SlideShare uma empresa Scribd logo
Profa. Andrea Dalforno
METODOLOGIA DE DESIGN
Ciência
Conjunto de conhecimentos socialmente adquiridos
ou produzidos, historicamente acumulados, dotados
de universalidade que permitem sua transmissão, e
estruturados com métodos, teorias e linguagens
próprias, que visam compreender e orientar a natureza
e as atividades humanas.
Campo circunscrito, dentro da ciência, concernente a
determinada parte ou aspecto da natureza ou das
atividades humanas. Ex: a química, a sociologia, a
psicologia, etc.
Ciência Aplicada
Ciência que é produzida com a intenção de ser
aplicada a objetos práticos.
Ciência Empíricas
As ciências que são formadas pela observação da
natureza, dos fenômenos sociais e culturais, e por
teorias e hipóteses que podem ser com ela
diretamente confrontadas.
Epistemologia
Conjunto de conhecimentos que têm por objetivo o
conhecimento científico, visando explicar os seus
condicionamentos (técnicos, históricos, ou sociais;
lógicos, matemáticos ou linguísticos), sistematizar as
suas relações, esclarecer os seus vínculos e avaliar os
seus resultados e aplicações.
Teoria
Conjunto de princípios fundamentais de uma arte ou
de uma ciência. Conjunto de conhecimentos não
ingênuos que apresentam graus diversos de
sistematização e credibilidade e propõem
explicar, interpretar ou unificar um dado domínio de
fenômenos ou de acontecimentos que se oferecem à
atividade prática.
Metodologia
Estudos dos métodos e da sua lógica
e, especialmente, dos métodos das ciências.

Conjunto de técnicas e processos utilizados para
ultrapassar a subjetividade e atingir a objetividade.
Método
Caminho pelo qual se atinge um objetivo. Programa
que regula previamente uma série de operações que
devem se realizar, apontando erros evitáveis, em vista
de um resultado determinado.

Método Dedutivo
O que emprega a dedução, e cujas premissas são proposições evidentes ou
definições razoáveis, cujas verdades serão verificadas posteriormente.


Método Hipotético-dedutivo
Conjunto de hipóteses sobre a estrutura ou comportamento de um sistema pelo
qual se procuram explicar ou prever, dentro de uma teoria científica, as propriedades
do sistema.
Modelo
Representação simplificada e abstrata de fenômeno
ou situação concreta, e que serve de referência para a
observação, estudo ou análise.

Baseado em uma descrição formal de
objetos, relações e processos, e que permite, variando
parâmetros, manipulando variáveis, simular os efeitos
de mudanças do fenômeno que representa.
Design
Design (to design) do latim              Por design se entende como um
“designare” - “de” e “signum”            processo de formação estética que
(marca, sinal), significa                em colaboração com a ciência, a
desenvolver, conceber. A expressão       tecnologia, a engenharia, e outras
design surgiu no século XVII, na         disciplinas se integra na preparação
Inglaterra, como tradução do termo       e desenvolvimento dos produtos e
italiano “disegno”, mas somente          conduz à otimização dos valores de
com a produção industrial e com a        uso, segundo as exigências técnico-
criação das “Schools of Design”, é       econômicas da produção industrial.
que esta expressão passou a                               Tomás Maldonado, 1963.
caracterizar uma atividade
específica no processo de
desenvolvimento de produtos.
                 Gustavo Bomfim, 1995.
Design
O design é uma atividade no extenso                        O design é uma atividade projetual
campo da inovação tecnológica.                             que consiste em determinar as
Uma disciplina envolvida nos                               propriedades formais dos objetos
processos de desenvolvimento de                            produzidos industrialmente. Por
produtos, estando ligada a questões                        propriedades formais não se
do                                                         entende apenas as características
uso, produção, mercado, utilidade e                        exteriores, senão, sobretudo, as
qualidade formal ou estética de                            relações funcionais e estruturais que
produtos industriais.                                      fazem com que o produto tenha
                                        ICSID, 1967.       unidade coerente do ponto de vista
                                                           do produtor, como do consumidor.
                                                                                       ICSID 1975.




ICSID - International Council of Societies of Industrial Design
http://www.icsid.org/about/about/articles31.htm
Quem é o Designer?
O designer é o profissional que se qualifica por sua
formação, seus conhecimentos técnicos, sua
experiência e sua sensibilidade visual no grau de
determinar os materiais, a estrutura, os mecanismos, a
forma, o tratamento superficial, a estética de produtos
fabricados em série ou por meio de procedimentos
industriais.
Criatividade
Arthur Koestler, em The Act of Creation (1969), propõe a criatividade como
a capacidade de associar. Ou seja, como a capacidade de combinar dois ou
mais elementos de conhecimento que, geralmente, não estão associados
entre si.


Se é criativo quando se possui a capacidade de perceber semelhanças onde
os outros demais só vêm diferenças. O fato de unir dois ou mais elementos
que sempre se acreditou que são compatíveis podem originar novas ideias.
Criatividade
O matemático Francês Jules Henri Poincaré, define a criatividade em termos de
formação de novas combinações. Com uma condição sine qua non*: a nova
combinação de elementos deve ter um valor que faça diferença, e que seja
inovadora. O descobrimento e a invenção, a solução de problemas, implica em
combinações de pensamentos.

