SlideShare uma empresa Scribd logo
Teorias e práticas do currículo
Prof. Thiago Cellin Duarte
thiago.duarte@anhanguera.com
Pedagogia
Organização do tempo e do espaço escolar
Tempo escolar
• Calendário escolar = elemento constitutivo da
organização do currículo escolar.
• Quantidade de horas
que os professores de
cada matéria terão para
usar em sala de aula,
• Avaliações, cursos, os
feriados, as férias, períodos
em que o ano se divide, os
dias letivos, as atividades
extracurriculares e as
atividades pedagógicas
(como trabalho coletivo na
escola, conselho de classe e
paradas pedagógicas).
Tempo escolar
• Professor = tempo para conhecer melhor seus
alunos
– Exercer sua formação continuada dentro do
ambiente escolar.
– Participar de cursos e palestras, preparar suas
aulas, diários, avaliações, atividades didáticas e
acompanhar e avaliar o projeto político-
pedagógico em ação.
Tempo escolar
• O estudante também precisa de tempo para, entre
outras coisas, se organizar e criar seus espaços para
além da sala de aula.
• Organização do tempo escolar de cada escola deve
levar em consideração a realidade, a região e a
estrutura de cada instituição e dos alunos.
– Por exemplo, em regiões onde a maioria da
população trabalha na área rural, o calendário
escolar deve levar em conta as épocas de safra e
entressafra.
Tempo escolar
• Essa organização do tempo escolar é
normalmente feita no momento da elaboração
do projeto-político-pedagógico (PPP) de cada
escola.
• As pessoas mais indicadas para a organização
desse tempo escolar são os próprios professores,
por conhecerem as necessidades e a realidade da
sala de aula.
• No entanto, verifica-se que, na maioria dos casos,
são especialistas e membros de outras áreas, os
responsáveis por esta parte.
Tempo escolar
• Tempo escolar fica muito compartimentado e
hierarquizado.
• Grade curricular = fixa o tempo de cada
disciplina, concede mais tempo – que
normalmente é apenas de uma hora ou menos –
para disciplinas que são consideradas de mais
importância em detrimento de outras, que
acabam ficando prejudicadas por terem menos
tempo para serem desenvolvidas.
Tempo escolar
• É necessário reformular a forma em que o tempo
escolar é organizado, para alterar a qualidade do
trabalho pedagógico.
• Espaço escolar não se resume apenas em um
ambiente de abrigo, na qual as crianças,
professores e funcionários vão para se manterem
“seguros.”
• Escola= espaço de desenvolvimento cognitivo e
um alicerce na construção das relações
interpessoais.
• Segundo Vygotsky, “o ser humano cresce num
ambiente social e a interação com outras pessoas
é essencial ao seu desenvolvimento”.
Espaço escolar
• Aprendizagem = fatores internos e externos.
Espaço escolar
• Estrutura física do espaço educativo.
O ambiente, com ou sem o conhecimento do educador,
envia mensagens e, os que aprendem, respondem a
elas. A influência do meio através da interação
possibilitada por seus elementos é contínua e
penetrante. As crianças e ou os usuários dos espaços
são os verdadeiros protagonistas da sua aprendizagem,
na vivência ativa com outras pessoas e objetos, que
possibilita descobertas pessoais num espaço onde será
realizado um trabalho individualmente ou em pequenos
grupos.
OLIVEIRA (2000, p.158, apud HANK, 2006)
Espaço escolar
• Assim, o espaço educativo deve ser planejado
de forma a satisfazer as necessidades da
criança, ou seja, tudo deverá estar acessível ao
educando, desde objetos pessoais, assim
como os brinquedos.
• Desenvolvimento ocorrerá de forma a
possibilitar sua autonomia, bem como sua
socialização dentro das suas singularidades.
Espaço escolar
Todos os ambientes construídos para crianças
deveriam atender cinco funções relativas ao
desenvolvimento infantil, no sentido de promover:
identidade pessoal, desenvolvimento de
competência, oportunidades para crescimento,
sensação de segurança e confiança, bem como
oportunidades para contato social e privacidade.
DAVID & WEINSTEIN (citados por CARVALHO e
RUBIANO 2001 apud HANK, 2006)
Espaço escolar
É no espaço físico que a criança consegue estabelecer
relações entre o mundo e as pessoas, transformando-o
em um pano de fundo no qual se inserem emoções [...]
nessa dimensão o espaço é entendido como algo
conjugado ao ambiente e vice-versa. Todavia é
importante esclarecer que essa relação não se constitui
de forma linear. Assim sendo, em um mesmo espaço
podemos ter ambientes diferentes, pois a semelhança
entre eles não significa que sejam iguais. Eles se definem
com a relação que as pessoas constroem entre elas e o
espaço organizado.
HORN (2004, p. 28, apud HANK, 2006)
Espaço escolar
• Uma infraestrutura adequada possibilita aos mais
variados seguimentos da escola uma relação
promissora no seu papel pedagógico.
• A necessidade de uma instituição de ensino bem
estruturada é de fundamental importância para
as capacidades físicas, intelectuais e morais dos
discentes.
• Um espaço acolhedor transforma o aprendizado
em uma ferramenta estimuladora e, cria
condições para que o ato educativo possa ser
refletido no desenvolvimento bio-psico-social.
Conclusões

