SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
SOCIOLOGIA E MEIO
AMBIENTE
SOCIOLOGIA E MEIO AMBIENTE
A preocupação da Sociologia
com a temática ambiental
coincidiu com o fortalecimento
dos movimentos de protesto
contra a degradação dos
recursos naturais e com a
constatação científica de que o
desenvolvimento econômico
capitalista está associado à
utilização de tecnologias
ambientalmente predatórias.
POLÍTICA, SOCIEDADE E A IDEIA DE SEGURANÇA
ALIMENTAR
 Uma das discussões sociológicas relacionadas aos problemas
socioambientais se desenvolveu no debate sobre meio ambiente e
sustentabilidade: a questão da fome e da segurança alimentar.
 A ideia difundida no século XIX de que a fome e a pobreza seriam
resultado de uma produção de alimentos insuficiente em relação ao
crescimento populacional foi criticada e superada ao longo do século
XX.
 O conceito de segurança alimentar desenvolveu-se no período
posterior à Segunda Guerra Mundial, com o estabelecimento de
políticas agrícolas voltadas para garantir o abastecimento de alimentos
nos países em conflito.
 A ideia de segurança alimentar consolidou-se na década de 1990 e levou ao
princípio de que todas as pessoas tem direito à alimentação sadia e nutritiva, e é
dever do Estado desenvolver politicas públicas para garantir esse direito (cestas
básicas, distribuição de alimentos, programas de renda mínima, etc.).
 Em 1996 algumas organizações camponesas apresentaram o conceito de Soberania
Alimentar, em contraponto ao de Segurança Alimentar.
 De acordo com a Soberania Alimentar, o alimento é um direito humano, não apenas
uma mercadoria comum.
 Crítica a violação do direito à alimentação saudável, que deveria ser garantido a
todos os seres humanos, porque as grandes empresas controlam o mercado de
alimentos e condicionam o acesso a eles à renda dos indivíduos.
 Ou seja, a população pobre fica privada do acesso a alimentos de qualidade.
SOBERANIA ALIMENTAR
 Direito dos povos a uma produção saudável e culturalmente
apropriada através de métodos agroecológicos, e seu direito a definir
o seu próprio regime alimentar e sistema agrícola;
 Prioridade ao mercado das economias locais e nacionais e poder aos
camponeses, a agricultura familiar, pesca artesanal, silvicultura, e a
produção, distribuição e consumo alimentar baseado na economia
social e ambiental.
 Assegura que os direitos de uso e manejo das nossas terras,
territórios, águas, sementes, pecuária e biodiversidade estejam nas
mãos de quem produz os alimentos.
SOBERANIA ALIMENTAR
 O conceito de Soberania Alimentar refere-se ao conjunto de medidas
que devem ser adotadas por todas as nações, tendo como princípio
a ideia de que, para ser protagonista e soberano de sua existência,
um povo deve ter recursos e o apoio necessário para produzir seus
próprios alimentos, com acesso a eles em qualquer época do ano e
de modo adequado a seu ambiente e a seus hábitos alimentares.
 A persistência da fome é simultânea à existência de grandes
propriedade de terras concentradas nas mãos de poucas pessoas, à
produção voltada para o lucro e, contraditoriamente, aos avanços
técnicos que permitem maior produção em tempo cada vez menor.
Agricultura intensiva – uso de sementes transgênicas e agrotóxicos para garantir a alta produtividade
SOBERANIA ALIMENTAR
Soberania Alimentar – valorização das economias locais
SOBERANIA ALIMENTAR
 A partir do estabelecimento do conceito de Soberania Alimentar ,
ficou mais presente a importância de uma agricultura que produza
alimentos básicos (e não apenas commodities, ou seja, matérias-
primas para exportação), com qualidade adequada para o consumo
humano.
 É preciso que o Estado crie garantias para além da economia de
mercado através da implantação de politicas públicas que
garantissem que a alimentação fosse defendida como uma condição
básica à sobrevivência não apenas física, mas também cultural.
VALORIZAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR
 Diz respeito ao modo de organização da produção agrícola por
pequenos proprietários rurais, quando há união entre a gestão e o
trabalho. É desenvolvida por núcleos familiares, que são ao mesmo
tempo proprietários dos meios de produção e a mão de obra das
atividades produtivas.
 Esse modelo de agricultura contrasta com o modelo patronal,
realizado em propriedades médias ou grandes, que utiliza
trabalhadores contratados, com gestão separada do trabalho.
 Embora ocupe área
menor, a agricultura
familiar é a
principal forma de
produção dos
alimentos básicos
no Brasil
AGRICULTURA FAMILIAR
 Cerca de 60% dos alimentos
consumidos pela população
brasileira são produzidos por
agricultores familiares. No Brasil,
a agricultura familiar é
responsável pela produção de
87% da produção nacional de
mandioca, 70% da produção de
feijão, 46% do milho, 38% do
café, 34% do arroz, 21% do
trigo e, na pecuária, 60% do leite,
59% do plantel de suínos e 50%
das aves.
MAPA DA FOME ONU 2014
CRISE ALIMENTAR E SUSTENTABILIDADE: a globalização e
a produção de alimentos
 Os anos de 2007 e 2008 foram testemunhas de uma grave crise de
alimentos no mundo todo. A “crise” pode ser definida como o
aumento expressivo no preço de produtos alimentícios (arroz, feijão,
leite, carne, etc.). De acordo com o Banco Mundial, nesse período os
preços dos alimentos subiram em média 83%.
 O índice de preços de seis commodities, elaborada pela FAO
(Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura),
subiu 38% entre 2004 e 2007. Como resultado da crise, o preço dos
alimentos subiu 40% nos últimos meses de 2008.