A novidade ou originalidade se avaliam ordinariamente como uma condição
necessária porém não suficiente, para o que se considera novo tenha a
oportunidade de ser avaliado como criativo, será necessário que, segundo
algum critério, possua um valor a mais ou específico. A criatividade pode ser
definida, por tanto, como aquele tipo de pensamento que resulta na produção
de ideias (ou de outro tipo de produto), que são ao mesmo tempo novas e
válidas.

*Refere-se a uma ação cuja condição ou ingrediente é   indispensável e essencial.
Design e Criatividade
A natureza da criatividade, como também as consequências que
ela provoca, sempre despertou a atenção de estudiosos.
Quando uma descoberta científica passa de um grupo restrito
de especialistas para o grande público, se produz uma
transformação de um sistema intelectual e de pensamento
lógico, científico e individual, a um pensamento global. Quer
dizer, toda noção específica segue regularmente um processo
de assimilação que a converte em comum, própria de uma
época e de uma cultura.
                               “Pensar específico sobre
                               um fazer concreto.”
                                          Fayga Ostrower
Lógica e Intuição
Uma aparente contradição que, apesar de
tudo, funciona. Lógica e intuição, dois caminhos bem
diferentes que o cérebro humano utiliza para
encontrar a ideia que se determina descobrir, por um
lado o caminho da lógica, da evidência, do acerto, da
comprovação, e, por outro lado, o caminho da
intuição, da criatividade, da inspiração, da
inovação, da emotividade.
O pensamento criativo ajuda a:
1.   Encontrar nossa inspiração criadora.
2.   Superar todos os obstáculos que nos impedem de pensar com clareza e
     objetividade.
3.   Superar as barreiras mentais que nos impedem de perceber um problema e
     a forma correta de encontrar soluções.
4.   Descobrir que a criatividade, antes de tudo, requer uma atitude, uma
     maneira de valorar os estímulos que recebemos.
5.   Por em funcionamento os dois elementos fundamentais que desencadeiam
     qualquer processo criativo: a imaginação e o conhecimento.
6.   Descobrir que uma ideia é uma combinação de elementos velhos, composta
     de conhecimentos gerais e de conhecimentos específicos.
7.   Descobrir que a capacidade de conseguir novas combinações com base em
     elementos velhos depende em grande parte do talento e habilidade para
     encontrar relações.
Tipos de pensamento
Em nosso processo mental se alternam dois tipos de
pensamento: o reprodutivo e o produtivo criativo.
Pensamento Reprodutivo
  Apreensão, acumulação e reprodução de atos
  mentais já exercitados, conhecidos e comprovados.

Pensamento Produtivo
  Capacidade de realizar novas combinações que
  proporcionem novas ideias e novos métodos de
  pensamento.
Pensamento Reprodutivo
O pensamento reprodutivo se baseia na repetição de
atos mentais já exercitados e conhecidos (e
portanto, comprovados), mediante os quais se
reproduzem o conhecimento. Se opera com
conhecimentos adquiridos, e inevitavelmente, volta-
se a obter combinações e conclusões já aprendidas.
Pensamento Produtivo
Ao contrário, o pensamento produtivo é capaz de
obter conclusões novas - utilizando racionalidade
reprodutiva -, porém ampliando-as, liberando-as
mediante associações de ideias capazes de produzir
novas combinações que proporcionam não só novas
ideias, como também provocam o aparecimento de
novos métodos de pensamento.
MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
MUNARI, Bruno. Design e comunicação visual : contribuição para uma metodologia didática. São
Paulo: Martins Fontes, 2001.
Introdução
(…) O método projetual não é mais do que uma série
de operações necessárias, dispostas por ordem
lógica, ditada pela experiência. O seu objetivo é o de se
atingir o melhor resultado com o menor esforço.
Introdução
(…) no campo do design não se deve projetar sem um
método, pensar de forma artística procurando logo a
solução, sem se ter feito uma pesquisa para se
documentar acerca do que já foi feito de semelhante
ao que se quer projetar; sem saber que materiais
utilizar para a construção, sem ter precisado bem a sua
exata função.
Introdução
(…) criatividade não significa improvisação sem
método (...). A série de operações do método projetual
é feita de valores objetivos que se tornam
instrumentos de trabalho nas mãos do projetista
criativo.
Introdução
O método projetual para o designer não é nada de
absoluto nem definitivo; é algo que se pode modificar
se encontrarem outros valores objetivos que
melhorem o processo.
E isso liga-se à criatividade do projetista que, ao aplicar
o método, pode descobrir algo para o melhorar.
Portanto, as regras do método não bloqueiam a
personalidade do projetista mas, pelo
contrário, estimulam-no a descobrir coisas
que, eventualmente, poderão ser úteis aos outros.
O Problema [P]
É preciso saber se um problema tem solução ou não.

O problema não se resolve por si só. Entretanto, ele já contém a
maior parte dos elementos para a sua solução. É
necessário, portanto, conhecê-los e utilizá-los no projeto de
solução.

(...) é necessário antes de tudo saber distinguir se um problema
é resolvível ou não.

(…) O problema de design resulta de uma necessidade. (...)
METODOLOGIA DE DESIGN
Problema [P] Solução [S]
       O problema não se
      resolve por si só; no
entanto, contem já todos
 os elementos para a sua
    solução, é necessário
 conhecê-los e utilizá-los
   no projeto de solução.
Definição do Problema [DP]
         Sintetizamos os
elementos que compõem
     o início do método.

