SlideShare uma empresa Scribd logo
Esta é uma parte da física clássica, onde caracterizamos 
e classificamos um possível estado de movimento ou repouso de 
um objeto observado, mas sem se preocupar com o(s) porquê(s) 
de este objeto, se encontrar nesta atual condição.
Para dizermos que um corpo está 
em repouso, ou movimento é necessário a 
ajuda de um referencial inercial, que pode ser 
um ponto espacial, ou outro objeto qualquer 
nas proximidades do evento físico. 
É importante ressaltar, que se há 
movimento, este deve ser bem menor que a 
velocidade da luz, senão a relatividade é 
moderna.
Extensão relativa de um corpo: 
Você é grande ou pequeno, gordo ou magro? E o seu pai? 
- Este tipo de questionamento é comum quando estamos nos 
conhecendo, e relacionando as extensões de tudo que conhecemos. 
Mas isto é feito durante muitos anos por nos, usando a si 
próprio para relacionar as extensões, e a física exige que você comece 
a utilizar outros referenciais que não seja você mesmo, classificando o 
objeto observado por corpo pontual (partícula) ou extenso. 
A Terra é um corpo partícula em 
relação ao Sol. 
As xícaras são corpos extensos 
em relação ao bule.
Movimento e repouso relativos: 
-Para se dizer se um corpo se move ou está em repouso, 
escolha um referencial, observando se ao passar do tempo a 
distância entre o objeto observado e o ponto referencial variou ou 
se manteve constante. 
A casa esta em repouso em relação ao homem, mas o 
carro esta por outro lado em movimento.
Definindo: 
1- Referencial inercial: Ponto espacial adotado que 
pode ser considerado em repouso ou movimento retilíneo uniforme. 
2- Corpo pontual:Objeto cujas medidas das 
proporções é irrelevante . 
3- Corpo extenso:Objeto cuja medidas das produções 
são relevantes no raciocínio e calculo físico. 
4- Movimento: A distância entre o ponto referencial e o 
objeto varia de valor. 
5-Repouso: a distância entre o ponto referencial e o 
objeto permanece constante ao passar do tempo.
Espaço e Trajetória 
S 
So 
-Espaço é um ponto cartesiano 
(x,y,z),que indica a posição atual, 
usamos como símbolo o S de space. 
“So” para espaço inicial e 
“S” para espaço 
final. 
Determina-se como trajetória, o percurso real , veja:
Quando ocorre uma variação nas posições ou espaços (DS = 
deslocamento), devemos primeiramente verificar o sistema métrico 
que esta sendo utilizado e em segundo lugar o seu modulo, efetuando 
o seguinte procedimento matemático. 
DS = S - 
ExemploS: o 
-2m 0 2m 4m 8m 
(m) 
Entenda a figura, como um objeto que se move, de 
acordo com o sentido indicado do trajeto. 
a) Quanto deslocou ao total, de acordo com a figura, a pequena bolinha? 
DS= S-So = 8 – (-2) = 10m 
b) Qual foi o deslocamento efetuado da posição –2m até 4m? 
DS= S-So = 4 – (-2) = 6m 
Obs:É comum chamar a posição zero de 
origem dos espaços.
- Grandeza física mista, 
que mede a rapidez que 
se efetua um 
deslocamento, por 
unidade de tempo. 
Quando a velocidade é medida através de 
um velocímetro, dizemos que ela é 
instantânea. 
.0(s) Quando existe um movimento qualquer, e ponderamos seu 
deslocamento (DS) por intervalo de tempo que ocorreu (Dt). 
.....20m..2(s) 
........60m.........6(s) 
Estamos determinando uma velocidade média 
para este movimento. 
Vm = DS 
Dt 
Exemplo: 
Vm = DS = 60 = 10(m/s) 
Dt 6
 Quando um móvel variou sua velocidade 
(DV) por um intervalo de tempo (Dt), 
dizemos que este sofreu uma: 
A aceleração também é uma grandeza física mista, podendo ser 
instantânea (a) ou média (Am)(feita por média ponderada). 
-Por motivos da atual grade curricular do novo ensino médio, apenas trabalhamos com 
movimentos uniformes variados, logo o modulo da aceleração instantânea e média, 
são “sempre” idênticos. 
a = Am = DV 
Dt 
Para uma mesma desaceleração, um veiculo leva espaços maiores para parar quando a 
velocidade é maior.
Exemplo:Qual a aceleração média de um movimento uniforme variado, de acordo 
com a tabela de valores abaixo: 
m/s 24 20 16 12 
s 0 2 4 6 
Am = DV : Dt = (12 – 24):( 6 – 0)= -12 : 6= -2(m/s 2) 
Obs: Para normas internacionais de 
sistemas métricos, exige-se o uso de 
m/s para velocidade e m/s2 para 
aceleração
1. U. Católica-DF Para buscar um vestido, Linda tem que percorrer uma distância total de 
10 km, assim distribuída: nos 2 km iniciais, devido aos sinaleiros e quebra-molas, determinou 
que poderia gastar 3 minutos. Nos próximos 5 km, supondo pista livre, gastará 3 
minutos. No percurso restante mais 6 minutos, já que se trata de um caminho com ruas 
muito estreitas. 
Se os tempos previstos por Linda forem rigorosamente cumpridos, qual será sua velocidade 
média ao longo de todo o percurso? 
a) 50 km/h d) 11 m/s 
b) 1,2 km/h e) 60 km/h 
c) 20 m/s 
Vm = DS = 2+5+3(Km) 
Dt 3+3+6(min) 
= 10(km) 
0,2(h) 
= 50 Km/h 
Obs: 12(min)..... :60...= 0,2(h) 
Letra a 
Obs: Temos um movimento 
uniforme progressivo, porque 
V>0.
2-U.E. Londrina-PR Um pequeno animal desloca-se com velocidade média igual a 0,5 m/s. 
A velocidade desse animal em km/dia é: 
a) 13,8 b) 48,3 c) 43,2 d) 1,80 e) 4,30 
Primeiro faça isto; 
m ...... :1000..... = 1/1000Km 
S ..... :3600.. = 1/3600 h .... : 24... = 1/86400 dias 
Substituindo: 
0,5m = 
s 
1(km) 
0,5 x1000 = 0,5x 86400 = 43,2 (km/dia) 
1(dias) 1000 
86400
Movimentos Uniformes 
- São movimentos sobre velocidade escalar constante, efetuando 
deslocamentos iguais para intervalos de tempos iguais. 
Podemos dividir estes movimentos em: 
a) Movimentos retilíneos uniformes (M.R.U) 
Movimento inercial livre da ação de uma força resultante 
externa. 
Não tem 
  
