SlideShare uma empresa Scribd logo
EÇA DE QUEIRÓS
CONTEXTO HISTÓRICO PORTUGUÊS E EUROPEU
RUBEN FONSECA 2015
O ROMANTISMO E O REALISMO/NATURALISMO
ROMANTISMO REALISMO/NATURALISMO
 BUSCA INSPIRAÇÃO NA IDADE MÉDIA,
REJEITANDO AS MUDANÇAS INTRODUZIDAS
COM A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 VISÃO DO MUNDO CENTRADA NO INDIVÍDUO
(PRIMEIRA PESSOA); EGOCENTRISMO
 VALORIZAÇÃO DOS SENTIMENTOS (CULTO DE
“SENSIBILIDADE”)
 INFLUENCIADO PELO SUBJETIVISMO: FÉ, PAIXÃO,
SAUDADE, LENDAS NACIONAIS
 NACIONALISMO BASTANTE PRESENTE NAS
OBRAS ROMÂNTICAS (ALEMANHA
PRINCIPALMENTE)
 EXPRIMIA-SE MUITAS DAS VEZES ATRAVÉS DA
POESIA
 PROCURA, ANALISA E RETRATA OS PROBLEMAS
SOCIAIS DA ÉPOCA, BEM COMO OS DO
HOMEM
 VISÃO DO MUNDO CENTRADA NA TERCEIRA
PESSOA
 VALORIZAÇÃO DAQUILO QUE SE É – PESSOAS
COMUNS, COM PROBLEMAS E LIMITAÇÕES
 INFLUENCIADO PELO OBJETIVISMO:
ABUNDÂNCIA DE DETALHES, EXATIDÃO E
VERACIDADE
APLICAÇÃO DO NATURALISMO EM FUTURAS
OBRAS REALISTAS:
 APLICAÇÃO DAS DESCOBERTAS QUE SE
FIZERAM NO SÉC. XIX
 EXPLICA AS EMOÇÕES ATRAVÉS DA SUA
MANIFESTAÇÃO FÍSICA, O QUE RESULTA NA
ESCOLHA DE ASSUNTOS CHOCANTES
c. 1780-1850
ROMANTISMO
c. 1750-1780
NEOCLASSICISMO
c. 1850-1900
REALISMO/NATURALISMO
NA EUROPA
1789
REVOLUÇÃO FRANCESA
1760
INÍCIO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
1848
”PRIMAVERA DAS NAÇÕES”
1803-1815
GUERRAS NAPOLEÓNICAS
1780
FIM DO PERÍODO
ILUMINISTA
1830
REVOLUÇÃO DE JULHO
1857
GUSTAVE FLAUBERT PUBLICA
“MADAME BOVARY”
1859
DARWIN PUBLICA “A
ORIGEM DAS ESPÉCIES”
1837
VITÓRIA É COROADA RAINHA
DO IMPÉRIO BRITÂNICO
1865
CHARLES DICKENS PUBLICA
“OUR MUTUAL FRIEND”
1812
IRMÃOS GRIMM PUBLICAM
“KINDER- UND HAUSMÄRCHEN”
1798
WILLIAM WORDSWORTH
PUBLICA “LYRICAL
BALLADS”
1896
THEODOR FONTANE
PUBLICA “EFFI BRIEST”
1877
LEV TOLSTOI PUBLICA
“ANNA KARENINA”
DO ROMANTISMO AO REALISMO/NATURALISMO
 FRANÇA COMO GRANDE IMPULSIONADORA
CONTEXTO POLÍTICO:
VÁRIAS TRANSIÇÕES DE REGIME
AGITAÇÃO POLÍTICA
PERDE A GUERRA DA SEXTA E SÉTIMA COLIGAÇÃO
OBRIGADA A PAGAR PESADAS REPARAÇÕES DE GUERRA
CONTEXTO SOCIAL:
IDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA
FRANÇA MANTEVE-SE UM PAÍS RURAL ATÉ INÍCIOS DO SÉC. XX
IMPULSIONADORES REALISTAS/NATURALISTAS:
HONORÉ DE BALZAC (1799-1850) VAI PUBLICAR, ENTRE VÁRIAS OBRAS, “LA COMÉDIE HUMAINE” – A
SOCIEDADE FRANCESA ENTRE 1815 E 1842
GUSTAVE FLAUBERT (1821-1880) PUBLICA VÁRIAS OBRAS POLÉMICAS: “MADAME BOVARY” (1857),
“SALAMMBÔ” (1862) E “L'ÉDUCATION SENTIMENTALE” (1869)
ÉMILE ZOLA (1840-1902) PUBLICA ENTRE 1871 E 1893 “LES ROUGON-MACQUART”, UMA OBRA
NATURALISTA
OUTROS RAMOS: COURBET E MILLET NA PINTURA
DO ROMANTISMO AO REALISMO/NATURALISMO
 IMPÉRIO BRITÂNICO: A ERA VITORIANA
CONTEXTO POLÍTICO:
LONGO PERÍODO DE PAZ
CONTEXTO SOCIAL:
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO RÁPIDAS