    Definimos objetivos.
Definição da Solução
  Um problema pode ter
      várias soluções, e é
preciso nesse caso definir
       por qual optamos.
A Ideia [I]
Muitos projetistas procuram
 encontrar imediatamente
  uma ideia para resolver o
 problema. Mas a ideia não
pode ser considerada como
                    solução.

       As ideias ajudam no
       desenvolvimento de
soluções, mas sozinhas não
     resolvem o problema.
Qualquer que seja o problema pode-se dividi-lo nos seus componentes. Esta
operação facilita o projeto porque tende a por em evidência os pequenos
problemas singulares que ocultam nos subproblemas.
Componentes do Problema [CP]
  (...) é necessário o projetista ter
uma série de informações acerca
  de cada problema singular para
uma maior segurança no projeto.
     Desmontar um problema nos
        seus componentes significa
 descobrir muitos subproblemas.
          (...) A parte mais árdua do
    trabalho do designer será a de
 conhecer as várias soluções com
     o projeto global. A solução do
              problema geral está na
           coordenação criativa das
       soluções dos subproblemas.
Coleta de Dados [CD]
 (...) é bom recolher todos
os dados necessários para
  estudar os componentes
       um a um. A ideia que
       deveria resolver tudo
deve deixar-se ainda para
                 mais tarde.
Análise de Dados [AD]
 (...) é bom recolher todos
os dados necessários para
  estudar os componentes
       um a um. A ideia que
       deveria resolver tudo
deve deixar-se ainda para
                 mais tarde.
Criatividade [C]
Enquanto a ideia é algo que
  deveria fornecer a solução
bela e pronta, a criatividade
 se processa de acordo com
      um método definido e
     mantém-se nos limites
   impostos pela análise dos
             dados colhidos.
     Quando a criatividade é
   bem aplicada, dentro dos
  objetivos do projeto, pode
           agregar valores e
                diferenciais.
Materiais e Tecnologia [MT]
   Depois da aplicação da
         criatividade é que
             estudamos as
possibilidades e definimos
          os materiais e as
         tecnológicas mais
    adequados ao projeto.
Nesta fase se define como
 será executado o projeto.
Experimentação [E]
 Depois do levantamento
       dos dados sobre os
      materiais e sobre as
   técnicas, a criatividade
  dirige experimentações
       dos materiais e dos
    instrumentos para ter
  ainda outros dados com
 que estabelecer relações
          úteis ao projeto.
Modelo [M]
      Da experimentação
             podem surgir
 modelos, realizados para
            demonstrar as
possibilidades ou técnicas
         e usar no projeto.
Verificação [V]
      Nessa altura torna-se
 necessária uma verificação
           do(s) modelo(s).

Na verificação é quando se
observam as falhas, e, caso
 existam, as correções são
                realizadas.

  É a fase para definição de
               uma solução.
Desenho de Construção [DC]
    Com base em todos os
dados pode-se começar a
     preparar os desenhos
   construtivos, em escala
          ou em tamanho
     natural, com todas as
 medidas precisas e todas
as indicações necessárias
à realização do protótipo.
Solução [S]
           A solução final
 é, então, uma síntese de
     dados levantados ao
        longo de todo um
 processo, e que resultará
      no produto pronto.
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN
METODOLOGIA DE DESIGN

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia do Design
Historia do DesignHistoria do Design
Historia do Design
Ravena Gente Boa
 
Aula 07 metodologia munari
Aula 07   metodologia munariAula 07   metodologia munari
Aula 07 metodologia munari
Marcio Duarte
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Maristela Meireles
 
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Francisco Gómez Castro
 
Metodologia para Projeto de Design
Metodologia para Projeto de DesignMetodologia para Projeto de Design
Metodologia para Projeto de Design
Marcio Duarte
 
Metodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno MunariMetodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno Munari
Francisco Gómez Castro
 
Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)
Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)
Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)
Hely Costa Júnior
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
Marcio Duarte
 
Conceito Design Thinking
Conceito Design ThinkingConceito Design Thinking
Conceito Design Thinking
André Alexandre
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00
Valdir Soares
 
Metodologia projetual
Metodologia projetualMetodologia projetual
Metodologia projetual
balhote
 
Aula 2 - Design de Produto 2
Aula 2 - Design de Produto 2Aula 2 - Design de Produto 2
Aula 2 - Design de Produto 2
Tiago Cruz
 
Design - O que é?
Design - O que é?Design - O que é?
Design - O que é?
Mauricio Mallet Duprat
 
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaUma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Gabriele Santos
 
História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10
Valdir Soares
 
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Léo Dias
 
metodologia projetual
metodologia projetualmetodologia projetual
metodologia projetual
Mickael Xavier
 
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de moda
Marcio Duarte
 
Fundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráficoFundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráfico
nfeio
 

Mais procurados (20)

Historia do Design
Historia do DesignHistoria do Design
Historia do Design
 
Aula 07 metodologia munari
Aula 07   metodologia munariAula 07   metodologia munari
Aula 07 metodologia munari
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
 
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
 
Metodologia para Projeto de Design
Metodologia para Projeto de DesignMetodologia para Projeto de Design
Metodologia para Projeto de Design
 
Metodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno MunariMetodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno Munari
 
Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)
Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)
Semiótica Aplicada ao Design (Aula 01)
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
 
Conceito Design Thinking
Conceito Design ThinkingConceito Design Thinking
Conceito Design Thinking
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00
 
Metodologia projetual
Metodologia projetualMetodologia projetual
Metodologia projetual
 
Aula 2 - Design de Produto 2
Aula 2 - Design de Produto 2Aula 2 - Design de Produto 2
Aula 2 - Design de Produto 2
 
Design - O que é?
Design - O que é?Design - O que é?
Design - O que é?
 
