SlideShare uma empresa Scribd logo
“Deveis considerar-vos felizes por sofrer, porque
as vossas dores neste mundo são as dívidas de
vossas faltas passadas, e essas dores, suportadas
pacientemente na Terra, vos poupam séculos de
sofrimento na vida futura.”
(Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 5, Item 12)
Virtude esquecida e pouco trabalhada, a resignação é a
base para nossa paz com Deus.
“a obediência é o consentimento da razão; a resignação
é o consentimento do coração”
(O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. IX, item 8)
“a rocha garante a vida no vale por resignar-se à solidão”
“a resignação tem o poder de amenizar o impacto
causado pelo sofrimento”
(André Luiz - Agenda cristã)
 Resignação:
 Submissão aliada à constância e paciência
em face dos infortúnios, coragem para
suportar os rigores dos infortúnios,
constância numa situação sem que se reaja
contra ela, ou sem que se lamente dela.
 Disposição para obedecer, para
aceitar uma situação de subordinação.
 A resignação implícita nas Bem-
Aventuranças de Jesus e mais esclarecidas
pelo espiritismo não está em desacordo com
as definições acima.
 Resignar-se é submeter-se, voluntariamente,
às leis de Deus, por reconhecer que sendo
Ele o absoluto na perfeição, causa de tudo
que existe; não comete erros ou enganos e
Suas leis sábias e amorosas são as que nos
levam à felicidade.
 Aceitação passiva ou submissão racional,
lógica e ativa de quem se sente seguro e
confiante no Pai e Criador?
RESIGNAÇÃO ≠ CONFORMISMO
se acomoda às circunstâncias, seja
por preguiça, indolência, orgulho
ou, até mesmo, por ignorância
procura se adequar sempre aos desígnios
divinos e às lições de Jesus, sem deixar de
se melhorar, melhorando a vida em torno
de si e daqueles com quem vive
 Mas a resignação não é possível sem uma
fé sólida e esclarecida. Quanto mais
robusta a fé, maior o sentimento da
resignação.
 Essa é uma das muitas contribuições da
Doutrina Espírita. Além de esclarecer
consolando e consolar esclarecendo, ela
nos ensina a voltar os olhos para o futuro,
acalentando-nos com as bençãos da
esperança na vida futura – a vida
espiritual – nossa herança divina.
 Embora possamos sentir dor e não sofrer, os
termos são, na maioria das vezes, interpretados
como sinónimos.
 Mas, quais são os tipos
de dor que, de acordo
com a Doutrina Espírita,
o ser humano está sujeito?
1. Dor-Expiação
2. Dor-Auxílio
3. Dor-Evolução
 DOR-EXPIAÇÃO
 Os erros humanos decorrentes da cólera incontrolável,
do egoísmo obsessivo, das viciações inconsequentes,
da sexualidade irresponsável, da maldade
premeditada, são os vetores responsáveis pelos
débitos morais que se acumulam nos bancos
imperecíveis da nossa memória espiritual.
 Tal condição anómala é a responsável pelo
desencadeamento, na criatura encarnada, de
manifestações degenerativas do organismo físico (mal-
formações congénitas, cancros, etc.) tanto quanto de
perturbações mentais, ao mesclar crises de intenso
remorso com depressões profundas e manifestações
esquizofrénicas de difícil solução.
 André Luís: "analisamos a dor-expiação que
vem de dentro para fora, marcando a
criatura no caminho dos séculos, detendo-a
em complicados labirintos de aflição, para
regenerá-la, perante a Justiça... “
 Infelizmente a dor-expiação constitui-se
contingência assídua em nossa
programação encarnatória, porquanto nos
revelamos carentes de maiores aquisições
evangélicas, exceção feita àqueles que já
superaram as más tendências e se mostram
familiarizados com as práticas da justiça, do
amor e da caridade.
 DOR-AUXÍLIO
 A reencarnação é um desafio expressivo
enfrentado com certa preocupação pelos
espíritos medianamente evoluídos.
 No que pese às boas intenções, às vezes, tais
espíritos, quando encarnados, se deixam
empolgar pelos atrativos mundanos e,
invigilantemente, sofrem desvios dos
planos previamente traçados no Mundo
Maior, não suportando as provações
retificadoras ou assumindo atitudes
infelizes passíveis de precipitarem o
fracasso da experiência terrena.
 Todavia, deixamos do outro lado da vida,
aqueles espíritos bondosos que nos são
caros e interessados em nossa proteção.
Por isso, diante da ameaça de tropeços
lamentáveis, em certas ocasiões, somos
beneficiados pelo amparo de exceção, ou
seja, providências aparentemente drásticas,
mas cabíveis nos esquemas traçados pelos
