SlideShare uma empresa Scribd logo
DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DA ESCOLA E
DA COMUNIDADE NA PERSPECTIVA DA
EDUCAÇÃO DO CAMPO
ESCOLA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO-
FILHA DA LUTA PATATIVA DO ASSARÉ
Antonia Vânia Uchoa do Nascimento
Marcela Carneiro Gomes
Maria Flávia Freitas Façanha
1. DIAGNÓSTICO GERAL DA ESCOLA E DA
COMUNIDADE 1.1.CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA
A Escola de Educação do Campo Filha da Luta Patativa
do Assaré, INEP/Censo Escolar nº 23252472, está
localizada no Assentamento da Reforma Agrária Santana
da Cal, zona rural do município de Canindé,Canindé,
reconhece o curso de ensino médio regular e na
modalidade Educação de Jovens e Adultos,e homologa o
regimento escolar.Parecer Nº 0442/2021 - Validade:
31/12/2025, CNPJ:07.954.514/0758-00, Diretor (a)
Escolar: FRANCISCO ERIVANDO BARBOSA DE SOUSA e
tem como objetivo promover uma educação
diferenciada do currículo tradicional das demais escolas
de ensino médio existentes nas áreas urbanas; assim a
proposta de ensino inclui componentes curriculares
voltados para a formação social, ambiental e técnica, de
forma a contribuir para o crescimento dos
educandos(as) em todas as dimensões do ser humano.
1.2 - Estrutura física
A unidade educacional funciona em prédio próprio, apresentando em sua estrutura física,
gradeamento em volta de toda escola, piso de cimento industrial, possui 3 blocos
específicos, o 1º bloco conta com o bloco administrativo, onde há uma sala de vídeo (que é
utilizada também sala de aula, por conta da superlotação das turmas),seguindo de uma
biblioteca que conta com um rico acervo literário nordestino, é um dos ambientes
pedagógicos da escola que promove a utilização das estratégias educacionais, estimulando
nos educandos o hábito da leitura, fomentando nos mesmos o interesse e prazer pelos
livros, desenvolver sua criatividade e cognição, enriquecer seus conhecimentos e senso
crítico e propiciar meios para que os mesmos desenvolvam uma nova forma de enxergar o
mundo a sua volta.
1.4 – Estrutura pedagógica
Os Complexos de Estudo são
formas de organizar o Plano de
Estudos, permeado entre: o
trabalho, as bases das ciências e
das artes, os métodos e os tempos
de ensino específicos, a
auto-organização, a organização
individual e coletiva dos estudantes,
os aspectos da realidade, os
objetivos formativos e êxitos e as
fontes educativas.
—Someone Famous
“This is a quote, words full of wisdom
that someone important said and can
make the reader get inspired.”
Para viabilizar o vínculo da realidade com o conhecimento escolar,
recorremos a uma ferramenta pedagógica que faz parte da Pedagogia dos
Complexos, que é uma elaboração construída por ocasião da experiência
de educação e escola socialista, nas primeiras décadas pós revolução
soviética. - Consiste num instrumento para mapeamento, diagnóstico inicial
da realidade, que permite identificar e organizar seus elementos nos
diversos aspectos (formas participativas de gestão e organização; fontes
educativas do meio - naturais, culturais e sociais; formas de trabalho; lutas
sociais e contradições).
“A construção do Inventário da Realidade é uma atividade educativa
em si (a pesquisa como princípio educativo) e, ao mesmo tempo, a
organização de um subsídio para o planejamento pedagógico, que
possibilita vincular o conhecimento escolar com a realidade. -
Percurso possível (passos):
1. Construção/atualização do inventário da realidade
2. Sistematização do inventário
3. Socialização do inventário com a comunidade
4. Problematização do inventário 5. Planejamento pedagógico
-Definição das porções da
realidade
O Currículo da escola do campo deve levar em consideração
alguns importantes aspectos que emergem da análise crítica da
realidade, que emergem nos inventários sobre o meio onde a
escola está inserida, das forças sociais que tencionam o modo de
produção da vida no campo. Além do meio educativo geral, das
formas de trabalho social, das formas educativas e instrucionais,
das lutas sociais, das formas de participação e gestão, dos
conteúdos , valores, e atitudes, são levadas em conta as bases
das ciências e das artes e os métodos específicos, no processo de