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de ExperiênciaUma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
Uma introdução ao Design Emocional e Design de Experiência
 
História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10
 
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
 
metodologia projetual
metodologia projetualmetodologia projetual
metodologia projetual
 
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráfico
 
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de moda
 
Fundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráficoFundamentos básicos do Design gráfico
Fundamentos básicos do Design gráfico
 

Destaque

Metodologia do Design - Aplicação no Contexto Atual
Metodologia do Design - Aplicação no Contexto AtualMetodologia do Design - Aplicação no Contexto Atual
Metodologia do Design - Aplicação no Contexto Atual
Gabriel Meneses
 
Mapa Conceitual e CMAP TOOLS
Mapa Conceitual e CMAP TOOLSMapa Conceitual e CMAP TOOLS
Mapa Conceitual e CMAP TOOLS
Andrea Dalforno
 
Aula - Imagem Digital
Aula - Imagem DigitalAula - Imagem Digital
Aula - Imagem Digital
Karen Sica
 
Design
DesignDesign
Design
martha
 
Mda fluxo-habilidades
Mda fluxo-habilidadesMda fluxo-habilidades
Mda fluxo-habilidades
Guilherme Zaffari
 
Design no desenvolvimento de lojas conceito
Design no desenvolvimento de lojas conceitoDesign no desenvolvimento de lojas conceito
Design no desenvolvimento de lojas conceito
Rodrigo Vassari
 
Card Analysing método de pesquisa em Design
Card Analysing método de pesquisa em DesignCard Analysing método de pesquisa em Design
Card Analysing método de pesquisa em Design
Monica Possel
 
Mda e processo_industria
Mda e processo_industriaMda e processo_industria
Mda e processo_industria
Guilherme Zaffari
 
Agile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as Metodologias
Agile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as MetodologiasAgile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as Metodologias
Agile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as Metodologias
Fabio Akita
 
design patterns - introdução
design patterns - introduçãodesign patterns - introdução
design patterns - introdução
elliando dias
 
O que é o design
O que é o designO que é o design
O que é o design
Rodrigo Henriques
 
Agile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos Ágeis
Agile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos ÁgeisAgile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos Ágeis
Agile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos Ágeis
Suelen Carvalho
 
W3C Web Standards CSS
W3C Web Standards CSSW3C Web Standards CSS
W3C Web Standards CSS
Andrea Dalforno
 
Design sem Designer - PUCPR
Design sem Designer - PUCPRDesign sem Designer - PUCPR
Design sem Designer - PUCPR
Hugo Cristo
 
Humor nas Metodologias de Design
Humor nas Metodologias de DesignHumor nas Metodologias de Design
Humor nas Metodologias de Design
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Metodologias e anti-metodologias de design
Metodologias e anti-metodologias de designMetodologias e anti-metodologias de design
Metodologias e anti-metodologias de design
UTFPR
 
Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2
Tiago Cruz
 
APLICAÇÃO AUTORAL DE PBL
APLICAÇÃO AUTORAL DE PBLAPLICAÇÃO AUTORAL DE PBL
APLICAÇÃO AUTORAL DE PBL
Luiz Correia
 
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADEMÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
Andrea Dalforno
 
Mapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicas
Mapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicasMapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicas
Mapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicas
Paulo Correia
 

Destaque (20)

Metodologia do Design - Aplicação no Contexto Atual
Metodologia do Design - Aplicação no Contexto AtualMetodologia do Design - Aplicação no Contexto Atual
Metodologia do Design - Aplicação no Contexto Atual
 
Mapa Conceitual e CMAP TOOLS
Mapa Conceitual e CMAP TOOLSMapa Conceitual e CMAP TOOLS
Mapa Conceitual e CMAP TOOLS
 
Aula - Imagem Digital
Aula - Imagem DigitalAula - Imagem Digital
Aula - Imagem Digital
 
Design
DesignDesign
Design
 
Mda fluxo-habilidades
Mda fluxo-habilidadesMda fluxo-habilidades
Mda fluxo-habilidades
 
Design no desenvolvimento de lojas conceito
Design no desenvolvimento de lojas conceitoDesign no desenvolvimento de lojas conceito
Design no desenvolvimento de lojas conceito
 
Card Analysing método de pesquisa em Design
Card Analysing método de pesquisa em DesignCard Analysing método de pesquisa em Design
Card Analysing método de pesquisa em Design
 
Mda e processo_industria
Mda e processo_industriaMda e processo_industria
Mda e processo_industria
 
Agile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as Metodologias
Agile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as MetodologiasAgile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as Metodologias
Agile Vale 2011 - A Semente Não Entendida de Todas as Metodologias
 
design patterns - introdução
design patterns - introduçãodesign patterns - introdução
design patterns - introdução
 
O que é o design
O que é o designO que é o design
O que é o design
 
Agile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos Ágeis
Agile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos ÁgeisAgile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos Ágeis
Agile Brazil 2012 - Padrões Para Implantar Métodos Ágeis
 
W3C Web Standards CSS
W3C Web Standards CSSW3C Web Standards CSS
W3C Web Standards CSS
 
Design sem Designer - PUCPR
Design sem Designer - PUCPRDesign sem Designer - PUCPR
Design sem Designer - PUCPR
 
