SlideShare uma empresa Scribd logo
Educação Quilombola

Fabiana de Paula e Luciano Oliveira
Contextualizando
 Do final do século XIX até quase o final da
  segunda metade do século XX, o tratamento
  dado aos quilombos limitava-se apenas a
  “redutos de escravos fugitivos”.
 No entanto, hoje, tem-se conhecimento que o
  agrupamento se constituiu não somente como
  fuga, mas como uma “busca espacial”.
 Com        a mobilização de militantes e
  parlamentares negros e a publicação do Art. 216
  da Constituição Federal, a abordagem desse
  tema assumiu outra direção.
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO
              BRASIL DE 1988

 Art. 216. Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens
    de natureza material e imaterial, tomados individualmente
    ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à
    ação, à memória dos diferentes grupos formadores da
    sociedade brasileira, nos quais se incluem:
I.    as formas de expressão;
II.   os modos de criar, fazer e viver;
III. as criações científicas, artísticas e tecnológicas;
IV. as obras, objetos, documentos, edificações e demais
      espaços destinados às manifestações artístico-culturais;
V. os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico,
      paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico,
      ecológico e científico.
TÍTULO X
ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS
            TRANSITÓRIAS


 Art. 68. Aos remanescentes das comunidades
 dos quilombos que estejam ocupando suas terras
 é reconhecida a propriedade definitiva, devendo
 o Estado emitir-lhes os títulos respectivos.
 O território quilombola se constitui
 enquanto um agrupamento de
 pessoas que se reconhecem com a
 mesma e ascendência étnica, que
 passam por inúmeros processos
 de transformação culturais como
 formas de adaptação resultantes do
 caminhar da história.
A Práxis
 O pensar e o fazer do cotidiano quilombola se
 corporifica:

1. Na forma de pensamentos e ideias.
2. Na forma de trabalho como atividade prática que
   não isola o pensar do fazer, resultando em um
   manter-se no mundo.
3. Como processo educativo que confere ao sujeito
   localizar-se no mundo observando suas
   especificidades de raça, gênero, faixa etária e
   classe social.
A proposta
Para uma educação Quilombola
Análise

 De qual concepção de educação se fala.
 Refletir sobre o lugar onde o conhecimento vai ser
  concebido.
 Quais conceitos sustentam uma proposta de
  educação das relações raciais.
 Em    que base didático-pedagógica práticas
  educativas emancipatórias serão possíveis.
 Das estruturas reais e necessárias para que este
  processo de desencadeie.
As diretrizes

 Para  pensar nas diretrizes para educar as
  relações    étnico-raciais   em      comunidades
  quilombolas sugere que nós pensemos a partir
  das próprias comunidades.
 O vínculo entre educar e formar são ancestrais,
  não são atributos exclusivos da escola.
 Produzir uma formação humana na qual não
  caibam      estereótipos,     discriminação    e
  preconceito. O desafio da educação é contribuir
  para emancipar.
 O conhecimento a ser produzido jamais criará
  sentidos e, consequentemente,compromissos, se
  os sujeitos neles não se encontrarem, também,
  como complementaridades.
 Ensinar em comunidades negras rurais tem como
  premissa entender o lugar como componente
  pedagógico, onde o conteúdo não está nos
  livros que trazem, por vezes, o registro da
  história dos quilombos em versões mal
  contadas, imprimindo no papel uma ordem de
  palavras que se tornam visíveis apenas através
  da tinta.
Lei de diretrizes e Bases - LDB

                      TÍTULO I
                    Da Educação
 Art. 1º A educação abrange os processos
  formativos que se desenvolvem na vida familiar,
  na convivência humana, no trabalho, nas
  instituições de ensino e pesquisa, nos
  movimentos sociais e organizações da sociedade
  civil e nas manifestações culturais.
 Discutir  uma        concepção       de
 conhecimento para quilombolas significa
 pensar em uma formação curricular
 onde o saber instituído e o saber vivido
 estejam contemplados, rompendo com
 uma grade hierárquica, organizada com
 conteúdos que perpetuam o poder para
 que determinados grupos continuem a
 aceitar.
Política Social
Algumas visões:

. mecanismo de manutenção da força de
   trabalho
. arranjos do bloco no poder / governante
. doação das elites dominantes
. instrumento de garantia do aumento da
   riqueza
. direitos
. resultado de lutas sociais
Encontradas no cotidiano:
. quando trabalhamos (contribuição à
  previdência social)
. quando estudamos (educação)
. quando adoecemos ou não (saúde)
. quando nos divertimos (cultura)
. onde habitamos (habitação)
. quando a vida nos “fragiliza” (situações
  sociais, doenças etc – assistência social,
  políticas específicas de saúde etc)
Em geral, promovidas por instituições

