SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI
FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
CURSO DE AGRONOMIA
Diamantina ,2014
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI
FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA
Disciplina:Extensão Rural
Prof: Igor Carvalho
Aluna: Núbia Santos
Mostrar a realidade e dificuldades encontradas pelos negros
remanescente de quilombos no Brasil e apresentar um trabalho
social realizado pelo grupo Pet-Conexão dos Saberes na
comunidade de Fazenda Santa Cruz.
 A historia do Brasil é caracterizada pela presença de negros que foram
escravizados durante muito tempo.
 Muitos cativos procuraram meio para escaparem daquele controle e repressão
vigente;
 Buscando romper as relações de dominação acabavam formando comunidades em
regiões afastadas , (Júnior da Silva, 2012).
 Surgindo assim os quilombos que pode ser conhecidos também como mocambos,
 Sendo o quilombos dos Palmares localizado na atual Serra da Barriga .
 Atualmente existem vários comunidades quilombolas remanescentes que ao
longo do anos vem lutando pela reconquista ou permanência de seus territórios
ancestrais.
 Tem provocado varias divergências com o poder público ou privado,
 Tentam por meios jurídicos ser amparados legalmente para exigirem a titulação
dos territórios
 Sendo esse direito previsto no artigo n.º 68 do Ato das Disposições Constitucionais
Transitórias da Constituição Federal de 1988, sob o enunciado: “Aos
remanescentes das comunidades de quilombos que estejam ocupando suas terras é
reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos
respectivos’’(Schmitt,2002
 A política de reconhecimento dos remanescentes das comunidades dos quilombos
no Brasil é expressa desde de 1988 na Constituição.
 E essa constituição de territórios étnicos espalhado por todo país também é
conhecido em alguns lugares como terras de pretos ou território negro
 Brasil : foram se constituindo através de processos que vão desde
 doação de terras,
 ocupação das terras livres,
 compra, herança ,
 troca por serviços prestados ao Estado que enfatizam a sua condição de
coletividades camponesa,
 acabou representando um fator decorrente de segregação social
 possibilitou o fortalecimento de mecanismos de defesa da identidade cultural.
 Fazendo com que o reconhecimento do domínio destes territórios se concretizasse
de forma a resgatar a cultura afro-brasileira
 dando origem a uma nova cartografia social de matriz étnica, baseada na nos
ancestrais negros relacionados com a resistência à opressão histórica sofrida
Mapa com todas as regiões quilombolas do país
 trabalho de Hebe Matoso (2006) na comunidade de São José da Serra,
 onde ele colheu uma série de depoimentos de um dos moradores mais velhos da
comunidade, após os contatos da Fundação Palmares e o reconhecimento do grupo
como remanescente das comunidades dos quilombos
 um avô que veio fugido de uma fazenda para a outra em busca da proteção do
fazendeiro,
 antes pouco mencionado, ressurgiu como herói, e o fazendeiro que o “acoitou”,
como organizador de quilombos.
 A “Fazenda do Ferraz” era também o “Quilombo do Ferraz”29.
 Mas foram os filhos e netos de nossos depoentes, os mais velhos deles nascidos em
meados do século XX, que construíram a nova identidade quilombola.
 Recuperaram as narrativas de seus pais e avós, mas desenvolveram para elas novas
interpretações. Nesse novo contexto, práticas culturais com origem no tempo do
cativeiro, como, por exemplo, o jongo e o caxambu – canto e dança em roda ao
som de tambores –, foram transformadas em capital simbólico para afirmação da
identidade quilombola. E com isso mostra perfeitamente os efeitos dessa
valorização.
 Segundo a Fundação Cultural Palmares existem hoje no país mais de
1.500 comunidades quilombolas certificadas
 e ainda tem cerca de 996 processos em curso de regularização.
 A falta de um reconhecimento oficial da autonomia quilombola no Brasil,torna-o, o
único país que não resolveu suas questões territóriais das suas comunidades negras
tradicionais em relação as demais nações afro- americanas que já obtiveram essa
conquista(Chagas,2001).
Fonte:Fundação Cultural Palmares
A Presença Negra em Minas Gerais
 Minas Gerais é um dos estados que possui uma das maiores populações negra
descendente de escravos do país
 Isso se deve às atividades:
 mineradores
 atraídos pela promessa de enriquecimento fácil e rápido foram atraídos para a