Humor nas Metodologias de Design
Humor nas Metodologias de DesignHumor nas Metodologias de Design
Humor nas Metodologias de Design
 
Metodologias e anti-metodologias de design
Metodologias e anti-metodologias de designMetodologias e anti-metodologias de design
Metodologias e anti-metodologias de design
 
Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2
 
APLICAÇÃO AUTORAL DE PBL
APLICAÇÃO AUTORAL DE PBLAPLICAÇÃO AUTORAL DE PBL
APLICAÇÃO AUTORAL DE PBL
 
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADEMÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
 
Mapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicas
Mapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicasMapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicas
Mapas conceituais e as novas arquiteturas pedagógicas
 

Semelhante a METODOLOGIA DE DESIGN

Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA IIInovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Dra. Camila Hamdan
 
Criatividade & inovação
Criatividade & inovaçãoCriatividade & inovação
Criatividade & inovação
Juliana Tessari
 
Apresentação criatividade cópia
Apresentação criatividade   cópiaApresentação criatividade   cópia
Apresentação criatividade cópia
Denner Macêdo
 
Artigo 01 criatividade pesquisa-inovação
Artigo 01   criatividade pesquisa-inovaçãoArtigo 01   criatividade pesquisa-inovação
Artigo 01 criatividade pesquisa-inovação
Lucovolan
 
Inovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisão
Inovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisãoInovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisão
Inovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisão
Dra. Camila Hamdan
 
Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...
Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...
Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...
Mariano Pimentel
 
Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...
Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...
Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...
Carlos Fernando Jung
 
Fichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandraFichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandra
pibidsociais
 
Seminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade
Seminario Descoberta Inovacao Criatividade OriginalidadeSeminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade
Seminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade
Adriana Schein
 
Trab inovação
Trab inovaçãoTrab inovação
Trab inovação
Gustavo De Moraes
 
Introdução design thinking
Introdução design thinkingIntrodução design thinking
Introdução design thinking
Joana Cerejo
 
Definições contemporâneas de design
Definições contemporâneas de designDefinições contemporâneas de design
Definições contemporâneas de design
angelicaferraz
 
Aprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXI
Aprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXIAprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXI
Aprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXI
Antonio Sallum Librelato
 
O que é Design Estratégico - Escola de Design Unisinos
O que é Design Estratégico - Escola de Design UnisinosO que é Design Estratégico - Escola de Design Unisinos
O que é Design Estratégico - Escola de Design Unisinos
Escola de Design Unisinos
 
Design Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do Design
Design Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do DesignDesign Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do Design
Design Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do Design
Gustavo Baldez
 
THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...
THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...
THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...
Sabrina Piancastelli
 
Percepção das Tecnologias
Percepção das TecnologiasPercepção das Tecnologias
Percepção das Tecnologias
Erico Fileno
 
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagensCiência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
10ª Coordenadoria Regional de Educação -10ª CRE
 
Design Driven Innovation
Design Driven InnovationDesign Driven Innovation
Design Driven Innovation
lucattony
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
José Mota
 

Semelhante a METODOLOGIA DE DESIGN (20)

Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA IIInovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
Inovação e Tecnologia - UDF - Profa. Camila Hamdan - AULA II
 
Criatividade & inovação
Criatividade & inovaçãoCriatividade & inovação
Criatividade & inovação
 
Apresentação criatividade cópia
Apresentação criatividade   cópiaApresentação criatividade   cópia
Apresentação criatividade cópia
 
Artigo 01 criatividade pesquisa-inovação
Artigo 01   criatividade pesquisa-inovaçãoArtigo 01   criatividade pesquisa-inovação
Artigo 01 criatividade pesquisa-inovação
 
Inovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisão
Inovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisãoInovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisão
Inovação e tecnologia 2o. semestre 2013_revisão
 
Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...
Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...
Inovação e Pesquisa Científica: Design Science Research para o desenvolviment...
 
Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...
Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...
Ambientes e estímulos favoráveis à criatividade aplicada a processos de inova...
 
Fichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandraFichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandra
 
Seminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade
Seminario Descoberta Inovacao Criatividade OriginalidadeSeminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade
Seminario Descoberta Inovacao Criatividade Originalidade
 
Trab inovação
Trab inovaçãoTrab inovação
Trab inovação
 
Introdução design thinking
Introdução design thinkingIntrodução design thinking
Introdução design thinking
 
Definições contemporâneas de design
Definições contemporâneas de designDefinições contemporâneas de design
Definições contemporâneas de design
 
Aprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXI
Aprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXIAprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXI
Aprendendo a Sobreviver e a Evoluir no Século XXI
 
O que é Design Estratégico - Escola de Design Unisinos
O que é Design Estratégico - Escola de Design UnisinosO que é Design Estratégico - Escola de Design Unisinos
O que é Design Estratégico - Escola de Design Unisinos
 
Design Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do Design
Design Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do DesignDesign Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do Design
Design Criativo - Técnicas de desbloqueio Criativo e princípios do Design
 
THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...
THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...
THINKING DESIGN: A reflection on the evolution of the concept of design in ou...
 