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Marily Oliveira
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
Magda Marques
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
Cursos Profissionalizantes
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
pdescola
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
driminas
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
Ana Lúcia M. Benício
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Joao Balbi
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
Jose Wilson Melo
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
O que é gestão escolar césar tavares
O que é gestão  escolar césar tavaresO que é gestão  escolar césar tavares
O que é gestão escolar césar tavares
CÉSAR TAVARES
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
Simone Lucas
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
Joao Balbi
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
Lilian Moreira
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Slide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
Slide oficinas Capacitação de Educação InclusivaSlide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
Slide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
Elisete Nunes
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
luannagorges
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
SimoneHelenDrumond
 

Mais procurados (20)

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
O que é gestão escolar césar tavares
O que é gestão  escolar césar tavaresO que é gestão  escolar césar tavares
O que é gestão escolar césar tavares
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Slide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
Slide oficinas Capacitação de Educação InclusivaSlide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
Slide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
 

Semelhante a Organização do tempo e do espaço escolar

EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
Natalia384006
 
Organização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do EspaçoOrganização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do Espaço
Bianca Cunha
 
Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01
Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01
Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01
Simone Queiroz
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
Luiza Carvalho
 
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
Modelo artigo prática docente i  1- -1-Modelo artigo prática docente i  1- -1-
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
pedagogianh
 
Trabalho aderbal
Trabalho aderbalTrabalho aderbal
Trabalho aderbal
aderbal12345
 
Coordenação minha paixão
Coordenação minha paixãoCoordenação minha paixão
Coordenação minha paixão
MARCIAPING
 
Modulo 3
Modulo 3Modulo 3
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Bete Feliciano
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Bete Feliciano
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantil
João Rafael Lopes
 
Dez importantes questoes a considerar
Dez importantes questoes a considerarDez importantes questoes a considerar
Dez importantes questoes a considerar
pedagogia para licenciados
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
renatalguterres
 
Berçário simone helen drumond
Berçário simone helen  drumondBerçário simone helen  drumond
Berçário simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .pptApresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Milene452635
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
Rosinara Azeredo
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
Josenilza Paiva
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
Planejamento CENE 2023.pptx.pdf
Planejamento CENE 2023.pptx.pdfPlanejamento CENE 2023.pptx.pdf
Planejamento CENE 2023.pptx.pdf
AdeliceBraga
 
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligoDez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
Naysa Taboada
 

Semelhante a Organização do tempo e do espaço escolar (20)

EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
 
Organização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do EspaçoOrganização do Tempo e do Espaço
Organização do Tempo e do Espaço
 
Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01
Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01
Sequnciadidticanaeducaoinfantil 140619123922-phpapp01
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
 
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
Modelo artigo prática docente i  1- -1-Modelo artigo prática docente i  1- -1-
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
 
Trabalho aderbal
Trabalho aderbalTrabalho aderbal
Trabalho aderbal
 
Coordenação minha paixão
Coordenação minha paixãoCoordenação minha paixão
Coordenação minha paixão
 
Modulo 3
Modulo 3Modulo 3
Modulo 3
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantil
 
Dez importantes questoes a considerar
Dez importantes questoes a considerarDez importantes questoes a considerar
Dez importantes questoes a considerar
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Berçário simone helen drumond
Berçário simone helen  drumondBerçário simone helen  drumond
Berçário simone helen drumond
 
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .pptApresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
Planejamento CENE 2023.pptx.pdf
Planejamento CENE 2023.pptx.pdfPlanejamento CENE 2023.pptx.pdf
Planejamento CENE 2023.pptx.pdf
 