 CRAS´s, CREAS´s, unidades de saúde, INSS, BNH e
 outras

Mas também
 por ações de “primeiras-damas”
 por ONG´s e instituições privadas (com subvenções
  do Estado)
 por igrejas
Em geral se apresentam como:

 benefício: auxílio em casos específicos
     de perda ou diminuição da capacidade de
 trabalho ou de subsistência.

 serviço: relação entre instituição e “clientela”
 para atender problemas sociais ou pessoais.
Como sociedade se organiza?
         Na visão tradicional:
            Fracos e fortes
             Pobres e ricos
Favorecidos e desfavorecidos (pela sorte)
      Na visão critica e reflexiva:
       Exploradores X explorados
       Dominadores X dominados
Resultados ideológicos:
 bondade do sistema
 fracasso individual
 ausência de sorte na vida
 aceitação destas políticas sociais
 integração do povo ao governo


Obs: muitas vezes presentes como ideias
 centrais em planos e projetos governamentais
Educação quilombola

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto CDIS- Valorização da Cultura Afro-Brasileira
Projeto CDIS-   Valorização da Cultura Afro-BrasileiraProjeto CDIS-   Valorização da Cultura Afro-Brasileira
Projeto CDIS- Valorização da Cultura Afro-Brasileira
Belister Paulino
 
PLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docx
PLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docxPLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docx
PLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docx
IvanaAlves18
 
Formação do professor em relação a lei 10639
Formação  do  professor   em  relação  a  lei 10639Formação  do  professor   em  relação  a  lei 10639
Formação do professor em relação a lei 10639
culturaafro
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Mary Alvarenga
 
Educação Básica do Campo
Educação Básica do CampoEducação Básica do Campo
Educação Básica do Campo
pibidsociais
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e Educação
Clarim Natal
 
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAISRELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
Ludmila Moura
 
Historico Educação do Campo
Historico Educação do CampoHistorico Educação do Campo
Historico Educação do Campo
Wanessa de Castro
 
Grupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasilGrupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasil
Julhinha Camara
 
A educação no campo (2)
A educação no campo (2)A educação no campo (2)
A educação no campo (2)
Pri Pri
 
DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENA
DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENADIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENA
DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENA
Joel Soares
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciaisPoliticas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
Adeildo Vila Nova
 
Aspectos da cultura quilombola
Aspectos da cultura quilombolaAspectos da cultura quilombola
Aspectos da cultura quilombola
marajoculturarts
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
Jose Wilson Melo
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
Ulisses Vakirtzis
 
Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah MoemaEducação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
coordenacaodiversidade
 
educação quilombola final.pptx
educação quilombola final.pptxeducação quilombola final.pptx
educação quilombola final.pptx
JlioLeal2
 

Mais procurados (20)

Projeto CDIS- Valorização da Cultura Afro-Brasileira
Projeto CDIS-   Valorização da Cultura Afro-BrasileiraProjeto CDIS-   Valorização da Cultura Afro-Brasileira
Projeto CDIS- Valorização da Cultura Afro-Brasileira
 
PLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docx
PLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docxPLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docx
PLANO DE AULA História dos Meus Ancestrais.docx
 
Formação do professor em relação a lei 10639
Formação  do  professor   em  relação  a  lei 10639Formação  do  professor   em  relação  a  lei 10639
Formação do professor em relação a lei 10639
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
 
Educação Básica do Campo
Educação Básica do CampoEducação Básica do Campo
Educação Básica do Campo
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e Educação
 
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAISRELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
 
Historico Educação do Campo
Historico Educação do CampoHistorico Educação do Campo
Historico Educação do Campo
 
Grupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasilGrupos escolares no brasil
Grupos escolares no brasil
 
A educação no campo (2)
A educação no campo (2)A educação no campo (2)
A educação no campo (2)
 
DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENA
DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENADIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENA
DIRETRIZES EDUCACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ÍNDIGENA
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciaisPoliticas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
 
Aspectos da cultura quilombola
Aspectos da cultura quilombolaAspectos da cultura quilombola
Aspectos da cultura quilombola
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah MoemaEducação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
 
educação quilombola final.pptx
educação quilombola final.pptxeducação quilombola final.pptx
educação quilombola final.pptx
 

Destaque

Educação quilombola
Educação quilombolaEducação quilombola
Educação quilombola
Geraa Ufms
 
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLADIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA
Joel Soares
 
A educação quilombola
A educação quilombolaA educação quilombola
A educação quilombola
Silvânio Barcelos
 
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto QuilombolaApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
Paulo de Oliveira
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
alexrrosaueja
 
Projetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombolaProjetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombola
Secretaria Municipal de São Bento do Una
 
Uncme Diversidade
Uncme   DiversidadeUncme   Diversidade
Uncme Diversidade
uncmers
 
