física atua nas camadas mais profundas da
personalidade, onde se formam interesses, as inclinações pessoais, as aspirações e
os pensamentos.
Inserida em uma luta política pela transformação social, a Educação Física
busca, em última instância, a mudança de consciência.
A Educação Física, no entanto, oferece um vasto campo de experiências
educativas para tal desenvolvimento, na prática de jogos, no desporto escolar, no
lazer, na configuração das aulas, etc, dependendo da criatividade e do empenho do
professor em, conscientemente orientar suas aulas para esses objetivos.
1.3 1.3. Objetivos
1.3.1 1.3.1. Objetivo Geral
► Desenvolver um projeto de Treinamento de Voleibol para os alunos de
ensino fundamental e médio.
1.3.2 1.3.2. Objetivos Específicos
► Estimular o hábito da prática esportiva;
► Experimentar a aquisição de novas habilidades através de atividades
propostas nos treinamentos;
44
► Ensinar os fundamentos básicos do voleibol (toque, manchete, saque e
ataque) e os sistemas táticos de jogo;
► Oferecer aos a oportunidade de praticar padrões desejáveis de conduta,
acostumando-a a respeitar e cumprir as regras impostas pelo esporte;
► Ministrar atividades nas formas dinâmicas com ou sem deslocamentos, com
e sem materiais;
► Executar atividades adequadas à suas habilidades motoras;
► Oportunizar a vivência da modalidade esportiva, através de jogos pré-
desportivos de forma lúdica, despertando o interesse nos alunos pela modalidade;
► Propiciar a interação e integralização do grupo;
► Estimular a autoconfiança e auto-imagem positiva;
► Proporcionar condições aos educandos para que estes se tornem cidadãos
criativos, críticos e participativos na sociedade, no meio em que vivem;
► Familiarizar o aluno com derrotas e vitórias, uma vez que no decorrer de sua
vida ela se depara-la com ambas situações;
► Transmitir através dos problemas ocorridos durante as aulas, valores de
respeito a si e aos outros, honestidade, responsabilidade, cooperação, disciplina,
coragem e outros.
45
2. REVISÃO DE LITERATURA
1.4 2.1. O Jogo
ARAUJO (1992) fala sobre as atividades lúdicas. Elas, desde muitos séculos,
integram-se ao quotidiano das pessoas sob várias formas, sejam elas individuais,
sejam coletivas, sempre obedecendo ao espírito e à necessidade cultural de cada
época. E assim podemos evidenciar que dentro das atividades de lazer, vivenciadas
especialmente na idade infantil, o jogo toma um aspecto muito significativo no
momento em que ele se desvincula de ser meio para atingir a um fim qualquer. Ao
jogar, a criança apresenta características de um ser completamente livre, motivado por
uma necessidade intrínseca de realização pessoal, mas toda a finalidade que procura
no momento em que brinca está além de si mesma. Não se utiliza o jogo como meio
de alcançar uma determinada satisfação e, sim, esta é uma conseqüência de sua
interação com o próprio ato de jogar.
Desde muito cedo o jogo na vida da criança é de fundamental importância, pois
quando ela brinca, explora e manuseia tudo aquilo que está à sua volta, através de
esforços físicos e mentais e sem se sentir coagida pelo adulto, começa a ter
sentimentosde liberdade e satisfação pelo que faz, dando, portanto, real valor e
atenção às atividades naquele instante. Brincando, a criança desenvolve suas
capacidades físicas, verbais e intelectuais. Quando a criança não brinca, ela deixa de
estimular, e até mesmo desenvolver suas capacidades inatas e pode vir a ser um
adulto inseguro, medroso e agressivo. Já quando brinca à vontade, tem maiores
possibilidades de se tornar um adulto equilibrado, consciente e afetuoso. O valor do
jogo reside nas três funções que ele assume: desenvolvimento, socialização e
aprendizagem.
O jogo e a brincadeira na infância estruturam-se no movimento. Este tem como
funções: a exploração e relação do corpo e dos objetos, os sentimentos e as emoções.
A criança, dessa maneira, estabelece conceitos, interage com os objetos e as
pessoas, favorecendo a comunicação e a inteligência, daí o pensamento e a
aprendizagem virem como resultado importante desse brincar.
1.5 2.2. O Esporte:
46
O esporte é uma necessidade individual e social, uma influência que se
evidencia cada vez mais dentre as atividades do homem. Ele surpreende pela rapidez
e amplitude de sua progressão e se impõe pela atração que desperta. Incita a ação,
competição, superação de esforço, afim de fonte de saúde e de distração.
As pessoas procuram as atividades físicas como válvula de escape das
tensões que os envolvem na sala de aula, em casa ou no trabalho, onde elas podem
se expressar e brincar descarregando toda a sua energia acumulada de forma lúdica.
1.6 2.3 Fundamentos do voleibol
1.6.1 2.3.1. Posição de expectativa
-Objetivo:
Mostra que o atleta está “ligado”, atento à jogada, pronto para intervir;
Permite arrancar mais rápido para a bola;
Permite deslocar para todas as direções com mais rapidez.
-Descrição técnica:
Pés afastados lateralmente, estando um deles ligeiramente à frente do outro;
Joelhos flexionados e à frente dos pés;
Tronco ligeiramente inclinado para frente;
Divisão igual do peso do corpo sobre os dois pés;
Braços flexionados com os cotovelos juntos ao corpo e as mãos afastadas.
1.6.2
1.6.3 2.3.2. Saque por baixo
-Objetivo:
Colocar a bola em jogo;
Dificultar a construção de uma jogada combinada, jogando em locais ou jogadores
determinados.
-Descrição técnica:
Para uma perfeita execução do saque por baixo, deverá se estar num posicionamento
de equilíbrio, onde o gesto técnico associado à força necessária para a execução;
Para os jogadores destros, colocar o pé esquerdo à frente apontando para o local a
ser atingido pela bola; pé direito atrás um pouco aberto para o lado;
As pernas movimentam-se para frente e para trás, flexionando-se levemente;
47
A bola é apoiada na mão aproximadamente na altura da cintura, e o braço de
ataque faz o movimento póstero-anterior (de trás para frente), atacando a bola
de forma que dê o maior contato entre a mão e a bola.
1.6.4 2.3.3. Saque por cima
-Objetivo:
Colocar a bola em jogo;
Dificultar a recepção e a construção da jogada combinada do adversário;
Fazer diretamente o ponto.
-Descrição técnica:
Para os jogadores destros, colocar o pé esquerdo à frente apontando para o local a
ser atingido pela bola; pé direito atrás um pouco aberto para o lado;
As pernas movimentam-se para frente e para trás, flexionando-se levemente;
A bola é apoiada na palma da mão esquerda (para os destros), com o punho dessa
mão flexionada para cima;
O braço de ataque deve estar flexionado, com a mão a altura da cabeça virada para
frente;
A mão deve atacar a bola de modo que dê o maior contato possível entre a mão e a
bola, portanto, aberta.
1.6.5
1.6.6 2.3.4. Toque
-Objetivos:
Fazer o passe;
Fazer o levantamento;
Fazer recepção.
-Descrição técnica:
Posição de pés, pernas e tronco igual à da posição de expectativa, sendo que as
mãos estarão colocadas na altura da testa;
No contato com a bola, mãos e punhos devem estar relaxados;
No contato com a bola, mãos e dedos tomam a forma da bola;
No contato com a bola, o punho contribui com 50% da ação;
No contato com a bola, as mãos vão de encontro da bola.
48
1.6.7 2.3.5. Manchete
-Objetivos:
Impedir que a bola caia no chão;
Fazer o passe para o levantador.
-Descrição técnica:
Os pés deverão estar um ligeiramente à frente do outro com as pernas afastadas
lateralmente, apoiando-se em meia planta dos pés (calcanhares levantados);
Joelhos flexionados;
Tronco inclinado à frente;
Braços retos para frente, unidos e mostrando suas faces internas (região mais plana);
Punhos flexionados com os dedos apontados para o chão;
60% do peso do corpo deve estar sobre a perna mais à frente e 40% sobre a perna de
trás;
A bola deve ter contato na região acima dos punhos (dois dedos acima).
1.6.8 2.3.6. Cortada
-Objetivos:
Fazer o ponto;
Tomar o saque (rodízio);
Fazer a bola tocar o mais rápido possível a quadra adversária, impedindo a defesa.
-Descrição técnica:
A corrida: na fase de aprendizagem a corrida, geralmente, não excede a três passos,
sendo que o primeiro deles deve ser mais curto (para permitir ao atacante mudar de
direção num mau levantamento) e o último mais largo é rápido. A corrida deve ser
iniciada quando a bola já abandonou as mãos do levantador (levantamento alto);
A impulsão: indica-se pelo apoio dos dois calcanhares (nesse momento as pernas e
tronco estarão flexionadas e os braços estarão para trás), depois planta e ponta dos
pés com brusca extensão das pernas e troncos. Os dois braços são arremessados
vigorosamente para cima, ajudando na elevação do corpo;
O movimento dos braços: a batida na bola se realiza no ponto mais alto do salto, à
frente do corpo e com o braço estendido. O braço oposto ao da cortada deve ser
puxado para baixo no momento da cortada, flexionando-o no cotovelo. A força da
cortada deve-se à velocidade do braço da mesma;
49
A queda: deve-se realizar primeiro, sobre a ponta dos pés, depois planta dos pés e por
ultimo os calcanhares, com a respectiva flexão dos joelhos, e sempre nos dois pés.
Ela deve ser equilibrada e permitir ao atacante uma nova ação no jogo.
1.6.9 2.3.7. Bloqueio
-Objetivos:
Impedir que a bola atacada passe pela rede;
Amortecer o impacto da cortada propiciando o contra-ataque.
-Descrição técnica:
Ficar atento perto da rede, o jogador deve se colocar a uma distância de meio braço
da rede.
Saltar muito rápido e no momento exato; nos levantamentos altos os bloqueadores
saltam um pouco mais tarde do que o atacante; em ataques rápidos os bloqueadores
saltam um pouco mais tarde do que o atacante; em ataques rápidos (bolas baixas) o
bloqueador salta no mesmo momento que o atacante;
Passar as mãos por cima da rede colocando-as o mais próximo possível da bola;
Para poder estender os braços por sobre a rede e poder puxá-los rapidamente de
volta, é aconselhável que o tronco seja levemente lesionado no quadril e estendido
imediatamente após tocar na bola;
Aterrisar pronto para jogar; se a bola passa ou é desviada pelo bloqueio, o bloqueador
deveria fazer tudo para não perdê-la de vista.
1.6.10 2.3.8. Rolamento
-Objetivos:
Impedir que a bola caia em seu próprio campo, no caso dela estar distante e/ou baixa;
Preparar bem o contra-ataque;
Evitar lesões.
-Descrição técnica:
Estar em posição de expectativa;
Estar muito agachado é melhor que muito alto;
Não correr antecipadamente e nem atrasado para a bola;
Usar a mão e braços estendidos para bater na bola, elevando-a para cima e, se
possível, na direção do levantador.
Após o toque na bola, jogar o corpo por sobre o dorso das costas correspondente a
mão e braços usados (por exemplo: se usou a mão e/ou braço direito para defender a
bola, girar o corpo por sobre o dorso direito);
50
No caso de rolamento para trás, após o toque na bola de manchete ou toque por cima,
deve-se passar primeiro pelos glúteos, depois pelas costas. Verificar a proteção da
cabeça;
Procurar sair na posição em pé, após o rolamento, para prosseguir na jogada;
Nunca dar uma bola como perdida.
1.6.11
1.6.12 2.3.9. Peixinho
-Objetivos:
Impedir que a bola caia em seu próprio campo, no caso dela estar distante e/ou baixa;
Evitar lesões nas quedas.
-Descrição técnica:
Estar em posição de expectativa;
Estar muito agachado é melhor do que muito em pé;
Não correr antecipado e nem atrasado para a bola;
Usar o dorso da mão direita (no caso de destros) na ocasião do contato com a bola,
elevando-a para que outro jogador possa continuar a jogada;
No caso de não conseguir bater na bola, pode-se usar o artificio de colocar a mão
entre a mesma e o chão. Tarefa esta que requer muita habilidade;
Após o contato com a bola, a queda é feita primeiramente sobre as mãos e os braços
que se flexionam encostando o peito no chão diminuindo o impacto. As mãos deverão
facilitar o deslizamento empurrando o corpo para frente. Os pés deverão estar
dobrados;
O corpo no momento da queda ao chão deve fazer um arco, de modo que somente o
peito e mãos tenham o primeiro contato com o chão;
Não deixar os pés se elevarem muito em relação à cabeça, pois o queixo poderá tocar
no chão;
É um fundamento usado exclusivamente por equipes masculinas;
Nunca dar a bola como perdida;
Para a execução desse fundamento é necessária uma superfície plana e lisa, o que
diminui o atrito e o risco de lesões.
51
3 - METODOLOGIA
1.7 3.1. População
O presente projeto visa ministrar atividades de iniciação ao voleibol no Ensino
Fundamental e médio, aos alunos da Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes, em
Rondonópolis, MT.
1.8 3.2. Conhecimentos a serem ministrados
Os conhecimentos a serem ministrados no período, serão os fundamentos
básicos do voleibol (manchete, toque, saque, cortada, regras básicas e sistemas de
jogo)
1.9 3.3. Metodologia de ensino.
Para a execução do Projeto, serão colocadas em prática as Concepções
Abertas no Ensino da Educação Física, ou seja, será dada aos alunos uma pequena
abertura ou liberdade de escolha. Essa abertura poderá vir a crescer gradativamente,
à medida que os alunos mostrarem-se capazes de corresponder à mesma, através da
responsabilidade e da socialização.
Para HILDEBRANDT & LAGING (1986), as Concepções de Ensino são Abertas
quando os alunos participam das decisões em relação aos objetivos, conteúdos e
âmbitos de transmissão, ou dentro desse complexo de decisão. O grau de abertura
depende do grau de co-decisão dos alunos.
Buscando este objetivo serão utilizados o estilo prático e o estilo inclusão.
MOSSTON, apud CANFIELD (1986), explica que no estilo prático ocorrem algumas
mudanças na relação professor-aluno. Algumas decisões, quanto às atividades (local,
ritmo, intervalo, etc) passam a ser responsabilidade dos alunos, sendo essas decisões
valorizadas pelo professor, o qual depositará a necessária confiança em seus alunos.
Essas decisões entram na categoria chamada de IMPACTO, ou seja, são as decisões
feitas durante a realização das tarefas.
No estilo inclusão, as pré-decisões são tomadas pelo professor. O aluno toma
decisões no Impacto, ou seja, inclui suas decisões durante a execução da tarefa,
verificando a sua performance e decidindo sobre sua atuação futura, ou qual o nível
52
que realizará as atividades. Este estilo induz ao exame do autoconceito; o aluno
poderá avaliar o que pode fazer.
Através desta metodologia, a qual vai oferecendo uma abertura gradativa aos
alunos, de tomarem suas decisões, poderá se chegar aos objetivos propostos pelas
outras metodologias.
MOSSTON, apud CANFIELD (1986), indica como estilo de ensino a Resolução
de Problemas. Diante de uma situação problema os alunos devem empenhar-se em
achar soluções por si mesmos. O exercício problema é uma situação rica de
componentes, que solicita dos alunos desvendarem o emaranhado estrutural
apresentado, permitindo a escolha, entre várias soluções possíveis, daquela que lhe
pareça mais adequada.
BECKER apud BRANDL NETO (1999), descreve sobre a Descoberta Dirigida,
onde os alunos são desafiados a descobrirem soluções para os problemas
individualmente ou em grupo. O professor faz perguntas adequadas, ou dicas, pistas
ou indícios, deixando o aluno ou grupo descobrir.
1.10 3.4. Estratégia Pedagógica
Para a execução das aulas serão utilizadas as seguintes estratégias:
Treinamentos práticos visando atender as características dos alunos. Serão utilizadas
atividades motivantes e variadas que os mantenham ocupados e lhes cativem
atenção.
Os treinamentos serão em sua maioria práticos, mas com fundamentação teórica
conforme a necessidade da mesma. A princípio será demonstrada a forma correta de
execução dos movimentos, para depois serem vivenciados pelos alunos. Também
será questionado o conhecimento prévio sobre assuntos abordados.
As aulas serão iniciadas com aquecimento, através de deslocamentos e
movimentações articulares. Após serão realizados alongamentos e alguma brincadeira
em que todos participem e tenham boa movimentação, depois serão iniciadas as
atividades programadas, encerrando-se as aulas com um alongamento, sempre
enfatizando a importância do mesmo.
Ao término das atividades o professor fará comentários com os alunos,
reforçando a importância das atividades que foram realizadas. A opinião dos alunos
sobre a aula é importante para a atuação do professor.
Quanto à Avaliação:
53
Será qualitativa, ou seja, que valorize a participação dos alunos, onde todos os
passos são avaliados, observando-se os conhecimentos e progressos alcançados
pelos alunos, sendo esta de forma contínua.
1.11 3.5. Cronograma (a ser definido de acordo com os horários compatíveis)
Período: 25 semanas.
DIA DA SEMANA HORÁRIO LOCAL
segunda-feira 15:00 Quadra poliesportiva
quarta-feira 15:00 Quadra poliesportiva
1.12 3.6. Recursos
1.12.1 3.6.1 Recursos Físicos
 Quadra de esportes;
1.12.2 3.6.2 Recursos materiais
Para a execução das atividades nas aulas serão utilizados os seguintes
recursos materiais:
Quantidade Material Valor unitário R$ Estimativa em
R$
04 bola de voleibol Penalty 6.0 220,00 880,00
01 rede de voleibol 120,00 120,00
20 Metros de corda 2,00 40,00
24 Uniformes completos 80,00 1.920,00
15 Bola de voleibol Wilson 120,00 1.800,00
20 Bola de borracha 9,00 180,00
total XXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXX 4.940,00
54
4. REFERÊNCIAS
Apostilado de Voleibol. Disciplina voleibol-Curso de Educação Física, UNIOESTE,
1998.
ARAUJO, V. C. O Jogo no contexto da Educação Psicomotora. São Paulo: Cortez,
1992.
BRANDL NETO, I. Teorias da Aprendizagem e a Educação Física (motora). In
Caderno de Educação Física. Estudos e Reflexões/Curso de Educação Física da
Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon. V. I, Nº I, 1999.
BRANDL Neto, I. In Educação Física nas séries iniciais. Brandl Neto, I. (org.).
Toledo: EdT, 1996.
BURIOLLA, M. A. F. O Estágio Supervisionado. São Paulo: Cortez, 1995.
CANFIELD, J. T. Estilos de Ensino de Mosston (Apostilado). Santa Maria, U.F.S.M,
1986.
GONÇALVES, M. A. S. Sentir, Pensar, Agir (Corporeidade e Educação). São Paulo:
Papirus, 1994.
HILDEBRANDT, R e LAGING, R. Concepções Abertas no ensino da Educação
Física. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1986.
MEINEL, K. Motricidade II – O Desenvolvimento Motor do Ser Humano; Rio de
Janeiro. Ao Livro Técnico S.A., 1984.
MOREIRA, W. W. (org.). Corpo Pressente. São Paulo: Papirus, 1995.
ODENEAL & KELLAN. Voleibol Moderno. São Paulo: Difel /Forun, 1975.
PERES, L. S. O positivismo e a Educação Física. In Peres, L.S. et al. Educação
Física: abordagem histórica do corpo e novas perspectivas. Cascavel, 1998.
Regulamentação do Estágio Supervisionado do Curso de Educação Física da
UNIOESTE. PR, 1999.
RODRIGUES, Maria. Manual teórico prático de Educação física infantil. 6º ed.: São
Paulo: 1993.
SEED. Educação Física. Apostila, s/d.
SOARES, C. L. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez,
1993.
TANI, GO... et al. Educação Física Escolar. Fundamentos de uma
abordagemdesenvolvimentista. São Paulo: EPU: Editora da Universidade de São
Paulo, 1988.
TOSCANO,M. Teoria da Educação Física Brasileira. Rio de Janeiro: ed. Civilização
Brasileira, 1974.
55
Estado de Mato Grosso.
Secretaria de Estado de Educação.
Escola Estadual “Adolfo Augusto de Moraes”.
PROJETO DE ARTICULAÇÃO DA APRENDIZAGEM
Unidocência - Linguagem
Matemática
Ano Letivo - 2014
Rondonópolis ,2014
56
Considerações
1. Unidocência - Linguagem
