SlideShare uma empresa Scribd logo
PESQUISAS EDUCACIONAIS
PESQUISA EDUCACIONAL I
Ana Adília Rodrigues
Especialista em Gestão com Ênfase em
Supervisão e Coordenação Escolar
Objetivo da Disciplina
• Estudar os diversos enfoques de pesquisa, discutindo
suas contribuições na produção do conhecimento;
• Conhecer metodologias da pesquisa educacional e as
técnicas de coleta e análise de dados mais usuais.
• Refletir sobre o professor como pesquisador.
• Oferecer subsídios para a elaboração do Projeto de
Pesquisa.
O professor e a produção do conhecimento
O que é PESQUISA?
 É procurar respostas para inquietações, ou para um
problema.
 Atividade básica das ciências na sua indagação e
descoberta da realidade. É uma atitude e uma
prática de constante busca que define um processo
intrinsecamente inacabado e permanente
(MINAYO, 1993).
 É um processo formal e sistemático de
desenvolvimento do método científico (GIL, 1999).
Pesquisar para que?
• PARA CONHECER...
Conhecer para que?
1. Para planejar...
2. Para intervir...
3. Para formar...
4. Para debater...
5. Para avaliar...
6. Para transformar...
7. Para emancipar...
Paradigmas da Pesquisa
Positivismo O positivismo de August Comte era a Lei dos três estágios
em suas concepções, sendo elas:
• Teológico: Afirmava que o homem explicava a realidade
por meio de entidades sobrenaturais buscando
responder questões como “de onde viemos?” e “para
onde vamos?”. Fora isso, buscava-se o absoluto. É o
estágio que a imaginação se sobrepunha à razão.
• Metafísico ou Abstrato: Pode ser considerado como um
meio-termo entra a teologia e a positividade. Continua-
se a procura de respostas para as mesmas questões do
Teológico, sempre buscando o absoluto através da busca
da razão e do destino das coisas.
• Positivo: Última e definitiva etapa. Não já se buscava
mais o porquê das coisas, porém o como as coisas
aconteciam. A imaginação vira subordinada à
observação e busca-se somente o visível e concreto.
Fenomenologia
Surge com o filósofo alemão Husserl (1859-1938
• 4.1Etimologia de fenômeno: vem da palavra
grega phainomenon particípio presente
de phainesthai que significa aparecer. Aparecer
carrega dois significados: ato de ocultar a realidade
e manifestação ou revelação da mesma realidade.
• 4.4 Fenômeno para Husserl (séc. XIX e XX): Sentido
diferente de Kant. Fenômeno começou a indicar
aquilo que aparece ou se manifesta em si mesmo,
como é em si, na sua essência. Mas para isto exige a
reflexão filosófica, não é uma manifestação natural
da coisa.
Marxismo
• No século XIX, vários pensadores tinham grande
preocupação em dar respostas aos vários
problemas sociais que se desenvolviam no seio
da sociedade capitalista. Os socialistas utópicos
foram os primeiros a proporem e teorizarem
meios que pudessem resolver a expressa
diferença percebida entre os membros do
proletariado e da classe burguesa.
Em 1848, os pensadores Karl Marx e Friedrich
Engels apareceram com um elaborado arcabouço
teórico que visava renovar o socialismo. Para
tanto, realizaram um complexo exercício de
reflexão sobre as relações humanas e as
instituições que regulavam as sociedades. Como
resultado, obtiveram uma série de princípios que
fundamentaram o marxismo, também conhecido
como socialismo científico.
Forma de Abordagem
Pesquisa Quantitativa
• Traduz em números, opiniões e informações para
classificá-los e organizá-los. Utiliza métodos estatísticos.
 Pesquisa Qualitativa
• Considera a existência de uma relação dinâmica entre
mundo real e sujeito. É descritiva e utiliza o método
indutivo. O processo é foco principal.
Tipos de Pesquisa
 Pesquisa Exploratória: visa proporcionar maior familiaridade
com o problema com vistas a torná-lo explicito ou a construir
hipóteses. Pesquisas bibliográficas e estudos de caso.
 Pesquisa Descritiva: envolve técnicas padronizadas de coleta
de dados, como questionários e observação sistemática.
Assume a forma de levantamento.
 Pesquisa Explicativa: explica o porquê das coisas, visando
identificar os fatores que determinam ou contribuem para a
ocorrência dos fenômenos. Assume a forma de Pesquisa
experimental.
Procedimentos Técnicos
 Pesquisa Bibliográfica: a partir de material já publicado.
 Pesquisa Documental: a partir de material não analisado.
 Pesquisa Experimental: variáveis de controle sobre um objeto.
 Levantamento: interrogação direta.
 Estudo de caso: estudo profundo de um ponto para detalhamento
do conhecimento.
 Pesquisa-ação: resolução de um problema coletivo.
 Pesquisa Participante: interação entre pesquisadores e membros
da situação investigadas.
Métodos Científicos
 Método Dedutivo: proposto pelos racionalistas com
Descartes. Só a razão é capaz de levar ao conhecimento
verdadeiro.
 Método Indutivo: proposto pelos empiristas com Bacon e
Locke. O conhecimento é fundamental na experiência, não
levando em conta princípios pré-estabelecidos.
 Método Dialético: proposto por Hegel, os fatos não podem
ser considerados fora de um contexto social, político,
econômico, etc.
 Método Fenomenológico: proposto por Husserl. Descrição
direta da experiência tal como ela é.
O Método Científico
A
EXPERIÊNCIA
A IDÉIA A PERGUNTA
OS
RESULTADOS
E
CONCLUSÕES
NOVAS
DÚVIDAS
Etapas da Pesquisa
• O projeto de pesquisa deve, fundamentalmente, responder as
seguintes perguntas (Rudio, 1986):
 O que pesquisar?
 Por que pesquisar?
 Para que pesquisar?
 Como pesquisar?
 Quando pesquisar?
 Com que recursos?
 Pesquisado por quem?
Etapas da Pesquisa
• COM QUEM PESQUISAR?
1. Com os alunos ....
2. Sobre os alunos...
3. Com os professores...
4. Sobre os professores...
5. Com a comunidade...
6. Sobre a comunidade...
7. Com o conselho escolar...
8. Sobre o conselho escolar...
9. Etc...
COMO PLANEJAR A PESQUISA?
• Introdução
• Problema
• Justificativa
• Questões
• Objetivos
REFERENCIAL TEÓRICO
• Metodologia
• Enfoque
• Método
• Local e Fontes
• Coleta de Dados
LUDKE, M. & ANDRÉ, M. Pesquisa em
educação:abordagens qualitativas. São Paulo: EDU,
1996.
OLIVEIRA, I.B.de. & ALVES, N. Pesquisa no/do
cotidiano das escolas: sobre redes de saberes.2ed. Rio
de Janeiro: DP&A, 2002.
TEIXEIRA, E. As três metodologias. 8ed. Petrópolis:
Vozes, 2011.
“Querem que vos ensine o modo de chegar à
ciência verdadeira? Aquilo que se sabe, saber que
se sabe; aquilo que não se sabe, saber que não se
sabe; na verdade é este o saber.”
Confúcio
PESQUISA EDUCACIONAL II
Ana Adília Rodrigues
Especialista em Gestão com Ênfase em
Supervisão e Coordenação Escolar
Objetivo da Disciplina
• Estudar os diversos enfoques de pesquisa, discutindo
suas contribuições na produção do conhecimento;
• Conhecer metodologias da pesquisa educacional e as
técnicas de coleta e análise de dados mais usuais.
• Refletir sobre o professor como pesquisador.
• Oferecer subsídios para a elaboração do Projeto de
Pesquisa.
METODOLOGIAS DA PESQUISA DA EDUCAÇÃO
• Estudo Etnográfico;
• Estudo de Caso;
• Pesquisa-ação;
• Pesquisa Bibliográfica.
ESTUDO ETINÓGRÁFICO
• A pesquisa etnográfica tem bases antropológicas ou
etnográficas, baseia-se na observação e
levantamento de hipóteses, onde o etnólogo procura
descrever o que, na sua visão, ou seja, na sua
interpretação, está ocorrendo no contexto
pesquisado. Uma das características da Etnografia é a
presença física do pesquisador e a observação in
loco.
ESTUDO DE CASO
Estudos de caso vêm sendo usados há muito tempo em
diferentes áreas de conhecimento, tais como: sociologia,
antropologia, medicina, psicologia, serviço social, direito,
administração, com métodos e finalidades variadas.
• 1) o conhecimento está em constante processo de
construção;
• 2) o caso envolve uma multiplicidade de dimensões; e
• 3) a realidade pode ser compreendida sob diversas
óticas.
ESTUDO DE CASO – NA EDUCAÇÃO
Em educação, os estudos de caso aparecem em manuais de
metodologia de pesquisa das décadas de 1960 e 1970, mas
com um sentido muito limitado: es- 97 Marli André Revista
da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v.
22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013 tudo descritivo de uma
unidade, seja ela uma escola, um professor, um grupo de
alunos, uma sala de aula. Esses estudos eram considerados
“não experimentais”, portanto menos “científicos” do que
os estudos experimentais largamente utilizados na
psicologia e na educação naquele momento.
Já nos anos 1980, no contexto das abordagens qualitativas,
o estudo de caso ressurge na pesquisa educacional com um
sentido mais abrangente: o de focalizar um fenômeno
particular, levando em conta seu contexto e suas múltiplas
dimensões. Valoriza- -se o aspecto unitário, mas ressalta-se
a necessidade da análise situada e em profundidade. As
abordagens qualitativas de pesquisa se fundamentam numa
perspectiva que concebe o conhecimento como um
processo socialmente construído pelos sujeitos nas suas
interações cotidianas, enquanto atuam na realidade,
transformando-a e sendo por ela transformados
PRESSUPOSTOS NO USO DO ESTUDO DE CASO
QUALITATIVO
•O primeiro pressuposto implica uma atitude aberta e flexível por parte do pesquisador, que se
apoia em um referencial teórico, mas não se fixa rigidamente nele, pois fica atento a aspectos
novos, relevantes, que podem surgir no decorrer do trabalho.
1) O conhecimento está em constante processo de construção;
•O segundo pressuposto requer que o pesquisador procure utilizar uma variedade de fontes de
dados, de métodos de coleta, de instrumentos e procedimentos, para contemplar as múltiplas
dimensões do fenômeno investigado e evitar interpretações unilaterais ou superficiais.
2) O caso envolve uma multiplicidade de dimensões;
•O terceiro pressuposto exige uma postura ética do pesquisador, que deve fornecer ao leitor as
evidências que utilizou para fazer suas análises, ou seja, que descreva de forma acurada os
eventos, pessoas e situações observadas, transcreva depoimentos, extratos de documentos e
opiniões dos sujeitos/ participantes, busque intencionalmente fontes com opiniões
divergentes.
3) A realidade pode ser compreendida sob diversas óticas.
TIPOS DE ESTUDOS DE CASOS
Intrínseco
• é aquele em que há interesse em estudar aquele específico caso. Por exemplo: uma experiência
inovadora, que vale a pena ser investigada para identificar quais os elementos que a constituem,
o que a faz tão distintiva, que recursos foram necessários para atingir este nível, que valores a