região e consigo trouxeram escravos para o trabalho pesado nas minas .
 conseqüentemente com a fuga de muitos escravos que buscavam sua liberdade e a
conquistas de terras
 grande números de quilombos acabaram sendo formados pelo Estado afora.
 Atualmente, os descendentes de escravos lutam para conseguir se manter em suas
terras e ter seu direito de propriedade sobre elas.
 Hoje, existem mais de 400 comunidades quilombolas segundo (Silva,
2010).
 Sendo maioria delas localiza-se na zona rural e algumas em centros
urbanos.
 As regiões do estado com maior concentração :
 norte e a nordeste,
 sendo o vale Jequitinhonha o local com maior remanescentes e quilombos
(Figura 2) .
Lutas e desafios quilombolas no brasil
 E entre as comunidades remanescentes de quilombo Gerais( quadro1),
 estão aquelas pertencentes à mesorregião do Vale do Jequitinhonha
 especificamente a região que corresponde ao Alto vale Jequitinhonha
 onde o grupo Pet- Conexão dos Saberes juntamente com associações locais vem
acompanhando a comunidade De fazenda Santa Cruz desde do seu
reconhecimento pela Fundação Cultura Palmares como remanescentes de
quilombo(Quadro 2)
Região Número %
Campos das Vertentes 5 1,1
Central Mineira 8 1,8
Jequitinhonha 105 24,1
Metropolitana/Belo Horizonte 54 12,6
Noroeste 15 3,4
Norte de Minas 153 35,1
Oeste de Minas 8 1,8
Sul 8 1,8
Triângulo/Alto Paranaíba 10 2,3
Vale do Mucuri 19 4,4
Vale do Rio Doce 29 6,7
Zona da Mata 21 4,8
Total 435 100,0
Fonte: Silva Eva, Aparecida da
Comunidade Município Ano pedido titulação
INCRA
Ano Cadastro
Fundação
Palmares
Ausente Serro ********** 03/09/12
Bau Serro ********** 03/09/12
Fazenda Santa Cruz Serro ********** 03/09/12
Queimadas Serro ********** 03/09/12
Vila Nova Serro ********** 03/09/12
Fonte:Fundação Cultural Palmares
 E os principais desafios das comunidade quilombolas rurais
estão ligadas:
 a luta pela terra que apresenta-se imbricada
 na luta pelo acesso à água
 pela preservação do meio ambiente
 Já no caso dos quilombos urbanos, essas comunidades tentam fazer valer o seu
direito de permanecer em terras conquistadas por seus antepassados já que não
possui o registro de posse de áreas urbanas .
 quilombos se fixaram nos arredores das vilas, centros urbanos e fazendas e
tornaram-se urbanos em função do crescimento acelerado das cidades nos séculos
XIX e XX .
 Na região metropolitana De Belo Horizonte podem ser encontradas três
comunidades urbanas: Arturos, Luízes entre outros
Luízes
 É um quilombo localizado no bairro Grajaú, na região sudoeste de Belo Horizonte,
Arturos
 Os Arturos localizada na região de Contagem
Comunidade de Arturos comemorando a Abolição da Escravatura
 Grande partes dos remanescentes de quilombos em Minas Gerais são rurais,
 devido a fuga constantes
 principalmente em minas de diamantes entre os séculos XVIII - XIX no
Arraial do Tijuco atual Diamantina e Serro Frio na região do alto
Jequitinhonha
 Fazendo com que os primeiros grupos de escravo refugiassem em outros
lugares da região na tentativa de encontra a liberdade e uma vida menos
sofrida .
Na região do alto Vale do Jequitinhonha pode se encontra vários grupos quilombolas
como:
 Baú,
 Ausente,
 Queimadas,
 Vila Nova
 Fazenda Santa Cruz
 pertencente ao município do Serro que esta localizado a 225 km da capital
mineira. Para efeitos deste trabalho, centraremos nossas atenções em na
comunidade de Fazenda Santa Cruz.
 FSC é uma comunidade remanescente de quilombo
 reconhecida pela Fundação Cultural Palmares desde 2012,
 surgida na era da escravidão e nos tempos da mineração no alto Vale do
Jequitinhonha Figura3,
 pertencendo a três municípios diferentes Diamantina , Serro e Datas
Lutas e desafios quilombolas no brasil
 Sendo composto 44 famílias
 que vivem basicamente
 das roças,
 hortaliças,
 legumes,
 alguns animais domésticos
 Está localizada em uma área de difícil acesso em condições de pobreza evidente
devido ao descaso das prefeituras dos três municípios em que a comunidade esta
dividida.
 aos aspectos ligados a infra-estrutura urbana, recentemente a comunidade foi
beneficiada com o programa Luz para Todos,
 quanto ao acesso à água potável ainda é bastante rudimentar.
 Não existe sistema de tratamento da água e nem sistema de esgotamento sanitário
.
 Algumas casas possuem sistema de fossa séptica
 terrenos abertos próximo a suas residências.
 Quanto à destinação final do lixo, não existe sistema de coleta sistemática e nem