Percepção das Tecnologias
Percepção das TecnologiasPercepção das Tecnologias
Percepção das Tecnologias
 
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagensCiência e senso comum: concepções e abordagens
Ciência e senso comum: concepções e abordagens
 
Design Driven Innovation
Design Driven InnovationDesign Driven Innovation
Design Driven Innovation
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 

Mais de Andrea Dalforno

MOODLE: uso pedagógico das principais ferramentas
MOODLE: uso pedagógico das principais ferramentasMOODLE: uso pedagógico das principais ferramentas
MOODLE: uso pedagógico das principais ferramentas
Andrea Dalforno
 
Gráfico de Gantt
Gráfico de GanttGráfico de Gantt
Gráfico de Gantt
Andrea Dalforno
 
Como elaborar um relatório técnico
Como elaborar um relatório técnicoComo elaborar um relatório técnico
Como elaborar um relatório técnico
Andrea Dalforno
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Andrea Dalforno
 
W3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTMLW3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTML
Andrea Dalforno
 
USABILIDADE
USABILIDADEUSABILIDADE
USABILIDADE
Andrea Dalforno
 
DESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACEDESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACE
Andrea Dalforno
 
TIPOGRAFIA
TIPOGRAFIATIPOGRAFIA
TIPOGRAFIA
Andrea Dalforno
 
METODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFING
METODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFINGMETODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFING
METODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFING
Andrea Dalforno
 
SEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNO
SEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNOSEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNO
SEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNO
Andrea Dalforno
 
PERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUALPERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
LINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUAL
Andrea Dalforno
 
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
LINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUALLINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUAL
Andrea Dalforno
 
LINGUAGEM VISUAL | CONTRASTE
LINGUAGEM VISUAL | CONTRASTELINGUAGEM VISUAL | CONTRASTE
LINGUAGEM VISUAL | CONTRASTE
Andrea Dalforno
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
LINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUALLINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUAL
Andrea Dalforno
 

Mais de Andrea Dalforno (18)

MOODLE: uso pedagógico das principais ferramentas
MOODLE: uso pedagógico das principais ferramentasMOODLE: uso pedagógico das principais ferramentas
MOODLE: uso pedagógico das principais ferramentas
 
Gráfico de Gantt
Gráfico de GanttGráfico de Gantt
Gráfico de Gantt
 
Como elaborar um relatório técnico
Como elaborar um relatório técnicoComo elaborar um relatório técnico
Como elaborar um relatório técnico
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Gestão do Tempo
Gestão do TempoGestão do Tempo
Gestão do Tempo
 
W3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTMLW3C Web Standards HTML
W3C Web Standards HTML
 
USABILIDADE
USABILIDADEUSABILIDADE
USABILIDADE
 
DESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACEDESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACE
 
TIPOGRAFIA
TIPOGRAFIATIPOGRAFIA
TIPOGRAFIA
 
METODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFING
METODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFINGMETODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFING
METODOLOGIA DE DESIGN | BRIEFING
 
SEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNO
SEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNOSEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNO
SEMIÓTICA | CONCEITOS DE SIGNO
 
PERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUALPERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUAL
 
LINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTILO VISUAL
 
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
 
LINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUALLINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | MENSAGEM VISUAL
 
LINGUAGEM VISUAL | CONTRASTE
LINGUAGEM VISUAL | CONTRASTELINGUAGEM VISUAL | CONTRASTE
LINGUAGEM VISUAL | CONTRASTE
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
 
LINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUALLINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | O ALFABETISMO VISUAL
 