orientam, que resultados obteve e assim por diante. Naturalmente, a pesquisa exigirá uma
multiplicidade de fontes de dados, de métodos e procedimentos de coleta e análise de dados
Instrumental
• instrumental é aquele em que o caso não é uma situação concreta, mas uma questão mais
ampla, como, por exemplo, a incorporação de uma política no cotidiano escolar. Pode-se
escolher uma escola qualquer que vai ser a base para investigar como essa política é apropriada
pelos atores escolares.
Coletivo
• quando o pesquisador escolhe diferentes casos, intrínsecos ou instrumentais, para estudo. Por
exemplo, na avaliação do Programa de Formação de Professores em Exercício (PROFORMAÇÃO),
buscamos seis diferentes escolas de três diferentes regiões do país, para estudar a qualidade do
Programa e seus efeitos nas práticas de sala de aula dos professores cursistas
TRAÇOS COMUNS PARA OS ESTUDOS DE CASO
• a) o caso tem uma particularidade que merece ser
investigada; e
• b) o estudo deve considerar a multiplicidade de
aspectos que caracteriza o caso, o que vai requerer o
uso de múltiplos procedimentos metodológicos para
desenvolver um estudo em profundidade.
FESES DE DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO
DE CASO QUALITATIVO
• Fases exploratória ou de definição dos focos de
estudo;
• Fase de coleta dos dados ou de delimitação do
estudo; e
• Fase de análise sistemática dos dados.
PESQUISA-AÇÃO
• A pesquisa-ação educacional é principalmente uma
estratégia para o desenvolvimento de professores e
pesquisadores de modo que eles possam utilizar suas
pesquisas para aprimorar seu ensino e, em
decorrência, o aprendizado de seus alunos, mas
mesmo no interior da pesquisa-ação educacional
surgiram variedades distintas.
VARIEDADES DE PESQUISA-AÇÃO
• Stephen Corey defendia, nos EUA, uma forma
vigorosamente técnica;
• Forma britânica, mais orientada para o desenvolvimento
do julgamento profissional do professor (Elliott;
Adleman, 1976; Elliott, 1991);
• Forma Australiana (Carr; Kemmis, 1986) de orientação
emancipatória e de crítica social.
• Outras variedades correlatas acrescentaram-se desde
então e, talvez mais recentemente, a noção de Sachs
(2003) de “profissional ativista”.
O CICLO DA INVESTIGAÇÃO-AÇÃO
Ação
AGIR para
implantar
melhora
planejada
Monitorar e
DESCREVER os
efeitos da ação
AVALIAR os
resultados da
ação
PLANEJAR
uma melhor
prática
Investigação
AS CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA-AÇÃO
Onze Características da Pesquisa-ação
Linha Prática Rotineira Pesquisa-ação Pesquisa Cientifica
1 Habitual Inovadora Original/financiada
2 Repetida Contínua Ocasional
3 Reativa contingência Proativa estrategicamente Metodologicamente conduzida
4 Individual Participativa Colaborativa/colegiada
5 Naturalista Intervencionista Experimental
6 Não questionada Problematizada Contratual (negociada)
7 Com base na experiência Deliberada Discutida
8 Não-articulada Documentada Revisada pelos pares
9 Pragmática Compreendida Explicada/teorizada
10 Específica do contexto Generalizada
11 Privada Disseminada Publicada
LINHA 1: A prática rotineira é apresentada como habitual, embora o que se tornou hábito foi
anteriormente tanto inovador quanto original sob certos aspectos. Analogamente, há muita
coisa na pesquisa científica que é rotineira, particularmente num período daquilo a que Kuhn
(1970) se refere como ciência “normal”.
• LINHA 2: A pesquisa-ação deve ser contínua e não repetida ou ocasional, porque não se
pode repetidamente realizar pesquisas-ação sobre a prática de alguém, mas deve-se
regularmente trabalhar para melhorar um aspecto dela, de modo que deva ser mais
frequente do que ocasional.
LINHA 3: A prática tende a ser uma questão de reagir eficaz e imediatamente a eventos na
medida que ocorram e a pesquisa científica tende a operar de acordo com protocolos
metodológicos determinados. A pesquisa-ação fica entre os dois, porque é proativa com
respeito à mudança, e sua mudança é estratégica no sentido de que é ação baseada na
compreensão alcançada por meio da análise de informações de pesquisa.
• LINHA 4: Enquanto a prática rotineira tende a ser a única responsabilidade do prático, e
atualmente a maioria das pesquisas é realizada em equipe, a pesquisa-ação é
participativa na medida em que inclui todos os que, de um modo ou outro, estão
envolvidos nela e é colaborativa em seu modo de trabalhar.
LINHA 5: A prática rotineira é naturalista na medida em que não é pesquisada, de modo que
não há manipulação da situação. Tanto a pesquisa-ação quanto a pesquisa científica são
experimentais no sentido de que fazem as coisas acontecerem para ver o que realmente
acontece. Porém, como a pesquisa-ação ocorre em cenários sociais não manipulados, ela não
segue os cânones de variáveis controladas comuns à pesquisa científica, de modo que pode ser
chamada mais geralmente de intervencionista do que mais estritamente experimental.
• LINHA 6: A prática rotineira normalmente não considera muito o exame de seus
procedimentos, valores e eficácia, mas como processo de aprimoramento, a
pesquisa-ação sempre começa a partir de algum tipo de problema e muitas vezes
se aplica o termo “problema-tizar”, porque esse tipo de pesquisa, em comum com
a idéia de Argyris e Schön (1974) de “aprendizagem de dupla mão” na prática
reflexiva, trata “o problema” como um problema em si mesmo. Na verdade, a
pesquisa-ação socialmente crítica começa muitas vezes com um exame sobre a
quem cabe o problema, o que é uma forma de problematização. A pesquisa
científica, segundo Kuhn (1970), é geralmente uma questão de proceder com uma
dada agenda e isso, juntamente com a necessidade de financiamento, significa
que, em geral, ela é comprometida com o governo ou com interesses comerciais
ou com a revisão pelos pares. A pesquisa-ação, é claro, muitas vezes também é
comprometida, mas mesmo nesse caso isso a limita muito menos do que a
pesquisa científica.
LINHA 7: A pesquisa-ação é sempre deliberativa porque, quando se intervém na prática rotineira, está se
aventurando no desconhecido, de modo que é preciso fazer julgamentos competentes a respeito como,
por exemplo, daquilo que mais provavelmente aperfeiçoará a situação de maneira mais eficaz. A pesquisa
científica, o mais das vezes, é discutida no sentido formal de teorização indutiva e dedutiva.
• LINHA 8: Mais uma vez, a pesquisa-ação fica em algum ponto entre o não-registro da maior
parte do que acontece na prática rotineira e a rigorosa revisão, pelos pares, do método, dos
dados e das conclusões da pesquisa científica. A pesquisa-ação tende a documentar seu
progresso, muitas vezes por meio da compilação de um portfolio , do tipo de informações
regularmente produzidas pela prática rotineira, tais como resultados de testes em educação ou
índices de satisfação dos clientes com as organizações de serviço ou as atas de reuniões de
equipes de produção nas empresas.
LINHA 9: As teorias são sistemas conceptuais construídos para explicar conhecimentos novos e
constituem preocupação primordial da pesquisa científica.
• LINHA 10 Não há necessidade de explicação: contexto, processos e resultados da prática
rotineira.
Linha 11: Isso tem a ver com administração do conhecimento: o conhecimento obtido na prática rotineira
tende a permanecer com o prático individual e o obtido na pesquisaação destina-se, o mais das vezes, a ser
compartilhado com outros na mesma organização ou profissão; e tende a ser disseminado por meio de
rede e ensino e não de publicações como acontece coma pesquisa científica.
RECONHECIMENTO
• O reconhecimento é uma análise situacional que produz
ampla visão do contexto da pesquisa-ação, práticas
atuais, dos participantes e envolvidos. Paralelamente a
projetar e implementar a mudança para melhora da
prática, o reconhecimento segue exatamente o mesmo
ciclo da pesquisa-ação, planejando como monitorar e
avaliar a situação atual, fazendo isso e, a seguir,
interpretando e avaliando os resultados a fim de planejar
uma mudança adequada da prática no primeiro ciclo de
pesquisa-ação de melhora.
MEDIDAS QUE O PESQUISADOR DEVE TOMAR
• 1 - trate de tópicos de interesse mútuo;
• 2 - baseie-se num compromisso compartilhado de
realização da pesquisa;
• 3 - permita que todos os envolvidos participem
ativamente do modo que desejarem;
• 4 - partilhe o controle sobre os processos de pesquisa o
quanto possível de maneira igualitária;
• 5 - produza uma relação de custo-benefício igualmente
benéfica para todos os participantes;
• 6 - estabeleça procedimentos de inclusão para a decisão
sobre questões de justiça entre os participantes.
A ÉTICA NA PESQUISA-AÇÃO
Minha posição é que a diretriz ética geral deve ser incorporada a
qualquer projeto de pesquisa-ação desde o início e que nenhum
pesquisador ou outro participante jamais empreenda uma atividade
que prejudique outro participante sem que este tenha conhecimento e
dê seu consentimento.
Isso em geral conduz os experimentos com grupo de controle, por
exemplo, porque é desvantajoso para esse grupo não se beneficiar das
mudanças que o pesquisador em ação considera que sejam melhorias
para sua prática.
Isso também conduz a continuação pelo pesquisador de uma mudança
que o grupo não percebe que esteja produzindo melhoras sobre a
prática. Isso pode ser um problema para mestrandos que não podem
completar um pré e um pós-modelo de pesquisa, embora tenham
trabalhosamente produzido dados diagnósticos.
CINCO MODALIDADES DE PESQUISA-AÇÃO
• A pesquisa-ação técnica constitui uma abordagem pontual na qual o pesquisador
toma uma prática existente de algum outro lugar e a implementa em sua própria
esfera de prática para realizar uma melhora. Ela é “técnica” porque o pesquisador
está agindo de modo inteiramente mecânico: de fato, está “seguindo o manual”.
Um bom exemplo de pesquisa-ação técnica é a difusão de um projeto ou
abordagem desenvolvida centralizadamente, tal como o programa Reading
Recovery [Recuperação da leitura].
1 - Pesquisa-ação técnica
• Recorrendo mais uma vez a Grundy (1983), a pesquisa-ação prática é diferente da
técnica pelo fato de que o pesquisador escolhe ou projeta as mudanças feitas.
Nesse caso, as duas características distintivas são: primeiro, é mais como a prática
de um ofício – o artífice pode receber uma ordem, mas o modo como alcança o