limpeza de ruas e de outras áreas pública pelo órgão municipal.
 Com o intuito de ajudar a comunidade no ano de 2010,
 onde a renda per capita geral é bem inferior a ½ salário mínimo,
 o poder de aquisição de bens é baixo
 e a socialização acontece com a participação da comunidade em eventos como:
 campeonatos esportivos,
 festa religiosas,
 reuniões escolares dentre outras atividades,
 foi realizada uma reunião como Grupo PET Conexão dos Saberes da UFVJM
(Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri) onde foram
apresentadas as principais dificuldades locais e juntamente com todos foi
decidido adaptar a granja de galinhas caipiras que já vinham trabalhando a
algum tempo em parceria com a Associação Clubes de Mães .
 diálogo não foi fácil ,
 devido a comunidade ser muito retraída e não estar acostumada com a
presença constante de pessoas diferentes.
 Mas Fazenda Santa Cruz é uma comunidade bem organizada, unida, interessada e
com vontade de crescer, que está criando aos poucos autonomia para lutarem pelos
seus direitos enquanto cidadãos e isso a difere de outras comunidades sendo que a
mesma tem iniciativa de buscar ajuda e parceria de outras entidades.
Lutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasil
 As populações quilombolas vem lutando ativamente pelos seu direitos perante a
sociedade brasileira , que durante muito tempo tentaram tirar seu territórios sem
levar em consideração o tempo de permanencia dos negros remanescentes de
escravos que naquele local vivem e tira o sustento de suas famílias.Com a ajuda de
órgão específicos essa realidade tem mudado, mais mesmo assim muito ainda tem
que ser feito e muita luta ainda precisa ser travada perante a sociedade para que
essas comunidades quilombolas tenha voz e mais participação perante a uma
sociedade que diz respeitar a democracia racial.
 CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO ELOY FERREIRA DA SILVA – CEDEFES.
Comunidades quilombolas de Minas Gerias no século XXI: história e
resistência. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.Disponível:
http://www.cedefes.org.br/.Acesso:Jan/14.
 Centro de Documentos Eloy Ferreira Da Silva. Luízes. Rua Demétrio Ribeiro, 195
,Vera Cruz Belo Horizonte.Disponível:
http://www.cedefes.org.br/index.php?p=projetos_detalhe&id_pro=89.Acesso:Jan/1
4.
 Centro de Cultura Luiz Freire.Terra d Quilombola.Disponível:www.cclf.org.br.
 Comunidade Quilombolas do Estado de Minas Gerais.Disponível:
http://www.cpisp.org.br/comunidades/html/i_brasil_mg.html.Acesso:Jan/14.
 Chagas, Miriam de Fátima. A Política Do Reconhecimento Dos “Remanescentes
Das Comunidades Dos Quilombos. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre,
ano 7, n. 15, p. 209-235, julho de 2001.
 Fundação Cultural Palmares. Quadra 601 Norte – SGAN – Lote L CEP: 70830-
010.Ed. ATP.Brasília/DF.2014 .Disponível: http://www.palmares.gov.br/.Acesso:
jan/14.
 Júnia Bertolino. Os Arturos e o Congado: Símbolo de Luta e Resistência para
O Povo Mineiro. Disponivel:http://www.palmares.gov.br/wp-
content/uploads/2010/11/Os-Arturos-e-o-Congado1.pdf.
 Júnior, Waldomiro Lourenço da Silva. Quilombos e quilombolas: uma história
de resistência.São Paulo. 2012.Disponível:
http://www.univesp.ensinosuperior.sp.gov.br/preunivesp/3897/quilombos-e-
quilombolas-uma-hist-ria-de-resist-ncia.html.
 Matoso, Hebe. Remanescentes das comunidades dos quilombos: memórias do
cativeiro e políticas de reparação no Brasil.Revista USP,São Paulo,n.68,p.104-
111.Dezembro/Fevereiro. 2006.
 Pet-conexão dos Saberes. Projeto Avicultura Comunidade Fazenda Santa Cruz.
Disponível: http://petconexaoufvjm.weebly
 Schmitt, Alessandra et al. A atualização do conceito de quilombolas:identidade
e território nas definições teóricas Ambiente & Sociedade - Ano V - No 10 - 1o
Semestre de 2002.
 Silva Eva, Aparecida da. Ser remanescente de quilombo em comunidades do
Vale do Mucuri: reflexões preliminares de pesquisa. Revista identidade, São
Leopoldo,
RS,v.15,n.1,jan.jun.2010.Disponível:http://periodicos.est.edu.br/index.php/identida
de/article/viewFile/21/36.Acesso: Jan/14.
 Treccani, Girolamo Domenico.Terras de quilombo Caminhos e entraves do
processo de titulação. Belém – PA – Brasil.2006.
OBRIGADO!!!
Contato:e-mail:nubinhasg91@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃOPROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
Conceição Fontolan
 
