SlideShare uma empresa Scribd logo
Os Gêneros Literários

          Ensino Médio
 A literatura, quanto à forma, pode se manifestar em
prosa ou verso.
    Quanto ao conteúdo e estrutura, podemos,
inicialmente, enquadrar as obras literárias em três
gêneros:
   
   o lírico, quando um “eu lírico” nos passa uma emoção,
um estado de espírito;
   o dramático, quando “atores, num espaço especial,
apresentam, por meio de palavras e gestos, um
acontecimento”;
   o épico, quando temos um narrador (este último
gênero inclui todas as manifestações narrativas, desde o
poema épico até o romance, a novela e o conto).
  Entretanto, por nos parecer mais didática,
adotamos uma divisão em quatro gêneros literários,
desmembrando do épico o gênero narrativo,
enquadrando as narrativas em prosa.

     Poderíamos ainda reconhecer o gênero didático,
despido da ficção, não se identificando com a arte
literária, ou, como afirma Wolfgang Kayser, “o didático
costuma ser delimitado como gênero especial que fica
fora da verdadeira literatura”.
 Seu nome vem de lira, instrumento musical que
acompanhava os cantos dos gregos.
 Por muito tempo, até o final da Idade Média, as
poesias eram feitas para serem cantadas.
 Nas obras líricas notamos o predomínio dos
sentimentos, da emoção, o que as torna subjetiva.
 Pertencem a este gênero os poemas em geral,
destacando-se:

 Ode e hino
 Elegia
 Idílio e écloga
 Ode e hino: os dois nomes vêm da Grécia e significam “canto”.
Ode é a poesia entusiástica, de exaltação. Hino é a poesia
destinada a glorificar a pátria ou dar louvores às divindades.

 Elegia: é a poesia lírica em tom triste. Fala de acontecimentos
tristes ou da morte de alguém. O “Cântico do calvário”, de Fagundes
Varela, sem dúvida é a mais famosa elegia da literatura brasileira,
inspirada na morte prematura de seu filho.

Idílio e écloga: são poesias pastoris, bucólicas. A écloga difere do
idílio por apresentar diálogo.

Epitalâmio: poesia feita em homenagem às núpcias de alguém.

Sátira: poesia que se propõe corrigir os defeitos humanos,
mostrando o ridículo de determinada situação.
Quanto ao aspecto formal, as poesias podem apresentar forma
fixa ou livre. Das poesias de forma fixa, a que resistiu ao tempo,
aparecendo até nossos dias, foi o soneto.

   O soneto é uma composição poética de catorze versos
distribuídos em dois quartetos e dois tercetos. Apresenta sempre
métrica – mais usualmente, versos decassílabos ou alexandrinos – e
rima.

    A palavra soneto significa “pequeno som”. Teria sido usada
pela primeira vez por Jacopo de Lentini, da Escola Siciliana (século
XIII), e mais tarde, difundida por Petrarca (século XIV).

  Apesar de ser uma forma poética clássica, o soneto encontra
adeptos no Modernismo, como veremos a seguir:
De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
                                            (MORAES, Vinicius de. In: Antologia poética.
                                            Rio de Janeiro, J. Olympio. p. 77.)
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
 Drama, em grego, significa “ação”. Ao gênero dramático
pertencem os textos, em poesia ou prosa, feitos para serem
representados. Compreende as seguintes modalidades:

 Tragédia: é a representação de um fato trágico, apto a
suscitar compaixão e terror.
 Comedia: é a representação de um fato inspirado na vida e
no sentimento comum, de riso fácil, em geral criticando os
costumes.
 Tragicomédia: é a mistura do trágico com o cômico.
Originalmente, significava a mistura do real com o imaginário.
 Farsa: pequena peça teatral, de caráter ridículo e
caricatural, criticando a sociedade e seus costumes; baseia-
se no lema latino Ridendo castigat mores (“Rindo, corrigem-se
os costumes.”).
 Como já afirmamos, o gênero narrativo é visto como uma
variante moderna do gênero épico, caracterizando-se por se
apresentar em prosa. Manifesta-se nas seguintes modalidades:

 Romance: narração de um fato imaginário mais verossímil, que
representa quaisquer aspectos da vida familiar e social do homem.
Podemos dividi-lo em: romance de cavalaria, romance de costumes,
romance policial, romance psicológico, romance histórico etc.
 Novela: breve, mas viva narração de um fato humano notável, mais
verossímil que imaginário. É como um pequeno quadro da vida, com um
único conflito. Em geral, apresenta-se dividida em alguns poucos capítulos.
 Conto: narração densa e breve de um episódio da vida; mais
condensada do que a novela e o romance. Em geral, não apresenta
divisão em capítulos.
 Fábula: narrativa inverossímil, com fundo didático; tem como objetivo
transmitir uma lição de moral.
 Crônica: o seu nome já nos dá uma dica: crônica deriva do radical latino
crono, que significa “tempo”.
 A epopéia é uma poesia de fôlego; é a narração em versos de
um fato grandioso e maravilhoso que interessa a toda uma
coletividade.

 É uma poesia objetiva, impessoal, baseada sempre na história de
um povo, exaltando os grandes feitos de um herói

 Entre as mais famosas epopéias, destacamos: Ilíada e Odisséia
(Homero, Grécia); Eneida (Virgílio, Roma); Paraíso perdido (Milton,
Inglaterra); Orlando Furioso (Ludovico Ariosto, Itália); Os lusíadas
(Camões, Portugal).

 Na literatura brasileira, as principais epopéias foram escritas no
século XVIII: Caramuru (Santa Rita Durão); O Uraguai (Basílio da
Gama); Vila Rica (Cláudio Manuel da Costa).
 Uma epopéia apresenta-se dividida em cinco partes:

 Proposição ou exórdio: é a apresentação do tema e do
herói.

 Invocação: o poeta pede auxílio às musas inspiradoras.

 Dedicatória: o poeta dedica a obra a um protetor.

 Narração: é o desenvolvimento do tema e das aventuras do
herói, com exposição de fatos históricos.

 Epílogo: é o remate, o encerramento do poema.
“A essência da ficção é, pois, a narrativa. É a sua espinha dorsal,
correspondendo ao velho instinto humano de contar e ouvir estórias,
uma das mais rudimentares e populares formas de entretenimento. Mas
nem todas as estórias são arte. Para que tenha valor artístico, a ficção
exige uma técnica de arranjo e apresentação, que comunicará à
narrativa beleza de forma, estrutura e unidade de efeito.
       A ficção distingue-se da história e da biografia, por estas serem
narrativas de fatos reais. A ficção é produto da imaginação criadora,
embora, como toda arte, suas raízes mergulhem na experiência
humana. Mas o que a distingue das outras formas de narrativa é que
ela é uma transfiguração ou transmutação da realidade, feita pelo
espírito do artista, este imprevisível e inesgotável laboratório.
         A ficção não pretende fornecer um simples retrato da realidade,
mas antes criar uma imagem da realidade, uma reinterpretação, uma
revisão. É o espetáculo da vida através do olhar interpretativo do
artista, a interpretação artística da realidade.”
  (COUTINHO, Afrânio. Notas de teoria literária. 2. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira,1978. p. 31.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
Glauco Souza
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Marilene dos Santos
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Ademir Teixeira de Freitas
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Elaine Chiullo
 
A hora da estrela
A hora da estrelaA hora da estrela
A hora da estrela
Cláudio César
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
Bernadete Carrijo Oliveira
 
A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileira
Adeildo Júnior
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
leliovr
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
Jose Arnaldo Silva
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
Roberta Savana
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romance
RomanceRomance
Romance
Mara Virginia
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
Andrea Dutra
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
Fernanda Câmara
 
Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]
Elis Lima Escapacherri
 

Mais procurados (20)

Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
A hora da estrela
A hora da estrelaA hora da estrela
A hora da estrela
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Generos literarios-2
Generos literarios-2Generos literarios-2
Generos literarios-2
 
A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileira
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Poema 6º ano
Poema 6º anoPoema 6º ano
Poema 6º ano
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
 
Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]
 

Destaque

Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
7 de Setembro
 
Redação: Relato Pessoal
Redação: Relato PessoalRedação: Relato Pessoal
Redação: Relato Pessoal
7 de Setembro
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
7 de Setembro
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
7 de Setembro
 
Redação: Artigo de Opinião
Redação: Artigo de OpiniãoRedação: Artigo de Opinião
Redação: Artigo de Opinião
7 de Setembro
 
Quem são os verdadeiros heróis? - Redação - Enem
Quem são os verdadeiros heróis? - Redação - EnemQuem são os verdadeiros heróis? - Redação - Enem
Quem são os verdadeiros heróis? - Redação - Enem
Rogério Souza
 