resultado desejado fica mais por sua conta de sua experiência e de suas idéias –; e
segundo, porque o tipo de decisões que ele toma sobre o quê, como e quando fazer
são informadas pelas concepções profissionais que tem sobre o que será melhor
para seu grupo.
2 - Pesquisa-ação prática
• Refere-se à mudança da cultura institucional
e/ou de suas limitações. Quando se começa
tentar mudar ou analisar as limitações dessa
cultura sobre a ação, é preciso engajar-se na
política, porque isso significa trabalhar com ou
contra outros para mudar “o sistema”. Só se
pode fazer isso pelo exercício do poder e, assim,
tal ação torna-se política.
3 - Pesquisa-ação política
• Essa é, realmente, uma modalidade particular de pesquisa-ação
política e ambas se sobrepõem porque, quando se trabalha para
mudar ou para contornar as limitações àquilo que você pode fazer,
isso comumente é resultado de uma mudança em seu modo de
pensar a respeito do valor último e da política das limitações. Você
não está buscando como fazer melhor alguma coisa que você já faz,
mas como tornar o seu pedaço do mundo um lugar melhor em
termos de mais justiça social. Geralmente, isso é definido na
literatura por mudanças tais como: aumento de igualdade e
oportunidade, melhor atendimento às necessidades das pessoas,
tolerância e compreensão para com os outros, cooperação maior e
mais eficiente, maior valorização das pessoas (de si mesmo e dos
outros) e assim por diante. Essas são as “grandes ideias” de uma
sociedade democrática.
4. Pesquisa-ação socialmente crítica
• Essa é uma outra variação da pesquisaação política, que tem como meta
explícita mudar o status quo não só para si mesmo e para seus
companheiros mais próximos, mas de mudá-lo numa escala mais ampla,
do grupo social como um todo. As sufragistas, por exemplo, não queriam
simplesmente obter para elas mesmas o direito de votar, mas sim
garantir que todas as mulheres tivessem esse direito. Assim também a
pesquisa-ação emancipatória é uma modalidade política que opera
numa escala mais ampla e constitui assim, necessariamente, um esforço
participativo e colaborativo, o que é socialmente crítico pela própria
natureza. Não é preciso dizer que a pesquisa-ação emancipatória ocorre
muito raramente. As diferenças acima expostas são características de
diferentes modalidades de fazer pesquisa-ação, mais do que de
diferentes tipos de projeto de pesquisa-ação, porque os projetos desse
tipo de pesquisa poucas vezes utilizam apenas uma modalidade, mas
passam continuamente de um para outro tipo de ação.
PESQUISA-AÇÃO EMANCIPATÓRIA
O RELATÓRIO DA PESQUISA-AÇÃO
1 – Introdução: intenções do pesquisador e benefícios previstos
2 – Reconhecimento (investigação de trabalho de campo e revisão da
literatura)
2.1 – da situação
2.2 – dos participantes (o próprio e outros)
2.3 – das práticas profissionais atuais
2.4 – da intencionalidade e do foco temático inicial
3 – Cada ciclo
3.1 – Planejamento: da preocupação temática (ou ciclo anterior) ao primeiro
passo de ação
3.2 – Implementação: relato discursivo sobre quem fez o quê, quando, onde,
como e por quê.
3.3 – Relatório de pesquisa sobre os resultados da melhora planejada:
3.3a – resumo e base racional do(s) método(s) de produção de dados
3.3b – apresentação e análise dos dados
3.3c – discussão dos resultados: explicações e implicações
3.4 – Avaliação
3.4a – da mudança na prática: o que funcionou ou não funcionou e por
quê
3.4b – da pesquisa: em que medida foi útil e adequada
4 – Conclusão:
4.1 – Sumário de quais foram as melhorias práticas alcançadas, suas
implicações e recomendações para a prática profissional do próprio
pesquisador e de outros
4.2 – Sumário do que foi aprendido a respeito do processo de
pesquisa-ação, suas implicações e recomendações para fazer o mesmo
tipo de trabalho no futuro.
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA
• A pesquisa bibliográfica é o passo inicial na
construção efetiva de um protocolo de investigação,
quer dizer, após a escolha de um assunto é
necessário fazer uma revisão bibliográfica do tema
apontado. Essa pesquisa auxilia na escolha de um
método mais apropriado, assim como num
conhecimento das variáveis e na autenticidade da
pesquisa.
OBSERVAÇÃO
• A observação é uma etapa fundamental na pesquisa e no
fazer pedagógico.
Empirismo: Na filosofia, Empirismo é um movimento que
acredita nas experiências como únicas (ou principais)
formadoras das ideias, discordando, portanto, da noção de
ideias inatas.
Na ciência, o empirismo é normalmente utilizado quando
falamos no método científico moderno (que é originário do
empirismo filosófico), o qual defende que as teorias
científicas devem ser baseadas na observação do mundo,
em vez da intuição ou fé.
ENTREVISTA
• A entrevista é um dos instrumentos de coleta de
dados, em uma pesquisa e desenvolve um
importante papel tanto nas atividades científicas
(pesquisa) quanto em diversas atividades humanas.
A entrevista possui um forte caráter de interação
pela relação estabelecida entre os sujeitos –
pesquisador/entrevistador e entrevistado ‐, por
meio de uma influência recíproca entre quem
pergunta e quem responde.
TIPOS DE ENTREVISTAS
• 1‐ Entrevista estruturada – o entrevistador organiza um
roteiro/questões e segue sem perceber a relação de
reciprocidade que está sendo construída na conversa com o
entrevistado. Dessa maneira, a entrevista assemelha a um
questionário quando se tem como meta conseguir respostas
uniformes, para fazer comparações e quadros estatísticos.
Utiliza‐se um esquema básico que possa permitir ao
entrevistador fazer as adaptações necessárias.
• 2‐ Entrevista semi estruturada – não há imposição de uma
ordem rígida de questões. O entrevistador propõe a temática
ou a situações do seu objeto de estudo e o entrevistado fala
sobre aquele tema proposto com base no seu repertório de
conhecimentos e informações. Esta é a verdadeira razão da
entrevista.
ESTRUTURA DE UMA ENTREVISTA
Parte I
Identificação do sujeito (o entrevistado)
Nome_________________________________(pode ser fictício)
Idade____________________________Sexo________________
Formação______________Tempo de serviço na docência______
Série/ano/ciclo que leciona_____________________________
(Em alguns casos, dependendo do problema de pesquisa, você
pode acrescentar outras questões).
• Parte II
• 1‐ Comece a elaborar as questões tendo em vista o objetivo (geral
e específico) e o problema de pesquisa; 2‐ Não elaborar muitas
questões para não tornar a entrevista cansativa; 3‐ Marcar com
antecedência a data e o horário da pesquisa com o entrevistado.
Nunca chegar atrasado; 4‐ Informar ao entrevistado o objetivo da
pesquisa; 5‐ Ter sempre uma ficha (uma folha) com as questões
para todos os entrevistados, caso seja necessário fazer algumas
anotações, principalmente, em relação a gestos, risos etc.; 6‐ Não
interfira ou dê sua opinião na hora em que entrevistado estiver
falado. Deixe‐o a vontade para falar; 7‐ Se o entrevistado não
atender ou responder o que foi perguntar, você pode refazer a
pergunta de outra maneira, contanto que não perca o fio
condutor da questão; 8‐ Perguntar se ele (o entrevistado) está
disponível, caso seja necessário, para aprofundar algumas ideias
na entrevista; 9‐ No final da entrevista é importante agradecer a
colaboração e a disponibilidade em contribuir com o seu trabalho.
QUESTIONÁRIO
• Também chamados de survey (pesquisa ampla), o questionário é
um dos procedimentos mais utilizados para obter informações. É
uma técnica de custo razoável, apresenta as mesmas questões para
todas as pessoas, garante o anonimato e pode conter questões
para atender a finalidades específicas de uma pesquisa. Aplicada
criteriosamente, esta técnica apresenta elevada confiabilidade.
Podem ser desenvolvidos para medir atitudes, opiniões,
comportamento, circunstâncias da vida do cidadão, e outras
questões. Quanto à aplicação, os questionários fazem uso de
materiais simples como lápis, papel, formulários, etc. Podem ser
aplicados individualmente ou em grupos, por telefone, ou mesmo
pelo correio. Pode incluir questões abertas, fechadas, de múltipla
escolha, de resposta numérica, ou do tipo sim ou não.
ETAPAS DESENVOLVIMENTO QUESTIONÁRIO
• Justificativa
• Definição dos objetivos
• Redação das questões e afirmações
• Revisão
• Definição do formato
• Pré-teste
• Revisão final
ANÁLISE DOCUMENTAL
• Uma das primeiras fontes de informação a serem
consideradas é a existência de registros na própria
organização, sob a forma de documentos, fichas,
relatórios ou arquivos em computador. O uso de registros
e documentos já disponíveis reduz tempo e custo de
pesquisas para avaliação. Além disto, esta informação é
estável e não depende de uma forma específica para ser
coletada. Deve ser observado que, na maioria das vezes,
já existe uma grande quantidade de informação nas
organizações e cujo uso para fins de avaliação tem sido
muito pouco efetivo
• Dependendo do desenvolvimento da cultura
organizacional, da estrutura e funcionamento dos
sistemas de informação existentes na instituição, pode
haver alguma dificuldade com esta técnica, pois: (i) nem
todos os dados estão completos (por exemplo: registros
de 2 anos atrás não estão completos); (ii) os dados
disponíveis estão excessivamente agregados, dificultando
seu uso; (iii) mudanças de padrões com o tempo
inviabilizam a comparação entre dados obtidos em
épocas diferentes e (iv) Dados só são disponíveis para
uso confidencial.
OBSERVAÇÃO
A importância de observar o comportamento e o aprendizado do
aluno, não é uma atividade única e exclusiva de alunos de
licenciaturas e sim de professores atuantes, nos mais diversos
níveis da educação.
Segundo Weisz (2006, p.94),
Como um observador privilegiado das ações do aprendiz,
o professor tem condições de avaliar o tempo todo,
e é essa avaliação que lhe dá indicadores para
sustentar sua intervenção. Mas isso é diferente
de planejar e implementar uma atividade
para avaliar a aprendizagem.
É no olhar do professor que o aluno vai encontrar o alicerce para
seu desenvolvimento escolar, é nele que a criança vai confiar e
buscar conforto nas suas inquietações e angústias.
“Em nome de interesses
pessoais, muitos abdicam do
pensamento crítico, engolem
abusos e sorriem para quem
desprezam. Abdicar de pensar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Herbert Santana
 
Pesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãOPesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãO
Ivanderson da Silva
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Contreras, josé a autonomia de professores
Contreras, josé   a autonomia de professoresContreras, josé   a autonomia de professores
Contreras, josé a autonomia de professores
marcaocampos
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
Edneide Lima
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
Ulisses Vakirtzis
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
gadea
 
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICADESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
carolnacari
 
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica   Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
jessicalaryl
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
faculdadeteologica
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
Ulisses Vakirtzis
 
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline VenturaEducação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
Grasiela Dourado
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
Grasiela Dourado
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
Deisiane Cazaroto
 
Sugestões de temas para o pré projeto
  Sugestões de temas para o pré projeto  Sugestões de temas para o pré projeto
Sugestões de temas para o pré projeto
Wellington Alves
 
Objetivos de ensino
Objetivos de ensinoObjetivos de ensino
Objetivos de ensino
Naysa Taboada
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
Hamilton Nobrega
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
Zélia Cordeiro
 

Mais procurados (20)

Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
 
Pesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãOPesquisa Em EducaçãO
Pesquisa Em EducaçãO
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Contreras, josé a autonomia de professores
Contreras, josé   a autonomia de professoresContreras, josé   a autonomia de professores
Contreras, josé a autonomia de professores
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICADESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
DESAFIO COTIDIANO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
 
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica   Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline VenturaEducação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
Educação de Jovens e Adultos - Profª Dra Jaqueline Ventura
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Sugestões de temas para o pré projeto
  Sugestões de temas para o pré projeto  Sugestões de temas para o pré projeto
Sugestões de temas para o pré projeto
 
Objetivos de ensino
Objetivos de ensinoObjetivos de ensino
Objetivos de ensino
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 

Destaque

Direito administrativo i serviços públicos
Direito administrativo i   serviços públicosDireito administrativo i   serviços públicos
Direito administrativo i serviços públicos
Ana Rodrigues
 
Direitos humanos na educação
Direitos humanos na educaçãoDireitos humanos na educação
Direitos humanos na educação
Ana Rodrigues
 
Matrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhões
Matrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhõesMatrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhões
Matrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhões
Palácio do Planalto
 
Manual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.br
Manual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.brManual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.br
Manual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.br
LojaTotalseg
 
Direitos humanos
Direitos humanos Direitos humanos
Direitos humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Guided Reading: Making the Most of It
Guided Reading: Making the Most of ItGuided Reading: Making the Most of It
Guided Reading: Making the Most of It
Jennifer Jones
 
3 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 2017
3 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 20173 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 2017
3 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 2017
Drift
 
How to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your NicheHow to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your Niche
Leslie Samuel
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (10)

Direito administrativo i serviços públicos
Direito administrativo i   serviços públicosDireito administrativo i   serviços públicos
Direito administrativo i serviços públicos
 
Direitos humanos na educação
Direitos humanos na educaçãoDireitos humanos na educação
Direitos humanos na educação
 
Matrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhões
Matrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhõesMatrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhões
Matrículas no ensino superior entre 2011 e 2012 chegam a 7 milhões
 
Manual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.br
Manual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.brManual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.br
Manual de Instruções Relógio de Ponto Henry Forte - LojaTotalseg.com.br
 
Direitos humanos
Direitos humanos Direitos humanos
Direitos humanos
 
Guided Reading: Making the Most of It
Guided Reading: Making the Most of ItGuided Reading: Making the Most of It
Guided Reading: Making the Most of It
 
3 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 2017
3 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 20173 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 2017
3 Things Every Sales Team Needs to Be Thinking About in 2017
 
How to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your NicheHow to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your Niche
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Pesquisas educacionais

Metodos e tecnicas de pesquisa
Metodos e tecnicas de pesquisaMetodos e tecnicas de pesquisa
Metodos e tecnicas de pesquisa
Marcos Aurélio R. Igreja
 
A importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do ef
A importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do efA importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do ef
A importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do ef
NascimentoJr2
 
metodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa Imetodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa I
RaulSilveiraSantos
 
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico MilitarTCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
Hudson Junior
 
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete BragaMetodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Francinete Santos
 
MIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptxMIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptx
VenncioCorreia
 
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
Bárbara Morim
 
Uso de conhecimento
Uso de conhecimentoUso de conhecimento
Met. Cientifica
Met. CientificaMet. Cientifica
Met. Cientifica
Alan Ciriaco
 
Slide projeto
Slide projetoSlide projeto
Slide projeto
luciamaral
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
Agassis Paulo Bezerra
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Fábio Miguel
 
Apostila seminário i
Apostila seminário iApostila seminário i
Metodologia da pesquisa e do trabalho científico
Metodologia da pesquisa e do trabalho científicoMetodologia da pesquisa e do trabalho científico
Metodologia da pesquisa e do trabalho científico
Edy Bast
 
Pesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa naPesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa na
Mariele Schossler
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologia
Alcione Luiza
 
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Concurso Professor Cariri   PesquisaConcurso Professor Cariri   Pesquisa
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Jonathas Carvalho
 
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptxaula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
leidianecarvalhoc
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
adriano09
 
1 slides.pdf
1 slides.pdf1 slides.pdf
1 slides.pdf
BrandoneLeeOficial
 

Semelhante a Pesquisas educacionais (20)

Metodos e tecnicas de pesquisa
Metodos e tecnicas de pesquisaMetodos e tecnicas de pesquisa
Metodos e tecnicas de pesquisa
 
A importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do ef
A importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do efA importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do ef
A importância da pesquisa escolar para a construção do conhec. do aluno do ef
 
metodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa Imetodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa I
 
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico MilitarTCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
TCC- Capacitação de Treinamento Físico Militar
 
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete BragaMetodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
 
MIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptxMIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptx
 
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
(2011) - “METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS: TEORIA E...
 