O Espaço Rural Brasileiro
O Espaço Rural BrasileiroO Espaço Rural Brasileiro
O Espaço Rural Brasileiro
dantasrdl
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
Jefferson Medeiiros Araújo
 
Produção de alimentos x fome
Produção de alimentos x fomeProdução de alimentos x fome
Produção de alimentos x fome
Edenilson Morais
 
Conflitos Territoriais
Conflitos TerritoriaisConflitos Territoriais
Conflitos Territoriais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
A questão agrária no brasil
A questão agrária no brasilA questão agrária no brasil
A questão agrária no brasil
Uilson Pereira da Silva
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
Prof.Paulo/geografia
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
Carminha
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
Maira Egito Barros
 
America latina
America latina America latina
America latina
Christie Freitas
 
Territorialidade
TerritorialidadeTerritorialidade
Territorialidade
saldanha.mjoao
 
Aula 3 - fluxos migratórios
Aula 3 -  fluxos migratóriosAula 3 -  fluxos migratórios
Aula 3 - fluxos migratórios
Isabela Espíndola
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 
Politica de cotas
Politica de cotasPolitica de cotas
Diversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilDiversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No Brasil
Joemille Leal
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
karolpoa
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
Vanessa Silva
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 

Mais procurados (20)

PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃOPROCESSO DE URBANIZAÇÃO
PROCESSO DE URBANIZAÇÃO
 
O Espaço Rural Brasileiro
O Espaço Rural BrasileiroO Espaço Rural Brasileiro
O Espaço Rural Brasileiro
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
 
Produção de alimentos x fome
Produção de alimentos x fomeProdução de alimentos x fome
Produção de alimentos x fome
 
Conflitos Territoriais
Conflitos TerritoriaisConflitos Territoriais
Conflitos Territoriais
 
A questão agrária no brasil
A questão agrária no brasilA questão agrária no brasil
A questão agrária no brasil
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
Territorialidade
TerritorialidadeTerritorialidade
Territorialidade
 
Aula 3 - fluxos migratórios
Aula 3 -  fluxos migratóriosAula 3 -  fluxos migratórios
Aula 3 - fluxos migratórios
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Politica de cotas
Politica de cotasPolitica de cotas
Politica de cotas
 
Diversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilDiversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No Brasil
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 

Destaque

Comunidades Quilombolas em Chapada do Norte
Comunidades Quilombolas em Chapada do NorteComunidades Quilombolas em Chapada do Norte
Comunidades Quilombolas em Chapada do Norte
vanessa_181
 
Terra qulombola
Terra qulombolaTerra qulombola
Terra qulombola
Claudio Oliveira
 
Quilombolas
QuilombolasQuilombolas
Quilombolas
ediqueli
 
O Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolasO Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
iicabrasil
 
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloEntrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Renally Arruda
 
Trabalho Brassinosteroides
Trabalho BrassinosteroidesTrabalho Brassinosteroides
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto QuilombolaApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
Paulo de Oliveira
 
Projetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombolaProjetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombola
Secretaria Municipal de São Bento do Una
 
O quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funariO quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funari
luiskerber2013
 
Educacao Quilombola
Educacao QuilombolaEducacao Quilombola
Educacao Quilombola
culturaafro
 
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIODECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
Juliane Espíndola
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
Laguat
 
Declaração monitoria
Declaração monitoriaDeclaração monitoria
Declaração monitoria
Nesprom Ceam Unb
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
alexrrosaueja
 
UoC-Profile-Guide-LQ
UoC-Profile-Guide-LQUoC-Profile-Guide-LQ
UoC-Profile-Guide-LQ
Georg Verweyen
 
X O O P S
X O O P SX O O P S
X O O P S
cristian.ucpel
 
Proyecto, investigacion equipo #1 5°B programacion
Proyecto, investigacion equipo #1 5°B programacionProyecto, investigacion equipo #1 5°B programacion
Proyecto, investigacion equipo #1 5°B programacion
sergio ivan
 
Presentación jornada estratégica
Presentación jornada estratégicaPresentación jornada estratégica
Presentación jornada estratégica
VLC/CAMPUS
 
Autores y colaboradores 29.10.2013
Autores y colaboradores 29.10.2013Autores y colaboradores 29.10.2013
Autores y colaboradores 29.10.2013
Herbert Stegemann
 
Elemento ancora
Elemento ancoraElemento ancora
Elemento ancora
Denise Lima
 

Destaque (20)

Comunidades Quilombolas em Chapada do Norte
Comunidades Quilombolas em Chapada do NorteComunidades Quilombolas em Chapada do Norte
Comunidades Quilombolas em Chapada do Norte
 
Terra qulombola
Terra qulombolaTerra qulombola
Terra qulombola
 
Quilombolas
QuilombolasQuilombolas
Quilombolas
 
O Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolasO Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O Incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
 
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloEntrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
 
Trabalho Brassinosteroides
Trabalho BrassinosteroidesTrabalho Brassinosteroides
Trabalho Brassinosteroides
 