 
 
aceleração 
m 
0s 
3s 
6s 
9s 
b) Movimentos circulares uniformes (M.C.U): Movimento não inercial caracterizado pela 
presença de uma força resultante centrípeta (Fc) , responsável pela curva se efetuar. 
Fc 2m/s 
2m/s 
2m/s 2m/s 
Apesar do modulo 
constante, o vetor 
velocidade varia, 
veja a figura:
De forma bem geral, devido a velocidade escalar constante, 
Galileu observou e constatou que todos movimentos uniformes podem ser 
descritos suas posições em função do tempo, por uma função do 1° grau. 
S = So + V.T 
Caso a velocidade escalar sofra mudança em seu 
modulo, devemos mudar a classificação do movimento para 
variado pois esta embutido nesta mudança do fenômeno 
dinâmico uma aceleração tangencial que pode ser constante, 
como veremos já na próxima pagina.
Função horária da velocidade: 
a = V – Vo 
DT 
V – Vo = a .DT 
V = Vo + a .DT 
Uma função do 1° grau como f(x)= aX + b , onde Vo (velocidade inicial) é 
o coeficiente linear, lembra? Aquele numero onde o gráfico corta o eixo 
“Y” , e a aceleração como coeficiente angular. Vejamos: 
V 
t 
V1 
VoT1 
T2 
V2 
q 
Tg q = DV = a 
DT
Exemplo: De acordo com o diagrama abaixo, caracterise os tipos 
de movimentos uniformes variados presentes. 
V 
t 
to t1 t2 t3 
t4 
Vamos analisar: 
Sintetizando: 
De to à t1, temos v>0 e a>0 , logo um movimento uniforme progressivo 
aDceel et1ra àd ot2. , temos V>0 e a<0, logo um movimento uniforme progressivo 
retardado. 
Quando V>0 , o movimento é progressivo , e quando V<0 , o movimento é 
retrogrado. Analisando a velocidade juntamente com a aceleração, se ambos tiverem o 
mesmo sinal , trata-se de uma aceleração, caso contrario dizemos que houve um 
retardamento(desaceleração). 
De t2 à t3, temos V<0 e a<0, logo um movimento uniforme retrogrado 
acelerado. 
De t3 à t4, temos V<0 e a>0, logo um movimento uniforme retrogrado retardado.
Exercício 03: Um objeto qualquer é deixado cair do vigésimo andar sobre ação unida da 
aceleração da gravidade (g=10m/s2 ) , levando 0,3min para chegar ao chão. Podemos dizer 
que a velocidade ao chegar ao solo será de: 
x 
a)3m/s b) –3m/s c) 180m/s d) –180m/s e) n.d.a 
Resolução: 
V = Vo + a . t V= 0 + 10.18 Vo=0, porque é deixado cair 
e 0,3min x60= 18s 
V= 180m/s
Função horária da posição para o M.U.V 
V 
T 
- Quando calculamos a área de um polígono, de 
certa forma acabamos sempre multiplicando a base 
da figura pela altura. Fazendo assim uma analogia 
com a figura formada no diagrama VxT o produto 
da velocidade por intervalo de tempo, de forma 
integral , corresponde ao deslocamento, logo ao 
modulo da área da figura. 
to 
V 
t 
V.dt = |área| = deslocamento (DS) 
|área de um trapézio|= DS S – So = (V – Vo).t 
2 
t 
Vo 
(B+b).h = área de um trapézio 
2 
V- Vo = a .t 
S = So + Vo.t + a . T 2 
2
Exemplo: Um móvel percorre um trajeto de acordo com a função S= 8t + 2t 2 em 
S.I. 
a) Qual a posição inicial, velocidade inicial e aceleração de acordo com a função: 
R: Comparando com S = So + Vo.t + a/2 . T 2 