Uso de conhecimento
Uso de conhecimentoUso de conhecimento
Uso de conhecimento
 
Met. Cientifica
Met. CientificaMet. Cientifica
Met. Cientifica
 
Slide projeto
Slide projetoSlide projeto
Slide projeto
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
 
Apostila seminário i
Apostila seminário iApostila seminário i
Apostila seminário i
 
Metodologia da pesquisa e do trabalho científico
Metodologia da pesquisa e do trabalho científicoMetodologia da pesquisa e do trabalho científico
Metodologia da pesquisa e do trabalho científico
 
Pesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa naPesquisa documental, alternativa investigativa na
Pesquisa documental, alternativa investigativa na
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologia
 
Concurso Professor Cariri Pesquisa
Concurso Professor Cariri   PesquisaConcurso Professor Cariri   Pesquisa
Concurso Professor Cariri Pesquisa
 
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptxaula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
 
1 slides.pdf
1 slides.pdf1 slides.pdf
1 slides.pdf
 

Último

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 

Último (20)

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 

Pesquisas educacionais

  • 2. PESQUISA EDUCACIONAL I Ana Adília Rodrigues Especialista em Gestão com Ênfase em Supervisão e Coordenação Escolar
  • 3. Objetivo da Disciplina • Estudar os diversos enfoques de pesquisa, discutindo suas contribuições na produção do conhecimento; • Conhecer metodologias da pesquisa educacional e as técnicas de coleta e análise de dados mais usuais. • Refletir sobre o professor como pesquisador. • Oferecer subsídios para a elaboração do Projeto de Pesquisa.
  • 4. O professor e a produção do conhecimento O que é PESQUISA?  É procurar respostas para inquietações, ou para um problema.  Atividade básica das ciências na sua indagação e descoberta da realidade. É uma atitude e uma prática de constante busca que define um processo intrinsecamente inacabado e permanente (MINAYO, 1993).  É um processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico (GIL, 1999).
  • 5. Pesquisar para que? • PARA CONHECER... Conhecer para que? 1. Para planejar... 2. Para intervir... 3. Para formar... 4. Para debater... 5. Para avaliar... 6. Para transformar... 7. Para emancipar...
  • 6. Paradigmas da Pesquisa Positivismo O positivismo de August Comte era a Lei dos três estágios em suas concepções, sendo elas: • Teológico: Afirmava que o homem explicava a realidade por meio de entidades sobrenaturais buscando responder questões como “de onde viemos?” e “para onde vamos?”. Fora isso, buscava-se o absoluto. É o estágio que a imaginação se sobrepunha à razão. • Metafísico ou Abstrato: Pode ser considerado como um meio-termo entra a teologia e a positividade. Continua- se a procura de respostas para as mesmas questões do Teológico, sempre buscando o absoluto através da busca da razão e do destino das coisas. • Positivo: Última e definitiva etapa. Não já se buscava mais o porquê das coisas, porém o como as coisas aconteciam. A imaginação vira subordinada à observação e busca-se somente o visível e concreto.
  • 7. Fenomenologia Surge com o filósofo alemão Husserl (1859-1938 • 4.1Etimologia de fenômeno: vem da palavra grega phainomenon particípio presente de phainesthai que significa aparecer. Aparecer carrega dois significados: ato de ocultar a realidade e manifestação ou revelação da mesma realidade. • 4.4 Fenômeno para Husserl (séc. XIX e XX): Sentido diferente de Kant. Fenômeno começou a indicar aquilo que aparece ou se manifesta em si mesmo, como é em si, na sua essência. Mas para isto exige a reflexão filosófica, não é uma manifestação natural da coisa.
  • 8. Marxismo • No século XIX, vários pensadores tinham grande preocupação em dar respostas aos vários problemas sociais que se desenvolviam no seio da sociedade capitalista. Os socialistas utópicos foram os primeiros a proporem e teorizarem meios que pudessem resolver a expressa diferença percebida entre os membros do proletariado e da classe burguesa. Em 1848, os pensadores Karl Marx e Friedrich Engels apareceram com um elaborado arcabouço teórico que visava renovar o socialismo. Para tanto, realizaram um complexo exercício de reflexão sobre as relações humanas e as instituições que regulavam as sociedades. Como resultado, obtiveram uma série de princípios que fundamentaram o marxismo, também conhecido como socialismo científico.
  • 9. Forma de Abordagem Pesquisa Quantitativa • Traduz em números, opiniões e informações para classificá-los e organizá-los. Utiliza métodos estatísticos.  Pesquisa Qualitativa • Considera a existência de uma relação dinâmica entre mundo real e sujeito. É descritiva e utiliza o método indutivo. O processo é foco principal.
  • 10. Tipos de Pesquisa  Pesquisa Exploratória: visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explicito ou a construir hipóteses. Pesquisas bibliográficas e estudos de caso.  Pesquisa Descritiva: envolve técnicas padronizadas de coleta de dados, como questionários e observação sistemática. Assume a forma de levantamento.  Pesquisa Explicativa: explica o porquê das coisas, visando identificar os fatores que determinam ou contribuem para a ocorrência dos fenômenos. Assume a forma de Pesquisa experimental.
  • 11. Procedimentos Técnicos  Pesquisa Bibliográfica: a partir de material já publicado.  Pesquisa Documental: a partir de material não analisado.  Pesquisa Experimental: variáveis de controle sobre um objeto.  Levantamento: interrogação direta.  Estudo de caso: estudo profundo de um ponto para detalhamento do conhecimento.  Pesquisa-ação: resolução de um problema coletivo.  Pesquisa Participante: interação entre pesquisadores e membros da situação investigadas.
  • 12. Métodos Científicos  Método Dedutivo: proposto pelos racionalistas com Descartes. Só a razão é capaz de levar ao conhecimento verdadeiro.  Método Indutivo: proposto pelos empiristas com Bacon e Locke. O conhecimento é fundamental na experiência, não levando em conta princípios pré-estabelecidos.  Método Dialético: proposto por Hegel, os fatos não podem ser considerados fora de um contexto social, político, econômico, etc.  Método Fenomenológico: proposto por Husserl. Descrição direta da experiência tal como ela é.
  • 13. O Método Científico A EXPERIÊNCIA A IDÉIA A PERGUNTA OS RESULTADOS E CONCLUSÕES NOVAS DÚVIDAS
  • 14. Etapas da Pesquisa • O projeto de pesquisa deve, fundamentalmente, responder as seguintes perguntas (Rudio, 1986):  O que pesquisar?  Por que pesquisar?  Para que pesquisar?  Como pesquisar?  Quando pesquisar?  Com que recursos?  Pesquisado por quem?
  • 15. Etapas da Pesquisa • COM QUEM PESQUISAR? 1. Com os alunos .... 2. Sobre os alunos... 3. Com os professores... 4. Sobre os professores... 5. Com a comunidade... 6. Sobre a comunidade... 7. Com o conselho escolar... 8. Sobre o conselho escolar... 9. Etc...
  • 16. COMO PLANEJAR A PESQUISA? • Introdução • Problema • Justificativa • Questões • Objetivos REFERENCIAL TEÓRICO • Metodologia • Enfoque • Método • Local e Fontes • Coleta de Dados
  • 17. LUDKE, M. & ANDRÉ, M. Pesquisa em educação:abordagens qualitativas. São Paulo: EDU, 1996. OLIVEIRA, I.B.de. & ALVES, N. Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes.2ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. TEIXEIRA, E. As três metodologias. 8ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
  • 18. “Querem que vos ensine o modo de chegar à ciência verdadeira? Aquilo que se sabe, saber que se sabe; aquilo que não se sabe, saber que não se sabe; na verdade é este o saber.” Confúcio
  • 19. PESQUISA EDUCACIONAL II Ana Adília Rodrigues Especialista em Gestão com Ênfase em Supervisão e Coordenação Escolar
  • 20. Objetivo da Disciplina • Estudar os diversos enfoques de pesquisa, discutindo suas contribuições na produção do conhecimento; • Conhecer metodologias da pesquisa educacional e as técnicas de coleta e análise de dados mais usuais. • Refletir sobre o professor como pesquisador. • Oferecer subsídios para a elaboração do Projeto de Pesquisa.
  • 21. METODOLOGIAS DA PESQUISA DA EDUCAÇÃO • Estudo Etnográfico; • Estudo de Caso; • Pesquisa-ação; • Pesquisa Bibliográfica.
  • 22. ESTUDO ETINÓGRÁFICO • A pesquisa etnográfica tem bases antropológicas ou etnográficas, baseia-se na observação e levantamento de hipóteses, onde o etnólogo procura descrever o que, na sua visão, ou seja, na sua interpretação, está ocorrendo no contexto pesquisado. Uma das características da Etnografia é a presença física do pesquisador e a observação in loco.
  • 23. ESTUDO DE CASO Estudos de caso vêm sendo usados há muito tempo em diferentes áreas de conhecimento, tais como: sociologia, antropologia, medicina, psicologia, serviço social, direito, administração, com métodos e finalidades variadas. • 1) o conhecimento está em constante processo de construção; • 2) o caso envolve uma multiplicidade de dimensões; e • 3) a realidade pode ser compreendida sob diversas óticas.
  • 24. ESTUDO DE CASO – NA EDUCAÇÃO Em educação, os estudos de caso aparecem em manuais de metodologia de pesquisa das décadas de 1960 e 1970, mas com um sentido muito limitado: es- 97 Marli André Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013 tudo descritivo de uma unidade, seja ela uma escola, um professor, um grupo de alunos, uma sala de aula. Esses estudos eram considerados “não experimentais”, portanto menos “científicos” do que os estudos experimentais largamente utilizados na psicologia e na educação naquele momento.
  • 25. Já nos anos 1980, no contexto das abordagens qualitativas, o estudo de caso ressurge na pesquisa educacional com um sentido mais abrangente: o de focalizar um fenômeno particular, levando em conta seu contexto e suas múltiplas dimensões. Valoriza- -se o aspecto unitário, mas ressalta-se a necessidade da análise situada e em profundidade. As abordagens qualitativas de pesquisa se fundamentam numa perspectiva que concebe o conhecimento como um processo socialmente construído pelos sujeitos nas suas interações cotidianas, enquanto atuam na realidade, transformando-a e sendo por ela transformados
  • 26. PRESSUPOSTOS NO USO DO ESTUDO DE CASO QUALITATIVO •O primeiro pressuposto implica uma atitude aberta e flexível por parte do pesquisador, que se apoia em um referencial teórico, mas não se fixa rigidamente nele, pois fica atento a aspectos novos, relevantes, que podem surgir no decorrer do trabalho. 1) O conhecimento está em constante processo de construção; •O segundo pressuposto requer que o pesquisador procure utilizar uma variedade de fontes de dados, de métodos de coleta, de instrumentos e procedimentos, para contemplar as múltiplas dimensões do fenômeno investigado e evitar interpretações unilaterais ou superficiais. 2) O caso envolve uma multiplicidade de dimensões; •O terceiro pressuposto exige uma postura ética do pesquisador, que deve fornecer ao leitor as evidências que utilizou para fazer suas análises, ou seja, que descreva de forma acurada os eventos, pessoas e situações observadas, transcreva depoimentos, extratos de documentos e opiniões dos sujeitos/ participantes, busque intencionalmente fontes com opiniões divergentes. 3) A realidade pode ser compreendida sob diversas óticas.
