SlideShare uma empresa Scribd logo
GÊNEROS LITERÁRIOS
(LITERATURA)
PROF. THIAGO BENITEZ
Por cima do abismo
estende-se minh’alma
tensa como um cabo
onde me equilibro,
malabarista de palavras.
(Maiakóvski)
A literatura é uma manifestação artística e a palavra é a
sua matéria-prima. Entretanto, é necessário atentar para o
fato de que não basta fazer uso da palavra para produzir
literatura. Lembremos que a função poética da linguagem
ocorre quando a intenção do emissor está voltada para a
própria mensagem, quer na seleção e combinação das
palavras, quer na estrutura da mensagem, com as palavras
carregadas de significado.
Gêneros Literários
O termo gênero é utilizado, nas diferentes formas
de arte, para denominar um conjunto de obras que
apresentam características semelhantes de forma
e conteúdo.
A divisão tradicional em três gêneros literários – Lírico,
Dramático e Épico - originou-se na Grécia clássica,
com Aristóteles, quando a poesia era a forma
predominante de literatura. Por nos parecer mais
didática, adotamos uma divisão em quatro gêneros
literários, desmembrando do épico o gênero narrativo
(ou, como querem alguns, a ficção), para enquadrar as
narrativas em prosa.
Gêneros Épico
Quando temos uma narrativa
de fundo histórico; são os
feitos heróicos e os grandes
ideais de um povo o tema das
epopéias.
O narrador épico mantém distanciamento em relação aos
acontecimentos (esse distanciamento é reforçado,
naturalmente, pelo aspecto temporal: os fatos narrados
situam-se no passado).
Temos, portanto, um poeta observador voltado para o mundo
exterior, tornando a narrativa objetiva.
Os Lusíadas, de Luís de Camões, é o maior exemplo do
gênero escrito em Língua Portuguesa.
As armas e os barões assinalados
Que, da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana
E em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;
E também as memórias gloriosas
Daqueles Reis que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
De África e de Ásia andaram devastando,
E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da Morte libertando:
Cantando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.
Cessem do sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram.
Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.
Gêneros Dramático
Textos dramáticos são aqueles em que
a “voz narrativa” está entregue às
personagens, que contam a história
por meio de diálogos e monólogos.
Drama, em grego, significa “ação”. Ao
gênero dramático pertencem os textos,
em poesia ou prosa, feitos para
serem representados. Isso significa
que entre autor e público desempenha
papel fundamental todo o elenco que
participa da encenação.
O gênero dramático, na Grécia Antiga,
desenvolveu-se por meio de duas
modalidades: a tragédia e a comédia.
Gêneros Dramático
A força de um valentão
Tragédia cuiabana em 3 atos
(Na sala de aula de um Colégio X de Cuiabá. Alunos enfileirados e
uniformizados. O professor Marcão, vestido de jaleco branco, voz enrouquecida,
explica enfaticamente a geografia da moral social no mundo da economia
globalizada e alienada pelo capital)
Marcão: Pô! Até quando vocês pensam que o mundo poderá
sobreviver sem uma transformação abrupta nas relações comerciais
entre os países em desenvolvimento e aqueles que usurparam nossas
riquezas por meio da exploração colonial. Respondam, pô...
Chico: Não sei professor.
Primeiro Ato
(Marcão dirige-se para o aluno Chico com voz afetiva e determinada)
Marcão: Que coisa, você não estuda nada mesmo, hein!
Primeiro Ato
O palco vazio com seus vários sets à vista do público; música de orquestra; no set das vizinhas,
quatro mulheres começam a estender peças de roupa lavada, lençóis, camisas, camisolas, etc.;
tempo; Corina chega apressada, sendo recebida com ansiedade pelas vizinhas.
BUARQUE, Chico. Gota d’Água. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975, p. 3. “
A ideia de uma indicação cênica que está sobreposta às falas de uma peça teatral nasce na Grécia.
Quem assume essa tarefa é o didaskalos, palavra originada de didaskalia que, em grego antigo, é
um substantivo feminino que pode significar instrução e que na língua portuguesa tem por
sinônimo rubrica.
A partir da leitura da rubrica do primeiro ato da peça Gota d’Água, do dramaturgo, músico e
escritor Chico Buarque, e ainda da indicação teórica sobre o termo rubrica, marque a alternativa
correta:
a) Nessa rubrica, o dramaturgo Chico Buarque dá indicações para a encenação da peça, por
exemplo, que as personagens recebem Corina com ansiedade.
b) No trecho, o narrador descreve o ambiente do espetáculo diretamente para os espectadores de
Gota d’Água.
c) Nessa rubrica, o diretor do espetáculo escreve os parâmetros para a interpretação dos atores,
por exemplo, que a intérprete de Corina tem de chegar apressada.
d) Na rubrica de Gota d’Água, o dramaturgo Chico Buarque faz uma crítica ao primeiro ato,
questionando alguns recursos cênicos.
e) Nas palavras do narrador, “o palco vazio” é apenas uma metáfora da vida.
Gêneros Lírico ou Poético
A poesia lírica surge como uma forma
de atender ao anseio humano de
expressão individual e subjetiva.
Ela se define pela expressão de
sentimentos e emoções pessoais.
Uma outra marca característica de sua