benfeitores desencarnados em nosso
próprio benefício.
 O enfarte, a trombose, o cancro
penosamente suportado, a senilidade
prematura e outras calamidades da vida
orgânica constituem, por vezes, dores-
auxílio, para que a alma se recupere de
certos enganos em que haja incorrido na
existência do corpo denso, habilitando-se
através de longas reflexões e benéficas
disciplinas, para o ingresso respeitável na
Vida Espiritual.
 DOR-EVOLUÇÃO
 O que caracteriza a dor-evolução é o confronto
com os vetores desarmonizantes que nos
atingem de fora para dentro, mas que servem
para estimular a paciência, a resignação, a fé, o
perdão e a capacidade de luta.
 é o convívio com o parente difícil; a paciência a
ser requisitada diante do cônjuge
incompreensivo; a dificuldade em educar e
encaminhar para o bem o filho rebelde; as
pressões exercidas pela chefia no trabalho
profissional; a ameaça de perda do emprego
honesto que nos sustenta; a traição de alguém
muito amado em quem depositávamos irrestrita
confiança; a perda precoce de um ente querido e
assim por diante.
 São problemas comuns à maioria das pessoas,
mas que nos deixam marcados pela dor
dilacerante e pelas lágrimas sentidas.
AS TRÊS DORES
Dor Expiação >>> PASSADO
Dor Auxílio >>> PRESENTE
Dor Evolução >>> FUTURO
As provações, quando enfrentadas com a
devida resignação e confiança no auxílio do
Pai Maior, não passam de convites da própria
vida ofertados em prol do nosso
aprimoramento íntimo.
A resignação tem o poder de anular o
impacto do sofrimento. (André Luiz)
 “O Evangelho segundo o Espiritismo”, em
suas considerações sobre os motivos para a
resignação, afirma:
“O resultado da maneira espiritual de encarar a
vida é a diminuição de importância das coisas
mundanas, a moderação dos desejos humanos,
fazendo o homem contentar-se com a sua posição,
sem invejar a dos outros, e sentir menos os seus
revezes e decepções. Ele adquire, assim, uma calma
e uma resignação tão úteis à saúde do corpo como
à da alma.”
 DEVEMOS 100, PAGAMOS APENAS 1
 Os Espíritos nos orientam que a
resignação ao sofrimento equivale
ao seguinte raciocínio:
>> suponha que tenhamos uma dívida de
€100,00, que deve ser quitada num prazo X.
Na contabilidade divina surge a seguinte operação: se
me pagares apenas €1,00, eu quitarei a dívida toda.
Quem, que se julga honesto e responsável, não se
apressaria em desembolsar €1,00 e ficar livre de toda a
dívida?
Assim é que procede a divindade para cada um de
nós. O nosso pagamento é sempre inferior àquilo que
deveríamos realmente pagar.
 VONTADE DE DEUS EM PRIMEIRO LUGAR
 Nas grandes crises pelas quais passamos,
quando colocamos a vontade de Deus acima da
nossa, o sofrimento torna-se mais leve, mais
suave, enaltecendo os ensinamentos de Jesus
que diz que o seu jugo é suave e o seu fardo
leve.
 Ele, o nosso irmão maior, nos dá força para
continuarmos no caminho da fé, apesar das
asperezas do caminho.
 É por isso que os Espíritos superiores sempre
nos alertam: "Em tudo o que fizer, pensa em
Deus primeiro".
 VISÃO ESPIRITUAL DO PROBLEMA
 Quando olhamos os nossos problemas terrenos de
um ponto de vista espiritual, eles começam a perder
a sua intensidade, o seu valor relativo. Esta
observação equivale a subirmos a uma montanha e
de lá olharmos para baixo: tudo parece em tamanho
diminuto.
 Assim podemos passar por todos o tipos de
dificuldade, e continuaremos
calmos, pacientes, inclusive,
gratos a Deus pelo sofrimento.
 São, pois vários os motivos que podem levar o
homem à resignação nos sofrimentos e
dificuldades da vida. Resumindo-os:
 Confiança em Deus e na Sua sabedoria e amor
 Compreender e aceitar a imortalidade do
Espírito
 Aceitar e compreender a lei das vidas
sucessivas – necessidade dificuldades da vida
material para que essa evolução intelectual e
moral se processe.
 Aceitar e compreender a lei de ação e reação,
através da qual vamos corrigindo nossos
equívocos e omissões, conhecendo as causas dos
nossos sofrimentos pelos efeitos que sentimos e
recebemos, no uso da nossa inteligência e
raciocínios, aprendendo assim a evitar as causas
que os provocam.
 Compreender e aceitar que o homem é um ser
em trânsito na Terra, onde faz sua evolução, e
que depende de cada um sofrer mais ou menos,
de acordo com o respectivo entendimento
acerca das leis divinas e da sua aplicação no seu
sentir, pensar e agir.