  • 27. TIPOS DE ESTUDOS DE CASOS Intrínseco • é aquele em que há interesse em estudar aquele específico caso. Por exemplo: uma experiência inovadora, que vale a pena ser investigada para identificar quais os elementos que a constituem, o que a faz tão distintiva, que recursos foram necessários para atingir este nível, que valores a orientam, que resultados obteve e assim por diante. Naturalmente, a pesquisa exigirá uma multiplicidade de fontes de dados, de métodos e procedimentos de coleta e análise de dados Instrumental • instrumental é aquele em que o caso não é uma situação concreta, mas uma questão mais ampla, como, por exemplo, a incorporação de uma política no cotidiano escolar. Pode-se escolher uma escola qualquer que vai ser a base para investigar como essa política é apropriada pelos atores escolares. Coletivo • quando o pesquisador escolhe diferentes casos, intrínsecos ou instrumentais, para estudo. Por exemplo, na avaliação do Programa de Formação de Professores em Exercício (PROFORMAÇÃO), buscamos seis diferentes escolas de três diferentes regiões do país, para estudar a qualidade do Programa e seus efeitos nas práticas de sala de aula dos professores cursistas
  • 28. TRAÇOS COMUNS PARA OS ESTUDOS DE CASO • a) o caso tem uma particularidade que merece ser investigada; e • b) o estudo deve considerar a multiplicidade de aspectos que caracteriza o caso, o que vai requerer o uso de múltiplos procedimentos metodológicos para desenvolver um estudo em profundidade.
  • 29. FESES DE DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO DE CASO QUALITATIVO • Fases exploratória ou de definição dos focos de estudo; • Fase de coleta dos dados ou de delimitação do estudo; e • Fase de análise sistemática dos dados.
  • 30. PESQUISA-AÇÃO • A pesquisa-ação educacional é principalmente uma estratégia para o desenvolvimento de professores e pesquisadores de modo que eles possam utilizar suas pesquisas para aprimorar seu ensino e, em decorrência, o aprendizado de seus alunos, mas mesmo no interior da pesquisa-ação educacional surgiram variedades distintas.
  • 31. VARIEDADES DE PESQUISA-AÇÃO • Stephen Corey defendia, nos EUA, uma forma vigorosamente técnica; • Forma britânica, mais orientada para o desenvolvimento do julgamento profissional do professor (Elliott; Adleman, 1976; Elliott, 1991); • Forma Australiana (Carr; Kemmis, 1986) de orientação emancipatória e de crítica social. • Outras variedades correlatas acrescentaram-se desde então e, talvez mais recentemente, a noção de Sachs (2003) de “profissional ativista”.
  • 32. O CICLO DA INVESTIGAÇÃO-AÇÃO Ação AGIR para implantar melhora planejada Monitorar e DESCREVER os efeitos da ação AVALIAR os resultados da ação PLANEJAR uma melhor prática Investigação
  • 33. AS CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA-AÇÃO Onze Características da Pesquisa-ação Linha Prática Rotineira Pesquisa-ação Pesquisa Cientifica 1 Habitual Inovadora Original/financiada 2 Repetida Contínua Ocasional 3 Reativa contingência Proativa estrategicamente Metodologicamente conduzida 4 Individual Participativa Colaborativa/colegiada 5 Naturalista Intervencionista Experimental 6 Não questionada Problematizada Contratual (negociada) 7 Com base na experiência Deliberada Discutida 8 Não-articulada Documentada Revisada pelos pares 9 Pragmática Compreendida Explicada/teorizada 10 Específica do contexto Generalizada 11 Privada Disseminada Publicada
  • 34. LINHA 1: A prática rotineira é apresentada como habitual, embora o que se tornou hábito foi anteriormente tanto inovador quanto original sob certos aspectos. Analogamente, há muita coisa na pesquisa científica que é rotineira, particularmente num período daquilo a que Kuhn (1970) se refere como ciência “normal”. • LINHA 2: A pesquisa-ação deve ser contínua e não repetida ou ocasional, porque não se pode repetidamente realizar pesquisas-ação sobre a prática de alguém, mas deve-se regularmente trabalhar para melhorar um aspecto dela, de modo que deva ser mais frequente do que ocasional. LINHA 3: A prática tende a ser uma questão de reagir eficaz e imediatamente a eventos na medida que ocorram e a pesquisa científica tende a operar de acordo com protocolos metodológicos determinados. A pesquisa-ação fica entre os dois, porque é proativa com respeito à mudança, e sua mudança é estratégica no sentido de que é ação baseada na compreensão alcançada por meio da análise de informações de pesquisa. • LINHA 4: Enquanto a prática rotineira tende a ser a única responsabilidade do prático, e atualmente a maioria das pesquisas é realizada em equipe, a pesquisa-ação é participativa na medida em que inclui todos os que, de um modo ou outro, estão envolvidos nela e é colaborativa em seu modo de trabalhar.
  • 35. LINHA 5: A prática rotineira é naturalista na medida em que não é pesquisada, de modo que não há manipulação da situação. Tanto a pesquisa-ação quanto a pesquisa científica são experimentais no sentido de que fazem as coisas acontecerem para ver o que realmente acontece. Porém, como a pesquisa-ação ocorre em cenários sociais não manipulados, ela não segue os cânones de variáveis controladas comuns à pesquisa científica, de modo que pode ser chamada mais geralmente de intervencionista do que mais estritamente experimental. • LINHA 6: A prática rotineira normalmente não considera muito o exame de seus procedimentos, valores e eficácia, mas como processo de aprimoramento, a pesquisa-ação sempre começa a partir de algum tipo de problema e muitas vezes se aplica o termo “problema-tizar”, porque esse tipo de pesquisa, em comum com a idéia de Argyris e Schön (1974) de “aprendizagem de dupla mão” na prática reflexiva, trata “o problema” como um problema em si mesmo. Na verdade, a pesquisa-ação socialmente crítica começa muitas vezes com um exame sobre a quem cabe o problema, o que é uma forma de problematização. A pesquisa científica, segundo Kuhn (1970), é geralmente uma questão de proceder com uma dada agenda e isso, juntamente com a necessidade de financiamento, significa que, em geral, ela é comprometida com o governo ou com interesses comerciais ou com a revisão pelos pares. A pesquisa-ação, é claro, muitas vezes também é comprometida, mas mesmo nesse caso isso a limita muito menos do que a pesquisa científica.
  • 36. LINHA 7: A pesquisa-ação é sempre deliberativa porque, quando se intervém na prática rotineira, está se aventurando no desconhecido, de modo que é preciso fazer julgamentos competentes a respeito como, por exemplo, daquilo que mais provavelmente aperfeiçoará a situação de maneira mais eficaz. A pesquisa científica, o mais das vezes, é discutida no sentido formal de teorização indutiva e dedutiva. • LINHA 8: Mais uma vez, a pesquisa-ação fica em algum ponto entre o não-registro da maior parte do que acontece na prática rotineira e a rigorosa revisão, pelos pares, do método, dos dados e das conclusões da pesquisa científica. A pesquisa-ação tende a documentar seu progresso, muitas vezes por meio da compilação de um portfolio , do tipo de informações regularmente produzidas pela prática rotineira, tais como resultados de testes em educação ou índices de satisfação dos clientes com as organizações de serviço ou as atas de reuniões de equipes de produção nas empresas. LINHA 9: As teorias são sistemas conceptuais construídos para explicar conhecimentos novos e constituem preocupação primordial da pesquisa científica. • LINHA 10 Não há necessidade de explicação: contexto, processos e resultados da prática rotineira. Linha 11: Isso tem a ver com administração do conhecimento: o conhecimento obtido na prática rotineira tende a permanecer com o prático individual e o obtido na pesquisaação destina-se, o mais das vezes, a ser compartilhado com outros na mesma organização ou profissão; e tende a ser disseminado por meio de rede e ensino e não de publicações como acontece coma pesquisa científica.
  • 37. RECONHECIMENTO • O reconhecimento é uma análise situacional que produz ampla visão do contexto da pesquisa-ação, práticas atuais, dos participantes e envolvidos. Paralelamente a projetar e implementar a mudança para melhora da prática, o reconhecimento segue exatamente o mesmo ciclo da pesquisa-ação, planejando como monitorar e avaliar a situação atual, fazendo isso e, a seguir, interpretando e avaliando os resultados a fim de planejar uma mudança adequada da prática no primeiro ciclo de pesquisa-ação de melhora.
  • 38. MEDIDAS QUE O PESQUISADOR DEVE TOMAR • 1 - trate de tópicos de interesse mútuo; • 2 - baseie-se num compromisso compartilhado de realização da pesquisa; • 3 - permita que todos os envolvidos participem ativamente do modo que desejarem; • 4 - partilhe o controle sobre os processos de pesquisa o quanto possível de maneira igualitária; • 5 - produza uma relação de custo-benefício igualmente benéfica para todos os participantes; • 6 - estabeleça procedimentos de inclusão para a decisão sobre questões de justiça entre os participantes.
  • 39. A ÉTICA NA PESQUISA-AÇÃO Minha posição é que a diretriz ética geral deve ser incorporada a qualquer projeto de pesquisa-ação desde o início e que nenhum pesquisador ou outro participante jamais empreenda uma atividade que prejudique outro participante sem que este tenha conhecimento e dê seu consentimento. Isso em geral conduz os experimentos com grupo de controle, por exemplo, porque é desvantajoso para esse grupo não se beneficiar das mudanças que o pesquisador em ação considera que sejam melhorias para sua prática. Isso também conduz a continuação pelo pesquisador de uma mudança que o grupo não percebe que esteja produzindo melhoras sobre a prática. Isso pode ser um problema para mestrandos que não podem completar um pré e um pós-modelo de pesquisa, embora tenham trabalhosamente produzido dados diagnósticos.