POBREZA DISPARA
IMPULSIONADORES REALISTAS/NATURALISTAS:
MARY ANN EVANS (1819-1880), ATRAVÉS DO SEU PSEUDÓNIMO “GEORGE ELIOT”, PUBLICA
“MIDDLEMARCH” (1874), CONSIDERADA UMA DAS MAIORES OBRA-PRIMAS REALISTAS INGLESAS
OBRAS DE CHARLES DICKENS COMO “THE PICKWICK PAPERS” (1836) FORAM TRANSFORMADAS EM
SÉRIES, BASTANTE POPULARES NA ERA VITORIANA
O LIVRO “A ORIGEM DAS ESPÉCIES” DE CHARLES DARWIN SERVIRÁ COMO BASE PARA MUITOS
AUTORES NATURALISTAS QUE SURGIRÃO
1845
EÇA DE QUEIRÓS NASCE
EM PÓVOA DE VARZIM
1826-1865
ROMANTISMO
1756-1826
NEOCLASSICISMO
1865-1890
REALISMO/NATURALISMO
1805
MORTE DE MANUEL
DU BOCAGE
1842
ANTERO DE QUENTAL
NASCE EM PONTA DELGADA
1800
ANTÓNIO DE CASTILHO
NASCE EM LISBOA
EM PORTUGAL
1854
MORTE DE ALMEIDA GARRETT
1865
QUESTÃO COIMBRÃ
1861-1866
EÇA ESTUDA DIREITO NA
UNIVERSIDADE DE COIMBRA
1871
CONFERÊNCIAS DO
CASINO
1875
EÇA PUBLICA “O CRIME DO
PADRE AMARO”
MORTE DE CASTILHO
1878
EÇA PUBLICA “O PRIMO
BASÍLIO”
1889-1894
EÇA INTEGRA O GRUPO
“VENCIDOS DA VIDA”
1888
EÇA PUBLICA “OS MAIAS”
1826
ALMEIDA GARRETT PUBLICA
“D. BRANCA”
1828-1834
GUERRAS LIBERAIS
DO ROMANTISMO AO REALISMO/NATURALISMO
 PORTUGAL: “O REALISMO COMO NOVA EXPRESSÃO DE ARTE”
CONTEXTO POLÍTICO:
A TRANSIÇÃO DO ROMANTISMO PARA O REALISMO DÁ-SE NO REINADO DE D. LUÍS I (1861-1889)
INSTABILIDADE GOVERNATIVA ENTRE O PARTIDO REGENERADOR E O PROGRESSISTA
CONTEXTO SOCIAL:
CONTINUAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO DO PAÍS (DESTACANDO-SE OS CAMINHOS
DE FERRO), INICIADO COM A “REGENERAÇÃO”
IMPULSIONADORES REALISTAS/NATURALISTAS:
ANTERO DE QUENTAL PUBLICA “ODES MODERNAS” E “A DIGNIDADE DAS LETRAS E AS LITERATURAS
OFICIAIS” (1865) , DOCUMENTOS DETERMINANTES DA QUESTÃO COIMBRÃ
TEÓFILO BRAGA PUBLICA “VISÃO DOS TEMPOS” E “TEMPESTADES SONORAS” (1864), INSPIRADOS EM
VICTOR HUGO, REALISTA FRANCÊS
EÇA DE QUEIRÓS PUBLICA A PRIMEIRA OBRA REALISTA PORTUGUÊS, “O CRIME DO PADRE AMARO”
(1875). OUTRAS CRÍTICAS ESTÃO PRESENTES N’”O PRIMO BASÍLIO” (1878) E N’”OS MAIAS” (1888).
O GRUPO DE INTELECTUAIS CONHECIDOS COMO A GERAÇÃO DE 70 MARCARAM A SOCIEDADE
PORTUGUESA DURANTE OS ANOS SEGUINTES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maias
mauro dinis
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Patrícia Pereira
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
Cláudia Heloísa
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
quintaldasletras
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
LuisMagina
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo
1103sancho
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obra
Elisabete Silva
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Fernanda Pereira
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
Miguel Santos
 
Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análise
luiza1973
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
Mariana Silva
 
Os Maias XII capítulo
Os Maias XII capítuloOs Maias XII capítulo
Os Maias XII capítulo
DinisRocha2
 

Mais procurados (20)

Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maias
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obra
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análise
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
 
Os Maias XII capítulo
Os Maias XII capítuloOs Maias XII capítulo
Os Maias XII capítulo
 

Semelhante a Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]

ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
CsarMarin3
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
MichellyMadalena1
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
MaiteFerreira4
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
GrazielaLima12
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
mariaArajo934492
 
Realismo
RealismoRealismo
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
Kátia Silva da Costa
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
Andriane Cursino
 
Realismo na França
Realismo na FrançaRealismo na França
Realismo na França
Jucelaine Rodrigues
 
Romantismo breve introd
Romantismo breve introdRomantismo breve introd
Romantismo breve introd
Helena Coutinho
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
Sinziana Socol
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]
O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]
O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]
Renato Rodrigues
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
MoniqueSousa25
 
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
ssuserb21eb0
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
oficinahg16.pptx
oficinahg16.pptxoficinahg16.pptx
oficinahg16.pptx
Juliana618850
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
IdinneyMax1
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Ana Paula Brisolar
 

Semelhante a Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo] (20)

ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
 
Realismo na França
Realismo na FrançaRealismo na França
Realismo na França
 
Romantismo breve introd
Romantismo breve introdRomantismo breve introd
Romantismo breve introd
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]
O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]
O romantismo em_outras_manifestações_artísticas[1]
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
 
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
oficinahg16.pptx
oficinahg16.pptxoficinahg16.pptx
oficinahg16.pptx
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Ruben Fonseca

Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo CategóricoFundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Ruben Fonseca
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Ruben Fonseca
 
Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]
Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]
Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]
Ruben Fonseca
 
"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]
"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]
"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]
Ruben Fonseca
 
Persuasion
PersuasionPersuasion
Persuasion
Ruben Fonseca
 
Communication Across the Globe
Communication Across the GlobeCommunication Across the Globe
Communication Across the Globe
Ruben Fonseca
 
Unemployment
UnemploymentUnemployment
Unemployment
Ruben Fonseca
 
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e RupturasO Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
Ruben Fonseca
 
2ª Guerra Mundial e Holocausto
2ª Guerra Mundial e Holocausto2ª Guerra Mundial e Holocausto
2ª Guerra Mundial e Holocausto
Ruben Fonseca
 

Mais de Ruben Fonseca (9)

Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo CategóricoFundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
Fundamentação da Moral: Kant e o Imperativo Categórico
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]
Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]
Fernando Pessoa - Contexto Histórico [Modernismo]
 
"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]
"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]
"Destroyer of Worlds" [Nuclear Weapons/Energy]
 
Persuasion
PersuasionPersuasion
Persuasion
 
Communication Across the Globe
Communication Across the GlobeCommunication Across the Globe
Communication Across the Globe
 
Unemployment
UnemploymentUnemployment
Unemployment
 
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e RupturasO Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
 
2ª Guerra Mundial e Holocausto
2ª Guerra Mundial e Holocausto2ª Guerra Mundial e Holocausto
2ª Guerra Mundial e Holocausto
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]