Terra qulombola
Terra qulombolaTerra qulombola
Terra qulombola
Claudio Oliveira
 
Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...
Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...
Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...
Carlos Marcelo
 
Educação a distância[1]
Educação a distância[1]Educação a distância[1]
Educação a distância[1]
rverdin3
 
Povos e Comunidades Tradicionais
Povos e Comunidades TradicionaisPovos e Comunidades Tradicionais
Povos e Comunidades Tradicionais
Max M Piorsky Aires
 
Quilombo
QuilomboQuilombo
Direito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slidesDireito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slides
Luis Olavo
 
Regimento escolar
Regimento escolarRegimento escolar
Regimento escolar
kauezinhoproducao
 
Direito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionaisDireito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionais
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Direito
 
Educação prisional
Educação prisionalEducação prisional
Educação prisional
diretoriaguarai
 
Sobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza Mendonça
Sobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza MendonçaSobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza Mendonça
Sobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza Mendonça
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
Laguat
 
Ead Educação a Distância Power Point
Ead Educação a Distância Power PointEad Educação a Distância Power Point
Ead Educação a Distância Power Point
pattyduarte
 
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdfAtividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
André Moraes
 

Destaque (20)

Educação quilombola
Educação quilombolaEducação quilombola
Educação quilombola
 
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLADIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA
 
A educação quilombola
A educação quilombolaA educação quilombola
A educação quilombola
 
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto QuilombolaApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
 
Projetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombolaProjetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombola
 
Uncme Diversidade
Uncme   DiversidadeUncme   Diversidade
Uncme Diversidade
 
Terra qulombola
Terra qulombolaTerra qulombola
Terra qulombola
 
Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...
Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...
Principios para a aprendizagem docente na formaçao inicial, inserção profissi...
 
Educação a distância[1]
Educação a distância[1]Educação a distância[1]
Educação a distância[1]
 
Povos e Comunidades Tradicionais
Povos e Comunidades TradicionaisPovos e Comunidades Tradicionais
Povos e Comunidades Tradicionais
 
Quilombo
QuilomboQuilombo
Quilombo
 
Direito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slidesDireito ambiental _aula_2__slides
Direito ambiental _aula_2__slides
 
Regimento escolar
Regimento escolarRegimento escolar
Regimento escolar
 
Direito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionaisDireito e os povos e comunidades tradicionais
Direito e os povos e comunidades tradicionais
 
Educação prisional
Educação prisionalEducação prisional
Educação prisional
 
Sobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza Mendonça
Sobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza MendonçaSobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza Mendonça
Sobre GEJA/SME Rio - Profª Maria Luiza Mendonça
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
 
Ead Educação a Distância Power Point
Ead Educação a Distância Power PointEad Educação a Distância Power Point
Ead Educação a Distância Power Point
 
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdfAtividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
 

Semelhante a Educação quilombola

Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Débora Leal
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Débora Campos
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Geraa Ufms
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
Israel serique
 
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocaretéLeitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Feab Campos Dos Goytacazes
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
Aline Martendal
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade V
joao paulo
 
05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)
Surane Nogueira
 
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
Instituto Uka
 
Monografia Cleia pedagogia 2011
Monografia Cleia pedagogia 2011Monografia Cleia pedagogia 2011
Monografia Cleia pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
RACISMO1.pptx
RACISMO1.pptxRACISMO1.pptx
RACISMO1.pptx
Cleber Gonçalves
 
Sociologia v
Sociologia vSociologia v
Sociologia v
andrea almeida
 
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
Pcn   10.2   Tt Pluralidade CulturalPcn   10.2   Tt Pluralidade Cultural
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
literatoliberato
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
isabela30
 
CurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E IdentidadesCurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E Identidades
Edneide Lima
 
Escola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedadeEscola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedade
Universidade Federal do Ceará
 
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
Jomari
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Aline Vaz
 
1524251146708.pdf
1524251146708.pdf1524251146708.pdf
1524251146708.pdf
CrasUrucuia
 

Semelhante a Educação quilombola (20)

Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
 
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocaretéLeitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
 
Sociologia unidade V
Sociologia unidade VSociologia unidade V
Sociologia unidade V
 
05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)
 
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
 
Monografia Cleia pedagogia 2011
Monografia Cleia pedagogia 2011Monografia Cleia pedagogia 2011
Monografia Cleia pedagogia 2011
 
RACISMO1.pptx
RACISMO1.pptxRACISMO1.pptx
RACISMO1.pptx
 
Sociologia v
Sociologia vSociologia v
Sociologia v
 
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
Pcn   10.2   Tt Pluralidade CulturalPcn   10.2   Tt Pluralidade Cultural
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
 
CurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E IdentidadesCurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E Identidades
 