  • 40. CINCO MODALIDADES DE PESQUISA-AÇÃO • A pesquisa-ação técnica constitui uma abordagem pontual na qual o pesquisador toma uma prática existente de algum outro lugar e a implementa em sua própria esfera de prática para realizar uma melhora. Ela é “técnica” porque o pesquisador está agindo de modo inteiramente mecânico: de fato, está “seguindo o manual”. Um bom exemplo de pesquisa-ação técnica é a difusão de um projeto ou abordagem desenvolvida centralizadamente, tal como o programa Reading Recovery [Recuperação da leitura]. 1 - Pesquisa-ação técnica • Recorrendo mais uma vez a Grundy (1983), a pesquisa-ação prática é diferente da técnica pelo fato de que o pesquisador escolhe ou projeta as mudanças feitas. Nesse caso, as duas características distintivas são: primeiro, é mais como a prática de um ofício – o artífice pode receber uma ordem, mas o modo como alcança o resultado desejado fica mais por sua conta de sua experiência e de suas idéias –; e segundo, porque o tipo de decisões que ele toma sobre o quê, como e quando fazer são informadas pelas concepções profissionais que tem sobre o que será melhor para seu grupo. 2 - Pesquisa-ação prática
  • 41. • Refere-se à mudança da cultura institucional e/ou de suas limitações. Quando se começa tentar mudar ou analisar as limitações dessa cultura sobre a ação, é preciso engajar-se na política, porque isso significa trabalhar com ou contra outros para mudar “o sistema”. Só se pode fazer isso pelo exercício do poder e, assim, tal ação torna-se política. 3 - Pesquisa-ação política
  • 42. • Essa é, realmente, uma modalidade particular de pesquisa-ação política e ambas se sobrepõem porque, quando se trabalha para mudar ou para contornar as limitações àquilo que você pode fazer, isso comumente é resultado de uma mudança em seu modo de pensar a respeito do valor último e da política das limitações. Você não está buscando como fazer melhor alguma coisa que você já faz, mas como tornar o seu pedaço do mundo um lugar melhor em termos de mais justiça social. Geralmente, isso é definido na literatura por mudanças tais como: aumento de igualdade e oportunidade, melhor atendimento às necessidades das pessoas, tolerância e compreensão para com os outros, cooperação maior e mais eficiente, maior valorização das pessoas (de si mesmo e dos outros) e assim por diante. Essas são as “grandes ideias” de uma sociedade democrática. 4. Pesquisa-ação socialmente crítica
  • 43. • Essa é uma outra variação da pesquisaação política, que tem como meta explícita mudar o status quo não só para si mesmo e para seus companheiros mais próximos, mas de mudá-lo numa escala mais ampla, do grupo social como um todo. As sufragistas, por exemplo, não queriam simplesmente obter para elas mesmas o direito de votar, mas sim garantir que todas as mulheres tivessem esse direito. Assim também a pesquisa-ação emancipatória é uma modalidade política que opera numa escala mais ampla e constitui assim, necessariamente, um esforço participativo e colaborativo, o que é socialmente crítico pela própria natureza. Não é preciso dizer que a pesquisa-ação emancipatória ocorre muito raramente. As diferenças acima expostas são características de diferentes modalidades de fazer pesquisa-ação, mais do que de diferentes tipos de projeto de pesquisa-ação, porque os projetos desse tipo de pesquisa poucas vezes utilizam apenas uma modalidade, mas passam continuamente de um para outro tipo de ação. PESQUISA-AÇÃO EMANCIPATÓRIA
  • 44. O RELATÓRIO DA PESQUISA-AÇÃO 1 – Introdução: intenções do pesquisador e benefícios previstos 2 – Reconhecimento (investigação de trabalho de campo e revisão da literatura) 2.1 – da situação 2.2 – dos participantes (o próprio e outros) 2.3 – das práticas profissionais atuais 2.4 – da intencionalidade e do foco temático inicial 3 – Cada ciclo 3.1 – Planejamento: da preocupação temática (ou ciclo anterior) ao primeiro passo de ação 3.2 – Implementação: relato discursivo sobre quem fez o quê, quando, onde, como e por quê. 3.3 – Relatório de pesquisa sobre os resultados da melhora planejada: 3.3a – resumo e base racional do(s) método(s) de produção de dados
  • 45. 3.3b – apresentação e análise dos dados 3.3c – discussão dos resultados: explicações e implicações 3.4 – Avaliação 3.4a – da mudança na prática: o que funcionou ou não funcionou e por quê 3.4b – da pesquisa: em que medida foi útil e adequada 4 – Conclusão: 4.1 – Sumário de quais foram as melhorias práticas alcançadas, suas implicações e recomendações para a prática profissional do próprio pesquisador e de outros 4.2 – Sumário do que foi aprendido a respeito do processo de pesquisa-ação, suas implicações e recomendações para fazer o mesmo tipo de trabalho no futuro.
  • 46. PESQUISA BIBLIOGRÁFICA • A pesquisa bibliográfica é o passo inicial na construção efetiva de um protocolo de investigação, quer dizer, após a escolha de um assunto é necessário fazer uma revisão bibliográfica do tema apontado. Essa pesquisa auxilia na escolha de um método mais apropriado, assim como num conhecimento das variáveis e na autenticidade da pesquisa.
  • 47. OBSERVAÇÃO • A observação é uma etapa fundamental na pesquisa e no fazer pedagógico. Empirismo: Na filosofia, Empirismo é um movimento que acredita nas experiências como únicas (ou principais) formadoras das ideias, discordando, portanto, da noção de ideias inatas. Na ciência, o empirismo é normalmente utilizado quando falamos no método científico moderno (que é originário do empirismo filosófico), o qual defende que as teorias científicas devem ser baseadas na observação do mundo, em vez da intuição ou fé.
  • 48. ENTREVISTA • A entrevista é um dos instrumentos de coleta de dados, em uma pesquisa e desenvolve um importante papel tanto nas atividades científicas (pesquisa) quanto em diversas atividades humanas. A entrevista possui um forte caráter de interação pela relação estabelecida entre os sujeitos – pesquisador/entrevistador e entrevistado ‐, por meio de uma influência recíproca entre quem pergunta e quem responde.
  • 49. TIPOS DE ENTREVISTAS • 1‐ Entrevista estruturada – o entrevistador organiza um roteiro/questões e segue sem perceber a relação de reciprocidade que está sendo construída na conversa com o entrevistado. Dessa maneira, a entrevista assemelha a um questionário quando se tem como meta conseguir respostas uniformes, para fazer comparações e quadros estatísticos. Utiliza‐se um esquema básico que possa permitir ao entrevistador fazer as adaptações necessárias. • 2‐ Entrevista semi estruturada – não há imposição de uma ordem rígida de questões. O entrevistador propõe a temática ou a situações do seu objeto de estudo e o entrevistado fala sobre aquele tema proposto com base no seu repertório de conhecimentos e informações. Esta é a verdadeira razão da entrevista.
  • 50. ESTRUTURA DE UMA ENTREVISTA Parte I Identificação do sujeito (o entrevistado) Nome_________________________________(pode ser fictício) Idade____________________________Sexo________________ Formação______________Tempo de serviço na docência______ Série/ano/ciclo que leciona_____________________________ (Em alguns casos, dependendo do problema de pesquisa, você pode acrescentar outras questões).
  • 51. • Parte II • 1‐ Comece a elaborar as questões tendo em vista o objetivo (geral e específico) e o problema de pesquisa; 2‐ Não elaborar muitas questões para não tornar a entrevista cansativa; 3‐ Marcar com antecedência a data e o horário da pesquisa com o entrevistado. Nunca chegar atrasado; 4‐ Informar ao entrevistado o objetivo da pesquisa; 5‐ Ter sempre uma ficha (uma folha) com as questões para todos os entrevistados, caso seja necessário fazer algumas anotações, principalmente, em relação a gestos, risos etc.; 6‐ Não interfira ou dê sua opinião na hora em que entrevistado estiver falado. Deixe‐o a vontade para falar; 7‐ Se o entrevistado não atender ou responder o que foi perguntar, você pode refazer a pergunta de outra maneira, contanto que não perca o fio condutor da questão; 8‐ Perguntar se ele (o entrevistado) está disponível, caso seja necessário, para aprofundar algumas ideias na entrevista; 9‐ No final da entrevista é importante agradecer a colaboração e a disponibilidade em contribuir com o seu trabalho.
  • 52. QUESTIONÁRIO • Também chamados de survey (pesquisa ampla), o questionário é um dos procedimentos mais utilizados para obter informações. É uma técnica de custo razoável, apresenta as mesmas questões para todas as pessoas, garante o anonimato e pode conter questões para atender a finalidades específicas de uma pesquisa. Aplicada criteriosamente, esta técnica apresenta elevada confiabilidade. Podem ser desenvolvidos para medir atitudes, opiniões, comportamento, circunstâncias da vida do cidadão, e outras questões. Quanto à aplicação, os questionários fazem uso de materiais simples como lápis, papel, formulários, etc. Podem ser aplicados individualmente ou em grupos, por telefone, ou mesmo pelo correio. Pode incluir questões abertas, fechadas, de múltipla escolha, de resposta numérica, ou do tipo sim ou não.
  • 53. ETAPAS DESENVOLVIMENTO QUESTIONÁRIO • Justificativa • Definição dos objetivos • Redação das questões e afirmações • Revisão • Definição do formato • Pré-teste • Revisão final
  • 54. ANÁLISE DOCUMENTAL • Uma das primeiras fontes de informação a serem consideradas é a existência de registros na própria organização, sob a forma de documentos, fichas, relatórios ou arquivos em computador. O uso de registros e documentos já disponíveis reduz tempo e custo de pesquisas para avaliação. Além disto, esta informação é estável e não depende de uma forma específica para ser coletada. Deve ser observado que, na maioria das vezes, já existe uma grande quantidade de informação nas organizações e cujo uso para fins de avaliação tem sido muito pouco efetivo
  • 55. • Dependendo do desenvolvimento da cultura organizacional, da estrutura e funcionamento dos sistemas de informação existentes na instituição, pode haver alguma dificuldade com esta técnica, pois: (i) nem todos os dados estão completos (por exemplo: registros de 2 anos atrás não estão completos); (ii) os dados disponíveis estão excessivamente agregados, dificultando seu uso; (iii) mudanças de padrões com o tempo inviabilizam a comparação entre dados obtidos em épocas diferentes e (iv) Dados só são disponíveis para uso confidencial.
  • 56. OBSERVAÇÃO A importância de observar o comportamento e o aprendizado do aluno, não é uma atividade única e exclusiva de alunos de licenciaturas e sim de professores atuantes, nos mais diversos níveis da educação. Segundo Weisz (2006, p.94), Como um observador privilegiado das ações do aprendiz, o professor tem condições de avaliar o tempo todo, e é essa avaliação que lhe dá indicadores para sustentar sua intervenção. Mas isso é diferente de planejar e implementar uma atividade para avaliar a aprendizagem. É no olhar do professor que o aluno vai encontrar o alicerce para seu desenvolvimento escolar, é nele que a criança vai confiar e buscar conforto nas suas inquietações e angústias.
  • 57. “Em nome de interesses pessoais, muitos abdicam do pensamento crítico, engolem abusos e sorriem para quem desprezam. Abdicar de pensar