  • 1. EÇA DE QUEIRÓS CONTEXTO HISTÓRICO PORTUGUÊS E EUROPEU RUBEN FONSECA 2015
  • 2. O ROMANTISMO E O REALISMO/NATURALISMO ROMANTISMO REALISMO/NATURALISMO  BUSCA INSPIRAÇÃO NA IDADE MÉDIA, REJEITANDO AS MUDANÇAS INTRODUZIDAS COM A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL  VISÃO DO MUNDO CENTRADA NO INDIVÍDUO (PRIMEIRA PESSOA); EGOCENTRISMO  VALORIZAÇÃO DOS SENTIMENTOS (CULTO DE “SENSIBILIDADE”)  INFLUENCIADO PELO SUBJETIVISMO: FÉ, PAIXÃO, SAUDADE, LENDAS NACIONAIS  NACIONALISMO BASTANTE PRESENTE NAS OBRAS ROMÂNTICAS (ALEMANHA PRINCIPALMENTE)  EXPRIMIA-SE MUITAS DAS VEZES ATRAVÉS DA POESIA  PROCURA, ANALISA E RETRATA OS PROBLEMAS SOCIAIS DA ÉPOCA, BEM COMO OS DO HOMEM  VISÃO DO MUNDO CENTRADA NA TERCEIRA PESSOA  VALORIZAÇÃO DAQUILO QUE SE É – PESSOAS COMUNS, COM PROBLEMAS E LIMITAÇÕES  INFLUENCIADO PELO OBJETIVISMO: ABUNDÂNCIA DE DETALHES, EXATIDÃO E VERACIDADE APLICAÇÃO DO NATURALISMO EM FUTURAS OBRAS REALISTAS:  APLICAÇÃO DAS DESCOBERTAS QUE SE FIZERAM NO SÉC. XIX  EXPLICA AS EMOÇÕES ATRAVÉS DA SUA MANIFESTAÇÃO FÍSICA, O QUE RESULTA NA ESCOLHA DE ASSUNTOS CHOCANTES
  • 3. c. 1780-1850 ROMANTISMO c. 1750-1780 NEOCLASSICISMO c. 1850-1900 REALISMO/NATURALISMO NA EUROPA 1789 REVOLUÇÃO FRANCESA 1760 INÍCIO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1848 ”PRIMAVERA DAS NAÇÕES” 1803-1815 GUERRAS NAPOLEÓNICAS 1780 FIM DO PERÍODO ILUMINISTA 1830 REVOLUÇÃO DE JULHO 1857 GUSTAVE FLAUBERT PUBLICA “MADAME BOVARY” 1859 DARWIN PUBLICA “A ORIGEM DAS ESPÉCIES” 1837 VITÓRIA É COROADA RAINHA DO IMPÉRIO BRITÂNICO 1865 CHARLES DICKENS PUBLICA “OUR MUTUAL FRIEND” 1812 IRMÃOS GRIMM PUBLICAM “KINDER- UND HAUSMÄRCHEN” 1798 WILLIAM WORDSWORTH PUBLICA “LYRICAL BALLADS” 1896 THEODOR FONTANE PUBLICA “EFFI BRIEST” 1877 LEV TOLSTOI PUBLICA “ANNA KARENINA”
  • 4. DO ROMANTISMO AO REALISMO/NATURALISMO  FRANÇA COMO GRANDE IMPULSIONADORA CONTEXTO POLÍTICO: VÁRIAS TRANSIÇÕES DE REGIME AGITAÇÃO POLÍTICA PERDE A GUERRA DA SEXTA E SÉTIMA COLIGAÇÃO OBRIGADA A PAGAR PESADAS REPARAÇÕES DE GUERRA CONTEXTO SOCIAL: IDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA FRANÇA MANTEVE-SE UM PAÍS RURAL ATÉ INÍCIOS DO SÉC. XX IMPULSIONADORES REALISTAS/NATURALISTAS: HONORÉ DE BALZAC (1799-1850) VAI PUBLICAR, ENTRE VÁRIAS OBRAS, “LA COMÉDIE HUMAINE” – A SOCIEDADE FRANCESA ENTRE 1815 E 1842 GUSTAVE FLAUBERT (1821-1880) PUBLICA VÁRIAS OBRAS POLÉMICAS: “MADAME BOVARY” (1857), “SALAMMBÔ” (1862) E “L'ÉDUCATION SENTIMENTALE” (1869) ÉMILE ZOLA (1840-1902) PUBLICA ENTRE 1871 E 1893 “LES ROUGON-MACQUART”, UMA OBRA NATURALISTA OUTROS RAMOS: COURBET E MILLET NA PINTURA
