SlideShare uma empresa Scribd logo
A Sociedade Oitocentista Uma sociedade de classes
Sociedade de Classes – definição ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
[object Object],2. Classes Médias ou  “Colarinhos Brancos” ,[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
A Revolução Industrial trouxe a fábrica e fez nascer o OPERÁRIO 3. O Operariado
Os operários nada possuem a não ser a força dos seus braços (trabalho) que vendem ao patrão em troco de um salário São multidões de camponeses sem terra que abandonam os campos e procuram a sua sorte nas cidades (nas fábricas, nas minas, nas docas e nos armazéns, etc.) Constituem uma mão-de-obra desqualificada, numerosa e por isso mal paga, sujeitos à exploração patronal.
[object Object],[object Object],Condições de Trabalho: • Trabalhavam 12 a 16 horas por dia • A mão-de-obra feminina e infantil era muito utilizada e mais barata, muitas vezes chicoteados ,[object Object],• Faltavam condições de segurança no trabalho, havendo acidentes frequentes • Não existem férias, assistência médica, subsídios de desemprego ou reformas
 
Condições de Vida: Viviam nos bairros mais velhos e degradados das cidades. As casas era exíguas e miseráveis sem condições de higiene, partilhadas por várias famílias Alimentavam-se mal e passavam frio Eram vítimas de doenças (cólera, raquitismo, asma e tuberculose), do alcoolismo, da prostituição, da violência, da criminalidade e de envelhecimento precoce O voto censitário ou a obrigatoriedade de saber ler e escrever não lhes permitia votar
 
 
 
O Movimento Operário: associativismo e sindicalismo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],As consequências eram dramáticas: - repressão policial, prisões, deportações, condenações à morte
 
Os operários começam então a organizarem-se: a) Através do  Associativismo : criação de  associações de socorros mútuos,  que acudiam na morte, na doença, na velhice, no desemprego ou nas greves b) Através do  Sindicalismo : criação de  associações de trabalhadores (sindicatos) , para defesa dos seus interesses, usando como armas, a pressão junto dos patrões e as greves c) Em 1874, as  Trade-Unions  britânicas possuíam um milhão de sindicalizados e na Europa industrializada eram uma força capaz de convocar greves gigantescas
d) A reivindicação do dia de trabalho de 10 e 8 horas, a melhoria dos salários, o direito ao descanso semanal e a indemnização em caso de acidente eram as principais bandeiras (objectivos) do Movimento Operário
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
diariohistoria
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
Vítor Santos
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
A confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIXA confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIX
Susana Simões
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Rui Neto
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
Daniela Paiva
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
Maria Gomes
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
Escoladocs
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
13_ines_silva
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
Carlos Vieira
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
Fernando Alvarado
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
Inês Alexandre
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIXA confiança no progresso científico no séc. XIX
A confiança no progresso científico no séc. XIX
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 

Destaque

Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
Maria Gomes
 
Crises Do Capitalismo
Crises Do CapitalismoCrises Do Capitalismo
Crises Do Capitalismo
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
ESVieira do Minho
 
A sociedade industrial e urbana parte 2
A sociedade industrial e urbana   parte 2A sociedade industrial e urbana   parte 2
A sociedade industrial e urbana parte 2
cattonia
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
Tina Lima
 
Movimento operário
Movimento operárioMovimento operário
Movimento operário
Maria Gomes
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
cattonia
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
Vítor Santos
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
vitormbsantos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
Elvira Rodrigues
 
Sociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIXSociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIX
maria40
 
Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.
barbarafixe
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
Vítor Santos
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
Vítor Santos
 
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 3010 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
Vítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
Vítor Santos
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
Vítor Santos
 

Destaque (20)

Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
Crises Do Capitalismo
Crises Do CapitalismoCrises Do Capitalismo
Crises Do Capitalismo
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
A sociedade industrial e urbana parte 2
A sociedade industrial e urbana   parte 2A sociedade industrial e urbana   parte 2
A sociedade industrial e urbana parte 2
 
O realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentistaO realismo na literatura oitocentista
O realismo na literatura oitocentista
 
Movimento operário
Movimento operárioMovimento operário
Movimento operário
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia4 04 15_16 construção da modernidade europeia
4 04 15_16 construção da modernidade europeia
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Sociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIXSociedade portuguesa no século XIX
Sociedade portuguesa no século XIX
 
Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.Hegemonia britânica.
Hegemonia britânica.
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
 
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 3010 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
 

Semelhante a A Sociedade Oitocentista

Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
Alexandre Misturini
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Condições de vida do trabalhador assalariado no século
Condições de vida do trabalhador assalariado no séculoCondições de vida do trabalhador assalariado no século
Condições de vida do trabalhador assalariado no século
Paulo César Machado Moreira
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
gofontoura
 
Aula 5,6 E 7
Aula 5,6 E 7Aula 5,6 E 7
Aula 5,6 E 7
josepedrosilva
 
Contrastes sociais
Contrastes sociaisContrastes sociais
Contrastes sociais
cattonia
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
Arlene Alves
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
Daniele Rubim
 
Aula ifg educação sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]
Aula ifg educação  sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]Aula ifg educação  sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]
Aula ifg educação sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]
Marizete Waldhelm
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
4 o mundo industrializado no século xix
4   o mundo industrializado no século xix4   o mundo industrializado no século xix
4 o mundo industrializado no século xix
sofiasimao
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
landipaula
 
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
António Luís Catarino
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
Lucio Oliveira
 
Reflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdf
Reflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdfReflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdf
Reflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdf
Pedro Siena
 
O mundo industrializado s. xix
O mundo industrializado   s. xixO mundo industrializado   s. xix
O mundo industrializado s. xix
IURAMADO
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
fernandacarolinestang
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
Isabella Silva
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
Isabella Silva
 

Semelhante a A Sociedade Oitocentista (20)

Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
 
Condições de vida do trabalhador assalariado no século
Condições de vida do trabalhador assalariado no séculoCondições de vida do trabalhador assalariado no século
Condições de vida do trabalhador assalariado no século
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
Aula 5,6 E 7
Aula 5,6 E 7Aula 5,6 E 7
Aula 5,6 E 7
 
Contrastes sociais
Contrastes sociaisContrastes sociais
Contrastes sociais
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
 
Aula ifg educação sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]
Aula ifg educação  sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]Aula ifg educação  sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]
Aula ifg educação sociedade e trabalho 2014 [salvo automaticamente]
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
4 o mundo industrializado no século xix
4   o mundo industrializado no século xix4   o mundo industrializado no século xix
4 o mundo industrializado no século xix
 
Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010Capitalismo x socialismo = 2010
Capitalismo x socialismo = 2010
 
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
 
Reflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdf
Reflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdfReflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdf
Reflexoes Cristas Cristianismo e Cultura (Encontro 1 de 8).pdf
 
O mundo industrializado s. xix
O mundo industrializado   s. xixO mundo industrializado   s. xix
O mundo industrializado s. xix
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
 

Mais de luisant

MODERNISMO EM PORTUGAL
MODERNISMO EM PORTUGALMODERNISMO EM PORTUGAL
MODERNISMO EM PORTUGAL
luisant
 
PermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia TradicionalPermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia Tradicional
luisant
 
GóTico Em Portugal
GóTico Em PortugalGóTico Em Portugal
GóTico Em Portugal
luisant
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio I
luisant
 
Pintura Do Renascimento
Pintura Do RenascimentoPintura Do Renascimento
Pintura Do Renascimento
luisant
 
A Paz Armada
A Paz ArmadaA Paz Armada
A Paz Armada
luisant
 
Imperialismo E Colonialismo
Imperialismo E ColonialismoImperialismo E Colonialismo
Imperialismo E Colonialismo
luisant
 
IlustraçãO De Contos
IlustraçãO De ContosIlustraçãO De Contos
IlustraçãO De Contos
luisant
 
CalendáRio De Testes2
CalendáRio De Testes2CalendáRio De Testes2
CalendáRio De Testes2
luisant
 
Visita De Estudo óBidos
Visita De Estudo óBidosVisita De Estudo óBidos
Visita De Estudo óBidos
luisant
 
CalendáRio De Testes
CalendáRio De TestesCalendáRio De Testes
CalendáRio De Testes
luisant
 
ConíMbriga Coimbra
ConíMbriga   CoimbraConíMbriga   Coimbra
ConíMbriga Coimbraluisant
 
Paula Rego
Paula RegoPaula Rego
Paula Regoluisant
 
Lisboa BeléMtografia
Lisboa   BeléMtografiaLisboa   BeléMtografia
Lisboa BeléMtografia
luisant
 