estrutura é o fato de dar voz a um
sujeito lírico, diferente da narração
impessoal própria da épica.
Seu nome vem de lira, instrumento
musical usado para acompanhar os
cantos gregos. Ao separar-se o texto
do acompanhamento musical, a
poesia passou a apresentar uma
estrutura mais rica.
Gêneros Lírico ou Poético
Com a poesia tendo como suporte o papel, a métrica, o
ritmo das palavras, a divisão em estrofes, a rima, a
combinação das palavras passaram a ser mais
intensamente cultivados pelos poetas.
A intensidade expressiva da obra lírica exige um trabalho
muito especial do poeta sobre a sonoridade do texto.
Assim, o estudo dos elementos básicos de versificação
é imprescindível para compreendermos melhor o texto
poético.
Gêneros Lírico ou Poético
ELEMENTOS DA VERSIFICAÇÃO:
1. Verso e Estrofe:
Cada linha = verso (unidade rítmica do poema)
Conjunto de versos = estrofe
Gêneros Lírico ou Poético
Soneto de Fidelidade
Vinicius de Moraes
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
•Soneto: composição poética de 14 versos = 2 quartetos e 2 tercetos
Gêneros Lírico ou Poético
Métrica: É o número de sílabas poéticas do verso.
• Na contagem das sílabas métricas (escansão), observam-se,
geralmente, as seguintes normas:
• A leitura de um verso deve ser caracterizada pelo ritmo;
• Faz-se a contagem de sílabas até a sílaba tônica da última
palavra;
• Os ditongos, em geral, equivalem a apenas uma sílaba métrica;
Gêneros Lírico ou Poético
Eu/ pos/sa/ me/ di/zer/ do a/mor/ (que/ ti/ve):
Que/ não/ se/ja i/mor/tal,/ pos/to/ que é/ cha/ma
Mas/ que/ se/ja in/fi/ni/to em/quan/to/ du/re.
VERSOS DECASSÍLABOS
Principais medidas:
Redondilha menor – 5 sílabas métricas
Redondilha maior – 7 sílabas métricas
Decassílabo – 10 sílabas métricas
Alexandrino – 12 sílabas métricas
Versos Livres – sem métrica regular
Gêneros Narrativo
A palavra ficção vem do latim fictionem (fingere, fictum), ato de
modelar, criação, formação; ato ou efeito de fingir, inventar,
simular; suposição; coisa imaginária, criação da imaginação.
Literatura de ficção é aquela que contém uma história inventada
ou fingida, fictícia, imaginada, resultado de uma invenção
imaginativa, com ou sem intenção de enganar.
A essência da ficção é, pois, a narrativa. É a sua espinha dorsal,
correspondendo ao velho instinto humano de contar e ouvir
histórias, uma das mais rudimentares e populares formas de
entretenimento. Mas nem todas as histórias são arte. Para que
tenha o valor artístico, a ficção exige uma técnica de arranjo e
apresentação, que comunicará à narrativa beleza de forma,
estrutura e unidade de efeito.
Gêneros Narrativo
• Elementos da narrativa
O mundo da ficção desenvolve-se ao redor dos seguintes
elementos estruturais:
1.Personagem
É a pessoa (de persona) que atua na narrativa. Pode ser
principal ou secundária, típica ou caricatural.
2.Enredo
É a narrativa propriamente dita, que pode ser linear ou
retrospectiva, cuja trama mantém o interesse do leitor, que espera
por um desfecho. Chama-se também simples-mente de ação.
3. Espaço
É o meio físico e social onde se desenvolve a ação das
personagens. Trata-se do pano de fundo ou do cenário da
história, também designado de paisagem.
Gêneros Narrativo
4.Tempo
É o elemento fortemente ligado ao enredo numa seqüência
linear ou retrospectiva, ao passado, presente e futuro, com seus
recuos e avanços. Pode ser cronológico ou psicológico.
Cronológico, quando avança no sentido do relógio; psicológico,
quando é medido pela repercussão emocional, estética e
psicológica nas personagens.
5.Foco Narrativo
Tecnicamente, podemos dizer. que se refere às diferentes
maneiras de narrar. Geralmente, se resumem em duas:
a) narrador-onisciente: autor conta a história como
observador que sabe tudo. Usa a 3ª pessoa.
b) narrador-personagem: autor conta, encarnando-se numa
personagem, principal ou secundária. Usa a lª pessoa.
QUESTÕES DE VESTIBULAR
(ENEM) Leia o poema abaixo de Carlos Drummond de Andrade:
CIDADE GRANDE
Que beleza, Montes Claros.
Como cresceu Montes Claros.
Quanta indústria em Montes Claros.
Montes Claros cresceu tanto,
ficou urbe tão notória,
prima-rica do Rio de Janeiro,
que já tem cinco favelas
por enquanto, e mais promete.
Entre os recursos expressivos empregados no texto, destaca-se a
a) metalinguagem, que consiste em fazer a linguagem referir-se à própria
linguagem.
b) intertextualidade, na qual o texto retoma e reelabora outros textos.
c) ironia, que consiste em se dizer o contrário do que se pensa, com intenção crítica.
d) denotação, caracterizada pelo uso das palavras em seu sentido próprio e objetivo.
e) prosopopeia, que consiste em personificar coisas inanimadas, atribuindo-lhes
vida.
(PUC) Sobre o gênero lírico, estão corretas, exceto:
a) Gênero marcado pela subjetividade dos textos. Presença de um
eu lírico que manifesta e expõe seus sentimentos e sua percepção
acerca do mundo.
b) As mais conhecidas estruturas formais do gênero lírico são a
elegia, o soneto, o hino, a sátira e a écloga.
c) São longos poemas narrativos em que um acontecimento
histórico protagonizado por um herói é celebrado.
d) Nota-se, no gênero lírico, a predominância de pronomes e
verbos na 1ª pessoa e a exploração da musicalidade das palavras.
e) Os poemas do gênero lírico podem apresentar forma livre ou