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto QuilombolaApresentaçãO Do Projeto Quilombola
ApresentaçãO Do Projeto Quilombola
 
Projetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombolaProjetodevalorizacao quilombola
Projetodevalorizacao quilombola
 
O quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funariO quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funari
 
Educacao Quilombola
Educacao QuilombolaEducacao Quilombola
Educacao Quilombola
 
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIODECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
 
Declaração monitoria
Declaração monitoriaDeclaração monitoria
Declaração monitoria
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
 
UoC-Profile-Guide-LQ
UoC-Profile-Guide-LQUoC-Profile-Guide-LQ
UoC-Profile-Guide-LQ
 
X O O P S
X O O P SX O O P S
X O O P S
 
Proyecto, investigacion equipo #1 5°B programacion
Proyecto, investigacion equipo #1 5°B programacionProyecto, investigacion equipo #1 5°B programacion
Proyecto, investigacion equipo #1 5°B programacion
 
Presentación jornada estratégica
Presentación jornada estratégicaPresentación jornada estratégica
Presentación jornada estratégica
 
Autores y colaboradores 29.10.2013
Autores y colaboradores 29.10.2013Autores y colaboradores 29.10.2013
Autores y colaboradores 29.10.2013
 
Elemento ancora
Elemento ancoraElemento ancora
Elemento ancora
 

Semelhante a Lutas e desafios quilombolas no brasil

ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...
1sested
 
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa AvanciniQuilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
alexrrosaueja
 
Cartografia de Conceicão das Crioulas
Cartografia de Conceicão das  CrioulasCartografia de Conceicão das  Crioulas
Cartografia de Conceicão das Crioulas
Rosangela Nascimento
 
Trabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfricaTrabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfrica
PET Biologia unipampa
 
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
Colégio Municipal Profª Enedina Costa De Macêdo
 
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...
1sested
 
Trabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelos
Trabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelosTrabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelos
Trabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelos
guest322cf8
 
Furnas de dionísio
Furnas de dionísioFurnas de dionísio
Furnas de dionísio
Lunny Cambalim
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
Nelia Salles Nantes
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
Nelia Salles Nantes
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
Nelia Salles Nantes
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
Nelia Salles Nantes
 
Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3
Felipe Bruno Martins Fernandes
 
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Maísa Fernandes
 
Fundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilomboFundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilombo
Urano Andrade
 
Portifólio Memórias de Tamoios
Portifólio Memórias de TamoiosPortifólio Memórias de Tamoios
Portifólio Memórias de Tamoios
Paty Sena
 
Relatório pesquisação Sócio Cultural e Econômico
Relatório  pesquisação Sócio Cultural e EconômicoRelatório  pesquisação Sócio Cultural e Econômico
Relatório pesquisação Sócio Cultural e Econômico
Raimundo Mizael Gonçalves da Luz
 
Educação quilombola
Educação quilombolaEducação quilombola
Educação quilombola
Geraa Ufms
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
Nelia Salles Nantes
 
ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME
ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME
ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME
Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia
 

Semelhante a Lutas e desafios quilombolas no brasil (20)

ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: Estud...
 
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa AvanciniQuilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
Quilombo Chácara das Rosas - Prof. Dra. Elsa Avancini
 
Cartografia de Conceicão das Crioulas
Cartografia de Conceicão das  CrioulasCartografia de Conceicão das  Crioulas
Cartografia de Conceicão das Crioulas
 
Trabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfricaTrabalho pet história da áfrica
Trabalho pet história da áfrica
 
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
III Seminário educação no campo - A atuação do Movimento CETA no Assentamento...
 
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...
ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SANEAMENTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ESTUD...
 
Trabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelos
Trabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelosTrabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelos
Trabalho conclusão curso ufmt silvânio paulo de barcelos
 
Furnas de dionísio
Furnas de dionísioFurnas de dionísio
Furnas de dionísio
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
 
Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3Farra antropologia oportunista_teoria_3
Farra antropologia oportunista_teoria_3
 
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
 
Fundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilomboFundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilombo
 
Portifólio Memórias de Tamoios
Portifólio Memórias de TamoiosPortifólio Memórias de Tamoios
Portifólio Memórias de Tamoios
 
Relatório pesquisação Sócio Cultural e Econômico
Relatório  pesquisação Sócio Cultural e EconômicoRelatório  pesquisação Sócio Cultural e Econômico
Relatório pesquisação Sócio Cultural e Econômico
 
Educação quilombola
Educação quilombolaEducação quilombola
Educação quilombola
 
Comunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em msComunidades quilombolas em ms
Comunidades quilombolas em ms
 
ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME
ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME
ARQUITETURAS DOS QUILOMBOS DA BAHIA - FAUFBA - PROF. FABIO VELAME
 

Mais de UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Blackcurrant
BlackcurrantBlackcurrant
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Podridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reservaPodridões de órgãos de reserva
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
Aplicativo android –cálculo de  fim de escalaAplicativo android –cálculo de  fim de escala
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
 