Redação: Versificação
Redação: VersificaçãoRedação: Versificação
Redação: Versificação
7 de Setembro
 
Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)
Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)
Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)
7 de Setembro
 
Relato
RelatoRelato
Death by PowerPoint
Death by PowerPointDeath by PowerPoint
Death by PowerPoint
Alexei Kapterev
 
Aula relato
Aula relatoAula relato
Aula relato
Virginia Fortes
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Federal University of Amazonas
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
Ana Karina Silva
 
Como escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opiniãoComo escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opinião
Cícero Nogueira
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
Carina Aguiar
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
Fatima Andreia Tamanini
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
estudosacademicospedag
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
Marilene Rangel Rangel
 

Destaque (20)

Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
 
Redação: Relato Pessoal
Redação: Relato PessoalRedação: Relato Pessoal
Redação: Relato Pessoal
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
Redação: Artigo de Opinião
Redação: Artigo de OpiniãoRedação: Artigo de Opinião
Redação: Artigo de Opinião
 
Quem são os verdadeiros heróis? - Redação - Enem
Quem são os verdadeiros heróis? - Redação - EnemQuem são os verdadeiros heróis? - Redação - Enem
Quem são os verdadeiros heróis? - Redação - Enem
 
Redação: Versificação
Redação: VersificaçãoRedação: Versificação
Redação: Versificação
 
Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)
Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)
Figuras de Linguagem (recursos estilísticos e sonoros)
 
Relato
RelatoRelato
Relato
 
Death by PowerPoint
Death by PowerPointDeath by PowerPoint
Death by PowerPoint
 
Aula relato
Aula relatoAula relato
Aula relato
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
 
Como escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opiniãoComo escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opinião
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 

Semelhante a Os Gêneros Literários

Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Andriane Cursino
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
Rosana Faustino
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Carolina Matuck
 
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§oRelatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Raquelzinhadf
 
Generos literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epicoGeneros literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epico
PATRICIA VIANA
 
Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.
Pedroalves141870
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
Marisa Paço
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
guesta35ddeb6
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
MaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
lluiscarlosdassilva
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
CAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptxGêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptx
Gustavo Paz
 
Gêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptxGêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptx
almeidaluana280
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
ssuser36fc8b
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Renata Silva Nunes Ribeiro
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Adeilton Berg Mendes
 
Literatura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros LiteráriosLiteratura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros Literários
Miriam Zelmikaitis
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
José Ricardo Lima
 
Heroísmo épico
Heroísmo épicoHeroísmo épico
Heroísmo épico
Val Valença
 
Os Gêneros Literários: definições e exemplos.
Os Gêneros Literários: definições e exemplos.Os Gêneros Literários: definições e exemplos.
Os Gêneros Literários: definições e exemplos.
SimoneConstanteFlore
 

Semelhante a Os Gêneros Literários (20)

Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
 
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§oRelatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
 
Generos literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epicoGeneros literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epico
 
Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.Gêneros literários - Épico e drama.
Gêneros literários - Épico e drama.
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptxGêneros Literários (2023).pptx
Gêneros Literários (2023).pptx
 
Gêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptxGêneros literários sociedade gregaa.pptx
Gêneros literários sociedade gregaa.pptx
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Literatura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros LiteráriosLiteratura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros Literários
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
Heroísmo épico
Heroísmo épicoHeroísmo épico
Heroísmo épico
 
Os Gêneros Literários: definições e exemplos.
Os Gêneros Literários: definições e exemplos.Os Gêneros Literários: definições e exemplos.
Os Gêneros Literários: definições e exemplos.
 

Mais de 7 de Setembro

Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014
7 de Setembro
 
Pôster Amostra Cultural
Pôster Amostra CulturalPôster Amostra Cultural
Pôster Amostra Cultural
7 de Setembro
 
Fenômenos Atmosféricos
Fenômenos AtmosféricosFenômenos Atmosféricos
Fenômenos Atmosféricos
7 de Setembro
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
7 de Setembro
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
7 de Setembro
 
Texto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha ComunitáriaTexto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha Comunitária
7 de Setembro
 
Substantivos e Adjetivos
Substantivos e AdjetivosSubstantivos e Adjetivos
Substantivos e Adjetivos
7 de Setembro
 