Escola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedadeEscola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedade
 
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
1524251146708.pdf
1524251146708.pdf1524251146708.pdf
1524251146708.pdf
 

Educação quilombola

  • 1. Educação Quilombola Fabiana de Paula e Luciano Oliveira
  • 2. Contextualizando  Do final do século XIX até quase o final da segunda metade do século XX, o tratamento dado aos quilombos limitava-se apenas a “redutos de escravos fugitivos”.  No entanto, hoje, tem-se conhecimento que o agrupamento se constituiu não somente como fuga, mas como uma “busca espacial”.  Com a mobilização de militantes e parlamentares negros e a publicação do Art. 216 da Constituição Federal, a abordagem desse tema assumiu outra direção.
  • 3. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988  Art. 216. Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: I. as formas de expressão; II. os modos de criar, fazer e viver; III. as criações científicas, artísticas e tecnológicas; IV. as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; V. os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico.
  • 4. TÍTULO X ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS  Art. 68. Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos.
  • 5.  O território quilombola se constitui enquanto um agrupamento de pessoas que se reconhecem com a mesma e ascendência étnica, que passam por inúmeros processos de transformação culturais como formas de adaptação resultantes do caminhar da história.
  • 6. A Práxis  O pensar e o fazer do cotidiano quilombola se corporifica: 1. Na forma de pensamentos e ideias. 2. Na forma de trabalho como atividade prática que não isola o pensar do fazer, resultando em um manter-se no mundo. 3. Como processo educativo que confere ao sujeito localizar-se no mundo observando suas especificidades de raça, gênero, faixa etária e classe social.
  • 7. A proposta Para uma educação Quilombola
  • 8. Análise  De qual concepção de educação se fala.  Refletir sobre o lugar onde o conhecimento vai ser concebido.  Quais conceitos sustentam uma proposta de educação das relações raciais.  Em que base didático-pedagógica práticas educativas emancipatórias serão possíveis.  Das estruturas reais e necessárias para que este processo de desencadeie.
  • 9. As diretrizes  Para pensar nas diretrizes para educar as relações étnico-raciais em comunidades quilombolas sugere que nós pensemos a partir das próprias comunidades.  O vínculo entre educar e formar são ancestrais, não são atributos exclusivos da escola.  Produzir uma formação humana na qual não caibam estereótipos, discriminação e preconceito. O desafio da educação é contribuir para emancipar.
  • 10.  O conhecimento a ser produzido jamais criará sentidos e, consequentemente,compromissos, se os sujeitos neles não se encontrarem, também, como complementaridades.  Ensinar em comunidades negras rurais tem como premissa entender o lugar como componente pedagógico, onde o conteúdo não está nos livros que trazem, por vezes, o registro da história dos quilombos em versões mal contadas, imprimindo no papel uma ordem de palavras que se tornam visíveis apenas através da tinta.
  • 11. Lei de diretrizes e Bases - LDB TÍTULO I Da Educação  Art. 1º A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais.
  • 12.  Discutir uma concepção de conhecimento para quilombolas significa pensar em uma formação curricular onde o saber instituído e o saber vivido estejam contemplados, rompendo com uma grade hierárquica, organizada com conteúdos que perpetuam o poder para que determinados grupos continuem a aceitar.
  • 14. Algumas visões: . mecanismo de manutenção da força de trabalho . arranjos do bloco no poder / governante . doação das elites dominantes . instrumento de garantia do aumento da riqueza . direitos . resultado de lutas sociais
  • 15. Encontradas no cotidiano: . quando trabalhamos (contribuição à previdência social) . quando estudamos (educação) . quando adoecemos ou não (saúde) . quando nos divertimos (cultura) . onde habitamos (habitação) . quando a vida nos “fragiliza” (situações sociais, doenças etc – assistência social, políticas específicas de saúde etc)
  • 16. Em geral, promovidas por instituições  CRAS´s, CREAS´s, unidades de saúde, INSS, BNH e outras Mas também  por ações de “primeiras-damas”  por ONG´s e instituições privadas (com subvenções do Estado)  por igrejas
  • 17. Em geral se apresentam como:  benefício: auxílio em casos específicos de perda ou diminuição da capacidade de trabalho ou de subsistência.  serviço: relação entre instituição e “clientela” para atender problemas sociais ou pessoais.
  • 18. Como sociedade se organiza? Na visão tradicional: Fracos e fortes Pobres e ricos Favorecidos e desfavorecidos (pela sorte) Na visão critica e reflexiva: Exploradores X explorados Dominadores X dominados
  • 19. Resultados ideológicos:  bondade do sistema  fracasso individual  ausência de sorte na vida  aceitação destas políticas sociais  integração do povo ao governo Obs: muitas vezes presentes como ideias centrais em planos e projetos governamentais