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuroAnalise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
 
Propagação de rosas
Propagação de rosasPropagação de rosas

Mais de UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (11)

Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
Blackcurrant
BlackcurrantBlackcurrant
Blackcurrant
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestais
 
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Propagação de plantas ornamentais
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Instalações para eqüinos
 
Podridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reservaPodridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reserva
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milho
 
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
Aplicativo android –cálculo de  fim de escalaAplicativo android –cálculo de  fim de escala
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
 
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuroAnalise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
 
Propagação de rosas
Propagação de rosasPropagação de rosas
Propagação de rosas
 

Lutas e desafios quilombolas no brasil

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA Diamantina ,2014
  • 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA Disciplina:Extensão Rural Prof: Igor Carvalho Aluna: Núbia Santos
  • 3. Mostrar a realidade e dificuldades encontradas pelos negros remanescente de quilombos no Brasil e apresentar um trabalho social realizado pelo grupo Pet-Conexão dos Saberes na comunidade de Fazenda Santa Cruz.
  • 4.  A historia do Brasil é caracterizada pela presença de negros que foram escravizados durante muito tempo.  Muitos cativos procuraram meio para escaparem daquele controle e repressão vigente;  Buscando romper as relações de dominação acabavam formando comunidades em regiões afastadas , (Júnior da Silva, 2012).
  • 5.  Surgindo assim os quilombos que pode ser conhecidos também como mocambos,  Sendo o quilombos dos Palmares localizado na atual Serra da Barriga .  Atualmente existem vários comunidades quilombolas remanescentes que ao longo do anos vem lutando pela reconquista ou permanência de seus territórios ancestrais.
  • 6.  Tem provocado varias divergências com o poder público ou privado,  Tentam por meios jurídicos ser amparados legalmente para exigirem a titulação dos territórios
  • 7.  Sendo esse direito previsto no artigo n.º 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal de 1988, sob o enunciado: “Aos remanescentes das comunidades de quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos’’(Schmitt,2002
  • 8.  A política de reconhecimento dos remanescentes das comunidades dos quilombos no Brasil é expressa desde de 1988 na Constituição.  E essa constituição de territórios étnicos espalhado por todo país também é conhecido em alguns lugares como terras de pretos ou território negro  Brasil : foram se constituindo através de processos que vão desde  doação de terras,  ocupação das terras livres,  compra, herança ,  troca por serviços prestados ao Estado que enfatizam a sua condição de coletividades camponesa,
  • 9.  acabou representando um fator decorrente de segregação social  possibilitou o fortalecimento de mecanismos de defesa da identidade cultural.  Fazendo com que o reconhecimento do domínio destes territórios se concretizasse de forma a resgatar a cultura afro-brasileira  dando origem a uma nova cartografia social de matriz étnica, baseada na nos ancestrais negros relacionados com a resistência à opressão histórica sofrida
  • 10. Mapa com todas as regiões quilombolas do país
  • 11.  trabalho de Hebe Matoso (2006) na comunidade de São José da Serra,  onde ele colheu uma série de depoimentos de um dos moradores mais velhos da comunidade, após os contatos da Fundação Palmares e o reconhecimento do grupo como remanescente das comunidades dos quilombos  um avô que veio fugido de uma fazenda para a outra em busca da proteção do fazendeiro,  antes pouco mencionado, ressurgiu como herói, e o fazendeiro que o “acoitou”, como organizador de quilombos.
  • 12.  A “Fazenda do Ferraz” era também o “Quilombo do Ferraz”29.  Mas foram os filhos e netos de nossos depoentes, os mais velhos deles nascidos em meados do século XX, que construíram a nova identidade quilombola.  Recuperaram as narrativas de seus pais e avós, mas desenvolveram para elas novas interpretações. Nesse novo contexto, práticas culturais com origem no tempo do cativeiro, como, por exemplo, o jongo e o caxambu – canto e dança em roda ao som de tambores –, foram transformadas em capital simbólico para afirmação da identidade quilombola. E com isso mostra perfeitamente os efeitos dessa valorização.