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligoDez importantes-questoes-rosaura-soligo
Dez importantes-questoes-rosaura-soligo
 

Mais de Thiago Cellin Duarte

Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.
Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.
Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.
Thiago Cellin Duarte
 
A criança de seis anos no ensino fundamental
A criança de seis anos no ensino fundamentalA criança de seis anos no ensino fundamental
A criança de seis anos no ensino fundamental
Thiago Cellin Duarte
 
Ef e aspectos legais
Ef e aspectos legaisEf e aspectos legais
Ef e aspectos legais
Thiago Cellin Duarte
 
Metodologia ef aula 1
Metodologia ef   aula 1Metodologia ef   aula 1
Metodologia ef aula 1
Thiago Cellin Duarte
 
Revisão de prova
Revisão de provaRevisão de prova
Revisão de prova
Thiago Cellin Duarte
 
Planejamento e execução do currículo
Planejamento e execução do currículoPlanejamento e execução do currículo
Planejamento e execução do currículo
Thiago Cellin Duarte
 
Curriculo como processo vivenciado na escola.
Curriculo como processo vivenciado na escola.Curriculo como processo vivenciado na escola.
Curriculo como processo vivenciado na escola.
Thiago Cellin Duarte
 
Reflexão dos pcn
Reflexão dos pcnReflexão dos pcn
Reflexão dos pcn
Thiago Cellin Duarte
 
Curriculo como produção social
Curriculo como produção socialCurriculo como produção social
Curriculo como produção social
Thiago Cellin Duarte
 
PCN fund. legal do curriculo
PCN   fund. legal do curriculoPCN   fund. legal do curriculo
PCN fund. legal do curriculo
Thiago Cellin Duarte
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo e cultura
Curriculo e culturaCurriculo e cultura
Curriculo e cultura
Thiago Cellin Duarte
 
PCN ciencias
PCN cienciasPCN ciencias
PCN ciencias
Thiago Cellin Duarte
 
Politicas publicas para a educação
Politicas publicas para a educaçãoPoliticas publicas para a educação
Politicas publicas para a educação
Thiago Cellin Duarte
 

Mais de Thiago Cellin Duarte (14)

Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.
Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.
Interdisciplinaridade nos primeiros anos do ensino fundamental.
 
A criança de seis anos no ensino fundamental
A criança de seis anos no ensino fundamentalA criança de seis anos no ensino fundamental
A criança de seis anos no ensino fundamental
 
Ef e aspectos legais
Ef e aspectos legaisEf e aspectos legais
Ef e aspectos legais
 
Metodologia ef aula 1
Metodologia ef   aula 1Metodologia ef   aula 1
Metodologia ef aula 1
 
Revisão de prova
Revisão de provaRevisão de prova
Revisão de prova
 
Planejamento e execução do currículo
Planejamento e execução do currículoPlanejamento e execução do currículo
Planejamento e execução do currículo
 
Curriculo como processo vivenciado na escola.
Curriculo como processo vivenciado na escola.Curriculo como processo vivenciado na escola.
Curriculo como processo vivenciado na escola.
 
Reflexão dos pcn
Reflexão dos pcnReflexão dos pcn
Reflexão dos pcn
 
Curriculo como produção social
Curriculo como produção socialCurriculo como produção social
Curriculo como produção social
 
PCN fund. legal do curriculo
PCN   fund. legal do curriculoPCN   fund. legal do curriculo
PCN fund. legal do curriculo
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Curriculo e cultura
Curriculo e culturaCurriculo e cultura
Curriculo e cultura
 
PCN ciencias
PCN cienciasPCN ciencias
PCN ciencias
 
Politicas publicas para a educação
Politicas publicas para a educaçãoPoliticas publicas para a educação
Politicas publicas para a educação
 

Último

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 

Último (20)