A prática educativa é um fato social, cuja origem está ligada à da própria
humanidade. No decurso da história do Ocidente, a Pedagogia firmou-se como a ciência
do ensino. Assim, a indissociabilidade entre a prática educativa e a sua teorização
elevou o saber pedagógico ao nível científico.
Com este caráter, o pedagogista e o pedagogo passam a ser, de fato e de
direito, investido de uma função reflexiva, investigadora e, portanto, científica do
processo educativo. Autoridade que não pode ser delegada a outro profissional, pois
o seu campo de estudos possui uma identidade e uma problemática própria.
Entende-se que fora consubstanciado nestas considerações a elaboração do
Artigo 29 da Portaria 434/13/GS/SEDUC/MT que está logo abaixo na página 4 deste
documento, inclusive priorizando a função do Pedagogo para a Articulação no
Parágrafo 4 - item III.
2. Matemática
A matemática é a ciência dos números e dos cálculos. Desde a antiguidade,
o homem utiliza a matemática para facilitar a vida e organizar a sociedade. A
matemática foi usada pelos egípcios nas construções de pirâmides, diques, canais de
irrigação e estudos de astronomia. Os gregos antigos também desenvolveram vários
conceitos matemáticos. Atualmente, esta ciência está presente em várias áreas da
sociedade como, por exemplo, arquitetura, informática, medicina, física, química etc.
Podemos dizer que em tudo que olhamos existe a matemática, portanto se faz necessário
teorizarmos com o cotidiano do aluno, pois de acordo com os PCNs:Nesta fase, os
alunos devem ser estimulados a aperfeiçoar seus procedimentos de cálculo aritmético,
seja ele exato ou aproximado, mental ou escrito, desenvolvido a partir de procedimentos
não convencionais ou convencionais, com ou sem uso de calculadoras.
Certamente, eles ainda não têm domínio total de algumas técnicas
operatórias, como da multiplicação e da divisão envolvendo números naturais,
compostos de várias ordens, ou aquelas com números decimais, e isso precisa ser
trabalhado sistematicamente. O importante é superar a mera memorização de regras e de
algoritmos (.divide pelo de baixo e multiplica pelo de cima., .inverte a segunda e
multiplica.) e os procedimentos mecânicos que limitam, de forma desastrosa, o ensino
tradicional do cálculo( 1996,p. 68).
57
Na série deste estudo é muito importante a ênfase nas quatro operações
matemáticas. É a partir desta familiaridade, tão essencial, que o aluno terá condições
para seguir adiante com os novos assuntos que aprenderá nos decorrer dos anos. O uso
da expressão numérica somente somará facilidade de entendimento e em consequência,
a melhor compreensão dos novos assuntos.
A existência desse projetoé expor motivos à Secretaria de Estado de
Educação que permitam analisar e decidir sobre a permanência da função do Professor
Articulador – Pedagogo 20 horas, como um agente da manutenção da qualidade da
Alfabetização, Letramento e Matemática 20, de alunos da Escola Estadual “Adolfo
Augusto de Moraes”considerando a efetiva melhoria das condições de aprendizado e
também da elevação da qualidade do ensino.
A Escola
A educação é hoje uma pauta recorrente na agenda nacional e um tema
capaz de gerar adesões de todas as correntes. Por outro lado o Brasil ainda caminha
muito lentamente para um padrão educacional de qualidade, como se esperaria de um
país que ostenta tão alta posição em termos econômicos.
Nesse contexto, o presente projeto de articulação é direcionado à Escola
Estadual “Adolfo Augusto de Moraes”, que está localizada em Rondonópolis – MT, no
Bairro VilaAurora, na Avenida Padre Anchieta nº. 937, em um terreno de 10.000 m².
Trata-se de uma escola que foi fundada em 27/02/1969, conforme Decreto nº 824 de
27/02/69, com a denominação de Grupo Escolar “Dr. José Trancucci”. Pelo Decreto nº.
1462 de 08/03/1971,passou a se chamar Grupo Escolar “Adolfo Augusto de Moraes e
funcionava na COHAB.
A Escola iniciou suas atividades no dia 10 de maio de 1975, sendo
oficialmente criada pelo Decreto nº. 63 C.E.E./ MT de 04 de junho de 1975, com o
nome de “Escola Estadual de I e II grau “Adolfo Augusto de Moraes” em homenagem
aos pais do Sr. William de Moraes, doador do terreno onde a mesma foi construída.Foi
reconhecida conforme Portaria 3277/92-C.E.E./ MT de 15/12/1992. A Escola é uma
instituição de ensino da Rede Pública Estadual de Ensino do Estado de Mato Grosso,
tendo como mantenedora a Secretaria de Estado de Educação do Estado do Mato
Grosso – SEDUC - MT, com sede no município de Cuiabá.
Atualmente, a Escola atende mais de 1.200 alunos regularmente
matriculados em três turnos, nas modalidades de Ensino Fundamental de nove anos e
com Ensino Médio na sede da Escola “Adolfo” nos turnos vespertino e matutino. Além
disso, tem seis turmas de Ensino Médio ofertado no período noturno em salas anexas
em uma Escola Municipal situada no Bairro Parque São Jorge.
58
Neste ano a Escola completou 45 anos de educação no município e é
considerada uma escola bem localizada, num dos ótimos bairros da cidade. Está
localizada em uma área privilegiada e quase central. Os alunos são oriundos de diversos
bairros inclusive periféricos. Os alunos são de todos os níveis sociais, tendo os que
chegam de carro, de ônibus, bicicleta e a pé. Há alunos de boa situação financeira e
também os que precisamde doações como camisetas, cadernos e lápis. Tem alunos que
residem nas proximidades da escola, outros em bairros próximos e outros em bairros
distantes. Muitos destes dizem amar tanto a escola que não se mudam para outra escola
mais perto de sua residência.
No que concerne à gestão, existe uma preocupação com a melhoria da
qualidade de ensino e com a consequente satisfação da comunidade escolar. Por isso,
realiza-se um trabalho coletivo que procura constantemente alinhar parcerias ao
desenvolvimento das atividades escolares no sentido de promover melhores resultados.
Com base nesse entendimento, busca-se a construção coletiva do Projeto Político
Pedagógico (PPP) que se configura como um norteador das ações pedagógicas e
curriculares da escola.
De acordo com o Plano Político Pedagógico(PPP) e o Regimento
Internopara 2013, os alunos contam com no mínimo uma avaliação bimestral escrita que
se soma às demais atividades avaliativas e ao processo diário de desenvolvimento em
sala. Havendo necessidade, o aluno fará as atividades de recuperação do bimestre, se
mesmo com a recuperação a dificuldade não for sanada, serão disponibilizadas aulas de
apoio à aprendizagem na Articulação, em consonância às aulas de apoio junto a
Professora Regente.
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) prevê o aumento
progressivo da jornada escolar para o regime de tempo integral (art.34 e 87), ao mesmo
tempo em que reconhece e valorizam as iniciativas de instituições que desenvolvem
como parceiros da escola, experiências extraescolares (LDB, art. 3, item 10). Essas
indicações legais respondem tanto às expectativas de ampliação do tempo de estudo, via
sistema público de ensino, como ao crescente movimento de participação de outras
organizações, nascida em geral por iniciativa da própria comunidade, que trabalha na
interface educação-proteção social.
Nem sempre se tem conseguido avançar para ações educativas que
respondam às expectativas de formação e de aprendizagem e que ajudem na superação
das dificuldades didático-pedagógicas e organizacionais do sistema. Enquanto em
muitos fóruns busca-se discutir alternativas para que a educação responda à acelerada
exigência de atualização tecnológica e ao processamento da massa de informações que
circula na mídia, enfrenta-se também a dura constatação de que uns significativos
números de crianças de escolas brasileiras ainda não sabem ler e compreender um
59
texto simples. São essas contradições que fomentam o sentido de urgência na
concretização das aspirações da Educação.
Pensando nisso é que se faz necessário a interferência e ação do Professor
de Articulação no processo da Aprendizagem, a fim de garantir um tempo a mais para
a criançaem nossa escola, para superar os seus desafios de aprendizagem,
especialmente no que diz respeito à consolidação no processo de leitura, escrita e
entendimento de texto (Alfabetização e Letramento).
Legislação
A Portaria 434/13/GS/SEDUC/MT, no artigo 29 do §1º ao §5º diz:
Art.29.Toda escola de ensino fundamental da rede estadual
organizada por Ciclos de Formação Humana terá direito
a pelo menos um professor articulador com carga
horária distribuída em até 30 horas.
§ 1º A atribuição do professor articulador de aprendizagem
considerará as necessidades apresentadas no
diagnóstico dos desafios de aprendizagens de cada
escola.
§ 2º. As necessidades apresentadas no diagnóstico embasarão
a elaboração do projeto de mediação das
aprendizagens da articulação do coletivo dos Ciclos da
unidade escolar.
§ 3º. O projeto de mediação das aprendizagens da articulação
do coletivo dos Ciclos deverá:
I - estar em consonância e ser contemplado no PPP –
Projeto Político Pedagógico;
II - estar prioritariamente relacionado aos processos de
alfabetização;
III - ser acompanhado e validado pela Assessoria
Pedagógica e encaminhado via parecer às equipes da
SUEB/SUDE para parecer final e liberação no sistema
pela SUGP para atribuição.
§ 4º. Para candidatar-se à função de professor articulador da
aprendizagem, o docente deverá apresentar perfil
estabelecido a seguir:
I - ser prioritariamente professor efetivo ou estabilizado;
II – ter disponibilidade no horário diurno;
III - ter prioritariamente formação em LicenciaturaPlenaem
Pedagogia ou Normal Superior;
60
IV – ter prioritariamente experiência docente em
alfabetização nos últimos 02 anos;
a. caso tenha outra habilitação, porém seu concurso de ingresso
for magistério e optou por continuar atuando nos anos
iniciais;
§ 5º. Caso os processos de alfabetização já estejam
consolidados e o projeto de mediação das aprendizagens da
articulação apresente outras necessidades de aprendizagem
dos alunos, a unidade escolar poderá atribuir professor
articulador com habilitação nas áreas diagnosticadas.
Nosso entendimento
A partir da leitura e reflexão sobre o texto da Portaria 434/13,
entendemos que:
o A atribuição do Professor Articulador deverá atender as necessidades de cada
Unidade Escolar.
o É a partir das necessidades apresentadas no diagnóstico que será elaborado o
projeto de articulação das aprendizagens no coletivo dos Ciclos da Unidade
Escolar;
o A ação do Professor Articulador esta relacionada aos desafios da aprendizagem
prioritariamente aos de Alfabetização e Letramento;
o Que a validação deste processo inicia pela aprovação daAssessoria Pedagógica,
posteriormente pela SURB/SUDE e liberação e atribuição pelo SUGP;
o Que as exigências para o cargo são:
a. ser professor efetivo;
b. ter horário disponível no período diurno;
c. ter prioritariamente formação emLicenciatura Plena em Pedagogia ou
Normal Superior; ou ainda, ter experiência docente em alfabetização nos
últimos 02 anos;
o Se houver outras necessidades de aprendizagem dos alunos, a unidade escolar
poderá atribuir professor articulador com habilitação nas áreas diagnosticadas
desde que não seja de Alfabetização e Letramento, pois estas já estariam
contempladas no documento;
Objetivos do Professor Articulador
1. Unidocência - Linguagem
o Oferecer aos alunos com dificuldades no processo de aprendizagem
atividades diversificados que minimize o fracasso escolar melhorando
sua autoestima pela alfabetização e letramento.
61
o Desenvolver um processo de ensino diferenciado com o aluno para que ele
alcance qualificação necessária a sua promoção ao término do ano letivo.
o Criar novas estratégias e métodos para trabalhar conteúdos, para os quais os
alunos apresentam dificuldades;
o Orientar o aluno a identificar suas dificuldades para superá-las;
o Permitir ao aluno compreender seu potencial.
o Oportunizar aos alunos do projeto, situações de aprendizagem que possibilitem o
desenvolvimento:
a. De habilidades mentais e linguísticas (capacidade de se expressar
oralmente e na escrita, identificar, comparar, estabelecer relações,
classificar, analisar interpretar e sintetizar);
b. Da criatividade, da formulação de hipóteses, de critica, de resolução de
situações-problema;
c. Do raciocínio reflexivo-crítico, de atenção, de observação, da
socialização e das relações interpessoais;
d. Da capacidade de aplicar conhecimentos construídos em novas
situações e de fazer generalizações;
e. Da vivência lúdica por meio de jogos relacionados à atividade;
f. Do uso das Tecnologias na ajuda em desenvolver as habilidades
dos alunos.
2. Matemática
o Reforçar e dar suporte ao aluno em determinados conteúdos básicos de
matemática.
o Auxiliar no desenvolvimento de conteúdos que estão sendo estudados
na série em curso.
o Dar condições para que se possa melhorar a autoestima do aluno.
o Incorporar soluções alternativas, reestruturar e ampliar a compreensão
acerca dos conceitos envolvidos nas quatro operações;
o Discutir as dúvidas, supor que as soluções dos outros podem fazer
sentido e persistir na tentativa de construir suas próprias ideias;
o Reconhecer os significados dos números naturais em diferentes
contextos e estabelecimento de relações entre números naturais, tais
comoser múltiplo de., .ser divisor de..
62
o Desenvolvimento da capacidade de investigação e da perseverança na
busca de resultados, valorizando o uso de estratégias de verificação e
controle de resultados,
o Predisposição para alterar a estratégia prevista para resolver uma
situação-problema quando o resultado não for satisfatório,
o Reconhecimento que pode haver diversas formas de resolução para
uma mesma situação- problema e conhecê-las,
o Valorização e uso da linguagem matemática para expressar-se com
clareza, precisão e concisão,
o Estimular o trabalho coletivo, colaborando na interpretação de situações-
problema, na elaboração de estratégias de resolução e na sua
validação.
Justificativas
1. Unidocência - Linguagem
A justificativa maior desse projeto e o que se espera com ele é
garantir o que diz a LDB no Inciso I de seu Artigo 3°: “igualdade de condições
para o acesso e permanência na escola”. Entende-se que garantir igualdade
de condições é dar suporte para que os alunos que estão com dificuldades
educacionais consigam superá-las. O processo que vem sendo utilizado é
comprovadamente um desses caminhos.
O domínio da língua, oral e escrita, é fundamental para a
participação social efetiva, pois é por meio dela que o homem se comunica,
tem acesso á informação, expressa e defende pontos de vista, partilha ou
constrói visões de mundo, produz conhecimento. Por isso, ao ensiná-la, a
escola tem a responsabilidade de garantir a todos os seus alunos o acesso aos
saberes linguísticos, necessários para o exercício da cidadania, direito
inalienável de todos.
A figura do professor articulador é uma exigência da Escola
Ciclada organizada em ciclos de formação humana, um elemento a mais na
construção do conhecimento, especialmente para aqueles com maior
dificuldade de aprendizagem.
Buscamos estes esclarecimentos baseados nos descritos da Portaria 276/96,
Art. 6º e Instrução Normativa 008/2007/GS/SEDUC/MT em que trata da questão:
PROFESSOR ARTICULADOR: quem é e qual é sua função?Observamos que há
um número significativo de crianças nas séries iniciais de escolarização que apresentam
63
muitas dificuldades de aprendizagem. São crianças que estão condenadas ao fracasso
antes mesmo que se esgotem todas as possibilidades didático-pedagógicas em
alfabetizá-las.
Nesta Unidade Escolar, E. E. "Adolfo Augusto de Moraes" há a
necessidade do Professor Articulador da Aprendizagem de forma efetiva,
atuando especificamente em 20 horas semanais na função, pois possuímos
alunos em processo de alfabetização e letramentonão consolidados, no I e
II Ciclo. Estes casos são da competência do professor Pedagogo,
Linguagem e Matemática.
2. Matemática
Existe um grande número de alunos que chegam ao ensino médio sem
saberem a matemática básica e, em consequência desta defasagem da
aprendizagem, não conseguem acompanhar, de forma satisfatória, o
desenvolvimento dos conteúdos de matemática do ensino médio.
Partindo da constatação no do ensino fundamental na escola,
percebeu-se a dificuldade de um percentual considerável de discentes com
dificuldades de compreender as quatro operações, os quais são requisitos
fundamentais exigidos de um aluno que se encontra nessa série.
Faz-se necessário rever a proposta pedagógica a esse público alvo e
buscar estratégias para recuperarmos ainda em tempo esses que se encontra
em defasagem nesta área de conhecimento. Nesse aspecto, a Matemática
pode dar sua contribuição à formação do cidadão ao desenvolver metodologias
que enfatizem a construção de estratégias, a comprovação e justificativa de
resultados, a criatividade, a iniciativa pessoal, o trabalho coletivo e a autonomia
advinda da confiança na própria capacidade para enfrentar desafios.
É por isso que tal projeto articulador de matemática com carga
horária 20h faz necessário, para reforçar e dar suporte ao aluno do ensino
fundamental e consequentemente do ensino médio em determinados
conteúdos básicos de matemática para que o mesmo possa conseguir uma
melhor sequência na continuidade dos conteúdos em séries seguintes.
Relatório Diagnóstico
No ano escolar de 2013 abaixo foram diagnosticados e atendidos 47
alunos todos com necessidades de consolidar o processo de Alfabetização e
Letramento. Alguns apresentaram a esperada evolução, outros transferiram de
64
unidade escolar e outros que ficaram e que ainda necessitam de apoio
pedagógico para a finalização com sucesso nesta etapa do desenvolvimento
humano. Lembramos que ingressaram novos alunos na escola que também
apresentam estas necessidades. Abaixo apresentamos um quadro
demonstrativo da situação dos alunos.
Nesta proposição serão atendidos alunos até o 6º ano.
Nome do Aluno
Turma
de
Origem
Desafios de
Aprendizagem
Apresentados
Área de
conhecimento
para o Apoio
Pedagógico
Andrey de Souza Assis
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra
no inicio da
alfabetização e
letramento,
necessitando da
intervenção da
articuladora para
concluir o processo
Precisa identificação de
números, consolidar o
conceito das 4
operações, e
compreensão de
enunciado de
problemas.
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Bruno ToshihiroHori
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra
no inicio da
alfabetização e
letramento,
necessitando da
intervenção da
articuladora para
concluir o processo
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
65
Precisa identificação de
números, consolidar o
conceito das 4
operações, e
compreensão de
enunciado de
problemas
Helen Vitória F. Alves
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra
no inicio da
alfabetização e
letramento,
necessitando da
intervenção da
articuladora para
concluir o processo
Precisa identificação de
números, consolidar o
conceito das 4
operações, e
compreensão de
enunciado de
problemas
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
Joas Henrique
Rodrigues
1º Ciclo
3ª Fase
Aluno que se encontra
no inicio da
alfabetização e
letramento,
necessitando da
intervenção da
articuladora para
concluir o processo
Precisa identificação de
números, consolidar o
conceito das
Unidocência
e
Linguagem
Matemática
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Superestagio
 