estruturas formais.
Leia os fragmentos abaixo e responda a qual Gênero Literário
eles pertencem:
“A serena, amorosa Primavera,
O doce autor das glórias que consigo,
A Deusa das paixões e de Citera;
Quanto digo, meu bem, quanto não digo,
Tudo em tua presença degenera.
Nada se pode comparar contigo (...)”.
Canta, ó deusa, a cólera de Aquiles, o Pelida
(mortífera!, que tantas dores trouxe aos Aqueus
e tantas almas valentes de heróis lançou no Hades,
ficando seus corpos como presa para cães e aves
de rapina, enquanto se cumpria a vontade de Zeus),
desde o momento em que primeiro se desentenderam
o Atrida, soberano dos homens, e o divino Aquiles.
MADAME CLESSI – Deixa o homem! Como foi que você soube do meu nome?
ALAÍDE – Me lembrei agora! (noutro tom) Ele está-me olhando. (noutro tom, ainda) Foi
uma conversa que eu ouvi quando a gente se mudou. No dia mesmo, entre papai e
mamãe. Deixe eu me recordar como foi...
Já sei! Papai estava dizendo: “O negócio acabava...”
(Escurece o plano da alucinação. Luz no plano da memória. Aparecem pai e mãe de
Alaíde.)
PAI (continuando a frase) – “...numa orgia louca.”
MÃE – E tudo isso aqui?
PAI – Aqui, então?!
MÃE – Alaíde e Lúcia morando em casa de Madame Clessi. Com certeza, é no quarto de
Alaíde que ela dormia. O melhor da casa!
PAI – Deixa a mulher! Já morreu!
MÃE – Assassinada. O jornal não deu?
PAI – Deu. Eu ainda não sonhava conhecer você. Foi um crime muito falado. Saiu
fotografia.
MÃE – No sótão tem retratos dela, uma mala cheia de roupas. Vou mandar botar fogo
em tudo.
PAI – Manda.
Ele gostava de matar, por seu miúdo regozijo. Nem contava valentias,
vivia dizendo que não era mau. Mas, outra vez, quando um inimigo foi
pego, ele mandou: – “Guardem este.” Sei o que foi. Levaram aquele
homem, entre as árvores duma capoeirinha, o pobre ficou lá, nhento,
amarrado na estaca. O Hermógenes não tinha pressa nenhuma,
estava sentado, recostado. A gente podia caçar a alegria pior nos
olhos dele. Depois dum tempo, ia lá, sozinho, calmoso? Consumia
horas, afiando a faca (...)”.
O poema a seguir, de Raimundo Correia, é a base para as seguintes questões:
As pombas
Vai-se a primeira pomba despertada...
Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada...
E à tarde, quando a rígida noitada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Rufiando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada...
Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;
No azul da adolescência as asas soltam
Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais...
(Unifesp) De acordo com o poema é possível dizer que:
a) Possui versos sem rima, liberdade na expressão dos sentimentos e recorrência às imagens.
b) Tem versos livres, com predominância de narração e ênfase nos aspectos sonoros.
c) É um soneto em versos decassílabos, com predominância de rimas preciosas e intercaladas.
d) É um soneto com versos brancos, rimas cruzadas e predominância de versos livres.
e) É um soneto hendecassílabo com rimas ricas e alternadas.
(PAS – UEM) Assinale a alternativa INCORRETA:
a) A obra literária, no que se refere à forma e conteúdo, pode ser classificada em Gênero
Épico, Lírico, Dramático e Narrativo.
b) A Epopéia, longo poema em versos, pertence ao Gênero Épico e narra as peripécias de
um herói grandioso, protagonista de fatos considerados históricos, de episódios míticos e
maravilhosos. Como grandes epopéias da civilização ocidental, podem ser citadas: “A
Odisséia”, de Homero; “Eneida”, de Virgílio; e “Os Lusíadas”, de Camões.
c) O Gênero Dramático decorre de uma manifestação do “eu poético”, que extravasa
estados de alma, sentimentos e emoções pessoais. A matéria do Gênero Dramático é o
mundo empírico em que se debate o “eu”, razão pela qual predominam, em textos dessa
natureza, descrições de paisagens e de objetos.
d) No Gênero Lírico, o “eu poético” pode falar de si mesmo, de alguém ou com alguém. É
fundamental, no entanto, que o texto resulte marcadamente subjetivo, pois se trata,
sobretudo, da expressão de um estado emocional, não de narração objetiva de fatos.
e) Tanto no Gênero Narrativo quanto nos Gêneros Épico e Lírico pode-se contar uma
história, no entanto o que será diferente é a estrutura, a forma, de cada gênero.
(UFMT) Sobre literatura, gênero e estilos literários, pode-se dizer que:
a) O Gênero Narrativo pode ter narrador, personagens, tempo e espaço, mas, na
maioria das vezes, o que mais é apresentado nesse gênero são os diálogos e a
presença de um eu-lírico em todo o momento do enredo.
b) os romances, os contos e as crônicas fazem parte do Gênero Lírico, enquanto
as telenovelas, os teatros e os roteiros de cinema fazem parte do Gênero
Dramático.
c) o texto literário é aquele em que predominam a repetição perfeita da
realidade, a linguagem linear, a unidade de sentido (sem múltiplas
interpretações).
d) no Gênero Lírico, os elementos do mundo exterior/de fora predominam sobre
os do mundo interior do eu poético.
e) todo momento histórico apresenta um conjunto de normas que caracteriza
suas manifestações culturais, constituindo o estilo da época.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Português Enem
Português EnemPortuguês Enem
Português Enem
Prof Palmito Rocha
 
Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)
Sonia Beth
 
1 exercicio de estrutura das palavras
1 exercicio de estrutura das palavras1 exercicio de estrutura das palavras
1 exercicio de estrutura das palavras
Rita Leite Santos
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
Edson Alves
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
Leonardo Barbosa Alves
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE  | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE  | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...
GoisBemnoEnem
 
Proposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no Brasil
Proposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no BrasilProposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no Brasil
Proposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no Brasil
ma.no.el.ne.ves
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
Eliane Sapiraim Durão
 
Hifen
HifenHifen
Tipos de frase
Tipos de fraseTipos de frase
Tipos de frase
Ana Arminda Moreira
 
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdfFICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
Natália Moura
 
Crase
CraseCrase
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
Daniela Anjos
 
Aula de Revisão para a redação do Enem
Aula de Revisão para a redação do EnemAula de Revisão para a redação do Enem
Aula de Revisão para a redação do Enem
João Mendonça
 
Apostila cronica
Apostila cronicaApostila cronica
Apostila cronica
Larissa Cardoso Beltrão
 
Exercícios sobre figuras de linguagem, 01
Exercícios sobre figuras de linguagem, 01Exercícios sobre figuras de linguagem, 01
Exercícios sobre figuras de linguagem, 01
ma.no.el.ne.ves
 
Metrificação
MetrificaçãoMetrificação
Tempos verbais
Tempos verbaisTempos verbais
Tempos verbais
Mônica Abreu
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 

Mais procurados (20)

Português Enem
Português EnemPortuguês Enem
Português Enem
 
Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)
 
1 exercicio de estrutura das palavras
1 exercicio de estrutura das palavras1 exercicio de estrutura das palavras
1 exercicio de estrutura das palavras
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE  | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE  | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 34 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E COMPARAÇÃO DE ...
 
Proposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no Brasil
Proposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no BrasilProposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no Brasil
Proposta de redação: Desafios para a educação dos povos indígenas no Brasil
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
 
Hifen
HifenHifen
Hifen
 
Tipos de frase
Tipos de fraseTipos de frase
Tipos de frase
 
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdfFICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
FICHA - TIPOLOGIAS TEXTUAIS - Gabarito.pdf
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
 
Aula de Revisão para a redação do Enem
Aula de Revisão para a redação do EnemAula de Revisão para a redação do Enem
Aula de Revisão para a redação do Enem
 
Apostila cronica
Apostila cronicaApostila cronica
Apostila cronica
 
Exercícios sobre figuras de linguagem, 01
Exercícios sobre figuras de linguagem, 01Exercícios sobre figuras de linguagem, 01
Exercícios sobre figuras de linguagem, 01
 
Metrificação
MetrificaçãoMetrificação
Metrificação
 
Tempos verbais
Tempos verbaisTempos verbais
Tempos verbais
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 

Semelhante a Gêneros Literários Completo com exercícios

G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
Roberta Savana
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Carolina Matuck
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
Rosana Faustino
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
7 de Setembro
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
ssuser36fc8b
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
guesta35ddeb6
 
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDioTeoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
luisprista
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Marcos Feliciano
 
Mito e poesia
Mito e poesiaMito e poesia
Mito e poesia
Jamille Rabelo
 
Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...
Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...
Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...
ferreirapriscilla84
 
Literatura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros LiteráriosLiteratura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros Literários
Miriam Zelmikaitis
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
Marlene Cunhada
 
Literatura.pdf
Literatura.pdfLiteratura.pdf
Literatura.pdf
JohnJeffersonAlves1
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
Marisa Paço
 
Aula português 2
Aula português 2Aula português 2
Aula português 2
Helison Anselmo
 
Topicos em literatura
Topicos em literaturaTopicos em literatura
Topicos em literatura
Valeria Nunes
 
Generos literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epicoGeneros literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epico
PATRICIA VIANA
 
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
AdrianaAssumpo5
 
10460 teoria literaria
10460 teoria literaria10460 teoria literaria
10460 teoria literaria
Leandro Vieira
 

Semelhante a Gêneros Literários Completo com exercícios (20)

G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDioTeoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Mito e poesia
Mito e poesiaMito e poesia
Mito e poesia
 
Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...
Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...
Canto do Piaga.pptxCanto do Piaga" é uma das obras mais importantes da litera...
 