Substantivos
SubstantivosSubstantivos
Substantivos
7 de Setembro
 
Semântica
Semântica Semântica
Semântica
7 de Setembro
 
[c7s] Notícia
[c7s] Notícia[c7s] Notícia
[c7s] Notícia
7 de Setembro
 
[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras
7 de Setembro
 
[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II
7 de Setembro
 
[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem
7 de Setembro
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Os livros
Os livrosOs livros
Os livros
7 de Setembro
 
Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano
7 de Setembro
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
7 de Setembro
 
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º anoRenascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
7 de Setembro
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
7 de Setembro
 

Mais de 7 de Setembro (20)

Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014
 
Pôster Amostra Cultural
Pôster Amostra CulturalPôster Amostra Cultural
Pôster Amostra Cultural
 
Fenômenos Atmosféricos
Fenômenos AtmosféricosFenômenos Atmosféricos
Fenômenos Atmosféricos
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Texto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha ComunitáriaTexto de Campanha Comunitária
Texto de Campanha Comunitária
 
Substantivos e Adjetivos
Substantivos e AdjetivosSubstantivos e Adjetivos
Substantivos e Adjetivos
 
Substantivos
SubstantivosSubstantivos
Substantivos
 
Semântica
Semântica Semântica
Semântica
 
[c7s] Notícia
[c7s] Notícia[c7s] Notícia
[c7s] Notícia
 
[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras
 
[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II[c7s] Notícia II
[c7s] Notícia II
 
[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Os livros
Os livrosOs livros
Os livros
 
Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º anoRenascimento Artístico Cultural - 7º ano
Renascimento Artístico Cultural - 7º ano
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 