 Com a revolta diante das aflições da vida,
não alcançaremos a vitória espiritual
sobre nós mesmos, correndo o risco de
termos que repetir essas experiências,
talvez em condições mais difíceis, em
futuras existências. Porém, com a
resignação, nossas dores serão como os
primeiros avisos de que nossa alegria
espiritual está a caminho.
 Considerando que tudo se resume numa
única palavra – aceitação – Emmanuel
conclui que devemos:
“confiar em Deus nos dias de céu azul, mas
igualmente confiar em Sua Divina Providência
nas horas da tempestade. Acolher a dor como
sendo a preparação da alegria. Atravessar a
provação, entesourando experiência. Observar
as leis da vida e acatá-las, compreendendo que a
dificuldade é instrução imprescindível”
“Oração da Serenidade”
 serenidade para aceitarmos as coisas
que não podemos modificar;
 coragem para modificarmos aquelas
que podemos;
 e sabedoria para distinguir uma da
outra.
Motivos de Resignação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ingratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestadosIngratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestados
Graça Maciel
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
Grupo Espírita Cristão
 
Palestra beneficência
Palestra beneficênciaPalestra beneficência
Palestra beneficência
Denise Tamaê
 
Orgulho e humildade
Orgulho e humildadeOrgulho e humildade
Orgulho e humildade
Fatoze
 
Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)
Marcos Antônio Alves
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Grupo Espírita Cristão
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
gmo1973
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 
Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATALVISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
Jorge Luiz dos Santos
 
Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21
Leonardo Pereira
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
Izabel Cristina Fonseca
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
Jorge Luiz dos Santos
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
Jorge Luiz dos Santos
 

Mais procurados (20)

Ingratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestadosIngratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestados
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
 
Palestra beneficência
Palestra beneficênciaPalestra beneficência
Palestra beneficência
 
Orgulho e humildade
Orgulho e humildadeOrgulho e humildade
Orgulho e humildade
 
Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
 
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATALVISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
 
Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 

Semelhante a Motivos de Resignação

Motivos de resignação
Motivos de resignaçãoMotivos de resignação
Motivos de resignação
Ponte de Luz ASEC
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
M.R.L
 
Boletim o pae dezembro 2019
Boletim o pae   dezembro 2019 Boletim o pae   dezembro 2019
Boletim o pae dezembro 2019
O PAE PAE
 
Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)
Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)
Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)
Éder Tomé
 
