SlideShare uma empresa Scribd logo
Povos e Comunidades
Tradicionais no
Ceará
Aspectos gerais: breve histórico
 Pesquisa Povos e Comunidades Tradicionais no
Brasil. Projeto Nova Cartografia Social.
Objetivo: “mapeamento nacional de povos e
comunidades tradicionais (...) a fim de subsidiar a
proposição, elaboração, implementação,
monitoramento e avaliação das políticas públicas.”
 Mesa Redonda “A Visibilidade de Comunidades
Tradicionais”, Encontro de Pesquisadores do
Nordeste – Povos e Comunidades Tradicionais no
Brasil, Programa de Pós-Graduação em Antropologia
(PPGAS), Universidade Federal do Rio Grande do
Norte (UFRN), 2 a 4 de março de 2009.
Povos e Comunidades Tradicionais
Objetivos e metodologia
Objetivos: (a) organizar e sistematizar informações
(localização geográfica, organizações, redes de apoio
aos movimentos sociais etc.); (b) realizar
levantamento bibliográfico e/ou documental.
Metodologia
1. Pesquisa e coleta de fontes bibliográficas e/ou
documentais.
2. Organização e gerenciamento dos arquivos
bibliográficos e referências bibliográficas da
pesquisa - banco de dados bibliográfico e/ou
documental).
3. Pesquisas exploratórias (campo).
Resultados
preliminares da
pesquisa
POVOS DO MAR
 Maior mobilização no Ceará
- pescadores, catadores de caranguejo, marisqueiras,
produtores de algas, “moradores” e, em certas
circunstâncias, indígenas e quilombolas.
- mais de 100 comunidades pesqueiras distribuídas em
20 municípios cearenses. Entre 30 e 37 mil pescadores
artesanais atuam no Estado do Ceará em embarcações
que, em 2002, constituam a maior parte da frota
estadual (78,17%), respondendo por mais da metade
(64,66%) do pescado produzido no Ceará.
 II Assembleia dos Movimentos Sociais da Zona
Costeira do Ceará, realizada em Tatajuba (Camocim-
CE), em 2006, os organizadores mencionaram a
participação de “29 comunidades e cerca de 50
entidades”.
INDÍGENAS
 Movimento indígena: 13 povos em 16
municípios
 AMIT e pesquisa: números que variam entre
17 e 18 povos.
 IBGE (2006) estimou uma população de
21.015 indígenas no Estado
 Outros: Potiguara de Paupina, os Caboclos da
Parangaba e os Paiacu, na Lagoa da
Precabura. Fortaleza: índios Jabaquara,
Guarani e Tremembé nos bairros de Serviluz,
Praia do Futuro, Caça e Pesca e Conjunto
Palmeira.
QILOMBOLAS
 População: 82 comunidades quilombolas no Ceará, distribuídas
em 29 municípios. Há notícias também de inúmeras comunidades
em Fortaleza (levantamento do movimento negro).
 Organizações: Associação dos Remanescentes de Quilombos de
Alto Alegre e Adjacências (ARQUA); Associação da Comunidade
Quilombola de Queimadas (ACOMRQQ); Comissão Estadual de
Comunidades Quilombolas Rurais do Ceará (CERQUICE), criada
em 2005.
- I Encontro de Comunidades Negras do Ceará, 1998.
- XIX Encontro Estadual das Comunidades Quilombolas do Estado do
Ceará (CONVITE, 2009).
Terras: 47 terras de quilombos no Estado do Ceará, distribuídas em
17 municípios. Em 2005 havia 18 processos abertos, 5 destes
estavam em fase inicial, e somente 1 processo já tinha seu relatório
antropológico concluído (INCRA, 2005).
Vazanteiros
Aparecem na cena pública em razão dos conflitos referentes à gestão
dos recursos hídricos.
180 pequenos agricultores e a Prefeitura Municipal de Sobral em torno
da inundação dos plantios de vazantes no rio Acaraú.
4 organizações de vazanteiros: a Associação dos Vazanteiros da
Margem Esquerda do Açude Boqueirão, e a Associação Vazante
Grande – ambas no município de Tejuçuca; a Associação dos
Vazanteiros do Açude Cachoeiro, em Sobral, e a Associação
Comunitária Erva Moura, em Pentecoste.
