SlideShare uma empresa Scribd logo
1
O Antigo Regime e a Filosofia das
Luzes
Por Raul Silva
Os revolucionários do século XVIII, querem mudar o Estado e a sociedade. Recusam os princípios em
que se baseia a ordenação da sociedade em que nascemos, pois não consideram justa uma sociedade em
que a condição de cada um é marcada pelo nascimento. Acreditam que a sociedade se deve basear na
fraternidade e os indivíduos nascem livres e iguais.
Têm uma nova visão do mundo e da vida. Recusam a superstição e o tradicionalismo porque acreditam,
por isso, na possibilidade da Humanidade dominar a Natureza e creem profundamente no progresso do
conhecimento humano e da civilização.
Defendem a abolição dos princípios da ordenação social e política criados e desenvolvidos desde os
tempos medievais. Para eles, o ponto de partida é o indivíduo e não o corpo a que ele pertence e querem
quebrar todas as grilhetas que o tolhem: o movimento da História que daí resultará não pode ser senão a
ascensão para a libertação da Humanidade.
CADERNODIÁRIO
EXTERNATO LUÍS DE
CAMÕES
N.º 7
https://
www.facebook.com/
historia.externato
http://
externatohistoria.blog
spot.pt
externatohistoria@gm
ail.com
25deNovembrode2014
2
CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014
Crença no progresso
e o valor da educação
Por Condocert
As nossas esperanças sobre o estado
futuro da espécie humana reduzem-se a
estes três pontos: a destruição da
desigualdade entre as nações, os
progressos da igualdade num mesmo
povo, enfim, o aperfeiçoamento real do
Homem. (…)
Por escolha feliz e pelos próprios
conhecimentos e métodos de ensino
pode-se instruir todo um povo de tudo o
que cada homem tem necessidade de
saber para a economia doméstica, para
a administração dos seus negócios, para
o livre desenvolvimento da sua
indústria, e das suas faculdades, para
reconhecer os seus direitos (…), para ser
senhor de si próprio.
A igualdade da instrução corrigiria a
desigualdade das faculdades, assim
como uma legislação previdente
diminuiria a desigualdade das riquezas,
aceleraria o progresso das ciências e das
artes, criando-lhes um meio favorável
(…). O efeito seria um aumento do
bem-estar para todos.
A Filosofia das
Luzes
princípios e
crenças
A corrente filosófica iluminista
acreditava na existência de um direito
natural, ou seja, um conjunto de
direitos próprios na natureza humana,
nomeadamente: a igualdade entre
todos homens; a liberdade de todos os
homens (em consequência da
igualdade, “nenhum homem tem uma
autoridade natural sobre o seu
semelhante”, escrevia Jean-Jacques
Rosseau; porém, este direito natural
não previa a abolição das diferenças
sociais); o direito à posse de bens
(tendo em conta que o pensamento
iluminista se identifica com os anseios
da burguesia em ascensão); o direito a
um julgamento justo; o direito à
liberdade de consciência (a moral era
entendida como natural,
independentemente da crença
religiosa).
O pensamento iluminista defendia,
assim, que estes direitos eram
universais, isto é, diziam respeito a
todos os seres humanos e, por isso,
estavam acima das leis de cada Estado.
Os Estados deveriam, antes usar o
poder político como meio de assegurar
os direitos naturais do Homem e de
garantir a sua felicidade.
Paralelamente, o Iluminismo pugnava
pelo individualismo: cada indivíduo
deveria ser valorizado,
independentemente dos grupos em que
se integrasse.
Destacam-se os seguintes pensadores
iluministas pela sua perspectiva
revolucionária de encarar o homem e a
sociedade:
Jean-Jacques Rosseau defende a
soberania (poder político) do povo. É o
povo que, de livre vontade, transfere o
seu poder para os governantes mediante
um pacto (ou contrato social).
Consegue, desta forma, respeitar a
vontade da maioria sem perder a sua
liberdade. Em troca, os governantes
têm de actuar com justiça, sob pena de
serem depostos.
Montesquieu defende a doutrina da
separação dos poderes (legislativo,
executivo e judicial) como garantia de
liberdade dos cidadãos.
Voltaire advoga a tolerância religiosa e
a liberdade de consciência: a religião
que criou, o deísmo, rejeita as religiões
instituídas, centrando-se na adoração a
um Deus bom, justo e poderoso, criador
do Universo.
Responder:
a) Explicite os pontos-chave do
pensamento iluminista.
b) Avalie o seu caráter
revolucionário.
Pesquisar:
Condorcet, Diderot, D’Alembert,
Rosseau, Montesquieu, Voltaire
“Chegará o momento em
que o sol iluminará sobre
a Terra dos homens
livres, não reconhecendo
outro mestre além da sua
Razão (…). Irão todas as
nações aproximar-se um