So=0; V0=8m/s; a/2= 2, logo a=4m/s 2. 
b) Classifique o movimento quanto a velocidade e aceleração: 
R: Movimento uniforme progressivo acelerado 
c) Monte a função horária da velocidade para este movimento: 
R: V = Vo + a .t 
V = 8 + 4.t 
d) Monte um diagrama SxT para a função: 
S t 
0 0 
S = 8.0+ 2.02 
S =0 
10 1 
8.1 + 2. 12 
S = 10m 
24 2 
S = 8.2 + 2.22 
S = 24m 
S 
t 
1 2 
22 
10
Equação de Torricelli: 
Evangelista Torricelli, aluno 
de Galileu, montou através 
das funções de seu mestre 
uma equação baseada em 
um movimento uniforme 
variado, sem haver 
dependência temporal. 
Substituindo V = Vo + at 
em S=So + Vo.t +a/2.t2 
V2 = Vo2 + 2.a. 
DS 
Exemplo: Partindo do repouso, um 
veiculo com aceleração constante de 
1m/s2 chega ao final de uma ponte 
com 20m/s de velocidade.Qual deverá 
ser a extensão da ponte para que isto 
ocorra? 
V2 = Vo2 + 2.a. DS 
202 = 0 + 2. 1. 
DS 
DS = 400 : 2 = 200m 
Achou:
Exercício: 04. (Mackenzie)Do alto de um edifício, lança-se horizontalmente uma pequena 
esfera de chumbo com velocidade de 8m/s. Essa esfera toca 
o solo horizontal a uma distância de 24m da base do prédio, em relação à vertical que passa pelo 
ponto de lançamento. 
Desprezando a resistência do ar, a altura desse prédio é: (Adote g = 10m/s2) 
a) 45m b) 40m c) 35m d) 30m e) 20m 
R: 
As equações da ordenada (y) e da abscissa (x) da esfera são: 
y = 5t2 e x = 8t 
Quando a esfera atinge o solo, temos: 
24 = 8t t = 3s. 
Portanto, a altura (h) do prédio é: h = 5 . 32 h = 45m 
X
-Em uma prova de 100 m rasos, o desempenho típico de um corredor padrão 
é representado pelo gráfico a seguir: 
12 
10 
8 
6 
4 
2 
0 
0 2 4 6 8 10 12 14 16 
Tempo (s) 
Velocidade (m/s) 
Exercício:05.(Enem1998) Baseado no gráfico, em que intervalo de tempo a velocidade do corredor é 
aproximadamente constante? 
(A) Entre 0 e 1 segundo. 
R: Quando o gráfico for praticamente uma reta 
(B) Entre 1 e 5 segundos. 
horizontal. 
(C) Entre 5 e 8 segundos. 
(D) Entre 8 e 11 segundos. 
(E) Entre 12 e 15 segundos. 
X

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cinemática
CinemáticaCinemática
Cinemática
Marcelo Alano
 
Mecânica 9° ano
Mecânica 9° anoMecânica 9° ano
Mecânica 9° ano
Wellington Sampaio
 
Cinematica
CinematicaCinematica
Cinematica
Neuma Matos
 
Movimento variado
Movimento variadoMovimento variado
Movimento variado
fisicaatual
 
Introdução a mecânica
Introdução a mecânicaIntrodução a mecânica
Introdução a mecânica
Marcos Júnior
 
Aula 3 mruv
Aula 3  mruvAula 3  mruv
Aula 3 mruv
Montenegro Física
 
07 velocidade média
07  velocidade média07  velocidade média
07 velocidade média
Bruno De Siqueira Costa
 
Aula 2 mru
Aula 2   mruAula 2   mru
Aula 2 mru
Montenegro Física
 
CINEMÁTICA
CINEMÁTICACINEMÁTICA
CINEMÁTICA
Ricardo Bonaldo
 
Velocidade média, instantânea e aceleração escalar
Velocidade média, instantânea e aceleração escalarVelocidade média, instantânea e aceleração escalar
Velocidade média, instantânea e aceleração escalar
Catarina Lopes
 