 Essa crise colocou novamente em pauta o debate sobre a pobreza e
a fome, tendo em vista a situação de vulnerabilidade das populações
mais pobres em relação ao aumento de preço dos gêneros
alimentícios.
PRINCIPAIS CAUSAS PARA A RECENTE ALTA DE PREÇOS:
 a) aumento da demanda por alimentos;
 b) maior demanda por combustíveis (encarecimento do petróleo,
aumento do uso de biocombustíveis pelos EUA e União Europeia);
 c) especulação do mercado financeiro (elevação do preços das
commodities);
 d) mudanças climáticas e perdas de safras (aumento dos preços dos
alimentos por diminuição da oferta);
 e) diminuição de terras cultivadas (avanço da industrialização em
países como Brasil, China, Índia e outros países da América do Sul, da
África e da Ásia acarretou uma intensa migração em direção aos
centros urbanos e a diminuição da população economicamente ativa
no campo);
 O desenvolvimento capitalista, em especial no que se refere
ao campo, deu evidentes provas de esgotamento pela
insustentabilidade, seja do ponto de vista do uso de
recursos, seja dos preços dos alimentos.
 A globalização trouxe também a oportunidade de se
discutirem modelos alternativos para uma economia
sustentável como caminho de superação da pobreza e da
fome.
MODERNIZAÇÃO, TRANSFORMAÇÃO SOCIAL E MEIO
AMBIENTE
 A modernização das sociedades é um dos primeiros temas de interesse
da Sociologia;
 O processo de modernização envolve aspectos econômicos, políticos e
sociais; está presente na noção atual de indivíduo, na ideia de
racionalização em substituição às crenças religiosas, na burocratização
das instituições em substituição à organização afetiva tradicional;
 A crítica aos efeitos de desagregação social do capitalismo também
considerou seus impactos sobre o meio ambiente;
 A escassez de água e de comida que ainda persiste em diferentes partes
do mundo é consequência do consumismo e do materialismo da cultura
ocidental. De acordo com Shiva, as grandes corporações, na busca
incessante de lucros, aprofundam as crises ambientais;
MODERNIZAÇÃO, TRANSFORMAÇÃO SOCIAL E MEIO
AMBIENTE
 São muitos as evidências de que os problemas ambientais afetam as
sociedades material e culturalmente:
 Transformação da cultura do interior no processo de modernização;
 A sociabilidade;
 Substituição da agricultura de subsistência pela agricultura comercial,
dependente dos centros urbanos e do comércio exterior à comunidade;
 A questão da moradia em grandes centros urbanos, que leva à ocupação
informal de áreas da cidade desprovidas de instalações sanitárias
necessárias, como grande parte das favelas;
 Perigos de deslizamentos, inundações e problemas de saúde ligados à falta
de saneamento
JUSTIÇA AMBIENTAL
 Conjunto de princípios que assegura que nenhum grupo de pessoas
suporte uma parcela desproporcional de degradação ambiental.
 Injustiça ambiental – condição de desigualdade, operada e
sustentada por mecanismos sociopolíticos, que destina a maior parte
das consequências dos danos ambientais do desenvolvimento a
grupos sociais de trabalhadores, populações de baixa renda,
segmentos discriminados, marginalizados e vulneráveis da
sociedade.
 Necessidade de produzir políticas públicas pensadas e construídas a
partir das vozes dos habitantes das comunidades vulneráveis.
JUSTIÇA AMBIENTAL, MODERNIZAÇÃO ECOLÓGICA E
CONFLITOS AMBIENTAIS NO BRASIL
 A questão ambiental começou a ser discutida de uma forma mais
nítida no Brasil durante a redação e promulgação da Constituição de
1988 e da Rio-92, quando surgiram o Fórum Brasileiro de ONGs e os
Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento;
 Essa nova relação entre o meio ambiente e a justiça social serviu de
base para a construção de uma agenda comum entre as entidades
ambientalistas, o ativismo sindical, o Movimento dos Trabalhadores
Rurais Sem-Terra e o Movimento dos Atingidos por Barragens, assim
como com seringueiros, extrativistas, o Movimento Indígena e os
movimentos comunitários das periferias urbanas.
 A modernização ecológica é um processo que procura conciliar o
crescimento econômico e a resolução de conflitos ambientais com
ênfase em adaptação tecnológica, economia de mercado e crença na
colaboração e no consenso.
 A questão ambiental apresenta um confronto entre uma posição
cultural e uma posição utilitarista:
 Posição cultural: questiona os valores do consumismo estabelecido
na era capitalista e por meio da industrialização químico-mecanizada
da agricultura;
 Posição utilitarista: inaugurada pelo Clube de Roma, estava
preocupada em assegurar a continuidade da acumulação capitalista
por meio da economia de recursos em matéria e energia.
 A ideia de justiça ambiental se fundamenta na promoção de uma
cultura de direitos e na crítica às consequências da posição
ambiental utilitarista, que defende uma modernização ecológica do
capitalismo contemporâneo sem abordar a questão social em torno
dos conflitos ambientais;
 No Brasil, a relação estabelecida entre movimentos sociais e
ambientais se caracterizará pela defesa aos ambientes culturalmente
definidos (indígenas, quilombolas, ribeirinhos), busca de proteção
social igualitária contra os efeitos de segregação e desigualdade
ambiental produzidos pelo mercado e a defesa dos direitos de
acesso igualitário aos recursos ambientais.
INJUSTIÇA AMBIENTAL NO BRASIL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria CulturalMunis Pedro
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no BrasilBruno Barbosa
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeTurma Olímpica
 