Formatura do 5º ano 2012
Formatura do 5º ano 2012Formatura do 5º ano 2012
Formatura do 5º ano 2012Ione CoRez
 
Ficha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aeeFicha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aeeLima Pedagoga
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEQUEDMA SILVA
 
Projeto de Conservação do Patrimônio Escolar
Projeto de Conservação do Patrimônio EscolarProjeto de Conservação do Patrimônio Escolar
Projeto de Conservação do Patrimônio EscolarCirlei Santos
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreheliane
 
Avaliação de matemática adaptada
Avaliação de matemática adaptadaAvaliação de matemática adaptada
Avaliação de matemática adaptadaIsa ...
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarfrancinethmedeiros
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolaralvinarocha
 
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidosimonclark
 
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018Antônio Fernandes
 
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaPlano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaLucio Lira
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágioUFMA e UEMA
 
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgdPlano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgdLucinaldo Tenório
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013colegiocpf
 
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".Paulo David
 

Mais procurados (20)

Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2
 
Formatura do 5º ano 2012
Formatura do 5º ano 2012Formatura do 5º ano 2012
Formatura do 5º ano 2012
 
Ficha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aeeFicha de atendimento do aee
Ficha de atendimento do aee
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Plano gestão 2015 2018
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
 
Projeto de Conservação do Patrimônio Escolar
Projeto de Conservação do Patrimônio EscolarProjeto de Conservação do Patrimônio Escolar
Projeto de Conservação do Patrimônio Escolar
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestre
 
Avaliação de matemática adaptada
Avaliação de matemática adaptadaAvaliação de matemática adaptada
Avaliação de matemática adaptada
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
 
Projeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolarProjeto recuperação semestral reforço escolar
Projeto recuperação semestral reforço escolar
 
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Ação da Biblioteca Escolar
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigido
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
 
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da SilvaPlano de ação da Escola João Ferreira da Silva
Plano de ação da Escola João Ferreira da Silva
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgdPlano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013
 
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 

Destaque

27 planilha zerada-2015-07-15_10_59_17
27 planilha zerada-2015-07-15_10_59_1727 planilha zerada-2015-07-15_10_59_17
27 planilha zerada-2015-07-15_10_59_17Francis Zeman
 
Tabela sondagem-alfabetização
Tabela sondagem-alfabetizaçãoTabela sondagem-alfabetização
Tabela sondagem-alfabetizaçãoClaudia Ramos
 
EL NEOLÍTICO EN ESPAÑA
EL NEOLÍTICO EN ESPAÑAEL NEOLÍTICO EN ESPAÑA
EL NEOLÍTICO EN ESPAÑAGeniPuntal
 
O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?Inês Salsinha
 
Tabela de comparação da escrita
Tabela de comparação da escritaTabela de comparação da escrita
Tabela de comparação da escritakekinhaborges
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacaoEduardo Lopes
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolíticoMaria Gomes
 
Emef 14 pré-história ppt
Emef 14   pré-história pptEmef 14   pré-história ppt
Emef 14 pré-história pptprofcacocardozo
 
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-anoLucas Degiovani
 
A revolução neolítica
A revolução neolíticaA revolução neolítica
A revolução neolíticaSusana Simões
 
47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-lima
47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-lima47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-lima
47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-limaEduardo Lopes
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...Eduardo Lopes
 
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º anoOs suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º anoClóvis J. R. Oliveira
 

Destaque (20)

27 planilha zerada-2015-07-15_10_59_17
27 planilha zerada-2015-07-15_10_59_1727 planilha zerada-2015-07-15_10_59_17
27 planilha zerada-2015-07-15_10_59_17
 
Pré história
Pré história Pré história
Pré história
 
Pré histó..
Pré histó..Pré histó..
Pré histó..
 
Tabela sondagem-alfabetização
Tabela sondagem-alfabetizaçãoTabela sondagem-alfabetização
Tabela sondagem-alfabetização
 
EL NEOLÍTICO EN ESPAÑA
EL NEOLÍTICO EN ESPAÑAEL NEOLÍTICO EN ESPAÑA
EL NEOLÍTICO EN ESPAÑA
 
O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?
 
Tabela de comparação da escrita
Tabela de comparação da escritaTabela de comparação da escrita
Tabela de comparação da escrita
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao
 
Resumo neolítico
Resumo neolíticoResumo neolítico
Resumo neolítico
 
Emef 14 pré-história ppt
Emef 14   pré-história pptEmef 14   pré-história ppt
Emef 14 pré-história ppt
 
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
 
A revolução neolítica
A revolução neolíticaA revolução neolítica
A revolução neolítica
 
47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-lima
47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-lima47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-lima
47666815 6-gestao-curricular-e-coordenacao-pedagogica-prof-dr-paulo-gomes-lima
 
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
74376105 dicas-para-coordenacao-pedagogica-julia-rocha-enviar-para-os-grupos-...
 
Toque volei
Toque   voleiToque   volei
Toque volei
 
Periodo Neolitico
Periodo NeoliticoPeriodo Neolitico
Periodo Neolitico
 
Pnaic caderno
Pnaic cadernoPnaic caderno
Pnaic caderno
 
Revolução neolítica
Revolução neolíticaRevolução neolítica
Revolução neolítica
 
A lenda do girassol
A lenda do girassolA lenda do girassol
A lenda do girassol
 
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º anoOs suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
Os suportes da escrita e seus instrumentos 6º ano
 

Semelhante a PPP - e.e. Adolfo

plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfplano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfEduardoAparecidoAmbr
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Venina palma
Venina palmaVenina palma
Venina palmapibidbio
 
Anexo iii carta de missão (1) (1)
Anexo iii   carta de missão (1) (1)Anexo iii   carta de missão (1) (1)
Anexo iii carta de missão (1) (1)AMG Sobrenome
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestãomagrid
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoElicio Lima
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturasMarcos Lima
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicatatyathaydes
 
Proposta+pedagógica111
Proposta+pedagógica111Proposta+pedagógica111
Proposta+pedagógica111Eliete
 
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular   em consulta para aprovaçãoProjecto educativo e curricular   em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovaçãoANA GRALHEIRO
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13ANA GRALHEIRO
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13ANA GRALHEIRO
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13AMG Sobrenome
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_aliceJesica Hencke
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_aliceJesica Hencke
 

Semelhante a PPP - e.e. Adolfo (20)

plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfplano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Venina palma
Venina palmaVenina palma
Venina palma
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
 
Anexo iii carta de missão (1) (1)
Anexo iii   carta de missão (1) (1)Anexo iii   carta de missão (1) (1)
Anexo iii carta de missão (1) (1)
 
Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestão
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógica
 
Proposta+pedagógica111
Proposta+pedagógica111Proposta+pedagógica111
Proposta+pedagógica111
 
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular   em consulta para aprovaçãoProjecto educativo e curricular   em consulta para aprovação
Projecto educativo e curricular em consulta para aprovação
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
Análise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdfAnálise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdf
 

Mais de heder oliveira silva

Desafio geográfico virtual oficial
Desafio geográfico virtual oficialDesafio geográfico virtual oficial
Desafio geográfico virtual oficialheder oliveira silva
 
Lista de participantes da formação para o concurso
Lista de participantes da formação para o concursoLista de participantes da formação para o concurso
Lista de participantes da formação para o concursoheder oliveira silva
 
Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017
Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017
Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017heder oliveira silva
 
DESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASE
DESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASEDESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASE
DESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASEheder oliveira silva
 
Desafio geográfico virtual oficial(1)
Desafio geográfico virtual oficial(1)Desafio geográfico virtual oficial(1)
Desafio geográfico virtual oficial(1)heder oliveira silva
 
Resultado 4ª etapa do desafio geográfico
Resultado 4ª etapa do desafio geográficoResultado 4ª etapa do desafio geográfico
Resultado 4ª etapa do desafio geográficoheder oliveira silva
 
Desafio geográfico virtual 2017 3ª etapa
Desafio geográfico virtual 2017 3ª etapaDesafio geográfico virtual 2017 3ª etapa
Desafio geográfico virtual 2017 3ª etapaheder oliveira silva
 
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapaResultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapaheder oliveira silva
 
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapaResultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapaheder oliveira silva
 
Resultado parcial desafio geografico virtual 1ª etapa
Resultado parcial   desafio geografico virtual 1ª etapaResultado parcial   desafio geografico virtual 1ª etapa
Resultado parcial desafio geografico virtual 1ª etapaheder oliveira silva
 
PESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃ
PESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃPESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃ
PESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃheder oliveira silva
 
Cursistas que precisam executar a atividade 04
Cursistas que precisam executar a atividade 04Cursistas que precisam executar a atividade 04
Cursistas que precisam executar a atividade 04heder oliveira silva
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01heder oliveira silva
 
Atividades relativas aos livros 01 da 2ª etapa
Atividades relativas aos livros 01 da 2ª etapaAtividades relativas aos livros 01 da 2ª etapa
Atividades relativas aos livros 01 da 2ª etapaheder oliveira silva
 
Atividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapa
Atividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapaAtividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapa
Atividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapaheder oliveira silva
 
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapaAtividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapaheder oliveira silva
 

Mais de heder oliveira silva (20)

Desafio geográfico virtual oficial
Desafio geográfico virtual oficialDesafio geográfico virtual oficial
Desafio geográfico virtual oficial
 
Geografia de Mato Grosso
Geografia de Mato GrossoGeografia de Mato Grosso
Geografia de Mato Grosso
 
Geografia de Mato Grosso
Geografia de Mato GrossoGeografia de Mato Grosso
Geografia de Mato Grosso
 
Lista de participantes da formação para o concurso
Lista de participantes da formação para o concursoLista de participantes da formação para o concurso
Lista de participantes da formação para o concurso
 
Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017
Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017
Classificados para a 3ª fase do desafio geográfico virtual 2017
 
DESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASE
DESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASEDESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASE
DESAFIO GEOGRÁFICO VIRTUAL 7ª ETAPA 2ª FASE
 
Desafio geográfico virtual oficial(1)
Desafio geográfico virtual oficial(1)Desafio geográfico virtual oficial(1)
Desafio geográfico virtual oficial(1)
 
Resultado 4ª etapa do desafio geográfico
Resultado 4ª etapa do desafio geográficoResultado 4ª etapa do desafio geográfico
Resultado 4ª etapa do desafio geográfico
 
Desafio geográfico virtual 2017 3ª etapa
Desafio geográfico virtual 2017 3ª etapaDesafio geográfico virtual 2017 3ª etapa
Desafio geográfico virtual 2017 3ª etapa
 
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapaResultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 2ª etapa
 
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapaResultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapa
Resultado parcial desafiog geográfico virtual 1ª etapa
 
Resultado parcial desafio geografico virtual 1ª etapa
Resultado parcial   desafio geografico virtual 1ª etapaResultado parcial   desafio geografico virtual 1ª etapa
Resultado parcial desafio geografico virtual 1ª etapa
 
PESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃ
PESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃPESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃ
PESQUISA - PERCEPÇÃO AMBIENTAL E CIDADÃ
 
Cursistas que precisam executar a atividade 04
Cursistas que precisam executar a atividade 04Cursistas que precisam executar a atividade 04
Cursistas que precisam executar a atividade 04
 
Lazara
LazaraLazara
Lazara
 
Oficinas de artes
Oficinas de artesOficinas de artes
Oficinas de artes
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
Atividades relativas aos livros 01 da 2ª etapa
Atividades relativas aos livros 01 da 2ª etapaAtividades relativas aos livros 01 da 2ª etapa
Atividades relativas aos livros 01 da 2ª etapa
 
Atividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapa
Atividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapaAtividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapa
Atividades 03 relativas ao livro 01 da 2ª etapa
 
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapaAtividades relativas ao livro 06 1ª etapa
Atividades relativas ao livro 06 1ª etapa
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 

Último (20)

Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 

PPP - e.e. Adolfo

  • 1. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL “ADOLFO AUGUSTO DE MORAES” PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Rondonópolis-MT 2014
  • 2. 1 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA FILOSOFIA DA ESCOLA A educação é dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento dos alunos, o preparo para o exercício pleno da cidadania, ética e qualificação para o mundo do trabalho. OBJETIVOS E METAS  OBJETIVO GERAL A escola tem por objetivo geral desenvolver no educando a capacidade para assimilar o conhecimento, de forma autônoma e crítica, formar cidadãos éticos, oportunizar aos alunos o acesso aos recursos tecnológicos, promover a inclusão, valorizar a bagagem cultural de cada um articulando as experiências e estudos para o mundo do trabalho, para o desenvolvimento social, justo e sustentável.  OBJETIVOS ESPECÍFICOS Propiciar aos alunos e profissionais que atuam em nossa escola condições de melhoria dos processos educacionais enquanto relações qualitativas de ensino e de aprendizagem nas quais os educandos possam:  Pensar o cotidiano escolar a partir de uma abordagem significativa e colaborativa de trabalho com vistas a promover o desenvolvimento profissional de todos que atuam na escola.  Ser, conviver e aprender na escola, como instituição de cultura que considera relevante recriar e socializar os saberes e conhecimentos produzidos socialmente das artes, das ciências, da técnica como instrumentos necessários á compreensão do mundo e qualidade de vida;  Perceber-se enquanto construtor de sua própria história, ser social e indivíduo
  • 3. 2 capaz de legislar sobre seus próprios atos com autonomia e dignidade, superando o que está pronto para produzir o novo, o mais significativo para si e para a sociedade;  Compreender a escola como não sendo o único espaço de formação, mas a partir dela potencializar todas as condições de participação via posicionamentos e atitudes cidadãs.  Compreender a importância de viver participativamente, contribuindo para realizar propostas coletivas em diferentes contextos sociais, construindo laços baseados no respeito, no afeto e na solidariedade e organização coletiva;  Posicionar-se enquantocidadão ativo, engajando-se em movimentos sociais por um mundo melhor, defendendo na escola e fora dela seus projetos de vida, incluindo os de uma escolarização cidadã.  METAS Toda escola deve planejar metas a curto prazo para depois ir percorrendo seu caminho em busca da realização de seus objetivos. Dessa forma, pretendemos desenvolver em nossa escola as seguintes metas: 1. Promover atividades diversificadas tais como:  Sarau Infantil;  Sarau Juvenil;  Festival da Música e Dança;  Desafios da Geografia;  Pedalada pela Paz;  Festa da Primavera;  Feira da Ciência e Tecnologia;  Aulas diferenciadas;  Teatro;  Horta Pedagógica;  Projeto de Leitura;  Outros Projetos. 2. Reduzir a evasão escolar:  Promovendo atividades culturais extraclasses;  Estimulando práticas corporais e esportivas;  Qualificando o fazer pedagógico;  Avaliando as práticas educativas produzidas e em produção;  Analisando os indicadores de aprendizagens da escola;  Avaliando os resultados educacionais das avaliações externas. 3. Implantar e Implementar os Projetos de Trabalhos:  Pensar e recriar a escola, repondo a gestão do espaço e do tempo;
  • 4. 3  Redefinir o discurso e a prática acerca do conhecimento escolar em todos os espaços e tempo promovendo a aproximação atualizada dos conteúdos das disciplinas dos saberes a serem produzidos;  Trabalhar a cultura contemporânea, por ser uma questão fundamental para que o indivíduo possa compreender o mundo no qual vive e que saiba como acenar, analisar e interpretar a informação;  Desenvolver atividades individuais, grupais e coletivas;  Definir uma prática de avaliação enquanto proposta pedagógica da escola como umtodo;  Definir coletivamente um método e metodologia de ensino que oriente todas as práticas educativas da unidade escolar. 4. Incentivar a participação dos pais, através de:  Reuniões bimestrais;  Assembléias;  Participação em projetos como o “Pensando em família”, “Cidadania e meio ambiente”, dentre outras;  Comunicados diários e emergenciais;  Convites e promoção de atividades coletivas;  Datas comemorativas, tais como: dia das mães e dia dos pais. 5. Reforma da Unidade Escolar Nossa escola precisa urgentemente de uma reforma geral que, segundo a SEDUC-MT ocorrerá nos próximos meses. Essa reforma oportunizará muitas mudanças no prédio da escola para melhor. Dentre elas, citamos:  Iluminação e pintura das salas de aulas;  Instalação de janelas nas salas de aulas;  Instalação de pisos em salas de aulas;  Ar-condicionado nas salas de aula;  Reformar a biblioteca para melhor atender aos alunos;  Ampliar o acervo bibliográfico e informatizar a biblioteca para controle de empréstimo e devolução dos livros, bem como tombo do acervo, dentre outros.  Equipar a biblioteca com computadores ligados à Internet, disponibilizando um profissional para funcionamento e atendimento à comunidade escolar.  Construção de vestiários e sanitários próximos à quadra coberta;  Instalação de bebedouros na quadra;  Construir um auditório para apresentações dos alunos;  Equipar sala de professores com mobiliários para guardar materiais (armários);  Montar laboratório de ciências e Biologia.  Construção de banheiros adequados ao banho para o Projeto Mais Educação; PROPOSTA CURRICULAR
  • 5. 4 METODOLOGIA A comunidade escolar repensa constantemente o seu papel pedagógico e sua função social. Para tanto, se faz necessário refletir sobre a escola que temos, se voltada para os interesses políticos e interacionais, se discriminadora e produtora de mecanismos de controle que impede que os nossos alunos consigam enfrentar em condições de igualdade ou como melhor enfrentar os desafios do mundo contemporâneo. Para que a escola cumpra a sua função social será necessário:  Integração e participação da comunidade escolar;  Os segmentos da escola devem estar plenamente voltados à completa valorização do educando;  Cursos de formação e qualificação dos profissionais da educação;  Criação e reorganização do espaço físico;  Material didático e outros que facilitem o trabalho do professor;  Número de alunos em sala de aula condizente com a metragem do ambiente;  Recursos humanos, pedagógicos e financeiros;  Cobrança de regras de convivência em grupo;  Melhor qualificação profissional e salários compatíveis com os diferentes níveis e funções;  Política que estabeleça a efetivação dos profissionais da educação;  Restabelecimento da motivação e credibilidade dos professores. O grupo de profissionais (professores, técnico, coordenadores, diretores, pais e comunidade escolar) que elaboraram essa proposta conclui que é necessário repensar a organização político-pedagógica que permita:  Trabalhar valores culturais, morais e físicos;  Integrar elementos da vida social aos conteúdos trabalhados;
  • 6. 5  Compreender esse aluno como um cidadão que deve ser um agente transformador da sociedade, além de crítico, responsável e participante.  A escola deve ser crítica, reflexiva e possibilitar a toda a comunidade um projeto político pedagógico consolidado pela colaboração mútua e o exercício da construção coletiva desencadeando experiências inovadoras que estão acontecendo na escola. SISTEMA DE AVALIAÇÃO O processo de ensino/aprendizagem será avaliado de forma contínua, cumulativa e sistemática, visando:  Diagnosticar e registrar os progressos e dificuldades do aluno;  Possibilitar que o aluno autoavalie sua aprendizagem;  Orientar o aluno quanto aos esforços necessários para superar as dificuldades;  Fundamentar as decisões quanto à necessidade de procedimentos de reforço e recuperação da aprendizagem, de classificação e reclassificação de alunos;  Orientar as atividades de planejamento e replanejamento dos conteúdos curriculares. A avaliação envolve o desenvolvimento de habilidades específicas adquiridas pelo aluno, sendo estas: observação, pesquisa e análise das atividades pertinentes ao conhecimento adquirido e incentivo aos aspectos formativos relativos ao desenvolvimento de sua autonomia e dos valores humanos. Bem como a observação de suas atitudes referente à presença em aulas, participação nas atividades pedagógicas e responsabilidade com que o aluno assume o cumprimento de seu papel de cidadão em formação. As avaliações serão feitas bimestralmente, através de instrumentos avaliativos diversos (provas escritas, portifólios, seminários, trabalhos escritos, pesquisas e observação direta e indireta) sendo que os aspectos qualitativos sempre
  • 7. 6 prevalecerão sobre os aspectos quantitativos. Os instrumentos de avaliação serão sempre em número maior que três, sendo um deles uma avaliaçãoescrita. Os critérios de avaliação são os previstos nos objetivos de cada componente curricular/área do conhecimento de acordo com as Orientações Curriculares federais e estaduais, além dos objetivos gerais de formação educacional preconizados pela Escola. Os resultados das avaliações serão registrados, para cada componente curricular, por meio de sínteses bimestrais e finais, sendo expressos através das seguintes menções:  Os resultados de avaliação serão analisados bimestralmente e no final do ano letivo em reuniões do Conselho de Classe, para decidir sobre promoção, retenção ou recuperação de estudos e Ensino Médio, para decidir sobre a aprovação ou retenção. Promoção Será considerado promovido no final de cada Ciclo, o aluno que tiver frequência igual ou superior a 75%, e nas séries do Ensino Médio, o aluno que tiver frequência igual ou superior a 75% e rendimento satisfatório, com média 5,5 em todos os componentes curriculares; - os alunos terão direito a estudos de recuperação em todas as disciplinas em que o aproveitamento for considerado insatisfatório; - as atividades de recuperação serão realizadas de forma contínua e paralela ao longo do período letivo. Progressão Continuada de Estudos No Ensino Fundamental a Escola adota o regime de Progressão Continuada, assim entendido aquele em que ao aluno não será retido por aproveitamento. - submeta-se a todos os processos de avaliação; - participe das atividades de recuperação relativas aos componentes em que demonstrar baixo rendimento;
  • 8. 7 - não ultrapasse os 25%, em faltas injustificadas, do total de horas- aula previsto pelo Regimento Escolar - 1.000horas-aula para o Ciclo I e 1.080 horas para o Ciclo II do Ensino Fundamental. Progressão Parcial de Estudos (dependência) No Ensino Médio o regime será de progressão parcial para os alunos que após estudos de recuperação não apresentarem rendimento escolar satisfatório e nas seguintes condições: - o aluno com rendimento insatisfatório em até quatro disciplinas será classificado na série subsequente, devendo submeter-se a estudos paralelos de dependência, nas mesmas; - o aluno com rendimento insatisfatório em mais de quatro disciplinas será classificado na mesma série. CONCEPÇÕES De mundo: O mundo é o local onde ocorrem as interações “homem- homem “e o “homem-meio social” caracterizadas pelas diversas culturas e pelo conhecimento. Devido a rapidez do processo de assimilação das informações e pela globalização torna-se necessário proporcionar ao homem o alcance dos objetivos materiais, políticos, culturais e espirituais para que sejam superadas as injustiças, diferenças, distinções e divisões na tentativa de se formar o ser humano que se imagina. Isto será possível se a escola for um espaço que contribua para a efetiva mudança social. De Sociedade: Somos uma sociedade capitalista, competitiva baseada nas ações e resultados, por isso precisamos construir uma sociedade libertadora, crítica, reflexiva, igualitária, democrática e integradora, fruto das relações entre as pessoas, caracterizadas pela interação de diversas culturas em que cada cidadão constrói a sua existência e a do coletivo. De Homem: O homem, na atualidade, é um ser competitivo e individualista, resultado das relações impostas pelo modelo de sociedade em vigor. No entanto, a luta deve ser por um homem social, voltado para o seu bem próprio, mas acima de tudo, para o bem estar do grupo do qual faz parte.
  • 9. 8 O homem, que modifica a si mesmo pela apropriação dos conhecimentos, modifica também a sociedade por meio do movimento dialético “do social para o individual para o social”. Dessa forma torna-se sujeito da história. De Educação: O processo educacional deve contemplar um tipo de ensino e aprendizagem que ultrapasse a mera reprodução de saberes “cristalizados” e desencadeie um processo de produção e de apropriação de conhecimento, possibilitando, assim, que o cidadão torne-se crítico e que exerça a sua cidadania, refletindo sobre as questões sociais e buscando alternativas de superação da realidade. A educação como prática social adquire um papel especial num contexto que toma consciência da necessidade de superar as diferenças sociais que atingem milhões de brasileiros que sobrevivem abaixo da linha da pobreza. Não consideramos nosso país especialmente pobre, mas especialmente injusto quanto à distribuição de renda. Percebemos a desigualdade no país, através das oportunidades que se oferecem às pessoas em termos econômicos, culturais, político e educacionais. Quando nos deparamos com essa dolorosa circunstância (um país economicamente rico e com um povo em sua maioria pobre) faz-se necessário pensar um projeto nacional que direcione os investimentos para a geração de atividades úteis e distribua a renda através de salários dignos, retirando da miserabilidade milhões de pessoas colocadas à margem da vida social. Nesse sentido, economia e educação mantêm relações dialéticas profundas, pois sem economia estrategicamente pensada e organizada, não se terá condição de impulsionar uma educação para todos, e de qualidade. Sem educação estruturada e inteligentemente centrada nas necessidades e interesses das pessoas e da sociedade, não se chegará a uma transformação concreta e segura. A articulação entre trabalho e educação passa ser crucial, fundamental, e exige uma rigorosa análise da prática escolar, compreendendo ações e ampliando os espaços da definição das políticas públicas de educação que assegurem a qualidade da aprendizagem igualitariamente, como condição necessária para que todos exerçam o seu direito à cidadania. Pensar em educação é antever e acolher todas as suas esferas, desde aquelas que passam pelo ensino fundamental até aquelas que se dedicam à formação
  • 10. 9 profissional. A partir de 1996, quando da promulgação da LDB -Lei de Diretrizes e Bases -a educação brasileira tem experimentado e construído passo-a-passo seus próprios caminhos. Até então, avanços aconteceram, porém a educação ainda está aquém das necessidades, como o salário dos profissionais que não têm sido dos melhores, e também as condições de trabalho. Além disso, a velocidade com que a informação se desloca e de um mundo em constante mudança, seu papel vem se transformando. Dessa forma, o desafio é lidar com jovens que não veem sentido no que estão aprendendo. Querem aprender, mas não querem aprender o que lhes é ensinado. E assim, entra o papel do professor: construir sentido, transformar o obrigatório em prazeroso, selecionar criticamente o que devemos aprender, numa era impregnada de informações. Diante desse quadro, os professores assumem o compromisso de desenvolver suas práticas de forma que estimulem e desafiem os alunos na apreensão dos conhecimentos científico-tecnológico, histórico, filosófico e social, sempre priorizando a formação humana. O princípio da igualdade universal, que garante os saberes e os fazeres a todos, vêm sendo discutidos. DIAGNÓSTICO DA ESCOLA ADOLFO AUGUSTO DE MORAES A Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes, com sede na Avenida Padre Anchieta, 937, Bairro Vila Aurora, CEP: 78.740-130, Telefone: (66) 3422- 1276, em Rondonópolis, é mantida pelo governo do Estado de Mato Grosso, através da secretaria de Estado de Educação, sendo fundada em 27/02/1969, conforme o Decreto 824 com a denominação de Grupo Escolar Adolfo Augusto de Moraes. Em 1975 foi realizada a integração com a Escola Dr. José Trancucci. Em 10/05/1975, foi oficialmente criada pelo Decreto 63 C.E.E/MT de 04/06/1975, Autorização nº 117/75, o nome da Escola passou a ser “ Escola Estadual de I e II graus Adolfo Augusto de Moraes”. A Escola foi reconhecida conforme Portaria 327/92. Tendo como CNPJ 03.945.490/0001-97. A escola proporciona aos alunos no contra turno, auxílio com professores que trabalham com o reforço em suas aulas, elabora outras atividades para ajudar no desempenho educacional e no processo ensino aprendizagem. Os pais participam de reuniões quando solicitados pela direção
  • 11. 10 ou equipe pedagógica tendo influência primordial dentro do processo, e na medida do possível eles procuram estar em contato com a escola para saberem do andamento e avanço que seu filho tem adquirido no decorrer do bimestre/semestre. O Conselho Deliberativo juntamente com PPP e PDE, fazem com que tenhamos decisões colaborativas com foco nos alunos e no processo ensino aprendizagem. Nossa Escola tem 1255 alunos matriculados. As modalidades atendidas são: Ensino Fundamental, organizado por ciclos de Formação Humana e ensino Médio Regular. A Escola conta com três coordenadoras pedagógicas. Neste ano de 2014 estão trabalhando 44 professores efetivos, 20 professores interinos, 08 Técnicos Administrativo Educacional (TAE) e 16 funcionários de Apoio Administrativo Educacional. LISTA DE PROFESSORES DA ESCOLA Nº NOME FORMAÇÃO ATUAÇÃO 01 ADRIANA REGINA XAVIER BIOLOGIA PROFESSORA 02 HÉLIDA APARECIDA FALCÃO PEREIRA LETRAS PROFESSORA 03 ANGELA CRISTINA SOUZA DE OLIVEIRA HISTÓRIA PROFESSORA 04 ANGELA MARIA BURGEDURFE DE ARAÚJO PEDAGOGIA PROFESSORA 05 CLAUDEMIR FAVIN MATEMÁTICA PROFESSOR 06 CILENE CRISTINA PUZZI ARTES COORDENADORA 07 IVANY FERNANDES PEDAGOGIA PROFESSORA 08 CLARITA MAIDANA ROCHA MATEMÁTICA PROFESSORA 09 CLAUDIA ANDRADE PEREIRA RIBEIRO PEDAGOGIA AUXILIAR DE TURMA 10 AGDA ALVES RAMALHO LETRAS PROFESSORA 11 CINTYA DE SOUZA SILVA BIOLOGIA PROFESSORA 12 DAVID ROGÉRIO FERREIRA ED. FÍSICA PROFESSOR 13 DIVA BOSA PEDAGOGIA PROFESSORA 14 DOMINGAS SOARES NOGUEIRA BARROS LETRAS PROFESSORA 15 EDILUCY OLIVEIRA SANTANA DA SILVA LETRAS PROFESSORA 16 EDITH MAZZONI LETRAS PROFESSORA 17 EUNICE MARIA BÚFALO HISTÓRIA PROFESSORA 18 FAGNER ROBERTO ÁVILA DE CAMPOS MATEMÁTICA PROFESSOR 19 FÁTIMA APARECIDA O. DA SILVA LETRAS PROFESSORA