Cinemática (1º Ensino Médio)
Cinemática (1º Ensino Médio)Cinemática (1º Ensino Médio)
Cinemática (1º Ensino Médio)
Gabriel Lacerda
 
CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015
CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015
CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015
P Valter De Almeida Gomes
 
04 mru e mruv
04 mru e mruv04 mru e mruv
04 mru e mruv
resolvidos
 
08 movimento uniforme
08  movimento uniforme08  movimento uniforme
08 movimento uniforme
Bruno De Siqueira Costa
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
fisicaatual
 
MRU / MRUV - Slide de física.
MRU / MRUV - Slide de física.MRU / MRUV - Slide de física.
MRU / MRUV - Slide de física.
Adalgisa Barreto
 
Física apostila 1 (2)
Física   apostila 1 (2)Física   apostila 1 (2)
Física apostila 1 (2)
Gilberto Lopes Brito
 
MRU & MRUV
MRU & MRUVMRU & MRUV
MRU & MRUV
Andrea Barreto
 
Movimento Uniforme
Movimento UniformeMovimento Uniforme
Movimento Uniforme
Guilherme Machado
 
Rapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médiasRapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médias
Piedade Alves
 

Mais procurados (20)

Cinemática
CinemáticaCinemática
Cinemática
 
Mecânica 9° ano
Mecânica 9° anoMecânica 9° ano
Mecânica 9° ano
 
Cinematica
CinematicaCinematica
Cinematica
 
Movimento variado
Movimento variadoMovimento variado
Movimento variado
 
Introdução a mecânica
Introdução a mecânicaIntrodução a mecânica
Introdução a mecânica
 
Aula 3 mruv
Aula 3  mruvAula 3  mruv
Aula 3 mruv
 
07 velocidade média
07  velocidade média07  velocidade média
07 velocidade média
 
Aula 2 mru
Aula 2   mruAula 2   mru
Aula 2 mru
 
CINEMÁTICA
CINEMÁTICACINEMÁTICA
CINEMÁTICA
 
Velocidade média, instantânea e aceleração escalar
Velocidade média, instantânea e aceleração escalarVelocidade média, instantânea e aceleração escalar
Velocidade média, instantânea e aceleração escalar
 
Cinemática (1º Ensino Médio)
Cinemática (1º Ensino Médio)Cinemática (1º Ensino Médio)
Cinemática (1º Ensino Médio)
 
CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015
CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015
CINEMÁTICA CONCEITOS INICIAIS - AULA PARA 26-02-2015
 
04 mru e mruv
04 mru e mruv04 mru e mruv
04 mru e mruv
 
08 movimento uniforme
08  movimento uniforme08  movimento uniforme
08 movimento uniforme
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
 
MRU / MRUV - Slide de física.
MRU / MRUV - Slide de física.MRU / MRUV - Slide de física.
MRU / MRUV - Slide de física.
 
Física apostila 1 (2)
Física   apostila 1 (2)Física   apostila 1 (2)
Física apostila 1 (2)
 
MRU & MRUV
MRU & MRUVMRU & MRUV
MRU & MRUV
 
Movimento Uniforme
Movimento UniformeMovimento Uniforme
Movimento Uniforme
 
Rapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médiasRapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médias
 

Destaque

Cinemática Escalar
Cinemática EscalarCinemática Escalar
Cinemática Escalar
Marco Antonio Sanches
 
Lista 1 cinematica completa
Lista 1   cinematica completaLista 1   cinematica completa
Lista 1 cinematica completa
Flavio Albano
 
Física – velocidade média 01 – 2013
Física – velocidade média 01 – 2013Física – velocidade média 01 – 2013
Física – velocidade média 01 – 2013
Jakson_0311
 
Cinematica vetorial cópia
Cinematica vetorial   cópiaCinematica vetorial   cópia
Cinematica vetorial cópia
Janilson Cordeiro
 
Fisica exercicios resolvidos 003
Fisica exercicios resolvidos  003Fisica exercicios resolvidos  003
Fisica exercicios resolvidos 003
comentada
 
Fundamentos da cinematica escalar
Fundamentos da cinematica escalarFundamentos da cinematica escalar
Fundamentos da cinematica escalar
Catarina Lopes
 
Cinemática Vetorial
Cinemática VetorialCinemática Vetorial
Cinemática Vetorial
parreiraoliveira
 
Vetores
VetoresVetores
Vetores
Miky Mine
 
Translacao rotacao reflexao-2
Translacao rotacao reflexao-2Translacao rotacao reflexao-2
Translacao rotacao reflexao-2
Joel Cardoso
 