dia do estado de
civilização a que
chegaram os povos mais
esclarecidos, mais livres,
menos presos a
preconceitos (…)?”
Condocert
Jean-Jacques Rousseau
Desenvolve as teorias do bom selvagem,
acusando a sociedade de corromper o
Homem, e do contrato social, celebrado entre
o indivíduo e a sociedade, e ainda um ensaio
sobre a educação e a pedagogia.
3
O Iluminismo, apesar da oposição que
sofreu na sociedade do seu tempo, foi-se
difundindo graças a alguns apoios
importantes, como sejam:
• a admiração que alguns monarcas
nutriam por estes novos ideais;
• os salões, espaços privados da
aristocracia que se abriam ao debate
das novas propostas filosóficas;
• os cafés, locais de aceso debate
político-cultural e de apresentação de
artistas;
• a Maçonaria, sociedade secreta com
origem na Inglaterra do século XVIII
que pugnava pela liberdade política e
pelo progresso científico;
• o uso da língua francesa, conhecida
dos inteletuais europeus, nas obras
filosóficas editadas;
• a Enciclopédia publicada por Diderot
e D’ Alembert, que reunia em vários
volumes os conhecimento mais
avançados da época sobre a ciência e
a técnica e dava voz às propostas
iluministas;
• os clubes privados, a imprensa e as
academias, que faziam eco das novas
propostas.
As ideias iluministas contribuíram para
acabar com o Antigo Regime, pois:
A defesa do contrato social transforma
o súbdito passivo e obediente em
cidadão interventivo; deste modo, e ao
contrário do que acontecia no Antigo
Regime, “um povo livre (...) tem chefes
e não senhores”.
A teoria da separação dos poderes
acaba com o poder arbitrário exercido
no Antigo Regime.
A ideia de tolerância religiosa conduz à
separação entre a Igreja e o Estado,
presente nos regimes liberais.
A teoria do direito natural leva a que os
iluministas condenem todas as formas
de desrespeito pelos direitos humanos
(tortura, pena de morte, escravatura...),
contribuindo para alterar a legislação
sobre a justiça em vários países.
Responder:
a) Distinga os meios de divulgação
de difusão do pensamento das
Luzes
b) Relacionar o Iluminismo com a
desagregação do Antigo Regime
e a construção da modernidade
europeia
Pesquisar:
Soberania popular, contrato social,
separação dos poderes
A soberania popular
e o contrato social
Por Diderot
Nenhum homem recebeu da Natureza
o direito de comandar os outros. A
liberdade é um presente do céu, e cada
indivíduo da mesma espécie tem o
direito de gozar dela logo que goze da
Razão (...). O poder que vem do
consentimento dos povos supões
necessariamente condições que tornem
o seu uso legítimo útil à sociedade (…).
O Príncipe recebe dos seus súbditos a
autoridade que tem sobre eles, e esta
autoridade é limitada pelas leis da
natureza e do Estado. (…) Ele jamais se
pode servir dessa autoridade para
destruir o contrato pelo qual ela lhe foi
concedida: procederia, desde então,
contra si próprio, pois a autoridade
depende desse contrato.
“A igualdade natural ou moral
tem, portanto, base na
constituição da natureza
humana comum a todos os
homens, que nascem, crescem,
subsistem e morrem da mesma
maneira.”
Cavaleiro de Jaucourt
A Filosofia das Luzes
e a desagregação do Antigo Regime
CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014
A Enciclopédia
Uma das obras de
maior repercussão do
Iluminismo. A primeira
edição era composta
por 28 volumes, onde,
sob a coordenação
dos filósofos
franceses Diderot e
d’Alembert e com a
colaboração de
muitas outras
personalidades, se
compilaram os mais
modernos e
atualizados
conhecimentos da
época sobre todos os
ramos do saber e da
atuação humanos.
A separação dos poderes
e a liberdade
Por Montesquieu
Há em cada Estado três qualidades de poderes: o
poder legislativo, o poder de fazer leis para certo
tempo ou para sempre e corrige ou revoga as que
estão feitas. Poder executivo (…) e o poder
judicial. Pelo segundo, o príncipe ou magistrado
faz a paz ou a guerra, envia ou recebe
embaixadores, garante a segurança, repele as
invasões. Pelo terceiro, castiga os crimes ou julga
as questões dos particulares (…).
Para que não se possa abusar do poder, é preciso
que, pela disposição das coisas, o poder faça
parar o poder. (…).
Quando na mesma pessoa e no mesmo corpo de
magistrados o poder legislativo está reunido ao
poder executivo, não há liberdade (...). Não há
liberdade se o poder de julgar não estiver
separado do poder legislativo. Se estivesse ligado
ao poder executivo, o juiz poderia ter a força de
um opressor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
História
HistóriaHistória
História
dinicmax
 