Último

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

Os Gêneros Literários

  • 1. Os Gêneros Literários Ensino Médio
  • 2.  A literatura, quanto à forma, pode se manifestar em prosa ou verso.  Quanto ao conteúdo e estrutura, podemos, inicialmente, enquadrar as obras literárias em três gêneros:  o lírico, quando um “eu lírico” nos passa uma emoção, um estado de espírito; o dramático, quando “atores, num espaço especial, apresentam, por meio de palavras e gestos, um acontecimento”; o épico, quando temos um narrador (este último gênero inclui todas as manifestações narrativas, desde o poema épico até o romance, a novela e o conto).
  • 3.  Entretanto, por nos parecer mais didática, adotamos uma divisão em quatro gêneros literários, desmembrando do épico o gênero narrativo, enquadrando as narrativas em prosa.  Poderíamos ainda reconhecer o gênero didático, despido da ficção, não se identificando com a arte literária, ou, como afirma Wolfgang Kayser, “o didático costuma ser delimitado como gênero especial que fica fora da verdadeira literatura”.
  • 4.  Seu nome vem de lira, instrumento musical que acompanhava os cantos dos gregos.  Por muito tempo, até o final da Idade Média, as poesias eram feitas para serem cantadas.  Nas obras líricas notamos o predomínio dos sentimentos, da emoção, o que as torna subjetiva.  Pertencem a este gênero os poemas em geral, destacando-se:  Ode e hino  Elegia  Idílio e écloga
  • 5.  Ode e hino: os dois nomes vêm da Grécia e significam “canto”. Ode é a poesia entusiástica, de exaltação. Hino é a poesia destinada a glorificar a pátria ou dar louvores às divindades.  Elegia: é a poesia lírica em tom triste. Fala de acontecimentos tristes ou da morte de alguém. O “Cântico do calvário”, de Fagundes Varela, sem dúvida é a mais famosa elegia da literatura brasileira, inspirada na morte prematura de seu filho. Idílio e écloga: são poesias pastoris, bucólicas. A écloga difere do idílio por apresentar diálogo. Epitalâmio: poesia feita em homenagem às núpcias de alguém. Sátira: poesia que se propõe corrigir os defeitos humanos, mostrando o ridículo de determinada situação.
  • 6. Quanto ao aspecto formal, as poesias podem apresentar forma fixa ou livre. Das poesias de forma fixa, a que resistiu ao tempo, aparecendo até nossos dias, foi o soneto. O soneto é uma composição poética de catorze versos distribuídos em dois quartetos e dois tercetos. Apresenta sempre métrica – mais usualmente, versos decassílabos ou alexandrinos – e rima.  A palavra soneto significa “pequeno som”. Teria sido usada pela primeira vez por Jacopo de Lentini, da Escola Siciliana (século XIII), e mais tarde, difundida por Petrarca (século XIV). Apesar de ser uma forma poética clássica, o soneto encontra adeptos no Modernismo, como veremos a seguir:
  • 7. De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento. E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama (MORAES, Vinicius de. In: Antologia poética. Rio de Janeiro, J. Olympio. p. 77.) Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.
  • 8.  Drama, em grego, significa “ação”. Ao gênero dramático pertencem os textos, em poesia ou prosa, feitos para serem representados. Compreende as seguintes modalidades:  Tragédia: é a representação de um fato trágico, apto a suscitar compaixão e terror.  Comedia: é a representação de um fato inspirado na vida e no sentimento comum, de riso fácil, em geral criticando os costumes.  Tragicomédia: é a mistura do trágico com o cômico. Originalmente, significava a mistura do real com o imaginário.  Farsa: pequena peça teatral, de caráter ridículo e caricatural, criticando a sociedade e seus costumes; baseia- se no lema latino Ridendo castigat mores (“Rindo, corrigem-se os costumes.”).
  • 9.  Como já afirmamos, o gênero narrativo é visto como uma variante moderna do gênero épico, caracterizando-se por se apresentar em prosa. Manifesta-se nas seguintes modalidades:  Romance: narração de um fato imaginário mais verossímil, que representa quaisquer aspectos da vida familiar e social do homem. Podemos dividi-lo em: romance de cavalaria, romance de costumes, romance policial, romance psicológico, romance histórico etc.  Novela: breve, mas viva narração de um fato humano notável, mais verossímil que imaginário. É como um pequeno quadro da vida, com um único conflito. Em geral, apresenta-se dividida em alguns poucos capítulos.  Conto: narração densa e breve de um episódio da vida; mais condensada do que a novela e o romance. Em geral, não apresenta divisão em capítulos.  Fábula: narrativa inverossímil, com fundo didático; tem como objetivo transmitir uma lição de moral.  Crônica: o seu nome já nos dá uma dica: crônica deriva do radical latino crono, que significa “tempo”.
  • 10.  A epopéia é uma poesia de fôlego; é a narração em versos de um fato grandioso e maravilhoso que interessa a toda uma coletividade.  É uma poesia objetiva, impessoal, baseada sempre na história de um povo, exaltando os grandes feitos de um herói  Entre as mais famosas epopéias, destacamos: Ilíada e Odisséia (Homero, Grécia); Eneida (Virgílio, Roma); Paraíso perdido (Milton, Inglaterra); Orlando Furioso (Ludovico Ariosto, Itália); Os lusíadas (Camões, Portugal).  Na literatura brasileira, as principais epopéias foram escritas no século XVIII: Caramuru (Santa Rita Durão); O Uraguai (Basílio da Gama); Vila Rica (Cláudio Manuel da Costa).
  • 11.  Uma epopéia apresenta-se dividida em cinco partes:  Proposição ou exórdio: é a apresentação do tema e do herói.  Invocação: o poeta pede auxílio às musas inspiradoras.  Dedicatória: o poeta dedica a obra a um protetor.  Narração: é o desenvolvimento do tema e das aventuras do herói, com exposição de fatos históricos.  Epílogo: é o remate, o encerramento do poema.
  • 12. “A essência da ficção é, pois, a narrativa. É a sua espinha dorsal, correspondendo ao velho instinto humano de contar e ouvir estórias, uma das mais rudimentares e populares formas de entretenimento. Mas nem todas as estórias são arte. Para que tenha valor artístico, a ficção exige uma técnica de arranjo e apresentação, que comunicará à narrativa beleza de forma, estrutura e unidade de efeito. A ficção distingue-se da história e da biografia, por estas serem narrativas de fatos reais. A ficção é produto da imaginação criadora, embora, como toda arte, suas raízes mergulhem na experiência humana. Mas o que a distingue das outras formas de narrativa é que ela é uma transfiguração ou transmutação da realidade, feita pelo espírito do artista, este imprevisível e inesgotável laboratório. A ficção não pretende fornecer um simples retrato da realidade, mas antes criar uma imagem da realidade, uma reinterpretação, uma revisão. É o espetáculo da vida através do olhar interpretativo do artista, a interpretação artística da realidade.” (COUTINHO, Afrânio. Notas de teoria literária. 2. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira,1978. p. 31.