Apesar do grande número das organizações de apoio aos pequenos
agricultores, não encontramos nas fontes consultadas menção
explícita aos vazanteiros.
Terras de uso comum: “terras
soltas”
 8 assentamentos localizados nos
municípios de Acaraú, na zona litorânea e
em Canindé – presença de terras de uso
comum, as chamadas “terras soltas”, em
assentamentos. [Dra. Alexandra de
Oliveira, 2006]
CIGANOS
 Ciganos assentados nos municípios de Sobral e Limoeiro do
Norte
 Notícias de mais outras 3 comunidades nos municípios de
Independência, Crateús e, também, em Fortaleza (CEARÁ,
2008).
 Os ciganos de Sobral residem nos bairros do Alto Novo,
Sumaré e Pantanal.
 Bessa (1999, 2001) apresenta um número em torno de 26
famílias e 162 indivíduos, numa reportagem (DIÁRIO, 2005)
foi mencionada uma população de aproximadamente 500
ciganos. Há também um grupo de 7 famílias no bairro da
Cidade Alta, em Limoeiro do Norte, mas também podem ser
encontrados Ciganos na cidade de Jaguaruana (FERREIRA
DA SILVA, 2009).
ATINGIDOS POR
BARRAGENS
 Mobilização e açude Castanhão, que deslocou um número
próximo a 15 mil pessoas. No final da década de 1990, o
MAB começou a atuar na região apoiando a Associação de
Moradores de Jaguaribara, criada em 1989. A associação
logo contou com uma rede de apoio constituída por
inúmeras entidades. Os primeiros atos públicos do MAB no
Ceará ocorreram em 2002, com a participação de 500
participantes (ARAÚJO; SENA, 2006).
 Além do Castanhão, há atingidos por outras grandes obras
hidráulicas que também se integram à rede de movimentos
dos atingidos por barragens como, por exemplo, a
construção das barragens de Figueiredo e Aracoiaba
(ARAÚJO; SENA, 2006).
Pequizeiros ou Catadores de
Pequi
 No período da safra cerca de 30 famílias
mudam para a serra do Araripe para coletar o
fruto. Com uma organização, a Associação
dos Catadores de Pequi, a agenda política dos
piquizeiros inclui reivindicações por
infraestrutura de trabalho, escolas para as
crianças e jovens no período da coleta e
serviços de saúde (DIÁRIO, 2002, 2007,
2009). Não localizei informações sobre
trabalhos acadêmicos, organizações e/ou
rede de apoio.
Cipozeiros
 Localizei dois números bastante distintos
sobre a quantidade de pessoas que
coletam cipós no município de Cascavel.
Numa reportagem estima-se em mais de
100 famílias (GLOBO.COM, 2008), e
noutra menciona um número em torno de
500 famílias (DIÁRIO, 2008) coletando o
“cipó de fogo” para fabricar
artesanalmente sofás, mesas, luminárias,
peças decorativas, entre outras.
Louceiras
- Cascavel: localidades de Alto Luminoso e
Moita Redonda.
- Limoeiro do Norte: Córrego de Areia, as
“louceiras do Córrego de Areia”
- Granja, Ipu e Viçosa.
Povos de terreiro ou povos de
santo
 União Espírita Cearense de Umbanda
(Uecum): 15 mil terreiros de umbanda no
Ceará (DIÁRIO, 2003).
 Organizações: União Espírita Cearense de
Umbanda (Uecum), União Cearense de
Umbanda; há inúmeras outras
instituições.
Base de dados bibliográfica e
documental
 Exemplo
Redes de apoio, visibilidade e agendas
de pesquisa
Participação na pesquisa
 (1) Seminários sobre Povos e
Comunidades Tradicionais (Conceito
operacional)
 (2) Alimentação do banco de dados
 (3) Projeto de pesquisa: graduação e
mestrado.
1. Seminário
 Programação preliminar.
2. Banco de dados
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex.
3. Projeto de pesquisa
 Problema: disponibilidade para
orientação.
 Alternativa: participação nas atividades do
grupo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
feraps
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃOINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
UEMA
 
Teorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da populaçãoTeorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da população
robertobraz
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
Prof.Paulo/geografia
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
Paulo Alexandre
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Eponina Alencar
 
Globalização, desigualdade e conflitos sociais
Globalização, desigualdade e conflitos sociaisGlobalização, desigualdade e conflitos sociais
Globalização, desigualdade e conflitos sociais
ADILSON RIBEIRO DE ARAUJO
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
Pedro Neves
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
Artur Lara
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
André Luiz Marques
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
jamerson alencar
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Teorias demográficas
Teorias demográficasTeorias demográficas
Teorias demográficas
Rodrigo Baglini
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
Prof.Paulo/geografia
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Ciclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilCiclos economicos brasil
Ciclos economicos brasil
Thiago Tavares
 

Mais procurados (20)

Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃOINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
 
Teorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da populaçãoTeorias demográficas e estrutura da população
Teorias demográficas e estrutura da população
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 
Globalização, desigualdade e conflitos sociais
Globalização, desigualdade e conflitos sociaisGlobalização, desigualdade e conflitos sociais
Globalização, desigualdade e conflitos sociais
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
Migrações no brasil
Migrações no brasilMigrações no brasil
Migrações no brasil
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Teorias demográficas
Teorias demográficasTeorias demográficas
Teorias demográficas
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 
Ciclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilCiclos economicos brasil
Ciclos economicos brasil
 

Destaque

Populações humanas e ambiente
Populações humanas e ambientePopulações humanas e ambiente
Populações humanas e ambiente
unesp
 
Sirinhaempdf1
Sirinhaempdf1Sirinhaempdf1
Sirinhaempdf1
vfalcao
 
O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...
O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...
O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...
cppcomunicacao
 
Terra qulombola
Terra qulombolaTerra qulombola
Terra qulombola
Claudio Oliveira
 
ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...
ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...
ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...
Pedrosleao
 
A política pesqueira atual no Brasil
A política pesqueira atual no Brasil A política pesqueira atual no Brasil
A política pesqueira atual no Brasil
Mª Arméle Dornelas
 
Pescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e Resiliência
Pescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e ResiliênciaPescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e Resiliência
Pescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e Resiliência
iicabrasil
 
Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos
Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos
Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos
cppcomunicacao
 
Educação quilombola
Educação quilombolaEducação quilombola
Educação quilombola
Fabiana Paula
 
Gestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de ConservaçãoGestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de Conservação
Urialisson Queiroz
 
Direito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slidesDireito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slides
Luis Olavo
 
Palestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservaçãoPalestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservação
Cristy Handson
 
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato MarchesiniUnidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Renato Marchesini
 
Populações tradicionais
Populações tradicionaisPopulações tradicionais
Populações tradicionais
Atividades Diversas Cláudia
 
Direito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionaisDireito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionais
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Direito
 
Unidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazôniaUnidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazônia
Universidade Federal Rural da Amazônia
 
Educacao Quilombola
Educacao QuilombolaEducacao Quilombola
Educacao Quilombola
culturaafro
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
Leandro A. Machado de Moura
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
guest0a95ab
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
Maira Egito Barros
 

Destaque (20)

Populações humanas e ambiente
Populações humanas e ambientePopulações humanas e ambiente
Populações humanas e ambiente
 
Sirinhaempdf1
Sirinhaempdf1Sirinhaempdf1
Sirinhaempdf1
 
O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...
O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...
O Leme - Mulheres em luta: 10 anos da Articulação Nacional das Pescadoras - J...
 
Terra qulombola
Terra qulombolaTerra qulombola
Terra qulombola
 
ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...
ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...
ILHA DE MOSQUEIRO: Práticas de Pesca Sustentável numa Comunidade Tradicional ...
 
A política pesqueira atual no Brasil
A política pesqueira atual no Brasil A política pesqueira atual no Brasil
A política pesqueira atual no Brasil
 
Pescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e Resiliência
Pescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e ResiliênciaPescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e Resiliência
Pescadores Artesanais da Lagoa Mirim Etnoecologia e Resiliência
 
Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos
Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos
Grito da Pesca Artesanal: Manifesto do MPP contra retirada de direitos
 
Educação quilombola
Educação quilombolaEducação quilombola
Educação quilombola
 
Gestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de ConservaçãoGestão de Unidades de Conservação
Gestão de Unidades de Conservação
 
Direito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slidesDireito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slides
 
Palestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservaçãoPalestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservação
 
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato MarchesiniUnidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
 
Populações tradicionais
Populações tradicionaisPopulações tradicionais
Populações tradicionais
 
Direito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionaisDireito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionais
 
Unidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazôniaUnidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazônia
 
Educacao Quilombola
Educacao QuilombolaEducacao Quilombola
Educacao Quilombola
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
 

Semelhante a Povos e Comunidades Tradicionais

Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa AvanciniQuilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
alexrrosaueja
 
Direitos indígenas
Direitos indígenasDireitos indígenas
Direitos indígenas
fabiola_souza_araujo
 
Grupo indígenas no ceará – sociologia
Grupo indígenas no ceará – sociologiaGrupo indígenas no ceará – sociologia
Grupo indígenas no ceará – sociologia
emilly11
 
Cartografia de Conceicão das Crioulas
Cartografia de Conceicão das  CrioulasCartografia de Conceicão das  Crioulas
Cartografia de Conceicão das Crioulas
Rosangela Nascimento
 
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
Colégio Municipal Profª Enedina Costa De Macêdo
 
Seminário Tópicos Especiais em Brasil V.pptx
Seminário  Tópicos Especiais em Brasil V.pptxSeminário  Tópicos Especiais em Brasil V.pptx
Seminário Tópicos Especiais em Brasil V.pptx
Caelen1
 
Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3
Felipe Bruno Martins Fernandes
 
Inserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­gena
Inserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­genaInserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­gena
Inserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­gena
Deisy Bezerra
 
Trabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfricaTrabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfrica
PET Biologia unipampa
 
Oficina de Geociências
Oficina de GeociênciasOficina de Geociências
Oficina de Geociências
Escola Silene de Andrade
 
Lutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasilLutas e desafios quilombolas no brasil
GRITO 2023 COM OBJETIVOS, EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptx
GRITO 2023 COM OBJETIVOS,  EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptxGRITO 2023 COM OBJETIVOS,  EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptx
GRITO 2023 COM OBJETIVOS, EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptx
Paulo David
 
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...
LorenaCoelho34
 
O Povo do Carvão
O Povo do CarvãoO Povo do Carvão
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptx
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptxSociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptx
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptx
juventudetotal
 
3. apresentação centro sul kaigangs final
3.  apresentação centro sul kaigangs final3.  apresentação centro sul kaigangs final
3. apresentação centro sul kaigangs final
NandaTome
 
Histórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdf
Histórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdfHistórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdf
Histórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdf
SupervisoPiaget
 
Projeto anual sobre o conciencia negra
Projeto anual sobre o conciencia negraProjeto anual sobre o conciencia negra
Projeto anual sobre o conciencia negra
Rodrigo Vicente
 
PAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docx
PAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docxPAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docx
PAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docx
Irlene Cristine
 
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Jefferson Nascimento
 

Semelhante a Povos e Comunidades Tradicionais (20)

Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa AvanciniQuilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
 
Direitos indígenas
Direitos indígenasDireitos indígenas
Direitos indígenas
 
Grupo indígenas no ceará – sociologia
Grupo indígenas no ceará – sociologiaGrupo indígenas no ceará – sociologia
Grupo indígenas no ceará – sociologia
 
Cartografia de Conceicão das Crioulas
Cartografia de Conceicão das  CrioulasCartografia de Conceicão das  Crioulas
Cartografia de Conceicão das Crioulas
 
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
 
Seminário Tópicos Especiais em Brasil V.pptx
Seminário  Tópicos Especiais em Brasil V.pptxSeminário  Tópicos Especiais em Brasil V.pptx
Seminário Tópicos Especiais em Brasil V.pptx
 
Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3
 
Inserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­gena
Inserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­genaInserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­gena
Inserã§ã£o da cultura e histã³ria afro brasileira e indã­gena
 
Trabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfricaTrabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfrica
 
Oficina de Geociências
Oficina de GeociênciasOficina de Geociências
Oficina de Geociências
 
Lutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasilLutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasil
 
GRITO 2023 COM OBJETIVOS, EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptx
GRITO 2023 COM OBJETIVOS,  EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptxGRITO 2023 COM OBJETIVOS,  EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptx
GRITO 2023 COM OBJETIVOS, EIXOS E PROPOSTA DIA 30.09.2023.pptx
 
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas (Fulni-ô, Pataxó, Xavante, C...
 