decisão sobre planos de estudos a serem adotados na escola.
(FREITAS, 2010)
-Componentes curriculares
integradores
Projetos, Estudos e Pesquisa;
Organização do Trabalho e Técnicas
Produtivas; e Práticas Sociais
Comunitárias.
Esses componentes curriculares, de
caráter teórico-prático, deverão
funcionar como elos integradores entre
as áreas do conhecimento escolar e a
realidade concreta, através da pesquisa,
do trabalho produtivo e da intervenção
social
Projeto de Estudo e
Pesquisa
A pesquisa deverá ser compreendida
como princípio pedagógico presente
em todas as áreas. A inserção de um
componente curricular específico
pretende, por um lado, possibilitar a
investigação dos problemas da
realidade, ultrapassando os limites
das disciplinas; e por outro, garantir
que os educandos se apropriem dos
fundamentos e métodos de iniciação
científica, consolidando seus estudos,
ao final do Ensino Médio, com um
artigo científico.
Prática Social
Comunitária- PSC
A integração da escola com outras
dimensões da vida camponesa, para
além da produção, e ultrapassando o
aspecto investigativo poderá ser
potencializada com um componente
curricular centrado no
desenvolvimento de práticas sociais
de intervenção coletiva na realidade,
promovendo a mobilização social e
comunitária, a organização coletiva, a
participação social e política, a mística
e a animação da cultura camponesa.
Organização do
Trabalho e Técnicas
Produtivas - OTTP
O trabalho como princípio educativo deverá, também,
estar presente em todos os componentes curriculares,
porém, aqui temos uma estratégia pedagógica que articula
o conhecimento escolar com o trabalho produtivo e
socialmente útil. Dialogando com as demais áreas esse
componente curricular deverá promover a integração entre
os fundamentos científicos com o trabalho, potencializando
a relação teoria-prática; promover formas de organização
para o trabalho com base na cooperação; e tomar o
trabalho produtivo camponês e seus desafios como objeto
de estudo, desenvolvendo tecnologias camponesas
Diversidades dos tempos educativos
Os tempos educativos surgiram como desdobramento da
lógica da alternância, que acabou definindo, a condição de
uma escola em tempo integral e semi-integral. É preciso
considerar que todos os estudantes, e também parte dos
educadores, dividem espaços coletivos em comum como:
refeitório, banheiros e salas de aulas/trabalhos, (alas
diferentes do mesmo prédio); todas as outras áreas de uso
comuns e coletivas, com isso é necessário uma organização
de diferentes tempos na escola para reforçar um princípio
importante de nossa pedagogia: escola não é só lugar de
estudo, e menos ainda onde se vai apenas para ter aulas,
por melhor que sejam e devam ser. A escola é um lugar de
formação humana, e por isso as várias dimensões da vida
devem ter lugar nela, sendo trabalhadas pedagogicamente
Avaliação dos processos políticos
pedagógicos e dos sujeitos
A escola do campo desenvolve um processo de avaliação amplo que visa
avaliar os processos políticos pedagógicos e os sujeitos que fazem parte da
escola. Um processo avaliativo que seja condizente com a concepção e
práticas de educação desenvolvidas pela escola. A avaliação deve ser
reflexiva, crítica, emancipadora, num processo de análise da construção da
prática escolar e da aprendizagem do educando e educanda, em função do
objetivo maior da escola que é dar elementos para a superação das
dificuldades e melhora em seu desempenho, para a formação de cidadãos
que atuem criticamente na sociedade atual.
Formação dos e das Educadoras
Formação dos/as Educadores/as A
formação dos educadores e educadoras
acontece durante todo o ano em diversos
momentos como os relacionados abaixo: -
Semana pedagógica;
- Encontro estadual dos educadores e
educadoras da reforma agrária –EERA
- Formação continuada
- Encontros de Polos
- Estudos das áreas do conhecimento
semanalmente -Estudo dos componentes
integradores quinzenalmente - Estudo da
EJA quinzenalmente
- Estudo coletivo mensalmente
Caracterização da Comunidade
De acordo com depoimentos de assentados de
Santana da Cal, no ano de 1996, se inicia a discussão
dos moradores da fazenda Santa Ana e de
