SlideShare uma empresa Scribd logo
FREIRE, Paulo. Pedagogia da
Autonomia: Saberes necessários à
prática educativa, Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 2000.
Responsável pelo resumo e montagem dos slides:
Profa. Ma. Maria de Lourdes Granato Almeida
Acervo fotográfico do Autor Igor Granato
Cap. 1 Não há
docência sem
discência
Ensinar exige rigorosidade metódica
Ensinar exige pesquisa
Ensinar exige respeito aos saberes
dos educandos
Ensinarexigecriticidade
Ensinarexigeestéticaeética
Ensinar exige
corporeificação das palavras
pelo exemplo
Ensinar exige risco, aceitação do
novo e rejeição a discriminação
Ensinarexigereflexão
críticasobreaprática
Ensinarexige
o
reconhecim
ento
e
aassunção
aidentidade
cultural
1.1 – Ensinar exige rigorosidade
metódica
blogessenciaeequilibrio.blogspot.com
• Uma de suas tarefas primordiais é trabalhar
com os educandos a rigorosidade metódica
com que devem se "aproximar" dos abjetos
cognoscíveis. E esta rigorosidade metódica
não tem nada que ver com o discurso
"bancário" meramente transferido do perfil
do objeto ou do conteúdo.
• Ao ser produzido, o conhecimento novo
supera outro antes que foi novo e se fez velho
e se "dispõe" a ser ultrapassado por outro
amanhã. Daí que seja tão fundamental
conhecer o conhecimento existente quanto
saber que estamos abertos e aptos à
produção do conhecimento ainda não
existente.
1.2 – Ensinar exige pesquisa
ENSINAR
EXIGEPESQUISA!
coeliribas.blogspot.com
http://www.google.com.br/imgres?q=Ensinar+exige+pesquisa
soleituras.wordpress.com
Ensinar, aprender e pesquisar lidam com dois
momentos do ciclo gnosiológico:
-o em que se ensina e se aprende o conhecimento
já existente e
-o em que se trabalha a produção do conhecimento
ainda não existente.
A "dodiscência" - docência-discência - e a pesquisa,
indicotomizáveis, são assim práticas requeridas por
estes momentos do ciclo
•O saber de pura experiência feito.
1.3 – Ensinar exige respeito aos
saberes dos educandos
mltiplasvivncias.blogspot.com
pelocorredordaescola.blogspot.com
Porque não discutir com os alunos a
realidade concreta a que se deva associar a
disciplina cujo conteúdo se ensina, a
realidade agressiva em que a violência é a
constante e a convivência das pessoas é
muito maior com a morte do que com a
vida?
Porque não estabelecer uma
necessária "intimidade" entre
os saberes curriculares
fundamentais aos alunos e a
experiência social que eles
têm como indivíduos?
1.4 – Ensinar exige criticidade
"Ensinar exige criticidade, reflexão da metodologia, pensar e agir.“
blogemiliodevasconceloscosta.blogspot.com
...acriticidadeeavisãoampla:lerépensare
escreverépensarduas...
duvidesem
pre.blogspot.com
É superar a curiosidade ingênua, sem
deixar de ser curiosidade, pelo
contrário, continuando a ser
curiosidade, se criticiza. Ao criticizar-
se, tornando-se então, curiosidade
epistemológica, metodicamente
"rigorizando-se" na sua aproximação
ao objeto, percebe a sua relação
com os demais dados e objetos e
encontra cada vez maior exatidão.
1.5 – Ensinar exige estética e ética
Assuntos como ética, estética, respeito e cidadania planetária devem
estar ... educacaoambientalparatodos.blogspot.com
NayaraRibeiro:"Ensinarexigeestéticaeética"
pedagogiadoamornayara.blogspot.com
Otermoéticaderivadogregoethos
(caráter,mododeserdeumapessoa).
eticaecidadania-sm.blogspot.com
• A necessária promoção da ingenuidade
a criticidade não pode ou não deve ser
feita a distância de uma rigorosa
formação ética ao lado sempre da
estética.
• Decência e boniteza de mãos dadas.
• Estar sendo é a condição, entre nós,
para ser.
1.6 – Ensinar exige corporeificação
das palavras pelo exemplo
Ensinar exige a corporeificação das palavras pelo
exemplo; palavraemmim.blogspot.com
O professor que realmente ensina,
quer dizer, que trabalha os conteúdos
no quadro da rigorosidade do pensar
certo, nega, como falsa, a fórmula
farisaica do "faça o que mando e não o
que eu faço". Quem pensa certo está
cansado de saber que as palavras a
que falta corporeidade do exemplo
pouco ou quase nada valem. Pensar
certo é fazer certo.
1.7 – Ensinar exige risco, aceitação
do novo e rejeição a discriminação
Quando nos deparamos com o novo, o diferente é necessário que
busquemos os ... gestaodoconhecimento-
... mudanças de velhas práticas e é o resultado de um processo de
acumulação ... gestaodoconhecimento-
É próprio do pensar certo a disponibilidade
ao risco, a aceitação do novo que não
pode ser negado ou acolhido só porque é
novo, assim como o critério de recusa ao
velho não é apenas o cronológico. O velho
que preserva sua validade ou que encarna
uma tradição ou marca uma presença no
tempo continua novo.
Faz parte igualmente do pensar certo
a rejeição mais decidida qualquer
forma de discriminação. A prática
preconceituosa de raça, de gênero
ofende a substantividade do ser
humano e nega radicalmente a
democracia.
1.8 – Ensinar exige reflexão crítica
sobre a prática
... que se viva na escola, não pode ser negligenciada e exige reflexão.
portfoliopedagogia.blogspot.com
• O pensar certo sabe, por exemplo, que não é partir
dele como um dado dado, que se conforma a
prática docente crítica, mas também que sem ele
não se funda aquela.
• A prática docente crítica, implicante do pensar
certo, envolve o movimento dinâmico, dialético,
entre o fazer e o pensar sobre o fazer.
• O saber que a prática docente espontânea ou
quase espontânea, "desarmada", indiscutivelmente
produz é um saber ingênuo, um saber de
experiência feito, a que falta a rigorosidade
metódica que caracteriza a curiosidade
epistemológica do sujeito.
• É fundamental que, na prática da formação
docente, o aprendiz de educador assuma
que o indispensável pensar certo não é
presente dos deuses nem se acha nos guias
de professores que iluminados intelectuais
escrevem desde o centro do poder, mas,
pelo contrário, o pensar certo que supera o
ingênuo tem que ser produzido pelo próprio
aprendiz em comunhão com o professor
formador.
1.9 – Ensinar exige o
reconhecimento e a assunção da
identidade cultural
“Ensinarexigeoreconhecimentoea
assunçãodaidentidadecultural”
(Paulo...saocamilo-es.br
Im
agensdeim
agensda
culturaM
aori
Imagens de imagens da
cultura Maori
• Assumir-se como sujeito porque capaz
de reconhecer-se como objeto.
• A assunção de nós mesmos não significa
a exclusão dos outros.
• É a "outredade" do "não eu", ou do tu,
que me faz assumir a radicalidade de
meu eu.
Cap. 2 Ensinar
não é transferir
conhecimento
Ensinar exige consciência do
inacabado
Ensinar exige o
reconhecimento de ser
condicionado
Ensinar exige respeito à
autonomia do ser do educando
Ensinar exige bom senso
Ensinarexige
hum
ildade,
tolerânciaelutaem
defesadosdireitos
doseducadores
Ensinar exige apreensão da realidade
Ensinar exige alegria e
esperança
Ensinar exige a convicção
de que a mudança é
possível
Ensinar
exige
curiosidade
2.1 – Ensinar exige consciência do
inacabado
PostadoporMarineideàs7.10.09Nenhumcomentário:...neide-
prof.blogspot.com
• O inacabamento do ser ou sua inconclusão é
próprio da experiência vital.
• Onde há vida, há inacabamento.
• Mas só entre mulheres e homens o
inacabamento se tornou consciente.
• A invenção da existência a partir dos
materiais que a vida oferecia levou homens e
mulheres a promover o suporte em que os
outros animais continuam, em mundo. Não
percebem sua existência.
A invenção da existência envolve:
- a linguagem, a cultura, a comunicação
em níveis mais profundos e complexos
do que o que ocorria e ocorre no
domínio da vida, a "espiritualização" do