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Declaração Universal dos Direitos HumanosDeclaração Universal dos Direitos Humanos
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Professor Belinaso
 
Anarquismo e Socialismo Utópico
Anarquismo e Socialismo UtópicoAnarquismo e Socialismo Utópico
Anarquismo e Socialismo Utópico
Carla Brígida
 
Marxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontrosMarxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontros
isameucci
 
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
firminomaissociologiafilosofia2019
 
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
Ideologias do século XIX
Marcos Torquato
 
Anarquismo
AnarquismoAnarquismo
Anarquismo
Isabel Aguiar
 
Ética e Humanidades - Liberalismo e Socialismo
Ética e Humanidades - Liberalismo e SocialismoÉtica e Humanidades - Liberalismo e Socialismo
Ética e Humanidades - Liberalismo e Socialismo
Cairo Martins
 
2.4 gabarito
2.4 gabarito2.4 gabarito
2.4 gabarito
KellyCarvalho2011
 
Capítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no BrasilCapítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no Brasil
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao
2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao
2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao
Kerol Brombal
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do Tomazi
pascoalnaib
 
A filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumoA filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumo
Escoladocs
 
1 prova de historia 3 ano 2012
1 prova de historia   3 ano 20121 prova de historia   3 ano 2012
1 prova de historia 3 ano 2012
KellyCarvalho2011
 
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado modernoSociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Miro Santos
 
Filosofia (iluminismo e revolução francesa)
Filosofia (iluminismo e revolução francesa)Filosofia (iluminismo e revolução francesa)
Filosofia (iluminismo e revolução francesa)
deividyalves
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
Silvana
 

Mais procurados (20)

Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019
 
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
Ideologias do século XIX
 
História
HistóriaHistória
História
 
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Declaração Universal dos Direitos HumanosDeclaração Universal dos Direitos Humanos
Declaração Universal dos Direitos Humanos
 
Anarquismo e Socialismo Utópico
Anarquismo e Socialismo UtópicoAnarquismo e Socialismo Utópico
Anarquismo e Socialismo Utópico
 
Marxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontrosMarxismo e feminismo: encontros e desencontros
Marxismo e feminismo: encontros e desencontros
 
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
Introdução fundamentos e bases da sociologia 2020
 
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
Ideologias do século XIX
 
Anarquismo
AnarquismoAnarquismo
Anarquismo
 
Ética e Humanidades - Liberalismo e Socialismo
Ética e Humanidades - Liberalismo e SocialismoÉtica e Humanidades - Liberalismo e Socialismo
Ética e Humanidades - Liberalismo e Socialismo
 