trabalhadores e trabalhadoras da circunvizinhança,
para buscarem uma terra onde os mesmo pudessem
trabalhar sem pagar renda. Essa organização se deu
pelo o apoio do Sindicato dos trabalhadores rurais e a
Comissão Pastoral da Terra (CPT). Em 1998 acontece a
emissão de posse e logo em seguida janeiro de 1999
as famílias se organizam para a formação da
associação dos assentados Santana da Cal.
Procedimentos Metodológicos
Na 1ª fase desta pesquisa analisamos o
PPP da escola de Educação do Campo
Filha da Luta Patativa do Assaré através
de leitura e sistematização das
principais informações.
Na 2ª fase, realizamos uma visita a
escola onde analisamos a estrutura
física e pedagógica , através de
conversas, observações juntamente a
equipe pedagógica, e núcleo gestor.
Visitamos as unidades produtivas onde
observou-se o cuidado e o zelo com
relação a natureza e os animais.
Na 3ª e última fase, sentamos para
sistematizar e organizar as informações
obtidas na visita de campo e relatar o
que observamos.
Resultados e Discussões
Com o intuito de proporcionar um melhor desenvolvimento nas
atividades desenvolvidas nas escolas que se situam em regiões de
reforma agrária, assentamentos de Canindé, após análise do PPP da
escola de Educação do Campo Patativa do Assaré, apesar dos desafios,
analisamos que na atualidade, são diversos fatores que influenciam o
sucesso ou o fracasso dos alunos na escola destacam-se alguns, dentre
esses fatores, um é considerado central: a participação da família na
escola. Percebemos a grande participação das famílias, relações entre
professor-aluno de maneira saudável (há algumas contradições, porém,
com a ajuda da organicidade tudo se resolve e volta a sua harmonia).
Na inquietude dessas observações surgidas a partir das atividades
desenvolvidas durante as visitas à escola, observamos o quanto o
Projeto Político Pedagógico é um norteador de todas as ações da escola
e precisa-se antes de qualquer atitude a consulta a esse documento
para qualquer eventualidade
Considerações Finais
Hoje, o termo educação do campo é composto e não é por acaso, esses dois
termos tem um significado, não tem como discutir educação para o povo do
campo, sem levar em consideração a realidade do campo. Em resumo, a
situação do campo tem um histórico marcado pela propriedade privada, pela
concentração de terras. Ao analisar a história do Brasil, só passou a existir lei
de terras a partir de 1850. Os europeus chegaram ao território, hoje
denominado Brasil, em 1500, o que demonstra que se passaram 350 anos para
surgir as primeiras leis de terra
Todos nós somos formados na área da educação e aprendemos que educação
é para além da escola, a educação acontece na escola, na família, na igreja e na
comunidade. Porém existe cada vez mais forte, uma tendencia de afirmar que
o lugar da escola é somente para instruções, ou seja, os estudantes veem para
a escola para aprender somente os conteúdos das disciplinas. Nós sabemos
bem que não é somente isso. Como existe na disputa de projetos na sociedade
e no campo, esses projetos tem que aparecer no processo de educação, tanto
no sentido de compreender como de conscientizar as pessoas a lutarem pelos
seus direitos, de mudar a realidade do campo.
Referências Bibiliográficas
A Formação do MST no Brasil. São Paulo, Editora Vozes, 2000.
CALDART, Roseli Salete, PALUDO, Conceição, DOLL, Johannes, (Orgs). Como se
formam os sujeitos do campo: Idosos, adultos jovens, crianças e educadores.
Brasília: PRONERA: NEAD,2006.
FERNANDES, Bernardo Mançano. A Modernidade no Campo e a Luta dos Sem
Terra. Revista de Cultura Vozes, número 1, ano 90. Editora Vozes. Petrópolis,
1996.
FREITAS, L. C. de. Que escola desejamos? Revista de Estudos Avançados, São
Paulo, v.15, n.42, p.48-53, maio/ago. 2001.
FREIRE, Paulo, Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa
/ Paulo Freire. – São Paulo: Paz e Terra, 1996. – (Coleção Leitura)
PARECER. relatório de aprovação 2021] PISTRAK, Fundamentos da escola do
trabalho. São Paulo: Brasiliense, 1981 Trad. De Daniel Aarão Reis Filho. São
Paulo: Expressão Popular, 2000.
PPP. Escola de Educação do Campo Patativa do Assaré. Promulgada em 05 de
Junho de 2019, Canindé, 2022