mundo, a possibilidade de embelezar
como enfear o mundo e tudo isso
inscreveria mulheres e homens como
seres éticos.
2.2 – Ensinar exige o
reconhecimento de ser
condicionado
Porisso,aparelhosmecânicoseeléctricosdevemserusados
paramaior...alekks.home.sapo.pt
Gosto de ser gente porque, inacabado,
sei que sou um ser condicionado mas,
consciente do inacabamento, sei que
posso ir mais além dele. Esta é a
diferença profunda entre o ser
condicionado e o ser determinado. A
diferença entre o inacabado que não
se sabe como tal e o inacabado que
histórica e socialmente alcançou a
possibilidade de saber-se inacabado.
Na verdade, seria uma contradição se, inacabado e
consciente do inacabamento, o ser humano não se
inserisse movimento de busca. É neste sentido que,
para mulheres e homens, estar no mundo
necessariamente significa estar com o mundo e com
os outros.
NÃO É POSSÍVEL: estar no mundo sem história,
sem por ela ser feito, sem cultura, sem "tratar"
sua própria presença no mundo, sem sonhar
sem cantar, sem musicar, sem pintar, sem
cuidar da terra, das águas, sem usar as mãos,
sem esculpir, sem filosofar, sem pontos de vista
sobre o mundo, sem fazer ciência, ou teologia,
sem assombro em face do mistério, sem
aprender, sem ensinar, sem ideias de formação,
sem politizar.
2.3 – Ensinar exige respeito à
autonomia do ser do educando
“Autonomiadocentenãoseconquistasemumestilodeensinar.”
meilycass.wordpress.com
• O respeito à autonomia e à dignidade de cada
um é um imperativo ético e não um favor que
podemos ou não conceder uns aos outros.
Transgride os princípios fundamentalmente éticos
de nossa existência, o professor que:
• desrespeita a curiosidade do educando, o seu
gosto estético, a sua inquietude, a sua
linguagem, mais precisamente, a sua sintaxe e a
sua prosódia;
• Ironiza o aluno, que minimiza, que manda que
"ele se ponha em seu lugar" ao mais tênue sinal
de sua rebeldia legitima
2.4 – Ensinar exige bom senso
Dobomsenso.protelo.wordpress.com
A vigilância do meu bom senso tem uma
importância enorme na avaliação que, a todo
instante, devo fazer de minha prática.
É o meu bom senso que me adverte de exercer a
minha autoridade de professor na classe, tomando
decisões, orientando atividades, estabelecendo
tarefas, cobrando a produção individual e coletiva
do grupo não é sinal de autoritarismo de minha
parte. É a minha autoridade cumprindo o seu
dever.
2.5 – Ensinar exige humildade,
tolerância e luta em defesa dos
direitos dos educadores
Sitedessaimagem...escolar–alunoseseuspais,professores,
funcionáriosedireção.criticaehistoria.blogspot.com
• O combate em favor da dignidade da
prática docente é tão parte dela mesma
quanto dela faz o respeito que o
professor deve ter à identidade do
educando, à sua pessoa, a seus direito
de ser.
• O meu respeito de professor à pessoa
do educando, à sua curiosidade, à sua
timidez, que não devo agravar com
procedimentos inibidores exige de mim
o cultivo da humildade e da tolerância.
2.6 – Ensinar exige apreensão da
realidade
SitedessaimagemENSINAREXIGEAPREENSÃODAREALIDADE
educaja.com.br
• Mulheres e homens, somos os únicos seres que,
social e historicamente, nos tornamos capazes
de aprender. Por isso, somos os únicos em que
aprender é uma aventura criadora, algo, por
isso mesmo, muito mais rico do que
meramente repetir a lição dada.
• Aprender para nós é construir, reconstruir,
constatar para mudar, o que não se faz sem
abertura ao risco e à aventura do espírito.
• Toda prática educativa demanda a existência de
sujeitos, um que, ensinando, aprende, outro que,
aprendendo, ensina, daí o seu cunho gnosiológico;
• a existência de objetos, conteúdos a serem
ensinados e aprendidos; envolve o uso de métodos,
de técnicas, de materiais; implica, em função de seu
caráter diretivo, objetivo, sonhos, utopias, ideais.
• A sua politicidade, qualidade que tem a prática
educativa de ser política, de não poder ser neutra.
2.7 – Ensinar exige alegria e
esperança
“EDUCAREXIGEALEGRIAEESPERANÇA”«BlogdaEscolaMaríliade
Dirceublogmariliadedirceu.wordpress.com
A esperança é uma espécie de ímpeto
natural possível e necessário, a
desesperança é o aborto deste ímpeto. A
esperança é um condimento indispensável
à experiência histórica. Sem ela, não
haveria História, mas puro determinismo.
Só há História onde há tempo
problematizado e não pré- dado.
“como motivação de minha briga porque,
histórico, vivo a Historia como tempo de
possibilidade e não de determinação. Se a
realidade fosse assim porque estivesse dito que
assim teria de ser não haveria sequer por que ter
raiva. Meu direito à raiva pressupõe que, na
experiência histórica da qual participo, o amanhã
não é algo pré-datado, mas um desafio, um
problema. A minha raiva, minha justa ira, se
funda na minha revolta em face da negação do
direito de "ser mais" inscrito na natureza dos
seres humanos”
2.8 - Ensinar exige a convicção de
que a mudança é possível
2.8ENSINAREXIGEACONVICÇÃODEQUEA
MUDANÇAÉPOSSIVELpedagogiadon.blogspot.com
• É o saber da História como
possibilidade e não como
determinação.
• O mundo não é. O mundo está sendo.
• Como subjetividade curiosa,
inteligente, interferidora na
objetividade com que dialeticamente
me relaciono, meu papel no mundo não
é só o de quem constata o que ocorre
mas também o de quem intervém
como sujeito de ocorrências.
• Não sou apenas objeto da História
mas seu sujeito igualmente.
• No mundo da História, da cultura,
da política, constato não para me
adaptar mas para mudar.
2.9 – Ensinar exige curiosidade
“Semacuriosidadequememove,.quemeinquieta,.quemeinsere
nabusca,Futurodopresente.com.br
• Se há uma prática exemplar como negação
da experiência formadora é a que dificulta
ou inibe a curiosidade do educando e, em
consequência, a do educador.
• O educador que, entregue a procedimentos
autoritários ou paternalistas que impedem
ou dificultam o exercício da curiosidade do
educando, termina por igualmente tolher
sua própria curiosidade.
• A construção ou a produção do conhecimento do
objeto implica o exercício da curiosidade, sua
capacidade crítica de "tomar distância" do objeto, de
observá-lo, de delimitá-lo, de cindi-lo, de "cercar" o
objeto ou fazer sua aproximação metódica, sua
capacidade de comparar, de perguntar.
• Estimular a pergunta, a reflexão crítica sobre a própria
pergunta, o que se pode pretender com esta ou com
aquela pergunta em lugar da passividade em face das
explicações discursivas do professor, espécies de
respostas a perguntas que não foram feitas.
Ensinarexige
disponibilidade
paraodiálogo
Ensinar exige
segurança,
competência
profissional e
generosidade
Ensinarexige
compreender
queaeducaçãoé
umaformade
intervençãono
mundo
Ensinarexigeliberdadeaautoridade
Ensinarexige
reconhecerquea
educação
é
ideológica
Ensinarexige
saberescutar Ensinarexige
tomada
conscientede
decisões
Ensinar exige
comprometimen
toEnsinarexige
quererbem
aos
educandos
Cap. 3 –
Ensinar é uma
especificidade
humana
3.1 – Ensinar exige segurança,
competência profissional e
generosidade
PortariapublicadanoDiárioOficialdaUniãodestasegunda-feira,24,
...espacoeducadoremacao.blogspot.com
• O professor que não leve a sério sua
formação, que não estuda, que não se esforce
para estar à altura de sua tarefa não tem força
moral para coordenar as atividades de sua
classe.
• Não significa, porém, que a opção e a prática
democrática do professor ou da professora
sejam determinadas por sua competência
científica.
• Há professoras cientificamente preparados mas
autoritários a toda prova. O que quero dizer é
que a incompetência profissional desqualifica a