  • 12. 11 20 FÁTIMA RAMOS LETRAS PROFESSORA 21 FERNANDO REZENDE MIRANDA CIÊNCIAS PROFESSOR 22 GISLENI CRISTINA MANGIALARDO FUKUI PEDAGOGIA PROFESSORA 23 HEDER DE OLIVEIRA SILVA GEOGRAFIA PROFESSOR 24 IRANI ALVES DE SOUZA GEOGRAFIA PROFESSORA 25 JONAS ALVES DOS SANTOS FILOSOFIA PROFESSOR 26 JOSÉ BELMIRO FERRAZ HISTÓRIA PROFESSOR 27 JOSEVÂNIA FONSECA SILVA LETRAS AUX. COORDENAÇÃO 28 JUCÉLIA DIAS DA SILVA LETRAS PROFESSORA 29 KAROLINE DE SOUZA FREITAS HISTÓRIA PROFESSORA 30 LEIDIANE FRANCISCA DE OLIVEIRA LETRAS PROFESSORA 31 LUCIMARY DE HOLANDA PORTELA HISTÓRIA PROFESSORA 32 PATRÍCIA V. S. ALVES DE ALMEIDA QUÍMICA PROFESSORA 33 LUIZ RICARDO DE OLIVEIRA ED. FÍSICA PROFESSOR 34 MARCELO DA COSTA SOARES GEOGRAFIA PROFESSOR 35 MARIA CONCEIÇÃO DUCATTI PEDAGOGIA ARTICULADORA 36 MARIA HELENA GAIOTTO DA SILVA PEDAGOGIA COORDENADORA 37 MARIA LÚCIA RESENDE LETRAS COORDENADORA 38 MARILSA ODILON PEDAGOGIA PROFESSORA 39 MARILENE TAVEIRA LIMA ALVES PEDAGOGIA PROFESSORA 40 MÍRIAM MÁRCIA VILELA ALVES PEDAGOGIA PROFESSORA 41 ROSA MARIA R. T. O. BORGES BIOLOGIA PROFESSORA 42 VALDIR SÉRGIO ZAMBONATO MATEMÁTICA PROF. READAPTADO LISTA DE FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA Nº NOME FORMAÇÃO ATUAÇÃO 01 ARIONETE DE SOUZA LETRAS APOIO ADM. EDUCACIONAL 02 ELENITA JOSEFA DE BARROS ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 03 ÉRIKA OLIVEIRA SANTOS CURSANDO PSICOLOGIA TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL 04 EZEDEQUIAS QUEIROZ GEOGRAFIA TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL 05 KELY P. MAXIMINO ENSINO FUNDAMENTAL APOIO ADM. EDUCACIONAL 06 LINDALVA DA SILVA RENER ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 07 MAISA B. DE ARAÚJO ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 08 MARINEUSA P. SOUZA ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 09 MARLENE C. LIMA ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 10 ROSENEY BARBOSA DA SILVA ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 11 RUBENS CARLOS CORRÊA TECNÓLOGO TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL 12 SILENE DE O. NEVES ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL
  • 13. 12 13 SILVANI FERREIRA SANTOS ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 14 TAIRINE FONSECA SILVA LEÃO ENSINO MÉDIO AUXILIAR DE BIBLIOTECA 15 TEREZINHA DE CARVALHO ENSINO MÉDIO APOIO ADM. EDUCACIONAL 16 ZEIDE VIEIRA SILVA ENSINO MÉDIO TÉCNICO ADM. EDUCACIONAL De acordo com o Plano Político Pedagógico (PPP) e o Regimento Interno para 2014, os alunos contam com no mínimo uma avaliação bimestral escrita que se soma às demais atividades avaliativas e ao processo diário de desenvolvimento em sala. Havendo necessidade, o aluno fará as atividades de recuperação do bimestre, se mesmo com a recuperação a dificuldade não for sanada, serão disponibilizadas aulas de apoio à aprendizagem na articulação, em consonância às aulas de apoio junto ao professor regente. Os professores são os responsáveis pelo ensino dos conteúdos curriculares, mas os demais profissionais da educação participam do processo educacional, dando o suporte necessário para que as aprendizagens possam ocorrer de forma satisfatória. São diversos os servidores que exercem as funções de apoio ao pedagógico: o pessoal da limpeza, as merendeiras, os secretários, os bibliotecários, os vigias. Alguns atuam sozinhos em sua área e outros em equipe. Uma das funções dos gestores é fazer com que os diversos profissionais se sintam integrados aos objetivos da escola e responsáveis pelas metas. RELATÓRIO DIAGNÓSTICO PPAP E ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM No ano escolar de 2013 abaixo foram diagnosticados e atendidos 47 alunos todos com necessidades de consolidar o processo de Alfabetização e Letramento. Alguns apresentaram a esperada evolução, outros transferiram de unidade escolar e outros que ficaram e que ainda necessitam de apoio pedagógico para a finalização com sucesso nesta etapa do desenvolvimento humano. Lembramos que ingressaram novos alunos na escola que também apresentam essas necessidades. Abaixo apresentamos um quadro demonstrativo da situação dos alunos. Nesta proposição serão atendidos alunos até o 6º ano. Nome do Aluno Turma de Origem Desafios de Aprendizagem Área de conhecimento
  • 14. 13 Apresentados para o Apoio Pedagógico Andrey de Souza Assis 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no início da alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas. Unidocência e Linguagem Matemática Bruno ToshihiroHori 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Helen Vitória F. Alves 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Joas Henrique Rodrigues 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Carlos E. Nunes de Souza 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Unidocência e Linguagem
  • 15. 14 Alfabetização e Letramento Matemática Gabriely dos S. Coqueiro 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Guilherme A. Camargo 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Jhullie Correia da Silva 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática KamillyAraujo Rondon 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Kauan T. Lima Santana 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Unidocência e Linguagem
  • 16. 15 Alfabetização e Letramento Matemática Leonardo Jr. S. Araujo 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Matheus H. S. Nascimento 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Moises R. Franco da Silva 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no início da alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo. Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Nicole G. M. Fernandes 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Renan Felipe P. de Matos 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda Unidocência
  • 17. 16 alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento e Linguagem Matemática Wilian Coimbra de Sousa 1º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Alfabetização e Letramento Unidocência e Linguagem Matemática Rayca Amanda Correa 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas. Unidocência e Linguagem Matemática Rikardo Gomes Matos 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas. Unidocência e Linguagem Matemática Vitor Emanuel P. da Silva 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que necessita consolidar o processo de alfabetização e letramento e leitura. Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas. Unidocência e Linguagem Matemática
  • 18. 17 VittorAdriel da S.Martins 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas. Unidocência e Linguagem Matemática Weslley D’Lucas C. Silva 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas. Unidocência e Linguagem Matemática Pedro H. da S. Gonçalves 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Maria E. Vieira Cavalcante 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Antonio Pacífico de O. Dias 2º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra em processo de alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para a conclusão Unidocência e
  • 19. 18 desta fase. Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Linguagem Matemática Flávio de Oliveira Lopes 2º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra em processo de alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para a conclusão desta fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Maria Eduarda da Silva 2º Ciclo 2ª Fase Aluno que necessita consolidar o processo de alfabetização e letramento e leitura. Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Isabelly Vitória V. Bender 2º Ciclo 2ª Fase Aluno que necessita consolidar o processo de alfabetização e letramento e leitura. Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Kauan Felipe O. Alvino 2º Ciclo 2ª Fase Aluno que se encontra no inícioda alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Vinicius Correa da Silva 2º Ciclo 2ª Fase Aluno que necessita consolidar o processo de alfabetização e letramento e leitura. Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem
  • 20. 19 Matemática WenderTiburski Monteiro 2º Ciclo 2ª Fase Aluno que necessita consolidar o processo de alfabetização e letramento e leitura. Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Agnaldo Jr. de O. Ramos 2º Ciclo 2ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Gustavo AraujoPícoli 2º Ciclo 2ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Kaio H. PardimLopes 2º Ciclo 2ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Vitor W. Correia Silva 2º Ciclo 2ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Willian Lopes de Matos 2º Ciclo 2ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática André Vieira da Silva 2º Ciclo 2ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Anestor de A. Branco Neto 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Diogo de Oliveira Lopes 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Eduardo de Jesus Narciso 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Emily Natalia F. Lourenço 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática
  • 21. 20 Gisele Dias Pinheiro 2º Ciclo 3ª Fase Aluno que necessita consolidar o processo de alfabetização e letramento e leitura. Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática João Henrique F. Guerra 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Jorge Luis Nunes Alves 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Robert da Silva 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Rhuan Pablo da Silva 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Thassylla Nunes Rodrigues 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Vilmar Fonseca Souza 2º Ciclo 3ª Fase Consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Matemática Esse total de quarenta e sete alunos, ainda necessita de acompanhamento pedagógico com aulas de apoio na articulação para sanar as dificuldades na escrita, leitura, entendimento, produção textual e matemática, sem prejuízos na próxima fase, ou então esses casos irão se arrastando ano a ano. Além disso, a escola tem um PLANO DE INTERVENÇÃO para auxiliar os alunos enturmados em 2014. ALUNOS ENTURMADOS EM 2014 NOME DEVERIA ESTAR ESTÁ 2014 DEVERIA ESTAR ESTÁ 2014 IDADE PNE ANNA ISABEL REZENDE 2º CICLO 2ª FASE 3º CICLO 1ª FASE 5º ANO 7º ANO SIM
  • 22. 21 GEOVANNA ISABELLI MOURA ABBAS DOS SANTOS 2º CICLO 2ª FASE 3º CICLO 1ª FASE 4º ANO 6º ANO LUCAS ALBUQUERQUE NÓBREGA 2º CICLO 2ª FASE 3º CICLO 1ª FASE 4º ANO 6º ANO VITOR FÉLIX SOARES 2º CICLO 2ª FASE 3º CICLO 1ª FASE 4º ANO 6º ANO GABRIELA RIBEIRO NEVES 2º CICLO 2ª FASE 2º CICLO 1ª FASE 4º ANO 6º ANO LEOMARA MOURÃO SILVA 3º CICLO 1ª FASE 3º CICLO 3ª FASE 7º ANO 9º ANO VITÓRIA ENNES DE MOURA 3º CICLO 1ª FASE 3º CICLO 3ª FASE 7º ANO 9º ANO ELIS MEIRE COSTA FERREIRA 3º CICLO 1ª FASE 3º CICLO 3ª FASE 7º ANO 9º ANO JOÃO HENRIQUE FARIAS GUERRA 2º CICLO 3ª FASE 3º CICLO 2ª FASE 6º ANO 8º ANO KATIANE MEDING 2º CICLO 3ª FASE 3º CICLO 2ª FASE 6º ANO 8º ANO SAMUEL MACHADO DE 2º CICLO 3º 6º ANO 8º
  • 23. 22 MORAES CAJANGO 3ª FASE CICLO 2ª FASE ANO IZABELA SILVIA FERRERIA 3º CICLO 1ª FASE 3º CICLO 3ª FASE 7º ANO 9º ANO MARIA EDUARDA DA SILVA 2º CICLO 1ª FASE 2º CICLO 2ª FASE 4º ANO 5º ANO WENDER TIBURSKI MONTEIRO 2º CICLO 1ª FASE 2º CICLO 2ª FASE 4º ANO 5º ANO VINÍCIUS GUSTAVO SOARES KIPPER 1º CICLO 3ª FASE 2º CICLO 1ª FASE 3º ANO 4º ANO SAMIRA TIBURSKI MONTEIRO 2º CICLO 2ª FASE 2º CICLO 3ª FASE 5º ANO 6º ANO VINÍCIUS GUSTAVO SOARES KIPPER 1º CICLO 3ª FASE 2º CICLO 1ª FASE 3º ANO 4º ANO Além disso, a escola proporcionará aos alunos do III Ciclo acompanhamento pedagógico com aulas de apoio na articulação, para sanar as dificuldades na escrita, leitura, entendimento, produção textual e matemática. Com base nas discussões na sala do educador, sentimos a necessidade de organizar o trabalho em conjunto por área de conhecimento com base na defasagem de aprendizagem como mostra os dados de retenção no 1º ano do Ensino Médio apontados no BI e dados da prova Brasil do 5º e 9º ano.
  • 24. 23
  • 25. 24
  • 26. 25
  • 27. 26
  • 28. 27
  • 29. 28
  • 30. 29
  • 31. 30 INDICADORES 1. ENSINO REGULAR 1.1. ENSINO FUNDAMENTAL Ano Aprovação(%) Reprovação(%) Abandono(%) Total(%) 2012 0,00 0,00 0,00 0,00 2011 100,00 0,00 0,00 100,00
  • 32. 31 1.1. ENSINO FUNDAMENTAL Ano Aprovação(%) Reprovação(%) Abandono(%) Total(%) 2010 99,10 0,30 0,60 100,00 1.2. ENSINO MÉDIO Ano Aprovação(%) Reprovação(%) Abandono(%) Total(%) 2012 0,00 0,00 0,00 0,00 2011 99,20 0,70 0,10 100,00 2010 60,10 15,00 24,90 100,00 3. ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (IDEB) Ano Ensino Fundamental - séries iniciais Ensino Fundamental - séries finais 2011 5,90 4,70 2009 6,10 4,40 2007 4,50 3,90 2005 4,80 0,00 IDEB
  • 33. 32 PROBLEMAS ENFRENTADOS PELA ESCOLA ProfessoresealunosdeescoladenunciamdescasodoEstado 18/04/2013 16:49:57 - Fonte: Jorge Manoel - NMT Foto: Jorge Manoel - NMT Todos os ares estão instalados há 4 meses, porém, somente um está funcionando Os professores e alunos da escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes falaram com o site NMT na tarde desta quinta-feira (18) para denunciar a situação precária das instalações do colégio e inclusive cobrar do estado uma atitude rápida para colocar em funcionamento os 32 ares condicionados que foram instalados há quatro meses. Segundo uma professora, que não quis se identificar por medo de sofrer represálias, o Governo do Estado mandou 32 ares condicionados de 24.000 Btus cada um, para as 16 salas de aulas do colégio, até aí ótimo. Porém, até o momento somente um está funcionando, porque está usando as instalações antigas de outro ar que já existia lá. Para que os ares possam funcionar, segundo os denunciantes, será necessário um padrão adequado e um transformador. Ou seja, o Estado deu os ares, mas não deu condições para que os alunos e professores possam usufruir deles. Um professor denunciou também, que já no processo licitatório houve situações duvidosas. A licitação, conforme informou o professor, rezava que as tubulações dos ares seriam de cobre, porém, foram instalados tubulações de alumínio. A escola que já está perto de completar bodas de ouro, continua com uma vestimenta antiga e nada apropriada para celebrações, uma vez que seus banheiros estão com portas quebradas; vasos impróprios; pias e torneiras 'nojentas'; os bebedouros são rústicos e estão em mal estado; além disso,as calçadas da escola não são apropriadas para os alunos ficarem a vontade, segundo denunciam.
  • 34. 33 Na opinião da professora, uma escola estadual que têm 44 anos de fundação e conta com 1.402 alunos, desde o primeiro ano do Ensino Fundamental até o terceiro ano do Ensino Médio, teria que ter mais atenção do estado, até porque é um colégio muito solicitado por pais de alunos em épocas de matrículas. “Nossa escola é muito antiga e até agora ela não passou por nenhuma reforma. Com a história e o porte que a escola tem não podemos ver um descaso assim e ficar quietos. Aqui a fiação elétrica, a tubulação hidráulica, os banheiros, as calçada, está tudo precário. Devido a problemas nas tubulações temos que trocar constantemente os filtros dos bebedouros, porque a água tem gosto de ferrugem. Tudo aqui é da época da ditadura”, afirmou a professora. A professora informou que já entrou em contato com o Estado, porém, até o momento não obteve nenhuma resposta quanto a adequar as instalações para o funcionamento dos ares condicionados. Já quanto à reforma do prédio, de acordo com a coordenação, já faz dez anos que a direção do colégio enviou uma solicitação para Cuiabá. “Já faz dez anos que solicitamos ao Governo do Estado uma reforma completa para o colégio, só que há quatro anos eles vêm dizendo que irão reformar, mas nunca fizeram nada. Inclusive no ano passado disseram que já haviam feito a licitação, foi até noticiado na mídia local, e que a reforma seria feito no começo deste ano e até agora nada. Estamos esperando”, concluiu. Uma aluna do sétimo ano relatou como os alunos fazem para suportar o calor na sua sala de aula. “Olha quando instalaram os ares achamos bom, mas até agora não está funcionando. Temos só um ventilador na sala, os outros estão quebrados, então quando está fazendo muito calor os alunos ficam todos amontoados para ficar próximos do que está funcionando”, reclamou a menina. Já outro aluno do nono ano disse que em sua sala a situação não é diferente e os alunos não conseguem concentrar-se. “Olha, as vezes o calor é tanto que dá dor de cabeça na gente, passamos mal, então a gente pede que ligue logo o ar. Dia de prova tira a concentração, se o clima estivesse mais fresco lá dentro ficaria melhor para estudar”, argumentou o estudante.
  • 35. 34 AUTOAVALIAÇÃO 2013 I - INDICADORES DE PLANEJAMENTO E AÇÕES PEDAGÓGICAS Nível A - Planejamento e Ações Pedagógicas Abrange processos e práticas de gestão do trabalho pedagógico, orientados diretamente para assegurar o sucesso da aprendizagem dos estudantes, em consonância com o projeto pedagógico da escola. Destacam-se como indicadores de qualidade: a atualização periódica da proposta curricular; o acompanhamento da aprendizagem dos estudantes; o desenvolvimento da inovação pedagógica; as políticas de inclusão com equidade; o planejamento da prática pedagógica; a organização de implantação de projetos didáticos consonantes com o Projeto Político Pedagógico da instituição e a organização do espaço e tempo escolares, com suas rotinas e estratégias de acompanhamento. 1. Proposta curricular contextualizada 1.1 A proposta curricular é atualizada periodicamente, para atender os interesses e as necessidades dos estudantes e da comunidade, em consonância com o projeto pedagógico da escola, as Diretrizes e Orientações Curriculares Nacionais, Estaduais e Municipais bem como com os avanços científicos, tecnológicos e culturais da sociedade contemporânea? Bom 1.2 O currículo envolve temas relativos a conhecimentos escolares, procedimentos pedagógicos, relações sociais, valores e identidade dos estudantes? Bom 1.3 O currículo favorece a expressão dos alunos nas suas diferentes formas, nas várias áreas de conhecimento? Bom 1.4 A escola oferece apoio aos professores para contextualização e definição do currículo, de acordo com as necessidades de ensino e de aprendizagem? Bom 2. Acompanhamento da aprendizagem