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leveDiante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DORAUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Aulas da vida (psicografia chico xavier espiritos diversos)
Aulas da vida (psicografia chico xavier   espiritos diversos)Aulas da vida (psicografia chico xavier   espiritos diversos)
Aulas da vida (psicografia chico xavier espiritos diversos)
Fernando Moraes
 
A IMPORTANCIA DA DOR
A  IMPORTANCIA DA DORA  IMPORTANCIA DA DOR
A IMPORTANCIA DA DOR
Fatima Carvalho
 
Mens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sanoMens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sano
Dr. Walter Cury
 
Autopunição e Autoperdão
Autopunição e AutoperdãoAutopunição e Autoperdão
Autopunição e Autoperdão
Claudio Duarte Sá
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Fabrique pérolas você também
Fabrique pérolas você tambémFabrique pérolas você também
Fabrique pérolas você também
Helio Cruz
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
VisualBee.com
 
Como encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimentoComo encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimento
Jorge Queiroz
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
Marcos Antônio Alves
 
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e ProgressoO Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
Ceile Bernardo
 
Spinoza
Spinoza Spinoza
Spinoza
grupodepais
 
ACEITAÇÃO
ACEITAÇÃOACEITAÇÃO
ACEITAÇÃO
Andre Semensato
 
Objetivo da vida
Objetivo da vidaObjetivo da vida
Objetivo da vida
Dr. Walter Cury
 

Semelhante a Motivos de Resignação (20)

Motivos de resignação
Motivos de resignaçãoMotivos de resignação
Motivos de resignação
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
 
Boletim o pae dezembro 2019
Boletim o pae   dezembro 2019 Boletim o pae   dezembro 2019
Boletim o pae dezembro 2019
 
Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)
Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)
Lição 11 - Alcançando a cura dos Ressentimentos (Windscreen)
 
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leveDiante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
 
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DORAUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
 
Aulas da vida (psicografia chico xavier espiritos diversos)
Aulas da vida (psicografia chico xavier   espiritos diversos)Aulas da vida (psicografia chico xavier   espiritos diversos)
Aulas da vida (psicografia chico xavier espiritos diversos)
 
A IMPORTANCIA DA DOR
A  IMPORTANCIA DA DORA  IMPORTANCIA DA DOR
A IMPORTANCIA DA DOR
 
Mens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sanoMens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sano
 
Autopunição e Autoperdão
Autopunição e AutoperdãoAutopunição e Autoperdão
Autopunição e Autoperdão
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao( Espiritismo)   # - amag ramgis - resignacao
( Espiritismo) # - amag ramgis - resignacao
 
Fabrique pérolas você também
Fabrique pérolas você tambémFabrique pérolas você também
Fabrique pérolas você também
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
Como encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimentoComo encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimento
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e ProgressoO Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
 
Spinoza
Spinoza Spinoza
Spinoza
 
ACEITAÇÃO
ACEITAÇÃOACEITAÇÃO
ACEITAÇÃO
 
Objetivo da vida
Objetivo da vidaObjetivo da vida
Objetivo da vida
 

Mais de Ponte de Luz ASEC

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
Ponte de Luz ASEC
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
Ponte de Luz ASEC
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
Ponte de Luz ASEC
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
Ponte de Luz ASEC
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Ponte de Luz ASEC
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Ponte de Luz ASEC
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
Ponte de Luz ASEC
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Ponte de Luz ASEC
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
Ponte de Luz ASEC
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Ponte de Luz ASEC
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
Ponte de Luz ASEC
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Ponte de Luz ASEC
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
Ponte de Luz ASEC
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
Ponte de Luz ASEC
 
O estado de coma
O estado de comaO estado de coma
O estado de coma
Ponte de Luz ASEC
 

Mais de Ponte de Luz ASEC (20)

Vencendo os vícios
Vencendo os víciosVencendo os vícios
Vencendo os vícios
 
Transcomunicação instrumental
Transcomunicação instrumentalTranscomunicação instrumental
Transcomunicação instrumental
 
As experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de ScoleAs experiências do Grupo de Scole
As experiências do Grupo de Scole
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
 
Períspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funçõesPeríspirito - Diferentes corpos e funções
Períspirito - Diferentes corpos e funções
 
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por JesusPai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
Pai Nosso e outras orações deixadas por Jesus
 
A oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das OliveirasA oração no jardim das Oliveiras
A oração no jardim das Oliveiras
 
O milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismoO milagre do sol e o espiritismo
O milagre do sol e o espiritismo
 
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo NascimentoJesus e Nicodemos - o novo Nascimento
Jesus e Nicodemos - o novo Nascimento
 
O nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questõesO nascimento de Cristo - desvendando questões
O nascimento de Cristo - desvendando questões
 
Mediunidade e Justiça
Mediunidade e JustiçaMediunidade e Justiça
Mediunidade e Justiça
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
 
Conversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - TolerânciaConversas com Jesus - Tolerância
Conversas com Jesus - Tolerância
 
Jesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontroJesus e Simão - o primeiro encontro
Jesus e Simão - o primeiro encontro
 
Conversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - JustiçaConversas com Jesus - Justiça
Conversas com Jesus - Justiça
 
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no LarJesus e o primeiro Evangelho no Lar
Jesus e o primeiro Evangelho no Lar
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Engenharia Genética
Engenharia GenéticaEngenharia Genética
Engenharia Genética
 
Experiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo FísicoExperiências Fora do Corpo Físico
Experiências Fora do Corpo Físico
 
O estado de coma
O estado de comaO estado de coma
O estado de coma
 

Último

PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 

Último (18)

PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 

Motivos de Resignação

  • 1.
  • 2. “Deveis considerar-vos felizes por sofrer, porque as vossas dores neste mundo são as dívidas de vossas faltas passadas, e essas dores, suportadas pacientemente na Terra, vos poupam séculos de sofrimento na vida futura.” (Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. 5, Item 12)
  • 3. Virtude esquecida e pouco trabalhada, a resignação é a base para nossa paz com Deus. “a obediência é o consentimento da razão; a resignação é o consentimento do coração” (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. IX, item 8) “a rocha garante a vida no vale por resignar-se à solidão” “a resignação tem o poder de amenizar o impacto causado pelo sofrimento” (André Luiz - Agenda cristã)
  • 4.  Resignação:  Submissão aliada à constância e paciência em face dos infortúnios, coragem para suportar os rigores dos infortúnios, constância numa situação sem que se reaja contra ela, ou sem que se lamente dela.  Disposição para obedecer, para aceitar uma situação de subordinação.
  • 5.  A resignação implícita nas Bem- Aventuranças de Jesus e mais esclarecidas pelo espiritismo não está em desacordo com as definições acima.  Resignar-se é submeter-se, voluntariamente, às leis de Deus, por reconhecer que sendo Ele o absoluto na perfeição, causa de tudo que existe; não comete erros ou enganos e Suas leis sábias e amorosas são as que nos levam à felicidade.
  • 6.  Aceitação passiva ou submissão racional, lógica e ativa de quem se sente seguro e confiante no Pai e Criador? RESIGNAÇÃO ≠ CONFORMISMO se acomoda às circunstâncias, seja por preguiça, indolência, orgulho ou, até mesmo, por ignorância procura se adequar sempre aos desígnios divinos e às lições de Jesus, sem deixar de se melhorar, melhorando a vida em torno de si e daqueles com quem vive
  • 7.  Mas a resignação não é possível sem uma fé sólida e esclarecida. Quanto mais robusta a fé, maior o sentimento da resignação.  Essa é uma das muitas contribuições da Doutrina Espírita. Além de esclarecer consolando e consolar esclarecendo, ela nos ensina a voltar os olhos para o futuro, acalentando-nos com as bençãos da esperança na vida futura – a vida espiritual – nossa herança divina.
  • 8.  Embora possamos sentir dor e não sofrer, os termos são, na maioria das vezes, interpretados como sinónimos.  Mas, quais são os tipos de dor que, de acordo com a Doutrina Espírita, o ser humano está sujeito? 1. Dor-Expiação 2. Dor-Auxílio 3. Dor-Evolução
  • 9.  DOR-EXPIAÇÃO  Os erros humanos decorrentes da cólera incontrolável, do egoísmo obsessivo, das viciações inconsequentes, da sexualidade irresponsável, da maldade premeditada, são os vetores responsáveis pelos débitos morais que se acumulam nos bancos imperecíveis da nossa memória espiritual.  Tal condição anómala é a responsável pelo desencadeamento, na criatura encarnada, de manifestações degenerativas do organismo físico (mal- formações congénitas, cancros, etc.) tanto quanto de perturbações mentais, ao mesclar crises de intenso remorso com depressões profundas e manifestações esquizofrénicas de difícil solução.
  • 10.  André Luís: "analisamos a dor-expiação que vem de dentro para fora, marcando a criatura no caminho dos séculos, detendo-a em complicados labirintos de aflição, para regenerá-la, perante a Justiça... “  Infelizmente a dor-expiação constitui-se contingência assídua em nossa programação encarnatória, porquanto nos revelamos carentes de maiores aquisições evangélicas, exceção feita àqueles que já superaram as más tendências e se mostram familiarizados com as práticas da justiça, do amor e da caridade.
  • 11.  DOR-AUXÍLIO  A reencarnação é um desafio expressivo enfrentado com certa preocupação pelos espíritos medianamente evoluídos.  No que pese às boas intenções, às vezes, tais espíritos, quando encarnados, se deixam empolgar pelos atrativos mundanos e, invigilantemente, sofrem desvios dos planos previamente traçados no Mundo Maior, não suportando as provações retificadoras ou assumindo atitudes infelizes passíveis de precipitarem o fracasso da experiência terrena.
  • 12.  Todavia, deixamos do outro lado da vida, aqueles espíritos bondosos que nos são caros e interessados em nossa proteção. Por isso, diante da ameaça de tropeços lamentáveis, em certas ocasiões, somos beneficiados pelo amparo de exceção, ou seja, providências aparentemente drásticas, mas cabíveis nos esquemas traçados pelos benfeitores desencarnados em nosso próprio benefício.
  • 13.  O enfarte, a trombose, o cancro penosamente suportado, a senilidade prematura e outras calamidades da vida orgânica constituem, por vezes, dores- auxílio, para que a alma se recupere de certos enganos em que haja incorrido na existência do corpo denso, habilitando-se através de longas reflexões e benéficas disciplinas, para o ingresso respeitável na Vida Espiritual.