Notas do Editor

  1. Etnografia é inerente a qualquer aspecto da Antropologia Cultural, que estuda os processos da interação social: os conhecimentos, as ideias, técnicas, habilidades, normas de comportamento e hábitos adquiridos na vida social de um povo. A etnografia estuda e revela os costumes, as crenças e as tradições de uma sociedade, que são transmitidas de geração em geração e que permitem a continuidade de uma determinada cultura ou de um sistema social. A Etnografia é também parte ou disciplina integrante da etnologia, que se ocupa com o estudo descritivo, classificatório e comparativo da cultura material, ou seja, dos artefatos encontrados nas diversas sociedades.
  2. A origem dos estudos de caso na sociologia e antropologia remonta ao final do século XIX e início do século XX, com Frédéric Le Play, na França, e Bronislaw Malinowski e membros da Escola de Chicago, nos Estados Unidos. O principal propósito desses estudos era realçar as características e atributos da vida social (HAMEL, 1993). Na medicina, na psicanálise, na psicologia e no serviço social, os estudos de caso tinham inicialmente uma finalidade clínica: diagnosticar um problema apresentado por um sujeito e acompanhar o seu tratamento. Em direito, administração e medicina foram e ainda são usados como recurso didático, seja com a finalidade de ilustrar o uso de um procedimento, seja para estimular, em situação de ensino, o debate de um tema. Muito popular atualmente é o método de cases na área de administração, que visa mostrar, por meio de um caso exemplar, como uma empresa ou organização pode estruturar-se, resolver problemas, vencer.
  3. A pergunta chave é a seguinte: qual é o caso? Uma vez identificado o caso, precisa-se indagar: por que é importante estudá-lo? E após o reconhecimento de sua relevância, é necessário realizar o estudo, tendo em conta o seu contexto e a multiplicidade de elementos que o compõem.
  4. Foi esse tipo de diversidade que levou a pesquisa-ação educacional a ser descrita como “uma família de atividades” (Grundy; Kemmis, 1982), pois, como concluíram Heikkinen, Kakkori e Huttunen (2001, p. 22), “parece existir uma situação multi-paradigmática entre os que fazem pesquisa-ação”.
  5. A questão é que a pesquisa-ação requer ação tanto nas áreas da prática quanto da pesquisa, de modo que, em maior ou menor medida, terá características tanto da prática rotineira quanto da pesquisa científica. A tabela a seguir mostra como fica a pesquisa-ação em relação a algumas das diferenças entre as duas.
  6. A pesquisa-ação socialmente crítica passa a existir quando se acredita que o modo de ver e agir “dominante” do sistema, dado como certo relativamente a tais coisas, é realmente injusto de várias maneiras e precisa ser mudado. Pode-se tomar um exemplo da lista de limitações acima. A idéia de que ensinar meninos e meninas juntos em todas as matérias é a melhor prática é normal dentro do sistema e pode limitar a ação. Assim também a idéia de que o sistema deve dar a meninos e meninas oportunidades iguais de êxito em todas as matérias e esferas da vida. Porém, pode-se contestar que tais pressupostos e práticas, com base nas interações de gênero, de fato não dão a meninos e meninas oportunidades iguais de êxito e, ao contestar essa prática, está-se criticando a maneira pela qual o sistema opera injustamente.
  7. Por exemplo, um professor pode começar numa modalidade técnica, implementando um projeto publicado que seu diretor considera ser um modo melhor de ensinar ortografia. Ao fazer isso, o professor se vê diante da limitação de tempo e decide conseguir mais ajuda em classe. Para isso, tem que agir politicamente e, tendo alcançado o que queria, retornar à atividade técnica de fazer o projeto funcionar em sua classe. Ao planejar sua aula seguinte, tem subitamente uma idéia própria.
  8. Um trabalho que tratasse da pesquisa bibliográfica não poderia deixar de conter explanações e estas devem seguir um fluxo que facilite a compreensão e a aplicação. Por esse motivo, abordamos primeiramente o conceito, depois as características e outros mais, até chegarmos ao exemplo, os anexos e a referencia bibliográfica. Tudo uma linguagem acessível visando um entendimento primário sobre como se iniciar a pesquisa desejada.