  • 36. 35 2.1 Os resultados de aprendizagem (avanços alcançados e dificuldades enfrentadas pelos estudantes) são analisados? Bom 2.2 A análise dos resultados de aprendizagem é utilizada como informação para o planejamento das aulas e dos projetos? São desenvolvidas ações pedagógicas, tendo por objetivo a melhoria contínua do rendimento escolar? Bom 2.3 A escola oferece acompanhamento especial para estudantes em distorção idade/série? Atenção: Se sua escola atende exclusivamente a Educação Infantil e/ou os anos iniciais do Ensino Fundamental, selecione ―não se aplica‖. Nesses casos, esse item será desconsiderado pelo avaliador. Bom 2.4 A escola realiza ações orientadas para as turmas com maiores taxas de reprovação? Selecione‖ não se aplica‖ no caso de escolas de Educação Infantil e/ou que atendem apenas os primeiros anos do Ensino Fundamental. Bom 2.5 No caso de alunos com dificuldades de aprendizagem, eles recebem auxílio, estímulo e apoio para atingir os níveis de aprendizagem esperados? Bom 3. Inovação pedagógica 3.1 São desenvolvidas práticas inovadoras para atender as diferentes necessidades e ritmos de aprendizagem dos estudantes — com a utilização adequada de recursos didáticos e tecnologias educacionais, que favoreçam o trabalho em equipe, a interdisciplinaridade, a contextualização e a apropriação de saberes? Bom 3.2 As práticas inovadoras são analisadas a partir do rendimento dos alunos? Bom 3.3 Estratégias de ensino consideradas exitosas são registradas e sistematizadas? Bom 4. Inclusão com equidade 4.1 São realizadas práticas pedagógicas inclusivas que traduzam o respeito e o atendimento equitativo a todos os estudantes, independentemente de origem socioeconômica, gênero, raça, etnia e necessidades especiais? Bom 4.2 São realizadas ações com o conjunto de alunos, pais ou responsáveis, servidores da instituição no sentido de acolher casos que necessitam de atendimento específico ou especial? Bom 4.3 As ações para estudantes com necessidades especiais são analisadas a partir do rendimento desses alunos? Bom 4.4 Estratégias de ensino consideradas exitosas para alunos com necessidades Bom
  • 37. 36 especiais são registradas e sistematizadas? 5. Planejamento da prática pedagógica 5.1 A escola dispõem de momentos periódicos para o planejamento coletivo e cooperativo da prática pedagógica? Bom 5.2 O planejamento das aulas estão em consonância com a proposta curricular da escola e com base nos avanços e necessidades individuais dos estudantes? Bom 5.3 A escola estabelece os objetivos no projeto pedagógico para cada ano/ série ou ciclo e componentes curriculares/ disciplinas, de acordo com as diretrizes curriculares? Bom 5.4 Os conteúdos para cada componente curricular/ disciplina e para cada ano/ série ou ciclo são organizados de forma sequencial e/ou espiralada? Bom 6. Organização do espaço e do tempo escolares 6.1 A escola dispõe de momentos coletivos para organização dos ambientes, horários de aula e atividades extraclasse, de modo a assegurar práticas pedagógicas que aprimoram a qualidade do ensino e o atendimento às necessidades de aprendizagem dos estudantes? Bom 6.2 Os eventos escolares, informes e solicitações administrativos são organizados e tratados com um mínimo de interrupção das aulas? Bom 6.3 O horário previsto para cada aula é claramente definido e seguido pelos professores que dedicam todo o tempo das aulas para atividades que objetivam a aprendizagem, concentrando-se nas atividades de ensino? Bom 6.4 A escola utiliza ou adapta espaços fora da sala de aula para a realização de atividades diversificadas que favoreçam a aprendizagem dos diferentes conteúdos escolares ? Bom 6.5 Os espaços da escola estão organizados de modo a propiciar algum tipo de aprendizagem aos estudantes? Bom A proposta curricular da Escola Adolfo Augusto de Moraes é discutida no início do ano, na semana pedagógica com a participação dos professores e equipe gestora, quando são discutidas anualmente propostas de melhorias no processo de ensino aprendizagem com o intuito de construir uma educação que leve em consideração as diferenças culturais, de gênero, de raça, de cor, de sexo. Após essa discussão é realizado pelos professores um levantamento junto aos alunos dos conhecimentos destes. E posteriormente são traçado os planejamentos a serem trabalhados durante o ano letivo levando em consideração os conhecimentos prévios dos alunos e o contexto em que estão inseridos. Também nossos
  • 38. 37 resultados apontam para a necessidade de se incorporar essas discussões nos cursos de formação continuada de professores (Sala do Educador). As práticas pedagógicas são voltadas para projetos pedagógicos, para diferentes abordagens desenvolvidas, seguindo a grade curricular como também os temas transversais. A avaliação ocorre de forma contínua progressiva, onde são utilizados instrumentos avaliativos capazes de detectar avanços e dificuldades dos alunos. Os resultados destas avaliações servirão como base não só para os alunos, mas para o professor reavaliar suas práticas pedagógicas. A escola tem uma grande preocupação em relação à leitura, pois são desenvolvidos projetos específicos dentro e fora da biblioteca, visando estimular a leitura, criticidade, interpretação do que foi lido e se tornando um multiplicador na comunidade na qual está inserido. São realizadas visitas à biblioteca na hora da leitura, saraus literários, dramatizações de produções de autoria dos alunos e de autores clássicos e modernos. Desenvolver o conhecimento científico também é uma das práticas de suma importância para a escola, pois é feito através dos projetos: Horta Geométrica, Feira do Esclarecimento, Ação Social, entre outros. Outro aspecto que vai além dos muros da escola é o resgate à cidadania, aonde através de pesquisas, aulas de campo e palestras vêm desenvolvendo uma consciência do que é realmente ser cidadão, conhecendo direitos e deveres, sendo autor de sua própria história para que haja de fato uma transformação social. Vale ressaltar que só é possível realizarmos os trabalhos mencionados graças a uma gestão democrática, visando o bem comum e a coletividade. Para isso são organizados momentos pedagógicos que aprimoram a qualidade de ensino e o atendimento às necessidades de aprendizagem dos alunos, independentemente da origem socioeconômica, gênero, raça, etnia e necessidades especiais. Outro ponto marcante em nossa escola é a relação com as famílias dos alunos com problemas de aprendizagem. As orientações às famílias são realizadas das seguintes formas: * Convocação pelo aluno e por telefone para uma conversa com a equipe gestora e professores; * Orientações aos alunos com defasagem e suas famílias pelo Conselho de escola. O aproveitamento da aprendizagem é uma das mais importantes medidas da qualidade da educação. É, também, intimamente ligado à eficiência da escola, porque as taxas de aprovação e de reprovação estão relacionadas ao aproveitamento da aprendizagem dos alunos. Por isso, devemos especificar o que esperamos que os alunos aprendam, e devemos acompanhá-los para determinar se eles o aprenderam. Porém, para mensurar os resultados de aprendizagem dos alunos é preciso monitorarmos essa aprendizagem porque esse monitoramento nos fornece informações úteis para o planejamento escolar e a tomada de decisões, além de auxiliar no estabelecimento de metas e objetivos, e na avaliação do grau em que essas metas e objetivos foram atingidos. Na nossa realidade não podemos desconsiderar as dificuldades dos alunos em razão de inúmeros fatores: desestrutura familiar, distorção idade série, reprovação sequenciada, etc. Essa heterogeneidade nos faz pensar na melhor forma de atender ao nosso aluno e, por isso, adotamos atividades voltadas para a participação em classe e extraclasse na forma de testes, trabalhos, debates, oficinas, etc. Assim, os professores com a ajuda da coordenação pedagógica, numa relação dialógica, estão sempre buscando alternativas para melhor atender o aluno. Além das reuniões específicas para esse fim, documentamos, através do rendimento escolar de cada avaliação, os resultados obtidos. Podemos, portanto destacar:  Reuniões bimestrais com pais e mestres para avaliação dos resultados.  Aulas de Reforço para alunos com dificuldade em Matemática e língua Portuguesa, contra
  • 39. 38 turno;  Parceria com os Estagiários da Universidade Federal local – UFMT A concepção de educação Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes está voltada para um fazer pedagógico cuja ênfase central se desloca da figura do professor para a figura do aluno, logo o conhecimento só faz sentido quando construído pelo aluno. Neste contexto, valorizamos menos o acúmulo de dados e informações - a quantidade – para atribuir maior valor aos processos de aprender e, portanto, à qualidade e à relevância daquilo que é aprendido. A proposta da escola é algo desafiador, na medida em que busca promover o desenvolvimento do senso crítico, da responsabilidade, da autonomia, da cidadania. Investir nessa linha de trabalho tem sido muito gratificante para todos. Assim, buscamos a inovação dessas práticas com vistas a desenvolver as potencialidades dos nossos alunos. Desenvolvemos projetos interdisciplinares voltados para a contextualização de conteúdos e a valorização dos aspectos socioculturais. Para um melhor desenvolvimento das atividades dispomos de recursos didáticos e tecnológicos inovadores (data show, TV, DVD, vídeos de assuntos variados, hora da leitura na biblioteca, laboratório de informática, etc). Para que tenhamos um sistema educacional inclusivo, na verdadeira amplitude deste conceito, é preciso partir do princípio de que todos os alunos podem aprender, que se deve respeitar e reconhecer as diferenças de, idade, sexo, etnia, língua, deficiências ou inabilidades, que o sistema metodológico atenda às necessidades de todas as crianças. Para termos, pois, uma educação inclusiva é urgente que direcionemos nosso fazer pedagógico em busca de uma escola voltada para a cidadania, plena livre de preconceitos , uma escola que reconhece e valoriza as diferenças. Embasados em tais princípios temos buscado desenvolver nossa prática sem quaisquer atitudes discriminatórias. Entendemos o planejamento como uma prática político-social, uma atividade intencional pela qual se projetam fins e se estabelecem meios para atingi-los. Por isso, não é "neutro‖, mas ideologicamente comprometido com os fins pretendidos por um grupo ou instituição. Isto significa dizer, que o planejamento é um processo constituído de vários atos componentes deste planejar. É uma atividade-meio, que subsidia o ser humano no encaminhamento de suas ações e na obtenção de resultados desejados, e, portanto, orientada por um fim. O ato de planejar se assenta em opções filosófico-políticas, São elas que estabelecem os fins de uma determinada ação. Em se tratando de planejamento escolar, é necessário que haja uma participação efetiva a fim de que o planejamento se constitua uma ferramenta viabilizadora à obtenção dos resultados a que a escola se propõe. Isso nem sempre é tarefa fácil devido à pluralidade de ideias, contudo elas são salutares e necessárias no processo. Assim, buscamos desenvolver uma prática reflexiva que considere avanços e necessidades dos nossos alunos. Promovemos constantemente atividades extraclasses como: danças, passeios, atividades de pesquisa no laboratório, atividades musicais, atividades na biblioteca, além de participação nos jogos esportivos da cidade, em concursos e olimpíadas. No que concerne à participação da comunidade, estabelecemos contatos bimestrais com os pais quando discutimos o processo ensino aprendizagem ou quando há uma necessidade. O planejamento das aulas dos professores efetivos é realizado no coletivo. No entanto não há participação dos professores contratados, pois estes não recebem para fazer hora atividade, fato que dificulta a melhoria no processo de planejamento da prática pedagógica. Se a escola não se propuser a repensar seu tempo e seu espaço visando o aluno, jamais
  • 40. 39 alcançará seus objetivos. Para isso, é necessário respeitarmos as diferenças e criarmos alternativas de espaços diferenciados dentro da escola. Não podemos ficar limitados ao espaço estanque de sala de aula. É preciso pensar no desenvolvimento das potencialidades dos alunos, respeitando-lhes o ritmo, a fim de vivenciarmos situações significativas de aprendizagem. Por isso, a equipe da Escola Adolfo Augusto de Moraes tem contado com espaços diferenciados: sala de multimídia, sala de leitura, laboratório de informática, quadra de esportes, etc. Para uma melhor organização dos espaços, mantemos um controle de utilização com agendamento. Além disso, buscamos inovar a nossa prática. Desenvolvemos os conteúdos através de projetos que articulam diferentes áreas do conhecimento e possibilitam aos nossos discentes uma maior interação social.
  • 42. 41 PROJETO ATIVA Vôlei ESCOLA ESTADUAL ADOLFO AUGUSTO DE MORAeS DAVID ROGERIO FERREIRA. RONDONÓPOLIS Maio de 2014
  • 43. 42 1.INTRODUÇÃO 1.1 1.2 1.1. IDENTIFICAÇÃO: Trata-se de um projeto de esportivo que faz parte das atividades de preparação dos alunos para a disputa os Jogos Estudantis, que ocorrem anualmente em nosso município, e também para complementar o período de hora atividades do professor e autor do Projeto. Projeto este que será desenvolvido na quadra poliesportiva da Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes, no município de Rondonópolis, MT. Os treinamentos ocorrerão entre os meses de Março e outubro de cada ano, com alunos do ensino fundamental e médio. 1.2.1 1.2. Importância Ao longo dos anos, a Educação Física vem ampliando seu espaço na escola, hoje ela é considerada de grande importância no processo educacional, fundamental à formação do indivíduo, ensinando respeito, convivência social e cidadania. A Educação Física procura o desenvolvimento das faculdades motoras do indivíduo, através da experiência, da autodescoberta e da autodireção do educando, possibilitando a ele um dinamismo intencional, criativo e prospectivo, propondo ao mesmo mais do que um saber fazer, e sim um saber ser, construindo espaços onde o homem se torne humano, sendo reconhecido como consciência e liberdade. SOARES (1992) nos diz que a Educação Física é uma prática pedagógica, que no âmbito escolar, tematiza formas de atividades expressivas corporais como: jogo, esporte, dança, e ginástica, formas estas que configuram uma área de conhecimento que podemos chamar de cultura corporal. Segundo MOREIRA (1995), por meio da Educação Física, a criança terá inúmeras possibilidades de ser e de viver seus movimentos corporais. Desde a vivência das habilidades motoras básicas, e suas diversas combinações até dividir o espaço físico e social com o colega. Afirma que, o movimento é e faz parte da vida da criança, sem ele certamente, ela não será capaz de relacionar-se com o mundo. PERES (1998) nos fala da importância da Educação Física no currículo escolar, a qual deve ocupar posição análoga a de todas as demais disciplinas que se propõe desenvolver, nos jovens, as qualidades intelectuais, sociais e morais que farão dele um indivíduo socialmente ajustado e com sua personalidade plenamente
  • 44. 43 expandida. Explica também a importância da Educação Física fora do currículo escolar, onde este valor não se esgota no processo educacional formal, pois mesmo depois de encerrado este período, deve o aluno continuar a praticar qualquer tipo de atividade física aconselhável à sua idade e às suas necessidades. GONÇALVES (1994) refere-se à Educação Física no contexto educacional, onde esta é, sobretudo, educação, envolve o homem como uma unidade em relação dialética com a realidade social. Os valores fins da Educação em geral e seus respectivos objetivos estendem-se em sua totalidade, a Educação Física que, como ato educativo, está voltado para a formação do homem, tanto em sua dimensão pessoal, como social. A Educação Física como prática educativa tem como objetivo formar a personalidade do aluno mediante a atividade física, de modo a torná-lo capaz de enriquecer e organizar sua vida pessoal. Lidando com o corpo e movimento integrado na totalidade do ser humano. A Educação Física atua nas camadas mais profundas da personalidade, onde se formam interesses, as inclinações pessoais, as aspirações e os pensamentos. Inserida em uma luta política pela transformação social, a Educação Física busca, em última instância, a mudança de consciência. A Educação Física, no entanto, oferece um vasto campo de experiências educativas para tal desenvolvimento, na prática de jogos, no desporto escolar, no lazer, na configuração das aulas, etc, dependendo da criatividade e do empenho do professor em, conscientemente orientar suas aulas para esses objetivos. 1.3 1.3. Objetivos 1.3.1 1.3.1. Objetivo Geral ► Desenvolver um projeto de Treinamento de Voleibol para os alunos de ensino fundamental e médio. 1.3.2 1.3.2. Objetivos Específicos ► Estimular o hábito da prática esportiva; ► Experimentar a aquisição de novas habilidades através de atividades propostas nos treinamentos;
  • 45. 44 ► Ensinar os fundamentos básicos do voleibol (toque, manchete, saque e ataque) e os sistemas táticos de jogo; ► Oferecer aos a oportunidade de praticar padrões desejáveis de conduta, acostumando-a a respeitar e cumprir as regras impostas pelo esporte; ► Ministrar atividades nas formas dinâmicas com ou sem deslocamentos, com e sem materiais; ► Executar atividades adequadas à suas habilidades motoras; ► Oportunizar a vivência da modalidade esportiva, através de jogos pré- desportivos de forma lúdica, despertando o interesse nos alunos pela modalidade; ► Propiciar a interação e integralização do grupo; ► Estimular a autoconfiança e auto-imagem positiva; ► Proporcionar condições aos educandos para que estes se tornem cidadãos criativos, críticos e participativos na sociedade, no meio em que vivem; ► Familiarizar o aluno com derrotas e vitórias, uma vez que no decorrer de sua vida ela se depara-la com ambas situações; ► Transmitir através dos problemas ocorridos durante as aulas, valores de respeito a si e aos outros, honestidade, responsabilidade, cooperação, disciplina, coragem e outros.