2.4 gabarito
2.4 gabarito2.4 gabarito
2.4 gabarito
 
Capítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no BrasilCapítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no Brasil
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao
2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao
2 lista iluminismo_rev industrial e napoleao
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 10 do Tomazi
 
A filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumoA filosofia das luzes resumo
A filosofia das luzes resumo
 
1 prova de historia 3 ano 2012
1 prova de historia   3 ano 20121 prova de historia   3 ano 2012
1 prova de historia 3 ano 2012
 
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado modernoSociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
Sociologia Capítulo 10 - Como surgiu o Estado moderno
 
Filosofia (iluminismo e revolução francesa)
Filosofia (iluminismo e revolução francesa)Filosofia (iluminismo e revolução francesa)
Filosofia (iluminismo e revolução francesa)
 
Sociologia e filosofia
Sociologia e filosofiaSociologia e filosofia
Sociologia e filosofia
 

Destaque

Critérios específicos de correcção 7º ano
Critérios específicos de correcção 7º anoCritérios específicos de correcção 7º ano
Critérios específicos de correcção 7º ano
Escoladocs
 
Guia de estudo Humanismo
Guia de estudo HumanismoGuia de estudo Humanismo
Guia de estudo Humanismo
Escoladocs
 
Critérios específicos de correcção 7º 301112
Critérios específicos de correcção 7º 301112Critérios específicos de correcção 7º 301112
Critérios específicos de correcção 7º 301112
Escoladocs
 
Guia de estudo Democracia
Guia de estudo DemocraciaGuia de estudo Democracia
Guia de estudo Democracia
Escoladocs
 
Guia de estudo Romanização
Guia de estudo RomanizaçãoGuia de estudo Romanização
Guia de estudo Romanização
Escoladocs
 
Critérios específicos de correcção 9º ano
Critérios específicos de correcção 9º anoCritérios específicos de correcção 9º ano
Critérios específicos de correcção 9º ano
Escoladocs
 
Critérios de classificação teste intermédio de História 2012
Critérios de classificação teste intermédio de História 2012Critérios de classificação teste intermédio de História 2012
Critérios de classificação teste intermédio de História 2012
Escoladocs
 
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumoAs revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
Escoladocs
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
Escoladocs
 
Critérios específicos de correcção 7º 291112
Critérios específicos de correcção 7º 291112Critérios específicos de correcção 7º 291112
Critérios específicos de correcção 7º 291112
Escoladocs
 
Módulo 4 a sociedade de ordens
Módulo 4   a sociedade de ordensMódulo 4   a sociedade de ordens
Módulo 4 a sociedade de ordens
Escoladocs
 
Clero
CleroClero
Clero
Escoladocs
 
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia socialMódulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Escoladocs
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento
Escoladocs
 
A nobreza
A nobrezaA nobreza
A nobreza
Escoladocs
 
Democracia Grega
Democracia GregaDemocracia Grega
Democracia Grega
Escoladocs
 
Critérios prova global 8 ano
Critérios prova global 8 anoCritérios prova global 8 ano
Critérios prova global 8 ano
Escoladocs
 
Módulo 4 a filosofia das luzes
Módulo 4   a filosofia das luzesMódulo 4   a filosofia das luzes
Módulo 4 a filosofia das luzes
Escoladocs
 
A sociedade de ordens resumo
A sociedade de ordens resumoA sociedade de ordens resumo
A sociedade de ordens resumo
Escoladocs
 
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novoMódulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Escoladocs
 

Destaque (20)

Critérios específicos de correcção 7º ano
Critérios específicos de correcção 7º anoCritérios específicos de correcção 7º ano
Critérios específicos de correcção 7º ano
 
Guia de estudo Humanismo
Guia de estudo HumanismoGuia de estudo Humanismo
Guia de estudo Humanismo
 
Critérios específicos de correcção 7º 301112
Critérios específicos de correcção 7º 301112Critérios específicos de correcção 7º 301112
Critérios específicos de correcção 7º 301112
 