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 

Organização do tempo e do espaço escolar

  • 1. Teorias e práticas do currículo Prof. Thiago Cellin Duarte thiago.duarte@anhanguera.com Pedagogia Organização do tempo e do espaço escolar
  • 2. Tempo escolar • Calendário escolar = elemento constitutivo da organização do currículo escolar. • Quantidade de horas que os professores de cada matéria terão para usar em sala de aula,
  • 3. • Avaliações, cursos, os feriados, as férias, períodos em que o ano se divide, os dias letivos, as atividades extracurriculares e as atividades pedagógicas (como trabalho coletivo na escola, conselho de classe e paradas pedagógicas). Tempo escolar
  • 4. • Professor = tempo para conhecer melhor seus alunos – Exercer sua formação continuada dentro do ambiente escolar. – Participar de cursos e palestras, preparar suas aulas, diários, avaliações, atividades didáticas e acompanhar e avaliar o projeto político- pedagógico em ação. Tempo escolar
  • 5. • O estudante também precisa de tempo para, entre outras coisas, se organizar e criar seus espaços para além da sala de aula. • Organização do tempo escolar de cada escola deve levar em consideração a realidade, a região e a estrutura de cada instituição e dos alunos. – Por exemplo, em regiões onde a maioria da população trabalha na área rural, o calendário escolar deve levar em conta as épocas de safra e entressafra. Tempo escolar
  • 6. • Essa organização do tempo escolar é normalmente feita no momento da elaboração do projeto-político-pedagógico (PPP) de cada escola. • As pessoas mais indicadas para a organização desse tempo escolar são os próprios professores, por conhecerem as necessidades e a realidade da sala de aula. • No entanto, verifica-se que, na maioria dos casos, são especialistas e membros de outras áreas, os responsáveis por esta parte. Tempo escolar
  • 7. • Tempo escolar fica muito compartimentado e hierarquizado. • Grade curricular = fixa o tempo de cada disciplina, concede mais tempo – que normalmente é apenas de uma hora ou menos – para disciplinas que são consideradas de mais importância em detrimento de outras, que acabam ficando prejudicadas por terem menos tempo para serem desenvolvidas. Tempo escolar
  • 8. • É necessário reformular a forma em que o tempo escolar é organizado, para alterar a qualidade do trabalho pedagógico.
  • 9. • Espaço escolar não se resume apenas em um ambiente de abrigo, na qual as crianças, professores e funcionários vão para se manterem “seguros.” • Escola= espaço de desenvolvimento cognitivo e um alicerce na construção das relações interpessoais. • Segundo Vygotsky, “o ser humano cresce num ambiente social e a interação com outras pessoas é essencial ao seu desenvolvimento”. Espaço escolar
  • 10. • Aprendizagem = fatores internos e externos. Espaço escolar • Estrutura física do espaço educativo.
  • 11. O ambiente, com ou sem o conhecimento do educador, envia mensagens e, os que aprendem, respondem a elas. A influência do meio através da interação possibilitada por seus elementos é contínua e penetrante. As crianças e ou os usuários dos espaços são os verdadeiros protagonistas da sua aprendizagem, na vivência ativa com outras pessoas e objetos, que possibilita descobertas pessoais num espaço onde será realizado um trabalho individualmente ou em pequenos grupos. OLIVEIRA (2000, p.158, apud HANK, 2006) Espaço escolar
  • 12. • Assim, o espaço educativo deve ser planejado de forma a satisfazer as necessidades da criança, ou seja, tudo deverá estar acessível ao educando, desde objetos pessoais, assim como os brinquedos. • Desenvolvimento ocorrerá de forma a possibilitar sua autonomia, bem como sua socialização dentro das suas singularidades. Espaço escolar
  • 13.
  • 14. Todos os ambientes construídos para crianças deveriam atender cinco funções relativas ao desenvolvimento infantil, no sentido de promover: identidade pessoal, desenvolvimento de competência, oportunidades para crescimento, sensação de segurança e confiança, bem como oportunidades para contato social e privacidade. DAVID & WEINSTEIN (citados por CARVALHO e RUBIANO 2001 apud HANK, 2006) Espaço escolar
  • 15. É no espaço físico que a criança consegue estabelecer relações entre o mundo e as pessoas, transformando-o em um pano de fundo no qual se inserem emoções [...] nessa dimensão o espaço é entendido como algo conjugado ao ambiente e vice-versa. Todavia é importante esclarecer que essa relação não se constitui de forma linear. Assim sendo, em um mesmo espaço podemos ter ambientes diferentes, pois a semelhança entre eles não significa que sejam iguais. Eles se definem com a relação que as pessoas constroem entre elas e o espaço organizado. HORN (2004, p. 28, apud HANK, 2006) Espaço escolar
  • 16. • Uma infraestrutura adequada possibilita aos mais variados seguimentos da escola uma relação promissora no seu papel pedagógico. • A necessidade de uma instituição de ensino bem estruturada é de fundamental importância para as capacidades físicas, intelectuais e morais dos discentes. • Um espaço acolhedor transforma o aprendizado em uma ferramenta estimuladora e, cria condições para que o ato educativo possa ser refletido no desenvolvimento bio-psico-social. Conclusões