autoridade do professor.
• Outra qualidade indispensável à autoridade em
suas relações com as liberdade é a
generosidade. Não há nada mais que inferiorize
mais a tarefa formadora da autoridade do a
mesquinhez com que se comporte.
3.2 – Ensinar exige
comprometimento
Ensinarexigecomprometimento–Roteirosimplesparaelaboração
doProjeto...enquantoisso.com
Não posso escapar à apreciação dos alunos. E a
maneira como eles me percebem tem
importância capital para o meu desempenho. Daí,
então, que uma de minhas preocupações centrais
deva ser a de procurar a aproximação cada vez
maior entre o que digo e o que faço, entre o que
pareço ser o que realmente estou sendo.
Assumo pesquisar ante aos questionamentos que
não sei de pronto.
3.3 – Ensinar exige compreender
que a educação é uma forma de
intervenção no mundo
Ensinarexige:Compreenderqueaeducaçãoéumaformade
intervençãono...araqueeducar.blogspot.com
• Intervenção que além do conhecimento dos
conteúdos bem ou mal ensinados e/ou
aprendidos implica tanto o esforço de
reprodução da ideologia dominante quanto o
seu desmascaramento.
• Nem somos, mulheres e homens, seres
simplesmente determinados nem tampouco
livres de condicionamentos genéticos,
culturais, sociais, históricos, de classe, de
gênero, que nos marcam e a que nos
achamos referidos.
• Os reacionários vão dizer que não há outro
jeito a não ser a sua resignação. Há uum
fatalismo histórico.
• Mas, minha voz tem outra semântica, tem
outra música. Falo da resistência, da
indignação, da justa ira dos traídos e dos
enganados.
• Somos pois estamos sendo. Nossa
intervenção mesmo que queiramos nunca é
neutra
3.4 – Ensinar exige liberdade a
autoridade
"Ensinar exige liberdade e autoridade“
pensaacabeca.blogspot.com
Mafalda: odeio obediência
candidoneto.blogspot.com
A
U
T
O
R
I
D
A
D
E
A tensão entre autoridade e
liberdade sempre estará
presente e é importante que
esteja e de forma cada vez
mais consciente. Negar essa
tensão compromete o
aprendizado da autonomia,
pois é comum o exercício
legítimo da autoridade ser
confundido com
autoritarismo. O mesmo
acontece com a liberdade
que pode se confundir com
licenciosidade.
L
I
B
E
R
D
A
D
E
3.5 – Ensinar exige tomada
consciente de decisões
...dedecisão,equandoadecisãoestátomadanossentimosno
controle.alinemmarks.blogspot.com
A raiz mais profunda da politicidade da
educação se acha na educabilidade mesma
do ser humano, que se funda na sua
natureza inacabada e da qual se tornou
consciente.
Inacabado, histórico, necessariamente o ser
humano se faria um ser ético, um ser de
opção, de decisão.
3.6 – Ensinar exige saber escutar
Saber Ouvir. reflexosdomeuser.blogspot.com
A arte de saber ouvir. ouvir. CL Luiz Carlos de Oliveira *
distritolc8.com.br
• Somente quem escuta paciente e criticamente o
outro, fala com ele, mesmo que, em certas
condições , precise de falar a ele. O que jamais
faz quem aprende a escutar para poder falar com
é falar impositivamente.
• Até quando, necessariamente, fala contra
posições ou concepções do outro, fala com ele
como sujeito da escuta de sua fala crítica e não
como objeto de seu discurso. O educador que
escuta aprende a difícil lição de transformar o seu
discurso, às vezes necessário, ao aluno, em uma
fala com ele.
blogessenciaeequilibrio.blogspot.com
3.7 – Ensinar exige reconhecer que a
educação é ideológica
A capacidade de penumbrar a realidade, de nos
"miopizar", de nos ensurdecer que tem a
ideologia faz, por exemplo, a muitos de nós,
aceitar docilmente o discurso cinicamente
fatalista neo-liberal que proclama ser o
desemprego no mundo uma desgraça do fim do
século. Ou que os sonhos morreram e que o
válido hoje é o "pragmatismo" pedagógico, é o
treino técnico-científico do educando e não sua
formação de que já não se fala. Formação que,
incluindo a preparação técnico-científica, vai
mais além dela.
3.8 – Ensinar exige disponibilidade
para o diálogo
EIXOSDEDIÁLOGO
forumpaulofreireerechim2012.blogspot.com
• Minha segurança não repousa na falsa suposição de
que sei tudo, de que sou o "maior".
• Minha segurança se funda na convicção de que sei
algo e de que ignoro algo que se junta a certeza de
que posso saber melhor o que já sei e conhecer o que
ainda não sei.
• Minha segurança se alicerça no saber confirmado pela
própria existência de que, se minha inconclusão, de
que sou consciente, atesta, de um lado, minha
ignorância, me abre, de outro, o caminho para
conhecer.
O sujeito que se abre ao mundo e aos outros
inaugura com seu gesto a relação dialógica em que
se confirma como inquietação e curiosidade, como
inconclusão em permanente movimento na
História.
Falar e ouvir com a mesma paixão. Paixão que
transforma, que realiza.
3.9 – Ensinar exige querer bem
aos educandos
QUERERBEM:AMINHAVIVÊNCIAHUMANESCENTE-Moises-Rede
SocialUnifreirerede.unifreire.org
• A afetividade não se acha excluída da cognoscibilidade.
• O que não posso obviamente permitir é que minha
afetividade interfira no cumprimento ético de meu
dever de professor no exercício de minha autoridade.
• Não posso condicionar a avaliação do trabalho escolar
de um aluno ao maior ou menor bem querer que tenha
por ele.
• A minha abertura ao querer bem significa a minha
disponibilidade à alegria de viver.
• Justa alegria de viver, que, assumida plenamente, não
permite que me transforme num ser "adocicado" nem
tampouco num ser arestoso e amargo.
• E ensinar e aprender não podem dar-se fora
da procura, fora da boniteza e da alegria.
• É esta percepção do homem e da mulher
como seres "programados, mas para
aprender" e, portanto, para ensinar, para
conhecer, para intervir, que me faz entender a
prática educativa como um exercício
constante em favor da produção e do
desenvolvimento da autonomia de
educadores e educandos.
• Como prática estritamente humana jamais
pude entender a educação como uma
experiência fria, sem alma, em que os
sentimentos e as emoções, os desejos, os
sonhos devessem ser reprimidos por uma
espécie de ditadura reacionalista.
• Nem tampouco jamais compreendi a prática
educativa como uma experiência a que
faltasse o rigor em que se gera a necessária
disciplina intelectual.
VAMOS REVER
Palavras importantes em Paulo Freire
Epistemologia
A expressão
"epistemologia" deriva
das palavras gregas
"episteme", que significa
"ciência", e "Logia" que
significa "estudo",
podendo ser definida em
sua etimologia como "o
estudo da ciência".
Gnosiologia
É o ramo da filosofia
que se preocupa
com a validade do
conhecimento em
função do sujeito
cognoscente,ou
seja, daquele que
conhece o objeto
Assujeitado
Objeto
aquele que não tem
consciência, não age e
é manipulável.
(Ver "Alienação").
Sujeito -
indivíduo
consciente
e capaz de
agir
autônoma
REIFICADO – TORNAR COISA - COISIFICAR
É não estar absolutamente certo de
nossas certezas
Pensar certo
Condicionado x Determinado
Cuidado, Escola! tropis.org
Aprender
nossa
vocação
Aprendizage
m
permanente
Nossahumanidadenospermite
Diminuir a distância entre a fala e a ação
Fatalidade
histórica
Historicidade
M
OVIM
ENTO
AÇÃOREFLEXÃO
POSSIBILIDADEDETERMINISMO
DESESPERANÇA
IMOBILIDADE
NIILISMO
CUIDADO
Processo de naturalização da
miséria, do fatalismo
histórico
NATURALNORMAL
COMUMCULTURAL
CURIOSIDADE / CRIATIVIDADECURIOSIDADE / CRIATIVIDADE
Ativismo
A teoria sem a prática vira
'verbalismo', assim como a prática
sem teoria, vira ativismo. No
entanto, quando se une a prática
com a teoria tem-se a práxis, a ação
criadora e modificadora da realidade.
Paulo Freire
ENSINAR VEM
DEPOIS QUE SE
DESCOBRE QUE É
POSSÍVEL APRENDER