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Análise do PPP.pdf

Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
SalaAmarela Enxara Do Bispo
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Francisco Diassis Bezerra Bezerra
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Francisco Diassis Bezerra Bezerra
 
ORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdf
ORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdfORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdf
ORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdf
ladycorreia1
 
Relatoriopppunicid
RelatoriopppunicidRelatoriopppunicid
Relatoriopppunicid
lillianmello
 
Relatório 1º periodo
Relatório 1º periodoRelatório 1º periodo
Relatório 1º periodo
Henrique Santos
 
Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012
Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012
Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012
Henrique Santos
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
Jorci Ponce
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Cenpec
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Elicio Lima
 
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Henrique Santos
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Najara Nascimento
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao DocenteRelatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
Henrique Santos
 
Relatorio 1º Período 2012-2013
Relatorio 1º Período 2012-2013Relatorio 1º Período 2012-2013
Relatorio 1º Período 2012-2013
Henrique Santos
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
PCG 2'17
PCG 2'17PCG 2'17
PCG 2017 - Sala Amarela, JI do Gradil
PCG 2017 - Sala Amarela, JI do GradilPCG 2017 - Sala Amarela, JI do Gradil
PCG 2017 - Sala Amarela, JI do Gradil
Henrique Santos
 

Semelhante a Análise do PPP.pdf (20)

Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
ORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdf
ORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdfORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdf
ORIENTAÇÃO GESTORES PRESENCIAL E ONLINE.pdf
 
Relatoriopppunicid
RelatoriopppunicidRelatoriopppunicid
Relatoriopppunicid
 
Relatório 1º periodo
Relatório 1º periodoRelatório 1º periodo
Relatório 1º periodo
 
Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012
Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012
Relatorio 1periodo sala-amarela-2011-2012
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
 
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao DocenteRelatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
 
Relatorio 1º Período 2012-2013
Relatorio 1º Período 2012-2013Relatorio 1º Período 2012-2013
Relatorio 1º Período 2012-2013
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
PCG 2'17
PCG 2'17PCG 2'17
PCG 2'17
 
PCG 2017 - Sala Amarela, JI do Gradil
PCG 2017 - Sala Amarela, JI do GradilPCG 2017 - Sala Amarela, JI do Gradil
PCG 2017 - Sala Amarela, JI do Gradil
 

Mais de MARCELACARNEIROGOMES

Metamorfoses no Trabaho.pptx
Metamorfoses no Trabaho.pptxMetamorfoses no Trabaho.pptx
Metamorfoses no Trabaho.pptx
MARCELACARNEIROGOMES
 
MEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdf
MEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdfMEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdf
MEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
tempo comunidade
tempo comunidadetempo comunidade
tempo comunidade
MARCELACARNEIROGOMES
 
PENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdf
PENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdfPENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdf
PENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
ALIENAÇÃO E TRABALHO.pdf
ALIENAÇÃO E TRABALHO.pdfALIENAÇÃO E TRABALHO.pdf
ALIENAÇÃO E TRABALHO.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdf
INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdfINFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdf
INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
Pedagogia Histórico Crítico
Pedagogia Histórico CríticoPedagogia Histórico Crítico
Pedagogia Histórico Crítico
MARCELACARNEIROGOMES
 
tcc - Marcela.pptx
tcc - Marcela.pptxtcc - Marcela.pptx
tcc - Marcela.pptx
MARCELACARNEIROGOMES
 
CAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdf
CAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdfCAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdf
CAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdfPASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
MASCULINIDADE TÓXICA (1).pdf
MASCULINIDADE TÓXICA (1).pdfMASCULINIDADE TÓXICA (1).pdf
MASCULINIDADE TÓXICA (1).pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptxCONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
MARCELACARNEIROGOMES
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
MARCELACARNEIROGOMES
 
MEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdf
MEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdfMEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdf
MEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
Filosofia e Ciencia.pptx
Filosofia e Ciencia.pptxFilosofia e Ciencia.pptx
Filosofia e Ciencia.pptx
MARCELACARNEIROGOMES
 
REVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdf
REVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdfREVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdf
REVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural.ppt
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural.pptO Ser Humano e sua Dimensão Cultural.ppt
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural.ppt
MARCELACARNEIROGOMES
 
Acompanhamento do Aviário.pdf
Acompanhamento do Aviário.pdfAcompanhamento do Aviário.pdf
Acompanhamento do Aviário.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
Coleta de Registros e fontes históricas.pdf
Coleta de Registros e fontes históricas.pdfColeta de Registros e fontes históricas.pdf
Coleta de Registros e fontes históricas.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
Filosofia 1º Ano- 29 A 02.pdf
Filosofia 1º Ano- 29 A 02.pdfFilosofia 1º Ano- 29 A 02.pdf
Filosofia 1º Ano- 29 A 02.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 

Mais de MARCELACARNEIROGOMES (20)

Metamorfoses no Trabaho.pptx
Metamorfoses no Trabaho.pptxMetamorfoses no Trabaho.pptx
Metamorfoses no Trabaho.pptx
 
MEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdf
MEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdfMEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdf
MEMORIAL -COMUNIDADE. (1).pdf
 
tempo comunidade
tempo comunidadetempo comunidade
tempo comunidade
 
PENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdf
PENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdfPENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdf
PENSAMENTO CRISTÃO E O MST.pdf
 
ALIENAÇÃO E TRABALHO.pdf
ALIENAÇÃO E TRABALHO.pdfALIENAÇÃO E TRABALHO.pdf
ALIENAÇÃO E TRABALHO.pdf
 
INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdf
INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdfINFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdf
INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS.pdf
 
Pedagogia Histórico Crítico
Pedagogia Histórico CríticoPedagogia Histórico Crítico
Pedagogia Histórico Crítico
 
tcc - Marcela.pptx
tcc - Marcela.pptxtcc - Marcela.pptx
tcc - Marcela.pptx
 
CAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdf
CAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdfCAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdf
CAPITALISMO, RIQUEZA E POBRREZA - EJA INICIAL.pdf
 
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdfPASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
PASSAGEM DO MITO AO LOGOS 1º ANO-combinado.pdf
 
MASCULINIDADE TÓXICA (1).pdf
MASCULINIDADE TÓXICA (1).pdfMASCULINIDADE TÓXICA (1).pdf
MASCULINIDADE TÓXICA (1).pdf
 
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptxCONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
MEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdf
MEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdfMEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdf
MEMÓRIA, CULTURA CAMPONESA E CARTOGRAFIA SOCIAL.docx.pdf
 
Filosofia e Ciencia.pptx
Filosofia e Ciencia.pptxFilosofia e Ciencia.pptx
Filosofia e Ciencia.pptx
 
REVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdf
REVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdfREVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdf
REVISÃO DE CONTEÚDO EJA A.pptx.pdf
 
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural.ppt
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural.pptO Ser Humano e sua Dimensão Cultural.ppt
O Ser Humano e sua Dimensão Cultural.ppt
 
Acompanhamento do Aviário.pdf
Acompanhamento do Aviário.pdfAcompanhamento do Aviário.pdf
Acompanhamento do Aviário.pdf
 
Coleta de Registros e fontes históricas.pdf
Coleta de Registros e fontes históricas.pdfColeta de Registros e fontes históricas.pdf
Coleta de Registros e fontes históricas.pdf
 
Filosofia 1º Ano- 29 A 02.pdf
Filosofia 1º Ano- 29 A 02.pdfFilosofia 1º Ano- 29 A 02.pdf
Filosofia 1º Ano- 29 A 02.pdf
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 