Literatura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros LiteráriosLiteratura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros Literários
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
 
Literatura.pdf
Literatura.pdfLiteratura.pdf
Literatura.pdf
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
 
Aula português 2
Aula português 2Aula português 2
Aula português 2
 
Topicos em literatura
Topicos em literaturaTopicos em literatura
Topicos em literatura
 
Generos literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epicoGeneros literarios lirico-e_epico
Generos literarios lirico-e_epico
 
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf10460TEORIA_LITERARIA.pdf
10460TEORIA_LITERARIA.pdf
 
10460 teoria literaria
10460 teoria literaria10460 teoria literaria
10460 teoria literaria
 

Mais de MaiteFerreira4

naturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aulanaturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aula
MaiteFerreira4
 
mapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestre
mapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestremapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestre
mapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestre
MaiteFerreira4
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
MaiteFerreira4
 
Título em textos dissertativos argumentativos
Título em textos dissertativos argumentativosTítulo em textos dissertativos argumentativos
Título em textos dissertativos argumentativos
MaiteFerreira4
 
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.pptLiteratura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
MaiteFerreira4
 
análise de redação completa - Dissertação
análise de redação completa - Dissertaçãoanálise de redação completa - Dissertação
análise de redação completa - Dissertação
MaiteFerreira4
 
Mapas mentais_Literatura_século XIX .pdf
Mapas mentais_Literatura_século XIX .pdfMapas mentais_Literatura_século XIX .pdf
Mapas mentais_Literatura_século XIX .pdf
MaiteFerreira4
 
Regras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdf
Regras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdfRegras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdf
Regras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdf
MaiteFerreira4
 
Coesão e Coerência textual - material
Coesão  e Coerência  textual  - materialCoesão  e Coerência  textual  - material
Coesão e Coerência textual - material
MaiteFerreira4
 
AULA DE RENASCIMENTO CULTURAL final.ppt
AULA DE  RENASCIMENTO CULTURAL final.pptAULA DE  RENASCIMENTO CULTURAL final.ppt
AULA DE RENASCIMENTO CULTURAL final.ppt
MaiteFerreira4
 
análise de redação completa- modelo Enem.pdf
análise de redação completa- modelo Enem.pdfanálise de redação completa- modelo Enem.pdf
análise de redação completa- modelo Enem.pdf
MaiteFerreira4
 
Prólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdf
Prólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdfPrólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdf
Prólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdf
MaiteFerreira4
 
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesaEstudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
MaiteFerreira4
 
parÁgrafo concursos.ppt
parÁgrafo concursos.pptparÁgrafo concursos.ppt
parÁgrafo concursos.ppt
MaiteFerreira4
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
MaiteFerreira4
 
estilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.ppt
estilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.pptestilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.ppt
estilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.ppt
MaiteFerreira4
 
Livro - Capitães da areia.pdf
Livro - Capitães da areia.pdfLivro - Capitães da areia.pdf
Livro - Capitães da areia.pdf
MaiteFerreira4
 
Definição de Arte_Arte como linguagem.PDF
Definição de Arte_Arte como linguagem.PDFDefinição de Arte_Arte como linguagem.PDF
Definição de Arte_Arte como linguagem.PDF
MaiteFerreira4
 
11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf
11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf
11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf
MaiteFerreira4
 
1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt
1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt
1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt
MaiteFerreira4
 

Mais de MaiteFerreira4 (20)

naturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aulanaturalismo - Literatura brasileira - Aula
naturalismo - Literatura brasileira - Aula
 
mapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestre
mapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestremapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestre
mapas mentais_LITERATURA 1ª série - 2º bimestre
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Título em textos dissertativos argumentativos
Título em textos dissertativos argumentativosTítulo em textos dissertativos argumentativos
Título em textos dissertativos argumentativos
 
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.pptLiteratura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
 
análise de redação completa - Dissertação
análise de redação completa - Dissertaçãoanálise de redação completa - Dissertação
análise de redação completa - Dissertação
 
Mapas mentais_Literatura_século XIX .pdf
Mapas mentais_Literatura_século XIX .pdfMapas mentais_Literatura_século XIX .pdf
Mapas mentais_Literatura_século XIX .pdf
 
Regras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdf
Regras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdfRegras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdf
Regras - escansão de versos _ METRIFICAÇÃO.pdf
 
Coesão e Coerência textual - material
Coesão  e Coerência  textual  - materialCoesão  e Coerência  textual  - material
Coesão e Coerência textual - material
 
AULA DE RENASCIMENTO CULTURAL final.ppt
AULA DE  RENASCIMENTO CULTURAL final.pptAULA DE  RENASCIMENTO CULTURAL final.ppt
AULA DE RENASCIMENTO CULTURAL final.ppt
 
análise de redação completa- modelo Enem.pdf
análise de redação completa- modelo Enem.pdfanálise de redação completa- modelo Enem.pdf
análise de redação completa- modelo Enem.pdf
 
Prólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdf
Prólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdfPrólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdf
Prólogo - Semente de sangue_ Gabriel Yared_Amapá.pdf
 
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesaEstudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
Estudos para avaliação SAEGO Língua portuguesa
 
parÁgrafo concursos.ppt
parÁgrafo concursos.pptparÁgrafo concursos.ppt
parÁgrafo concursos.ppt
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
 
estilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.ppt
estilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.pptestilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.ppt
estilos-de-c3a9poca-na-literatura-brasileira.ppt
 
Livro - Capitães da areia.pdf
Livro - Capitães da areia.pdfLivro - Capitães da areia.pdf
Livro - Capitães da areia.pdf
 
Definição de Arte_Arte como linguagem.PDF
Definição de Arte_Arte como linguagem.PDFDefinição de Arte_Arte como linguagem.PDF
Definição de Arte_Arte como linguagem.PDF
 
11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf
11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf
11527785-tipologias-e-os-generos-textuais.pdf
 
1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt
1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt
1ano_a-literatura-e-suas-func3a7c3b5es.ppt
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Gêneros Literários Completo com exercícios