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Curriculo
CurriculoCurriculo
Slaide afetividade
Slaide   afetividadeSlaide   afetividade
Slaide afetividade
rubiapicinini
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
Professora Florio
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
SMEdeItabaianinha
 
Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
Ines Chaves Preza Freitas
 
Pedagogia Da Autonomia
Pedagogia Da AutonomiaPedagogia Da Autonomia
Pedagogia Da Autonomia
Maristela Couto
 
Competencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escolaCompetencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escola
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
O papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhosO papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhos
Marta Lemos
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
franpani
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Aprendizagem significativa 1
Aprendizagem significativa   1Aprendizagem significativa   1
Aprendizagem significativa 1
Valeria Gonçalves
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
PEDAGOGIA-COLABORATIVA
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Anaí Peña
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolaresA atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
Elizangela Quintela Miranda Costa
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Grasiela Dourado
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
Grasiela Dourado
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
Cursos Profissionalizantes
 

Mais procurados (20)

Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Slaide afetividade
Slaide   afetividadeSlaide   afetividade
Slaide afetividade
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
 
Pedagogia Da Autonomia
Pedagogia Da AutonomiaPedagogia Da Autonomia
Pedagogia Da Autonomia
 
Competencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escolaCompetencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escola
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
O papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhosO papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhos
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Aprendizagem significativa 1
Aprendizagem significativa   1Aprendizagem significativa   1
Aprendizagem significativa 1
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolaresA atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionais
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 

Semelhante a Pedagogia da autonomia

Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Introdução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktinIntrodução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktin
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomiaAula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Nadia Leal
 
Freire aula 3
Freire aula 3Freire aula 3
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
marcaocampos
 
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
Andrea Cortelazzi
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
Alessandra Vidigal
 
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Joka Luiz
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Marciafaria13
 
Livro pedagogia da autonomia
Livro pedagogia da autonomiaLivro pedagogia da autonomia
Livro pedagogia da autonomia
Bruna Magalhães
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Taís Rubinho
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Taís Rubinho
 
Fundamentos 1
Fundamentos 1Fundamentos 1
Fundamentos 1
Luis Fernando
 
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da AutonomiaPaulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
AkarynaA
 
