SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
SEDE PERFEITO - ESE O DEVER E A VIRTUDE
O dever é a obrigação moral da criatura para consigo mesma,e , em seguida, para com os outros.  O dever é a lei da vida.  O homem que cumpre o seu dever ama a Deus mais do que as criaturas e ama as criaturas mais do que a si mesmo. É ao mesmo tempo juiz e escravo em causa própria.   Lázaro. (Paris, 1863.)   E.S.E
A virtude, no mais alto grau, é o conjunto de todas as qualidades essenciais que constituem o homem de bem. Ser bom, caritativo, laborioso, sóbrio, modesto, são qualidades do homem virtuoso.  S. Vicente de Paulo era virtuoso Praticava o bem com desinteresse completo e inteiro esquecimento de si mesmo.  Toda criatura que possui virtudes não as ostenta. Tal qual a violeta, simplesmente espalha seu discreto perfume e se esconde entre a folhagem farta. A Virtude
O vós todos a quem a fé espírita aqueceu com seus raios, e que sabeis quão longe da perfeição está o homem, jamais esbarreis em colher elogios, porque   Mais vale pouca virtude com modéstia, do que muita com orgulho. Pelo orgulho é que as humanidades sucessivamente se hão perdido; pela humildade é que um dia elas se hão de redimir.  François-Nicolas-Madeleine. (Paris, 1863.)
Dever e Trabalho Obediência digna tem o nome de obrigação cumprida no dicionário da realidade.  Quem executa com alegria as tarefas consideradas menores, espontaneamente se promove as tarefas consideradas maiores.  * A câmara fotográfica nos retrata por fora, mas o trabalho nos retrata por dentro.  Servir além do próprio dever não é bajular e sim entesourar apoio e experiência, simpatia e cooperação.  * Quando o trabalhador converte o trabalho em alegria, o trabalho se transforma na alegria do trabalhador.  Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Sinal Verde.Ditado pelo Espírito André Luiz.42a edição. Uberaba, MG: CEC, 1996.
                                  DEVER  - MOMENTO ESPÍRITA Freqüentemente o dever entra em conflito com o interesse pessoal. A criatura deseja ardentemente fazer algo, mas sente que não deve. Ou quer fugir de uma situação, abster-se de determinada conduta, quando a consciência indica não ser essa a melhor solução. Surge a dúvida: Por que não é possível a satisfação do desejo? Qual a razão para o senso do dever contrariar os sonhos e as fantasias? Há alguma lógica nisso? Há uma lógica, que decorre de uma compreensão mais ampla da vida.
Os espíritos reencarnam infinitas vezes. A evolução é uma conquista individual, por meio da qual se transita da ignorância para a sabedoria. Em suas primeiras experiências terrenas, os espíritos são grandemente guiados pelos instintos. De modo gradual, desenvolvem a vontade e conquistam a liberdade de optar. Em decorrência de sua ignorância, as opções que fazem nem sempre são felizes.
Todos trazem as leis divinas gravadas na consciência. Com o tempo, inteiram-se do teor dessas leis. Equívocos, maldades, leviandades, tudo é registrado na consciência. Somente goza de perfeita harmonia quem aprendeu a respeitar e valorizar a vida. A paz interior é conquista daquele que se acertou com os estatutos divinos. Isso apenas é possível mediante a recomposição dos tesouros dilapidados ao longo do tempo.
Onde se insuflou a guerra, impõe-se a labuta pela paz. Quem induziu os outros ao abismo dos vícios, deve auxiliá-los na recuperação. Se outrora as bênçãos do trabalho foram repudiadas, o tempo perdido deve ser recuperado. Por outro lado, alguns hábitos da época da ignorância cristalizam-se no ser, dificultando a evolução. Embora o processo de evoluir seja vagaroso, é necessário fazer esforços para transformar os hábitos viciosos e conquistar virtudes. É preciso romper com o homem velho e seus hábitos infelizes (o amadurecimento do senso moral).