Guia de estudo Democracia
Guia de estudo DemocraciaGuia de estudo Democracia
Guia de estudo Democracia
 
Guia de estudo Romanização
Guia de estudo RomanizaçãoGuia de estudo Romanização
Guia de estudo Romanização
 
Critérios específicos de correcção 9º ano
Critérios específicos de correcção 9º anoCritérios específicos de correcção 9º ano
Critérios específicos de correcção 9º ano
 
Critérios de classificação teste intermédio de História 2012
Critérios de classificação teste intermédio de História 2012Critérios de classificação teste intermédio de História 2012
Critérios de classificação teste intermédio de História 2012
 
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumoAs revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Critérios específicos de correcção 7º 291112
Critérios específicos de correcção 7º 291112Critérios específicos de correcção 7º 291112
Critérios específicos de correcção 7º 291112
 
Módulo 4 a sociedade de ordens
Módulo 4   a sociedade de ordensMódulo 4   a sociedade de ordens
Módulo 4 a sociedade de ordens
 
Clero
CleroClero
Clero
 
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia socialMódulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento
 
A nobreza
A nobrezaA nobreza
A nobreza
 
Democracia Grega
Democracia GregaDemocracia Grega
Democracia Grega
 
Critérios prova global 8 ano
Critérios prova global 8 anoCritérios prova global 8 ano
Critérios prova global 8 ano
 
Módulo 4 a filosofia das luzes
Módulo 4   a filosofia das luzesMódulo 4   a filosofia das luzes
Módulo 4 a filosofia das luzes
 
A sociedade de ordens resumo
A sociedade de ordens resumoA sociedade de ordens resumo
A sociedade de ordens resumo
 
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novoMódulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
 

Semelhante a Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Carla Teixeira
 
Caderno diário a filosofia das luzes 1314
Caderno diário a filosofia das luzes 1314Caderno diário a filosofia das luzes 1314
Caderno diário a filosofia das luzes 1314
Laboratório de História
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augusto
alemisturini
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Susana Simões
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
ProfessoresColeguium
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
BrendaBorges35
 
FILOSOFIA DAS LUZES
FILOSOFIA DAS LUZESFILOSOFIA DAS LUZES
FILOSOFIA DAS LUZES
cattonia
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
Daniela Paiva
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
eduardodemiranda
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
Nívia Sales
 
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semanaFilosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
brunojmrezende
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
GildetedaConceioGarc
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Valeria Kosicki
 
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
Vítor Santos
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
isameucci
 
O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
Joana Filipa Rodrigues
 

Semelhante a Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415 (20)

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Caderno diário a filosofia das luzes 1314
Caderno diário a filosofia das luzes 1314Caderno diário a filosofia das luzes 1314
Caderno diário a filosofia das luzes 1314
 
Filo 25 tp augusto
Filo 25 tp augustoFilo 25 tp augusto
Filo 25 tp augusto
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
 
FILOSOFIA DAS LUZES
FILOSOFIA DAS LUZESFILOSOFIA DAS LUZES
FILOSOFIA DAS LUZES
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
 
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semanaFilosofia para-o-enem-8ª-semana
Filosofia para-o-enem-8ª-semana
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
4 04 construcao da modernidade europeia.pptx
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
O iiLUMINISMO
 
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
 

Mais de Laboratório de História

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Laboratório de História
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Laboratório de História
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
Laboratório de História
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
 