Rf3
Rf3Rf3
Rf3
luisant
 
Rf2 A
Rf2 ARf2 A
Rf2 A
luisant
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
luisant
 
Ilumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em PortugalIlumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em Portugal
luisant
 
10 Dezembro 2008
10 Dezembro 200810 Dezembro 2008
10 Dezembro 2008
luisant
 
Levanta Te Fotos
Levanta Te FotosLevanta Te Fotos
Levanta Te Fotos
luisant
 

Mais de luisant (20)

MODERNISMO EM PORTUGAL
MODERNISMO EM PORTUGALMODERNISMO EM PORTUGAL
MODERNISMO EM PORTUGAL
 
PermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia TradicionalPermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia Tradicional
 
GóTico Em Portugal
GóTico Em PortugalGóTico Em Portugal
GóTico Em Portugal
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio I
 
Pintura Do Renascimento
Pintura Do RenascimentoPintura Do Renascimento
Pintura Do Renascimento
 
A Paz Armada
A Paz ArmadaA Paz Armada
A Paz Armada
 
Imperialismo E Colonialismo
Imperialismo E ColonialismoImperialismo E Colonialismo
Imperialismo E Colonialismo
 
IlustraçãO De Contos
IlustraçãO De ContosIlustraçãO De Contos
IlustraçãO De Contos
 
CalendáRio De Testes2
CalendáRio De Testes2CalendáRio De Testes2
CalendáRio De Testes2
 
Visita De Estudo óBidos
Visita De Estudo óBidosVisita De Estudo óBidos
Visita De Estudo óBidos
 
CalendáRio De Testes
CalendáRio De TestesCalendáRio De Testes
CalendáRio De Testes
 
ConíMbriga Coimbra
ConíMbriga   CoimbraConíMbriga   Coimbra
ConíMbriga Coimbra
 
Paula Rego
Paula RegoPaula Rego
Paula Rego
 
Lisboa BeléMtografia
Lisboa   BeléMtografiaLisboa   BeléMtografia
Lisboa BeléMtografia
 
Rf3
Rf3Rf3
Rf3
 
Rf2 A
Rf2 ARf2 A
Rf2 A
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
 
Ilumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em PortugalIlumismo Na Europa E Em Portugal
Ilumismo Na Europa E Em Portugal
 
10 Dezembro 2008
10 Dezembro 200810 Dezembro 2008
10 Dezembro 2008
 
Levanta Te Fotos
Levanta Te FotosLevanta Te Fotos
Levanta Te Fotos
 

A Sociedade Oitocentista

  • 1. A Sociedade Oitocentista Uma sociedade de classes
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.  
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.  
  • 12. A Revolução Industrial trouxe a fábrica e fez nascer o OPERÁRIO 3. O Operariado
  • 13. Os operários nada possuem a não ser a força dos seus braços (trabalho) que vendem ao patrão em troco de um salário São multidões de camponeses sem terra que abandonam os campos e procuram a sua sorte nas cidades (nas fábricas, nas minas, nas docas e nos armazéns, etc.) Constituem uma mão-de-obra desqualificada, numerosa e por isso mal paga, sujeitos à exploração patronal.
  • 14.
  • 15.  
  • 16. Condições de Vida: Viviam nos bairros mais velhos e degradados das cidades. As casas era exíguas e miseráveis sem condições de higiene, partilhadas por várias famílias Alimentavam-se mal e passavam frio Eram vítimas de doenças (cólera, raquitismo, asma e tuberculose), do alcoolismo, da prostituição, da violência, da criminalidade e de envelhecimento precoce O voto censitário ou a obrigatoriedade de saber ler e escrever não lhes permitia votar
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20.
  • 21.  
  • 22. Os operários começam então a organizarem-se: a) Através do Associativismo : criação de associações de socorros mútuos, que acudiam na morte, na doença, na velhice, no desemprego ou nas greves b) Através do Sindicalismo : criação de associações de trabalhadores (sindicatos) , para defesa dos seus interesses, usando como armas, a pressão junto dos patrões e as greves c) Em 1874, as Trade-Unions britânicas possuíam um milhão de sindicalizados e na Europa industrializada eram uma força capaz de convocar greves gigantescas
  • 23. d) A reivindicação do dia de trabalho de 10 e 8 horas, a melhoria dos salários, o direito ao descanso semanal e a indemnização em caso de acidente eram as principais bandeiras (objectivos) do Movimento Operário
  • 24.