  • 46. 45 2. REVISÃO DE LITERATURA 1.4 2.1. O Jogo ARAUJO (1992) fala sobre as atividades lúdicas. Elas, desde muitos séculos, integram-se ao quotidiano das pessoas sob várias formas, sejam elas individuais, sejam coletivas, sempre obedecendo ao espírito e à necessidade cultural de cada época. E assim podemos evidenciar que dentro das atividades de lazer, vivenciadas especialmente na idade infantil, o jogo toma um aspecto muito significativo no momento em que ele se desvincula de ser meio para atingir a um fim qualquer. Ao jogar, a criança apresenta características de um ser completamente livre, motivado por uma necessidade intrínseca de realização pessoal, mas toda a finalidade que procura no momento em que brinca está além de si mesma. Não se utiliza o jogo como meio de alcançar uma determinada satisfação e, sim, esta é uma conseqüência de sua interação com o próprio ato de jogar. Desde muito cedo o jogo na vida da criança é de fundamental importância, pois quando ela brinca, explora e manuseia tudo aquilo que está à sua volta, através de esforços físicos e mentais e sem se sentir coagida pelo adulto, começa a ter sentimentosde liberdade e satisfação pelo que faz, dando, portanto, real valor e atenção às atividades naquele instante. Brincando, a criança desenvolve suas capacidades físicas, verbais e intelectuais. Quando a criança não brinca, ela deixa de estimular, e até mesmo desenvolver suas capacidades inatas e pode vir a ser um adulto inseguro, medroso e agressivo. Já quando brinca à vontade, tem maiores possibilidades de se tornar um adulto equilibrado, consciente e afetuoso. O valor do jogo reside nas três funções que ele assume: desenvolvimento, socialização e aprendizagem. O jogo e a brincadeira na infância estruturam-se no movimento. Este tem como funções: a exploração e relação do corpo e dos objetos, os sentimentos e as emoções. A criança, dessa maneira, estabelece conceitos, interage com os objetos e as pessoas, favorecendo a comunicação e a inteligência, daí o pensamento e a aprendizagem virem como resultado importante desse brincar. 1.5 2.2. O Esporte:
  • 47. 46 O esporte é uma necessidade individual e social, uma influência que se evidencia cada vez mais dentre as atividades do homem. Ele surpreende pela rapidez e amplitude de sua progressão e se impõe pela atração que desperta. Incita a ação, competição, superação de esforço, afim de fonte de saúde e de distração. As pessoas procuram as atividades físicas como válvula de escape das tensões que os envolvem na sala de aula, em casa ou no trabalho, onde elas podem se expressar e brincar descarregando toda a sua energia acumulada de forma lúdica. 1.6 2.3 Fundamentos do voleibol 1.6.1 2.3.1. Posição de expectativa -Objetivo: Mostra que o atleta está “ligado”, atento à jogada, pronto para intervir; Permite arrancar mais rápido para a bola; Permite deslocar para todas as direções com mais rapidez. -Descrição técnica: Pés afastados lateralmente, estando um deles ligeiramente à frente do outro; Joelhos flexionados e à frente dos pés; Tronco ligeiramente inclinado para frente; Divisão igual do peso do corpo sobre os dois pés; Braços flexionados com os cotovelos juntos ao corpo e as mãos afastadas. 1.6.2 1.6.3 2.3.2. Saque por baixo -Objetivo: Colocar a bola em jogo; Dificultar a construção de uma jogada combinada, jogando em locais ou jogadores determinados. -Descrição técnica: Para uma perfeita execução do saque por baixo, deverá se estar num posicionamento de equilíbrio, onde o gesto técnico associado à força necessária para a execução; Para os jogadores destros, colocar o pé esquerdo à frente apontando para o local a ser atingido pela bola; pé direito atrás um pouco aberto para o lado; As pernas movimentam-se para frente e para trás, flexionando-se levemente;
  • 48. 47 A bola é apoiada na mão aproximadamente na altura da cintura, e o braço de ataque faz o movimento póstero-anterior (de trás para frente), atacando a bola de forma que dê o maior contato entre a mão e a bola. 1.6.4 2.3.3. Saque por cima -Objetivo: Colocar a bola em jogo; Dificultar a recepção e a construção da jogada combinada do adversário; Fazer diretamente o ponto. -Descrição técnica: Para os jogadores destros, colocar o pé esquerdo à frente apontando para o local a ser atingido pela bola; pé direito atrás um pouco aberto para o lado; As pernas movimentam-se para frente e para trás, flexionando-se levemente; A bola é apoiada na palma da mão esquerda (para os destros), com o punho dessa mão flexionada para cima; O braço de ataque deve estar flexionado, com a mão a altura da cabeça virada para frente; A mão deve atacar a bola de modo que dê o maior contato possível entre a mão e a bola, portanto, aberta. 1.6.5 1.6.6 2.3.4. Toque -Objetivos: Fazer o passe; Fazer o levantamento; Fazer recepção. -Descrição técnica: Posição de pés, pernas e tronco igual à da posição de expectativa, sendo que as mãos estarão colocadas na altura da testa; No contato com a bola, mãos e punhos devem estar relaxados; No contato com a bola, mãos e dedos tomam a forma da bola; No contato com a bola, o punho contribui com 50% da ação; No contato com a bola, as mãos vão de encontro da bola.
  • 49. 48 1.6.7 2.3.5. Manchete -Objetivos: Impedir que a bola caia no chão; Fazer o passe para o levantador. -Descrição técnica: Os pés deverão estar um ligeiramente à frente do outro com as pernas afastadas lateralmente, apoiando-se em meia planta dos pés (calcanhares levantados); Joelhos flexionados; Tronco inclinado à frente; Braços retos para frente, unidos e mostrando suas faces internas (região mais plana); Punhos flexionados com os dedos apontados para o chão; 60% do peso do corpo deve estar sobre a perna mais à frente e 40% sobre a perna de trás; A bola deve ter contato na região acima dos punhos (dois dedos acima). 1.6.8 2.3.6. Cortada -Objetivos: Fazer o ponto; Tomar o saque (rodízio); Fazer a bola tocar o mais rápido possível a quadra adversária, impedindo a defesa. -Descrição técnica: A corrida: na fase de aprendizagem a corrida, geralmente, não excede a três passos, sendo que o primeiro deles deve ser mais curto (para permitir ao atacante mudar de direção num mau levantamento) e o último mais largo é rápido. A corrida deve ser iniciada quando a bola já abandonou as mãos do levantador (levantamento alto); A impulsão: indica-se pelo apoio dos dois calcanhares (nesse momento as pernas e tronco estarão flexionadas e os braços estarão para trás), depois planta e ponta dos pés com brusca extensão das pernas e troncos. Os dois braços são arremessados vigorosamente para cima, ajudando na elevação do corpo; O movimento dos braços: a batida na bola se realiza no ponto mais alto do salto, à frente do corpo e com o braço estendido. O braço oposto ao da cortada deve ser puxado para baixo no momento da cortada, flexionando-o no cotovelo. A força da cortada deve-se à velocidade do braço da mesma;
  • 50. 49 A queda: deve-se realizar primeiro, sobre a ponta dos pés, depois planta dos pés e por ultimo os calcanhares, com a respectiva flexão dos joelhos, e sempre nos dois pés. Ela deve ser equilibrada e permitir ao atacante uma nova ação no jogo. 1.6.9 2.3.7. Bloqueio -Objetivos: Impedir que a bola atacada passe pela rede; Amortecer o impacto da cortada propiciando o contra-ataque. -Descrição técnica: Ficar atento perto da rede, o jogador deve se colocar a uma distância de meio braço da rede. Saltar muito rápido e no momento exato; nos levantamentos altos os bloqueadores saltam um pouco mais tarde do que o atacante; em ataques rápidos os bloqueadores saltam um pouco mais tarde do que o atacante; em ataques rápidos (bolas baixas) o bloqueador salta no mesmo momento que o atacante; Passar as mãos por cima da rede colocando-as o mais próximo possível da bola; Para poder estender os braços por sobre a rede e poder puxá-los rapidamente de volta, é aconselhável que o tronco seja levemente lesionado no quadril e estendido imediatamente após tocar na bola; Aterrisar pronto para jogar; se a bola passa ou é desviada pelo bloqueio, o bloqueador deveria fazer tudo para não perdê-la de vista. 1.6.10 2.3.8. Rolamento -Objetivos: Impedir que a bola caia em seu próprio campo, no caso dela estar distante e/ou baixa; Preparar bem o contra-ataque; Evitar lesões. -Descrição técnica: Estar em posição de expectativa; Estar muito agachado é melhor que muito alto; Não correr antecipadamente e nem atrasado para a bola; Usar a mão e braços estendidos para bater na bola, elevando-a para cima e, se possível, na direção do levantador. Após o toque na bola, jogar o corpo por sobre o dorso das costas correspondente a mão e braços usados (por exemplo: se usou a mão e/ou braço direito para defender a bola, girar o corpo por sobre o dorso direito);
  • 51. 50 No caso de rolamento para trás, após o toque na bola de manchete ou toque por cima, deve-se passar primeiro pelos glúteos, depois pelas costas. Verificar a proteção da cabeça; Procurar sair na posição em pé, após o rolamento, para prosseguir na jogada; Nunca dar uma bola como perdida. 1.6.11 1.6.12 2.3.9. Peixinho -Objetivos: Impedir que a bola caia em seu próprio campo, no caso dela estar distante e/ou baixa; Evitar lesões nas quedas. -Descrição técnica: Estar em posição de expectativa; Estar muito agachado é melhor do que muito em pé; Não correr antecipado e nem atrasado para a bola; Usar o dorso da mão direita (no caso de destros) na ocasião do contato com a bola, elevando-a para que outro jogador possa continuar a jogada; No caso de não conseguir bater na bola, pode-se usar o artificio de colocar a mão entre a mesma e o chão. Tarefa esta que requer muita habilidade; Após o contato com a bola, a queda é feita primeiramente sobre as mãos e os braços que se flexionam encostando o peito no chão diminuindo o impacto. As mãos deverão facilitar o deslizamento empurrando o corpo para frente. Os pés deverão estar dobrados; O corpo no momento da queda ao chão deve fazer um arco, de modo que somente o peito e mãos tenham o primeiro contato com o chão; Não deixar os pés se elevarem muito em relação à cabeça, pois o queixo poderá tocar no chão; É um fundamento usado exclusivamente por equipes masculinas; Nunca dar a bola como perdida; Para a execução desse fundamento é necessária uma superfície plana e lisa, o que diminui o atrito e o risco de lesões.
  • 52. 51 3 - METODOLOGIA 1.7 3.1. População O presente projeto visa ministrar atividades de iniciação ao voleibol no Ensino Fundamental e médio, aos alunos da Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes, em Rondonópolis, MT. 1.8 3.2. Conhecimentos a serem ministrados Os conhecimentos a serem ministrados no período, serão os fundamentos básicos do voleibol (manchete, toque, saque, cortada, regras básicas e sistemas de jogo) 1.9 3.3. Metodologia de ensino. Para a execução do Projeto, serão colocadas em prática as Concepções Abertas no Ensino da Educação Física, ou seja, será dada aos alunos uma pequena abertura ou liberdade de escolha. Essa abertura poderá vir a crescer gradativamente, à medida que os alunos mostrarem-se capazes de corresponder à mesma, através da responsabilidade e da socialização. Para HILDEBRANDT & LAGING (1986), as Concepções de Ensino são Abertas quando os alunos participam das decisões em relação aos objetivos, conteúdos e âmbitos de transmissão, ou dentro desse complexo de decisão. O grau de abertura depende do grau de co-decisão dos alunos. Buscando este objetivo serão utilizados o estilo prático e o estilo inclusão. MOSSTON, apud CANFIELD (1986), explica que no estilo prático ocorrem algumas mudanças na relação professor-aluno. Algumas decisões, quanto às atividades (local, ritmo, intervalo, etc) passam a ser responsabilidade dos alunos, sendo essas decisões valorizadas pelo professor, o qual depositará a necessária confiança em seus alunos. Essas decisões entram na categoria chamada de IMPACTO, ou seja, são as decisões feitas durante a realização das tarefas. No estilo inclusão, as pré-decisões são tomadas pelo professor. O aluno toma decisões no Impacto, ou seja, inclui suas decisões durante a execução da tarefa, verificando a sua performance e decidindo sobre sua atuação futura, ou qual o nível
  • 53. 52 que realizará as atividades. Este estilo induz ao exame do autoconceito; o aluno poderá avaliar o que pode fazer. Através desta metodologia, a qual vai oferecendo uma abertura gradativa aos alunos, de tomarem suas decisões, poderá se chegar aos objetivos propostos pelas outras metodologias. MOSSTON, apud CANFIELD (1986), indica como estilo de ensino a Resolução de Problemas. Diante de uma situação problema os alunos devem empenhar-se em achar soluções por si mesmos. O exercício problema é uma situação rica de componentes, que solicita dos alunos desvendarem o emaranhado estrutural apresentado, permitindo a escolha, entre várias soluções possíveis, daquela que lhe pareça mais adequada. BECKER apud BRANDL NETO (1999), descreve sobre a Descoberta Dirigida, onde os alunos são desafiados a descobrirem soluções para os problemas individualmente ou em grupo. O professor faz perguntas adequadas, ou dicas, pistas ou indícios, deixando o aluno ou grupo descobrir. 1.10 3.4. Estratégia Pedagógica Para a execução das aulas serão utilizadas as seguintes estratégias: Treinamentos práticos visando atender as características dos alunos. Serão utilizadas atividades motivantes e variadas que os mantenham ocupados e lhes cativem atenção. Os treinamentos serão em sua maioria práticos, mas com fundamentação teórica conforme a necessidade da mesma. A princípio será demonstrada a forma correta de execução dos movimentos, para depois serem vivenciados pelos alunos. Também será questionado o conhecimento prévio sobre assuntos abordados. As aulas serão iniciadas com aquecimento, através de deslocamentos e movimentações articulares. Após serão realizados alongamentos e alguma brincadeira em que todos participem e tenham boa movimentação, depois serão iniciadas as atividades programadas, encerrando-se as aulas com um alongamento, sempre enfatizando a importância do mesmo. Ao término das atividades o professor fará comentários com os alunos, reforçando a importância das atividades que foram realizadas. A opinião dos alunos sobre a aula é importante para a atuação do professor. Quanto à Avaliação:
  • 54. 53 Será qualitativa, ou seja, que valorize a participação dos alunos, onde todos os passos são avaliados, observando-se os conhecimentos e progressos alcançados pelos alunos, sendo esta de forma contínua. 1.11 3.5. Cronograma (a ser definido de acordo com os horários compatíveis) Período: 25 semanas. DIA DA SEMANA HORÁRIO LOCAL segunda-feira 15:00 Quadra poliesportiva quarta-feira 15:00 Quadra poliesportiva 1.12 3.6. Recursos 1.12.1 3.6.1 Recursos Físicos  Quadra de esportes; 1.12.2 3.6.2 Recursos materiais Para a execução das atividades nas aulas serão utilizados os seguintes recursos materiais: Quantidade Material Valor unitário R$ Estimativa em R$ 04 bola de voleibol Penalty 6.0 220,00 880,00 01 rede de voleibol 120,00 120,00 20 Metros de corda 2,00 40,00 24 Uniformes completos 80,00 1.920,00 15 Bola de voleibol Wilson 120,00 1.800,00 20 Bola de borracha 9,00 180,00 total XXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXX 4.940,00
  • 55. 54 4. REFERÊNCIAS Apostilado de Voleibol. Disciplina voleibol-Curso de Educação Física, UNIOESTE, 1998. ARAUJO, V. C. O Jogo no contexto da Educação Psicomotora. São Paulo: Cortez, 1992. BRANDL NETO, I. Teorias da Aprendizagem e a Educação Física (motora). In Caderno de Educação Física. Estudos e Reflexões/Curso de Educação Física da Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon. V. I, Nº I, 1999. BRANDL Neto, I. In Educação Física nas séries iniciais. Brandl Neto, I. (org.). Toledo: EdT, 1996. BURIOLLA, M. A. F. O Estágio Supervisionado. São Paulo: Cortez, 1995. CANFIELD, J. T. Estilos de Ensino de Mosston (Apostilado). Santa Maria, U.F.S.M, 1986. GONÇALVES, M. A. S. Sentir, Pensar, Agir (Corporeidade e Educação). São Paulo: Papirus, 1994. HILDEBRANDT, R e LAGING, R. Concepções Abertas no ensino da Educação Física. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1986. MEINEL, K. Motricidade II – O Desenvolvimento Motor do Ser Humano; Rio de Janeiro. Ao Livro Técnico S.A., 1984. MOREIRA, W. W. (org.). Corpo Pressente. São Paulo: Papirus, 1995. ODENEAL & KELLAN. Voleibol Moderno. São Paulo: Difel /Forun, 1975. PERES, L. S. O positivismo e a Educação Física. In Peres, L.S. et al. Educação Física: abordagem histórica do corpo e novas perspectivas. Cascavel, 1998. Regulamentação do Estágio Supervisionado do Curso de Educação Física da UNIOESTE. PR, 1999. RODRIGUES, Maria. Manual teórico prático de Educação física infantil. 6º ed.: São Paulo: 1993. SEED. Educação Física. Apostila, s/d. SOARES, C. L. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1993. TANI, GO... et al. Educação Física Escolar. Fundamentos de uma abordagemdesenvolvimentista. São Paulo: EPU: Editora da Universidade de São Paulo, 1988. TOSCANO,M. Teoria da Educação Física Brasileira. Rio de Janeiro: ed. Civilização Brasileira, 1974.
  • 56. 55 Estado de Mato Grosso. Secretaria de Estado de Educação. Escola Estadual “Adolfo Augusto de Moraes”. PROJETO DE ARTICULAÇÃO DA APRENDIZAGEM Unidocência - Linguagem Matemática Ano Letivo - 2014 Rondonópolis ,2014