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e IdeologiaMiro Santos
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaMarcelo Freitas
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e SociedadeCarmem Rocha
 
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe AssunçãoAULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Paula Meyer Piagentini
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedadecarlosbidu
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Over Lane
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeMoacyr Anício
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Paula Raphaela
 

Mais procurados (20)

Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
 
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
INDIVÍDUO E SOCIEDADE
INDIVÍDUO E SOCIEDADEINDIVÍDUO E SOCIEDADE
INDIVÍDUO E SOCIEDADE
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
 
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe AssunçãoAULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
CULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADECULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADE
 
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 

Destaque

Meio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedadeMeio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedadeSolange Machado
 
Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"Matheus Yuri
 
Slide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlonSlide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlonderlonpipcbc
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambientelaiszanatta
 
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"Matheus Yuri
 
Dia do diretor 12.11.15
Dia do diretor   12.11.15Dia do diretor   12.11.15
Dia do diretor 12.11.15EEBMiguelCouto
 
Bazar terceiro ano – ensino médio
Bazar terceiro ano – ensino médioBazar terceiro ano – ensino médio
Bazar terceiro ano – ensino médioEEBMiguelCouto
 
Garoto e garota miguel couto
Garoto e garota miguel coutoGaroto e garota miguel couto
Garoto e garota miguel coutoEEBMiguelCouto
 
Profª zaira dia do diretor
Profª zaira   dia do diretorProfª zaira   dia do diretor
Profª zaira dia do diretorEEBMiguelCouto
 

Destaque (20)

Meio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedadeMeio ambiente e sociedade
Meio ambiente e sociedade
 
Sociedade e Meio Ambiente
Sociedade e Meio AmbienteSociedade e Meio Ambiente
Sociedade e Meio Ambiente
 
Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 5 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
 
Meio ambiente e cidadania divanir
Meio ambiente e cidadania divanirMeio ambiente e cidadania divanir
Meio ambiente e cidadania divanir
 
Slide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlonSlide meio-ambiente-derlon
Slide meio-ambiente-derlon
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 2 "homem, sociedade e meio ambiente"
 
Meio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educaçãoMeio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educação
 
Problemas Ambientais
Problemas AmbientaisProblemas Ambientais
Problemas Ambientais
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Dia do diretor 12.11.15
Dia do diretor   12.11.15Dia do diretor   12.11.15
Dia do diretor 12.11.15
 
Quase lâmpada
Quase lâmpadaQuase lâmpada
Quase lâmpada
 
Bazar terceiro ano – ensino médio
Bazar terceiro ano – ensino médioBazar terceiro ano – ensino médio
Bazar terceiro ano – ensino médio
 
Teatro 3º ano
Teatro 3º anoTeatro 3º ano
Teatro 3º ano
 
Projeto meio ambiente
Projeto meio ambienteProjeto meio ambiente
Projeto meio ambiente
 
Quadros arte africana
Quadros arte africanaQuadros arte africana
Quadros arte africana
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Garoto e garota miguel couto
Garoto e garota miguel coutoGaroto e garota miguel couto
Garoto e garota miguel couto
 
Profª zaira dia do diretor
Profª zaira   dia do diretorProfª zaira   dia do diretor
Profª zaira dia do diretor
 

Semelhante a Sociologia e meio ambiente

Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇALe monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇAOxfam Brasil
 
Perspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar BrasileiraPerspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar BrasileiraLarissa Brasileiro
 
Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011nucane
 
Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011nucane
 
Segurança alimentar
Segurança alimentarSegurança alimentar
Segurança alimentarCris Godoy
 
Cartilha SEA 2010
Cartilha SEA 2010Cartilha SEA 2010
Cartilha SEA 2010nucane
 
Cartilha SAE 2010
Cartilha SAE 2010Cartilha SAE 2010
Cartilha SAE 2010nucane
 
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptxColapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptxArleteRamosDosSantos1
 
Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20
Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20
Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20Portal Canal Rural
 
Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...
Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...
Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...EDUINAD
 
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentaçãoALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentaçãoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdfAula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdfAnaPaula570951
 
Ensaio-da-Segurança-Alimentar-no-Brasil
Ensaio-da-Segurança-Alimentar-no-BrasilEnsaio-da-Segurança-Alimentar-no-Brasil
Ensaio-da-Segurança-Alimentar-no-BrasilDaniel Veras, PhD
 
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...Cepagro
 

Semelhante a Sociologia e meio ambiente (20)

Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇALe monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
 
Perspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar BrasileiraPerspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
 
Crise Alimentar Mundial
Crise Alimentar MundialCrise Alimentar Mundial
Crise Alimentar Mundial
 
Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011
 
Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011Cartilha SAE 2011
Cartilha SAE 2011
 
Segurança alimentar
Segurança alimentarSegurança alimentar
Segurança alimentar
 
Aula DHANA.pptx
Aula DHANA.pptxAula DHANA.pptx
Aula DHANA.pptx
 
Cartilha SEA 2010
Cartilha SEA 2010Cartilha SEA 2010
Cartilha SEA 2010
 
Cartilha SAE 2010
Cartilha SAE 2010Cartilha SAE 2010
Cartilha SAE 2010
 
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptxColapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
 
SAE 2014 miolo
SAE 2014 mioloSAE 2014 miolo
SAE 2014 miolo
 
Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20
Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20
Ministério da Agricultura divulga documento do setor agropecuário para a Rio+20
 
Programa de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobres
Programa de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobresPrograma de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobres
Programa de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobres
 
Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...
Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...
Regulação da Publicidade de Alimentos para crianças: uma questão de direitos ...
 
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentaçãoALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
 
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdfAula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
 
Ensaio-da-Segurança-Alimentar-no-Brasil
Ensaio-da-Segurança-Alimentar-no-BrasilEnsaio-da-Segurança-Alimentar-no-Brasil
Ensaio-da-Segurança-Alimentar-no-Brasil
 
Consumo global
Consumo globalConsumo global
Consumo global
 
Críticas à revolução verde
Críticas à revolução verde Críticas à revolução verde
Críticas à revolução verde
 
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
“AGRICULTURA URBANA: Um estudo de caso nas comunidades Chico Mendes e Jardim ...
 