Último

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 

Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415

  • 1. 1 O Antigo Regime e a Filosofia das Luzes Por Raul Silva Os revolucionários do século XVIII, querem mudar o Estado e a sociedade. Recusam os princípios em que se baseia a ordenação da sociedade em que nascemos, pois não consideram justa uma sociedade em que a condição de cada um é marcada pelo nascimento. Acreditam que a sociedade se deve basear na fraternidade e os indivíduos nascem livres e iguais. Têm uma nova visão do mundo e da vida. Recusam a superstição e o tradicionalismo porque acreditam, por isso, na possibilidade da Humanidade dominar a Natureza e creem profundamente no progresso do conhecimento humano e da civilização. Defendem a abolição dos princípios da ordenação social e política criados e desenvolvidos desde os tempos medievais. Para eles, o ponto de partida é o indivíduo e não o corpo a que ele pertence e querem quebrar todas as grilhetas que o tolhem: o movimento da História que daí resultará não pode ser senão a ascensão para a libertação da Humanidade. CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 7 https:// www.facebook.com/ historia.externato http:// externatohistoria.blog spot.pt externatohistoria@gm ail.com 25deNovembrode2014
  • 2. 2 CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014 Crença no progresso e o valor da educação Por Condocert As nossas esperanças sobre o estado futuro da espécie humana reduzem-se a estes três pontos: a destruição da desigualdade entre as nações, os progressos da igualdade num mesmo povo, enfim, o aperfeiçoamento real do Homem. (…) Por escolha feliz e pelos próprios conhecimentos e métodos de ensino pode-se instruir todo um povo de tudo o que cada homem tem necessidade de saber para a economia doméstica, para a administração dos seus negócios, para o livre desenvolvimento da sua indústria, e das suas faculdades, para reconhecer os seus direitos (…), para ser senhor de si próprio. A igualdade da instrução corrigiria a desigualdade das faculdades, assim como uma legislação previdente diminuiria a desigualdade das riquezas, aceleraria o progresso das ciências e das artes, criando-lhes um meio favorável (…). O efeito seria um aumento do bem-estar para todos. A Filosofia das Luzes princípios e crenças A corrente filosófica iluminista acreditava na existência de um direito natural, ou seja, um conjunto de direitos próprios na natureza humana, nomeadamente: a igualdade entre todos homens; a liberdade de todos os homens (em consequência da igualdade, “nenhum homem tem uma autoridade natural sobre o seu semelhante”, escrevia Jean-Jacques Rosseau; porém, este direito natural não previa a abolição das diferenças sociais); o direito à posse de bens (tendo em conta que o pensamento iluminista se identifica com os anseios da burguesia em ascensão); o direito a um julgamento justo; o direito à liberdade de consciência (a moral era entendida como natural, independentemente da crença religiosa). O pensamento iluminista defendia, assim, que estes direitos eram universais, isto é, diziam respeito a todos os seres humanos e, por isso, estavam acima das leis de cada Estado. Os Estados deveriam, antes usar o poder político como meio de assegurar os direitos naturais do Homem e de garantir a sua felicidade. Paralelamente, o Iluminismo pugnava pelo individualismo: cada indivíduo deveria ser valorizado, independentemente dos grupos em que se integrasse. Destacam-se os seguintes pensadores iluministas pela sua perspectiva revolucionária de encarar o homem e a sociedade: Jean-Jacques Rosseau defende a soberania (poder político) do povo. É o povo que, de livre vontade, transfere o seu poder para os governantes mediante um pacto (ou contrato social). Consegue, desta forma, respeitar a vontade da maioria sem perder a sua liberdade. Em troca, os governantes têm de actuar com justiça, sob pena de serem depostos. Montesquieu defende a doutrina da separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial) como garantia de liberdade dos cidadãos. Voltaire advoga a tolerância religiosa e a liberdade de consciência: a religião que criou, o deísmo, rejeita as religiões instituídas, centrando-se na adoração a um Deus bom, justo e poderoso, criador do Universo. Responder: a) Explicite os pontos-chave do pensamento iluminista. b) Avalie o seu caráter revolucionário. Pesquisar: Condorcet, Diderot, D’Alembert, Rosseau, Montesquieu, Voltaire “Chegará o momento em que o sol iluminará sobre a Terra dos homens livres, não reconhecendo outro mestre além da sua Razão (…). Irão todas as nações aproximar-se um dia do estado de civilização a que chegaram os povos mais esclarecidos, mais livres, menos presos a preconceitos (…)?” Condocert Jean-Jacques Rousseau Desenvolve as teorias do bom selvagem, acusando a sociedade de corromper o Homem, e do contrato social, celebrado entre o indivíduo e a sociedade, e ainda um ensaio sobre a educação e a pedagogia.