A criança e o número constanc e kamil
A criança e o número constanc e kamilA criança e o número constanc e kamil
A criança e o número constanc e kamil
Leni Ziha
 
Filosofia 1 (1)
Filosofia 1 (1)Filosofia 1 (1)
Filosofia 1 (1)
Matheus Fernandes
 
Slide para educação a distancia
Slide para educação a distanciaSlide para educação a distancia
Slide para educação a distancia
BEGALVO
 
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escolaOs desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
primeiraopcao
 
Escola do camp formação continuada tn
Escola do camp   formação continuada tnEscola do camp   formação continuada tn
Escola do camp formação continuada tn
kito123
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discência
CRIS TORRES
 

Semelhante a Pedagogia da autonomia (20)

Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Introdução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktinIntrodução ao pensamento de baktin
Introdução ao pensamento de baktin
 
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomiaAula iejo   d om_valentino_ pedagogia da autonomia
Aula iejo d om_valentino_ pedagogia da autonomia
 
Freire aula 3
Freire aula 3Freire aula 3
Freire aula 3
 
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
 
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
2. Freire. P. Pedagogia Autonomia. Paulo Deloroso
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
 
Livro pedagogia da autonomia
Livro pedagogia da autonomiaLivro pedagogia da autonomia
Livro pedagogia da autonomia
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
 
Fundamentos 1
Fundamentos 1Fundamentos 1
Fundamentos 1
 
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da AutonomiaPaulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia
 
A criança e o número constanc e kamil
A criança e o número constanc e kamilA criança e o número constanc e kamil
A criança e o número constanc e kamil
 
Filosofia 1 (1)
Filosofia 1 (1)Filosofia 1 (1)
Filosofia 1 (1)
 
Slide para educação a distancia
Slide para educação a distanciaSlide para educação a distancia
Slide para educação a distancia
 
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escolaOs desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
Os desafios da indisciplina em sala de aula e na escola
 
Escola do camp formação continuada tn
Escola do camp   formação continuada tnEscola do camp   formação continuada tn
Escola do camp formação continuada tn
 
Não há docência sem discência
Não há docência sem discênciaNão há docência sem discência
Não há docência sem discência
 

Mais de Soares Junior

Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.
Soares Junior
 
Relações étnico raciais
Relações étnico raciaisRelações étnico raciais
Relações étnico raciais
Soares Junior
 
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro   terezinha rios - compreender e ensinarResumo livro   terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
Soares Junior
 
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoudDez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Soares Junior
 
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffmanAvaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Soares Junior
 
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionaisSistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Soares Junior
 
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
Soares Junior
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
Soares Junior
 
Avaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slideAvaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slide
Soares Junior
 
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Soares Junior
 
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
Soares Junior
 
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSODO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
Soares Junior
 
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVAPROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
Soares Junior
 
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
Soares Junior
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
Soares Junior
 

Mais de Soares Junior (15)

Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.Pedagogia paulo freire.
Pedagogia paulo freire.
 
Relações étnico raciais
Relações étnico raciaisRelações étnico raciais
Relações étnico raciais
 
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro   terezinha rios - compreender e ensinarResumo livro   terezinha rios - compreender e ensinar
Resumo livro terezinha rios - compreender e ensinar
 
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoudDez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
Dez novas competências para ensinar – philippe perrenoud
 
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffmanAvaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
Avaliar para promover as setas do caminho jussara hoffman
 
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionaisSistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
Sistemas nacionais de avaliacao de informacoes educacionais
 
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
“Educação: um tesouro a descobrir” (DELORS et al., 1998).
 
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
 
Avaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slideAvaliacao na educacao slide
Avaliacao na educacao slide
 
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em P...
 
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação - epistemologia e d...
 
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSODO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
DO DISCURSO MONOLÓGICO DA CONSCIÊNCIA AOS GÊNEROS DO DISCURSO
 
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVAPROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
PROFESSOR REFLEXIVO EM UMA ESCOLA REFLEXIVA
 
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
CASTRO, MARIA HELENA GUIMARÃES DE. SISTEMAS NACIONAIS DE AVALIAÇÃO E DE INFOR...
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
 