Mais de EEBMiguelCouto

Mais de EEBMiguelCouto (20)

Pc sc - terceira parte (ciências humanas)
Pc  sc - terceira parte (ciências humanas)Pc  sc - terceira parte (ciências humanas)
Pc sc - terceira parte (ciências humanas)
 
Instalação
InstalaçãoInstalação
Instalação
 
Arte gótica vitrais
Arte gótica   vitraisArte gótica   vitrais
Arte gótica vitrais
 
Pop art
Pop artPop art
Pop art
 
Homenagem profª cleonis r. tomaselli
Homenagem profª cleonis r. tomaselliHomenagem profª cleonis r. tomaselli
Homenagem profª cleonis r. tomaselli
 
Jogos 12 anos
Jogos 12 anosJogos 12 anos
Jogos 12 anos
 
Folders sociologia
Folders sociologiaFolders sociologia
Folders sociologia
 
Dia da consciência negra atividade interdisciplinar
Dia da consciência negra   atividade interdisciplinarDia da consciência negra   atividade interdisciplinar
Dia da consciência negra atividade interdisciplinar
 
Arte africana 9º ano
Arte africana   9º anoArte africana   9º ano
Arte africana 9º ano
 
Arte africana 7º ano
Arte africana   7º ano  Arte africana   7º ano
Arte africana 7º ano
 
Halloween
HalloweenHalloween
Halloween
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
Teatro fantoches 7º ano
Teatro fantoches   7º anoTeatro fantoches   7º ano
Teatro fantoches 7º ano
 
Grafismo indígena
Grafismo indígenaGrafismo indígena
Grafismo indígena
 
Bnc 21 de outubro de 2015
Bnc   21 de outubro de 2015Bnc   21 de outubro de 2015
Bnc 21 de outubro de 2015
 
Homenagem dia dos professores
Homenagem dia dos professoresHomenagem dia dos professores
Homenagem dia dos professores
 
My town
My townMy town
My town
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
PC - SC - 2ª parte
PC - SC - 2ª partePC - SC - 2ª parte
PC - SC - 2ª parte
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 

Último

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 

Último (20)