DEVER E FANTASIA   Em sua busca pela felicidade, o homem não raro embrenha-se em caminhos tortuosos. É frequente a confusão entre ser feliz e realizar fantasias.  De um lado há o passado: paixões, interesse, egoísmo, preguiça e vaidade. De outro, os projetos para o futuro, na forma de disciplina, renúncia, devotamento ao próximo ou a uma causa Para a criatura irrefletida pode parecer necessário que todos os seus sonhos se concretizem para que ela se considere plena. Realizado um projeto, surge logo outro, mais ambicioso.( casas, carros , sucesso...)
Se for necessário realizar todos os sonhos para o homem se sentir pleno, a frustração será sua constante companheira.Por outro lado, ao desavisado pode parecer que tudo é legítimo para alcançar suas metas. Talvez toda dificuldade seja considerada uma desgraça, um obstáculo a ser removido a qualquer preço. Se o casamento não vai bem, pode parecer melhor terminá-lo de vez, para encontrar outra pessoa que seja perfeita. O familiar doente ou de difícil convívio quiçá se afigure alguém a ser evitado a todo custo, sob o falso pretexto de preservar a própria.
A VIRTUDE DA DISCIPLINA A disciplina, freqüentemente entendida como submissão a um agente externo. O termo remeteria à ação que sujeita a vontade de outrem. Por exemplo, o pai que disciplina seu filho ou o comandante que conduz suas tropas sob um regime disciplinar severo Trata-se de uma virtude que viabiliza a aquisição de todas as outras. Sem disciplina, não há avanço e transformação moral e intelectual. A criatura indisciplinada permanece como sempre foi.
A disciplina atua no plano da vontade Ela estabelece regras e define como deve ser o comportamento futuro. O homem disciplinado diz a si mesmo que deve fazer e se mantém firme no propósito. A disciplina consiste em uma força interior que permite a alteração de velhos hábitos. Não se trata apenas de decidir ser melhor, mas de colocar em prática o que se decidiu. Certamente há vacilos, mas logo o homem disciplinado retoma seu projeto inicial. Ele não se permite desistir, quando percebe a viabilidade da meta que elegeu para si.
A destinação do Espírito humano é excelsa. Compete-lhe vencer a si mesmo, libertar-se de hábitos primários e preparar-se para experiências transcendentais do intelecto e do sentimento. Sem uma vontade firme aplicada na correção do próprio comportamento, ninguém avança. Maus hábitos, como maledicência, gula, preguiça             e leviandade sexual, não somem por si sós. Eles devem ser corajosamente enfrentados e subjugados. O abandono de vícios é lento e doloroso. Surge uma sensação de liberdade e de leveza, com a adoção de um padrão digno de comportamento. Então, o que era difícil se torna fácil e prazeroso, pois a disciplina gera a espontaneidade.
O progresso é uma das leis da vida e o homem é sempre chamado a burilar-se, aperfeiçoar-se, tornar-se melhor e mais forte. As dificuldades têm a finalidade de ajudar a desabrochar o anjo que em todos reside, mediante o exercício das virtudes cristãs. Felicidade não é sinônimo de cofres cheios, vaidades satisfeitas, absoluta ausência de problemas e desafios.  Felicidade, pois, não é ter tudo o que se quer mas estar em harmonia com a própria consciência e com as Leis Divinas. Não há felicidade sem paz e não há paz sem deveres rigorosamente cumpridos.
Qual o caminho mais curto para alcançar a plenitude da vida? A paz e a plenitude pressupõem o dever cumprido, a tarefa feita, a lição aprendida.
O Cristo, Modelo e Guia da Humanidade,  é exemplo de virtude : A piedade é a virtude que mais nos aproxima dos anjos. A felicidade nossa está no dever cumprido.                              Emmanuel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Afliçõesigmateus
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Henrique Vieira
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdadehome
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitosgrupodepaisceb
 