  • 3. 3 O Iluminismo, apesar da oposição que sofreu na sociedade do seu tempo, foi-se difundindo graças a alguns apoios importantes, como sejam: • a admiração que alguns monarcas nutriam por estes novos ideais; • os salões, espaços privados da aristocracia que se abriam ao debate das novas propostas filosóficas; • os cafés, locais de aceso debate político-cultural e de apresentação de artistas; • a Maçonaria, sociedade secreta com origem na Inglaterra do século XVIII que pugnava pela liberdade política e pelo progresso científico; • o uso da língua francesa, conhecida dos inteletuais europeus, nas obras filosóficas editadas; • a Enciclopédia publicada por Diderot e D’ Alembert, que reunia em vários volumes os conhecimento mais avançados da época sobre a ciência e a técnica e dava voz às propostas iluministas; • os clubes privados, a imprensa e as academias, que faziam eco das novas propostas. As ideias iluministas contribuíram para acabar com o Antigo Regime, pois: A defesa do contrato social transforma o súbdito passivo e obediente em cidadão interventivo; deste modo, e ao contrário do que acontecia no Antigo Regime, “um povo livre (...) tem chefes e não senhores”. A teoria da separação dos poderes acaba com o poder arbitrário exercido no Antigo Regime. A ideia de tolerância religiosa conduz à separação entre a Igreja e o Estado, presente nos regimes liberais. A teoria do direito natural leva a que os iluministas condenem todas as formas de desrespeito pelos direitos humanos (tortura, pena de morte, escravatura...), contribuindo para alterar a legislação sobre a justiça em vários países. Responder: a) Distinga os meios de divulgação de difusão do pensamento das Luzes b) Relacionar o Iluminismo com a desagregação do Antigo Regime e a construção da modernidade europeia Pesquisar: Soberania popular, contrato social, separação dos poderes A soberania popular e o contrato social Por Diderot Nenhum homem recebeu da Natureza o direito de comandar os outros. A liberdade é um presente do céu, e cada indivíduo da mesma espécie tem o direito de gozar dela logo que goze da Razão (...). O poder que vem do consentimento dos povos supões necessariamente condições que tornem o seu uso legítimo útil à sociedade (…). O Príncipe recebe dos seus súbditos a autoridade que tem sobre eles, e esta autoridade é limitada pelas leis da natureza e do Estado. (…) Ele jamais se pode servir dessa autoridade para destruir o contrato pelo qual ela lhe foi concedida: procederia, desde então, contra si próprio, pois a autoridade depende desse contrato. “A igualdade natural ou moral tem, portanto, base na constituição da natureza humana comum a todos os homens, que nascem, crescem, subsistem e morrem da mesma maneira.” Cavaleiro de Jaucourt A Filosofia das Luzes e a desagregação do Antigo Regime CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014 A Enciclopédia Uma das obras de maior repercussão do Iluminismo. A primeira edição era composta por 28 volumes, onde, sob a coordenação dos filósofos franceses Diderot e d’Alembert e com a colaboração de muitas outras personalidades, se compilaram os mais modernos e atualizados conhecimentos da época sobre todos os ramos do saber e da atuação humanos. A separação dos poderes e a liberdade Por Montesquieu Há em cada Estado três qualidades de poderes: o poder legislativo, o poder de fazer leis para certo tempo ou para sempre e corrige ou revoga as que estão feitas. Poder executivo (…) e o poder judicial. Pelo segundo, o príncipe ou magistrado faz a paz ou a guerra, envia ou recebe embaixadores, garante a segurança, repele as invasões. Pelo terceiro, castiga os crimes ou julga as questões dos particulares (…). Para que não se possa abusar do poder, é preciso que, pela disposição das coisas, o poder faça parar o poder. (…). Quando na mesma pessoa e no mesmo corpo de magistrados o poder legislativo está reunido ao poder executivo, não há liberdade (...). Não há liberdade se o poder de julgar não estiver separado do poder legislativo. Se estivesse ligado ao poder executivo, o juiz poderia ter a força de um opressor.