METODOLOGIA DE DESIGN

  • 3. Ciência Conjunto de conhecimentos socialmente adquiridos ou produzidos, historicamente acumulados, dotados de universalidade que permitem sua transmissão, e estruturados com métodos, teorias e linguagens próprias, que visam compreender e orientar a natureza e as atividades humanas. Campo circunscrito, dentro da ciência, concernente a determinada parte ou aspecto da natureza ou das atividades humanas. Ex: a química, a sociologia, a psicologia, etc.
  • 4. Ciência Aplicada Ciência que é produzida com a intenção de ser aplicada a objetos práticos.
  • 5. Ciência Empíricas As ciências que são formadas pela observação da natureza, dos fenômenos sociais e culturais, e por teorias e hipóteses que podem ser com ela diretamente confrontadas.
  • 6. Epistemologia Conjunto de conhecimentos que têm por objetivo o conhecimento científico, visando explicar os seus condicionamentos (técnicos, históricos, ou sociais; lógicos, matemáticos ou linguísticos), sistematizar as suas relações, esclarecer os seus vínculos e avaliar os seus resultados e aplicações.
  • 7. Teoria Conjunto de princípios fundamentais de uma arte ou de uma ciência. Conjunto de conhecimentos não ingênuos que apresentam graus diversos de sistematização e credibilidade e propõem explicar, interpretar ou unificar um dado domínio de fenômenos ou de acontecimentos que se oferecem à atividade prática.
  • 8. Metodologia Estudos dos métodos e da sua lógica e, especialmente, dos métodos das ciências. Conjunto de técnicas e processos utilizados para ultrapassar a subjetividade e atingir a objetividade.
  • 9. Método Caminho pelo qual se atinge um objetivo. Programa que regula previamente uma série de operações que devem se realizar, apontando erros evitáveis, em vista de um resultado determinado. Método Dedutivo O que emprega a dedução, e cujas premissas são proposições evidentes ou definições razoáveis, cujas verdades serão verificadas posteriormente. Método Hipotético-dedutivo Conjunto de hipóteses sobre a estrutura ou comportamento de um sistema pelo qual se procuram explicar ou prever, dentro de uma teoria científica, as propriedades do sistema.
  • 10. Modelo Representação simplificada e abstrata de fenômeno ou situação concreta, e que serve de referência para a observação, estudo ou análise. Baseado em uma descrição formal de objetos, relações e processos, e que permite, variando parâmetros, manipulando variáveis, simular os efeitos de mudanças do fenômeno que representa.
  • 11. Design Design (to design) do latim Por design se entende como um “designare” - “de” e “signum” processo de formação estética que (marca, sinal), significa em colaboração com a ciência, a desenvolver, conceber. A expressão tecnologia, a engenharia, e outras design surgiu no século XVII, na disciplinas se integra na preparação Inglaterra, como tradução do termo e desenvolvimento dos produtos e italiano “disegno”, mas somente conduz à otimização dos valores de com a produção industrial e com a uso, segundo as exigências técnico- criação das “Schools of Design”, é econômicas da produção industrial. que esta expressão passou a Tomás Maldonado, 1963. caracterizar uma atividade específica no processo de desenvolvimento de produtos. Gustavo Bomfim, 1995.
  • 12. Design O design é uma atividade no extenso O design é uma atividade projetual campo da inovação tecnológica. que consiste em determinar as Uma disciplina envolvida nos propriedades formais dos objetos processos de desenvolvimento de produzidos industrialmente. Por produtos, estando ligada a questões propriedades formais não se do entende apenas as características uso, produção, mercado, utilidade e exteriores, senão, sobretudo, as qualidade formal ou estética de relações funcionais e estruturais que produtos industriais. fazem com que o produto tenha ICSID, 1967. unidade coerente do ponto de vista do produtor, como do consumidor. ICSID 1975. ICSID - International Council of Societies of Industrial Design http://www.icsid.org/about/about/articles31.htm
  • 13. Quem é o Designer? O designer é o profissional que se qualifica por sua formação, seus conhecimentos técnicos, sua experiência e sua sensibilidade visual no grau de determinar os materiais, a estrutura, os mecanismos, a forma, o tratamento superficial, a estética de produtos fabricados em série ou por meio de procedimentos industriais.
  • 14. Criatividade Arthur Koestler, em The Act of Creation (1969), propõe a criatividade como a capacidade de associar. Ou seja, como a capacidade de combinar dois ou mais elementos de conhecimento que, geralmente, não estão associados entre si. Se é criativo quando se possui a capacidade de perceber semelhanças onde os outros demais só vêm diferenças. O fato de unir dois ou mais elementos que sempre se acreditou que são compatíveis podem originar novas ideias.
  • 15. Criatividade O matemático Francês Jules Henri Poincaré, define a criatividade em termos de formação de novas combinações. Com uma condição sine qua non*: a nova combinação de elementos deve ter um valor que faça diferença, e que seja inovadora. O descobrimento e a invenção, a solução de problemas, implica em combinações de pensamentos. A novidade ou originalidade se avaliam ordinariamente como uma condição necessária porém não suficiente, para o que se considera novo tenha a oportunidade de ser avaliado como criativo, será necessário que, segundo algum critério, possua um valor a mais ou específico. A criatividade pode ser definida, por tanto, como aquele tipo de pensamento que resulta na produção de ideias (ou de outro tipo de produto), que são ao mesmo tempo novas e válidas. *Refere-se a uma ação cuja condição ou ingrediente é indispensável e essencial.
  • 16. Design e Criatividade A natureza da criatividade, como também as consequências que ela provoca, sempre despertou a atenção de estudiosos. Quando uma descoberta científica passa de um grupo restrito de especialistas para o grande público, se produz uma transformação de um sistema intelectual e de pensamento lógico, científico e individual, a um pensamento global. Quer dizer, toda noção específica segue regularmente um processo de assimilação que a converte em comum, própria de uma época e de uma cultura. “Pensar específico sobre um fazer concreto.” Fayga Ostrower
  • 17. Lógica e Intuição Uma aparente contradição que, apesar de tudo, funciona. Lógica e intuição, dois caminhos bem diferentes que o cérebro humano utiliza para encontrar a ideia que se determina descobrir, por um lado o caminho da lógica, da evidência, do acerto, da comprovação, e, por outro lado, o caminho da intuição, da criatividade, da inspiração, da inovação, da emotividade.