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 

Sociologia e meio ambiente

  • 2. SOCIOLOGIA E MEIO AMBIENTE A preocupação da Sociologia com a temática ambiental coincidiu com o fortalecimento dos movimentos de protesto contra a degradação dos recursos naturais e com a constatação científica de que o desenvolvimento econômico capitalista está associado à utilização de tecnologias ambientalmente predatórias.
  • 3. POLÍTICA, SOCIEDADE E A IDEIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR  Uma das discussões sociológicas relacionadas aos problemas socioambientais se desenvolveu no debate sobre meio ambiente e sustentabilidade: a questão da fome e da segurança alimentar.  A ideia difundida no século XIX de que a fome e a pobreza seriam resultado de uma produção de alimentos insuficiente em relação ao crescimento populacional foi criticada e superada ao longo do século XX.  O conceito de segurança alimentar desenvolveu-se no período posterior à Segunda Guerra Mundial, com o estabelecimento de políticas agrícolas voltadas para garantir o abastecimento de alimentos nos países em conflito.
  • 4.  A ideia de segurança alimentar consolidou-se na década de 1990 e levou ao princípio de que todas as pessoas tem direito à alimentação sadia e nutritiva, e é dever do Estado desenvolver politicas públicas para garantir esse direito (cestas básicas, distribuição de alimentos, programas de renda mínima, etc.).  Em 1996 algumas organizações camponesas apresentaram o conceito de Soberania Alimentar, em contraponto ao de Segurança Alimentar.  De acordo com a Soberania Alimentar, o alimento é um direito humano, não apenas uma mercadoria comum.  Crítica a violação do direito à alimentação saudável, que deveria ser garantido a todos os seres humanos, porque as grandes empresas controlam o mercado de alimentos e condicionam o acesso a eles à renda dos indivíduos.  Ou seja, a população pobre fica privada do acesso a alimentos de qualidade.
  • 5. SOBERANIA ALIMENTAR  Direito dos povos a uma produção saudável e culturalmente apropriada através de métodos agroecológicos, e seu direito a definir o seu próprio regime alimentar e sistema agrícola;  Prioridade ao mercado das economias locais e nacionais e poder aos camponeses, a agricultura familiar, pesca artesanal, silvicultura, e a produção, distribuição e consumo alimentar baseado na economia social e ambiental.  Assegura que os direitos de uso e manejo das nossas terras, territórios, águas, sementes, pecuária e biodiversidade estejam nas mãos de quem produz os alimentos.
  • 6. SOBERANIA ALIMENTAR  O conceito de Soberania Alimentar refere-se ao conjunto de medidas que devem ser adotadas por todas as nações, tendo como princípio a ideia de que, para ser protagonista e soberano de sua existência, um povo deve ter recursos e o apoio necessário para produzir seus próprios alimentos, com acesso a eles em qualquer época do ano e de modo adequado a seu ambiente e a seus hábitos alimentares.  A persistência da fome é simultânea à existência de grandes propriedade de terras concentradas nas mãos de poucas pessoas, à produção voltada para o lucro e, contraditoriamente, aos avanços técnicos que permitem maior produção em tempo cada vez menor.
  • 7. Agricultura intensiva – uso de sementes transgênicas e agrotóxicos para garantir a alta produtividade
  • 8. SOBERANIA ALIMENTAR Soberania Alimentar – valorização das economias locais
  • 9. SOBERANIA ALIMENTAR  A partir do estabelecimento do conceito de Soberania Alimentar , ficou mais presente a importância de uma agricultura que produza alimentos básicos (e não apenas commodities, ou seja, matérias- primas para exportação), com qualidade adequada para o consumo humano.  É preciso que o Estado crie garantias para além da economia de mercado através da implantação de politicas públicas que garantissem que a alimentação fosse defendida como uma condição básica à sobrevivência não apenas física, mas também cultural.
  • 10. VALORIZAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR  Diz respeito ao modo de organização da produção agrícola por pequenos proprietários rurais, quando há união entre a gestão e o trabalho. É desenvolvida por núcleos familiares, que são ao mesmo tempo proprietários dos meios de produção e a mão de obra das atividades produtivas.  Esse modelo de agricultura contrasta com o modelo patronal, realizado em propriedades médias ou grandes, que utiliza trabalhadores contratados, com gestão separada do trabalho.
  • 11.  Embora ocupe área menor, a agricultura familiar é a principal forma de produção dos alimentos básicos no Brasil
  • 12. AGRICULTURA FAMILIAR  Cerca de 60% dos alimentos consumidos pela população brasileira são produzidos por agricultores familiares. No Brasil, a agricultura familiar é responsável pela produção de 87% da produção nacional de mandioca, 70% da produção de feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz, 21% do trigo e, na pecuária, 60% do leite, 59% do plantel de suínos e 50% das aves.
  • 13. MAPA DA FOME ONU 2014
  • 14. CRISE ALIMENTAR E SUSTENTABILIDADE: a globalização e a produção de alimentos  Os anos de 2007 e 2008 foram testemunhas de uma grave crise de alimentos no mundo todo. A “crise” pode ser definida como o aumento expressivo no preço de produtos alimentícios (arroz, feijão, leite, carne, etc.). De acordo com o Banco Mundial, nesse período os preços dos alimentos subiram em média 83%.  O índice de preços de seis commodities, elaborada pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), subiu 38% entre 2004 e 2007. Como resultado da crise, o preço dos alimentos subiu 40% nos últimos meses de 2008.  Essa crise colocou novamente em pauta o debate sobre a pobreza e a fome, tendo em vista a situação de vulnerabilidade das populações mais pobres em relação ao aumento de preço dos gêneros alimentícios.