Análise do PPP.pdf

  • 1. DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DA ESCOLA E DA COMUNIDADE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO DO CAMPO ESCOLA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO- FILHA DA LUTA PATATIVA DO ASSARÉ Antonia Vânia Uchoa do Nascimento Marcela Carneiro Gomes Maria Flávia Freitas Façanha
  • 2. 1. DIAGNÓSTICO GERAL DA ESCOLA E DA COMUNIDADE 1.1.CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA A Escola de Educação do Campo Filha da Luta Patativa do Assaré, INEP/Censo Escolar nº 23252472, está localizada no Assentamento da Reforma Agrária Santana da Cal, zona rural do município de Canindé,Canindé, reconhece o curso de ensino médio regular e na modalidade Educação de Jovens e Adultos,e homologa o regimento escolar.Parecer Nº 0442/2021 - Validade: 31/12/2025, CNPJ:07.954.514/0758-00, Diretor (a) Escolar: FRANCISCO ERIVANDO BARBOSA DE SOUSA e tem como objetivo promover uma educação diferenciada do currículo tradicional das demais escolas de ensino médio existentes nas áreas urbanas; assim a proposta de ensino inclui componentes curriculares voltados para a formação social, ambiental e técnica, de forma a contribuir para o crescimento dos educandos(as) em todas as dimensões do ser humano.
  • 3. 1.2 - Estrutura física A unidade educacional funciona em prédio próprio, apresentando em sua estrutura física, gradeamento em volta de toda escola, piso de cimento industrial, possui 3 blocos específicos, o 1º bloco conta com o bloco administrativo, onde há uma sala de vídeo (que é utilizada também sala de aula, por conta da superlotação das turmas),seguindo de uma biblioteca que conta com um rico acervo literário nordestino, é um dos ambientes pedagógicos da escola que promove a utilização das estratégias educacionais, estimulando nos educandos o hábito da leitura, fomentando nos mesmos o interesse e prazer pelos livros, desenvolver sua criatividade e cognição, enriquecer seus conhecimentos e senso crítico e propiciar meios para que os mesmos desenvolvam uma nova forma de enxergar o mundo a sua volta.
  • 4. 1.4 – Estrutura pedagógica Os Complexos de Estudo são formas de organizar o Plano de Estudos, permeado entre: o trabalho, as bases das ciências e das artes, os métodos e os tempos de ensino específicos, a auto-organização, a organização individual e coletiva dos estudantes, os aspectos da realidade, os objetivos formativos e êxitos e as fontes educativas.
  • 5.
  • 6. —Someone Famous “This is a quote, words full of wisdom that someone important said and can make the reader get inspired.” Para viabilizar o vínculo da realidade com o conhecimento escolar, recorremos a uma ferramenta pedagógica que faz parte da Pedagogia dos Complexos, que é uma elaboração construída por ocasião da experiência de educação e escola socialista, nas primeiras décadas pós revolução soviética. - Consiste num instrumento para mapeamento, diagnóstico inicial da realidade, que permite identificar e organizar seus elementos nos diversos aspectos (formas participativas de gestão e organização; fontes educativas do meio - naturais, culturais e sociais; formas de trabalho; lutas sociais e contradições).
  • 7. “A construção do Inventário da Realidade é uma atividade educativa em si (a pesquisa como princípio educativo) e, ao mesmo tempo, a organização de um subsídio para o planejamento pedagógico, que possibilita vincular o conhecimento escolar com a realidade. - Percurso possível (passos): 1. Construção/atualização do inventário da realidade 2. Sistematização do inventário 3. Socialização do inventário com a comunidade 4. Problematização do inventário 5. Planejamento pedagógico
  • 8. -Definição das porções da realidade O Currículo da escola do campo deve levar em consideração alguns importantes aspectos que emergem da análise crítica da realidade, que emergem nos inventários sobre o meio onde a escola está inserida, das forças sociais que tencionam o modo de produção da vida no campo. Além do meio educativo geral, das formas de trabalho social, das formas educativas e instrucionais, das lutas sociais, das formas de participação e gestão, dos conteúdos , valores, e atitudes, são levadas em conta as bases das ciências e das artes e os métodos específicos, no processo de decisão sobre planos de estudos a serem adotados na escola. (FREITAS, 2010)