  • 2. Por cima do abismo estende-se minh’alma tensa como um cabo onde me equilibro, malabarista de palavras. (Maiakóvski) A literatura é uma manifestação artística e a palavra é a sua matéria-prima. Entretanto, é necessário atentar para o fato de que não basta fazer uso da palavra para produzir literatura. Lembremos que a função poética da linguagem ocorre quando a intenção do emissor está voltada para a própria mensagem, quer na seleção e combinação das palavras, quer na estrutura da mensagem, com as palavras carregadas de significado.
  • 3. Gêneros Literários O termo gênero é utilizado, nas diferentes formas de arte, para denominar um conjunto de obras que apresentam características semelhantes de forma e conteúdo. A divisão tradicional em três gêneros literários – Lírico, Dramático e Épico - originou-se na Grécia clássica, com Aristóteles, quando a poesia era a forma predominante de literatura. Por nos parecer mais didática, adotamos uma divisão em quatro gêneros literários, desmembrando do épico o gênero narrativo (ou, como querem alguns, a ficção), para enquadrar as narrativas em prosa.
  • 4. Gêneros Épico Quando temos uma narrativa de fundo histórico; são os feitos heróicos e os grandes ideais de um povo o tema das epopéias. O narrador épico mantém distanciamento em relação aos acontecimentos (esse distanciamento é reforçado, naturalmente, pelo aspecto temporal: os fatos narrados situam-se no passado). Temos, portanto, um poeta observador voltado para o mundo exterior, tornando a narrativa objetiva. Os Lusíadas, de Luís de Camões, é o maior exemplo do gênero escrito em Língua Portuguesa.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. As armas e os barões assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além da Taprobana E em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; E também as memórias gloriosas Daqueles Reis que foram dilatando A Fé, o Império, e as terras viciosas De África e de Ásia andaram devastando, E aqueles que por obras valerosas Se vão da lei da Morte libertando: Cantando espalharei por toda parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte. Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Cale-se de Alexandro e de Trajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram. Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta.
  • 9.
  • 10. Gêneros Dramático Textos dramáticos são aqueles em que a “voz narrativa” está entregue às personagens, que contam a história por meio de diálogos e monólogos. Drama, em grego, significa “ação”. Ao gênero dramático pertencem os textos, em poesia ou prosa, feitos para serem representados. Isso significa que entre autor e público desempenha papel fundamental todo o elenco que participa da encenação. O gênero dramático, na Grécia Antiga, desenvolveu-se por meio de duas modalidades: a tragédia e a comédia.
  • 11. Gêneros Dramático A força de um valentão Tragédia cuiabana em 3 atos (Na sala de aula de um Colégio X de Cuiabá. Alunos enfileirados e uniformizados. O professor Marcão, vestido de jaleco branco, voz enrouquecida, explica enfaticamente a geografia da moral social no mundo da economia globalizada e alienada pelo capital) Marcão: Pô! Até quando vocês pensam que o mundo poderá sobreviver sem uma transformação abrupta nas relações comerciais entre os países em desenvolvimento e aqueles que usurparam nossas riquezas por meio da exploração colonial. Respondam, pô... Chico: Não sei professor. Primeiro Ato (Marcão dirige-se para o aluno Chico com voz afetiva e determinada) Marcão: Que coisa, você não estuda nada mesmo, hein!
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. Primeiro Ato O palco vazio com seus vários sets à vista do público; música de orquestra; no set das vizinhas, quatro mulheres começam a estender peças de roupa lavada, lençóis, camisas, camisolas, etc.; tempo; Corina chega apressada, sendo recebida com ansiedade pelas vizinhas. BUARQUE, Chico. Gota d’Água. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975, p. 3. “ A ideia de uma indicação cênica que está sobreposta às falas de uma peça teatral nasce na Grécia. Quem assume essa tarefa é o didaskalos, palavra originada de didaskalia que, em grego antigo, é um substantivo feminino que pode significar instrução e que na língua portuguesa tem por sinônimo rubrica. A partir da leitura da rubrica do primeiro ato da peça Gota d’Água, do dramaturgo, músico e escritor Chico Buarque, e ainda da indicação teórica sobre o termo rubrica, marque a alternativa correta: a) Nessa rubrica, o dramaturgo Chico Buarque dá indicações para a encenação da peça, por exemplo, que as personagens recebem Corina com ansiedade. b) No trecho, o narrador descreve o ambiente do espetáculo diretamente para os espectadores de Gota d’Água. c) Nessa rubrica, o diretor do espetáculo escreve os parâmetros para a interpretação dos atores, por exemplo, que a intérprete de Corina tem de chegar apressada. d) Na rubrica de Gota d’Água, o dramaturgo Chico Buarque faz uma crítica ao primeiro ato, questionando alguns recursos cênicos. e) Nas palavras do narrador, “o palco vazio” é apenas uma metáfora da vida.