Último

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Pedagogia da autonomia

  • 1. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. Responsável pelo resumo e montagem dos slides: Profa. Ma. Maria de Lourdes Granato Almeida
  • 2. Acervo fotográfico do Autor Igor Granato
  • 3. Cap. 1 Não há docência sem discência Ensinar exige rigorosidade metódica Ensinar exige pesquisa Ensinar exige respeito aos saberes dos educandos Ensinarexigecriticidade Ensinarexigeestéticaeética Ensinar exige corporeificação das palavras pelo exemplo Ensinar exige risco, aceitação do novo e rejeição a discriminação Ensinarexigereflexão críticasobreaprática Ensinarexige o reconhecim ento e aassunção aidentidade cultural
  • 4. 1.1 – Ensinar exige rigorosidade metódica blogessenciaeequilibrio.blogspot.com
  • 5. • Uma de suas tarefas primordiais é trabalhar com os educandos a rigorosidade metódica com que devem se "aproximar" dos abjetos cognoscíveis. E esta rigorosidade metódica não tem nada que ver com o discurso "bancário" meramente transferido do perfil do objeto ou do conteúdo.
  • 6. • Ao ser produzido, o conhecimento novo supera outro antes que foi novo e se fez velho e se "dispõe" a ser ultrapassado por outro amanhã. Daí que seja tão fundamental conhecer o conhecimento existente quanto saber que estamos abertos e aptos à produção do conhecimento ainda não existente.
  • 7. 1.2 – Ensinar exige pesquisa ENSINAR EXIGEPESQUISA! coeliribas.blogspot.com http://www.google.com.br/imgres?q=Ensinar+exige+pesquisa soleituras.wordpress.com
  • 8. Ensinar, aprender e pesquisar lidam com dois momentos do ciclo gnosiológico: -o em que se ensina e se aprende o conhecimento já existente e -o em que se trabalha a produção do conhecimento ainda não existente. A "dodiscência" - docência-discência - e a pesquisa, indicotomizáveis, são assim práticas requeridas por estes momentos do ciclo •O saber de pura experiência feito.
  • 9. 1.3 – Ensinar exige respeito aos saberes dos educandos mltiplasvivncias.blogspot.com pelocorredordaescola.blogspot.com
  • 10. Porque não discutir com os alunos a realidade concreta a que se deva associar a disciplina cujo conteúdo se ensina, a realidade agressiva em que a violência é a constante e a convivência das pessoas é muito maior com a morte do que com a vida?
  • 11. Porque não estabelecer uma necessária "intimidade" entre os saberes curriculares fundamentais aos alunos e a experiência social que eles têm como indivíduos?
  • 12. 1.4 – Ensinar exige criticidade "Ensinar exige criticidade, reflexão da metodologia, pensar e agir.“ blogemiliodevasconceloscosta.blogspot.com ...acriticidadeeavisãoampla:lerépensare escreverépensarduas... duvidesem pre.blogspot.com
  • 13. É superar a curiosidade ingênua, sem deixar de ser curiosidade, pelo contrário, continuando a ser curiosidade, se criticiza. Ao criticizar- se, tornando-se então, curiosidade epistemológica, metodicamente "rigorizando-se" na sua aproximação ao objeto, percebe a sua relação com os demais dados e objetos e encontra cada vez maior exatidão.
  • 14. 1.5 – Ensinar exige estética e ética Assuntos como ética, estética, respeito e cidadania planetária devem estar ... educacaoambientalparatodos.blogspot.com NayaraRibeiro:"Ensinarexigeestéticaeética" pedagogiadoamornayara.blogspot.com Otermoéticaderivadogregoethos (caráter,mododeserdeumapessoa). eticaecidadania-sm.blogspot.com
  • 15. • A necessária promoção da ingenuidade a criticidade não pode ou não deve ser feita a distância de uma rigorosa formação ética ao lado sempre da estética. • Decência e boniteza de mãos dadas. • Estar sendo é a condição, entre nós, para ser.
  • 16. 1.6 – Ensinar exige corporeificação das palavras pelo exemplo Ensinar exige a corporeificação das palavras pelo exemplo; palavraemmim.blogspot.com
  • 17. O professor que realmente ensina, quer dizer, que trabalha os conteúdos no quadro da rigorosidade do pensar certo, nega, como falsa, a fórmula farisaica do "faça o que mando e não o que eu faço". Quem pensa certo está cansado de saber que as palavras a que falta corporeidade do exemplo pouco ou quase nada valem. Pensar certo é fazer certo.
  • 18. 1.7 – Ensinar exige risco, aceitação do novo e rejeição a discriminação Quando nos deparamos com o novo, o diferente é necessário que busquemos os ... gestaodoconhecimento- ... mudanças de velhas práticas e é o resultado de um processo de acumulação ... gestaodoconhecimento-
  • 19. É próprio do pensar certo a disponibilidade ao risco, a aceitação do novo que não pode ser negado ou acolhido só porque é novo, assim como o critério de recusa ao velho não é apenas o cronológico. O velho que preserva sua validade ou que encarna uma tradição ou marca uma presença no tempo continua novo.
  • 20. Faz parte igualmente do pensar certo a rejeição mais decidida qualquer forma de discriminação. A prática preconceituosa de raça, de gênero ofende a substantividade do ser humano e nega radicalmente a democracia.
  • 21. 1.8 – Ensinar exige reflexão crítica sobre a prática ... que se viva na escola, não pode ser negligenciada e exige reflexão. portfoliopedagogia.blogspot.com
  • 22. • O pensar certo sabe, por exemplo, que não é partir dele como um dado dado, que se conforma a prática docente crítica, mas também que sem ele não se funda aquela. • A prática docente crítica, implicante do pensar certo, envolve o movimento dinâmico, dialético, entre o fazer e o pensar sobre o fazer. • O saber que a prática docente espontânea ou quase espontânea, "desarmada", indiscutivelmente produz é um saber ingênuo, um saber de experiência feito, a que falta a rigorosidade metódica que caracteriza a curiosidade epistemológica do sujeito.
  • 23. • É fundamental que, na prática da formação docente, o aprendiz de educador assuma que o indispensável pensar certo não é presente dos deuses nem se acha nos guias de professores que iluminados intelectuais escrevem desde o centro do poder, mas, pelo contrário, o pensar certo que supera o ingênuo tem que ser produzido pelo próprio aprendiz em comunhão com o professor formador.
  • 24. 1.9 – Ensinar exige o reconhecimento e a assunção da identidade cultural “Ensinarexigeoreconhecimentoea assunçãodaidentidadecultural” (Paulo...saocamilo-es.br Im agensdeim agensda culturaM aori Imagens de imagens da cultura Maori
  • 25. • Assumir-se como sujeito porque capaz de reconhecer-se como objeto. • A assunção de nós mesmos não significa a exclusão dos outros. • É a "outredade" do "não eu", ou do tu, que me faz assumir a radicalidade de meu eu.
  • 26. Cap. 2 Ensinar não é transferir conhecimento Ensinar exige consciência do inacabado Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Ensinar exige respeito à autonomia do ser do educando Ensinar exige bom senso Ensinarexige hum ildade, tolerânciaelutaem defesadosdireitos doseducadores Ensinar exige apreensão da realidade Ensinar exige alegria e esperança Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível Ensinar exige curiosidade
  • 27.
  • 28. 2.1 – Ensinar exige consciência do inacabado PostadoporMarineideàs7.10.09Nenhumcomentário:...neide- prof.blogspot.com
  • 29. • O inacabamento do ser ou sua inconclusão é próprio da experiência vital. • Onde há vida, há inacabamento. • Mas só entre mulheres e homens o inacabamento se tornou consciente. • A invenção da existência a partir dos materiais que a vida oferecia levou homens e mulheres a promover o suporte em que os outros animais continuam, em mundo. Não percebem sua existência.