Senhor, Senhor
Senhor, SenhorSenhor, Senhor
Senhor, Senhorigmateus
 
Felicidade E Infelicidade Relativa
Felicidade E  Infelicidade  RelativaFelicidade E  Infelicidade  Relativa
Felicidade E Infelicidade RelativaSergio Menezes
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIOJorge Luiz dos Santos
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaGraça Maciel
 
Estudos do evangelho " A lei de amor".
Estudos do evangelho " A lei de amor".Estudos do evangelho " A lei de amor".
Estudos do evangelho " A lei de amor".Leonardo Pereira
 
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmoPalestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmoDivulgador do Espiritismo
 

Mais procurados (20)

Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
 
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTEVISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
 
Senhor, Senhor
Senhor, SenhorSenhor, Senhor
Senhor, Senhor
 
Felicidade E Infelicidade Relativa
Felicidade E  Infelicidade  RelativaFelicidade E  Infelicidade  Relativa
Felicidade E Infelicidade Relativa
 
A felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundoA felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundo
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Estudos do evangelho " A lei de amor".
Estudos do evangelho " A lei de amor".Estudos do evangelho " A lei de amor".
Estudos do evangelho " A lei de amor".
 
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmoPalestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmo
 
Palestra Espírita - Lei de amor
Palestra Espírita - Lei de amorPalestra Espírita - Lei de amor
Palestra Espírita - Lei de amor
 
Se alguem te ferir a face direita
Se alguem te ferir a face direitaSe alguem te ferir a face direita
Se alguem te ferir a face direita
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
 
A colera
A coleraA colera
A colera
 
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMOREFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
 

Destaque (11)

Virtudes e vicios
Virtudes e viciosVirtudes e vicios
Virtudes e vicios
 
Palestra 16 vicios x virtudes
Palestra 16 vicios  x  virtudesPalestra 16 vicios  x  virtudes
Palestra 16 vicios x virtudes
 
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãsEncontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
 
Parábola do Semeador
Parábola do SemeadorParábola do Semeador
Parábola do Semeador
 
A Virtude.
A Virtude.A Virtude.
A Virtude.
 
Direitos e Deveres Segundo o Espiritismo
Direitos e Deveres Segundo o EspiritismoDireitos e Deveres Segundo o Espiritismo
Direitos e Deveres Segundo o Espiritismo
 
Parabola do Semeador
Parabola do SemeadorParabola do Semeador
Parabola do Semeador
 
A Cidadania
A CidadaniaA Cidadania
A Cidadania
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Aula Cidadania
Aula CidadaniaAula Cidadania
Aula Cidadania
 

Semelhante a O Dever e a virtude

Manifestação da mente de deus
Manifestação da mente de deusManifestação da mente de deus
Manifestação da mente de deusAlice Negrão
 
Responsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciênciaResponsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciênciaDalila Melo
 
Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Dalila Melo
 
As bases do transformar se
As bases do transformar seAs bases do transformar se
As bases do transformar sepaikachambi
 
Livro pensamentos introdução
Livro pensamentos    introduçãoLivro pensamentos    introdução
Livro pensamentos introduçãojmeirelles
 
Reforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírioReforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martíriogrupodepaisceb
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3geaj
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeCeiClarencio
 
Primeira Parte Introdução Orientação
Primeira Parte   Introdução   OrientaçãoPrimeira Parte   Introdução   Orientação
Primeira Parte Introdução Orientaçãojmeirelles
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeHelio Cruz
 
Caminho de luz slides
Caminho de luz  slidesCaminho de luz  slides
Caminho de luz slidesRodrigo Cisco
 
A caminho do céu (osvaldo polidoro reencarnação de allan kardec)
A caminho do céu (osvaldo polidoro   reencarnação de allan kardec)A caminho do céu (osvaldo polidoro   reencarnação de allan kardec)
A caminho do céu (osvaldo polidoro reencarnação de allan kardec)Ricardo Akerman
 
5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos 5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 
4ª Oficina dos sentimentos
4ª  Oficina dos sentimentos 4ª  Oficina dos sentimentos
4ª Oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 

Semelhante a O Dever e a virtude (20)