Simetrias: Axial e Rotacional
Simetrias: Axial e RotacionalSimetrias: Axial e Rotacional
Simetrias: Axial e Rotacional
Lisa Santos
 
Isometrias
IsometriasIsometrias
Isometrias
estudamatematica
 
Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...
Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...
Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...
Rodrigo Penna
 

Destaque (12)

Cinemática Escalar
Cinemática EscalarCinemática Escalar
Cinemática Escalar
 
Lista 1 cinematica completa
Lista 1   cinematica completaLista 1   cinematica completa
Lista 1 cinematica completa
 
Física – velocidade média 01 – 2013
Física – velocidade média 01 – 2013Física – velocidade média 01 – 2013
Física – velocidade média 01 – 2013
 
Cinematica vetorial cópia
Cinematica vetorial   cópiaCinematica vetorial   cópia
Cinematica vetorial cópia
 
Fisica exercicios resolvidos 003
Fisica exercicios resolvidos  003Fisica exercicios resolvidos  003
Fisica exercicios resolvidos 003
 
Fundamentos da cinematica escalar
Fundamentos da cinematica escalarFundamentos da cinematica escalar
Fundamentos da cinematica escalar
 
Cinemática Vetorial
Cinemática VetorialCinemática Vetorial
Cinemática Vetorial
 
Vetores
VetoresVetores
Vetores
 
Translacao rotacao reflexao-2
Translacao rotacao reflexao-2Translacao rotacao reflexao-2
Translacao rotacao reflexao-2
 
Simetrias: Axial e Rotacional
Simetrias: Axial e RotacionalSimetrias: Axial e Rotacional
Simetrias: Axial e Rotacional
 
Isometrias
IsometriasIsometrias
Isometrias
 
Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...
Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...
Questões Corrigidas, em Word: Cinemática Escalar - Conteúdo vinculado ao blog...
 

Semelhante a Movimento e velocidade

Foco aula 5
Foco aula 5Foco aula 5
Cinemática - Revisão 3ao Murialdo
Cinemática - Revisão 3ao MurialdoCinemática - Revisão 3ao Murialdo
Cinemática - Revisão 3ao Murialdo
feliprandi
 
2012espaço velocidade aceleração
2012espaço velocidade aceleração2012espaço velocidade aceleração
2012espaço velocidade aceleração
Péricles Penuel
 
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
Paulo Souto
 
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
Paulo Souto
 
Cinemática
CinemáticaCinemática
Cinemática
Jamilly Ribeiro
 
Fisica movimento uniforme resolvidos
Fisica movimento uniforme resolvidosFisica movimento uniforme resolvidos
Fisica movimento uniforme resolvidos
comentada
 
Apostila de física impacto (1)
Apostila de física   impacto (1)Apostila de física   impacto (1)
Apostila de física impacto (1)
Ernani Marco Rodrigues Dos Reis
 
Apostila fisica 1
Apostila fisica 1Apostila fisica 1
Apostila fisica 1
andrea lima
 
02 Mecânica - Movimentos
02 Mecânica - Movimentos02 Mecânica - Movimentos
02 Mecânica - Movimentos
Eletrons
 
Apostila eja fisica 1
Apostila eja fisica 1Apostila eja fisica 1
Apostila eja fisica 1
Leo Anjos
 
Aula 01 mecância - cinemática escalar
Aula 01   mecância - cinemática escalarAula 01   mecância - cinemática escalar
Aula 01 mecância - cinemática escalar
brunnosan
 
01 Mecânica Cinemática escalar
01 Mecânica Cinemática escalar01 Mecânica Cinemática escalar
01 Mecânica Cinemática escalar
Eletrons
 
Divisão Territorial da escala nacionalis
Divisão Territorial da escala nacionalisDivisão Territorial da escala nacionalis
Divisão Territorial da escala nacionalis
patriziasoaresramosp
 
Tarefa de Final de Curso - Cinemática
Tarefa de Final de Curso - CinemáticaTarefa de Final de Curso - Cinemática
Tarefa de Final de Curso - Cinemática
xtganderson
 
Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01
Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01
Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01
Pedro Mateus
 
Cap3 cinematica
Cap3 cinematicaCap3 cinematica
Cap3 cinematica
Gislan Rocha
 
Movimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variadoMovimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variado
sotonji
 
Enem módulo 01
Enem módulo 01Enem módulo 01
Enem módulo 01
Rildo Borges
 
Enem módulo 01
Enem módulo 01Enem módulo 01
Enem módulo 01
Rildo Borges
 

Semelhante a Movimento e velocidade (20)

Foco aula 5
Foco aula 5Foco aula 5
Foco aula 5
 
Cinemática - Revisão 3ao Murialdo
Cinemática - Revisão 3ao MurialdoCinemática - Revisão 3ao Murialdo
Cinemática - Revisão 3ao Murialdo
 