  • 5. DO ROMANTISMO AO REALISMO/NATURALISMO  IMPÉRIO BRITÂNICO: A ERA VITORIANA CONTEXTO POLÍTICO: LONGO PERÍODO DE PAZ CONTEXTO SOCIAL: INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO RÁPIDAS POBREZA DISPARA IMPULSIONADORES REALISTAS/NATURALISTAS: MARY ANN EVANS (1819-1880), ATRAVÉS DO SEU PSEUDÓNIMO “GEORGE ELIOT”, PUBLICA “MIDDLEMARCH” (1874), CONSIDERADA UMA DAS MAIORES OBRA-PRIMAS REALISTAS INGLESAS OBRAS DE CHARLES DICKENS COMO “THE PICKWICK PAPERS” (1836) FORAM TRANSFORMADAS EM SÉRIES, BASTANTE POPULARES NA ERA VITORIANA O LIVRO “A ORIGEM DAS ESPÉCIES” DE CHARLES DARWIN SERVIRÁ COMO BASE PARA MUITOS AUTORES NATURALISTAS QUE SURGIRÃO
  • 6. 1845 EÇA DE QUEIRÓS NASCE EM PÓVOA DE VARZIM 1826-1865 ROMANTISMO 1756-1826 NEOCLASSICISMO 1865-1890 REALISMO/NATURALISMO 1805 MORTE DE MANUEL DU BOCAGE 1842 ANTERO DE QUENTAL NASCE EM PONTA DELGADA 1800 ANTÓNIO DE CASTILHO NASCE EM LISBOA EM PORTUGAL 1854 MORTE DE ALMEIDA GARRETT 1865 QUESTÃO COIMBRÃ 1861-1866 EÇA ESTUDA DIREITO NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 1871 CONFERÊNCIAS DO CASINO 1875 EÇA PUBLICA “O CRIME DO PADRE AMARO” MORTE DE CASTILHO 1878 EÇA PUBLICA “O PRIMO BASÍLIO” 1889-1894 EÇA INTEGRA O GRUPO “VENCIDOS DA VIDA” 1888 EÇA PUBLICA “OS MAIAS” 1826 ALMEIDA GARRETT PUBLICA “D. BRANCA” 1828-1834 GUERRAS LIBERAIS
  • 7. DO ROMANTISMO AO REALISMO/NATURALISMO  PORTUGAL: “O REALISMO COMO NOVA EXPRESSÃO DE ARTE” CONTEXTO POLÍTICO: A TRANSIÇÃO DO ROMANTISMO PARA O REALISMO DÁ-SE NO REINADO DE D. LUÍS I (1861-1889) INSTABILIDADE GOVERNATIVA ENTRE O PARTIDO REGENERADOR E O PROGRESSISTA CONTEXTO SOCIAL: CONTINUAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO DO PAÍS (DESTACANDO-SE OS CAMINHOS DE FERRO), INICIADO COM A “REGENERAÇÃO” IMPULSIONADORES REALISTAS/NATURALISTAS: ANTERO DE QUENTAL PUBLICA “ODES MODERNAS” E “A DIGNIDADE DAS LETRAS E AS LITERATURAS OFICIAIS” (1865) , DOCUMENTOS DETERMINANTES DA QUESTÃO COIMBRÃ TEÓFILO BRAGA PUBLICA “VISÃO DOS TEMPOS” E “TEMPESTADES SONORAS” (1864), INSPIRADOS EM VICTOR HUGO, REALISTA FRANCÊS EÇA DE QUEIRÓS PUBLICA A PRIMEIRA OBRA REALISTA PORTUGUÊS, “O CRIME DO PADRE AMARO” (1875). OUTRAS CRÍTICAS ESTÃO PRESENTES N’”O PRIMO BASÍLIO” (1878) E N’”OS MAIAS” (1888). O GRUPO DE INTELECTUAIS CONHECIDOS COMO A GERAÇÃO DE 70 MARCARAM A SOCIEDADE PORTUGUESA DURANTE OS ANOS SEGUINTES