  • 18. Gêneros Lírico ou Poético A poesia lírica surge como uma forma de atender ao anseio humano de expressão individual e subjetiva. Ela se define pela expressão de sentimentos e emoções pessoais. Uma outra marca característica de sua estrutura é o fato de dar voz a um sujeito lírico, diferente da narração impessoal própria da épica. Seu nome vem de lira, instrumento musical usado para acompanhar os cantos gregos. Ao separar-se o texto do acompanhamento musical, a poesia passou a apresentar uma estrutura mais rica.
  • 19. Gêneros Lírico ou Poético Com a poesia tendo como suporte o papel, a métrica, o ritmo das palavras, a divisão em estrofes, a rima, a combinação das palavras passaram a ser mais intensamente cultivados pelos poetas. A intensidade expressiva da obra lírica exige um trabalho muito especial do poeta sobre a sonoridade do texto. Assim, o estudo dos elementos básicos de versificação é imprescindível para compreendermos melhor o texto poético.
  • 20.
  • 21. Gêneros Lírico ou Poético ELEMENTOS DA VERSIFICAÇÃO: 1. Verso e Estrofe: Cada linha = verso (unidade rítmica do poema) Conjunto de versos = estrofe
  • 22. Gêneros Lírico ou Poético Soneto de Fidelidade Vinicius de Moraes De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. •Soneto: composição poética de 14 versos = 2 quartetos e 2 tercetos
  • 23. Gêneros Lírico ou Poético Métrica: É o número de sílabas poéticas do verso. • Na contagem das sílabas métricas (escansão), observam-se, geralmente, as seguintes normas: • A leitura de um verso deve ser caracterizada pelo ritmo; • Faz-se a contagem de sílabas até a sílaba tônica da última palavra; • Os ditongos, em geral, equivalem a apenas uma sílaba métrica;
  • 24. Gêneros Lírico ou Poético Eu/ pos/sa/ me/ di/zer/ do a/mor/ (que/ ti/ve): Que/ não/ se/ja i/mor/tal,/ pos/to/ que é/ cha/ma Mas/ que/ se/ja in/fi/ni/to em/quan/to/ du/re. VERSOS DECASSÍLABOS Principais medidas: Redondilha menor – 5 sílabas métricas Redondilha maior – 7 sílabas métricas Decassílabo – 10 sílabas métricas Alexandrino – 12 sílabas métricas Versos Livres – sem métrica regular
  • 25.
  • 26.
  • 27. Gêneros Narrativo A palavra ficção vem do latim fictionem (fingere, fictum), ato de modelar, criação, formação; ato ou efeito de fingir, inventar, simular; suposição; coisa imaginária, criação da imaginação. Literatura de ficção é aquela que contém uma história inventada ou fingida, fictícia, imaginada, resultado de uma invenção imaginativa, com ou sem intenção de enganar. A essência da ficção é, pois, a narrativa. É a sua espinha dorsal, correspondendo ao velho instinto humano de contar e ouvir histórias, uma das mais rudimentares e populares formas de entretenimento. Mas nem todas as histórias são arte. Para que tenha o valor artístico, a ficção exige uma técnica de arranjo e apresentação, que comunicará à narrativa beleza de forma, estrutura e unidade de efeito.
  • 28. Gêneros Narrativo • Elementos da narrativa O mundo da ficção desenvolve-se ao redor dos seguintes elementos estruturais: 1.Personagem É a pessoa (de persona) que atua na narrativa. Pode ser principal ou secundária, típica ou caricatural. 2.Enredo É a narrativa propriamente dita, que pode ser linear ou retrospectiva, cuja trama mantém o interesse do leitor, que espera por um desfecho. Chama-se também simples-mente de ação. 3. Espaço É o meio físico e social onde se desenvolve a ação das personagens. Trata-se do pano de fundo ou do cenário da história, também designado de paisagem.
  • 29. Gêneros Narrativo 4.Tempo É o elemento fortemente ligado ao enredo numa seqüência linear ou retrospectiva, ao passado, presente e futuro, com seus recuos e avanços. Pode ser cronológico ou psicológico. Cronológico, quando avança no sentido do relógio; psicológico, quando é medido pela repercussão emocional, estética e psicológica nas personagens. 5.Foco Narrativo Tecnicamente, podemos dizer. que se refere às diferentes maneiras de narrar. Geralmente, se resumem em duas: a) narrador-onisciente: autor conta a história como observador que sabe tudo. Usa a 3ª pessoa. b) narrador-personagem: autor conta, encarnando-se numa personagem, principal ou secundária. Usa a lª pessoa.
  • 31. (ENEM) Leia o poema abaixo de Carlos Drummond de Andrade: CIDADE GRANDE Que beleza, Montes Claros. Como cresceu Montes Claros. Quanta indústria em Montes Claros. Montes Claros cresceu tanto, ficou urbe tão notória, prima-rica do Rio de Janeiro, que já tem cinco favelas por enquanto, e mais promete. Entre os recursos expressivos empregados no texto, destaca-se a a) metalinguagem, que consiste em fazer a linguagem referir-se à própria linguagem. b) intertextualidade, na qual o texto retoma e reelabora outros textos. c) ironia, que consiste em se dizer o contrário do que se pensa, com intenção crítica. d) denotação, caracterizada pelo uso das palavras em seu sentido próprio e objetivo. e) prosopopeia, que consiste em personificar coisas inanimadas, atribuindo-lhes vida.
  • 32. (PUC) Sobre o gênero lírico, estão corretas, exceto: a) Gênero marcado pela subjetividade dos textos. Presença de um eu lírico que manifesta e expõe seus sentimentos e sua percepção acerca do mundo. b) As mais conhecidas estruturas formais do gênero lírico são a elegia, o soneto, o hino, a sátira e a écloga. c) São longos poemas narrativos em que um acontecimento histórico protagonizado por um herói é celebrado. d) Nota-se, no gênero lírico, a predominância de pronomes e verbos na 1ª pessoa e a exploração da musicalidade das palavras. e) Os poemas do gênero lírico podem apresentar forma livre ou estruturas formais.