  • 14.  DOR-EVOLUÇÃO  O que caracteriza a dor-evolução é o confronto com os vetores desarmonizantes que nos atingem de fora para dentro, mas que servem para estimular a paciência, a resignação, a fé, o perdão e a capacidade de luta.
  • 15.  é o convívio com o parente difícil; a paciência a ser requisitada diante do cônjuge incompreensivo; a dificuldade em educar e encaminhar para o bem o filho rebelde; as pressões exercidas pela chefia no trabalho profissional; a ameaça de perda do emprego honesto que nos sustenta; a traição de alguém muito amado em quem depositávamos irrestrita confiança; a perda precoce de um ente querido e assim por diante.  São problemas comuns à maioria das pessoas, mas que nos deixam marcados pela dor dilacerante e pelas lágrimas sentidas.
  • 16. AS TRÊS DORES Dor Expiação >>> PASSADO Dor Auxílio >>> PRESENTE Dor Evolução >>> FUTURO
  • 17. As provações, quando enfrentadas com a devida resignação e confiança no auxílio do Pai Maior, não passam de convites da própria vida ofertados em prol do nosso aprimoramento íntimo. A resignação tem o poder de anular o impacto do sofrimento. (André Luiz)
  • 18.  “O Evangelho segundo o Espiritismo”, em suas considerações sobre os motivos para a resignação, afirma: “O resultado da maneira espiritual de encarar a vida é a diminuição de importância das coisas mundanas, a moderação dos desejos humanos, fazendo o homem contentar-se com a sua posição, sem invejar a dos outros, e sentir menos os seus revezes e decepções. Ele adquire, assim, uma calma e uma resignação tão úteis à saúde do corpo como à da alma.”
  • 19.  DEVEMOS 100, PAGAMOS APENAS 1  Os Espíritos nos orientam que a resignação ao sofrimento equivale ao seguinte raciocínio: >> suponha que tenhamos uma dívida de €100,00, que deve ser quitada num prazo X. Na contabilidade divina surge a seguinte operação: se me pagares apenas €1,00, eu quitarei a dívida toda. Quem, que se julga honesto e responsável, não se apressaria em desembolsar €1,00 e ficar livre de toda a dívida? Assim é que procede a divindade para cada um de nós. O nosso pagamento é sempre inferior àquilo que deveríamos realmente pagar.
  • 20.  VONTADE DE DEUS EM PRIMEIRO LUGAR  Nas grandes crises pelas quais passamos, quando colocamos a vontade de Deus acima da nossa, o sofrimento torna-se mais leve, mais suave, enaltecendo os ensinamentos de Jesus que diz que o seu jugo é suave e o seu fardo leve.  Ele, o nosso irmão maior, nos dá força para continuarmos no caminho da fé, apesar das asperezas do caminho.  É por isso que os Espíritos superiores sempre nos alertam: "Em tudo o que fizer, pensa em Deus primeiro".
  • 21.  VISÃO ESPIRITUAL DO PROBLEMA  Quando olhamos os nossos problemas terrenos de um ponto de vista espiritual, eles começam a perder a sua intensidade, o seu valor relativo. Esta observação equivale a subirmos a uma montanha e de lá olharmos para baixo: tudo parece em tamanho diminuto.  Assim podemos passar por todos o tipos de dificuldade, e continuaremos calmos, pacientes, inclusive, gratos a Deus pelo sofrimento.
  • 22.  São, pois vários os motivos que podem levar o homem à resignação nos sofrimentos e dificuldades da vida. Resumindo-os:  Confiança em Deus e na Sua sabedoria e amor  Compreender e aceitar a imortalidade do Espírito  Aceitar e compreender a lei das vidas sucessivas – necessidade dificuldades da vida material para que essa evolução intelectual e moral se processe.
  • 23.  Aceitar e compreender a lei de ação e reação, através da qual vamos corrigindo nossos equívocos e omissões, conhecendo as causas dos nossos sofrimentos pelos efeitos que sentimos e recebemos, no uso da nossa inteligência e raciocínios, aprendendo assim a evitar as causas que os provocam.  Compreender e aceitar que o homem é um ser em trânsito na Terra, onde faz sua evolução, e que depende de cada um sofrer mais ou menos, de acordo com o respectivo entendimento acerca das leis divinas e da sua aplicação no seu sentir, pensar e agir. 
  • 24.  Com a revolta diante das aflições da vida, não alcançaremos a vitória espiritual sobre nós mesmos, correndo o risco de termos que repetir essas experiências, talvez em condições mais difíceis, em futuras existências. Porém, com a resignação, nossas dores serão como os primeiros avisos de que nossa alegria espiritual está a caminho.
  • 25.  Considerando que tudo se resume numa única palavra – aceitação – Emmanuel conclui que devemos: “confiar em Deus nos dias de céu azul, mas igualmente confiar em Sua Divina Providência nas horas da tempestade. Acolher a dor como sendo a preparação da alegria. Atravessar a provação, entesourando experiência. Observar as leis da vida e acatá-las, compreendendo que a dificuldade é instrução imprescindível”
  • 26. “Oração da Serenidade”  serenidade para aceitarmos as coisas que não podemos modificar;  coragem para modificarmos aquelas que podemos;  e sabedoria para distinguir uma da outra.