  • 57. 56 Considerações 1. Unidocência - Linguagem A prática educativa é um fato social, cuja origem está ligada à da própria humanidade. No decurso da história do Ocidente, a Pedagogia firmou-se como a ciência do ensino. Assim, a indissociabilidade entre a prática educativa e a sua teorização elevou o saber pedagógico ao nível científico. Com este caráter, o pedagogista e o pedagogo passam a ser, de fato e de direito, investido de uma função reflexiva, investigadora e, portanto, científica do processo educativo. Autoridade que não pode ser delegada a outro profissional, pois o seu campo de estudos possui uma identidade e uma problemática própria. Entende-se que fora consubstanciado nestas considerações a elaboração do Artigo 29 da Portaria 434/13/GS/SEDUC/MT que está logo abaixo na página 4 deste documento, inclusive priorizando a função do Pedagogo para a Articulação no Parágrafo 4 - item III. 2. Matemática A matemática é a ciência dos números e dos cálculos. Desde a antiguidade, o homem utiliza a matemática para facilitar a vida e organizar a sociedade. A matemática foi usada pelos egípcios nas construções de pirâmides, diques, canais de irrigação e estudos de astronomia. Os gregos antigos também desenvolveram vários conceitos matemáticos. Atualmente, esta ciência está presente em várias áreas da sociedade como, por exemplo, arquitetura, informática, medicina, física, química etc. Podemos dizer que em tudo que olhamos existe a matemática, portanto se faz necessário teorizarmos com o cotidiano do aluno, pois de acordo com os PCNs:Nesta fase, os alunos devem ser estimulados a aperfeiçoar seus procedimentos de cálculo aritmético, seja ele exato ou aproximado, mental ou escrito, desenvolvido a partir de procedimentos não convencionais ou convencionais, com ou sem uso de calculadoras. Certamente, eles ainda não têm domínio total de algumas técnicas operatórias, como da multiplicação e da divisão envolvendo números naturais, compostos de várias ordens, ou aquelas com números decimais, e isso precisa ser trabalhado sistematicamente. O importante é superar a mera memorização de regras e de algoritmos (.divide pelo de baixo e multiplica pelo de cima., .inverte a segunda e multiplica.) e os procedimentos mecânicos que limitam, de forma desastrosa, o ensino tradicional do cálculo( 1996,p. 68).
  • 58. 57 Na série deste estudo é muito importante a ênfase nas quatro operações matemáticas. É a partir desta familiaridade, tão essencial, que o aluno terá condições para seguir adiante com os novos assuntos que aprenderá nos decorrer dos anos. O uso da expressão numérica somente somará facilidade de entendimento e em consequência, a melhor compreensão dos novos assuntos. A existência desse projetoé expor motivos à Secretaria de Estado de Educação que permitam analisar e decidir sobre a permanência da função do Professor Articulador – Pedagogo 20 horas, como um agente da manutenção da qualidade da Alfabetização, Letramento e Matemática 20, de alunos da Escola Estadual “Adolfo Augusto de Moraes”considerando a efetiva melhoria das condições de aprendizado e também da elevação da qualidade do ensino. A Escola A educação é hoje uma pauta recorrente na agenda nacional e um tema capaz de gerar adesões de todas as correntes. Por outro lado o Brasil ainda caminha muito lentamente para um padrão educacional de qualidade, como se esperaria de um país que ostenta tão alta posição em termos econômicos. Nesse contexto, o presente projeto de articulação é direcionado à Escola Estadual “Adolfo Augusto de Moraes”, que está localizada em Rondonópolis – MT, no Bairro VilaAurora, na Avenida Padre Anchieta nº. 937, em um terreno de 10.000 m². Trata-se de uma escola que foi fundada em 27/02/1969, conforme Decreto nº 824 de 27/02/69, com a denominação de Grupo Escolar “Dr. José Trancucci”. Pelo Decreto nº. 1462 de 08/03/1971,passou a se chamar Grupo Escolar “Adolfo Augusto de Moraes e funcionava na COHAB. A Escola iniciou suas atividades no dia 10 de maio de 1975, sendo oficialmente criada pelo Decreto nº. 63 C.E.E./ MT de 04 de junho de 1975, com o nome de “Escola Estadual de I e II grau “Adolfo Augusto de Moraes” em homenagem aos pais do Sr. William de Moraes, doador do terreno onde a mesma foi construída.Foi reconhecida conforme Portaria 3277/92-C.E.E./ MT de 15/12/1992. A Escola é uma instituição de ensino da Rede Pública Estadual de Ensino do Estado de Mato Grosso, tendo como mantenedora a Secretaria de Estado de Educação do Estado do Mato Grosso – SEDUC - MT, com sede no município de Cuiabá. Atualmente, a Escola atende mais de 1.200 alunos regularmente matriculados em três turnos, nas modalidades de Ensino Fundamental de nove anos e com Ensino Médio na sede da Escola “Adolfo” nos turnos vespertino e matutino. Além disso, tem seis turmas de Ensino Médio ofertado no período noturno em salas anexas em uma Escola Municipal situada no Bairro Parque São Jorge.
  • 59. 58 Neste ano a Escola completou 45 anos de educação no município e é considerada uma escola bem localizada, num dos ótimos bairros da cidade. Está localizada em uma área privilegiada e quase central. Os alunos são oriundos de diversos bairros inclusive periféricos. Os alunos são de todos os níveis sociais, tendo os que chegam de carro, de ônibus, bicicleta e a pé. Há alunos de boa situação financeira e também os que precisamde doações como camisetas, cadernos e lápis. Tem alunos que residem nas proximidades da escola, outros em bairros próximos e outros em bairros distantes. Muitos destes dizem amar tanto a escola que não se mudam para outra escola mais perto de sua residência. No que concerne à gestão, existe uma preocupação com a melhoria da qualidade de ensino e com a consequente satisfação da comunidade escolar. Por isso, realiza-se um trabalho coletivo que procura constantemente alinhar parcerias ao desenvolvimento das atividades escolares no sentido de promover melhores resultados. Com base nesse entendimento, busca-se a construção coletiva do Projeto Político Pedagógico (PPP) que se configura como um norteador das ações pedagógicas e curriculares da escola. De acordo com o Plano Político Pedagógico(PPP) e o Regimento Internopara 2013, os alunos contam com no mínimo uma avaliação bimestral escrita que se soma às demais atividades avaliativas e ao processo diário de desenvolvimento em sala. Havendo necessidade, o aluno fará as atividades de recuperação do bimestre, se mesmo com a recuperação a dificuldade não for sanada, serão disponibilizadas aulas de apoio à aprendizagem na Articulação, em consonância às aulas de apoio junto a Professora Regente. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) prevê o aumento progressivo da jornada escolar para o regime de tempo integral (art.34 e 87), ao mesmo tempo em que reconhece e valorizam as iniciativas de instituições que desenvolvem como parceiros da escola, experiências extraescolares (LDB, art. 3, item 10). Essas indicações legais respondem tanto às expectativas de ampliação do tempo de estudo, via sistema público de ensino, como ao crescente movimento de participação de outras organizações, nascida em geral por iniciativa da própria comunidade, que trabalha na interface educação-proteção social. Nem sempre se tem conseguido avançar para ações educativas que respondam às expectativas de formação e de aprendizagem e que ajudem na superação das dificuldades didático-pedagógicas e organizacionais do sistema. Enquanto em muitos fóruns busca-se discutir alternativas para que a educação responda à acelerada exigência de atualização tecnológica e ao processamento da massa de informações que circula na mídia, enfrenta-se também a dura constatação de que uns significativos números de crianças de escolas brasileiras ainda não sabem ler e compreender um
  • 60. 59 texto simples. São essas contradições que fomentam o sentido de urgência na concretização das aspirações da Educação. Pensando nisso é que se faz necessário a interferência e ação do Professor de Articulação no processo da Aprendizagem, a fim de garantir um tempo a mais para a criançaem nossa escola, para superar os seus desafios de aprendizagem, especialmente no que diz respeito à consolidação no processo de leitura, escrita e entendimento de texto (Alfabetização e Letramento). Legislação A Portaria 434/13/GS/SEDUC/MT, no artigo 29 do §1º ao §5º diz: Art.29.Toda escola de ensino fundamental da rede estadual organizada por Ciclos de Formação Humana terá direito a pelo menos um professor articulador com carga horária distribuída em até 30 horas. § 1º A atribuição do professor articulador de aprendizagem considerará as necessidades apresentadas no diagnóstico dos desafios de aprendizagens de cada escola. § 2º. As necessidades apresentadas no diagnóstico embasarão a elaboração do projeto de mediação das aprendizagens da articulação do coletivo dos Ciclos da unidade escolar. § 3º. O projeto de mediação das aprendizagens da articulação do coletivo dos Ciclos deverá: I - estar em consonância e ser contemplado no PPP – Projeto Político Pedagógico; II - estar prioritariamente relacionado aos processos de alfabetização; III - ser acompanhado e validado pela Assessoria Pedagógica e encaminhado via parecer às equipes da SUEB/SUDE para parecer final e liberação no sistema pela SUGP para atribuição. § 4º. Para candidatar-se à função de professor articulador da aprendizagem, o docente deverá apresentar perfil estabelecido a seguir: I - ser prioritariamente professor efetivo ou estabilizado; II – ter disponibilidade no horário diurno; III - ter prioritariamente formação em LicenciaturaPlenaem Pedagogia ou Normal Superior;
  • 61. 60 IV – ter prioritariamente experiência docente em alfabetização nos últimos 02 anos; a. caso tenha outra habilitação, porém seu concurso de ingresso for magistério e optou por continuar atuando nos anos iniciais; § 5º. Caso os processos de alfabetização já estejam consolidados e o projeto de mediação das aprendizagens da articulação apresente outras necessidades de aprendizagem dos alunos, a unidade escolar poderá atribuir professor articulador com habilitação nas áreas diagnosticadas. Nosso entendimento A partir da leitura e reflexão sobre o texto da Portaria 434/13, entendemos que: o A atribuição do Professor Articulador deverá atender as necessidades de cada Unidade Escolar. o É a partir das necessidades apresentadas no diagnóstico que será elaborado o projeto de articulação das aprendizagens no coletivo dos Ciclos da Unidade Escolar; o A ação do Professor Articulador esta relacionada aos desafios da aprendizagem prioritariamente aos de Alfabetização e Letramento; o Que a validação deste processo inicia pela aprovação daAssessoria Pedagógica, posteriormente pela SURB/SUDE e liberação e atribuição pelo SUGP; o Que as exigências para o cargo são: a. ser professor efetivo; b. ter horário disponível no período diurno; c. ter prioritariamente formação emLicenciatura Plena em Pedagogia ou Normal Superior; ou ainda, ter experiência docente em alfabetização nos últimos 02 anos; o Se houver outras necessidades de aprendizagem dos alunos, a unidade escolar poderá atribuir professor articulador com habilitação nas áreas diagnosticadas desde que não seja de Alfabetização e Letramento, pois estas já estariam contempladas no documento; Objetivos do Professor Articulador 1. Unidocência - Linguagem o Oferecer aos alunos com dificuldades no processo de aprendizagem atividades diversificados que minimize o fracasso escolar melhorando sua autoestima pela alfabetização e letramento.
  • 62. 61 o Desenvolver um processo de ensino diferenciado com o aluno para que ele alcance qualificação necessária a sua promoção ao término do ano letivo. o Criar novas estratégias e métodos para trabalhar conteúdos, para os quais os alunos apresentam dificuldades; o Orientar o aluno a identificar suas dificuldades para superá-las; o Permitir ao aluno compreender seu potencial. o Oportunizar aos alunos do projeto, situações de aprendizagem que possibilitem o desenvolvimento: a. De habilidades mentais e linguísticas (capacidade de se expressar oralmente e na escrita, identificar, comparar, estabelecer relações, classificar, analisar interpretar e sintetizar); b. Da criatividade, da formulação de hipóteses, de critica, de resolução de situações-problema; c. Do raciocínio reflexivo-crítico, de atenção, de observação, da socialização e das relações interpessoais; d. Da capacidade de aplicar conhecimentos construídos em novas situações e de fazer generalizações; e. Da vivência lúdica por meio de jogos relacionados à atividade; f. Do uso das Tecnologias na ajuda em desenvolver as habilidades dos alunos. 2. Matemática o Reforçar e dar suporte ao aluno em determinados conteúdos básicos de matemática. o Auxiliar no desenvolvimento de conteúdos que estão sendo estudados na série em curso. o Dar condições para que se possa melhorar a autoestima do aluno. o Incorporar soluções alternativas, reestruturar e ampliar a compreensão acerca dos conceitos envolvidos nas quatro operações; o Discutir as dúvidas, supor que as soluções dos outros podem fazer sentido e persistir na tentativa de construir suas próprias ideias; o Reconhecer os significados dos números naturais em diferentes contextos e estabelecimento de relações entre números naturais, tais comoser múltiplo de., .ser divisor de..
  • 63. 62 o Desenvolvimento da capacidade de investigação e da perseverança na busca de resultados, valorizando o uso de estratégias de verificação e controle de resultados, o Predisposição para alterar a estratégia prevista para resolver uma situação-problema quando o resultado não for satisfatório, o Reconhecimento que pode haver diversas formas de resolução para uma mesma situação- problema e conhecê-las, o Valorização e uso da linguagem matemática para expressar-se com clareza, precisão e concisão, o Estimular o trabalho coletivo, colaborando na interpretação de situações- problema, na elaboração de estratégias de resolução e na sua validação. Justificativas 1. Unidocência - Linguagem A justificativa maior desse projeto e o que se espera com ele é garantir o que diz a LDB no Inciso I de seu Artigo 3°: “igualdade de condições para o acesso e permanência na escola”. Entende-se que garantir igualdade de condições é dar suporte para que os alunos que estão com dificuldades educacionais consigam superá-las. O processo que vem sendo utilizado é comprovadamente um desses caminhos. O domínio da língua, oral e escrita, é fundamental para a participação social efetiva, pois é por meio dela que o homem se comunica, tem acesso á informação, expressa e defende pontos de vista, partilha ou constrói visões de mundo, produz conhecimento. Por isso, ao ensiná-la, a escola tem a responsabilidade de garantir a todos os seus alunos o acesso aos saberes linguísticos, necessários para o exercício da cidadania, direito inalienável de todos. A figura do professor articulador é uma exigência da Escola Ciclada organizada em ciclos de formação humana, um elemento a mais na construção do conhecimento, especialmente para aqueles com maior dificuldade de aprendizagem. Buscamos estes esclarecimentos baseados nos descritos da Portaria 276/96, Art. 6º e Instrução Normativa 008/2007/GS/SEDUC/MT em que trata da questão: PROFESSOR ARTICULADOR: quem é e qual é sua função?Observamos que há um número significativo de crianças nas séries iniciais de escolarização que apresentam
  • 64. 63 muitas dificuldades de aprendizagem. São crianças que estão condenadas ao fracasso antes mesmo que se esgotem todas as possibilidades didático-pedagógicas em alfabetizá-las. Nesta Unidade Escolar, E. E. "Adolfo Augusto de Moraes" há a necessidade do Professor Articulador da Aprendizagem de forma efetiva, atuando especificamente em 20 horas semanais na função, pois possuímos alunos em processo de alfabetização e letramentonão consolidados, no I e II Ciclo. Estes casos são da competência do professor Pedagogo, Linguagem e Matemática. 2. Matemática Existe um grande número de alunos que chegam ao ensino médio sem saberem a matemática básica e, em consequência desta defasagem da aprendizagem, não conseguem acompanhar, de forma satisfatória, o desenvolvimento dos conteúdos de matemática do ensino médio. Partindo da constatação no do ensino fundamental na escola, percebeu-se a dificuldade de um percentual considerável de discentes com dificuldades de compreender as quatro operações, os quais são requisitos fundamentais exigidos de um aluno que se encontra nessa série. Faz-se necessário rever a proposta pedagógica a esse público alvo e buscar estratégias para recuperarmos ainda em tempo esses que se encontra em defasagem nesta área de conhecimento. Nesse aspecto, a Matemática pode dar sua contribuição à formação do cidadão ao desenvolver metodologias que enfatizem a construção de estratégias, a comprovação e justificativa de resultados, a criatividade, a iniciativa pessoal, o trabalho coletivo e a autonomia advinda da confiança na própria capacidade para enfrentar desafios. É por isso que tal projeto articulador de matemática com carga horária 20h faz necessário, para reforçar e dar suporte ao aluno do ensino fundamental e consequentemente do ensino médio em determinados conteúdos básicos de matemática para que o mesmo possa conseguir uma melhor sequência na continuidade dos conteúdos em séries seguintes. Relatório Diagnóstico No ano escolar de 2013 abaixo foram diagnosticados e atendidos 47 alunos todos com necessidades de consolidar o processo de Alfabetização e Letramento. Alguns apresentaram a esperada evolução, outros transferiram de
  • 65. 64 unidade escolar e outros que ficaram e que ainda necessitam de apoio pedagógico para a finalização com sucesso nesta etapa do desenvolvimento humano. Lembramos que ingressaram novos alunos na escola que também apresentam estas necessidades. Abaixo apresentamos um quadro demonstrativo da situação dos alunos. Nesta proposição serão atendidos alunos até o 6º ano. Nome do Aluno Turma de Origem Desafios de Aprendizagem Apresentados Área de conhecimento para o Apoio Pedagógico Andrey de Souza Assis 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inicio da alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas. Unidocência e Linguagem Matemática Bruno ToshihiroHori 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inicio da alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Unidocência e Linguagem Matemática
  • 66. 65 Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Helen Vitória F. Alves 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inicio da alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das 4 operações, e compreensão de enunciado de problemas Unidocência e Linguagem Matemática Joas Henrique Rodrigues 1º Ciclo 3ª Fase Aluno que se encontra no inicio da alfabetização e letramento, necessitando da intervenção da articuladora para concluir o processo Precisa identificação de números, consolidar o conceito das Unidocência e Linguagem Matemática