  • 33. Leia os fragmentos abaixo e responda a qual Gênero Literário eles pertencem: “A serena, amorosa Primavera, O doce autor das glórias que consigo, A Deusa das paixões e de Citera; Quanto digo, meu bem, quanto não digo, Tudo em tua presença degenera. Nada se pode comparar contigo (...)”.
  • 34. Canta, ó deusa, a cólera de Aquiles, o Pelida (mortífera!, que tantas dores trouxe aos Aqueus e tantas almas valentes de heróis lançou no Hades, ficando seus corpos como presa para cães e aves de rapina, enquanto se cumpria a vontade de Zeus), desde o momento em que primeiro se desentenderam o Atrida, soberano dos homens, e o divino Aquiles.
  • 35. MADAME CLESSI – Deixa o homem! Como foi que você soube do meu nome? ALAÍDE – Me lembrei agora! (noutro tom) Ele está-me olhando. (noutro tom, ainda) Foi uma conversa que eu ouvi quando a gente se mudou. No dia mesmo, entre papai e mamãe. Deixe eu me recordar como foi... Já sei! Papai estava dizendo: “O negócio acabava...” (Escurece o plano da alucinação. Luz no plano da memória. Aparecem pai e mãe de Alaíde.) PAI (continuando a frase) – “...numa orgia louca.” MÃE – E tudo isso aqui? PAI – Aqui, então?! MÃE – Alaíde e Lúcia morando em casa de Madame Clessi. Com certeza, é no quarto de Alaíde que ela dormia. O melhor da casa! PAI – Deixa a mulher! Já morreu! MÃE – Assassinada. O jornal não deu? PAI – Deu. Eu ainda não sonhava conhecer você. Foi um crime muito falado. Saiu fotografia. MÃE – No sótão tem retratos dela, uma mala cheia de roupas. Vou mandar botar fogo em tudo. PAI – Manda.
  • 36. Ele gostava de matar, por seu miúdo regozijo. Nem contava valentias, vivia dizendo que não era mau. Mas, outra vez, quando um inimigo foi pego, ele mandou: – “Guardem este.” Sei o que foi. Levaram aquele homem, entre as árvores duma capoeirinha, o pobre ficou lá, nhento, amarrado na estaca. O Hermógenes não tinha pressa nenhuma, estava sentado, recostado. A gente podia caçar a alegria pior nos olhos dele. Depois dum tempo, ia lá, sozinho, calmoso? Consumia horas, afiando a faca (...)”.
  • 37. O poema a seguir, de Raimundo Correia, é a base para as seguintes questões: As pombas Vai-se a primeira pomba despertada... Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas De pombas vão-se dos pombais, apenas Raia sanguínea e fresca a madrugada... E à tarde, quando a rígida noitada Sopra, aos pombais de novo elas, serenas, Rufiando as asas, sacudindo as penas, Voltam todas em bando e em revoada... Também dos corações onde abotoam, Os sonhos, um por um céleres voam, Como voam as pombas dos pombais; No azul da adolescência as asas soltam Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam, E eles aos corações não voltam mais... (Unifesp) De acordo com o poema é possível dizer que: a) Possui versos sem rima, liberdade na expressão dos sentimentos e recorrência às imagens. b) Tem versos livres, com predominância de narração e ênfase nos aspectos sonoros. c) É um soneto em versos decassílabos, com predominância de rimas preciosas e intercaladas. d) É um soneto com versos brancos, rimas cruzadas e predominância de versos livres. e) É um soneto hendecassílabo com rimas ricas e alternadas.
  • 38. (PAS – UEM) Assinale a alternativa INCORRETA: a) A obra literária, no que se refere à forma e conteúdo, pode ser classificada em Gênero Épico, Lírico, Dramático e Narrativo. b) A Epopéia, longo poema em versos, pertence ao Gênero Épico e narra as peripécias de um herói grandioso, protagonista de fatos considerados históricos, de episódios míticos e maravilhosos. Como grandes epopéias da civilização ocidental, podem ser citadas: “A Odisséia”, de Homero; “Eneida”, de Virgílio; e “Os Lusíadas”, de Camões. c) O Gênero Dramático decorre de uma manifestação do “eu poético”, que extravasa estados de alma, sentimentos e emoções pessoais. A matéria do Gênero Dramático é o mundo empírico em que se debate o “eu”, razão pela qual predominam, em textos dessa natureza, descrições de paisagens e de objetos. d) No Gênero Lírico, o “eu poético” pode falar de si mesmo, de alguém ou com alguém. É fundamental, no entanto, que o texto resulte marcadamente subjetivo, pois se trata, sobretudo, da expressão de um estado emocional, não de narração objetiva de fatos. e) Tanto no Gênero Narrativo quanto nos Gêneros Épico e Lírico pode-se contar uma história, no entanto o que será diferente é a estrutura, a forma, de cada gênero.
  • 39. (UFMT) Sobre literatura, gênero e estilos literários, pode-se dizer que: a) O Gênero Narrativo pode ter narrador, personagens, tempo e espaço, mas, na maioria das vezes, o que mais é apresentado nesse gênero são os diálogos e a presença de um eu-lírico em todo o momento do enredo. b) os romances, os contos e as crônicas fazem parte do Gênero Lírico, enquanto as telenovelas, os teatros e os roteiros de cinema fazem parte do Gênero Dramático. c) o texto literário é aquele em que predominam a repetição perfeita da realidade, a linguagem linear, a unidade de sentido (sem múltiplas interpretações). d) no Gênero Lírico, os elementos do mundo exterior/de fora predominam sobre os do mundo interior do eu poético. e) todo momento histórico apresenta um conjunto de normas que caracteriza suas manifestações culturais, constituindo o estilo da época.