2012espaço velocidade aceleração
2012espaço velocidade aceleração2012espaço velocidade aceleração
2012espaço velocidade aceleração
 
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
 
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
M u-m-u-v-lanc-100723100017-phpapp02
 
Cinemática
CinemáticaCinemática
Cinemática
 
Fisica movimento uniforme resolvidos
Fisica movimento uniforme resolvidosFisica movimento uniforme resolvidos
Fisica movimento uniforme resolvidos
 
Apostila de física impacto (1)
Apostila de física   impacto (1)Apostila de física   impacto (1)
Apostila de física impacto (1)
 
Apostila fisica 1
Apostila fisica 1Apostila fisica 1
Apostila fisica 1
 
02 Mecânica - Movimentos
02 Mecânica - Movimentos02 Mecânica - Movimentos
02 Mecânica - Movimentos
 
Apostila eja fisica 1
Apostila eja fisica 1Apostila eja fisica 1
Apostila eja fisica 1
 
Aula 01 mecância - cinemática escalar
Aula 01   mecância - cinemática escalarAula 01   mecância - cinemática escalar
Aula 01 mecância - cinemática escalar
 
01 Mecânica Cinemática escalar
01 Mecânica Cinemática escalar01 Mecânica Cinemática escalar
01 Mecânica Cinemática escalar
 
Divisão Territorial da escala nacionalis
Divisão Territorial da escala nacionalisDivisão Territorial da escala nacionalis
Divisão Territorial da escala nacionalis
 
Tarefa de Final de Curso - Cinemática
Tarefa de Final de Curso - CinemáticaTarefa de Final de Curso - Cinemática
Tarefa de Final de Curso - Cinemática
 
Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01
Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01
Cinemticaterceiros murialdo-120307185946-phpapp01
 
Cap3 cinematica
Cap3 cinematicaCap3 cinematica
Cap3 cinematica
 
Movimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variadoMovimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variado
 