  • 30. A invenção da existência envolve: - a linguagem, a cultura, a comunicação em níveis mais profundos e complexos do que o que ocorria e ocorre no domínio da vida, a "espiritualização" do mundo, a possibilidade de embelezar como enfear o mundo e tudo isso inscreveria mulheres e homens como seres éticos.
  • 31. 2.2 – Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Porisso,aparelhosmecânicoseeléctricosdevemserusados paramaior...alekks.home.sapo.pt
  • 32. Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele. Esta é a diferença profunda entre o ser condicionado e o ser determinado. A diferença entre o inacabado que não se sabe como tal e o inacabado que histórica e socialmente alcançou a possibilidade de saber-se inacabado.
  • 33. Na verdade, seria uma contradição se, inacabado e consciente do inacabamento, o ser humano não se inserisse movimento de busca. É neste sentido que, para mulheres e homens, estar no mundo necessariamente significa estar com o mundo e com os outros.
  • 34. NÃO É POSSÍVEL: estar no mundo sem história, sem por ela ser feito, sem cultura, sem "tratar" sua própria presença no mundo, sem sonhar sem cantar, sem musicar, sem pintar, sem cuidar da terra, das águas, sem usar as mãos, sem esculpir, sem filosofar, sem pontos de vista sobre o mundo, sem fazer ciência, ou teologia, sem assombro em face do mistério, sem aprender, sem ensinar, sem ideias de formação, sem politizar.
  • 35. 2.3 – Ensinar exige respeito à autonomia do ser do educando “Autonomiadocentenãoseconquistasemumestilodeensinar.” meilycass.wordpress.com
  • 36. • O respeito à autonomia e à dignidade de cada um é um imperativo ético e não um favor que podemos ou não conceder uns aos outros. Transgride os princípios fundamentalmente éticos de nossa existência, o professor que: • desrespeita a curiosidade do educando, o seu gosto estético, a sua inquietude, a sua linguagem, mais precisamente, a sua sintaxe e a sua prosódia; • Ironiza o aluno, que minimiza, que manda que "ele se ponha em seu lugar" ao mais tênue sinal de sua rebeldia legitima
  • 37. 2.4 – Ensinar exige bom senso Dobomsenso.protelo.wordpress.com
  • 38. A vigilância do meu bom senso tem uma importância enorme na avaliação que, a todo instante, devo fazer de minha prática. É o meu bom senso que me adverte de exercer a minha autoridade de professor na classe, tomando decisões, orientando atividades, estabelecendo tarefas, cobrando a produção individual e coletiva do grupo não é sinal de autoritarismo de minha parte. É a minha autoridade cumprindo o seu dever.
  • 39. 2.5 – Ensinar exige humildade, tolerância e luta em defesa dos direitos dos educadores Sitedessaimagem...escolar–alunoseseuspais,professores, funcionáriosedireção.criticaehistoria.blogspot.com
  • 40. • O combate em favor da dignidade da prática docente é tão parte dela mesma quanto dela faz o respeito que o professor deve ter à identidade do educando, à sua pessoa, a seus direito de ser. • O meu respeito de professor à pessoa do educando, à sua curiosidade, à sua timidez, que não devo agravar com procedimentos inibidores exige de mim o cultivo da humildade e da tolerância.
  • 41. 2.6 – Ensinar exige apreensão da realidade SitedessaimagemENSINAREXIGEAPREENSÃODAREALIDADE educaja.com.br
  • 42. • Mulheres e homens, somos os únicos seres que, social e historicamente, nos tornamos capazes de aprender. Por isso, somos os únicos em que aprender é uma aventura criadora, algo, por isso mesmo, muito mais rico do que meramente repetir a lição dada. • Aprender para nós é construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e à aventura do espírito.
  • 43. • Toda prática educativa demanda a existência de sujeitos, um que, ensinando, aprende, outro que, aprendendo, ensina, daí o seu cunho gnosiológico; • a existência de objetos, conteúdos a serem ensinados e aprendidos; envolve o uso de métodos, de técnicas, de materiais; implica, em função de seu caráter diretivo, objetivo, sonhos, utopias, ideais. • A sua politicidade, qualidade que tem a prática educativa de ser política, de não poder ser neutra.
  • 44. 2.7 – Ensinar exige alegria e esperança “EDUCAREXIGEALEGRIAEESPERANÇA”«BlogdaEscolaMaríliade Dirceublogmariliadedirceu.wordpress.com
  • 45. A esperança é uma espécie de ímpeto natural possível e necessário, a desesperança é o aborto deste ímpeto. A esperança é um condimento indispensável à experiência histórica. Sem ela, não haveria História, mas puro determinismo. Só há História onde há tempo problematizado e não pré- dado.
  • 46. “como motivação de minha briga porque, histórico, vivo a Historia como tempo de possibilidade e não de determinação. Se a realidade fosse assim porque estivesse dito que assim teria de ser não haveria sequer por que ter raiva. Meu direito à raiva pressupõe que, na experiência histórica da qual participo, o amanhã não é algo pré-datado, mas um desafio, um problema. A minha raiva, minha justa ira, se funda na minha revolta em face da negação do direito de "ser mais" inscrito na natureza dos seres humanos”
  • 47. 2.8 - Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível 2.8ENSINAREXIGEACONVICÇÃODEQUEA MUDANÇAÉPOSSIVELpedagogiadon.blogspot.com
  • 48. • É o saber da História como possibilidade e não como determinação. • O mundo não é. O mundo está sendo. • Como subjetividade curiosa, inteligente, interferidora na objetividade com que dialeticamente me relaciono, meu papel no mundo não é só o de quem constata o que ocorre mas também o de quem intervém como sujeito de ocorrências.
  • 49. • Não sou apenas objeto da História mas seu sujeito igualmente. • No mundo da História, da cultura, da política, constato não para me adaptar mas para mudar.
  • 50. 2.9 – Ensinar exige curiosidade “Semacuriosidadequememove,.quemeinquieta,.quemeinsere nabusca,Futurodopresente.com.br
  • 51. • Se há uma prática exemplar como negação da experiência formadora é a que dificulta ou inibe a curiosidade do educando e, em consequência, a do educador. • O educador que, entregue a procedimentos autoritários ou paternalistas que impedem ou dificultam o exercício da curiosidade do educando, termina por igualmente tolher sua própria curiosidade.
  • 52. • A construção ou a produção do conhecimento do objeto implica o exercício da curiosidade, sua capacidade crítica de "tomar distância" do objeto, de observá-lo, de delimitá-lo, de cindi-lo, de "cercar" o objeto ou fazer sua aproximação metódica, sua capacidade de comparar, de perguntar. • Estimular a pergunta, a reflexão crítica sobre a própria pergunta, o que se pode pretender com esta ou com aquela pergunta em lugar da passividade em face das explicações discursivas do professor, espécies de respostas a perguntas que não foram feitas.
  • 54. 3.1 – Ensinar exige segurança, competência profissional e generosidade PortariapublicadanoDiárioOficialdaUniãodestasegunda-feira,24, ...espacoeducadoremacao.blogspot.com
  • 55. • O professor que não leve a sério sua formação, que não estuda, que não se esforce para estar à altura de sua tarefa não tem força moral para coordenar as atividades de sua classe. • Não significa, porém, que a opção e a prática democrática do professor ou da professora sejam determinadas por sua competência científica.