  • 15. PRINCIPAIS CAUSAS PARA A RECENTE ALTA DE PREÇOS:  a) aumento da demanda por alimentos;  b) maior demanda por combustíveis (encarecimento do petróleo, aumento do uso de biocombustíveis pelos EUA e União Europeia);  c) especulação do mercado financeiro (elevação do preços das commodities);  d) mudanças climáticas e perdas de safras (aumento dos preços dos alimentos por diminuição da oferta);  e) diminuição de terras cultivadas (avanço da industrialização em países como Brasil, China, Índia e outros países da América do Sul, da África e da Ásia acarretou uma intensa migração em direção aos centros urbanos e a diminuição da população economicamente ativa no campo);
  • 16.  O desenvolvimento capitalista, em especial no que se refere ao campo, deu evidentes provas de esgotamento pela insustentabilidade, seja do ponto de vista do uso de recursos, seja dos preços dos alimentos.  A globalização trouxe também a oportunidade de se discutirem modelos alternativos para uma economia sustentável como caminho de superação da pobreza e da fome.
  • 17. MODERNIZAÇÃO, TRANSFORMAÇÃO SOCIAL E MEIO AMBIENTE  A modernização das sociedades é um dos primeiros temas de interesse da Sociologia;  O processo de modernização envolve aspectos econômicos, políticos e sociais; está presente na noção atual de indivíduo, na ideia de racionalização em substituição às crenças religiosas, na burocratização das instituições em substituição à organização afetiva tradicional;  A crítica aos efeitos de desagregação social do capitalismo também considerou seus impactos sobre o meio ambiente;  A escassez de água e de comida que ainda persiste em diferentes partes do mundo é consequência do consumismo e do materialismo da cultura ocidental. De acordo com Shiva, as grandes corporações, na busca incessante de lucros, aprofundam as crises ambientais;
  • 18. MODERNIZAÇÃO, TRANSFORMAÇÃO SOCIAL E MEIO AMBIENTE  São muitos as evidências de que os problemas ambientais afetam as sociedades material e culturalmente:  Transformação da cultura do interior no processo de modernização;  A sociabilidade;  Substituição da agricultura de subsistência pela agricultura comercial, dependente dos centros urbanos e do comércio exterior à comunidade;  A questão da moradia em grandes centros urbanos, que leva à ocupação informal de áreas da cidade desprovidas de instalações sanitárias necessárias, como grande parte das favelas;  Perigos de deslizamentos, inundações e problemas de saúde ligados à falta de saneamento
  • 19. JUSTIÇA AMBIENTAL  Conjunto de princípios que assegura que nenhum grupo de pessoas suporte uma parcela desproporcional de degradação ambiental.  Injustiça ambiental – condição de desigualdade, operada e sustentada por mecanismos sociopolíticos, que destina a maior parte das consequências dos danos ambientais do desenvolvimento a grupos sociais de trabalhadores, populações de baixa renda, segmentos discriminados, marginalizados e vulneráveis da sociedade.  Necessidade de produzir políticas públicas pensadas e construídas a partir das vozes dos habitantes das comunidades vulneráveis.
  • 20. JUSTIÇA AMBIENTAL, MODERNIZAÇÃO ECOLÓGICA E CONFLITOS AMBIENTAIS NO BRASIL  A questão ambiental começou a ser discutida de uma forma mais nítida no Brasil durante a redação e promulgação da Constituição de 1988 e da Rio-92, quando surgiram o Fórum Brasileiro de ONGs e os Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento;  Essa nova relação entre o meio ambiente e a justiça social serviu de base para a construção de uma agenda comum entre as entidades ambientalistas, o ativismo sindical, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra e o Movimento dos Atingidos por Barragens, assim como com seringueiros, extrativistas, o Movimento Indígena e os movimentos comunitários das periferias urbanas.
  • 21.  A modernização ecológica é um processo que procura conciliar o crescimento econômico e a resolução de conflitos ambientais com ênfase em adaptação tecnológica, economia de mercado e crença na colaboração e no consenso.  A questão ambiental apresenta um confronto entre uma posição cultural e uma posição utilitarista:  Posição cultural: questiona os valores do consumismo estabelecido na era capitalista e por meio da industrialização químico-mecanizada da agricultura;  Posição utilitarista: inaugurada pelo Clube de Roma, estava preocupada em assegurar a continuidade da acumulação capitalista por meio da economia de recursos em matéria e energia.
  • 22.  A ideia de justiça ambiental se fundamenta na promoção de uma cultura de direitos e na crítica às consequências da posição ambiental utilitarista, que defende uma modernização ecológica do capitalismo contemporâneo sem abordar a questão social em torno dos conflitos ambientais;  No Brasil, a relação estabelecida entre movimentos sociais e ambientais se caracterizará pela defesa aos ambientes culturalmente definidos (indígenas, quilombolas, ribeirinhos), busca de proteção social igualitária contra os efeitos de segregação e desigualdade ambiental produzidos pelo mercado e a defesa dos direitos de acesso igualitário aos recursos ambientais.