  • 9. -Componentes curriculares integradores Projetos, Estudos e Pesquisa; Organização do Trabalho e Técnicas Produtivas; e Práticas Sociais Comunitárias. Esses componentes curriculares, de caráter teórico-prático, deverão funcionar como elos integradores entre as áreas do conhecimento escolar e a realidade concreta, através da pesquisa, do trabalho produtivo e da intervenção social
  • 10. Projeto de Estudo e Pesquisa A pesquisa deverá ser compreendida como princípio pedagógico presente em todas as áreas. A inserção de um componente curricular específico pretende, por um lado, possibilitar a investigação dos problemas da realidade, ultrapassando os limites das disciplinas; e por outro, garantir que os educandos se apropriem dos fundamentos e métodos de iniciação científica, consolidando seus estudos, ao final do Ensino Médio, com um artigo científico.
  • 11. Prática Social Comunitária- PSC A integração da escola com outras dimensões da vida camponesa, para além da produção, e ultrapassando o aspecto investigativo poderá ser potencializada com um componente curricular centrado no desenvolvimento de práticas sociais de intervenção coletiva na realidade, promovendo a mobilização social e comunitária, a organização coletiva, a participação social e política, a mística e a animação da cultura camponesa.
  • 12. Organização do Trabalho e Técnicas Produtivas - OTTP O trabalho como princípio educativo deverá, também, estar presente em todos os componentes curriculares, porém, aqui temos uma estratégia pedagógica que articula o conhecimento escolar com o trabalho produtivo e socialmente útil. Dialogando com as demais áreas esse componente curricular deverá promover a integração entre os fundamentos científicos com o trabalho, potencializando a relação teoria-prática; promover formas de organização para o trabalho com base na cooperação; e tomar o trabalho produtivo camponês e seus desafios como objeto de estudo, desenvolvendo tecnologias camponesas
  • 13. Diversidades dos tempos educativos Os tempos educativos surgiram como desdobramento da lógica da alternância, que acabou definindo, a condição de uma escola em tempo integral e semi-integral. É preciso considerar que todos os estudantes, e também parte dos educadores, dividem espaços coletivos em comum como: refeitório, banheiros e salas de aulas/trabalhos, (alas diferentes do mesmo prédio); todas as outras áreas de uso comuns e coletivas, com isso é necessário uma organização de diferentes tempos na escola para reforçar um princípio importante de nossa pedagogia: escola não é só lugar de estudo, e menos ainda onde se vai apenas para ter aulas, por melhor que sejam e devam ser. A escola é um lugar de formação humana, e por isso as várias dimensões da vida devem ter lugar nela, sendo trabalhadas pedagogicamente
  • 14. Avaliação dos processos políticos pedagógicos e dos sujeitos A escola do campo desenvolve um processo de avaliação amplo que visa avaliar os processos políticos pedagógicos e os sujeitos que fazem parte da escola. Um processo avaliativo que seja condizente com a concepção e práticas de educação desenvolvidas pela escola. A avaliação deve ser reflexiva, crítica, emancipadora, num processo de análise da construção da prática escolar e da aprendizagem do educando e educanda, em função do objetivo maior da escola que é dar elementos para a superação das dificuldades e melhora em seu desempenho, para a formação de cidadãos que atuem criticamente na sociedade atual.
  • 15. Formação dos e das Educadoras Formação dos/as Educadores/as A formação dos educadores e educadoras acontece durante todo o ano em diversos momentos como os relacionados abaixo: - Semana pedagógica; - Encontro estadual dos educadores e educadoras da reforma agrária –EERA - Formação continuada - Encontros de Polos - Estudos das áreas do conhecimento semanalmente -Estudo dos componentes integradores quinzenalmente - Estudo da EJA quinzenalmente - Estudo coletivo mensalmente