Manifestação da mente de deus
Manifestação da mente de deusManifestação da mente de deus
Manifestação da mente de deus
 
Responsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciênciaResponsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciência
 
Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010
 
As bases do transformar se
As bases do transformar seAs bases do transformar se
As bases do transformar se
 
Livro pensamentos introdução
Livro pensamentos    introduçãoLivro pensamentos    introdução
Livro pensamentos introdução
 
Reforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírioReforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírio
 
Coem 2013 aula mediunidade e disciplina
Coem 2013   aula mediunidade e disciplinaCoem 2013   aula mediunidade e disciplina
Coem 2013 aula mediunidade e disciplina
 
O Homem Integral - Capítulo 3
O Homem Integral - Capítulo 3O Homem Integral - Capítulo 3
O Homem Integral - Capítulo 3
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
 
Reforma Íntima
Reforma ÍntimaReforma Íntima
Reforma Íntima
 
Moment cons
Moment consMoment cons
Moment cons
 
Primeira Parte Introdução Orientação
Primeira Parte   Introdução   OrientaçãoPrimeira Parte   Introdução   Orientação
Primeira Parte Introdução Orientação
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidade
 
Caminho de luz slides
Caminho de luz  slidesCaminho de luz  slides
Caminho de luz slides
 
A caminho do céu (osvaldo polidoro reencarnação de allan kardec)
A caminho do céu (osvaldo polidoro   reencarnação de allan kardec)A caminho do céu (osvaldo polidoro   reencarnação de allan kardec)
A caminho do céu (osvaldo polidoro reencarnação de allan kardec)
 
( Espiritismo) # - adesio a machado - ser, crer e crescer
( Espiritismo)   # - adesio a machado - ser, crer e crescer( Espiritismo)   # - adesio a machado - ser, crer e crescer
( Espiritismo) # - adesio a machado - ser, crer e crescer
 
5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos 5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos
 
4ª Oficina dos sentimentos
4ª  Oficina dos sentimentos 4ª  Oficina dos sentimentos
4ª Oficina dos sentimentos
 

Mais de Izabel Cristina Fonseca

Mais de Izabel Cristina Fonseca (20)

O advento do cristo
O advento do cristoO advento do cristo
O advento do cristo
 
Misterios ocultos aos doutos e prudentes
Misterios ocultos aos doutos e prudentesMisterios ocultos aos doutos e prudentes
Misterios ocultos aos doutos e prudentes
 
Melodia natalina
Melodia natalinaMelodia natalina
Melodia natalina
 
Bem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechadosBem aventurados os que temos olhos fechados
Bem aventurados os que temos olhos fechados
 
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-aSe a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
Se a vossa mao e motivo de escandalo, cortai-a
 
Misterios ocultos aos prudentes
Misterios ocultos aos prudentesMisterios ocultos aos prudentes
Misterios ocultos aos prudentes
 
Poemas
PoemasPoemas
Poemas
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Solidão fonte viva
Solidão   fonte vivaSolidão   fonte viva
Solidão fonte viva
 
Simpatia
SimpatiaSimpatia
Simpatia
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
 
Palestra lei destruição
Palestra lei destruiçãoPalestra lei destruição
Palestra lei destruição
 
Pal janfevmar 2017
Pal janfevmar 2017Pal janfevmar 2017
Pal janfevmar 2017
 
Oração nossa
Oração nossaOração nossa
Oração nossa
 
O mancebo rico
O mancebo ricoO mancebo rico
O mancebo rico
 
O bem e o mal esde - leis divinas
O bem e o mal  esde - leis divinasO bem e o mal  esde - leis divinas
O bem e o mal esde - leis divinas
 
Natal palestra
Natal palestraNatal palestra
Natal palestra
 
Não desanimar bezerra
Não desanimar   bezerraNão desanimar   bezerra
Não desanimar bezerra
 
Inteligência e instinto
Inteligência e instintoInteligência e instinto
Inteligência e instinto
 
Incompreensão palestra 2016
Incompreensão   palestra 2016Incompreensão   palestra 2016
Incompreensão palestra 2016
 