  • 13.  Segundo a Fundação Cultural Palmares existem hoje no país mais de 1.500 comunidades quilombolas certificadas  e ainda tem cerca de 996 processos em curso de regularização.  A falta de um reconhecimento oficial da autonomia quilombola no Brasil,torna-o, o único país que não resolveu suas questões territóriais das suas comunidades negras tradicionais em relação as demais nações afro- americanas que já obtiveram essa conquista(Chagas,2001).
  • 15. A Presença Negra em Minas Gerais
  • 16.  Minas Gerais é um dos estados que possui uma das maiores populações negra descendente de escravos do país  Isso se deve às atividades:  mineradores  atraídos pela promessa de enriquecimento fácil e rápido foram atraídos para a região e consigo trouxeram escravos para o trabalho pesado nas minas .
  • 17.  conseqüentemente com a fuga de muitos escravos que buscavam sua liberdade e a conquistas de terras  grande números de quilombos acabaram sendo formados pelo Estado afora.  Atualmente, os descendentes de escravos lutam para conseguir se manter em suas terras e ter seu direito de propriedade sobre elas.
  • 18.  Hoje, existem mais de 400 comunidades quilombolas segundo (Silva, 2010).  Sendo maioria delas localiza-se na zona rural e algumas em centros urbanos.  As regiões do estado com maior concentração :  norte e a nordeste,  sendo o vale Jequitinhonha o local com maior remanescentes e quilombos (Figura 2) .
  • 20.  E entre as comunidades remanescentes de quilombo Gerais( quadro1),  estão aquelas pertencentes à mesorregião do Vale do Jequitinhonha  especificamente a região que corresponde ao Alto vale Jequitinhonha  onde o grupo Pet- Conexão dos Saberes juntamente com associações locais vem acompanhando a comunidade De fazenda Santa Cruz desde do seu reconhecimento pela Fundação Cultura Palmares como remanescentes de quilombo(Quadro 2)
  • 21. Região Número % Campos das Vertentes 5 1,1 Central Mineira 8 1,8 Jequitinhonha 105 24,1 Metropolitana/Belo Horizonte 54 12,6 Noroeste 15 3,4 Norte de Minas 153 35,1 Oeste de Minas 8 1,8 Sul 8 1,8 Triângulo/Alto Paranaíba 10 2,3 Vale do Mucuri 19 4,4 Vale do Rio Doce 29 6,7 Zona da Mata 21 4,8 Total 435 100,0 Fonte: Silva Eva, Aparecida da
  • 22. Comunidade Município Ano pedido titulação INCRA Ano Cadastro Fundação Palmares Ausente Serro ********** 03/09/12 Bau Serro ********** 03/09/12 Fazenda Santa Cruz Serro ********** 03/09/12 Queimadas Serro ********** 03/09/12 Vila Nova Serro ********** 03/09/12 Fonte:Fundação Cultural Palmares
  • 23.  E os principais desafios das comunidade quilombolas rurais estão ligadas:  a luta pela terra que apresenta-se imbricada  na luta pelo acesso à água  pela preservação do meio ambiente  Já no caso dos quilombos urbanos, essas comunidades tentam fazer valer o seu direito de permanecer em terras conquistadas por seus antepassados já que não possui o registro de posse de áreas urbanas .
  • 24.  quilombos se fixaram nos arredores das vilas, centros urbanos e fazendas e tornaram-se urbanos em função do crescimento acelerado das cidades nos séculos XIX e XX .  Na região metropolitana De Belo Horizonte podem ser encontradas três comunidades urbanas: Arturos, Luízes entre outros
  • 25. Luízes  É um quilombo localizado no bairro Grajaú, na região sudoeste de Belo Horizonte,
  • 26. Arturos  Os Arturos localizada na região de Contagem Comunidade de Arturos comemorando a Abolição da Escravatura
  • 27.  Grande partes dos remanescentes de quilombos em Minas Gerais são rurais,  devido a fuga constantes  principalmente em minas de diamantes entre os séculos XVIII - XIX no Arraial do Tijuco atual Diamantina e Serro Frio na região do alto Jequitinhonha  Fazendo com que os primeiros grupos de escravo refugiassem em outros lugares da região na tentativa de encontra a liberdade e uma vida menos sofrida .
  • 28. Na região do alto Vale do Jequitinhonha pode se encontra vários grupos quilombolas como:  Baú,  Ausente,  Queimadas,  Vila Nova  Fazenda Santa Cruz  pertencente ao município do Serro que esta localizado a 225 km da capital mineira. Para efeitos deste trabalho, centraremos nossas atenções em na comunidade de Fazenda Santa Cruz.
  • 29.  FSC é uma comunidade remanescente de quilombo  reconhecida pela Fundação Cultural Palmares desde 2012,  surgida na era da escravidão e nos tempos da mineração no alto Vale do Jequitinhonha Figura3,  pertencendo a três municípios diferentes Diamantina , Serro e Datas
  • 31.  Sendo composto 44 famílias  que vivem basicamente  das roças,  hortaliças,  legumes,  alguns animais domésticos  Está localizada em uma área de difícil acesso em condições de pobreza evidente devido ao descaso das prefeituras dos três municípios em que a comunidade esta dividida.