O Povo do Carvão
O Povo do CarvãoO Povo do Carvão
O Povo do Carvão
 
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptx
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptxSociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptx
Sociedades indígenas brasileiras e pernambucanas.pptx
 
3. apresentação centro sul kaigangs final
3.  apresentação centro sul kaigangs final3.  apresentação centro sul kaigangs final
3. apresentação centro sul kaigangs final
 
Histórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdf
Histórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdfHistórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdf
Histórias de batuques e batuqueiros_Oliveira_Gomes_Scherer.pdf · versão 1.pdf
 
Projeto anual sobre o conciencia negra
Projeto anual sobre o conciencia negraProjeto anual sobre o conciencia negra
Projeto anual sobre o conciencia negra
 
PAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docx
PAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docxPAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docx
PAPER - ANÁLISE DO CAPÍTULO V (2).docx
 
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
Plano de aula 1º ano [salvo automaticamente]
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

Povos e Comunidades Tradicionais

  • 2. Aspectos gerais: breve histórico  Pesquisa Povos e Comunidades Tradicionais no Brasil. Projeto Nova Cartografia Social. Objetivo: “mapeamento nacional de povos e comunidades tradicionais (...) a fim de subsidiar a proposição, elaboração, implementação, monitoramento e avaliação das políticas públicas.”  Mesa Redonda “A Visibilidade de Comunidades Tradicionais”, Encontro de Pesquisadores do Nordeste – Povos e Comunidades Tradicionais no Brasil, Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGAS), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), 2 a 4 de março de 2009.
  • 4. Objetivos e metodologia Objetivos: (a) organizar e sistematizar informações (localização geográfica, organizações, redes de apoio aos movimentos sociais etc.); (b) realizar levantamento bibliográfico e/ou documental. Metodologia 1. Pesquisa e coleta de fontes bibliográficas e/ou documentais. 2. Organização e gerenciamento dos arquivos bibliográficos e referências bibliográficas da pesquisa - banco de dados bibliográfico e/ou documental). 3. Pesquisas exploratórias (campo).
  • 6. POVOS DO MAR  Maior mobilização no Ceará - pescadores, catadores de caranguejo, marisqueiras, produtores de algas, “moradores” e, em certas circunstâncias, indígenas e quilombolas. - mais de 100 comunidades pesqueiras distribuídas em 20 municípios cearenses. Entre 30 e 37 mil pescadores artesanais atuam no Estado do Ceará em embarcações que, em 2002, constituam a maior parte da frota estadual (78,17%), respondendo por mais da metade (64,66%) do pescado produzido no Ceará.  II Assembleia dos Movimentos Sociais da Zona Costeira do Ceará, realizada em Tatajuba (Camocim- CE), em 2006, os organizadores mencionaram a participação de “29 comunidades e cerca de 50 entidades”.
  • 7. INDÍGENAS  Movimento indígena: 13 povos em 16 municípios  AMIT e pesquisa: números que variam entre 17 e 18 povos.  IBGE (2006) estimou uma população de 21.015 indígenas no Estado  Outros: Potiguara de Paupina, os Caboclos da Parangaba e os Paiacu, na Lagoa da Precabura. Fortaleza: índios Jabaquara, Guarani e Tremembé nos bairros de Serviluz, Praia do Futuro, Caça e Pesca e Conjunto Palmeira.
  • 8. QILOMBOLAS  População: 82 comunidades quilombolas no Ceará, distribuídas em 29 municípios. Há notícias também de inúmeras comunidades em Fortaleza (levantamento do movimento negro).  Organizações: Associação dos Remanescentes de Quilombos de Alto Alegre e Adjacências (ARQUA); Associação da Comunidade Quilombola de Queimadas (ACOMRQQ); Comissão Estadual de Comunidades Quilombolas Rurais do Ceará (CERQUICE), criada em 2005. - I Encontro de Comunidades Negras do Ceará, 1998. - XIX Encontro Estadual das Comunidades Quilombolas do Estado do Ceará (CONVITE, 2009). Terras: 47 terras de quilombos no Estado do Ceará, distribuídas em 17 municípios. Em 2005 havia 18 processos abertos, 5 destes estavam em fase inicial, e somente 1 processo já tinha seu relatório antropológico concluído (INCRA, 2005).