Último

Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Fraternitas Movimento
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 

Último (7)

Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 

O Dever e a virtude

  • 1. SEDE PERFEITO - ESE O DEVER E A VIRTUDE
  • 2. O dever é a obrigação moral da criatura para consigo mesma,e , em seguida, para com os outros. O dever é a lei da vida. O homem que cumpre o seu dever ama a Deus mais do que as criaturas e ama as criaturas mais do que a si mesmo. É ao mesmo tempo juiz e escravo em causa própria. Lázaro. (Paris, 1863.) E.S.E
  • 3. A virtude, no mais alto grau, é o conjunto de todas as qualidades essenciais que constituem o homem de bem. Ser bom, caritativo, laborioso, sóbrio, modesto, são qualidades do homem virtuoso. S. Vicente de Paulo era virtuoso Praticava o bem com desinteresse completo e inteiro esquecimento de si mesmo. Toda criatura que possui virtudes não as ostenta. Tal qual a violeta, simplesmente espalha seu discreto perfume e se esconde entre a folhagem farta. A Virtude
  • 4. O vós todos a quem a fé espírita aqueceu com seus raios, e que sabeis quão longe da perfeição está o homem, jamais esbarreis em colher elogios, porque Mais vale pouca virtude com modéstia, do que muita com orgulho. Pelo orgulho é que as humanidades sucessivamente se hão perdido; pela humildade é que um dia elas se hão de redimir. François-Nicolas-Madeleine. (Paris, 1863.)
  • 5.
  • 6. Dever e Trabalho Obediência digna tem o nome de obrigação cumprida no dicionário da realidade. Quem executa com alegria as tarefas consideradas menores, espontaneamente se promove as tarefas consideradas maiores. * A câmara fotográfica nos retrata por fora, mas o trabalho nos retrata por dentro. Servir além do próprio dever não é bajular e sim entesourar apoio e experiência, simpatia e cooperação. * Quando o trabalhador converte o trabalho em alegria, o trabalho se transforma na alegria do trabalhador. Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Sinal Verde.Ditado pelo Espírito André Luiz.42a edição. Uberaba, MG: CEC, 1996.
  • 7. DEVER - MOMENTO ESPÍRITA Freqüentemente o dever entra em conflito com o interesse pessoal. A criatura deseja ardentemente fazer algo, mas sente que não deve. Ou quer fugir de uma situação, abster-se de determinada conduta, quando a consciência indica não ser essa a melhor solução. Surge a dúvida: Por que não é possível a satisfação do desejo? Qual a razão para o senso do dever contrariar os sonhos e as fantasias? Há alguma lógica nisso? Há uma lógica, que decorre de uma compreensão mais ampla da vida.
  • 8. Os espíritos reencarnam infinitas vezes. A evolução é uma conquista individual, por meio da qual se transita da ignorância para a sabedoria. Em suas primeiras experiências terrenas, os espíritos são grandemente guiados pelos instintos. De modo gradual, desenvolvem a vontade e conquistam a liberdade de optar. Em decorrência de sua ignorância, as opções que fazem nem sempre são felizes.
  • 9. Todos trazem as leis divinas gravadas na consciência. Com o tempo, inteiram-se do teor dessas leis. Equívocos, maldades, leviandades, tudo é registrado na consciência. Somente goza de perfeita harmonia quem aprendeu a respeitar e valorizar a vida. A paz interior é conquista daquele que se acertou com os estatutos divinos. Isso apenas é possível mediante a recomposição dos tesouros dilapidados ao longo do tempo.
  • 10. Onde se insuflou a guerra, impõe-se a labuta pela paz. Quem induziu os outros ao abismo dos vícios, deve auxiliá-los na recuperação. Se outrora as bênçãos do trabalho foram repudiadas, o tempo perdido deve ser recuperado. Por outro lado, alguns hábitos da época da ignorância cristalizam-se no ser, dificultando a evolução. Embora o processo de evoluir seja vagaroso, é necessário fazer esforços para transformar os hábitos viciosos e conquistar virtudes. É preciso romper com o homem velho e seus hábitos infelizes (o amadurecimento do senso moral).