Enem módulo 01
Enem módulo 01Enem módulo 01
Enem módulo 01
 
Enem módulo 01
Enem módulo 01Enem módulo 01
Enem módulo 01
 

Último

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Movimento e velocidade

  • 1. Esta é uma parte da física clássica, onde caracterizamos e classificamos um possível estado de movimento ou repouso de um objeto observado, mas sem se preocupar com o(s) porquê(s) de este objeto, se encontrar nesta atual condição.
  • 2. Para dizermos que um corpo está em repouso, ou movimento é necessário a ajuda de um referencial inercial, que pode ser um ponto espacial, ou outro objeto qualquer nas proximidades do evento físico. É importante ressaltar, que se há movimento, este deve ser bem menor que a velocidade da luz, senão a relatividade é moderna.
  • 3. Extensão relativa de um corpo: Você é grande ou pequeno, gordo ou magro? E o seu pai? - Este tipo de questionamento é comum quando estamos nos conhecendo, e relacionando as extensões de tudo que conhecemos. Mas isto é feito durante muitos anos por nos, usando a si próprio para relacionar as extensões, e a física exige que você comece a utilizar outros referenciais que não seja você mesmo, classificando o objeto observado por corpo pontual (partícula) ou extenso. A Terra é um corpo partícula em relação ao Sol. As xícaras são corpos extensos em relação ao bule.
  • 4. Movimento e repouso relativos: -Para se dizer se um corpo se move ou está em repouso, escolha um referencial, observando se ao passar do tempo a distância entre o objeto observado e o ponto referencial variou ou se manteve constante. A casa esta em repouso em relação ao homem, mas o carro esta por outro lado em movimento.
  • 5. Definindo: 1- Referencial inercial: Ponto espacial adotado que pode ser considerado em repouso ou movimento retilíneo uniforme. 2- Corpo pontual:Objeto cujas medidas das proporções é irrelevante . 3- Corpo extenso:Objeto cuja medidas das produções são relevantes no raciocínio e calculo físico. 4- Movimento: A distância entre o ponto referencial e o objeto varia de valor. 5-Repouso: a distância entre o ponto referencial e o objeto permanece constante ao passar do tempo.
  • 6. Espaço e Trajetória S So -Espaço é um ponto cartesiano (x,y,z),que indica a posição atual, usamos como símbolo o S de space. “So” para espaço inicial e “S” para espaço final. Determina-se como trajetória, o percurso real , veja:
  • 7. Quando ocorre uma variação nas posições ou espaços (DS = deslocamento), devemos primeiramente verificar o sistema métrico que esta sendo utilizado e em segundo lugar o seu modulo, efetuando o seguinte procedimento matemático. DS = S - ExemploS: o -2m 0 2m 4m 8m (m) Entenda a figura, como um objeto que se move, de acordo com o sentido indicado do trajeto. a) Quanto deslocou ao total, de acordo com a figura, a pequena bolinha? DS= S-So = 8 – (-2) = 10m b) Qual foi o deslocamento efetuado da posição –2m até 4m? DS= S-So = 4 – (-2) = 6m Obs:É comum chamar a posição zero de origem dos espaços.
  • 8. - Grandeza física mista, que mede a rapidez que se efetua um deslocamento, por unidade de tempo. Quando a velocidade é medida através de um velocímetro, dizemos que ela é instantânea. .0(s) Quando existe um movimento qualquer, e ponderamos seu deslocamento (DS) por intervalo de tempo que ocorreu (Dt). .....20m..2(s) ........60m.........6(s) Estamos determinando uma velocidade média para este movimento. Vm = DS Dt Exemplo: Vm = DS = 60 = 10(m/s) Dt 6
  • 9.  Quando um móvel variou sua velocidade (DV) por um intervalo de tempo (Dt), dizemos que este sofreu uma: A aceleração também é uma grandeza física mista, podendo ser instantânea (a) ou média (Am)(feita por média ponderada). -Por motivos da atual grade curricular do novo ensino médio, apenas trabalhamos com movimentos uniformes variados, logo o modulo da aceleração instantânea e média, são “sempre” idênticos. a = Am = DV Dt Para uma mesma desaceleração, um veiculo leva espaços maiores para parar quando a velocidade é maior.
  • 10. Exemplo:Qual a aceleração média de um movimento uniforme variado, de acordo com a tabela de valores abaixo: m/s 24 20 16 12 s 0 2 4 6 Am = DV : Dt = (12 – 24):( 6 – 0)= -12 : 6= -2(m/s 2) Obs: Para normas internacionais de sistemas métricos, exige-se o uso de m/s para velocidade e m/s2 para aceleração
  • 11. 1. U. Católica-DF Para buscar um vestido, Linda tem que percorrer uma distância total de 10 km, assim distribuída: nos 2 km iniciais, devido aos sinaleiros e quebra-molas, determinou que poderia gastar 3 minutos. Nos próximos 5 km, supondo pista livre, gastará 3 minutos. No percurso restante mais 6 minutos, já que se trata de um caminho com ruas muito estreitas. Se os tempos previstos por Linda forem rigorosamente cumpridos, qual será sua velocidade média ao longo de todo o percurso? a) 50 km/h d) 11 m/s b) 1,2 km/h e) 60 km/h c) 20 m/s Vm = DS = 2+5+3(Km) Dt 3+3+6(min) = 10(km) 0,2(h) = 50 Km/h Obs: 12(min)..... :60...= 0,2(h) Letra a Obs: Temos um movimento uniforme progressivo, porque V>0.
  • 12. 2-U.E. Londrina-PR Um pequeno animal desloca-se com velocidade média igual a 0,5 m/s. A velocidade desse animal em km/dia é: a) 13,8 b) 48,3 c) 43,2 d) 1,80 e) 4,30 Primeiro faça isto; m ...... :1000..... = 1/1000Km S ..... :3600.. = 1/3600 h .... : 24... = 1/86400 dias Substituindo: 0,5m = s 1(km) 0,5 x1000 = 0,5x 86400 = 43,2 (km/dia) 1(dias) 1000 86400