  • 18. O pensamento criativo ajuda a: 1. Encontrar nossa inspiração criadora. 2. Superar todos os obstáculos que nos impedem de pensar com clareza e objetividade. 3. Superar as barreiras mentais que nos impedem de perceber um problema e a forma correta de encontrar soluções. 4. Descobrir que a criatividade, antes de tudo, requer uma atitude, uma maneira de valorar os estímulos que recebemos. 5. Por em funcionamento os dois elementos fundamentais que desencadeiam qualquer processo criativo: a imaginação e o conhecimento. 6. Descobrir que uma ideia é uma combinação de elementos velhos, composta de conhecimentos gerais e de conhecimentos específicos. 7. Descobrir que a capacidade de conseguir novas combinações com base em elementos velhos depende em grande parte do talento e habilidade para encontrar relações.
  • 19. Tipos de pensamento Em nosso processo mental se alternam dois tipos de pensamento: o reprodutivo e o produtivo criativo. Pensamento Reprodutivo Apreensão, acumulação e reprodução de atos mentais já exercitados, conhecidos e comprovados. Pensamento Produtivo Capacidade de realizar novas combinações que proporcionem novas ideias e novos métodos de pensamento.
  • 20. Pensamento Reprodutivo O pensamento reprodutivo se baseia na repetição de atos mentais já exercitados e conhecidos (e portanto, comprovados), mediante os quais se reproduzem o conhecimento. Se opera com conhecimentos adquiridos, e inevitavelmente, volta- se a obter combinações e conclusões já aprendidas.
  • 21. Pensamento Produtivo Ao contrário, o pensamento produtivo é capaz de obter conclusões novas - utilizando racionalidade reprodutiva -, porém ampliando-as, liberando-as mediante associações de ideias capazes de produzir novas combinações que proporcionam não só novas ideias, como também provocam o aparecimento de novos métodos de pensamento.
  • 22. MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2002. MUNARI, Bruno. Design e comunicação visual : contribuição para uma metodologia didática. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
  • 23. Introdução (…) O método projetual não é mais do que uma série de operações necessárias, dispostas por ordem lógica, ditada pela experiência. O seu objetivo é o de se atingir o melhor resultado com o menor esforço.
  • 24. Introdução (…) no campo do design não se deve projetar sem um método, pensar de forma artística procurando logo a solução, sem se ter feito uma pesquisa para se documentar acerca do que já foi feito de semelhante ao que se quer projetar; sem saber que materiais utilizar para a construção, sem ter precisado bem a sua exata função.
  • 25. Introdução (…) criatividade não significa improvisação sem método (...). A série de operações do método projetual é feita de valores objetivos que se tornam instrumentos de trabalho nas mãos do projetista criativo.
  • 26. Introdução O método projetual para o designer não é nada de absoluto nem definitivo; é algo que se pode modificar se encontrarem outros valores objetivos que melhorem o processo. E isso liga-se à criatividade do projetista que, ao aplicar o método, pode descobrir algo para o melhorar. Portanto, as regras do método não bloqueiam a personalidade do projetista mas, pelo contrário, estimulam-no a descobrir coisas que, eventualmente, poderão ser úteis aos outros.
  • 27. O Problema [P] É preciso saber se um problema tem solução ou não. O problema não se resolve por si só. Entretanto, ele já contém a maior parte dos elementos para a sua solução. É necessário, portanto, conhecê-los e utilizá-los no projeto de solução. (...) é necessário antes de tudo saber distinguir se um problema é resolvível ou não. (…) O problema de design resulta de uma necessidade. (...)
  • 29. Problema [P] Solução [S] O problema não se resolve por si só; no entanto, contem já todos os elementos para a sua solução, é necessário conhecê-los e utilizá-los no projeto de solução.
  • 30. Definição do Problema [DP] Sintetizamos os elementos que compõem o início do método. Definimos objetivos.
  • 31. Definição da Solução Um problema pode ter várias soluções, e é preciso nesse caso definir por qual optamos.
  • 32. A Ideia [I] Muitos projetistas procuram encontrar imediatamente uma ideia para resolver o problema. Mas a ideia não pode ser considerada como solução. As ideias ajudam no desenvolvimento de soluções, mas sozinhas não resolvem o problema.
  • 33. Qualquer que seja o problema pode-se dividi-lo nos seus componentes. Esta operação facilita o projeto porque tende a por em evidência os pequenos problemas singulares que ocultam nos subproblemas.
  • 34. Componentes do Problema [CP] (...) é necessário o projetista ter uma série de informações acerca de cada problema singular para uma maior segurança no projeto. Desmontar um problema nos seus componentes significa descobrir muitos subproblemas. (...) A parte mais árdua do trabalho do designer será a de conhecer as várias soluções com o projeto global. A solução do problema geral está na coordenação criativa das soluções dos subproblemas.
  • 35. Coleta de Dados [CD] (...) é bom recolher todos os dados necessários para estudar os componentes um a um. A ideia que deveria resolver tudo deve deixar-se ainda para mais tarde.
  • 36. Análise de Dados [AD] (...) é bom recolher todos os dados necessários para estudar os componentes um a um. A ideia que deveria resolver tudo deve deixar-se ainda para mais tarde.
  • 37. Criatividade [C] Enquanto a ideia é algo que deveria fornecer a solução bela e pronta, a criatividade se processa de acordo com um método definido e mantém-se nos limites impostos pela análise dos dados colhidos. Quando a criatividade é bem aplicada, dentro dos objetivos do projeto, pode agregar valores e diferenciais.
  • 38. Materiais e Tecnologia [MT] Depois da aplicação da criatividade é que estudamos as possibilidades e definimos os materiais e as tecnológicas mais adequados ao projeto. Nesta fase se define como será executado o projeto.
  • 39. Experimentação [E] Depois do levantamento dos dados sobre os materiais e sobre as técnicas, a criatividade dirige experimentações dos materiais e dos instrumentos para ter ainda outros dados com que estabelecer relações úteis ao projeto.
  • 40. Modelo [M] Da experimentação podem surgir modelos, realizados para demonstrar as possibilidades ou técnicas e usar no projeto.
  • 41. Verificação [V] Nessa altura torna-se necessária uma verificação do(s) modelo(s). Na verificação é quando se observam as falhas, e, caso existam, as correções são realizadas. É a fase para definição de uma solução.
  • 42. Desenho de Construção [DC] Com base em todos os dados pode-se começar a preparar os desenhos construtivos, em escala ou em tamanho natural, com todas as medidas precisas e todas as indicações necessárias à realização do protótipo.
  • 43. Solução [S] A solução final é, então, uma síntese de dados levantados ao longo de todo um processo, e que resultará no produto pronto.