  • 11. DEVER E FANTASIA   Em sua busca pela felicidade, o homem não raro embrenha-se em caminhos tortuosos. É frequente a confusão entre ser feliz e realizar fantasias. De um lado há o passado: paixões, interesse, egoísmo, preguiça e vaidade. De outro, os projetos para o futuro, na forma de disciplina, renúncia, devotamento ao próximo ou a uma causa Para a criatura irrefletida pode parecer necessário que todos os seus sonhos se concretizem para que ela se considere plena. Realizado um projeto, surge logo outro, mais ambicioso.( casas, carros , sucesso...)
  • 12. Se for necessário realizar todos os sonhos para o homem se sentir pleno, a frustração será sua constante companheira.Por outro lado, ao desavisado pode parecer que tudo é legítimo para alcançar suas metas. Talvez toda dificuldade seja considerada uma desgraça, um obstáculo a ser removido a qualquer preço. Se o casamento não vai bem, pode parecer melhor terminá-lo de vez, para encontrar outra pessoa que seja perfeita. O familiar doente ou de difícil convívio quiçá se afigure alguém a ser evitado a todo custo, sob o falso pretexto de preservar a própria.
  • 13.
  • 14. A VIRTUDE DA DISCIPLINA A disciplina, freqüentemente entendida como submissão a um agente externo. O termo remeteria à ação que sujeita a vontade de outrem. Por exemplo, o pai que disciplina seu filho ou o comandante que conduz suas tropas sob um regime disciplinar severo Trata-se de uma virtude que viabiliza a aquisição de todas as outras. Sem disciplina, não há avanço e transformação moral e intelectual. A criatura indisciplinada permanece como sempre foi.
  • 15. A disciplina atua no plano da vontade Ela estabelece regras e define como deve ser o comportamento futuro. O homem disciplinado diz a si mesmo que deve fazer e se mantém firme no propósito. A disciplina consiste em uma força interior que permite a alteração de velhos hábitos. Não se trata apenas de decidir ser melhor, mas de colocar em prática o que se decidiu. Certamente há vacilos, mas logo o homem disciplinado retoma seu projeto inicial. Ele não se permite desistir, quando percebe a viabilidade da meta que elegeu para si.
  • 16. A destinação do Espírito humano é excelsa. Compete-lhe vencer a si mesmo, libertar-se de hábitos primários e preparar-se para experiências transcendentais do intelecto e do sentimento. Sem uma vontade firme aplicada na correção do próprio comportamento, ninguém avança. Maus hábitos, como maledicência, gula, preguiça e leviandade sexual, não somem por si sós. Eles devem ser corajosamente enfrentados e subjugados. O abandono de vícios é lento e doloroso. Surge uma sensação de liberdade e de leveza, com a adoção de um padrão digno de comportamento. Então, o que era difícil se torna fácil e prazeroso, pois a disciplina gera a espontaneidade.
  • 17. O progresso é uma das leis da vida e o homem é sempre chamado a burilar-se, aperfeiçoar-se, tornar-se melhor e mais forte. As dificuldades têm a finalidade de ajudar a desabrochar o anjo que em todos reside, mediante o exercício das virtudes cristãs. Felicidade não é sinônimo de cofres cheios, vaidades satisfeitas, absoluta ausência de problemas e desafios. Felicidade, pois, não é ter tudo o que se quer mas estar em harmonia com a própria consciência e com as Leis Divinas. Não há felicidade sem paz e não há paz sem deveres rigorosamente cumpridos.
  • 18. Qual o caminho mais curto para alcançar a plenitude da vida? A paz e a plenitude pressupõem o dever cumprido, a tarefa feita, a lição aprendida.
  • 19. O Cristo, Modelo e Guia da Humanidade, é exemplo de virtude : A piedade é a virtude que mais nos aproxima dos anjos. A felicidade nossa está no dever cumprido. Emmanuel