  • 9. Vazanteiros Aparecem na cena pública em razão dos conflitos referentes à gestão dos recursos hídricos. 180 pequenos agricultores e a Prefeitura Municipal de Sobral em torno da inundação dos plantios de vazantes no rio Acaraú. 4 organizações de vazanteiros: a Associação dos Vazanteiros da Margem Esquerda do Açude Boqueirão, e a Associação Vazante Grande – ambas no município de Tejuçuca; a Associação dos Vazanteiros do Açude Cachoeiro, em Sobral, e a Associação Comunitária Erva Moura, em Pentecoste. Apesar do grande número das organizações de apoio aos pequenos agricultores, não encontramos nas fontes consultadas menção explícita aos vazanteiros.
  • 10. Terras de uso comum: “terras soltas”  8 assentamentos localizados nos municípios de Acaraú, na zona litorânea e em Canindé – presença de terras de uso comum, as chamadas “terras soltas”, em assentamentos. [Dra. Alexandra de Oliveira, 2006]
  • 11. CIGANOS  Ciganos assentados nos municípios de Sobral e Limoeiro do Norte  Notícias de mais outras 3 comunidades nos municípios de Independência, Crateús e, também, em Fortaleza (CEARÁ, 2008).  Os ciganos de Sobral residem nos bairros do Alto Novo, Sumaré e Pantanal.  Bessa (1999, 2001) apresenta um número em torno de 26 famílias e 162 indivíduos, numa reportagem (DIÁRIO, 2005) foi mencionada uma população de aproximadamente 500 ciganos. Há também um grupo de 7 famílias no bairro da Cidade Alta, em Limoeiro do Norte, mas também podem ser encontrados Ciganos na cidade de Jaguaruana (FERREIRA DA SILVA, 2009).
  • 12. ATINGIDOS POR BARRAGENS  Mobilização e açude Castanhão, que deslocou um número próximo a 15 mil pessoas. No final da década de 1990, o MAB começou a atuar na região apoiando a Associação de Moradores de Jaguaribara, criada em 1989. A associação logo contou com uma rede de apoio constituída por inúmeras entidades. Os primeiros atos públicos do MAB no Ceará ocorreram em 2002, com a participação de 500 participantes (ARAÚJO; SENA, 2006).  Além do Castanhão, há atingidos por outras grandes obras hidráulicas que também se integram à rede de movimentos dos atingidos por barragens como, por exemplo, a construção das barragens de Figueiredo e Aracoiaba (ARAÚJO; SENA, 2006).
  • 13. Pequizeiros ou Catadores de Pequi  No período da safra cerca de 30 famílias mudam para a serra do Araripe para coletar o fruto. Com uma organização, a Associação dos Catadores de Pequi, a agenda política dos piquizeiros inclui reivindicações por infraestrutura de trabalho, escolas para as crianças e jovens no período da coleta e serviços de saúde (DIÁRIO, 2002, 2007, 2009). Não localizei informações sobre trabalhos acadêmicos, organizações e/ou rede de apoio.
  • 14. Cipozeiros  Localizei dois números bastante distintos sobre a quantidade de pessoas que coletam cipós no município de Cascavel. Numa reportagem estima-se em mais de 100 famílias (GLOBO.COM, 2008), e noutra menciona um número em torno de 500 famílias (DIÁRIO, 2008) coletando o “cipó de fogo” para fabricar artesanalmente sofás, mesas, luminárias, peças decorativas, entre outras.
  • 15. Louceiras - Cascavel: localidades de Alto Luminoso e Moita Redonda. - Limoeiro do Norte: Córrego de Areia, as “louceiras do Córrego de Areia” - Granja, Ipu e Viçosa.
  • 16. Povos de terreiro ou povos de santo  União Espírita Cearense de Umbanda (Uecum): 15 mil terreiros de umbanda no Ceará (DIÁRIO, 2003).  Organizações: União Espírita Cearense de Umbanda (Uecum), União Cearense de Umbanda; há inúmeras outras instituições.
  • 17. Base de dados bibliográfica e documental  Exemplo
  • 18. Redes de apoio, visibilidade e agendas de pesquisa
  • 19. Participação na pesquisa  (1) Seminários sobre Povos e Comunidades Tradicionais (Conceito operacional)  (2) Alimentação do banco de dados  (3) Projeto de pesquisa: graduação e mestrado.
  • 21. 2. Banco de dados Seg. Ter. Qua. Qui. Sex.
  • 22. 3. Projeto de pesquisa  Problema: disponibilidade para orientação.  Alternativa: participação nas atividades do grupo.