  • 13. Movimentos Uniformes - São movimentos sobre velocidade escalar constante, efetuando deslocamentos iguais para intervalos de tempos iguais. Podemos dividir estes movimentos em: a) Movimentos retilíneos uniformes (M.R.U) Movimento inercial livre da ação de uma força resultante externa. Não tem     aceleração m 0s 3s 6s 9s b) Movimentos circulares uniformes (M.C.U): Movimento não inercial caracterizado pela presença de uma força resultante centrípeta (Fc) , responsável pela curva se efetuar. Fc 2m/s 2m/s 2m/s 2m/s Apesar do modulo constante, o vetor velocidade varia, veja a figura:
  • 14. De forma bem geral, devido a velocidade escalar constante, Galileu observou e constatou que todos movimentos uniformes podem ser descritos suas posições em função do tempo, por uma função do 1° grau. S = So + V.T Caso a velocidade escalar sofra mudança em seu modulo, devemos mudar a classificação do movimento para variado pois esta embutido nesta mudança do fenômeno dinâmico uma aceleração tangencial que pode ser constante, como veremos já na próxima pagina.
  • 15. Função horária da velocidade: a = V – Vo DT V – Vo = a .DT V = Vo + a .DT Uma função do 1° grau como f(x)= aX + b , onde Vo (velocidade inicial) é o coeficiente linear, lembra? Aquele numero onde o gráfico corta o eixo “Y” , e a aceleração como coeficiente angular. Vejamos: V t V1 VoT1 T2 V2 q Tg q = DV = a DT
  • 16. Exemplo: De acordo com o diagrama abaixo, caracterise os tipos de movimentos uniformes variados presentes. V t to t1 t2 t3 t4 Vamos analisar: Sintetizando: De to à t1, temos v>0 e a>0 , logo um movimento uniforme progressivo aDceel et1ra àd ot2. , temos V>0 e a<0, logo um movimento uniforme progressivo retardado. Quando V>0 , o movimento é progressivo , e quando V<0 , o movimento é retrogrado. Analisando a velocidade juntamente com a aceleração, se ambos tiverem o mesmo sinal , trata-se de uma aceleração, caso contrario dizemos que houve um retardamento(desaceleração). De t2 à t3, temos V<0 e a<0, logo um movimento uniforme retrogrado acelerado. De t3 à t4, temos V<0 e a>0, logo um movimento uniforme retrogrado retardado.
  • 17. Exercício 03: Um objeto qualquer é deixado cair do vigésimo andar sobre ação unida da aceleração da gravidade (g=10m/s2 ) , levando 0,3min para chegar ao chão. Podemos dizer que a velocidade ao chegar ao solo será de: x a)3m/s b) –3m/s c) 180m/s d) –180m/s e) n.d.a Resolução: V = Vo + a . t V= 0 + 10.18 Vo=0, porque é deixado cair e 0,3min x60= 18s V= 180m/s
  • 18. Função horária da posição para o M.U.V V T - Quando calculamos a área de um polígono, de certa forma acabamos sempre multiplicando a base da figura pela altura. Fazendo assim uma analogia com a figura formada no diagrama VxT o produto da velocidade por intervalo de tempo, de forma integral , corresponde ao deslocamento, logo ao modulo da área da figura. to V t V.dt = |área| = deslocamento (DS) |área de um trapézio|= DS S – So = (V – Vo).t 2 t Vo (B+b).h = área de um trapézio 2 V- Vo = a .t S = So + Vo.t + a . T 2 2
  • 19. Exemplo: Um móvel percorre um trajeto de acordo com a função S= 8t + 2t 2 em S.I. a) Qual a posição inicial, velocidade inicial e aceleração de acordo com a função: R: Comparando com S = So + Vo.t + a/2 . T 2 So=0; V0=8m/s; a/2= 2, logo a=4m/s 2. b) Classifique o movimento quanto a velocidade e aceleração: R: Movimento uniforme progressivo acelerado c) Monte a função horária da velocidade para este movimento: R: V = Vo + a .t V = 8 + 4.t d) Monte um diagrama SxT para a função: S t 0 0 S = 8.0+ 2.02 S =0 10 1 8.1 + 2. 12 S = 10m 24 2 S = 8.2 + 2.22 S = 24m S t 1 2 22 10
  • 20. Equação de Torricelli: Evangelista Torricelli, aluno de Galileu, montou através das funções de seu mestre uma equação baseada em um movimento uniforme variado, sem haver dependência temporal. Substituindo V = Vo + at em S=So + Vo.t +a/2.t2 V2 = Vo2 + 2.a. DS Exemplo: Partindo do repouso, um veiculo com aceleração constante de 1m/s2 chega ao final de uma ponte com 20m/s de velocidade.Qual deverá ser a extensão da ponte para que isto ocorra? V2 = Vo2 + 2.a. DS 202 = 0 + 2. 1. DS DS = 400 : 2 = 200m Achou:
  • 21. Exercício: 04. (Mackenzie)Do alto de um edifício, lança-se horizontalmente uma pequena esfera de chumbo com velocidade de 8m/s. Essa esfera toca o solo horizontal a uma distância de 24m da base do prédio, em relação à vertical que passa pelo ponto de lançamento. Desprezando a resistência do ar, a altura desse prédio é: (Adote g = 10m/s2) a) 45m b) 40m c) 35m d) 30m e) 20m R: As equações da ordenada (y) e da abscissa (x) da esfera são: y = 5t2 e x = 8t Quando a esfera atinge o solo, temos: 24 = 8t t = 3s. Portanto, a altura (h) do prédio é: h = 5 . 32 h = 45m X
  • 22. -Em uma prova de 100 m rasos, o desempenho típico de um corredor padrão é representado pelo gráfico a seguir: 12 10 8 6 4 2 0 0 2 4 6 8 10 12 14 16 Tempo (s) Velocidade (m/s) Exercício:05.(Enem1998) Baseado no gráfico, em que intervalo de tempo a velocidade do corredor é aproximadamente constante? (A) Entre 0 e 1 segundo. R: Quando o gráfico for praticamente uma reta (B) Entre 1 e 5 segundos. horizontal. (C) Entre 5 e 8 segundos. (D) Entre 8 e 11 segundos. (E) Entre 12 e 15 segundos. X