  • 56. • Há professoras cientificamente preparados mas autoritários a toda prova. O que quero dizer é que a incompetência profissional desqualifica a autoridade do professor. • Outra qualidade indispensável à autoridade em suas relações com as liberdade é a generosidade. Não há nada mais que inferiorize mais a tarefa formadora da autoridade do a mesquinhez com que se comporte.
  • 57. 3.2 – Ensinar exige comprometimento Ensinarexigecomprometimento–Roteirosimplesparaelaboração doProjeto...enquantoisso.com
  • 58. Não posso escapar à apreciação dos alunos. E a maneira como eles me percebem tem importância capital para o meu desempenho. Daí, então, que uma de minhas preocupações centrais deva ser a de procurar a aproximação cada vez maior entre o que digo e o que faço, entre o que pareço ser o que realmente estou sendo. Assumo pesquisar ante aos questionamentos que não sei de pronto.
  • 59. 3.3 – Ensinar exige compreender que a educação é uma forma de intervenção no mundo Ensinarexige:Compreenderqueaeducaçãoéumaformade intervençãono...araqueeducar.blogspot.com
  • 60. • Intervenção que além do conhecimento dos conteúdos bem ou mal ensinados e/ou aprendidos implica tanto o esforço de reprodução da ideologia dominante quanto o seu desmascaramento. • Nem somos, mulheres e homens, seres simplesmente determinados nem tampouco livres de condicionamentos genéticos, culturais, sociais, históricos, de classe, de gênero, que nos marcam e a que nos achamos referidos.
  • 61. • Os reacionários vão dizer que não há outro jeito a não ser a sua resignação. Há uum fatalismo histórico. • Mas, minha voz tem outra semântica, tem outra música. Falo da resistência, da indignação, da justa ira dos traídos e dos enganados. • Somos pois estamos sendo. Nossa intervenção mesmo que queiramos nunca é neutra
  • 62. 3.4 – Ensinar exige liberdade a autoridade "Ensinar exige liberdade e autoridade“ pensaacabeca.blogspot.com Mafalda: odeio obediência candidoneto.blogspot.com
  • 63. A U T O R I D A D E A tensão entre autoridade e liberdade sempre estará presente e é importante que esteja e de forma cada vez mais consciente. Negar essa tensão compromete o aprendizado da autonomia, pois é comum o exercício legítimo da autoridade ser confundido com autoritarismo. O mesmo acontece com a liberdade que pode se confundir com licenciosidade. L I B E R D A D E
  • 64. 3.5 – Ensinar exige tomada consciente de decisões ...dedecisão,equandoadecisãoestátomadanossentimosno controle.alinemmarks.blogspot.com
  • 65. A raiz mais profunda da politicidade da educação se acha na educabilidade mesma do ser humano, que se funda na sua natureza inacabada e da qual se tornou consciente. Inacabado, histórico, necessariamente o ser humano se faria um ser ético, um ser de opção, de decisão.
  • 66. 3.6 – Ensinar exige saber escutar Saber Ouvir. reflexosdomeuser.blogspot.com A arte de saber ouvir. ouvir. CL Luiz Carlos de Oliveira * distritolc8.com.br
  • 67. • Somente quem escuta paciente e criticamente o outro, fala com ele, mesmo que, em certas condições , precise de falar a ele. O que jamais faz quem aprende a escutar para poder falar com é falar impositivamente. • Até quando, necessariamente, fala contra posições ou concepções do outro, fala com ele como sujeito da escuta de sua fala crítica e não como objeto de seu discurso. O educador que escuta aprende a difícil lição de transformar o seu discurso, às vezes necessário, ao aluno, em uma fala com ele.
  • 68. blogessenciaeequilibrio.blogspot.com 3.7 – Ensinar exige reconhecer que a educação é ideológica
  • 69. A capacidade de penumbrar a realidade, de nos "miopizar", de nos ensurdecer que tem a ideologia faz, por exemplo, a muitos de nós, aceitar docilmente o discurso cinicamente fatalista neo-liberal que proclama ser o desemprego no mundo uma desgraça do fim do século. Ou que os sonhos morreram e que o válido hoje é o "pragmatismo" pedagógico, é o treino técnico-científico do educando e não sua formação de que já não se fala. Formação que, incluindo a preparação técnico-científica, vai mais além dela.
  • 70. 3.8 – Ensinar exige disponibilidade para o diálogo EIXOSDEDIÁLOGO forumpaulofreireerechim2012.blogspot.com
  • 71. • Minha segurança não repousa na falsa suposição de que sei tudo, de que sou o "maior". • Minha segurança se funda na convicção de que sei algo e de que ignoro algo que se junta a certeza de que posso saber melhor o que já sei e conhecer o que ainda não sei. • Minha segurança se alicerça no saber confirmado pela própria existência de que, se minha inconclusão, de que sou consciente, atesta, de um lado, minha ignorância, me abre, de outro, o caminho para conhecer.
  • 72. O sujeito que se abre ao mundo e aos outros inaugura com seu gesto a relação dialógica em que se confirma como inquietação e curiosidade, como inconclusão em permanente movimento na História. Falar e ouvir com a mesma paixão. Paixão que transforma, que realiza.
  • 73. 3.9 – Ensinar exige querer bem aos educandos QUERERBEM:AMINHAVIVÊNCIAHUMANESCENTE-Moises-Rede SocialUnifreirerede.unifreire.org
  • 74. • A afetividade não se acha excluída da cognoscibilidade. • O que não posso obviamente permitir é que minha afetividade interfira no cumprimento ético de meu dever de professor no exercício de minha autoridade. • Não posso condicionar a avaliação do trabalho escolar de um aluno ao maior ou menor bem querer que tenha por ele. • A minha abertura ao querer bem significa a minha disponibilidade à alegria de viver. • Justa alegria de viver, que, assumida plenamente, não permite que me transforme num ser "adocicado" nem tampouco num ser arestoso e amargo.
  • 75. • E ensinar e aprender não podem dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria. • É esta percepção do homem e da mulher como seres "programados, mas para aprender" e, portanto, para ensinar, para conhecer, para intervir, que me faz entender a prática educativa como um exercício constante em favor da produção e do desenvolvimento da autonomia de educadores e educandos.
  • 76. • Como prática estritamente humana jamais pude entender a educação como uma experiência fria, sem alma, em que os sentimentos e as emoções, os desejos, os sonhos devessem ser reprimidos por uma espécie de ditadura reacionalista. • Nem tampouco jamais compreendi a prática educativa como uma experiência a que faltasse o rigor em que se gera a necessária disciplina intelectual.
  • 78. Epistemologia A expressão "epistemologia" deriva das palavras gregas "episteme", que significa "ciência", e "Logia" que significa "estudo", podendo ser definida em sua etimologia como "o estudo da ciência". Gnosiologia É o ramo da filosofia que se preocupa com a validade do conhecimento em função do sujeito cognoscente,ou seja, daquele que conhece o objeto
  • 79. Assujeitado Objeto aquele que não tem consciência, não age e é manipulável. (Ver "Alienação"). Sujeito - indivíduo consciente e capaz de agir autônoma REIFICADO – TORNAR COISA - COISIFICAR
  • 80. É não estar absolutamente certo de nossas certezas Pensar certo
  • 83. Diminuir a distância entre a fala e a ação
  • 85. CUIDADO Processo de naturalização da miséria, do fatalismo histórico NATURALNORMAL COMUMCULTURAL
  • 87. Ativismo A teoria sem a prática vira 'verbalismo', assim como a prática sem teoria, vira ativismo. No entanto, quando se une a prática com a teoria tem-se a práxis, a ação criadora e modificadora da realidade. Paulo Freire
  • 88. ENSINAR VEM DEPOIS QUE SE DESCOBRE QUE É POSSÍVEL APRENDER

Notas do Editor

  1. CULTURAL