  • 32.  aos aspectos ligados a infra-estrutura urbana, recentemente a comunidade foi beneficiada com o programa Luz para Todos,  quanto ao acesso à água potável ainda é bastante rudimentar.  Não existe sistema de tratamento da água e nem sistema de esgotamento sanitário .  Algumas casas possuem sistema de fossa séptica  terrenos abertos próximo a suas residências.  Quanto à destinação final do lixo, não existe sistema de coleta sistemática e nem limpeza de ruas e de outras áreas pública pelo órgão municipal.
  • 33.  Com o intuito de ajudar a comunidade no ano de 2010,  onde a renda per capita geral é bem inferior a ½ salário mínimo,  o poder de aquisição de bens é baixo  e a socialização acontece com a participação da comunidade em eventos como:  campeonatos esportivos,  festa religiosas,  reuniões escolares dentre outras atividades,
  • 34.  foi realizada uma reunião como Grupo PET Conexão dos Saberes da UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri) onde foram apresentadas as principais dificuldades locais e juntamente com todos foi decidido adaptar a granja de galinhas caipiras que já vinham trabalhando a algum tempo em parceria com a Associação Clubes de Mães .  diálogo não foi fácil ,  devido a comunidade ser muito retraída e não estar acostumada com a presença constante de pessoas diferentes.
  • 35.  Mas Fazenda Santa Cruz é uma comunidade bem organizada, unida, interessada e com vontade de crescer, que está criando aos poucos autonomia para lutarem pelos seus direitos enquanto cidadãos e isso a difere de outras comunidades sendo que a mesma tem iniciativa de buscar ajuda e parceria de outras entidades.
  • 38.  As populações quilombolas vem lutando ativamente pelos seu direitos perante a sociedade brasileira , que durante muito tempo tentaram tirar seu territórios sem levar em consideração o tempo de permanencia dos negros remanescentes de escravos que naquele local vivem e tira o sustento de suas famílias.Com a ajuda de órgão específicos essa realidade tem mudado, mais mesmo assim muito ainda tem que ser feito e muita luta ainda precisa ser travada perante a sociedade para que essas comunidades quilombolas tenha voz e mais participação perante a uma sociedade que diz respeitar a democracia racial.
  • 39.  CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO ELOY FERREIRA DA SILVA – CEDEFES. Comunidades quilombolas de Minas Gerias no século XXI: história e resistência. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.Disponível: http://www.cedefes.org.br/.Acesso:Jan/14.  Centro de Documentos Eloy Ferreira Da Silva. Luízes. Rua Demétrio Ribeiro, 195 ,Vera Cruz Belo Horizonte.Disponível: http://www.cedefes.org.br/index.php?p=projetos_detalhe&id_pro=89.Acesso:Jan/1 4.  Centro de Cultura Luiz Freire.Terra d Quilombola.Disponível:www.cclf.org.br.
  • 40.  Comunidade Quilombolas do Estado de Minas Gerais.Disponível: http://www.cpisp.org.br/comunidades/html/i_brasil_mg.html.Acesso:Jan/14.  Chagas, Miriam de Fátima. A Política Do Reconhecimento Dos “Remanescentes Das Comunidades Dos Quilombos. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 7, n. 15, p. 209-235, julho de 2001.  Fundação Cultural Palmares. Quadra 601 Norte – SGAN – Lote L CEP: 70830- 010.Ed. ATP.Brasília/DF.2014 .Disponível: http://www.palmares.gov.br/.Acesso: jan/14.
  • 41.  Júnia Bertolino. Os Arturos e o Congado: Símbolo de Luta e Resistência para O Povo Mineiro. Disponivel:http://www.palmares.gov.br/wp- content/uploads/2010/11/Os-Arturos-e-o-Congado1.pdf.  Júnior, Waldomiro Lourenço da Silva. Quilombos e quilombolas: uma história de resistência.São Paulo. 2012.Disponível: http://www.univesp.ensinosuperior.sp.gov.br/preunivesp/3897/quilombos-e- quilombolas-uma-hist-ria-de-resist-ncia.html.  Matoso, Hebe. Remanescentes das comunidades dos quilombos: memórias do cativeiro e políticas de reparação no Brasil.Revista USP,São Paulo,n.68,p.104- 111.Dezembro/Fevereiro. 2006.
  • 42.  Pet-conexão dos Saberes. Projeto Avicultura Comunidade Fazenda Santa Cruz. Disponível: http://petconexaoufvjm.weebly  Schmitt, Alessandra et al. A atualização do conceito de quilombolas:identidade e território nas definições teóricas Ambiente & Sociedade - Ano V - No 10 - 1o Semestre de 2002.  Silva Eva, Aparecida da. Ser remanescente de quilombo em comunidades do Vale do Mucuri: reflexões preliminares de pesquisa. Revista identidade, São Leopoldo, RS,v.15,n.1,jan.jun.2010.Disponível:http://periodicos.est.edu.br/index.php/identida de/article/viewFile/21/36.Acesso: Jan/14.  Treccani, Girolamo Domenico.Terras de quilombo Caminhos e entraves do processo de titulação. Belém – PA – Brasil.2006.