  • 16. Caracterização da Comunidade De acordo com depoimentos de assentados de Santana da Cal, no ano de 1996, se inicia a discussão dos moradores da fazenda Santa Ana e de trabalhadores e trabalhadoras da circunvizinhança, para buscarem uma terra onde os mesmo pudessem trabalhar sem pagar renda. Essa organização se deu pelo o apoio do Sindicato dos trabalhadores rurais e a Comissão Pastoral da Terra (CPT). Em 1998 acontece a emissão de posse e logo em seguida janeiro de 1999 as famílias se organizam para a formação da associação dos assentados Santana da Cal.
  • 17. Procedimentos Metodológicos Na 1ª fase desta pesquisa analisamos o PPP da escola de Educação do Campo Filha da Luta Patativa do Assaré através de leitura e sistematização das principais informações. Na 2ª fase, realizamos uma visita a escola onde analisamos a estrutura física e pedagógica , através de conversas, observações juntamente a equipe pedagógica, e núcleo gestor. Visitamos as unidades produtivas onde observou-se o cuidado e o zelo com relação a natureza e os animais. Na 3ª e última fase, sentamos para sistematizar e organizar as informações obtidas na visita de campo e relatar o que observamos.
  • 18. Resultados e Discussões Com o intuito de proporcionar um melhor desenvolvimento nas atividades desenvolvidas nas escolas que se situam em regiões de reforma agrária, assentamentos de Canindé, após análise do PPP da escola de Educação do Campo Patativa do Assaré, apesar dos desafios, analisamos que na atualidade, são diversos fatores que influenciam o sucesso ou o fracasso dos alunos na escola destacam-se alguns, dentre esses fatores, um é considerado central: a participação da família na escola. Percebemos a grande participação das famílias, relações entre professor-aluno de maneira saudável (há algumas contradições, porém, com a ajuda da organicidade tudo se resolve e volta a sua harmonia). Na inquietude dessas observações surgidas a partir das atividades desenvolvidas durante as visitas à escola, observamos o quanto o Projeto Político Pedagógico é um norteador de todas as ações da escola e precisa-se antes de qualquer atitude a consulta a esse documento para qualquer eventualidade
  • 19. Considerações Finais Hoje, o termo educação do campo é composto e não é por acaso, esses dois termos tem um significado, não tem como discutir educação para o povo do campo, sem levar em consideração a realidade do campo. Em resumo, a situação do campo tem um histórico marcado pela propriedade privada, pela concentração de terras. Ao analisar a história do Brasil, só passou a existir lei de terras a partir de 1850. Os europeus chegaram ao território, hoje denominado Brasil, em 1500, o que demonstra que se passaram 350 anos para surgir as primeiras leis de terra Todos nós somos formados na área da educação e aprendemos que educação é para além da escola, a educação acontece na escola, na família, na igreja e na comunidade. Porém existe cada vez mais forte, uma tendencia de afirmar que o lugar da escola é somente para instruções, ou seja, os estudantes veem para a escola para aprender somente os conteúdos das disciplinas. Nós sabemos bem que não é somente isso. Como existe na disputa de projetos na sociedade e no campo, esses projetos tem que aparecer no processo de educação, tanto no sentido de compreender como de conscientizar as pessoas a lutarem pelos seus direitos, de mudar a realidade do campo.
  • 20. Referências Bibiliográficas A Formação do MST no Brasil. São Paulo, Editora Vozes, 2000. CALDART, Roseli Salete, PALUDO, Conceição, DOLL, Johannes, (Orgs). Como se formam os sujeitos do campo: Idosos, adultos jovens, crianças e educadores. Brasília: PRONERA: NEAD,2006. FERNANDES, Bernardo Mançano. A Modernidade no Campo e a Luta dos Sem Terra. Revista de Cultura Vozes, número 1, ano 90. Editora Vozes. Petrópolis, 1996. FREITAS, L. C. de. Que escola desejamos? Revista de Estudos Avançados, São Paulo, v.15, n.42, p.48-53, maio/ago. 2001. FREIRE, Paulo, Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa / Paulo Freire. – São Paulo: Paz e Terra, 1996. – (Coleção Leitura) PARECER. relatório de aprovação 2021] PISTRAK, Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Brasiliense, 1981 Trad. De Daniel Aarão Reis Filho. São Paulo: Expressão Popular, 2000. PPP. Escola de Educação do Campo Patativa do Assaré. Promulgada em 05 de Junho de 2019, Canindé, 2022